ANÁLISE MATEMÁTICA II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE MATEMÁTICA II"

Transcrição

1 ANÁLISE MATEMÁTICA II Caderno de Exercícios CÁLCULO DIFERENCIAL em R n ANO LECTIVO: 2010/2011 CURSOS: ETI, ETI-PL e EI Elaborado pelas docentes: DIANA MENDES ROSÁRIO LAUREANO DMQ Dpto de Métodos Quantitativos 1

2 1 Domínios de Definição Uma função real (ou escalar) de n variáveis reais, com n 1, é uma função f cujo domínio é um subconjunto de R n e cujo contradomínioéumsubconjuntoder,ouseja, f : D f R n R (x 1,,x n ) D f y=f(x 1,,x n ) R Uma função f :D f R n Rédefinida por uma expressão comn variáveis A designação "função real" indica que o contradomínio é umsubconjuntoder Sef:D f R 2 Rentãoográficodef é Gr(f)= { (x 1,x 2,y) D f R R 2 R y=f(x 1,x 2 ) } R 3 e pode ser pensado como uma superfície no espaço Exemplo1 Afunçãof:R 2 Rdefinidapor f(x,y)=x 2 +y 2, de domínio D f = R 2, tem como gráfico um parabolóide de vértice (0,0,0)Asfunçõesg:R 2 Reh:R 2 Rdefinidaspor g(x,y)=5+x 2 +y 2 e h(x,y)=(x 3) 2 +y 2, respectivamente, têm o mesmo domínio, D g,h = R 2 No entanto, o gráficodegéumparabolóidedevértice(0,0,5)eográficodehéum parabolóidedevértice(3,0,0) Osgráficosdegedehcorrespondema translaçõesdográficodef (translaçãosegundoovector v =(0,0,5) nocasodeg e translaçãosegundoovector v =(3,0,00)no caso de h) Uma função vectorial (ou campo de vectores) de n variáveis reais é uma função f cujo domínio é um subconjunto de R n e cujo contradomínioéumsubconjuntoder m comm 2,ouseja, f : D f R n R m comm 2 (x 1,,x n ) D f (y 1,,y m ) R m em que (y 1,,y m ) = (f 1 (x 1,,x n ),,f m (x 1,,x n )) R m UmafunçãoD f R n R m édefinidaporumsistemademfunções 2

3 f 1,,f m reais de n variáveis reais, designadas por funções componentesdafunçãof OdomínioD f correspondeàintersecçãodos domíniosdasfunçõescomponentesf 1,,f m,ouseja, D f =D f1 D fm Sef :D f R R 2 entãoográficodef é Gr(f)= { (x,y 1,y 2 ) D f R 2 R R 2 y 1 =f 1 (x) y 2 =f 2 (x) } R 3 epodeserpensadocomoumacurvanoespaço Dada um função real f : D f R n R ou uma função vectorial f :D f R n R m,podemconstituiroseudomíniotodososelementos der n paraos quais é possívelefectuar todas as operações indicadas na(s) expressão(ões) que definem a função Para tal, há que ter em conta as condições seguintes: para u v exigimos v 0 para n u(comnpar) exigimos u 0 parau v exigimos u>0 para log a u exigimos u>0 para tanu exigimos u ± π 2 +2kπ, comk Z para cotu exigimos u ±π+2kπ, comk Z para arcsinu ou arccosu exigimos 1 u 1 Exemplo2 Porexemplo,f:R R\{0} R 2 R 3 definidapor ( f(x,y)=(f 1 (x,y),f 2 (x,y),f 3 (x,y))= x 2 +y 2, x ) y, 1 y+2 tem por funções componentes f 1 (x,y) = x 2 +y 2, f 2 (x,y) = x/y e f 3 (x,y)=1/(y+2) Nesteexemplotem-seD f =R R\{ 2,0} R 2 que corresponde à intersecção D f = D f1 D f2 D f3 = R 2 (R R\{0}) (R R\{ 2})=R R\{ 2,0} 3

4 11 Exercícios Propostos 1 Dadasasseguintesfunçõesf :D f R 2 R,determineerepresente graficamenteodomíniodedefiniçãod f paracadauma: (a) f(x,y)= 3x 3x+y 2 (b) f(x,y)= 1 (x 2 +y 2 ) (c) f(x,y)= ( x 2 +y 2) 3 (d) f(x,y)= ( x 2 +y 2) 3x (e) f(x,y)=ln(x+y) 4 (x+1) 2 y 2 (f) f(x,y)= 4 y x 2 (g) f(x,y)=ln(1 x+y),comx,y 0 (h) f(x,y)= ln(4 x y) 4 xy 3 1 (i) f(x,y)= 4 (x 2 +y 2 ) (j) f(x,y)=1+ (x y) 2 (k) f(x,y)= 4 y 2 + x 2 4 (l) f(x,y)= 1 x y 2 (m) f(x,y)= (n) f(x,y)= 1 x 2 +y 2 1 y x (o) f(x,y)= x 2 y 2 (x 2 +y 2 ) 3 4

5 (p) f(x,y)=arcsin y x (q) f(x,y)=ln ( 1 x 2) +cos(xy) (r) f(x,y)= x+y x 2 y (s) f(x,y)= xy x + y (t) f(x,y)= ( 4 x 2 y 2) xy 2 DetermineodomíniodedefiniçãoDdecadaumadasseguintesfunções: 1 se (x,y) talquex+y>0 ln(x+y) (a) f(x,y)= 1 x y se (x,y) talquex+y 0 (b) f(x,y)= x 2 +y 2 ln(x 2 +y 2 ) sex 2 +y 2 <1e(x,y) (0,0) 0 se(x,y)=(0,0) ln ( y x 2) se x 2 +y 2 2 (c) f(x,y)= 1 x 2 y 2 se x 2 +y 2 <2 2x 3 +3y 4 (d) f(x,y)= 2x 3 y 3 se (x,y) (0,0) 1 se (x,y)=(0,0) (e) f(x,y)= ln(3x+y) se (x,y) talque3x+y>0 1 x+y se (x,y) talque3x+y 0 5

6 x 2 +y 2 (f) f(x,y)= 3y 2 se (x,y) talquex 3y x 0 se (x,y) talquex=3y ln ( x 2 +y 2) se y 1 (g) f(x,y)= 2y 1 1 se y=1 xyexp x y, (x,y) (0,0) x+y (h) f(x,y)= 0, (x,y)=(0,0) 3 Considereafunçãovectorialf :D f R 2 R 2 definidapor f 1 (x,y)=y+ x x 2 f(x,y) 1 f 2 (x,y)= xy 1 Determine o domínio de definição de f e represente-o graficamente 4 Considere a função f(x,y)=ln(xy 1)+ 9 (x 1) 2 y 2 Determine o domínio de definição da função f e represente-o graficamente 5 ParaoconjuntoA= { (x,y) R 2 :x+y 1 y x 1 y 0 }, considere a função x y f(x,y)= 2 se (x,y) A +1 1 se (x,y)/ A Determineodomíniodedefiniçãodafunçãof 6 Determine o domínio de definição D f de cada uma das seguintes funções: 6

7 (a) f(x,y)= x2 sin 2 (y)+y 3 cos 2 (x) x 4 +y 4 +2x 2 y 2 2y 2 se (x,y) talquey x (b) f(x,y)= 3x+y 1 se (x,y) talquey=x (c) f(x,y)= (d) f(x,y)= xy x 2 y 2 se x ±y 0 se x=±y x 3 +4y 2 x 2 5y 2 se (x,y) (0,0) 0 se (x,y)=(0,0) 2 Limites e Continuidade ConsidereemR n,comn 1,adistânciaeuclidianadefinidapor d[(x 1,,x n ),(a 1,,a n )] R n= (x 1,,x n ) (a 1,,a n ), ou seja, d[(x 1,,x n ),(a 1,,a n )] R n= (x 1 a 1 ) 2 + +(x n a n ) 2 R + 0 EmR(n=1)estadistânciapodetraduzir-sepelomódulodadiferença entre os pontos, d(x,a) R = (x a) 2 = x a Dado um ponto (a 1,,a n ) de R n e um número real positivo ε, a bola aberta de centro em (a 1,,a n ) e raio ε, que se denota por B ε (a 1,,a n )oub((a 1,,a n ),ε),éoconjuntodetodosospontos (x 1,,x n ) R n cuja distância ao ponto (a 1,,a n ) é inferior a ε, ou seja, B ε (a 1,,a n )={(x 1,,x n ) R n d[(x 1,,x n ),(a 1,,a n )] R n<ε} 7

8 Paran=1abolaabertaéosegmentoderecta]a ε,a+ε[,enquanto para n = 2 é o interior do círculo de centro (a 1,a 2 ) e raio ε, pois obtemos (x a 1 ) 2 +(y a 2 ) 2 <ε 2 Paran=3abolaabertaéointeriordaesferadecentro(a 1,a 2,a 3 )e raioε,pois (x a 1 ) 2 +(y a 2 ) 2 +(z a 3 ) 2 <ε 2 Seja D R n Um ponto (a 1,,a n ) R n é um ponto de acumulaçãodedse emqualquerbolaabertab ε (a 1,,a n )decentro (a 1,,a n )existepelomenosumpontodeddistintode(a 1,,a n ), ouseja, ε>0, (x 1,,x n ) D\{(a 1,,a n )}talque (x 1,,x n ) B ε (a 1,,a n ) OconjuntodetodosospontosdeacumulaçãodoconjuntoDdesignase por derivado de D e denota-se por D Umpontoquenão éde acumulação de D diz-se um ponto isolado Assim, um ponto (a 1,,a n ) R n é de acumulação do conjunto D se em qualquer sua "vizinhança" existe pelo menos um outro ponto (diferente dele) que pertence a D Na verdade, tal implica que em qualquervizinhançade(a 1,,a n )existeminfinitospontosded,ou seja, ε>0, B ε (a 1,,a n ) Déumconjuntoinfinito Sejam f : D f R 2 R uma função real de duas variáveis reais e (a,b) um ponto de acumulação de D f Diz-se que l R é o limite def noponto(a,b)seesóseparatodoδ>0existeumε=ε(δ)> 0 (dependente do δ tomado) tal que d(f(x,y),l) < δ sempre que d((x,y),(a,b)) < ε e (x,y) D f \{(a,b)}, ou seja, δ > 0, ε = ε(δ)>0talque d((x,y),(a,b)) R 2<ε (x,y) D f \{(a,b)} = d(f(x,y),l) R <δ Considerando a distância euclidiana, tem-se l =lim (x,y) (a,b) f(x,y) seesóse δ>0, ε=ε(δ)>0talque (x a) 2 +(y b) 2 <ε (x,y) D f \{(a,b)} = f(x,y) l <δ 8

9 Sejam f : D f R 2 R e (a,b) um ponto de acumulação de D f A aproximação a um ponto (a,b) pode fazer-se através de qualquer uma das infinitas direcções do plano Como tal, quando ocorrem indeterminações há que considerar os limites direccionais e os limites sucessivos (ou iterados) que são casos particulares de limites relativos Tem-se: Limites sucessivos (ou iterados): [ ] lim lim f(x,y) e lim x a y b y b [ ] lim f(x,y), x a cada um constituído por dois limites sucessivos numa só variável; Limites direccionais: seocaminhoéumarectanão-verticaldedeclivemquepassa noponto(a,b),entãoolimitedireccionalé lim (x,y) (a,b) y=m(x a)+b f(x,y)= lim x a f(x,m(x a)+b), um limite numa só variável(x); seocaminhoéumaparáboladeeixoverticalquetemoponto (a, b) como vértice, então o limite direccional é, lim (x,y) (a,b) y=k(x a) 2 +b f(x,y)= lim x a f ( x,k(x a) 2 +b um limite numa só variável(x); se o caminho é uma parábola de eixo horiontal que tem o ponto(a, b) como vértice, então o limite direccional é lim (x,y) (a,b) x=k(y a) 2 +b f(x,y)= lim x a f ( k(y a) 2 +b,y ) ), um limite numa só variável(y) seocaminhoéqualqueroutracurvaquepassenoponto(a,b) tem-se outro limite direccional 9

10 O cálculo destes limites, que são em número infinito, indicam acerca de um possível"candidato" a limite l(se todos são iguais) ou permitem concluirainexistênciadelimitenoponto(a,b)(seexistempelomenos dois com valores diferentes) Adefiniçãodelimiteexige que existametenhamomesmovalor todos os limites da função f restringida a qualquer um desses caminhos possíveis Como é impossível calcular todos esses limites relativos, só o uso da definição permite concluir a existência do limite lim (x,y) (a,b) f(x,y) Para tal, são fundamentais as desigualdades com módulos e as igualdades com módulos x = x 2 x 2 +y 2 y = y 2 x 2 +y 2 x±y x + y 2 x 2 +y 2 x 3 y 3 ( x 2 +y 2) 3/2, x y = x y x y = x y,paray 0 Sejam f : D f R 2 R, g : D g R 2 R e (a,b) R 2 um pontodeacumulaçãodosdomínios D f ed g Seexistiremoslimites lim (x,y) (a,b) f(x,y)elim (x,y) (a,b) g(x,y)então: limitedasomaedadiferençadefunções lim (f±g)(x,y)= lim f(x,y)± lim g(x,y); (x,y) (a,b) (x,y) (a,b) (x,y) (a,b) limitedoprodutodefunções lim (f g)(x,y)= lim f(x,y) lim g(x,y); (x,y) (a,b) (x,y) (a,b) (x,y) (a,b) 10

11 limitedoprodutodeumafunçãoporumaconstantek R lim (k f)(x,y)=k lim f(x,y); (x,y) (a,b) (x,y) (a,b) limite do quociente de funções f lim (x,y) (a,b) g (x,y)= lim (x,y) (a,b)f(x,y) lim (x,y) (a,b) g(x,y) sempre que lim (x,y) (a,b) g(x,y) 0 e g(x,y) 0 para todo o (x,y) D g Sejamf :D f R 2 Re(a,b) R 2 umpontodeacumulaçãoded f Afunçãof diz-secontínuanoponto(a,b)seesósesãoverificadas as três condições seguintes: existeaimagemf(a,b),ouseja,(a,b) D f ; existeolimitelim (x,y) (a,b) f(x,y); sãoiguaisoselementosgarantidosemi eii,istoé, lim f(x,y)=f(a,b) (x,y) (a,b) Afunçãodiz-secontínuaseforcontínuaemtodosospontosdoseu domínio Acontinuidadedef noponto(a,b)traduz-senoessencialpor: "sempre que se tomam objectos (x,y) suficientemente próximos de (a,b) obtêm-sevaloresf(x,y)dasimagenstãopróximosdef(a,b)quanto sequeira" Sejamf :D f R 2 Re(a,b) R 2 umpontodeacumulaçãoded f A função f diz-se prolongável por continuidade no ponto (a, b) (ouquef temnoponto(a,b)umadescontinuidaderemovível)seesó se são verificadas as duas condições seguintes: (a,b) / D f (logonãoexisteaimagemf(a,b)); existecomvalorfinito(comonúmeroreal)olimite Sejalovalordestelimite lim f(x,y) (x,y) (a,b) 11

12 Define-seafunçãof,designadaporprolongamentoporcontinuidadede f aoponto(a,b),por f(x,y) se (x,y) D f f (x,y) l se (x,y)=(a,b) comdomíniod f =D f {(a,b)} Note-sequeD f D f,poisd f = D f {(a,b)}e(a,b) / D f Sejamf :D f R 2 Re(a,b)umpontodeacumulaçãodeD f A funçãofdiz-sedescontínuanoponto(a,b)sefnãoécontínuanem prolongável por continuidade nesse ponto Neste caso, o ponto(a, b) diz-se um ponto de descontinuidade da função f Qualquer função polinomial é uma função contínua, independentemente do número de variáveis Tais funções podem ser designadas por funções elementares Sejamf :D f R 2 R,g:D g R 2 Re(a,b) D f D g Sef eg são contínuas no ponto (a,b) então são contínuas nesse ponto as funções f,f+g,f g,f g,k f (parac R)e f g seg(x,y) 0 paratodo(x,y) D g Sejam f : D f R n R m e g : D g R m R p funções tais que f(d f ) D g (portantoafunçãocompostag f estábemdefinida)e (a 1,,a n ) D f Sefécontínuanoponto(a 1,,a n )egécontínua em f(a 1,,a n ) então a função composta g f também é contínua em(a 1,,a n ) CASOPARTICULAR:Sejamf:D f R 2 R,g,h:D R R taisqueg(d) h(d) D f e(a,b)=(g(c),h(c)) g(d) h(d) D f umpontoobtidoapartirdovalorrealc D Sef écontínuano ponto (a,b) e g e h são contínuas em c então a função composta F definida por F(t)=f(g(t),h(t)) tambémécontínuaemc CASO PARTICULAR: Sejam f : D f R 2 R, g,h : D R 2 R tais que g(d) h(d) D f e (a,b) = (g(c,d),h(c,d)) g(d) h(d) D f umpontoobtidoapartirdoponto(c,d) D Se 12

13 f é contínua no ponto (a,b) e g e h são contínuas em (c,d) então a função composta F definida por tambémécontínuaem(c,d) 21 Exercícios Propostos F(x,y)=f(g(x,y),h(x,y)) 1 Calculeosvaloresdeα R\{0}eβ Rdemodoquesejacontínua emx=0afunção sin(αx) x se x<0 f(x)= α+β se x=0 exp(αx) cosx βx+xsinx se x>0 2 Sejaafunção f(x,y)= x+y 6x y2 Calculeolimitedefnoponto(1,2) 3 Sejaf afunção f(x,y)= xy x 2 +y 2, (x,y) (0,0) 1, (x,y)=(0,0) Estudeolimitedef naorigemdoseixos 4 Estudeaexistênciadolimitedafunçãodefinidapor noponto(0,0) 5 Verifiqueseafunção f(x,y)= xy f(x,y)= (x 2 +y 2 ) 3 xy x 2 y 2 temlimitenoponto(x,y)=(0,0) se (x,y) talquex ±y 1 se (x,y) talquex=±y 13

14 6 Estudeacontinuidadedafunçãof definidapor sin ( x 2 +y 2) f(x,y)= x 2 +y 2 se(x,y) (0,0) 1 se(x,y)=(0,0) 7 Considereafunçãof definidapor x 4 y 3 f(x,y)= x 4 +y 8 se(x,y) (0,0) 0 se(x,y)=(0,0) Averigúeseafunçãof écontínuanoponto(0,0) 8 Considereafunçãof definidapor x 2 y f(x,y)= x 2 +y 2 sexy<0 ln(xy+1) sexy 0 Averigúeacontinuidadedef empontosdoeixodosxxcomabcissa positiva 9 Considereafunçãof definidapor 2x 3 y 3 f(x,y)= x 2 +y 2 α se(x,y) (0,0) se(x,y)=(0,0) Existe algum valor de α R para o qual a função f é contínua? Justifique 10 Considereafunçãof:D R 2 Rdefinidapor x 2 +y 2 ln(x f(x,y)= 2 +y 2 sex 2 +y 2 <1e(x,y) (0,0) ) 0 se(x,y)=(0,0) Estude a continuidade da função f na origem 14

15 11 Considereafunçãof:R 2 Rdefinidapor sin ( x 3 +y 3) f(x,y)= x 2 +y 2 se(x,y) (0,0) 2 se(x,y)=(0,0) Estude a continuidade da função f na origem 12 Considereafunçãof:R 2 Rdefinidapor xy n +py x f(x,y)= 2 +y 2 se(x,y) (0,0) 0 se(x,y)=(0,0) ondenéumnúmeronaturalepumnúmeroreal Mostrequeafunção f écontínuaem(0,0)seesósen 2ep=0 13 Verifiqueseécontínuanaorigemdoseixosafunçãof definidapor x 3 +4y 2 f(x,y)= x 2 5y 2 se (x,y) (0,0) 0 se (x,y)=(0,0) 14 Estude da continuidade da função f definida por y 2, (x,y) (0,0) f(x,y)= x+3 0, (x,y)=(0,0) 15 Dadaafunçãof:R 2 R 2 definidapor z 1 = x 4 2y+2 f z 2 = y 3 x 2 +1 estude-a quanto à continuidade no ponto(0, 0) 16 Diga, justificando, se é prolongável por continuidade no ponto(0, 0) a função xy f(x,y)= x 2 +y 2, 15

16 17 Estude a continuidade da função f definida por 3x 2 +y 2 f(x,y)= x 4 +y 4, x 4 +y 4 0 0, x 4 +y 4 =0 18 Sejaf afunção 3x 3 +2y 3 f(x,y)= x 2 +y 2, (x,y) (0,0) 0, (x,y)=(0,0) Estude-a quanto à continuidade 19 Considereafunçãof definidapor x 2 y se (x,y) talquey xsinx f(x,y)= y+xsinx 1 se (x,y) talquey= xsinx Provequeafunçãof nãoécontínuaem(0,0) 3 DerivadaseDiferenciaisde1 a Ordem Seja D um subconjunto de R 2 Um ponto (a,b) R 2 é um ponto interioradseexisteumabolaabertab ε (a,b)decentroem(a,b)e raioεcontidaemd,ouseja, ε>0 B ε (a,b) D O conjunto de todos os pontos interiores ao conjunto D designa-se por interior de Dedenota-seporInt(D) OconjuntoDdiz-seaberto setodososseuspontossãointeriores,d=int(d) Assim,umponto(a,b) R 2 éinterioraoconjuntodselhepertencee tambémpertencemadtodosospontosder 2 "suficientementepróximos"de(a,b) Numa função real de duas variáveis reais z =f(x,y) cada uma das variáveisxeyéumavariávelindependente(zéavariáveldependente na função f) Como tal, é possível variar x mantendo y como constante,evice-versa Éoquesepretendecomaseguintedefiniçãode derivada parcial 16

17 Sejam f : D f R 2 R e (a,b) R 2 um ponto interior a D f A derivada parcial de primeira ordem da f em ordem a x no ponto (a,b), que se denota por x (a,b) (ou f x (a,b)), é dada pelo limite(em R) x (a,b)=lim f(a+h,b) f(a,b) h 0 h Analogamente, a derivada parcial de primeira ordem da f em ordemaynoponto(a,b),quesedenotapor y (a,b)(ouf y(a,b)), édadapelolimite(emr) y (a,b)=lim f(a,b+h) f(a,b) h 0 h Estas derivadas parciais possuem uma interpretação geométrica simples Considere curvas sobre a superfície do gráfico da função z = f(x,y)queresultamdecortessobreessasuperfícieporplanosverticaisquepassemnoponto(a,b,f(a,b)) SejaC 1 acurvaparalelaaoplanoxoz queresultadaintersecçãoda superfíciedográficodafunçãoz=f(x,y)comoplanoverticaly=b (éacurvaemqueoplanoverticaly=b"corta"asuperfíciedográfico) Assim,aderivadaparcialdefnoponto(a,b)emordemaxéodeclive darectatangenteaestacurvac 1 emx=a SobreacurvaC 1 afunção z=f(x,y)nãovariacomy (y=b,poisc 1 éográficodafunçãode umavariávelz=f(x,b)emqueseconsiderayconstanteigualab)o que mostra que a derivada parcial x (a,b) medeataxadevariaçãodef noponto(a,b)nadirecçãoesentidodo eixo dos xx(por unidade de comprimento), ou seja, mede a taxa de variaçãodef quandoseatribuium"acréscimo"aoponto(a,b)na1 a coordenada Poroutrolado,sejaC 2 acurvaparalelaaoplanoyoz queresultada intersecçãodasuperfíciedográficodafunçãoz=f(x,y)comoplano vertical x = a (é a curva em que o plano vertical x = a "corta" a superfíciedográfico) Assim,aderivadaparcialdef noponto(a,b) 17

18 emordemayéodeclivedarectatangenteaestacurvac 2 emy=b SobreacurvaC 2 afunçãoz=f(x,y)nãovariacomx(x=a,poisc 2 éográficodafunçãodeumavariávelz=f(a,y)emqueseconsidera xconstanteigualaa)oquemostraqueaderivadaparcial y (a,b) medeataxadevariaçãodef noponto(a,b)nadirecçãoesentidodo eixo dos yy (por unidade de comprimento), ou seja, mede a taxa de variaçãodef quandoseatribuium"acréscimo"aoponto(a,b)na2 a coordenada Emmuitassituações,ocálculodaderivadaparcialemordemaxnum ponto (a, b) é feito pelas muitas regras usuais de derivação ordinária considerando a variável y como constante (após obter a expressão geral da derivada parcial calcula-se o seu valor para (x,y) = (a,b)) Analogamenteparaocálculodaderivadaparcialemordemay num ponto(a,b) Noentanto,quandoafunçãof édefinidaporimposição noponto(a,b)ou(a,b)éumpontoquepertenceà"curvademudança de ramos", apenas é possível o cálculo directo pela definição Aexistênciadederivadasparciaisdeprimeiraordemdevalorfinitode f numponto (a,b) nãoimplicaacontinuidade de f nesseponto (no entanto implica continuidade relativamente a essa variável) Considere sas seguintes proposições relativas à continuidade PROPOSIÇÃO: Sejam f :D f R 2 Re(a,b) R 2 um ponto interiorad f Seasduasfunçõesderivadasparciaisdeprimeiraordem def existemesãolimitadasnospontos(x,y)deumabolacentrada em(a,b)entãoafunçãof écontínuanoponto(a,b) PROPOSIÇÃO: Sejam f :D f R 2 Re(a,b) R 2 um ponto interiorad f Seasduasfunçõesderivadasparciaisdeprimeiraordem de f existem e são finitas no ponto (a,b) e todas, excepto uma, são limitadas nos pontos (x,y) de uma bola centrada em (a,b) então a funçãof écontínuanoponto(a,b) Sejam f : D f R 2 R e (a,b) R 2 um ponto interior a D f Seasduasderivadasparciaisdeprimeiraordemdef noponto(a,b) existemesãofinitas,define-seogradientedef noponto(a,b),que sedenotapor gradf(a,b)ou f(a,b)( lê-senabla),comosendoo 18

19 vector dessas derivadas parciais, ( ) gradf(a,b)= x (a,b), y (a,b) O vector gradiente de f no ponto (a,b) é o vector cujas projecções sobre os eixos coordenados são as correspondentes derivadas parciais de primeira ordem de f nesse ponto(a projecção do vector gradiente sobreoeixodosxxéaderivadaparcialdeprimeiraordem x (a,b)e aprojecçãodovectorgradientesobreoeixodosyyéaderivadaparcial deprimeiraordem y (a,b))pois gradf(a,b)= x (a,b) e 1 + y (a,b) e 2 emqueb={ e 1, e n }={(1,0),(0,1)}éabasecanónicadeR 2 31 Exercícios Propostos 1 Considereafunçãof definidapor f(x,y)= 2x x 2 +y 2 Calcule,pordefinição,asderivadasparciais (1,1)e y x (1,2) 2 Dadaafunçãorealf definidapor f(x,y)= xy+ x y calcule,pordefinição,ovalordasderivadasparciais x e y noponto (2,1) 3 Dadaafunção f(x,y)= x+y x 2 +y 2, (x,y) (0,0) 0, (x,y)=(0,0), calculeasderivadasparciais (0,0)e x y (0,0) 19

20 4 Dadaafunçãorealf definidapor 3x 2 y 2 f(x,y)= x 4 +y 4 se(x,y) (0,0) 0 se(x,y)=(0,0), calculeovalordasderivadasparciais x e y naorigem 5 Considere a função f(x,y)= xy x 2 y 2, x ±y 4, x=±y Calculeovalordasderivadasparciais ( 2, 2)e x y ( 2, 2) 6 Determineovalorde x (0,0)sendo 2x 3 +3y 4 f(x,y)= 2x 3 y 3, (x,y) (0,0) 1, (x,y)=(0,0) 7 Sejaf :R 2 Rafunçãorealdefinidapor f(x,y)= { exp(xy) se(x,y) (0,0) 3 se(x,y)=(0,0) Definaasfunçõesderivadasparciais (x,y)e x y (x,y) 8 Sejaf afunçãorealdefinidaporf(x,y)=x 2 y 3y (a) Determine a expressão geral do diferencial de f (b) Calculenoponto(4,3)oacréscimo f eodiferencialdf,paraos acréscimos 001 e 002 das variáveis x e y, respectivamente (c) Determine um valor aproximado da imagem f(103, 199) sem aplicar directamente neste ponto a expressão que define a função f 20

21 9 Calculeasderivadasparciaisde1 a ordemdasseguintesfunções: (a) f(x,y)= x4 y 4 xy (b) f(x,y)= exp(x 5y 2 ) y 2 (c) f(x,y)=lnsin x+α y 10 Dadaafunçãodefinidaporz(x,y)=xytan y x,mostrequex x z x (x,y)+ z y (x,y)=2z(x,y) 11 Sejaf afunçãodefinidapor x 2 y f(x,y)= x 4 +y 2 se (x,y) (0,0) 0 se (x,y) (0,0) Determineaderivadaparcial y (x,y) 12 Dadaafunção 2x 2 y 3 f(x,y)= x 2 +y 2, (x,y) (0,0) 0, (x,y)=(0,0), determineaderivadaparcial x (x,y) 13 Calcular os diferenciais totais das seguintes funções: (a) f(x,y)=y 2 ln x y parax=y=2,dx=04edy= 03 (b) f(x,y)=xsin(ax) ycos(by) (c) z=lntan y x 21

22 (d) z=x 2 +y 2 2x+4yparax=3,y=1,dx=01edy= 02 (e) z=xyexp(x 2y) (f) z=sin 2 (x)+cos 2 (y) 14 Dadaafunção f(x,y)=x y +ln 2 (xy), calcule o diferencial de primeira ordem desta função no ponto (1, 1), para dx=001edy= 02Interpreteteoricamenteoresultadoobtido 15 Considere a função f(x,y)= x 3 +4y 2 x 2 +5y 2, (x,y) (0,0) 0, (x,y)=(0,0) Determinedf e f noponto(1,2)comdx= 01edy= Sejaf afunção f(x,y)= 5 x+lny Calcule um valor aproximado de f(321, 12) 4 Diferencialidade Sejam f : D f R 2 R uma função real de duas variáveis reais e (a,b) R 2 umpontointeriorad f Afunçãof diz-sediferenciável no ponto (a,b) se e sóse existemesãode valorfinito as derivadas parciais (a,b)e x f(x,y) lim (x,y) (a,b) y (a,b)eainda [ f(a,b)+(x a) (a,b)+(y b) ] x y (a,b) =0 (x,y) (a,b) O limite anterior significa que a expressão f(a,b)+(x a) x (a,b)+(y b) y (a,b) é uma boa aproximação de f(x,y) para pontos (x,y) próximos de (a,b) 22

23 Poroutrolado, z=f(a,b)+(x a) x (a,b)+(y b) y (a,b) éaequaçãodoplanoquepassanoponto(a,b,f(a,b))equetem ( ) n = x (a,b), y (a,b), 1 como vector director Assim, a diferenciabilidade de f no ponto(a, b) traduz-se geometricamente na existência de um plano, designado por planotangenteaográficodef noponto(a,b,f(a,b)),queéuma boa aproximação da superfíciedefinida por z =f(x,y) (a superfície do gráfico da função f) numa vizinhança do ponto (a,b,f(a,b)) O vector n édesignadoporvector normal aoplanotangente A recta normal ao plano tangente no ponto (a,b,f(a,b)) designa-se por recta normal ao gráfico de f no ponto (a,b,f(a,b)) Tem comovectordirectorovectornormal n Considerandoasmudançasdevariávelx a=hey b=k,acondição para diferenciabilidade de f no ponto(a, b) lim (x,y) (a,b) f(x,y) f(a,b) (x a) (a,b) (y b) x y (a,b) =0 (x a) 2 +(y b) 2 traduz-se em lim (h,k) (0,0) f(a+h,b+k) f(a,b) h (a,b) k x y (a,b) =0 h 2 +h 2 Comotal,f édiferenciávelnoponto(a,b)seesóse emque lim h 0,k 0 ε(h,k) =0 (1) h 2 +k2 ε(h,k)=f(a+h,b+k) f(a,b) h x (a,b) k y (a,b) (2) 23

24 ou seja, f(a+h,b+k) f(a,b)=h x (a,b)+k y (a,b)+ε(h,k) Na prática, para estudar a diferenciabilidade de f num ponto (a, b), obtem-seε(h,k)apartirdaigualdade(2)eaverigua-seseolimiteem (1)énulo Aexistênciadederivadasparciaisdeprimeiraordemdef numponto (a,b) interior a D f garante a existência de duas rectas tangentes ao gráficodef noponto(a,b,f(a,b)),paralelasaosplanoscoordenados xoz e yoz No entanto, tal não é suficiente(embora necessário) para garantiraexistênciadeumplanotangenteaográficodef noponto (a,b,f(a,b)) Paratalénecessárioquef sejadiferenciávelem(a,b) Qualquer função polinomial é uma função diferenciável, independentemente do número de variáveis Sejam f : D f R 2 R, g : D g R 2 R e (a,b) Int(D f ) Int(D g ) Sef egsãodiferenciáveisnoponto(a,b)entãosãodiferenciáveisnessepontoasfunções: f+g,f g,f g,k f (parak R) e f g seg(x,y) 0paratodoo(x,y) D g Aanálisedolimite(iguala0)queéexigidoparaadiferenciabilidade num ponto, conduz à proposição seguinte PROPOSIÇÃO: Sejam f :D f R 2 Re(a,b) R 2 um ponto interiorded f Seafunçãof édiferenciávelnoponto(a,b)entãoa aproximação f(a+h,b+k) f(a,b) h x (a,b)+k y (a,b) éválida no cálculo de valores aproximados da função f emtorno de (a,b) Assim, é possível calcular valores aproximados das imagens por f em pontos(a+h,b+k)próximosde(a,b)apartirdaimagemf(a,b)e dasderivadasparciaisdeprimeiraordemdef noponto(a,b), f(a+h,b+k) f(a,b)+h x (a,b)+k y (a,b) 24

25 Emconcreto,seafunçãof édiferenciávelnoponto(a,b),define-seo diferencial de primeira ordem(ou simplesmente diferencial) de f noponto(a,b)para osacréscimoshek dasvariáveisxey, quesedenotapordf(a,b),comosendo df(a,b)=h x (a,b)+k y (a,b) Éusualanotaçãodxedy(emvezdehedek,respectivamente)para osacréscimosdasvariáveisxeynaexpressãododiferencialdef num ponto(a,b),ouseja,éusualconsiderar df(a,b)=dx x (a,b)+dy y (a,b) Sejam f : D f R 2 R uma função real de duas variáveis reais e (a,b) R 2 umpontointeriorad f Adiferença f(a+dx,b+dy) f(a,b) designa-seporacréscimodafunçãof noponto(a,b)relativoaos acréscimos dx e dy das variáveis x e y, respectivamente, e denota-se por f Conclui-se da Proposição acima que o diferencial de primeira ordem def noponto(a,b)éumaboaaproximaçãodoacréscimodafunção f noponto(a,b)relativoaosacréscimosdxedy dasvariáveisxey, respectivamente, f(a,b) = f(a+dx,b+dy) f(a,b) dx x (a,b)+dy y (a,b)=df(a,b) Esta aproximação deve entender-se do seguinte modo: se dx e dy forem acréscimos relativamente pequenos quando comparados com a e b, entãodf(a,b)éumaboaaproximaçãode f(a,b) Assim,odiferencial deprimeiraordemdef noponto(a,b)permiteobtervaloresproximadosdasimagensporf empontos(a+dx,b+dx)próximosde(a,b), f(a+dx,b+dy) f(a,b)+df(a,b) 25

26 Sejam f : D f R 2 R uma função real de duas variáveis reais e (a,b) R 2 umpontointeriorad f Seafunçãof édiferenciávelno ponto(a,b)entãof écontínuanesseponto Temos Diferenciabilidade em (a, b) = Continuidade em (a, b) A implicação inversa não é válida: existem funções contínuas num ponto sem que sejam diferenciáveis nesse ponto (a diferenciabilidade é "mais exigente" que a continuidade) No entanto, se é conhecido que determinada função não é contínua num ponto (a,b) então está garantido que ela também não é diferenciável nesse ponto, Descontinuidade em (a, b) = Não-diferenciabilidade em (a, b) (pelanegaçãodaimplicação,(d C) ( C D)) Aexistênciadederivadasparciaisdeprimeiraordemdef numponto (a,b)interiorad f devalorfinitosãocondiçãonecessáriaparaadiferenciabilidade de f em (a, b) No entanto, a existência de derivadas parciais de primeira ordem de f num ponto (a,b) interior a D f de valorfinitonãogarante,sóporsi,adiferenciabilidadedef em(a,b) Note-se ainda que existência de tais derivadas parciais de valor finito nemsequergaranteacontinuidadedef em(a,b) Condiçãosuficientedediferenciabilidade Sejamf :D f R 2 R uma função real de duas variáveis reais e (a,b) R 2 um ponto interiorad f Seexistemesãodevalorfinitoasderivadasparciaisde primeira ordem de f no ponto (a,b) e se uma das funções x (x,y) e (x,y) é contínua numa bola aberta de centro (a,b) então f é y diferenciável no ponto(a, b) PROPOSIÇÃO: Sejamf :D f R 2 Rumafunçãorealdeduas variáveis reais e (a,b) R 2 um ponto interior a D f Se a função f é diferenciável no ponto(a, b) então as derivadas parciais de primeira ordemdefnoponto(a,b)sãofinitas Alémdisso,asfunçõesderivadas parciaisdeprimeiraordem x (x,y)e y (x,y)sãocontínuasnoponto (a,b) 26

27 41 Exercícios Propostos 1 Considere a seguinte função: f(x,y)= xy x 2 +y 2, (x,y) (0,0) 0, (x,y)=(0,0) Verifique se a função f é diferenciável na origem 2 Dadaafunçãof definidapor x 2 sin(y)+y 2 sinx f(x,y)= x 2 sey x 2 +y, 1 sey= x 2 determineovalordasderivadasparciais (0,0)e x y (0,0)eestude adiferenciabilidadedef em(0,0) 3 Sejaf :R 2 Rafunçãorealdefinidapor 2x 3 y 3 f(x,y)= x 2 +y 2 se(x,y) (0,0) α se(x,y)=(0,0) (a) Considerandoα=0,determineasderivadasparciaisde1 a ordem def naorigem (b) Estude a diferenciabilidade de f na origem (c) Paraα=0,definaasderivadasparciaisde1 a ordemdafunção f 4 Considere a função 2y 5 +x 2 y 3, (x,y) (0,0) f(x,y)= x 2 +y 2 1, (x,y)=(0,0) (a) Estudeacontinuidadedafunçãof noponto(0,0) 27

28 (b) Combasenoresultadodaalíneaa)quepodeconcluirquantoà diferencialidade da função f em(0, 0)? Justifique 5 Sejaf :R 2 Rafunçãorealdefinidapor sin ( x 3 +y 3) f(x,y)= x 2 +y 2 se(x,y) (0,0) 2 se(x,y)=(0,0) (a) Calculeasderivadasparciais (0,0)e x y (1,0) (b) Estude a diferenciabilidade da função f na origem 6 Sejaf afunçãodefinidapor f(x,y)= x y 1, y 1 0, y=1 Mostrequeafunçãof nãoédiferenciávelnoponto(2,1) 7 Considereafunçãof:R 2 Rdefinidapor comβ R f(x,y)=β+ x2 y 2 x 2 +y 2, (a) Indiqueodomíniodafunçãof (b) Mostre que f(x,y) é prolongável por continuidade na origem e determine o valor a atribuir à imagem de (0,0) na função prolongamento (c) Estude, no ponto (0, 0), a diferencialidade da função prolongamento definida na alínea anterior (Nota: se não respondeu à alíneaanterior,consideref(0,0)=β=1) 8 Considereafunçãorealf :R 2 Rdefinidapor xy n +py f(x,y)= x 2 +y 2 se(x,y) (0,0) 0 se(x,y)=(0,0) ondenéumnúmeronaturalepumnúmeroreal 28

29 (a) Calculeaderivadaparcial x (0,0) (b) Estude a diferenciabilidade da função f na origem 5 Regra de Derivação da Função Composta Sejamf :D f R n R m eg:d g R m R p funçõesvectoriaistais quef(d f ) D g (portantoafunçãocompostag f estábemdefinida) e(a 1,,a n )umpontointeriorad f Sef édiferenciávelnoponto (a 1,,a n )egédiferenciávelemf(a 1,,a n ) Int(f(D f ))então a função composta g f também é diferenciável em (a 1,,a n ) e é válidaaregra da cadeia(ouregra da função composta)quese traduz pela seguinte igualdade entre matrizes Jacobianas(definição no Capítulo 11) J(g f)(a 1,,a n ) =Jg(f(a } {{ } 1,,a n )) } {{ } Jf(a 1,,a n ) } {{ } matriz p n matriz p m matriz m n CASOPARTICULAR:Sef :D f R R 2 éumafunçãovectorial devariávelrealdiferenciávelemaeg:d g R 2 Réumafunçãoreal deduasvariáveisreaisdiferenciávelem(b,c)=f(a)=(f1(a),f2(a)), então a função composta F definida por F(t)=g(f 1 (t),f 2 (t)) g(u,v) (representamososargumentosf 1 (t)ef 2 (t)poruev,respectivamente) édiferenciávelemaeasuaderivada(total)é 1 ] t (a) F (a) = df [ g dt (a)= u (b,c) g v (b,c) 1 2 = g u (b,c) 1 t (a)+ g v (b,c) 2 t (a) = g u (b,c) u t (a)+ g v (b,c) v t (a) 2 t (a) CASOPARTICULAR:Sef:D f R 2 R 2 éumafunçãovectorialdevariávelrealdiferenciávelem(a,b)eg:d g R 2 Réuma

30 funçãorealdeduasvariáveisreaisdiferenciávelem(c,d)=f(a,b)= (f1(a,b),f2(a,b)),entãoafunçãocompostaf definidapor [ F x F(x,y)=g(f 1 (x,y),f 2 (x,y)) g(u,v) (representamososargumentosf 1 (x,y)ef 2 (x,y)poruev,respectivamente) é diferenciável em(a, b) e é válida a igualdade matricial 1 1 ] ] x y F y 1 2 = [ g u g v 1 2 sendo as derivadas parciais da primeira e da terceira matrizes calculadas no ponto (a,b) e as da segunda matriz calculadas no ponto (c,d)=f(a,b)=(f 1 (a,b),f 2 (a,b)) Portanto, e 2 x 2 y 2 2 F g (a,b) = (c,d) 1 x u x (a,b)+ g(c,d) 2 v x (a,b) F y = g u (c,d) u x (a,b)+ g v (c,d) v x (a,b) (a,b) = g u (c,d) 1 y (a,b)+ g v (c,d) 2 y (a,b) = g u (c,d) u y (a,b)+ g v (c,d) v y (a,b) ParacadafunçãoF queresultedacomposiçãodeoutrasfunçõeséconveniente a construção de um esquema em "árvore" que ilustre todas as dependências entre as funções envolvidas A leitura desse esquema permite a aplicação correcta da regra da cadeia: considera-se a soma dascontribuiçõesrelativasacadacaminhoeacadaumdestesoproduto de derivadas 51 Exercícios Propostos 1 Considere a função composta f(x,y)=tan ( x 2 +y 2) em que x = t 2 3t e y = lnt Determine a expressão da derivada (total)f (t) 30,

Cálc. Diferencialem R n Derivadadirecional

Cálc. Diferencialem R n Derivadadirecional ROSÁRIO LAUREANO 1 Cálc. Diferencialem R n Derivadadirecional [Elaborado por Rosário Laureano] [01/13] Este ficheiro contém: 1. Tópicos de teoria- derivada direcional(p. 1). Exercícios resolvidos(p. 6)

Leia mais

Soluções abreviadas de alguns exercícios

Soluções abreviadas de alguns exercícios Tópicos de cálculo para funções de várias variáveis Soluções abreviadas de alguns exercícios Instituto Superior de Agronomia - 2 - Capítulo Tópicos de cálculo diferencial. Domínio, curva de nível e gráfico.

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

CálculoDiferencialem R n Limites

CálculoDiferencialem R n Limites ROSÁRIO LAUREANO 1 CálculoDiferencialem R n Limites [Elaborado por Rosário Laureano] [2012/13] Esteficheirocontém: 1. Tópicosdeteoria-ites(p. 1) 2. Exercícios resolvidos(p. 5) 1 Tópicosdeteoria-ites DistânciaEuclidiana

Leia mais

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução Capítulo Funções complexas 1 Introdução Neste capítulo consideram-se vários exemplos de funções complexas e ilustram-se formas de representação geométrica destas funções que contribuem para a apreensão

Leia mais

(c) f(x, y) = x 2 + y 2. (3) Faça a correspondência entre a função dada e seu o gráfico. Justifique sua resposta.

(c) f(x, y) = x 2 + y 2. (3) Faça a correspondência entre a função dada e seu o gráfico. Justifique sua resposta. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta Lista de Exercícios de Cálculo II - MTM13 Prof. Júlio César do Espírito Santo (com colaboraçao

Leia mais

Lições de Análise Matemática 2. Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Lições de Análise Matemática 2. Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Julho de 008 Conteúdo Prefácio vii 1 Breves Noções de Topologia em R n 1 Funções Diferenciáveis

Leia mais

II Cálculo Integral em R n

II Cálculo Integral em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de omputadores Ano Lectivo 2/22 2 o emestre Exercícios propostos para as aulas práticas II álculo Integral em R n Departamento de

Leia mais

Mestrados Integrados em Engenharia Mecânica e em Eng Industrial e Gestão ANÁLISE MATEMÁTICA III DEMec 010-11-0 1ºTESTE A duração do exame é horas + 30minutos. Cotação: As perguntas 1 e 6 valem valores,

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática DISCIPLINA: CALCULO B UNIDADE III - LISTA DE EXERCÍCIOS Atualizado 2008.2 Domínio, Imagem e Curvas/Superfícies de Nível y2 è [1] Determine o domínio

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

1 Transformada de Laplace

1 Transformada de Laplace Dep. de Matemática da F..T.U.. - Análise Matemática IV - 5/6. Transformada de Laplace. Usando a definição de Transformada de Lapace, mostre que a) L{} = s, s>; b) L{e kt } = s k, s>k; c) L{t n } = n!,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral III - EAD. Professor Paulo Cupertino de Lima

Cálculo Diferencial e Integral III - EAD. Professor Paulo Cupertino de Lima Cálculo Diferencial e Integral III - EAD Professor Paulo Cupertino de Lima Sumário Sumário i 0.1 Apresentação do livro............................. v 1 Revisão: retas, planos, superfícies cilíndricas

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

CAMPOS DE VETORES. Capítulo 4. 4.1 Introdução. Definição 4.1. Umcampo devetores em A R n é umafunção. F : A R n R n.

CAMPOS DE VETORES. Capítulo 4. 4.1 Introdução. Definição 4.1. Umcampo devetores em A R n é umafunção. F : A R n R n. Capítulo 4 CAMPOS DE VETORES 4.1 Introdução Definição 4.1. Umcampo devetores em A R n é umafunção F : A R n R n. Seja A R n um conjunto aberto. O campo de vetores F : A R n R n é dito contínuo, diferenciável

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing)

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) ISCTE, Escola de Gestão Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) Diana Aldea Mendes 29 de Outubro de 2008 Espaços Vectoriais Definição (vector): Chama-se vector edesigna-sepor v um objecto matemático caracterizado

Leia mais

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇO VETORIAL REAL NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS Seja um conjunto V φ no qual estão definidas duas operações: adição e multiplicação por escalar, tais que u, v V, u+v V e α R, u V, αu V

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO).

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO). LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO. PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP OBS: Faça os exercícios sobre

Leia mais

Cálculo diferencial em IR n

Cálculo diferencial em IR n Cálculo diferencial em IR n (Eercícios) DMAT Abril 2003 1 Eercícios propostos 1.1 Funções de IR n em IR m Eercício 1 Determine os domínios das funções seguintes e represente-os graficamente. 2 + 2 9 ;

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis.

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis. www.engenhariafacil.weebly.com Resumo com exercícios resolvidos do assunto: (I) (II) (III) Funções de duas ou mais variáveis; Limites; Continuidade. (I) Funções de duas ou mais variáveis. No Cálculo I

Leia mais

Intuitivamente, podemos pensar numa superfície no espaço como sendo um objeto bidimensional. Existem outros modos de se representar uma superfície:

Intuitivamente, podemos pensar numa superfície no espaço como sendo um objeto bidimensional. Existem outros modos de se representar uma superfície: Capítulo 3 Integrais de superfícies 3.1 Superfícies no espaço Definição 3.1 Uma superfície S no espaço é definida como sendo a imagem de uma aplicação contínua r : K R R 3, (u, v) K 7 r (u, v) =(x (u,

Leia mais

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II MAT454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a Lista de Exercícios -. Ache os pontos do hiperboloide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6).. Encontre

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II

Cálculo Diferencial e Integral II Cálculo Diferencial e Integral II Claudio Aguinaldo Buzzi Departamento de Matemática UNESP - Campus de São José do Rio Preto Índice 1 Superfícies especiais 4 1.1 Planos........................................

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Exercício 1 Um aro circular de raio 1 rola sem deslizar ao longo

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela)

Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela) Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela) MA - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Matematica Prof. Juan Carlos Vila Bravo Curitiba, 1 de Dezembro de 005 1. A posição de uma particula é dada por: r(t) = (sen t)i+(cost)j

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam. Lista 1. Curvas

UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam. Lista 1. Curvas UFPR - Universidade Federal do Paraná Departamento de Matemática CM042 - Cálculo II Prof. José Carlos Eidam Lista 1 Curvas 1. Desenhe as imagens das seguintes curvas: (a) γ(t) = (1, t) (b) γ(t) = (cos

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO ecção de Álgebra e Análise, Departamento de Matemática, Instituto uperior Técnico Análise Matemática III A - 1 o semestre de 23/4 FIHA DE TRABALHO 6 - REOLUÇÃO 1) Indique se as formas diferenciais seguintes

Leia mais

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B).

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo : Funções.- Definições Sejam A e B dois conjuntos não vazios. Uma função f de

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net.

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net. DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net A regra da cadeia (Entregar os exercícios [16] e [18] até o dia 06/08/2003) [01]

Leia mais

Aulas Práticas de Matemática II

Aulas Práticas de Matemática II Aulas Práticas de Matemática II Curso de Arquitectura Resumo da Matéria com exercícios propostos e resolvidos Henrique Oliveira e João Ferreira Alves Conteúdo 1 Derivadas parciais 4 Polinómios de Taylor

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Notas de aulas - 21 de Maio de 2003 Computação, Engenharia Elétrica e Engenharia Civil Prof. Ulysses Sodré ii Copyright c 2002 Ulysses Sodré. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Seja f = 36 9x 2 4y 2. Então : (a) Calcule f, f(2, 0) e

Leia mais

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada 4.1 Curvas Regulares 4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. (a) ~r (t) = t~i + (1 t)~j; 0 t 1 (b) ~r (t) = 2t~i + t 2 ~j; 1 t 0 (c) ~r (t) = (1=t)~i + t~j; 1 t

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97 ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 996/97 Teoria de Erros A Teoria de Erros fornece técnicas para quantificar erros nos dados e nos resultados de cálculos com números aproximados. Nos cálculos aproximados deve-se

Leia mais

Resumo de Aulas Teóricas de Análise Matemática II. Rui Albuquerque Universidade de Évora 2011/2012

Resumo de Aulas Teóricas de Análise Matemática II. Rui Albuquerque Universidade de Évora 2011/2012 1 Resumo de Aulas Teóricas de Análise Matemática II Rui Albuquerque Universidade de Évora 2011/2012 Aula 1 O espaço euclideano R n : Espaço vectorial, espaço de pontos, vectores a = (a 1,..., a n ), x

Leia mais

Lista 4. 2 de junho de 2014

Lista 4. 2 de junho de 2014 Lista 4 2 de junho de 24 Seção 5.. (a) Estime a área do gráfico de f(x) = cos x de x = até x = π/2 usando quatro retângulos aproximantes e extremidades direitas. Esboce os gráficos e os retângulos. Sua

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II

Cálculo Diferencial e Integral II 1 álculo Diferencial e Integral II Exercícios para as aulas práticas - 5 1. alcule o integral estendido a, ds, em que é o segmento de recta de x y extremos A(0, 2) e B(4, 0), percorrido de A para B. 2.

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3 1 Lista 2 de Cálculo Diferencial e Integral II Funções de Várias Variáveis e Diferenciação Parcial 1. Determine, descreva e represente geometricamente o domínio das funções abaixo: (a) f(x, y) = xy 5 x

Leia mais

Se entregar em papel, por favor, prenda esta folha de rosto na sua solução desta lista, deixando-a em branco. Ela será usada na

Se entregar em papel, por favor, prenda esta folha de rosto na sua solução desta lista, deixando-a em branco. Ela será usada na Cálculo Multivariado Lista numero integração múltipla tarcisio.praciano@gmail.com T. Praciano-Pereira Dep. de Computação alun@: de março de 13 Univ. Estadual Vale do Aca Documento escrito com L A TEX -

Leia mais

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C Notas de Aulas de Cálculo III Prof. Sandro Rodrigues Mazorche 1 o semestre de 2015 Turmas: A e C Capítulo 4: Campos Escalares e Vetoriais Campo Escalar: Seja D uma região no espaço tridimensional e seja

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

Regras de Derivação. Ana Matos DMAT

Regras de Derivação. Ana Matos DMAT Regras de Derivação Ana Matos DMAT Regras de Derivação. Nota prévia importante Estasfolhassurgempelofactode,nosúltimosanos,tertidoalgunsalunosem Análise Matemática I que nunca tinham dado qualquer noção

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2.1. Num instante t i um corpo parte de um ponto x i num movimento de translação a uma dimensão, com módulo da velocidade v i e aceleração

Leia mais

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA Geometria Analítica A Geometria Analítica, famosa G.A., ou conhecida como Geometria Cartesiana, é o estudo dos elementos geométricos no plano cartesiano. PLANO CARTESIANO O sistema cartesiano de coordenada,

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição 1 2 Sumário 1 WOLFRAM ALPHA 5 1.1 Digitando Fórmulas e Expressões Matemáticas......... 6 1.1.1 Expoentes......................... 6 1.1.2 Multiplicação.......................

Leia mais

Espaços vectoriais com produto interno. ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15

Espaços vectoriais com produto interno. ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15 Capítulo 6 Espaços vectoriais com produto interno ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15 Definição e propriedades Seja V um espaço vectorial real. Chama-se

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Marília Brasil Xavier REITORA Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odivaldo Teixeira Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odivaldo Teixeira

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral de Funções Definidas em R n. Diogo Aguiar Gomes, João Palhoto Matos e João Paulo Santos

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral de Funções Definidas em R n. Diogo Aguiar Gomes, João Palhoto Matos e João Paulo Santos Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral de Funções Definidas em R n Diogo Aguiar Gomes, João Palhoto Matos e João Paulo Santos 24 de Janeiro de 2000 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Explicação.........................................

Leia mais

Professor Bruno Alves

Professor Bruno Alves Professor Bruno Alves Engenharia maecânica Engenharia de produção Engenharia de controle e automação Poços de Caldas Segundo semestre de 1 Notas de aula da disciplina Cálculo III ministrada no segundo

Leia mais

1.5 O oscilador harmónico unidimensional

1.5 O oscilador harmónico unidimensional 1.5 O oscilador harmónico unidimensional A energia potencial do oscilador harmónico é da forma U = 2 2, (1.29) onde é a constante de elasticidade e a deformação da mola. Substituindo (1.29) em (1.24) obtemos

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

MAT 2455 - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1 ā Prova - 1o semestre de 2005

MAT 2455 - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1 ā Prova - 1o semestre de 2005 MAT 4 - Cálculo iferencial e Integral III para Engenharia ā Prova - o semestre de Questão. Calcule: (,- ). (a) (. pontos) (b) (. pontos) x e + d dx (x + ) (x ) dx d, onde é o triângulo de vértices (,),

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

2. Cinemática vetorial

2. Cinemática vetorial 2. Cinemática vetorial Quando um objeto se desloca no espaço sem seguir uma trajetória determinada, a sua posição já não pode ser definida com uma única variável como nos exemplos estudados no capítulo

Leia mais

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Cálculo Álgebra Linear Programação Computacional Metodologia Científica Realização: Fortaleza, Fevereiro/2012 UNIVERSIDADE

Leia mais

Séries de Potências de x

Séries de Potências de x Séries de Potências de x As séries de potências de x são uma generalização da noção de polinómio. Definição: Chama-se série de potências de x com coeficientes a 0, a 1,, a n,, a qualquer série da forma

Leia mais

As assíntotas são retas que passam no centro da hipérbole e tem coeficiente angular m = b / a e m = b / a, logo temos:

As assíntotas são retas que passam no centro da hipérbole e tem coeficiente angular m = b / a e m = b / a, logo temos: Exercício 01. Dada à hipérbole de equação 5x 2 4y 2 20x 8y 4 = 0 determine os focos e as equações das assintotas. Escrevendo a hipérbole da maneira convencional teríamos 5[x 2 4x + 4 4] 4[y 2 + 2y + 1]

Leia mais

Uma introdução ao estudo de funções multivariáveis

Uma introdução ao estudo de funções multivariáveis Uma introdução ao estudo de funções multivariáveis Universidade Federal do Amazonas Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente Janeiro de 2014 Bem-vindo Este material trata da introdução ao estudo de

Leia mais

Equações Diferenciais, uma Primeira Abordagem

Equações Diferenciais, uma Primeira Abordagem Equações Diferenciais, uma Primeira Abordagem Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Julho de 2008 Prefácio Imagination is more important

Leia mais

1º Teste Computação Gráfica

1º Teste Computação Gráfica 1º Teste Computação Gráfica LEIC-Tagus/LERCI Prof. Mário Rui Gomes Prof. João Brisson Lopes 23 de Abril de 25 Nº Nome: Responda às questões seguintes justificando adequadamente todas as respostas. O Teste

Leia mais

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N.

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N. 2.4. PROJECÇÕES 2. dim(l)=dim(m)+dim(n) Demonstração. Se L=M N, qualquer vector x L se pode escrever de forma única como a soma de um vector x M M e outro vector x N N. 1. Dada uma base de M, x M pode

Leia mais

2.2 Subespaços Vetoriais

2.2 Subespaços Vetoriais 32 CAPÍTULO 2. ESPAÇOS VETORIAIS 2.2 Subespaços Vetoriais Sejam V um espaço vetorial sobre R e W um subconjunto de V. Dizemos que W é um subespaço (vetorial) de V se as seguintes condições são satisfeitas:

Leia mais

CÁLCULO VECTORIAL. 2. Um campo vectorial é definido pela seguinte expressão

CÁLCULO VECTORIAL. 2. Um campo vectorial é definido pela seguinte expressão CÁLCULO VECTORIAL 1. Dados três pontos, A=(2,-3,1), B=(-4,-2,6) e C=(1,5,-3) determine: a) O vector que se estende de A até C. b) O vector unitário dirigido de B para A. c) A distância entre B e C. 2.

Leia mais

Equações Diferenciais Parciais

Equações Diferenciais Parciais Equações Diferenciais Parciais Prof. Ulysses Sodré 6 de Maio de 2003; Arquivo: edp.tex Conteúdo 1 Introdução às Equações Diferenciais Parciais 1 2 Conceitos fundamentais em EDP 2 2.1 Equação Diferencial

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho. Métodos Numéricos A. Ismael F. Vaz Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.pt Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano lectivo 2007/2008 A.

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont.

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Matemática para arquitetura Ton Marar 1. Posições relativas Posição relativa entre pontos Dois pontos estão sempre alinhados. Três pontos P 1 = (x 1,

Leia mais