Exemplo Regressão Linear Múltipla

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exemplo Regressão Linear Múltipla"

Transcrição

1 Exemplo Regressão Linear Múltipla Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil 1 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

2 Salário de Executivos Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

3 Salário de Executivos Salário de Executivos Descrição dos Dados Como aplicação de modelos lineares normais vamos considerar os dados sobre o salário anual (em mil USD) de uma amostra aleatória de 220 executivos (145 homens e 75 mulheres). O salário será relacionado com as seguintes variáveis explicativas: (i) sexo (1: masculino; 0: feminino), (ii) posição na empresa (varia de 1 a 9), quanto maior o valor mais alta a posição e (iii) anos de experiência no cargo (Foster, Stine e Waterman, 1998, pp ). G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

4 Análise de Dados Preliminar Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

5 Análise de Dados Preliminar Boxplots Salários Executivos Salario Feminino Masculino G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

6 Análise de Dados Preliminar Comparação de Médias Descrição Sexo Amostra Média E.Padrão Masculino ,11 1,03 Feminino ,47 1,43 Diferença Teste-t valor-p Estimativa 3,64 2,06 0,04 E.Padrão 1,77 O valor-p indica diferença ao nível de 5%. Ignorando-se as demais variáveis há indícios de que os executivos ganham em média mais do que as executivas. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

7 Análise de Dados Preliminar Boxplots Posição e Experiência Posicao Experiencia Feminino Masculino Feminino Masculino G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

8 Análise de Dados Preliminar Dispersão Variáveis Homens salariom posicaom experm G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

9 Análise de Dados Preliminar Dispersão Variáveis Mulheres salariof posicaof experf G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

10 Ajuste Modelo Linear Normal Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

11 Ajuste Modelo Linear Normal Modelo Linear Normal Descrição Nota-se indícios de aumento do salário com o aumento da posição e aumento da experiência para ambos os sexos, sugerindo inicialmente um modelo linear: y i = β 1 +β 2 sexo i +β 3 exper i +β 4 posic i +ǫ i, para i = 1,...,220, em que y i denota o salário do i-ésimo executivo da amostra com ǫ i iid N(0,σ 2 ). G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

12 Ajuste Modelo Linear Normal Estimativas Descrição Aplicando o método de Akaike nenhuma variável é retirada do modelo. As estimativas dos parâmetros são dadas abaixo. Efeito Estimativa Erro padrão valor-t valor-p Constante 115,262 1,401 82,25 0,000 Experiência -0,472 0,113-4,17 0,000 SexoM -2,201 1,080-2,04 0,043 Posição 6,710 0,313 21,46 0,000 R 2 0,712 R 2 -ajustado 0,708 s 6,770 F 177,90 (3 e 216 g.l.) 0,000 Todas as variáveis são marginalmente significativas ao nível de 5%. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

13 Ajuste Modelo Linear Normal Interação entre Fatores Definição Ocorre quando a variação esperada para a resposta entre dois níveis quaisquer de um dos fatores não for a mesma segundo os níveis do outro fator. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

14 Ajuste Modelo Linear Normal Interação entre Fatores Definição Ocorre quando a variação esperada para a resposta entre dois níveis quaisquer de um dos fatores não for a mesma segundo os níveis do outro fator. Exemplo Presença de interação entre os fatores sexo e experiência significa que a diferença entre os salários médios de executivos e executivas não é a mesma à medida que varia o tempo de experiência. Interpretação similar para presença de interação entre sexo e posição. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

15 Ajuste Modelo Linear Normal Testando Interação entre Fatores Descrição Vamos testar a ausência das interações sexo*experiência, sexo*posição e experiência*posição, dado que estão no modelo constante + sexo + experiência + posição. Interação valor-f valor-p sexo*exper 1,615 0,20 sexo*posicão 0,001 0,97 exper*posição 7,594 0,00 Portanto, será incluída no modelo apenas a interação experiência*posição. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

16 Ajuste Modelo Linear Normal Modelo Linear Normal Descrição O modelo normal linear com interação entre experiência e exposição fica dado por: y i = β 1 +β 2 sexo i +β 3 exper i +β 4 posic i +β 5 exper i posic i +ǫ i, para i = 1,...,220, em que y i denota o salário do i-ésimo executivo iid da amostra com ǫ i N(0,σ 2 ). G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

17 Ajuste Modelo Linear Normal Estimativas Descrição As estimativas do modelo final são dadas abaixo. Efeito Estimativa Erro padrão valor-t valor-p Constante 108,042 2,961 36,48 0,000 Experiência 0,336 0,314 1,07 0,285 SexoM -2,811 1,087-2,59 0,010 Posição 8,096 0,590 13,73 0,000 Posic*Exper -0, , R 2 0,722 R 2 -ajustado 0,716 s 6,670 F 139,40 (4 e 215 g.l.) 0,000 Exceto experiência, todas as variáveis são marginalmente significativas ao nível de 1%. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

18 Diagnóstico Modelo Ajustado Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

19 Diagnóstico Modelo Ajustado Diagnóstico Modelo Ajustado Medida h Distancia de Cook Indice Indice Residuo Padronizado Residuo Padronizado Indice Valor Ajustado G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

20 Diagnóstico Modelo Ajustado Resíduos Modelo Ajustado Residuo Studentizado Percentil da N(0,1) G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

21 Diagnóstico Modelo Ajustado Variações nas Estimativas Observações Influentes Apenas duas observações #4 e #30 causam variações desproporcionais em algumas estimativas, embora não ocorram mudanças inferencias. Esses pontos causam variações, respectivamente, de -14% e 11%, na estimativa do coeficiente de sexo. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

22 Diagnóstico Modelo Ajustado Variações nas Estimativas Observações Influentes Apenas duas observações #4 e #30 causam variações desproporcionais em algumas estimativas, embora não ocorram mudanças inferencias. Esses pontos causam variações, respectivamente, de -14% e 11%, na estimativa do coeficiente de sexo. Identificação das Observações A observação de # 4 é de uma executiva com salário anual de USD 139 mil, posição 7 e 13,9 anos de experiência e a observação de # 30 é de um executivo com salário anual de USD 110 mil, posição 2 e 2,4 anos de experiência. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

23 Resultados Modelo Ajustado Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

24 Resultados Modelo Ajustado Modelo Ajustado Valor Predito O modelo ajustado fica dado por: ŷ(x) = 108, 042+0, 336 exper 2, 811 sexo+ +8, 096 posic 0, 135 posic exper, em que x = (exper, sexo, posic) T. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

25 Resultados Modelo Ajustado Modelo Ajustado Valor Predito O modelo ajustado fica dado por: ŷ(x) = 108, 042+0, 336 exper 2, 811 sexo+ +8, 096 posic 0, 135 posic exper, em que x = (exper, sexo, posic) T. Estimativas Qual o salário previsto para executivos com 5 anos de experiência e posição 4? Executiva: USD 139,406 mil Executivo: USD 136,595 mil. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

26 Resultados Modelo Ajustado Modelo Ajustado Executivas Descrição O modelo ajustado para o grupo de executivas fica dado por: ŷ(x) = 108, 042+8, 096 posic+(0, 336 0, 135 posic) exper. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

27 Resultados Modelo Ajustado Modelo Ajustado Executivas Descrição O modelo ajustado para o grupo de executivas fica dado por: ŷ(x) = 108, 042+8, 096 posic+(0, 336 0, 135 posic) exper. Interpretações Portanto, executivas com posição alta e muita experiência tendem a ganhar menos do que executivas com posição alta e menos experiência. Isso quer dizer que aquelas executivas que permanecerem menos tempo no cargo tendem a ganhar mais do que aquelas que ficarem mais tempo no cargo. Mesmo resultado para os homens. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

28 Conclusões Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

29 Conclusões Conclusões Considerações Finais Nota-se neste exemplo a importância da interação na interpretação dos resultados. Ignorando-se as variáveis posição e experiência os salários anuais dos executivos são em média significativamente maiores do que das executivas. Porém, quando essas variáveis entram no modelo ocorre o contrário, para uma mesma posição e mesma experiência as executivas ganham em média mais do que os executivos. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

30 Referências Sumário 1 Salário de Executivos 2 Análise de Dados Preliminar 3 Ajuste Modelo Linear Normal 4 Diagnóstico Modelo Ajustado 5 Resultados Modelo Ajustado 6 Conclusões 7 Referências G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

31 Referências Referências Referência Foster, D. P., Stine, R. A. e Waterman, R. P. (1998). Business Analysis using Regression. New York: Springer. G. A. Paula (IME-USP) Salário de Executivos 1 o Semestre / 27

Faturamento de Restaurantes

Faturamento de Restaurantes Faturamento de Restaurantes Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Faturamento de Restaurantes 2 o Semestre 2015 1 / 28

Leia mais

Exemplo Regressão Linear Simples

Exemplo Regressão Linear Simples Exemplo Regressão Linear Simples Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 1 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Área e Preço de Imóveis 1 o Semestre 2013 1 /

Leia mais

Exemplo Preferência de Automóveis

Exemplo Preferência de Automóveis Exemplo Preferência de Automóveis Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Preferência Automóveis 2 o Semestre 2013 1 /

Leia mais

Faturamento de Restaurantes

Faturamento de Restaurantes Faturamento de Restaurantes Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Faturamento de Restaurantes 2 o Semestre 2016 1 / 29

Leia mais

Exemplo Demanda de TV a Cabo

Exemplo Demanda de TV a Cabo Exemplo Demanda de TV a Cabo Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Demanda de TV a Cabo 2 o Semestre 2015 1 / 21 Demanda

Leia mais

Exemplo Número de Clientes da Loja

Exemplo Número de Clientes da Loja Exemplo Número de Clientes da Loja Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Clientes da Loja 2 o Semestre 2015 1 / 24 Clientes

Leia mais

Exemplo Falhas em Tecidos

Exemplo Falhas em Tecidos Exemplo Falhas em Tecidos Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Falhas em Tecidos 2 o Semestre 2016 1 / 27 Rolos de Tecido

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

Probabilidades e Estatística

Probabilidades e Estatística Departamento de Matemática - IST(TP) Secção de Estatística e Aplicações Probabilidades e Estatística 1 o Exame/1 o Teste/2 o Teste 2 o Semestre/1 a Época 2008/09 Duração: 3 horas/1 hora e 30 minutos 16/01/09

Leia mais

Comparação entre medidas clássicas e robustas para identificação de outliers em regressão

Comparação entre medidas clássicas e robustas para identificação de outliers em regressão Comparação entre medidas clássicas e robustas para identificação de outliers em regressão Gabriela Isabel L. Alves (1), Verônica Maria C. Lima (2) (1) Curso de Graduação em Estatística (2) Departamento

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Modelo Linear Geral V

Modelo Linear Geral V Modelo Linear Geral V Aula 10 Heij et al., 2004 Capítulo 5 Wooldridge, 2011 (4. ed) Capítulo 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA: O USO DA VARIÁVEL DUMMY Variável Dummy Uma

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica 1. Introdução Diogo Braga Mendes¹ Charlene de Carvalho Silva² Marinalva Cardoso Maciel³

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Desenvolvimento de Diabetes 2 o Semestre

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

Noções de Probabilidade

Noções de Probabilidade Noções de Probabilidade Bacharelado em Economia - FEA - Noturno 1 o Semestre 2015 Gilberto A. Paula G. A. Paula - MAE0219 (IME-USP) Noções de Probabilidade 1 o Semestre 2015 1 / 59 Objetivos da Aula Sumário

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 1 (24), 117-124. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Exemplo Turbinas de Avião

Exemplo Turbinas de Avião Exemplo Turbinas de Avião Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Turbinas de Avião 2 o Semestre 2015 1 / 29 Turbinas de

Leia mais

Exemplo Cupons com Desconto

Exemplo Cupons com Desconto Exemplo Cupons com Desconto Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Cupons com Desconto 2 o Semestre 2013 1 / 21 Cupons

Leia mais

Método dos mínimos quadrados - ajuste linear

Método dos mínimos quadrados - ajuste linear Apêndice A Método dos mínimos quadrados - ajuste linear Ao final de uma experiência muitas vezes temos um conjunto de N medidas na forma de pares (x i, y i ). Por exemplo, imagine uma experiência em que

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 2 INE 7001 PROF. MARCELO MENEZES REIS ANÁLISE BIDIMENSIONAL

LISTA DE EXERCÍCIOS 2 INE 7001 PROF. MARCELO MENEZES REIS ANÁLISE BIDIMENSIONAL LISTA DE EXERCÍCIOS INE 7 PROF. MARCELO MENEZES REIS ANÁLISE BIDIMENSIONAL ) Uma pesquisa foi realizada com os integrantes das três categorias (professores, servidores, estudantes) da UFSC. Perguntou-se

Leia mais

Modelos Logísticos e Hierárquicos

Modelos Logísticos e Hierárquicos 1 Modelos Logísticos e Hierárquicos Ernesto F. L. Amaral Magna M. Inácio 30 de setembro de 2010 Tópicos Especiais em Teoria e Análise Política: Problema de Desenho e Análise Empírica (DCP 859B4) REGRESSÃO

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Exercícios resolvidos em Análise de Regressão utilizando o MINITAB Giselle Silva de Carvalho Ilka Afonso Reis

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

Exemplo Cupons com Desconto

Exemplo Cupons com Desconto Exemplo Cupons com Desconto Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Cupons com Desconto 2 o Semestre 2016 1 / 22 Cupons

Leia mais

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2 V S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A E N S I N O QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Ramon Martinez Ribeiro Neto 1 Gilberto de Andrade Martins 2 RESUMO

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1) Um pesquisador está interessado em saber o tempo médio que

Leia mais

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas NOME: Turma: Processo Espaço Reservado para Classificações A utilização do telemóvel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 LISTA N O 2 Prof.: William Morán Sem. I - 2011 1) Considere a seguinte função distribuição conjunta: 1 2 Y 0 0,7 0,0

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados (Modelo de) Relatório: 1-Introdução (Nessa seção faz-se uma apresentação/contextualização do problema e descreve-se como está organizado o relatório) Ex: Neste trabalho temos o objetivo de traçar o perfil

Leia mais

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ano lectivo: 2008/2009 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ficha de exercícios 1 Validação de Pré-Requisitos: Estatística Descritiva Curso: Psicologia

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Bezerra, Lucicleide 1; Guimarães, Gilda 2 UFPE Resumo Este estudo investigou a compreensão de alunos da Educação

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O IBGE divulgou nesta quinta feira a Tábua IBGE-2010 que será utilizada pela Previdência Social, a partir de hoje até 30/11/2012, para

Leia mais

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas 5 Temas especiais: análise de séries temporais de causas de morte selecionadas SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE TENDÊNCIA DO RISCO DE MORTE POR ALGUMAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NAS

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA CAPÍTULO 9 9 RISCO E INCERTEZA 9.1 Conceito de Risco Um fator que pode complicar bastante a solução de um problema de pesquisa operacional é a incerteza. Grande parte das decisões são tomadas baseando-se

Leia mais

Análise descritiva das informações referentes a aluno, diretor e escola. Modelos de Regressão Multinivel:(dois níveis hierárquicos) Aluno Escola

Análise descritiva das informações referentes a aluno, diretor e escola. Modelos de Regressão Multinivel:(dois níveis hierárquicos) Aluno Escola Avaliação do Projeto Arte na Escola Resultados Janeiro 2012 Objetivo Avaliar o desempenho dos alunos da 8ª série nas provas de matemática e língua portuguesa das escolas públicas nas quais o professor

Leia mais

CENTRO DE ESTATÍSTICA APLICADA CEA USP RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTATÍSTICA

CENTRO DE ESTATÍSTICA APLICADA CEA USP RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTATÍSTICA CENTRO DE ESTATÍSTICA APLICADA CEA USP RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTATÍSTICA TÍTULO: Relatório de análise estatística sobre o projeto: Avaliação e pesquisa: Investigando as dificuldades em Matemática no Ensino

Leia mais

Exemplo MLG Misto. Gilberto A. Paula. Departamento de Estatística IME-USP, Brasil

Exemplo MLG Misto. Gilberto A. Paula. Departamento de Estatística IME-USP, Brasil Exemplo MLG Misto Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Placas Dentárias 2 o Semestre 2015 1 / 16 Placas Dentárias Sumário

Leia mais

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Luiz Ricardo Cavalcante 2 Ambiente de negócios é o nome genericamente atribuído às condições que circunscrevem, em um determinado

Leia mais

Exemplos Regressão Dados de Contagem

Exemplos Regressão Dados de Contagem Exemplos Regressão Dados de Contagem p. 1/26 Exemplos Regressão Dados de Contagem Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP MAE5763 - Modelos Lineares Generalizados 2 o semestre de 2011 Exemplos

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING

O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR! O que é o gerenciamento do crédito através do behavior scoring?! Como construir o behavior scoring?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como implantar

Leia mais

Decis: dividem os dados em décimas partes (cada parte tem 10% dos dados). São indicados por D 1, D 2,..., D 9.

Decis: dividem os dados em décimas partes (cada parte tem 10% dos dados). São indicados por D 1, D 2,..., D 9. Quartis, Decis e Percentis Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 7 A mediana é o valor que separa a quantidade de dados em duas partes igus: 50% dos dados abxo dela e 50% acima. Assim como a

Leia mais

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO Visando subsidiar a formulação de políticas e estratégias de ação que promovam, a médio e longo prazos, a redução das desigualdades

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

Área: Métodos Quantitativos. Modelagem da proporção de inadimplentes entre tomadores de empréstimo no Banco do Povo de Goiás utilizando Regressão Beta

Área: Métodos Quantitativos. Modelagem da proporção de inadimplentes entre tomadores de empréstimo no Banco do Povo de Goiás utilizando Regressão Beta Área: Métodos Quantitativos Modelagem da proporção de inadimplentes entre tomadores de empréstimo no Banco do Povo de Goiás utilizando Regressão Beta Sérgio de Holanda Rocha Mestre em Economia (UFPE PIMES)

Leia mais

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência 1 AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência Ernesto F. L. Amaral 23 e 25 de novembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Realizada pela Fundação João Goulart em 06/10/2013 41. A idade média de todos

Leia mais

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Tema DoE Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Introdução O DoE Design of Experiments é uma ferramenta

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Análise de Componente Principais (PCA) Wagner Oliveira de Araujo

Análise de Componente Principais (PCA) Wagner Oliveira de Araujo Análise de Componente Principais (PCA) Wagner Oliveira de Araujo Technical Report - RT-MSTMA_003-09 - Relatório Técnico May - 2009 - Maio The contents of this document are the sole responsibility of the

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO ATÉ APOSENTADORIA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFLA VIA MODELO DE COX

ESTUDO DO TEMPO ATÉ APOSENTADORIA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFLA VIA MODELO DE COX ESTUDO DO TEMPO ATÉ APOSENTADORIA DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFLA VIA MODELO DE COX Patrícia de Siqueira Ramos 1, Mário Javier Ferrua Vivanco 2 INTRODUÇÃO O servidor técnico-administrativo

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO 1) (PETROBRAS) A variância da lista (1; 1; 2; 4) é igual a: a) 0,5 b) 0,75 c) 1 d) 1,25 e) 1,5 2) (AFPS ESAF) Dada a seqüência de valores 4, 4, 2, 7 e 3 assinale a opção que dá o valor

Leia mais

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Método de Pesquisa Quantitativa TEXTO 8: PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Autora: Prof. Marina Bandeira,Ph.D. 1. POPULAÇÃO-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA Professor: Ernesto Friedrich de Lima Amaral Disciplina: Avaliação

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS

ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS Maria de Lourdes Lima Bragion 1, Nivaldo Bragion 2,

Leia mais

Dia das Crianças 2013 - ACIT

Dia das Crianças 2013 - ACIT NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO. PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Dia das Crianças 2013 - ACIT

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS observação = previsível + aleatória aleatória obedece algum modelo de probabilidade ferramenta: análise de variância identificar fatores, controláveis, que expliquem o fenômeno ou alterem a característica

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível

Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível Problema Um fabricante de bicos injetores de combustível instala um novo sistema digital de medição. Os investigadores

Leia mais

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Simone Silmara Werner Gurgel do Amaral Sara Regina Kulzer 2 Marcus Vinícius Silva Gurgel do Amaral Sílvia

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Área: 576.300,8km 2. 1. População

Área: 576.300,8km 2. 1. População Área: 576.300,8km 2 1. População Capitais Habitantes* Curitiba PR 1.587.315 Florianópolis SC 342.315 Porto Alegre RS 1.360.590 Total 3.290.220 *IBGE, censo 2004. 2. Estudantes Estudantes matriculados*

Leia mais

Exemplo Placas Dentárias

Exemplo Placas Dentárias Exemplo Placas Dentárias Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2016 G. A. Paula (IME-USP) Placas Dentárias 2 o Semestre 2016 1 / 20 Placas Dentárias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA SÉRIES, TABELAS E GRÁFICOS ESTATÍSTICOS Departamento de Estatística Tarciana Liberal TABELAS TABELAS TABELAS TABELAS TABELAS SÉRIES ESTATÍSTICAS Um gerente de produção da

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Reconhecimento de Padrões Revisão de Probabilidade e Estatística Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. http://lesoliveira.net Conceitos Básicos Estamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Estatística II LISTA DE EXERCÍCIOS 3 1. Testes de resistência à tensão foram feitas em duas estruturas

Leia mais

A política de seguro desemprego no contexto do mercado de trabalho brasileiro

A política de seguro desemprego no contexto do mercado de trabalho brasileiro 1 A política de seguro desemprego no contexto do mercado de trabalho brasileiro Ernesto F. L. Amaral (amaral@fafich.ufmg.br) Aline N. M. Mourão (alinenmmourao@gmail.com) Mariana E. Almeida (mariana.almeida88@gmail.com)

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais