REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA"

Transcrição

1 REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROF. DR. JOSÉ LEOMAR FERNANDES JÚNIOR Departamento de Transportes - STT Escola de Engenharia de São Carlos - USP 1

2 Resíduos Sólidos Problema da Sociedade Moderna Introdução Disposição Final de Pneus Aterros Sanitários» Degradação Lenta» Baixo grau de compactação Lixões, Rios, Beiras de Estradas etc.» Incêndios» Proliferação de mosquitos, roedores e outros vetores de doenças 2

3 Estados Unidos Descarte de Pneus 273 milhões por ano» mais de 1 pneu / pessoa / ano União Européia 235 milhões por ano» 0,6 pneu / pessoa / ano Brasil* 44 milhões por ano» 0,3 pneu / pessoa / ano * estimativa baseada na frota de veículos 3

4 Estrutura do Pneu Banda de Rodagem Desenhos Cravados Flanco Composição (veículo de passeio): 85% de Borracha 10% de Aço 5% de Lonas Massa aproximada: Sulcos veículo de passeio - 10 kg caminhão - 50 kg Cinta de Nylon Cinturão de Aço Lona Talão Friso Volume - 1 m 3 pode conter: 13 pneus de carro ou 4 pneus de caminhão 4

5 Legislação Estados Unidos Lei sobre a Eficiência do Transporte Intermodal de Superfície (Public Law ), ISTEA, 1991» 1997: 20% dos pavimentos devem conter borracha de pneus Resolução n. 258 do CONAMA Conceito de responsabilidade do produtor e do importador pelo ciclo total da mercadoria Prazos e quantidades de coleta de pneus: A partir de: Nacionais e Importados Pneus Novos Reciclar e/ou Reutilizar Importados Pneus Usados Reciclar e/ou Reutilizar Jan Jan Jan Jan * Eliminação do passivo ambiental, estimado em mais de 100 milhões de pneus 5

6 Redução, Reutilização e Reciclagem de Pneus Minimização da Geração REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO QUEIMA A CÉU ABERTO MILHÕES DE CARCAÇAS DISPOSIÇÃO INADEQUADA ESTOCAGEM / ATERROS GERAÇÃO DE ENERGIA ENGENHARIA CIVIL CORTE, TRITURAÇÃO E SEPARAÇÃO DOS MATERIAIS BORRACHA TRITURADA APLICAÇÕES DIVERSIFICADAS PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA 6

7 Possibilidades de Utilização em Engenharia Civil 7

8 Possibilidades de Utilização em Engenharia Civil Boas intenções Improvisação Resultados insatisfatórios 8

9 REUTILIZAÇÃO DE PNEUS MILHÕES DE PNEUS DESCARTADOS ANUALMENTE DISPOSIÇÃO INADEQUADA INCINERAÇÃO ATERROS SANITÁRIOS PROBLEMA AMBIENTAL PROBLEMA ECONÔMICO RECICLAGEM REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA GERAÇÃO DE ENERGIA MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO DIVERSOS PROCESSO SECO AGREGADO-BORRACHA PROCESSO ÚMIDO ASFALTO-BORRACHA 9

10 Incorporação nas Misturas Asfálticas Processo Úmido (asfalto-borracha): CIMENTO ASFÁLTICO + BORRACHA + AGREGADO PÉTREO Processo Seco (agregado-borracha): CIMENTO ASFÁLTICO + BORRACHA + AGREGADO PÉTREO 10

11 Defeitos em Pavimentos Asfálticos Trilhas de Roda Trincas por Fadiga 11

12 USO EM PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA melhorar o desempenho dos pavimentos aumento da rigidez a elevadas temperaturas (reduzindo a deformação permanente nas trilhas de roda) aumento da flexibilidade (retardando o aparecimento de trincas) aumento da impermeabilização proporcionada pelos revestimentos asfálticos utilização como selante de trincas existentes 12

13 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 13

14 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 14

15 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 15

16 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 16

17 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 17

18 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 18

19 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 19

20 Processamento dos Pneus para Utilização em Engenharia Civil 20

21 Utilização de Borracha Pneus em Pavimentação Asfáltica Agregado Borracha 21

22 Objetivo Verificar a possibilidade de utilização de borracha de pneus triturada em misturas asfálticas ( Processo Seco ), com obtenção de um material com propriedades que permitam seu uso em obras de engenharia avaliar o desempenho analisar as implicações estruturais e econômicas» processos construtivos» espessuras equivalentes» quantidades de materiais 22

23 Atividades de Laboratório BORRACHA AGREGADO PËTREO ASFALTO CARACTERIZAÇÃO CORPOS-DE-PROVA ENSAIOS EXPLORATÓRIOS ENSAIOS DE OTIMIZAÇÃO ENSAIOS DE APLICABILIDADE 23

24 Planejamento dos Experimentos Teor de borracha: 0, 1 e 2% (em relação à massa total da mistura) Granulometria da borracha: Grossa (9,5 mm até 0,6 mm) Fina (1,18 mm até 0,15 mm) Teor de ligante: Fixo, igual ao da mistura de controle para obtenção de Vv = 4% Tempo de Digestão: 2h (simulação de envelhecimento em estufa a 150 o C, antes da compactação) 24

25 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 25

26 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 26

27 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 27

28 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 28

29 Ensaios Realizados Solubilização e Lixiviação Trilha de roda em equipamento simulador de tráfego tipo LCPC 29

30 Resultados Solubilização e Lixiviação Borracha triturada x Mistura asfáltica com borracha Borracha: resíduo Classe II (não inerte) Mistura Modificada: Classe III (inerte) a incorporação da borracha no revestimento asfáltico constitui um processo eficiente para a inertização dos metais (Zn e Mg) presentes na borracha 30

31 Resultados Deformação Permanente Profundidade da Trilha 18% 12% 6% 0% Número de Ciclos Controle 2G 2F 1G 1F 31

32 A incorporação de borracha de pneus em misturas asfálticas é eficiente para a sua inertização Sob determinadas condições, a incorporação de borracha de pneus melhora o desempenho em termos de resistência à deformação permanente, o que torna promissora a sua utilização como agregado O uso de borracha de pneus em pavimentação Não é panacéia Tecnicamente viável Conclusões Pode ser implementado em larga escala 32

33 Processo Úmido TIPO DE LIGANTE TEOR DE LIGANTE CIMENTO ASFÁLTICO + BORRACHA MOÍDA TIPO DE BORRACHA TAMANHO DAS PARTÍCULAS TEOR DE BORRACHA TEMPERATURA E TEMPO DE REAÇÃO DILUENTE LIGANTE ASFALTO-BORRACHA 33

34 LIGANTE ASFALTO-BORRACHA FATORES E NÍVEIS TIPO DE BORRACHA: Relastomer TEOR DE BORRACHA: 0, 6, 12, 18 e 24% TAMANHO DAS PARTÍCULAS DE BORRACHA: #40 (0,42mm) a #50 (0,30mm), #50 a #100 (0,150mm) e #100 a #200 (0,075mm) TIPO DE LIGANTE ASFÁLTICO: CAP 20 e CAP 30 TEMPERATURA DE MISTURA: 165, 175 e 185 o C TEMPO DE REAÇÃO: 20, 35 e 50 minutos 34

35 Processo Úmido SELANTE DE TRINCAS E JUNTAS SAM (Stress Absorbing Membrane) TRATAMENTO SUPERFICIAL espalhamento sucessivo de camadas de ligante asfaltoborracha e agregado sobre a base de um pavimento SAMI (Stress Absorbing Membrane Interlayer) camada de asfalto-borracha aplicada entre camadas de CAUQ, quando for executado um reforço CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE (CAUQ) mistura a quente, em usina apropriada, de agregado mineral graduado, material de enchimento (filler) e cimento asfáltico, espalhado e comprimido a quente 35

36 Experiência do Estado da Flórida na Utilização de Asfalto-Borracha CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE (CAUQ) Usina de Asfalto-Borracha no Estado da Flórida, EUA 36

37 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 37

38 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 38

39 Preparo de Corpos de Prova para Ensaios no Laboratório de Estradas 39

40 ENSAIOS REALIZADOS ENSAIOS CONVENCIONAIS ENSAIO DE PENETRAÇÃO: consistência dos asfaltos sob temperatura média em serviço PONTO DE AMOLECIMENTO: temperatura na qual a consistência de um cimento asfáltico passa do estado plástico ou semi-sólido para o estado líquido PONTO DE FULGOR: temperatura acima da qual o asfalto deve ser manipulado como produto inflamável (garantir a segurança durante o transporte e manuseio dos materiais asfálticos) 40

41 ENSAIOS REALIZADOS ENSAIOS SUPERPAVE VISCOSIDADE BROOKFIELD: para garantir um asfalto fluido o suficiente para ser bombeado e misturado com o agregado CISALHAMENTO DINÂMICO: simula o acúmulo de deformação permanente do ligante asfáltico a temperaturas máximas e o fenômeno de fadiga do revestimento a temperaturas médias do pavimento em serviço RIGIDEZ À FLUÊNCIA NA FLEXÃO: avalia as propriedades associadas à resistência dos ligantes à formação de trincas de origem térmica (ensaio a baixas temperaturas) 41

42 RESULTADOS DOS ENSAIOS CONVENCIONAIS PONTO DE FULGOR: os resultados mostram que a adição de borracha, independentemente dos outros fatores, aumenta o ponto de fulgor (de 289 o C, para o cimento asfáltico sem borracha, até 317 o C) PENETRAÇÃO: os resultados obtidos mostram que a penetração aumenta até um teor de 12 %, estabilizando ou diminuindo para os teores de 18 e 24% de borracha PONTO DE AMOLECIMENTO: é crescente com o teor de borracha, indicando um aumento na resistência à deformação permanente 42

43 PONTO DE AMOLECIMENTO Ponto de Amolecimento ( o C) Temp. Mistura = 160C - #50 Temp. Mistura = 170C - #50 Temp. Mistura = 160C - #40 Temp. Mistura = 170C - # Teor de Borracha (%) 43

44 RESULTADOS DOS ENSAIOS SUPERPAVE VISCOSIDADE BROOKFIELD a viscosidade é crescente com o teor de borracha PROPRIEDADES REOLÓGICAS as amostras com maior teor de borracha apresentam maiores módulos complexos, ou seja, são mais resistentes ao acúmulo de deformação permanente, e menores valores de δ, o que significa que são mais elásticas e, portanto, mais resistentes à formação de trincas RIGIDEZ À FLUÊNCIA NA FLEXÃO todas as amostras ensaiadas apresentaram valores bem abaixo do limite máximo de rigidez (< que 300 MPa) e sobre o limite mínimo do módulo de relaxação (valores superiores a 0,300) 44

45 DSR ANTES DO ENVELHECIMENTO Temperatura de ensaio: 64 o C G*/sen δ (kpa) Temp. Mistura = 160C - #50 Temp. Mistura = 170C - #50 Temp. Mistura = 160C - #40 Temp. Mistura = 170C - #40 Limite da Especificação Superpave Teor de Borracha (%) 45

46 DSR APÓS ENVELHECIMENTO DE LONGO PRAZO 6000 Temperatura de ensaio: 31 o C G* sen δ (kpa) Temp. Mistura = 160C - #50 Temp. Mistura = 170C - #50 Temp. Mistura = 160C - #40 Temp. Mistura = 170C - #40 Limite Especificação Superpave Teor de Borracha (%) 46

47 MODELOS ESTATÍSTICOS G*/sen δ (kpa) # 50 # 40 Especificação Superpave Y = 5,4 + 3,0B l + 0,3B q -0,6B l T (R 2 = 0.92) Temperatura de ensaio: 64 o C Especificação Superpave Teor de Borracha (%) 47

48 CONCLUSÕES EXISTEM EVIDÊNCIAS DE QUE O LIGANTE ASFALTO- BORRACHA PODE SER BENÉFICO AOS PAVIMENTOS melhorando as propriedades de resistência ao acúmulo de deformação permanente e de resistência à formação de trincas por fadiga Os modelos estatísticos desenvolvidos neste estudo são muito úteis para a compreensão do comportamento do ligante asfalto-borracha O teor de borracha é o fator mais significativo é possível ter os mesmos resultados usando diferentes combinações de tamanho das partículas e temperatura de mistura. Isto é economicamente importante porque pode-se relacionar o tamanho das partículas e temperatura de mistura diretamente à quantidade de energia (ou seja, o custo) necessária para produzir o asfalto-borracha 48

49 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS Completar o Fatorial Inicialmente Proposto fatores que não puderam ser analisados neste trabalho (tipo de borracha, tipo de CAP e uso de diluente) consideração de níveis adicionais para os fatores granulometria da borracha e temperatura de mistura preparo e ensaio de misturas asfálticas com ligante asfalto-borracha em laboratório (módulo de resiliência, fluência estática, fluência dinâmica, adesividade etc.) execução de trechos experimentais e acompanhamento do desempenho sob condições reais de tráfego e climáticas 49

50 COMENTÁRIOS FINAIS Solução dos Problemas Ambientais da Disposição Final dos Pneus Complexa Dependente da atuação governamental»federal, estadual e municipal Dependente da sociedade: produtores, distribuidores, consumidores e pesquisadores 50

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Especificações Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Polímeros Macromoléculas: moléculas

Leia mais

ASFALTOS MODIFICADOS

ASFALTOS MODIFICADOS ASFALTOS MODIFICADOS Razões para substituição de asfaltos convencionais por modificados Vias com alto volume de tráfego (ex.: corredores de ônibus) Melhoria da resistência à formação de trilhas de roda

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR LUIS MITOSO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR LUIS MITOSO PROJETO DE LEI Nº 215 /2009 Dispõe sobre o recolhimento e destinação de pneus inservíveis da frota municipal de veículos de Manaus para a produção de asfalto-borracha e dá outras providências. Art. 1º

Leia mais

A respeito do cimento asfáltico de petróleo (CAP), suas propriedades e ensaios físicos, julgue o próximo item.

A respeito do cimento asfáltico de petróleo (CAP), suas propriedades e ensaios físicos, julgue o próximo item. A respeito do cimento asfáltico de petróleo (CAP), suas propriedades e ensaios físicos, julgue o próximo item. 88.(PF/CESPE/2013) O teste de penetração, que é a medida de penetração de uma agulha padronizada

Leia mais

A QUALIDADE DOS ASFALTOS PARA CBUQ. José Carlos Moura Massaranduba Engenheiro Civil

A QUALIDADE DOS ASFALTOS PARA CBUQ. José Carlos Moura Massaranduba Engenheiro Civil A QUALIDADE DOS ASFALTOS PARA CBUQ José Carlos Moura Massaranduba Engenheiro Civil O IDEAL POR QUE USAR ASFALTOS DE MELHOR QUALIDADE? Clima Tráfego Execução Conservação Idade Falhas: Trilha de rodas Trincamento

Leia mais

REFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

REFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS OPERAÇÃO TAPA BURACOS RecomposiçãoPavimentação Pintura de ligação Especificação de Serviço DNERES 307/97 1 DEFINIÇÃO Pintura de ligação consiste na aplicação de ligante betuminoso

Leia mais

USO DA BORRACHA DE PNEUS NA PAVIMENTAÇÃO COMO UMA ALTERNATIVA ECOLOGICAMENTE VIÁVEL

USO DA BORRACHA DE PNEUS NA PAVIMENTAÇÃO COMO UMA ALTERNATIVA ECOLOGICAMENTE VIÁVEL USO DA BORRACHA DE PNEUS NA PAVIMENTAÇÃO COMO UMA ALTERNATIVA ECOLOGICAMENTE VIÁVEL Cícero Antonio Antunes Catapreta (*), Clarissa Ana Zambiasi, Letícia Aparecida de Jesus Loyola. * Engenheiro Civil (Pontifícia

Leia mais

XII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIENCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Sustentabilidade: Mudança dos Padrões de Consumo

XII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIENCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Sustentabilidade: Mudança dos Padrões de Consumo XII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIENCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Sustentabilidade: Mudança dos Padrões de Consumo A incorporação de resíduos de borracha em asfaltos convencionais Jhonata de Oliveira

Leia mais

CAP Alto Módulo. Asfalto Modificado de Baixa Penetração

CAP Alto Módulo. Asfalto Modificado de Baixa Penetração CAP Alto Módulo Asfalto Modificado de Baixa Penetração Matriz da cbb ASFALTOS Curitiba - PR A cbb ASFALTOS Industria e comercio de produtos e serviços para pavimentação para os diversos setores da economia,

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA UNIVIX CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL

FACULDADE BRASILEIRA UNIVIX CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL FACULDADE BRASILEIRA UNIVIX CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL CELSO BRÁULIO ALVES MENDES FABIO RINALDI NUNES ASFALTO BORRACHA - MINIMIZANDO OS IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS PELO DESCARTE DE PNEUS INSERVÍVEIS

Leia mais

É toda modificação na superfície ou na estrutura de um pavimento que altere negativamente seu desempenho

É toda modificação na superfície ou na estrutura de um pavimento que altere negativamente seu desempenho Eng Pery C. G. de Castro Revisado em: agosto 2009 CONCEITO É toda modificação na superfície ou na estrutura de um pavimento que altere negativamente seu desempenho 1 FATORES QUE ATUAM NEGATIVAMENTE SOBRE

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Introdução Asfalto: Diversas aplicações como material de construção Propriedades isolantes e adesivas Principal forma de revestimento de pavimentos no mundo Brasil:

Leia mais

CAPÍTULO 3 DESCRIÇÃO DA OBRA DE RECICLAGEM

CAPÍTULO 3 DESCRIÇÃO DA OBRA DE RECICLAGEM CAPÍTULO 3 DESCRIÇÃO DA OBRA DE RECICLAGEM 3.1 INTRODUÇÃO Esta obra refere-se à beneficiação de um troço da EN 244 entre Ponte Sôr e o cruzamento com a EN 118, já no concelho de Gavião, com uma extensão

Leia mais

Selagem asfáltica de fissuras de pavimentos Edição Maio/2006 Revista Téchne

Selagem asfáltica de fissuras de pavimentos Edição Maio/2006 Revista Téchne Selagem asfáltica de fissuras de pavimentos Edição 110 - Maio/2006 Revista Téchne Todas as estradas, rodovias e ruas necessitam de manutenção para manter suas condições operacionais, pois sofrem constante

Leia mais

CONDICIONAMENTO DE MISTURA ASFÁLTICA A QUENTE (MAQ)

CONDICIONAMENTO DE MISTURA ASFÁLTICA A QUENTE (MAQ) CONDICIONAMENTO DE MISTURA ASFÁLTICA A QUENTE (MAQ) C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ET- 30-02 09/2014 ET 30 pg1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting

AULA 4 AGLOMERANTES continuação. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ASFALTOS Pavimento é uma estrutura

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DA CAMADA DE REVESTIMENTO EM CAUQ DE ACORDO COM DEINFRA SC-ES-P-05/92 ESTUDO DE CASO

CONTROLE TECNOLÓGICO DA CAMADA DE REVESTIMENTO EM CAUQ DE ACORDO COM DEINFRA SC-ES-P-05/92 ESTUDO DE CASO CONTROLE TECNOLÓGICO DA CAMADA DE REVESTIMENTO EM CAUQ DE ACORDO COM DEINFRA SC-ES-P-05/92 ESTUDO DE CASO Ana Helena Pinter Deolindo (1), Pedro Arns (2); Adailton Antônio dos Santos (3) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Ensaios Laboratoriais Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Principais Ensaios CAP: Penetração

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Misturas Betuminosas Concreto, de um modo geral,

Leia mais

Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável

Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável Qual o papel do engenheiro hoje? Ecológico e sustentável Avaliação de soluções adequadas Financeiramente Tecnicamente Ecológico e sustentável

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS AGREGADOS GRAÚDOS RECICLADOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO PREDIAL NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO

INFLUÊNCIA DOS AGREGADOS GRAÚDOS RECICLADOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO PREDIAL NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO INFLUÊNCIA DOS AGREGADOS GRAÚDOS RECICLADOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO PREDIAL NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO NUNES, Wesley Carlos 1 ; FIGUEIREDO, Enio José Pazini 2 Palavras-chave: Agregados

Leia mais

MICROAGLOMERADO BETUMINOSO A FRIO. Uma Técnica de Referência. Pedro Seixas

MICROAGLOMERADO BETUMINOSO A FRIO. Uma Técnica de Referência. Pedro Seixas MICROAGLOMERADO BETUMINOSO A FRIO Uma Técnica de Referência Congresso Rodoviário Português - Abril 2006 Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações Cumprir as normas em vigor. Colaborar na

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos Misturas Betuminosas

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos Misturas Betuminosas MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) Misturas Betuminosas Materiais elementares: betume e agregados Tipos correntes de misturas betuminosas

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFALTO-BORRACHA PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS. ÚMIDO E SECO 1 Quincio Muniz Pinto Netto 2

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFALTO-BORRACHA PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS. ÚMIDO E SECO 1 Quincio Muniz Pinto Netto 2 ÚMIDO E SECO 1 Quincio Muniz Pinto Netto 2 REVISTA DO CEDS (Revista Científica do Centro de Estudos em Desenvolvimento ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFALTO-BORRACHA PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS

Leia mais

Reciclagem dos Pavimentos

Reciclagem dos Pavimentos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS Reciclagem dos Pavimentos

Leia mais

ASFALTOS PARA PAVIMENTAÇÃO MAIO

ASFALTOS PARA PAVIMENTAÇÃO MAIO ASFALTOS PARA PAVIMENTAÇÃO MAIO 2005 1.Asfaltos: Definição. Asfaltos Material betuminoso composto por hidrocarbonetos (CH) de alto peso molecular, não voláteis, originados de petróleos por destilação natural

Leia mais

DIRETOR INDUSTRIAL NOSSO DISTRIBUIDOR GOIAS ENGEMAC

DIRETOR INDUSTRIAL NOSSO DISTRIBUIDOR GOIAS ENGEMAC DIRETOR INDUSTRIAL NOSSO DISTRIBUIDOR GOIAS ENGEMAC 50 ANOS FABRICANDO EQUIPAMENTOS ROBERTO PROFESSOR SENAI EM 1954 INICIO DE FABRICAÇÃO CARPIDEIRAS GERALDÃO 1958 ROBERTO COMPRA SEU PRIMEIRO TORNO 1957

Leia mais

TRATAMENTO SUPERFICIAL COM ASFALTO-BORRACHA

TRATAMENTO SUPERFICIAL COM ASFALTO-BORRACHA TRATAMENTO SUPERFICIAL COM ASFALTO-BORRACHA José Antonio Antosczezem Junior Engenheiro Químico Greca Asfaltos 1. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é estudar todas as etapas e características executivas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2012

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2012 PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2012 Dispõe sobre a definição de locais públicos para recebimento de pneus velhos descartados ou inutilizados pelas borracharias estabelecidas no Município e dá outras

Leia mais

Principais partes de um pneu

Principais partes de um pneu Aspectos técnicos dos pneus: As funções dos pneus são suportar o peso do veículo e da carga (em casos de pneus de caminhões e ônibus), assegurar tração e dirigibilidade, garantir aderência ao terreno,

Leia mais

PARTE 1 CONSERVAÇÃO PREVENTIVA. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em setembro/2009 CONCEITO

PARTE 1 CONSERVAÇÃO PREVENTIVA. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em setembro/2009 CONCEITO PARTE 1 Engº Pery C. G. de Castro Revisado em setembro/009 1 CONCEITO Conservação do pavimento é um trabalho de rotina, eecutado para manter o pavimento, sob condições normais previstas de tráfego, e da

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECICLADO EM MISTURA A QUENTE. Engº Marcelo Zubaran

UTILIZAÇÃO DE RECICLADO EM MISTURA A QUENTE. Engº Marcelo Zubaran UTILIZAÇÃO DE RECICLADO EM MISTURA A QUENTE Engº Marcelo Zubaran ÍNDICE Introdução Sistema para baixa taxa de reciclagem Sistema para alta taxa de reciclagem Resultados Conclusões ÍNDICE Introdução INTRODUÇÃO

Leia mais

MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO

MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO Introdução Tipos de revestimentos asfálticos 2 Introdução Classificação dos materiais segundo seu comportamento frente aos esforços: Materiais granulares

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE GOTEJAMENTO DE MISTURAS ASFÁLTICAS NÃO COMPACTADAS

DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE GOTEJAMENTO DE MISTURAS ASFÁLTICAS NÃO COMPACTADAS DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE GOTEJAMENTO DE MISTURAS ASFÁLTICAS NÃO COMPACTADAS C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 305-14 09/2014 T 305-14 pg1

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS GERADOS PELA FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE BORRACHA

TRATAMENTO DE RESÍDUOS GERADOS PELA FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE BORRACHA TRATAMENTO DE RESÍDUOS GERADOS PELA FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE BORRACHA Lorenzo Pratti Prando, 2 Robson Guimarães do Valle Bolsista de Iniciação Científica BITEC/IEL/CNPq/FAACZ, discente do curso de Engenharia

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto MATERIAIS BETUMINOSOS

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL Parâmetros Granulometria e teor provável de asfalto na mistura Densidade aparente da mistura (Gmb ou d) Densidade máxima teórica da mistura (DMT ou D) Porcentagem

Leia mais

O que são agregados? Agregados 2

O que são agregados? Agregados 2 AGREGADOS O que são agregados? Agregados 2 O que são agregados? Agregados 3 O que são agregados? Agregados 4 O que são agregados? ABNT NBR 9935/2005: Material sem forma ou volume definido, geralmente inerte,

Leia mais

ANÁLISE DA INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS DE PNEUS EM UM CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO (CAP 50-70) ATRAVÉS DE ENSAIOS DE CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA

ANÁLISE DA INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS DE PNEUS EM UM CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO (CAP 50-70) ATRAVÉS DE ENSAIOS DE CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA ANÁLISE DA INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS DE PNEUS EM UM CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO (CAP 50-70) ATRAVÉS DE ENSAIOS DE CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA Camila de Castro Nicácio 1 Enio Fernandes Amorim 2 RESUMO:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AGREGADO SIDERÚRGICO NA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DE EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS

UTILIZAÇÃO DO AGREGADO SIDERÚRGICO NA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DE EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS UTILIZAÇÃO DO AGREGADO SIDERÚRGICO NA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DE EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS 1. Concepção e objetivos O crescimento e desenvolvimento da sociedade nos impõe desafios cada vez maiores em

Leia mais

4. MATERIAIS UTILIZADOS

4. MATERIAIS UTILIZADOS 4. MATERIAIS UTILIZADOS Descrevem-se nesse capítulo a origem e as características dos materiais utilizados na pesquisa. 4.1 AREIA O Departamento de Edificações Rodovias e Transportes do Ceará - DERT, cedeu

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE ASFALTOS À AÇÃO DE DILUENTES (PESQUISA LABORATORIAL)

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE ASFALTOS À AÇÃO DE DILUENTES (PESQUISA LABORATORIAL) AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE ASFALTOS À AÇÃO DE DILUENTES (PESQUISA LABORATORIAL) 16º ENCONTRO DE ASFALTO/ IBP DEZEMBRO/2002 QUIM.: CARLOS AUGUSTO COSTA RESUMO: ¾O trabalho apresenta resultados obtidos

Leia mais

LAMA ASFÁLTICA. Departamento Técnico

LAMA ASFÁLTICA. Departamento Técnico LAMA ASFÁLTICA Departamento Técnico Dez/2003 Introdução LAMA ASFÁLTICA SLURRY SEAL COULIS BETUMINEUX LECHADA ASFÁLTICA BITUME SCHLAME São as nomenclaturas utilizadas em diferentes países para designar:

Leia mais

Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos

Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos Autores: Gracieli B. Colpo, Lélio A. T. Brito, Jorge A. P. Ceratti, Eduardo Meirelles, Fábio Hirsch,

Leia mais

BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS CORREDORES RODOVIÁRIOS RIOS DO ESTADO DA BAHIA PREVENTIVA

BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS CORREDORES RODOVIÁRIOS RIOS DO ESTADO DA BAHIA PREVENTIVA BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DOS CORREDORES RODOVIÁRIOS RIOS DO ESTADO DA BAHIA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA 1 BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

José Carlos Moura Massaranduba

José Carlos Moura Massaranduba José Carlos Moura Massaranduba PNEUS INSERVÍVEIS GRAVE PASSIVO AMBIENTAL Principais características: Alta viscosidade (maior recobrimento no agregado) Menor susceptibilidade térmica Aumento da elasticidade

Leia mais

EN 12592. Betumes e ligantes betuminosos. Especificações para betumes de pavimentação

EN 12592. Betumes e ligantes betuminosos. Especificações para betumes de pavimentação EN 259 e ligantes betuminosos Especificações para betumes de pavimentação - Especificações Especificações para betumes de pavimentação com penetrações entre 20x0, mm e 330x0, mm Unidade Método de ensaio

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2005

PROJETO DE LEI N O, DE 2005 Página 1 de 6 PROJETO DE LEI N O, DE 2005 (Do Sr. Leodegar Tiscoski) Torna obrigatória a utilização de borracha reciclada de pneus inservíveis na produção de misturas e concretos asfálticos para pavimentação.

Leia mais

REVESTIMENTO ASFÁLTICO TIPO SMA PARA ALTO DESEMPENHO EM VIAS DE TRÁFEGO PESADO

REVESTIMENTO ASFÁLTICO TIPO SMA PARA ALTO DESEMPENHO EM VIAS DE TRÁFEGO PESADO REVESTIMENTO ASFÁLTICO TIPO SMA PARA ALTO DESEMPENHO EM VIAS DE TRÁFEGO PESADO 1º Autor: Rafael Marçal Martins de Reis Eng.º Químico, Mestre em Infra-estrutura de Transportes pela Universidade de São Paulo,

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFÁLTICAS CONFECCIONADAS COM AGREGADOS SINTÉTICOS DE ARGILA CALCINADA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFÁLTICAS CONFECCIONADAS COM AGREGADOS SINTÉTICOS DE ARGILA CALCINADA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFÁLTICAS CONFECCIONADAS COM AGREGADOS SINTÉTICOS DE ARGILA CALCINADA Fotografia Autor 1 30 mm 40 mm Fotografia Autor 2 30 mm 40 mm Fotografia Autor 3 30

Leia mais

MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE EM CENTRAL NA REDE BRISA

MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE EM CENTRAL NA REDE BRISA MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE EM CENTRAL NA REDE BRISA Laboratório Nacional de Engenharia Civil 7 e 8 de Julho de 2009 Dora Baptista BEG/spg 1 SUPORTE LEGISLATIVO E TÉCNICO Caderno de Encargos

Leia mais

ASFALTO MODIFICADO COM POLÍMEROS (A M P)

ASFALTO MODIFICADO COM POLÍMEROS (A M P) ASFALTO MODIFICADO COM POLÍMEROS (A M P) Tecnologia para prolongar a vida dos pavimentos asfálticos. DEZ/2003 Asfalto Modificado (melhorado) ¾Histórico Ao longo de 30 anos (Europa/USA) têm desenvolvidos

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFALTO- BORRACHA PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS ÚMIDO E SECO

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFALTO- BORRACHA PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS ÚMIDO E SECO ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFALTO- BORRACHA PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS ÚMIDO E SECO Quincio Muniz Pinto Netto Ana Carolina da Cruz Reis Unidade de Ensino Superior Dom Bosco RESUMO Os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especificação de Serviço Página 1 de 9 1. DEFINIÇÃO O revestimento em Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) é um revestimento flexível resultante da mistura a quente, em usina apropriada, de agregado

Leia mais

Definição de Pavimento e Funções

Definição de Pavimento e Funções UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS Definição de Pavimento e Funções

Leia mais

TYREFLEX. Asfalto Modificado por Pó de Pneus

TYREFLEX. Asfalto Modificado por Pó de Pneus TYREFLEX Asfalto Modificado por Pó de Pneus Matriz da cbb ASFALTOS Curitiba - PR cbb ASFALTOS Indústria e comércio de produtos e serviços para pavimentação para os diversos setores da economia, garantindo

Leia mais

PROJETO DE MISTURA RECICLADA A QUENTE

PROJETO DE MISTURA RECICLADA A QUENTE 17 PARTE-III PROJETO DE MISTURA RECICLADA A QUENTE 1. ORIENTAÇÃO GERAL a) Apreciar todas as etapas necessárias ao proporcionamento dos materiais utilizados. b) Seleção do tipo ou grau e quantidade do cimento

Leia mais

Trecho. Situação antes da obra de restauração:

Trecho. Situação antes da obra de restauração: Trecho 1 Trecho Situação antes da obra de restauração: 2 Projeto de Restauração Projeto da CONSULPAV Número N de projeto (RPA) para 20 anos = 2.46 x 10 6 ; Performance Grade: PG 64-10; Ligante asfáltico

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO BMB EM PORTUGAL: A EXPERIÊNCIA OBTIDA AO LONGO DE 7 ANOS NAS OBRAS EM SERVIÇO. Paulo Fonseca e Rui Barros

A UTILIZAÇÃO DO BMB EM PORTUGAL: A EXPERIÊNCIA OBTIDA AO LONGO DE 7 ANOS NAS OBRAS EM SERVIÇO. Paulo Fonseca e Rui Barros A UTILIZAÇÃO DO EM PORTUGAL: A EXPERIÊNCIA OBTIDA AO LONGO DE 7 ANOS NAS OBRAS EM SERVIÇO Paulo Fonseca e Rui Barros Recordando o que é o Incorpora de 20 a 22% de granulado de borracha EN 14023:2005 Betumes

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO BETUME MODIFICADO COM BORRACHA EM PORTUGAL: BALANÇO DE 5 ANOS DE EXPERIÊNCIA

A UTILIZAÇÃO DO BETUME MODIFICADO COM BORRACHA EM PORTUGAL: BALANÇO DE 5 ANOS DE EXPERIÊNCIA A UTILIZAÇÃO DO BETUME MODIFICADO COM BORRACHA EM PORTUGAL: BALANÇO DE 5 ANOS DE EXPERIÊNCIA PAULO FONSECA GERENTE DA RECIPAV ENGENHARIA E PAVIMENTOS, LDA. RESUMO Portugal foi pioneiro na Europa na utilização

Leia mais

ROMANELLI. Equipamentos Rodoviários. EQUIPAMENTOS: José Carlos Romanelli 06/2007

ROMANELLI. Equipamentos Rodoviários. EQUIPAMENTOS: José Carlos Romanelli 06/2007 ROMANELLI Equipamentos Rodoviários EQUIPAMENTOS: José Carlos Romanelli 06/2007 ORIGEM Nosso fundador Roberto Romanelli 1.962 1.998 NOSSO OBJETIVO? PRODUZIR EQUIPAMENTOS RODOVIÁRIOS, INOVANDO E MELHORANDO

Leia mais

ESTUDO DE FADIGA EM LABORATÓRIO DE MISTURAS ASFÁLTICAS MORNAS COM UTILIZAÇÃO DE ENSAIOS DE TRAÇÃO INDIRETA POR COMPRESSÃO DIAMETRAL

ESTUDO DE FADIGA EM LABORATÓRIO DE MISTURAS ASFÁLTICAS MORNAS COM UTILIZAÇÃO DE ENSAIOS DE TRAÇÃO INDIRETA POR COMPRESSÃO DIAMETRAL ESTUDO DE FADIGA EM LABORATÓRIO DE MISTURAS ASFÁLTICAS MORNAS COM UTILIZAÇÃO DE ENSAIOS DE TRAÇÃO INDIRETA POR COMPRESSÃO DIAMETRAL Marlova Johnston 1, Gracieli Bordin Colpo 1, Lélio Antônio Teixeira Brito

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ESPUMA DE ASFALTO

DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ESPUMA DE ASFALTO DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ESPUMA DE ASFALTO C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T 005-13 09/2014 T 05 pg1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

AULA 7 MATERIAIS DA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

AULA 7 MATERIAIS DA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA AULA 7 MATERIAIS DA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA Prof.º: Roque Rodrigo Rodrigues Disciplina: Pavimentos especiais Centro Universitário Dinâmica das Cataratas - Campus Centro BASES E SUB-BASE FLEXÍVEIS Material

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves AGOSTO 1997

Leia mais

2 - LIGANTES ASFÁLTICOS

2 - LIGANTES ASFÁLTICOS 9 2 - LIGANTES ASFÁLTICOS 2.1 - INTRODUÇÃO Os asfaltos, materiais aglutinantes de cor escura, são derivados do petróleo, sendo que o elemento predominante é o betume (99,5%). Betume, muitas vezes usado

Leia mais

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Elaborado por: Eng. José Carlos M. Massaranduba - Diretor Técnico - GRECA Asfaltos Eng. José Antonio

Leia mais

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES AVALIAÇÃO DO AQUECIMENTO DE PRODUTOS ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES MECÂNICOS Este trabalho técnico foi preparado para apresentação no 19 Encontro de Asfalto, realizado no período de 9 a 11 de junho

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 1)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 1) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 1) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Avaliação do comportamento de dois trechos experimentais, sob ação de tráfego real na Rodovia BR 040 - Trecho

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO CAMADAS DE MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE - COM ASFALTO BORRACHA 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/14 As Camadas de Misturas Asfálticas Usinadas a Quente são produtos resultantes

Leia mais

A aposta em soluções de baixo custo

A aposta em soluções de baixo custo Em que pensamos quando falamos em soluções de baixo custo? Materiais baratos? Sistemas de execução rápida e simples? Soluções duradouras? Solução inicial mais barata vs solução global mais económica? Qual

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Materiais e critérios de seleção

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Materiais e critérios de seleção DER-MG II Seminário de Sinalização e Segurança Viária SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Materiais e critérios de seleção Heverton Moreira Considerando os estudos e a aprovação na 8 a Reunião Ordinária da Câmara Temática

Leia mais

Dosagem de Tratamentos Superficiais e Microrrevestimentos

Dosagem de Tratamentos Superficiais e Microrrevestimentos Bloco 5 Dosagem de Tratamentos Superficiais e Microrrevestimentos Lista dos assuntos do CD completo Este CD contém 30 aulas, em 10 blocos organizados por assunto: Bloco 1 Introdução Bloco 2 Asfaltos Bloco

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE PNEUS INSERVÍVEIS COMO AGREGADOS NA COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PARA CALÇADA DE BORRACHA

IV Seminário de Iniciação Científica VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE PNEUS INSERVÍVEIS COMO AGREGADOS NA COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PARA CALÇADA DE BORRACHA Inhumas, 16 e 1 de setembro de 2010 VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE PNEUS INSERVÍVEIS COMO AGREGADOS NA COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PARA CALÇADA DE BORRACHA Daniele Elias dos Santos/Bolsista dani_esantos@yahoo.com.br

Leia mais

IMPRIMADURA ASFÁLTICA. Prof. Dr. Rita Moura Fortes.

IMPRIMADURA ASFÁLTICA. Prof. Dr. Rita Moura Fortes. IMPRIMADURA ASFÁLTICA Prof. Dr. Rita Moura Fortes. IMPRIMADURA ASFÁLTICA Também chamada de Imprimação ou Prime-Coat. Consiste na aplicação de uma camada de material asfáltico sobre a superfície de uma

Leia mais

BENEFÍCIOS DA INCORPORAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS EM PAVIMENTOS ASFÁLTICOS

BENEFÍCIOS DA INCORPORAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS EM PAVIMENTOS ASFÁLTICOS BENEFÍCIOS DA INCORPORAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS EM PAVIMENTOS ASFÁLTICOS Sandra Margarido Bertollo Departamento de Transportes - Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo (USP) José

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado 1 de 6 01/11/2010 22:15 Como Construir Whitetopping Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado Owhitetopping é uma técnica de recuperação de pavimentos asfálticos deteriorados (foto 1). A superfície recebe

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação IMPRIMAÇÃO (Prime Coat) ADP Bases Granulares - Aumentar coesão superficial - Impermeabilização - Aderência com revestimento ADP: CM-30 e CM-70

Leia mais

MISTURA ASFÁLTICA MODIFICADA POR BORROCHA DE PNEUS INSERVÍVEIS, COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL, PARA APLICAÇÃO NA PAVIMENTAÇÃO

MISTURA ASFÁLTICA MODIFICADA POR BORROCHA DE PNEUS INSERVÍVEIS, COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL, PARA APLICAÇÃO NA PAVIMENTAÇÃO MISTURA ASFÁLTICA MODIFICADA POR BORROCHA DE PNEUS INSERVÍVEIS, COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL, PARA APLICAÇÃO NA PAVIMENTAÇÃO Autoria: Tânea Aparecida Santos, Marcelo Guelbert, Tanatiana Ferreira Guelbert,

Leia mais

Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto

Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto André. T. C. Guimarães & Júlio C. P. Oliveira Departamento de Materiais e Construção FURG, Rio Grande, RS atcg@mikrus.com.br RESUMO: Este trabalho

Leia mais

DISPOSIÇÃO FINAL DE CIVIL CONTENDO AMIANTO. Instituto de Defesa do Patrimônio Nacional Dr. Carlos Roberto Crespo

DISPOSIÇÃO FINAL DE CIVIL CONTENDO AMIANTO. Instituto de Defesa do Patrimônio Nacional Dr. Carlos Roberto Crespo DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONTENDO AMIANTO Instituto de Defesa do Patrimônio Nacional Dr. Carlos Roberto Crespo CARACTERIZAÇÃO DE PARTÍCULAS RESPIRAVEIS Aerodispersóides ides Características

Leia mais

EXPERIMENTOS EM MISTURAS ASFÁLTICAS COM ADIÇÃO DE BORRACHA MOÍDA DE PNEUS

EXPERIMENTOS EM MISTURAS ASFÁLTICAS COM ADIÇÃO DE BORRACHA MOÍDA DE PNEUS EXPERIMENTOS EM MISTURAS ASFÁLTICAS COM ADIÇÃO DE BORRACHA MOÍDA DE PNEUS Cláudio Roberto de Oliveira 1, Sílvio José Ribeiro 2, Msc. Carlos Augusto Gomes 3, Dr. Gilbert Silva 4 1-2-3-4 UNIVAP/FEAU, Av.

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E PAGAMENTO. Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² 1 MEDIÇÃO E ORÇAMENTO Serviço: COMPACTAÇÃO E REGULARIZAÇÃO DO SUB-LEITO Unidade: M² A medição do serviço de regularização do sub-leito será feita por metro quadrado (m²) de pista concluída, de acordo com plataforma de terraplenagem

Leia mais

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ASFALTO-BORRACHA: CARACTERÍTICAS E BENEFICOS AMBIENTAIS DA TECNOLOGIA

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ASFALTO-BORRACHA: CARACTERÍTICAS E BENEFICOS AMBIENTAIS DA TECNOLOGIA ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ASFALTO-BORRACHA: CARACTERÍTICAS E BENEFICOS AMBIENTAIS DA TECNOLOGIA DAIANE FERREIRA DIAS, ANA PAULA PINHEIRO CAUNETO, ENOQUE PEREIRA DA SILVA,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 573, DE 1995

PROJETO DE LEI Nº 573, DE 1995 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI Nº 573, DE 1995 Dispõe sobre o certificado de garantia de quilometragem rodada de pneus novos para carros de passeio e dá outras

Leia mais

3 REUTILIZAÇÃO DE PNEUS

3 REUTILIZAÇÃO DE PNEUS 33 3 REUTILIZAÇÃO DE PNEUS 3.1 INTRODUÇÃO O processo de vulcanização de borracha foi descoberto casualmente por Charles Goodyear, em 1839, ao deixar cair enxofre em uma amostra de borracha que estava sendo

Leia mais

11/14/2013 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Lago de asfalto Trinidad e Tobago. Introdução (cont.) MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO: LIGANTES ASFÁLTICOS

11/14/2013 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Lago de asfalto Trinidad e Tobago. Introdução (cont.) MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO: LIGANTES ASFÁLTICOS 2 Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) INTRODUÇÃO Material impermeabilizante mais antigo: uso

Leia mais

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: Sumário. da aula. Terminologia

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: Sumário. da aula. Terminologia 1/31 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T4 Terraplenagens Sumário da aula Fundação e leito do pavimento Tratamento de materiais 2/31 Terminologia 3/31 Pavimento Fundação Terraplenagem

Leia mais

Graduando em Engenharia Civil do Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM.

Graduando em Engenharia Civil do Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM. CONTROLE TECNOLOGICO DO CAP (CIMENTO ASFALTICO DE PETROLEO) E DO CAP BORRACHA PARA PRODUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO Ariane Francislene Silva; Matheus da Mota Cavalcanti (¹); Nancy Tiemi Isewaki;(²) (¹) Graduando

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL Moura, Washington A.(1); Gonçalves, Jardel P. (2); (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia Civil, professor

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Gabinete Deputado Andre Bueno

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Gabinete Deputado Andre Bueno PROJETO DE LEI Nº SÚMULA: DISPÕE SOBRE A DESTINAÇÃO, À PRODUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, DE PNEUMÁTICOS INSERVÍVEIS. (RECICLAGEM DE PNEUS). Art. 1 A destinação final de pneumáticos inservíveis recolhidos

Leia mais

PAINEL MATERIAIS ALTERNATIVOS PARA PAVIMENTAÇÃO URBANA

PAINEL MATERIAIS ALTERNATIVOS PARA PAVIMENTAÇÃO URBANA PAINEL MATERIAIS ALTERNATIVOS PARA PAVIMENTAÇÃO URBANA Uma Alternativa Viável para Utilização de Resíduos de Produção e Beneficiamento de Ardósia em Misturas Asfálticas Tipo Pré-Misturado a Frio Autor:

Leia mais

4 PRODUÇÃO DO LIGANTE ASFALTO-BORRACHA - FATORES INTERVENIENTES E ESPECIFICAÇÕES

4 PRODUÇÃO DO LIGANTE ASFALTO-BORRACHA - FATORES INTERVENIENTES E ESPECIFICAÇÕES 57 4 PRODUÇÃO DO LIGANTE ASFALTO-BORRACHA - FATORES INTERVENIENTES E ESPECIFICAÇÕES 4.1 - INTRODUÇÃO O processo úmido consiste na incorporação da mistura da borracha de pneus moída com o ligante asfáltico

Leia mais

ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS DE MATERIAIS RECICLADOS COM A UTILIZAÇÃO DE ESPUMA ASFÁLTICA

ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS DE MATERIAIS RECICLADOS COM A UTILIZAÇÃO DE ESPUMA ASFÁLTICA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS DE MATERIAIS RECICLADOS COM A UTILIZAÇÃO DE ESPUMA ASFÁLTICA Josué Alves Roso 1, André Luis Martin 2 Ronaldo Almeida Costa 3 Fernando Augusto Uyehara Mantuani 4 1 Prof.

Leia mais

BEDNARCZUK. R. A. R¹ PATRICIO. F. S¹ SANTOS. R. P¹ SILVA. C. C. R¹ LUIZ. A. M. F² INTRODUÇÃO

BEDNARCZUK. R. A. R¹ PATRICIO. F. S¹ SANTOS. R. P¹ SILVA. C. C. R¹ LUIZ. A. M. F² INTRODUÇÃO PAVIMENTAÇÃO DE CALÇADAS UTILIZANDO BLOCOS DE CONCRETO RECICLADO: O USO DOS RESÍDUOS CERÂMICOS, PROVENIENTES DE INDUSTRIAS DA CIDADE DE CACOAL, COMO AGREGADO PARA O CONCRETO RECICLADO. BEDNARCZUK. R. A.

Leia mais

DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS

DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS DEFEITOS DE SUPERFÍCIE DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS Defeitos de superfície Os defeitos de superfície são os danos ou deteriorações na superfície dos

Leia mais