Cuiabá. PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cuiabá. PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL"

Transcrição

1 PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL

2 PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA, phmetria ESOFÁGICA E MANOMETRIA ANO-RETAL RECOMENDAÇÕES PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA NO PACIENTE ADULTO (1) 1. INDICAÇÕES: a) Em pacientes disfágicos, nos quais não foi encontrada uma obstrução mecânica ou em pacientes suspeitos de acalásia. A realização da manometria só está indicada se o diagnóstico não foi estabelecido com os exames pertinentes (endoscopia ou radiografia baritada) b) Posicionamento intra luminal de instrumentos no esôfago, quando estiver relacionado com a estrutura funcional do órgão (ex. Esfíncter esofágico inferior). c) Avaliação pré cirurgia de refluxo no caso de existir alguma dúvida sobre um diagnóstico alternativo como acalásia. 2. POSSIVELMENTE INDICADA: a) Avaliação pré operatória da função peristáltica do esôfago em pacientes que estão sendo considerados para cirurgia anti refluxo. b) Avaliação de sintomas disfágicos em pacientes que foram submetidos a cirurgia anti refluxo ou em pacientes que foram tratados para acalásia 3. NÃO ESTÁ INDICADA: a) Para realizar ou para confirmar diagnóstico de doença do refluxo gastro esofágico. b) Como exame inicial em caso de dor torácica ou outro sintoma esofágico devido a baixa especificidade e baixa probabilidade de detecção de algum problema significante de motilidade esofágica. A manometria esofágica é o principal exame para o diagnostico de acalásia (2)

3 RECOMENDAÇÕES PARA USO DA MANOMETRIA ESOFÁGICA EM PACIENTES PEDIÁTRICOS (3) 1. INDICAÇÕES: a) Em pacientes com com sintomas ou sinais de disfunção esofágica, tais como disfagia, odinofagia, dor torácica, aspiração e recorrente impactação alimentar. Nesses casos, a realização da manometria só está indicada se o diagnóstico não foi estabelecido previamente com os exames pertinentes (endoscopia ou radiografia baritada) b) Avaliação de problemas de motilidade tais com acalásia ou manifestações esofágicas de doenças sistêmicas do tecido conjuntivo como esclerodermia. c) Pode ser útil para localizar os esfíncteres esofágicos (superior e inferior) para monitoração do ph d) Geralmente não está indicada no diagnóstico ou acompanhamento de doença do refluxo ou de lesões estruturais do esófago.

4 RECOMENDAÇÕES PARA USO DA ph METRIA ESOFÁGICA EM PACIENTES ADULTOS (4) 1.INDICAÇÕES: a) Documentação de exposição anormal do esôfago ao acido em pacientes com endoscopia negativa que sejam candidatos a cirurgia anti-refluxo b) Avaliação imediata de pacientes que foram submetidos a cirurgia anti-refluxo nos quais continuam a existirem suspeitas de refluxo anormal. c) Avaliação de pacientes com achados endoscópicos normais ou equivocados e com sintomas de refluxo refratário ao tratamento com inibidor de bomba de prótons. 2.POSSÍVELMENTE INDICADA: a) Detecção de refluxo refratário em pacientes com dor torácica depois de submetidos a uma avaliação cardiológica. b) Avaliação de pacientes com suspeitas de manifestações otorrinolaringológicas de refluxo gastro esofágico (laringite, faringite, tosse crônica) quando os sintomas persistirem, apesar de tratamento com bloqueador de bomba por quatro semanas. c) Para documentação de refluxo gastro esofágico concomitante em pacientes com suspeita de asma induzida por refluxo(não alérgica, de inicio na idade adulta). Nesses casos, um teste positivo não prova casualidade. 3. NÃO ESTÁ INDICADA: a) Detecção ou verificação de esofagite de refluxo(diagnostico endoscópico) b) Avaliação de refluxo alcalino

5 MANOMETRIA ANO-RETAL A Associação Americana de Gastroenterologia descreve o seguinte sobre a Manometria Ano-Retal:...prática clínica e estudos não controlados sugerem as seguintes indicações para a manometria ano-retal: 1. Incontinência fecal; 2.Dissinergia do assoalho pélvico; 3.Doença de Hirschsprung; 4.Defeito anatômico do esfíncter anal (5) Entretanto, os estudos encontrados, assim como opiniões de importantes especialistas no assunto, são divergentes e/ou contraditórias no concernente a sua aplicação em pacientes com Incontinência Fecal (6) ou, genericamente, com Obstipação (7,8). Na sua grande maioria, os estudos que avaliam a manometria ano-retal, são séries de casos ou estudos não controlados e, principalmente, sem definição de um padrão ouro ou confirmação de sensibilidade/especificidade. Os estudos existentes avaliando sensibilidade e especificidade da manometria, são os concernentes à doença de Hirschsprung, na qual a sensibilidade varia de 75% a 98% e especificidade de 93% a 98 (9-14), confirmando a importância do exame para o diagnóstico dessa doença, sendo que alguns estudos sugerem que a manometria deva ser usado, nos pacientes com suspeita da doença, como um teste de rastreamento antes da realização da biópsia (11,12)

6 Referências bibliográficas: 1..American Gastroenterological Association Medical Position Statement: Clinical use of esophageal manometry. Gastroenterology 2005;128:207-8 ou The Society for Surgery of the Alimentary Tract. Esophageal Achalasia. Disonível em: 3. Gilger Mark A, Boyle John T, Sondheimer Judith M, Colletti Richard B. A medical position statement of the North American Society for Pediatric Gastroenterology and Nutrition: Indications for Pediatric Esophageal Manometry. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 1997;24(5): American Gastroenterological Association Medical Position Statement : Guidelines on the Use of Esophageal ph Recording. Gastroenterology 1999;110: American Gastroenterological Association Medical Position Statement on Anorectal Testing Techiniques. Gastroenterology 1999;116: Debate: Anorectal Manometry and Imaging Are Necessary in patients with Fecal Incontince. Am J Gastroenterol 2006;101: Satish SC Rao, Ramazan Ozturk, Loren Laine. Clinical Utility of diagnostic Test for constipation in Adults; A Systematic Review. Am J Gastroenterol 2005;100(70): Remes-Troche JM, Rao SS. Diagnostic testing in patients with chronic constipation.curr Gastroenterol Rep 2006;8(50: Loening-Baucke V, Pringle KC, Ekwo EE. Anorectal manometry for the exclusion of Hirschsprung's disease in neonates. J Pediatr Gastroenterol Nutr 1985;4(4):

7 10. Low Ps, Quak Sh, Prabhakaran K, Joseph VT, Chiang GS, Aiyathurai. Accuracy of anorectal manometry in the diagnosis of Hirschsprung's disease. J Pediatr Gastroenterol Nutr 1989;9(3): Emir H, Akman M, Sarimurat N, Kiliç N, Erdogan E, Soylet Y. Anorectal manometry during the neonatal period: its specificity in the diagnosis of Hirschsprung's disease. Eur J Pediatr Surg 1999;9(2);101-3(abastract) 12. Lopez Alonso M, hernandez Orgaz A, Riba Serna J. Reability index of anorectal manometry for the diagnosis of Hirschsprung disease. Cir Pediatr 2005;18(1): De Lorijn F, Reitsma JB, Voskuijl WP, Aronson DC, Ten Kate et al. Diagnosis of Hirschsprung's disease: a prospective, comparative accuracy study of common tests. J Pediatr 2005;146(6): De Lorjn F, Kremer LC, reitsma JB, Benninga MA. Diagnostic test in Hirschsprung disease: a systematic review. J Pediatr gastroenterol Nutr 2006;42(5): Cuiabá 19/10/2007 Dr Valfredo da Mota Menezes Consultor

A MANOMETRIA ANORRETAL

A MANOMETRIA ANORRETAL Artigo Original TRATAMENTO SARNI ROS ET DE AL. CRIANÇAS DESNUTRIDAS HOSPITALIZADAS A MANOMETRIA ANORRETAL AL (MÉT MÉTODO DO BALÃO) NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DA DOENÇA DE HIRSCHSPRUNG MAURO BATISTA DE

Leia mais

É uma doença da motilidade intestinal distal que resulta da ausência congênita de células ganglionares no plexo mioentérico do reto e cólon distal. Incidência de 1:5000 nascidos vivos. Em 85% dos pacientes

Leia mais

DRGE é fácil de ser diagnosticada? - julho 2017 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica -

DRGE é fácil de ser diagnosticada? - julho 2017 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica - A discussão sobre doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) é ampla e envolve fatores de prevalência (ambientais, genéticos, culturais), fisiopatológicos (relaxamento do EEI, hipotonia do EEI), sintomatologia

Leia mais

ImpedânciapHmetria Esofágica Prolongada

ImpedânciapHmetria Esofágica Prolongada ImpedânciapHmetria Esofágica Prolongada Dra. Carla Granja Andrade Médica responsável pelo serviço de motilidade digestiva do Hospital Nove de Julho Médica responsável pelo serviço de motilidade digestiva

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO E DISPEPSIA

DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO E DISPEPSIA UFRGS DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO E DISPEPSIA Professor Sérgio G. S. de Barros Serviço de Gastroenterologia Hospital de Clínicas de Porto Alegre Programa de Pós Graduação: Ciências em Gastroenterologia

Leia mais

Departamento da Qualidade na Saúde

Departamento da Qualidade na Saúde NORMA NÚMERO: 019/2017 DATA: 11/09/2017 ASSUNTO: Diagnóstico e Tratamento da Doença de Refluxo Gastro Esofágico no Adulto PALAVRAS-CHAVE: Refluxo, pirose, esofagite, endoscopia, manometria, phmetria PARA:

Leia mais

Existe Importância na Utilização de Exames de Fisiologia Ano Retal no Diagnóstico da Sindrome do Intestino Irritável?

Existe Importância na Utilização de Exames de Fisiologia Ano Retal no Diagnóstico da Sindrome do Intestino Irritável? Existe Importância na Utilização de Exames de Fisiologia Ano Retal no Is There Importance in the Use of Anorectal Physiologic Tests in the Diagnosis of the Irritable Bowel Syndrome? MARIA AUXILIADORA PROLUNGATTI

Leia mais

Gastroesophageal reflux and chronic respiratory disease: past, present, and future

Gastroesophageal reflux and chronic respiratory disease: past, present, and future 196 Jornal de Pediatria - Vol. 83, Nº3, 2007 Refluxo gastroesofágico e doença respiratória crônica Vandenplas Y et al. Gastroesophageal reflux and chronic respiratory disease: past, present, and future

Leia mais

Introduction: Gastroesophageal reflux disease (GRD)

Introduction: Gastroesophageal reflux disease (GRD) Rev Bras Otorrinolaringol. V.68, n., 86-90, jan./fev. 2002 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE ««««Esofagite por refluxo e laringite por refluxo: Estágios clínicos diferentes da mesma doença? Fabiano B. Gavazzoni,

Leia mais

VALOR DA MANOMETRIA ANORRETAL NO DIAGNÓSTICO DA CONSTIPAÇÃO INTESTI- NAL CRÔNICA FUNCIONAL E DA DOENÇA DE HIRSCHSPRUNG EM CRIANÇAS

VALOR DA MANOMETRIA ANORRETAL NO DIAGNÓSTICO DA CONSTIPAÇÃO INTESTI- NAL CRÔNICA FUNCIONAL E DA DOENÇA DE HIRSCHSPRUNG EM CRIANÇAS VALOR DA MANOMETRIA ANORRETAL NO DIAGNÓSTICO DA CONSTIPAÇÃO INTESTI- NAL VALUE OF ANORECTAL MANOMETRY IN THE DIAGNOSIS OF CHRONIC FUNCTIONAL CONSTIPATION AND HIRSCHSPRUNG S DISEASE IN CHILDREN ALICE BARRETO

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para Seguimento Endoscópico em Pacientes com Diagnóstico de Doença do Refluxo Gastroesofágico.

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA

CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA GUILHERME PIOVEZANI RAMOS LARISSA KRUGER GOMES CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA SBAD Projeto Jovem Gastro LIAAD Liga Acadêmica do Aparelho Digestório UFPR/FEPAR CURITIBA 2010 1. CASO CLÍNICO Masculino,

Leia mais

AVALIAÇÃO POR IMAGEM DA COLUNA LOMBAR: INDICAÇÕES E IMPLICAÇÕES CLINICAS

AVALIAÇÃO POR IMAGEM DA COLUNA LOMBAR: INDICAÇÕES E IMPLICAÇÕES CLINICAS AVALIAÇÃO POR IMAGEM DA COLUNA LOMBAR: INDICAÇÕES E IMPLICAÇÕES CLINICAS UNIDADE CLINICA AUTONOMA DE NEURORRADIOLOGIA SERVIÇO DE IMAGIOLOGIA 8 de Novembro de 2012 a)aguda (< 6 semanas) b)subaguda (>6 semanas

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

Entendendo a DRGE. & a Terapia com Stretta. GERD (gerd): Doença do Refluxo Gastroesofágico

Entendendo a DRGE. & a Terapia com Stretta. GERD (gerd): Doença do Refluxo Gastroesofágico Entendendo a DRGE & a Terapia com Stretta GERD (gerd): Doença do Refluxo Gastroesofágico O que é DRGE? Quando o músculo entre seu estômago e o esôfago se torna fraco, o conteúdo do estômago, tal como ácido

Leia mais

Doença do Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE)

Doença do Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) SOCIEDADE PORTUGUESA DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA I SPED PUBLICAÇÕES SPED Doença do Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) Editor convidado Luís Novais MONOGRAFIAS CLÍNICAS Editor José Manuel Romãozinho DOENÇA DO

Leia mais

69º CONGRESSO BRASILEIRO DE CARDIOLOGIA 26-29 Setembro - BRASÍLIA - DF. O que o Cardiologista Não Deve Fazer ou Recomendar

69º CONGRESSO BRASILEIRO DE CARDIOLOGIA 26-29 Setembro - BRASÍLIA - DF. O que o Cardiologista Não Deve Fazer ou Recomendar 69º CONGRESSO BRASILEIRO DE CARDIOLOGIA 26-29 Setembro - BRASÍLIA - DF O que o Cardiologista Não Deve Fazer ou Recomendar Ao Solicitar Testes Diagnósticos Protásio L. da Luz Professor Sênior de Cardiologia

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia

Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia 68 Funcional Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia Fernanda Fernandes Souza Andreza Corrêa Teixeira Ricardo Brandt de Oliveira Jose Sebastião dos Santos INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A prevalência

Leia mais

REVALORIZAÇÃO DA PHMETRIA ESOFÁGICA PROLONGADA

REVALORIZAÇÃO DA PHMETRIA ESOFÁGICA PROLONGADA REVALORIZAÇÃO DA PHMETRIA ESOFÁGICA PROLONGADA Valter Nilton Felix INTRODUÇÃO A pressão do esfíncter inferior do esôfago (EIE) é praticamente nula nas primeiras seis semanas após o nascimento e o ganho

Leia mais

Diretrizes do Emprego da Endoscopia na DRGE - Doença do Refluxo Gastroesofagiano - American Society for Gastrointestinal Endoscopy ASGE, 1999

Diretrizes do Emprego da Endoscopia na DRGE - Doença do Refluxo Gastroesofagiano - American Society for Gastrointestinal Endoscopy ASGE, 1999 Diretrizes do Emprego da Endoscopia na DRGE - Doença do Refluxo Gastroesofagiano - American Society for Gastrointestinal Endoscopy ASGE, 1999 Tradução: Fernanda Rodrigues Teani Barroso (08/2006) A doença

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFAGIANO NÃO EROSIVA E PIROSE FUNCIONAL: CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS, MANOMÉTRICAS E PERFIL DE SENSIBILIDADE ESOFÁGICA

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFAGIANO NÃO EROSIVA E PIROSE FUNCIONAL: CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS, MANOMÉTRICAS E PERFIL DE SENSIBILIDADE ESOFÁGICA BEATRIZ NUNES BICCAS DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFAGIANO NÃO EROSIVA E PIROSE FUNCIONAL: CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS, MANOMÉTRICAS E PERFIL DE SENSIBILIDADE ESOFÁGICA Dissertação de Mestrado apresentada ao

Leia mais

XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA. Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum

XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA. Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum João Nascimento 1, Filipa Neiva 1, Henedina Antunes 1,2 1 Unidade

Leia mais

Apêndice B APÊNDICE B OS CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DE ROMA III PARA OS DISTÚRBIOS GASTROINTESTINAIS FUNCIONAIS

Apêndice B APÊNDICE B OS CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DE ROMA III PARA OS DISTÚRBIOS GASTROINTESTINAIS FUNCIONAIS Apêndice B APÊNDICE B OS CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DE ROMA III PARA OS DISTÚRBIOS GASTROINTESTINAIS FUNCIONAIS A. DISTÚRBIOS ESOFÁGICOS FUNCIONAIS A1. Pirose funcional 1. Queimação ou dor retroesternal; *

Leia mais

Esomeprazol em Crianças Eficácia e segurança no tratamento da esofagite erosiva em crianças.

Esomeprazol em Crianças Eficácia e segurança no tratamento da esofagite erosiva em crianças. Atualização em: Esomeprazol em Crianças Eficácia e segurança no tratamento da esofagite erosiva em crianças. Esomeprazol em Crianças Eficácia e segurança no tratamento da esofagite erosiva em crianças.

Leia mais

Quando o glúten deve ser considerado um vilão e deve ser retirado da dieta?

Quando o glúten deve ser considerado um vilão e deve ser retirado da dieta? SITUAÇÕES CLÍNICAS EM PEDIATRIA: O QUE FAZER? Título - Glúten - quando considerá-lo vilão? Autor: Vera Lucia Sdepanian O glúten consiste na principal proteína presente no trigo, centeio e cevada 1. Lembrar

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Pirose e Regurgitação no Adulto e no Idoso

Protocolo Clínico e de Regulação para Pirose e Regurgitação no Adulto e no Idoso Protocolo Clínico e de Regulação para Pirose e Regurgitação no Adulto e no Idoso 65 Gustavo de Assis Mota Ajith Kumar Sankarankutty Rafael Kemp Olando de Castro e Silva Junior José Sebastião dos Santos

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA

GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA ARQGA/1182 PREDOMÍNIO DE MANIFESTAÇÕES RESPIRATÓRIAS NA INDICAÇÃO DE phmetria ESOFÁGICA PROLONGADA EM CRIANÇAS Helena Ayako Sueno GOLDANI 1, Themis Reverbel da SILVEIRA 1,

Leia mais

Fissura Anal. José Américo Bacchi Hora

Fissura Anal. José Américo Bacchi Hora José Américo Bacchi Hora Introdução 10% das consultas proctológicas Cusa comum de dor e sangramenro anal Predominância em jovens Etiologia Associação com constipação, hipotireoidismo e obesidade. Fisiopatologia

Leia mais

Papel da manometria anorretal no diagnóstico diferencial da constipação em crianças

Papel da manometria anorretal no diagnóstico diferencial da constipação em crianças 0021-7557/00/76-03/227 Jornal de Pediatria Copyright 2000 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 76, Nº3, 2000 227 ARTIGO ORIGINAL Papel da manometria anorretal no diagnóstico

Leia mais

Doença do refluxo gastroesofágico: classificação cintilográfica*

Doença do refluxo gastroesofágico: classificação cintilográfica* Rev Bras Clin Med, 2010;8:10-14 ARTIGO ORIGINAL Doença do refluxo gastroesofágico: classificação cintilográfica* Gastroesophageal reflux: classification by radionuclide imaging Maria Tereza Paraguassú

Leia mais

Manometria anorretal em crianças com constipação intestinal crônica funcional refratária a tratamento

Manometria anorretal em crianças com constipação intestinal crônica funcional refratária a tratamento Artigo Original Manometria anorretal em crianças com constipação intestinal crônica funcional refratária a tratamento Anorectal manometry in children with chronic functional intestinal constipation refractory

Leia mais

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades de pronto atendimento e impacta em bilhões de dólares gastos anualmente

Leia mais

Asma e Doença do Refluxo Gastro Esofágico (DRGE) Rafael Stelmach

Asma e Doença do Refluxo Gastro Esofágico (DRGE) Rafael Stelmach Asma e Doença do Refluxo Gastro Esofágico (DRGE) Associação ou Coincidência Rafael Stelmach Disciplina de Pneumologia FMUSP Grupo de Doenças Obstrutivas Considerando dados epidemiológicos mostram que 9-10%

Leia mais

Dor abdominal e flatulência

Dor abdominal e flatulência Dor abdominal e flatulência PATRÍCIA SANTOS, CILÉNIA BALDAIA 2º CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GASTRENTEROLOGIA SERVIÇO DE GASTRENTEROLOGIA E HEPATOLOGIA DO HOSPITAL DE SANTA MARIA Dor abdominal e flatulência

Leia mais

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Márcio Cavalcante Salmito SÃO PAULO 2012 Márcio Cavalcante Salmito Avaliação

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

Hernioplastia em ambulatório: resultado de 228 próteses auto-aderentes

Hernioplastia em ambulatório: resultado de 228 próteses auto-aderentes Director: Dr. Mesquita Rodrigues Hernioplastia em ambulatório: resultado de 228 próteses auto-aderentes André Goulart, Margarida Delgado, Maria Conceição Antunes, João Braga dos Anjos Introdução Metodologia

Leia mais

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul XVI Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul ANGINA ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃ ÇÃO O E ABORDAGEM Campo Grande, outubro de 2010 nsmorais@cardiol.br Epidemiologia da DAC Estável Suécia 80 França Escócia

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO. Centro de Re uxo Gastroesofágico. Diagnós co e tratamento

DOENÇA DO REFLUXO. Centro de Re uxo Gastroesofágico. Diagnós co e tratamento Dr. Maurício Gustavo Bravim de Castro Diretor-Médico-Técnico CRM-MG: 29.496 Centro de Re uxo Gastroesofágico DOENÇA DO REFLUXO Diagnós co e tratamento (31) 3285-4803 / 3261-3848 / 9 8899-8000 Rua Paracatu,

Leia mais

Saúde baseada em evidências

Saúde baseada em evidências Saúde baseada em evidências O volume de informações na área de saúde aumenta exponencialmente a cada dia, o que torna virtualmente impossível que os profissionais que não sejam ultraespecialistas naquele

Leia mais

Farmacologia. Liga de Gastroenterologia / UFC

Farmacologia. Liga de Gastroenterologia / UFC Farmacologia Liga de Gastroenterologia / UFC Caso Clínico AF, 64 anos, casado, pardo, comerciante, natural de Aracati e Procedente de Fortaleza. Procurou cuidados médicos para realizar EDA e avaliar doença

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO?

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? ABCDDV/685 ABCD Arq Bras Cir Dig 2010;23(1):6-10 Artigo Original DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? Gastroesophageal reflux disease: what is the effectiveness

Leia mais

PANCREATITE CRÔNICA TERAPÊUTICA Rio de Janeiro Junho 2011

PANCREATITE CRÔNICA TERAPÊUTICA Rio de Janeiro Junho 2011 SIMPÓSIO DA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PANCREATITES PANCREATITE CRÔNICA TERAPÊUTICA Rio de Janeiro Junho 2011 Júlio Chebli Faculdade de Medicina Hospital Universitário Universidade Federal de Juiz de

Leia mais

FEDERAÇAO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA PROJETO JOVEM GASTRO

FEDERAÇAO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA PROJETO JOVEM GASTRO FEDERAÇAO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA PROJETO JOVEM GASTRO CURSO DE MOTILIDADE FARINGO ESOFAGIANA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PROFESSORA EPONINA LEMME 03 a 07 DE OUTUBRO DE 2011 A Federação

Leia mais

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS:

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 INDICAÇÕES: 1. DISPEPSIA OU DOENÇA DO REFLUXO 2. DIARRÉIA CRÔNICA 3. PANCREATITE CRÔNICA 4. NÓDULOS SÓLIDOS OU CÍSTICOS NO PÂNCREAS 5. FALHA

Leia mais

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo VÍDEO 01 Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo História Clínica: Desde os 19 anos apresenta quadro dispéptico. Em 2001 foi medicada

Leia mais

PEG 4000. Eficaz no tratamento da constipação intestinal, com resultados semelhantes ao hidróxido de magnésio 1.

PEG 4000. Eficaz no tratamento da constipação intestinal, com resultados semelhantes ao hidróxido de magnésio 1. Atualização em Farmacoterapia 1 Eficaz no tratamento da constipação intestinal, com resultados semelhantes ao hidróxido de magnésio 1. Os tratamentos com ou lactulose são eficazes na redução da constipação

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

DHGNA Transplante de Fígado

DHGNA Transplante de Fígado DHGNA Transplante de Fígado EDISON ROBERTO PARISE Disciplina de Gastroenterologia Grupo de Fígado Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Changes in the Prevalence of the Most Common Causes of Chronic

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

04/03/2008. Identificar o desenho do estudo. Opinião de especialista Exemplo: Revisão Narrativa. Identificando Principais Tipos de Estudos

04/03/2008. Identificar o desenho do estudo. Opinião de especialista Exemplo: Revisão Narrativa. Identificando Principais Tipos de Estudos Identificando Principais Tipos de Estudos Dr. André Sasse Identificar o desenho do estudo Fundamental para a prática da MBE Leitura atenta dos métodos O desenho do estudo é adequado para responder à pergunta

Leia mais

Cervicites: facilitando o diagnóstico

Cervicites: facilitando o diagnóstico TROCANDO IDÉIAS XIV DESAFIOS EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR Cervicites: facilitando o diagnóstico PROF. RENATO DE SOUZA BRAVO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

Leia mais

Diagnóstico não invasivo de varizes esofágicas através da relação contagem plaquetária/ diâmetro do baço

Diagnóstico não invasivo de varizes esofágicas através da relação contagem plaquetária/ diâmetro do baço Artigo Original Diagnóstico não invasivo de varizes esofágicas através da relação contagem plaquetária/ diâmetro do baço Noninvasive diagnosis of esophageal varices using platelet count/spleen diameter

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM EOSINOFILIA ESOFÁGICA NO SERVIÇO DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTO VALE

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM EOSINOFILIA ESOFÁGICA NO SERVIÇO DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTO VALE 23 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM EOSINOFILIA ESOFÁGICA NO SERVIÇO DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTO VALE Fernanda Girardi 1 Gabriela Delatorre Gomes 1 Rafaela Oribka 1 Lucas Baptista da Silva 1 Ricardo

Leia mais

FEBRE REUMÁTICA DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS E DA E SAÚDE MARCO AURÉLIO NEROSKY

FEBRE REUMÁTICA DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS E DA E SAÚDE MARCO AURÉLIO NEROSKY PONTIFÍCIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA CATÓLICA DO DO PARANÁ PARANÁ PUC PUC PR PR DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS E DA E SAÚDE DA SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA

Leia mais

Isto doi mesmo muito!!!

Isto doi mesmo muito!!! INFORMAÇÃO MOLAXOLE SOBRE OBSTIPAÇÃO Isto doi mesmo muito!!! Tenho estado aqui sentado a chorar durante mais de meia hora. B_OTC.indd 1 10/10/14 11:31 SOFRE DE OBSTIPAÇÃO QUE PRECISA SER TRATADA¹? Coloque

Leia mais

Refluxo gastroesofágico e sua relação com a prática do canto lírico

Refluxo gastroesofágico e sua relação com a prática do canto lírico Refluxo gastroesofágico e sua relação com a prática do canto lírico Palavras chave: Voz, Refluxo gastroesofágico, Laringoscopia, Radiografia. Introdução Na atividade de canto, existe a necessidade de um

Leia mais

Constipação crônica na infância: quanto estamos consultando em Gastroenterologia Pediátrica?

Constipação crônica na infância: quanto estamos consultando em Gastroenterologia Pediátrica? Artigo Original Constipação crônica na infância: quanto estamos consultando em Gastroenterologia Pediátrica? Chronic constipation in childhood: how many visits to the Pediatric Gastroenterologist? Nilton

Leia mais

Caso Clínico. Identificação: V.M.M Paciente do sexo feminino. 32 anos. G1P1A0.

Caso Clínico. Identificação: V.M.M Paciente do sexo feminino. 32 anos. G1P1A0. Reunião de casos Caso Clínico Identificação: V.M.M Paciente do sexo feminino. 32 anos. G1P1A0. Caso Clínico Quadro Clínico: - Dor abdominal, mais evidente em hipogástrio e metrorragia há 02 meses. Investigação

Leia mais

Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre com frequência

Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre com frequência Quando indicar a manometria, phmetria e impedâncio -phmetria na avaliação do refluxo gastroesofágico? Ary Nasi, Angela C. M. Falcão Introdução Inicialmente, convém reforçar que o refluxo gastroesofágico

Leia mais

NOTA TÉCNICA SVS/Nº 007/2013

NOTA TÉCNICA SVS/Nº 007/2013 NOTA TÉCNICA SVS/Nº 007/2013 Nota Técnica sobre a ocorrência de surtos infecciosos associados à nutrição parenteral em dois estados do Brasil com possível repercussão no Estado do Rio de Janeiro I- Panorama

Leia mais

Carlos Zaslavsky 1, Cleber Allem Nunes 2. Doutor em Gastroenterologia. Médico do Laboratório de Motilidade Digestiva da Santa Casa de Porto Alegre.

Carlos Zaslavsky 1, Cleber Allem Nunes 2. Doutor em Gastroenterologia. Médico do Laboratório de Motilidade Digestiva da Santa Casa de Porto Alegre. ARTIGO ORIGINAL Estudo descritivo dos exames de manometria anorretal realizados no laboratório de motilidade digestiva da Santa Casa de Misericórdia, Porto Alegre, Brasil A descriptive study of anorectal

Leia mais

Cardioversão Química Oral de Fibrilação Atrial Aguda na Unidade Básica de Saúde

Cardioversão Química Oral de Fibrilação Atrial Aguda na Unidade Básica de Saúde Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Médicas Curso Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade Cardioversão Química Oral de Fibrilação Atrial Aguda na Unidade Básica de Saúde Pedro

Leia mais

Simpósio: Constipação Intratável

Simpósio: Constipação Intratável Simpósio: Constipação Intratável Thaís M. Sagula Residente de 3º ano de Gastroenterologia Pediátrica EPM UNIFESP Introdução Definições: Constipação: eliminação de fezes endurecidas com dor, dificuldade

Leia mais

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DOENÇA DE REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA INTRODUÇÃO A Doença de Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) é reconhecida como entidade nosológica desde meados dos anos trinta do século passado.

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 11.09.2013

Leia mais

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Sabrina Bortolin Nery Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução Atualmente, o exame complementar mais utilizado no diagnóstico

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REFLUXO GASTROESOFÁGICO EM ADULTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

EVOLUÇÃO CLÍNICA E TRATAMENTO DA ESOFAGITE DE REFLUXO CRÔNICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

EVOLUÇÃO CLÍNICA E TRATAMENTO DA ESOFAGITE DE REFLUXO CRÔNICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EVOLUÇÃO CLÍNICA E TRATAMENTO DA ESOFAGITE DE REFLUXO CRÔNICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES CLINICAL EVOLUTION AND TREATMENT OF CHRONIC REFLUX ESOPHAGITIS IN CHILDREN AND ADOLESCENTS SIMONE DINIZ CARVALHO*,

Leia mais

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes Desenhos de estudos científicos Heitor Carvalho Gomes 2016 01 01 01 Desenhos de estudos científicos Introdução Epidemiologia clínica (Epidemiologia + Medicina Clínica)- trata da metodologia das

Leia mais

Diretor Dr. Mesquita Dois anos de experiência de hernioplastias inguinais em ambulatório com ProGrip

Diretor Dr. Mesquita Dois anos de experiência de hernioplastias inguinais em ambulatório com ProGrip Diretor Dr. Mesquita Dois anos de experiência de hernioplastias inguinais em ambulatório com ProGrip André Goulart, Margarida Delgado, Maria Conceição Antunes, João Braga dos Anjos INTRODUÇÃO Metodologia

Leia mais

Gaudencio Barbosa LCCP/HUWC 08/2011

Gaudencio Barbosa LCCP/HUWC 08/2011 Gaudencio Barbosa LCCP/HUWC 08/2011 O manejo cirurgico de pacientes com hiperparatiroidismo primario (HPTP) evoluiu consideravelmente A exploração das quatro glandulas bilateralmente foi substituida por

Leia mais

UNITERMOS: Doença do Refluxo Gastroesofágico, Endoscopia Digestiva Alta, Cirurgia Bariátrica.

UNITERMOS: Doença do Refluxo Gastroesofágico, Endoscopia Digestiva Alta, Cirurgia Bariátrica. ARTIGO ORIGINAL Avaliação dos achados endoscópicos de DRGE no pré e pós-operatório de pacientes submetidos ao bypass gástrico em Y-de Roux e à gastrectomia vertical em hospital no sul de Santa Catarina,

Leia mais

REFLUXO GASTROESOFÁGICO. Nadya Bustani Carneiro

REFLUXO GASTROESOFÁGICO. Nadya Bustani Carneiro REFLUXO GASTROESOFÁGICO Nadya Bustani Carneiro CLASSIFICAÇÃO DO RGE FISIOLÓGICO PATOLÓGICO Primário Secundário Oculto FISIOPATOLOGIA RGE Relaxamento transitório do EEI Liberação de neurotransmissores (peptídeo

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL Cristina Cantarino Pneumologista Coordenadora do Centro de Estudos para Tratamento da Dependência à Nicotina do INCA Coordenadora Municipal do Controle de Tabagismo de Niterói Coordenadora da Clínica de

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA INTERNA

REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA INTERNA Artigo de Revisão REV. BRAS. MED. INTERNA 2014; 1(1):43-48 Esofagite Eosinofílica: da Definição ao Tratamento Eosinophilic esophagitis: from definition to treatment Autores: Caroline Saad Vargas, Cecília

Leia mais

Litíase Renal. Introdução. Tipos de Cálculo

Litíase Renal. Introdução. Tipos de Cálculo Litíase Renal Introdução Litíase renal é uma doença frequente que acomete mais homens que mulheres (atualmente em proporção inferior a 2:1) e pode estar localizada nos rins, ureter, bexiga e uretra. A

Leia mais

I INTRODUÇÃO É uma das afecções mais freqüentes que acometem o ser humano Enfermidade mais prevalente do aparelho digestivo Prevalência mundo? Brasil:

I INTRODUÇÃO É uma das afecções mais freqüentes que acometem o ser humano Enfermidade mais prevalente do aparelho digestivo Prevalência mundo? Brasil: DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO MANIFESTAÇÕES ATÍPICAS Dr. Marcelo Germoglio I INTRODUÇÃO É uma das afecções mais freqüentes que acometem o ser humano Enfermidade mais prevalente do aparelho digestivo

Leia mais

Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Definição: -Pólipoéuma massa tumoral que se projeta em direção àluz intestinal.

Leia mais

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA Principal função do ESÔFAGO : conduzir o alimento da faringe para o estômago, peristaltismo primário e secundário Peristaltismo Primário: continuação da

Leia mais

PRÉ-REQUISITO R4 ULTRASSONOGRAFIA (402)

PRÉ-REQUISITO R4 ULTRASSONOGRAFIA (402) PRÉ-REQUISITO R ULTRASSONOGRAFIA (0) RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA ) Gestante com nove semanas de idade gestacional (IG) inicia pré-natal

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de abdome e enema opaco

Imagem da Semana: Radiografia de abdome e enema opaco Imagem da Semana: Radiografia de abdome e enema opaco Figura 1: Radiografia simples de abdome obtida à admissão Figura 2: Enema realizado no pré-operatório Enunciado Recém-nascido masculino com 5 dias

Leia mais

RASTREIO DA ESCOLIOSE EM PACIENTES PRÉ PUBERAL E PUBERAL

RASTREIO DA ESCOLIOSE EM PACIENTES PRÉ PUBERAL E PUBERAL RASTREIO DA ESCOLIOSE EM PACIENTES PRÉ PUBERAL E PUBERAL MIBIELLI, Marco Antônio Naslausky. Docente do Curso de Medicina Unifeso. TORRES, André Augusto do Prado. Acadêmico do curso de graduação em medicina.

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

Obstipação e Incontinência Fecal na Criança. Constipation and fecal incontinence in children. Abstract. Resumo. Definição.

Obstipação e Incontinência Fecal na Criança. Constipation and fecal incontinence in children. Abstract. Resumo. Definição. ARTIGOS ORIGINAIS Obstipação e Incontinência Fecal na Criança Constipation and fecal incontinence in children Juliana Roda, Gina Rubino, Patrícia Lapa, Mónica Oliva Resumo Abstract A obstipação é um diagnóstico

Leia mais

DOENÇA A DE HIRSCHSPRUNG: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

DOENÇA A DE HIRSCHSPRUNG: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP DOENÇA A DE HIRSCHSPRUNG: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO TATIANA TIZZO HATAKEYAMA MÉDICA ESPECIALIZANDA

Leia mais

Imagem da Semana: Endoscopia digestiva alta

Imagem da Semana: Endoscopia digestiva alta Imagem da Semana: Endoscopia digestiva alta Imagem 01. Endoscopia digestiva alta, evidenciando o esôfago. Paciente do sexo feminino, 19 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, procurou atendimento

Leia mais

PEG Tratamento da constipação intestinal infantil

PEG Tratamento da constipação intestinal infantil PEG 335 Tratamento da constipação intestinal infantil PEG 335 Tratamento da constipação intestinal infantil Introdução A constipação intestinal é um problema freqüente na população pediátrica que causa

Leia mais

Constipação em Crianças

Constipação em Crianças Atualização em Farmacoterapia 1 Constipação em Crianças Tratamentos atuais e opções terapêuticas disponíveis nas farmácias de manipulação 1. De acordo com Guidelines para o tratamento da constipação intestinal

Leia mais