Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5"

Transcrição

1 Recomendação Técnica n.º 5 Revisão de Demonstrações Financeiras Intercalares Janeiro de 1988 Índice Julho de 1993 (1ª Revisão) Parágrafos Introdução 1-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-8 Recomendações 9-17 Anexo - Modelo de Relatório 1

2 Introdução 1. As empresas e outras entidades podem preparar demonstrações financeiras intercalares para diversos fins, internos ou externos, e na prática, verifica-se uma cada vez maior tendência nesse sentido. Estas demonstrações financeiras podem ter um carácter ocasional ou serem de emissão regular (semestrais, trimestrais ou mensais). 2. Nalgumas situações, a preparação e até a publicação de demonstrações financeiras intercalares pode ser obrigatória. É o caso, em Portugal, do estipulado no artigo 297º do Código das Sociedades Comerciais (balanço intercalar para os adiantamentos sobre lucros no decurso do exercício) e do artigo 342º do Código do Mercado dos Valores Mobiliários (informação semestral pelas sociedades com acções cotadas). 3. Ao revisor oficial de contas pode ser solicitada uma revisão das demonstrações financeiras intercalares e, nos casos acima citados, bem como noutros em que seja obrigatória a publicação respectiva, esta é, em regra, igualmente acompanhada do relatório da sua revisão. Justificação 4. A maior dificuldade prática em regra associada à preparação de demonstrações financeiras intercalares reside na circunstância de frequentemente a organização contabilística das empresas ou entidades não estar preparada para produzir contas intercalares com um grau de rigor equivalente ao das contas anuais, ou de não serem utilizados na sua totalidade os procedimentos conducentes a uma especialização adequada dos custos e dos proveitos. 5. São exemplos típicos desta dificuldade as situações em que, por eventual inadequação dos sistemas contabilístico e de controlo interno e/ou dos procedimentos específicos ligados ao processo de fecho das contas de períodos intercalares, os serviços da empresa ou entidade: não procedem à periodização das amortizações; não utilizam um sistema de inventário permanente das existências e, no contexto do seu sistema de inventário intermitente, não regulam satisfatoriamente os processos de contagem física e de valorização intercalares e/ou não garantem a execução adequada de tais inventariações intercalares; não garantem a correcta execução de procedimentos visando o apuramento sistemático, ao longo do exercício, dos riscos de cobrança de créditos e de obsolescência das existências, e de outras contingências que afectam a situação financeira e os resultados das operações e devem dar lugar ao registo de provisões adequadas; não acautelam as perdas potenciais estimadas de outros activos; não dispõem de, ou não utilizam, procedimentos destinados a identificar, ao longo do exercício, ganhos ou perdas potenciais nos activos e passivos expressos em moeda estrangeira; não asseguram uma correlação adequada entre custos e proveitos nos períodos intercalares; por eventualmente não disporem de metodologia apropriada e experiência nessa área, não aplicam as correcções extra-contabilísticas tendentes a apurar a matéria colectável e a calcular adequadamente a provisão para impostos sobre os lucros respeitantes aos períodos intercalares. Objectivos 2

3 6. Nalgumas situações o trabalho do revisor oficial de contas sobre as demonstrações financeiras intercalares deverá ter o âmbito e a profundidade equivalentes ao do exame conducente à certificação legal das contas anuais. A certificação legal das contas intercalares pode ser-lhe solicitada pela empresa ou entidade ou ser-lhe exigida pelos estatutos ou pela lei. É o caso do artigo 297º do Código das Sociedades Comerciais, o qual prevê que a distribuição de lucros pelas sociedades anónimas no decurso do exercício seja precedida de um balanço intercalar certificado por revisor oficial de contas. 7. Em todas as outras situações, que na prática tendem a ser cada vez mais frequentes, o relatório do revisor oficial de contas sobre as demonstrações financeiras intercalares não tem necessariamente que constituir uma certificação legal de tais demonstrações, e o trabalho da revisão não carece, em tais casos, de ser um exame com o âmbito e a profundidade exigidos pelas Normas e Recomendações Técnicas para a certificação legal das contas. 8. Normalmente sucede até que o conjunto da informação financeira intercalar objecto de revisão não contém as divulgações suficientes que habilitem o revisor oficial de contas e emitir uma certificação legal dessas demonstrações financeiras. Em qualquer caso, no entanto, deve o revisor confirmar se o seu trabalho revelou ou não significativos desvios de tais demonstrações face aos princípios contabilísticos geralmente aceites, ou seja, atestar uma segurança por via negativa das demonstrações financeiras objecto da sua revisão. Recomendações 9. A revisão de demonstrações financeiras intercalares deve ser sempre considerada um serviço distinto do exame conducente à certificação legal das contas anuais. 10. Sendo esse serviço normalmente prestado pelo revisor oficial de contas que também é responsável pelo exame e certificação das contas anuais da empresa ou entidade, deve esse revisor planear e realizar a revisão das demonstrações financeiras intercalares de forma integrada, com vista ao melhor aproveitamento global e à minimização de esforços e custos dos trabalhos conducedentes ao relatório intercalar e à certificação anual. 11. Quando não estejam condicionados por disposições legais ou estatutárias imperativas, os fins a que se destina a revisão e o tipo de relatório a emitir pelo revisor oficial de contas sobre as demonstrações financeiras intercalares devem ser esclarecidos e acordados antecipadamente com a empresa ou entidade. 12. Cabe depois ao revisor oficial de contas, com base no seu conhecimento da organização e da actividade da empresa ou entidade, definir, sob sua exclusiva responsabilidade, a natureza, o âmbito e a profundidade do trabalho a realizar para emitir o tipo de relatório e atingir os fins previamente estabelecidos. 13. Quando seja estabelecido que o relatório a emitir não constituirá uma certificação legal, fica o revisor oficial de contas dispensado de proceder ao exame com o âmbito e a profundidade exigidos pelas Normas e Recomendações Técnicas para tal certificação. A revisão das demonstrações financeiras intercalares deve ainda assim obedecer, de acordo com as circunstâncias e com as adaptações necessárias: 3 a) às disposições aplicáveis das Normas Técnicas, designadamente no tocante às acções preparatórias (artigos 20º a 23º), aos princípios orientadores (artigos 29º a 35º), aos procedimentos genéricos (artigos 36º e 37º), e ao tratamento dos acontecimentos subsequentes (artigos 38º e 39º); e b) supletivamente, nos termos da alínea a) do artigo 14º das Normas Técnicas, às estipulações da norma de revisão de contas da UEC nº 9, intitulada "Verificação por um

4 contabilista independente das demonstrações intercalares de uma empresa". 14. Sem prejuízo dos n.os 10, 11, 12 e 13 acima, são considerados normalmente como procedimentos mínimos obrigatórios da revisão de demonstrações financeiras intercalares os referidos no parágrafo 5 da citada norma da UEC nº Deve todavia o revisor oficial de contas executar todos os procedimentos de revisão suplementar que considere necessários nas circunstâncias, em função do grau de responsabilidade que assume e do grau de credibilidade que confere no seu relatório às demonstrações financeiras intercalares. 16. O revisor deve documentar em papéis de trabalho, de forma apropriada às circunstâncias e de acordo com o compromisso assumido, as verificações a que procedeu. Tais papéis de trabalho devem proporcionar evidência de que: a) o trabalho foi adequadamente planeado e (nos casos em que tal se justifique) supervisionado b) documentam satisfatoriamente o trabalho realizado e são conclusivos c) foi obtida confirmação escrita da administração/direcção das informações colhidas durante a execução dos trabalhos de campo d) o trabalho efectuado proporciona uma base razoável para a emissão do parecer 17. No relatório sobre a revisão de demonstrações financeiras intercalares deve o revisor oficial de contas: a) identificar os fins a que se destina a revisão efectuada, em especial quando se trate de dar cumprimento a uma obrigação legal ou estatutária; b) referir de forma sumária os procedimentos de revisão executados; c) confirmar expressamente, com base na revisão efectuada (e eventualmente com as ressalvas que considere convenientes vidé alínea d) abaixo), não ter conhecimento de quaisquer situações (ou de quais quer outras, se houver feito ressalvas) que afectem de forma significativa a conformidade das demonstrações financeiras intercalares em causa com os princípios contabilísticos geralmente aceites; d) incluir ajustamentos e/ou reclassificações significativos que julgue necessários e que não hajam sido considerados pela empresa ou entidade nas demonstrações financeiras intercalares em causa, e as incertezas ou contingências sobre as quais o revisor oficial de contas não possa pronunciar-se. 4

5 Anexo Modelo de Relatório RELATÓRIO (OU PARECER) DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Procedi(emos), para... (a), a uma revisão das demonstrações financeiras intercalares da... (b), as quais compreendem o balanço em... (c), a demonstração dos resultados do período (ou: semestre, trimestre ou outro) findo nesta data e... (d), documentos estes que foram preparados a partir dos livros e registos contabilísticos e documentos de suporte mantidos em conformidade com os preceitos legais. 2. A elaboração destas demonstrações financeiras e da informação adicional (e) é da responsabilidade de... (f). A minha (nossa) responsabilidade é a de dar um parecer com base na minha (nossa) revisão, sobre estas demonstrações financeiras e a informação adicional (e) 3. A minha (nossa) revisão não teve como objectivo a emissão da certificação legal das demonstrações financeiras intercalares, pelo que não constitui um exame realizado integralmente de acordo com as Normas e as Recomendações Técnicas da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas. Foram, contudo, aplicados os procedimentos mínimos de revisão geralmente aceites e outros que considerámos necessários nas circunstâncias (g) - alternativamente (h) - A minha (nossa) revisão foi efectuada de acordo com as Normas e as Recomendações Técnicas da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, as quais exigem que seja planeada e realizada uma revisão de forma a que se obtenha uma garantia razoável de que as demonstrações financeiras não contêm distorções de materialidade relevante. Uma revisão inclui, na base de amostragem, a verificação das evidências que suportam as quantias e informação divulgadas nas demonstrações financeiras, a avaliação das estimativas e julgamentos de... (f), na elaboração e apresentação das demonstrações financeiras. Inclui igualmente a verificação de as políticas contabilísticas serem adequadas, tendo em conta as circunstâncias, e haverem sido consistentemente aplicadas e apropriadamente divulgadas de ser válido o princípio da continuidade das operações, e de ser adequada a apresentação das demonstrações financeiras. Com base no trabalho efectuado entendo(emos) que o mesmo proporciona uma base razoável para a emissão do meu (nosso) parecer (i) (j) 6. (k) Com base na revisão efectuada, não tenho (temos) conhecimento de quaisquer situações que afectem de forma significativa a conformidade das citadas demonstrações financeiras e da informação financeira adicional (e) com os princípios contabilísticos... (l) - alternativamente (h) - (k) É meu (nosso) parecer que as citadas demonstrações financeiras mencionadas e a informação financeira adicional (e) apresentam de forma verdadeira e apropriada, em todos os aspectos materialmente relevantes, a posição financeira de... (b) em... (c) bem como os resultados das suas operações no período (ou: semestre, trimestre ou outro) findo naquela data, em conformidade com os princípios contabilísticos... (l). 5

6 (a) descrever a finalidade das demonstrações financeiras intercalares (b) indicar o nome da empresa ou entidade (c) data a que se reporta o balanço (d) referir a informação financeira adicional que tenha sido objecto de revisão, bem como a data ou período a que se reportam (e) quando aplicável (f) conselho de administração ou direcção (nas sociedades anónimas), gerência (nas sociedades por quotas) ou órgão equivalente (nos demais casos) (g) descrever, sumariamente, os mais significativos (h) se tiver sido realizada uma verificação com o âmbito e a profundidade equivalentes às do exame conducente à certificação legal (i) (j) descrição dos aspectos que o revisor considere importantes para uma melhor compreensão das demonstrações financeiras intercalares e da informação financeira adicional descrição das situações que afectem o parecer, incluindo os ajustamentos e/ou as reclassificações significativos que o revisor considere necessário e as incertezas ou contingências sobre as quais não possa pronunciar-se (k) havendo reservas este parágrafo deve ser iniciado com "Excepto quanto aos efeitos da(s) situação(ões) descrita(s) no parágrafo(s) anterior(es)..." (l) indicar alternativamente, conforme aplicável:...geralmente aceites...geralmente aceites em Portugal para o sector... (referir expressamente o sector) 6

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 800

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 800 Directriz de Revisão/Auditoria 800 Dezembro de 2001 Relatório do Revisor/Auditor sobre Trabalhos com Finalidade Especial ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 CONSIDERAÇÕES GERAIS 4-10 RELATÓRIOS SOBRE DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 810

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 810 Directriz de Revisão/Auditoria 810 CERTIFICAÇÃO DE CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E DE DEDUÇÃO DE IVA Nos termos do n.ºs 9 e 10 do art.º 71.º do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Introdução Julho

Leia mais

Directriz de Revisão/Auditoria RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA INTRODUÇÃO

Directriz de Revisão/Auditoria RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA INTRODUÇÃO Directriz de Revisão/Auditoria 700 - RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 INTRODUÇÃO 1. As Normas Técnicas de Revisão/Auditoria dispõem nos parágrafos 22 e 23

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

A Certificação (Legal) das Contas

A Certificação (Legal) das Contas N.º de caracteres:9942 A Certificação (Legal) das Contas Por Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Agosto de 2005 Revista de Contabilidade e Finanças da APPC A Certificação (Legal) das Contas, adiante designada

Leia mais

A nova ISA 701- Comunicar Matérias Relevantes de Auditoria no Relatório do Auditor Independente e o novo conteúdo do relatório de auditoria

A nova ISA 701- Comunicar Matérias Relevantes de Auditoria no Relatório do Auditor Independente e o novo conteúdo do relatório de auditoria A nova ISA 701- Comunicar Matérias Relevantes de Auditoria no Relatório do Auditor Independente e o novo conteúdo do relatório de auditoria Auditoria Óscar Figueiredo revisor oficial de contas Enquadramento

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 830

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 830 Directriz de Revisão/Auditoria 830 Março de 2005 Exame dos Elementos Financeiros e Estatísticos das Empresas de Seguros e das Sociedades Gestoras dos Fundos de Pensões Encerramento de 2004 Índice INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 843

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 843 Directriz de Revisão/Auditoria 843 Junho de 2002 Transformação de Sociedades ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 DESTINATÁRIOS 6 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO 7-8 RESERVAS 9 CONDICIONAMENTOS

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 M A Z A R S & A S S O C I A D O S, S R O C FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 M A Z A R S & A S S O C I A D O S S O C

Leia mais

DIRECTRIZ DE REVISÃO / AUDITORIA 702 RELATÓRIOS A ELABORAR POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO INTERCALAR

DIRECTRIZ DE REVISÃO / AUDITORIA 702 RELATÓRIOS A ELABORAR POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO INTERCALAR DIRECTRIZ DE REVISÃO / AUDITORIA 702 RELATÓRIOS A ELABORAR POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO INTERCALAR Setembro de 2006 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1 4 Objectivo 5 Normativos Contabilísticos

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS

PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS A. PROCEDIMENTOS 1. O que é um Plano Municipal de Emergência (PME)? Um plano municipal de emergência de protecção civil é um documento formal que define

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 INFORMAÇÃO N.º 06/2012 Trabalho Extraordinário Médico. Regime Remuneratório 1. O regime remuneratório do trabalho extraordinário médico, por referência à área hospitalar, consta, desde há muito, do Decreto-Lei

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

Senhores Subscritores,

Senhores Subscritores, LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO E CONTAS 2003 Senhores Subscritores, É com todo o gosto que apresentamos as contas do LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

NCRF 24 Acontecimentos após a data do balanço

NCRF 24 Acontecimentos após a data do balanço NCRF 24 Acontecimentos após a data do balanço Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 10 - Acontecimentos após a Data do Balanço, adoptada

Leia mais

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira Constituição de IF Bancária Anexo III Plano de negócios Plano de negócios da instituição financeira De forma a aferir o cumprimento dos requisitos legais estabelecido na Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Valores expressos em euros) INTRODUÇÃO O Fundo de Poupança em

Leia mais

RELATÓRIOS DO ACTUÁRIO RESPONSÁVEL NA ÁREA DOS FUNDOS DE PENSÕES

RELATÓRIOS DO ACTUÁRIO RESPONSÁVEL NA ÁREA DOS FUNDOS DE PENSÕES Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar n.º 06/2004-R Data: 20/09/2004 Assunto: RELATÓRIOS DO ACTUÁRIO RESPONSÁVEL NA ÁREA DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com o n.º 7 do artigo

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 850

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 850 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 850 GESTÃO DE EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS Março de 2004 Parágrafos INTRODUÇÃO 1-10 OBJECTIVO 11-13 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO 14-16 MATERIALIDADE 17 CONCLUSÃO

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA Art. 12º; D. L. 21/2007. Renuncia à Isenção Operações Imobiliárias - Leasing imobiliário. Processo: nº 655, por despacho do Director Geral dos Impostos,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA.

VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS SA. Sociedade aberta Sede: Lugar da Vista Alegre, 3830-292 Ílhavo Matriculada na C.R.C. de Ílhavo - NIPC: 500.978.654 Capital social: 92.507.861,92 Euros -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO DE AUDITORIA. Introdução

SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO DE AUDITORIA. Introdução I Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-100 Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 1/XI. Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar à actuação do Governo. em relação à Fundação para as Comunicações Móveis

INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 1/XI. Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar à actuação do Governo. em relação à Fundação para as Comunicações Móveis INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 1/XI Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar à actuação do Governo em relação à Fundação para as Comunicações Móveis A FCM Fundação para as Comunicações Móveis, é uma fundação

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES Reconhecida a necessidade

Leia mais

1 Introdução. 2 Actividades de Fiscalização

1 Introdução. 2 Actividades de Fiscalização PARECER DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO SOBRE O RELATÓRIO DE GESTÃO, CONTAS CONSOLIDADAS E RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2012 1 Introdução Nos termos e para os efeitos do

Leia mais

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas políticas e critérios contabilísticos

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

Sociedade Tel: +351 217 990 420 Áv. da República, 50 I Bi:c - Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www.bdo.pt 100 RELATÓRIO DE AUDITORIA (CERTIFICAÇÃO DO REVISOR DE CONTAS DO FUNDO DE PENSÕES) 1. Nos termos

Leia mais

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG 7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG Exmos. Senhores Associados: No cumprimento das competências definidas

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE VINCULAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATO EM FUNÇÕES PÚBLICAS ISCTE-INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

REGULAMENTO DO REGIME DE VINCULAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATO EM FUNÇÕES PÚBLICAS ISCTE-INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO DO REGIME DE VINCULAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATO EM FUNÇÕES PÚBLICAS ISCTE-INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA O presente Regulamento tem por objecto regulamentar a vinculação

Leia mais

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores da IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. Araraquara - SP Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias,

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO TÉCNICA Nº 1 APLICAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE AUDITORIA (ISA)

GUIA DE APLICAÇÃO TÉCNICA Nº 1 APLICAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE AUDITORIA (ISA) GUIA DE APLICAÇÃO TÉCNICA Nº 1 APLICAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE AUDITORIA (ISA) NOVOS MODELOS DE CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS/RELATÓRIO DE AUDITORIA 1. Em 1 de janeiro de 2016 entrou em vigor a

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Fundação Museu da Ciência, adiante designada por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NOS FUNDOS PATRIMONIAIS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

ASSOL Outubro 2013 Caderno de Encargos Ajuste Directo

ASSOL Outubro 2013 Caderno de Encargos Ajuste Directo ASSOL Outubro 2013 Caderno de Encargos Ajuste Directo Relativo à aquisição de combustíveis (gasóleo e gasolina sem chumbo 95) para as viaturas da ASSOL pela forma prevista neste Caderno de Encargos. Ajuste

Leia mais

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS Anexo à Instrução nº 4/96 VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS 1. ELEMENTOS PARA PUBLICAÇÃO OFICIAL 1.1. Balanço de situação, relativo à actividade global, evidenciando os resultados provisórios, reportado

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 3

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 3 Recomendação Técnica n.º 3 Fevereiro de 1987 Verificação da Aplicação do Princípio Contabilístico da Consistência Índice Parágrafos Introdução 1 Definição 2-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-7 Recomendação

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

EM PROL DA DIGNIFICAÇÃO DO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

EM PROL DA DIGNIFICAÇÃO DO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM PROL DA DIGNIFICAÇÃO DO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Boletim da CROC n.º 13, de Outubro/Dezembro de 1997 Revista Eurocontas n.º 34, de Janeiro de 1998 1. INTRODUÇÃO Algumas vozes,

Leia mais

A República Federativa do Brasil

A República Federativa do Brasil AJUSTE COMPLEMENTAR AO ACORDO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A ORGANIZACÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O FUNCIONAMENTO NO BRASIL DO ESCRITÓRIO DA COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE,

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

PT Jornal Oficial da União Europeia

PT Jornal Oficial da União Europeia 13.10.2003 PT Jornal Oficial da União Europeia L 261/279 IAS 34 NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 34 Relato Financeiro Intercalar Esta Norma Internacional de Contabilidade foi aprovada pelo Conselho

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE DE SEGUROS Ano Lectivo 2009/2010

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE DE SEGUROS Ano Lectivo 2009/2010 Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE DE SEGUROS Ano Lectivo 2009/2010 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º)

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) ESTATUTOS (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) Artigo 1.º A Fundação D. Anna de Sommer Champalimaud e Dr. Carlos Montez Champalimaud (Fundação), criada por António de Sommer Champalimaud

Leia mais

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas NCRF14 Concentrações de actividades empresariais Definições ( 9) Concentração

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Caixa Eurovalor maio 2016_PFC Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo

Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo Tabela do Imposto do Selo (Rectificado por Circular n.º 03/DLT/DNI/2012, de 5 de Julho) 1 Aquisição onerosa ou gratuita do direito

Leia mais

Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática. Cristiano Seguecio 21/10/2015

Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática. Cristiano Seguecio 21/10/2015 Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática Cristiano Seguecio 21/10/2015 Agenda Introdução NBC TA 800 - Alcance, objetivos, requisitos, relatórios e exemplos NBC TA 805 - Alcance,

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

ECONOMIA A PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Data: 31.05.05 Número do Processo: SE.04.05(II)/2005. 11.º Ano de Escolaridade

ECONOMIA A PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Data: 31.05.05 Número do Processo: SE.04.05(II)/2005. 11.º Ano de Escolaridade gabinete de avaliação educacional INFORMAÇÃO N.º 05(II)/05 Data: 31.05.05 Número do Processo: SE.04.05(II)/2005 Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção Geral de Educação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO. Relatório de Contas Ano Associação Portuguesa de Avaliação 2

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO. Relatório de Contas Ano Associação Portuguesa de Avaliação 2 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO Relatório de Contas Ano 2010 Associação Portuguesa de Avaliação 2 Índice I - Enquadramento 2 II - Apresentação...3 1. Análise às actividades propostas...4 1.1 Organização

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107 1 / 7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:202107-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _ REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Equipa docente: _ Prof. Aux. Raquel Ribeiro Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências do I Ciclo de Estudos

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

1. INSTITUIÇÕES SUJEITAS A DISPONIBILIDADES MÍNIMAS DE CAIXA

1. INSTITUIÇÕES SUJEITAS A DISPONIBILIDADES MÍNIMAS DE CAIXA Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 28/96 ASSUNTO: Regime de constituição De acordo com o preceituado no Aviso nº 7/94, publicado no Diário da República II série, de 24 de Outubro de 1994, e no

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE Preâmbulo Os Estados membros do Conselho da Europa, bem como os restantes Estados signatários da presente Convenção: Considerando que o objectivo do Conselho da

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

1. Definição de Processo Comissionamento

1. Definição de Processo Comissionamento ONS - APIRAC CT 185 - SC1 NP Processo Comissionamento Fase de Construção Apresentação 1. Definição de Processo de Comissionamento, PC 2. Ojectivo e Âmbito da NP 4. Requisitos de Aceitação na Fase de Construção

Leia mais

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias.

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias. Interesse minoritário é a parte dos resultados e dos activos líquidos de uma subsidiária atribuível a interesses de capital próprio que não sejam detidos, directa ou indirectamente através de subsidiárias,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009

Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009 Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009 (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) 1 Enquadramento De acordo

Leia mais

Autoridade de Certificação. Processo de Certificação de Despesas

Autoridade de Certificação. Processo de Certificação de Despesas Autoridade de Certificação Processo de Certificação de Despesas Declaração de despesas certificadas e pedidos de pagamento Processa-se sobre a Declaração de despesas apresentada pela AG e sobre informações

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 34 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 34. Relato Financeiro Intercalar

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 34 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 34. Relato Financeiro Intercalar IAS 34 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 34 Relato Financeiro Intercalar Esta Norma Internacional de Contabilidade foi aprovada pelo Conselho do IASC em Fevereiro de 1998 e entrou em vigor para

Leia mais

I - Disposições gerais. Artigo 1.º

I - Disposições gerais. Artigo 1.º Decreto n.º 55/89 de 9 de Novembro Acordo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde nos Domínios do Desenvolvimento Marítimo, Hidrografia, Cartografia, Segurança da Navegação

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 8.6.2007 Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 REGULAMENTO (CE) N. o 633/2007 DA COMISSÃO de 7 de Junho de 2007 que estabelece requisitos para a aplicação de um protocolo de transferência de mensagens

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 3 /2003 de 1 de Julho SOBRE TRIBUTAÇÃO DOS CONTRATANTES DE BAYU-UNDAN O Tratado do Mar de Timor, assinado entre Timor-Leste e a Austrália

Leia mais

Despacho N.º 32/2015

Despacho N.º 32/2015 Despacho N.º 32/2015 Publicam-se, em anexo, os Regulamentos de Propinas dos Ciclos de Estudos (1.º, 2.º e 3.º) e Pós-Graduação para o ano letivo de 2015/2016. Lisboa, 16 de julho de 2015 O Diretor (Prof.

Leia mais

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA SOCIAL DE APOIO À HABITAÇÃO DO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO A, em conformidade com as atribuições e competências consignadas aos Municípios, nomeadamente

Leia mais

MANUAL ACORDO QUADRO COMBUSTIVEIS RODOVIÁRIOS

MANUAL ACORDO QUADRO COMBUSTIVEIS RODOVIÁRIOS Fundamentos do Acordo Quadro MANUAL ACORDO QUADRO COMBUSTIVEIS RODOVIÁRIOS 2.1.1 Objecto e constituição de lotes O acordo quadro estabelece as condições jurídicas, técnicas e económicas para a aquisição

Leia mais

Proposta de serviços de auditoria das demonstrações financeiras do exercício a encerrar em 30 de junho e 31 de dezembro de 2016

Proposta de serviços de auditoria das demonstrações financeiras do exercício a encerrar em 30 de junho e 31 de dezembro de 2016 Proposta de serviços de auditoria das demonstrações financeiras do exercício a encerrar em 30 de junho e 31 de dezembro de 2016 Preparado para: Administradora do Fundo de Investimento Imobiliário Panamby

Leia mais

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio 1 Decreto Regulamentar n.º 10/2009, de 29 de Maio Fixa a cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial, bem como na representação de quaisquer

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO DE PORTO ALEGRE

FACULDADE DOM BOSCO DE PORTO ALEGRE FACULDADE DOM BOSCO DE PORTO ALEGRE CURSO DE ADMINISTRAÇAO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇAO (ESA) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CAIXAS PARA ACONDICIONAMENTO DO PESCADO

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CAIXAS PARA ACONDICIONAMENTO DO PESCADO REGULAMENTO DO SISTEMA DE CAIXAS PARA ACONDICIONAMENTO DO PESCADO Aprovado pelo Conselho de Administração em / /2014 O Presidente (José Apolinário) O Vogal (Isabel Guerra) O Vogal (Pedro Ferreira) 1 REGULAMENTO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 160/2004, de 2 de Julho

Decreto-Lei n.º 160/2004, de 2 de Julho Decreto-Lei n.º 160/2004, de 2 de Julho A Lei n.º 9/2002, de 11 de Fevereiro, introduziu significativas alterações no regime aplicável à contagem do tempo de serviço militar dos antigos combatentes, prestado

Leia mais

1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª

1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª 1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª Fica aditado o Edital de Licitação na modalidade de Tomada de Preço n. 01/2015, do CRFa 3ª, para constar que: 1. O item

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 7ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 7ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 ÁPICE SECURITIZADORA S.A. (atual denominação da ÁPICE SECURITIZADORA IMOBILIÁRIA S.A.) 7ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005.

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE UBERABA-MG CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. Aprova o Regulamento de Estágio dos Cursos do Centro Federal de

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA E URBANISMO

NORMAS REGULAMENTARES MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA E URBANISMO PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares visam dar cumprimento ao Artigo 14.º e ao Artigo 26.º do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de Março. Distinta informação relativa a matérias mencionadas nas presentes

Leia mais

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que me é atribuída pelo artigo 58 0 da Lei n.

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

PROCEDIMENTO. Gestão de Recursos

PROCEDIMENTO. Gestão de Recursos 1 Objetivo Descrever as atividades do processo de gestão de recursos de modo a: Disponibilizar os recursos necessários, ao nível de capacidades, competências, tecnologias, pessoas, equipamentos e instalações

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais