3.1 Criar leis que condicionem eventuais mudanças, a um igual processo de discussão participativa, por área/região afetada direta ou indiretamente;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.1 Criar leis que condicionem eventuais mudanças, a um igual processo de discussão participativa, por área/região afetada direta ou indiretamente;"

Transcrição

1 PLATAFORMA AMBIENTAL AOS MUNICÍPIOS Prefeitos e Vereadores 2012

2 A APREMAVI A missão da Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (Apremavi) é a defesa, preservação e recuperação do meio ambiente e dos valores culturais, buscando a qualidade de vida na Mata Atlântica e em outros Biomas. Suas principais ações estão relacionadas com a produção de mudas nativas, recuperação de áreas degradadas e matas ciliares, enriquecimento de florestas secundárias, educação ambiental e capacitação, produção de materiais, denúncias e intercâmbios. Nos últimos anos a paisagem do Vale do Itajaí e de Santa Catarina mudou para melhor. As florestas aumentaram e ficaram mais verdes, animais reapareceram, rios estão menos poluídos, menos lixo nas ruas e todos já falam da importância de conservar e recuperar o meio ambiente. Muitas pessoas e instituições têm trabalhado para isso. Destacamos o papel da Apremavi nessa transformação da realidade, afinal, no dia 09 de julho de 2012 a associação completou 25 anos de dedicação exclusiva à causa ambiental. A Apremavi é uma OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público e sem fins lucrativos, que não distribui quaisquer dividendos ou resultados a seus associados ou dirigentes, investindo todos os recursos gerados na conservação e recuperação do meio ambiente, sempre procurando melhorar a qualidade de vida da população. Todo o trabalho realizado ao longo destes 25 anos trouxe amadurecimento e mais responsabilidades para com o futuro e, só foi possível, graças às parcerias com governos, empresas, ONGs, fundações, associados e colaboradores. É importante reconhecer os esforços que já vem sendo feitos no cuidado com o meio ambiente, mas ainda há muitos desafios a serem superados para alcançarmos um desenvolvimento verdadeiramente sustentável, onde todos os limites da natureza e dos recursos naturais são respeitados. Destacamos aqui a importância dos compromissos assumidos por nossos governantes com as questões ambientais. Neste sentido, a Apremavi apresenta a Plataforma Ambiental aos Municípios, para as eleições de 2012, buscando a adesão e o comprometimento de todos os candidatos.

3 Art.225 da Constituição Federal Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e a coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. Plataforma Ambiental elaborada pela Apremavi aos candidatos a Prefeitos e Vereadores dos Municípios do Alto Vale do Itajaí e outras regiões de Santa Catarina: Política de planejamento e ordenamento territorial 1. Elaborar estudo e diagnóstico técnico-científico geológico, ambiental e social do município, em vista de ordenar seu crescimento e prevenir desastres ambientais; 2. Classificar as áreas com ocupação consolidada, segundo suas aptidões, a fim de subsidiar medidas corretivas e/ou minimizadoras de impactos e riscos; Políticas Públicas 3. Reavaliar o Plano Diretor e outras leis correlatas em vista do estudo e diagnóstico sugerido, à luz do Estatuto da Cidade (Lei de 2001) e da Lei 11428/06, promovendo amplo debate com toda a comunidade, reavaliando parâmetros urbanísticos e disciplinando a exploração, o parcelamento e uso dos solos; 3.1 Criar leis que condicionem eventuais mudanças, a um igual processo de discussão participativa, por área/região afetada direta ou indiretamente; 4. Transformar a atual Divisão de Meio Ambiente em Secretaria, ou Fundação de Meio Ambiente, garantindo-lhe aporte de recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos para o pleno desempenho das funções, garantindo a transversalidade com as demais secretarias, nas questões que afetem direta ou indiretamente o meio ambiente; 5. Reavaliar as representações nos Conselhos Municipais, garantindo efetiva e equânime representação da população (áreas técnicas, acadêmicas e sociedade civil...); Prevenção de riscos de enchentes e deslizamentos 6. Criar programa para realocação das edificações localizadas em Áreas de Preservação Permanente e de risco, para áreas seguras e adequadas; 7. Instituir o Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica, cfe. Lei , em parceria com Instituições Acadêmicas e da Sociedade Civil; 8. Implantar um consistente plano de recuperação, com espécies nativas, de áreas degradadas, principalmente matas ciliares, encostas e topos de morros, corrigindo e prevenindo problemas com erosão do solo, assoreamento e deslizamentos; Ampliação de áreas verdes 9. Implantar projetos de urbanização e paisagismo das vias públicas, praças e passeios, garantindo acessibilidade, conforto, segurança e qualidade de vida da população;

4 10. Criar praças, áreas verdes e de lazer, arborizadas com espécies nativas, em todas as comunidades; 11. Criar Unidades de Conservação Municipal, observando o aspecto de relevância ambiental, objetivando alcançar o índice mínimo de 10% da área do município em Unidades de Conservação, conforme recomendação da ONU e compromisso assumido pelo nosso país; Saneamento básico 12. Investir fortemente no saneamento básico, fazendo com que as novas edificações cumpram as exigências de tratamento dos dejetos e efluentes, resolvendo também o passivo das edificações antigas, criando, para isso, programas e incentivos, e fixando prazos para a regularização; 13. Incentivar edificações de menor impacto ambiental que racionalizem o uso de materiais e otimizem o uso da luz natural, do calor solar, do armazenamento e aproveitamento da água das chuvas, a menor impermeabilização do solo, e outras técnicas que reduzam o consumo de energia e materiais; Coleta e destinação adequada do lixo 14. Criar legislação própria e implementar programa de coleta, destinação adequada e reaproveitamento de restos de construções e demolições, com fiscalização que garanta o seu cumprimento; 15. Ampliar o programa de coleta seletiva de lixo, combinando-o com um trabalho intensivo de educação e divulgação e com legislação que incentive a sua prática; 16. Organizar os coletores de materiais recicláveis, proporcionando agregar valores ao seu trabalho, oportunizando sua profissionalização e direitos sociais às suas famílias; 17. Prover as vias e espaços públicos de lixeiras, disciplinar e fazer cumprir regras para instalação nas residências e condomínios, não permitindo que elas obstruam o passeio público; Fiscalização ativa e efetiva 18. Implantar estrutura de fiscalização intensiva, aplicando a legislação ambiental nos empreendimentos de extração mineral e coibindo loteamentos irregulares, construções clandestinas, aterros irregulares e intervenções inadequadas em áreas de risco e de preservação permanente; 19. Exigir dos empreendimentos, o cumprimento da legislação ambiental, coibindo ações poluidoras do solo, água, ar, visual e sonora, garantindo o bem estar da coletividade; 20. Fiscalizar a adequada manutenção dos passeios e limpeza dos terrenos baldios no perímetro urbano, garantindo acessibilidade e segurança para os transeuntes, a eliminação de focos de doenças e o bom aspecto visual da cidade; 21. Disciplinar a ocupação de passeios e vias públicas com tapumes e materiais, quando da execução de obras particulares ou públicas, garantindo a acessibilidade e a segurança dos cidadãos, particularmente pedestres e ciclistas. 22. Reavaliar o sistema de trânsito buscando alternativas para a melhoria da mobilidade e segurança das pessoas, priorizando os meios de menor impacto ambiental;

5 Adequação ambiental das propriedades rurais 23. Criar programas de apoio e leis de incentivo à atividade rural com o objetivo do cumprimento da legislação e favorecimento à sustentabilidade ambiental e econômica, com apoio técnico e logístico para o planejamento das propriedades, conforme projetos já em andamento na AMAVI; 24. Incentivar a agricultura orgânica e os empreendimentos de turismo rural sustentado, profissionalizando as pessoas envolvidas e agregando valores aos seus produtos e serviços, favorecidos que somos pela nossa bela e rica paisagem natural e pelos valores culturais de nosso povo; 25. Apoiar, junto com a AMAVI, a implementação do cadastro ambiental rural; Educação Ambiental 26. Capacitar os professores municipais, para que liderem um profundo trabalho educativo na área ambiental, capaz de criar nova cultura de respeito, convivência e cuidado com a natureza. Adesão à Plataforma Ambiental aos Municípios Prefeitos e Vereadores 2012 Rio do Sul (SC), Julho de (47) Concordo com a Plataforma Ambiental apresentada, comprometendo-me com a sua implementação caso seja eleito(a): Nome do Candidato Cargo Município Data Assinatura

Seção III. Do Saneamento Básico

Seção III. Do Saneamento Básico Seção III Do Saneamento Básico Art. 1º - Saneamento básico é o conjunto de serviços que compreende o abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza urbana, o manejo de resíduos sólidos, drenagem

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NO IFRN: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO

GESTÃO AMBIENTAL NO IFRN: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO GESTÃO AMBIENTAL NO IFRN: PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO PROJETO CAMPUS VERDE INTRODUÇÃO Atualmente a questão ambiental tem sido constantemente discutida em virtude do aumento da degradação do meio ambiente e

Leia mais

Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO

Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO 15 Todos dos dias construindo um futuro melhor PLANO DE GOVERNO FRANCISCO COELHO FILHO PREFEITO DONIZETEOLIVEIRA COSTA VICE - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 Educação Reforma e ampliação das escolas municipais.

Leia mais

Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos. Prof. ª Karen Wrobel Straub

Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos. Prof. ª Karen Wrobel Straub Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos Prof. ª Karen Wrobel Straub MEIO AMBIENTE De acordo com a definição contida na norma NBR ISO 14001:1996- Sistemas de Gestão Ambiental Meio ambiente é a circunvizinhança

Leia mais

CBCN Centro Brasileiro para Conservação da Natureza e Desenvolvimento Sustentável

CBCN Centro Brasileiro para Conservação da Natureza e Desenvolvimento Sustentável CBCN Centro Brasileiro para Conservação da Natureza e Desenvolvimento Sustentável ÁREAS DE ATUAÇÃO MEIO AMBIENTE ORDENAMENTO TERRITORIAL CBCN 50 anos Centro Brasileiro para Conservação da Natureza e Desenvolvimento

Leia mais

Prezado senhor gestor público do município de Florianópolis,

Prezado senhor gestor público do município de Florianópolis, Prezado senhor gestor público do município de Florianópolis, Entregamos este documento elaborado pela representação do Conselho Gestor do Plano Diretor Participativo (PDP) do bairro do Rio Vermelho junto

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07 Quadro/Tabela Q/T PMA.3 Estância de Atibaia POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DIRETRIZES/PROPOSIÇÕES Campo Diretrizes/ P Cód. Título Cód. - D/PIN - Institucional D/P 01 - D/PPL - Planejamento D/P 02 D/P 03 D/P

Leia mais

Naturais em Santa Catarina

Naturais em Santa Catarina MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA Seminário ALESC Mudanças as Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina LUÍS EDUARDO SOUTO Promotor de Justiça Coordenador-Geral do Centro de Apoio

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

Mostra de Projetos Lixo que vale

Mostra de Projetos Lixo que vale Mostra de Projetos 2011 Lixo que vale Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Umuarama

Leia mais

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS 2013 A 2016. CANDIDATO A PREFEITO JOSÉ OTAVIO CHIAPATI RIGIERI TAVINHO

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS 2013 A 2016. CANDIDATO A PREFEITO JOSÉ OTAVIO CHIAPATI RIGIERI TAVINHO PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS 2013 A 2016. CANDIDATO A PREFEITO JOSÉ OTAVIO CHIAPATI RIGIERI TAVINHO CANDIDATO A VICE-PREFEITO DENZIL JUNIO DA COSTA SAÚDE - Manter

Leia mais

GOIÂNIA + 25 LUIZ FERNANDO C. TEIXEIRA ARQUITETO

GOIÂNIA + 25 LUIZ FERNANDO C. TEIXEIRA ARQUITETO GOIÂNIA + 25 LUIZ FERNANDO C. TEIXEIRA ARQUITETO 01 As cidades ou os povoados, seja qual seja seu tamanho, são realidades complexas, de caráter social, econômico e cultural, que se manifestam fisicamente

Leia mais

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL Modelo FPSEEA/OMS Forcas Motrizes Marco conceitual FPSEEA Efeito Pressão Situação Exposição Ambiente Saude Ações preventivas Ações curativas

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO ANO 2013 2016 COLIGAÇÃO. Todos por Abaeté.

PROPOSTA DE GOVERNO ANO 2013 2016 COLIGAÇÃO. Todos por Abaeté. PROPOSTA DE GOVERNO ANO 2013 2016 COLIGAÇÃO Todos por Abaeté. Queremos um Abaeté onde todos possam participar das decisões sobre os investimentos públicos e fiscalizar os serviços prestados. Uma cidade

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

Receitas e Projetos Receitas e Projetos

Receitas e Projetos Receitas e Projetos Receitas e Projetos - 1999 FONTE 21,300.00 Fundação Francisco Recuperação de áreas degradadas da mata atlântica. Elaboração de banco de dados, registro e documentação e calendário 1999. 4,542.52 Stadt

Leia mais

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014 PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Considerando que a Bacia do Rio Paraguai abrange a maior planície inundável do planeta, o Pantanal; Considerando que a bacia abriga mais de 8 milhões de habitantes com

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV Prévio EIV ESTUDOS PARA A REGULAMENTAÇÃO DO EIV NO MUNICÍPIO DE CURITIBA APRESENTAÇÃO AO CONCITIBA 31.05.2012 Coordenação de Uso do Solo IPPUC Prévio Regulamentação IPPUC CONCITIBA 31.05.2012 SUMÁRIO O

Leia mais

PLANO DE GOVERNO PREFEITO VALDEMIR JOSÉ DOS SANTOS VICE ALEXANDRE GOMES DA SILVA NETO. Partido Pátria Livre PPL Nº.54 PLANEJAMENTO E INFRAESTRUTURA

PLANO DE GOVERNO PREFEITO VALDEMIR JOSÉ DOS SANTOS VICE ALEXANDRE GOMES DA SILVA NETO. Partido Pátria Livre PPL Nº.54 PLANEJAMENTO E INFRAESTRUTURA PLANO DE GOVERNO PREFEITO VALDEMIR JOSÉ DOS SANTOS VICE ALEXANDRE GOMES DA SILVA NETO Partido Pátria Livre PPL Nº.54 PLANEJAMENTO E INFRAESTRUTURA SANEAMENTO BÁSICO Dar autonomia ao Departamento de Água

Leia mais

LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997

LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997 LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997 DISPÕE SOBRE O PLANO PLURIANUAL DO MUNICÍPIO DE CIRÍACO, PARA O PERÍODO DE 1998 A 2001. O PREFEITO MUNICIPAL DE CIRÍACO, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO RESUMO DO PLANO DE GOVERNO GOVERNANÇA 1. Fortalecer os processos de decisão com a promoção dos instrumentos da democracia participativa. 1.1 Continuar a desenvolver uma perspectiva comum e de longo prazo

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 576 /2013 Institui o Projeto Calçada Limpa no âmbito das subprefeituras, e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Paulo DECRETA: Art. 1º A presente Lei institui o Projeto Calçada

Leia mais

PLANO DE GOVERNO COLIGAÇÃO PINHEIRO PRETO AINDA MELHOR (PP PMDB PSDB)

PLANO DE GOVERNO COLIGAÇÃO PINHEIRO PRETO AINDA MELHOR (PP PMDB PSDB) PLANO DE GOVERNO COLIGAÇÃO PINHEIRO PRETO AINDA MELHOR 2013 2016 (PP PMDB PSDB) INTRODUÇÃO A legislação eleitoral estabeleceu neste ano, que ao registrar candidatura, os postulantes ao cargo de Prefeito

Leia mais

Prof. Eugênio Batista Leite eugeniobl@pucminas.br 031 99735761

Prof. Eugênio Batista Leite eugeniobl@pucminas.br 031 99735761 XI Congresso de Ecologia do Brasil e IV Seminário de Sustentabilidade na Universidade - A incorporação da sustentabilidade socioambiental na gestão e planejamento territorial do campus universitário. PUC

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica Este relatório foi produzido para a Fundação SOS Mata Atlântica sob contrato firmado entre as partes em

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES 1 Paula Mendes dos Santos Graduada em Ciências Biológicas pela UNEMAT. Graduanda em Tecnologia

Leia mais

Propostas 2013 2016. Dr. Marcos Norjosa

Propostas 2013 2016. Dr. Marcos Norjosa Propostas 2013 2016 As propostas do candidato a Prefeito Dr. Marcos têm como meta principal o bem estar do povo de Pacoti, assim como seu desenvolvimento social e financeiro. Este plano de governo é resultado

Leia mais

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã PROTEÇÃO DE NASCENTES Pensando no amanhã Ciclo Hidrológico Nascentes de água Nascente sem acúmulo inicial Área de Preservação Permanente Área de Preservação Permanente Área destinada à Reserva Legal

Leia mais

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP)

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP) AKVO = Água I - Projeto Akvolernigi (Material preparado para o Curso) LERNIGI = Ensinar, I - Aspectos Legislativos e Instrumentos de Gestão Aprender e Fazer a) Princípios Gerais do Direito Ambiental b)

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO A Gestão Participativa, com a construção de múltiplos canais de consulta, com a participação em decisões, com o controle Social,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O PROJETO CIDADE DO POVO. Rio Branco - AC, 26 de julho de 2012

O PROJETO CIDADE DO POVO. Rio Branco - AC, 26 de julho de 2012 O PROJETO CIDADE DO POVO Rio Branco - AC, 26 de julho de 2012 O PROBLEMA O PROBLEMA O PROBLEMA O PROBLEMA O PROBLEMA O PROBLEMA O PROBLEMA O CONTEXTO Sustentabilidade Econômica : ZPE Parque Industrial

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DIREITO AMBIENTAL HISTÓRICO PRINCÍPIOS AMBIENTAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL HISTÓRICO Período Pré-Colonial e Colonial 1500/1530 Exploração do Pau-Brasil e Tráfico de Animais Silvestres

Leia mais

Extra. passarela. Figura 41: Trecho em frente ao supermercado Extra, onde será implantada passarela para pedestres Duplicação... (2003).

Extra. passarela. Figura 41: Trecho em frente ao supermercado Extra, onde será implantada passarela para pedestres Duplicação... (2003). 118 interior Extra passarela S.Paulo Figura 41: Trecho em frente ao supermercado Extra, onde será implantada passarela para pedestres Duplicação... (2003). Do Km 34 em Cotia, até o Km 111, em Araçoiada

Leia mais

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3 Gresca Planta G1 Gresca Planta G2 Gresca Planta G3 sobre a empresa Referência no mercado da construção civil, a Cerâmica Gresca fabrica blocos com furo vertical e peças especiais de alto desempenho, que

Leia mais

6 ENCONTRO NACIONAL DO CB27 PALMAS. Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS

6 ENCONTRO NACIONAL DO CB27 PALMAS. Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS PALMAS Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS Natal, Julho de 2015 I INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO MUNICÍPIO: População: 265.409 Habitantes. Área: 2.218,943 Km². Área verde

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 Portaria CTPI 23/2013 Atribuições: I Propor diretrizes e ações de Educação Ambiental relacionadas aos recursos hídricos

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA:

A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 403/09 Dispõe sobre a responsabilidade dos produtores de embalagens plásticas e outras embalagens que não sejam biodegradáveis pela destinação final ambientalmente adequada de seus produtos

Leia mais

Márlon Alberto Bentlin

Márlon Alberto Bentlin Forum Empresarial pelo Clima BRDE - Crédito & Desenvolvimento AGÊNCIA DO RIO GRANDE DO SUL Márlon Alberto Bentlin BRDE Estados-sócios É uma instituição pública de fomento, constituída como banco de desenvolvimento.

Leia mais

Plano de Governo da Coligação PR/PSD/PP/DEMOCRATAS

Plano de Governo da Coligação PR/PSD/PP/DEMOCRATAS Plano de Governo da Coligação PR/PSD/PP/DEMOCRATAS Este plano de Governo é o resultado das sugestões de pessoas ligadas aos partidos da coligação ACREDITE NA RENOVAÇÃO, bem como, das sugestões colhidas

Leia mais

Betha Sistemas ESTADO DE SANTA CATARINA Exercício de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACADOR

Betha Sistemas ESTADO DE SANTA CATARINA Exercício de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACADOR Página 1 01 Legislativa 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031 Ação Legislativa 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 3.384.984,24 3.548.093,50 01.031.0001.1.191 MODERNIZAÇÃO DA ESTRUTURA

Leia mais

Rio+20: momento oportuno para mudar

Rio+20: momento oportuno para mudar Passados 20 anos da Eco 92, um marco dos acordos sobre ambiente e desenvolvimento mais representativos para a comunidade mundial, temos agora, com a realização da Rio+20, uma nova chance de concretizar

Leia mais

Coordenador Geral: Prof. Dr. Paulo Belli Filho. Universidade Federal de Santa Catarina

Coordenador Geral: Prof. Dr. Paulo Belli Filho. Universidade Federal de Santa Catarina Coordenador Geral: Prof. Dr. Paulo Belli Filho Departamento de Eng. Sanitária e Ambiental Universidade Federal de Santa Catarina Consumo de água na rizicultura Poluição da água Ed. Ambiental: conhecimento

Leia mais

CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC

CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC Estatuto da Cidade O Estatuto da Cidade é a denominação oficial da lei 10.257 de 10 de julho de 2001, que regulamenta o capítulo "Política Urbana" da

Leia mais

SUSTENTÁVEL CASA. Como transformar sua casa em uma... Realização Parceria Convênio CEDS

SUSTENTÁVEL CASA. Como transformar sua casa em uma... Realização Parceria Convênio CEDS CASA Como transformar sua casa em uma... SUSTENTÁVEL Capacitação da Mão de Obra Adequações na Construção civil voltada para sustentabilidade SALA VERDE UBATUBA Espaço Interativo de InFormAção SocioAmbiental

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO ETAPA I MÓDULO I: Organização do processo de elaboração e Mobilização PT/ MOBILIZAÇÃO quecoso Etapas do PMMA ETAPA II proncovo MÓDULO II: Elaboração do Diagnóstico da Situação Atual

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO VERDE

CENTRO TECNOLÓGICO VERDE CENTRO TECNOLÓGICO VERDE Nicolle Bueno Partido Imgärtchen Mahle Metal Leve S.A Resumo O Centro Tecnológico de Jundiaí é o maior pólo de desenvolvimento de componentes de motor da América Latina, foi inaugurado

Leia mais

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO CARGO Auxiliar de Serviços Gerais I Merendeira I Fiscal de Obras e Edificações I ATRIBUIÇÕES Manter limpos os móveis, arrumar e manter limpos os locais de trabalho;

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Gestão Ambiental. São Paulo, 24 de novembro de 2009

Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Gestão Ambiental. São Paulo, 24 de novembro de 2009 Faculdades Metropolitanas Unidas FMU Gestão Ambiental Recuperação de Áreas Degradadas Paulo Guilherme Rigonatti Saneamento Ambiental Marco Aurélio Gattamorta Sistemas de Informações Espaciais Jorge Luiz

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: EDUCANDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE PARA AS PRESENTES E FUTURAS GERAÇÕES

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: EDUCANDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE PARA AS PRESENTES E FUTURAS GERAÇÕES PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: EDUCANDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE PARA AS PRESENTES E FUTURAS GERAÇÕES Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br); Francisco Auricélio de Oliveira

Leia mais

Desafios. Impactos nos pobres urbanos

Desafios. Impactos nos pobres urbanos Alimento para as cidades Nem as Metas de Desenvolvimento do Milênio nem as metas da Cúpula Mundial da Alimentação serão atingidas se não for dada a devida atenção às cidades e aos vínculos rural-urbanos.

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS BERLENGAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS BERLENGAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS BERLENGAS PROGRAMA DE 1. GESTÃO DO PATRIMÓNIO NATURAL... 3 1.1. CONSERVAÇÃO DE HABITATS, DA FLORA E DA FAUNA... 3 1.1.1. Conservar os habitats naturais e semi-naturais...3

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho de cidades mais sustentáveis:

As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho de cidades mais sustentáveis: ECOINOVAÇÃO PARA A MELHORIA AMBIENTAL DE PRODUTOS E SERVIÇOS: EXPERIÊNCIAS ESPANHOLAS E BRASILEIRAS NOS SETORES INDUSTRIAL, URBANO E AGRÍCOLA. As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA 001/2014

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA 001/2014 /MT TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA 001/2014 O DO ESTADO DE MATO GROSSO, através de seu Promotor do Meio Ambiente, 1ª Promotora de Justiça Cível de Primavera do Leste e que ao final assina,

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

PROPOSTAS DA COLIGAÇÃO PMDB / PP: POR BALNEÁRIO PINHAL SEMPRE GESTÃO, PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

PROPOSTAS DA COLIGAÇÃO PMDB / PP: POR BALNEÁRIO PINHAL SEMPRE GESTÃO, PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PROPOSTAS DA COLIGAÇÃO PMDB / PP: POR BALNEÁRIO PINHAL SEMPRE GESTÃO, PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Readequar a formatação das Secretarias Municipais, reduzindo e estruturando de acordo com

Leia mais

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater germano@emater.pr.gov.br PROJETO CENTRO-SUL DE FEIJÃO E MILHO O Instituto EMATER, ao longo de sua existência,

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 7.231, DE 7 DE JANEIRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DE ALAGOAS E SOBRE A CRIAÇÃO DE ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE TURÍSTICO (AEIT) NA SUBZONA

Leia mais

Barra de Gramame. Foto:DIEP/SEMAM

Barra de Gramame. Foto:DIEP/SEMAM Barra de Gramame Foto:DIEP/SEMAM Sumário 1. Apresentação 2. Marcos Conceituais 3. Objetivos 4. Métodos 5. Diagnóstico Municipal da Mata Atlântica 6. Diretrizes do Plano Municipal de Conservação e Recuperação

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DO BAIXO PARANAÍBA PN3

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DO BAIXO PARANAÍBA PN3 COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DO BAIXO PARANAÍBA PN3 Presidente: Cristina Garvil CBH-PN3 Criado em 30 de abril de 2004, através do Decreto nº 43.797. CBH-PN3 possui 64 membros entre

Leia mais

Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos SEMINÁRIO Rotas tecnológicas para a gestão e tratamento de resíduos sólidos e a reciclagem diante da PNRS Perspectivas da Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS A QUESTÃO AMBIENTAL PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS Impacto Ambiental deve ser entendido como um desequilíbrio resultante da ação do homem(ligado ao modo de produção) sobre o meio ambiente. Alguns exemplos:

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1

A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1 A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1 Ana Maria Pereira Amaral, Engenheira Agrônonoma, mestrado em Agronomia, doutorado em Teoria Econômica Aplicada pela ESALQ/USP. Atualmente é Assessora

Leia mais

PDT PRTB PTN PT PR PV PSL DEM PHS PSC PRB PTB PC DO B - PSB EIXOS DE DESENVOLVIMENTO

PDT PRTB PTN PT PR PV PSL DEM PHS PSC PRB PTB PC DO B - PSB EIXOS DE DESENVOLVIMENTO PLANO MUNICIPAL DE GOVERNO 2017 A 2020 COLIGAÇÃO PEDRO AFONSO A PRESSA CONTUNUA PDT PRTB PTN PT PR PV PSL DEM PHS PSC PRB PTB PC DO B - PSB EIXOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIEDADE DESENVOVIMENTO ECONOMICO DESENVOVIMENTO

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira. Demonstrativo de Programas Temáticos PPA Governo do Estado do Ano Base: 06 007 - SEGURANÇA PÚBLICA, PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Diretriz 06 - PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR DO POTIGUAR ATRAVÉS DA GARANTIA AO ACESSO AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Indicadores Nome

Leia mais

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR 2016-2019 Consolidar, Incluir e Unir com ética, transparência e responsabilidade SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 METODOLOGIA... 6 3 EQUIPE... 7 4 MAPA SITUACIONAL... 8 5 EIXOS

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 1 ABNT NBR IS O 10002:2005 S atisfação do cliente Diretrizes para o tratamento de reclamações nas organizações.

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

Plano de Gestão Ambiental

Plano de Gestão Ambiental Plano de Gestão Ambiental Abril/2017 O Plano de Gestão Ambiental (PGA) apresenta o conjunto de atividades e ferramentas de gerenciamento e monitoramento, adotadas com a finalidade de embasar decisões empresariais

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA EXPANSÃO URBANA DO BAIRRO INCONFIDENTES, VIÇOSA, MG

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA EXPANSÃO URBANA DO BAIRRO INCONFIDENTES, VIÇOSA, MG 199 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA EXPANSÃO URBANA DO BAIRRO INCONFIDENTES, VIÇOSA, MG Rodrigo de Almeida Silva 1, Rita Maria de Souza 1, Maxmiler Ferreira de Castro 1, Daiane de Souza Bhering 2, Marcelo

Leia mais

Desmatamento anual na Amazônia Legal (1988 2015)

Desmatamento anual na Amazônia Legal (1988 2015) Março 2016 4.571 7.464 7.000 6.418 5.891 5.012 5.831 11.030 11.651 13.730 13.786 13.227 12.911 14.896 14.896 14.286 16.531 17.770 18.161 17.383 17.259 18.226 18.165 19.014 21.050 21.651 25.396 27.772 Desmatamento

Leia mais

ÁREA: Turismo e meio ambiente

ÁREA: Turismo e meio ambiente ÁREA: Turismo e meio ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NO PARQUE SALTO DA PEDREIRA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR COELHO, Mariely de Andrade

Leia mais

PATO BRANCO COM FOCO NO FUTURO O amanhã transformado em etapas estratégicas de desenvolvimento

PATO BRANCO COM FOCO NO FUTURO O amanhã transformado em etapas estratégicas de desenvolvimento i n i c i a t i v a p a t r o c í n i o A T L A S E L E T R O D O M É S T I C O S D I Á R I O D O S U D O E S T E a p o i o S e b r a e P R, S i n d i m e t a l S u d o e s t e, S i s t e m a F i e p,

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social.

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Inventário e neutralização das emissões de carbono das obras da Arena Pantanal Parceria: Instituto Ação Verde (convênio

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município É uma lei Municipal que orienta os agentes públicos e privados no crescimento e o desenvolvimento urbano em todo o Município É

Leia mais

SEMADUR P R E F E I T U R A M U N I C I PA L

SEMADUR P R E F E I T U R A M U N I C I PA L SEMADUR S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E M E I O A M B I E N T E Atividades do CEA Polonês P R E F E I T U R A M U N I C I PA L DE CAMPO GRANDE SEMADUR A S E C R E TA R I A M U N I C I PA L D E

Leia mais

Clima suíço, a metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira

Clima suíço, a metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira O : está localizado em Monte Verde, uma das mais belas e preservadas regiões montanhosas do país Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira Localização Privilegiada:

Leia mais

Controle de Enchentes e Colheita de Chuva em Microbacia Urbana

Controle de Enchentes e Colheita de Chuva em Microbacia Urbana 3º - Simpósio Internacional em Microbacias Sustentabilidade da Água e Serviços Ambientais Controle de Enchentes e Colheita de Chuva em Microbacia Urbana Valdemir Antonio Rodrigues 17 e 18 de junho de 2010

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE CONCEITO DE SAÚDE Saúde é a resultante das condições de alimento, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade,

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Relatório Mensal de Atividades Projeto De Olho nos Olhos

Relatório Mensal de Atividades Projeto De Olho nos Olhos Relatório Mensal de Atividades Projeto De Olho nos Olhos Ref.: 01/2008 - Macro-Diagnóstico de Conservação da Bacia A etapa seguinte do diagnóstico consistiu em classificar as imagens segundo categorias

Leia mais

campanha de conscientização e reciclagem de celulares

campanha de conscientização e reciclagem de celulares campanha de conscientização e reciclagem de celulares reciclecel - o que fazemos? reciclecel é uma empresa que atua no recolhimento, logística e descarte seguro de celulares e smartphones. a grande maioria

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais