A PROPAGANDA DOS SEGUIDORES DE GETÚLIO: aspectos da participação política na campanha presidencial de 1950

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROPAGANDA DOS SEGUIDORES DE GETÚLIO: aspectos da participação política na campanha presidencial de 1950"

Transcrição

1 A PROPAGANDA DOS SEGUIDORES DE GETÚLIO: aspectos da participação política na campanha presidencial de 1950 JEFFERSON JOSÉ QUELER (doutor em História pela UNICAMP, Getúlio encherga longe, E prevê os acontecimentos, Por isto queremos ele, A todo e qualquer momento. Isto escréve um operário, Seu fan e adimirador Que lhe quer como Prezidente, E não como Senador. O Autor, W. B. B. Para ser publicado no O Radical. (Arquivo pessoal Getúlio Vargas, CPDOC FGV GV ce / / 53) A propaganda política, em geral, tem surgido nos debates públicos no Brasil com um sentido marcadamente negativo, com o significado de obscurecimento da verdade ou de manipulação. De forma semelhante, a historiografia tem se empenhado em destacar os efeitos de uma publicidade via meios de comunicação de massa na fragilização das instituições democráticas em nosso país. Em ambos os casos, os anos em que Getúlio Vargas esteve na Presidência da República são apontados como um momento em que tal recurso foi intensamente empregado, figurando como um dos fatores que colocaram sérios obstáculos ao desenvolvimento da cidadania. Penso que esse tipo de abordagem tem contribuído muito para o estudo da história do Brasil republicano, mas gostaria de levantar um contraponto a ele, ao indicar um tipo de propaganda política espontânea levada a cabo por simpatizantes de Vargas entre meados da década de 1940 e início da de 1950, seja por meio de versos, músicas ou manuscritos entregues de mão em mão: práticas que podem ter contribuído para a conformação de uma peculiar esfera pública naquele momento. *** Em se tratando de propaganda política na história do Brasil República, diversos foram os trabalhos que chamaram a atenção, cada um a seu modo, para o seu papel na conformação de uma cultura política autoritária no país (GARCIA, 1982; GOULART, 1990; CAPELATO, 1998). Em especial, essas análises elegeram o Estado Novo como

2 objeto privilegiado de estudo, momento em que uma máquina publicitária análoga àquelas de regimes fascistas europeus foi implantada: o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) interviu na imprensa, no rádio, no cinema, entre outras esferas político-culturais da sociedade brasileira, de modo a disseminar imagens positivas do governo Vargas e do regime ditatorial por ele encabeçado durante aquele período Nessa tendência de pensamento, o trabalho de Maria Helena Capelato é particularmente importante para a nossa reflexão por duas razões: primeiro, por indicar como a cultura política autoritária brasileira não foi simplesmente absorvida através das cartilhas do Estado Novo ou das produções do DIP, na medida em que diz respeito a um traço de longa duração em nossa sociedade, perpassada de alto a baixo por ela; segundo, por admitir que tanto esta característica quanto a máquina publicitária governamental não eram imunes a desvios ou resistências de indivíduos e grupos sociais (idem, p e 184). Tais considerações abrem-nos caminhos para analisar as conjunturas tanto do Estado Novo quanto da subsequente redemocratização do país, de maneira a problematizar posições presentes no debate político daquele momento que, de certa forma, foram endossadas pela historiografia. Veja-se, por exemplo, o que o Brigadeiro Eduardo Gomes, candidato à Presidência em 1945, afirmava no calor dos acontecimentos em seus discursos (1946, p ). Em Salvador-BA, em 25 de agosto de 1945, declarou que a ditadura anterior fora decisiva na desvalorização do homem brasileiro : anulou seus direitos, dificultou sua subsistência pela alta generalizada dos preços, negligenciou-lhe condições mínimas de higiene e assistência sanitária; fatores que teriam colocado as pessoas atingidas por eles em condição de dependência em relação à máquina oficial. Sem contar que dois terços da população permanecia analfabeta, o que prejudicava o desenvolvimento econômico e cultural do país, bem como criava uma situação em que as grandes massas se alheiam dos assuntos gerais por não poderem acompanhar os debates esclarecedores. De forma semelhante, diante do grande número de manifestações pelo país clamando pela participação de Vargas na Assembleia Constituinte ou por sua candidatura presidencial - no que ficou conhecido como queremismo -, liberais alinhados ao Brigadeiro alegavam que os supostos efeitos manipuladores da propaganda empregada em anos anteriores persistiam (FERREIRA, 2005, p. 29). Nas palavras de Raul Pilla, o povo brasileiro deveria aparecer aos olhos do estrangeiro:

3 não só um povo de escravos, mas um povo que da escravidão se compraz (...) Vivemos mais de um decênio sob ditadura integral (...) e, aberto o ensejo para a democratização e a conseqüente liberdade, o que se vê é (...) um movimento para perpetuar o ditador. (O Jornal, apud: CABRAL, 1984, p. 201) Evidentemente, como é comum na luta política, Pilla não levava em conta, ou não expressava publicamente, as percepções dos trabalhadores frente às realizações do governo Vargas, especialmente ganhos materiais e simbólicos vislumbrados na legislação trabalhista (FERREIRA, 2005, P. 29). Nesse sentido, é muito significativo o caso de Alcebíades V. Tôrres, operário da fábrica Cerâmica Brasileira e liderança de comitê queremista, que interligava 600 empregados dessa empresa e os moradores dos morros da Mangueira e do Jacarezinho. Em situação em que questionou a legislação que impedia a candidatura de Vargas, ele opinou: Se isso é crime (...) não existe mais mentira do que a democracia! Se estamos no caminho de liberdades populares, como se apregoa, por que evitar que o povo escolha e eleja aquele que é o chefe da pobreza, o amigo dos humildes que nos garantiu e só é atacado pelos que estão furtando o povo e lucrando de barriga cheia? (O Radical, apud: idem, p. 40) O que Tôrres demanda é a adequação de Vargas à frente de um regime liberaldemocrático, na condição de fiador de benefícios percebidos como conquistados. Ao que parece, os direitos sociais estabelecidos havia pouco foram conjugados a demandas por direitos políticos. É o que também pode ser sugerido a partir da fala de Jayme Boa Vista, outra liderança queremista, em ocasião em que vinha do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro fundar um diretório pró-candidatura Vargas, em julho de 1945: todos os que (...) têm contato com o grande público, com a massa de empregados e dos operários, com os elementos dos comércio honesto e fora dos trustes e do lucro extraordinário, todos sabem que o nome do Sr. Getúlio Vargas é uma garantia de equilíbrio e de realização efetiva dos interesses populares (...) candidatura natural e querida do povo, que teve no próprio povo seu órgão de propaganda. (O Globo, apud: CABRAL, 1984, p. 103, grifos meus) Eis um possível contraponto à ideia de que as manifestações em prol de Vargas naquela conjuntura, fossem meramente movidas pelos efeitos da propaganda política organizada pelo DIP: os próprios simpatizantes do então presidente parecem ter feito propaganda voluntária em nome dele. E tal afirmação, a meu ver, não era simples figura

4 de retórica, dado que abundam os exemplos de que práticas como essa efetivamente ocorriam. Veja-se o folheto de cordel tratando da figura de Vargas com a assinatura de Rodolfo, em meio a composições do gênero reunidas pelo escritor Orígenes Lessa, em que são elencadas razões para o nós queremos (1973, p. 110): Para que a nossa Pátria Pela mão dos estrangeiros Não seja ludibriada (...) E a nossa Democracia Venha com mais garantia (...) Para abaixar os alugueis E a carne de dez mil reis (...) Para que o agricultor Seja também amparado... (...) P ra acabar com a bandalheira Destes tipos coroneis Que põe a mão na algibeira E mandam o trabalhador Fazer força meu leitor Pagando qualquer besteira (...) Ao que tudo indica, esse versos circularam entre outras pessoas e desempenharam determinado papel em propagar um significado positivo acerca da figura de Vargas. Neles, há indícios de que aspirações e interesses de trabalhadores rurais são veiculados, sejam eles materiais ou garantias contra abusos de seus empregadores. Não se trata de um pedido velado para a extensão da legislação trabalhista ao campo, a qual regulava até então, preferencialmente, as relações entre patrões e empregados nas indústrias e nas cidades? De qualquer forma, Vargas é associado a uma intervenção mais forte do Estado na sociedade, seja para protegê-la de intervenções estrangeiras, seja para coibir arbitrariedades praticadas pelas elites contra as camadas sociais mais desamparadas, seja para melhorar o padrão de vida destas últimas. Esse parece ser o sentido de Democracia com mais garantia. Na campanha presidencial de 1950, um tipo de publicidade semelhante também teve considerável circulação. Em panfleto pró-vargas intitulado Oração dos Getulistas, em uso irreverente de uma fórmula religiosa, há logo no início do texto a advertência de que estavam sendo espalhados em todos os Estados do Brasil, um escrito do qual se pede que sejam tirada contra copias para mandar aos cinco amigos mais patriotas (GV ce / / 53, p. 17). Na sequência, uma paródia de oração: Creio em Getúlio Vargas, todo poderoso, criador das leis trabalhistas. Creio no Rio Grande do Sul e no seu filho, nosso patrono, qual foi concebido pela

5 revolução de Nasceu de uma Santa Mãe, investiu sobre o poder de Washington Luiz; foi condecorado com o emblema da República, desceu ao Rio, no terceiro dia homenageou aos mortos, subiu ao Catete e esta sentado em São Borja donde há de vir julgar o general Dutra e seus Ministros (...) Amem O foco desta composição recai claramente na personalização de Vargas enquanto criador da legislação trabalhista. Evidentemente, essa perspectiva não considera a participação de grupos sociais na elaboração de tal conjunto de leis, o que é perfeitamente compreensível em se tratando de um texto voltado para a luta política imediata, com o claro propósito de mobilizar seus eventuais leitores. Apelos como esse encontraram ressonância na sociedade, poderíamos nos perguntar? Sim, a julgar pela existência de outras versões do Credo para promover Vargas. Em outro caso, o Creio em Getulio Vargas é seguido por qualificativos distintos daqueles do exemplo anterior, ao tratar o líder como o maior dos estadistas americanos, creador das leis Trabalhistas e da grandeza da Pátria (GV ce /09. 00/ 53, p. 28). Outra diferença surge ao se afirmar que ele está exilado em São Borja de onde há de vir a julgar o imperialismo estrangeiro e seus cumplices. Dessa forma, chamados para a produção de cópias, ou versões, de propagandas como a anterior parecem ter sido atendidos. Cabe ressaltar que diferenças podem ser observadas nos casos analisados, tanto na adjetivação quanto na introdução de elementos novos, como a declarada intenção de Vargas de defender o país de excessivas interferências estrangeiras. Dessa forma, esses narradores anônimos parecem não se incomodar em imprimir em suas narrativas as suas marcas, como a mão do oleiro na argila do vaso, segundo célebre analogia de Walter Benjamin (1994, p. 205); algo distinto dos padrões de credibilidade assumidos pelas notícias dos jornais, em que se almeja atingir uma suposta impessoalidade. Outro folheto que parece ter sido disseminado voluntariamente refere-se a uma lista de razões para se votar em Vargas, abrangendo desde suas realizações no governo quanto perspectivas para sua recondução à Presidência (GV ce /09. 00/ 53, p. 45). Na parte inferior do documento, há a indicação de que ele foi impresso na Tipografia Marly, em Campo Belo-MG, bem como uma conclamação em nota: Todo Patriota deverá tirar 500 copias desta na Tipografia de sua cidade e distribuir aos seus amigos. Uma folheto semelhante a este último também parece ter sido impresso em Minas Gerais, desta vez no município de Manhumirim (GV ce /09. 00/ 53, p. 53). Na

6 parte inferior esquerda do documento, há a menção de que o folheto era Distribuído pelos amigos de Getulio Vargas no município, sendo eles Boaventura Josino da Cruz, Othon M. Chaves, Manoel de Aguiar Drumend, José M. Vaz, Oldrado Andrade, João Rabelo, Arcebino Breder e Gumercindo Heringer. Além de o folheto elencar quarenta razões para se votar em Vargas, diferente das trinta e sete do caso anterior, incorpora ainda reportagem que teria sido publicada no jornal O Radical em 1 de junho de Nela, destaca-se que os cancionerios populares Baianos percorrem as ruas de todas as cidades do Estado cantando a boa nova da volta do velho e querido amigo, defensor dos humildes de todo o país. E exemplos de versos são apresentados, com críticas à situação política vigente e a esperança de que Vargas voltasse à Presidência: Quero ver ele não voltar Já basta de caristia Já basta de se aumentar Já basta de cumilões Já basta de esperar Já basta de estripulia Valha-me a Virgem Maria Se GETULIO não voltar. Trata-se, pois, de um exemplo muito interessante de como a propaganda política voluntária feita por simpatizantes de Vargas em nome dele era disseminada. Novamente, é possível perceber como o material empregado nessa atividade era constantemente reelaborado e sofria acréscimos e alterações. E podemos dar crédito a essa reprodução de matéria do jornal O Radical, uma vez que entre os documentos analisados surgem versos de Salvador-BA, datados de novembro de 1949 e assinados por Zé da Bahia, o qual assevera que Êstes versos estão sendo distribuídos aqui, profusamente (GV ce /09. 00/ 53, p. 66). Nas duas últimas estrofes, lemos o seguinte: Chegam anos, passam anos, Aumentando os desenganos Das massas desalentadas... Milagres de sofrimentos, Revoltas de pensamentos, Sois esperanças doiradas! Findou-se 49, E o povo não se demove Dêste seu querer viril: Quer por que quer o Getúlio, Com barulho, ou sem barulho, P ra governar o Brasil!

7 Uma espécie de publicidade que era, em geral, ritmada e cantada, como na canção popular-política cuja letra e música são assinadas por Freire Júnior (GV ce 50.08/09. 00/ 53, p. 32): QUE COISA LOUCA! Stá na hora, minha gente! De pensar no Presidente! Um nortista, um sulista... Isso é indiferente... Todos trazem seu cartucho Muita papa e pouca roupa Mas cuidado com o gaúcho Que o gaúcho não é sopa. Ele voltará! Ele voltará! É o que se ouve de boca em boca. Ele voltará! Ele voltará! Se isso acontecer... Que coisa louca! Que coisa louca! Que coisa louca! Que coisa louca! Além de ter enviado a partitura da música junto com a letra, o compositor encerra com o indefectível convite para que ela fosse por outrem reproduzida: Procure o piano mais próximo, toque e cante!. Teriam outras pessoas tocado e cantado essa canção? Em outro folheto, intitulado Padre Nosso Getulista, os versos são mesclados a demandas políticas. O protetor nosso que está em São Borja é chamado a garantir os direitos nossos de cada dia e para que não nos deixeis cair no comunismo, mas livrainos do capitalismo (GV ce 50.08/09. 00/ 53, p. 37). Em defesa da vitória trabalhista, o autor parece associar a figura de Vargas a princípios programáticos: Trabalhadores se lembrem do nosso Brasil antigo antes de Getulio Vargas (...) Trabalhador aquele tempo eram antes sem valia trabalhava como escravo sem nenhuma garantia (...) O Getulio fez justiça acabou com o banditismo amparar os trabalhadores pôs freio ao capitalismo deu exemplos de justiça

8 e provas de socialismo Ele implantou no paiz o regime e a disciplina criou as leis trabalhistas foi inspiração divina (...) Essas menções a frear o capitalismo e dar provas de socialismo não estariam relacionadas a diretrizes políticas de Vargas afinadas com experiências norteamericanas e europeias, em que elementos semelhantes àqueles preconizados pelo socialismo, como o planejamento e um certo redistributivismo, eram utilizados para se reformar o capitalismo, mais precisamente, na estruturação do Estado de Bem-Estar Social? É importante assinalar ainda que o autor dos versos coloca seu nome e endereço nas linhas finais do texto, identificando-se como Francisco Alves do Nascimento, de Paranavaí-PR, com o que conclama seus leitores a discutirem diretamente com ele suas ideias, bem como a distribuírem cópias de suas rimas entre amigos e vizinhos. O curioso é que o folheto vem com a assinatura de José Izidoro Leão e Joaquim Patrocínio Leão, da Estrada de Ferro Paulista em Tupã-SP, os quais se apresentam como copiadores e distribuidores dos folhetos Getulista : sinal de que o apelo do autor para que seus leitores fizessem propaganda voluntária em nome de Vargas foi bem-sucedido. Essa possível circulação de ideias e experiências políticas entre Brasil, Europa e Estados Unidos era negada em folheto da própria propaganda política pró-vargas: Não queremos regimens importados de alem-mares, queremos as tuas leis e teu amparo, as tuas idéias são nossas, são de acordo com o nosso clima, com o nosso modo de pensar, somos todos CRISTÃOS e DEMOCRATAS (GV ce 50.08/09. 00/ 53, p. 43). Mesmo assim, é possível entrever a presença da chamada Doutrina Social da Igreja nessas demandas, em que se clama por um capitalismo mais humano e pelo impedimento da luta de classes: Precisamos de uma transformação geral, a lavoura está em ruína, os campos abandonados, nada mais se vê, a não ser fome e miséria por toda a parte, somos brasileiros e humanos, temos também o direito de viver (...) Combatemos os fomentadores de greves, evitando a desgraça e a ruína dos nossos lares, com o pensamento fito na nossa Bandeira: Ordem e Progresso Não se trata de algo semelhante ao que propunha o catolicismo social em voga no continente europeu? De qualquer forma, é importante sublinhar que tal conjunto de princípios e práticas foi empregado na formulação do programa do Partido Trabalhista

9 Brasileiro (PTB), legenda pela qual Vargas se apresentava como candidato (NEVES, 2001, ). *** Conclusão: Conforme pudemos notar, há muitas evidências de que a propaganda política produzida na conjuntura da redemocratização do Brasil, especialmente em 1950, não provinha apenas dos meios de comunicação de massa, dos partidos ou de empresas. Havia também uma espécie de publicidade subterrânea, que circulava de boca em boca, de mão em mão, seja na forma de músicas, de versos de cordel ou de panfletos que eram copiados e redistribuídos voluntariamente por simpatizantes da candidatura de Vargas, com a intenção de elegê-lo presidente. Tais composições eram utilizadas para exaltar as características pessoais dele enquanto líder, ou para destacar o que seriam as vantagens de se votar nele, o que abrangia tanto interesses pessoais quanto programas políticos. Em suma, esse tipo de propaganda parece ter contribuído para a dignificação da política como a melhor forma de resolver os problemas presentes na sociedade brasileira naquele momento. *** Bibliografia: BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, CABRAL, Elza Borghi de Almeida. O queremismo na redemocratização de Niterói: UFF, 1984 (dissertação de mestrado). CAPELATO, Maria Helena. Multidões em cena: propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas: Papirus, FERREIRA, Jorge. O imaginário trabalhista: getulismo, PTB e cultura política popular ( ). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, GARCIA, Nelson Jahr. O Estado Novo: Ideologia e Propaganda Política: a legitimação do Estado autoritário perante as classes subalternas. São Paulo: Edições Loyola, 1982.

10 GOMES, Major-Brigadeiro Eduardo. Campanha de Libertação. São Paulo: Livraria Martins Editora, GOULART, Silvana. Sob a verdade oficial: ideologia, propaganda e censura no Estado Novo. São Paulo: Marco Zero, LESSA, Orígenes. Getúlio Vargas na literatura de cordel. Rio de Janeiro: Documentário, NEVES, Lucília de Almeida. Trabalhismo e desenvolvimentismo: um projeto para o Brasil ( ) in: FERREIRA, Jorge (org.) O populismo e sua história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Referências Bibliográficas:

Referências Bibliográficas: Referências Bibliográficas: Fontes Primárias: Arquivo CPDOC: Arquivo Getúlio Vargas (GV). VARGAS, Getúlio. A campanha presidencial. São Paulo: Livraria José Olympio Editora, 1951. Arquivo Edgard Leuenroth:

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 INTRODUÇÃO Este projeto tem como problema de pesquisa a relação entre os ciclos de estudos

Leia mais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS.

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. Maricélia Cardoso Matos Neves mari.neves@uol.com.br Universidade Federal da Bahia A simples observação do mapa do Brasil mostra a existência

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ!

Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ! Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ! A Igreja e as eleições O presente texto tem como objetivo animar e orientar os membros das nossas comunidades, e a população em geral, a respeito da participação

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

IMAGENS DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA

IMAGENS DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 IMAGENS DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA IMPRENSA COMUNISTA Rodrigo

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo Ciências Humanas Material de apoio para Aula ao Vivo 1. A charge expressa enfaticamente uma característica do processo histórico de urbanização da sociedade brasileira. A crítica contida na charge refere-se

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Palavras-chave: História política, futebol, propaganda política.

NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Palavras-chave: História política, futebol, propaganda política. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 173 177 NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Raphael Graciano Barroso 1 Renato Soares Coutinho 2 Palavras-chave:

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel História 9 ano Ditadura Militar 1 Leia com a tençao, o depoimento do general bandeira a respeito da participaçao dos militares na politica brasileira: no movimento de 1964, a ideologia politica foi puramente

Leia mais

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco Foto: Breno Mendes O Brasil na era da ditadura Agradecimento ao site http://memoriasoswaldohernandez.blogspot.com.br/, de onde as imagens e as informações para as legendas foram retiradas. Com a suposta

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

CSLD centro para desenvolvimento da vida espiritual

CSLD centro para desenvolvimento da vida espiritual *Adaptado de inúmeras versões Cristo comigo, Cristo à minha frente, Cristo atrás de mim, Cristo em mim, Cristo abaixo de mim, Cristo sobre mim, Cristo a minha direita, Cristo a minha esquerda, Cristo quando

Leia mais

RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912.

RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912. RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912. José Maria da Silva Paranhos Júnior nasceu no Rio de Janeiro

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P. SIROTSKY, NO 3º ENCONTRO DAS CORTES SUPREMAS DO MERCOSUL BRASÍLIA, 21 DE NOVEMBRO DE 2005 A Associação Nacional de Jornais, que tenho

Leia mais

As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino*

As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino* As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino* [...]Até aqui tinha se o Diário abstido de questões políticas; do principio do anno em diante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2015

RESOLUÇÃO Nº 005/2015 RESOLUÇÃO Nº 005/2015 Regulamenta e publica Edital complementar das regras da Campanha Eleitoral para a eleição dos conselheiros tutelares de Cacique Doble. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

O novo Trabalhismo João Goulart e a greve dos marítimos de 1953. A greve dos marítimos ocorrida em junho de 1953 é analisada pela historiografia

O novo Trabalhismo João Goulart e a greve dos marítimos de 1953. A greve dos marítimos ocorrida em junho de 1953 é analisada pela historiografia O novo Trabalhismo João Goulart e a greve dos marítimos de 1953. Márcio André Sukman A greve dos marítimos ocorrida em junho de 1953 é analisada pela historiografia como um episódio de extrema importância

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I história Unidade 1 A vinda da família real portuguesa para o Brasil Os desdobramentos sociais, políticos e econômicos da independência do Brasil Os aspectos históricos do início do Império brasileiro O

Leia mais

de 13 \l..íá2l-= 1p ^

de 13 \l..íá2l-= 1p ^ PUBLICADO NO DIÁRIO DA JUSTIÇA de 13 \l..íá2l-= 1p ^ TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO N 3.107 (25.10.2002) MANDADO DE SEGURANÇA N 3.107 - CLASSE 14 a - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro

Leia mais

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010 SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010 Ofício 03/2010 A/C: Fraternidades Regionais e Locais da JUFRA e OFS Assunto: Apoio e Participação

Leia mais

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 27ºDOMINGO DO TEMPO COMUM (02/10/11) Parábola dos Vinhateiros Poderia ser feito um mural específico para esta celebração com uma das frases: Construir a Igreja

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

Ditadura e democracia: entre memórias e história

Ditadura e democracia: entre memórias e história e-issn 2175-1803 Ditadura e democracia: entre memórias e história REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Autores:

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Perguntas frequentes a respeito do Jornal

Perguntas frequentes a respeito do Jornal Perguntas frequentes a respeito do Jornal O Jornal Informação Popular 1 - O que é o Jornal Informação Popular? É um Jornal local, da região SUL e SUDOESTE de Campinas, que traz jornalismo popular regional

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE.

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. Feito de Barro para uma Cultura Viva 1 Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. RESUMO: Este paper tem como objetivo relatar o processo de produção de um

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania MISÉRIA frente da Catedral: pastoral tenta tirar moradores do isolamento AO RELENTO Encontro de oração das terças à noite na A Curitiba do sereno Curitiba tem cerca de 2,7

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou

Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou 2 Celebrando 20 Anos de Liberdade e Democracia Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou de lado séculos de discriminação e opressão para formar uma nova sociedade construída sobre o fundamento da

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 79 Discurso no lançamento do programa

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964)

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO - HISTÓRIA: MEMÓRIA E IMAGEM DISCIPLINA - TÓPICOS ESPECIAIS DE HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA (HH 143)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA, PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO PLENO DA CIDADANIA NO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO.

EDUCAÇÃO POLÍTICA, PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO PLENO DA CIDADANIA NO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO. EDUCAÇÃO POLÍTICA, PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO PLENO DA CIDADANIA NO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO. Prof. Ronny Carvalho da Silva Professor e Coordenador do Curso de Direito da Faculdade de Educação,

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964)

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO - HISTÓRIA: MEMÓRIA E IMAGEM DISCIPLINA - TÓPICOS ESPECIAIS DE HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA (HH 143)

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

KIT SOBRE O PÓLIO PLUS

KIT SOBRE O PÓLIO PLUS KIT SOBRE O PÓLIO PLUS Estamos cada vez mais próximos de libertar o mundo da poliomielite. Mais do que nunca, é importante aumentarmos a conscientização sobre a necessidade de erradicar a pólio e ao mesmo

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto.

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto. Vem pra urna! Justiça Eleitoral Cartório Eleitoral - ES www.tre-es.jus.br. #vempraurna Cartilha educativa da Justiça Eleitoral sobreo poder do voto. Material desenvolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54)

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) Como pode cair no enem A crise de agosto de 1954, que terminou com o suicídio do Presidente Vargas, teve como antecedentes: a) a oposição dos

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE UBERABA/MG: CONHECENDO OS RECURSOS, EFETIVANDO DIREITOS

COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE UBERABA/MG: CONHECENDO OS RECURSOS, EFETIVANDO DIREITOS 1 COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE UBERABA/MG: CONHECENDO OS RECURSOS, EFETIVANDO DIREITOS Cláudia Helena Julião 1 Gabriela de Andrade Rezende 2 Stefanne Caroline

Leia mais

2.2.1 O prazo final de inscrição é 25 (vinte e cinco) de Setembro de 2014.

2.2.1 O prazo final de inscrição é 25 (vinte e cinco) de Setembro de 2014. 1. R E G U L A M E N T O O 1º PRÊMIO ABP DE JORNALISMO é uma iniciativa da Associação Brasileia de Psiquiatria ABP, que é uma associação científica sem fins lucrativos. O evento visa premiar e reconhecer

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca RIO DE JANEIRO, 22 DE JANEIRO DE

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO HQ se lga! i CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO Defender a CONSTITUINTE é um erro! Erro, por que? A direita vai aproveitar uma Constituinte

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Projeto Ética, Cidadania e Política

Projeto Ética, Cidadania e Política Projeto Ética, Cidadania e Política Colégio Estadual Joaquim Gomes Crespo São Francisco de Itabapoana Rio de Janeiro Maria Suzana De Stefano Menin Juliana Aparecida Matias Zechi Relatora do projeto: Professora

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

A GESTÃO ENTRA EM CENA: UM ESTUDO DO PROGRAMA GESTÃO NOTA 10 DO INSTITUTO AYRTON SENNA

A GESTÃO ENTRA EM CENA: UM ESTUDO DO PROGRAMA GESTÃO NOTA 10 DO INSTITUTO AYRTON SENNA 1 Resumo A GESTÃO ENTRA EM CENA: UM ESTUDO DO PROGRAMA GESTÃO NOTA 10 DO INSTITUTO AYRTON SENNA Ana Maria Stabelini Orientadora: Profª. Drª Sandra Aparecida Riscal Mestrado Linha de Pesquisa: Educação,

Leia mais

Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno

Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno Panorama Edição 07 Sexta-feira, 3 de de 2014 Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno das eleições presidenciais demonstrou a importância da internet e das redes sociais. Elas

Leia mais

JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE. Dois pontos de vistas

JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE. Dois pontos de vistas JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE Dois pontos de vistas 1. INTRODUÇÃO Paris, França, 7 de janeiro de 2015, mais precisamente na sede do jornal Charlie Hebdo às 11h33, dois homens dão início ao maior atentado

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais