Capítulo1 Tensão Normal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo1 Tensão Normal"

Transcrição

1 - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Referências Bibliográficas: 1. BEER, F.P. e JOHNSTON, JR., E.R. Resistência dos Materiais, 3.º Ed., Makron Books, Gere, J. M. Mecânica dos Materiais, Editora Thomson Learning 3. HIBBELER, R.C. Resistência dos Materiais, 3.º Ed., Editora Livros Técnicos e Científicos, Observações: 1- O presente texto é baseado nas referências citadas. 2- Todas as figuras se encontram nas referências citadas. Capítulo1 Tensão Normal

2 Pontos importantes Resistência dos materiais é o estudo da relação entre as cargas externas que atuam em um corpo e a intensidade das cargas internas no interior desse corpo As forças externas podem ser aplicadas a um corpo como cargas de superfícies distribuídas ou concentradas ou como forças de corpo que atuam em todo o volume do corpo. Cargas lineares distribuídas produzem uma força resultante com grandeza igual à área sob o diagrama de carga e com localização que passa pelo centróide dessa área. Um apoio produz uma força em uma direção particular sobre seu elemento acoplado, se ele impedir a translação do elemento naquela direção, e produz momento binário no elemento se impedir a rotação. As equações de equilíbrio F = 0 e M = 0 devem ser satisfeitas a fim de impedir que o corpo se translade com movimento acelerado e que tenha rotação. Quando se aplicam as equações de equilíbrio, é importante primeiro desenhar o diagrama de corpo livre do corpo a fim de considerar todos os termos das equações. O método das seções é usado para determinar as cargas internas resultantes que atuam sobre a superfície do corpo secionado. Em geral, essas resultantes consistem em uma força normal, uma força de cisalhamento, um momento de torção e um momento fletor. Salete Buffoni 2

3 PROCEDIMENTO DE ANÁLISE O método das seções é usado para determinar a resultante das cargas internas em um ponto localizado na seção de um corpo. A aplicação do método das seções requer os seguintes passos para obter tais resultantes. Reações de Apoios Decidir primeiro qual segmento do corpo será considerado. Se esse segmento tiver um apoio ou elemento de ligação com outro corpo (tipo rótulo), então antes de secionar o corpo será necessário determinar as reações que atuam sobre o segmento escolhido. Diagrama de corpo livre Manter todas as cargas externas distribuídas, momentos binários, torques e forças que atuam sobre o corpo em suas localizações exatas; traçar então uma seção imaginária através do corpo no ponto em que a resultante das cargas internas será determinada. Se o corpo representa o elemento de uma estrutura ou dispositivo mecânico, a seção é, em geral, perpendicular ao eixo longitudinal do elemento. Desenhar o diagrama de corpo livre de um dos segmentos cortados, indicando as resultantes desconhecidas N, V, M e T na seção. Essas resultantes normalmente são colocadas no ponto que representa o centro geométrico ou centróide da área secionada. Se o elemento está submetido apenas a um sistema de forças coplanares, somente N, V e M atuam sobre o centróide. Definir os eixos de coordenadas x, y, z com origem no centróide e mostrar os componentes da resultante que atuam ao longo dos eixos. Salete Buffoni 3

4 Equações de equilíbrio Os momentos em torno de cada eixo de coordenadas, na seção em que as resultantes atuam devem ser somados, assim é possível eliminar as forças desconhecidas N e V, permitindo uma solução direta de M e T. Se a solução das equações de equilíbrio resulta em um valor negativo para uma resultante, o sentido de direção da resultante adotado no diagrama de corpo livre é oposto ao sentido mostrado no caso real. Exercícios propostos (revisão) Exercícios do Hibbeler páginas 8 e 9. 1) O guindaste da Figura 1 consiste na viga AB, das roldanas acopladas, do cabo e do motor. Determinar a resultante das cargas internas que atuam na seção transversal em C se o motor levanta a carga W de 500 lb com velocidade constante. Desprezar o peso das roldanas e da viga. Figura 1. Resposta: N c =-500 lb, V c =-500 lb, M c =-2000 lb.pés Salete Buffoni 4

5 2) Determinar a resultante das cargas internas que atuam na seção transversal em G da viga de madeira mostrada na Figura 2. Supor que as articulações A, B, C, D e E sejam acopladas por pinos. Figura 2. Resposta: N G =-6200 lb, V G =3150 lb, M G =6300 lb.pés Convenção de sinais Nota: As figuras utilizadas neste texto são do livro, são do livro de Resistência dos Materiais de R. C. Hibbeler e Mecânica dos Materiais de James M. Gere. Salete Buffoni 5

6 Tensão Figura 3. Resistência dos Materiais: Determinar a distribuição das cargas internas. Figura 3.a Seção da área subdividida em áreas pequenas, tal como ΔA. Hipóteses em relação às propriedades do material 1- Contínuo distribuição uniforme de matéria, sem vazios. 2- Coeso Suas partes bem unidas, sem trincas, falhas e etc. Definição: A tensão descreve a intensidade da força interna sobre um plano específico (área) que passa por determinado ponto. Tensão Normal: É a intensidade da força que atua no sentido perpendicular a ΔA por unidade de área (σ). σ ΔFz lim σ z A 0 ΔA z = = Δ df z da (1) Salete Buffoni 6

7 Tipos: 1- Tensão de tração 2- Tensão de compressão Tensão de Cisalhamento: É a intensidade da força, ou força por unidade de área, que atua tangente a ΔA (τ). Componentes: τ τ zx zy ΔFx = lim τ zx ΔA 0 ΔA ΔFy = lim τ zy ΔA 0 ΔA dfx = da (2) dfy = da Figura 4. Significado dos índices: 1- z em σ z Indica a direção que se afasta da reta normal, que específica a orientação da área ΔA. 2- τ zx e τ zy - z indica a orientação da área. x e y indicam às retas de direção das tensões de cisalhamento Unidades: No Sistema Internacional de Normas ou SI: Pa = N 2 m Mpa = N 2 = MN 2 ou psi = pounds mm m square = libras inch polegada quadrada Salete Buffoni 7

8 Estado Geral de Tensão Suposições: Figura Corpo seccionado por planos paralelos ao plano x-z e ao plano y-z Corta-se um elemento cúbico do volume do material. 2- Esse elemento cúbico representa o estado de tensão que atua em torno do ponto escolhido do corpo Salete Buffoni 8

9 Distribuição média de Tensão que atua na Seção Transversal de uma Barra prismática com carga axial Figura 6. Barra prismática: Membro estrutural reto, tendo a mesma seção transversal ao longo de seu comprimento. Carga axial: carga direcionada ao longo do eixo do membro. Seção Transversal: É a seção tomada perpendicularmente ao eixo longitudinal da barra. Salete Buffoni 9

10 Hipóteses: 1- A barra permanece reta antes e depois da carga ser aplicada. A seção transversal deve permanecer plana durante a deformação. Obs. 1: As linhas horizontais e verticais da grade inscrita na barra deformam-se uniformemente quando a barra está submetida a carga. Obs. 2: Desconsiderar as regiões da barra próximas a sua extremidade, pois as cargas externas podem provocar distorções localizadas. 2- P deve ser aplicada ao longo do eixo do centróide da seção transversal. Material deve ser homogêneo e isotrópico. Material homogêneo: Mesmas propriedades físicas e mecânicas em todo o seu volume. Material Isotrópico: Possui essas mesmas propriedades em todas as direções Distribuição da Tensão Normal Média Figura 6.d P + FRz = Fz ; df = σ da P = σa σ = (3) A A Salete Buffoni 10

11 σ - Tensão normal média em qualquer ponto da área da seção transversal P Resultante da força normal interna, aplicada no centróide da área da seção transversal. P é determinada pelo método das seções e pelas equações de equilíbrio. A- Área da seção transversal da barra Importante!!!! A carga P deve passar pelo centróide = ( M R ) x = M z ; 0 = ydf = yσ da σ A A A yda ( M R ) y = M y ; 0 = xdf = xσ da = σ A A A xda (4) Equilíbrio: Figura 7. F z = 0; σ ( ΔA) σ' ( ΔA) = 0 σ = σ' (5) Salete Buffoni 11

12 Exemplo: Figura 8 - Membros estruturais submetidos a carregamentos axiais. (A barra do reboque está em tração e o suporte de trem de pouso está em compressão) Figura 9 - Barra prismática em tração: (a) Diagrama de corpo livre de um segmento da barra. (b) Segmento da barra antes do carregamento, (c) Segmento da barra após o carregamento. (d) Tensões normais na barra. Salete Buffoni 12

13 Tensão Normal Média Máxima: 1. A barra pode ser submetida a várias cargas externas ao longo de seu eixo. 2. Pode ocorrer uma mudança na área de sua seção transversal Procedimento de Análise P A equação σ = fornece a tensão normal média na área da seção transversal de A um elemento quando a seção está submetida à resultante interna da força normal P. Em elementos com carga axial, a aplicação da equação exige os passos a seguir: 1- Carga Interna Seccionar o elemento perpendicular ao seu eixo longitudinal no ponto em que a tensão normal será determinada e usar o diagrama de corpo livre necessário e a equação de equilíbrio de força para obter a força axial interna P na seção. 2- Tensão Normal Média Determinar A e calcular σ = P A Exercícios 1- A barra da Figura 10 tem largura constante de 35 mm e espessura de 10 mm. Determinar a tensão normal média máxima da barra quando submetida ao carregamento mostrado. Figura 10. Salete Buffoni 13

14 Figura 11- Distribuição de tensão normal Resposta: σ bc = 85 7, MPa 2- Uma haste circular de aço de comprimento L e diâmetro d é pendurada em um poço e segura um balde de minério de peso W na sua extremidade inferior (Figura 12). (a) Obtenha uma fórmula para a tensão máxima σ maz na haste, levando em conta o peso próprio da haste. (b) Calcule a tensão máxima se L=40 m, d=8 mm e W = 1,5 kn Dados: Peso específico do aço = 77,0 kn 3 m Figura A luminária de 80 kg é suportada por duas hastes AB e BC como mostra a Figura 13. Se AB tem diâmetro 10 mm, e BC tem diâmetro de 8 mm, determinar a tensão normal média em cada haste. Salete Buffoni 14

15 Figura 13. Figura 14. (c) Distribuição da tensão normal média que atua na seção transversal da haste AB. (d) Elemento de material tensionado. Salete Buffoni 15

Tensão. Introdução. Introdução

Tensão. Introdução. Introdução Capítulo 1: Tensão Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Introdução A resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e

Leia mais

Carregamentos Combinados

Carregamentos Combinados - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Carregamentos Combinados

Leia mais

Aula 03 Tensão; Tensão Normal Média em uma barra com carga axial

Aula 03 Tensão; Tensão Normal Média em uma barra com carga axial Aula 03 Tensão; Tensão Normal Média em uma barra com carga axial Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Conceito de Tensão Representa a intensidade da força interna sobre um plano específico

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 2 Tensão Normal Média e Tensão de Cisalhamento Média Tópicos Abordados Nesta Aula Definição de Tensão. Tensão Normal Média. Tensão de Cisalhamento Média. Conceito de Tensão Representa a intensidade

Leia mais

Aula 08 - Tensão de Cisalhamento Média

Aula 08 - Tensão de Cisalhamento Média Aula 08 - Tensão de Cisalhamento Média Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Tensão de Cisalhamento Sob a ação de forças de tração P, a barra e a junta irão exercer uma pressão cortante

Leia mais

Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável

Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Resistência dos Materiais Definição: É um ramo da mecânica que estuda as relações entre

Leia mais

Aula 06 - Estudo de Deformações, Normal e por Cisalhamento.

Aula 06 - Estudo de Deformações, Normal e por Cisalhamento. Aula 06 - Estudo de Deformações, Normal e por Cisalhamento. Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Deformação Quando uma força é aplicada a um corpo, tende a mudar a forma e o tamanho

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

Capítulo 2 Tração, compressão e cisalhamento

Capítulo 2 Tração, compressão e cisalhamento Capítulo 2 Tração, compressão e cisalhamento Resistência dos materiais I SLIDES 02 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com 2.1 Cargas resultantes internas A distribuição de forças

Leia mais

Tensão de Cisalhamento Máxima Absoluta

Tensão de Cisalhamento Máxima Absoluta - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensão de Cisalhamento

Leia mais

São as vigas que são fabricadas com mais de um material.

São as vigas que são fabricadas com mais de um material. - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões em Vigas Tópicos

Leia mais

1.38. A luminária de 50 lb é suportada por duas hastes de aço acopladas por um anel em

1.38. A luminária de 50 lb é suportada por duas hastes de aço acopladas por um anel em 1.36. A luminária de 50 lb é suportada por duas hastes de aço acopladas por um anel em A. Determinar qual das hastes está sujeita à maior tensão normal média e calcular seu valor. Suponha que θ = 60º.

Leia mais

Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016.

Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016. Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME 2016.2 Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016. 1 Introdução: O conceito de tensão Conteúdo Conceito de Tensão Revisão de Estática Diagrama

Leia mais

Objetivo: Determinar a equação da curva de deflexão e também encontrar deflexões em pontos específicos ao longo do eixo da viga.

Objetivo: Determinar a equação da curva de deflexão e também encontrar deflexões em pontos específicos ao longo do eixo da viga. - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Deflexão de Vigas Objetivo:

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I. Capítulo 1 Tensão

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I. Capítulo 1 Tensão Capítulo 1 Tensão 1.1 - Introdução Resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das forças internas que

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais 1ª Parte Capítulo 1: Introdução Conceito de Tensão Professor Fernando Porto Resistência dos Materiais 1.1. Introdução O principal objetivo do estudo da mecânica dos materiais é proporcionar ao engenheiro

Leia mais

Tensões de Flexão nas Vigas

Tensões de Flexão nas Vigas - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões de Flexão nas Vigas

Leia mais

1ª Lista de exercícios Resistência dos Materiais IV Prof. Luciano Lima (Retirada do livro Resistência dos materiais, Beer & Russel, 3ª edição)

1ª Lista de exercícios Resistência dos Materiais IV Prof. Luciano Lima (Retirada do livro Resistência dos materiais, Beer & Russel, 3ª edição) 11.3 Duas barras rígidas AC e BC são conectadas a uma mola de constante k, como mostrado. Sabendo-se que a mola pode atuar tanto à tração quanto à compressão, determinar a carga crítica P cr para o sistema.

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes A - Deformação normal Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício - Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada

Leia mais

Tensão de Cisalhamento

Tensão de Cisalhamento - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensão de Cisalhamento

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO A - DEFORMAÇÃO NORMAL 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada à viga provocar um deslocamento

Leia mais

Irineu dos Santos Yassuda

Irineu dos Santos Yassuda MECÂNICA TÉCNICA 2 Curso: Técnico em Automação Industrial Irineu dos Santos Yassuda Revisão de Matemática Conceito de Momento de uma Força O momento de uma força em relação a um ponto ou eixo fornece uma

Leia mais

Transformação da deformação

Transformação da deformação - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Transformação da deformação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 4 Deformações e Propriedades Mecânicas dos Materiais Tópicos Abordados Nesta Aula Estudo de Deformações, Normal e por Cisalhamento. Propriedades Mecânicas dos Materiais. Coeficiente de Poisson. Deformação

Leia mais

teóricos necessários para se calcular as tensões e as deformações em elementos estruturais de projetos mecânicos.

teóricos necessários para se calcular as tensões e as deformações em elementos estruturais de projetos mecânicos. EME311 Mecânica dos Sólidos Objetivo do Curso: ornecer ao aluno os fundamentos teóricos necessários para se calcular as tensões e as deformações em elementos estruturais de projetos mecânicos. 1-1 EME311

Leia mais

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues.

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. Lista 12: Equilíbrio do Corpo Rígido NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

Abrangência Cálculo da deformação do corpo Estudo da estabilidade do corpo quando ele está submetido a forças externas.

Abrangência Cálculo da deformação do corpo Estudo da estabilidade do corpo quando ele está submetido a forças externas. Universidade Federal Fluminense - UFF Escola de Engenharia Industrial etalúrgica de Volta Redonda EEIVR Profa. Salete Souza de Oliveira Buffoni Figuras: Livro R.C.Hibeller e Gere 1- Introdução A Resistência

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

Resposta: F AB = 1738,7 N F AC = 1272,8 N

Resposta: F AB = 1738,7 N F AC = 1272,8 N Trabalho 1 (Cap. 1 a Cap. 4) Mecânica Aplicada - Estática Prof. André Luis Christoforo, e-mail: christoforoal@yahoo.com.br Departamento de Engenharia Civil - DECiv/UFSCar Cap. 1 Vetores de Força 1) A força

Leia mais

Rígidos MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr.

Rígidos MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Nona E 4 Equilíbrio CAPÍTULO MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Notas de Aula: J. Walt Oler Texas Tech University de Corpos Rígidos 2010 The McGraw-Hill

Leia mais

Equações Diferenciais aplicadas à Flexão da Vigas

Equações Diferenciais aplicadas à Flexão da Vigas Equações Diferenciais aplicadas à Flexão da Vigas Page 1 of 17 Instrutor HEngholmJr Version 1.0 September 21, 2014 Page 2 of 17 Indice 1. CONCEITOS PRELIMINARES DA MECANICA.... 4 1.1. FORÇA NORMAL (N)...

Leia mais

Aula 04 Sistemas Equivalentes

Aula 04 Sistemas Equivalentes Aula 04 Sistemas Equivalentes Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Sistema Equivalente Representa um sistema no qual a força e o momento resultantes produzam na estrutura, o mesmo

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 3 Tensão Admissível, Fator de Segurança e rojeto de Acoplamentos Simples Tópicos Abordados Nesta Aula Tensão Admissível. Fator de Segurança. rojeto de Acoplamentos Simples. Tensão Admissível O engenheiro

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Ex. 1.40. O bloco de concreto tem as dimensões mostradas na figura. Se o material falhar quando a tensão normal média atingir 0,840

Leia mais

Capítulo 7 Cisalhamento

Capítulo 7 Cisalhamento Capítulo 7 Cisalhamento 7.1 Cisalhamento em elementos retos O cisalhamento V é o resultado de uma distribução de tensões de cisalhamento transversal que age na seção da viga. Devido à propriedade complementar

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - Tensão Normal Média 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Bibliografia Básica: BEER, F. P.; JOHNSTON JUNIOR, E. R. Mecânica vetorial para engenheiros: cinemática e dinâmica 5ª ed. 2v. São Paulo: Makron, 1994. HIBBELER, R. C. Dinâmica: Mecânica para Engenharia.

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula ENG1200 Mecânica Geral 2013.2 Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula Questão 1 - Prova P1 2013.1 Determine o máximo valor da força P que pode ser aplicada na estrutura abaixo, sabendo que no tripé

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 Prof: Diego R. Alba 1. O macaco AB é usado para corrigir a viga defletida DE conforme a figura. Se a força compressiva

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/52

Prof. MSc. David Roza José 1/52 1/52 Introdução A mecânica dos sólidos é um ramo da mecânica que estuda as relações entre cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das forças internas que agem no interior do corpo.

Leia mais

Tensões associadas a esforços internos

Tensões associadas a esforços internos Tensões associadas a esforços internos Refs.: Beer & Johnston, Resistência dos ateriais, 3ª ed., akron Botelho & archetti, Concreto rmado - Eu te amo, 3ª ed, Edgard Blücher, 2002. Esforços axiais e tensões

Leia mais

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES Disciplina: Estruturas em Concreto II 2585 Curso: Engenharia Civil Professor: Romel Dias Vanderlei 1- Dimensionar e detalhar as armaduras (longitudinal e transversal) para o

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

EQUILÍBRIO DO CORPO RÍGIDO EXERCÍCIOS

EQUILÍBRIO DO CORPO RÍGIDO EXERCÍCIOS EQUILÍBRIO DO CORPO RÍGIDO EXERCÍCIOS 1. O esquadro metálico BD tem um apoio fixo em C e liga-se a um cabo em B. Para o carregamento representado, determine (a) a força de tração no cabo, (b) a reação

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS

RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES MÓDULO 01 RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS NOTAS DE AULA: - Prof. Borja 2016.2 MÓDULO 1 Relações Trigonométricas OBJETIVOS Ao final deste módulo o aluno deverá ser capaz de: resolver problemas

Leia mais

Aula 09 - Tensão Admissível Projeto de Acoplamento Simples

Aula 09 - Tensão Admissível Projeto de Acoplamento Simples ula 09 - Tensão dmissível rojeto de coplamento Simples rof. Wanderson S. aris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Tensão dmissível O engenheiro responsável pelo projeto de elementos estruturais ou mecânicos

Leia mais

Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I

Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I 5.9. Desenhe o diagrama de corpo livre da barra, que possui uma espessura desprezível e pontos de contato lisos em A, B e C. Explique o significado de cada força

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS EXERCÍCIOS

SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS EXERCÍCIOS SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS EXERCÍCIOS 1. Uma força P é aplicada ao pedal do freio em A. Sabendo que P = 450 N e = 30, determine o momento de P em relação a B. 2. Uma força P de 400 N é aplicada ao

Leia mais

Lista de exercícios 3 Mecânica

Lista de exercícios 3 Mecânica Lista de exercícios 3 Mecânica Geral I 4.5 Se o homem em B exerce uma força P =150N sobre sua corda, determine a intensidade da força F que o homem em C precisa exercer para impedir que o poste gire; ou

Leia mais

E = 70GPA σ e = 215MPa. A = 7500mm 2 I x = 61,3x10 6 mm 4 I y = 23,2x10 6 mm 4

E = 70GPA σ e = 215MPa. A = 7500mm 2 I x = 61,3x10 6 mm 4 I y = 23,2x10 6 mm 4 Lista 1 1. A coluna de alumínio mostrada na figura é engastada em sua base e fixada em seu topo por meios de cabos de forma a impedir seu movimento ao longo do eixo x. Determinar a maior carga de compressão

Leia mais

LISTA 2 1) Sabendo que ɑ= 50, determine a força resultante das três forças mostradas.

LISTA 2 1) Sabendo que ɑ= 50, determine a força resultante das três forças mostradas. LISTA 2 1) Sabendo que ɑ= 50, determine a força resultante das três forças mostradas. 2) Dois cabos ligados em C são carregados tal como mostra a figura. Sabendo que a tração no cabo AC é 1350 N e 675

Leia mais

Aula 11 - Propriedades Mecânicas dos Materiais / Coeficiente de Poisson.

Aula 11 - Propriedades Mecânicas dos Materiais / Coeficiente de Poisson. Aula 11 - Propriedades Mecânicas dos Materiais / Coeficiente de Poisson. Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Propriedades Mecânicas dos Materiais As propriedades mecânicas de um

Leia mais

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b).

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b). 9 ESTADO PLANO DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES As tensões e deformações em um ponto, no interior de um corpo no espaço tridimensional referenciado por um sistema cartesiano de coordenadas, consistem de três componentes

Leia mais

Mecânica dos Sólidos I Aula 07: Tensões normais, deformação, Lei de Hooke

Mecânica dos Sólidos I Aula 07: Tensões normais, deformação, Lei de Hooke Mecânica dos Sólidos I Aula 07: Tensões normais, deformação, Lei de Hooke Engenharia Aeroespacial Universidade Federal do ABC 07 de março, 2016 Conteúdo 1 Introdução 2 Tensão 3 Deformação 4 Lei de Hooke

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José -

Prof. MSc. David Roza José - 1/21 2/21 Análise de Estruturas Os problemas considerados nas aulas anteriores envolviam o equilíbrio de um corpo rígido e todas as forças envolvidas eram externas ao corpo. Agora consideraremos problemas

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade V - Flexão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade V - Flexão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade V - Flexão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

2010The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Introdução Para um corpo rígido em equilíbrio estático, as forças e momentos externos estão balenceadas e não impõem movimento de translação ou de rotação ao corpo.

Leia mais

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr.

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr. PUC - Goiás Curso: Engenharia Civil Disciplina: Mecânica Vetorial Corpo Docente: Geisa Pires Turma:----------- Plano de Aula Data: ------/--------/---------- Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para

Leia mais

Carga axial. Princípio de Saint-Venant

Carga axial. Princípio de Saint-Venant Carga axial Princípio de Saint-Venant O princípio Saint-Venant afirma que a tensão e deformação localizadas nas regiões de aplicação de carga ou nos apoios tendem a nivelar-se a uma distância suficientemente

Leia mais

1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional = 4200 knm²

1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional = 4200 knm² CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS PREPARATÓRIA PARA O ENADE 1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional 42 knm² Formulário: equação

Leia mais

ENG285 4ª Unidade 1. Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais.

ENG285 4ª Unidade 1. Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais. ENG285 4ª Unidade 1 Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais. Momento de Inércia (I) Para seção retangular: I =. Para

Leia mais

LOM Introdução à Mecânica dos Sólidos

LOM Introdução à Mecânica dos Sólidos LOM 3081 - DEMAR USP Professor : Carlos A.R.P. Baptista Ref. 1: J.M. GERE. Mecânica dos Materiais. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003, 698p. Ref. 2: F.P. BEER, E.R. JOHNSTON, J.T. DeWOLF, D.F.

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/19

Prof. MSc. David Roza José 1/19 1/19 Vasos de Pressão de Paredes Finas Vasos de pressão cilíndricos ou esféricos são comumente utilizados na indústria como tanques ou caldeiras. Quando sob pressão, o material do qual são feitos está

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Capítulo 3: Tensões em Vasos de Pressão de Paredes Finas Coeficiente de Dilatação Térmica Professor Fernando Porto Resistência dos Materiais Tensões em Vasos de Pressão de Paredes Finas Vasos de pressão

Leia mais

a-) o lado a da secção b-) a deformação (alongamento) total da barra c-) a deformação unitária axial

a-) o lado a da secção b-) a deformação (alongamento) total da barra c-) a deformação unitária axial TRAÇÃO / COMPRESSÃO 1-) A barra de aço SAE-1020 representada na figura abaixo, deverá der submetida a uma força de tração de 20000 N. Sabe-se que a tensão admissível do aço em questão é de 100 MPa. Calcular

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Elétrica Mecânica dos Sólidos Prof. MSc. Letícia R. Batista Rosas 1ª Lista de Exercícios 01) A coluna está sujeita a uma força axial de 8 kn aplicada no

Leia mais

Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. Irineu Yassuda

Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. Irineu Yassuda Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais Irineu Yassuda 2013 Definição de Resistência dos Materiais É um ramo da mecânica que estuda as relações entre cargas externas aplicadas a um corpo deformável

Leia mais

Cisalhamento transversal

Cisalhamento transversal Capítulo 7: Cisalhamento transversal Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Cisalhamento em elementos retos Vimos que por conta dos carregamentos aplicados, as vigas desenvolvem uma força de cisalhamento

Leia mais

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO ANÁLISE DE TENSÕES

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO ANÁLISE DE TENSÕES Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. www.resmat.ufba.br 4ª LISTA

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Prof. Msc. HELBER HOLLAND

ENGENHARIA CIVIL. Prof. Msc. HELBER HOLLAND ENGENHARIA CIVIL REVISÃO TRELIÇAS Reações em Estruturas Prof. Msc. HELBER HOLLAND As treliças são um tipo de estrutura usado em engenharia normalmente em projetos de pontes e edifícios. Uma treliça é uma

Leia mais

Flexão. Diagramas de força cortante e momento fletor. Diagramas de força cortante e momento fletor

Flexão. Diagramas de força cortante e momento fletor. Diagramas de força cortante e momento fletor Capítulo 6: Flexão Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Diagramas de força cortante e momento fletor Elementos delgados que suportam carregamentos aplicados perpendicularmente a seu eixo longitudinal

Leia mais

Várias formas da seção transversal

Várias formas da seção transversal Várias formas da seção transversal Seções simétricas ou assimétricas em relação à LN Com o objetivo de obter maior eficiência (na avaliação) ou maior economia (no dimensionamento) devemos projetar com

Leia mais

Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/

Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/ Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/ Estrutura Sistema qualquer de elementos ligados, construído para suportar ou transferir

Leia mais

ESTÁTICA DOS SÓLIDOS

ESTÁTICA DOS SÓLIDOS Postulados: (Nóbrega, 1980) ESTÁTICA DOS SÓLIDOS 1. Se nenhuma força for aplicada a um sólido em equilíbrio, ele permanece em equilíbrio. 2. Aplicando uma única força a um sólido isolado em equilíbrio,

Leia mais

Resistência dos Materiais. Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque

Resistência dos Materiais. Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal no projeto

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC Unidade Araranguá RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Prof. Fernando H. Milanese, Dr. Eng. milanese@cefetsc.edu.br Conteúdo

Leia mais

FESP Faculdade de Engenharia São Paulo. Prof. Douglas Pereira Agnelo Prof. Dr. Alfonso Pappalardo Jr.

FESP Faculdade de Engenharia São Paulo. Prof. Douglas Pereira Agnelo Prof. Dr. Alfonso Pappalardo Jr. FESP Faculdade de Engenharia São Paulo Avaliação: A2 Data: 15/set/ 2014 CE2 Estabilidade das Construções II Prof. Douglas Pereira Agnelo Prof. Dr. Alfonso Pappalardo Jr. Duração: 85 minutos Nome: Matrícula

Leia mais

Quarta Lista de Exercícios

Quarta Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Quarta Lista de Exercícios 1. O tubo de aço (E s = 210 GPa) tem núcleo de alumínio (E a = 69 GPa)

Leia mais

MECÂNICA GERAL 3º e 4º CICLO (ENGENHARIA MECÂNICA E DE PRODUÇÃO) Profa. Ms. Grace Kelly Quarteiro Ganharul

MECÂNICA GERAL 3º e 4º CICLO (ENGENHARIA MECÂNICA E DE PRODUÇÃO) Profa. Ms. Grace Kelly Quarteiro Ganharul MECÂNICA GERAL 3º e 4º CICLO (ENGENHARIA MECÂNICA E DE PRODUÇÃO) Profa. Ms. Grace Kelly Quarteiro Ganharul grace.ganharul@aedu.com Graduação em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção Disciplina:

Leia mais

ESTUDOS DIRIGIDOS (NP2) DATA DE ENTREGA: 24/11/16

ESTUDOS DIRIGIDOS (NP2) DATA DE ENTREGA: 24/11/16 Campus Brasília-DF Curso: Engenharia Civil Disciplina: Mecânica da Partícula Profº: MSc. Demetrius dos Santos Leão NOTA (Valor: 2,0 pontos) Nome do aluno: RA: Turma: ESTUDOS DIRIGIDOS (NP2) DATA DE ENTREGA:

Leia mais

Resistência dos. Materiais. Capítulo 3. - Flexão

Resistência dos. Materiais. Capítulo 3. - Flexão Resistência dos Materiais - Flexão cetatos baseados nos livros: - Mechanics of Materials - Beer & Jonhson - Mecânica e Resistência dos Materiais V. Dias da Silva Índice Flexão Pura Flexão Simples Flexão

Leia mais

DINÂMICA APLICADA. Livro Texto adotado: Dinâmica: Mecânica para Engenheiros R.C. Hibbeler.

DINÂMICA APLICADA. Livro Texto adotado: Dinâmica: Mecânica para Engenheiros R.C. Hibbeler. DINÂMICA APLICADA Livro Texto adotado: Dinâmica: Mecânica para Engenheiros R.C. Hibbeler. Samuel Sander de Carvalho Samuel.carvalho@ifsudestemg.edu.br Juiz de Fora MG Introdução: Objetivo: Desenvolver

Leia mais

Introdução A tensão plana existe praticamente em todas as estruturas comuns, incluindo prédios máquinas, veículos e aeronaves.

Introdução A tensão plana existe praticamente em todas as estruturas comuns, incluindo prédios máquinas, veículos e aeronaves. - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Vasos de Pressão Introdução

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Tensão Tensão é ao resultado da ação de cargas externas sobre uma unidade de área da seção analisada na peça, componente mecânico ou estrutural submetido à solicitações

Leia mais

Aula 16 - Elementos esta0camente indeterminados carregados com torque.

Aula 16 - Elementos esta0camente indeterminados carregados com torque. Aula 16 - Elementos esta0camente indeterminados carregados com torque. Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Conceito Um eixo carregado com torque pode ser classificado como esta4camente

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 1

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 1 1) Calcular as reações de apoios da estrutura da figura para P1 = 15 kn, P2 = 10 kn; P3 = 2*P1 e q = 5kN/m H A = 30 kn; V A = 31,25 kn; V B = 3,5 kn 2) A prancha de Madeira apoiada entre dois prédios suporta

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA

MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA Nona E 6 Análise CAPÍTULO MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA erdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Notas de Aula: J. Walt Oler Texas Tech University de Estruturas Conteúdo Introdução Definição

Leia mais

O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal.

O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal. CENTRÓIDES E MOMENTO DE INÉRCIA Centróide O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal. De uma maneira bem simples: centróide

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resistência dos Materiais II Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Para os estados de tensões abaixo, Pede-se: a) Componentes de tensão

Leia mais

Capítulo 4 Cisalhamento

Capítulo 4 Cisalhamento Capítulo 4 Cisalhamento 4.1 Revisão V dm dx 4.2 A fórmula do cisalhamento A fórmula do cisalhamento é usada para encontrar a tensão de cisalhamento na seção transversal. VQ It onde Q yda y' A' A' Q= momento

Leia mais

MECÂNICA - MAC Prof a Michèle Farage. 14 de março de Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais

MECÂNICA - MAC Prof a Michèle Farage. 14 de março de Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais MECÂNICA - MAC010-01 Prof a Michèle Farage 14 de março de 2011 Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais Programa 1. Introdução: conceitos e definições básicos da Mecânica, sistemas

Leia mais

MAC-015 Resistência dos Materiais Unidade 01

MAC-015 Resistência dos Materiais Unidade 01 MAC-015 Resistência dos Materiais Unidade 01 Engenharia Elétrica Engenharia de Produção Engenharia Sanitária e Ambiental Leonardo Goliatt, Michèle Farage, Alexandre Cury Departamento de Mecânica Aplicada

Leia mais

AULA 02 - TENSÃO NORMAL E DE CISALHAMENTO

AULA 02 - TENSÃO NORMAL E DE CISALHAMENTO AULA 02 - TENSÃO NORMAL E DE CISALHAMENTO Observação: Este texto não deverá ser considerado como apostila, somente como notas de aula. 1 - INTRODUÇÃO O projeto da estrutura de qualquer edificação, máquina

Leia mais