UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo FEAU Curso de Engenharia de Materiais Trabalho de Conclusão de Curso BRUNA CAROLINA SOARES DE LIMA MARCELO GONÇALVES A INFLUÊNCIA DA ESPESSURA DO LAMINADO NO PERFIL TÉRMICO DE CURA DOS COMPÓSITOS POLIMÉRICOS ARAMIDA/EPÓXI E VIDRO/EPÓXI São José dos Campos

2 2011 BRUNA CAROLINA SOARES DE LIMA MARCELO GONÇALVES A INFLUÊNCIA DA ESPESSURA DO LAMINADO NO PERFIL TÉRMICO DE CURA DOS COMPÓSITOS POLIMÉRICOS ARAMIDA/EPÓXI E VIDRO/EPÓXI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Engenharia de Materiais - UNIVAP Orientadores: Dra. Vanesa M. Ferrari e MSc. Cesar Augusto Damato São José dos Campos 2011

3 RESUMO Este trabalho consiste em avaliar a influência da espessura dos compósitos poliméricos aramida/epóxi e vidro/epóxi durante o ciclo de cura. Para estudar esse comportamento foram fabricados quatro corpos de prova do material aramida/epóxi (17, 34, 51, 68 camadas). Após o ciclo de cura, os resultados indicaram que somente os corpos de prova com 51 e 68 camadas apresentaram um pico exotérmico acima da temperatura de cura do processo. Para compreender este comportamento foram realizados os ensaios no compósito vidro/epóxi, tendo sido fabricados dois corpos de prova de 51 e 68 camadas. As amostras apresentaram uma pequena elevação da temperatura de processo durante o ciclo de cura, sendo essa pouco significativa, devido à baixa condutividade térmica da fibra de vidro. Pode-se concluir assim que o tipo de fibra a ser utilizado e a espessura do material irão influenciar no perfil térmico de cura. Palavras-chaves: Compósito, aramida/epóxi, vidro/epóxi, espessura, perfil térmico.

4 ABSTRACT The present study consists in evaluate the thickness interference on the composite polimeric aramida/epoxy and Glass/epoxy during curing cycle. To study its behavior it was manufactured four testing material parts of aramida/epoxy, with a distinct number of layers (17, 34, 51, 68). Aiming to comprehend its comportment it was realized essays at the Glass/epoxy composite, by manufacturing two testing parts, a 51-layered and a 68-layered. The samples showed a elevation at the temperature process during the curing cycle, not so much significative, by the low thermic condutivity of the glass fiber. We can conclude that the type of fiber that was used and the thickness of the material, will cause influence on the thermic profile of curing. Key words: Composite, aramida/epoxy, glass/epoxy, thickness, thermic profile.

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAIS E MÉTODOS Processo de Laminação Processo de Moldagem a Vácuo Etapas dos Processos: Hand lay-up e Moldagem a Vácuo Processo de Moldagem em Autoclave RESULTADOS Análise do Ciclo de Cura do Laminado Aramida/Epóxi Análise do Ciclo de Cura do Laminado Vidro/Epóxi CONCLUSÃO SUGESTÕES DE TRABALHOS FUTUROA AGRADECIMENTOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...20

6 LISTA DE FIGURAS Fig Imagem ilustrativa da orientação das fibras (0/90 ) Fig Fibra de aramida Fig Fibra de vidro...08 Fig Ciclo de cura do sistema de resina utilizado...10 Fig Retirada de filme polimérico Fig Corpos de prova laminados Fig Materiais utilizados no processo de Moldagem a vácuo Fig Corpos de prova preparados para bolsa de vácuo...13 Fig Filme polimérico formando a bolsa de vácuo Fig Aplicação de vácuo Fig Ciclo de cura do pré-impregnado Aramida/Epóxi (17 e 34 camadas) Fig Ciclo de cura do pré-impregnado Aramida/Epóxi (51 e 68 camadas)...16 Fig Ciclo de cura do pré-impregnado Vidro/Epóxi (51 e 68 camadas)... 17

7 7 1. INTRODUÇÃO Na última década houve um rápido desenvolvimento na área da engenharia devido à grande necessidade de se utilizar materiais dos mais variados tipos e em diversas aplicações (CUNHA, COSTA & REZENDE, 2006). Para as indústrias aeronáuticas desenvolver peças mais espessas de materiais compósitos se tornou um desafio, pois essas apresentam um elevado pico exotérmico, devido a baixa condutividade térmica do composto e o alto calor de reação da resina termofixa (MICHAUD, BERIS & DHURJATI, 1998). Os materiais utilizados para a fabricação dessas peças são os compósitos poliméricos. Esses se destacaram nas indústrias aeronáuticas devido à substituição de estruturas metálicas em materiais com alta resistência e baixa massa específica. (MARQUES, NARITA, COSTA & REZENDE, 2010). Essas propriedades foram obtidas através dos materiais pré-impregnados, que são um produto intermediário, parcialmente curado, pronto para a moldagem e pode ser definido como uma mistura de fibras de reforço e matriz polimérica na forma de resina geralmente termorrígida. (COSTA, REZENDE & BOTELHO, 2005) Esse material, durante sua moldagem, permite manter a integridade física do reforço e também controla a fração volumétrica da fibra. Para facilitar o manuseio, esse tipo de material tende a ajustar o grau de cura da matriz impregnada (COSTA, PAIVA, BOTELHO & REZENDE, 2003). Os materiais pré-impregnados utilizados neste trabalho foram o aramida/epóxi e o vidro/epóxi. As fibras de reforço são elementos constituintes que conferem ao material compósito suas características mecânicas, ou seja, elas atuam para aprimorar as propriedades do material compósito e para obter a resposta mecânica desejada. Alguns fatores são importantes, como a natureza e o percentual de seus constituintes, assim como a distribuição, concentração e orientação das fibras (TINÔ, 2010). Os compósitos laminados deste trabalho apresentam as fibras contínuas e alinhadas e em forma de tecido bidirecional (0/90 ), ou seja, fios dispostos a 90 uns sobre os outros, na forma de trama e urdume, conforme mostra figura a baixo.

8 8 Fig Imagem ilustrativa da orientação da fibra (0/90 ) As fibras de aramida (Fig. 1.2) diferem das demais fibras por possuir a melhor relação força/peso entre qualquer outra fibra de reforço. Além disso, possuem algumas outras vantagens: baixa densidade, elevada resistência à tração, à abrasão, ao impacto, à fluência e à falha por fadiga, e ainda possui boa tenacidade. Porém, também possui algumas desvantagens: baixa resistência a compressão, degradação por ácidos e bases fortes, elevada absorção de umidade e custo relativamente elevado (ASM Handbook, 2001). As fibras de vidro (Fig. 1.3) destacam-se, por possuir uma boa resistência térmica devido ao seu baixo coeficiente de dilatação linear e uma baixa condutividade térmica, o que garante um excelente desempenho em ambientes com variações térmicas. Também possuem outras vantagens como: excelente aderência em relação à matriz, baixo custo, fácil processamento devido a sua molhabilidade, boa resistência à tração comparada com outras fibras têxteis, resistência ao calor e ao fogo devido ao seu alto ponto de fusão, resistência química, elétrica e à umidade. E algumas desvantagens: elevada densidade, baixo módulo de elasticidade, auto-abrasividade e baixa resistência à fadiga (TINÔ, 2010). Fig Fibra de aramida Fig Fibra de vidro

9 9 A matriz polimérica de resina epoxídica oferece uma combinação única de propriedades que são inatingíveis por outras resinas, sendo essas: alta resistência mecânica, baixa contração, excelente adesão, isolamento elétrico, resistência química, baixo custo e baixa toxidade. A resina epoxídica fornece um equilíbrio único de propriedades químicas e mecânicas combinadas à versatilidade de processamento (ASM Handbook, 2001). O processamento de compósitos estruturais, também conhecido como moldagem, baseia-se na impregnação do reforço com uma determinada matriz e, no final desse processo, o material compósito está praticamente em condições de ser utilizado. O Hand Lay-Up, processo de moldagem manual, que não exige altas pressões e possui um custo relativamente baixo devido à facilidade de manufatura, não envolvendo investimentos em equipamentos para o processo, não requer mão de obra especializada, porém, possui uma produção baixa, havendo a necessidade de uma maior mão de obra, além da maior possibilidade de defeitos de fabricação (exemplo, bolhas de ar) (NETO & PARDINI, 2006). O processo consiste inicialmente em se aplicar um agente desmoldante sobre o ferramental (gabarito ou molde) para remoção de peça após o processo de cura, seguido do empilhamento dos tecidos pré-impregnados na superfície do molde e a colocação dos termopares nas camadas do laminado para acompanhar o processo de cura. A espessura do material compósito é obtida pelo número de camadas sobrepostas. Após o processo de moldagem, tem-se a moldagem a vácuo, que consiste no melhoramento do processo manual, pois nesta etapa ocorre a retirada do excesso de resina e a retirada de voláteis e bolhas que possam comprometer as propriedades mecânicas do material compósito. Neste processo são utilizados alguns materiais para a preparação da bolsa de vácuo: filmes canalizadores para remoção do ar, mantas absorvedoras do excesso de resina, placas de policarbonato para conferir um melhor acabamento superficial, e filme polimérico para isolar o laminado da autoclave. Em seguida, o material é levado para a autoclave para passar pelo processo de cura (NETO & PARDINI, 2006). O processo de cura de compósitos mais espessos necessita da combinação de mudanças no ciclo de cura e da utilização de fibras com menor condutividade térmica, pois a cura de resinas termofixas é extremamente exotérmico, devido às variações de temperatura e o elevado calor de reação, o que dificulta a cura do compósito, podendo gerar tensões residuais e a degradação do polímero (TINÔ, 2010). Para isso, alguns parâmetros devem ser conhecidos para que se tenha a otimização do ciclo de cura, pois são eles que proporcionam as propriedades finais do compósito, e são eles: o número de patamares isotérmicos de

10 10 temperatura, a taxa de aquecimento entre os patamares, a pressão na qual a cura deve ocorrer e o tempo total do ciclo de cura. Durante o processo de cura alguns dos dos fenômenos que ocorrem são: reação química, liberação de calor, liberação de voláteis, aumento na viscosidade, gelificação ou gelação, vitrificação e degradação (NETO & PARDINI, 2006). Alguns fatores devem ser considerados para controlar a liberação de voláteis como: absorção de umidade do pré-impregnado, (o teor de umidade do material é dependente da umidade relativa e temperatura do ambiente, portanto é importante ter esse controle do ambiente em que está processando o laminado), a viscosidade da resina em temperatura ambiente, o grau de impregnação do prepreg, a uniformidade da superfície e a pressão imposta pela autoclave no momento da cura (CAMPBELL, 2006). Os fenômenos gelificação e vitrificação são os mais importantes do ciclo de cura dos termorrígidos, e é através dos parâmetros de temperatura e tempo que podemos entender melhor esses fenômenos. Na gelificação o sistema passa de um líquido viscoso a um gel elástico, devido a uma variação da viscosidade, pois neste estágio da cura há um aumento na densificação das ligações cruzadas existentes na resina epoxídicas. O processo de cura, após a gelificação, continua mais lento, pois com o aumento da densidade das ligações cruzadas a mobilidade do sistema fica mais restrita. Na vitrificação o sistema passa ao estado vítreo, que ocorre a partir de um monômero, ou seja, é o processo no qual a reação química é resfriada durante o ciclo de cura (COSTA, REZENDE & BOTELHO, 2005). No presente trabalho, o ciclo de cura do sistema de resina utilizado está representado na Fig Fig Ciclo de cura do sistema de resina utilizado (CAMPBELL, 2006) Durante a segunda rampa de aquecimento há uma taxa controlada, pois cerca de 75% das transformações envolvidas no processo de cura são completadas a partir de reações

11 11 exotérmicas, ocorrendo a vitrificação do material. Nesta etapa, a entalpia da reação exotérmica é diretamente proporcional ao volume de grupos químicos disponíveis à transformação (COSTA, PAIVA, BOTELHO & REZENDE, 2003). Por esse motivo, um adequado controle do processo de cura é necessário para garantir a qualidade do produto final. Após o ciclo de cura ter sido completado todos os grupos químicos disponíveis para transformação são consumidos, formando um material infusível (PARDINI & PERES, 1996). 2. OBJETIVO Verificar a influência da espessura dos compósitos poliméricos aramida/epóxi e vidro/epóxi, durante o ciclo de cura, tendo como base as propriedades das fibras e como essas influenciam no perfil térmico do laminado. 3. MATERIAIS E MÉTODOS O pré-impregnado aramida/epóxi (F155, Hexcel) foi cortado, com medidas 100 mm x 100 mm, com direção 0/90. O pré-impregnado vidro/epóxi (F155, Hexcel) foi cortado, com medidas 100 mm x 100 mm, com direções 0/90. A máquina de corte de tecidos Lectra foi utilizado para cortar os pré-impregnados. Autoclave da empresa Alltec, utilizada para o processo de cura. Agente desmoldante, utilizado para facilitar a retira do laminado após a cura. Filmes canalizadores, auxiliam na retirada de ar. Mantas absorvedoras auxiliam com a retirada de excesso de resina. Seis placas de policarbonato, melhoram o acabamento superficial da peça. Filme polimérico auxilia na formação da bolsa de vácuo. Um molde de alumínio, para fabricação dos CDP s. Doze termopares, para acompanhar a temperatura dos CDP s. 3.1 Processo de Laminação O processo utilizado para a laminação dos corpos de prova foi o hand lay-up. O processo consiste no empilhamento de camadas do pré-impregnado, em orientações predeterminadas 0/90, feito manualmente sobre o molde. A espessura do laminado é

12 12 determinada por meio da quantidade de camadas desejadas. Neste trabalho foram produzidos quatro corpos de prova com diferentes espessuras (17, 34, 51 e 68 camadas) para o material aramida/epóxi e dois corpos de prova com 51 e 68 camadas para o material vidro/epóxi. Durante a deposição de camadas, em cada corpo de prova foram utilizados dois termopares para acompanhar a temperatura, entre a primeira camada do pré-impregnado com o molde e no meio do laminado. Por prevenção, cada termopar encontra-se duplicado. Caso um se rompa durante o ciclo de cura do laminado, o outro continuará informando sobre a temperatura na posição fixada. Os CDP s foram produzidos em duplicatas, devido às limitações dos canais da autoclave para conexão dos termopares. Após o empilhamento das camadas sobre o molde de alumínio inicia-se a preparação do processo de bolsa de vácuo. Nesse processo, a fração volumétrica do reforço é menor que 40% e de vazios é cerca de 15% (NETO & PARDINI, 2006). 3.2 Processo de Moldagem a Vácuo O processo a vácuo é um complemento do processo hand lay-up, melhorando a qualidade dos laminados por meio da retirada do excesso de resina e pela retirada de voláteis. É formado uma bolsa com o filme polimérico, em seguida aplica-se uma o vácuo, esse compactará as camadas do pré-impregnado. A aplicação do vácuo evita o excesso de resina ou a falta da mesma após a cura do compósito. Por meio deste processo é possível obter frações volumétricas de fibras de até 50% e frações volumétricas de vazios inferiores a 5% (NETO & PARDINI, 2006). 3.3 Etapas dos Processos: Hand lay-up e Moldagem a Vácuo Os processos hand lay-up e moldagem a vácuo foram utilizados para a fabricação dos corpos de prova antes de serem levados para a autoclave. Para se iniciar o hand lay-up é preciso limpar a superfície do molde, seguido de agente desmoldante. Para a fixação do material é preciso retirar seu filme polimérico (Fig. 3.1). O termopar é fixado entre o gabarito e a primeira camada do prepreg, seguido com o empilhamento das camadas. Durante o empilhamento também é fixado o termopar no meio do

13 13 laminado. Após o empilhamento, o laminado está pronto para iniciar a preparação da bolsa de vácuo (Fig. 3.2). O processo de moldagem a vácuo se inicia com a colocação de materiais sobre os corpos de provas. Os materiais utilizados foram: placas de policarbonato, filmes canalizadores e mantas absorvedoras (Fig. 3.3), sendo esse o último material a ser colocando antes de se iniciar o fechamento da bolsa da de vácuo (Fig. 3.4). O filme polimérico (Fig. 3.5) é utilizado na formação da bolsa de vácuo, sendo esse vedado por meio de fita selante. A bolsa tem a função de isolar o conjunto do ambiente interno da autoclave. Assim que se forma uma bolsa, é aplicado o vácuo (Fig. 3.6) e os laminados estão prontos para serem levados à autoclave. Fig Retirada de filme polimérico. Fig Corpos de prova laminados. Fig Materiais utilizados no processo de Moldagem a vácuo. Fig Corpos de prova preparados para bolsa de vácuo.

14 14 Fig Filme polimérico formando a bolsa de vácuo. Fig Aplicação de vácuo. 3.4 Processo de Moldagem em Autoclave Após o processo de laminação hand lay-up e da preparação da bolsa de vácuo, os corpos de prova são levados à autoclave para iniciar o processo de cura de aproximadamente seis horas. Antes de iniciar o processo de cura é necessário ajustar o tempo de aplicação do vácuo, pressurização imposta pela autoclave e conectar os termopares no equipamento. É importante controlar esse tempo, pois ele minimiza a porcentagem de vazios e aperfeiçoa a fração volumétrica (NETO & PARDINI, 2006). Os laminados foram levados à temperatura de cura de 120 C, sugerida pelo fabricante do material. 4. RESULTADOS 4.1 Análise do Ciclo de Cura do Laminado Aramida/Epóxi Os resultados foram obtidos através de informações fornecidas pelo sistema da autoclave, apresentando gráficos de temperatura x tempo. Para os laminados atingirem um ciclo de cura excelente é preciso seguir como parâmetro o termopar da máquina, com uma temperatura constante no primeiro patamar (92 C com o tempo de 40 min a 104 min) e no segundo patamar (120 C com o tempo de 130 min a 278 min). Para o processo de cura dos CDP s de aramida/epóxi (Fig. 4.1 e 4.2), é possível verificar que há um atraso no aquecimento dos materiais da primeira rampa. Isso ocorre devido à quantidade de camadas presentes no laminado e pela propriedade de condutividade térmica da fibra.

15 Temperatura ( o C) 15 Durante o primeiro patamar ambos os laminados sofreram alterações em suas temperaturas, isso ocorreu por causa das reações químicas que acontecem nesse patamar. O CDP de 34 camadas (Fig.4.1) com o termopar fixado no meio do laminado foi o que possuiu uma maior temperatura nesse gráfico sendo essa de 98 C no tempo de 100min. Na segunda rampa e no segundo patamar, os laminados não apresentaram nenhuma alteração Maquina CDP 17: gabarito e A1 CDP 17: A8 e A9 CDP 34: gabarito e A1 CDP 34: A17e A Tempo (min) Fig Ciclo de cura do pré-impregnado Aramida/Epóxi (17 e 34 camadas). No entanto, analisando os dados dos CDP s de 51 e 68 camadas (Fig ), durante o primeiro patamar isotérmico é possível observar que os termopares fixados entre a primeira camada do prepreg e do molde e no meio do laminado apresentaram picos. Os laminados com os termopares fixados entre a primeira camada do prepreg e o molde sofreram alteração em suas temperatura, no CDP com 51 camadas ocorreu no tempo de 83min em uma temperatura de 96 C. Já o CDP de 68 camadas ocorreu em um tempo de 100min a 99 C. Os laminados com os termopares fixados no meio obtiveram picos exotérmicos, o CDP de 51 camadas apresentou um pico aos 105min a uma temperatura de 108 C. No CDP de 68 camadas ocorreu no tempo de 100min a 127 C, temperatura superior a do processo de

16 Temperatura ( o C) 16 cura informada pelo fabricante (120 C), no mesmo é possível notar uma queda de temperatura para 111 C no tempo de 120min. Os laminados retornam para a segunda rampa do seu meio em diante, isso ocorre por causa da dissipação de energia presente nos laminados. No segundo patamar os laminados seguem o termopar da máquina (parâmetro) Maquina CDP 51: gabarito e A1 CDP 51: A25 e A26 CDP 68: gabarito e A1 CDP 68: A34 e A Tempo (min) Fig Ciclo de cura do pré-impregnado Aramida/Epóxi (51 e 68 camadas) 4.2 Análise do Ciclo de Cura do Laminado Vidro/Epóxi Já que os laminados de aramida/epóxi de 17 e 34 camadas não apresentaram resultados de elevados picos durante o ciclo de cura, para o material vidro/epóxi foram produzidos apenas dois corpos de prova com 51 e 68 camadas. Analisando o processo de cura (Fig. 4.2), durante a primeira rampa é possível identificar uma dificuldade do material em se aquecer e seguir os parâmetros da máquina, tal dificuldade ocorre por meio da quantidade de camadas presentes no laminado e pela propriedade de condutividade térmica da fibra.

17 Tempeartura ( o C) 17 Os termopares fixados entre a primeira camada do prepreg e do molde obtiveram alterações em suas temperaturas durante o primeiro patamar isotérmico, para o CDP de 51 ocorreu no tempo de 109min a uma temperatura de 95 C e no CDP de 68 camadas surgiu um pico durante o tempo 120min a 96 C. Os termopares fixados no meio dos CDP s obtiveram picos durante o primeiro patamar isotérmico, para o CDP de 51 camadas ocorreu no tempo de 120min a uma temperatura de 100 C e para o CDP de 68 camadas apresentou um pico no tempo de 120min a 106 C, seguido de um resfriamento no tempo de 150min a uma temperatura de 95 C. Os laminados retornaram a segunda rampa logo em seu inicio, devido a dissipação de energia presente no CDP. No segundo patamar esses seguem os parâmetros Mلquina CDP51:gabarito e A1 CDP51: A25 e A26 CDP68:gabarito e A1 CDP68: A34 e A tempo (min) Fig Ciclo de cura do pré-impregnado Vidro/Epóxi (51 e 68 camadas) 5. CONCLUSÕES Podem ser elaboradas as seguintes conclusões em base dos resultados obtidos: Os CDP s de 17 e 34 camadas do pré-impregnado aramida/epóxi não influenciou no perfil térmico da cura, mesmo ocorrendo um pequeno pico no CDP de 34 camadas (100min a 98 C), pois esse apresenta-se bem próximo do termopar da máquina(92 C).

18 18 A partir dos resultados apresentados é possível afirma que a espessura interferiu apenas no perfil térmico de cura do laminado aramida/epóxi, pois conforme aumentou-se a quantidades de camadas, as temperaturas dos picos também aumentavam (Tabela 5.1) independente da posição fixada do termopar, podendo tornar o produto final menos eficaz em termos de qualidade, pois esses podem apresentar possíveis vazios. Tabela 5.1- Temperatura máxima atingida no primeiro patamar isotérmico do material aramida/epóxi. O maior pico presente no trabalho foi do material aramida/epóxi com 68 camadas (105min a 127 C), com o termopar fixado no meio do laminado. Esse apresentou um elevado pico exotérmico, podendo ter ocorrido uma cura precoce do material, devido à interferência da quantidade de camadas e da propriedade de condutividade térmica presente da fibra. Já o material vidro/epóxi (Tabela 5.2), os picos presentes em seu ciclo estão bem próximos do padrão (termopar da máquina), e o maior pico apresentado foi no laminado de 68 camadas, com o termopar fixado no meio do laminado, com o tempo de 120min a uma temperatura 106 C. Tabela Temperatura máxima atingida no primeiro patamar isotérmico do material vidro/epóxi. O tipo de fibra a ser utilizado influenciou no perfil térmico de cura de ambos os materiais utilizados. Comparado com os laminados do material aramida/epóxi nota-se que a

19 19 fibra de vidro dissipou mais rapidamente seu calor. É possível verificar essa afirmação por meio da diferença de temperatura de 21 C dos laminados de 68 camadas. 6. SUGESTÕES DE TRABALHOS FUTUROS Tendo como base os resultados obtidos neste trabalho, tornou-se interessante estudar a cinética da cura dos laminados aramida/epóxi e vidro/epóxi através de análises térmicas. Modificar o tipo de resina, para verificar se a mesma diminui o pico exotérmico presentes em alguns dos laminados. Modificar a taxa de aquecimento, acelerando a primeira rampa onde o processo se mostrou estável e retardando a taxa de aquecimento da segunda rampa para diminuir o pico exotérmico presentes entre o patamar isotérmico e a segunda rampa. 7. AGRADECIMENTOS A Deus, primeiramente, pela vida e pela graça concedida. Aos nossos pais, o nosso reconhecimento e gratidão pela paciência, compreensão e apoio constante nesta jornada da vida. Obrigado por acreditarem em nós e nos incentivarem em todos os momentos! A Família Ferrari (Vanesa e Paulo) pela dedicação e orientação. Ao orientador Cesar Augusto Damato pela orientação e oportunidade da realização deste trabalho. A empresa Alltec e seus funcionários que direta ou indiretamente ajudaram neste trabalho. Aos nossos amigos André Contin, André Luiz, Filipe Estevão, Julia Naomi, Ivan Portela, Flávio Augusto que nos deram apoio nos momentos difíceis, e todos aqueles outros que de alguma maneira contribuíram para a realização deste trabalho.

20 20 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASM Handbook Composites, v. 21, ASM International, December CAMPBELL, F. C. Manufacturing Technology for Aerospace Structural Materials. Editora Elsevier Ltd., COSTA, M. L.; REZENDE, M. C. & PARDINI, L. C. Métodos de Estudo da Cinética de Cura de Resinas Epóxi. Polímeros: Ciência e Tecnologia, Abr/Jun, COSTA, M. L.; PAIVA, J. M. F.; BOTELHO, E. C. & REZENDE, M. C. Avaliação Térmica e Reológica do Ciclo de Cura do Pré-Impregnado Carbono/Epóxi. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 13, n. 3, p , COSTA, M. L.; REZENDE, M. C. & BOTELHO, E. C. Estabelecimento de Ciclo de Cura de Pré-impregnados Aeronáuticos. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v.15, n.3, p , CUNHA, J. A. P., COSTA, M. L. & REZENDE, M. C. Influência de Diferentes Condições Higrotérmicas na Resistência à Tração de Compósitos de Fibra de Carbono/Epóxi Modificada. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 16, n. 3, p , MARQUES, L. S.; NARITA, N. E.; COSTA, G. G. & REZENDE, M. C. Avaliação dos Comportamentos Mecânico e Térmico de Laminados de PPS/Fibra de Carbono Processados em Autoclave sob Diferentes Ciclos de Consolidação. Polímeros, v. 20, n. 4, p , MICHAUD, D.J.; BERIS, A. N. & DHURJATI, P. S. Curing Behavior of Thick-Sectioned RTM Composites. Journal of Composite Materials, v. 32, n. 14, p , NETO, F. L. & PARDINI, L. C. - Compósitos Estruturais Ciência e Tecnologia. 1ª edição. Editora Edgard Blucher, PARDINI, L. C. & PERES, R. J. C. Tecnologia de Fabricação de Pré-impregnados para Compósitos Estruturais Utilizados na Indústria Aeronáutica. Polímeros: Ciência e Tecnologia, p , abr./jun.1996.

21 21 TINÔ, S. R. L. Descontinuidade na Seção Transversal em Laminados Compósitos Poliméricos: Efeitos e Propriedades. Tese (Mestrado em Engenharia Mecânica), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, Fevereiro 2010.

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

Resinas Vinil Híbridas - Baixo VOC e sustentabilidade inovando a fabricação de compósitos. André L. Oliveira

Resinas Vinil Híbridas - Baixo VOC e sustentabilidade inovando a fabricação de compósitos. André L. Oliveira Resinas Vinil Híbridas - Baixo VOC e sustentabilidade inovando a fabricação de compósitos André L. Oliveira Sustentabilidade O que são VOC? Sistemas livre de estirenos Resinas Vinil Híbridas Exemplos de

Leia mais

Tecnologia atual e passos para o futuro com sustentabilidade em resinas poliéster para aplicações aeroespaciais. André Oliveira

Tecnologia atual e passos para o futuro com sustentabilidade em resinas poliéster para aplicações aeroespaciais. André Oliveira Tecnologia atual e passos para o futuro com sustentabilidade em resinas poliéster para aplicações aeroespaciais André Oliveira Background Mercado de Materiais buscando avanços Sistemas estirenados sendo

Leia mais

Presença da TEXIGLASS no mundo

Presença da TEXIGLASS no mundo Presença da TEXIGLASS no mundo 2 O que são os PLÁSTICOS? São polímeros que apresentam Baixa resistência à tração Baixa resistência à flexão Baixa resistência à compressão O que fazem as FIBRAS? Aumentam

Leia mais

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL

1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL 1ª Semana de Composites Avançados São José dos Campos - SP III CONGRESSO SAMPE BRASIL CARACTERIZAÇÃO EXPERIMENTAL DA RIGIDEZ À FLEXÃO EM MATERIAL COMPÓSITO CARBONO-EPÓXI CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Aluno:

Leia mais

CPIC BRASIL. CPIC/Fiberglass Presentation. Uma Nova Marca no Mercado do Brasil com 20 Anos de Experiência

CPIC BRASIL. CPIC/Fiberglass Presentation. Uma Nova Marca no Mercado do Brasil com 20 Anos de Experiência CPIC BRASIL CPIC/Fiberglass Presentation Uma Nova Marca no Mercado do Brasil com 20 Anos de Experiência Histórico CPIC Fiberglass 2011 Planta CPIC BRASIL 2010 Capacidade 520.000T 2009 Vidro TM Alto Módulo

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

SMC - SHEET MOLDING COMPOUND COMPOSITES

SMC - SHEET MOLDING COMPOUND COMPOSITES SMC - SHEET MOLDING COMPOUND COMPOSITES INTRODUÇÃO Com o crescimento industrial por volta dos anos 60 e a necessidade de se obter altas produções, principalmente para a indústria automobilística, houve

Leia mais

O Futuro dos Compósitos. Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015

O Futuro dos Compósitos. Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015 O Futuro dos Compósitos Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015 Industria da Transformação Célula de Sobrevivência Célula de Sobrevivência F1 Índice Materiais Compósitos & Compósitos poliméricos

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

Estudo Cinético da Cura de Resina Fenólica por DSC e DMTA

Estudo Cinético da Cura de Resina Fenólica por DSC e DMTA Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 28 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 2 a 23 28. Estudo Cinético da Cura de Resina

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

Estudo e melhoria do processo de fabricação de peças em compósito com Moldagem por Transferência de Resina à Vácuo - VARTM

Estudo e melhoria do processo de fabricação de peças em compósito com Moldagem por Transferência de Resina à Vácuo - VARTM Estudo e melhoria do processo de fabricação de peças em compósito com Moldagem por Transferência de Resina à Vácuo - VARTM Guilherme Hiroji Anraku Ikeda 1 ; Prof. Dr. Guilherme Wolf Lebrão 2 1 Aluno de

Leia mais

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 6NF_Endurecedor G 130 Blue Resina para aplicação

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. SIGRAPREG Prepregs de fibras de carbono, vidro e aramida

Broad Base. Best Solutions. SIGRAPREG Prepregs de fibras de carbono, vidro e aramida Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRAPREG Prepregs de fibras de carbono, vidro e aramida 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo

Leia mais

RESINA POLIÉSTER INSATURADO, ISOFTÁLICA, MÉDIA REATIVIDADE

RESINA POLIÉSTER INSATURADO, ISOFTÁLICA, MÉDIA REATIVIDADE BOLETIM TÉCNICO COMMODITIES ARAZYN 11.0 - BOLETIM TECNICO DA FAMILIA ARA QUÍMICA S/A. RUA ARTHUR CÉSAR, 200 18147-000 ARAÇARIGUAMA SP BRASIL TEL: 0 (XX) 11 4136 1900 BTE DOCUMENTO 000136 RESINA POLIÉSTER

Leia mais

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning Abril 2001 PRENSAGEM COM VÁCUO Os processos para transformar resinas poliéster reforçadas com fibras de vidro podem ser sofisticados e caros, como a prensagem a quente, ou simples e baratos, como a laminação

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

Capítulo 14. Pós-cura

Capítulo 14. Pós-cura Capítulo 14 Pós-cura O grau de interligação das resinas curadas a frio depende de muitas variáveis. As mais importantes são a taxa de liberação de radicais livres nas várias fases do processo, a arquitetura

Leia mais

CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS

CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS CONGRESSO SAMPE-2015 FIBRAS DE CARBONO HISTÓRICO E APLICAÇÕES PRÁTICAS O QUE É A FIBRA DE CARBONO? É um polímero carbonizado! Precursores da Fibra de carbono Poliacrilonitrila Teor de carbono fixo: 40-45%

Leia mais

Painel Náutico FEIPLAR-2014

Painel Náutico FEIPLAR-2014 Painel Náutico FEIPLAR-2014 Presença da TEXIGLASS no mundo 4 Tipos de Reforços Os reforços podem Fibra Picada (spray up) Na Forma de Mantas Na Forma de TECIDOS Outras - Por que usar TECIDOS? - Usam-se

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Materiais Compósitos

Materiais Compósitos Materiais Compósitos Introdução Material que combina propriedades complementares btenção de propriedades que não se conseguem com os componentes isolados. São combinações de pelo menos dois materiais distintos,

Leia mais

Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa. Por: Sinésio Baccan

Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa. Por: Sinésio Baccan Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa Por: Sinésio Baccan Localização Rio Claro SP - Brasil RC SP Características Principais Início de atividades em 03 Nov de 2008 Área construída

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO 1. OBJETIVO Determinar as propriedades de tração de plásticos reforçados e não reforçados, em forma de corpos de prova normalizados e ensaiados, sob condições

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA,

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, As propriedades são obtidas através da quantidade, da geometria da fase

Leia mais

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA.

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. Alunos: Antonio Rodrigues e Vitor Antoniazzi. Orientador: Ivani de S. Bott. Co-Orientador: José Roberto D Almeida. Introdução A ideia de se unir corpos sólidos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos Gerson Marinucci IPEN/USP

Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos Gerson Marinucci IPEN/USP Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos IPEN/USP LANXESS Tech Series, 24 de Maio de 2012 Eletricidade Aeroespacial Alimentos Transporte Química/Petroquímica Sucroalcolera Construção

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA.

ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA. ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA. Vanesa C. G. M. Ferrari 1, Vera L. Lourenço 2, M. F. P. Azevedo 2, L. H. David 2 1 - Departamento de Engenharia

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

SOLUÇÕES REICHHOLD PARA CONSTRUÇÃO DE MOLDES E LAMINAÇÃO

SOLUÇÕES REICHHOLD PARA CONSTRUÇÃO DE MOLDES E LAMINAÇÃO SOLUÇÕES REICHHOLD PARA CONSTRUÇÃO DE MOLDES E LAMINAÇÃO Congreso Sudamericano de Composites, Poliuretano y Plásticos de Ingeniería Buenos Aires, 09 de Novembro de 2011. Dirceu Vazzoler - Reichhold Sistema

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Capítulo 21 Vidros Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Definição de Vidro Por vidro entende-se um produto fisicamente homogêneo obtido

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS COMPÓSITOS EM GRADES DE PLATAFORMAS MARITIMAS (2012) 1 OLIVEIRA, Patrícia, GARAY, André RESUMO

UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS COMPÓSITOS EM GRADES DE PLATAFORMAS MARITIMAS (2012) 1 OLIVEIRA, Patrícia, GARAY, André RESUMO UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS COMPÓSITOS EM GRADES DE PLATAFORMAS MARITIMAS (2012) 1 OLIVEIRA, Patrícia, GARAY, André 1 Trabalho de Pesquisa - UNIFRA 1 Curso de Engenharia Química do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. Materiais têxteis de fibras de carbono, vidro e aramida

Broad Base. Best Solutions. Materiais têxteis de fibras de carbono, vidro e aramida Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRATEX Materiais têxteis de fibras de carbono, vidro e aramida 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS COMPACTAS Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque

Leia mais

4 Resultados e discussões

4 Resultados e discussões 4 Resultados e discussões 4.1. Tratamentos preservativos Foram realizados seis métodos de tratamento preservativo para diferentes colmos de bambu. Quatro destes métodos foram aplicados em bambus que já

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO OSASCO 2012 2 ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

As diversas aplicações dos materiais termorrígidos: do barco e avião a componentes eletroeletrônicos

As diversas aplicações dos materiais termorrígidos: do barco e avião a componentes eletroeletrônicos Instituto de Macromoléculas: Excelência em Polímeros : do barco e avião a componentes eletroeletrônicos Laboratório de Misturas Poliméricas e Polímeros Condutores J112 Profª Bluma G Soares Shalimar Caplan,

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

Fibras de Vidro de Alto Módulo e Elevado Desempenho para o Mercado de Energia Eólica

Fibras de Vidro de Alto Módulo e Elevado Desempenho para o Mercado de Energia Eólica Fibras de Vidro de Alto Módulo e Elevado Desempenho para o Mercado de Energia Eólica Luis Rogério T. Lucci Diretor de Novos Negócios CPIC Brasil Fibras de Vidro Ltda. Energia Eólica Denomina-se energia

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC Introdução Os produtos de PVC são divididos em duas grandes classes: rígidos e flexíveis. Os plastificantes vêm sendo utilizados há muitos anos na produção de PVC flexível para uma grande variedade de

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Entretelas Coats Corrente

Entretelas Coats Corrente Entretelas Coats Corrente Introdução às Entretelas - O que é uma entretela? Entretela é um material aplicado em certas partes das roupas confeccionadas, com a função de encorpar e estruturar a peça, oferecendo-lhe

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

Reprocessamento e Caracterização de Compósitos Termoplásticos PPS/Fibra de Carbono

Reprocessamento e Caracterização de Compósitos Termoplásticos PPS/Fibra de Carbono Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo FEAU Curso de Engenharia de Materiais Reprocessamento e Caracterização de Compósitos Termoplásticos PPS/Fibra de

Leia mais

3M EAMD / Energy Markets. Catálogo de Produtos para Mineração. Soluções. para Mineração

3M EAMD / Energy Markets. Catálogo de Produtos para Mineração. Soluções. para Mineração 3M EAMD / Energy Markets Catálogo de Produtos para Mineração Soluções para Mineração 3M e o Mercado de Mineração O forte relacionamento da 3M com a indústria de mineração começou nos campos do Lago Superior

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote O Papel do Alumínio na Galvanização Contínua por imersão a quente 2.4 Rev1.1mar 09

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS MATERIAIS COMPÓSITOS 1. Introdução A diversidade de materiais actualmente disponíveis para o uso em engenharia é extraordinariamente grande, existindo por isso materiais cada vez mais especializados para

Leia mais

Todos concordam que, para aproveitar da melhor

Todos concordam que, para aproveitar da melhor Tecidos: reforços para exigências especiais Compostos por rovings e fios de fibra de vidro, carbono ou aramida entrelaçados das mais variadas formas, os tecidos para composites permitem aumentar radicalmente

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. PANOX Fibras PAN oxidadas

Broad Base. Best Solutions. PANOX Fibras PAN oxidadas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS PANOX Fibras PAN oxidadas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos Q Cadeia

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP 1. (Fuvest 2012) Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de estudantes apresenta, em uma feira de ciências, o instrumento esquematizado na figura acima. Nessa montagem, uma barra de alumínio com

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Secadores com Torres Dessecantes O ar seco é gerado em uma torre de peneira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO DE ENGENHARIA NAVAL LEONARDO MELO BURIGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO DE ENGENHARIA NAVAL LEONARDO MELO BURIGO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO DE ENGENHARIA NAVAL LEONARDO MELO BURIGO PROJETO CONCEITUAL DE MOLDE RESIN TRANSFER MOLDING LIGHT EM ESCALA LABORATORIAL

Leia mais

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951 Tecidos e Fitas Técnicas tecidos Aramtex AR 443ACE Aramtex AR 580T, AR 580S e AR 580RT Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 ThermoCarbon TC 600S e TC 600RT Termoceram 1200 e 1600 Os

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Presença da TEXIGLASS no mundo

Presença da TEXIGLASS no mundo Presença da TEXIGLASS no mundo 2 APLICAÇÕES : Plástico Reforçado Isolamentos Térmicos (altas temp. e substituição de amianto) Fibra de Vidro e Aramida (Twaron) Isolamentos Acústicos Isolamentos Elétricos

Leia mais

Compósitos Processo de fabrico por cura em Autoclave

Compósitos Processo de fabrico por cura em Autoclave UFCD 5853 25-11-2014 Compósitos Processo de fabrico por cura em Autoclave Reflexão Este modulo tem como objetivo identificar e caracterizar o processo de fabrico por cura em autoclave, executar o fabrico

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 ISOLANTES TÉRMICOS Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 catalogofinal25.05.indd 2 25/5/2010 12:56:01 ÍNDICE Apresentação 5 Tecido de fibra de vidro 6 Fio

Leia mais

TABELA DE DENOMINAÇÃO DE DEFEITOS. Código de Barras Nº Defeito Denominação do Defeito

TABELA DE DENOMINAÇÃO DE DEFEITOS. Código de Barras Nº Defeito Denominação do Defeito 1/5 Código de Barras Nº Defeito Denominação do Defeito 01 Abaulamento Maior Flecha de profundidade acima do especificado. Abaulamento Menor Flecha de profundidade abaixo do especificado. 03 Acabamento

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais