MANUAL DO ESTUDANTE DA FACULDADE NACIONAL DE DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO ESTUDANTE DA FACULDADE NACIONAL DE DIREITO"

Transcrição

1 1 MANUAL DO ESTUDANTE DA FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Rio de Janeiro Agosto

2 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Prof. CARLOS ANTÔNIO LEVI DA CONCEIÇÃO Reitor Prof. ANTONIO JOSÉ LEDO ALVES DA CUNHA Vice-Reitor Profª. ANGELA ULLER Chefe de Gabinete do Reitor Profª. ÂNGELA ROCHA DOS SANTOS Pró-Reitora de Graduação - PR/1 Profª. DÉBORA FOGUEL Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa - PR/2 Prof. CARLOS RANGEL RODRIGUES Pró-Reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças - PR/3 ROBERTO ANTÔNIO GAMBINE MOREIRA Pró-Reitor de Pessoal - PR/4 Prof. PABLO CESAR BENETTI Pró-Reitor de Extensão - PR/5 Profª. ARACÉLI CRISTINA DE SOUSA FERREIRA Pró-Reitora de Gestão & Governança - PR/6 IVAN FERREIRA CARMO Prefeito MÁRCIO ESCOBAR CONFORTE Escritório Técnico da Universidade

3 3 FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Prof. FLÁVIO ALVES MARTINS Diretor Prof. CARLOS ALBERTO PEREIRA DAS NEVES BOLONHA Vice-Diretor Prof. L UIZ CLÁUDIO MOREIRA GOMES Coordenador de Graduação do Turno Integral Profª. CRISTIANE BRANDÃO AUGUSTO MÉRIDA Coordenadora de Graduação do Turno Noturno Prof. CARLOS ALBERTO PEREIRA DAS NEVES BOLONHA Coordenador de Pesquisa Prof. FABIANO SOARES GOMES Coordenador Adjunto de Pesquisa Profª. LILIAN MÁRCIA BALMANT EMERIQUE Coordenadora de Extensão Prof. LUIGI BONIZZATO Coordenador de Monografia Prof. ALEXANDRE FERREIRA DA ASSUMPÇÃO ALVES Coordenador Adjunto de Monografia Prof. FRANCISCO RAMALHO ORTIGÃO FARIAS Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica Prof. ROBERTO MONTEIRO LITRENTO Supervisor do Núcleo de Prática Jurídica Profª. JULIANA NEUENSCHWANDER MAGALHÃES Coordenadora do PPGD Prof. LUIZ EDUARDO FIGUEIRA Coordenador Adjunto do PPGD

4 4 APRESENTAÇÃO Prezado(a) estudante, A Faculdade Nacional de Direito (FND) tem a satisfação de recebêlo como aluno no ano de O presente manual objetiva facilitar o acesso à informação e fornecer orientações básicas sobre o funcionamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da nossa Unidade que serão úteis ao longo de todo o curso. Ressaltamos que as informações constantes deste manual, poderão sofrer alterações, a depender de novas regulamentações emanadas do Governo Federal, das instâncias superiores da Universidade Federal do Rio de Janeiro e/ou da Faculdade Nacional de Direito. Leia com atenção. Em caso de dúvida entre em contato com a Coordenação de Graduação. Levaremos a efeito todos os esforços para auxiliá-lo ao longo de seus estudos. Rio de Janeiro, agosto de 2014.

5 5 LISTA DE SIGLAS AAAFND - Associação Atlética Acadêmica da Faculdade Nacional de Direito ANDIFES - Associação Nacional dos Dirigentes das Instit.Federais de Ensino Superior CACO - Centro Acadêmico Cândido de Oliveira CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CCJE - Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas CEG Conselho de Ensino e Graduação CEPG Conselho de Ensino e Pesquisa para Graduados COAA Comissão de Orientação e Acompanhamento Acadêmico CONSUNI Conselho Universitário COA Créditos Obtidos Acumulados COOPEAD - Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração CPA Comissão Própria de Avaliação CR - Coeficiente de Rendimento CRA - Coeficiente de Rendimento Acumulado CRID - Comprovante de Inscrição em Disciplinas CRPID - Comprovante de Pedido de Inscrição em Disciplinas CSCE Conselho Superior de Coordenação Executiva DAE - Divisão de Assistência ao Estudante DCE Diretório Central dos Estudantes DIA Divisão de Integração Acadêmica DRE Divisão de Registro de Estudante ENADE - Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes FACC - Faculdade de Administração e Ciências Contábeis FND Faculdade Nacional de Direito GPDES - Gestão Pública para o Desenvolvimento Econômico e Social IE - Instituto de Economia IFCS - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais IPPUR - Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional IUE - Departamento de Direito Social e Econômico IUF - Departamento de Teoria do Direito IUP - Departamento de Direito Civil IUS - Departamento de Direito do Estado MEC - Ministério da Educação NCE Núcleo de Computação Eletrônica NDE Núcleo Docente Estruturante NPJ - Núcleo de Prática Jurídica NIAC - Núcleo Interdisciplinar de Ações para a Cidadania PAEALIG Programa de Atividades Extracurriculares de Apoio aos Laboratórios de Informática de Graduação PIBIAC - Programa Institucional de Iniciação Artística e Cultural PNAES - Programa Nacional de Assistência Estudantil PR-1 Pró-Reitoria de Graduação PR-2 Pró-Reitoria de Pós-Graduação PR-3 Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento PR-4 Pró-Reitoria de Pessoal PR-5 Pró-Reitoria de Extensão PR-6 Pró-Reitoria de Gestão e Governança SCRI - Setor de Convênios e Relações Internacionais SCRIID - Setor de Convênios e Relações Institucionais e Internacionais da FND SIGA Sistema Integrado de Gestão Acadêmica SINAES - Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SUPEREST Superintendência Geral de Políticas Estudantis UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

6 6 1. A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (UFRJ) - A UFRJ, por meio da sua Pró-Reitoria de Graduação (PR-1), disponibiliza, quando do ingresso dos alunos em nossa instituição, informações muito importantes, que destacaremos no presente manual, pois serão fundamentais para o aluno ao longo de sua trajetória institucional Breve histórico da UFRJ A UFRJ foi criada pelo Decreto nº , de 7 de setembro de 1920, com o nome de Universidade do Rio de Janeiro. Em 1937, passou a se chamar Universidade do Brasil, e só em 1965 ganhou o nome atual: Universidade Federal do Rio de Janeiro. No início, ela reuniu a Faculdade de Medicina, oriunda dos cursos estabelecidos no Hospital Militar do Rio de Janeiro, pelo Decreto do Príncipe Regente D. João, de 2 de abril de 1808; a Escola Politécnica (antiga Escola de Engenharia), derivada de cursos da Academia Real Militar, criada por Carta de Lei, de 4 de dezembro de 1810; e a Faculdade de Direito, resultante da fusão da Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais com a Faculdade Livre de Direito, ambas reconhecidas pelo Decreto 639, de 31 de outubro de A partir de meados do século XX a pesquisa foi institucionalizada na UFRJ, com a consequente implantação de Institutos, docência em regime de tempo integral, formação de equipes docentes especializadas e estabelecimento de convênios com agências financiadoras nacionais e internacionais. Em 1958, iniciou-se um processo de debates e consultas, baseado no anteprojeto de reforma da Universidade do Brasil, que logo foi absorvido pela comunidade científica, servindo de apoio a projetos de instalação de novas universidades e atingindo os meios de comunicação e as esferas governamentais executivas. Desencadeado o processo de reforma universitária, que teve seu marco no Decreto-lei 53, de 18 de novembro de 1966, a UFRJ teve seu Plano de Reestruturação, que visava sua adequação às normas então editadas, aprovado por Decreto de 13 de março de Atualmente a UFRJ é uma das mais importantes universidades do mundo, contando com aproximadamente docentes e cerca de alunos de graduação e alunos de pós-graduação, distribuídos em mais de 155 Cursos de Graduação, 100

7 7 Programas de Pós-Graduação stricto sensu e mais de técnicos administrativos em educação Organização administrativa da UFRJ A estrutura administrativa e acadêmica da UFRJ é definida por conselhos superiores: o Conselho Universitário (CONSUNI), o Conselho de Curadores, o Conselho de Ensino de Graduação (CEG), o Conselho de Ensino e Pesquisa para Graduados (CEPG) e o Conselho Superior de Coordenação Executiva (CSCE). Devemos destacar ainda no âmbito da estrutura da UFRJ as Pró-Reitorias, os Centros Universitários, o Setor de Convênios e Relações Internacionais (SCRI), Superintendência Geral de Políticas Estudantis (SUPEREST) e a Ouvidoria. Conselho Universitário (CONSUNI): O Conselho Universitário, órgão máximo da instituição, delibera em última instância sobre questões como a criação e a mudança de cursos e aprova a nomeação dos pró-reitores. Compete ainda ao CONSUNI aprovar as diretrizes da política universitária. Mais informações na página ou pelos telefones (21) / Conselho de Curadores: Órgão deliberativo para assuntos de patrimônio da UFRJ, tendo como finalidade precípua o controle do movimento financeiro e patrimonial da universidade. Mais informações na página ou pelos telefones: (21) / Fax: (21) Conselho de Ensino de Graduação (CEG): O CEG é um órgão colegiado, formado por professores e alunos de graduação. Define a política acadêmica dos cursos, fixando as normas de ensino nos curso de graduação e das formas de ingresso na UFRJ. Mais informações na página ou pelo telefone (21) Conselho de Ensino para Graduados (CEPG): O CEPG é formado por professores e alunos de pós-graduação e define a política acadêmica dos cursos de pós-graduação, fixando as normas de ensino e pesquisa referentes aos cursos de doutorado, mestrado, especialização e aperfeiçoamento. Mais informações na página ou pelo telefone (21)

8 8 Conselho Superior de Coordenação Executiva (CSCE): Órgão de coordenação geral da Universidade. A este conselho competente, dentre outras atribuições, a apreciação e aprovação de convênios e contratos. Pró-Reitoria de Graduação (PR-1) - Responsável pela coordenação dos cursos de graduação, supervisão e controle de sua execução pelos centros e unidades universitárias; supervisão das atividades didáticas; planejamento e supervisão do programa de atividades culturais, desportivas, recreativas e extracurriculares; elaboração de normas e planos concernentes à concessão de bolsas e assistência financeira, relacionadas com o processo de formação profissional, alojamento, alimentação e transporte dos estudantes em coordenação com os competentes órgãos administrativos especiais; assistência médica, social e jurídica aos estudantes; elaboração de normas para o regime disciplinar; orientação da comunidade estudantil e assistência aos seus problemas e aspirações. No âmbito da referida Pró-Reitoria, devemos destacar a existência da Divisão de Integração Acadêmica (DIA), que é responsável dentre outras atribuições, pela administração do Programa de Mobilidade Acadêmica, pelas bolsas do Programa de Monitoria; do PAEALIG (Programa de Atividades Extracurriculares de Apoio aos Laboratórios de Informática de Graduação), do PIBIAC (Programa Institucional de Iniciação Artística e Cultural). A DIA fica localizada no 8º andar do Prédio da Reitoria no campus da Cidade Universitária. Outro importante órgão ligado à PR-1 é a Divisão de Registro de Estudante (DRE), que é responsável pelo sistema de registro acadêmico, pelo registro de alunos e controle de usuários no SIGA (Sistema Integrado de Gestão Acadêmica), matrículas, assentamentos, expedição de histórico escolar com assinatura, emissão de relatórios, emissão de carteira de estudante e pedido de Diploma de Dignidade Acadêmica. Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (PR-2) - Responsável pela formulação, coordenação e supervisão das normas para o funcionamento dos cursos de pós-graduação, bem como as normas para avaliação e

9 9 registro das atividades de pesquisa, com o objetivo de contribuir para a formação de cidadãos com alto nível de qualificação, para o crescimento e a disseminação da produção científica, artística e cultural e para o desenvolvimento tecnológico do país. A política institucional da PR-2 visa fortalecer a qualidade da pós-graduação na UFRJ, envolvendo de forma abrangente todas as áreas do conhecimento. Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento (PR-3) - Responsável pela elaboração de normas e critérios para o planejamento estratégico, físico, financeiro e orçamentário da Universidade; coordenação, acompanhamento e controle das atividades de planejamento de todas as Unidades, Centros, Órgãos e serviços da Universidade; proposta de alteração das dotações orçamentárias, abertura de créditos adicionais e criação de fundos; proposta de fixação de preços de serviços prestados, taxas e emolumentos; elaboração das normas de administração patrimonial; administração dos bens do patrimônio; inventário do patrimônio e seu controle permanente; alienação e oneração de bens. Pró-Reitoria de Pessoal (PR-4) - A PR-4 abrange as atividades relativas à elaboração de normas e planos referentes ao desenvolvimento e qualificação de pessoal; execução administrativa dos planos aprovados, quando de implementação centralizada, e coordenação, acompanhamento e controle, quando de implementação descentralizada; supervisão da administração e consequente lotação de pessoal nos órgãos administrativos e nas unidades; controle permanente dos assentamentos de pessoal. Pró-Reitoria de Extensão (PR-5) - A Pró-Reitoria de Extensão (PR-5) tem a função de coordenar a política de extensão da UFRJ, articulando, coordenando e apoiando as ações de extensão (programas, projetos, cursos, eventos, prestação de serviços) dos Centros e Unidades universitárias, bem como os produtos e publicações resultantes das mesmas. Pró-Reitoria de Gestão e Governança (PR-6) - A Área de Gestão e Governança abrange as atividades relativas à: administração dos serviços gerais que compreendem: os de bem estar da comunidade; os de comunicação;

10 10 os de natureza industrial; os de zeladoria; e os de segurança das pessoas; elaboração de normas e planos referentes a: contabilidade; e controles contábeis; elaboração das normas de administração patrimonial; administração dos bens do patrimônio;inventário do patrimônio e seu controle permanente; e alienação e oneração de bens. Setor de Convênios e Relações Internacionais (SCRI) - Criado em 1994, o Setor de Convênios e Relações Internacionais da UFRJ - SCRI desenvolve a política internacional de cooperação técnica, científica e cultural da Universidade Federal do Rio de Janeiro, sendo o principal canal de comunicação entre a UFRJ e as demais instituições de ensino do país e do mundo. O SCRI/UFRJ administra mais de 170 parcerias internacionais que visam à troca de conhecimento, ao incentivo à pesquisa e à promoção de uma percepção mais apurada da alteridade. A força motriz do trabalho realizado pelo setor é a crença no diálogo intercultural como instrumento para ampliar os horizontes profissionais e humanos de alunos, professores e funcionários técnico-administrativos. O SCRI fica localizado no campus da Cidade Universitária no 2º andar do Prédio da Reitoria. Os procedimentos para intercâmbio encontram-se regulados na Resolução CEG nº 03/2007. Os alunos interessados em realizar intercâmbio internacional através da UFRJ, poderão obter mais informações pelos telefones (21) / Superintendência Geral de Políticas Estudantis (SUPEREST) - A SUPEREST tem por objetivo constituir-se numa estrutura pedagógico-administrativa vinculada ao Gabinete do Reitor, voltada ao planejamento, coordenação, acompanhamento e avaliação dos programas e ações direcionados à comunidade discente, buscando a consolidação de uma ampla política de atendimento e assistência aos discentes da UFRJ, visando à disponibilização de condições adequadas para acesso, permanência, condições adequadas para o bem-viver na Universidade, bom aproveitamento, aprendizado e excelência acadêmica. A SUPEREST, através da Divisão de Assistência ao Estudante (DAE) é o setor responsável pela coordenação e implementação de Programa de Auxílio ao Estudante. A DAE fica localizada no campus da Cidade Universitária no 8º andar do Prédio da Reitoria. Mais informações

11 11 pelos telefones (21) / para informações gerais sobre bolsas e benefícios: dae superest.ufrj.br Atenção!! É fundamental que o discente observe os prazos e condições fixadas pela SUPEREST para concessão ou renovação de bolsas e/ou benefícios, sob pena de perda dos mesmos. Destacamos, que todas as informações relativas às bolsas e/ou benefícios estão disponibilizadas na página da SUPEREST. OUVIDORIA DA UFRJ - A Ouvidoria da UFRJ é um canal condutor das opiniões, sugestões, reclamações e problemas que visa promover a garantia dos direitos dos cidadãos, concretizando, além do princípio da eficiência, os princípios da ética e da transparência nas relações com a sociedade. Qualquer membro da sociedade poderá acessar a ouvidoria da UFRJ através do site ou pelos telefones (21) / para contato: Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) - Os Centros Universitários congregam um conjunto de Unidades (institutos, escolas e faculdades) e órgãos suplementares. Compete aos decanos coordenar junto às suas unidades e órgãos suplementares, a elaboração de projetos, planos de ensino e de pesquisa e a criação ou extinção de cursos, cumprindo e fazendo cumprir no âmbito do respectivo Centro, o Estatuto, o Regimento Geral da Universidade e as decisões dos órgãos superiores. Cada Centro possui um órgão deliberativo, denominado Conselho de Coordenação presidido pelo Decano e integrado pelos diretores das Unidades e representantes dos docentes, funcionários técnico-administrativos e discentes. A Faculdade Nacional de Direito integra do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE), que atualmente tem como Decana a professora Mária Lúcia Teixeira Werneck Vianna. O Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) coordena as atividades universitárias da Faculdade Nacional de Direito (FND), da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (FACC), do Instituto de Economia (IE), do Instituto de Pós- Graduação e Pesquisa em Administração (COPPEAD) e do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR). A FND, uma das três unidades que, em

12 12 setembro de 1920, foram reunidas para criar a atual UFRJ, ocupa um prédio histórico no Centro da Cidade. O IPPUR e a COPPEAD ficam localizados no campus da Cidade Universitária. O IE e a FACC, no campus da Praia Vermelha, onde também funciona a Decania, a direção executiva do Centro. Mais informações pelos telefones (21) / 5301 / 5302 / FACULDADE NACIONAL DE DIREITO (FND) Breve histórico A Faculdade está situada no Palácio do Conde dos Arcos, prédio onde funcionou o Senado brasileiro. A tradicional Faculdade Nacional de Direito da UFRJ é fruto da fusão, em 1920, de duas Faculdades não estatais, a Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro e a Faculdade Livre de Direito. Antes de tal data, porém, existiu um longo caminho idealizado por grandes nomes, como Fernando Mendes de Almeida, que reunia em seu escritório colegas que sonhavam com a criação de uma Faculdade de Direito Livre, ou seja, particular. Proclamada a República, autorizado e reconhecido o ensino livre, Mendes de Almeida convocou os antigos partidários da idéia e, com novos adeptos, declarou fundada a Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro, base do que é hoje a Faculdade Nacional de Direito. A criação da Faculdade Nacional de Direito na primeira metade do século XX por meio da fusão das Faculdades já mencionadas representou, na visão de Alberto Venâncio, uma quebra do monopólio do ensino jurídico, que até o final do século XIX concentrava-se no eixo Olinda - São Paulo, o que contribuiu para o fortalecimento do pluralismo do ensino jurídico no País. A Faculdade Nacional de Direito integrou, juntamente com a Escola Politécnica e a Faculdade de Medicina da Praia Vermelha a nova Universidade, denominada de "Universidade do Brasil", criada em setembro de Os principais fatos deste período foram o surgimento da biblioteca da nova Faculdade, o lançamento da Revista "A Época", a criação do Grêmio Literário e da Revista Jurídica, sob a orientação e responsabilidade de uma comissão formada por Cândido de Oliveira Filho, Luiz Carpenter, Raul Pederneiras, Virgílio de Sá Pereira, Gilberto Amado e Afrânio Peixoto. A partir dos anos 30 a Faculdade Nacional de Direito vivenciou memoráveis concursos para professores inesquecíveis, como o de Joaquim Pimenta para a cátedra de

13 13 Sociologia. Também nesta época surgiu a famosa turma de 1937, que formou intelectuais como José Honório Rodrigues e Evaristo de Morais Filho, que se tornaria catedrático em Direito do Trabalho e em Sociologia na gloriosa Faculdade com sua tese sobre "Augusto Comte". Somente nos anos 40 houve a transferência da Faculdade para a Rua Moncorvo Filho, período marcado pela forte mobilização estudantil, principalmente como resistência ao Estado Novo. Os célebres concursos continuaram a acontecer, trazendo jovens juristas à cátedra da Faculdade, como San Tiago Dantas e Hélio Tornaghi. Os anos 50 consolidaram o prestígio da Faculdade Nacional de Direito. Em 1955, destacou-se a emblemática aula inaugural de San Tiago Dantas, intitulada "A educação jurídica e a crise brasileira". Na ocasião, San Tiago expôs novas diretrizes para o ensino jurídico e criticou a didática vigente, defendendo o case system em oposição ao text system. Já naquela época defendia a interdisciplinaridade para que o direito pudesse se adaptar aos tempos modernos. Entre 1960 e 1970 ocorreu a transferência da capital para Brasília e iniciou-se o processo de federalização do ensino superior, do qual a UFRJ passou a fazer parte. Com o Golpe Militar de 64 a Faculdade de Direito sofreu conseqüências. Por outro lado, o CACO - Centro Acadêmico Cândido de Oliveira - realizou ferrenha oposição ao regime militar. Nos anos 70, ocorreu uma profunda crise, caracterizada pela realização de poucos concursos públicos e o progressivo esvaziamento do quadro docente. Os anos 80 também foram marcados por crises e impedimentos em concursos. Nos anos 90, existiram algumas iniciativas, como a mudança curricular determinada pela Portaria Ministerial n /94, que estabeleceu um currículo mínimo dos Cursos de Direito, a reformulação da estrutura departamental e a criação de um Centro de Extensão Comunitária compreendendo um Juizado Especial, um posto da Defensoria Pública e o Escritório Modelo, hoje Núcleo de Prática Jurídica. Criou-se, outrossim, um Centro de Pesquisa destinado a desenvolver projetos, fortalecer a pós-graduação e instalar um laboratório de informática. Com a realização de uma série de concursos públicos para professores que passaram a desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como de significativas mudanças na infra-estrutura, a FND voltou a ser considerada uma das mais conceituadas escolas de Direito do Brasil. Recentemente o corpo social da FND manifestou sua disposição de permanecer em seu histórico prédio e não migrar para o campus da Cidade Universitária na Ilha do Fundão,

14 14 decisão que vem sendo totalmente respeitada pela Administração Central da Universidade. A FND, comprometida com a construção de um conhecimento interdisciplinar, integra como unidade co-responsável o curso de graduação em Gestão Pública para o Desenvolvimento Econômico e Social (GPDES), apoiada no engajamento e na articulação institucional e acadêmica das seguintes unidades: Faculdade de Direito, Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (FACC), Instituto de Economia (IE), Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) e Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) Corpo Docente Atualmente a Faculdade Nacional de Direito possui 75 professores em seu corpo docente permanente, que estão distribuídos entre os 04 (quatro) Departamentos de Ensino (Direito do Estado, Direito Civil, Direito Social e Econômico e Teoria do Direito) Departamento de Direito do Estado - sigla IUS Chefe do Departamento: Prof. Carlos Magno Siqueira Melo Plantões de atendimento: segundas (11h00 às 12h00) e sextas (11h00 às 12h00) Substituto eventual: Profª. Márcia Cristina Xavier de Souza Plantões de atendimento: quartas (16h30 às 17h30) DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO Nome Classe Regime de trabalho Carlos Eduardo Adriano Japiassú Associado 40 horas José Ribas Vieira Associado 40 horas Vanessa Oliveira Batista Associado Dedicação Exclusiva Antonio Eduardo Ramires Santoro Adjunto 40 horas Carlos Alberto Pereira das Neves Bolonha Adjunto Dedicação Exclusiva Carlos Augusto Silva Adjunto Dedicação Exclusiva Carmem Lúcia Macedo Adjunto 20 horas Caroline Proner Adjunto Dedicação Exclusiva Cristiane Brandão Augusto Mérida Adjunto Dedicação Exclusiva

15 15 Diogo Rudge Malan Adjunto 40 horas Eduardo Ribeiro Moreira Adjunto Dedicação Exclusiva Fabio Correa Souza de Oliveira Adjunto 40 horas Geraldo Luiz Mascarenhas Prado Adjunto 40 horas José Eduardo Carreia Alvim Adjunto 40 horas Lilian Márcia Balmant Emerique Adjunto Dedicação Exclusiva Luciana Boiteux Figueiredo Rodrigues Adjunto Dedicação Exclusiva Luigi Bonizzato Adjunto Dedicação Exclusiva Márcia Cristina Xavier de Souza Adjunto 40 horas Nilo Cesar Martins Pompílio da Hora Adjunto Dedicação Exclusiva Paulo Emílio V. Borges de Macedo Adjunto 40 horas Sandro Marcelo Kozikoski Adjunto 40 horas Sidney César Silva Guerra Adjunto 40 horas Ana Luisa de S. Correia de Melo Palmisciano Assistente 20 horas Arnaldo Goldemberg Assistente 20 horas Bruno Garcia Redondo Assistente 20 horas Carlos Magno Siqueira Melo Assistente 40 horas Carolina Machado Cyrillo da Silva Assistente Dedicação Exclusiva Cezar Augusto Rodrigues Costa Assistente 20 horas Daniel Braga Lourenço Assistente 20 horas Daniele Gabrich Gueiros Assistente 20 horas Fabiano Soares Gomes Assistente Dedicação Exclusiva Francisco Ramalho Ortigão Farias Assistente 40 horas Junya Rodrigues Barletta Assistente Dedicação Exclusiva Larissa Pinha de Oliveira Assistente Dedicação Exclusiva Luiz Cláudio Moreira Gomes Assistente Dedicação Exclusiva Marilson dos Santos Santana Assistente 20 horas Oswaldo José de Campos Melo Assistente 40 horas Roberto Monteiro Litrento Assistente 40 horas Walter dos Santos Rodrigues Assistente 20 horas Departamento de Teoria do Direito - sigla IUF Chefe do Departamento: Prof. Luiz Eduardo de Vasconcellos Figueira

16 16 Plantões de atendimento: quartas (17h00 às 18h00) e sextas (17h00 às 18h00) Substituto eventual: Profª. Ana Paula Costa Barbosa Plantões de atendimento: terças (16h30 às 17h30) DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE TEORIA DO DIREITO Nome Classe Regime de trabalho Ana Lúcia Sabadell da Silva Titular Dedicação exclusiva Cecília Caballero Lois (cessão) Associado Dedicação exclusiva Juliana Neuenschwander Magalhães Associado Dedicação exclusiva Ana Paula Costa Barbosa Adjunto Dedicação exclusiva Ângelo Luis de Souza Vargas Adjunto 40 horas Fabio Perin Shecaira Adjunto Dedicação exclusiva Luiz Eduardo de Vasconcellos Figueira Adjunto Dedicação exclusiva Marcelo de Araújo Adjunto 40 horas Margarida Maria Lacombe Camargo Adjunto 20 horas Mariana Trotta Dallalana Quintans Adjunto 40 horas Rachel Herdy de Barros Francisco Adjunto Dedicação exclusiva Departamento de Direito Civil - sigla IUP Chefe do Departamento: Profª. Cláudia Franco Correa Plantões de atendimento: quartas (18h00h às 19h00) e sextas (17h00 às 18h00) Substituto eventual: Prof. Lorenzo Martins Pompílio da Hora Plantões de atendimento: quartas (10h00 às 12h00) DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE DIREITO CIVIL Nome Classe Regime de trabalho Flávio Alves Martins Associado Dedicação exclusiva Cláudia Franco Correa Adjunto 40 horas Fabiana Rodrigues Barletta Adjunto Dedicação exclusiva Guilherme Magalhães Martins Adjunto 40 horas Lorenzo Martins Pompílio da Hora Adjunto 40 horas Marcos Vinícius Torres Pereira Adjunto Dedicação exclusiva Cintia Muniz de Souza Konder Assistente 40 horas

17 17 Glória Regina Vianna Lima Assistente 40 horas Juliana de Sousa Gomes Lage Assistente Dedicação exclusiva Departamento de Direito Social e Econômico - sigla IUE Chefe do Departamento: Prof. Enzo Baiocchi Plantões de atendimento: terças (16h30 às 17h30) e quintas (16h30 às 17h30) Substituto eventual: Prof. Rodrigo Carelli Plantões de atendimento: terças (11h00 às 12h00) DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE DIREITO SOCIAL E ECONÔMICO Nome Classe Regime de trabalho Alexandre Ferreira Assumpção Alves Associado 20 horas Thadeu Andrade da Cunha Associado 40 horas Eduardo Maneira Adjunto 40 horas Enzo Baiocchi Adjunto 40 horas Ivan Simões Garcia Adjunto 20 horas João Marcelo de Lima Assafim Adjunto 40 horas Mauro Osório da Silva Adjunto 40 horas Rodrigo de Lacerda Carelli Adjunto 40 horas Salete Maria Polita Macalloz Adjunto 40 horas Sayonara Grillo Coutinho L. da Silva Adjunto 20 horas Alvaro Braga Lourenço Assistente 20 horas Bruno Maurício Macedo Curi Assistente 20 horas Carolina Pereira Lins Mesquita Assistente 20 horas Fábio de Souza Silva Assistente 40 horas Kone Prieto Fortunato Cesário Assistente Dedicação exclusiva Vanessa Huckleberry Portella Siqueira Assistente 20 horas 2.3. Colegiados e Comissões Congregação A Congregação é o principal órgão colegiado da FND, que possui competência para deliberar sobre questões didático-pedagógicas e administrativas. Presidida pelo Diretor, é integrada pelo Vice-Diretor, pelos Chefes de Departamento, pelos Professores

18 18 Titulares, pelos representantes dos Professores Associados, pelos representantes dos Professores Adjuntos, pelo representante dos professores Assistentes, pelos representantes dos discentes e dos funcionários técnico-administrativos. A Congregação reúne-se, ordinariamente, uma vez por mês, na última quarta-feira e, extraordinariamente, quando for convocada Conselho Departamental O Conselho Departamental é órgão de deliberação sobre assuntos de natureza didáticopedagógica, dentre eles a autorização para concomitância de disciplinas; quebra de prérequisito; autorização para cursar número de créditos inferior a seis e superior a trinta e dois; autorização para prática de atos acadêmicos fora dos prazos previstos no calendário acadêmico, considerada a excepcionalidade do caso. O Conselho é hierarquicamente inferior à Congregação. Presidido pelo Coordenador de Graduação, é integrado pelos Chefes de Departamento e pelos representantes dos alunos. O Conselho Departamental reúne-se, ordinariamente, uma vez por mês, e, extraordinariamente, quando for convocado Colegiados dos Departamentos Departamentos são órgãos de natureza pedagógica, sendo reconhecidos como a menor fração da estrutura universitária para todos os efeitos de organização didática e científica. O Colegiado atua cumprindo a legislação universitária, principalmente envolvendo a distribuição de encargos docentes, dispensa de disciplinas e funcionando como instância recursal em matérias apreciadas pela sua Chefia e pelos demais docentes que o integram. Os Colegiados atualmente são integrados pelos docentes do Departamento e pelos representantes dos alunos. Os Colegiados reúnem-se, ordinariamente, uma vez por mês, e, extraordinariamente, quando forem convocados Colegiado do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) O Colegiado de Prática Jurídica tem como principais atribuições, elaborar o programa e plano de atividades do NPJ, orientar e avaliar o desempenho dos estagiários e ainda aprovar normas internas de funcionamento do NPJ. O Colegiado de Prática Jurídica, que é presidido pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica, reúne-se trimestralmente de forma ordinária para analisar, avaliar, reorganizar ou remodelar as atividades sob sua responsabilidade, e extraordinariamente, quando convocado. O

19 19 Colegiado é integrado pelos professores de Prática Jurídica, pelos representantes dos alunos e dos funcionários técnico-administrativos Conselho de Monografia O Conselho de Monografia tem como principal atribuição estabelecer as regras para a elaboração da monografia jurídica, cuja apresentação é obrigatória para a conclusão do curso. O Conselho, que é presidido pelo Coordenador de Monografia, reúne-se mensalmente de forma ordinária, e extraordinariamente, quando convocado. O Conselho é integrado por 06 (seis) docentes do corpo permanente, por 02 (dois) representantes dos alunos e 02 (dois) dos funcionários Comissão Própria de Avaliação (CPA) Compete a CPA à condução dos processos internos de avaliação da Faculdade Nacional de Direito. Na FND a Comissão é formada por 02 (dois) docentes do corpo permanente, por 01 (um) representante dos alunos, por 01 (um) representante dos funcionários e 01 (um) membro externo Comissão de Orientação e Acompanhamento Acadêmico (COAA) Nos termos da Res. CEG 03/97, a Comissão de Orientação e Acompanhamento Acadêmico (COAA), exerce a atividade de orientação acadêmica. A COAA dentre suas competências, manifesta-se sobre pedidos de trancamento e destrancamento de matrícula; descancelamento de matrícula; emite parecer sobre desempenho acadêmico de discentes sob a sua responsabilidade; mudança de turno; plano de estudos para mobilidade acadêmica e aproveitamento de créditos decorrente da mesma. A COAA realiza ainda a orientação e o acompanhamento de discentes que apresentem dificuldades para acompanhar o regular desenvolvimento do curso. A COAA é composta por professores e representantes dos alunos, reunindo-se mensalmente de forma ordinária, e extraordinariamente, quando convocada Setor de Convênios e Relações Institucionais e Internacionais da FND (SCRIID) - Considerando o crescente número de alunos da FND interessados na realização de intercâmbio, bem como a necessidade de uma adequada acolhida de alunos estrangeiros,

20 20 foi criado um órgão na FND responsável por tratar de todas as questões envolvendo a matéria. Os docentes integrantes do SCRIID prestarão auxílio aos discentes da FND, para que os mesmos possam realizar com bom aproveitamento sua passagem por instituições estrangeiras, o que envolve desde o processo de escolha da instituição receptora até o apoio na elaboração do plano de estudos. Em relação aos discentes estrangeiros, os docentes do SCRIID auxiliarão os mesmos em seu processo de adaptação na FND, bem como levarão a efeito orientações para eventual adequação do plano de estudos. O SCRIID também tem como uma das principais atribuições atuar na articulação de convênios com outras instituições nacionais e internacionais, de modo a reforçar o ensino, pesquisa e extensão na FND Núcleo Docente Estruturante (NDE) O NDE tem por objetivo qualificar o envolvimento docente no processo de concepção e consolidação de um curso de graduação. Caracteriza-se por ser responsável pela formulação e reformulação do Projeto Pedagógico do Curso, sua implementação e desenvolvimento. O NDE reúne-se, ordinariamente, bimestralmente, e, extraordinariamente, quando for convocado. O NDE é composto por 07 docentes, tendo as seguintes atribuições: I - participar da elaboração do Projeto Pedagógico do Curso; II - participar da construção e da consolidação do perfil do egresso; III - participar da revisão e atualização periódica do Projeto Pedagógico do Curso para análise e aprovação da Congregação e demais órgãos competentes da UFRJ; IV - discutir e propor mecanismos de interdisciplinaridade; V - supervisionar as formas de avaliação e acompanhamento do Curso, definidas pela Congregação; VI - analisar e avaliar os Planos de Ensino dos componentes curriculares; VII - promover a integração horizontal e vertical do Curso, respeitando o Eixo Norteador estabelecido pelo Projeto Pedagógico; VIII - indicar formas de incentivo ao desenvolvimento de linhas de pesquisa e de extensão; e IX - zelar pelo cumprimento das Diretrizes Curriculares Nacionais.

21 Comissão Deliberativa do Programa de Pós-Graduação da FND (Mestrado) A Comissão Deliberativa é constituída pelos docentes credenciados e em efetivo exercício e pelos representantes dos alunos. O Colegiado tem como principais atribuições a elaboração da programação didática do Programa a partir da proposta do Coordenador e escolher ou aprovar a indicação dos membros que deverão compor as bancas de seleção dos concursos de admissão ao Programa. A Comissão reunir-se-á trimestralmente de forma ordinária, e extraordinariamente, quando convocada Coordenações e setores administrativos da FND Coordenação de Graduação - A Coordenação de Graduação tem como principais atribuições orientar a organização curricular e o desenvolvimento do currículo; organizar os horários das disciplinas; organizar as turmas de alunos; prestar assistência didático-pedagógica aos docentes e discentes; coordenar os processos e as reuniões do Conselho Departamental e COAA; acompanhar e avaliar o desenvolvimento das atividades de monitoria e PAEALIG (Programa de Atividades Extracurriculares de Apoio aos Laboratórios de Informática de Graduação); elaborar o calendário acadêmico da Unidade, envolvendo os atos relacionados à graduação. Localização: 3º andar - Telefone: (21) Plantões de atendimento: - Prof. Luiz Cláudio Gomes (Coordenador do turno integral): sextas (11h30 às 13h00) - Profª. Cristiane Brandão (Coordenadora do turno noturno): segundas e quartas (17h00 às 19h30) Secretaria Acadêmica - A Secretaria Acadêmica é órgão de apoio a Coordenação de Graduação, responsável por operacionalizar as atividades ligadas à vida acadêmica do discente, desde o seu ingresso até a sua conclusão do curso. A Secretaria é responsável por todos o serviços relacionados à matrícula e ao registro, controle e arquivo da documentação dos discentes, inclusive a expedição de diplomas. Dentre as suas principais atribuições destacam-se: controlar e supervisionar o sistema de dados acadêmicos; expedir certidões, declarações, atestados e históricos; formalizar processos para registro de diplomas, tomando as providências cabíveis; manter o registro de todos os diplomas expedidos. Localização: 3º andar - Telefone: (21)

22 Secretaria dos Departamentos - A Secretaria dos Departamentos é órgão de apoio aos Departamentos, vinculada à Coordenação de Graduação. Dentre as suas principais atribuições destacam-se: prestar apoio administrativo aos Chefes de Departamento da FND; processar os pedidos de dispensa de disciplinas, realizar o controle de frequência dos monitores da FND; prestar apoio administrativo aos concursos e processos simplificados para contratação de docentes. Prestar apoio administrativo na seleção de bolsistas de monitoria e PAELIG. Localização: 3º andar - Telefone: (21) / Coordenação de Pesquisa - A Coordenação de Pesquisa tem como atribuição organizar as atividades de pesquisa desenvolvidas na Unidade; divulgar os grupos de pesquisa em funcionamento; auxiliar os docentes no processo de criação e registro de grupos de pesquisa na Unidade, na Universidade e em órgãos de fomento à pesquisa; informar os docentes e discentes pesquisadores sobre oportunidades de bolsas de pesquisa internas e externas à Universidade; realizar, anualmente, a Jornada de Iniciação Científica da Faculdade Nacional de Direito (JIC-JUR), como espaço para a divulgação das pesquisas e preparação de nossos alunos para a participação na Jornada de Iniciação Científica da UFRJ (JICTAC). Localização: 1º andar - Telefone: (21) / 0910 Plantões de atendimento: Professor Carlos Bolonha: quartas (12h00 às 13h00) Professor Fabiano Gomes: terças (16h30 às 17h30) Coordenação de Extensão A UFRJ adota o conceito de extensão universitária, definido pelo Fórum de Pró- Reitores de Extensão das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras (FORPROEX, 2010): A Extensão Universitária, sob o princípio constitucional da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, é um processo interdisciplinar educativo, cultural, científico e político que promove a interação transformadora entre universidade e outros setores da sociedade. A Coordenação de Extensão atua como o canal de comunicação entre a Pró-Reitoria de Extensão (PR-5) e a FND, interagindo com a participação mensal na plenária dos coordenadores de extensão dos centros e unidades da UFRJ. A Coordenação de

23 23 Extensão também possui a atribuição de divulgar à comunidade acadêmica da FND os editais internos, estaduais e nacionais de programas e projetos de extensão para receber fomento de agências oficiais. A Coordenação de Extensão, também possui a atribuição de divulgar no corpo social da FND, eventos extensionistas (projetos, programas, cursos, congressos, etc.), desenvolvidos com a participação do corpo social da FND. Localização: 1º andar - Telefone: (21) / 0910 Plantões de atendimento: Professora Lilian Emerique: terças (13h30 às 14h30) Coordenação de Monografia A Coordenação de Monografia tem como suas atribuições catalogar as áreas de atuação e respectivos docentes disponíveis para orientação de monografia; coordenar a distribuição de orientados por docente a cada semestre; prestar atendimento aos discentes matriculados nas disciplinas de monografia jurídica; receber e providenciar o encaminhamento à Biblioteca da FND das monografias digitalizadas; tomar no âmbito de sua competência, todas as medidas necessárias ao cumprimento do regulamento de monografia da FND. Localização: 1º andar - Telefone: Plantões de atendimento: Professor Luigi Bonizzato: quartas (16h30 às 17h30) Professor Alexandre Assumpção: terças (13h30 às 14h30) Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão responsável pela supervisão das atividades do Estágio e proporciona aos alunos, regularmente matriculados no Curso de Direito da Faculdade Nacional de Direito (FND), o exercício da prática jurídica curricular. Nesse setor, seu coordenador e o Colegiado do NPJ são responsáveis também pela efetivação e fiscalização dos convênios de estágio realizados fora da FND Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) As atividades do NPJ objetivam integrar os aspectos teóricos e práticos do ensino, pesquisa e extensão das atividades jurídicas, visam estimular nos estudantes uma análise crítica destes elementos, bem como, propiciar uma formação adequada à sua vida prática profissional. Para serem atendidos pelo NPJ, os assistidos devem, em regra, residir nas imediações da FND e não possuir condições financeiras de pagar advogado

24 24 particular sem prejuízo da própria subsistência. Entretanto, para atender aos fins pedagógicos de proporcionar condições de aprendizado jurídico prático-profissional aos alunos da FND, o NPJ somente cuida de considerável número de casos de relevante interesse jurídico e acadêmico, segundo análise do próprio NPJ e conforme o regulamento do NPJ. O que não prejudica partes eventualmente não assistidas pelo NPJ, já que a assistência a partes hipossuficientes, em geral, é feita pela Defensoria Pública, em razão também das limitações físicas e de pessoal do NPJ. O Núcleo de Prática Jurídica presta atendimento nas áreas Cível, Penal e Trabalhista, bem como nos projetos de extensão desenvolvidos no setor. Localização: 1º andar - Telefone: (21) / 0912 / 0913 Plantões de atendimento: Professor Francisco Ortigão: terças (09h00 às 11h00) Núcleo Interdisciplinar de Ações para a Cidadania - NIAC Os alunos da FND podem ainda desenvolver suas atividades de extensão e Prática Jurídica, junto ao NIAC, que é um Programa de Extensão constituído por projetos e outras ações de extensão de caráter multidisciplinar, ligado a atividades de pesquisa e ensino da Faculdade Nacional de Direito, do Instituto de Psicologia e da Escola de Serviço Social da UFRJ, buscando oferecer atendimento integrado à população do bairro da Maré e seu entorno, com eixo na questão de Direitos Humanos. O NIAC funciona no campus da Cidade Universitária na Ilha do Fundão Gerência A Gerência tem como principais atribuições organizar os procedimentos referentes à segurança e manutenção das dependências da FND, bem como zelar pelo regular funcionamento de cada um dos setores administrativos. Compete ainda à Gerência organizar a utilização dos espaços e equipamentos da FND. Localização: 3º andar - Telefone: (21) Laboratório de Informática (LIG) O LIG, objetiva permitir a realização de pesquisas e a cooperação do corpo discente com o corpo docente nas atividades de ensino de graduação. Localização: 4º andar - Telefone: (21)

25 Biblioteca Carvalho de Mendonça - A história da biblioteca confunde-se com a história da própria FND, pois ela foi criada já em 1905, por iniciativa de Arnaldo Guinle, ex-aluno, que doou livros e estante. A Biblioteca Carvalho de Mendonça possui um grande acervo, coletado ao longo destes quase de 110 anos, atendendo aos docentes, técnicos administrativos, alunos da graduação e da pós-graduação da FND, bem como ao público em geral. Documentos necessários para inscrição: - CRID ou plano de estudos no período letivo; e foto 3x4. A biblioteca funciona para atendimento ao público, durante o ano letivo, de segunda à sexta-feira, de 8h00 às 20h00. No período de férias o horário de atendimento é reduzido, passando a funcionar das 9h00 às 18h00. Localização: 2º andar - Telefone: (21) CORPO DISCENTE O corpo discente da FND é formado por aproximadamente alunos de graduação e pós-graduação (Mestrado). O acesso na graduação, na forma da Resolução nº 06/2010 do CEG, poderá ocorrer através das seguintes modalidades: concurso de acesso; transferência externa (obrigatória ou facultativa); isenção de concurso de acesso; convênios. Para maiores informações sobre os cursos de Graduação da UFRJ, acesse a página da PR-1. O acesso na pós-graduação (Mestrado) ocorre através de seleção pública anual. Os alunos de graduação são representados em todos os órgãos colegiados da FND, pelos integrantes do Centro Acadêmico Cândido de Oliveira - CACO, que sempre teve um papel de destaque na luta pela reconstrução e manutenção da democracia no Brasil. O CACO é uma das mais importantes entidades do movimento estudantil brasileiro, atuando na defesa dos interesses dos estudantes, não somente no âmbito da FND, mas também nas grandes lutas que se desenvolvem no País. Os estudantes ostentam a oportunidade de integrar a Associação Atlética Acadêmica da Faculdade Nacional de Direito - AAAFND, uma entidade sem fins lucrativos, representativa dos alunos e ex-alunos da FND, que tem por finalidades o fomento e o incentivo à prática do desporto universitário e a promoção de eventos sócio-culturais no intuito de congraçar e estreitar os laços da comunidade acadêmica.

26 26 Na UFRJ, existe o Diretório Central dos Estudantes, DCE MÁRIO PRATA, que representa todos os estudantes da UFRJ. A função do DCE é representar os estudantes de graduação nos mais diversos níveis da instituição (CEG, CONSUNI, CEPG etc.), participando das tomadas de decisões acadêmicas. O DCE fica localizado no campus da Praia Vermelha. Atenção!! Site do CACO: - Telefone: (21) Site da AAFND: - Telefone: (21) Site do DCE Mário Prata: 4. FUNCIONAMENTO DO CURSO A UFRJ adota o sistema de créditos e inscrição por disciplinas. Neste sistema, é oferecida uma série de disciplinas distribuídas em uma grade curricular recomendada, tendo o discente a opção de distribuí-las por períodos, respeitados a periodização recomendada, os requisitos e os horários em que elas são ministradas. O prazo mínimo de integralização é de 10 (dez) períodos ou semestres e o prazo máximo é 15 (quinze) períodos ou semestres. O discente deverá cursar as disciplinas no turno para o qual foi selecionado, não tendo o mesmo, sob nenhuma hipótese vaga assegurada em qualquer turma de disciplina diversa de seu turno e período. Destaque-se, que os turnos (integral e noturno) apresentam inclusive grades curriculares diferentes, relativamente a sua forma de integralização. No primeiro semestre do ano de 2014 começou a ser implementado o novo Projeto Pedagógico do Curso de Direito da UFRJ, que se aplica a todos os discentes que ingressaram a partir do referido período. Os discentes cujo ingresso tenha ocorrido antes do primeiro semestre do ano de 2014, deverão integralizar o Projeto Pedagógico anteriormente em vigor. No currículo anterior ao ano de 2014, para fazer jus ao grau e diploma, o discente deverá cumprir no mínimo 160 créditos de disciplinas obrigatórias, 12 créditos de Requisitos Curriculares Suplementares (RCS) e 18 créditos de disciplinas complementares de escolha condicionada, perfazendo um montante de 190 créditos. O discente deverá ainda realizar 300 horas de atividades complementares, que serão apresentadas à Secretaria Acadêmica por ocasião da conclusão do curso.

27 27 No currículo em vigor a partir do primeiro semestre do ano de 2014, para fazer jus ao grau e diploma, o discente deverá cumprir no mínimo 215 créditos de disciplinas obrigatórias, 10 créditos de disciplinas complementares de escolha condicionada, 06 créditos de disciplinas complementares de livre escolha. O discente deverá ainda realizar 150 horas de atividades complementares ao longo do curso, a partir do primeiro período e 450 horas de atividade de extensão a partir do 6º período. O crédito é uma medida do número de horas que a disciplina ou o RCS ocupa dentro do currículo. As atividades relativas a aulas teóricas e práticas, elaboração de projetos, seminários e atividades de campo têm seu valor determinado em créditos. O total de créditos concedidos ao aluno em uma disciplina ou em RCS baseia-se na carga horária semestral que lhe é atribuída durante o período letivo. A disciplina é um conjunto de atividades didáticas, versando sobre um assunto determinado, de execução restrita a um período letivo, admitindo um sistema de aferição de rendimento expresso por uma escala de notas e conferindo créditos, no caso de você ser aprovado. Ela é identificada pelo nome, código, ementa, carga horária e número de créditos. Ela pode ser obrigatória e optativa, e você poderá escolhê-la dentro de um conjunto oferecido. Algumas disciplinas não podem ser cursadas antes que se tenha obtido aprovação em outra ou outras que são seus pré-requisitos. A inscrição em uma disciplina é rejeitada automaticamente, caso o aluno não tenha sido aprovado na disciplina exigida como prérequisito. Outras disciplinas, denominadas de co-requisitos, devem ser, em função de exigências do currículo, cursadas simultaneamente a uma ou mais disciplinas afins. Entende-se por RCS um conjunto de atividades acadêmicas, organizadas didáticopedagogicamente, com carga horária determinada e exigência de avaliação definidas no currículo, cujas características não correspondam às de uma disciplina e que sejam exigidas de um aluno para que faça jus ao grau e ao diploma. As atividades complementares são componentes curriculares enriquecedores e complementadores do perfil do formando, possibilitam o reconhecimento, por avaliação de habilidades, conhecimento e competência do aluno, inclusive adquirida fora do ambiente acadêmico, incluindo a prática de estudos e atividades independentes, transversais, opcionais, de interdisciplinaridade, especialmente nas relações com o mercado do trabalho e com as ações de extensão junto à comunidade.

28 28 A realização de atividades complementares não se confunde com a do estágio supervisionado ou com a do trabalho de conclusão do curso E stágio obrigatório De modo a atender às determinações legais, relativamente ao estágio supervisionado obrigatório para todos os alunos e a possibilidade de realização de estágio profissional previsto da Lei nº 8.906/94, os discentes deverão realizar sua inscrição junto ao Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da FND a partir do 7º período quando estarão matriculados na disciplina de Prática Jurídica I. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão responsável pela supervisão das atividades do estágio e proporciona aos alunos, regularmente matriculados na FND, o exercício da prática jurídica curricular. Com vocação extensionista, o NPJ oferece atendimento jurídico à comunidade, nas áreas Penal, Cível e Trabalhista. As disciplinas de Prática Jurídica possuem carga teórica a ser ministrada em sala de aula e carga prática a ser realizada junto ao NPJ. Logo, para fazer jus ao grau e frequência da disciplina de Prática Jurídica cursada em sala de aula, o discente deverá ter realizado com aproveitamento suas atividades práticas junto ao NPJ. O estágio supervisionado é componente curricular obrigatório, indispensável à consolidação dos desempenhos profissionais desejados, inerentes ao perfil do formando. O discente deverá realizar o estágio junto do NPJ da FND, mas terá a opção de realizálo em outras entidades ou instituições e escritórios de advocacia conveniados com a UFRJ para fins de estágio, importando em qualquer caso, na supervisão das atividades e na elaboração de relatórios e atividades que forem determinadas pelo NPJ. Ainda que venha a obter dispensa do estágio junto ao NPJ, o discente deverá estar regularmente inscrito no mesmo. Atenção!! * Não serão autorizadas concomitâncias de disciplinas de Prática Jurídica na FND, conforme deliberação consolidada pelo Colegiado do Núcleo Prática Jurídica. * Todos os alunos do curso de Direito deverão realizar o estágio supervisionado, sendo obrigatória a inscrição junto ao NPJ, tão logo seja realizada a inscrição na disciplina de Prática Jurídica I Monografia

29 29 O Trabalho de Conclusão do Curso é um componente curricular obrigatório por exigência do art. 10 da Resolução CNE/CES nº 09/2004. Deve ser desenvolvido individualmente pelos concluintes para que os mesmos possam fazer jus ao grau e diploma. A monografia consiste em trabalho acerca de tema de escolha do aluno em consonância com o Projeto Político Pedagógico e com os conteúdos curriculares do Curso de Direito da UFRJ. A elaboração da monografia ocorre a partir da construção de um projeto desenvolvido sob a orientação e supervisão de um professor orientador, observadas as orientações metodológicas apresentadas ao discente ao longo do curso. O projeto de monografia será entregue com a aprovação do orientador até a conclusão, em data a ser fixada semestralmente pela Coordenação de Monografia. Somente será considerado aprovado na disciplina Monografia Jurídica I, o aluno que cumprir as exigências e apresentar o projeto de monografia. Desde a implementação do currículo em vigor a partir de 1995, no Curso de Direito da UFRJ o Trabalho de Conclusão do Curso é realizado na modalidade Monografia, elaborada a partir de um Projeto de Pesquisa, atualmente desenvolvido no 9º período da grade curricular, com a supervisão de um professor orientador escolhido pelo aluno, observado a pertinência do tema. O aluno aprovado nesta etapa está apto a elaborar a monografia no 10º período e a defendê-la perante banca examinadora, caso o trabalho seja aprovado para a defesa pelo professor orientador. No Projeto Pedagógico em vigor a partir do primeiro semestre do ano de 2014, o projeto de monografia deverá ser realizado no 8º período e a elaboração do trabalho final ocorrerá ao longo dos dois períodos subsequentes, devendo o mesmo ser apresentado para defesa perante banca examinadora no 10º período. Atenção!! * O discente deverá observar os prazos e regulamentações fixadas pela Coordenação de Monografia. * Na grade curricular em vigor a partir do ano de 2014, somente poderá se inscrever na disciplina de Monografia Jurídica I, o discente que estiver cursando o 8º período, tendo cumprido um mínimo de 155 créditos em disciplinas obrigatórias e 12 créditos em disciplinas complementares.

30 30 * Na grade curricular em vigor a partir do ano de 2014 é absolutamente vedado ao discente realizar concomitantemente a elaboração do projeto de monografia juntamente com a monografia Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) Conforme disposição do art. 5º, 5º, da Lei nº /2004, o ENADE constitui-se componente curricular obrigatório, sendo inscrita no histórico escolar do estudante somente a situação regular com relação a essa obrigação. O objetivo do ENADE é avaliar o desempenho dos estudantes com relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos de graduação, o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional, e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial, integrando o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), juntamente com a avaliação institucional e a avaliação dos cursos de graduação. Os alunos dos cursos de Direito estão observando a periodicidade trienal para realização do ENADE. Atenção!! O estudante selecionado que não comparecer ao Exame estará em situação irregular junto ao ENADE e não poderá obter o diploma de conclusão do curso. 5. ATOS ACADÊMICOS 5.1. Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SIGA) O Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SIGA) é um sistema de acesso via web, desenvolvido pelo Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ (NCE), através do qual os discentes, docentes e funcionários podem obter informações e fazer determinadas atualizações referentes ao registro acadêmico. Alguns serviços disponibilizados pelo SIGA, na página de boas vindas, têm prazos determinados no calendário dos atos acadêmicos, aprovados nos Conselhos Superiores da Universidade. As permissões para consultas e operações são concedidas pela Divisão de Registro de Estudantes (DRE), conforme o perfil de cada usuário. O discente tem um perfil que lhe dá os seguintes direitos: pedidos de inscrição em disciplinas; alteração e trancamento de pedido de inscrição em disciplinas; alterações de dados pessoais; consulta e emissão do Comprovante de Inscrição em Disciplinas (CRID); consulta e emissão do

31 31 Boletim Escolar não oficial; consulta e emissão do Histórico Escolar não oficial; consulta e emissão da grade horária do seu curso; e consulta e emissão da distribuição curricular recomendada de qualquer curso da UFRJ. É muito importante que o aluno mantenha os seus dados pessoais atualizados. Para ter acesso ao SIGA, o aluno deverá estar conectado à internet e acessar a página (observe a ausência de www). No seu primeiro acesso, digite o número do seu CPF no campo correspondente à identificação, e como senha, utilize o seu número de registro do DRE, que lhe será informado no ato da matrícula, e clique no botão Iniciar sessão. Após a identificação, antes de clicar no ícone correspondente ao SIGA, o aluno deverá alterar sua senha e cadastrar seu , sem o qual não será permitido o acesso ao sistema. Este é importante pois servirá de contato entre a UFRJ e o aluno Matrícula É a vinculação do aluno à Universidade por intermédio de um Centro Universitário, havendo as seguintes modalidades: a) Matrícula decorrente de concurso de acesso Sempre que houver concurso de seleção para ingresso na Universidade, dele decorrerá a matrícula, podendo, assim, haver mais de uma época de matrícula no mesmo ano. A matrícula é feita junto à Divisão de Registro dos Estudantes em data aprovada pelo Conselho de Ensino de Graduação. b) Matrícula decorrente de isenção de concurso de acesso Os graduados em curso superior e os concluintes do curso fundamental das academias e escolas militares, consideradas de nível superior, estão aptos a requerer matrícula com isenção de concurso de acesso. Antes do início de cada semestre a Universidade publica um Edital no Diário Oficial da União no qual está definido o número de vagas nesse tipo de seleção. O candidato deve dirigir-se à Unidade do curso no qual deseja ingressar para se inscrever e deverá submeter-se a uma prova específica de sua área. c) Matrícula decorrente de convênio internacional e cortesia Poderá ser concedida a estudantes estrangeiros, beneficiados por convênio internacional na forma da Lei e a funcionários estrangeiros de missões diplomáticas, de Repartições

32 32 Consulares de carreira e Organismos Internacionais e a seus dependentes, que venham a servir no Brasil. d) Matrícula decorrente de transferência ex-officio As transferências ex-officio serão efetivadas entre instituições públicas de ensino vinculadas a qualquer sistema de ensino, em qualquer época do ano e independente de vaga, quando se tratar de servidor público federal civil ou militar, estudante ou seu dependente estudante. A aceitação da transferência será obrigatória em razão de comprovada remoção ou transferência de ofício que acarrete mudança de domicílio para o município onde se situe a instituição recebedora, ou para localidade mais próxima. e) Matrícula decorrente de transferência externa Os alunos regularmente matriculados em instituições nacionais e estrangeiras (públicas ou privadas) que desejarem continuar seus estudos na UFRJ poderão ser aceitos, desde que sejam aprovados em concurso público, de acordo com as normas divulgadas no Edital de Transferência, publicado em jornais de grande circulação no Rio de Janeiro e no site Os alunos que ingressarem por Concurso de Acesso na UFRJ e que dela se tenham transferido, ao pleitearem retorno, poderão ser enquadrados nesta modalidade de transferência (externa) Inscrição em disciplinas O curso, antes do início do período letivo, promove a inscrição em disciplinas, que é um ato acadêmico. Este ato é a vinculação do aluno ao ensino de uma determinada disciplina. A inscrição pode ocorrer em três fases: inscrição, alteração e desistência (trancamento); cada uma tem seu período definido por calendário acadêmico da UFRJ e pode ser feita por via de pedido, que deverá ser posteriormente efetivada, e via direta, isto é, pela Coordenação Acadêmica. Após o prazo final de cada período de inscrição, é imprescindível que o discente processe a emissão do Comprovante de Registro de Inscrição em Disciplinas (CRID) e verifique sua situação de inscrição nas disciplinas. Através do pedido de inscrição em disciplinas as solicitações de inscrição estarão sujeitas aos critérios estabelecidos pelo Coordenador de Curso. Estas inscrições só constarão no diário de aulas e no CRID após a correspondente efetivação.

33 33 Aproveite para enriquecer o seu currículo cursando disciplinas de outros cursos da UFRJ, desde que sejam atendidos os seguintes critérios: disponibilidade de vagas, requisitos da disciplina, compatibilidade de horários e aceitação do Departamento responsável pela disciplina. Atenção!! * O discente deverá respeitar os números mínimos e máximos de créditos: 06 e 32. Caso não seja observado o critério em questão, o discente deverá ingressar nos prazos fixados no calendário acadêmico com processo administrativo para regularizar sua situação. * O número de disciplinas que não integram o seu currículo não pode exceder 1/3 do número total de disciplinas no qual está inscrito, e o número total de créditos das disciplinas que não integram o seu currículo não pode ser superior ao número total de créditos das disciplinas de seu currículo Orientações para inscrição em disciplinas a) O pedido de inscrição em disciplinas é formulado via SIGA e não traduz a situação final do aluno. Durante o período de inscrições a situação do discente poderá ser alterada pelo sistema, bem como posteriormente no período de concordância realizado pela Coordenação do Curso. Atenção!! * O discente somente terá vaga assegurada nas disciplinas obrigatórias de seu período e turno. Para tanto, o aluno deverá observar o calendário acadêmico para inscrição em disciplinas (obrigatórias e optativas). * No período de alteração, o discente não terá prioridade para alocação em disciplinas com base em período e turno. b) caso não sejam observadas as condições supracitadas, o discente não tem vaga assegurada em disciplinas obrigatórias; c) por ocasião do pedido de inscrição, o discente deverá verificar se sua periodização está correta. Caso haja algum problema, o mesmo deverá entrar em contato imediatamente com a Secretaria Acadêmica da Unidade;

34 34 d) Os discentes que pretendem cursar menos de 06 ou mais de 32 créditos deverão obter autorização do Conselho Departamental, através da abertura de processo administrativo, observando-se o calendário divulgado pela Unidade; e) O sim no período de concordância de pedidos de inscrição em disciplinas, não implica em garantia da vaga, mas apenas que o pedido estará participando da seleção. A situação final é aquela descrita em seu CRID (Comprovante de Registros de Inscrição em Disciplina); f) O discente que efetivar transferência de turma no período de alteração de disciplinas (exclusão e inclusão), somente terá assegurada vaga, caso exista disponibilidade e obtenha alocação, após concorrer com outros discentes interessados. Atenção!! * O SIGA não devolve automaticamente o aluno para a turma na qual estava anteriormente inscrito, caso o mesmo não obtenha alocação na turma para qual busca a transferência. Com o pedido de transferência, o aluno estará abrindo mão da vaga na turma que estava regularmente inscrito. * A transferência de turma somente estará concluída com perfeição caso a inscrição do aluno conste como normal em seu CRID em relação à nova turma. g) O SIGA adota critérios de classificação fixos e variáveis. Os critérios fixos são Localização (Unidade) e Periodização. Os critérios variáveis são Turno, Créditos Obtidos Acumulados (COA) e Coeficiente de Rendimento Acumulado (CRA), ordem adotada pela FND; h) Os pedidos de quebra de requisito e/ou concomitância são excepcionalidades, destinando-se em regra a atender demandas dos alunos concluintes, que serão objeto de análise pelas respectivas Chefias de Departamento e posterior deliberação pelo Conselho Departamental. Atenção!! * Os pedidos de quebra de requisito e/ou concomitância devem ser formulados através de processo administrativo, observando-se o calendário divulgado pela Unidade. * Os discentes que formularem pedido de quebra de requisito e/ou concomitância devem comprovar na propositura do processo administrativo, a inscrição nas disciplinas que pretendem cursar e a respectiva alocação nas turmas. A abertura

35 35 de processo administrativo não implica na criação de vagas em disciplinas para atender a demanda do discente. * Não serão admitidos pedidos de concomitância de disciplinas de Prática Jurídica, em conformidade com deliberação unânime do Colegiado de Prática Jurídica em reunião realizada em 03/05/2010. i) A inscrição em disciplinas com o horário sobreposto implica em irregularidade em todas as disciplinas que estejam inseridas no conflito de horários; j) As disciplinas optativas, cujas turmas tenham menos de 10 (dez) alunos inscritos poderão ser canceladas pela Coordenação de Graduação, devendo o aluno buscar alocação em outra disciplina no período de alteração de disciplinas; k) Considerando a divisão de turmas no turno integral, a Coordenação de Graduação poderá levar a efeito realocações, de modo a preservar a distribuição equânime dos alunos. Atenção!! * Os discentes do turno integral deverão observar o número de vagas nas turmas para que evitem qualquer problema de alocação, pois são aplicados os critérios de classificação do SIGA. * O Comprovante de Pedido de Inscrição em Disciplinas (CRPID), não assegura vaga em disciplinas, o que somente ocorrerá caso a disciplina conste do CRID. * O discente deverá guardar prova de todos os atos praticados por ocasião da inscrição em disciplinas. * Cabe ao aluno verificar seu CRID, de modo a comprovar sua regular inscrição em disciplinas. * O discente que não estiver regularmente matriculado na disciplina não fará jus ao lançamento de grau e frequência. * O discente que não realizar inscrição em disciplinas terá sua matrícula trancada automaticamente e caso a situação se repita no próximo semestre, o trancamento automático será convertido em cancelamento definitivo da matrícula. * O discente que apresentar qualquer irregularidade em sua inscrição em disciplinas deverá procurar imediatamente a Coordenação de Graduação para regularizar sua situação Trancamento de inscrição

36 36 O discente poderá desistir da inscrição em disciplinas, observando o calendário acadêmico, mas não poderá permanecer inscrito em menos de 06 créditos Dispensa de disciplinas A dispensa de disciplina deve ser requerida ao Departamento correspondente com base na Resolução nº 04/74 do CEG, que examinará sua correspondência quanto ao programa apresentado, a carga horária, data em que cursou e grau de aprovação da disciplina em questão. Para fins de apuração do seu coeficiente de rendimento no Curso, não são consideradas as disciplinas dispensadas. Atenção!! * Na educação superior não há abono de faltas, exceto nos seguintes casos: - alunos reservistas: o Decreto-Lei nº 715/69 assegura o abono de faltas para todo convocado matriculado em órgão de formação de reserva ou reservista que seja obrigado a faltar às atividades civis por força de exercício ou manobra, exercício de apresentação das reservas ou cerimônias cívicas, e o Decreto nº /80 estende essa justificativa para o oficial ou aspirante-a-oficial da reserva, convocado para o serviço ativo, desde que apresente o devido comprovante (a lei não ampara o militar de carreira; portanto suas faltas, mesmo que independentes de sua vontade, não terão direito a abono). - aluno com representação na Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES): de acordo com a lei que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), as instituições de educação superior devem abonar as faltas do estudante que tenha participado de reuniões da CONAES em horário coincidente com as atividades acadêmicas. - portador de afecções congênitas, infecções, traumatismos ou outras condições mórbidas. Neste caso, são atribuídos, como compensação da ausência às aulas, exercícios domiciliares com acompanhamento da Unidade, sempre que compatíveis com o seu estado de saúde e as possibilidades da Unidade, devendo o discente formular pedido de regime domiciliar especial, através de processo administrativo devidamente instruído com documentos comprobatórios (laudo médico, com indicação do período previsto e outros), observando-se o Decreto-Lei nº 1.044/69.

37 37 - aluna gestante, a partir do oitavo mês de gestação e durante três meses será assistida pelo regime de exercícios domiciliares, que deverá ser formulado através de processo administrativo. O início e o fim do período em que é permitido o afastamento devem ser determinados por atestado médico. Os casos excepcionais, como o período de repouso, antes e depois do parto, serão devidamente comprovados, mediante atestado médico, observando-se a Lei nº 6.202/ Trancamento de matrícula As normas para trancamento de matrícula estão na Resolução CEG nº 03/2008. O pedido de trancamento de matrícula deverá observar o calendário acadêmico e será submetido à análise da COAA da Unidade. O discente só terá pleno direito ao trancamento de matrícula após cursar, com aproveitamento, um mínimo de 12 créditos. Caso não tenham sido cumpridos os créditos exigidos, o pedido de trancamento poderá ser formulado, mas a decisão final caberá ao CEG, ouvida a COAA da Unidade. A matrícula só pode permanecer trancada por, no máximo, quatro períodos consecutivos ou não. No semestre anterior ao retorno às atividades, o aluno deve se informar na Unidade a respeito do destrancamento de sua matrícula. Se o aluno não solicitar o retorno à Universidade no devido prazo, sua matrícula será cancelada, registrando-se, no histórico escolar, a menção matrícula cancelada por abandono de curso Cancelamento de matrícula É a cessação total do vínculo do aluno com a Universidade. Cabe ao Decano do Centro respectivo efetuar o cancelamento da matrícula, que poderá ser voluntário (quando se tratar de transferência para outra instituição de ensino ou de solicitação do interessado) ou por ato administrativo, quando o discente: deixar de se inscrever em disciplinas em um período letivo; obtiver coeficiente de rendimento (CR) inferior a 3,0 em três períodos regulares consecutivos (exceto em períodos especiais), não sendo esta contagem interrompida por períodos de trancamento ou de cancelamento de matrícula; ultrapassar o prazo máximo de integralização curricular; cursar, sem aproveitamento, a mesma disciplina, por quatro vezes; sofrer sanção disciplinar nos termos do código disciplinar da Universidade; concluir o curso.

38 Mudança de curso O discente que quiser mudar de curso deverá procurar a Unidade responsável pelo curso para o qual deseja se transferir para saber dos critérios usados para a sua aceitação nas provas de Mudança de Cursos. Estas provas são efetuadas semestralmente e reguladas por Edital elaborado CEG Graus e Frequência A escala de aferição do aproveitamento do discente é representada por graus de 0 a 10, arredondando-se para o valor mais próximo com apenas uma casa decimal. Para ser aprovado e, consequentemente, obter o crédito na disciplina, o aluno precisa ter o grau final igual ou superior a 5. Este grau exprime, em caráter definitivo, o aproveitamento do aluno e é obtido através de provas, trabalhos, exames ou outro elemento de avaliação estabelecido pelo professor da disciplina. A média final será lançada no SIGA ao final do semestre letivo. Para ser aprovado não basta só ter nota, é preciso também comparecer às aulas, pois além do grau final igual ou superior a 5, o aluno precisa frequentar, no mínimo, 75% das aulas ministradas no período. O aluno que não atingir esta frequência será reprovado, independentemente do grau obtido. Atenção!! * Faz-se necessário observar os termos da Resolução FND nº 01/2010: Art. 1º. A avaliação do desempenho acadêmico será realizada semestralmente, mediante a aplicação de provas escritas, trabalhos, pesquisas, seminários ou outro instrumento estabelecido no plano de ensino da disciplina, cuja escala de aferição do aproveitamento será representada por notas de 0 (zero) a 10 (dez), arredondando-se para o valor mais próximo com apenas uma casa decimal. 1º. Os planos de ensino das disciplinas, a serem elaborados pelos docentes, que serão publicizados na primeira semana de aula, devem explicitar a sistemática de avaliação do desempenho acadêmico dos alunos, bem como as datas em que as avaliações serão realizadas. 2º. Respeitando-se as características de cada disciplina obrigatória e as diretrizes do projeto pedagógico do curso, para a avaliação do desempenho acadêmico, deverá constar, pelo menos, uma prova escrita e individual.

39 39 Art. 2º. O aluno que após as avaliações, alcançar média de aproveitamento inferior a 7 (sete), submeter-se-á à prova final, que será obrigatoriamente escrita e individual. 1º. O aluno que após as avaliações, obtiver média de aproveitamento igual ou inferior a 3 (três), será considerado automaticamente reprovado. 2º. O aluno que após ter sido submetido à prova final, não alcançar média final igual ou superior a 5 (cinco), estará reprovado. A média final é calculada mediante a seguinte fórmula, na qual MF = Média Final; MA = Média de Aproveitamento; e PF = Prova Final: MF = (MA + PF) : 2 Art. 3º. Será considerado aprovado, se atendida a frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) do tempo de ensino da disciplina, o aluno que: I - obtiver média de aproveitamento igual ou superior a 7 (sete), correspondente à média aritmética simples das notas das avaliações de desempenho acadêmico realizadas no semestre, excetuando-se a prova final; II - obtiver média final igual ou superior a 5 (cinco), após submeter-se a prova final. * O discente reprovado por média ou frequência, quando inscrito novamente, deverá repetir a disciplina integralmente, sujeitando-se tanto à nova avaliação quanto à frequência. * O discente reprovado por frequência, que não realizar avaliações será reprovado por falta e média (RFM). * O aluno tem direito à vista de provas e a realização de prova de segunda chamada, na forma da Resolução FND nº 01/ MOBILIDADE ACADÊMICA O Programa de Mobilidade estudantil foi criado em 2003 através de um convênio estabelecido entre as Instituições Federais de Ensino Superior e a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES) visando facilitar e regular a relação de reciprocidade entre as instituições conveniadas no que se refere à mobilidade de alunos de graduação. A mobilidade acadêmica é um processo em que o estudante de graduação das instituições federais conveniadas pode solicitar, através de um requerimento em sua instituição de origem, a possibilidade de cursar disciplinas em outra instituição de ensino superior por dois semestres letivos. Em caráter excepcional, a critério das Instituições envolvidas, poderá haver renovação,

40 40 sucessiva ou intercalada, por mais um semestre. No período em que o estudante permanecer na instituição receptora, ele estabelece um vínculo temporário e, ao fim do processo de mobilidade, retornará a sua IFES de origem para dar prosseguimento ao seu curso. Nestes termos, mobilidade acadêmica não é a mesma coisa que transferência, pois, neste último, o aluno se torna, em caráter permanente, estudante da instituição que o recebe. Durante a vigência da mobilidade e ao seu término, cabe ao setor responsável pelo Programa na IFES conveniada fornecer informações acadêmicas sobre os participantes do programa às instituições envolvidas, dentre as quais: parecer sobre o pedido, comprovantes de matrícula e Histórico/Boletim acadêmico. O Programa de Mobilidade Acadêmica alcança tão somente alunos regularmente matriculados em cursos de graduação de Instituições Federais de Ensino Superior brasileiras, que tenham integralizado todas as disciplinas previstas para o primeiro ano ou para o 1º e 2º semestres letivos do curso, na Instituição de origem (remetente), e possuam, no máximo, uma reprovação por período letivo cursado. Na UFRJ a mobilidade acadêmica encontra-se regida pela Resolução CEG 01/2011. O setor responsável pelas atividades de gerenciamento acadêmico do programa é a Divisão de Integração Acadêmica (DIA) da Pró-Reitoria de Graduação (PR-1). Os alunos interessados em realizar mobilidade acadêmica poderão obter mais informações pelos telefones (21) / DOCUMENTOS ACADÊMICOS 7.1. Boletim de Orientação Acadêmica (BOA) O Boletim de Orientação Acadêmica (BOA) é o documento mais completo sobre a vida acadêmica do aluno, sendo, inclusive, necessário para a emissão do diploma. Além das notas e número de créditos das disciplinas nas quais o aluno obteve bom desempenho, aprovações, rematrícula, coeficiente de rendimento no período, data de conclusão do curso, o BOA contém, também, informações como: versão curricular pela qual o aluno é regido e número de créditos necessários à conclusão do curso;

41 41 atividades acadêmicas (ou as equivalentes dispensadas ou cursadas com aproveitamento e seus respectivos graus e número de créditos); notas e Coeficiente de Rendimento Acumulado (CRA); períodos de inatividade (trancamento e cancelamento); períodos com CRA inferior a 3; número de períodos cursados e máximo para integralização do curso; atividades acadêmicas cursadas ou dispensadas, não explicitadas na versão curricular do aluno; frequência de reprovações; indicação das disciplinas ainda não cursadas com as seguintes informações: inscrição facultada (se existir requisito, já foi cumprido), inscrição vedada (não cursou o prérequisito) e cursando (já inscrito no momento da emissão do BOA) Boletim Escolar O boletim escolar é um documento da Universidade no qual constam todos os graus obtidos nas disciplinas cursadas, bem como todos os atos acadêmicos praticados pelo discente. O boletim é um documento diferente do histórico que, além de ser o documento oficial da Universidade, não inclui as reprovações obtidas Histórico Escolar É o documento oficial da Universidade no qual constam os graus obtidos nas disciplinas cursadas com aprovação, bem como todos os atos acadêmicos praticados pelo discente. O histórico é um documento diferente do Boletim Escolar, o qual, além de não ser documento oficial, inclui as reprovações obtidas. Atenção!! * Como Calcular o Seu CR: - O rendimento do aluno na Universidade, por período e ao final do curso, será traduzido por um Coeficiente de Rendimento (CR), calculado ao final de cada período, e por um Coeficiente de Rendimento Acumulado (CRA), ambos representados pela média ponderada das notas finais obtidas em cada disciplina, tendo como peso o número de créditos que a disciplina confere. 8. Certificado de Dignidade Acadêmica

42 42 Anualmente, a UFRJ concede Dignidade Acadêmica aos alunos que concluem a graduação tendo obtido um número de créditos superior a 80% de seu curso; tenham completado o curso dentro do período de tempo previsto como duração normal; e não tenham sofrido qualquer sanção disciplinar na forma da Resolução CONSUNI nº 04/2011. A concessão do diploma de Dignidade Acadêmica, nos seus diferentes graus, é feita aos discentes que alcançam, durante todo o curso, os coeficientes de rendimento acumulado: Summa cum Laude, igual ou superior a 9,5; Magna cum Laude, igual ou superior a 9,0; e Cum Laude, igual ou superior a 8,0. São levadas em consideração as notas de aprovação final do aluno em todas as disciplinas. As dignidades são entregues aos alunos agraciados em solenidade especial e o discente que estiver dentro do perfil para receber o certificado deve entrar com o pedido na Divisão de Registro de Estudante em qualquer época do ano. 9. PROGRAMA DE BOLSAS E BENEFÍCIOS AO ESTUDANTE A UFRJ, através da Superintendência Geral de Políticas Estudantis, desenvolve programas voltados para o apoio à permanência dos alunos de graduação presencial que ingressam na UFRJ e apresentam dificuldades para a realização e conclusão de seus cursos. As ações desenvolvidas têm como base o Programa Nacional de Assistência Estudantil PNAES que foi instituído pelo Decreto nº de 19 de julho de 2010 e tem por finalidade ampliar as condições de permanência dos jovens na educação superior pública federal. A Divisão de Assistência ao Estudante (DAE) da SUPEREST é o setor responsável pela coordenação e implementação do Programa de Auxílio ao Estudante, nas modalidades Bolsa Auxílio e Moradia Estudantil. Outro programa sob responsabilidade da DAE é a Bolsa de Acesso e Permanência, destinada aos alunos ingressantes em 2012 pela Política de Reserva de vagas que sejam egressos de escolas públicas e tenham renda familiar per capita de até 1 salário mínimo nacional. Bolsa Auxílio. Este benefício consiste em uma bolsa de assistência financeira cujo valor atual corresponde a R$ 400,00 mensais. O objetivo deste programa é atender ao

43 43 estudante de graduação presencial que, frente às condições socioeconômicas de sua família, possua comprovada dificuldade de garantir sua permanência na Universidade. Benefício Moradia. Corresponde a uma vaga no alojamento, localizado no campus do Fundão e à bolsa manutenção, fixada atualmente no valor de R$ 400,00 mensais. Assim como a Bolsa Auxílio, seu objetivo é atender ao estudante de graduação presencial, que frente às condições socioeconômicas de sua família, possua comprovada dificuldade de garantir sua permanência na Universidade, sendo fator determinante para o ingresso no benefício, a distância entre o local de moradia da família e os campi universitários. Os alunos interessados em participar do processo seletivo para recebimento dos referidos benefícios devem procurar a DAE ou acessar a página eletrônica da SUPEREST (www.superest.ufrj.br) tão logo efetivem sua matrícula, para conhecimento do Edital de Seleção que é divulgado apenas no início do primeiro período letivo. Para conhecimento dos termos e critérios que norteiam a concessão e a manutenção do Auxílio ao Estudante, o aluno interessado deverá consultar a Resolução nº 01/08 do CEG. Bolsa de Acesso e Permanência. Auxílio financeiro no valor de R$ 400,00 destinado aos alunos ingressantes na modalidade Ação Afirmativa (que tenha cursado integralmente, com aprovação, todas as séries do Ensino Médio, ou equivalente, em estabelecimentos de ensino da rede pública brasileira e possua renda familiar per capita menor ou igual a 1,5 salário mínimo nacional vigente). A vigência da referida Bolsa será apenas no ano de ingresso. Auxílio Transporte. Auxílio financeiro destinado aos alunos contemplados com Bolsa Acesso e Permanência, no ano de ingresso na UFRJ. Também será concedida ajuda de custo para transporte aos alunos inseridos no Programa de Auxílio ao Estudante, na modalidade Bolsa Auxílio, com valor a ser definido de acordo com a disponibilidade orçamentária da UFRJ. Para conhecimento dos termos e critérios que norteiam as ações para o incremento das Políticas de Assistência Estudantil da UFRJ, o aluno interessado deverá consultar a Resolução CONSUNI nº 21/2011.

44 44 Bolsas coordenadas pela Pró-Reitoria de Graduação Bolsa PIBIAC Administrada pela Pró-Reitoria de Graduação, a Bolsa do Programa Institucional de Iniciação Artística e Cultural objetiva despertar e incentivar o desenvolvimento das vocações criativas e investigativas de alunos de graduação da UFRJ nas diferentes áreas artístico-culturais, mediante sua participação em projetos desta natureza, inclusive os de caráter interdisciplinar e interdepartamental. Bolsa PAEALIG O PAEALIG (Programa de Atividades Extracurriculares de Apoio aos Laboratórios de Informática de Graduação) visa aprimorar os conhecimentos teóricos e práticos do aluno na área de informática, através do desenvolvimento e da aplicação de recursos computacionais variados para fins acadêmicos. A principal característica do aluno que deseja participar deste programa deve ser o interesse pela computação. Neste estágio, o bolsista tem a oportunidade de desenvolver seus conhecimentos teóricos e práticos na instalação, organização, gestão, operação e atendimento aos usuários de laboratórios de informática. Bolsa PBPD O Programa de Bolsas em Projetos de Desenvolvimento (PBPD) disponibiliza bolsas exclusivamente para alunos de graduação da UFRJ, para participação em atividades e projetos institucionais de desenvolvimento em setores da administração central desta Universidade. A participação do aluno neste Programa ocorrerá em atividade compatível com o seu curso de graduação, visando complementar a sua formação acadêmica. Bolsa PEC-G Programa de Bolsa para alunos PEC-G O programa Milton Santos de Acesso ao Ensino Superior (PROMISAES), visa a concessão de auxílio financeiro, no valor de um salário mínimo mensal por 12 meses, para alunos estrangeiros participantes do PEC-G matriculados em cursos de graduação das IFES, nos termos da Portaria n.º 3167 de 13 de setembro de Bolsa de Monitoria

45 45 A concessão de bolsas de monitoria, objetiva despertar nos discentes o interesse pela carreira docente e assegurar a cooperação discente com o corpo docente nas atividades de ensino. A monitoria tem como objetivos despertar no aluno de graduação da UFRJ, com aproveitamento satisfatório, o interesse pela carreira docente e assegurar a cooperação do corpo discente com o corpo docente, nas atividades de ensino. A monitoria na UFRJ encontra-se disciplinada através das Resoluções CEG 03/2005 e 04/2004. Atenção!! * Na forma do art. 2º, da Resolução CEG 04/2004, o monitor não poderá substituir o docente na preparação, ministração e avaliação de atos escolares ou em atividades administrativas. Art. 2º O monitor tem como atribuição auxiliar os professores em tarefas didáticas. Parágrafo Único. Em qualquer caso é vedada a substituição do docente pelo monitor na preparação, ministração e avaliação de atos escolares, bem como o exercício de qualquer atividade administrativa. * A bolsa de Monitoria não poderá ser acumulada com outra bolsa de natureza acadêmica concedida pela UFRJ sendo permitido o acúmulo aos alunos beneficiados com Bolsa Auxílio ou Auxílio Manutenção (Alojamento). * A bolsa poderá ser cancelada: a) Por desistência do aluno; b) A pedido do orientador por desempenho insatisfatório; c) Por trancamento de matrícula; d) Por sanção disciplinar; e) Por desempenho insatisfatório; f) Por conclusão de curso. * Não haverá pagamento retroativo, exceto a situações comprovadas de erro que não sejam originadas na Unidade e nem do bolsista. * O aluno deverá: a) Cadastrar a conta corrente bancária obrigatoriamente do Banco do Brasil S/A (não pode ser conta conjunta nem poupança) no SIGA; b) Executar as atividades solicitadas pelo docente ao qual estiver vinculado, observando os termos das Resoluções CEG 03/2005 e 04/2004;

46 46 c) Cumprir a carga horária semanal estipulada, que não deverá ser inferior a 8 horas ou superior a 12 horas; d) Encaminhar o relatório (modelo Relatório Monitoria, disponível em contendo parecer do professor orientador, ao final de cada período letivo. A não entrega do relatório no prazo implicará na suspensão do pagamento da bolsa e no impedimento do aluno na participação no programa por um ano; e) A não entrega do relatório por parte do monitor significa inadimplência com a UFRJ e, portanto, acarreta o impedimento à sua colação de grau. Bolsas coordenadas pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação Programa de Bolsa de Iniciação Científica (PIBIC/CNPQ e UFRJ) Objetiva despertar a vocação científica, incentivando novos talentos entre estudantes de graduação e contribuindo para a formação de jovens pesquisadores mediante sua participação em projetos de pesquisa. O aluno deverá engajar-se em um projeto de pesquisa da sua área de interesse e informar-se junto ao pesquisador responsável pelo projeto sobre as condições para concorrer à bolsa. Bolsas coordenadas pela Pró-Reitoria de Extensão Programa Institucional de Bolsas de Extensão (PIBEX-UFRJ) O Programa Institucional de Bolsas de Extensão PIBEX-UFRJ é mantido com recursos próprios da Universidade e tem por objetivos contribuir para a formação profissional e cidadã por meio da participação de estudantes de graduação no desenvolvimento de programas e projetos de extensão universitária e, fortalecer a institucionalização das atividades de Extensão no âmbito das Unidades e dos Centros da UFRJ. Programa Jovens Talentos para a Ciência A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), fundação do Ministério da Educação (MEC), concede bolsas aos alunos de graduação, através do programa de incentivo à iniciação científica, Jovens Talentos para a Ciência é destinado a estudantes de graduação de todas as áreas do conhecimento e tem o objetivo de inserir precocemente os estudantes no meio científico. Os estudantes recém-ingressos em universidades federais e institutos federais de educação são inscritos pela instituição de

47 47 ensino superior. Os alunos são selecionados por universidade, mediante prova de conhecimentos gerais. Anualmente existe seleção na UFRJ para concessão de bolsas do Programa Jovens para a Ciência. Outras bolsas Poderão ainda ser concedidas aos alunos bolsas fornecidas por órgãos de fomento à pesquisa e/ou extensão, que serão amplamente divulgadas pelas respectivas Coordenações de Pesquisa e Extensão, bem como pelos docentes responsáveis pelos Programas ou projetos. 10. Jornada de Iniciação Científica e Iniciação Artística e Cultural A UFRJ, por sua Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, organiza anualmente a Jornada de Iniciação Científica e Iniciação Artística e Cultural, na qual todos os alunos de Iniciação Científica apresentam seus trabalhos, cujos resumos são publicados pela Universidade em anais. O objetivo principal é despertar a vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação, mediante sua participação em projetos de pesquisa, preparando-os para o ingresso na pós-graduação. O aluno é orientado por um professor e recebe bolsa de estudos, denominada Bolsa de Iniciação Científica, financiada por agências de fomento à pesquisa. As Jornadas de Iniciação Científica e de Iniciação Artística Cultural são aprovadas em sessão conjunta dos Colegiados Acadêmicos e apresentam, ao final, sessões de melhores trabalhos em cada um dos seis Centros Universitários, bem como uma sessão final em que são conferidas as Menções Honrosas e distribuídos os Prêmios fomentados pela Fundação Universitária José Bonifácio. 11. Participação em Eventos Os alunos de graduação regularmente inscritos em disciplinas poderão pedir passagens à Universidade quando participarem dos seguintes eventos acadêmicos: Apresentação de trabalhos, no país, em congressos científicos, simpósios, workshops e exposições; Participação em cursos, congressos científicos, simpósios, workshops e exposições; Participação em encontros estudantis e Atuação em eventos artísticos ou esportivos.

48 48 Em alguns casos, a Universidade poderá autorizar ajuda financeira para estadia e alimentação. Os pedidos de passagens deverão ser formalizados através de processos, com antecedência de, pelo menos, trinta dias da realização do evento, na Unidade, que os encaminhará à SUPEREST.

49 49

50 50

51 51

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014 A Coordenação de Graduação da Faculdade Nacional de Direito (FND) torna público que a Pró-Reitoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 078, DE 05 DE OUTUBRO DE 2007. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Manual do Estudante de Direito 2010. Faculdade Nacional de Direito UFRJ

Manual do Estudante de Direito 2010. Faculdade Nacional de Direito UFRJ Manual do Estudante de Direito 2010 Faculdade Nacional de Direito UFRJ Março de 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Reitor Prof. Aloísio Teixeira Vice-Reitora Prof.ª Sylvia da Silveira de Mello

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA UNIFEBE Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 36/14, de 10/12/14. CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO Art. 1º - O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAUDE COLETIVA (CESC), será coordenado pelo Departamento de

Leia mais

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO E SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

TÍTULO I - DAS FINALIDADES

TÍTULO I - DAS FINALIDADES MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DO CURSO GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Discutida e aprovada pela ComGrad nas reuniões de julho de 2012. Sumário TÍTULO I - DAS FINALIDADES... 1 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO...

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA Belém-PA, Maio/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

ATO DE DECISÃO ADMINISTRATIVA nº 001/14 DE 07/01/2014

ATO DE DECISÃO ADMINISTRATIVA nº 001/14 DE 07/01/2014 ATO DE DECISÃO ADMINISTRATIVA nº 001/14 DE 07/01/2014 Regulamenta a política de concessão de Bolsas de Estudo e descontos no âmbito do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro da Universidade

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá CEP: 58020-540. João

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução: RESOLUÇÃO CEPE Nº 174/2007 Altera o Regulamento dos Programas de Pós- Graduação Stricto sensu. processo nº 32255/2007; CONSIDERANDO a solicitação constante no O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO Art.1º Este Regulamento define,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. R E S O L V E:

RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. R E S O L V E: RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. O Conselho Universitário CONSUNI, no uso de suas atribuições, em conformidade com Parecer nº 030, de 20 de agosto de 2015, R E S O L V E: Art. 1º - Aprovar

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS AMILCAR FERREIRA SOBRAL CAFS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BR 343 KM 3,5 Bairro Meladão CEP 64.800-000 Floriano PI. Fone (89) 3522-0138 REGIMENTO DO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITORIAL Profª. Dra. Lúcia Helena Vasques Diretora Acadêmica Prof. Me. Domingos Sávio

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico;

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico; 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL 1. Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I formar pessoal nível de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-Doutorado,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SÃO PAULO 2012 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Reitor Benedito Guimarães Aguiar Neto Vice-Reitor Marcel Mendes Chanceler

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Resolução CGRI/CCSA n o 002/2014 Estabelece normas para aproveitamento

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA. CAPITULO I Dos Fins

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA. CAPITULO I Dos Fins REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA Aprovado na CamEx, na 80ª Sessão, realizada em 11 de junho de 2014, apreciada no CONSEPE, na 47ª Sessão, realizada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH Título I - Natureza e Objetivos do Curso Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana PPGNH, composto pelos cursos de mestrado

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Res. CONSUN nº 41/05, de 29/06/05 Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º CAPÍTULO I DAS FINALIDADES O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito:

Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito: 306 Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito: 1. conhecer do Estatuto da Instituição e do Regimento do Curso; 2. apresentar, por escrito,

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 05/2015 Cria a Superintendência de Comunicação Social (SCS) da UFPB, Órgão Auxiliar vinculado à Reitoria da UFPB

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais