ATUALIZAÇÃO DO MAPA DE ESTRADAS MUNICIPAIS DE SERROLÂNDIA-BAHIA COM USO DE FERRAMENTAS LIVRES: INTEGRAÇÃO ENTRE O QUANTUMGIS E O GOOGLE EARTH.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUALIZAÇÃO DO MAPA DE ESTRADAS MUNICIPAIS DE SERROLÂNDIA-BAHIA COM USO DE FERRAMENTAS LIVRES: INTEGRAÇÃO ENTRE O QUANTUMGIS E O GOOGLE EARTH."

Transcrição

1 ATUALIZAÇÃO DO MAPA DE ESTRADAS MUNICIPAIS DE SERROLÂNDIA-BAHIA COM USO DE FERRAMENTAS LIVRES: INTEGRAÇÃO ENTRE O QUANTUMGIS E O GOOGLE EARTH. Márcio Lima Rios 1 Márcio Daniel Vilas Boas dos Santos 2 Alice Mota Lima 3 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus Senhor do Bonfim Estrada da Igara s/n. Zona Rural Senhor do Bonfim Bahia. CEP: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus Senhor do Bonfim 3 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus Senhor do Bonfim RESUMO As estradas vicinais de terra são muito importantes na integração entre os espaços rurais, distritos, povoados e a cidade sede, funcionam como canal de escoamento da produção econômica e para mobilidade populacional no interior do município. Seu conhecimento, a partir do mapeamento, acarreta um significativo ganho para gestão do território municipal. No entanto, para muitos municípios do interior da Bahia, os únicos mapas de seus territórios são os disponibilizados pelo IBGE, que muitas das vezes são complexos, desatualizados e pouco divulgados. O presente trabalho teve como objetivo construir um mapa simplificado e didático do município de Serrolândia-BA, contendo rodovias, estradas vicinais, povoados e principais localidades rurais, construído a partir de softwares livres e de fácil acesso. Inicialmente foi montado um projeto no SIG QuantumGis 2.0 com as seguintes camadas (layer): Mapa Municipal de Serrolândia do Censo 2010 do IBGE; vetores das estradas e das localidades das cartas topográficas digitais SC.24-Y-D-I e SC.24-Y-D-IV ; Imagens do Satélite Rapideye, com resolução espacial de 5 metros; ferramenta Google Satellite Layer do pacote Open Layers Plugin, disponibilizada como complemento no software Quantum Gis 2.0, capaz de exibir as imagens do Google Earth na tela do QGIS. A partir desse momento foi possível comparar as diferentes formas de exibição das estradas do município, buscando ajustar os vetores de acordo com o referido fenômeno apresentado no Layer do Google Satélite, quando este possuía alta resolução em suas imagens, do contrário, era utilizado como base para correção, as cenas do satélite Rapideye. Outra etapa foi a vista in loco com GPS de Navegação e com apoio de guias locais. Nesta, utilizando-se da função Trajetos no GPS, foi possível criar um vetor de linha representando as estradas visitadas em campo, que inseridas no software, também serviram de base para os ajustes nos vetores das cartas topográficas do IBGE. Também na mesma visita em campo foi possível a conferência e atualização das localidades no interior do município. Após a conclusão das atividades verificou-se significativas diferenças entre os vetores originais do IBGE e os vetores atualizados nesse trabalho. Estradas que surgiram há mais de duas décadas não eram apresentadas nos vetores antigos, sendo acrescentadas aos novos; diversos trechos e/ou percursos que sofreram modificações ao longo dos anos, foram devidamente ajustados; algumas estradas presentes nos vetores antigos não mais existem, sendo essas, eliminadas; e foi realizada a atualização da tipologia das estradas. Com a atualização dos dados e baseado nos recursos utilizados, foi possível produzir um mapa numa escala de 1: (folha A2). O mapa municipal não era utilizado pelas escolas e nem por outras instâncias da comunidade, mas a partir de softwares livres e recursos de baixo custo, acessível a qualquer prefeitura no Brasil, foi produzido de forma satisfatória, 1

2 rápida e eficiente um importante instrumento de gestão do território e uma potente ferramenta pedagógica, que, a partir desse trabalho, poderá ser utilizada por setores público e privado. Palavras chaves: Mapeamento de Estradas e Povoados, Atualização de Vetores do IBGE, Uso de Softwares Livres. ABSTRACT The feed roads are very important in the integration between the rural areas, townships, villages and the host city, they work as an outflow of the economic production and population mobility within the countryside. Its knowledge, from mapping, causes a significant gain for management of the municipal territory. However, for many country towns from Bahia, the only maps of its territories are provided by IBGE, which are often complex, outdated and poorly publicized. This study aimed to construct a simplified and didactic map of Serrolândia-BA, containing highways, feed roads, villages and major rural localities; it was made from free softwares and easy to access. Initially a project was set up in GIS Quantum GIS 2.0 with the following layers (Layer): Map of the Serrolândia Town from the 2010 Census of IBGE; vectors of the roads and localities of the digital topographic map: 'SC.24-YD-I' and 'SC.24-YD-IV'; RapidEye Satellite images with a spatial resolution of 5 meters; Google Satellite Layer tool package OpenLayers Plugin, it is available as a supplement in Quantum Gis 2.0, it is capable of displaying images from Google Earth software in the QGIS front. From that momenton it was possible to compare the different ways of displaying the roads of the town, willing to adjust the vectors according to the above stated phenomenon in Layer Google TV, when it had its high-resolution images, otherwise, scenes of the RapidEye Satellite were used as a basis for correction. Another step was the view in loco with GPS navigation and support of local guides. In this, using the Trajetosfunction on the GPS, it was possible to create a row vector representing the roads visited in the field research, which entered into the software, they were also used as basis for adjustments in vectors of topographic maps from IBGE.It was also possible on fieldresearch the conference and updating of localities of the municipality. After completion of the activities, there were significant differences between the original vectors IBGE and updated vectors in this work. Roads that appeared since more than two decades were not presented in the old vectors being added to the new; various stretches and/or pathways that have been modified over the years, they have been adjusted; some roads present in old vectors no longer exist, these being eliminated; and the update of the typology of roads was performed. With the update of the data and based on the resources used, it was possible to produce a map on a scale of 1: (sheet A2). The town map was not used by schools and by other agencies or the community, but from free software and low-cost resources, available to any municipality in Brazil, was produced satisfactorily, quickly and efficiently an important management tool territory and a powerful educational tool, which, from this work, it can be used by public and private sectors. Keywords: Mapping Roads and Villages, IBGE Vectors update, Use of Free Software. 1. INTRODUÇÃO As estradas vicinais de solo exposto, isto é, sem pavimentação asfáltica (estradas rurais) são muito importantes na integração entre os espaços rurais, distritos, povoados e a cidade sede, funcionam como canal de escoamento da produção econômica (principalmente agropecuária) e para mobilidade populacional no interior do município. Nunes ( 2003) aponta que essas estradas são de fundamental importância econômica e social para as comunidades rurais, representam grande parte da malha rodoviária brasileira. Para o referido autor essas vias exercem a função de alimentadoras, pois é através delas que ocorrem a ligação entre as comunidades produtoras e as grandes rodovias pavimentadas ou o centro comercial mais próximo. Segundo Salbego et al. (2006), do total da rede viária brasileira, em torno de 91% estão sob jurisdição de governos municipais, sendo 8% de sob governos estaduais e apenas 1% de responsabilidade na esfera federal. Sabendo que as estradas vicinais são controladas pelos municípios, essa informação confirma a importância dessas vias para a economia não apenas local, mas também de todo país. O conhecimento das estradas vicinais, a partir do mapeamento, é certamente um instrumento fundamental no controle da quantidade e de suas qualidades, acarretando um significativo ganho para gestão do território municipal. Para Vergara et al. (2005) documentos cartográficos são ferramentas fundamentais para conhecimento territorial na escala local, regional e global, ajudando na tomada de decisões necessárias para o planejamento ambiental e o gerenciamento de recursos, bem como na solução de problemas socioeconômicos. Nessa perspectiva os mapas de 2

3 localidades e estradas vicinais rurais contribuem na organização e planejamento territorial. Para muitos municípios do interior da Bahia, os únicos mapas de seus territórios são os disponibilizados pelo IBGE, que muitas das vezes são complexos, desatualizados e pouco divulgados, acarretando um distanciamento entre a comunidade local e a cartografia de seu município. Deve-se levar em consideração que a atualização cartográfica não é um tópico apenas de interesse técnico, mas sobretudo de interesse econômico e social. Os trabalhos de atualização cartográfica estão sendo feitos com o uso de técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto, a partir de sistemas de informações geográficas-sig e interpretação de imagens de satélite. Estas técnicas além de serem mais precisas que as convencionais, disponibilizam os dados em formato digital. Para Salbego et al. (2006) a disponibilização de informações em formato digital possibilita uma redução nos custos dos processos de atualização e substituição, tendo em vista que os produtos gerados a partir de SIG podem ser atualizados, editados, impressos e duplicados mais rápido e facilmente do que aqueles gerados por métodos tradicionais. O presente trabalho teve como objetivo construir um mapa e um banco de dados digital atualizados e simplificados do município de Serrolândia-BA, contendo rodovias, estradas vicinais, distritos, povoados e principais localidades rurais, confeccionados a partir de softwares livres e de fácil acesso (QuantumGis 2.0 e Google Earth), para em seguida apresentar à comunidade como um forte instrumento pedagógico nas escolas municipais e como um eficiente instrumento de planejamento para a prefeitura, além de auxiliar no reconhecimento espacial do território pela comunidade. 2. MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 Síntese do Município A cidade de Serrolândia localiza-se no centro norte da Bahia, há aproximadamente 320 km da capital, Salvador (coordenadas de latitude Sul e de longitude Oeste). De acordo com IBGE (2014) o município possui uma área de 295,85 Km² e sua população estimada em habitantes para o ano de Ainda de acordo com o IBGE, seu IDMH é de 0,590 (em 2010), o PIB per capita é de R$ 4.690,21 (em 2011), e um PIB de R$58.182,00 (2011), sendo considerado um município com economia bastante limitada. Seu território possui relevo predominantemente plano a suave ondulado, com clima semiárido e hidrografia intermitente. A Fig. 1 apresenta o contexto da localização do território de Serrolândia, assim como, os municípios vizinhos. Fig. 1 Localização de Serrolândia e municípios vizinhos no Estado da Bahia-Brasil. 2.2 Procedimentos Inicialmente foi montado um projeto no SIG QuantumGis 2.0 configurado no Datum Sirgas 2000, utilizando dados livres e disponibilizados na Internet: camada (layer) 1 - o Mapa Municipal de Serrolândia do Censo 2010 (IBGE, 2013), em formato PDF e com escala de 1: , sendo este, georreferenciado e organizado como camada raster no projeto; camada 2 - os vetores de estradas e de localidades, presentes nas cartas topográficas (escala de 1: ) digitais SC.24-Y-D-I (Caldeirão Grande) e SC.24-Y-D-IV (Mundo Novo) que cobrem o município de Serrolândia (IBGE, 2013); camada 3 - ferramenta Google Satellite Layer do pacote Open Layers Plugin, disponibilizada como complemento no software QuantumGis 2.0, capaz de exibir as imagens do Google Earth na tela do QGIS (apenas foram utilizadas as imagens de alta resolução). A quarta camada foi composta por imagens ortorretificadas do satélite 3

4 Rapideye, com resolução espacial de 5 metros, datadas de novembro de 2011, que serviu de base para o georreferenciamento. Foi construído um novo vetor representando os limites do município, para em seguida iniciar a conferência e correção do vetor de estradas extraídas das cartas topográficas digitais do IBGE a partir da sobreposição com imagens do Google Earth e das imagens Rapideye. Nesse momento foi possível comparar as diferentes formas de exibição das estradas do município, buscando ajustar os vetores de acordo com o referido fenômeno apresentado no Layer do Google Satélite, quando este possuía alta resolução em suas imagens, do contrário, era utilizado como base para correção, as cenas do satélite Rapideye. Em alguns trechos do município a má qualidade das imagens não permitia uma verdadeira conclusão da existência da estrada e também de sua tipologia. Para isso foi fundamental a vista in loco com GPS de Navegação e com apoio de guias locais, se constituindo como uma segunda etapa do projeto. Com o uso da função Trajetos no GPS, foi possível criar um vetor de linha representando as estradas visitadas em campo, que inseridas no software, também serviram de base para os ajustes (inclusões, exclusões e alterações) nos vetores das cartas topográficas do IBGE. Também na mesma visita em campo foi possível a conferência e atualização das localidades (fazendas, povoados e comunidade rurais) no interior do município, além da organização tipológica das estradas (estrada estreita; estrada secundária; estrada principal). A terceira e última etapa foi a organização dos dados no software QuantumGis 2.0 e a confecção final do mapa, utilizando o módulo Compositor de Impressão do referido programa. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Após a confecção do mapa verificou-se significativas diferenças entre os vetores originais do IBGE e os vetores atualizados nesse trabalho. Estradas que surgiram há mais de duas décadas não eram apresentadas na malha vetorial antiga, a exemplo da Rodovia Estadual BA-417 (principal acesso à cidade de Serrolândia), construída e asfaltada desde a década de 1980, e que não aparecia nos vetores do IBGE. Nesse caso, feições vetoriais de linhas foram acrescentadas à malha já existente. Diversos trechos foram incorporados, representando uma efetiva atualização. A Fig. 2 apresenta trecho no município de Serrolândia cuja estrada não existia nas feições dos vetores antigos. Fig. 2- A seta branca aponta estrada existente, exibida na imagem do Google Earth e não presente nos vetores do IBGE (linhas tracejadas). A seta preta aponta estrada não mais existente. Trecho localizado à 3km ao oeste do povoado do Maracujá (localização da seta branca: 11,50200 S e 40,23988 W). Algumas estradas presentes nos vetores antigos não mais existem, como o trecho indicado pela seta preta na Fig. 2. No processo de atualização essas estradas foram eliminadas. Na Fig. 3, a seguir, é apresentado um mapa de um recorte no interior do município de Serrolândia que compara as estradas dos vetores antigos (IBGE) com as estradas dos vetores atualizados. 4

5 Fig. 3 Mapa comparativo entre os vetores de estradas do IBGE e os vetores atualizados. Trecho centralizado do mapa na comunidade de Várzea Bonita, à sudeste da cidade de Serrolândia. Coordenadas UTM Zona 24 Sul. A Fig. 3 apresenta de forma visível as significativas alterações sofridas nos vetores de estadas do município. De forma quantitativa, percebe-se que numa área de 82 Km² (área apresentada no recorte espacial representado no mapa da Fig. 3) ocorreu a inserção de 20 novos trechos (letra A no mapa) e a exclusão de 12 trechos (letra B no mapa) que não representam estradas atualmente. Vale frisar que muitas dessas estradas se tornaram corredores e trilhas no interior de fazendas. É válido apresentar também, que diversos percursos sofreram significativas modificações ao longo dos anos. São estradas que mantém a mesma interligação, mas alguns trechos sofreram deslocamentos. Nesse caso, foi necessário os devidos ajustes, seguido o atual percurso. Com a atualização dos dados e baseado nos recursos utilizados foi possível produzir um mapa numa escala de 1: , confeccionado em folha A2, que neste artigo foi reduzido para a escala 1: (Fig. 4). Vale frisar que os dados originais estão numa escala de 1: , mas com os materiais utilizados (Imagem de Satélite com 5 metros de resolução, Imagem Google Earth com alta resolução e atividade de campo com GPS) foi possível uma ampliação no produto final, sabendo da possibilidade de confecção de mapas com escalas ainda maiores que 1: A Fig. 4 apresenta a distribuição espacial das estradas no município de Serrolândia. Como informação complementar, verificou-se que apenas 12 Km de estradas são asfaltadas, correspondendo a rodovia estadual BA-417, sendo todas as outras de domínio municipal (365 km), inexistindo pavimentação asfáltica. Vale destacar que muitas das chamadas estradas estreitas possuem péssimas condições para o fluxo de automóveis, além de eventualmente possuírem porteiras/cancelas no percurso, estas, apesar das referidas condições, possuem uso público. As estradas consideras particulares, de acesso a sítios e fazendas, não foram mapeadas. Na Fig. 4, as chamadas fazendas/comunidades não são localidades pontuais, e sim, áreas rurais povoadas sem limites delimitados e com relativa extensão. Foram cadastradas no banco de dados e apresentadas no mapa, 46 fazendas/comunidades, algumas já presentes no mapa do IBGE e outras informadas pela população local e prefeitura municipal. Esse trabalho deve ser aprofundo com atividades de campo mais amplas, para cadastramento completo de todas as fazendas/comunidades no município, já que esse trabalho certamente não atingiu a totalidade real. As localidades de Assentamento Caiçara, Alto do Coqueiro e Várzea do Uruçú, apesar de menores, passaram ter destaque no mapa com tipologia de Povoados, seguindo indicação da população local e prefeitura, se juntando aos já reconhecidos povoados de Maracujá, Salamin, Roçadinho, Novolândia, Boa Vista e Varzelândia. As drenagens do município são todas compostas por rios/riachos temporários com longo período sem água na superfície. Os dados representados no mapa da Fig. 4 são do IBGE, estão incompletos e não foram alterados nesse trabalho. 5

6 Fig. 4 Mapa de Estradas e localidades do Município de Serrolândia Bahia. 6

7 Essas alterações promovidas na malha vetorial de estradas do município garantem a importância do presente trabalho, considerando que o mapa produzido está condizente com a atual disposição espacial dos acessos e dos canais de escoamento da zona rural. A partir desse material a prefeitura e outras instâncias possuem informações organizadas em SIG, que dispõe de um banco de dados de fácil atualização e alteração. O banco de dados apenas possui informações sobre a quantidade, extensões e tipologia das estradas, cabendo diversos outros elementos como, tipo de fluxos, data das manutenções/reparos, nível de escoamento da produção agrícola, utilização para transporte escolar, dentre outros, facilitando o gerenciamento e planejamento territorial no município. Como os elementos espaciais apresentados no mapa foram poucos (localidades; malha viária; algumas drenagens e limites municipais) o material cartográfico se tornou didático, podendo facilmente ser apropriado pedagogicamente pelos professores do ensino básico durante suas aulas, contribuindo nas discussões a respeito da cartografia do município e das condições geográficas locais. 4. CONCLUSÃO O mapa municipal nunca foi utilizado na comunidade de Serrolândia, mas a partir de softwares livres e recursos de baixo custo, acessível a qualquer prefeitura no Brasil, foi produzido de forma satisfatória, rápida e eficiente um importante instrumento de gestão do território e uma potente ferramenta pedagógica, que podem ser utilizadas pelos setores público e privado do município. A mesma metodologia utilizada nesse trabalho pode ser aplicada em outros municípios do Brasil com pequenas adaptações, objetivando a confecção de mapas municipais de estradas e localidades. AGRADECIMENTOS A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano/IF Baiano pelo apoio financeiro. A Secretaria de Educação do Município de Serrolândia-Bahia pelo apoio logístico. REFERÊNICAS IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Cidades: Serrolândia-Bahia. Disponível em <http://cod.ibge.gov.br/k9y>. Acesso: 15 de maio de Downloads Geociênicas. Disponível em <http://downloads.ibge.gov.br/downloads_geociencias.htm. Acesso: 20 de novembro de NUNES, T.V.L. Método de previsão de defeitos em estradas vicinais de terra com base no uso das redes neurais artificiais: trecho de Aquiraz-CE. 2003, 118f. Dissertação (Mestrado) Programa de Mestrado em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, SALBEGO A. G.; GIOTTO, E.; MADRUGA, P. R. A. Geoprocessamento aplicado ao diagnóstico e espacialização da infra-estrutura viária rural. Ambiência, Guarapuava-PR, v.2, n.2, p , jul/dez VERGARA, O. R.; CINTRA, J. P. ; D ALGE, J. C. L. Atualização cartográfica integrando técnicas de sensoriamento remoto, processamento de imagens e sistemas de informação geográfica. In: X Simpósio Latino Americano de Percepción Remota, La Paz, Anais,

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO UTILIZAÇÃO DE GEOPROCESSAMENTO PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE A EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DE ENSINO FUNDAMENTAL EM ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA: BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DO SALSO PORTO ALEGRE/RS PEDRO GODINHO

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO IMOBILIÁRIO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE A PARTIR DO USO DE SOFTWARES LIVRES. Érika Gonçalves Pires 1,2 Kaykc Moreira de Sousa 1

CADASTRO TÉCNICO IMOBILIÁRIO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE A PARTIR DO USO DE SOFTWARES LIVRES. Érika Gonçalves Pires 1,2 Kaykc Moreira de Sousa 1 CADASTRO TÉCNICO IMOBILIÁRIO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE A PARTIR DO USO DE SOFTWARES LIVRES. Érika Gonçalves Pires 1,2 Kaykc Moreira de Sousa 1 1 Instituto Federal do Tocantins - IFTO/Palmas Coordenação

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR Ana Laura Reichert CENTENARO 1, Danielli BATISTELLA 1 Gabriela SUZIN 1, Morgana Gabriela RAYMUNDI 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A POPULAÇÃO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA BAHIA. 1 RESUMO

APONTAMENTOS SOBRE A POPULAÇÃO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA BAHIA. 1 RESUMO 1 APONTAMENTOS SOBRE A POPULAÇÃO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA BAHIA. 1 Ana Emília de Quadros Ferraz Altemar Amaral Rocha Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS 1- Introdução CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS As demandas por informações georreferenciadas são cada vez mais freqüentes nos projetos em desenvolvimento no IBGE. A Base Territorial como um projeto

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL Maria Cecília Bonato Brandalize maria.brandalize@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curso

Leia mais

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Helio Larri Vist Geógrafo Mestre em Sensoriamento Remoto Ayr Müller Gonçalves Educador Físico e Graduando em Segurança da Informação Rai Nunes dos Santos

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL E CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JAGUARIÚNA - SP

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL E CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JAGUARIÚNA - SP AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL E CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JAGUARIÚNA - SP 1. Objetivos Aquisição de imagens de satélite de alta resolução

Leia mais

Crescimento Demográfico no Estado da Bahia, 2000 A 2010:Uma Contribuição Estatístico-Cartográfica

Crescimento Demográfico no Estado da Bahia, 2000 A 2010:Uma Contribuição Estatístico-Cartográfica Barbara-Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL e do Programa de Pós-graduação em Geografia/UFBA. Pesquisadora/CNPq Grupo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

USO DE GEOTECNOLOGIA COMO SUPORTE NA GESTÃO TERRITORIAL EM ÁREA URBANA

USO DE GEOTECNOLOGIA COMO SUPORTE NA GESTÃO TERRITORIAL EM ÁREA URBANA USO DE GEOTECNOLOGIA COMO SUPORTE NA GESTÃO TERRITORIAL EM ÁREA URBANA ÉRICA SOARES MENDES 1 ROBERTO NUNES VIANCONI SOUTO 2 VANDERLEY SEVERINO DOS SANTOS 3 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS Roberto Carlos Soares Nalon Pereira Souza, Marcos Cicarini Hott, Vitor

Leia mais

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM 1. Objetivos Confecção da base cartográfica vetorial georreferenciada, tendo como referência

Leia mais

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR Machado, F. (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - UNICENTRO) ; Pelegrina,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL MOURA, A. L. A. 1 ; SÁ, L. A. C. M 2 RESUMO - A presente pesquisa está sendo desenvolvida com o objetivo de formular uma base de dados espaciais

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E ATUALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS VETORIAL GEORREFERENCIADA NAS ÁREAS DE INTERESSE DO PROJETO OESTE DA BAHIA

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E ATUALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS VETORIAL GEORREFERENCIADA NAS ÁREAS DE INTERESSE DO PROJETO OESTE DA BAHIA TERMO DE REFERENCIA PARA PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E ELABORAÇÃO/ATUALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E ATUALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS NAS ÁREAS DE INTERESSE DO PROJETO OESTE

Leia mais

Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias

Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias Wellington Nunes de Oliveira 1 Bernard Silva de Oliveira 2 Helber de Carvalho 3 Helci Ferreira

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE

ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE A. C. Praciano 1 ; R. A. de O. Leão 2 ; D. Albiero 3 ; L. de A. Monteiro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC SERVIÇOS DE COMPILAÇÃO DE DADOS GEORREFERENCIADOS DE PROPRIEDADES RURAIS, IDENTIFICAÇÃO DE INCONSISTÊNCIAS E PROPOSIÇÃO DE AJUSTES BASEADO NA REALIDADE DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO DO MUNICÍPIO DE PALMAS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ESPACIAIS DIGITAL PARA O MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL-RS

ATUALIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ESPACIAIS DIGITAL PARA O MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL-RS ATUALIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ESPACIAIS DIGITAL PARA O MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL-RS 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão preservar

Leia mais

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANDERSON CARLOS SOUSA CALIL NILMA JOSY SILVA DA SILVA SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO

Leia mais

GEOCODIFICAÇÃO DE ENDEREÇOS

GEOCODIFICAÇÃO DE ENDEREÇOS GEOCODIFICAÇÃO DE ENDEREÇOS Sergio Vicente Denser Pamboukian 1, Gabriella Teixeira Dias Leite 2, Larissa Porteiro Carminato 3 Resumo Muitas vezes, informações referenciadas apenas pelo endereço do seu

Leia mais

Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth. Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A.

Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth. Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A. wveloso@cemig.com.br RESUMO

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 AQUISIÇÃO, TRATAMENTO E DISPONIBILIZAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Daniela Maroni (1) Denize Fabiani (2) Malu Durante (3) Tatiana Chiodi (4) (1) Aluna da Escola de Arquitetura e Urbanismo, IMED,

Leia mais

Novas tendências para a geração e gerenciamento de dados geográficos desenvolvidas pelo Consórcio Cadic - Dmapas

Novas tendências para a geração e gerenciamento de dados geográficos desenvolvidas pelo Consórcio Cadic - Dmapas Novas tendências para a geração e gerenciamento de dados geográficos desenvolvidas pelo Consórcio Cadic - Dmapas Eng. Ignacio de las Peñas CADIC - DMAPAS Dados básicos das empresas que formam o consórcio

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB210 GEOPROCESSAMENTO SEGUNDO SEMESTRE DE 2013 PROF. DR. CARLOS ALBERTO

Leia mais

Percepção dos alunos do 3º ano do ensino médio de escolas pública e privada sobre o curso de agroecologia no IFPB campus Picuí

Percepção dos alunos do 3º ano do ensino médio de escolas pública e privada sobre o curso de agroecologia no IFPB campus Picuí Percepção dos alunos do 3º ano do ensino médio de escolas pública e privada sobre o curso de agroecologia no IFPB campus Picuí Perception of students of 3 year average public and private schools on course

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO PARA O GERENCIAMENTO DAS ATIVIDADES DE TELECOMUNICAÇÕES

USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO PARA O GERENCIAMENTO DAS ATIVIDADES DE TELECOMUNICAÇÕES USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO PARA O GERENCIAMENTO DAS ATIVIDADES DE TELECOMUNICAÇÕES OLIVEIRA, K. A. S. D. 1 ; LEITE, M. L. DE O. 2 ; MENEZES, A. R. 3 ; MEDEIROS, S. L. 4 RESUMO:

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar.

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. Letícia Palazzi Perez 1 Homero Fonseca Filho 1 Tatiana Mora

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

BRAZILIAN HORIZONTAL GEODETICS DATA -CÓRREGO ALEGRE AND CHUÁ- THEIR INVENTORIES AND NECESSITY FOR PRESERVATION LIKE HISTORICAL CARTOGRAPHY MONUMENTS

BRAZILIAN HORIZONTAL GEODETICS DATA -CÓRREGO ALEGRE AND CHUÁ- THEIR INVENTORIES AND NECESSITY FOR PRESERVATION LIKE HISTORICAL CARTOGRAPHY MONUMENTS DATA GEODÉSICOS HORIZONTAIS BRASILEIROS - CÓRREGO ALEGRE E CHUÁ - SUAS EXISTÊNCIAS E A NECESSIDADE DE PRESERVAÇÃO COMO MONUMENTOS DA CARTOGRAFIA HISTÓRICA BRAZILIAN HORIZONTAL GEODETICS DATA -CÓRREGO ALEGRE

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 GEOPROCESSAMENTO E FOTOINTERPRETAÇÃO APLICADOS À ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS E ESPACIAIS PROVOCADAS PELO TURISMO NAS COMUNIDADES MASSAGUEIRA/RUA NOVA, MARECHAL DEODORO, ALAGOAS ARAUJO, L.

Leia mais

Base Cartográfica Digital como Instrumento de Gestão no Sistema de Abastecimento de Água.

Base Cartográfica Digital como Instrumento de Gestão no Sistema de Abastecimento de Água. Base Cartográfica Digital como Instrumento de Gestão no Sistema de Abastecimento de Água. Roberta Mara Oliveira, 1 ; Klebber Teodomiro Formiga 1, Giovanni de Araujo Boggione 2 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC)

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Introdução... 3 1.1 Referência Espacial... 3 1.2 Sistema de Referência de Coordenadas (SRC)...3 1.3

Leia mais

4ª aba do cadastro: Mapa Orientações para upload de shapefiles

4ª aba do cadastro: Mapa Orientações para upload de shapefiles Conteúdo: 1. Como fazer upload de arquivos espaciais no SiCAR-SP? Formato dos arquivos Características do shapefile Sistema de Coordenadas requerido Como preparar o shapefile para o upload 2. O que fazer

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS EM SISTEMA CONDOMINIAL DE ESGOTO - MUNICÍPIO DO NATAL/RN

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS EM SISTEMA CONDOMINIAL DE ESGOTO - MUNICÍPIO DO NATAL/RN p. 001-005 O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS EM SISTEMA CONDOMINIAL DE ESGOTO - MUNICÍPIO DO NATAL/RN ELIEZER MAZZETTI ROSA *Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

Avaliação e definição do melhor método empregado no cálculo dos volumes de corte e aterro utilizando o software Spring 5.2.6

Avaliação e definição do melhor método empregado no cálculo dos volumes de corte e aterro utilizando o software Spring 5.2.6 Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto SBSR, João PessoaPB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE Avaliação e definição do melhor método empregado no cálculo dos volumes de corte e aterro

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 6 Geoprocessamento Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 156 O que é geoprocessamento? Consiste no uso de ferramentas computacionais

Leia mais

Análise do transporte coletivo urbano do município de Florianópolis SC com base nos dados do sistema de bilhetagem eletrônica.

Análise do transporte coletivo urbano do município de Florianópolis SC com base nos dados do sistema de bilhetagem eletrônica. Análise do transporte coletivo urbano do município de Florianópolis SC com base nos dados do sistema de bilhetagem eletrônica. Victor Marques Caldeira 1 ; Alexandre Hering Coelho 2 Universidade Federal

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações.

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações. PROCESSO 014-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações. A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Estudo de Paisagem do Município de São Félix do Xingu Pará

TERMO DE REFERÊNCIA Estudo de Paisagem do Município de São Félix do Xingu Pará TERMO DE REFERÊNCIA Estudo de Paisagem do Município de São Félix do Xingu Pará Código: TDR_Métricas de Paisagem 1. CONTEXTUALIZAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Diagnóstico Ambiental do Município de São Leopoldo (Relatório da Implantação

Leia mais

Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado. Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3

Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado. Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3 Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3 1 ONG Parceiros Voluntários - Porto Alegre-RS 2 pdaniloalves@hotmail.com

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS MESSIAS, M ; Programa de Pós Graduação em Geociências Mestrado - UFF, Outeiro de São João Batista, s/nº - 5º andar Centro, Niterói

Leia mais

Introdução ao ArcGIS

Introdução ao ArcGIS Introdução ao ArcGIS Maria Cecilia Brandalize Novembro, 2011 Tópicos O que é um SIG? A estrutura do ArcGIS Dados utilizados no ArcGIS Operações básicas com o ArcGIS Edição de dados Combinação de dados

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB

INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB Adriano Peixoto Panazzolo (*), Augusto Gattermann Leipnitz, Daniela Viegas, Társio Onofrio Cardoso da Silva, Thiago

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento Econômico x Espaço Urbano no município de Montes Claros/MG Através de Sistema de Informação Geográfica

Avaliação do Desenvolvimento Econômico x Espaço Urbano no município de Montes Claros/MG Através de Sistema de Informação Geográfica Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.0863 Avaliação do Desenvolvimento Econômico x Espaço Urbano no município de Montes

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO

Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO Este artigo apresenta os primeiros resultados do desenvolvimento

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Laboratório de Métricas da Paisagem (Mepa) Dep. de Geografia / UFRR. Coord. Prof. Thiago M Carvalho. http://ufrr.br/mepa.

Laboratório de Métricas da Paisagem (Mepa) Dep. de Geografia / UFRR. Coord. Prof. Thiago M Carvalho. http://ufrr.br/mepa. Laboratório de Métricas da Paisagem (Mepa) Dep. de Geografia / UFRR Coord. Prof. Thiago M Carvalho http://ufrr.br/mepa Aulas Quantum GIS Adicionar uma base cartográfica serviço web. Exemplo: malha de Boa

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

Nota 3 Técnica. Sistemas computacionais utilizados na estruturação do SITE MATOPIBA. Carlos Alberto de Carvalho 1 Jaudete Daltio 2

Nota 3 Técnica. Sistemas computacionais utilizados na estruturação do SITE MATOPIBA. Carlos Alberto de Carvalho 1 Jaudete Daltio 2 Nota 3 Técnica Campinas, SP dezembro, 2014 Sistemas computacionais utilizados na estruturação do SITE MATOPIBA Carlos Alberto de Carvalho 1 Jaudete Daltio 2 1 Mestre em ciência da computação e analista

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DE MAPAS TEMÁTICOS E IMAGENS DE SATÉLITE NO APLICATIVO IDRISI

GEORREFERENCIAMENTO DE MAPAS TEMÁTICOS E IMAGENS DE SATÉLITE NO APLICATIVO IDRISI GEORREFERENCIAMENTO DE MAPAS TEMÁTICOS E IMAGENS DE SATÉLITE NO APLICATIVO IDRISI NOGUEIRA R.N. ; SILVEIRA R.J.C da & PEREIRA R.S. UFSM/ CCR/ Depto. Eng. Rural - Campus Universitário - CEP 979-900 - Santa

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 01 de fevereiro de 2005.

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 01 de fevereiro de 2005. RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES DO PROJETO TEMÁTICO URBANIZAÇÃO DISPERSA E MUDANÇAS NO TECIDO URBANO. ESTUDO DE CASO: ESTADO DE SÃO PAULO Bolsista: Alessandra das Graças Portela Instituição: INPE Instituto

Leia mais

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO.

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO. TERMO DE REFERENCIA SERVIÇO DE GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO (MDT) DA BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUSSU NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO A. BACKGROUND A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Uso de AutoCAD Map 3D para desenvolvimento de análise Multi-Critério Kátia Góes Mestrando UERJ

Uso de AutoCAD Map 3D para desenvolvimento de análise Multi-Critério Kátia Góes Mestrando UERJ Uso de AutoCAD Map 3D para desenvolvimento de análise Multi-Critério Kátia Góes Mestrando UERJ A proposta metodológica se insere na temática de Turismo Sustentável em áreas rurais e teve como área de estudo

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE META Apresentar os principais elementos que podem figurar nas cartas topográficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

ANALISE PRELIMINAR DA OCORRÊNCIA DE ÁGUAS NO SUBSOLO DE BREJO DO CRUZ PB.

ANALISE PRELIMINAR DA OCORRÊNCIA DE ÁGUAS NO SUBSOLO DE BREJO DO CRUZ PB. ANALISE PRELIMINAR DA OCORRÊNCIA DE ÁGUAS NO SUBSOLO DE BREJO DO CRUZ PB. Franklin Mendonça Linhares 1 ; Pedro Costa Guedes Vianna 2 ; José Yure Gomes dos Santos 3 ; Victor Hugo Rabelo Coelho 4 RESUMO:

Leia mais

Cerrado Online: Plataforma de Distribuição de Informações Geográficas Produzidas pelo Programa de Monitoramento de Desmatamentos do Bioma Cerrado

Cerrado Online: Plataforma de Distribuição de Informações Geográficas Produzidas pelo Programa de Monitoramento de Desmatamentos do Bioma Cerrado Cerrado Online: Plataforma de Distribuição de Informações Geográficas Produzidas pelo Programa de Monitoramento de Desmatamentos do Bioma Cerrado Levindo Cardoso de Medeiros 1 Nilson Clementino Ferreira

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL DE ESTABELECIMENTOS RURAIS EM PALMAS

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL DE ESTABELECIMENTOS RURAIS EM PALMAS SERVIÇOS DE LEVANTAMENTO GEORREFERENCIADO DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS DE ELABORAÇÃO DE CADASTROS AMBIENTAIS RURAIS CAR NO MUNICÍPIO DE PALMAS NO ESTADO DE TOCANTINS 1. Contextualização O Ministério Público

Leia mais

USO DA CARTOGRAFIA DIGITAL NA VERIFICAÇÃO DE PLANTAS DE LOTEAMENTOS: ESTUDO DE CASO DA APA TAMBABA/ PB

USO DA CARTOGRAFIA DIGITAL NA VERIFICAÇÃO DE PLANTAS DE LOTEAMENTOS: ESTUDO DE CASO DA APA TAMBABA/ PB USO DA CARTOGRAFIA DIGITAL NA VERIFICAÇÃO DE PLANTAS DE LOTEAMENTOS: ESTUDO DE CASO DA APA TAMBABA/ PB MENESES, L. F. 1 ; PEDROSA, E. C. T. 2 ; SILVA NETO, V. M. 3 RESUMO: Este trabalho visa a apresentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO

AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO AVALIAÇÃO DE IMAGENS DO SENSOR QUICKBIRD DE ACORDO COM O DECRETO N. 89.817/84 PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICO ENG. CART. DOUTORANDA VIVIAN DA SILVA CELESTINO 1 PROF.DR. RONALDO DOS SANTOS DA ROCHA 2 1-

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

2 sandra@univap.br. Palavras-chave: Georreferenciamento, dados de Sensoriamento Remoto, Google Earth TM.

2 sandra@univap.br. Palavras-chave: Georreferenciamento, dados de Sensoriamento Remoto, Google Earth TM. PROPOSTA METODOLÓGICA PARA INTEGRAÇÃO DE DADOS E FERRAMENTAS DO GOOGLE EARTH. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICA PARA COMPATIBILIZAR BASES CARTOGRÁFICAS HISTÓRICAS: UM ESTUDO DA CIDADE DE MANAUS, AMAZONAS

Leia mais