PROJETO BIJUPIRÁ BAHIA. (Rachycentron canadum)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO BIJUPIRÁ BAHIA. (Rachycentron canadum)"

Transcrição

1 PROJETO BIJUPIRÁ BAHIA (Rachycentron canadum)

2 PANORAMA GERAL SOBRE A BAHIA PESCA Empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia que tem a finalidade de fomentar a aqüicultura e a pesca, mediante a implantação de projetos de natureza ECONÔMICA, SOCIAL E AMBIENTAL, como forma de contribuir para o desenvolvimento do Estado.

3 PLANEJAMENTO DAS AÇÕES ANÁLISE INSTITUCIONAL ANÁLISE SOBRE A ATIVIDADE DA PESCA E AQUICULTURA PRODUTO RECONHECIMENTO DA REALIDADE ATUAL ESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE ATIVIDADES DEFINIÇÃO DE AÇÕES PRIORITÁRIAS PESCADOS DA BAHIA A FORÇA DA PESCA E DA AQUICULTURA

4 PROJETO BIJUPIRA BAHIA

5 A Piscicultura Marinha no Estado da Bahia Cultivo Precursor: tilápia em estuário

6 O Baixo Sul da Bahia Valença Pres. Tancredo Neves Taperoá Cairu Nilo Peçanha Ituberá Piraí do Norte Igrapiúna Camamu Ibirapitanga Maraú

7 Parâmetros físico-químicos avaliados no início do cultivo nas localidades selecionadas para o experimento LOCALIDADE Salinidade (ppm) Oxigênio (mg/l) Temperatura ( o C) PH Corrente (m/min.) Preamar Baixa - mar Preamar Baixa - mar Preamar Baixa-- mar Preamar Baixa - mar Preamar Baixa - mar Canavieiras ,5 4,8 26,6 26, B. Serinhaém ,9 4, ,44 8,

8 DADOS DE CULTIVO DA TILÁPIA DENSIDADE DE ESTOCAGEM 250 peixes/m 3 PRODUTIVIDADE 150 Kg/m 3 PESO MÉDIO FINAL ENGORDA 700 a 900 gramas TEMPO DE CULTIVO 6 meses CONVERSÃO ALIMENTAR 1,6 a 1,8:1

9 Peixes Marinhos Testes de engorda iniciaram em 2001 com a Cioba (Lutjanus analis) e com o Robalo (Centropomus undecimalis e C. parallelus) Resultados de crescimento não muito satisfatórios (aprox. 600 g / ano) utilizando ração para peixes carnívoros (42% PB) Desde 2003 programa de manutenção e maturação de reprodutores destas espécies para testes futuros para formação de banco de reprodutores

10 Realização : Projeto Bijupirá Bahia

11 Bijupirá (Rachycentrum canadum)

12 Características do Bijupirá Peixe de carne branca, nobre e excelente sabor Não ocorre em cardumes na natureza dificuldade de captura em grandes volumes Fácil domesticação e adaptação às características de cultivo

13 Dados Fisiológicos do Bijupirá Conversão Alimentar : 1 (gramas de ração : grama de ganho de biomassa) Atinge em média 6 Kg em 1 ano de cultivo (taxa média de crescimento de 500 gramas/mês) Distribuição tropical / subtropical Tolerância de Temperatura: o C (ótimo O C) Tolerância de Salinidade: mg/l (ideal >30 mg/l)

14 Objetivos do Projeto Implantação do laboratório para a produção de ovos, larvas e alevinos Transferência da tecnologia de desova, larvicultura, alevinos e engorda Produção inicial de alevinos de Bijupirá por ano Produção inicial de Kg de Bijupirá com tamanho de mercado (5-6 Kg)

15 Implantação de infra-estrutura Unidade da BAHIA PESCA: FAZENDA ORUABO Santo Amaro - Ba

16 Implantação do Laboratório Baía de Todos os Santos Capacidade de Produção: alevinos/ano

17 ESTRUTURA DE LABORATÓRIO

18 Fases de desenvolvimento

19 COMPARATIVO DE CRESCIMENTO 45 DIAS APÓS ECLOSÃO BIJUPIRÁ 5,5 g 11,5 cm CIOBA 0,2 g 2,0 cm

20 PLANTEL DE REPRODUTORES

21 O RECONHECIMENTO FISH FARMER, 2006

22 IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS PRODUTIVOS

23 Projeto: fazenda marinha demonstrativa Local: Baía de Todos os Santos BAHIA Temperatura média: 26 o C Salinidade 30 a 37 mg/l Qualidade de água muito boa Berçário natural da espécie Proximidade de Porto e Aeroporto Disponibilidade de mão-de-obra especializada e suprimentos

24 Unidade Demonstrativa de Engorda Parceria SEAP BAHIA PESCA Tanques-rede de superfície com m 3 cada Meta de Produção 60 toneladas/ano Baía de Todos os Santos Projeto em fase final de licenciamento

25 Projeto: Cultivo Familiar de Bijupirá Tanques circulares em fase de confecção Implantação de 100 tanquesrede Volume individual de 80 m 3 Densidade: 4 peixe/m 3 Biomassa esperada: 15 kg/m 3

26 SURGIMENTO DA PROPOSTA: A distorção social encontrada no segmento da pesca; Aumento do extrativismo, reduzindo a capacidade de regeneração dos estoques; Necessidade de reduzir esforço de pesca, com direcionamento para as atividades de cultivo. O bijupirá surge como alternativa, sendo apresentado às comunidades de forma a despertar vontade de modificar a condição social e econômica.

27 LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DO PROJETO

28 OBJETIVO DO PROJETO Gerar fonte alternativa de renda para o segmento da pesca; Transferir conhecimento para as comunidades pesqueiras; Difundir tecnologia; Promover o crescimento social e econômico, através da produção e comercialização; Viabilizar técnico-economicamente o cultivo de bijupirá em tanques-rede; Aplicar tecnologia de cultivo para comunidades de pescadores artesanais; Estabelecer e acompanhar os indicadores tecnológicos e sociais visando a avaliação constante dos resultados do projeto; Testar este modelo de produção para o público do PRONAF.

29 POPULAÇÃO ENVOLVIDA NO PROJETO No. DE FAMÍLIAS PESCADORES MARISQUEIRAS OSTREIROS CATADORES DE CARANGUEJO

30 PARTICIPAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS E APROPRIAÇÃO DOS RESULTADOS DO PROJETO Identificação das condições técnicas para implantação; Seleção das comunidades; Início da parceria de produção com definição dos representantes das comunidades; Acompanhamento da BAHIA PESCA (assistência técnica e logística); Estabelecimento de parceria para aquisição do produto (BAHIA PESCA EBAL).

31 RESULTADOS ESPERADOS Famílias aptas a conduzir cultivos com tecnologia e sustentabilidade ambiental; Comunidades capacitadas para futuros empreendimentos; Obtenção de indicadores ambientais, sociais e econômicos; Integração e articulação com as políticas públicas de fomento ao Desenvolvimento Econômico e Social.

32 ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE Serão analisados os resultados sociais e as alterações dos índices obtidos em cada comunidade envolvida. Os resultados serão divulgados para outras comunidades através das oficinas, objetivando a propagação da atividade com sustentabilidade ambiental e com seus benefícios sociais e econômicos.

33 MONITORAMENTO DE VARIÁVEIS AMBIENTAIS E DO CULTIVO A qualidade da água e do solo da área de cultivo será monitorada antes e durante a execução da engorda. As técnicas de amostragem, preservação e análises dos parâmetros físico-químicos e bacteriológicos O monitoramento da qualidade da água será realizado com base nos parâmetros sugeridos na Resolução CONAMA nº 357/2005. A qualidade da água é considerada o principal fator para o sucesso do cultivo. Além dos parâmetros de monitoramento nos tanques de cultivo, serão efetuadas também campanhas de amostragem na coluna d água em estações previamente determinadas, a fim de observar possíveis alterações ambientais.

34 AS VARIÁVEIS SERÃO ANALISADAS NAS FREQÜÊNCIAS DETERMINADAS Leitura in situ dos parâmetros de qualidade de água (salinidade, temperatura, ph e oxigênio dissolvido) às 07:00h e 17:00h no centro de três tanques-rede (dois na extremidade e um no centro) no interior e na área externa de cada unidade. Essas leituras serão realizadas através de uma sonda multiparâmetro. SEMANAL: Limpeza das telas para desagregar macroalgas fixadas às malhas de cultivo Mergulho de inspeção para detectar condição das telas, presença de peixes mortos e amarração. QUINZENAL: Coleta de água e de material de substrato em três pontos distintos na área de cultivo (ponto de entrada da corrente, na área central de uma gaiola de cultivo, saída da corrente): nitrito, nitrato, nitrogênio amoniacal, sólidos em suspensão, fósforo total.

35 AS VARIÁVEIS SERÃO ANALISADAS NAS FREQÜÊNCIAS DETERMINADAS MENSAL: Biometria (peso individual e comprimento total) dos animais estocados (15 animais por tanque-rede, i.e., 10% da população total) Avaliação da condição patológica dos animais (presença de parasitas, coloração, lesões, deformidades) TRIMESTRAL: Coleta de sedimento em dois pontos da área do cultivo (ponto abaixo de um tanque-rede de cultivo e m de distância do último tanque acompanhando o sentido da corrente) para análise de matéria orgânica e ph (10 cm de solo) e nutrientes. SEMESTRAL: Coleta de sedimento para análise de hidrocarbonetos e metais pesados (antes, durante e depois do experimento).

36 Criando NOSSA MARCA Procedimentos para Proteção Intelectual:

37 PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO CENTRO DE REFERÊNCIA EM AQÜICULTURA MARINHA AÇÕES PROPOSTAS: Desenvolvimento de estudos e pesquisas; Desenvolvimento de tecnologias aplicadas ao setor produtivo; Implantação de laboratório de controle de efluentes Realização de cursos, treinamentos e seminários; Desenvolvimento de cultivos alternativos; Interação dos projetos com as comunidades tradicionais; Implantação de fazendas padrão / projetos produtivos; Desenvolvimento de modelos de beneficiamento do pescado;

38 Áreas de atuação Malacocultura (bivalves: ostras e mexilhões) Algacultura (micro e macroalgas) Carcinicultura (camarão, caranguejo e siri) Piscicultura marinha (bijupirá, robalo e vermelho e olho de boi).

39 ESPÉCIE: Seriola dumerilli Nomes Comuns: Olho-de-boi, Pitangola, Arabaiana. Cultivado comercialmente no Havaí, no Mediterrâneo e no Japão, onde é popularmente conhecido como Kampachi. Nos restaurantes japoneses o olho-de-boi é um peixe muito apreciado para o sashimi.

40 Ocorrência Circum-global; Tolerância a variações de temperatura (16º C 30º C); Crescimento médio de 2 3 Kg por ano; Boa aceitação no mercado externo.

41 INFRAESTRUTURA DISPONÍVEL: 70 ha de espelho d água Laboratórios Alojamento e refeitório para 20 pessoas Área livre de 65 ha

42

43 CULINÁRIA

44 OBRIGADO, Marcos Rocha Biólogo, Assessor Especial da Presidência BAHIA PESCA

23/11/2009 DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA MARINHA PODE SER UMA ALTERNATIVA PARA A AQUICULTURA BRASILEIRA

23/11/2009 DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA MARINHA PODE SER UMA ALTERNATIVA PARA A AQUICULTURA BRASILEIRA 23/11/2009 1 23/11/2009 2 23/11/2009 Pontos importantes são considerados para que piscicultura marinha avance em qualquer lugar do mundo e necessitam ser aplicados em benefício da atividade no Brasil.

Leia mais

CRIAÇÃO DE BIJUPIRÁ EM SISTEMA DE RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA

CRIAÇÃO DE BIJUPIRÁ EM SISTEMA DE RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA CRIAÇÃO DE BIJUPIRÁ EM SISTEMA DE RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA Luís André Sampaio Universidade Federal do Rio Grande - FURG Instituto de Oceanografia Laboratório de Piscicultura Estuarina e Marinha sampaio@mikrus.com.br

Leia mais

PISCICULTURA PARA MULHERES EM COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB

PISCICULTURA PARA MULHERES EM COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB PISCICULTURA PARA MULHERES EM COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB SANTOS, Adriano Prazeres dos ¹ RODRIGUES, Marcelo Luis² Centro de Ciências Agrárias/Departamento de Zootecnia/ PROBEX RESUMO Esta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA EM TANQUES-REDE Bahia Pesca

DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA EM TANQUES-REDE Bahia Pesca DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA EM TANQUES-REDE Bahia Pesca 1997-2005 DEMANDA DO GOVERNO DO ESTADO Elaborar um PROGRAMA com o objetivo de otimizar o uso dos recursos hídricos existentes no semi-árido.

Leia mais

ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1

ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1 ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1 Meliza Mercedes Uller Antunes 2 ; Karen da Cruz Hartman 3 ; Luis Sérgio Moreira 4 ; Adolfo Jatobá 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

Qualidade da Água para a Aquicultura

Qualidade da Água para a Aquicultura Qualidade da Água para a Aquicultura Perila Maciel Rebouças Mestranda em Engenharia Agrícola UFC Engenharia de Sistemas Agrícolas - Ambiência Agrícola (Piscicultura) 11/01/2013 Definições Aqui = água e

Leia mais

Com excelentes condições ambientais, piscicultura marinha carece de investimentos

Com excelentes condições ambientais, piscicultura marinha carece de investimentos SEGMENTOS DA AQUICULTURA Produção Com excelentes condições ambientais, piscicultura marinha carece de investimentos Ronaldo Olivera Cavalli* Rodrigo Estevam Munhoz de Almeida Bombas captam água em manguezal

Leia mais

CULTIVO DE PEIXE EM TANQUES-REDE Minas Gerais. Palestrante: Elizabeth Lomelino Cardoso

CULTIVO DE PEIXE EM TANQUES-REDE Minas Gerais. Palestrante: Elizabeth Lomelino Cardoso CULTIVO DE PEIXE EM TANQUESREDE Minas Gerais Palestrante: Elizabeth Lomelino Cardoso 16 bacias hidrográficas Altitude acima de 600 m (57%) Temperatura média anual inferior a 20 o C Reservatórios públicos

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

Raúl Malvino Madrid Editor. dum) é a única espécie da família Rachycentridae,

Raúl Malvino Madrid Editor. dum) é a única espécie da família Rachycentridae, Novembro/2011 ANO 2 N o 7 Universidade Federal do Ceará (UFC) Instituto de Ciências do Mar (LABOMAR) BEIJUPIRÁ NEWS EDITORIAL Nesta edição News. Com satisfação estamos lançando a sétima edição do Beijupirá

Leia mais

Densidade de estocagem de alevinos no cultivo de lambaris

Densidade de estocagem de alevinos no cultivo de lambaris Densidade de estocagem de alevinos no cultivo de lambaris Xister, Renan 1 ; Moreira, Luiz Sérgio 2 ; Ferreira, Mario 3 ; Jatobá, Adolfo 3 1,2,3 IFCatarinense, Araquari/SC INTRODUÇÃO Existem cerca de cem

Leia mais

Comunicado Técnico 07

Comunicado Técnico 07 Comunicado Técnico 07 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Produção de Tilápias em Tanques-Rede Instruções Técnicas Responsáveis: Gisele Cristina Fávero E-mail: giselefav82@yahoo.com.br Mestre em Zootecnia;

Leia mais

Produção de peixes nativos: vocação do estado mato-grossense. Darci Carlos Fornari Genetic Fish Rise

Produção de peixes nativos: vocação do estado mato-grossense. Darci Carlos Fornari Genetic Fish Rise Produção de peixes nativos: vocação do estado mato-grossense Darci Carlos Fornari --------------------- Genetic Fish Rise Produção de proteína no mundo: Produto Produção (Mil ton) Exportação** (mil ton)

Leia mais

Sistemas de cultivo em Piscicultura

Sistemas de cultivo em Piscicultura Sistemas de cultivo em Zootecnista MSc. Darci Carlos Fornari Sistemas de cultivo Extensivo Semi-intensivo Intensivo Extensivo Utilizado para o lazer 1 peixe a cada 1,5 a 5,0 m 2 Sem uso ração Semi-intensivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA FAMILIAR COMO ATIVIDADE SUSTENTÁVEL EM UMA COMUNIDADE DE PESCADORES ARTESANAIS

DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA FAMILIAR COMO ATIVIDADE SUSTENTÁVEL EM UMA COMUNIDADE DE PESCADORES ARTESANAIS DESENVOLVIMENTO DA PISCICULTURA FAMILIAR COMO ATIVIDADE SUSTENTÁVEL EM UMA COMUNIDADE DE PESCADORES ARTESANAIS FIALHO (1), Lázaro da Cruz Ribeiro PRAXEDES (2), Rayssa Cristine Gomes SANTOS (3), Danilo

Leia mais

FOMENTAR e APOIAR a ORGANIZAÇÃO e o DESENVOLVIMETO da CADEIA PRODUTIVA da AQUACULTURA

FOMENTAR e APOIAR a ORGANIZAÇÃO e o DESENVOLVIMETO da CADEIA PRODUTIVA da AQUACULTURA CÂMARA TÉCNICA SETORIAL da AQUACULTURA Objetivo FOMENTAR e APOIAR a ORGANIZAÇÃO e o DESENVOLVIMETO da CADEIA PRODUTIVA da AQUACULTURA Prof. Aluísio Pimenta Coordenador Assessoria do Governador A Aquacultura

Leia mais

Panorama da Aqüicultura Nacional Pesquisador João Donato Scorvo Filho

Panorama da Aqüicultura Nacional Pesquisador João Donato Scorvo Filho Panorama da Aqüicultura Nacional Pesquisador João Donato Scorvo Filho jdscorvo@sp.gov.br A aqüicultura, em franco desenvolvimento, vem se impondo como atividade pecuária, embora ainda seja considerada

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA, AO LONGO DA CADEIA PRODUTIVA DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus), NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

Projeto Estruturante de Pirarucu da Amazônia. Martin Halverson

Projeto Estruturante de Pirarucu da Amazônia. Martin Halverson Projeto Estruturante de Pirarucu da Amazônia Martin Halverson 67-9996-8739 mmhalver@terra.com.br Realidade da Industria do Paiche Hoy Industria pouca Consolidada- Precisa se Organizar Custo Elevada de

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011 Ministério da Pesca e Aquicultura PLANO PLURIANUAL 2008-2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Secretaria Especial de Aqüicultura Aquicultura e Pesca EXERCÍCIO

Leia mais

CADEIA PRODUTIVA DO PIRARUCU. Diagnóstico, produção, industrialização e comercialização

CADEIA PRODUTIVA DO PIRARUCU. Diagnóstico, produção, industrialização e comercialização CADEIA PRODUTIVA DO PIRARUCU Diagnóstico, produção, industrialização e comercialização CARACTERÍSTICAS DA ESPÉCIE RUSTICIDADE CARNE DE ALTA QUALIDADE COM BAIXO ÍNDICE DE GORDURA ATINGE 10 A 16 KG/ANO RESPIRAÇÃO

Leia mais

Cultivo experimental de beijupirá Ilha Grande RJ: uma realidade

Cultivo experimental de beijupirá Ilha Grande RJ: uma realidade BEIJUPIRÁ NEWS Ano II N o 7 Cultivo experimental de beijupirá Ilha Grande RJ: uma realidade Artur Nishioka Rombenso Aluno de pos-graduação da FURG e um dos responsáveis técnicos do cultivo. Histórico A

Leia mais

Capa PRODUÇÃO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE NO ESTADO DE SÃO PAULO

Capa PRODUÇÃO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE NO ESTADO DE SÃO PAULO PRODUÇÃO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE NO ESTADO DE SÃO PAULO 4º Workshop do Grupo de Trabalho em Camarão de Água Doce - GTCAD helenicebarros@pesca.sp.gov.br Centro de Pesquisa do Pescado Continental Instituto

Leia mais

Áreas de Atuação do Engenheiro de Pesca

Áreas de Atuação do Engenheiro de Pesca Universidade Estadual do Oeste do Paraná Centro de Engenharias e Ciências Exatas Curso de Engenharia de Pesca Áreas de Atuação do Engenheiro de Pesca Avaliação dos Recursos Pesqueiros e Impacto Ambiental

Leia mais

Panorama da Tilapicultura no Nordeste Brasileiro: Produção e Qualidade de Água Modelo do Ceará

Panorama da Tilapicultura no Nordeste Brasileiro: Produção e Qualidade de Água Modelo do Ceará Panorama da Tilapicultura no Nordeste Brasileiro: Produção e Qualidade de Água Modelo do Ceará Allison Paulino Medeiros Coord. Técnico de Piscicultura Temas abordados 1. Panorama Atual da Tilapicultura

Leia mais

Modelo de produção de peixes no Baixo São Francisco

Modelo de produção de peixes no Baixo São Francisco Modelo de produção de peixes no Baixo São Francisco Carlos Alberto da Silva Pesquisador Aqüicultura: Tema estratégico no CPATC Reunião de Planejamento da Pesquisa (2006=>2007) Inclusão de um nova área:

Leia mais

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Brasília, abril de 2014 Sumário da Apresentação Política Nacional de Desenvolvimento Regional PNDR; Programa Rotas de Integração

Leia mais

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU:

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: OPORTUNIDADES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARTIN HALVERSON DIRETOR TECNOLÓGICO: PROJETO PACU AQUICULTURA TEMAS GERAIS Estado da Tecnologia Oportunidades Problemas

Leia mais

ADAPTABILIDADE DA GAROUPA VERDADEIRA (Epinephelus marginatus) A VIVEIROS DE CAMARÃO

ADAPTABILIDADE DA GAROUPA VERDADEIRA (Epinephelus marginatus) A VIVEIROS DE CAMARÃO ADAPTABILIDADE DA GAROUPA VERDADEIRA (Epinephelus marginatus) A VIVEIROS DE CAMARÃO Claudia Ehlers Kerber, MV, MSc - Responsável Técnica pela Redemar Alevinos, Ilhabela, SP - www.redemaralevinos.com.br

Leia mais

RIO+20: OCEANOS, MARES E ZONAS COSTEIRAS. Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Tarciso Dal Maso Jardim 2

RIO+20: OCEANOS, MARES E ZONAS COSTEIRAS. Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Tarciso Dal Maso Jardim 2 RIO+20: OCEANOS, MARES E ZONAS COSTEIRAS Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 Tarciso Dal Maso Jardim 2 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, abordará a conservação,

Leia mais

23/11/2009 A LARVICULTURA E ALEVINAGEM DO BIJUPIRÁ

23/11/2009 A LARVICULTURA E ALEVINAGEM DO BIJUPIRÁ A LARVICULTURA E ALEVINAGEM DO BIJUPIRÁ O ciclo de produção de alevinos do Bijupirá tem início nos tanques de maturação, onde as fêmeas e os machos são mantidos em instalações adequadas e altamente controladas.

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Aquicultura e Pesca

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Aquicultura e Pesca Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Aquicultura e Pesca PANORAMA ATUAL E PERSPECTIVAS DE CURTO E MÉDIO PRAZO PARA O SETOR AQUICOLA BRASILEIRO X SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE AQUICULTURA

Leia mais

Valorização Sustentável do Polvo (Octopus vulgaris)

Valorização Sustentável do Polvo (Octopus vulgaris) Valorização Sustentável do Polvo (Octopus vulgaris) DGRM, Isabel Teixeira, Quarteira, 17 de junho de 2013 GESTÃO SUSTENTÁVEL DO RECURSO A Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos

Leia mais

CULTIVO DE PEIXES EM TANQUES-REDE E IMPACTOS AMBIENTAIS

CULTIVO DE PEIXES EM TANQUES-REDE E IMPACTOS AMBIENTAIS CULTIVO DE PEIXES EM TANQUES-REDE E IMPACTOS AMBIENTAIS Evoy Zaniboni Filho Alex Pires de Oliveira Nuñer Renata Maria Guereschi Samara Hermes-Silva Universidade Federal de Santa Catarina Produção mundial

Leia mais

REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS A) - QUANDO O CORPO HÍDRICO FOR UM AQUÍFERO (ÁGUA SUBTERRÂNEA/POÇO) 01 - Para todos os usos apresentar:

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES

SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES Laboratório de Piscicultura Marinha - LAPMAR, Departamento de Aqüicultura

Leia mais

FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA

FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA Aula 03 Conceitos da oceanografia aplicada na pescaria Alguns conceitos importantes envolvendo estoques pesqueiros A pesca no Mundo (contexto atual) João Vicente Mendes

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESCA E AQUICULTURA

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESCA E AQUICULTURA POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESCA E AQUICULTURA EUVALDO BRINGEL OLINDA Secretário Adjunto da Agricultura, Pesca e Aquicultura do Estado do Ceará - SEAPA/CE MISSÃO INSTITUCIONAL Promover

Leia mais

No segundo painel do projeto Campo Futuro da Aquicultura, piscicultores discutem os custos de produção da aquicultura do sudeste do Tocantins

No segundo painel do projeto Campo Futuro da Aquicultura, piscicultores discutem os custos de produção da aquicultura do sudeste do Tocantins Edição 2 2014 No segundo painel do projeto Campo Futuro da Aquicultura, piscicultores discutem os custos de produção da aquicultura do sudeste do Tocantins O segundo Painel do Projeto Campo Futuro de Aquicultura,

Leia mais

PESCADO Industrialização & Comercialização. Meg C Felippe

PESCADO Industrialização & Comercialização. Meg C Felippe PESCADO Industrialização & Comercialização Meg C Felippe CONTEXTO NACIONAL Alguns pontos favoráveis 8,4 mil km de costa marinha 14% do recurso hídrico mundial 12% da água doce disponível no planeta Diversidade

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Riolândia - SP

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Riolândia - SP Edição 25 2016 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Riolândia - SP No dia 26 de julho de 2016, em Riolândia, região noroeste do estado de São

Leia mais

DEJETOS DE SUÍNOS COMO FONTE PROTÉICA. DE PIAUÇU (Leporinus p macrocephalus).

DEJETOS DE SUÍNOS COMO FONTE PROTÉICA. DE PIAUÇU (Leporinus p macrocephalus). DEJETOS DE SUÍNOS COMO FONTE PROTÉICA ALTERNATIVA PARA ALEVINOS DE PIAUÇU (Leporinus p macrocephalus). ) LUCIENE DE MORAES GARCIA LUCIENE DE MORAES GARCIA MSc em Ciência Ambiental / UFF lmoraesgarcia@yahoo.com.br

Leia mais

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba O que é Codevasf? Criada em 1974, a Codevasf é uma empresa pública responsável

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Morada Nova de Minas

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Morada Nova de Minas Edição 21 2016 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Morada Nova de Minas No dia 01 de abril de 2016, em Morada Nova de Minas, região central de

Leia mais

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção de tilápia em viveiro escavado em Tubarão SC

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção de tilápia em viveiro escavado em Tubarão SC Edição 23 2016 Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção de tilápia em viveiro escavado em Tubarão SC No dia 2 de junho de 2016, no Centro de Treinamento da Epagri de Tubarão - CETUBA, no

Leia mais

Lei Nº , de 26 de junho de 2009

Lei Nº , de 26 de junho de 2009 Lei Nº 11.958, de 26 de junho de 2009 Altera as Leis nos 7.853, de 24 de outubro de 1989, e 10.683, de 28 de maio de 2003; dispõe sobre a transformação da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da

Leia mais

Benefícios e Desafios da Intensificação da Carcinicultura em Águas Interiores

Benefícios e Desafios da Intensificação da Carcinicultura em Águas Interiores Benefícios e Desafios da Intensificação da Carcinicultura em Águas Interiores Clélio Fonseca Eng. de Pesca Consultor Técnico MCR Aquacultura FENACAM 2016 FORTALEZA CE www.mcraquaultura.com.br Fontes de

Leia mais

Construção e M anejo de Tanques em Piscicultura. Z ootec. M S c. Daniel M ontagner

Construção e M anejo de Tanques em Piscicultura. Z ootec. M S c. Daniel M ontagner Construção e M anejo de Tanques em Piscicultura Z ootec. M S c. Daniel M ontagner Principais f atores determinantes Planejamento: ações e etapas de implantação do empreendimento. Avaliação e seleção das

Leia mais

Piscicultores discutem os custos de produção de pintado em Sorriso-MT

Piscicultores discutem os custos de produção de pintado em Sorriso-MT Edição4 2014 Piscicultores discutem os custos de produção de pintado em Sorriso-MT Produtores e técnicos da região de Sorriso, no Mato Grosso, se reuniram em um painel no dia 17 de setembro de 2014 para

Leia mais

Biometria de peixes, variáveis de desempenho e organização dos dados

Biometria de peixes, variáveis de desempenho e organização dos dados Biometria de peixes, variáveis de desempenho e organização dos dados Daniel Rabello Ituassú, M.Sc. Embrapa Agrossilvipastoril Sistema de produção aquícola Nutrição de peixes Introdução Introdução Produção

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE PORTARIA SEMMA/ITB nº 003/2016. Define os critérios para enquadramento de obra ou empreendimentos/atividades de baixo potencial poluidor/degradador ou baixo impacto ambiental passíveis de Dispensa de Licenciamento

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA

PLANO DE ACÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO MAR, ÁGUAS INTERIORES E PESCAS INSTITUTO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA PESCA E AQUACULTURA PLANO DE ACÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA AQUACULTURA 1 Introdução Objectivos

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da PISCICULTURA na Região do Complexo Nascentes do Pantanal no Estado de Mato Grosso

Projeto de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da PISCICULTURA na Região do Complexo Nascentes do Pantanal no Estado de Mato Grosso Projeto de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da na Região do Complexo Nascentes do Pantanal no Estado de Mato Grosso ÁREA do PROJETO LOCALIZAÇÃO Cadeia Produtiva da 42.973 km² 200.242 Hab. Em 2007 Mato

Leia mais

A promissora maricultura da Baía da Ilha Grande

A promissora maricultura da Baía da Ilha Grande Panorama da AQÜICULTURA, novembro, dezembro 2015 1 A promissora maricultura da Baía da Ilha Grande Proximidade com os dois maiores centros econômicos do país, São Paulo e Rio de Janeiro, possibilita a

Leia mais

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus Cristhian Roberto Hartmann¹, Anderson Sloboda 1, Álvaro Célio Grocholski 1, Luiz Henrique da Silva 2, Moreira, Luiz Sérgio 3, Adolfo JATOBÁ 4. ¹Bolsista 170/2014

Leia mais

AQUACULTURA PISCICULTURA. Perspectivas e entraves na Piscicultura

AQUACULTURA PISCICULTURA. Perspectivas e entraves na Piscicultura AQUACULTURA PISCICULTURA Perspectivas e entraves na Piscicultura A Cadeia de Produção da Aqüicultura no Brasil compõe-se dos segmentos: insumos e serviços, sistemas produtivos, setores de transformação,

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Felixlândia

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Felixlândia Edição 20 2016 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Felixlândia No dia 31 de março de 2016, em Felixlândia, região central do estado de Minas

Leia mais

Núcleo de Aquacultura e Biotecnologia Marinha: Linhas de Pesquisa, Planejamento e Ações. Rio Grande, 13 de Junho de 2014!

Núcleo de Aquacultura e Biotecnologia Marinha: Linhas de Pesquisa, Planejamento e Ações. Rio Grande, 13 de Junho de 2014! Núcleo de Aquacultura e Biotecnologia Marinha: Linhas de Pesquisa, Planejamento e Ações Rio Grande, 13 de Junho de 2014! Atividades desenvolvidas Ensino: - Graduação - PPGAqua Pesquisa: - 20 anos da EMA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.653, DE 10 DE JANEIRO DE 1996 1 Define e disciplina a piscicultura no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. 2 O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, faço saber que a Assembléia

Leia mais

TÉCNICAS DE MANEJO DA ENGORDA DO

TÉCNICAS DE MANEJO DA ENGORDA DO TÉCNICAS DE MANEJO DA ENGORDA DO PIRARUCU João L. Campos Eng. Agrônomo, M. Sc. Aquicultura Brasília/DF, 09 de novembro de 2016 Projeto Estruturante Pirarucu da Amazônia Projeto de conhecimento e tecnologia

Leia mais

Cultivo misto de camarão e tilápia: oportunidades, benefícios e desafios. Fernando Kubitza Acqua Imagem

Cultivo misto de camarão e tilápia: oportunidades, benefícios e desafios. Fernando Kubitza Acqua Imagem Cultivo misto de camarão e tilápia: oportunidades, benefícios e desafios. Fernando Kubitza Acqua Imagem Disponibilidade de água doce na maior parte do Nordeste está limitada aos grandes açudes / reservatórios.

Leia mais

Ideli Salvatti Ministra da Pesca e Aquicultura

Ideli Salvatti Ministra da Pesca e Aquicultura Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional Ideli Salvatti Ministra da Pesca e Aquicultura 24/5/2011 1 Panorama Mundial 2007/2008 Produção Regional 2008/2009 Produção por estado

Leia mais

O PROGRAMA PEIXE VIVO

O PROGRAMA PEIXE VIVO O PROGRAMA PEIXE VIVO Programa Peixe Vivo O Programa Peixe Vivo foi lançado em junho de 2007 por iniciativa da Cemig. Ele prevê a criação e expansão de ações voltadas para a preservação da fauna aquática

Leia mais

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção de tilápia em viveiro escavado na região da Mogiana SP

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção de tilápia em viveiro escavado na região da Mogiana SP Edição 26 2016 Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção de tilápia em viveiro escavado na região da Mogiana SP No dia 27 de julho de 2016, no Sindicato Rural de Mococa, no nordeste do estado

Leia mais

Tecnologia. Marcos Câmara. jan abr 2002

Tecnologia. Marcos Câmara. jan abr 2002 34 Tecnologia Tecnologia 35 Fazenda experimental de artêmia aponta potencial das salinas brasileiras Pesquisas encontram solo fértil no Rio Grande do Norte; projeto será unidade piloto para os testes de

Leia mais

Propriedades rurais que têm como objetivo básico, a produção de animais aquáticos, ou a pesca principalmente como lazer.

Propriedades rurais que têm como objetivo básico, a produção de animais aquáticos, ou a pesca principalmente como lazer. 15. PISCICULTURA E DEMAIS ORGANISMOS AQUÁTICOS Propriedades rurais que têm como objetivo básico, a produção de animais aquáticos, ou a pesca principalmente como lazer. Classificam-se em: Estação de alevinagem/juvenis/sementes

Leia mais

ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (ISSA) PARA TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA

ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (ISSA) PARA TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (ISSA) PARA TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA ESTUDO DE CASO: VOLTA GRANDE DO RIO XINGU Cristiane VIEIRA/Viviane MAGALHÃES/Maria Betânia SOUZA/Gustavo OLIVEIRA XXXI - SEMINÁRIO

Leia mais

Energias Renováveis BIODIESEL

Energias Renováveis BIODIESEL Energias Renováveis BIODIESEL Profª Elisa Helena Siegel Moecke UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Apresentação Com o Protocolo de Kyoto (1997) muitos países se comprometeram com a redução da

Leia mais

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Alex Frederico de Novaes Consultor Técnico Guabi Novaes & Martins Aquicultura - T Ó P I C O S - MERCADO LOCALIZAÇÃO DA PISCICULTURA ESTRUTURA: TANQUES,

Leia mais

Enox de Paiva Maia M.Sc.

Enox de Paiva Maia M.Sc. PRODUÇÃO DE TILÁPIA E CAMARÃO EM CONSÓRCIO. Enox de Paiva Maia M.Sc. ABCC Assoc. Bras. Criadores de Camarão /AQUARIUMBRASIL. FORTALEZA CE - BRASIL, JULHO DE 2017. CONTEXTO PASSADO DA PRODUÇÃO TRADICIONAL

Leia mais

Fator de Conversão Alimentar 29,3% 29,3%

Fator de Conversão Alimentar 29,3% 29,3% NOÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DE TABELAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CAMARÕES MARINHOS Alberto J. P. Nunes, Ph.D. LABOMAR - Instituto de Ciências do Mar Universidade Federal do Ceará Avenida da Abolição, 3207 - Meireles

Leia mais

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras);

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); - 97,5% é água salgada - 2,5% apenas é água doce Distribuição:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS PARQUE AQÜICOLA DO CASTANHÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS PARQUE AQÜICOLA DO CASTANHÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS PARQUE AQÜICOLA DO CASTANHÃO PROJETO TÉCNICO Maio/2005 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. JUSTIFICATICA E

Leia mais

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA)

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - FEAM - QUADRO DE INDICADORES E METAS DA DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) FEAM CÓD OBJETIVO

Leia mais

TAMBAQUI: PRODUÇÃO, DEMANDA, DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O MERCADO BRASILEIRO E INTERNACIONAL

TAMBAQUI: PRODUÇÃO, DEMANDA, DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O MERCADO BRASILEIRO E INTERNACIONAL TAMBAQUI: PRODUÇÃO, DEMANDA, DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O MERCADO BRASILEIRO E INTERNACIONAL Eng.º Pesca Jenner T. Bezerra de Menezes Biofish Aquicultura FENACAM/ Fortaleza - CE, Novembro 2015 QUEM

Leia mais

IV Miriam Cleide Brasil 1

IV Miriam Cleide Brasil 1 IV Miriam Cleide Brasil 1 ASPECTOS LIMNOLÓGICOS DO AMBIENTE AQUÁTICO DE VIVEIROS DE PISCICULTURA UTILIZANDO EFLUENTES DA DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA SALOBRA NO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO. Miriam Cleide C de Amorim

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro de abrangência

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA NA PISCICULTURA: UM ESTUDO DE CASO EM COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE FORMIGA MG

QUALIDADE DA ÁGUA NA PISCICULTURA: UM ESTUDO DE CASO EM COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE FORMIGA MG QUALIDADE DA ÁGUA NA PISCICULTURA: UM ESTUDO DE CASO EM COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE FORMIGA MG Jéssika Pires de Morais 1 ; Kátia Daniela Ribeiro 2 *; Felipe Paim Coutinho 3 & Caroline Miranda de

Leia mais

Panorama da Industrialização do Pescado. Arno Soares Seerig Gerente de Produção

Panorama da Industrialização do Pescado. Arno Soares Seerig Gerente de Produção Panorama da Industrialização do Pescado Arno Soares Seerig Gerente de Produção Cuiabá, 18 de outubro de 2014 Introdução O Brasil é um país que reúne excelentes condições para o desenvolvimento da Piscicultura;

Leia mais

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 BNDES - Estados: Objetivos do Apoio Complementar o apoio financeiro dos estados a empreendimentos solidários de baixa renda Contribuir para a redução de

Leia mais

Manejo e engorda em tanque-rede

Manejo e engorda em tanque-rede Manejo e engorda em tanque-rede Prof. Dr. Paulo Rodinei Soares Lopes Zootecnista INTRODUÇÃO Tilápia (Oreochromis niloticus) Vantagens: Rusticidade; Excelente mercado (carne branca e filés sem espinhas);

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE PISCICULTURA EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA DE RENDA PARA PISCICULTORES NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE PISCICULTURA EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA DE RENDA PARA PISCICULTORES NO SEMIÁRIDO PARAIBANO IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE PISCICULTURA EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA DE RENDA PARA PISCICULTORES NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Djair Alves da Mata (1) ; Ana Maria Dantas dos Santos (1) ; Hiago Levi

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

TRABALHANDO A PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PESCADORES ARTESANAIS COM A IMPLANTAÇÃO DA PISCICULTURA FAMILIAR NA COMUNIDADE DE MITUAÇU, CONDE-PB

TRABALHANDO A PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PESCADORES ARTESANAIS COM A IMPLANTAÇÃO DA PISCICULTURA FAMILIAR NA COMUNIDADE DE MITUAÇU, CONDE-PB TRLHNDO PERCEPÇÃO MIENTL DE PESCDORES RTESNIS COM IMPLNTÇÃO D PISCICULTUR FMILIR N COMUNIDDE DE MITUÇU, CONDE-P CRDOSO (1), Maria Marcolina Lima CRISPIM (2), Maria Cristina asilio FILHO (3), Lázaro da

Leia mais

FENACAM 14 PROGRAMAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS

FENACAM 14 PROGRAMAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS FENACAM 14 PROGRAMAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS VISITA TÉCNICA 01: Fazendas de cultivo de camarão L. vannamei em águas oligohalinas. Data: 14 de novembro de 2014. Saída: 06h00min - Centro de Eventos do Ceará.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Aqüicultura e Pesca MAIS PESCA E AQÜICULTURA UM NOVO TEMPO PARA A PESCA E AQÜICULTURA NO BRASIL

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Aqüicultura e Pesca MAIS PESCA E AQÜICULTURA UM NOVO TEMPO PARA A PESCA E AQÜICULTURA NO BRASIL Ministério da Pesca e Aquicultura MPA Plano de Desenvolvimento Sustentável da Aqüicultura e Pesca MAIS PESCA E AQÜICULTURA UM NOVO TEMPO PARA A PESCA E AQÜICULTURA NO BRASIL IMPORTÂNCIA DO SETOR MAIS DE

Leia mais

PANORAMA DA AGROPECUÁRIA

PANORAMA DA AGROPECUÁRIA PANORAMA DA AGROPECUÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO BELO HORIZONTE-MG NOVEMBRO/2006 ÍNDICE 1. Estado de Minas Gerais 2. Informações do Agronegócio 3. Produção agrícola

Leia mais

Usina Hidrelétrica (UHE) Sinop 7ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico 06 de abril de 2016

Usina Hidrelétrica (UHE) Sinop 7ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico 06 de abril de 2016 Usina Hidrelétrica (UHE) Sinop 7ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico 06 de abril de 2016 AGENDA 08:30 Boas vindas / Apresentação 08:45 Pauta da Reunião: Apresentação do Vídeo Institucional;

Leia mais

sistema com bioflocos

sistema com bioflocos Panorama da AQÜICULTURA, maio, junho, 2011 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br Criação de tilápias em Foto 1 - Bioflocos sob microscopia, sendo possível

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina CCA392 - ZOOLOGIA AQUÁTICA - Ativa desde: 29/01/2008. Natureza - Obrigatoria Prática 34 Teórica 34

Pré-requisito Coreq Disciplina CCA392 - ZOOLOGIA AQUÁTICA - Ativa desde: 29/01/2008. Natureza - Obrigatoria Prática 34 Teórica 34 1 de 7 Nível:Graduação Início: 20051 Título: 01 - - - ZOOLOGIA AQUÁTICA - Ativa desde: CCA393 - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PESCA - Ativa desde: CET009 - QUIMICA GERAL E ORGANICA - Ativa desde: 20/12/2010

Leia mais

A Criação de Ostras no Rio Grande do Norte

A Criação de Ostras no Rio Grande do Norte A Criação de Ostras no Rio Grande do Norte Dra. Cibele Soares Pontes Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Depto. Ciências Animais, Setor de Aqüicultura. BR 110 - Km 47 Bairro Pres. Costa

Leia mais

1. Matriz Curricular do Curso de Aquicultura

1. Matriz Curricular do Curso de Aquicultura 1. Matriz Curricular do Curso de Aquicultura O presente projeto de formação do Profissional Técnico de Nível Médio em Aquicultura, implica em organização curricular de acordo com as Resoluções CNE/CEB

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES LEI Nº 2.034, DE 16 DE ABRIL DE 2009. Publicado no Diário Oficial nº 2.875 Dispõe sobre a atividade de piscicultura no Estado do Tocantins e dá outras providências. O Governador do Estado do Tocantins

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DO PEIXE. Plano de Trabalho

CÂMARA TÉCNICA DO PEIXE. Plano de Trabalho CÂMARA TÉCNICA DO PEIXE Plano de Trabalho Março de 2016 CONTEXTUALIZAÇÃO A Câmara Técnica de Piscicultura (CTP) do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD) iniciou suas atividades em agosto de 2014. Durante

Leia mais

Equipamentos e Serviços Especializados para Aquicultura Industrial. Felipe Matarazzo Suplicy, Ph. D. Marine Equipment Ltda

Equipamentos e Serviços Especializados para Aquicultura Industrial. Felipe Matarazzo Suplicy, Ph. D. Marine Equipment Ltda Equipamentos e Serviços Especializados para Aquicultura Industrial Felipe Matarazzo Suplicy, Ph. D. Marine Equipment Ltda Somos especializados em equipamentos e serviços para aquicultura industrial, com

Leia mais

Solicitação de Aprovação e Autorização de Oferta de Curso. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL e CONTINUADA em PISCICULTURA EM TANQUE-REDE

Solicitação de Aprovação e Autorização de Oferta de Curso. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL e CONTINUADA em PISCICULTURA EM TANQUE-REDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Solicitação de Aprovação e Autorização de Oferta de Curso

Leia mais

II.9.4 - Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores

II.9.4 - Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Atividade de Perfuração Marítima no Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores II.9.4 Pág. 1 / 10 II.9.4 - Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores II.9.4.1 - Introdução e Justificativa A atividade

Leia mais

VIABILIDADE DA PISCICULTURA EM TANQUES-REDE NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO RIO CANDEIAS (RO)

VIABILIDADE DA PISCICULTURA EM TANQUES-REDE NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO RIO CANDEIAS (RO) VIABILIDADE DA PISCICULTURA EM TANQUES-REDE NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO RIO CANDEIAS (RO) Antônio de Almeida Sobrinho 1 & Osmar Siena 2 RESUMO --- Com a construção de barragem no rio Jamari, afluente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Eng. de Pesca MSc. Raimunda Nonata M. Lopes. Gerente de Controle de Pesca e Aquicultura

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Eng. de Pesca MSc. Raimunda Nonata M. Lopes. Gerente de Controle de Pesca e Aquicultura GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PALESTRANTE: Eng. de Pesca MSc. Raimunda Nonata M. Lopes Gerente de Controle de Pesca e Aquicultura www.ipaam.am.gov.br Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): Washington Luiz Gomes Tavechio (tavechio@ufrb.edu.br) Vice-Coordenador (a): 2. Título do projeto: Controle de

Leia mais