Educação e campanhas em saúde: informar, conscientizar ou mudar comportamentos? 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação e campanhas em saúde: informar, conscientizar ou mudar comportamentos? 1"

Transcrição

1 Educação e campanhas em saúde: informar, conscientizar ou mudar comportamentos? 1 Marcelo Rodrigo de Avelar Bastos ALVES 2 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG Maria do Carmo Barros de MELO 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG Resumo Use camisinha. Você usa? Sabe da importância, tem consciência e possui um comportamento de acordo com o que foi preconizado em campanhas de saúde? O presente estudo realiza uma investigação da dimensão educacional das campanhas publicitárias de utilidade pública no âmbito da saúde tendo como referência aquelas realizadas pelo Ministério da Saúde MS do Brasil. A partir de uma revisão de literatura, delimitou-se os conceitos de saúde, de campanhas, de comunicação em saúde e educação em saúde, buscando-se os indicadores do alcance de uma função educativa dentre elementos intrínsecos e extrínsecos às campanhas publicitárias. Valendo-se da percepção de pedagogos e jovens, identifica-se um caráter informativo, com impactos nos dados levantados pelo MS, mas questiona-se a dimensão educacional das campanhas em um sentido mais amplo, alinhado às visões de Piaget e Paulo Freire. Palavras-chave: campanhas de saúde, campanhas publicitárias, educação em saúde, comunicação em saúde. 1. Introdução A ideia de campanha na área de saúde engloba outra dimensão que não a corrente na área de comunicação: a campanha publicitária ou, mais amplamente, a campanha de comunicação. Prova de tal percepção que ultrapassa os limites do uso dos meios de comunicação convencionais, massivos seria o relato de Saraceni e Leal (2003) ao mostrar que a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ) realizou campanhas para combate à sífilis congênita, envolvendo a 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho 07 Educação, Comunicação e Consumo, do 2º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 15 e 16 de outubro de Comunicólogo, habilitado em Publicidade e Propaganda, pós-graduado em Gestão Estratégica de Marketing e Gestão de Negócios; 3 Médica, professora associada do Departamento de Pediatria e Subcoordenadora do Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal de Minas Gerais;

2 divulgação de informações, mas também, ao mesmo tempo, treinamento de pessoal e triagem de pacientes. A ideia de campanha, aqui, remete à acepção primeira de esforços conjuntos e diversos, de caráter extraordinário, com foco na consecução de um objetivo comum (HOUAISS, 2012). Enfatizando a vertente conceitual que delimita a campanha de saúde como uma campanha de comunicação em específico, publicitária é possível identificar usos históricos como a experiência da Oklahoma Tuberculosis Association já em 1918 (SCHEVITZ, s/d, p.916). No Brasil, desde Osvaldo Cruz, com as vacinações em massa do início do século passado (TEMPORÃO, 2003), as campanhas na área de saúde começaram a ser utilizadas com o intuito de auxiliarem no controle de quadros epidemiológicos da população. De forma mais visível nos últimos anos, sobretudo com casos midiáticos como a AIDS (a partir do final da década de 1990) e, mais recentemente, da gripe ocasionada pelo vírus H1N1 (influenza A), as campanhas têm ocupado lugar de destaque como ferramenta de gestão da Saúde Pública no Brasil. Entretanto, tais campanhas publicitárias em saúde apresentam ou deixam que se entenda como possuíssem objetivos mais amplos. Elas representam não somente a divulgação de informações, mas um intuito educativo, que passa pela conscientização sobre comportamentos saudáveis ou promotores de saúde, culminando na efetiva adoção de tais comportamentos. 2. Objetivos e justificativas O uso da publicidade para fins de intervenção no comportamento em saúde talvez passe pela percepção de que muitas das enfermidades e doenças que acometem as sociedades modernas ocidentais estão intrinsecamente ligadas a estilos de vida [e a comunicação de massa] é imaginada como capaz de contribuir de forma significativa para essas mudanças comportamentais 4 (FENNIS, 2002, p.316). Os comerciais televisivos, os outdoors e o uso de mascotes demonstram aplicabilidade da comunicação para a notoriedade e visibilidade dos temas e informações principais acerca de doenças e ações preventivas. Acredita-se, por exemplo, ser de domínio público a 4 many of the illnesses and diseases that plague modern Western societies are intrinsically linked to lifestyle factors [ and communication media ] were thought to be able to contribute a great deal to these behavioral changes (tradução nossa) 2

3 disponibilidade da vacina contra gripe para pessoas acima de 60 anos ou a existência do Zé Gotinha e sua luta contra a paralisia infantil (como ficou conhecida a poliomielite); bem como a importância de se lavar as mãos, profilaxia simples, para evitar a propagação de vírus ou que não se deve praticar sexo sem o uso de preservativos. Mas será que realmente todo o público de tais campanhas ou sua grande maioria age de acordo com o previsto, ou seja, leva as suas crianças para as campanhas de vacinação, lava as mãos e sempre usa camisinha conforme as recomendações? Pelos dados disponibilizados pelos próprios órgãos ligados ao Ministério da Saúde, o impacto destas campanhas é positivo, mas ainda existem dúvidas sobre sua dinâmica de implementação para a efetividade. O estudo aqui relatado é um esforço para o entendimento da dimensão educativa das campanhas de comunicação em saúde pública, dada a premissa de que informar não é educar e que a aprendizagem, elemento central do processo de educação, envolve a compreensão, elaboração e domínio do conhecimento para seu uso potencial ou efetivo. Mas não necessariamente implica mudança de comportamento. Para tanto, delimita-se conceitualmente as campanhas de comunicação em saúde; estabelece-se o conceito de educação e seus elementos constituintes enquanto processo; e buscam-se as evidências em outros estudos da existência e dinâmica de ocorrência da dimensão educacional nas campanhas mencionadas. 3. Fundamentação teórica e procedimentos metodológicos Trata-se de um estudo exploratório de caráter qualitativo, baseado na pesquisa bibliográfica para a revisão sistemática de literatura, conforme preconiza Mulrow (1994), e na pesquisa documental dos registros de campanha em específico da AIDS disponíveis no site do Ministério da Saúde do Brasil. Estabelecido o quadro teórico por amostragem por julgamento das fontes, fez-se, no período do dia primeiro de março ao dia 26 de abril de 2012, um levantamento, leitura e análise com o uso de 15 termos de busca, conforme tabela 01 dos trabalhos disponíveis para acesso gratuito nos bancos de artigos da Biblioteca Virtual de Saúde BVS, portal de periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes, Biblioteca Online de Ciências da Comunicação BOCC, Conferência Brasileira de Comunicação em Saúde ComSaúde e 3

4 Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação Compós 5. Envolveu ainda, em um segundo momento, de 17 de junho a 26 de julho de 2012, a entrevista em profundidade e grupos focais com público-alvo das campanhas e especialistas em educação, em amostra constituída por amostragem por julgamento e conveniência, bem como análise documental de amostra formada pela mesma técnica e disponível no website do Ministério da Saúde. Tabela 01 Descritores utilizados para busca de artigos e livros 1. Campanha de propaganda 2. Campanha publicitária 3. Campanha de comunicação 4. Campanha de saúde 5. Campanha educativa 6. Educação em saúde 7. Propaganda AND caráter educativo 8. Propaganda AND função educativa 9. Publicidade AND caráter educativo 10. Publicidade AND função educativa 11. Propaganda AND educação 12. Propaganda AND educação 13. Publicidade AND saúde 14. Propaganda AND saúde 15. Marketing AND saúde Numa primeira aproximação, historicamente fundada, não é raro situar a prática da educação em uma sala de aula, com a figura do professor, detentor do conhecimento que é transmitido ao aluno que, ao ser a ele exposto, o apreende e passa também a detê-lo ou não. Tal modelo traz em si dois conceitos caros à comunicação: a informação e a transmissão; evidência de uma perspectiva transmissional para conceituar a própria comunicação. Entretanto, assim como se entende aqui que o conceito de comunicação deve se localizar em um outro paradigma o de compartilhamento e construção de sentido, de significado (FRANÇA, 2001; MARTINO, 2001) o conceito de educação também deve ser ampliado. Tanto em termos dos locais e momentos em que ocorre a educação formal e informal como em sua essência processo não informativo, mas formativo. Envolveria a perspectiva já adotada pelo Ministério da Educação de que a educação é essencialmente uma prática social presente em diferentes espaços e momentos da produção da vida social (BRASIL, s/d, p.05) e ilustrada por Azevedo como realizada por todas as instituições existentes numa sociedade família, escola, comunidade, agremiações, Igreja, Estado assim como pelos meios de comunicação social (AZEVEDO, 2007, p.453). 5 Com a colaboração dos acadêmicos Luiz Kind, Iuly Macari, Leonardo Freitas e Silviane Palma do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Newton Paiva. 4

5 Apesar do caráter imbricado entre a educação e comunicação, é necessário diferenciá-los. Educação em Saúde é uma prática social que preconiza não só a mudança de hábitos, práticas e atitudes, a transmissão e apreensão de conhecimentos, mas, principalmente, a mudança gradual na forma de pensar, sentir e agir através da seleção e utilização de métodos pedagógicos participativos e problematizadores (MOISÉS, 2003, s/p.). Essa perspectiva, ancorada numa dimensão de ação da população é explicitada pelo Expert Committee on Planning and Evaluation of Health Education Services da Organização Mundial de Saúde OMS para o qual se tem, na educação em saúde, o propósito de estimular a adoção de estilos de vida sadios, o uso criterioso dos serviços de saúde e a tomada de decisões nos âmbitos individual e coletivo com foco na promoção da saúde e do meio ambiente (LEVY, s/d). No relatório da Diretoria de Programas de Educação em Saúde do Ministério da Saúde, ainda se amplia a visão, apontando a declaração do Scientific Group on Research in Health Education de que os objetivos da educação em saúde são de desenvolver nas pessoas o senso de responsabilidade pela sua própria saúde e pela saúde da comunidade a qual pertençam e a capacidade de participar da vida comunitária de uma maneira construtiva (LEVY, s/d.) A percepção sobre tais visões é de que há uma influência ou sintonia com o pensamento de Piaget 6 e Freire 7. Resgata-se de Piaget, o aluno como sujeito, crítico, com raciocínio lógico, com o conhecimento como construção dele para intervenção sobre a realidade, com autonomia moral e intelectual. Em Paulo Freire, a educação entendida como prática para a emancipação, políticoideológica, inclusive, e, consequentemente, libertação (BECKER, 2008). Nesse sentido, é interessante resgatar o conceito de health literacy (alfabetização em saúde) de Nutbeam (1998): capacidade cognitiva e social para motivação com vistas à adoção de um comportamento que mantenha ou promova a boa saúde do sujeito a partir da apreensão, compreensão e uso de 6 Jean Willian Piaget, biólogo e filósofo suíço, nasceu em 1886 e publicou mais de 500 artigos científicos e cerca de 100 livros, sendo referência mundial na construção do conhecimento com sua atuação em psicologia, epistemologia e educação. 7 Paulo Reglus Neves Freire, educador e filósofo brasileiro, nascido em 1921, é um pensador digno de nota mundialmente na área da pedagogia, sendo referência do movimento da pedagogia crítica e autor de Pedagogia do Oprimido. Defende a ideia de que o educando dialeticamente seria sujeito do seu aprendizado libertando-se das práticas alienantes. 5

6 informações. Sem a alfabetização, a implicação é a inutilidade da disponibilidade de informações e até mesmo o eventual prejuízo pelo não uso, ou uso inapropriado, das mesmas (BERNHARDT; CAMERON, 2003 apud EPSTEIN, 2008). O componente do desejo do acesso a tais informações surge como elemento importante, sobretudo se considerarmos o contexto informacional contemporâneo com sua profusão de informações e uma nova dinâmica em certo sentido, tecnologicamente determinada ou condicionada de busca ativa e individualizada (MATTOS, 2004). Entretanto, conforme Moderno (1992 apud REIS, 2007), os meios de comunicação massiva audiovisuais estariam consoantes com uma pedagogia participativa, exploratória e ativa. E teriam, sim, uma capacidade sedutora, constante e educativa para a nossa ordenação de mundo, inclusive em nossos valores mais profundos (FREIXO, 2002, apud REIS, 2007). Verifica-se, aqui, uma situação antagonista em que a publicidade assume papel convergente e divergente na função educativa social. 4. Principais resultados obtidos e/ou esperados Foram realizados dois grupos focais webmediados no período de 17 a 26 de julho de Cada grupo foi composto por pedagogas atuantes na área de educação, sendo um com seis e outro com oito integrantes. Na discussão, foram parametrizados o conceito de educação, o objetivo fundamental de processos educativos e as principais evidências do sucesso de um processo educativo. Posteriormente, procedeu-se a uma discussão sobre duas campanhas exemplares uma denominada Campanha Gripe (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2012) e outra denominada Campanha AIDS (Idem, 2012) e a busca de identificação de sua função educativa, bem como dos elementos que evidenciariam tal função. A percepção do conceito de educação envolve a ideia de transformação de um dado status do indivíduo para um novo status; seria um processo formativo que o levaria a um novo patamar de conhecimento, de consciência, de atitude e de potencial de ação. De forma explícita ou não, a educação foi apresentada como importante para o educando se constituir como sujeito, não só de seu processo educativo, como também na sociedade. Nenhum dos pedagogos, ao serem confrontados entre si, apresentou a educação em uma perspectiva unicamente informativa. Não obstante, foi identificada uma visão da educação como ferramenta manipuladora para direcionar o 6

7 indivíduo e suas ações. Embora o novo status seja, fundamentalmente, entendido pelo grupo numa perspectiva qualitativa, de modificação de atitudes, percepções e formas de agir, registre-se que a perspectiva quantitativa também foi aventada. Haveria a possibilidade de entender-se a educação como aumento do repertório de conhecimento, em seu volume, em sua quantidade. É interessante registrar que os conceitos de informação, conscientização e mudança de comportamento foram conceituados isoladamente, mas ao serem correlacionados por solicitação do mediador do grupo, foram citados como se fossem estágios do processo de aprendizagem. Informar seria a premissa do processo, com a exposição de informações, de forma direta como em sala de aula ou de forma indireta como na vivência de experiências. A conscientização foi considerada como o objetivo maior do processo de ensinar, ainda que a mudança de comportamento aparecesse por diversas vezes, ora tomada como desejável, ora como estágio final. O objetivo geral da educação seria deslocar o sujeito do lugar em que ele está, seja em relação ao pensamento, visão de mundo, criticidade ou conhecimento técnico (A.M., 35 anos, feminino). E, para isso, a educação não poderia ser unilateral, mas muitas vezes é (idem). A referência, aí, é a do educando como sujeito da aprendizagem. É preciso salientar que para ser eficaz, a educação tem que ocorrer da forma e no momento em que os sujeitos estejam dispostos e receptivos. Deve ser ainda [sic] de conceitos e conteúdos que interessem ou façam parte da realidade social e afetiva do educando (L.M., 28 anos, feminino). A verificação do êxito no alcance de tal objetivo fundamental da educação passaria pelo conceito de avaliação. A ideia de avaliação está muito associada a testes e ao ambiente escolar, mas é indicada como o principal meio de se identificar evidências do sucesso do processo de aprendizado. Entretanto, existe, também, a percepção de uma avaliação processual, constante, a partir da observação da aplicação ou evidências comportamentais (manifestação sensível) de um conhecimento aplicado. Especificamente em relação às campanhas, houve a percepção de que são majoritariamente informativas e não educativas. Foi ressaltado, ainda, que a mudança do comportamento, como objetivo educativo das campanhas, deveria ser baseada na conscientização e discernimento do 7

8 sujeito e não em seu condicionamento, por exemplo, pelo medo ou pela punição. Registrou-se ainda que somente a comunicação massiva não é suficiente cumpriria apenas a função informativa sendo necessárias ações associadas e mais próximas da população (A.G. 34, masculino) como palestras, encontros, esclarecimentos de dúvidas nos locais... A campanha Gripe gerou a percepção da necessidade de um uso continuado, não pontual nos períodos de frio e/ou maior incidência da doença, além das já referidas ações complementares dentro de uma pedagogia adequada ao perfil da população (e público-alvo). Já na percepção de C.J., a campanha AIDS extrapola a dimensão informativa e alcança o objetivo de conscientização. O mérito está relacionado à abordagem clara, à consideração dos públicos diversos jovens hetero e homossexuais à explicação dos vários aspectos envolvidos como uso de camisinha e testes no caso de sexo inseguro, bem como ao uso de ações associadas (como a distribuição de camisinhas). A crítica paira sobre a descontinuidade das mesmas como se só fosse importante usar camisinha no Carnaval ou se vacinar contra a gripe no período das campanhas. Como verificado na literatura (ALVES, 2012), as campanhas na área de saúde envolvem, via de regra, outras instâncias que não a comunicacional, como os suportes logísticos de pessoal e equipamentos para realização de procedimentos profiláticos, propedêuticos ou terapêuticos. Entretanto, a instância de visibilidade, informação e sensibilização para participação e adesão da população a tais campanhas passa, necessariamente, pela comunicação. É pela divulgação da existência das doenças, das formas de se evitá-las, dos serviços existentes no sistema de saúde para a população etc. que se busca a adesão da população aos caminhos estabelecidos pelos proponentes das campanhas de saúde para a consecução de seus objetivos. Entretanto, há que se considerar uma distinção entre a dimensão informativa da comunicação em que se toma conhecimento daquilo que foi divulgado e a dimensão educativa na qual ocorre um processo de aprendizagem, com a tomada do conhecimento sobre a informação, sua apropriação e internalização pela pessoa enquanto sujeito capaz de articulá-la e, potencialmente, operacionalizá-la em novas atitudes e ações. Dentre alguns pontos analisados e dignos de nota, registra-se, inicialmente, a consideração da pertinência da lógica de consumo e das teorias relativas ao comportamento de consumo, conforme colocado por Fennis (2002), como elementos úteis para fundamentar ações e compreender a 8

9 dinâmica educativa da população por um viés persuasivo com foco no consumo de um comportamento saudável. Essa visão vai ao encontro de consumidor-cidadão de Canclini (1995 apud NETO; BARBOSA, 2007), uma nova perspectiva de cidadania em que o consumo não é separado da dinâmica social. Outro ponto é o lugar de sujeito assumido pelo indivíduo em seu processo educativo, com autonomia (BECKER, 2008), proativo na busca individualizada de informações em um novo contexto tecnológico-informacional (MATTOS, 2004). O terceiro ponto de análise é a constatação de duas perspectivas teóricas antagonistas sobre a capacidade de influência e capacidade educativa da publicidade e dos meios de comunicação de massa, em específico. Bem enfatizado em O valor (des)educativo da publicidade (REIS, 2007), a publicidade, quando a serviço dos produtos, do consumo e do mercado, seria eficaz e contribuinte para a indução a comportamentos e construção de valores da sociedade e do indivíduo. Entretanto, quando na perspectiva de uma Publicidade de Utilidade Pública conforme Duarte (2009, p. 62, apud FORMIGA SOBRINHO, 2012, p.05) aquela sobre temas relacionados ao dia-a-dia das pessoas, geralmente serviços e orientações. Buscam informar, mobilizar, prevenir ou alertar a população ou setores específicos dela para temas de interesse. assumiria apenas a função informativa, sem alcance do ideal educativo, como foi verificado, inclusive, nos grupos focais com pedagogos e com jovens adultos. Os resultados em construção nesse estudo são centrados na melhor compreensão sobre quais os objetivos concretos das campanhas, diferenciando-se informar, conscientizar, educar e mudar comportamentos. Apesar de esperar-se das campanhas publicitárias em saúde não apenas informar, mas educar, não foram encontrados elementos intrínsecos a elas que fossem indicadores da função educativa nem na bibliografia pesquisada, nem na percepção dos pedagogos e jovens. Majoritariamente, os indicadores referenciam-se em elementos externos às peças publicitárias que não argumentos, conceitos, imagens, textos, layouts, tipos de peças etc. como a necessidade de ações complementares palestras, atendimentos etc. e na continuidade e alcance das campanhas haver mais peças em mais mídias durante períodos maiores. Finalmente, remanesce a necessidade de continuidade na investigação e aprofundamento para delimitar com maior clareza os indicadores intrínsecos às campanhas e suas peças publicitárias, bem como a estrutura de interrelação entre informação, educação, conscientização e ação, apesar de 9

10 preliminarmente arriscar-se, aqui, a apresentar uma primeira leitura dessa dinâmica, como ilustrada nas figuras 01 e 02: Fig.01 Dinâmica educacional contempla o comportamento Fonte: os autores Fig.02 Dinâmica educacional: comportamento como elemento externo Fonte: os autores 10

11 Apesar das leituras e falas apontarem para o comportamento do indivíduo já informado e consciente como o ponto final do processo educativo (Figura 01), é legítimo ponderar que o indivíduo informado e consciente, em outro status educativo (com maior repertório de conhecimentos e consciente das implicações envolvidas em determinado agir), possa agir ou não conforme o processo educativo o tenha pretendido. O estágio de mudança do comportamento, do agir, seria externo ao processo educativo e passaria pela autonomia do sujeito que, detentor do conhecimento, consciente, educado, poderia mudar ou não o seu comportamento. Mudança essa não fundada apenas no conhecimento fruto do processo educativo e, nesse sentido, racional; mas numa dialética entre essa racionalidade e a dimensão emocional com todas as variáveis possíveis, como a comodidade, o prazer e a satisfação psicológica e social. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, M. R. A. B. Vacine-se, use camisinha e beba leite: ponderações sobre a dimensão educativa das campanhas em saúde. In: PEREZ, C.; TRINDADE, E. (org). Deve haver mais pesquisa na publicidade. Salto: ABP2 Associação Brasileira de Pesquisa em Publicidade, ANTUNES, J.L.F.; TOPORCOV, T.N.; WÜNSCH-FILHO, V. Resolutividade da campanha de prevenção e diagnóstico precoce do câncer bucal em São Paulo, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública. 2007; 21(1):30 6. AZEVEDO, N. S. N. Pensamento reflexivo, pensamento crítico e televisão. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Oficinas para a educação em saúde e comunicação. Brasília, FUNASA, BECKER, A. A concepção de educação de Paulo Freire e o desenvolvimento sustentável. Dissertação de Mestrado. Centro Universitário Franciscano BERNHARDT, J.M.; CAMERON, K. Acessing, understanding and applying health communication messages. THOMPSON, T. L. et al (edit.). Handbook of health communication. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2003, p BRASIL. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Avaliação do Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, BRASIL. Ministério da Saúde. Website. Disponível em Acesso em 12 de abril de COLL, César. Piaget, o construtivismo e a educação escolar: onde está o fio condutor? In: Substratum: Temas Fundamentais em Psicologia e Educação, v.1, n.1 (Cem Anos com Piaget). Porto Alegre, Artes Médicas, p

12 COLLAZIOL, E. C. S.; FRANÇOSO, F. G. Ministério da Saúde: análise das campanhas televisivas para educação e prevenção da AIDS. ComSaúde. DUARTE, Jorge. Instrumentos de comunicação pública. In: DUARTE, Jorge (Org.). Comunicação pública Estado, mercado, sociedade e interesse público. (2. ed.) São Paulo: Atlas, p EPSTEIN, I. Comunicação de massa para saúde: esboço de uma agenda midiática. In: Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, año V, nº 8-9. São Paulo: ALAIC, FELDMANN, A. F. Análise das campanhas de comunicação sobre Câncer de Mama - um estudo comparativo entre as iniciativas do INCA e do IBCC. Dissertação. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes/USP, FENNIS, B. M. Advertising, consumer behavior and health: Exploring possibilities for health promotion. In: International Journal of Medical Marketing. Vol. 3, FORMIGA SOBRINHO, A. B. A publicidade na comunicação pública. Organicom (USP), v. 16, 2012, no prelo. FRANÇA, V. Paradigmas da Comunicação: conhecer o quê? Ciberlegenda Número 5, Disponível em Acesso em 21 de abril de FREITAS, L. B. L. Autonomia moral na obra de Jean Piaget. Educar, n.19. Curitiba, Editora da UFPR, GOMES, P.G. Estratégias para um melhor uso dos meios de comunicação para a educação dos grupos de população desfavorecidos, a participação dos receptores. IN Comunicação e educação: caminhos cruzados, organizado por Margarida Maria Krohling Kunsch. São Paulo: Loyola, HARRISINTERACTIVE. got milk? From Memorable to Motivational: How research helped re-focus one of America s most visible advertising campaigns Disponível em Acesso em 18 de março de LEITE, Francisco; BATISTA, Leandro Leonardo. A publicidade contra-intuitiva e o efeito ricochete. Revista Galáxia, São Paulo, n. 15, p , jun LEVY, S. N. et alli. Educação em Saúde: historia, conceitos e propostas. Disponível em Acesso em 23 de março de MARTINO, L. De qual comunicação estamos falando? In: HOHLFELDT, A.; MARTINO, L.; FRANÇA, V. (orgs.). Teorias da Comunicação. Vozes. Petrópolis,

13 MATTOS, M. A. Revendo o pensamento comunicacional e os processos de aprendizado na contemporaneidade. In: Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, año I, nº 1. São Paulo: ALAIC, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Campanha Gripe. Campanha. Brasil: Ministério da Saúde, Disponível em eq_campanha=4724. Acesso em 16 de julho de MINISTÉRIO DA SAÚDE. Campanha Gripe. Campanha. Brasil: Ministério da Saúde, Disponível em eq_campanha=4664. Acesso em 16 de julho de MOISÉS, Márcia. A Educação em Saúde, a Comunicação em Saúde e a Mobilização Social na Vigilância e Monitoramento da Qualidade da Água para Consumo Humano. In Jornal do Movimento Popular de Saúde. MOPS (2003). MONTEIRO, S.; VARGAS, E. Educação, Comunicação e Tecnologia Educacional: Interfaces com o Campo da Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; MULROW Cynthia D. Rationale for systematic reviews. British Medical Journal, London,1994. NETO, H. B. S.; BARBOSA, I. S. Propaganda e Publicidade, Linguagem e Identidade, Consumo e Cidadania: articulação entre conceitos e suas significações. Artigo. XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Santos, NUTBEAM, D. Health promotion glossary. Genebra: World Healh Organization, Disponível em Acesso em 01 de agosto de REIS, C.F.S. O valor (des)educativo da publicidade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, SARACENI, V. & LEAL, M. C. Avaliação da efetividade das campanhas para eliminação da sífilis congênita na redução da morbi-mortalidade perinatal. Município do Rio de Janeiro, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(5): , set-out, SARTÓRIO, L. A. V. Apontamentos críticos às bases teóricas de Jean Piaget e a sua concepção de educação. Revista Eletrônica Arma da Crítica. Ano SBIM - SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Gripe na Empresa. Informativo da Associação Brasileira de Imunizações SCHEVITZ, J. Adverstising as a force in public health education. In: The American Journal of Public Health. New York: American Public Health Association,

14 SOUZA, S. K. Análise da cobertura vacinal e da estratégia campanhista no município de Teófilo Otoni/MG no período de 2005 a Trabalho de Conclusão de Curso. Programa de Pós-graduação Curso de Atenção Básica à Saúde da Família. Universidade Federal de Minas Gerais. Teófilo Otoni, TEIXEIRA, José A. Carvalho. Comunicação em saúde: Relação Técnicos de Saúde - Utentes. Análise Psicológica, vol.22, nº3.set. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada, VELASQUES, M. B.; SÁ, J. Percepção da População do Grande ABC sobre as ações de saúde das Gestões Municipais. Artigo. 13º ComSaúde, Disponível em A7%C3%A3o_do_Grande_ABC_sobre_as_a%C3%A7%C3%B5es_de_sa%C3%BAde_das_Gest% C3%B5es_Municipais. Acesso em 12 de março de

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

O PENSAR E FAZER EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO COTIDIANO ESCOLAR

O PENSAR E FAZER EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO COTIDIANO ESCOLAR O PENSAR E FAZER EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO COTIDIANO ESCOLAR Ana Paula da Silva Graduanda em Pedagogia -UFPB- Campus IV- Marcklene S. Lima Graduanda em Pedagogia -UFPB- Campus IV Rosineide da Silva Chaves Graduanda

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) A Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Genebra, tem como órgão principal a Assembleia Mundial da Saúde, composta por delegações de todos os Estados-membros

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 Modelo para apresentação do trabalho: Título do trabalho I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 Vivências de um Estagiário de Extensão sobre a Capacitação de Agentes

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Bianca Said SALIM 2 Lorran Coelho Ribeiro de FARIA 3 Pedro Martins GODOY

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia.

Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. 9º Curso Básico de Imunizações Selma Ramos de Cerqueira O QUE É MONITORAMENTO? É O CONJUNTO DE ATIVIDADES

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ivone Aparecida Borges (1) Coordenadora de projetos, professora de Biologia e Educadora Ambiental no Centro Operacional de

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar A Pedagogia Integrativa no contexto escolar Cláudio Mendes Tourinho claudiotourinho@hotmail.com Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES Huagner Cardoso da Silva huagnercardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em COMUNICAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES: Desempenho docente, Coordenação

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 Leanna Evanesa ROSA Rosane Rocha PESSOA Faculdade de Letras - UFG leannarosa@yahoo.com.br Palavras-chave: língua;

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Renata Rodrigues Daher Paulo Ana Maria Malik

Renata Rodrigues Daher Paulo Ana Maria Malik O Facebook como mídia de comunicação em saúde: identificando o perfil dos usuários que declaram intenção de se cadastrar como doadores de medula óssea Renata Rodrigues Daher Paulo Ana Maria Malik INTRODUÇÃO

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos JORGE STEINHILBER 1 Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de No Brasil, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva assegura acesso ao

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA I Código: HT/OC 261 Curso: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Pré-requisito: não tem Natureza: Semestral Carga horária: Aulas teóricas: 30 horas-aula Aulas práticas:

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG

O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG O USO DA EPIDEMIOLOGIA NO PLANEJAMENTO DAS AÇOES DE SAÚDE: UM ESTUDO NOS PSF s DE FORMIGA-MG Aline Rodrigues ALVES Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí RESUMO A inserção efetiva do uso da epidemiologia

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 BERNARDON, Andressa Corrêa 2 ; RAMOS, C. Marília 3 ; LEAL, Francine Ziegler 4 ; TRINDADE, Tatiana Siqueira 5 ; PRESTES,

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Psicologia: Teoria e Pesquisa Mai-Ago 2004, Vol. 20 n. 2, pp. 205-208 Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Câmara de Educação Superior Conselho Nacional

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional 1 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional A Psicopedagogia e seus desdobramentos conceituais podem ser vistos, na atualidade, como um movimento de novas buscas e conhecimentos.

Leia mais

Núcleo de Comunicação e Educação Popular (NCEP)

Núcleo de Comunicação e Educação Popular (NCEP) Núcleo de Comunicação e Educação Popular (NCEP) Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Universidade Federal

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Elisa Angélica Alves Guedes 1 Albertina Marília Alves Guedes 2 Gabriela Miranda Nunes 3 1 Mestranda do Programa de Pós-GraduaçãoFormação

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por SOCIABILIDADE DOS IDOSOS: FATOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Autores: Natália Aparecida de Meira Franco Beltrina Côrte Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Introdução: Este é um

Leia mais

Campanha Publicitária Para Alerta e Prevenção Da Anorexia 1. Janaína BRITO 2 Hugor IORAS 3 Meronilce REIS 4 Maria Angela DUMELL 5

Campanha Publicitária Para Alerta e Prevenção Da Anorexia 1. Janaína BRITO 2 Hugor IORAS 3 Meronilce REIS 4 Maria Angela DUMELL 5 Campanha Publicitária Para Alerta e Prevenção Da Anorexia 1 Janaína BRITO 2 Hugor IORAS 3 Meronilce REIS 4 Maria Angela DUMELL 5 Faculdade Interamericana de Porto Velho, Porto Velho RO. RESUMO Este estudo

Leia mais

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 1 DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília - DF setembro 2014 Omitido para avaliação Instituição email Classe Investigação Científica Setor Educacional Educação Superior Classificação

Leia mais

A INSERÇÃO DA PESQUISA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: limites e possibilidades

A INSERÇÃO DA PESQUISA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: limites e possibilidades A INSERÇÃO DA PESQUISA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: limites e possibilidades Cassiano Lazarotto Rambo 1 Maria Lúcia Marocco Maraschin 2 Iône Inês Pinsson Slongo 3 Resumo: Esta pesquisa buscou

Leia mais

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE Thaiane Pimenta (Centro Pedagógico Bolsista Prograd-UFMG) Elaine França (Centro Pedagógico da UFMG) INTRODUÇÃO A escola desempenha um papel

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º 1 - Ementa (sumário, resumo) Relações

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

TEORIA DE JULGAMENTO MORAL DE KOHLBERG E BULLYING: INTERSEÇÕES POSSÍVEIS DE UM PROBLEMA PERTINENTE

TEORIA DE JULGAMENTO MORAL DE KOHLBERG E BULLYING: INTERSEÇÕES POSSÍVEIS DE UM PROBLEMA PERTINENTE TEORIA DE JULGAMENTO MORAL DE KOHLBERG E BULLYING: INTERSEÇÕES POSSÍVEIS DE UM PROBLEMA PERTINENTE Ariadne Messalina Batista Meira. Discente do curso de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO 13 1. ENUNCIADO DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Criança, a Oralidade e a Cultura Escrita Expressão Artística na Educação Infantil Tecnologias Aplicadas a Educação Infantil

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX

CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX Última atualização em 15 de maio de 2003 CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE Primeira década 1908 Em Viena, Landsteiner e Popper identificam pela primeira vez o vírus da poliomielite.

Leia mais

Margarida M. Krohling Kunsch e Waldemar Luiz Kunsch (orgs.)

Margarida M. Krohling Kunsch e Waldemar Luiz Kunsch (orgs.) Margarida M. Krohling Kunsch e Waldemar Luiz Kunsch (orgs.) Relações Públicas Comunitárias: a Comunicação numa perspectiva dialógica e transformadora São Paulo: Summus, 2007. 372 páginas Carolina Frazon

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL Márcia Regina de Andrade Universidade Federal de Sergipe - UFS Este trabalho pretende refletir sobre a importância

Leia mais