Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2 - JUNTA PARA FLANGE FACE COM RESSALTO (RF) Há dois tipos quanto à altura do ressalto: 1/16" e 1/4" este tipo de face recebe juntas cortadas e o diâmetro externo dessas juntas tangencia os parafusos. O acabamento superficial pode ser liso ou ranhurado. As juntas cortadas são chamadas de RF ("Raised Face") ou FR ("Face com Ressalto") o que significa que as juntas não têm furação para parafusos, seu dimensionamento também é normalizado. As juntas "RF" também podem ser usadas em faces planas, e podem ser produzidas conforme normas: ANSI- B / B "A" ou "B" / DIN. - JUNTA PARA FLANGE FACE PLANA (FF) As juntas cobrem toda a face inclusive a área "fora" de centro dos Parafusos. O acabamento normalmente é liso, e são usadas principalmente juntas cortadas, chamadas juntas FF ("Full Face") ou FP ("Face Plana"), significa que as juntas devem ter furação para passagem dos parafusos e seu dimensionamento é normalizado com o dos flanges, que podem ser produzidos conforme normas: ANSI-B / B "A" ou "B" / DIN. - JUNTAS CONFORME AMOSTRA ou DESENHOS Têm a finalidade de criar e manter uma vedação ajustada entre componentes separáveis de um conjunto mecânico, pois garante vedação perfeita em várias aplicações por sua característica compressibilidade, o que permite substituírem juntas metálicas em alguns casos sem comprometer o desempenho desejado. A escolha do papelão recairá sobre aquele que atender as condições e características do equipamento que utilizará a junta, levando em conta: O fluido a ser vedado, a temperatura e a pressão submetida a essa junta. Junta confeccionada conforme amostra ou desenho. Juntas para caldeiras. Tiras em Borrachas, Silicone, Teflon Puro ou Expandido, e etc... - JUNTAS ENVELOPADAS As juntas envelopadas são fabricadas com PTFE puro com enchimento de material não metálica o mais utilizado ou metálico, são confeccionadas para ser utilizada em flanges nos processos altamente corrosivos ou sensíveis à contaminações na indústria alimentícia, farmacêutica e outras.

3 Papelão hidráulico NA1002 / NA1000 Papelão hidráulico universal de fibra aramida e borracha NBR. Indicado para derivados de petróleo, água, vapor saturado, gases e produtos químicos em geral. Temperatura: NA1000M - Max Continua 200 / Cor: verde. Temperatura: Na Max Continua 240 / Cor: verde. Disponivel com Tela Metalica / Equivalente ao Klinger C-4401 / C-4400 Papelão hidráulico NA1040 Papelão hidráulico universal de fibra celulose e borracha NBR. Indicado para derivados de petróleo, água e produtos químicos em geral a baixa temperatura. Temperatura: Max Continua: 200 / Cor: vermelha. Classificação ASTM E34-M4 Disponivel Com Tela Metalica / Equivalente ao Klinger C-4243 Papelão hidráulico NA1085 Papelão hidráulico universal de fibra aramida e borracha Hypalon (CSM). Apresenta excelente resistência química e mecânica. Desenvolvido para trabalhar com ácidos fortes e produtos químicos em geral. Temperatura: Max Continua 200 / Cor: azul cobalto. Classificação ASTM F104: E00-M5 Disponivel com Tela Metalica / Equivalente ao Klinger C-8500 Papelão Hidráulico NA1060 Papelão hidráulico isento de amianto a base de fibra aramida e borracha SBR. Indicado para trabalhar com alimentos, medicamentos e outros produtos que não podem sofrer contaminação. Temperatura: Max Continua 270 / Cor: branca. Classificação ASTM F104: E34-M9 Papelão Hidráulico NA1092 O NA1092 é um papelão hidráulico não-amianto de uso universal contendo Fibra Aramida, Grafite e outros materiais estáveis a elevadas temperaturas ligados com Borracha NBR. O NA1092 é indicado para água, vapor e produtos neutros. Temperatura: Max Continua 270 / Cor: preta. Classificação ASTM F104: E43-M5 Papelão Hidráulico NA1100 Papelão hidráulico universal de elevada resistência térmica. Contém fibra de carbono e grafite, unidos com borracha NBR. Indicado para óleos quentes, solventes, água, vapor e produtos químicos em geral. Temperatura: Max Continua 270 / Cor: preta. Classificação ASTM F104: E23-M6 Disponivel com Tela Metalica / Equivalente ao Klinger C-4500

4 FIBRA CELULOSE (VELUMÓIDE) A folha de fibra de celulose, muito conhecida pelo nome comercial Velumóide, é fabricada a partir de celulose aglomerada com cola e glicerina. É muito usada na vedação de produtos de petróleo, gases e vários solventes. Limite máximo de temperatura de 120o C. CORTIÇA Grãos de cortiça são aglomerados com borracha para obter a compressibilidade da cortiça, com as vantagens da borracha sintética. Usada largamente quando a força de aperto é limitada, como em flanges de chapa fina estampada ou de material frágil como cerâmica e vidro. Recomendada para uso com água, óleos lubrificantes e outros derivados de petróleo em pressões até 3 bar e temperatura até 120o C. Possui pouca resistência ao envelhecimento e não deve ser usada em ácidos inorgânicos, álcalis e soluções oxidantes. TECIDOS E FITAS Tecidos de aramida, fibra cerâmica ou fibra de vidro impregnados ou não com um elastômero são algumas vezes usados em juntas industriais. O fio do tecido pode, para elevar a sua resistência mecânica, ter reforço de fio metálico, como o latão ou aço inox. As espessuras vão de 0.8 mm (l/32 ) a 3.2 mm (1/8 ). Espessuras maiores são obtidas dobrando uma camada sobre a outra. Os elastômeros mais usados na impregnação de tecidos são: borracha SBR, Neoprene, Viton e Silicone. Os tecidos e fitas são dobrados e moldados em forma de juntas. Se necessário para atingir a espessura desejada podem ser dobrados e colados em várias camadas. Estas juntas são usadas principalmente nas portas de visitas de caldeiras (manhole e handhole). Podem ser circulares, ovais, quadradas ou de outras formas. São também usadas em fornos, fornalhas, autoclaves, portas de acesso e painéis de equipamentos. É importante sempre verificar se a temperatura de serviço é compatível com a máxima recomendada para o tecido e elastômero utilizados. FELTRO INDUSTRIAL Feltro é um termo genérico usado para designar o material obtido da união de fibras produzidas essencialmente de lã ovina, para o qual não concorrem a utilização de adesivos, tais como: Colas, gomas, resinas e semelhantes, sendo este agrupamento obtido por meio de processos mecânicos. O campo de aplicação dos feltros é imenso, abaixo está em destaque os mais usuais: FELTRO BRANCO MOLE - BRANCO MEIO DURO - BRANCO DURO - E FELTROS MESCLADOS - Principais Aplicações: Lixadeira de assoalho, fulões (vedação de portas), máquinas de estampar, cabinas de som, isolamento de câmaras, vagões, encanamentos, assentamentos de máquinas, calandra de cilindros, polimentos em geral, beneficiamentos de feijão, lentilha, anti-ruídos, retentor de óleo, isolamento de vibração, etc. Fornecemos em mantas, placas nas espessuras de 2 mm a 25mm e fabricamos peças especiais e juntas através de desenho ou amostra. FITA TADPOLE Os tecidos podem ser enrolados em volta de um núcleo, normalmente uma gaxeta de aramida, fibra cerâmica ou fibra de vidro. O tecido pode terou não impregnação de elastômeros. A junta com esta forma é conhecida como tadpole. PAPELÃO ISOLIT HT É um papelão isolante que apresenta o mesmo desempenho dos produtos de amianto. Fabricado através do processo de laminação, este produto é composto de fibra cerâmica e de até 5% de fibras orgânicas que conferem ao produto elevada resistência ao manuseio. Quando o produto é exposto a temperaturas acima de 200º C, os componentes orgânicos são eliminados, resultados em um material totalmente inorgânico. Temperatura máxima de uso contínuo: 800º C. FIBRA CERÂMICA Na forma de mantas é usada para fabricação de juntas para uso em dutos de gases quentes e baixa pressão. Material também empregado como enchimento em juntas semimetálicas em substituição ao papelão de amianto. Limite de temperatura: 1 200o C. PAPELÃO TEAPLAC

5 ELASTÔMEROS (Caracteristicas e Tipos de Elastomeros) São materiais capazes de sofrer considerável deformação nas suas dimensões devido à ação de uma pequena força externa e de retornar rapidamente ao seu estado original (ou muito próximo) após removida a força externa. Geralmente, os vários tipos de elastômeros disponíveis no mercado diferem na natureza química, no arranjo das cadeias poliméricas, no peso e na distribuição molecular, entre outras propriedades. Essa diversidade de produtos e as diferentes formulações permitem obter uma grande gama de produtos no mercado. Características básicas do ponto de vista técnico, as principais características que fazem da borracha um bom material para juntas são: a resiliência, a resistência a deformações cíclicas, a baixa permeabilidade a gases e água e a considerável resistência química. Os produtos podem ser encontrados no mercado no formato de chapas ou lençóis com diferentes dimensões, cores e acabamentos superficiais para atender às necessidades de cada aplicação. Tipos de elastômeros em juntas industriais os elastômeros normalmente são utilizados em baixas pressões e temperatura. Para melhorar a resistência mecânica, reforços com uma ou mais camadas de lona de algodão podem ser empregados. A dureza normal para juntas industriais é de 55 a 80 Shore A e espessura de 0.8 mm (1/32 ) a 6.4 mm (1/4 ). Os limites de temperatura dependem da formulação de cada produto. O código entre parênteses após o nome é a designação ASTM para o elastômero. BORRACHA NATURAL (NR) A Borracha Natural é o produto obtido através da coagulação de látices de determinados vegetais, sendo o principal a Hevea Brasiliensis, ou seringueira como é popularmente conhecida. Apresenta grande resistência mecânica e ao desgaste por atrito, boa resistência química a sais inorgânicos e álcalis; pouca resistência a óleos, solventes, ozônio e intempéries. ESTIRENO-BUTADIENO (SBR) A borracha SBR considerada como uma borracha de aplicação geral foi desenvolvida como alternativa a borracha natural. Recomendada para uso em água, ar, vapor e alguns ácidos fracos; não deve ser usada em ácidos fortes, óleos, graxas e solventes clorados; possui pouca resistência ao ozônio e à maioria dos hidrocarbonetos. CLOROPRENE (CN) Mais conhecida como Neoprene, seu nome comercial, esta borracha foi originalmente desenvolvida visando obter um produto com propriedades semelhantes as da borracha natural, porém com superior resistência a óleos. Apresenta alta elasticidade, resistência à propagação de fogo e ao envelhecimento. Tem pouca resistência aos agentes oxidantes fortes e hidrocarbonetos aromáticos e clorados. NITRÍLICA (NBR) A borracha nitrílica, também conhecida por Buna-N, é muito utilizada em aplicações industriais e automotivas, devido a sua excelente resistência química a óleos, combustíveis, a água, ao calor, à abrasão, e baixa permeabilidade a gases. Apresenta pouca resistência aos agentes oxidantes fortes, hidrocarbonetos clorados, cetonas e ésteres. FLUORELASTÔMERO (CFM, FVSI, FPM) Mais conhecida como Viton, seu nome comercial, este produto é caracterizado por apresentar alta resistência química e a temperaturas elevadas. Apresenta excelente resistência aos ácidos fortes, óleos, gasolina, solventes clorados, hidrocarbonetos alifáticos e aromáticos. Não recomendada para uso com ésteres e cetonas. SILICONE (SI) A borracha silicone possui excelente resistência ao envelhecimento, não sendo afetada pela luz solar ou ozônio, por isso muito usada em ar quente. Tem pouca resistência mecânica, aos hidrocarbonetos alifáticos e aromáticos e ao vapor. ETILENO-PROPILENO (EPDM) Elastômero com boa resistência ao ozônio, vapor, ácidos, álcalis e intempéries. Não recomendado para uso com hidrocarbonetos aromáticos. HYPALON Produto desenvolvido para aplicações severas podendo ser utilizado em con47 tato com ozônio, oxigênio, agentes oxidantes, ácidos e bases. Apresenta resistência a intempéries, produtos químicos e boa resistência aos óleos. Não recomendada para uso com ésteres e hidrocarbonetos aromáticos.

6 GRAFITE FLEXÍVEL GRAFOIL Produto obtido a partir da expansão e calandragem do grafite natural. Neste processo os flocos de grafite são tratados com ácido, neutralizados com água e secados até determinado nível de umidade. Em seguida, o grafite é submetido ao contato com elevadas temperaturas a fim de evaporar a água residual, explodindo os flocos. O produto final apresenta pureza de 95% a 99% e um aumento de volume em aproximadamente 200% do original. Os flocos de grafite expandidos são então calandrados, sem nenhum aditivo ou ligante, produzindo folhas de material flexível. O grafite flexível apresenta reduzido creep, definido como uma deformação plástica contínua que ocorre quando o material é submetido a pressão. Portanto, a perda da força dos parafusos é reduzida, eliminando a necessidade de reapertos freqüentes. Devido às suas características, o grafite flexível é um dos materiais de vedação mais seguros. Sua capacidade de selabilidade, mesmo nos ambientes mais agressivos e em elevadas temperaturas, tem sido amplamente comprovada. Este produto possui excelente resistência a ácidos, soluções alcalinas e compostos orgânicos. Entretanto, o seu uso deve ser cuidadosamente estudado em atmosferas oxidantes e temperaturas acima de 450o C, já que o carbono reage com o oxigênio formando dióxido de carbono (CO2). O resultado desta reação é a redução da massa de material. Limites de temperatura: Atmosfera neutra ou redutora - 240o C a 3 000o C; Atmosfera oxidante, - 240o C a 450o C. PLACAS DE GRAFITE FLEXIVEL Por ser um material com baixa resistência mecânica, as placas de Grafoil podem ser fornecidas com ou sem reforço de aço inoxidável 316. As dimensões das placas são x mm, nas espessuras de 0.8 mm, 1.6 mm e 3.2 mm. No caso do uso das juntas fabricadas a partir de placas de Grafloil com reforço é necessário também verificar a compatibilidade do reforço com o fluido de serviço. Tipos de Placas de Grafloil (Tipo; Reforço; Aplicação) TJR: lâmina lisa de aço inoxidável 316L; serviços gerais, vapor, hidrocarbonetos TJE: lâmina perfurada de aço inoxidável 316L; serviços gerais, vapor, fluido térmico, hidrocarbonetos TJB: Sem esforço; serviços gerais, flanges frágeis em geral Temperaturas de Trabalho Para todos a temperatura minima é de -240ºC Na linha de Neutros e Redutores - TJR 870ºC / TJE 870ºC / TJB 3000ºC Na linha de Oxidantes - Todos atende 450ºC Na linha de Vapor - TJR 650ºC / TJE 650ºC / TJB Não é recomendado.

7 POLITETRAFLUOROETILENO (PTFE) Produto desenvolvido pela Du Pont, que o comercializa com a marca Teflon, o PTFE nas suas diferentes formas é um dos materiais mais usados em juntas industriais. PTFE EXPANDIDO Como alternativa para reduzir o escoamento do PTFE foi desenvolvido o processo de expansão antes da sinterização. Neste processo materiais para juntas são expandidos em uma direção (cordões ou fitas) ou em duas direções (placas). Os produtos de PTFE Expandido possuem excelente resistência química e grande compressibilidade. PTFE com Aditivos PLACAS DE PTFE LAMINADO As placas de PTFE Laminado foram desenvolvidas para atender os mais elevados requisitos exigidos na fabricação de juntas de PTFE. O seu processo único de fabricação permite obter uma estrutura altamente fibrilada que, em conjunto com aditivos selecionados, resulta em um produto de excepcional qualidade. As placas PTFE são aditivadas com Barita, Sílica ou Micro-Esferas ocas de vidro, conforme descrito a seguir: TF1570: placa de PTFE com Micro-Esferas ocas de vidro. Este aditivo produz placas com elevada compressibilidade usadas em flanges frágeis ou revestidos, substituindo com vantagens as juntas tipo envelope. Soluções cáusticas fortes podem atacar o vidro, por isso não é recomendado para estas aplicações. É fornecido na cor azul. TF1580: placa de PTFE com Barita. Este material possui excepcional resistência a agentes cáusticos fortes, como a Soda Cáustica. Também atende aos requisitos da Food and Drug Administration (FDA) para serviços com alimentos e remédios. De cor branca é também utilizado para aplicações onde existe risco de contaminação do produto. TF1590: placa de PTFE com Sílica. Produto indicado para serviços com ácidos fortes. Também pode ser considerado um produto para serviço geral incluindo soluções cáusticas fracas. Fornecido na cor marrom. Há juntas confeccionadas em outros tipos de Plásticos como:uhmw; POLIETILENO; POLIPROPILENO; POLIURETANO; NYLON E outros...

8 PROTEÇÃO CATÓDICA A proteção catódica consiste em usar controladamente o princípio da corrosão Eletroquímica, descrito anteriormente, para proteção de tubulações, tanques e outros equipamentos submersos. O trecho da tubulação ou tanque a ser protegido, deve ser isolado eletricamente do restante do sistema. Assim, evitase a passagem das correntes galvânicas para pontos não protegidos. São também colocados anodos de zinco em quantidade suficiente para absorver a corrente galvânica. Estes anodos são consumidos no processo, e, periodicamente devem ser substituídos. SISTEMA DE ISOLAMENTO DE FLANGES Conforme mostrado, para evitar que as correntes elétricas existentes no processo, provoquem corrosão em outras áreas, o trecho da tubulação protegido, deve ser eletricamente isolado do restante do sistema. O lado isolado não pode ter nenhuma parte metálica em contato com outras partes, Formando. Os componentes de um sistema de isolamento de flanges são: Juntas de material isolante. Buchas isolantes. Arruelas isolantes. Todos os componentes do sistema estão dimensionados para uso em flanges ASME B16.5. Materiais da junta: Resina fenólica reforçada com 3.2 mm de espessura ou resina fenólica reforçada com 2 mm de espessura, revestida, em ambas as faces de vedação, com Neoprene de 0.5 mm de espessura. Papelão Hidráulico de acordo com as recomendações JUNTAS PLANAS TIPO FF Possuem o mesmo diâmetro externo dos flanges, proporcionando proteção completa, impedindo que materiais estranhos penetrem entre os flanges, estabelecendo contato elétrico. Possuem furos para passagem dos parafusos de acordo com recomendações da Norma ASME B16.5 JUNTAS PLANAS TIPO RF São projetadas de modo que o seu diâmetro externo seja um pouco menor que o diâmetro do círculo de furação dos flanges, tocando, portanto, nas buchas de proteção dos parafusos. São mais econômicas que o tipo E. Sempre que houver perigo de material estranho penetrar entre os flanges, é necessário protegê-los adequadamente. JUNTAS TIPO ANEL RTJ São juntas de isolamento fabricadas para uso em flanges com canal para Ring-Joints. O tipo RTJ tem forma oval e ou octogonal. Sempre que houver perigo de materiais estranhos penetrarem entre os flanges, estabelecendo contato elétrico, é necessário protegê-los adequadamente. Material da junta: resina fenólica reforçada. Dimensões: conforme norma ASME B LUVAS DE ISOLAMENTO As luvas de isolamento podem ser fabricadas em resina fenólica ou em polietileno. As propriedades físicas do material das luvas de resina fenólica, são as mesmas das juntas. As luvas de polietileno são altamente flexíveis e adequadas para uso em locais com muita umidade, pois possuem elevada impermeabilidade e baixa absorção de umidade. São fabricadas na espessura de 0.8 mm ARRUELAS DE ISOLAMENTO Fabricadas em resina fenólica reforçada com tecido de algodão, com as mesmas características físicas das luvas de resina fenólica ou em polietileno. Espessura padrão 3.2mm ARRUELAS DE PROTEÇÃO Colocadas entre a porca ou cabeça do parafuso e as arruelas isolantes, para evitar que estas sejam danificadas no aperto. O diâmetro externo está projetado para se adaptar aos flanges ASME B16.5. Fabricadas em aço carbono galvanizado na espessura de 3.2 mm. 4. ESPECIFICAÇÕES DO MATERIAL DAS JUNTAS Tipo: resina fenólica reforçada em tecido de algodão. Características: rigidez dielétrica...paralela: 5KV/mm perpendicular: 3KV/mm resistência à compressão kgf/cm2 resistência à flexão kgf/cm2 resistência à tração kgf/cm2 absorção de água...2,40% peso específico...1,30 g/cm3 dureza Rockwell M temperatura máxima de trabalho C

9 Juntas Espirometalicas (Espiral) A Juntas Espirais que combinam o material adequado para absorver severas flutuações de pressão e temperatura, seguindo rigorosas especificações da norma ASME B Em forma de espiral as juntas são fabricadas a partir de metal enrolado com um material de vedação. Este formato preenche as irregularidades dos flanges assegurando uma vedação hermética e alta resistência à pressão do fluido e variações das condições operacionais. As Juntas Metálicas são Indicadas para flanges com ressalto, liso ou sobreposto, constituem-se no tipo de junta Metálicas de maior utilização nas indústrias em geral devido à suaversatilidade de aplicação, aliadas ao baixo custo. Junta Espiral Utilizadas em flanges tipos macho-e-fêmea, lingüeta e encaixe de tubulações ou equipamentos e castelos de válvulas, constituem-se no tipo básico de Juntas Metalflex. Junta Espiral com Guia Externo Indicadas para flanges com ressalto, liso ou sobreposto, constituem-se no tipo de junta Espirometalicas de maior utilização na indústria em geral devido à sua versatilidade de aplicação, aliadas ao baixo custo. Junta Espiral com Guia Interno e Externo Projetadas para trabalho a vácuo, pressões e temperaturas elevadas, possuem anel interno que também evita o acúmulo do fluido nos flanges e minimiza a turbulência e flambagem. Segundo o ASME as juntas Espirometalicas com enchimento de PTFE, devido à tendência de flambagem desse aterial, devem, mandatoriamente, ter anel interno pois evita riscos de rompimento das espiras e danos aos equipamentos do sistema.

10 ANEL RTJ São anéis metálicos usinados de acordo com padrões estabelecidos pelo American Petroleum Institute (API) e American Society of Mechanical Engineers (ASME), para aplicações em elevadas pressões e temperaturas. Uma aplicação típica dos Ring-Joints, usadas nos campos de produção de petróleo. A vedação é obtida em uma linha de contato, por ação de cunha, causando elevadas pressões de esmagamento e, desta forma, forçando o material a escoar nesta região. A pequena área de vedação, com alta pressão de contato, resulta em grande confiabilidade. Entretanto, as superfícies de contato da junta e do flange devem ser cuidadosamente usinadas e acabadas. Alguns tipos são ativados pelapressão, isto é, quanto maior a pressão melhor a selabilidade. Oval É o tipo que foi padronizado originalmente. Desenvolvimentos posteriores resultaram em outras formas. Se o flange for projeta do usando as versões mais antigas das normas, com canal oval de alojamento do Ring Joint, então deve ser usado somente o tipo Oval. Octogonal Anel de seção octogonal. Possui maior eficiência de vedação, seu uso é o mais recomendado nos novos projetos. Os flanges fabricados pelas versões mais recentes das normas ASME (ANSI) e API, possuem canal com perfil projetado para receber os tipos oval e octogonal. RX Possui forma especialmente projetada para usar a pressão interna como auxílio à vedação. À medida que a pressão interna da linha ou equipamento, aumenta, o mesmo acontece com a força de contato entre o anel e o flange, elevando, desta forma, a eficiência da vedação. Esta característica de projeto, torna este tipo mais resistente às vibrações que ocorrem duran te a perfuração e elevações súbitas de pressão e choque, comuns nos trabalhos em campos de petróleo. BX Possui seção quadrada com cantos chanfrados. Projetada para emprego somente em flanges API 6BX, em pressões de 2000 a psi. O diâmetro médio do anel é ligeiramente maior que o doalojamento no flange. Assim, o anel ao ser montado, fica précomprimido pelo diâmetro externo, criando o efeito de elevação da vedação com o aumento da pressão de operação. As conexões que usam anel tipo BX, possuem pequena interferência.

11 Junta Dupla Camisa Simples De metal com enchimento de material não metálico. Utilizadas em vedações de bujões ou onde a largura da parte da guarnição é pequena impossibilitando sua construção. Junta Dupla Camisa Lisa De metal com enchimento de material não metálico. Utilizada em superfícies lisas. Indicada para intercambiadores de calor em suas mais diversas configurações e diâmetros. Junta Dupla Camisa Lisa Revestida Com revestimento de material vedante (Grafite ou PTFE). Eficaz na reposição de juntas de papelão hidráulico. Fabricadas-nos mais variados tipos de materiais. Utilizadas frequentemente na vedação de trocadores de calor ou vasos de pressão. Podem ser produzidas nos mais variados formatos e tamanhos. Junta Corrugada Simples de metal, para flanges padronizadas, castelos de válvulas, etc. Limitada a baixas pressões, podendo, no entanto, ser a solução mais econômica para formas irregulares ou não circulares. Junta Corrugada Cimentada Com fio de material vedante. Eficaz na reposição de juntas de papelão hidráulico de amianto com grandes diâmetros, eliminado assim o problema de quebras, comum no trabalho com estas juntas. Junta Dupla Camisa Corrugada De metal com enchimento não metálico. As corrugações concêntricas atuam como vedadores em forma de labirinto. Indicadas para aplicações em superfícies lisas, e largantes utilizadas em flanges e castelos de válvulas. Juntas Camprofile Uma das alternativas para pressões de trabalho elevadas é o uso das juntas metálicas serrilhadas, que possuem características de resistência a elevadas pressões de trabalho. A forma serrilhada permite um melhor esmagamento e cria um efeito de labirinto na superfície de vedação. Ao mesmo tempo que possui uma característica desejável do ponto de vista de vedação, o serrilhado pode provocar riscos nos flanges. Em virtude disso e combinando as características das juntas maciças e a excelente selabilidade do Grafite Flexível e do PTFE Expandido, foram desenvolvidas as juntas Camprofile, constituídas de um núcleo metálico serrilhado coberto com fina película de Grafite ou PTFE. O perfil metálico serrilhado permite atingir elevadas pressões de esmagamento com baixos apertos nos parafusos. A fina camada de Grafite ou PTFE preenche as irregularidades e evita que o serrilhado marque a superfície dos flanges. O efeito de labirinto também é acentuado pelo Grafite ou PTFE, criando uma vedação que alia a resistência de uma junta metálica com a selabilidade do Grafite ou do PTFE.

12 JUNTA DE EXPANSÃO DE BORRACHA COM FLANGES Junta de Borracha são utilizadas para absorver movimentos em tubulações, gerados por dilatação térmica ou vibração de equipamentos, além de atenuar ruídos mecânicos, compensar desalinhamentos e eliminar eletrólise entre metais dissimilares. São Produzidas em Neoprene, EPDM, Nitrilica ou Viton. Utilizadas em baixas temperaturas, desde -55º até 130ºC. Fabricadas com terminais flangeadas de 1 a 24. JUNTA DE EXPANSÃO DE BORRACHA COM UNIÃO ROSCADA Junta de Borracha são utilizadas para absorver movimentos em tubulações, gerados por dilatação térmica ou vibração de equipamentos, além de atenuar ruídos mecânicos, compensar desalinhamentos e eliminar eletrólise entre metais dissimilares. São Produzidas em Neoprene, EPDM, Nitrilica ou Viton. Utilizadas em baixas temperaturas, desde -55º até 130ºC. Fabricadas com terminais roscadas de ½ a 3. JUNTA DE EXPANSÃO METALICA FLANGEADA Junta de Expansão Metálica são utilizadas para absorver movimentos em tubulações, gerados por dilatação térmica ou vibração de equipamentos, além de atenuar ruídos mecânicos e compensar desalinhamentos. Fabricado com foles em aço inoxidável e com terminais flangeadas (ANSI, DIN, ETC), com até 80 de diâmetro, para trabalho em temperatura de -180º a 705ºC. JUNTA DE EXPANSÃO METALICA COM PONTA PARA SOLDA Junta de Expansão Metálica são utilizadas para absorver movimentos em tubulações, gerados por dilatação térmica ou vibração de equipamentos, além de atenuar ruídos mecânicos e compensar desalinhamentos. Fabricado com foles em aço inoxidável e com ponta para solda, com até 24 de diâmetro, para trabalho em temperatura de -180º a 705ºC. JUNTA DRESSER Junta tipo Dresser destina-se para montagem de tubulação sem solda, flange ou abertura de rosca. Podem ser utilizados em rede de água e esgoto, gás, água salgada, óleo, etc..., atenuando vibrações e absorvendo pequenos movimentos axiais (até 10 mm) e angulares (até 4º). Até 20 são fundidas ASTM-A-536, com vedações em NBR, e parafusos galvanizados, o que lhe confere excelente resistência acorrosão. Acima deste diâmetro são fabricadas em aço carbono laminado.

13 GAXETAS DE FIBRA DE CARBONO E FIBRA DE GRAFITE Os fios e filamentos a base de carbono e grafite são obtidos por processo de oxidação controlada, em temperaturas elevadas e atmosfera inerte, onde são utilizados precursores a base asfáltica ou de filamentos contínuos têxteis. Em uma primeira etapa, obtém-se a fibra de carbono (com 95% de carbono) em temperaturas acima de 1000ºC. Para se obter a fibra de grafite (acima de 95% de carbono) ocorre um novo aquecimento superior a 2000ºC, sendo que a fibra obtida é, então, transformada em fio por processo de calandragem e recoberta ou não com impregnantes específicos. Já o grafite flexível é obtido a partir do grafite puro expandido e, posteriormente, compactado sob pressão. GAXETA DE PTFE PURO É fabricada em seção quadrada, inteiramente trançada com filamentos do PTFE puro, obtendo-se uma gaxeta bem compacta. É própria para trabalhar com oxigênio, produtos alimentícios, farmacêuticos e outros que não devem sofrer contaminação. É recomendada para serviços em válvulas e outras aplicações estáticas ou de baixa velocidade periférica. Temperatura Máxima:260 - ph 0-14 Velocidade periférica do eixo: 185 m/min Pressão limite 250 Kgf/cm². GAXETA NON-ASBESTO Fabricada com fios de fibra de vidro trançada, sobre ALMA de fibra cerâmica, é recomendada par isolar tubulações, que conduzem fluídos aquecidos (vapor, água, gases de combustão, etc.). Temperatura Máxima: C GAXETAS VEGETAIS A linha de Gaxetas Vegetais é composta de uma variedade de gaxetas trançadas a partir de diversas fibras vegetais tais como: algodão, juta e rami. É recomendada para água fria, quente, salgada, potável ou contaminada, fluídos abrasivos e soluções aquosas. Aplicação: Hastes de válvulas, bombas rotativas e alternativas. Temperatura Máxima: 120 C. Faixa de ph: 6-8. Velocidade: 3600 RPM GAXETAS DE FIBRAS SINTETICAS As gaxetas de fibras sintéticas são utilizadas na substituição das gaxetas de amianto, devido a características como alta resistência a fluídos abrasivos, resistência térmica e resistência à agressividade química dos fluídos.

14 INSTALAÇÃO E MONTAGEM DE JUNTAS EM PAPELÃO 1. Seleção da espessura correta para juntas de vedação Durante a seleção da espessura correta de uma junta de vedação, utilizar sempre um material com a menor espessura possível, mas que seja suficiente para compensar as irregularidades superficiais do flange, seu paralelismo, acabamento superficial, rigidez, etc. Quanto menor a espessura do material utilizado, maior será o valor da tensão superficial permissível pela junta, isto significa que, a junta suportará maiores valores de torque aplicados nos prisioneiros e menor será a perdade carga dos prisioneiros devido a seu relaxamento. Também será menor a área da junta que estará exposta a pressão interna do fluido e em contato com meios agressivos, reduzindo assim a possibilidade de vazamentos. Portanto, assegure que a espessura da junta de vedação seja a menor possível. 2. Considerações gerais Antes de iniciar a montagem de uma junta de vedação, devem-se observar algumas considerações gerais: inspecionar se os prisioneiros e porcas estão devidamente limpos e que não apresentam nenhum tipo de defeito; inspecionar se as superfícies dos flanges possuem algum tipo de ranhura, deformação e se estão suficientemente. alinhadas e paralelas; verificar se a junta a ser montada é adequada para o serviço (material, dimensão e espessura correta); nunca utilize graxa, óleos, colas ou outras substâncias não indicadas pelo fabricante para fixar a junta no flange durante a montagem; nunca reutilize uma junta de vedação; 3. Procedimentos de montagem Uma das tarefas mais importantes é garantir a tensão superficial correta sobre a junta durante o procedimento de montagem, aplicando um valor de torque nos prisioneiros que seja suficiente para evitar vazamentos, mas que ao mesmo tempo, não cause esmagamento no material devido aplicação de sobrecarga. Os materiais de amianto são naturalmente mais resistentes aos danos provenientes da aplicação de sobrecarga, por suportar tensões superficiais maiores, não sucedendo o mesmo com materiais livres de amianto. Por essas razões, principalmente na utilização de materiais livres de amianto, ao torquear os prisioneiros nos flanges, nunca utilize uma ferramenta de impacto ou qualquer outro tipo de ferramenta que não se consiga controlar com precisão a quantidade de torque aplicada. 4. Considerações sobre os prisioneiros Durante a aplicação do torque, o alargamento inicial dos prisioneiros dá-se dentro da região elástica, na qual não se produz uma deformação permanente no corpo do prisioneiro. A força de tração máxima que pode ser aplicada nos prisioneiros, sem causar deformação permanente, é conhecida como limite elástico. Portanto, deve-se conhecer o material e a espectiva classe dos prisioneiros para determinarmos o valor correto do torque, fazendo com que os prisioneiros tenham melhor rendimento trabalhando sempre dentro de seu regime elástico. 5. Lubrificação Na ausência de um lubrificante apropriado, estima-se que até 50% do valor do torque aplicado nos prisioneiros pode ser utilizado meramente para superar a fricção, além de não garantir a aplicação de uma mesma carga para todos os prisioneiros. Portanto, a lubrificação é essencial para controlar a tensão superficial em uma junta de vedação. 6. Seqüência de aperto dos prisioneiros A seqüência em que se apertam os prisioneiros influencia na distribuição da pressão sobre uma junta de vedação durante o procedimento de montagem. Uma montagem inadequada pode fazer com que os flanges percam seu paralelismo. A junta de vedação será normalmente capaz de compensar uma pequena quantidade desta distorção, mas podem surgir dificuldades mais graves quando os flanges perdem substancialmente o seu paralelismo. Portanto, recomenda-se sempre apertar os prisioneiros segundo um método padrão cruzado e seguir algumas indicações apresentadas a diante: 1. Apertar os prisioneiros manualmente de maneira uniforme, segundo o procedimento padrão cruzado. Este procedimento é utilizado para verificar se as roscas se encontram em bom estado. Se necessário, substitua os prisioneiros danificados. 2. Utilizando um torquímetro devidamente calibrado, aplicar um torque máximo de 30% do valor total recomendado em todos os prisioneiros, segundo o procedimento padrão cruzado. 3. Aplicar um torque máximo de 60% do valor total recomendado em todos os prisioneiros, segundo o mesmo procedimento padrão cruzado. 4. Aplicar o torque máximo total recomendado em todos os prisioneiros, segundo o mesmo procedimento padrão cruzado. 5. Aplicar novamente o torque máximo recomendado, seguindo o sentido horário, até que não se observe nenhuma rotação do prisioneiro. O aperto final deve ser uniforme de forma que cada prisioneiro suporte a mesma carga aplicada. 7. Principais causas de falha de vedação 1. Temperaturas incompatíveis com a junta utilizada. 2. Pressões elevadas incompatíveis com a junta utilizada. 3. Ataque químico. 4. Ciclagem térmica incompatível com a junta utilizada. 5. Dimensionamento incorreto da junta. 6. Acabamento superficial do flange incompatível com a junta. 7. Material do flange incompatível com a junta. 8. Características típicas de cada equipamento. 9. Montagem inadequada da junta.

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Dureza Máxima Rockwell B. a) De acordo com a Norma API 6 A os anéis em ferro doce e aço carbono devem ser cadmiados com uma camada de 0,0002 a 0,0005.

Dureza Máxima Rockwell B. a) De acordo com a Norma API 6 A os anéis em ferro doce e aço carbono devem ser cadmiados com uma camada de 0,0002 a 0,0005. - São anéis metálicos usinados de acordo com padrões estabelecidos pelo American Petroleum Institute (API) e American Society of Mechanical Engineers (ASME), para aplicações em elevadas pressões e temperaturas.

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA MATERIAIS ANEXO A Pág. - Tabela 1: Limites de temperatura de uso para os materiais... A1 - Tabela 2: Ratings e pressões de teste para válvulas: Materiais do Grupo 1.1... A3 - Tabela 3: Ratings e pressões

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

Produtos em Graflex. Placas de Grafite Graflex TJB, TJE, TJR

Produtos em Graflex. Placas de Grafite Graflex TJB, TJE, TJR Produtos em Graflex Placas de Grafite Graflex TJB, TJE, TJR Juntas Graflex Junta Auto-Adesiva - GR3110I Fitas de Grafite Graflex TJI, TJH e TJZ Anéis de Graflex tabela de compatibilidade química - graflex

Leia mais

KITS DE ISOLAMENTO PARA FLANGES

KITS DE ISOLAMENTO PARA FLANGES KITS DE ISOLAMENTO PARA FLANGES Kits de Isolamento para Flanges Trata-se de um conjunto de peças cuja função é isolar eletricamente flanges de tubulações da passagem de correntes estranhas, evitando a

Leia mais

Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental.

Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental. Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental. O mercado e diretrizes de empresas apontam cada vez mais para investimentos no sentido de reverter situações de contaminação

Leia mais

35 anos solucionando problemas em Vedação e Isolação Térmica. Especificações técnicas

35 anos solucionando problemas em Vedação e Isolação Térmica. Especificações técnicas 35 anos solucionando problemas em Vedação e Isolação Térmica. Especificações técnicas GAXETA VEGETAL Gaxeta de Rami com PTFE - REF.: J-1067 Fabricada com fios de puro rami cardado, impregnada fio a fio

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

U ma junta mal selecionada

U ma junta mal selecionada Especificação inadequada não resolve problemas de vedação U ma junta mal selecionada ou instalada de maneira incorreta e... desperdício de fluído ou até mesmo risco de acidente. Em tempos de competitividade

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Catálogo de Gaxetas, Raspadores e Guias

Catálogo de Gaxetas, Raspadores e Guias Catálogo de Gaxetas, Raspadores e Guias CIAGN 1021 (2011) AGN Vedações Hidráulica, Pneumática e Serviços Ltda. Índice página 1. Introdução 3 2. Compostos das Gaxetas 3 3. Dimensões das Gaxetas 3 3.1 Gaxeta

Leia mais

PRODUTOS PARA VEDAÇÃO E ISOLAMENTO TÉRMICO

PRODUTOS PARA VEDAÇÃO E ISOLAMENTO TÉRMICO PRODUTOS PARA VEDAÇÃO E ISOLAMENTO TÉRMICO Gaxetas - Papelões Hidráulicos - Produtos em PTFE - Graflex - Juntas Metálicas Vedando para um amanhã mais verde e seguro Gaxetas 2007G - PTFE Expandido com Grafite

Leia mais

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Elementos de Vedação. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Elementos de Vedação Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Conceito Vedação é o processo usado para impedir a passagem, de maneira estática ou dinâmica, de líquidos, gases e sólidos particulados

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Tecnologias avançadas em vedações industriais

Tecnologias avançadas em vedações industriais Tecnologias avançadas em vedações industriais Materiais de alta performance e isentos de amianto para todas as aplicações KLINGER Liderança global em vedações Instruções de instalação Informações importantes

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

Catálogo Técnico. www.novema.com.br

Catálogo Técnico. www.novema.com.br Catálogo Técnico 2014 www.novema.com.br ÍNDICE VÁLVULAS: Fig. Pág. Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VB NVM 01 F 04 Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VI NVM 02 F 05 Gaveta HA WCB FLG ANSI 150 LBS NVM 03 06

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

Recomendações papa as Válvulas de Baixa Emissão Fugitiva

Recomendações papa as Válvulas de Baixa Emissão Fugitiva 1 /5 Recomendações papa as Válvulas de Baixa Emissão Fugitiva 1. Introdução As emissões fugitivas surgiram como preocupação no cenário mundial nos anos 90, quando se estimou que 60-70% das emissões nas

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

Vedação. Selabilidade para a indústria e proteção ao meio ambiente. Gaxetas, Juntas Metálicas e Não-Metálicas. CURSO DE

Vedação. Selabilidade para a indústria e proteção ao meio ambiente. Gaxetas, Juntas Metálicas e Não-Metálicas. CURSO DE CURSO DE Vedação Selabilidade para a indústria e proteção ao meio ambiente. Gaxetas, Juntas Metálicas e Não-Metálicas. ÍNDICE INTRODUÇÃO GAXETAS 2 1. Definição...2 2. Tipos Construtivos...2 3. Gaxetas

Leia mais

Gaxetas de Fibra de Carbono e de Grafite

Gaxetas de Fibra de Carbono e de Grafite i Gaxetas de Fibra de Carbono e de Grafite Quimgax 2000IC Quimgax 2000S quimgax 2002 Quimgax 2025 Quimgax 2200 Quimgax 2202 As Gaxetas de Carbono e Grafite são uma excelente opção nas aplicações de vedação

Leia mais

O Catálogo RETEC de vedações técnicas foi elaborado com a finalidade de auxiliar os seus clientes na escolha adequada do seu componente de vedação.

O Catálogo RETEC de vedações técnicas foi elaborado com a finalidade de auxiliar os seus clientes na escolha adequada do seu componente de vedação. Em algumas situações torna-se difícil para o Cliente a escolha de um vedador, uma vez que tal escolha depende de vários fatores, tais como: fluido a ser vedado, temperatura de trabalho, pressão do sistema

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Tubulações Industriais

Tubulações Industriais 07/12/2012 1 2012 Tubos 07/12/2012 2 Geração Produção e / ou Tubulação Utilização Armazenagem Utilização Líquidos Pastosos Com suspensão Gases 07/12/2012 3 Conduto rígido tubos; Conduto flexível tubo fexível,

Leia mais

Setting Compression Packings gaxetas para bombas e valvulas

Setting Compression Packings gaxetas para bombas e valvulas PT Setting Compression Packings gaxetas para bombas e valvulas Seccion estandard en mm acondicionamento normal Kg acondicionamento normal lbs dimensão mm 5 mm.0. /8" /6" 6 mm mm.5 5.5 /4" /" 4 mm 5 mm

Leia mais

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 Index - Anéis O rings - Gaxetas - Raspadores - Reparos - Retentores - Placas - Rolamentos para Bombas - Rotativos - Bombas - Peças Especiais - Dumax Comercial

Leia mais

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação 517 Válvula Globo 2/2 Vias - Acionamento Manual Apresentação Válvula Globo metálica flangeada (tipo aerodinâmica), acionada manualmente por volante. Ideal para o controle ou bloqueio de fluidos como: vapor,

Leia mais

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por:

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: Página1 II - Proteção para os membros superiores: NR 06 Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: 1. Materiais ou objetos

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Cepex Sales Folder 06/2005. C Tipos de Plásticos

Cepex Sales Folder 06/2005. C Tipos de Plásticos epex Sales Folder 06/2005 C 1 Classificação dos plásticos Termoplásticos (usados para partes rígidas) Poliolefinas Cloretos de vinil Estirenos Polímeros fluorados Polipropileno, polietileno, etc. PVC-U,

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento Informações Gerais Para garantir a qualidade e a vida útil de uma válvula é necessário verificar a instalação, aplicação, bem como o seu material de acordo com o fluido que será utilizado e uma manutenção

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

Peças técnicas em feltro

Peças técnicas em feltro Peças técnicas em feltro A ARTE NA PRODUÇÃO DE PEÇAS TÉCNICAS DE FELTRO Nascida há mais de 50 anos, a Artenafex é hoje reconhecida como uma empresa especializada em buscar soluções para os mais diversos

Leia mais

VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10

VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10 VÁLVULA GLOBO DE CONTROLE SÉRIE 10 EXCELÊNCIA EM CONTROLE DE FLUXO 1 Válvula Globo de Controle Série 10 Características gerais As válvulas globo de controle de sede simples da série 10, produzidas pela

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Catálogo de Juntas RTJ

Catálogo de Juntas RTJ Catálogo de Juntas RTJ Control Seals VEDAÇÕES INDUSTRIAIS São anéis metálicos usinados de acordo com padrões estabelecidos pelo American Petroleum Institute (API) e American Society of Mechanical Engineers

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS METÁLICOS São feitos em metal (normalmente aço inox), fechado em uma das extremidades através de solda ou caldeamento, e, quase sempre rosqueado na outra parte e fixo ao. TUBOS CERÂMICOS São muito

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA CATÁLOGO TÉCNICO S E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA ÍNDICE S FIG. PÁG. Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.B. 10 1 Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.I. 11 2 Gaveta HA WCB FLG ASME

Leia mais

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo TUBOS INOX Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo erro de edição, os preços são válidos para

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS ELEMENTOS DE LINHA São equipamentos e acessórios que se apresentam com constância ao longo de uma tubulação de processo. Os principais desses componentes são: conectores,

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

Mangueiras Hidráulicas Balflex

Mangueiras Hidráulicas Balflex Mangueiras Hidráulicas Balflex Mangueiras Hidráulicas Balflex A gama de mangueiras hidráulicas Balflex, fabricadas segundo especificações Balflex e de acordo com as normas ISO 1436, SAE J517 e EN 853 a

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS VÁLVULAS DE ESFERA Válvulas de esfera compactas de duas e três vias, de fechamento rápido e de fácil acionamento, para uso geral na indústria, controle de fluídos e instrumentação. As válvulas

Leia mais

kymanual ou automática a escolha é sua

kymanual ou automática a escolha é sua . kymanual ou automática a escolha é sua Válvula borboleta LKB automática ou manual Aplicação ALKBéumaválvulaborboletasanitáriaacionadamanualou automaticamente para uso em sistemas com tubulações em aço

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

- Castelo selado a pressão: "Pressure Seal" - Castelo soldado c/ anel de assento. - Anel lanterna - somente classes 300-600 - 900-1500.

- Castelo selado a pressão: Pressure Seal - Castelo soldado c/ anel de assento. - Anel lanterna - somente classes 300-600 - 900-1500. NICSA Válvulas de Fundido Gaveta - Globo - Retenção Classes ANSI 150-300 - 600-900 - 1500 FVAF-0206 Gaveta NICSA Globo Retenção Pressões de conforme API - 598 Classe 150 psi Classe 300 psi Classe 600 psi

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Manual de Instruções POÇOS TERMOMÉTRICOS POR. Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura

Manual de Instruções POÇOS TERMOMÉTRICOS POR. Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura POR Manual de Instruções MI-TW-POR_2 10/2014 Copyright Nuova Fima S.p.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial 3 Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de Introdução: b As Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite foram

Leia mais

LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES.

LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES. LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES. MERCADOS A Micromazza está capacitada para atender aos seguintes

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão

Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão 2 Índice 2 - Antes de efetuar a inspeção ou substituição de uma polia: 3 -Segurança 4 - Superfícies e medidas dos canais 5 - Relação Canal

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 APRESENTAÇÃO Atuando no mercado desde 1988, a DRAGTEC, empresa conceituada no mercado de tubos, apresenta sua linha de produtos para comercialização,

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

POLICARBONATO COMPACTO

POLICARBONATO COMPACTO POLICARBONATO COMPACTO Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque dos raios ultravioleta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por sua alta transparência, a chapa

Leia mais

SOLUÇÕES DE VEDAÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE PROCESSO

SOLUÇÕES DE VEDAÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE PROCESSO SOLUÇÕES DE VEDAÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE PROCESSO KNOW-HOW ESPECIALIZADO MEDIANTE ORIENTAÇÃO NO SEGMENTO DE MERCADO TECNOLOGIAS E SERVIÇOS ESPECÍFICOS NO MERCADO Otimizar processos, assegurar a continuidade

Leia mais

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS VÁLVULA FERRO CLASSE GAVETA FUNDIDO 15 Válvula gaveta em ferro fundido ASTM A 16 B; classe 15 lbs; haste ascendente com rosca trapezoidal externa e castelo aparafusado

Leia mais

Fabri-Valve. Válvula de comporta de guilhotina alinhada de uretano XS150-ULV

Fabri-Valve. Válvula de comporta de guilhotina alinhada de uretano XS150-ULV Fabri-Valve Válvula de comporta de guilhotina alinhada de uretano XS150-ULV XS150-ULV Válvula de descarga zero de comporta de guilhotina alinhada de uretano XS150-ULV A válvula de comporta de guilhotina

Leia mais

Linha Industrial. Soluções Rexnord ÍNDICE. Soluções em Acoplamentos. Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU. Correntes de Engenharia

Linha Industrial. Soluções Rexnord ÍNDICE. Soluções em Acoplamentos. Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU. Correntes de Engenharia www.rexnord.com.br vendassl@rexnord.com.br Soluções Rexnord Linha Industrial ÍNDICE Soluções em Acoplamentos Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU Correntes de Engenharia Pronto atendimento Rexnord:

Leia mais

Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27

Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27 Selo diafragma Selo diafragma com conexão flangeada Com diafragma faceado ao processo Modelo 990.27 WIKA Folha técnica DS 99.27 Outras aprovações veja página 3 Aplicações Indústria de processos químicos

Leia mais

Fabri-Valve. Válvula de guilhotina C67 Bi-direcional

Fabri-Valve. Válvula de guilhotina C67 Bi-direcional Fabri-Valve Válvula de guilhotina C7 Bi-direcional Válvula de guilhotina C7 Bi-direcional A Fabri-Valve Figure C7 possui uma vedação de perímetro única e patenteada*, que permite interrupção bi-direcional.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM VÁLVULAS DE SEGURANÇA E/OU ALÍVIO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM VÁLVULAS DE SEGURANÇA E/OU ALÍVIO MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM VÁLVULAS DE SEGURANÇA E/OU ALÍVIO Por: Artur Cardozo Mathias 1 Objetivo Este artigo é direcionado ao usuário de válvulas de segurança e/ou alívio na indústria, além de técnicos

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA FILTRO PARA CAIXA D ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

Manual de Instalação DOCOL Monocomando

Manual de Instalação DOCOL Monocomando Manual de Instalação DOCOL Monocomando ECLIPSE PARA BANHEIRA/ CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO BP HAMPTON MONET PARA BANHEIRA/ CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO BP BICA ALTA LAVATORIO

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio

Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio Quais são os principais problemas encontrados em redes de Ar Comprimido? Quais são os principais problemas encontrados em redes de Ar Comprimido? ❶ Vazamentos

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Escovas Cilíndricas As escovas cilíndricas SUISSA são usadas em diversos tipos de máquinas, algumas de suas aplicações são nas varredeiras industriais de pisos, nos equipamentos de

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

VD-FLUX. Hipress Componentes Hidráulicos - Ligue (31) 2103-6955 - vendas@hipress.com.br

VD-FLUX. Hipress Componentes Hidráulicos - Ligue (31) 2103-6955 - vendas@hipress.com.br VD-FLUX Válvula Distribuidora de Fluxo Universal tipo Pistão * Patente PI 9702874-6 02/06/1997 A Válvula Distribuidora de Fluxo Universal Tipo Pistão VD- Flux da Detroit foi projetada e desenvolvida para

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Material Cabeçote Polipropileno Eixo Aço inox 316 Mat. do tubo da bomba. Adaptadores G/2 G 1½ Altura de descarga 4 m 0,3-0,45 l/curso Vazão

Material Cabeçote Polipropileno Eixo Aço inox 316 Mat. do tubo da bomba. Adaptadores G/2 G 1½ Altura de descarga 4 m 0,3-0,45 l/curso Vazão JP 02/ JP 03 Bombas manuais JP-02 e JP-03 são adequadas para quase todos os fluidos líquidos especialmente para ácidos, soluções alcalinas e álcool (50%) e produtos químicos à base de água. Esta não é

Leia mais