Capacetes de Segurança

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capacetes de Segurança"

Transcrição

1 Equipamento de Proteção Capacetes de Segurança Os equipamentos que protegem a cabeça do trabalhado são os capacetes de segurança. Eles reduzem os efeitos do impacto de objetos e a possibilidade de ferimentos graves. É composto por duas partes principais: o casco e a suspensão. O polietileno de alta densidade ou o ABS são os materiais usados na fabricação do casco. Já a suspensão, composta de carneira e coroa, deve ser de material flexível. Geralmente, a carneira é feita de polietileno de baixa densidade, e a coroa pode ser do mesmo material ou de tecido, para maior conforto do usuário. Há duas classes de capacete. Os de classe A servem para proteção contra impactos em geral, exceto em trabalhos com energia elétrica. Já os capacetes de classe B protegem contra impactos e podem ser usados em trabalho com energia elétrica. Há ainda as opções aba total, aba frontal ou sem aba. O conforto do usuário é conseguido através de uma coroa flexível; uma tira de absorção de suor facilmente removível e lavável; suspensão de tecido; jugular, carneira e coroa feita de material não irritante, além de leveza e distribuição de peso. A melhor escolha A escolha correta do capacete de segurança deve sempre ser feita após uma avaliação dos riscos envolvidos na atividade. Um capacete classe A pode ser tanto tipo I, II OU III, porém não deve ser utilizado em ambiente energizado. Nesse ambiente, deve ser usado um capacete classe B, seja ele aba total, frontal ou sem aba. Os capacetes são compostos por casco e suspensão, sendo que plástico rígido, resinas prensadas com tecidos (celeron), fibra de vidro com poliéster ou ligar de alumínio são os materiais empregados no casco. Tipos de Capacete Com aba total (Tipo I) Protege todo o perímetro da cabeça e o rosto, é indicado para proteger de escorrimento de líquidos, de contatos com energia elétrica e radiações solares. São usados em setores como a indústria siderúrgica e elétrica. - Com aba frontal (Tipo II) É indicado para atividades onde o risco de bater a cabeça é maior do que ser atingido pela queda de objetos. Protege o rosto e os olhos de escorrimento de líquidos, de contatos com energia elétrica e radiações solares. São usados na construção civil e em serviços de manutenção.

2 - Sem aba (Tipo III) Este tipo de capacete é usado principalmente na realização de esportes e em trabalhos restritos, que exigem proteção dos impactos apenas na região da cabeça. Praticantes de alpinismo e trabalhadores de áreas florestais usam este tipo de capacete. - Vida Útil Os fabricantes estipulam a validade do produto em cinco anos após a data de fabricação. Mas esse tempo vale para o produto fechado, na embalagem original, sem uso. Quando utilizado, a vida útil do capacete depende do ambiente de trabalho em que é usado, da presença de agentes químicos, da freqüência de higienização e da exposição de raio ultravioletas. Todos esses aspectos devem ser avaliados, não sendo possível estabelecer uma regra com durabilidade mínima e máxima para capacetes de segurança. - Cremes de Proteção - Segurança Invisível Há três tipos de creme de proteção: água resistente, óleo resistente e especiais. Caracterizam-se por formar uma camada protetora sobre a pele, que impede o contato com o agente agressor, seja químico, físico ou biológico. Proporciona ainda hidratação e emoliência. Também são chamados de creme barreira, luva química ou luva invisível. Esses cremes evitam a ocorrência de dermatoses ocupacionais, reações alérgicas e queimaduras. Para tanto, é preciso que a escolha seja feita a partir dos riscos do ambiente de trabalho. São agentes químicos, os derivados de petróleo, colas, tintas, vernizes, ácidos, bases, cimentos, detergentes, solvente em geral. Os agentes físicos, por sua vez, são as radiações UVA e UVB causadas pelo sol ou por aparelho especiais. Já os agentes biológicos são os insetos e os microorganismos. - Água resistente Não é facilmente removido com água proporcionando proteção adequada contra diversos agentes químicos diluídos ou não em água. Tem propriedades hidratantes e emolientes. Quando possui branqueador óptico, ganha visibilidade frente à luz negra e maior proteção contra tintas. Com Silicone Com dupla proteção, é utilizado por trabalhadores que manuseiam graxa, óleos, gasolina, solvente, argamassas, cimentos, detergentes, colas, hidrocarbonetos alifáticos e aromáticos, produtos solúveis ou não em água. Sem Silicone Oferece barreira contra os agentes químicos, mas se destina a empresas ou setores onde não é permitida a presença de silicone como áreas de pintura e colagem. - Óleo resistente Não é removido facilmente no contato com óleos, mas é hidrossolúvel (sai com água). Gera proteção adequada contra diversos agentes químicos e possui propriedades hidratantes e emolientes. Permite visualização sob a luz negra quando contém branqueador óptico.

3 Com Silicone É utilizado por trabalhadores que mexem com graxa, óleo, solventes, gasolina, cal, cola, verniz, pós em geral e produtos químicos que não contenham água em sua fórmula. Sem Silicone Usado contra os agentes químicos que não contêm água em sua fórmula. Destina-se a empresas ou setores onde não é permitida a presença de silicone, como áreas de pintura e colagem. Adequado contra tintas solventes. - Cremes Especiais São indicados para usos específicos, conforme explicado pelo fabricante. Podem ser voltados para produtos ácidos ou para agentes biológicos, contendo ação bacteriostática que impede a proliferação de microorganismos. Também fazem parte desse grupo de protetores solares, que não saem com água e tem FPS 15, 25, 30, 40, 58 e 100. No entanto, esses protetores ainda não são considerados EPIs pelo Ministério do Trabalho. Para produtos ácidos oferece barreira contra meio ácidos e alcalinos (básicos), além de proteção contra os demais agentes químicos. Protetor solar em situações que requerem proteção contra radiações UVA e UVB (trabalho ao ar livre), emitidos pelo sol ou por máquinas como soldas e aparelhos especiais. Para agentes biológicos em ambientes que exijam ação bacteriostática impedindo o crescimento microbiano, protege ainda contra os demais agentes químicos, inclusive ácidos. Pode ser usado por baixo de luvas. - Vida útil Os cremes de proteção apresentam validade de dois anos. Por esse período, as propriedades permanecem inalteradas, em condições normais de estocagem. No aspecto de durabilidade, os testes apresentam resultados satisfatórios de proteção por quatro horas. Isso considerando os diversos agentes agressivos, tanto para cremes óleo, água resistentes e especiais. O creme indicado para manipulação de agentes cáusticos (creme contra ácidos) apresentam durabilidade de acordo com a natureza do agente agressivo. Os protetores solares devem ser reaplicados a cada duas horas (FPS 15/25), duas horas e meia (FPS 30/40), quatro a seis horas (FPS 58 e 100). - Proteção Auditiva Os protetores auditivos são os EPIs colocados no ouvido do trabalhador para protegê-lo contra ruído. Deve ser usados sempre que o indivíduo for submetido a ambientes onde o nível de pressão sonora equivalente ultrapassar a barreira dos 85 dba. A partir deste valor, sem proteção, o trabalhador pode ter lesões irreversíveis na audição. Para que a proteção seja eficaz, é preciso considerar o conforto do equipamento, seguindo da eficiência e eficácia. É necessário que os protetores sejam usados durante todo o tempo de exposição e sigam requisitos mínimos de qualidade. Deverão ainda ser capazes de reduzir o nível de pressão sonora abaixo do limite de tolerância. Há diversos tipos de protetores auditivos. No entanto, três modelos são considerados básicos. Os circum-auriculares chamados extra-auriculares, supra-aurais, abafadores ou de concha. Já os de inserção também conhecidos como intra-auriculares ou como plugues. O terceiro tipo são os especiais.

4 - Concha Projetado para cobrir completamente a orelha, é formado por duas conchas atenuadoras de ruído, cobrindo o pavilhão auricular e interligadas por um arco tensor. As bordas são revestidas com material macio. A atenuação do ruído esta relacionada, em parte, à pressão que o protetor exerce sobre os dois lados da cabeça. Este modelo é recomendado para uso em áreas não limpas e nos casos em que o usuário circule por zonas ruidosas e silenciosas, nas quais os protetores podem ser removidos. - Protetor com controle ativo Possuem alta atenuação nas baixas freqüências. São utilizados para atenuar ruídos acústicos, utilizando tecnologia de controle ativo implementada com sistemas microprocessados. Favorece a comunicação de pessoas em ambientes ruidosos, mas tem um altop custo. É recomendado para ambientes de ruídos de baixa freqüência, ideal para o setor aeronáutico. - Tampão do tipo auto moldável (Tipo Plugue) É o protetor colocado no canal externo do ouvido até tomar a forma do canal. Feito de espuma polimerizada, que quando colocado se expande, é bastante eficaz e geralmente confortável. Também pode ser composto de materiais como algodão parafinado, espuma plástica e tipos especiais de fibra de vidro. Pode ser usado em todo tipo de ambiente. A vantagem é que dá mais conforto e se adapta a qualquer forma e tamanho de ouvido. É um protetor considerável descartável. - Tampão do tipo pré-moldado (Tipo Plugue) Em materiais elásticos e não tóxica como borracha e silicone adaptam-se às diversas formas de canais auditivos. Possui superfície lisa e lavável com água e sabão. Para ser eficiente, o tampão deve ser colocado firmemente, o que pode torná-lo desconfortável. Pode perder a elasticidade com as lavagens periódicas. É bem-vindo em todo tipo de ambiente. A vantagem é que pode ser lavado diversas vezes com água e sabão neutro.

5 - Tampão do tipo moldável personalizado Com este tampão a atenuação de ruído é alta. Quando bem colocado, chega a ser comparável à dos protetores tipo concha. Fabricado em borracha de silicone, não é tão confortável, por se tratar de um material mais resistente. Devem ser adotados em indústrias alimentícias e similares, nas quais as condições desfavoráveis de calor e umidade inviabilizam o uso de protetor tipo concha. - Especial Protetor não linear com sistema de filtro acústico (orifício) ou filtro eletrônico. Garante baixa atenuação nas freqüências inferiores a dois khz aproximadamente, permitindo assim que as freqüências da voz humana passem. Ideal para situações especificas de trabalho, onde se devem ter melhores condições na comunicação e nos casos de níveis altos de ruído de transito. É eficaz para ambientes com ruído de alta freqüência. Vida Útil A durabilidade vai depender da forma como o protetor é utilizado. Se for lavado (tipo plugue) ou tiver troca de almofadas (tipo concha), for guardado em local limpo, certamente, terá uma vida mais longa. Segundo pesquisas um protetor tipo concha, pode durar de seis meses a três anos. Já um tipo plugue de espuma expandida com superfície selada, pode ser usado até 15 dias. O plugue de espuma expandida descartável com superfície porosa dura apenas um ou dois dias. Por sua vez, o plugue de silicone ou borracha pode ser usado por um mês a dois anos. - Proteção contra queda São os EPIs utilizados em tarefas realizadas acima de dois metros de altura do solo ou superfície segura para proteção do trabalhador no quesito altura. Podem ser de dois tipos principais: cinturão de segurança e dispositivo trava-quedas. O intuito é proteger contra as quedas de altura ou dos seus efeitos. Esses equipamentos devem conter um componente fixado ao corpo di usuário e um sistema de ligação que possa ser preso a um ponto de fixação seguro. O ideal é que o desnível da queda seja o menor possível. Isso é necessário para evitar impacto contra obstáculos, de forma que a força de travagem não possibilite a ocorrência de lesões corporais, nem abertura ou ruptura de um dos componentes do EPI, que possa provocar a queda do usuário. Também precisam assegurar, após a queda, uma posição correta do usuário, permitindo-lhe, se necessária, ficar à espera do resgate. - Cinturão de segurança tipo abdominal É o cinturão fixado ao corpo do usuário dotado de, no mínimo, duas argolas fixadas nas partes laterais e que são utilizadas para fixação do talabarte, que é o componente de ligação ao ponto de fixação seguro. O cinturão tem o comprimento ajustável por meio de fivelas. Esse modelo é fabricado em couro ou em material sintético, por exemplo, poliéster. As ferragens (argolas, fivelas e mosquetões) podem ser de aço forjado, aço inoxidável ou de ligar metálicas.

6 Devem ser usados em ambientes que exijam proteção do usuário contra riscos de queda nos trabalhos em altura. Possibilita o posicionamento a uma distância adequada entre o usuário e a área de trabalho. Ele sustenta o trabalhador na posição vertical ou ma situação estática. É usado em serviços de manutenção em postes de eletricidade, telefonia, TV a cabo, torres, corte ou poda de árvores, pois tem a função de limitar a movimentação. - Cinturão de segurança tipo pára-quedista É um cinturão fixado ao corpo do trabalhador e que distribui as forças de sustentação e de parada sobre as coxas, cintura, peito e ombros. Possibilita a fixação do talabarte à argola das costas ou do peito. Esse modelo de cinturão é fabricado em material sintético como, por exemplo, poliéster. As ferragens (argolas, fivelas, mosquetões) podem ser de aço forjado, aço inoxidável ou de ligar metálicas. - Proteção das mãos Uma das medidas que podem oferecer proteção para as mãos dos trabalhadores são as luvas de segurança. Oferecidas em diversos materiais, cada uma é adequada a certos tipos de riscos. Por isso, é importante que a empresa avalie a área de risco e as atividades desenvolvidas. Também é necessário definir os níveis de desempenho que serão exigidos desse EPI em cada processo e especificá-los ao fornecedor. Os fabricantes costumam desenvolver os produtos a partir das necessidades do usuário, inclusive em concepção de palmas distintas, com materiais e tamanhos de punhos diferentes, para que as luvas fabricadas atendam as especificações das normas técnicas. É muito importante que o empregador adquira luvas com o tamanho adequado à palma da mão do trabalhador. Variedade nos acabamentos - Couro (raspa/vaqueta) ou tecido (lona/algodão) Proporcionam proteção, principalmente, contra riscos mecânicos. Indicadas onde há contato com agentes abrasivos e escoriantes presentes em operações em máquinas ou manuais como cortem, transporte, manuseio e lixamento de chapas metálicas e outros materiais. - Malha de aço e de aramida Deve ser inoxdável se a possibilidade de corrosão. O aço deve ser de boa qualidade aliando resistência e menor peso. Protege de agentes cortantes e perfurantes. Mais utilizado em ambientes como frigorífico, peixarias e açougues, onde há contato com os discos de cortes, na limpeza do cortador de frios ou na afiação de facas.

7 - Isolantes de borracha Existem seis classes de luvas isolantes sendo a menor classe 00 para uso até 500Ve a de maior classe 4, para uso até V. Usado por profissionais que atuam em contato direto com eletricidade, como os das concessionárias de energia elétricos, e indiretos, como os trabalhadores das indústrias que atuam em eletricidade. - Couro tratado, fibras aramidas, tecidos mistos e cerâmicos Protege de queimaduras imediatas quando há exposição a temperaturas externas como no manuseio de peças aquecidas. No contato com agentes térmicos em a exposição ao calor seja a partir de 48ºC. Usadas em trabalhos com forno, fundição, injetoras de plástico, em padarias, estufas e soldagens. - Algodão ou nylon com tratamento químico Feitas em malha de algodão ou nylon com tratamento químico na palma da mão, que pode ser em poliuretano, nitrílico ou opções em que a luva de algodão vem com borracha vulcanizada na palma. Luvas de nylon permitem manuseio de pequenas peças, e possuem alta resistência mecânica. Já a luva de algodão com borracha vulcanizada na palma pode, por exemplo, ser usada em setores que demandam alta resistência à abrasão, rasgos e perfurações. - PVC, PVA, nitrílica, viton e outros. Diversos produtos químicos podem ser manuseados com estas luvas. a manipulação de produtos químicos ocorre em vários processos industriais ( indústria farmacêutica, tintas e vernizes, adesivos, cosméticos e petroquímicos. - PVC (Cloreto de Polivinila) No contato com ácidos e álcalis. O uso depende do tempo de exposição (contato direto com a substância química), de sua concentração e natureza química. - PVA (Álcool Polivinílico) Solventes orgânicos concentrados. Também depende do tempo da exposição (contato direto com a substância química), de sua concentração e natureza química. Esse tipo de luva é hidrossolúvel. - Nitrílica (Butadieno) Na exposição a ácidos, álcalis e solventes orgânicos. O uso da luva depende do tempo de exposição (contato direto com a substância química), de sua concentração e natureza química. - Neoprene (Cloropeno) Na exposição a ácidos, álcalis e solventes orgânicos. Como a anterior, o uso depende do tempo de exposição, de sua concentração e sua natureza química. - Butílica (Isso-butileno) Para uso especifico contra acetonas e ésteres. Da mesma forma, o uso da luva depende do tempo de exposição, de sua concentração e sua natureza química.

8 - Isolantes de borracha Existem seis classes de luvas isolantes sendo a menor classe 00 para uso até 500Ve a de maior classe 4, para uso até V. Usado por profissionais que atuam em contato direto com eletricidade, como os das concessionárias de energia elétricos, e indiretos, como os trabalhadores das indústrias que atuam em eletricidade. - Couro tratado, fibras aramidas, tecidos mistos e cerâmicos Protege de queimaduras imediatas quando há exposição a temperaturas externas como no manuseio de peças aquecidas. No contato com agentes térmicos em a exposição ao calor seja a partir de 48ºC. Usadas em trabalhos com forno, fundição, injetoras de plástico, em padarias, estufas e soldagens. - Algodão ou nylon com tratamento químico Feitas em malha de algodão ou nylon com tratamento químico na palma da mão, que pode ser em poliuretano, nitrílico ou opções em que a luva de algodão vem com borracha vulcanizada na palma. Luvas de nylon permitem manuseio de pequenas peças, e possuem alta resistência mecânica. Já a luva de algodão com borracha vulcanizada na palma pode, por exemplo, ser usada em setores que demandam alta resistência à abrasão, rasgos e perfurações. - PVC, PVA, nitrílica, viton e outros. Diversos produtos químicos podem ser manuseados com estas luvas. a manipulação de produtos químicos ocorre em vários processos industriais ( indústria farmacêutica, tintas e vernizes, adesivos, cosméticos e petroquímicos. - PVC (Cloreto de Polivinila) No contato com ácidos e álcalis. O uso depende do tempo de exposição (contato direto com a substância química), de sua concentração e natureza química. - PVA (Álcool Polivinílico) Solventes orgânicos concentrados. Também depende do tempo da exposição (contato direto com a substância química), de sua concentração e natureza química. Esse tipo de luva é hidrossolúvel. - Nitrílica (Butadieno) Na exposição a ácidos, álcalis e solventes orgânicos. O uso da luva depende do tempo de exposição (contato direto com a substância química), de sua concentração e natureza química.

9 - Neoprene (Cloropeno) Na exposição a ácidos, álcalis e solventes orgânicos. Como a anterior, o uso depende do tempo de exposição, de sua concentração e sua natureza química. - Butílica (Isso-butileno) Para uso especifico contra acetonas e ésteres. Da mesma forma, o uso da luva depende do tempo de exposição, de sua concentração e sua natureza química. Proteção do Corpo A NR6 considera vestimenta para uso profissional os seguintes equipamentos: calça, macacão, conjunto, vestimenta do corpo interno, perneira, capuz e meia. Vale lembrar que os coletes à prova de balas também são considerados EPIs pelo MTE. As vestimentas de segurança são peças ou conjunto de peças que protegem o corpo humano ou parte dele contra riscos como mecânicos, térmicos, químicos, elétricos, radioativos ou umidade proveniente de operações com uso de água. São usadas, principalmente, nas indústrias e no setor agrícola. Quando não há normas técnicas ou laboratórios capacitados para realização de ensaios de determinadas vestimentas, a responsabilidade pelo desempenho do EPI é da própria empresa através do termo de responsabilidade com o qual o CA é concedido. - Tipos de vestimentas conforme a NR6 - Conjunto de Segurança Composto de calça e blusão, jaqueta ou paletó. Protege o tronco e os membros superiores e inferiores. A roupa é sempre de manga longa. O conjunto é ideal para proteção contra respingos de produtos químicos, umidade proveniente de operações com uso de água e chamas. Também na proteção contra os agentes térmicos, como nos frigoríficos, onde alguns setores apresentam o agente frio e, outros, o calor (câmara de armazenamento, sala de escaldagem e depenagem). - Macacão de segurança Possui manga longa, com fechamento em zíper, velcro ou botões. A gola pode ser social ou tipo padre, tipo Fórmula 1. protege tronco e membros superiores e inferiores. Indicado em atividades onde há risco de fogo repentino (flash de fogo) e chamas. Nos locais onde é preciso proteger contra agentes térmicos, respingos de metais fundidos, arco-elétrico (NR-10), umidade e respingos de fluídos químicos, como na indústria química ou na aplicação de produtos fitossanitários em atividades agrícolas. - Vestimenta de corpo inteiro Capa cujo comprimento fica abaixo do joelho do trabalhador. Pode ser fechado com velcro, botão, zíper ou gancho. Possui manga longa. Sua função é proteger o tronco e os membros superiores e inferiores. Deve ser usada para aproximação às chamas, aos respingos de metais fundidos, ao calor irradiado dos fornos ou caldeiras, à radiação não-ionizante de soldagem, aos respingos de fluidos químicos, umidade e baixa temperatura. Necessária ainda contra os riscos elétricos, onde se devem usar vestimentas condutivas e outras específicas para trabalho com arco elétrico.

10 - Perneiras Essas peças são fechadas através de velcro, zíper ou botões. Normalmente ficam sobre a calça, têm uma pala de proteção sobre o peito do pé e envolvem toda a perna. Os trabalhadores devem utilizá-las em ambientes com presença de agentes abrasivos e escoriantes, risco de respingos de produtos químicos, umidade proveniente de operações com uso de água e agentes térmicos. São usadas sempre que há a possibilidade de acidente ou incidentes na região da parte inferior das pernas e dos pés. - Meias de segurança Protegem os pés dos usuários. Há várias gramaturas e normalmente é produzida em grafatex de algodão. Utilizadas para proteção contra baixas temperaturas, como frigoríficos, câmaras frias e outros locais com características semelhantes. Combinações Possíveis A proteção gerada pela vestimenta vai depender da matéria-prima utilizada, como esse material é confeccionado, do tipo de fio e da gramatura. Para cada risco, há materiais que podem ser usados. O mercado oferece diversas possibilidades de vestimentas, combinando materiais durante a fabricação conforme os riscos existentes. - Resistência a substâncias líquidas Trevira (composto por tela de poliéster recoberta de PVC), vinil ou napa são as indicações dos especialistas. O mercado oferece, por exemplo, tecidos de poliéster e algodão combinados com acabamento para repelência a água e óleo, protegido com Teflon. - Resistência a produtos químicos Tychem e Tyvek (polietileno de alta densidade), PVC, tecidos em algodão 100% ou mistos, tratados com hidrorrepelentes, aramidas estão entre os materiais mais eficazes. Há opções voltadas para a proteção contra respingos químicos. Também há combinações de tecidos que aliam proteção ao risco químico e outros riscos como chamas. Tecidos de poliéster e algodão são combinados com acabamento para repelência a agentes químicos. Há vestimentas para proteção da pele contra agentes químicos em estado gasoso, líquido ou sólido. - Resistência mecânica Para-aramida é indicada para corte, abrasão, escoriação, enquanto o couro, em raspa ou vaqueta, resiste contra abrasão e escoriação. - Antichamas Vestimentas de fibras, sem tratamento químico são as que devem ser utilizadas. Tecidos antichamas protegem contra arco-elétrico, fogo-repentino, respingos de solda ou materiais fundidos. As empresas oferecem tecidos com tratamento antichamas ou à base de aramida, meta e para-aramida. Há vestimentas compostas por multicamadas de tecidos. Para bombeiros, há empresas que combinam resistências às chamas e barreiras térmicas superiores, seguindo normas internacionais. Há combinações voltadas para respingos de metais que incluem propriedades antichamas como o tecido que combina sarja, outros materiais e a poliamida alifática, trazendo também proteção térmica e mecânica. Outra opção são os tecidos 100% algodão com tratamento de proteção a metais líquidos e incandescentes.

11 - Eletricidade Borracha contra coques elétricos. O mercado oferece vestimentas que protegem contra a condução de eletricidade. Há tecnologias que mesclam fibras de aramida (proteção térmica) e aço modificado (condutibilidade). Há combinações que protegem contra chamas e arco-elétrico, como destacado no item antichamas. A orientação é para que as empresas atendam as recomendações da NR Resistência ao calor Para-aramida e Meta-aramida (fibras aramidas) e couro tratado são os materiais recomendados. O calor irradiado é um risco presente nas indústrias siderúrgicas, metalúrgicas, vidreiras, mineradoras. Há opções de proteção, que fazem dupla aluminização por filmes termo estáticos, combinadas com tecidos de carbono pré-oxidado, fibra de vidro e para-aramida ou tecido base 100% Rayon PRF (viscose RF). Também oferece combinação em camada dupla, com tecidos de aramida. O algodão sem qualquer tratamento não é recomendado para altas temperaturas assim como o nylon. - Resistência aos agentes biológicos Polietilenos, polivinílicos e mistos com acabamento antimicrobial, Tyvek e algodão. Há diversas combinações no mercado, como a de poliéster, algodão e acabamento antimicrobial. Protege contra a proliferação de bactérias. - Aumentam a visibilidade Polivinílicos, poliéster, algodão ou mistos com acabamentos fluorescentes ou retrorefletivos,material sintético impermeável. Vida Útil A durabilidade varia conforme o tecido utilizado, a freqüência de uso e o local onde é usado. O próprio fabricante costuma indicar quantas lavagens uma vestimenta suporta, o que é constatado a partir de testes em laboratórios especializados. Pode ser 50, 100, 120 ou 150 lavagens, o número vai depender das conclusões dos ensaios. Em caso de acidentes, como com arco elétrico, a roupa deve ser inutilizada. Proteção dos Pés Os calçados de segurança são os EPIs que protegem os pés dos trabalhadores de diferentes riscos, para tanto existe uma ampla variedade de materiais e soluções no mercado. Antes de escolher o melhor calçado de segurança, deve-se levar inicialmente em consideração os riscos do ambiente em que o usuário estará exposto. Após, selecione as propriedades que o calçado de conter. - Resistente a queda de produto Deve ter biqueira de aço de 200 joules e 15 kn. Existem diversas opções de material como couro, laminado, sintético, PVC, PU ou borracha. Já o solado, pode ser, por exemplo, em borracha, PU ou PVC. São indicados para atividades onde existe o risco de impactos devido a queda de produtos. É necessário observar os tipos de solados necessários para cada atividade. O solado de borracha nitrílica, por exemplo, são indicados para fundição. Se na construção civil há contato com massa ou cimento, então, pode-se aperfeiçoar o uso com um material que resista a esses produtos. O mesmo acontece no trabalho em canaviais, com materiais que resistam a sacarose.

12 -Condutivo, isolante e antiestático Podem ter cabedal em couro, com solado PU, de resistência elétrica, ou borracha específica para o risco. Há calçados impermeáveis, todo em borracha ou todo elastomérico, que podem ser condutivos, antiestáticos ou isolantes térmicos. As normas ISO prevêem, inclusive, que o calçado isolante do tipo 2(botas) seja em polimérico ou todo de borracha. Condutivos são indicados para trabalhadores de alta tensão. Isolantes resistem à passagem de corrente elétrica. Antiestáticos estão relacionados com energia estática e são para áreas de abastecimento de combustíveis e concentração de gases, armazéns graneleiros, reservatórios de derivados de petróleo, etc. - Respingos de produtos químicos Devem-se considerar os seguintes quesitos na escolha do calçado: a degradação, a permeação e o tempo de resistência. Podem ser de couro emborrachado, com solado em PU. São recomendados para atividades realizadas por trabalhadores da industria em geral, que têm contato com substâncias químicas e também em laboratórios são as que necessitam deste tipo de proteção. - Resistência térmica Para alta temperatura, o calçado pode ser em couro, com solado de borracha nitrílica. A fibra de carbono é outra opção. Já para a baixa, o material pode ser couro ou PVC, com solado de borracha natural. Há materiais diferenciados para palmilhas. Servem em ambientes com altas temperaturas, como locais com fornos ou chapas quentes. Setores de temperatura baixa, como frigoríficos e câmaras, necessitam de calçado com especificações apropriada - Resistência à penetração de objetos pontiagudos O cabedal pode ser em couro, PVC ou borracha. Já as palmilhas devem ser antiperfurante e anticortantes (aço ou outro material resistente). Um exemplo são as fibras de aramida que podem ser usadas em palmilhas. Devem ser usados por trabalhadores que se deparam com objetos cortantes, como construção civil, serviços de limpeza urbana, cervejarias e indústrias em geral. - Operação com água Requer calçado hidrofugado, ou seja, resistente à passagem de água. Outra opção são os impermeabilizados. Quando há uma exposição maior à água, recomenda-se calçados em PVC com solado também em PVC. Deve ser usados em áreas alagadiças, por exemplo, frigoríficos e jardins, para que os pés fiquem protegidos da umidade proveniente do uso da água. - Vida Útil A durabilidade de um calçado de segurança, vai depender da freqüência de usa e das atividades realizadas pelo trabalhador. Um pedreiro, por exemplo, devido a ação da umidade e do cimento, pode ter uma botina que dure apenas 30 dias. O mesmo pode ocorrer com um cortador de cana. Já em uma indústria metalúrgica, esse mesmo calçado pode durar meses.

13 Protetor Ocular e Facial - Em Defesa do Olhar Os óculos de segurança, protetores faciais e as máscaras de solda são os EPIs que dão proteção aos olhos e à face dos trabalhadores. Esses equipamentos protegem contra impactos de partículas volantes multidirecionais, respingos de líquidos, luminosidade intensa e radiações ultravioletas e infravermelhas. Para escolher o equipamento ideal ao trabalhador, é preciso analisar a que riscos ele está submetido. A necessidade de se proteger somente os olhos ou a face toda deve ser avaliada. Deve-se ressaltar que a proteção dos olhos é obrigatória. Novos designs de óculos aliam beleza, modernidade, conforto e proteção. Cores mais vivas dão o tom em alguns equipamentos. Tratamento anti-risco, antiembaçante e contra radiações se fazem mais presentes, indicando a tendência do consumidor em procurar itens mais elaborados e de maior qualidade. Estes EPIs podem ser separados nas seguintes classificações: - Óculos de Segurança Onde existe o risco de partículas volantes, pós e poeiras, gases, respingos de líquidos, calor, luminosidade intensa, radiações ultravioletas e infravermelhas e radiações específicas como raios-x e laser. Esses agentes estão presentes na siderurgia, metalúrgica, setor de transformação e construção civil. Cada situação requer um modelo específico, tanto no tipo da lente quanto no material da armação e nos materiais que o compõe, bem como levar em consideração o biótipo do trabalhador. - Protetores Faciais Utilizados no mesmo ambiente dos óculos de segurança, mas em situações onde as partículas volantes ofereçam maior risco de atingir áreas da face, nuca e orelhas. Seu uso é muito comum em serralherias, indústria de madeira e no setor de bebidas. Há ainda seu usa para aplicação de defensivos, apicultura, jateamento, cultura de cana-de-açúcar, atendimento a emergências por bombeiros e os indicados para riscos químicos e biológicos.

14 - Máscaras de Solda Devem ser usadas em toda operação de soldagem, devido aos riscos de radiação UV, IV e luminosidade intensa, além dos respingos de solda, responsáveis por queimaduras. É importante salientar que não são indicadas para todos os tipos de solda e operações de oxicorte ou brasagem. A soldagem é um processo presente em diferentes setores como indústria automobilística, mecânica, forjaria, ferroviária, construção civil e naval. Variação de Lentes. No momento de adquirir um equipamento de proteção ocular ou facial, surgem muitas dúvidas em relação a que tipo de lente de ser usada. Por isso, é importante conhecer os materiais existentes e saber para que são indicados. Assim, é possível analisar o tipo ideal para cada atividade. -Policarbonato Possuem proteção eficiente contra raios ultravioleta e alta resistência ao calor. É o tipo ideal para usuários expostos aos riscos de partículas multidirecionais, como em serraria, metalurgia, extração, operação de máquinas em geral, bancadas, entre outros. Não deve ser utilizada na área química. -Resina (Orgânica) O custo é mais baixo que as de policarbonato e mais alto do que as lentes de cristal. São utilizadas em vários tipos de indústrias. Para alguns casos de solda, são mais eficientes do que cristal e policarbonato. São indicadas para operações de solda ponto, devido a sua maciez. Já em locais onde há o risco de impactos de partículas, é mais indicado o uso de policarbonato. - Resina com tratamento Tem a mesma aplicação das lentes de policarbonato, a diferença é que são mais apropriadas a trabalhos de alta precisão por ter qualidade óptica superior. Podem ser utilizadas em todas as áreas em que as lente de policarbonato são indicadas e ainda nas áreas de informática (TI), energia elétrica e indústria química. - Cristal São indicadas em alguns casos de solda ou para locais onde há grande exposição a partículas de pó e poeiras, pintura e demais situações que possam riscar as lentes com facilidade, pois são as mais resistentes a arranhões. Podem ser usadas nas atividades realizadas por soldadores, por quem usa o esmeril e em locais com poeira de grãos como no setor alimentício. Vida útil A durabilidade dos óculos de segurança, de um protetor facial ou de uma mascara de solda vai depender de quem usa e da situação na qual são utilizados, da manutenção do equipamento, dos materiais que os constituem. Um modelo de óculos de segurança, por exemplo, pode durar por poucas horas, cinco anos ou mais. Lentes em cristal oftálmico, indicadas para ambientes que possam riscar as lentes com facilidade, podem durar até dois anos. Como as máscaras de solda sofrem mais danos devido aos respingos das operações de soldagem, as lentes filtrantes são protegidas por lentes de cobertura confeccionadas em policarbonato ou vidro, que devem ser substituídas periodicamente, sempre que estejam comprometendo a visão.

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por:

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: Página1 II - Proteção para os membros superiores: NR 06 Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: 1. Materiais ou objetos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012 1. JUSTIFICATIVA A presente aquisição justifica-se pela necessidade de atender a demanda do Projeto PLANTEQ /2012,

Leia mais

EPIS Segurança do Jatista

EPIS Segurança do Jatista EPIS Segurança do Jatista Capacete de Proteção do Jatista - Fibra Azul 200.370.00992 PC 28642 Branco 200.370.00107 PC Capacete de proteção do Jatista fabricado em fibra com visor de vidro temperado e saída

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual EPI.

Equipamentos de Proteção Individual EPI. Equipamentos de Proteção Individual EPI. Considera-se EPI todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Equipamento de Proteção Individual EPI Enquadramento NR 06 Anexo I A PROTEÇÃO DA CABEÇA Proteção da cabeça contra: A.1.1. Impactos de objetos sobre o crânio;

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013 1 2 AVENTAL EM RASPA INTEIRO Avental de proteção confeccionado em raspa de couro, com emendas, com altura de 1,00m e largura de 0,60m. AVENTAL IMPERMEÁVEL Avental de segurança tipo frontal, em Trevira,

Leia mais

SURG Cia. de Serviços de Urbanização de Guarapuava Rua Afonso Botelho, 63 Bairro Trianon CNPJ 75.646.273/0001-07 COMUNICADO

SURG Cia. de Serviços de Urbanização de Guarapuava Rua Afonso Botelho, 63 Bairro Trianon CNPJ 75.646.273/0001-07 COMUNICADO SURG Cia. de Serviços de Urbanização de Guarapuava Rua Afonso Botelho, 63 Bairro Trianon CNPJ 75.646.273/0001-07 REF., PREGÃO PRESENCIAL Nº 059/2014 COMUNICADO ABERTURA / DATA: 11/08/2014 Objeto: Contratação

Leia mais

Curso Técnico em Química Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Prof. Naila Borba NORMAS REGULAMENTADORAS

Curso Técnico em Química Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Prof. Naila Borba NORMAS REGULAMENTADORAS Curso Técnico em Química Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Prof. Naila Borba NORMAS REGULAMENTADORAS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EP I) - NR 6 Em muitos servicos, o trabalhador precisa

Leia mais

Venda Proibida - Gratuito

Venda Proibida - Gratuito NR 6 - Equipamento de Proteção Individual - EPI 6.1. Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considerase Equipamento de Proteção Individual - EPI todo dispositivo de uso individual,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE ÓCULOS DE SEGURANÇA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE ÓCULOS DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE ÓCULOS DE SEGURANÇA DAST nº 01/2001 R3 3ª Revisão: 06/06/2007 1. OBJETIVO Determinar a sistemática para aquisição de óculos de segurança e definir as características técnicas dos

Leia mais

LABORATÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

LABORATÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LABORATÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Descrição Física Neste laboratório serão realizadas aulas práticas de primeiros socorros, avaliação ambiental, equipamento de proteção individual e técnicas de combate

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: INCLUSÃO DE ITENS NA LISTA DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

ANEXO AO COMUNICADO: INCLUSÃO DE ITENS NA LISTA DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) ANEXO AO COMUNICADO: INCLUSÃO DE ITENS NA LISTA DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Abrangência: empresas obrigadas a fornecer EPI aos trabalhadores. Conteúdo: lista completa de EPI s. Vigência:

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS CAPACETE DE SEGURANÇA CAP1 Proteção da cabeça do usuário contra impactos provenientes de queda ou projeção de objetos. a) Casco: deve ser confeccionado em polietileno de

Leia mais

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes Luciana Affonso Gerente Mkt SP, Agosto 2010 Definição EPI NR6 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI Conforme Norma Regulamentadora nº.6, Equipamento de Proteção Individual EPI é todo dispositivo de uso individual utilizado pelo empregado, destinado à proteção de

Leia mais

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 2000/2010 é composto de: Casco (com ou sem tira refletiva), Suspensão (com ajuste simples ou com catraca), Tira de absorção de suor,

Leia mais

EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definição Conforme a NR 06: EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Item 6.1 - Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR 6, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo dispositivo

Leia mais

Curso NR 6 Equipamento de Proteção Individual (EPI)

Curso NR 6 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Seja bem Vindo! Curso NR 6 Equipamento de Proteção Individual (EPI) CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 25hs Conteúdo Programático: Introdução O que é o Equipamento de Proteção Individual? Responsabilidades

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) SEGURANÇA NA SOLDAGEM Segurança na Soldagem 1.1 - Principais riscos para um soldador 1.1.1 - Poluição por fumos de soldagem 1.1.2 - Radiações visíveis e invisíveis

Leia mais

LUVAS E VESTIMENTAS PARA ALTA TEMPERATURA ALUMINIZADOS

LUVAS E VESTIMENTAS PARA ALTA TEMPERATURA ALUMINIZADOS LUVAS E VESTIMENTAS PARA ALTA TEMPERATURA EMPRESA Há mais de 10 anos no mercado a Suprema Luvas se destacou na fabricação de luvas para diversos segmentos, como construção civil, metalúrgicas, siderúrgicas.

Leia mais

Proposta de Preços ANEXO I

Proposta de Preços ANEXO I PREGÃO PRESENCIAL Nº 088 / 2011 Proposta de Preços ANEXO I Processo 14.793 / 2011 Razão Social do Licitante: CNPJ: Insc. Estadual: Endereço: Cidade: Estado: Telefone : Fax : e-mail : INFORMACÕES PARA PAGAMENTOS

Leia mais

NR 6 A - EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA. A.1 - Capacete. a) capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio;

NR 6 A - EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA. A.1 - Capacete. a) capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio; NR 6 A - EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA A.1 - Capacete a) capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio; b) capacete de segurança para proteção contra choques elétricos; c)

Leia mais

ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI. objetos sobre o crânio; Choques elétricos. Proteção do crânio e pescoço contra: ISO 11612:2008

ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI. objetos sobre o crânio; Choques elétricos. Proteção do crânio e pescoço contra: ISO 11612:2008 Equipamento de Proteção Individual EPI A PROTEÇÃO DA CABEÇA A.1. CAPACETE A.2. CAPUZ ou BALACLAVA ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Enquadramento NR 06 Anexo I Proteção da cabeça contra: A.1.1.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 194 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2010 (DOU de 08/12/10 Seção 1 Pág. 85) Altera a Norma

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs Seja bem Vindo! Curso NR 8 Edificações CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 30hs Conteúdo programático: Introdução Circulação Atividades em Edificações com Risco de Queda Cuidados Extras na Circulação

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00033/2015 (SRP)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00033/2015 (SRP) Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00033/2015 (SRP) Às 16:06 horas do dia 20 de novembro de 2015,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O PROTEÇÃO DA CABEÇA Capacetes de segurança utilizados para proteção da cabeça contra agentes meteorológicos (trabalho a céu aberto) e trabalhos em locais confinados, impactos provenientes de queda ou projeção

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 121, DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 (D.O.U. de 02/10/09 Seção 1 Págs. 80 a 82) Estabelece as normas técnicas de ensaios e os

Leia mais

Compromisso com a Segurança

Compromisso com a Segurança Porque o desenvolvimento da inteligência e a capacidade de transformação do homem estão ligados a elas. Os dedos compridos e o polegar oposto aos outros dedos, é o que tornam esta ferramenta maravilhosa

Leia mais

Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Dependente de Ruído (Level Dependent) Pro Tac II

Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Dependente de Ruído (Level Dependent) Pro Tac II Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Dependente de Ruído (Level Dependent) Pro Tac II DESCRIÇÃO Protetores auditivos tipo circum-auriculares com atenuação dependente do ruído, constituídos por: - 1 par

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem: - Grande aplicação nas atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica e automobilística,

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

Capacetes de Segurança 3M H-700

Capacetes de Segurança 3M H-700 Capacetes de Segurança 3M H-700 CA 29.637 (versão c/ ventilação) CA 29.638 (versão s/ ventilação) DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 3M H-700 é composto de: Casco ventilado ou sem ventilação (ambos

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Proteção Individualnas operações com riscos* diversos ao analista e ao grupo em ambiente de trabalho EPI/DPI é considerado o equipamento ou

Leia mais

CATÁLOGO DE EPI S. www.mssegmed.com.br Tel: (11) 2851-9391. Rua Potengi, 1225 Jd. Rio das Pedras Cotia/SP

CATÁLOGO DE EPI S. www.mssegmed.com.br Tel: (11) 2851-9391. Rua Potengi, 1225 Jd. Rio das Pedras Cotia/SP CATÁLOGO DE EPI S www.mssegmed.com.br Tel: (11) 2851-9391 Rua Potengi, 1225 Jd. Rio das Pedras Cotia/SP Limpeza Hidratação 63 Grupo 1 - Água e Óleo-Resistente Creme WaterProof Creme protetor para pele,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TELHAS DE POLICARBONATO

MANUAL DE INSTALAÇÃO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO As Telhas de Policarbonato proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro) favorecendo maior aproveitamento da

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Impermeáveis Resistência e Qualidade em Impermeáveis

Impermeáveis Resistência e Qualidade em Impermeáveis Impermeáveis Resistência e Qualidade em Impermeáveis Impermeáveis fabricados com matéria prima de alta qualidade, soldados eletronicamente, muito resistentes e disponíveis em diversos modelos que se adequam

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013 39 40 LUVA NITRÍLICA 30 Luva de segurança confeccionada em borracha nitrílica, na cor verde, palma antiderrapante em alto relevo, interior em algodão flocado, espessura mínima de 0,35mm, comprimento não

Leia mais

3M Segurança Pessoal. Catálogo de Vestimentas de Proteção. Proteção ao. corpo. Protegendo o seu mundo.

3M Segurança Pessoal. Catálogo de Vestimentas de Proteção. Proteção ao. corpo. Protegendo o seu mundo. 3M Segurança Pessoal Catálogo de Vestimentas de Proteção Proteção ao corpo Protegendo o seu mundo. PROTEGENDO O SEU MUNDO. Bem-estar é ir além dos sorrisos. Trabalho é ir além de produtividade. E proteção

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OS LABORATÓRIOS DE PESQUISA DO CBPF

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OS LABORATÓRIOS DE PESQUISA DO CBPF PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OS LABORATÓRIOS DE PESQUISA DO CBPF - MÓDULO 2 Equipamentos Elétricos -Fumos metálicos -Equipamentos de Proteção individual Serviço Especializado em Engenharia

Leia mais

ANEXO II EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPIS U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O OS EPIS SÃO DE USO INDIVIDUAL E INTRANSFERÍVEL.

ANEXO II EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPIS U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O OS EPIS SÃO DE USO INDIVIDUAL E INTRANSFERÍVEL. ANEXO II PROCEDIMENTO PARA UTILIZAÇÃO DE: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPIS De acordo com estabelecido na NR-06 da Portaria 3.214/78 MTB, considera-se equipamento de proteção individual (EPI),

Leia mais

VESTUÁRIO DE SEGURANÇA

VESTUÁRIO DE SEGURANÇA PARA PROTEÇÃO CONTRA CALOR E CONTATO COM METAL LÍQUIDO Focando em aplicações de materiais para alta temperatura por mais de 50 anos, a Pyrotek oferece uma visão de processo da indústria para ajudar a selecionar

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual EPI, todo dispositivo ou produto, de

Leia mais

Consulte Certificações, mais informações técnicas, medidas e embalagens no site industriasimples.com.br

Consulte Certificações, mais informações técnicas, medidas e embalagens no site industriasimples.com.br Vestimentas de Proteção Vestimentas de Proteção Cinto Ergonômico Confeccionado em TNT e elástico de compressão. As alças são trançadas em X nas costas para maior conforto do usuário e ajustáveis por passadores.

Leia mais

SISTEMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PARA SOLDA 3M SPEEDGLAS 9100 COM LINHA DE AR CA: 32.225

SISTEMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PARA SOLDA 3M SPEEDGLAS 9100 COM LINHA DE AR CA: 32.225 SISTEMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PARA SOLDA 3M SPEEDGLAS 9100 COM LINHA DE AR CA: 32.225 DESCRIÇÃO DO PRODUTO O sistema de proteção respiratória 3M com Linha de Ar Comprimido para a máscara de solda Speedglas

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO CAMPO

QUALIDADE DE VIDA NO CAMPO QULIDDE DE VID NO CMPO LINH NOVO STDRD O MELHOR CUSTO BENEFÍCIO DO MERCDO linha NOVO STNDRD (NS) possui os principais modelos para as mais variadas aplicações com soluções que a torna mais econômica sem

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO

SEGURANÇA NO TRABALHO SEGURANÇA NO TRABALHO SINTRICOM 2009 Estas Normas de Segurança procuram proporcionar a você trabalhador, meios de conseguir tornar o ambiente de trabalho sadio, onde todos, possam desenvolver as suas competências

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s)

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Passo Fundo Número: 033/2012 Número do Processo: 2012/7598 Unidade de Compra: Município de Passo Fundo Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Lote 01 - Conforme

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

webcomm.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS Rua Redenção, 176 Belém São Paulo SP Brasil +55 11 2692 4735 allprot@allprot.com.br www.allprot.com.

webcomm.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS Rua Redenção, 176 Belém São Paulo SP Brasil +55 11 2692 4735 allprot@allprot.com.br www.allprot.com. webcomm.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS Rua Redenção, 176 Belém São Paulo SP Brasil +55 11 2692 4735 allprot@allprot.com.br www.allprot.com.br Linha PARA LENTES PLANAS E GRADUADAS Desde 1996 a Allprot se preocupa

Leia mais

CATÁLOGO DE EPI S. www.mssegmed.com.br Tel: (11) 2851-9391. Rua Potengi, 1225 Jd. Rio das Pedras Cotia/SP

CATÁLOGO DE EPI S. www.mssegmed.com.br Tel: (11) 2851-9391. Rua Potengi, 1225 Jd. Rio das Pedras Cotia/SP CATÁLOGO DE EPI S www.mssegmed.com.br Tel: (11) 2851-9391 Rua Potengi, 1225 Jd. Rio das Pedras Cotia/SP Proteção para Solda Autoescurecimento Óculos Celeron / Polipropileno 109 s de Solda Speedglass Série

Leia mais

NÃO ESPECIALISTAS EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Embora muita gente ainda não tenha percebido muitas coisas vem mudando em nosso país.

NÃO ESPECIALISTAS EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Embora muita gente ainda não tenha percebido muitas coisas vem mudando em nosso país. NOÇÕES SOBRE EQUIPAMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Embora muita gente ainda não tenha percebido muitas coisas vem mudando em nosso país. Pode até ser que a conhecida morosidade de nossa justiça

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

NR 35 TRABALHO EM ALTURA

NR 35 TRABALHO EM ALTURA Márcio F Batista Bombeiro e Tecnólogo de Segurança NR 35 TRABALHO EM ALTURA Objetivos Estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em altura, visando garantir segurança e integridade

Leia mais

A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A Lei

Leia mais

LOTE 1 - SISTEMA ANTIFURTO

LOTE 1 - SISTEMA ANTIFURTO QUANTIDADE ITEM PRODUTO ESPECIFICAÇÃO IMAGEM ILUSTRATIVA MAFRA BRUSQUE VIDEIRA TOTAL VALOR UNIT. VALOR TOTAL DO ITEM VALOR TOTAL DO LOTE LOTE 1 - SISTEMA ANTIFURTO 1.1 EQUIPAMENTO ELETROMAGNÉTICO DE REATIVAÇÃO/

Leia mais

b) óculos de segurança para trabalhos que possam causar ferimentos nos olhos, provenientes de impacto de partículas;

b) óculos de segurança para trabalhos que possam causar ferimentos nos olhos, provenientes de impacto de partículas; NORMA REGULAMENTADORA 6 NR 6 - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI (1006.000-7) 6.1. Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI

Leia mais

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951 Tecidos e Fitas Técnicas tecidos Aramtex AR 443ACE Aramtex AR 580T, AR 580S e AR 580RT Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 ThermoCarbon TC 600S e TC 600RT Termoceram 1200 e 1600 Os

Leia mais

Processos de fabricação

Processos de fabricação Processos de fabricação SOLDAGEM 1 Soldagem: introdução A soldagem está intimamente ligada às mais importantes atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS.

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO. www.guardiandx.com.br

VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO. www.guardiandx.com.br VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO www.guardiandx.com.br ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 MEDIDAS DE SEGURANÇA...03 INSPEÇÃO...03 RASTREABILIDADE E ETIQUETA...04 INSTRUÇÕES DE LAVAGEM

Leia mais

VESTIMENTAS ANTICHAMA

VESTIMENTAS ANTICHAMA VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO Doméstica e Industrial w w w. i d e a l w o r k. c o m. b r Vestimentas Antichama - Lavagem e Conservação ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 MEDIDAS

Leia mais

Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Intrinsecamente Seguro (Não certificado no Brasil)

Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Intrinsecamente Seguro (Não certificado no Brasil) Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Intrinsecamente Seguro (Não certificado no Brasil) DESCRIÇÃO Protetores auditivos tipo circum-auriculares acopláveis a rádios comunicadores, constituídos por: - 1

Leia mais

CONHEÇA AQUI OS PRODUTOS YELING E FAÇA BOAS COMPRAS.

CONHEÇA AQUI OS PRODUTOS YELING E FAÇA BOAS COMPRAS. CONHEÇA AQUI OS PRODUTOS YELING E FAÇA BOAS COMPRAS. TECNOLOGIA DE ALTA PERFORMANCE CONTRA CORTES (PRODUZIDA PELA YELING). Os fios de alta performance Armya garantem resistência a cortes (nível 3 a 5*)

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho Norma Regulamentadora 06 Segundo a NR 06, EPI é: todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo

Leia mais

Segurança. Sinalização &

Segurança. Sinalização & Placas Indicativas e Orientativas Produtos Refletivos Proteção e Isolamento de Áreas EPIs - Equipamentos para Proteção Individual Fitas Adesivas e Adesivos Sinalização & Segurança PERFIL EMPRESARIAL (11)

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1. Do Objeto A Empresa que firmar contrato com a Universidade São Judas Tadeu, obriga-se a cumprir integralmente os Procedimentos

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/9 0I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Catálogo de Equipamentos de Proteção e Segurança do Trabalho

Catálogo de Equipamentos de Proteção e Segurança do Trabalho Tipo de Documento Procedimento Institucional EPI PI-Costsa-004 Título do Documento Catálogo de Equipamentos de Proteção e Elaborado por Adalberto do N. Bastos Júnior / Laércio Teixeira dos Santos Área

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Avental de Raspa. Objetivo PROTEGER O TRONCO DO USUÁRIO:

Avental de Raspa. Objetivo PROTEGER O TRONCO DO USUÁRIO: Objetivo Estabelecer regras para utilização, conservação e guarda dos Equipamentos de Proteção Individual EPI, de acordo com a legislação vigente e os padrões da Instituição. Avental de Raspa Objetivo

Leia mais

OBJETIVO LEGISLAÇÃO DO CASCO

OBJETIVO LEGISLAÇÃO DO CASCO S CAPACETE DE SEGURANÇA EM POLÍMERO PLÁSTICO E AS NOVAS EXIGÊNCIAS DA N.R.6 OBJETIVO Esta edição buscou responder de maneira objetiva e ordenada às dúvidas que, com maior incidência, são formuladas por

Leia mais

Roupas de Proteção Anti-Chamas. Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão

Roupas de Proteção Anti-Chamas. Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão Roupas de Proteção Anti-Chamas Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão QUALYTEXTIL S.A. Empresa 100% brasileira. Líder em desenvolvimento e fabricação de EPI s especiais; Com a transparência de

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574

Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574 Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574 Descrição: A máscara de solda Speedglas 9100: É aplicável para a maioria das operações de solda que necessitam de

Leia mais

NR - 06 USO, CONSERVAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS EPIS

NR - 06 USO, CONSERVAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS EPIS NR - 06 USO, CONSERVAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS EPIS OBJETIVO O objetivo deste treinamento é assegurar e informar a todos quanto a forma correta de utilização dos equipamentos de proteção de segurança do trabalho.

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC

BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia e Parasitologia BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC Edmundo C. Grisard Universidade Federal de Santa Catarina Legislação

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

I Data: 24/07/03. II Grupo de Estudo:

I Data: 24/07/03. II Grupo de Estudo: Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 007/03 Tema: Luvas de Procedimento I Data: 24/07/03 II Grupo de Estudo: Adolfo Orsi Parenzi. Clemilda Alvarenga Coelho Elen Cristina Queiroz Rezende Pinto

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS COMPACTAS Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque

Leia mais