CST EM REDES DE COMPUTADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CST EM REDES DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 CST EM REDES DE COMPUTADORES MATERIAL INSTRUCIONAL ESPECÍFICO Tomo IV 1

2 Questão 1 Questão 1. 1 O termo VPN (Virtual Private Networks) advém da utilização da estrutura e desempenho da Internet para interligação de dois pontos remotos sem a necessidade de utilização de um link dedicado por meio de um tunelamento seguro. VPNs resolvem dois problemas: o da segurança, uma vez que todos os pacotes enviados via VPN são criptografados e o do endereçamento e roteamento IP, já que, se utilizássemos a Internet para conectar dois pontos, não teríamos controle dos roteadores que se encontram no caminho. Entre exemplos de protocolos utilizados em VPNs, estão A. PPTP e L2TP para estabelecer o túnel, tendo o último a possibilidade de utilizar certificados digitais na autenticação. B. RIP e OSPF para estabelecer o túnel, tendo o último a possibilidade de utilizar certificados digitais na autenticação. C. HSDPA e UTMS para estabelecer o túnel, sem suporte a certificados digitais. D. PPP e DLC para estabelecer o túnel, sem suporte a certificados digitais. E. HDLC e IS-IS para estabelecer o túnel, sem suporte a certificados digitais. 1. Introdução teórica Virtual Private Networks A VPN (Virtual Private Networks) é um ambiente de comunicação com acesso controlado, que permite conexões seguras para apenas determinada comunidade, e usa a infraestrutura de rede pública já existente, como, por exemplo, a Internet (GUIMARÃES et al. 2006). Ela é chamada de virtual porque é meramente uma ilusão, da mesma forma que os circuitos não são reais e que a memória virtual não é uma memória real (TANENBAUM, 2003). Existem diversas formas de acessar uma VPN. Tais formas são sempre baseadas em protocolos específicos, cuja função é, essencialmente, criptografar os pacotes de dados entre os pontos de rede virtualmente conectados, simulando uma única rede e protegendo o fluxo de dados em um ambiente público. Dentre os protocolos de acesso à VPN, temos o PPTP (Point-to-Point Tunneling Protocol). Sua função é executar transferências, de forma segura, de um computador 1 Questão 09 - Enade

3 remoto para um servidor privado, por meio da VPN. Outro protocolo padrão, muito similar ao PPTP, é o protocolo L2TP (Layer 2 Tunneling Protocol). Ambos são uma extensão do protocolo PPP (Point-to-Point Protocol), ou seja, são protocolos da camada de enlace que encapsulam os pacotes de dados de um ponto de origem da rede até seu ponto de destino e não têm a capacidade de roteamento. Porém eles utilizam a criptografia para aumentar a segurança do tráfego de dados em um ambiente público, como, por exemplo, a Internet. No quadro 1, é apresentado o esquema de encapsulamento dos protocolos PPTP e L2TP, partindo do ponto de vista dos quadros PPP. Cabeçalho UDP Quadro 1. Esquema de encapsulamento dos protocolos PPTP e L2TP. Cabeçalho Cabeçalho PPTP / L2TP PPP Dados PPP 2. Análise das alternativas A Alternativa correta. JUSTIFICATIVA. Para o uso da criptografia do protocolo L2TP, utiliza-se em conjunto o protocolo IPSec, garantindo o emprego de certificado digital como camada de segurança. B Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. O protocolo RIP (Routing Information Prototocol) é um protocolo de roteamento para sistemas autônomos que utiliza vetores de distância para a contagem de saltos como métrica de custo de roteamento, conforme definição RFC O protocolo OSPF (Open Shortest Path First), como o RIP, é um protocolo de roteamento, definido pela RCF Logo, esses protocolos são apenas de roteamento. C Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. A sigla UTMS está escrita erroneamente: seria UMTS (Universal Mobile Telecommunications System). A alternativa permanece invalidada, pois o protocolo HSDP é um protocolo de comunicação para telefonia móvel. D Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. O protocolo PPP (Point-to-Point Protocol) é um protocolo da camada de enlace que encapsula os pacotes de dados de um ponto de origem da rede até seu ponto de 3

4 destino e que não tem as capacidades de roteamento e criptografia. Ele é utilizado entre provedores domésticos e um provedor de internet. O protocolo DLC (Data Link Control) é um protocolo não roteável, geralmente utilizado para emulação de terminal para comunicação com mainframes. Logo, esses protocolos não são utilizados para suporte à VPN. E Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. O protocolo HDLC (High Level Data Link) é um protocolo da camada de enlace, cujo objetivo é realizar o roteamento, tal qual o protocolo PPP (Point-to-Point Protocol). Porém sua implementação é mais complexa se comparada à do PPP, permitindo, por exemplo, receptores múltiplos. O protocolo IS-IS (Intermediate System to Intermediate System) e o protocolo OSPF (Open Shortest Path First) podem estabelecer o túnel. No entanto, sua implementação é baseada tanto no modelo ISO/OSI quanto no modelo TCP, o que garante maior compatibilidade entre equipamentos. Portanto, esses protocolos são utilizados para roteamento. 3. Indicações bibliográficas FOROUZAN, B. A. Comunicação de dados e redes de computadores. Porto Alegre: McGraw Hill Brasil, GUIMARÃES, A. G.; LINS, R. D.; OLIVEIRA, R. C. Segurança em Redes Privadas Virtuais - VPNs. Brasport KOROSE, JAMES F.; ROSS, K. W. Redes de computadores e a internet: uma abordagem top-down. São Paulo: Pearson, TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. Redes de computadores. São Paulo: Pearson,

5 Questão 2 Questão 2. 2 O padrão IEEE , também conhecido como WiMAX, devido ao fórum dos fabricantes, é uma tecnologia para transmissão sem fio em redes locais que provê qualidade de serviço em suas transmissões. PORQUE O padrão IEEE possui técnicas adaptativas de modulação e codificação, além de ser uma tecnologia orientada à conexão. Acerca dessas asserções, assinale a opção correta. A. As duas asserções são proposições verdadeiras e a segunda é uma justificativa correta da primeira. B. As duas asserções são proposições verdadeiras e a segunda não é uma justificativa correta da primeira. C. A primeira asserção é uma proposição verdadeira e a segunda, uma proposição falsa. D. A primeira asserção é uma proposição falsa e a segunda, uma proposição verdadeira. E. Tanto a primeira quanto a segunda asserções são proposições falsas. 1. Introdução teórica Worldwide Interoperability for Microwave Access (WiMax) O WiMaX foi padronizado pela IEEE (especificação ) com o objetivo de estimular o mercado de redes metropolitanas sem fio de banda larga, combinando aspectos do padrão IEEE com os de redes 3G (TANENBAUM, 2011). Do padrão IEEE (wireless LAN), ele herdou a tecnologia OFDM (Orthogonal Frequency Division Multiplexing), para garantir bom desempenho, e a MIMO (Multiple Input, Multiple Output), para alcançar altos níveis de throughput. Das redes 3G, o WiMaX herdou a tecnologia de transmissão de dados em grandes áreas geográficas para um grande volume de usuários, mas ele é mais potente e tem antenas melhores nas estações-bases, realizando cuidadosa programação de transmissão de dados a cada um de seus usuários e otimizando, dessa maneira, o uso do espectro para transmissão de dados. 2 Questão 10 Enade

6 Vale destacar que a tecnologia OFDM divide uma banda larga do espectro em muitas fatias estreitas, sobre as quais diferentes bits são enviados em paralelo. Já a tecnologia MIMO consiste em uma técnica de separação de sinais de fluxos emitidos pelas antenas. O uso de múltiplas antenas oferece aumento de velocidade e melhora do alcance e da confiabilidade. O WiMax é classificado como uma MAN (Metropolitan Area Network), porque ele expande-se a distâncias maiores do que a tecnologia LAN (Local Area Network), mas menores do que a WAN (Wide Area Network) (COMER, 2007). 2. Análise das afirmativas I Asserção incorreta. JUSTIFICATIVA. A primeira asserção corresponde a uma proposição falsa, pois o padrão IEEE foi concebido para estimular o mercado pelo comitê WiMax Forum. II Asserção incorreta. JUSTIFICATIVA. A segunda asserção não pode justificar a primeira por tratar de características técnicas do padrão WiMax. Alternativa correta: D. 3. Indicações bibliográficas COMER, D. E. Redes de computadores e internet. Porto Alegre: Bookman, TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. Redes de computadores. São Paulo: Pearson,

7 Questão 3 Questão 3. 3 Um administrador de redes de computadores implementou uma solução para a utilização do IPv6 em sua rede corporativa. A solução desenvolvida pelo administrador permitiu a transmissão de pacotes IPv6 através da infraestrutura IPv4 já existente, encapsulando o conteúdo do pacote IPv6 em um pacote IPv4. Qual é a técnica de coexistência e transição do IPv6 para IPv4 que o administrador de rede utilizou? A. Técnica de pilha dupla. B. Técnica de roteamento. C. Técnica de tradução. D. Técnica de store-and-forward. E. Técnica de tunelamento. 1. Introdução teórica Internet Protocol (IP) O elemento que mantém a Internet unida é o protocolo de camada de rede, o IP (Internet Protocol). Sua tarefa é fornecer a melhor forma possível de transportar pacotes da origem para o destino, independentemente de as máquinas estarem na mesma rede ou de haver outras redes entre elas (TANENBAUM, 2011). Dois pontos são importantes para a compreensão de seu funcionamento: sua unidade básica de transmissão de dados (datagrama IP) e seu mecanismo de identificação de origem e destino (endereço IP). É com base no endereço IP que o roteamento e a divisão de subredes são feitos (CASARINE et al. 2009). O datagrama IP é composto por um cabeçalho de controle e uma área de dados. O cabeçalho de controle do IP tem tamanho entre 20 e 60 bytes e tem uma série de informações que são empregadas no roteamento e na entrega do datagrama (CASARINE et al. 2009). 3 Questão 11 Enade

8 Na rede, cada equipamento é identificado por um número de 32 bits e o endereço IP é representado por quatro números decimais (um por byte), como, por exemplo, Os endereços IP foram originalmente divididos em classes, de acordo com a quantidade de bits usados. Existem cinco classes de endereço IP: A, B, C, D e E. Os endereços IP das classes A, B e C não têm empregador para definir redes e equipamentos dentro dessas redes. Os endereços de classe D dão suporte à comunicação em grupos (multcast) e os endereços de classe E são reservados para uso futuro (CARISSIMI et al. 2009). Devido ao crescimento exponencial da Internet, o IP versão 4 (IPv4) está próximo de esgotar os endereços disponíveis. A única solução em longo prazo é passar para endereços maiores (TANENBAUM, 2011). No início da década de 1990, o IETF definiu um novo protocolo para suceder o IPv4, com o objetivo de suprimir a crescente demanda por endereços IP e de oferecer suporte a novos serviços, principalmente multimídia. Esse novo protocolo foi chamado de IPv6. Para o IPv6, foi criada nova notação para representar endereços de 16 bytes. Eles são escritos sob a forma de oito grupos de quatro dígitos hexadecimais, separados por sinais de dois-pontos entre os grupos, como: 8000:0000:0000:0000:0123:4567:89AB:CDEF. O pacote (datagrama) IPv6 é composto por um cabeçalho obrigatório de tamanho fixo, simplificado se comparado com o IPv4, seguido por uma série de outros cabeçalhos opcionais de tamanhos variáveis e por uma área de dados. O cabeçalho obrigatório do IPv6 tem 40 bytes e é dividido em 7 campos, seis a menos do que o IPv4. Como no IPv4, o cabeçalho do IPv6 inicia com um campo versão (version). O objetivo é permitir que, durante um período de transição em que datagramas IPv4 conviverão com pacotes IPv6, os equipamentos de rede, principalmente roteadores, possam identificar seu tipo e tratá-los adequadamente. Durante o período de transição, ilhas isoladas de IPv6 serão convertidas, inicialmente, por meio de túneis. Essa técnica é chamada de tunelamento (tunneling) e somente os roteadores multiprotocolo precisam entender os pacotes IPv4 e IPv6. Dessa maneira, um host A constrói o pacote IPv6 com o destino, o host B, de endereço IPv6, e o envia para um roteador multiprotocolo que conecta a rede IPv6 do host A à Internet IPv4. Quando esse roteador recebe o pacote IPv6, ele o encapsula com um cabeçalho IPv4, endereçado ao lado IPv4 do roteador que se conecta à rede IPv6 do host B. Ou seja, o roteador coloca um pacote (IPv6) dentro de um pacote (IPv4). Quando esse 8

9 pacote embrulhado chega, o roteador do host B remove o pacote IPv6 original e o envia adiante para o host B (TANENBAUM, 2011). O tunelamento é bastante usado para conectar hosts e redes isoladas empregando outras redes, chamadas de overlay. Essas redes são sobrepostas a uma rede básica, tal qual uma VPN (Virtual Private Networks). 2. Análise das alternativas A Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Embora a técnica de pilha dupla de protocolo seja uma alternativa para a coexistência de IPv4 e IPv6, ela capacita os equipamentos a comunicarem-se nos dois protocolos, de acordo com o tipo de pacote recebido. Porém o administrador usou outra técnica, conseguindo encapsular os pacotes IPv6 em pacotes IPv4. B Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Técnicas de roteamento não são utilizadas como técnicas de coexistência de IPv6 e IPv4. C Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Técnicas de tradução permitem que equipamentos IPv6 comuniquem-se com equipamentos IPv4 utilizando a conversão de pacotes. Tal conversão pode ser realizada tanto por meio de tabelas de estado com informações sobre o pacote a ser convertido quanto por processo individual de cada pacote (stateful e stateless respectivamente), não necessitando de encapsulamento de pacotes IPv6 em IPv4 entre as infraestruturas. D Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Store-and-forward é o nome dado à técnica de controle de tráfego nas conexões seriais dos roteadores, denominadas FIFO (First In; First Out;). Essa técnica é o processamento padrão dos roteadores e nada contribui para as técnicas de coexistência de IPv6 e IPv4. E Alternativa correta. JUSTIFICATIVA. Para o ambiente exposto no enunciado da questão, a técnica de tunelamento é a que mais se enquadra na descrição da solução dada pelo administrador da 9

10 rede, visto que essa técnica encapsula os pacotes IPv6 em pacotes IPv4 para que possam trafegar em uma infraestrutura IPv4 já existente. 3. Indicações bibliográficas CARISSIMI, A. S.; ROCHOL, J.; GRANVILLE, L. Z. Redes de computadores. Porto Alegre: Bookman, Ipv6.Br. CEPTRO.BR - Centro de Estudos e Pesquisas em Tecnologia de Redes e Operações. Técnicas de transição do IPv4 para o IPv6, Disponível em <http://ipv6.br/entenda/transicao/>. Acesso em 27 mar TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. Redes de computadores. São Paulo: Pearson,

11 Questão 4 Questão 4. 4 A arquitetura do padrão IEEE (WiFi) é constituída fundamentalmente pelo conjunto Básico de serviço (Basic Service Set BSS). Um BSS contém uma ou mais estações sem fio e uma estação base, conhecida como Access Point (AP). Ao instalar um AP, um administrador de rede designa ao AP um Identificador de Conjunto de Serviços (Service Set Identifier SSID). Cada estação sem fio precisa se associar com um AP antes de poder enviar e receber quadros IEEE Suponha que um determinado restaurante no centro de uma cidade é atendido por dois provedores de acesso à Internet (Internet Service Provider - ISP) que trabalham no padrão b. Cada ISP opera seu próprio AP em sub-redes com endereços de Internet (Internet Protocol IP) diferentes. Por desconhecimento, cada ISP considerou que a área do restaurante pertence a um de seus BSS e configurou seu respectivo AP para operar no mesmo canal (canal 3) na área do restaurante. Para que uma estação sem fio na área do restaurante utilize o canal 3 para transmitir e receber dados sem a ocorrência de colisões, ela deve A. associar-se aos dois SSID simultaneamente. B. associar-se a mais de um AP na mesma BSS. C. comunicar-se simultaneamente com outra estação sem a necessidade de associação. D. associar-se a um SSID qualquer, desde que não haja outra estação sem fio transmitindo simultaneamente no canal 3. E. comunicar-se simultaneamente com outra estação, desde que cada estação se associe a um AP, ou seja, a SSID diferentes. 1. Introdução teórica Redes O modo mais popular de se utilizar as redes é conectar clientes, como laptops e smartphones, a outra rede, como a intranet da empresa ou a internet. Nessa operação, chamada infraestrutura, cada cliente está associado a um AP (Access Point), que, por sua vez, está conectado a outra rede. O cliente transmite e recebe seus pacotes por meio do AP. 4 Questão 12 - Enade

12 Várias técnicas de transmissão foram acrescentadas à camada física à medida que o evoluiu. Uma das técnicas iniciais, o espectro dispersão de sequência direta a 1 e 2 Mbps na banda de 2,4 GHz, foi estendida para trabalhar com velocidades de até 11 Mps e tornou-se rapidamente um sucesso. Ela agora é conhecida como b (TANENBAUM, 2011). Em uma rede sem fio de infraestrutura, uma estação sem fio deve associar-se a um ponto de acesso antes de poder enviar e receber dados. Para permitir sua identificação, cada ponto de acesso tem um nome, que é seu SSID (Service Set Identifier). Cada ponto de acesso é configurado para usar um número de canal que corresponde a uma faixa de frequência a ser utilizada na transmissão de dados. As redes b, ou g, têm uma faixa de 85 MHz à sua disposição (2.4 GHz a GHz), a qual é dividida em 11 canais que se sobrepõem parcialmente. Não há sobreposição entre quaisquer dois canais se eles estiverem separados por pelo menos quatro canais, por exemplo, os canais 1, 6 e 11. Na prática, isso se traduz pela possibilidade de haver três pontos de acesso em uma mesma área de cobertura, desde que não haja disputa pelo acesso ao canal entre eles (CARISSIMI et al. 2009). Para entender os aspectos da comunicação de redes sem fio, consideremos três computadores alinhados em um ambiente, posicionados longe uns dos outros, de modo que o computador 1 consiga comunicar-se apenas com o computador 2 e o computador 3 apenas com o computador 2 e, assim, o computador 2 comunica-se com os computadores 1 e 3 (gerando o problema de estação oculta). Para assegurar que esses computadores compartilhem os mesmos meios de transmissão, as redes sem fio utilizam um esquema chamado CSMA/CA (Carrier Sense Multiple Access with Collision Avoidance): o transmissor envia um breve pacote de transmissão ao receptor antes de transmitir o pacote de dados. Suponhamos, então, as seguintes condições. Computador 1 envia pacotes para o computador 2. Antes de enviá-los, o computador 1 transmite uma breve mensagem de controle. Quando o computador 2 a recebe, responde ao 1, enviando outra mensagem de controle para indicar que está pronto para receber uma transmissão. Quando o computador 1 recebe a resposta de seu receptor, ele começa a transmissão do quadro. A vantagem de esperar por uma resposta do receptor torna-se clara, lembrando, apenas, que a transmissão é assimétrica: embora o computador 3 não receba transmissão do computador 1, ele recebe do computador 2. Desse modo, uma vez que o computador 2 12

13 envia uma resposta, todos os computadores dentro do alcance de sua antena esperarão pela transmissão de um pacote (ainda que não possam receber a transmissão). Colisões de mensagens de controle podem acontecer quando se estiver usando CSMA/CA, mas podem ser tratadas facilmente. Suponhamos agora outras condições, conforme segue. Computadores 1 e 3 enviam pacotes simultâneos ao computador 2. Os computadores 1 e 3 enviam suas mensagens de controle. As mensagens de controle chegam ao computador 2 simultaneamente, causando colisão. Quando essas colisões acontecem, as estações transmissoras aplicam um backoff (uma pausa na transmissão) aleatório antes de reenviar as mensagens de controle, porque, assim, a possibilidade de uma segunda colisão é muito baixa. Mais cedo ou mais tarde, uma das duas mensagens de controle chegará intacta e o computador 2 transmitirá uma resposta (COMER, 2007). Tais técnicas de comunicação são implementadas por meio de dois modos de operação: descentralizado (DCF Distributed Coordination function) e centralizado (PCF Point Coordination Function). Além do mecanismo de CSMA/CA, o IEEE inclui outro mecanismo chamado MACAW (Multiple Acsess Collision Avoidance Wireless), que ajuda a evitar colisões na presença de estações ocultas e reduz a necessidade de retransmissão a quadros de controle de curta duração temporal (CARISSIMI et al. 2009). 2. Análise das alternativas A Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Uma interface de rede padrão IEEE pode associar-se a apenas um SSID por vez, ainda que eles sejam estruturas como ESS, nas quais é possível existir mais de um AP (atuando como ponte) e utilizar o mesmo SSID. B Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Uma interface de rede padrão IEEE pode associar-se a apenas um AP, pois tais equipamentos funcionam em modo infraestrutura. 13

14 C Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. A comunicação direta com outras estações por meio de rede sem fio apenas é possível se as interfaces de rede IEEE estiverem funcionando em modo adhoc. No caso do ambiente ilustrado na questão, o modo de operação em funcionamento é infraestrutura. D Alternativa correta. JUSTIFICATIVA. Quando não existe nenhuma estação em comunicação naquele momento, não haverá colisão de pacotes, uma vez que estão utilizando o mesmo canal. A solução ideal é verificar quais os canais livres na vizinhança do AP e usar um desses canais. Não sendo possível, a solução é utilizar o canal quando os dois AP não estiverem operando ao mesmo tempo, pois, caso contrário, colisões ocorrerão. E Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Como na alternativa C, esse caso não seria possível. 3. Indicações bibliográficas CARISSIMI, A. S.; ROCHOL, J.; GRANVILLE, L. Z. Redes de computadores. Porto Alegre: Bookman, COMER, D. E. Redes de computadores e internet. Porto Alegre: Bookman, TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. Redes de computadores. São Paulo: Pearson,

15 Questão 5. 5 Questão 5 No nível mais amplo, podem-se distinguir mecanismos de controle de congestionamento conforme a camada de rede ofereça ou não assistência explícita à camada de transporte com finalidade de controle de congestionamento. KUROSE, J. F. Redes de computadores e a internet. 5 ed. São Paulo: Addison Wesley, 2010, p A respeito desse tema, avalie as asserções que se seguem e a relação proposta entre elas. O protocolo de controle de transmissão (TCP) deve necessariamente adotar o método não assistido, no qual a camada de rede não fornece nenhum suporte explícito à camada de transporte com a finalidade de controle de congestionamento. PORQUE A camada de rede Internet Protocol (IP) não fornece realimentação de informações aos sistemas finais quanto ao congestionamento da rede. Acerca dessas asserções, assinale a opção correta. A. As duas asserções são proposições verdadeiras e a segunda é uma justificativa correta da primeira. B. As duas asserções são proposições verdadeiras e a segunda não é uma justificativa correta da primeira. C. A primeira asserção é uma proposição verdadeira e a segunda, uma proposição falsa. D. A primeira asserção é uma proposição falsa e a segunda, uma proposição verdadeira. E. Tanto a primeira quanto a segunda asserções são proposições falsas. 1. Introdução teórica Congestionamento de rede O congestionamento da rede ocorre quando há muitos pacotes presentes em uma rede, gerando perda de desempenho. Como o congestionamento ocorre dentro da rede, a camada de rede precisa determinar o que fazer com os pacotes em excesso. O modo mais eficiente de controlar o congestionamento é reduzir a carga gerada pela camada de transporte sobre a rede. Isso 5 Questão 13 - Enade

16 exige que as camadas de rede e transporte trabalhem juntas (TANENBAUM, 2011). Ou seja, a existência de congestionamento na rede significa que, por um momento, a carga é maior do que os recursos que a rede pode tratar. Para minimizar tal problema, as técnicas de controle de congestionamento incluem técnicas preventivas (embora sejam implantadas mais lentamente), como novos provisionamentos da rede, roteamento com conhecimento do tráfego, controle de acesso, controle de tráfego e corte de carga (técnica mais rápida, de modo reativo). Independentemente da técnica adotada, existem dois procedimentos comumente adotados na prática de controle de congestionamento, conforme segue. Controle de congestionamento fim a fim. A camada de rede não fornece nenhum suporte explícito à camada de transporte com a finalidade de controle de congestionamento. Até mesmo a presença de congestionamento de rede deve ser intuída pelos sistemas finais com base apenas na observação do comportamento na rede (perda de desempenho e pacotes). O TCP deve, necessariamente, adotar esse método fim a fim para o controle de congestionamento, visto que a camada IP não fornece realimentação de informações aos sistemas finais quanto ao congestionamento da rede. A perda de segmentos TCP é tomada como indicação de congestionamento e o TCP reduz o tamanho da janela de acordo com isso. Controle de congestionamento assistido pela rede. Os componentes da camada de rede (isto é, roteadores) fornecem realimentação específica de informações ao remetente a respeito do estado de congestionamento na rede. Essa realimentação pode ser tão simples como um único bit indicando o congestionamento em um enlace. A realimentação mais sofisticada de rede também é possível, por exemplo, porque permite que um roteador informe, explicitamente ao remetente, a velocidade de transmissão que ele (roteador) pode suportar em um enlace de saída. Outro exemplo provê um retorno (feedback) calculado pelo roteador para cada fonte, transmitindo no cabeçalho do pacote o modo como essa fonte aumenta ou diminui sua taxa de transmissão (KUROSE, 2010). 2. Análise das afirmativas I Asserção correta. JUSTIFICATIVA. A primeira proposição é válida, pois cada camada tem uma finalidade específica. 16

17 II Asserção correta. JUSTIFICATIVA. A segunda proposição é uma justificativa da primeira proposição, visto que o IP não fornece nenhum tipo de feedback ao TCP em relação ao estado de seus pacotes. Alternativa correta: A. 3. Indicações bibliográficas KUROSE, J. F.; ROSS, K. W. Redes de computadores e a internet: uma abordagem topdown. São Paulo: Pearson, TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. Redes de computadores. São Paulo: Pearson,

18 Questão 6 Questão 6. 6 A arquitetura de Serviços Diferenciados (Diffserv) é composta por elementos funcionais implementados nos nós da rede, incluindo opções de comportamento de encaminhamento por nó (per-hop forwarding behaviors PHB), funções de classificação e funções de condicionamento de tráfego. Há várias propostas para tipos de PHB para a arquitetura de Serviços Diferenciados. Porém há basicamente dois tipos normatizados: Encaminhamento Expresso (Expedited Forwarding EF) e Encaminhamento Assegurado (Assured Forwarding AF). Além desses dois, há o PHB BE (Best-Effort) para o comportamento de encaminhamento de tráfego de melhor esforço da Internet. Considerando a utilização para o serviço de voz e para o serviço de World Wide Web - WWW, os respectivos PHB indicados são A. AF e BE. B. AF e EF. C. BE e AF. D. EF e BE. E. EF e AF. 1. Introdução teórica Arquitetura Diffserv (Serviços Diferenciados) A arquitetura Diffserv tem como objetivo fornecer um serviço diferenciado, apresentando a habilidade de lidar com as diferentes classes de tráfego de diferentes modos na Internet de modo escalável e flexível, conforme RFCs 2474 e 2475 (KUROSE, 2010). Tais serviços podem ser oferecidos por um conjunto de roteadores que formam um domínio administrativo (por exemplo, um ISP ou uma empresa de telecomunicações). A administração define um conjunto de classes de serviço com regras de encaminhamento correspondentes. Se um cliente fizer a assinatura de um Diffserv, os pacotes que entrarem no domínio serão marcados com a classe a que pertencem. Essa informação é executada no campo differentiated services dos pacotes IPv4 e IPv6 (TANENBAUM, 2011). A arquitetura Diffserv consiste em dois conjuntos de elementos funcionais, conforme segue. Funções de borda - classificação de pacotes e condicionamento de tráfego. Na borda de entrada da rede (isto é, em um hospedeiro habilitado a Diffserv, que gera o tráfego, ou no primeiro roteador habilitado a Diffserv pelo qual o tráfego passa), os 6 Questão 14 Enade

19 pacotes que chegam são marcados. A marca que um pacote recebe identifica a classe de tráfego à qual ele pertence. Assim, diferentes classes de tráfego recebem serviços diferenciados dentro no núcleo da rede. Função central envio. Quando um pacote marcado com Diffserv chega ao roteador habilitado para Diffserv, ele é repassado até seu próximo salto de acordo com o comportamento por salto (PHB Per Hop Behavior) associado à classe do pacote. Os buffers e a largura de banda de um roteador compartilhado entre as classes de tráfego corrente são influenciados pelo comportamento por salto e baseiam-se somente nas marcas dos pacotes, isto é, na classe de tráfego a que o pacote pertence, e evitando a necessidade de manter o estado do roteador para pares fonte-destino individuais (KUROSE, 2010). Como exemplo de aplicabilidade desses dois elementos, podemos imaginar que uma operadora poderia cobrar uma tarifa extra por cada pacote especial transportado ou poderia permitir até N pacotes especiais por mês a uma taxa mensal adicional fixa (TANENBAUM, 2011). Existem dois tipos de PHB. O PHB de repasse (ou encaminhamento) acelerado (EF Expedited Forwarding), conforme RCF 3246, e o PHB de repasse (ou encaminhamento) assegurado (AF Assured Forwarding), conforme RFC Esses repasses estão descritos a seguir. Repasse acelerado. Especifica que uma taxa de partida de uma classe de tráfego de um roteador deve ser igual a uma taxa configurada ou maior do que ela. Isto é, durante qualquer intervalo de tempo, fica garantido que a classe de tráfego recebe largura de banda suficiente, de modo que a taxa de saída do tráfego seja igual a essa taxa mínima configurada ou maior do que ela. Repasse assegurado. Divide o tráfego em quatro classes e garante, a cada classe AF, o fornecimento de uma quantidade mínima de largura de banda e de buffer. Dentro de cada classe, os pacotes são repartidos em três categorias de descarte preferencial. Quando ocorre congestionamento dentro de uma classe AF, um roteador pode, então, descartar pacotes com base em seus valores de descarte preferencial. Existe também uma técnica padrão de PHB, utilizada quando não há sinalização de DiffServ nos pacotes, conhecida como comportamento de encaminhamento de tráfego de melhor esforço da Internet (PHB BE Best Effort). 19

20 2. Análise das alternativas A Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. A utilização de AF acarreta um processo com mais etapas de processamento. Logo, essa latência ocasionaria perda de desempenho para aplicações VIP. B Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. A utilização de EF para tráfego Web (www) invalida a alternativa. Para esse tipo de tráfego, utilizamos BE, por se tratar de um tráfego mais ordinário na Internet. C - Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. A utilização de BE para tráfego de Voip não chega a prejudicar seu desempenho, porém utilizando-se EF, esse tráfego teria um tratamento especial, melhorando seu desempenho. O uso de AF no tráfego Web (www) causa perda de desempenho, pois esse processo é lento e a quantidade de pacotes para tráfego é grande. D Alternativa correta. JUSTIFICATIVA. Um tráfego de Voip auxiliado por EF melhora o desempenho porque trata os pacotes Voip com prioridade. Já para o tráfego da Web (www), por ser de grande volume, pode ser utilizado o controle por BE, sem prejuízo ao seu conteúdo. E Alternativa incorreta. JUSTIFICATIVA. Um tráfego de Voip auxiliado por EF melhora o desempenho porque trata os pacotes Voip com prioridade. Porém o uso de AF no tráfego Web (www) causa perda de desempenho, pois esse processo é lento e a quantidade de pacotes para tráfego é grande. 3. Indicações bibliográficas KUROSE, JAMES F.; ROSS, K. W. Redes de computadores e a internet: uma abordagem top-down. São Paulo: Pearson, TANENBAUM, A. S.; WETHERALL, D. Redes de computadores. São Paulo: Pearson,

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Serviços Técnicas de Detecção e correção de Erros Protocolos de Acesso múltiplo Endereçamento Ethernet VLANs Relembrando

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Informática de Gestão - Redes de Computadores Professor: Alexandre Unterstell - prof.alex@uniuv.edu.br - www.alex.inf.br

Informática de Gestão - Redes de Computadores Professor: Alexandre Unterstell - prof.alex@uniuv.edu.br - www.alex.inf.br Informática de Gestão - Redes de Computadores Professor: Alexandre Unterstell - prof.alex@uniuv.edu.br - www.alex.inf.br Redes de computadores Coleção de computadores interconectados, permitindo a troca

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores Santo André, 2Q2011 1 Comutação Comutação (chaveamento): alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Virtual Private Network ou Rede Privada Virtual É uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de empresas e/ou instituições,

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 14 Agenda : Pontes entre LANs 802.x e 802.y Interligação de redes locais Pontes de árvores

Leia mais