Educação e campanhas em saúde: informar, conscientizar ou mudar comportamentos? 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação e campanhas em saúde: informar, conscientizar ou mudar comportamentos? 1"

Transcrição

1 Educação e campanhas em saúde: informar, conscientizar ou mudar comportamentos? 1 Marcelo Rodrigo de Avelar Bastos ALVES 2 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG Maria do Carmo Barros de MELO 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG Resumo Use camisinha. Você usa? Sabe da importância, tem consciência e possui um comportamento de acordo com o que foi preconizado em campanhas de saúde? O presente estudo realiza uma investigação da dimensão educacional das campanhas publicitárias de utilidade pública no âmbito da saúde tendo como referência aquelas realizadas pelo Ministério da Saúde MS do Brasil. A partir de uma revisão de literatura, delimitou-se os conceitos de saúde, de campanhas, de comunicação em saúde e educação em saúde, buscando-se os indicadores do alcance de uma função educativa dentre elementos intrínsecos e extrínsecos às campanhas publicitárias. Valendo-se da percepção de pedagogos e jovens, identifica-se um caráter informativo, com impactos nos dados levantados pelo MS, mas questiona-se a dimensão educacional das campanhas em um sentido mais amplo, alinhado às visões de Piaget e Paulo Freire. Palavras-chave: campanhas de saúde, campanhas publicitárias, educação em saúde, comunicação em saúde. 1. Introdução A ideia de campanha na área de saúde engloba outra dimensão que não a corrente na área de comunicação: a campanha publicitária ou, mais amplamente, a campanha de comunicação. Prova de tal percepção que ultrapassa os limites do uso dos meios de comunicação convencionais, massivos seria o relato de Saraceni e Leal (2003) ao mostrar que a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ) realizou campanhas para combate à sífilis congênita, envolvendo a 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho 07 Educação, Comunicação e Consumo, do 2º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 15 e 16 de outubro de Comunicólogo, habilitado em Publicidade e Propaganda, pós-graduado em Gestão Estratégica de Marketing e Gestão de Negócios; 3 Médica, professora associada do Departamento de Pediatria e Subcoordenadora do Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal de Minas Gerais;

2 divulgação de informações, mas também, ao mesmo tempo, treinamento de pessoal e triagem de pacientes. A ideia de campanha, aqui, remete à acepção primeira de esforços conjuntos e diversos, de caráter extraordinário, com foco na consecução de um objetivo comum (HOUAISS, 2012). Enfatizando a vertente conceitual que delimita a campanha de saúde como uma campanha de comunicação em específico, publicitária é possível identificar usos históricos como a experiência da Oklahoma Tuberculosis Association já em 1918 (SCHEVITZ, s/d, p.916). No Brasil, desde Osvaldo Cruz, com as vacinações em massa do início do século passado (TEMPORÃO, 2003), as campanhas na área de saúde começaram a ser utilizadas com o intuito de auxiliarem no controle de quadros epidemiológicos da população. De forma mais visível nos últimos anos, sobretudo com casos midiáticos como a AIDS (a partir do final da década de 1990) e, mais recentemente, da gripe ocasionada pelo vírus H1N1 (influenza A), as campanhas têm ocupado lugar de destaque como ferramenta de gestão da Saúde Pública no Brasil. Entretanto, tais campanhas publicitárias em saúde apresentam ou deixam que se entenda como possuíssem objetivos mais amplos. Elas representam não somente a divulgação de informações, mas um intuito educativo, que passa pela conscientização sobre comportamentos saudáveis ou promotores de saúde, culminando na efetiva adoção de tais comportamentos. 2. Objetivos e justificativas O uso da publicidade para fins de intervenção no comportamento em saúde talvez passe pela percepção de que muitas das enfermidades e doenças que acometem as sociedades modernas ocidentais estão intrinsecamente ligadas a estilos de vida [e a comunicação de massa] é imaginada como capaz de contribuir de forma significativa para essas mudanças comportamentais 4 (FENNIS, 2002, p.316). Os comerciais televisivos, os outdoors e o uso de mascotes demonstram aplicabilidade da comunicação para a notoriedade e visibilidade dos temas e informações principais acerca de doenças e ações preventivas. Acredita-se, por exemplo, ser de domínio público a 4 many of the illnesses and diseases that plague modern Western societies are intrinsically linked to lifestyle factors [ and communication media ] were thought to be able to contribute a great deal to these behavioral changes (tradução nossa) 2

3 disponibilidade da vacina contra gripe para pessoas acima de 60 anos ou a existência do Zé Gotinha e sua luta contra a paralisia infantil (como ficou conhecida a poliomielite); bem como a importância de se lavar as mãos, profilaxia simples, para evitar a propagação de vírus ou que não se deve praticar sexo sem o uso de preservativos. Mas será que realmente todo o público de tais campanhas ou sua grande maioria age de acordo com o previsto, ou seja, leva as suas crianças para as campanhas de vacinação, lava as mãos e sempre usa camisinha conforme as recomendações? Pelos dados disponibilizados pelos próprios órgãos ligados ao Ministério da Saúde, o impacto destas campanhas é positivo, mas ainda existem dúvidas sobre sua dinâmica de implementação para a efetividade. O estudo aqui relatado é um esforço para o entendimento da dimensão educativa das campanhas de comunicação em saúde pública, dada a premissa de que informar não é educar e que a aprendizagem, elemento central do processo de educação, envolve a compreensão, elaboração e domínio do conhecimento para seu uso potencial ou efetivo. Mas não necessariamente implica mudança de comportamento. Para tanto, delimita-se conceitualmente as campanhas de comunicação em saúde; estabelece-se o conceito de educação e seus elementos constituintes enquanto processo; e buscam-se as evidências em outros estudos da existência e dinâmica de ocorrência da dimensão educacional nas campanhas mencionadas. 3. Fundamentação teórica e procedimentos metodológicos Trata-se de um estudo exploratório de caráter qualitativo, baseado na pesquisa bibliográfica para a revisão sistemática de literatura, conforme preconiza Mulrow (1994), e na pesquisa documental dos registros de campanha em específico da AIDS disponíveis no site do Ministério da Saúde do Brasil. Estabelecido o quadro teórico por amostragem por julgamento das fontes, fez-se, no período do dia primeiro de março ao dia 26 de abril de 2012, um levantamento, leitura e análise com o uso de 15 termos de busca, conforme tabela 01 dos trabalhos disponíveis para acesso gratuito nos bancos de artigos da Biblioteca Virtual de Saúde BVS, portal de periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes, Biblioteca Online de Ciências da Comunicação BOCC, Conferência Brasileira de Comunicação em Saúde ComSaúde e 3

4 Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação Compós 5. Envolveu ainda, em um segundo momento, de 17 de junho a 26 de julho de 2012, a entrevista em profundidade e grupos focais com público-alvo das campanhas e especialistas em educação, em amostra constituída por amostragem por julgamento e conveniência, bem como análise documental de amostra formada pela mesma técnica e disponível no website do Ministério da Saúde. Tabela 01 Descritores utilizados para busca de artigos e livros 1. Campanha de propaganda 2. Campanha publicitária 3. Campanha de comunicação 4. Campanha de saúde 5. Campanha educativa 6. Educação em saúde 7. Propaganda AND caráter educativo 8. Propaganda AND função educativa 9. Publicidade AND caráter educativo 10. Publicidade AND função educativa 11. Propaganda AND educação 12. Propaganda AND educação 13. Publicidade AND saúde 14. Propaganda AND saúde 15. Marketing AND saúde Numa primeira aproximação, historicamente fundada, não é raro situar a prática da educação em uma sala de aula, com a figura do professor, detentor do conhecimento que é transmitido ao aluno que, ao ser a ele exposto, o apreende e passa também a detê-lo ou não. Tal modelo traz em si dois conceitos caros à comunicação: a informação e a transmissão; evidência de uma perspectiva transmissional para conceituar a própria comunicação. Entretanto, assim como se entende aqui que o conceito de comunicação deve se localizar em um outro paradigma o de compartilhamento e construção de sentido, de significado (FRANÇA, 2001; MARTINO, 2001) o conceito de educação também deve ser ampliado. Tanto em termos dos locais e momentos em que ocorre a educação formal e informal como em sua essência processo não informativo, mas formativo. Envolveria a perspectiva já adotada pelo Ministério da Educação de que a educação é essencialmente uma prática social presente em diferentes espaços e momentos da produção da vida social (BRASIL, s/d, p.05) e ilustrada por Azevedo como realizada por todas as instituições existentes numa sociedade família, escola, comunidade, agremiações, Igreja, Estado assim como pelos meios de comunicação social (AZEVEDO, 2007, p.453). 5 Com a colaboração dos acadêmicos Luiz Kind, Iuly Macari, Leonardo Freitas e Silviane Palma do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Newton Paiva. 4

5 Apesar do caráter imbricado entre a educação e comunicação, é necessário diferenciá-los. Educação em Saúde é uma prática social que preconiza não só a mudança de hábitos, práticas e atitudes, a transmissão e apreensão de conhecimentos, mas, principalmente, a mudança gradual na forma de pensar, sentir e agir através da seleção e utilização de métodos pedagógicos participativos e problematizadores (MOISÉS, 2003, s/p.). Essa perspectiva, ancorada numa dimensão de ação da população é explicitada pelo Expert Committee on Planning and Evaluation of Health Education Services da Organização Mundial de Saúde OMS para o qual se tem, na educação em saúde, o propósito de estimular a adoção de estilos de vida sadios, o uso criterioso dos serviços de saúde e a tomada de decisões nos âmbitos individual e coletivo com foco na promoção da saúde e do meio ambiente (LEVY, s/d). No relatório da Diretoria de Programas de Educação em Saúde do Ministério da Saúde, ainda se amplia a visão, apontando a declaração do Scientific Group on Research in Health Education de que os objetivos da educação em saúde são de desenvolver nas pessoas o senso de responsabilidade pela sua própria saúde e pela saúde da comunidade a qual pertençam e a capacidade de participar da vida comunitária de uma maneira construtiva (LEVY, s/d.) A percepção sobre tais visões é de que há uma influência ou sintonia com o pensamento de Piaget 6 e Freire 7. Resgata-se de Piaget, o aluno como sujeito, crítico, com raciocínio lógico, com o conhecimento como construção dele para intervenção sobre a realidade, com autonomia moral e intelectual. Em Paulo Freire, a educação entendida como prática para a emancipação, políticoideológica, inclusive, e, consequentemente, libertação (BECKER, 2008). Nesse sentido, é interessante resgatar o conceito de health literacy (alfabetização em saúde) de Nutbeam (1998): capacidade cognitiva e social para motivação com vistas à adoção de um comportamento que mantenha ou promova a boa saúde do sujeito a partir da apreensão, compreensão e uso de 6 Jean Willian Piaget, biólogo e filósofo suíço, nasceu em 1886 e publicou mais de 500 artigos científicos e cerca de 100 livros, sendo referência mundial na construção do conhecimento com sua atuação em psicologia, epistemologia e educação. 7 Paulo Reglus Neves Freire, educador e filósofo brasileiro, nascido em 1921, é um pensador digno de nota mundialmente na área da pedagogia, sendo referência do movimento da pedagogia crítica e autor de Pedagogia do Oprimido. Defende a ideia de que o educando dialeticamente seria sujeito do seu aprendizado libertando-se das práticas alienantes. 5

6 informações. Sem a alfabetização, a implicação é a inutilidade da disponibilidade de informações e até mesmo o eventual prejuízo pelo não uso, ou uso inapropriado, das mesmas (BERNHARDT; CAMERON, 2003 apud EPSTEIN, 2008). O componente do desejo do acesso a tais informações surge como elemento importante, sobretudo se considerarmos o contexto informacional contemporâneo com sua profusão de informações e uma nova dinâmica em certo sentido, tecnologicamente determinada ou condicionada de busca ativa e individualizada (MATTOS, 2004). Entretanto, conforme Moderno (1992 apud REIS, 2007), os meios de comunicação massiva audiovisuais estariam consoantes com uma pedagogia participativa, exploratória e ativa. E teriam, sim, uma capacidade sedutora, constante e educativa para a nossa ordenação de mundo, inclusive em nossos valores mais profundos (FREIXO, 2002, apud REIS, 2007). Verifica-se, aqui, uma situação antagonista em que a publicidade assume papel convergente e divergente na função educativa social. 4. Principais resultados obtidos e/ou esperados Foram realizados dois grupos focais webmediados no período de 17 a 26 de julho de Cada grupo foi composto por pedagogas atuantes na área de educação, sendo um com seis e outro com oito integrantes. Na discussão, foram parametrizados o conceito de educação, o objetivo fundamental de processos educativos e as principais evidências do sucesso de um processo educativo. Posteriormente, procedeu-se a uma discussão sobre duas campanhas exemplares uma denominada Campanha Gripe (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2012) e outra denominada Campanha AIDS (Idem, 2012) e a busca de identificação de sua função educativa, bem como dos elementos que evidenciariam tal função. A percepção do conceito de educação envolve a ideia de transformação de um dado status do indivíduo para um novo status; seria um processo formativo que o levaria a um novo patamar de conhecimento, de consciência, de atitude e de potencial de ação. De forma explícita ou não, a educação foi apresentada como importante para o educando se constituir como sujeito, não só de seu processo educativo, como também na sociedade. Nenhum dos pedagogos, ao serem confrontados entre si, apresentou a educação em uma perspectiva unicamente informativa. Não obstante, foi identificada uma visão da educação como ferramenta manipuladora para direcionar o 6

7 indivíduo e suas ações. Embora o novo status seja, fundamentalmente, entendido pelo grupo numa perspectiva qualitativa, de modificação de atitudes, percepções e formas de agir, registre-se que a perspectiva quantitativa também foi aventada. Haveria a possibilidade de entender-se a educação como aumento do repertório de conhecimento, em seu volume, em sua quantidade. É interessante registrar que os conceitos de informação, conscientização e mudança de comportamento foram conceituados isoladamente, mas ao serem correlacionados por solicitação do mediador do grupo, foram citados como se fossem estágios do processo de aprendizagem. Informar seria a premissa do processo, com a exposição de informações, de forma direta como em sala de aula ou de forma indireta como na vivência de experiências. A conscientização foi considerada como o objetivo maior do processo de ensinar, ainda que a mudança de comportamento aparecesse por diversas vezes, ora tomada como desejável, ora como estágio final. O objetivo geral da educação seria deslocar o sujeito do lugar em que ele está, seja em relação ao pensamento, visão de mundo, criticidade ou conhecimento técnico (A.M., 35 anos, feminino). E, para isso, a educação não poderia ser unilateral, mas muitas vezes é (idem). A referência, aí, é a do educando como sujeito da aprendizagem. É preciso salientar que para ser eficaz, a educação tem que ocorrer da forma e no momento em que os sujeitos estejam dispostos e receptivos. Deve ser ainda [sic] de conceitos e conteúdos que interessem ou façam parte da realidade social e afetiva do educando (L.M., 28 anos, feminino). A verificação do êxito no alcance de tal objetivo fundamental da educação passaria pelo conceito de avaliação. A ideia de avaliação está muito associada a testes e ao ambiente escolar, mas é indicada como o principal meio de se identificar evidências do sucesso do processo de aprendizado. Entretanto, existe, também, a percepção de uma avaliação processual, constante, a partir da observação da aplicação ou evidências comportamentais (manifestação sensível) de um conhecimento aplicado. Especificamente em relação às campanhas, houve a percepção de que são majoritariamente informativas e não educativas. Foi ressaltado, ainda, que a mudança do comportamento, como objetivo educativo das campanhas, deveria ser baseada na conscientização e discernimento do 7

8 sujeito e não em seu condicionamento, por exemplo, pelo medo ou pela punição. Registrou-se ainda que somente a comunicação massiva não é suficiente cumpriria apenas a função informativa sendo necessárias ações associadas e mais próximas da população (A.G. 34, masculino) como palestras, encontros, esclarecimentos de dúvidas nos locais... A campanha Gripe gerou a percepção da necessidade de um uso continuado, não pontual nos períodos de frio e/ou maior incidência da doença, além das já referidas ações complementares dentro de uma pedagogia adequada ao perfil da população (e público-alvo). Já na percepção de C.J., a campanha AIDS extrapola a dimensão informativa e alcança o objetivo de conscientização. O mérito está relacionado à abordagem clara, à consideração dos públicos diversos jovens hetero e homossexuais à explicação dos vários aspectos envolvidos como uso de camisinha e testes no caso de sexo inseguro, bem como ao uso de ações associadas (como a distribuição de camisinhas). A crítica paira sobre a descontinuidade das mesmas como se só fosse importante usar camisinha no Carnaval ou se vacinar contra a gripe no período das campanhas. Como verificado na literatura (ALVES, 2012), as campanhas na área de saúde envolvem, via de regra, outras instâncias que não a comunicacional, como os suportes logísticos de pessoal e equipamentos para realização de procedimentos profiláticos, propedêuticos ou terapêuticos. Entretanto, a instância de visibilidade, informação e sensibilização para participação e adesão da população a tais campanhas passa, necessariamente, pela comunicação. É pela divulgação da existência das doenças, das formas de se evitá-las, dos serviços existentes no sistema de saúde para a população etc. que se busca a adesão da população aos caminhos estabelecidos pelos proponentes das campanhas de saúde para a consecução de seus objetivos. Entretanto, há que se considerar uma distinção entre a dimensão informativa da comunicação em que se toma conhecimento daquilo que foi divulgado e a dimensão educativa na qual ocorre um processo de aprendizagem, com a tomada do conhecimento sobre a informação, sua apropriação e internalização pela pessoa enquanto sujeito capaz de articulá-la e, potencialmente, operacionalizá-la em novas atitudes e ações. Dentre alguns pontos analisados e dignos de nota, registra-se, inicialmente, a consideração da pertinência da lógica de consumo e das teorias relativas ao comportamento de consumo, conforme colocado por Fennis (2002), como elementos úteis para fundamentar ações e compreender a 8

9 dinâmica educativa da população por um viés persuasivo com foco no consumo de um comportamento saudável. Essa visão vai ao encontro de consumidor-cidadão de Canclini (1995 apud NETO; BARBOSA, 2007), uma nova perspectiva de cidadania em que o consumo não é separado da dinâmica social. Outro ponto é o lugar de sujeito assumido pelo indivíduo em seu processo educativo, com autonomia (BECKER, 2008), proativo na busca individualizada de informações em um novo contexto tecnológico-informacional (MATTOS, 2004). O terceiro ponto de análise é a constatação de duas perspectivas teóricas antagonistas sobre a capacidade de influência e capacidade educativa da publicidade e dos meios de comunicação de massa, em específico. Bem enfatizado em O valor (des)educativo da publicidade (REIS, 2007), a publicidade, quando a serviço dos produtos, do consumo e do mercado, seria eficaz e contribuinte para a indução a comportamentos e construção de valores da sociedade e do indivíduo. Entretanto, quando na perspectiva de uma Publicidade de Utilidade Pública conforme Duarte (2009, p. 62, apud FORMIGA SOBRINHO, 2012, p.05) aquela sobre temas relacionados ao dia-a-dia das pessoas, geralmente serviços e orientações. Buscam informar, mobilizar, prevenir ou alertar a população ou setores específicos dela para temas de interesse. assumiria apenas a função informativa, sem alcance do ideal educativo, como foi verificado, inclusive, nos grupos focais com pedagogos e com jovens adultos. Os resultados em construção nesse estudo são centrados na melhor compreensão sobre quais os objetivos concretos das campanhas, diferenciando-se informar, conscientizar, educar e mudar comportamentos. Apesar de esperar-se das campanhas publicitárias em saúde não apenas informar, mas educar, não foram encontrados elementos intrínsecos a elas que fossem indicadores da função educativa nem na bibliografia pesquisada, nem na percepção dos pedagogos e jovens. Majoritariamente, os indicadores referenciam-se em elementos externos às peças publicitárias que não argumentos, conceitos, imagens, textos, layouts, tipos de peças etc. como a necessidade de ações complementares palestras, atendimentos etc. e na continuidade e alcance das campanhas haver mais peças em mais mídias durante períodos maiores. Finalmente, remanesce a necessidade de continuidade na investigação e aprofundamento para delimitar com maior clareza os indicadores intrínsecos às campanhas e suas peças publicitárias, bem como a estrutura de interrelação entre informação, educação, conscientização e ação, apesar de 9

10 preliminarmente arriscar-se, aqui, a apresentar uma primeira leitura dessa dinâmica, como ilustrada nas figuras 01 e 02: Fig.01 Dinâmica educacional contempla o comportamento Fonte: os autores Fig.02 Dinâmica educacional: comportamento como elemento externo Fonte: os autores 10

11 Apesar das leituras e falas apontarem para o comportamento do indivíduo já informado e consciente como o ponto final do processo educativo (Figura 01), é legítimo ponderar que o indivíduo informado e consciente, em outro status educativo (com maior repertório de conhecimentos e consciente das implicações envolvidas em determinado agir), possa agir ou não conforme o processo educativo o tenha pretendido. O estágio de mudança do comportamento, do agir, seria externo ao processo educativo e passaria pela autonomia do sujeito que, detentor do conhecimento, consciente, educado, poderia mudar ou não o seu comportamento. Mudança essa não fundada apenas no conhecimento fruto do processo educativo e, nesse sentido, racional; mas numa dialética entre essa racionalidade e a dimensão emocional com todas as variáveis possíveis, como a comodidade, o prazer e a satisfação psicológica e social. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, M. R. A. B. Vacine-se, use camisinha e beba leite: ponderações sobre a dimensão educativa das campanhas em saúde. In: PEREZ, C.; TRINDADE, E. (org). Deve haver mais pesquisa na publicidade. Salto: ABP2 Associação Brasileira de Pesquisa em Publicidade, ANTUNES, J.L.F.; TOPORCOV, T.N.; WÜNSCH-FILHO, V. Resolutividade da campanha de prevenção e diagnóstico precoce do câncer bucal em São Paulo, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública. 2007; 21(1):30 6. AZEVEDO, N. S. N. Pensamento reflexivo, pensamento crítico e televisão. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Oficinas para a educação em saúde e comunicação. Brasília, FUNASA, BECKER, A. A concepção de educação de Paulo Freire e o desenvolvimento sustentável. Dissertação de Mestrado. Centro Universitário Franciscano BERNHARDT, J.M.; CAMERON, K. Acessing, understanding and applying health communication messages. THOMPSON, T. L. et al (edit.). Handbook of health communication. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2003, p BRASIL. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Avaliação do Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, BRASIL. Ministério da Saúde. Website. Disponível em Acesso em 12 de abril de COLL, César. Piaget, o construtivismo e a educação escolar: onde está o fio condutor? In: Substratum: Temas Fundamentais em Psicologia e Educação, v.1, n.1 (Cem Anos com Piaget). Porto Alegre, Artes Médicas, p

12 COLLAZIOL, E. C. S.; FRANÇOSO, F. G. Ministério da Saúde: análise das campanhas televisivas para educação e prevenção da AIDS. ComSaúde. DUARTE, Jorge. Instrumentos de comunicação pública. In: DUARTE, Jorge (Org.). Comunicação pública Estado, mercado, sociedade e interesse público. (2. ed.) São Paulo: Atlas, p EPSTEIN, I. Comunicação de massa para saúde: esboço de uma agenda midiática. In: Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, año V, nº 8-9. São Paulo: ALAIC, FELDMANN, A. F. Análise das campanhas de comunicação sobre Câncer de Mama - um estudo comparativo entre as iniciativas do INCA e do IBCC. Dissertação. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes/USP, FENNIS, B. M. Advertising, consumer behavior and health: Exploring possibilities for health promotion. In: International Journal of Medical Marketing. Vol. 3, FORMIGA SOBRINHO, A. B. A publicidade na comunicação pública. Organicom (USP), v. 16, 2012, no prelo. FRANÇA, V. Paradigmas da Comunicação: conhecer o quê? Ciberlegenda Número 5, Disponível em Acesso em 21 de abril de FREITAS, L. B. L. Autonomia moral na obra de Jean Piaget. Educar, n.19. Curitiba, Editora da UFPR, GOMES, P.G. Estratégias para um melhor uso dos meios de comunicação para a educação dos grupos de população desfavorecidos, a participação dos receptores. IN Comunicação e educação: caminhos cruzados, organizado por Margarida Maria Krohling Kunsch. São Paulo: Loyola, HARRISINTERACTIVE. got milk? From Memorable to Motivational: How research helped re-focus one of America s most visible advertising campaigns Disponível em Acesso em 18 de março de LEITE, Francisco; BATISTA, Leandro Leonardo. A publicidade contra-intuitiva e o efeito ricochete. Revista Galáxia, São Paulo, n. 15, p , jun LEVY, S. N. et alli. Educação em Saúde: historia, conceitos e propostas. Disponível em Acesso em 23 de março de MARTINO, L. De qual comunicação estamos falando? In: HOHLFELDT, A.; MARTINO, L.; FRANÇA, V. (orgs.). Teorias da Comunicação. Vozes. Petrópolis,

13 MATTOS, M. A. Revendo o pensamento comunicacional e os processos de aprendizado na contemporaneidade. In: Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, año I, nº 1. São Paulo: ALAIC, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Campanha Gripe. Campanha. Brasil: Ministério da Saúde, Disponível em eq_campanha=4724. Acesso em 16 de julho de MINISTÉRIO DA SAÚDE. Campanha Gripe. Campanha. Brasil: Ministério da Saúde, Disponível em eq_campanha=4664. Acesso em 16 de julho de MOISÉS, Márcia. A Educação em Saúde, a Comunicação em Saúde e a Mobilização Social na Vigilância e Monitoramento da Qualidade da Água para Consumo Humano. In Jornal do Movimento Popular de Saúde. MOPS (2003). MONTEIRO, S.; VARGAS, E. Educação, Comunicação e Tecnologia Educacional: Interfaces com o Campo da Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; MULROW Cynthia D. Rationale for systematic reviews. British Medical Journal, London,1994. NETO, H. B. S.; BARBOSA, I. S. Propaganda e Publicidade, Linguagem e Identidade, Consumo e Cidadania: articulação entre conceitos e suas significações. Artigo. XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Santos, NUTBEAM, D. Health promotion glossary. Genebra: World Healh Organization, Disponível em Acesso em 01 de agosto de REIS, C.F.S. O valor (des)educativo da publicidade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, SARACENI, V. & LEAL, M. C. Avaliação da efetividade das campanhas para eliminação da sífilis congênita na redução da morbi-mortalidade perinatal. Município do Rio de Janeiro, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(5): , set-out, SARTÓRIO, L. A. V. Apontamentos críticos às bases teóricas de Jean Piaget e a sua concepção de educação. Revista Eletrônica Arma da Crítica. Ano SBIM - SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Gripe na Empresa. Informativo da Associação Brasileira de Imunizações SCHEVITZ, J. Adverstising as a force in public health education. In: The American Journal of Public Health. New York: American Public Health Association,

14 SOUZA, S. K. Análise da cobertura vacinal e da estratégia campanhista no município de Teófilo Otoni/MG no período de 2005 a Trabalho de Conclusão de Curso. Programa de Pós-graduação Curso de Atenção Básica à Saúde da Família. Universidade Federal de Minas Gerais. Teófilo Otoni, TEIXEIRA, José A. Carvalho. Comunicação em saúde: Relação Técnicos de Saúde - Utentes. Análise Psicológica, vol.22, nº3.set. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada, VELASQUES, M. B.; SÁ, J. Percepção da População do Grande ABC sobre as ações de saúde das Gestões Municipais. Artigo. 13º ComSaúde, Disponível em A7%C3%A3o_do_Grande_ABC_sobre_as_a%C3%A7%C3%B5es_de_sa%C3%BAde_das_Gest% C3%B5es_Municipais. Acesso em 12 de março de

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ivone Aparecida Borges (1) Coordenadora de projetos, professora de Biologia e Educadora Ambiental no Centro Operacional de

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

Você já pensou em como realizar os seus sonhos?

Você já pensou em como realizar os seus sonhos? Você já pensou em como realizar os seus sonhos? Sua escola adota o Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Etapas do Programa : Curso de Educação Financeira; Capacitação Pedagógica; Palestra para

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4.

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ESPAÇO DE COMPARTILHAMENTOS SOBRE O ADOLESCER COM HIV/AIDS ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ¹ Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

TEORIA DE JULGAMENTO MORAL DE KOHLBERG E BULLYING: INTERSEÇÕES POSSÍVEIS DE UM PROBLEMA PERTINENTE

TEORIA DE JULGAMENTO MORAL DE KOHLBERG E BULLYING: INTERSEÇÕES POSSÍVEIS DE UM PROBLEMA PERTINENTE TEORIA DE JULGAMENTO MORAL DE KOHLBERG E BULLYING: INTERSEÇÕES POSSÍVEIS DE UM PROBLEMA PERTINENTE Ariadne Messalina Batista Meira. Discente do curso de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Educação a Distância na UFMG: iniciativas na área da saúde. André Santos, Matheus Machado e Pollyanna Moreira

Educação a Distância na UFMG: iniciativas na área da saúde. André Santos, Matheus Machado e Pollyanna Moreira Educação a Distância na UFMG: iniciativas na área da saúde André Santos, Matheus Machado e Pollyanna Moreira Resumo: O Centro de Apoio à Educação a Distância (CAED) da UFMG aponta duas iniciativas de EaD

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Educação Integral em Sexualidade Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Prevenção Também se Ensina Princípio Básico Contribuir para a promoção de um comportamento ético e responsável,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

COMUNICAÇÃO. Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos

COMUNICAÇÃO. Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos Catálogo 2010 2011 COMUNICAÇÃO Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos Destinado a profissionais, estudantes e professores das áreas de comunicação e relações públicas, o livro traz um compilado

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX

RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX -Título: Dor dentária e hábitos de higiene bucal em escolares de instituições com e sem programa de promoção de saúde. -Projeto de pesquisa apresentado ao

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Fraternidade e Saúde Pública. Guillermo Asper, PhD., Prof. ADM/FACE/UnB 1

Fraternidade e Saúde Pública. Guillermo Asper, PhD., Prof. ADM/FACE/UnB 1 Fraternidade e Saúde Pública Guillermo Asper, PhD., Prof. ADM/FACE/UnB 1 Fev 28 01.1 Orientação do módulo básico de Gestão e Inovação de Processos de Saúde. 01.2 Dimensões para a melhor saúde sob a perspectiva

Leia mais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Geyza Pedrisch de Castro Joana Darc Macedo Passos Sandra Lima Karantino A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Guajará Mirim RO. 2012. 1. JUSTIFICATIVA O presente Projeto

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FEIRA DE SAÚDE. Palavras chave: Saúde, Promoção da Saúde, Saúde do Homem.

PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FEIRA DE SAÚDE. Palavras chave: Saúde, Promoção da Saúde, Saúde do Homem. PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FEIRA DE SAÚDE SILVA¹, Lorrayne Emanuela Duarte da ; BORGES 2, Cristiane José; NOGUEIRA 3, Douglas José; SILVA 4, kelvia Donato da;

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas escola teoria prática cidadania hierarquia inclusão exclusão social cooperação competição Observamos

Leia mais