O JORNAL A CAMPANHA COMO MEIO ORIENTADOR DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS EM PORTUGAL ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O JORNAL A CAMPANHA COMO MEIO ORIENTADOR DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS EM PORTUGAL (1953-1956)"

Transcrição

1 1 O JORNAL A CAMPANHA COMO MEIO ORIENTADOR DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS EM PORTUGAL ( ) Maria do Pilar Mansos Escola Secundária de Camões Mestranda na Universidade do Minho Em certo momento, a habilidade de escrever o próprio nome era a comprovação de alfabetização; hoje, nalgumas partes do mundo, a habilidade de memorizar um texto sagrado é a principal demanda de alfabetização. A alfabetização não tem uma essência estática nem universal. Scribner, 1984 Será por mera casualidade que, em todo o mundo, o grande recrutamento dos mendigos se faz entre os analfabetos? Que a taxa da mortalidade infantil atinge mais elevado nível nas regiões da mais baixa cultura? Não será o nosso atraso no campo da instrução que há-de explicar o facto de sermos um dos povos da Europa de menor rendimento individual médio? Será porventura, por simples acaso que cerca de 70 por cento dos criminosos que expiam penas nas prisões não têm sequer o exame de ensino primário elementar? Veiga de Macedo, 1955, in A Campanha, nº21 1. Nos alvores deste século, as questões educativas, nas quais se incluem as novas formas de analfabetismo, -- veja-se a tão debatida iliteracia continuam a mobilizar a opinião pública, nomeadamente através da Imprensa e das novas plataformas tecnológicas de informação e comunicação, TIC s, para um debate recorrente em torno do binómio educação/progresso, lançando um alerta para potenciais situações geradoras de exclusão, num futuro próximo. Entre estas questões, a educação de adultos, continua a ser debatida no tempo presente, embora tenha adquirido outras formas e dimensões. Esta, que não se confunde na actualidade apenas com questões relativas à alfabetização, devido ao alargamento do número de anos da escolaridade obrigatória e à necessidade de uma actualização permanente, ao nível profissional, assume hoje outras formas ensino recorrente, formação contínua. Os conceitos de analfabeto e de alfabetizado, dependem do momento histórico e das condições sócio-culturais e políticas fazendo com que por vezes variem em função do género e do grupo sócio-profissional -- e o modo como são construídos, está conectado com as imagens e representações a eles associados.

2 2 Mas hoje, tanto o novo analfabeto, tal como no passado, o analfabeto que não sabia ler nem escrever, são encarados pela sociedade como indivíduos que se encontram numa situação de potencial exclusão e inferioridade. No início dos anos cinquenta, em Portugal, a educação de adultos é sinónimo de alfabetização, entendendo-se esta, como a aquisição do ler, escrever e contar, a par de certas competências básicas -- na época, existem quase três milhões de analfabetos, dos quais dois milhões tem mais de trinta e cinco anos. A elevada taxa de analfabetismo cerca de 42,8% -- é uma realidade a combater e que subsiste, apesar de se terem tomado várias medidas, ao longo de mais de um século, e que atravessam a Monarquia, a I República e o Estado Novo. 2. Em 1835, -- em plena Monarquia Constitucional -- é decretada a obrigatoriedade do ensino primário reforma de Rodrigo da Fonseca Magalhães e em 1844, são estabelecidas penalidades a aplicar aos prevaricadores -- reforma de Costa Cabral. É de referir que, na sequência desta última reforma, são previstos cursos nocturnos para os adultos, que, em virtude do seu trabalho, não podem assistir a aulas diurnas. No entanto, o recenseamento de 1878, revela que, 80% dos cidadãos não sabe ler nem escrever. Com a I República, assiste-se a um redobrar do esforço de combate ao analfabetismo. As grandes reformas do ensino, começam pela instrução primária, por se considerar que a instrução republicana, transformará a sociedade. A instrução e as questões éticas, são valorizadas, num contexto patriótico e humanístico e é acerrimamente criticado o espírito jesuítico. No que concerne à educação de adultos, são criados cursos nocturnos, missões escolares e escolas móveis, a primeira missão das escolas móveis data de que vêm a ser oficializadas em Em 1925/26, funcionam 318 escolas móveis, com um total de alunos, sendo destes, 4.674, mulheres. Fazendo um balanço geral, em 1911, a percentagem de analfabetos é de cerca de 75,1% e em 1930, de 67,8%, números que revelam resultados práticos modestos, no capítulo da alfabetização, para o período da República. No período da Ditadura Militar 1926/1933 a questão do analfabetismo é de novo equacionada. Assim, são de destacar, no campo da alfabetização, algumas iniciativas, levadas a cabo por diversas organizações, como a Liga de Propaganda Contra o Analfabetismo, e a Federação dos Amigos da Escola Primária, que em Outubro de 1927, realiza no Porto, a 1ª Semana Contra o Analfabetismo, conduzindo à criação de 42 cursos nocturnos.

3 3 Paralelamente a estas realizações, parece existir um desinvestimento por parte do Estado no campo da escolarização. Assim, em 1927, o ensino primário é reduzido de 5 para 3 anos e em 1929, os programas são reduzidos. Ainda nesse ano, é criada por Decreto-lei, uma Comissão de Educação Popular da qual, não advirão quaisquer efeitos práticos -- de funções consultivas, que visa a educação popular e o combate ao analfabetismo, devendo no que concerne à educação de adultos interferir na organização e funcionamento de cursos nocturnos para adultos, assim como de cursos incorporados no exército. Quanto aos cursos de adultos, após a extinção das escolas móveis em 1930, são previstos cursos nocturnos até um máximo de 500, nas escolas primárias de ensino elementar, para os maiores de 14 anos, de ambos os sexos, entrando os mesmos em vigor no ano lectivo de 1931/1932. No ano seguinte, estes cursos são alargados ao período diurno, e destinados à frequência de alunos do sexo feminino, pois, «o ensino nocturno, não (lhes) é de modo algum, aconselhado». São autorizados no mesmo ano, cursos dominicais, missões escolares e cátedras ambulantes. Nos postos de ensino, criados em 1931, funcionam também cursos de adultos. É de realçar o forte empenhamento da Imprensa em torno da alfabetização, nomeadamente através de uma Campanha contra o Analfabetismo, levada a cabo pelo Diário de Notícias matutino de maior tiragem e expansão a nível nacional em 1931/1932, a qual conduz a uma expressiva mobilização de largos sectores da sociedade portuguesa. (cf. MANSOS e PERES, 2002). O próprio Estado envolver-se-à nesta campanha, criando, na fase final da mesma, os postos de ensino, que irão desempenhar, para além da instrução elementar, um papel de relevo, no campo da inculcação ideológica dos princípios doutrinários consubstanciados na trilogia Deus, Pátria, Família e subjacentes à génese do novo regime Estado Novo. No decurso dos anos 30, foram previstas ainda algumas iniciativas, no capítulo da alfabetização, como a criação de cursos nocturnos do ensino primário elementar, nos Sindicatos Nacionais e nas Casas do Povo, dos Pescadores e da Lavoura, subsidiados pelo Estado, que no entanto, não entraram em funcionamento. Todas estas medidas, embora desencadeiem um forte debate na sociedade, sobre a necessidade de alfabetizar o povo, revelaram um parco efeito em termos práticos, uma vez que, a taxa de analfabetismo, que em 1930 é de 60,2%, baixa apenas para 49,4% em 1940, sendo em 1950, de 42,8%, para os maiores de 12 anos. (cf. Sampaio, vol.ii, 1976/77, p.128)

4 4 3. Em 27 de Outubro de 1952, é promulgado o Plano de Educação Popular, cujo principal mentor e impulsionador é o Subsecretário de Estado da Educação, Veiga de Macedo. O Plano apresenta duas vertentes ao nível do ensino primário: uma, visando tornar efectiva a escolaridade obrigatória; a outra, de carácter não escolar, traduzida na Campanha Nacional de Educação de Adultos e nos cursos de adultos. Em termos conceptuais, tanto a Campanha como os Cursos de Adultos, serão influenciados pelos estudos internacionais, promovidos, no âmbito da educação de adultos, pela UNESCO, (cf. Decreto-lei nº38969, art. 58 de 27 de Outubro de 1952) sendo de referir o Congresso Interamericano de educação de adultos, realizado em Quitandinha, Rio de Janeiro, em Este conjunto de medidas, insere-se no quadro de uma Europa do pós-guerra, que tenta a reconstrução e renovação social, política e económica e que considera ser a educação um factor primordial de desenvolvimento refira-se que a partir dos anos cinquenta, começam a registar-se os primeiros trabalhos científicos que procuram medir o contributo da educação para o crescimento económico. Em termos de imagem, a nível internacional, torna-se desprestigiante para Portugal, o facto da UNESCO, em 1950, colocar o país na cauda da Europa, situando-o ao nível da América Latina, no que concerne à taxa de analfabetismo. Por outro lado, as exigências do crescimento da industrialização, aliadas aos Planos de Fomento, tornam necessário um efectivo aumento da taxa de alfabetização. No campo da educação de adultos, o Plano de Educação Popular, envolve os cursos de educação de adultos estando aberta a sua frequência aos maiores de 14 anos--, que consistem no regime normal de habilitação para exame de 3ª classe, e a Campanha Nacional de Educação de Adultos, de regime transitório e dirigida sobretudo aos indivíduos das zonas rurais de idades entre os 14 e os 35 anos. Os programas dos cursos a ministrar, serão os «da instrução elementar, com as alterações que o Ministro da Educação Nacional determinar, ouvida a 2.ª secção da Junta de Educação Nacional». (Art.93º e 111º do Decreto-lei de 27 de Outubro de 1952). Tais alterações, para além de incidirem sobre os conteúdos de aprendizagem referentes ao ler, escrever e contar o abc são ainda acompanhadas de recomendações, onde se procura acentuar o carácter educativo da Campanha:

5 5 Ensinar a ler e a escrever constitui a primeira preocupação da instrução primária [...]. A par das matérias que constituem objecto de exame, procurarão os encarregados de ensino ministrar, através de exposições orais muito simples, de leitura seleccionada e de lições de coisas, noções rudimentares sobre: a) educação moral e cívica; higiene e defesa da saúde; organização corporativa; situação geográfica de Portugal; factos dominantes da história pátria; forma de governo vigente. b) economia doméstica; previdência social; segurança no trabalho; agricultura e pecuária. [...] Destas noções, as referidas na alínea b) só deverão sê-lo quando o indicar o sexo, a profissão ou o meio social dos educandos. Campanha Nacional de Educação de Adultos, 1955, p. 34 a 37 A Campanha, inicialmente programada para decorrer entre 1953 e 1954, só terminará, no entanto, em 1956 e os seus objectivos são explicitados no discurso de Pires de Lima Ministro da Educação: Dois objectivos se pretendem: um, o de fazer ver ao próprio analfabeto, a sua situação de inferioridade, as consequências da sua incultura, os males a que está sujeito e os benefícios a que ainda pode aspirar quem quiser aprender; outro, o de chamar a atenção daqueles que tem tempo disponível e vocação para o alto serviço que podem prestar ao país colaborando na Campanha Nacional de Educação. A Campanha, nº2, 1953 Para que a Campanha tenha sucesso, não basta apelar para o espírito patriótico; é necessária a sua divulgação junto de analfabetos e letrados, é preciso mobilizar recursos e encontrar meios para atingir os fins pretendidos. São então criadas três Comissões a Comissão Executiva e de Orientação Pedagógica, sobre a qual recaí o principal esforço de execução da Campanha ; a Comissão de Informação e Propaganda, à qual cabe divulgar as notícias sobre a Campanha e difundir os princípios orientadores na luta contra o analfabetismo e a Comissão de Administração -- as quais procurarão assegurar o êxito da mesma (Campanha Nacional de Educação de Adultos, 1955, p.24 e 27). Tal como nos anos trinta, a Imprensa irá desempenhar um papel central no combate ao analfabetismo. A percepção deste facto, levará o Estado a sentir a necessidade de a incluir, como um dos elementos da Comissão de Informação e Propaganda e de ele próprio estar na génese da criação de um título, A Campanha. Tal papel é reconhecido por Veiga de Macedo, quando afirma que «essa cooperação começara antes mesmo da entrada em vigor dos Decretos que instituíram o Plano de Educação Popular», tendo «facilitado a execução das novas leis sobre ensino primário e educação supletiva de adultos» (Idem, p.45). A criação de A Campanha, é entendida por Veiga de Macedo, como destinada a:

6 6...fornecer matéria acessível de leitura, a difundir os conhecimentos essenciais entre os alunos dos centros de instrução popular e ainda a desenvolver a doutrina específica da educação dos adultos, a informar e a registar os acontecimentos, as decisões e os resultados respeitantes ao combate ao analfabetismo. Campanha Nacional de Educação de Adultos, 1955, p.47 A Campanha, deste modo, visa completar a formação do recém-alfabetizado, publicitar e dinamizar as iniciativas do Plano de Educação Popular no campo da Educação de Adultos, e ainda, fornecer directrizes aos agentes educativos lato sensu uma vez que qualquer indivíduo independentemente da sua idade, desde que possuísse o exame da 3.ªclasse, podia leccionar, em regime de Campanha. Com o presente trabalho, e comungando das perspectivas de Pierre Caspard -- para quem a Imprensa é o melhor meio para apreender a multiplicidade do campo educativo (Nóvoa, 1993, p.xxxii) -- e de António Nóvoa, -- segundo o qual, A Campanha se revela um documento de interesse, para o estudo da Campanha Nacional de Educação de Adultos (Nóvoa, 1993, p.20) -- procurámos, através da construção de uma tipologia, baseada nos princípios expressos no Plano de Educação Popular e sua aplicação, de forma exaustiva, ao jornal A Campanha, reflectir sobre os parâmetros culturais e educacionais, por meio dos quais se definem as representações sobre os analfabetos, os alfabetizados e o processo de alfabetização, durante a Campanha dos anos cinquenta, bem como observar os matizes de que se reveste o conceito de alfabetizado, consoante é aplicado em função do género, e do grupo sócio-profissional. 4. Procurando assinalar a comemoração da passagem de um ano, sobre o lançamento do Plano de Educação Popular, surge, a 27 de Outubro de 1953, A Campanha. Este título, da responsabilidade da Campanha Nacional de Educação de Adultos Ministério da Educação, apresenta uma periodicidade variável ao longo da sua vida Outubro de 1953 a Dezembro de quinzenal/mensal/bimestral, totaliza 37 números, dos quais três são duplos (12/13, 14/15 e 16/17), num total de 34 unidades, -- e insere um suplemento intitulado Secção do Educador, a partir do n.º7 (1 de Fev./54), -- variando o número médio de páginas entre as 10 e as 20. O jornal é constituído por diversas secções, dirigidas quer aos agentes de alfabetização, quer aos recém-alfabetizados e organizadas em torno de dois eixos estruturantes: por um lado, o da propaganda, -- legislação, discursos, textos orientadores, visitas realizadas, iniciativas oficiais ou de apoio por parte de privados, ecos na restante

7 7 imprensa etc; (Aponte-se e Louve-se, Noticiário da Campanha, Instantâneos, A Campanha na Imprensa) -- visando a legitimação e visibilidade da Campanha, e, por outro, o das noções educativas, -- educação moral e cívica, economia familiar, saúde e higiene, educação física e desporto, artesanato e lavoura, previdência social, noções de história e geografia pátria, posição de Portugal no Mundo, e ainda textos de autores portugueses, acompanhados de uma breve resenha biográfica, propostos à leitura, (Página da Família, Economia Doméstica, Previdência Social, Artesanato e Lavoura, Saúde e Higiene, Educação Física e Desporto, Vidas que são exemplo) -- sem esquecer um pequeno espaço recreativo. Os artigos nele inseridos, que são na sua maior parte, sem autoria, provêm do organismo responsável pelo periódico. No entanto, algumas das secções têm responsáveis permanentes, como por exemplo, a Página da Família, e a Economia Doméstica, por Adriana Rodrigues, a Educação Física e Desporto, por Mário Simas e a Página Recreativa por José de Lemos. Em resposta ao apelo lançado pelos responsáveis da Campanha Nacional de Educação de Adultos, a partir de Fevereiro de 1954, as direcções-gerais de alguns Ministérios começaram a responsabilizar-se de forma permanente por algumas secções do jornal, como por exemplo as relacionadas com a Lavoura, Saúde e Desporto. A partir dos dois eixos estruturantes do jornal propaganda e noções educativas em clara articulação com os princípios expressos pela legislação e pelo discurso governamental, que enformam o Plano de Educação Popular, no que concerne à educação de adultos, elaborou-se a tipologia que se apresenta. 5. Categorias n= Propaganda n=701 (56%) 2. Noções Educativas n=561 (44%) As duas categorias, em termos de pesos globais, tendem a equivaler-se, embora uma análise dinâmica da sua distribuição ao longo do tempo 2, mostre a existência de três fases 1 O resultado obtido reporta-se ao levantamento exaustivo atrás enunciado, não tendo no entanto sido contabilizadas as entradas relativas à Página Recreativa exceptuando-se os cartoons, que dizem respeito à representação do analfabeto por as mesmas (ex: curiosidades, anedotas, quebra-cabeças), não se enquadrarem nas categorias criadas. 2 Ver anexos, p.1

8 8 em termos de pesos relativos: uma primeira fase, em que ambas as categorias têm sensivelmente o mesmo peso; uma segunda fase, em que a primeira categoria se sobrepõe à segunda, apontando claramente para o facto da Campanha se legitimar nas suas realizações e na adesão por parte da sociedade -- letrada e analfabeta e uma terceira fase em que as questões educativas ultrapassam em larga medida a propaganda. É de salientar que a segunda fase termina atingindo a categoria 1 o seu pico --, na altura em que Veiga de Macedo é substituído no cargo de subsecretário de Estado da Educação, adquirindo a segunda categoria uma dinâmica de crescimento que não mais cessará até ao último número do jornal, estando o seu peso de acordo com o fim previsto da Campanha, nos normativos que lhe deram origem. 1. Propaganda n=701 (56%) 1.1 Princípios orientadores n=107 (15%) 1.2 Iniciativas por parte do Estado n=194 (28%) 1.3 Iniciativas de apoio por parte de particulares n=101 (14%) 1.4 Ecos na Imprensa n=203 (29%) 1.5 O Analfabeto e a Campanha n=45 (6%) 1.6 Representações do analfabeto n=39 (6%) 1.7 Artigos de opinião n=12 (2%) À subcategoria Princípios orientadores, fizemos corresponder as entradas relativas a legislação, excertos de discursos e visitas ministeriais, extractos de actas, e textos não assinados, que apelam para a adesão à Campanha e/ou lhe imprimem um cunho ideológico, alinhado com os valores do Estado Novo. (ex: A Campanha ao serviço do Direito, da Verdade e da Paz 3, nº12/13, Jun/Jul.1954) À subcategoria Iniciativas por parte do Estado, correspondem as questões relativas às missões culturais, abertura e leccionação de cursos por parte de professores primários no activo, exames e iniciativas de organismos ligados ao Estado.(ex: Mocidade Portuguesa) A subcategoria Iniciativas de apoio por parte de particulares, inclui registos relativos, por um lado a adesões de princípio à Campanha, e por outro, a realizações práticas, como por 3 Alusivo à invasão da Índia Portuguesa, pela União Indiana.

9 9 exemplo a abertura de cursos sendo de referir o papel desempenhado pelos industriais, na sua criação e manutenção -- e a leccionação de adultos. A subcategoria Ecos na Imprensa compreende a notícia ou transcrição de textos e órgãos da Imprensa portuguesa, de carácter nacional, local e ultramarino (ex:diário de Notícias, Jornal de Notícias, Correio do Minho, Lourenço Marques Guardiam) assim como de Imprensa estrangeira (Diário da Noite, S. Paulo, Voz de Portugal, Rio de Janeiro). A subcategoria O Analfabeto e a Campanha, diz respeito a excertos de cartas e a telegramas de ex-analfabetos, agradecendo ao Governo, na pessoa do subsecretário de Estado, o facto de já saberem ler. À subcategoria representações do analfabeto, correspondem entradas quer de natureza puramente discursiva, quer iconográfica. (cartoons, desenhos e banda desenhada) À subcategoria Artigos de opinião, correspondem as entradas assinadas excluindose as secções a cargo de responsáveis permanentes que nalguns casos vêm ao encontro das questões ideológico-filosóficas subjacentes à Campanha, (ex: Para além da alfabetização, José Francisco Rodrigues, nº2, Nov.1953 e Educar grandes para bem de pequeninos, Celeste Costa, nº26, Out.1955) e noutros, são de cariz essencialmente técnico. (ex: O analfabeto; problema educativo, J.J. Correia da Silva, prof. adjunto do Instituto Costa Ferreira, nº30, Fev.1956 e Nos cursos de educação de adultos a primeira aula, prof. António Maurício, nº33, Mai. 1956). 2. Noções Educativas n=561 (44%) 2.1 O abc n=147 (26%) 2.2 Educação moral e cívica n=127 (23%) 2.3 Higiene e defesa da saúde n=45 (8%) 2.4 Situação geográfica de Portugal n=34 (6%) 2.5 Factos dominantes da história pátria n=44 (8%) 2.6 Economia doméstica n=28 (5%) 2.7 Previdência social n=26 (5%) 2.8 Agricultura e pecuária n=41 (7%) 2.9 Outras n=69 (12%)

10 10 A segunda categoria organiza-se em torno de três grandes descritores expressos nas observações aos Programas do ensino a ministrar nos Cursos de Adultos e na Campanha Nacional de Educação de Adultos ( C. N. E. A, 1955, p.34 a 37). O primeiro, relativo às questões de instrução, -- o abc resume-se em grande parte a entradas relativas à leitura, sendo as relativas exclusivamente à escrita (6) sintaxe e ortografia -- e à aritmética (0), claramente dispiciendas. No que se refere à leitura, encontramos textos ou imagens ligadas ao carácter utilitário do saber ler (17), um dicionário de suporte à decodificação dos textos apresentados (30), artigos ligados às questões metodológicas de leitura e escrita (5), apresentação de textos, como por exemplo, Uma poesia dos cancioneiros medievais sua interpretação de Hernani Cidade, e respectiva proposta de exploração pedagógica (10), e extractos de textos modelares de obras de literatura portuguesa, -- incluindo a respectiva biografia de autores portugueses, (79) desde D. Dinis, e passando por Gil Vicente, Camões, Pe. Manuel Bernardes, Garrett, Eça, Ramalho Ortigão, Júlio Dinis, Guerra Junqueiro, António Sardinha e António Correia de Oliveira. A opção editorial por determinados textos, obedece aos princípios perfilhados pelo Estado Novo, e é explicitada a título de exemplo por Coelho do Valle, em Livros e Bibliotecas, quando refere que se deve dar preferência a livros de autores portugueses devidamente seleccionados para evitar a apreensão de idéias desnacionalizadoras. (A Campanha, nº8, 15 Fev., 1954). Deste modo, a subcategoria o abc não pode ser encarada como veículo de mera instrução, pois que lhe estão subjacentes questões ideológicas. O motivo pelo qual a o abc correspondem quase exclusivamente entradas relativas à leitura, é claro, tendo em conta que: <<O ensinar a contar é um acto de instrução pura [...]. Em contrapartida, o ensinar a ler e a escrever é já, simultaneamente, acto de instrução e acto de educação.»( Um Caminho para a Educação de Adultos, Idem, nº3, Dez.1953) O segundo descritor refere-se às noções educativas de carácter geral, inscritas nos programas de exame de 3ª classe, ainda que sem cunho eliminatório Educação moral e cívica, Higiene e defesa da saúde, Situação geográfica de Portugal, Factos dominantes da história pátria. Destas, é dada ênfase à primeira, pois: «Através da Educação Moral e Cívica se desenvolveu e expôs a ideia e o significado do trinómio-base da nossa cultura: Deus, Pátria e Família» ( Não basta saber ler, Idem, nº37, Dez.1956) O terceiro grupo de subcategorias, engloba noções de carácter específico, a ministrar consoante o sexo, a profissão e o meio social de origem. Assim, a Economia Doméstica, é definida como: «duas palavras que querem dizer maneira de arranjar e governar a casa»,

11 11 (Idem, nº1, Out., 1953), e como tal, destina-se quase exclusivamente à educação da mulher como mãe e dona de casa; a Previdência Social corresponde a entradas que na sua maioria, se prendem a valores como a poupança, a solidariedade, o trabalho, etc, sobrepondo-se assim os deveres aos direitos do trabalhador; a Agricultura e Pecuária, contempla artigos em que, a par de uma visão tradicional -- que inclui adágios populares e referencias a técnicas e instrumentos agrícolas típicos -- se encontra a tentativa de apresentar inovações neste campo -- através da inclusão de pequenos textos, alguns deles, assumindo a forma de diálogo entre técnicos e agricultores. Foi ainda construída uma subcategoria intitulada, -- Outras (noções educativas) que inclui entradas relativas a : Educação Física e Desporto, Artesanato, Folclore, Caça e Pesca, etc. 6. Ser alfabetizado nos anos 50 em Portugal não nos esquecendo do carácter dinâmico do conceito é não apenas dominar o abc mas utilizá-lo em prol do progresso individual e do país, de acordo com os princípios do Estado Novo, e num contexto de género e de meio sócio-profissional. Trata-se de instruir educando, e se por um lado a alfabetização é encarada como factor de ascensão e mobilidade social, «Através dos livros, enfim, poderás adquirir um desenvolvimento mental, que te fará subir e atingir uma dignidade de pessoa culta e instruída.» ( Os Livros, A Campanha, nº1, Out. 1953), por outro lado é entrevista, como potencial desencadeadora de desequilíbrios sociais, havendo necessidade de ser orientada numa perspectiva de conformação ao nível da sociedade e da família. Nos meios rurais, sobretudo, nós sabemos que os trabalhadores da lavoura, que as suas mulheres e filhas, possuem uma forma espiritual típica, que constitui uma das suas forças, uma das suas fontes de felicidade e amor à terra. [...] Instruir, educando seria neste caso ensinar a ler e a escrever através de textos que não contrariassem essa formação campesina e aldeã integrando «naturalmente» novos conhecimentos ao lado da antiga sabedoria popular [...]. De outro modo, e perdendo a força da sua educação tradicional, o trabalhador rural tende para perder interesse pelo labor dos campos, para emigrar ou tentar a sua fortuna nas cidades e constituir um factor de desequilíbrio social. Um caminho para a educação de adultos, A Campanha, nº3, 1 Dez Sendo a alfabetização encarada como imprescindível para o progresso do país, tornase necessário que o analfabeto seja visto como um indivíduo que se encontra numa situação de manifesta inferioridade. São-lhe pois vedados alguns direitos dos alfabetizados, como por

12 12 exemplo o de poderem fazer exame de condução ou o de serem contratados por empresas comerciais ou industriais 4 No que respeita à propaganda, o analfabeto é um indivíduo que se encontra a caminho de um processo de exclusão social 5, e como alguém potencialmente perigoso para si mesmo ou para os outros 6. A título de exemplo citamos parte de uma carta recebida e transcrita pelo jornal: Ex.mos Srs. Ocorreu-me um caso passado há tempo numa pequena vila do Sul. Uma rapariga [...] mãe de uma criança encantadora [...], foi ao médico que lhe receitou um colírio destinado à criança. [...]. A pobre mãe, ansiosa por minorar o sofrimento da sua única filha, vai à prateleira e trás um frasco. Como não sabe ler, em vez de colírio trás um outro frasco igual tem tintura de iodo!... A Campanha, n.º2, Nov A construção da imagem do analfabeto não pode ser dissociada das palavras presentes no discurso de Veiga de Macedo: «Instituiu-se, [...] uma Campanha Nacional de Educação de Adultos, destinada a criar na opinião pública uma verdadeira psicose de combate ao analfabetismo...» (MACEDO, V., 1954, p.24). A resposta da sociedade letrada e iletrada a esta Campanha, alimenta e reanima a construção desta imagem. São inúmeras as cartas e telegramas de ex-analfabetos 7, de industriais e comerciantes que abrem cursos, que fornecem material, instalações, que premeiam os seus funcionários quando os mesmos concluem com êxito o exame de 3.ªclasse, de indivíduos profissionais ou não que leccionam cursos de adultos. Podemos encontrar ainda, notícias insólitas, nas quais se entrevê a forma como a Campanha é sentida pela sociedade. A ilustrá-lo, veja-se o relato dos estragos provocados numa propriedade por um rebanho a cargo de um pastor de 12 anos, os quais dão origem a uma ida a tribunal, que resulta em absolvição do menor, sob compromisso de que o pai do mesmo proceda à sua inscrição na escola. (A Campanha, n.º24, Junh./Julh., 1955); o louvor conferido a um oftalmologista, que denuncia uma das suas clientes aos serviços da Campanha, em virtude daquela ser analfabeta. (Idem, n.º25, Ag./Set., 1955); uma manifestação em via pública em que o povo de Pombal exorta a população à alfabetização, 4 Ver anexos, p.2. 5 Ver anexos, p.3, fig1 6 Ver anexos, p.3, fig.2 7 Ver anexo, p.4

13 13 associando a devoção a Nossa Senhora de Fátima, àquela, nos seguintes termos: Reza o terço e aprende a ler 8 A imagem do analfabeto, que se pretende construir, enforma de uma contradição: por um lado, pretende-se extinguir o analfabetismo, mas por outro, na prática, são impostas limitações diferentes ao analfabeto, conforme o género e meio sócio-profissional. «Saber ler», assim como, «possuir um mínimo de habilitações», pelo Decreto-lei n.º38968, art.º 41, é condição fundamental «em muitas circunstâncias da vida, sob pena de graves prejuízos e contratempos», apenas para alguns. Deste modo, referindo-se às limitações de emprego impostas aos trabalhadores do comércio e da indústria, analfabetos, se reconhece que «seria prematuro tornar desde já extensiva a medida às actividades agrícolas ou equiparadas e ao serviço doméstico». É, igualmente de realçar, o facto do Decreto ignorar as mulheres, no que respeita à alfabetização, ao impor que os mancebos incorporados nas forças armadas não possam passar à disponibilidade, sem possuir o certificado de exame da escolaridade elementar, num claro reforço de uma visão sexista da mesma 9. Podemos concluir que, no caso de se ter nascido mulher, o cumprimento dos deveres familiares de esposa e mãe se sobrepõe à obrigação de se alfabetizar, chegando-se a ponto de, no caso das limitações impostas aos emigrantes analfabetos, se colocar em pé de igualdade a mãe de família e os anormais 9. O facto de não encontrarmos no jornal, notícias de proprietários rurais, que se envolvam no processo de alfabetização dos seus assalariados, contrariamente ao que acontece com os industriais e comerciantes, parece comprovar a existência de uma diferença de estatuto, entre um analfabeto camponês e um analfabeto operário. Através da análise do jornal, e, como já se referiu, podemos concluir que o abc se resume quase exclusivamente a questões de leitura, servindo esta de veículo previligiado de difusão da trilogia educativa do Estado Novo. Este facto, vem ao encontro das conclusões enunciadas, em Quitandinha, em 1949, quando se afirma que: «1. [...] a aprendizagem da leitura deve tender para a interpretação do pensamento contido na página escrita, como um dos meios mais eficazes para obter experiências, conhecimentos, habilitações e modos de conduta não só desejáveis como úteis.» (Métodos, A Campanha, nº11, Mai., 1954) Assim, e atendendo às percentagens obtidas nas subcategorias O abc e Educação Moral e Cívica, a imagem do indivíduo alfabetizado é coincidente com a de quem sabe 8 Ver anexos, p.5, fig.1 9 Ver anexos, p.2

14 14 utilizar e aproveitar a leitura, desenvolvendo-a em torno de assuntos relacionados com a moral e a religião tradicionais e dos valores pátrios. À mulher alfabetizada, compete ter noções de Economia Doméstica, para além de lhe serem fornecidos textos que procuram desenvolver as respectivas competências de boa esposa e mãe: «Portanto uma coisa se recomenda às mulheres: -- Ler só coisas boas, para ajuda-las a ter idéias!. E que coisa haverá que nos agrade mais, que ver a nossa casa num brinquinho?» ( Economia Doméstica, A Campanha, nº1, Out. 1952). A mulher deverá saber educar os filhos, veiculando-lhes valores como a lealdade, a obediência, a generosidade, a justiça, etc., tratar do arranjo da casa, mantendo uma postura de recato e de obediência ao marido 10. Do que atrás ficou dito, conclui-se não existir uma representação única do indivíduo alfabetizado, mas uma multiplicidade de representações, construídas em função do género e do grupo sócio-profissional, e ligadas à trilogia educativa do Estado Novo. Qual o impacto produzido pelo Plano de Educação Popular no que respeita à extinção do analfabetismo? Em termos de balanço, a taxa de analfabetismo para os maiores de 12 anos, que em 1950 se cifra em cerca de 42,8%, desce, em 1960 para 25,7%, assim como a taxa de analfabetismo relativa aos indivíduos de idades compreendidas entre os 7 e os 11 anos, que baixa de 20,3%, em 1950 para 2,5% em (Sampaio, , vol.ii, p.128) A percentagem de adultos e adolescentes inscritos no ensino primário, cresce de 6,2% em 1940/41, para 23,5%, em 1954/55. Estes números, que parecem revestir-se de importância relevante, são no entanto comprometidos, se tivermos em conta que apenas cerca de 26% dos inscritos concluiu o exame de ensino elementar. (Idem, , vol.ii, p.133 e 134). Referindo-se a estes resultados, Rómulo de Carvalho afirma causarem «satisfatória impressão», havendo no entanto, que ter algum comedimento, pois que «os resultados do trabalho escolar, na mesma época, são fracos.» (Carvalho,1996, p. 792). Não podemos no entanto esquecer, que no ano de 1940/41, as conclusões dos alunos inscritos representam cerca de 5,5% do total, (Sampaio, , vol.ii, p.133) o que faz com que o número de 26%, assuma um novo significado. Pensamos, que mais importante do que as taxas de alfabetização, parece ter sido o significado atribuído ao facto de saber ler, por parte dos recém-alfabetizados, expresso em 10 Ver anexos, p.5, fig.2

15 15 múltiplos testemunhos enviados e publicados pelo jornal ainda que sujeitos a um crivo ideológico entre os quais nos parece paradigmático o exemplo abaixo: Eu sou um pobre homenzinho Não me canso de dizer; Tenho vista e sou ceguinho Sou cego pois não sei ler Vejo à esquina editais Tendo muitas, muitas letras Quer sejam brancas ou pretas, Todas para mim são iguais As notícias dos jornais Em me encontrando sozinho Que não tenha um amiguinho Que me leia com afecto: Sou um triste analfabeto, Eu sou um pobre homenzinho Chega o carteiro da aldeia Com uma carta na mão Até sinto aflição Por pedir a quem ma leia. É uma acção muito feia Termos de dar a saber A carta pode trazer Algum segredo encerrado. Fica logo divulgado Não me canso de dizer. Se vou à noite ao cinema E a fita for estrangeira, Ali estou numa cadeira Tendo só desgosto e pena. Vejo muita, muita cena, Mas só vejo bonequinhos; Gastei o meu dinheirinho, Foi tolo este meu desejo; Julgava ver e não vejo Tenho vista e sou ceguinho. Viva a escola do Sobral, Via o Senhor Professor, É digno de louvor Por muito aluno ensinar. Sempre, sempre a trabalhar Sem nunca se aborrecer Faz adultos aprender É também muito feliz. Só é pobre hoje quem diz: Sou cego pois não sei ler Sebastião Pinto, aluno da 4.ªclasse do Curso de Adultos de Sobral da Adiça A Campanha, n.º32, Abril, 1956

16 16 BIBLIOGRAFIA BELCHIOR, Fernando Henrique, 1990, Educação de adultos e educação permanente: a realidade portuguesa, Lisboa: Livros Horizonte. C.N.E.A., , A Campanha, órgão da Campanha Nacional de Educação de Adultos, Lisboa: C.N.E.A. C.N.E.A., 1955, Actas das Comissões Centrais da Campanha Nacional de Educação de Adultos, C.N.E.A. CARVALHO, Rómulo de, 1996, História do Ensino em Portugal, Lisboa: F.C.G. ESTEVES, J.M., 1995, Os novos contornos do analfabetismo: O que é? Quem são? Onde estão?, Lisboa: D.E.B. GRAAF, Harvey J., 1994, Os Labirintos da Alfabetização, Porto Alegre: Artes Médicas. MACEDO, Veiga de, 1954, O Problema do Analfabetismo, in Plano de Educação Popular, VII, C.N.E.A. MANSOS E PERES, 2002, Contra o Analfabetismo, a Campanha do Diário de Notícias (1931/32), in Actas do IV Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação (no prelo). M.E.N., 1953, Plano de educação popular: combate ao analfabetismo, Decreto-lei nº 38:968 e nº38:969 de 27 de outubro de 1952, com relatório, notas e despachos, Lisboa: Comp. Nac. Edit. MÓNICA, Maria Filomena, 1978, Educação e Sociedade no Portugal de Salazar, Lisboa: Presença. NÓVOA, A.,1989, A República e a escola: das intenções generosas ao desengano das realidades, in Reformas do Ensino em Portugal. Reforma de TomoII Vol.I, p. IX-XXIV, Lisboa: Ministério da Educação/Instituto de Inovação Educacional. NÓVOA, A., 1992, A Educação Nacional, in F. Rosas, (coord.), Portugal e o Estado Novo ( ), p e p , [A. H. Marques & J.Serrão (dir.), Nova História de Portugal, vol.xii], Lisboa: Editorial Presença. NÓVOA, A., dir.,1993, A Imprensa de Educação e Ensino. Repertório Analítico (séculos XIX-XX), Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

17 17 PIRES, M. A. Gregório, O plano de educação popular ou a legislação de 27 de Outubro de 1952, nos primeiros anos da sua execução, Coimbra: Universidade de Coimbra. RAMOS, 1993, O método dos pobres: educação popular e alfabetização em Portugal (séculos XIX e XX), in Colóquio, Educação e Sociedade, nº2, p REIS, Jaime, 1993, O analfabetismo em Portugal no século XIX: uma interpretação, in Colóquio, Educação e Sociedade, Lisboa: F.C.G. ROSAS, Fernando, , O Estado Novo, , in História de Portugal,dir.,José Mattoso, vol.vii, Lisboa: Edições Estampa. SAMPAIO, Salvado, , O Ensino Primário , contribuição monográfica, vol.ii-iii, Lisboa: Instituto Gulbenkian de Ciência. SCRIBNER, S., 1984, Literacy in three metaphors, in American Journal of Education, v.93, n.1, p TORGAL, Luís Reis, 1989, Ideologia Salazarista, cultura popular e consciência histórica: as bibliotecas das Casas do Povo, in História e ideologia, Coimbra: Minerva.

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14)

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) O desenvolvimento das relações de cooperação entre Portugal e os países africanos de língua

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto

Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto A linha de actuação do Governo tem assumido como prioridade o combate à exclusão social bem como ao abandono escolar, nomeadamente através do apoio às famílias.

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002

GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002 GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002 1 Caracterização da situação A educação é um direito

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Programa de Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º. Ciclo do Ensino Básico Relatório de Acompanhamento da Execução Física 2008/2009 CAP Comissão de Acompanhamento

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio No quadro das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e dos objectivos do Programa do Governo no tocante à

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho)

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) REPUBLICA DEMOCRATICA DE S. TOMÉ E PRINCIPE MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) CONCLUSÕES E PROPOSTAS DA 1ª CONFERÊNCIA DO TURISMO DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Relação Escola Família - Comunidade

Relação Escola Família - Comunidade Relação Escola Família - Comunidade Profª Manuela Matos (*) Cabe-me abordar o tema relação escola - família comunidade. Tentarei, para o efeito, mobilizar a minha experiência profissional (como educadora

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933. Decreto Regulamentar n. o 35/2007. Artigo 3. o

Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933. Decreto Regulamentar n. o 35/2007. Artigo 3. o Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933 Decreto Regulamentar n. o 35/2007 de 29 de Março No âmbito do Programa de Reforma da Administração Central do Estado (PRACE), criado pela

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprios das Regiões Autónomas e a Alta Autoridade para a Comunicação Social.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprios das Regiões Autónomas e a Alta Autoridade para a Comunicação Social. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 43/2006 de 24 de Fevereiro A Lei n.º 41/96, de 31 de Agosto, consagrou a obrigação de o Estado suportar os encargos totais correspondentes à expedição,

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896 Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas desde 1896 Quem Somos? Instituição de Utilidade Pública Restauração Pastelarias e Cafés Mais de um século de existência Empreendimentos Turísticos

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE História ( exemplar ) de um processo de crescente abuso clerical católico 1. INTRODUÇÃO Seguir o processo de institucionalização

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE 2902 Diário da República, 1.ª série N.º 100 24 de Maio de 2011 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE Portaria n.º 207/2011 de 24 de Maio O Decreto -Lei n.º 177/2009, de 4 de Agosto,

Leia mais

Comentários ao Documento Proposta do PPM Açores Actos Eleitorais

Comentários ao Documento Proposta do PPM Açores Actos Eleitorais Comentários ao Documento Proposta do PPM Açores Actos Eleitorais Junho 2015 Este documento divulga a posição da ARIC e a resposta à solicitação da Comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Formação Contínua 2014/2015 Deliberação O artigo 88 -A do Estatuto do Ministério Público, aditado pelo artigo 165 da Lei nº 52/2008, de 28 de Agosto (norma não revogada pela Lei n.º 62/2013, de 26 de Agosto,

Leia mais

Comissão de automóveis antigos e clássicos do Automóvel Club de Portugal

Comissão de automóveis antigos e clássicos do Automóvel Club de Portugal Regulamento ACP-Clássicos Comissão de automóveis antigos e clássicos do Automóvel Club de Portugal REGULAMENTO CAPÍTULO I (Natureza, Duração e Objecto) Artigo 1.º (Natureza) 1. A Comissão de Automóveis

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 1772 Diário da República, 1.ª série N.º 101 25 de Maio de 2010 Norma transitória As comissões de serviço em curso mantêm -se, nos seus precisos termos, até ao final do respectivo prazo. Norma revogatória

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente

Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES 402424 Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente 1.1 Objectivos e metas do projecto educativo Cada escola, como parte integrante

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

REPÚBLICA NAS ESCOLAS

REPÚBLICA NAS ESCOLAS REPÚBLICA NAS ESCOLAS COM O APOIO DE: http://www.centenariorepublica.pt/escolas escolas@centenariorepublica.pt República nas Escolas Descrição e Objectivos O tema Centenário da República deverá ser um

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 14 26 de Julho de 2007 4785 Artigo 2.º Entrada em vigor O presente decreto -lei entra em vigor no 1.º dia do mês seguinte ao da sua publicação. Visto e aprovado em Conselho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO da Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente Introdução A pressão que tem vindo a ser exercida no ambiente como resultado de diversas acções humanas e a necessidade

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Julho 2014 Contencioso A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a

Leia mais

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura A Imprensa Regional desempenha um papel relevante, não só no âmbito territorial, a que naturalmente mais diz respeito,

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Natureza e Sede ESTATUTOS - 2015 1 A Associação Movimento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS. Lei n.º 8/90 PREÂMBULO

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS. Lei n.º 8/90 PREÂMBULO LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS Lei n.º 8/90 PREÂMBULO Não é possível o desenvolvimento e a modernização da sociedade em S.Tomé e Príncipe sem a participação livre, activa e organizada dos santomenses. Numa

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho O Programa do XVII Governo prevê o lançamento de uma nova geração de políticas locais e de políticas sociais de proximidade, assentes em passos decisivos e estruturados

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu março 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3. O Contexto Atual... 3 4. Objetivos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Caracterização... 5 a) Breve historial... 5 b) Atual estrutura... 5 c) Caracterização geográfica e sócio-cultural... 6 d) Comunidade

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Decreto-Lei n.º 86-A/2011 de 12 de Julho

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Decreto-Lei n.º 86-A/2011 de 12 de Julho PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 86-A/2011 de 12 de Julho Legislar sobre a sua organização e funcionamento é uma competência constitucional exclusiva do Governo. Na sua orgânica, o

Leia mais