Palavras-chave: Compósitos; caracterização mecânica; micromecânica; curva SN.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Compósitos; caracterização mecânica; micromecânica; curva SN."

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE MATERIAL COMPÓSITO (FIBRA DE VIDRO/EPÓXI) ATRAVÉS DE ENSAIOS ESTÁTICOS E USO DE CONCEITOS DA MICROMECÂNICA PARA DETERMINAÇÃO DE SUAS CONSTANTES DE ENGENHARIA Dario de Almeida Jané, 1 2 Gustavo Corrêa Prado Candido, 1 Antônio Carlos Ancelotti Júnior, 1 Mirian de Lourdes Noronha Motta Melo, 1 1 Universidade Federal de Itajubá, Caixa Postal 50, CEP , Itajubá, MG, 2 Faculdade de Tecnologia de São Paulo, Av. Shunji Nishimura, 605, CEP , Pompéia, SP Resumo: Material compósito consiste na combinação de dois ou mais elementos em escala macroscópica e que apresenta características físicas distintas de seus predecessores quando isolados. Conceitualmente o material compósito é tratado como heterogêneo apresentando uma fase chamada de matriz, responsável pela transferência dos esforços, e outra fase chamada de reforço, responsável pela resistência ao carregamento aplicado. Existe uma grande variedade de matrizes e de reforços, compondo assim, uma extensa gama de compósitos, que diferem quanto a sua aplicação devido ao fato de terem constantes de engenharia distintas (Módulo de Elasticidade, Módulo de Cisalhamento, Coeficiente de Poisson, etc). A determinação precisa de tais características, específicas do compósito em estudo, apesar de não ser tão intuitiva quando comparado aos métodos utilizados para obter tais grandezas em materiais homogêneos, torna-se extremamente importante, pois determina sua real aplicação. O presente artigo pretende demonstrar através de procedimentos experimentais a caracterização de um compósito polimérico (epóxi) reforçado com fibra de vidro em relação a tais constantes de engenharia. Para tanto, seis corpos de prova foram preparados e submetidos a uma balança analítica para determinação da densidade do compósito por medição gravimétrica conforme descrito na norma ASTM D792. Em seguida, realizou-se um ensaio de digestão térmica a 600 C com o objetivo de eliminar por evaporação a matriz polimérica presente no corpo de prova e assim avaliar a quantidade de fibra presente nas amostras. Com base nestes dados, foram calculadas as frações mássicas e volumétricas tanto da matriz como do reforço do compósito, o que permitiu através da teoria da Micromecânica (Regra das Misturas), estimar os Módulos de Elasticidade Longitudinal na direção das fibras (E 1 ) e na direção transversal às fibras (E 2 ), o Módulo de Elasticidade Transversal (G 12 ) e o Coeficiente de Poisson (ν) do compósito. Ensaios estáticos de tração (ASTM D3039) e flexão (ASTM D790) instrumentados também foram realizados em corpos de prova do material compósito para obtenção empírica do Módulo de Elasticidade Longitudinal na direção das fibras (E 1 ) e possibilitando a comparação com o valor calculado anteriormente. Palavras-chave: Compósitos; caracterização mecânica; micromecânica; curva SN.

2 1. INTRODUÇÃO De uma maneira geral, diz-se que um material compósito é qualquer material multifásico que apresenta uma proporção significativa das propriedades de ambas as fases que o constituem, de tal modo que é obtida uma melhoria das propriedades por meio dessa combinação (Callister, 2008). Atualmente, o termo é aplicado para materiais constituídos pelas fases de reforço e matriz. O reforço recebe os esforços aplicados e é cercado pela matriz, que tem a função de aglutinar os reforços e distribuir os esforços entre eles (Ancelotti Jr., 2011). Os compósitos têm encontrado aplicações em diversas áreas, tais como aeronáutica, aeroespacial, petroquímica, naval, bioengenharia, automobilística, construção civil, e de artigos esportivos, apresentando excelentes propriedades, como bom desempenho estrutural, rigidez e resistência à corrosão elevadas, além de serem bem mais leves, se comparados às ligas metálicas (Neto; Pardini, 2006). Dentre as propriedades mais importantes a serem conhecidas de um compósito está a concentração de seus constituintes, um parâmetro que possui grande influência nas propriedades do compósito. Além disso, é necessário conhecer se essa concentração é a mesma ao longo de toda a extensão do material, ou seja, se o sistema pode ser considerado uniforme. A não uniformidade deve ser evitada, já que as ligações mais fracas do material influenciam em suas propriedades globais (Agarwal; Broutman; Chandrashekhar, 2006). A utilização de fibras de alto-módulo aumentou na década de 1980, havendo uma maior ênfase na obtenção de novos compósitos de matriz cerâmica, metálica e carbonosa para aplicações a elevadas temperaturas. Os compósitos encontraram aplicações em diversos produtos, como canos subterrâneos, contêineres, barcos, estruturas aeronáuticas e aeroespaciais, componentes automotivos, equipamentos esportivos, produtos biomédicos e muitos outros artigos cujo projeto requer alto desempenho mecânico, estabilidade em meio a condições adversas do ambiente e peso reduzido (Daniel; Ishai, 1994). 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A seguir é apresentada a classificação de um material compósito em função do tipo de reforço e da matriz utilizada na aglutinação do mesmo, bem como alguns conceitos sobre caracterização mecânica estática de compósitos Tipos de Materiais para Reforço em Compósitos Basicamente, os tipos de materiais para reforço de compósitos podem ser apresentados na forma de partículas, fibras curtas ou picadas e fibras longas ou contínuas. Em especial, interessa-nos os reforços em forma de fibras longas, que proporcionam menor número de defeitos em sua forma mássica, possibilitando assim a obtenção de um material com menor risco de falhas (Neto; Pardini, 2006). Uma propriedade importante do material é a orientação do reforço, pois isso afeta diretamente a isotropia do sistema. Em compósitos reforçados com fibras longas a anisotropia pode ser uma propriedade desejada, que pode ser controlada durante o projeto e fabricação, o que é uma das principais vantagens desse tipo de compósito (Agarwal; Broutman; Chandrashekhar, 2006). Além disso, alta resistência específica, facilidade de fabricação e formas estruturais que são difíceis de serem obtidas quando outros tipos de reforços são utilizados, são características importantes dos compósitos reforçados com fibras (Agarwal; Broutman; Chandrashekhar, 2006). As principais fibras utilizadas são: fibra de vidro, fibra de carbono, fibra de aramida, fibra de alumina, fibra de carbeto de silício, fibra de boro e fibra de basalto. Em relação às fibras citadas, vale ressaltar algumas propriedades de duas delas: As fibras de carbono, que possuem os módulos específicos e resistências específicas mais elevados entre todos os materiais fibrosos, mantendo-os mesmo à temperaturas elevadas, mas com risco de sofrerem oxidação à essas temperaturas. Seus meios de fabricação atualmente possuem custo-benefício relativamente favorável (Callister, 2008), sendo produzidas através da pirólise de precursores carbonáceos. Outro tipo de fibra extensamente utilizada devido a fatores como baixo custo, alta resistência à tração e alta inércia química é a fibra de vidro. Porém apresenta desvantagens como auto-abrasividade, baixo módulo de elasticidade e baixa resistência à fadiga quando agregada à compósitos (Neto; Pardini, 2006).

3 2.2. Tipos de Materiais para Matrizes em Compósitos Os principais tipos de matrizes utilizadas em compósitos são as matrizes poliméricas, cerâmicas, carbonáceas e metálicas. A escolha do tipo de matriz para o compósito deve ser feita considerando-se fatores como a aplicação à qual o material se destina e seu processo de fabricação (Neto; Pardini, 2006). Em relação às matrizes poliméricas, quanto à sua estrutura e comportamento, pode-se classificá-las em duas categorias: matriz termoplástica e matriz termorrígida. As matrizes termoplásticas consistem de polímeros que possuem ligações intra-moleculares fortes e ligações intermoleculares fracas (Agarwal; Broutman; Chandrashekhar, 2006). São recicláveis, porém sofrem grande perda de suas propriedades à temperaturas elevadas (Ancelotti Jr., 2006). Os polímeros de matriz termorrígida possuem cadeias ligadas quimicamente por ligações cruzadas ou em rede, apresentando ligações covalentes entre todas as moléculas. Não podem ser reprocessadas, como as matrizes termoplásticas (Agarwal; Broutman; Chandrashekhar, 2006). Apresentam propriedades elásticas superiores as matrizes termoplásticas (Ancelotti Jr., 2006). As principais matrizes termorrígidas utilizadas são as resinas epóxi, poliéster, fenólica, poliimida e bismaleimida. As resinas mais utilizadas atualmente para compósitos reforçados com fibra de alta performance são a poliéster e epóxi, pois apresentam vantagens como facilidade de processamento e boa resistência química (Agarwal; Broutman; Chandrashekhar, 2006), sendo que dentre as duas, a resina epóxi apesar de ser mais cara, apresenta vantagens como melhores propriedades mecânicas e melhor resistência à umidade (Callister, 2008). O presente artigo trata em especial de um composto polimérico epoxídico reforçado com fibra de vidro longa, obtido através do processo de pultrusão e, portanto, algumas propriedades das principais fibras e resinas estão listadas nas Tab. (1) e (2) respectivamente. Tabela 1 Propriedades de alguns tipos de fibras utilizadas como reforço em compósitos (Fonte: Mazundar, S. K., 2002). Tabela 2 Propriedades de algumas resinas utilizadas como matriz em compósitos (Fonte: Mazundar, S. K., 2002).

4 2.3. Caracterização Mecânica O processo de caracterização mecânica do material adotado consiste na realização de três séries de ensaios de naturezas bem distintas. Na primeira série de ensaios, as amostras devem ser aferidas quanto a sua densidade através da medição gravimétrica e posteriormente à quantidade de fibra presente através da evaporação da matriz polimérica (digestão térmica). A segunda série de ensaios, também chamada de ensaios mecânicos estáticos, consiste em realizar os ensaios de tração e flexão instrumentados, possibilitando a obtenção de maneira empírica do módulo de elasticidade longitudinal na direção das fibras (E 1 ) bem como a resistência máxima à tração e flexão, e o alongamento na ruptura para ambos os casos. Finalmente a terceira série de ensaios, referente ao chamado ensaio mecânico dinâmico, consiste em realizar o ensaio de flexão de maneira cíclica de forma a se obter dados que permitam identificar mudanças irreversíveis nas características mecânicas do material (acúmulo de dano) em função do número de repetições de carregamento. Os dados gerados pelos ensaios de densidade e digestão térmica, associados aos conceitos da Micromecânica possibilitam a estimativa numérica das constantes de engenharia do material compósito e que posteriormente podem ser comparadas aos dados experimentais dos ensaios mecânicos estáticos Materiais Ortotrópicos e as Constantes de Engenharia Por definição, um material ortotrópico é um material que possui pelo menos três planos de simetria, em termos de propriedades mecânicas. A interseção dos planos define três eixos perpendiculares entre si (Daniel; Ishai, 1994). A hipótese adotada para a micromecânica considera o material como ortotrópico (Neto; Pardini, 2006). As constantes de engenharia E 1, E 2, ν 12 e G 12 do material são importantes parâmetros de projeto e são descritas a seguir: O Módulo de Elasticidade pode ser considerado como a resistência do material à deformação elástica. No caso de um compósito reforçado unidirecionalmente com fibras, calculam-se os módulos de elasticidade E 1 e E 2, onde E 1 é o Módulo de Elasticidade na direção das fibras e E 2 o Módulo de Elasticidade na direção transversal às fibras (Callister, 2008). O Coeficiente de Poisson v é definido como sendo a razão entre as deformações lateral e axial, para uma tensão aplicada uniaxialmente na deformação elástica (Callister, 2008). ν12 é o coeficiente de Poisson relacionado ao carregamento na direção das fibras e à deformação na direção transversal às fibras (Daniel; Ishai, 1994). O Módulo de Elasticidade Transversal G 12 fornece a relação entre a tensão e a deformação de cisalhamento no plano da lâmina (Neto; Pardini, 2006). Vale ressaltar que as amostras analisadas neste artigo foram fabricadas pelo processo de pultrusão, tendo como consequência o alinhamento das fibras de reforço em uma dada direção, o que caracterizaria o material como ortotrópico Micromecânica em Materiais Compósitos De acordo com Neto e Pardini (2006), o módulo de elasticidade na direção das fibras da lâmina, para o caso de serem orientadas unidirecionalmente, podem ser obtidos a partir dos módulos de elasticidade e das frações volumétricas das fibras e da matriz, conforme Eq. (1): (1) Da mesma forma, o módulo de elasticidade transversal à direção das fibras é dado pela Eq. (2): (2) A relação entre a variação do maior coeficiente de Poisson da lâmina como no caso do módulo de elasticidade, ocorrendo, assim: e a fração volumétrica de fibras é linear (3)

5 Onde é o coeficiente de Poisson das fibras e, o da matriz. O coeficiente de Poisson menor, é obtido pela equação (4): (4) O módulo de cisalhamento da lâmina é não linear como no caso do módulo de elasticidade, ocorrendo de forma análoga às equações (1) e (2), assim: (5) Onde é o módulo de cisalhamento das fibras e, o da matriz. Arranjando de outra forma: (6) 2.4. Fadiga em Compósitos e a Curva SN De acordo com Ancelotti Jr. (2006) o processo de fadiga em compósitos a nível microestrutural tem início com a formação de microtrincas na matriz, seguido de uma propagação multidirecional que irão produzir a falha na interface fibra/matriz, e posteriormente ruptura nas fibras com acoplamento das trincas. Ressalta também, que o estudo deste fenômeno é particularmente complexo, pois diferente do que ocorre nos metais, o mecanismo de acúmulo de dano está associado com as várias interfaces presentes no material, o que leva a um contínuo estado de redistribuição de tensões. Em trabalho posterior (2011), demonstra do ponto de vista macroestrutural, que a propagação de danos por carga dinâmica difere ainda mais entre metais e compósitos, pois se no primeiro grupo, a principal característica desta fase é a presença de uma única trinca, perpendicular ao carregamento aplicado, seguindo até a falha do componente sem qualquer alteração macroscópica em seu formato, nos compósitos, a característica marcante deste processo de propagação do dano é a presença de várias microtrincas que se propagam através da matriz, causando em um primeiro momento, a falha na interface fibra/matriz. Posteriormente, em compósitos reforçados com fibras, o dano pode passar para as delaminações e finalmente para a ruptura da fibra. Qualquer material pode ter seu comportamento em fadiga representado através das curvas de tensão em função do número de ciclos de carga aplicada, também chamadas de curvas S-N (abreviação no idioma inglês para Stress Number of cycles). Porém, trabalhos anteriores tem demonstrado que apesar do primeiro modelo matemático realmente eficaz em relacionar tais variáveis já date de meio século atrás, pouco se avançou no sentido de estabelecer-se leis nãoempíricas capazes de descrever o comportamento em fadiga de compósitos (Vassilopoulos; Keller, 2011). Figura 1 Curva S-N para materiais compósitos e metais (Fonte: Jones, 1999).

6 Isso significa, que existe um vasto campo para o desenvolvimento do conhecimento sobre os efeitos da fadiga tanto a nível microestrutural como macroestrutural em compósitos, bem como a compreensão do mecanismo de dano interno. A Fig. (1) exemplifica o comportamento em fadiga de alguns materiais compósitos, em comparação a alguns metais. Pode-se notar que os compósitos Boro-Epóxi e Fibra de Vidro-Epóxi, tem um desempenho nitidamente superior às ligas de Titânio (8-1-1), ligas de aço (4130) e de alumínio (2024). Uma sugestão para a continuação deste trabalho seria a a realização de um ensaio dinâmico para levantamento da curva SN do material em questão, o que permitiria a compreensão do processo de acúmulo de dano no material quando submetido a esforços cíclicos. 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Ensaio de Medição Gravimétrica (ASTM D792) O ensaio foi realizado para 6 corpos de prova de 12,9 mm de diâmetro, numerados, utilizando-se uma balança analítica, contendo ar e água. Mediu-se a temperatura da água, que era de 23 C. Um corpo de prova foi introduzido na balança dentro de um suporte, cuja massa foi desconsiderada pela balança para a pesagem do corpo de prova no ar, obtendo-se assim a massa seca (, e depois o mesmo corpo de prova foi imerso e pesado, obtendo-se assim a massa imersa ( e a densidade de cada corpo de prova. Assim, foi possível calcular o volume do corpo de prova fazendo ( -. Os valores obtidos estão agrupados na Tab. (3): Tabela 3 Dados obtidos a partir do ensaio de medição gravimétrica CDP Massa seca (g) Densidade (g/cm³) Massa imersa (g) Volume (cm³) 1 2,80 2,15 1,50 1,30 2 2,57 2,16 1,39 1,19 3 2,90 2,17 1,57 1,33 4 2,72 2,15 1,46 1,26 5 3,17 2,15 1,70 1,47 6 2,93 2,15 1,57 1,36 Densidade Média 2, Digestão Térmica Posteriormente, realizou-se o ensaio de digestão térmica, aquecendo-se os corpos de prova a aproximadamente 500ºC, de maneira que a resina epóxi evaporasse completamente. Para este ensaio, foram utilizados 3 cadinhos, identificados, cujas massas foram determinadas em balança de precisão e estão listadas na Tab. (4): Tabela 4 Massas do conjunto cadinho + fibra e massas de fibra para cada corpo de prova CDP Cadinho Massa (g) Massa do conjunto (cadinho + fibra) (g) Massa de fibra ( (g) ,62 52,89 2, ,62 52,53 1, ,70 62,07 2, ,55 65,76 2, ,62 53,13 2, ,70 62,10 2,39

7 Os corpos de prova foram então introduzidos em cadinhos cerâmicos e colocados no interior de um forno elétrico para evaporação da resina. Permaneceram no forno à temperatura de 500 C por 1h30min, onde também ocorreu o resfriamento. Assim, no final do procedimento restaram nos cadinhos apenas as fibras do compósito. Medindo-se, então, as massas dos conjuntos cadinho + fibras e subtraindo desses valores as massas dos cadinhos medidas anteriormente, foram obtidas as massas de fibra. Os resultados estão apresentados na Tab. (4): A densidade da fibra é de 2,62 g/cm³ e a densidade da mistura (resina epóxi + acelerador de endurecimento), de 1,18 g/cm³ (valores fornecidos pelo fabricante). Dividindo-se os valores de massa de fibra pela densidade de fibra, obteve-se o volume de fibra ( ) e dividindo-se a massa da mistura (, dada por -, pela densidade da mistura, obteve-se o volume da mistura. Finalmente, obteve-se o volume de vazios (, fazendo - ( + ). Os valores obtidos podem ser vistos na Tab. (5): Tabela 5 - Resultados obtidos para volume de fibra, massa da mistura, volume da mistura e volume de vazios para cada corpo de prova. Volume da fibra ( ) Massa mistura ( ) Volume da mistura ( ) Volume de vazios ( ) 0, ,52 0,44 ~ zero 0, ,66 0,56 ~ zero 0, ,53 0,45 ~ zero 0, ,51 0,44 ~ zero 0, ,65 0,55 ~ zero 0, ,54 0,46 ~ zero 3.3. Cálculos das Constantes de Engenharia do Material Compósito De posse dos valores mostrados nas Tab. (3), (4) e (5) e fazendo uso das Eq. (1) e (2), (3) e (6), calculou-se então os módulos de elasticidade E 1 e E 2 do compósito, o coeficiente de Poison e o módulo de elasticidade transversal (cisalhamento) G 12. Os resultados encontrados estão listados na Tab. (6). Módulo Elasticidade Longitudinal na direção das fibras (E 1 ) Tabela 6: Resultados Cálculo Micromecânica. Módulo Elasticidade Longitudinal na direção transversal às fibras (E 2 ) Módulo de Elasticidade Transversal (G 12 ) GPa GPa GPa Coeficiente de Poisson (ν 12 ) 74,3982 6,5873 2,5328 0, Ensaio Tração Estático Realizou-se também ensaio de tração, utilizando uma máquina de ensaios universal. O corpo de prova foi cortado e usinado com dimensões segundo a norma ASTM E8/E8M - 13a (para materiais metálicos) sendo seu diâmetro 13 mm. A distância inicial entre as garras foi fixada em 80 mm e o comprimento inicial do extensômetro em 50 mm. Assim, realizaram-se 3 ensaios aplicando-se cargas até o valor máximo de 500 Kgf. Com base nos dados obtidos de força aplicada e deformação linear, calculou-se as deformações específicas e as tensões normais. A seguir foram plotadas as curvas Tensão X Deformação para os três corpos de prova a partir das quais, pode-se obter o módulo de elasticidade, calculando a inclinação de cada curva. Os resultados obtidos estão agrupados na Tab. (7):

8 Tabela 7 Módulos de elasticidade obtidos a partir do ensaio de tração Corpo de Prova Módulo Elasticidade Longitudinal (E 1 ) (GPa) 1 52, ,70 Módulo Elasticidade Longitudinal Médio (E 1 ) (GPa) 52, , Ensaio Flexão Estático O teste de ruptura em flexão foi realizado para 6 corpos de prova. Foram cortados corpos de prova com comprimento de 12 cm e diâmetro médio 12,9 mm. Os corpos de prova foram colocados em uma máquina de ensaios universais para a obtenção do módulo de elasticidade com 100 mm de distância entre os pinos da base. Foram realizadas três medidas do módulo de elasticidade para cada corpo de prova com célula de carga de kgf e velocidade de ensaio constante de 2mm/min. A partir do ensaio foi possível obter os valores para a força (em N) e deformação (adimensional) máximas para cada corpo de prova. Tomando o último valor de força registrado no ensaio e a deformação correspondente nesse ponto, pode-se calcular o módulo de elasticidade para cada corpo de prova conforme a equação característica da viga com seção circular Eq. (7). (7) Os dados estão indicados na Tab. (8): Tabela 8 Módulo de Elasticidade Longitudinal (E 1 ) para a amostras ensaiadas em flexão. CDP Força (N) Deformação Módulo Elasticidade Longitudinal (E 1 ) (GPa) 1 987,650 0, , ,840 0, , ,650 0, , ,380 0, ,375 Módulo Elasticidade Longitudinal Médio (E 1 ) (GPa) 46, ,650 0, , ,650 0, , Análise Microscópica Para a análise microscópica do material, foi cortada a amostra e polida sua superfície. A seguir, a amostra foi levada a um microscópio ótico com câmera digital acoplada e foram fotografadas seções transversais da amostra com ampliações de 50x (Fig. 2a), 200x (Fig. 2b) e 500x (Fig. 2c). Observa-se que a distribuição das fibras através da matriz polimérica não apresenta uniformidade, percebendo-se veios de resina sem reforço algum, além de algumas seções elípticas e outras circulares, demonstrando alinhamento imperfeito das fibras.

9 a) Aumento de 50 x. b) Aumento de 200 x. c) Aumento de 500 x. Figura 2 Seção transversal da barra ampliada. 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES Observando os valores relativos ao volume de vazios calculado para cada amostra e apresentados na Tab. (5), percebe-se que as amostras possuem uma característica extremamente interessante e que tem íntima relação com seu processo de fabricação: a ausência de vazios internos. Comparando os valores apresentados nas Tab. (6), (7) e (8), percebe-se que os valores do módulo de elasticidade longitudinal (E 1 ) obtidos empiricamente através dos ensaios de tração e flexão (52,1 e 46,2 GPa), possuem pequena variação entre si (11,3 %), enquanto que o valor obtido por meio dos cálculos da micromecânica (74,4 GPa) diverge desses, apresentando uma variação de 29,9 % em relação ao valor oriundo do ensaio de tração e 37,9 % em relação ao valor obtido no ensaio de flexão. Essa divergência encontrada nos valores comparados em parte se explica pelo fato de que dentre as hipóteses que fundamentam os cálculos da micromecânica, as fibras do reforço são consideradas perfeitamente alinhadas e regularmente espaçadas. Tais características não são encontradas no material analisado, conforme demonstra a Fig. (2), onde as fibras não estão uniformemente distribuídas pela matriz nem perfeitamente alinhadas. 5. CONCLUSÕES Conclui-se que as amostras utilizadas nos ensaios apresentam baixo volume de vazios, comprovadas pela análise gravimétrica e que é uma propriedade desejável para os compósitos estruturais. Porém, o fato da distribuição das fibras através da resina não ser uniforme, constitui-se como uma propriedade indesejável para o material contribuindo assim para a disparidade entre os valores calculados pela Teoria da Micromecânica e os dados empíricos em relação ao Módulo de Elasticidade Longitudinal (E 1 ). O método adotado para a caracterização do material mostrou-se adequado no que diz respeito a determinação das frações volumétricas, mássicas e volume de vazios do compósito, porém inadequado quanto à determinação das constantes de engenharia para o compósito por meio da Teoria da Micromecânica, pois o material não satisfaz algumas de suas hipóteses fundamentais (fibras perfeitamente alinhadas e distribuídas regularmente pela matriz). 6. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a FAPEMIG pelo apoio financeiro na publicação do trabalho. 7. REFERÊNCIAS Agarwal, B D., Broutman, L. J. e Chandrashekhara, K., 2006, Analysis and performance of fiber composites, Ed. John Wiley & Sons, New Jersey, EUA, 562 p. American Society for Testing and Materials ASTM, 2007, Standard Test Methods for Flexural Properties of Unreinforced and Reinforced Plastics and Electrical Insulating Materials, New York, EUA, Desig. D790.

10 American Society for Testing and Materials ASTM, 2008, Standard Test Methods for Density and Specific Gravity (Relative Density) of Plastics by Displacement, New York, EUA, Desig. D792. American Society for Testing and Materials ASTM, 2013, Standard Test Methods for Tension Testing of Metallic Materials, New York, EUA, Desig. E8/E8M-13a. Ancelotti Jr., A.C., 2006, Efeitos da Porosidade na Resistência ao Cisalhamento e nas Propriedades Dinâmicas de Compósitos de Fibra de Carbono/Resina Epóxi, Tese de mestrado Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos. Ancelotti, Jr., A.C., 2011, Influência da Porosidade na Resistência à Fadiga de Compósitos de Fibra de Carbono/Epóxi, Tese de doutorado na Área de Física e Química dos Materiais Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos. Callister Jr., W. D., 2008, Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução, Tradução de Sérgio Murilo Stamile Soares, Ed. LTC, São Paulo, 705 p. Daniel, I., M. e Ishai, O., 1994 Engineering Mechanics of Composite Materials, Ed. Oxford University Press, Inc., New York, EUA, 395 p. Mazumdar, S. K., 2002, Composites Manufacturing, Materials, Product and Process Engineering, Ed. CRC Press LCC, Boca Raton, EUA, 416 p. Neto, F.L. e Pardini, L.C., 2006 Compósitos estruturais: ciência e tecnologia, Ed. Edgard Blücher, São Paulo, 313 p. Vassilopoulos, A. P. and Keller, T., 2011, Fatigue of Fiber-Reinforced Composites, Ed. Springer, Londres, Reino Unido, 280 p. 8. RESPONSABILIDADE AUTORAL Os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo deste trabalho. MECHANICAL CHARACTERISTICS OF COMPOSITE MATERIALS (FIBERGLASS / EPOXY) THROUGH STATIC TESTS AND USE OF MICROMECHANICS CONCEPTS FOR DETERMINATION OF ENGINEERING CONSTANTS Dario de Almeida Jané, 1 2 Gustavo Corrêa Prado Candido, 1 Antônio Carlos Ancelotti Júnior, 1 Mirian de Lourdes Noronha Motta Melo, 1 1 Federal University of Itajubá, PO Box 50, , Itajubá, MG, Brazil. 2 Faculty of Technology of São Paulo, Av. Shunji Nishimura, 605, CEP , Pompéia, SP Abstract. Composite material consists of a combination of two or more elements in macroscopic scale and that has distinct physical characteristics of his predecessors when isolated. Conceptually the composite material is treated as having a heterogeneous phase called matrix, responsible for the transfer of effort, and another phase called reinforcement, responsible for resistance to the applied load. A variety of matrices and reinforcements thus composing a wide range of composites, that differ in their application due to their having different engineering constants (Elastic Modulus, Shear Modulus, Poisson's ratio, etc. ). Because the accurate determination of such characteristics, although not as intuitive when compared to the methods used to obtain such quantities in homogeneous materials, it becomes extremely important, and determines your current application.

11 This article seeks to demonstrate through experimental procedures characterization of a polymeric composite (epoxy) reinforced with fiberglass for such constant engineering. To this end, six specimens were prepared and subjected to an analytical balance to determine the density of the composite by gravimetric measurement as described in ASTM D792. Then was held a rehearsal of thermal digestion at 600 C in order to eliminate by evaporation the polymer matrix in this specimen and thus assess the amount of fiber present in the samples. Based on these data, we calculated the mass and volume fractions of both the matrix and the enhanced composite, which allowed through the theory of Micromechanics (Mixture s Rule), estimating modules Longitudinal Elasticity in fiber direction (E 1 ) and direction transverse to the fibers (E 2 ), the Shear Modulus (G 12 ) and the Poisson's ratio (ν) of the composite. Static tensile tests (ASTM D3039) and bending (ASTM D790) were also conducted in instrumented specimens of composite material for obtaining empirical Longitudinal Modulus of elasticity in fiber direction (E 1 ) and enabling the comparison with the previously calculated value. Keywords: Composites; mechanical characterization; micromechanics; SN curve.

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE UMA BARRA DE SEÇÃO CIRCULAR EM COMPÓSITO (FIBRA DE VIDRO/EPÓXI), COM BASE EM CONSTANTES DE ENGENHARIA OBTIDAS EMPIRICAMENTE

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE UMA BARRA DE SEÇÃO CIRCULAR EM COMPÓSITO (FIBRA DE VIDRO/EPÓXI), COM BASE EM CONSTANTES DE ENGENHARIA OBTIDAS EMPIRICAMENTE MODELAGEM COMPUTACIONAL DE UMA BARRA DE SEÇÃO CIRCULAR EM COMPÓSITO (FIBRA DE VIDRO/EPÓXI), COM BASE EM CONSTANTES DE ENGENHARIA OBTIDAS EMPIRICAMENTE Dario de Almeida Jané, dariojn@hotmail.com 1 2 Antônio

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno:

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) Um dos maiores desafios para a indústria da construção civil e para a sociedade em

POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) Um dos maiores desafios para a indústria da construção civil e para a sociedade em POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) AUTORES: Correia, M.M. (manuel.correia@stin-eng.com) Gonilha, J.A. (jose.gonilha@stin-eng.com) Nunes, F. (francisco.nunes@stin-eng.com) 1. INTRODUÇÃO Um dos maiores

Leia mais

CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS

CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS O QUE É A FIBRA DE CARBONO? É um polímero carbonizado! Precursores da Fibra de carbono Poliacrilonitrila Teor de carbono fixo: 40-45%

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS EM LAMINADOS FIBRAS DE VIDRO E FIBRA DE CARBONO EM RESINA EPÓXI.

PROPRIEDADES MECÂNICAS EM LAMINADOS FIBRAS DE VIDRO E FIBRA DE CARBONO EM RESINA EPÓXI. PROPRIEDADES MECÂNICAS EM LAMINADOS FIBRAS DE VIDRO E FIBRA DE CARBONO EM RESINA EPÓXI. M. C. Capella 1. C. A. Soufen 1, G. V. Correia 1, O. S. Grizola 1, C. A. F. Pintão 2, M. Imaizumi 2 1 Dept of Mechanical

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

Presença da TEXIGLASS no mundo

Presença da TEXIGLASS no mundo Presença da TEXIGLASS no mundo 2 O que são os PLÁSTICOS? São polímeros que apresentam Baixa resistência à tração Baixa resistência à flexão Baixa resistência à compressão O que fazem as FIBRAS? Aumentam

Leia mais

Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos Gerson Marinucci IPEN/USP

Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos Gerson Marinucci IPEN/USP Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos IPEN/USP LANXESS Tech Series, 24 de Maio de 2012 Eletricidade Aeroespacial Alimentos Transporte Química/Petroquímica Sucroalcolera Construção

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DA MADEIRA DO CAFÉ FILGUEIRAS, William Heringer, UNIVALE, e-mail: williamhf@univale.br;

PROPRIEDADES MECÂNICAS DA MADEIRA DO CAFÉ FILGUEIRAS, William Heringer, UNIVALE, e-mail: williamhf@univale.br; Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil PROPRIEDADES MECÂNICAS DA MADEIRA DO CAFÉ FILGUEIRAS, William Heringer, UNIVALE, e-mail: williamhf@univale.br; QUEIROZ, Daniel Marçal de, UFV; DIAS, Gutemberg Pereira,

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS MATERIAIS COMPÓSITOS 1. Introdução A diversidade de materiais actualmente disponíveis para o uso em engenharia é extraordinariamente grande, existindo por isso materiais cada vez mais especializados para

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

MÉTODO DE TESTE PARA RESISTÊNCIA QUÍMICA :

MÉTODO DE TESTE PARA RESISTÊNCIA QUÍMICA : MÉTODO DE TESTE PARA RESISTÊNCIA QUÍMICA : A experiência com plásticos reforçados em ambientes corrosivos nos levou a concluir que os laminados falham de formas diferentes, dependendo do tipo de resina

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

Avaliação da coerência entre três métodos de determinação do módulo de elasticidade da madeira de Pinnus Oocarpa

Avaliação da coerência entre três métodos de determinação do módulo de elasticidade da madeira de Pinnus Oocarpa Avaliação da coerência entre três métodos de determinação do módulo de elasticidade da madeira de Pinnus Oocarpa Leiliane Cristina Cossolino e Antônio Henrique Alves Pereira, ATCP Engenharia Física, São

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 703-710 INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA,

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

Fibras de Vidro de Alto Módulo e Elevado Desempenho para o Mercado de Energia Eólica

Fibras de Vidro de Alto Módulo e Elevado Desempenho para o Mercado de Energia Eólica Fibras de Vidro de Alto Módulo e Elevado Desempenho para o Mercado de Energia Eólica Luis Rogério T. Lucci Diretor de Novos Negócios CPIC Brasil Fibras de Vidro Ltda. Energia Eólica Denomina-se energia

Leia mais

Resistência à Fadiga de Polímeros Reforçados com Fibras de Aramida, Vidro e Carbono

Resistência à Fadiga de Polímeros Reforçados com Fibras de Aramida, Vidro e Carbono Resistência à Fadiga de Polímeros Reforçados com Fibras de Aramida, Vidro e Carbono Leila Cristina Meneghetti 1 Mônica Regina Garcez 1 Luiz Carlos Pinto da Silva Filho 3 Francisco de Paula Simões Lopes

Leia mais

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA,

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, As propriedades são obtidas através da quantidade, da geometria da fase

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 1 CIÊNCIAS DOS MATERIAIS Profa. Dra. Adélia Lima Email: amlsilva0603@gmail.com à Química Aplicada 2 A disciplina Química Aplicada aborda os conteúdos básicos

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP 1 INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP S. R. Teixeira, F. C. Dias, A. E. Souza, G. T. Almeida Santos, M. A. L. Nobre

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA Ana L. F. S. d Almeida 1, José R. M. d Almeida 2 * 1 Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA TENSÃO DE CISALHAMENTO NA INTERFACE FIBRA DE VIDRO E MATRIZ CIMENTÍCIA EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERMINAÇÃO DA TENSÃO DE CISALHAMENTO NA INTERFACE FIBRA DE VIDRO E MATRIZ CIMENTÍCIA EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERMINAÇÃO DA TENSÃO DE CISALHAMENTO NA INTERFACE FIBRA DE VIDRO E MATRIZ CIMENTÍCIA EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO R. Caratin1, G. Marinucci 1,2 rcaratin@ipen.br 1Instituto de Pesquisas Energéticas

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS

INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS APLICAÇÕES DE PERFIS PULTRUDADOS INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS Palestrante : Carlos Viegas Apoio O QUE É UM COMPÓSITO ROVING CONTÍNUO RESINA POLIESTER VINIL ESTER FENOLICA EPOXI MANTA DE FIBRA DE VIDRO VÉU

Leia mais

Materiais Compósitos

Materiais Compósitos Materiais Compósitos Introdução Material que combina propriedades complementares btenção de propriedades que não se conseguem com os componentes isolados. São combinações de pelo menos dois materiais distintos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS MÓDULOS DE ARMAZENAGEM E DE PERDA DE MATERAIS VISCOELÁSTICOS APLICANDO O MÉTODO PADRÃO ASTM

AVALIAÇÃO DOS MÓDULOS DE ARMAZENAGEM E DE PERDA DE MATERAIS VISCOELÁSTICOS APLICANDO O MÉTODO PADRÃO ASTM VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil AVALIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO NA VIDA EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7475 CLAD

ANÁLISE DA INFLUÊCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO NA VIDA EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7475 CLAD ANÁLISE DA INFLUÊCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO NA VIDA EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7475 CLAD M. P. J. Audinos (1,3), F. T. Gastaldo (2), N. G. I.Iordanoff (3), N. G. Costa (1), A. Cerbone (4) Universidade

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Resistência ao Cisalhamento Iosipescu do Compósito Laminado Reforçado com Tecido de Fibras de Vidro/Epóxi

Resistência ao Cisalhamento Iosipescu do Compósito Laminado Reforçado com Tecido de Fibras de Vidro/Epóxi UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Resistência ao Cisalhamento Iosipescu do Compósito Laminado Reforçado

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS FRAÇÕES VOLUMÉTRICAS DE COMPÓSITO DE FIBRA DE CARBONO E MATRIZ EPÓXI POR DIFERENTES METODOLOGIAS

DETERMINAÇÃO DAS FRAÇÕES VOLUMÉTRICAS DE COMPÓSITO DE FIBRA DE CARBONO E MATRIZ EPÓXI POR DIFERENTES METODOLOGIAS DETERMINAÇÃO DAS FRAÇÕES VOLUMÉTRICAS DE COMPÓSITO DE FIBRA DE CARBONO E MATRIZ EPÓXI POR DIFERENTES METODOLOGIAS C. Giovedi 1, G. Marinucci 2, P.R. Rouse 1 e A.L.L. Cláudio 1 1 Centro Tecnológico da Marinha

Leia mais

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA.

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. Alunos: Antonio Rodrigues e Vitor Antoniazzi. Orientador: Ivani de S. Bott. Co-Orientador: José Roberto D Almeida. Introdução A ideia de se unir corpos sólidos

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Notas sobre Dano em Materiais Compósitos

Notas sobre Dano em Materiais Compósitos Notas sobre Dano em Materiais Compósitos Fractura e Dano MEMM V. Franco -0 Boeing 787 Dreamliner Utilizaçãoextensivade compósitos em componentes estruturais Extensive use of plastic composites

Leia mais

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc.

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Resistência dos Materiais Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Unidade 01 Conceitos Fundamentais Objetivo da unidade Estabelecer um embasamento conceitual, de modo que o aluno possa prosseguir ao longo

Leia mais

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer. Aristóteles 24/Novembro/2014 1 Produtos e Aplicações Cabos de

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 16, n. 2, pp. 703 713, 2011 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo11427 Projeto, construção e teste de um Torcímetro SANTOS, D.C.; BARBIERI, R. Programa

Leia mais

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO 1. OBJETIVO Determinar as propriedades de tração de plásticos reforçados e não reforçados, em forma de corpos de prova normalizados e ensaiados, sob condições

Leia mais

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL Carlos A. R. Brito Júnior 1*, Luiz C. Pardini 2, Nilton P. Alves 3, Robson R. Fleming 1 1 Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

4 Resultados e discussões

4 Resultados e discussões 4 Resultados e discussões 4.1. Tratamentos preservativos Foram realizados seis métodos de tratamento preservativo para diferentes colmos de bambu. Quatro destes métodos foram aplicados em bambus que já

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

INFLUÊNCIA DA PÓS-CURA NA TEMPERATURA DE TRANSIÇÃO VÍTREA EM COMPÓSITOS DE FIBRA DE CARBONO E DE POLIARAMIDA COM MATRIZ DE POLÍMERO TERMOFIXO

INFLUÊNCIA DA PÓS-CURA NA TEMPERATURA DE TRANSIÇÃO VÍTREA EM COMPÓSITOS DE FIBRA DE CARBONO E DE POLIARAMIDA COM MATRIZ DE POLÍMERO TERMOFIXO INFLUÊNCIA DA PÓS-CURA NA TEMPERATURA DE TRANSIÇÃO VÍTREA EM COMPÓSITOS DE FIBRA DE CARBONO E DE POLIARAMIDA COM MATRIZ DE POLÍMERO TERMOFIXO N. M. SILVA # ; L. F. C. P. LIMA*; R. N. FARIA*; J. L. ROSSI*

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS

Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS Santo Ângelo, Janeiro de 2007 Ensaios dos Materiais Acadêmica: Gabrieli Bortoli Dalcin Santo Ângelo, Janeiro de 2007 Sumário 1.ENSAIO DE TRAÇÃO...

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos, Thiago Catoia, Bruna Catoia Março de 2010 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior,

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 Telmo Roberto Strohaecker UFRGS, PROFESSOR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Sandro Griza UFRGS, DOUTORANDO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Rodrigo André Hoppe

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE01 FEUP, 4-6 de outubro de 01 Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Luciana T. Kataoka 1 Túlio N. Bittencourt RESUMO

Leia mais

CAPÍTULO 2: TENSÃO E DEFORMAÇÃO: Carregamento Axial

CAPÍTULO 2: TENSÃO E DEFORMAÇÃO: Carregamento Axial Curso de ngenharia Civil Universidade stadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de ngenharia Civil CÍTUO 2: TNSÃO DFOMÇÃO: Carregamento ial 2.1 Deformação specífica O diagrama carga deformação

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

13 o Encontro Técnico DER-PR

13 o Encontro Técnico DER-PR 13 o Encontro Técnico DER-PR Imprimaduras Impermeabilizante e Ligante Osvaldo Tuchumantel Jr. Imprimadura ato ou efe ito de imprima r Impermeabilizante - Aplicação uniforme de material betuminoso sobre

Leia mais

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA A ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES NAS LÂMINAS DE UM FEIXE DE MOLAS SEMI-ELÍPTICAS.

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA A ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES NAS LÂMINAS DE UM FEIXE DE MOLAS SEMI-ELÍPTICAS. DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA A ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES NAS LÂMINAS DE UM FEIXE DE MOLAS SEMI-ELÍPTICAS. Luiz Daré Neto Odison Coimbra Fernandes Eduardo Carlos Bianchi Rodrigo Daun Monici Universidade

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO CÁLCULO ESTRUTURAL

BOLETIM TÉCNICO CÁLCULO ESTRUTURAL CRITÉRIOS PARA CÁLCULO Quando em uso, as estruturas são submetidas a carregamentos que geram tensões de tração, flexão, cisalhamento,e compressão. Sempre que as estruturas forem dimensionadas para resistir

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2.1. Introdução A partir de 1980 a produção comercial de fibras de carbono desenvolveuse em grande escala no Japão. Isto ocorreu como resultado

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Modelagem de objetos em sistemas CAD 3D com a utilização de geometrias paramétricas

Modelagem de objetos em sistemas CAD 3D com a utilização de geometrias paramétricas 27 e 28 de Fevereiro de 2010, Taubaté Modelagem de objetos em sistemas CAD 3D com a utilização de geometrias paramétricas José Orlando Balastrero Junior, Luiz Eduardo Nicolini do Patrocínio Nunes UNITAU

Leia mais