Psicologia e Relações com a Justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia e Relações com a Justiça"

Transcrição

1 Psicologia e Relações com a Justiça Vivian de Medeiros Lagos: Graduada em Direito e em Psicologia. Possui especialização em Psicologia Jurídica pela (Ulbra) e é Mestre e Doutora em Psicologia (UFRGS). Desenvolve trabalhos na área de avaliação psicológica forense, prestando assessoria técnica a advogados de Direito de Família. - Como está a inserção do psicólogo no âmbito jurídico atualmente no Brasil? Qual o panorama dessa atuação e as perspectivas futuras? Em sua opinião, que campos desta relação da Psicologia com a Justiça ainda precisam ser trabalhados? Entendo que a inserção do psicólogo no âmbito jurídico vem crescendo dia-adia, com abertura de novos concursos, expansão das áreas de atuação e, também, em razão da valorização do trabalho dos psicólogos pelos Operadores do Direito, o que aumenta a demanda especialmente no campo da avaliação psicológica. Acredito, entretanto, que ainda há muito a construir, é preciso criar cargos novos, como o de Psicólogo em Varas de Família aqui no Rio Grande do Sul, por exemplo, além de aumentar o número de psicólogos, especialmente, nas comarcas do interior. É preciso investir na formação em Psicologia Jurídica, tornando-a uma disciplina obrigatória em todos os cursos de graduação, e ampliando o número de cursos de extensão e especialização nessa área, a fim de aprimorar a qualidade do trabalho do psicólogo. Perícias na área da Justiça do Trabalho, e também na esfera cível, como casos de interdição e dano psíquico, são outros campos a serem explorados, pois entendo como áreas mais recentes da inserção do psicólogo. Citaria, ainda, áreas como a Mediação, a Justiça Restaurativa, e a área da pesquisa em Psicologia Jurídica como campos que devem seguir uma crescente e, acredito, destacar-se nos próximos anos. - A avaliação psicológica ainda é a principal demanda da Justiça? O que o psicólogo deve levar em conta diante dessas demandas? Em sua opinião, o Judiciário de uma forma geral compreende o trabalho de avaliação psicológica? Na minha visão, sim, a avaliação psicológica é a principal demanda da Justiça. Contudo, como trabalho justamente nessa área, minha percepção pode estar enviesada. É preciso que o psicólogo mantenha-se atualizado não apenas na área técnica da Psicologia, mas também com as mudanças nas leis que envolvem seu trabalho (questões de guarda, adoção, tipificação penal, por exemplo). Ademais, deve atentar aos princípios éticos, agir com imparcialidade e apresentar a visão técnica do problema, de forma a contribuir com a decisão judicial, sem emitir juízo de valores em seus documentos. Acredito que a Psicologia Jurídica ainda tem muito a se desenvolver e, por isso, a valorização e compreensão do trabalho do psicólogo por parte do Judiciário ainda encontra-se em construção. Os juízes que solicitam perícias e que, a partir das mesmas, conseguem obter informações importantes para tomar suas decisões, tendem a solicitar cada vez mais avaliações e a valorizálas, entendendo a necessidade, por exemplo, de prazos mais longos para a realização de perícias (dependendo da situação que se apresenta). Por outro lado, infelizmente, ainda evidenciamos muitos documentos psicológicos com

2 falhas éticas e técnicas, revelando trabalhos de pouca qualidade, que pouco contribuem para o Judiciário. Esses trabalhos prejudicam não apenas o caso em si sob avaliação, mas também podem acarretar percepções distorcidas sobre a avaliação psicológica no contexto forense. - Quais as maiores dificuldades enfrentadas pelos psicólogos perante a Justiça atualmente? Penso que uma das maiores dificuldades é a de, muitas vezes, não conseguir responder tão objetivamente a muitos dos quesitos formulados pelas partes e pelo próprio Judiciário. Os Operadores do Direito em algumas situações exigem respostas de sim ou não, ou o estabelecimento de datas de início de uma patologia, ou ainda de prognóstico de doenças mentais que nem sempre atendem de forma satisfatória aos processos judiciais, em virtude de a Psicologia não ser uma ciência exata, que permita respostas tão precisas. - No campo do direito de família, de que forma o psicólogo pode estar inserido? O psicólogo pode atuar como mediador de família, auxiliando na resolução dos conflitos de uma forma em que todos os envolvidos participam das decisões ou, ainda, como avaliador. No campo da avaliação psicológica, pode atuar como perito, nomeado pelo juiz, realizando avaliações que envolvem disputa de guarda e alienação parental, por exemplo. Também existe o papel de assistente técnico, quando o psicólogo é contratado por uma das partes envolvidas no litígio judicial e, então, assessora essa parte e seus advogados no processo, elaborando quesitos para o perito e apresentando uma crítica (com concordâncias e divergências) em relação ao trabalho pericial. - Qual a importância da construção e/ou adaptação de instrumentos pelos psicólogos? De extrema relevância. Considerando a demanda cada vez mais crescente por avaliações psicológicas no contexto forense, e a carência de instrumentos específicos para esse contexto, faz-se necessário investir na construção e/ou adaptação de instrumentos psicológicos. Os instrumentos utilizados, hoje em dia, na maior parte das vezes foram delineados para o contexto clínico e, por isso, podem estar mais sujeitos à manipulação dos resultados, característico mais frequente no contexto forense. É fundamental que pesquisadores se dediquem a explorar essa área, contribuindo com instrumentos adaptados para o contexto forense, que minimizem a chance de prejuízo à validade dos achados e corroborem a cientificidade das técnicas de avaliação psicológica, valorizando nosso trabalho perante o Judiciário. Lindomar Darós: Psicólogo Perspectiva Sócio-Histórica, Doutorando UERJ. Atua na Vara de Infância, Juventude e Idoso da Comarca de São Gonçalo no Rio de Janeiro. - Em sua opinião, como se dá a relação do psicólogo com a Justiça? Bom, inseri-me no TJRJ a partir do 1º concurso público para psicólogos. A prova foi em meados de 1998, sendo a minha chamada em abril do ano seguinte. Importante pontuar que não havia bibliografia para a prova, apenas o conteúdo programático, o qual era constituído, à exceção de testes

3 psicológicos, de toda a grade curricular da graduação em Psicologia. Não havia uma delimitação explícita do que esperavam de nossas intervenções, situação esta que produzia certa angústia. Apesar do susto inicial, isto também se configurava como possibilidades, pois havia meios de produzirmos um trabalho diferenciado. Quando iniciamos as intervenções pudemos observar que as demandas processuais apontavam para um convite ao diagnóstico, individualizante e culpabilizante, dos jurisdicionados (pessoas enredadas na rede de garantias de direitos de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidades). Necessário situar que, desde minha inserção, trabalho na Vara de Infância, Juventude e Idoso da Comarca de São Gonçalo¹ (VIJI), motivo pelo qual me refiro à infância. A competência jurisdicional para atuarmos com velhos² deu-se a partir do Estatuto do Idoso. Penso que o estado do Rio de Janeiro seja um dos únicos, se não o único, que juntou a competência de intervenção de crianças/adolescentes com velhos. Fato este que não teria maiores problemas, caso se aumentasse o número de trabalhadores, o que não ocorreu. Há ainda o inconveniente de se juntar em uma mesma vara duas categorias que têm prioridades absolutas (infantes e velhos). Retomando a pergunta que me foi endereçada, penso que a justiça seja outra coisa que não o Poder Judiciário. Assim, talvez fosse mais interessante falar da relação com o Poder Judiciário. Considero que a relação, não apenas com os mas com os demais trabalhadores seja cunhada em uma rígida hierarquia, na qual, à magistratura, salvo raras exceções, trata àqueles que representam outros saberes que não o Direito, de modo subalternizado. Assim, há que se construir linhas de fugas, na busca de afirmar a diferença, na afirmação da equidade dos saberes, os quais deveriam estar a serviço da população atendida, não da Magistratura, Ministério Público & Defensoria Pública/Advocacia. Porém, a rigidez e dominação potencializam resistências. Assim, transformações têm sido possíveis, pois se forjam interessantes desvios na tessitura do cotidiano laboral e na afirmação dos direitos humanos. - Quais as maiores dificuldades enfrentadas pelos psicólogos com relação a demandas da Justiça? Penso que já foi apontei a primeira dificuldade, pois precisamos, sempre, afirmarmos o lugar da diferença, em ruptura com a desigualdade reinante nas práticas da maioria daqueles que representam o Direito na estrutura de Poder, no Judiciário. Assim, a consigna instituída é por práticas cunhadas em uma perspectiva multidisciplinar, sem maiores interlocuções entre as diferentes categorias profissionais/saberes. Na maioria das vezes, consegue-se trabalhar de modo interdisciplinar, o que, em minha apreensão, é pouco, pois aposto na transdisciplinaridade como potência para produzir diferença, tanto nas próprias profissões, o que inclui ¹ São Gonçalo se localiza na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, vindo a ser o segundo colégio eleitoral do estado, com mais de um milhão de habitantes e com seguidas administrações municipais desastrosas no tocante a políticas públicas basilares. ² Situo que opto por utilizar o termo velho e não idoso por uma aposta política, uma vez que compreendo o velho com mais potência que o idoso, não sendo outro motivo, segundo minha apreensão que o estatuto é do idoso, não do velho.

4 minhas apostas na vida, quanto na vida daqueles a quem atendemos. Assim, não sei se isto se constitui uma dificuldade, talvez uma delicadeza a qual carecemos atentar e enfrentar, com vistas a produzir outra coisa que, não a mesmice do modo disciplinar de intervenção a que somos convocados, cotidianamente. A trajetória da equipe na qual estou inserido diz de um trabalho, inicialmente, disciplinar. Nos idos de 1999, quando cheguei ao então Juizado da Infância e Juventude (JIJ), encontrei uma psicóloga (hoje, querida amiga). Ela havia chegado há menos de três meses, oriunda do mesmo concurso que fiz. Havia outras cinco profissionais, assistentes sociais (também adoráveis amigas), as quais já tinham uma trajetória no Judiciário Fluminense, via concurso público, há mais de dez anos. Naquele tempo, a demanda judicial era destinada ao Serviço Social. Quando as colegas assistentes sociais, consideravam ser importante a intervenção da Psicologia, apontavam nos autos e a magistrada direcionava o processo à Psicologia. Ficávamos em um mesmo espaço físico, deveras precário. A proximidade territorial possibilitou trocas e, em menos de um ano, realizamos (Psicologia & Serviço Social) uma reunião com a magistrada, momento no qual solicitamos que ela remetesse os processos à Equipe Técnica Psicossocial e, faríamos as intervenções necessárias, segundo nossa avaliação técnica. A juíza acolheu nossa demanda. Iniciamos nossas intervenções, conjuntamente, e passamos a construir o trabalho em uma perspectiva transdisciplinar. O que não aconteceu sem resistências. Resistências essas que, com certo grau de conflitos, têm sido superadas cotidianamente. Afinal, trabalhar na afirmação da diferença, no que pese ser prazeroso, produz tensões. Há quatorze anos temos construído uma trajetória transdisciplinar. Houve um tempo em que os relatórios e os pareceres técnicos eram comuns, sem uma delimitação específica do que seriam, estritamente, posicionamentos da Psicologia e do Serviço Social, visto que a produção dos documentos se dava na delicadeza do encontro, na intervenção. Isto sempre se mostrou, segundo nossa apreensão, potente. Porém, a partir da Resolução CFESS 557/2009, que exige que o parecer social seja especificado, não mais fazemos os pareceres conjuntos, apenas os relatórios e, ao final, sinalizamos o Parecer Psicológico & o Parecer Social, os quais acabam por apresentar modos diferentes de apontar aquilo que fora produzido no transdisciplinarizar da intervenção. Apostamos ser potente para os e também para a própria equipe, a qual se enriquece na diferença de perspectivas disciplinares diversas. Penso que a prática transdisciplinar fortaleça a intervenção da Psicologia & do Serviço Social junto à estrutura de Poder do Judiciário, o qual, conforme já sinalizei, mostra-se disciplinar e hierárquico tanto na relação com o quadro funcional quanto com a população atendida. A falta de respeito aos horários das audiências constitui-se um ótimo analisador para se pensar o modo como a Magistratura lida com o jurisdicionado. São agendadas diversas audiências para um mesmo horário, em uma mesma sala, com um mesmo magistrado. Isto implica em as pessoas permanecerem, por muitas horas, nos corredores dos fóruns, a espera do momento de ser chamadas para estarem frente ao juiz. Retomando os modos possíveis de intervenção técnica, cabe situar que algumas vezes, em minha experiência profissional, foi possível transdisciplinarizar com o Ministério Público, pouquíssimas com a magistratura

5 e, sempre com o Serviço Social. Categoria essa, em minha trajetória, sempre parceira e complementar. - De que forma o psicólogo se insere na escuta de crianças e adolescentes na Justiça? Penso ser esta uma delicada questão. Afinal, cabe à Psicologia a escuta, a qual não pode ser confundida com inquirição. A inquirição diz de uma posição no mundo que impõe aquele que é instado a falar, dizer no tempo de quem pergunta, sem silêncios, pausas, delongas ou reticências. Eu pergunto e você responde. E, responde aquilo que lhe pergunto, sem maiores explicações, caso eu não lhe peça detalhes. Quanto à escuta, diz de uma posição daquele que se dispõe a estar com o outro, no tempo possível ao outro, para dizer em conformidade com sua demanda narrativa. A entrada do no Poder Judiciário, segundo minha apreensão, seria para produzir escuta, desde sempre, pois a inquirição cabe aos ditos operadores do Direito. Porém, ao que parece, não é a escuta que o Tribunal de Justiça nos requer, mas a inquirição. Afinal, nossos relatórios técnicos deixaram de ser considerados adequados, pois não eram suficientes para se condenar. Assim, dentro da estrutura do Poder Judiciário em termos macropolíticos, o que não retrata a experiência vivida pela nossa equipe especificamente, passaram a nos demandar outra intervenção que não a escuta psi, mas inquirição, uma escuta produtora de provas suficiente para condenar. Isto, segundo minha análise, diz não apenas da escuta de crianças, mas de os Cobram dos e também dos assistentes sociais, depoimentos sem dano, exames criminológico³, participação em comissões disciplinares nos presídios. Quando resistimos, somos apontados como talvez estejamos em boa companhia, pois há notáveis defensores da (in)disciplina. Considero que precisamos afirmar a escuta, não apenas de crianças e, traçarmos potentes linhas de fuga para nos garantirmos no lugar da produção da diferença na relação com a dureza disciplinar que o Poder Judiciário tentar impor e subjulgar os diversos saberes que o compõem. Todavia, não podemos perder de vista que, a atuação enquanto inquiridores se constitui uma demanda de de nossa categoria profissional, os quais afirmam que faríamos melhor que aqueles a quem o instituído delegou tal atribuição. Isto se evidenciou nos enfrentamentos que vivemos durante a elaboração da Resolução CFP 01/2010, a qual dispõe sobre a escuta de crianças/adolescentes na Rede de Proteção. Há profissionais, & assistentes sociais, que se dispõe a atuar em defesa da sociedade, para não nos esquecermos de Foucault. ³ Aqui deixamos a seara estrita do Poder Judiciário e adentramos a estrutura das Secretarias de Segurança, mas ainda assim, com estreita relação com o Judiciário, visto que é de onde saem as determinações para se fazer exames criminológicos.

6 Como você vê estratégias como o Depoimento sem Dano? Penso já haver falado desta questão anteriormente. O Depoimento Sem Dano constitui-se uma distorção, segundo minha análise, daquilo que seria uma prática psi, pois equipara inquirição com escuta e, faz uma escolha irrestrita pelo lugar de inquiridor. Importante considerar as resistências internas na Psicologia no enfrentamento desta questão, pois colegas consideram ser uma legítima atribuição para o conforme já apontei, em defesa da sociedade. Porém, para além da discussão sobre competências e atribuições profissionais, considero o Depoimento Sem Dano uma afronta aos Direitos Humanos, tanto do infante quanto do adulto e, uma ruptura com o princípio do contraditório, considerando estritamente aquilo que é caro ao Direito. Há ainda que se considerar que as resoluções do CFESS e do CFP foram caçadas, liminarmente, Pelo Poder Judiciário Federal. A derrubada das resoluções, segundo minha análise, também de (assistentes sociais, juízes & promotores) configura-se uma intromissão no que diz respeito à capacidade técnica dos Conselhos de Classe das Profissões Regulamentadas de dizerem dos limites ético-técnicos-políticos de suas respectivas profissões. No entanto, conforme já sinalizado, isto diz de disputas, também internas às categorias profissionais, mas não somente, sobre o que seria os fazeres de e de assistentes sociais. Movediço e temerário terreno... A serviço de quem o psicólogo que trabalha no judiciário deve pensar a sua prática? Trata-se uma questão que tem posicionamentos dispares. Digno de nota apontar neste momento uma discussão que travei com um colega psicólogo em um egroup de Psicologia Jurídica 4, nos idos de Naquela oportunidade, estávamos a debater sobre a necessidade/obrigatoriedade de entrevistas de devolução/restituição do trabalho realizado com os jurisdicionados. O tema, salvo engano, teria sido aquecido, não apenas em função da Psicologia e sua relação com a Justiça, mas devido a situações atinentes à Psicologia e suas práticas em Recrutamento e Seleção de trabalhadores a empregos. Sinalizei naquela discussão on line que compreendia que os psi deveriam sim restituir/devolver ao jurisdicionado o teor daquilo que escreveria em seu relatório. Meu posicionamento ético-político foi atacado, violentamente, por um colega que afirmou, não estritamente deste modo, pois faz muitos anos para eu lembrar exatamente dos termos, que eu seria um profissional equivocado, que estaria a confundir psicodiagnóstico ou psicoterapia com o fazer da Psicologia Jurídica. Disse ainda o dileto colega que, seu cliente seria o juiz, não o jurisdicionado. Este seria cliente do advogado/defensor público, a quem deveria se endereçar, caso desejasse conhecer do laudo (prefiro relatório de estudo psicológico ) produzido, o qual se encontrava, devidamente, anexado aos autos. 4 Tenho críticas este modo de nomear, pois não apreendo que exista, efetivamente, uma Psicologia que seja Jurídica, mas isto é uma outra história.

7 Não diria de falta ética do colega referido, mas de uma ética que não àquela que eu afirmo na vida enquanto profissional psi. Situo ainda que somos posicionados a partir de um Código de Ética Profissional, o qual, para mim, está longe de dizer de uma ética, mas de uma conduta moral, balizada por um coletivo de produzido pelo Sistema Conselhos de Psicologia, democraticamente, eleito pela categoria profissional, para levar a termo tal atribuição. Situo que o nosso Código de Ética Profissional, em seus princípios fundamentais, inciso VII diz que: O psicólogo considerará as relações de poder nos contextos em que atua e os impactos dessas relações sobre as suas atividades profissionais, posicionandose de forma crítica e em consonância com os demais princípios deste Código. Diz ainda em seu Artigo 1º: São deveres fundamentais dos psicólogos: f) Fornecer, a quem de direito, na prestação de serviços psicológicos, informações concernentes ao trabalho a ser realizado e ao seu objetivo profissional; g) Informar, a quem de direito, os resultados decorrentes da prestação de serviços psicológicos, transmitindo somente o que for necessário para a tomada de decisões que afetem o usuário ou beneficiário. A partir destas três referências de nosso Código de Ética/Conduta Profissional, penso que proceder à restituição/devolutiva do trabalho realizado com os usuários de nossos serviços, independente do espaço organizacional da prática, seja uma baliza da qual o jamais poderia se furtar, independente de suas afirmações ética no mundo. Afinal, isto diz os norteadores legais de nossa profissão. Como o psicólogo deve construir sua prática pensando no trabalho em rede para garantia de direitos das crianças, adolescentes e idosos? Posso dizer do modo como temos construído o trabalho na VIJI de São Gonçalo. Penso que cada equipe, em seu contexto de intervenção, precisará desenhar o caminho a ser percorrido. Mais que isso, esse desenho há de ser revisto sempre, visto ser a realidade dinâmica. Apreendo que a pergunta já aponta o norte do caminha: trabalho em rede. A ruptura com verdades ahistóricas talvez seja a única premissa, a partir da qual todo o trabalho a de ser desenvolvido. Aposto na transdisciplinaridade como método, considerando que, o ato de transdisciplinarizar rompe com modelos hierárquicos de saberes e setores. Desde modo, carecemos estar juntos à educação, saúde, assistência social, Organizações Não Governamentais, sempre pronto a escutar a diferença, afirmando-a, notadamente naquilo que nos inquieta. Há que se considerar as instituições que atravessam e são atravessadas por nossos fazeres profissionais, os quais precisam ser reconhecidos enquanto acontecimentos políticos. Isto ocorre em cada atendimento: individual, familiar, em grupo, nas reuniões de equipe, tanto institucional quanto interinstitucional, momento nos quais podemos forjar saídas que não estejam enquadradas nos marcos legais que disciplinam nossas práticas, afinal, a vida é, sempre, mais rica que teorias e leis que nos normatizam. Que venha o sol, que venha a chuva, que venha a vida e nos inundem de verdades a serem produzidas no cotidiano, com aqueles a quem o judiciário nos convida a sermos polícia e, indisciplinadamente, fazemos outra coisa.

8 - Sugestões bibliográficas sobre o tema ARANTES, E.M.M. Confissão das Crianças o que a antiga pastoral cristã pode ensinar a juízes, psicólogos e assistentes sociais. In: Consulex Revista Jurídica. Ano XVII Nº 406, 15 de dezembro de Pp ARANTES, E.M.M. Pensando o direito da criança de ser ouvida e ter sua opinião levada em consideração. In: AASPTJ-SP; CRESS-SP (Org.). Violência sexual e escuta judicial de crianças e adolescentes: a proteção de direitos segundo especialistas ARANTES, M.de M. Pensando a proteção integral: contribuições ao debate sobre proposta de inquirição judicial de crianças e adolescentes como vítimas e testemunhas de crimes. In: Falando sério sobre a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência e a rede de proteção Propostas do Conselho Federal de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2009, p AZAMBUJA, R. F. de. A inquirição da vítima de violência sexual intrafamiliar à lluz do melhor interesse da criança. In: Falando sério sobre a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência e a rede de proteção Propostas do Conselho Federal de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2009, p BRITO, L. M. T. de. Diga-me agora... O Depoimento sem Dano em análise. In: Falando sério sobre a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência e a rede de proteção Propostas do Conselho Federal de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2009, p VALÊNCIO, N. & DARÓS, L.E.S. Tragédia das Águas em Niterói e a Condição de Abandonado dos Sobreviventes. In: VALÊNCIO, N. (Organizadora). Sociologia dos desastres construção e perspectivas no Brasil volume III. São Carlos: RiMa Editora, FONSECA, T.M.G., NASCIMENTO, M.L. & MARASCHIN, C. Pesquisas na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, NASCIMENTO, M.L. (Organizadora). Pivetes: a produção de infâncias desiguais.niterói: Intertexto; Rio de Janeiro: Oficina do Autos, PASSOS, E. & BENEVIDES, R. Por uma política da narrativa, In: PASSOS, E, KASTRUP, V. & ESCÓSSIA, L da. (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e Produção de Subjetividade. Porto Alegre: Salina, 2009.

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar Serviço de Apoio aos Psicólogos A) PROJETOS SÍNTESE

Leia mais

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação NOTA sobre atribuições do cargo de Analista de Assistência e Desenvolvimento Social/Serviço Social contido no PL 312/2014 da Prefeitura Municipal de São Paulo. O CRESS/SP - 9º Região vem a público informar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE Dispõe sobre a implantação e funcionamento do Núcleo de

Leia mais

CAPÍTULO I DAS LINHAS GERAIS DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ).

CAPÍTULO I DAS LINHAS GERAIS DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ). UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano - Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ). INTRODUÇÃO. O funcionamento de um núcleo de

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Janeiro/2015 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça de Santa Catarina Psicólogo

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

DEPOIMENTO ESPECIAL NO BRASIL

DEPOIMENTO ESPECIAL NO BRASIL DEPOIMENTO ESPECIAL 20 a 23 de agosto TJPE e Childhood Brasil promovem seminário e capacitação em entrevista forense com crianças vítimas de abuso sexual Em parceria com o Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

Senhoras e Senhores:

Senhoras e Senhores: Senhoras e Senhores: Uso a palavra em nome de todas as entidades governamentais e nãogovernamentais parceiras do Programa Justiça para o Século 21. E não é sem razão. Esse é, para todos nós, um momento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

A existência de equipes multidisciplinares é um fator importante no trabalho dos defensores?

A existência de equipes multidisciplinares é um fator importante no trabalho dos defensores? Simone Moreira Souza Entrevista concedida para a matéria Diagnóstico aborda atuação da Defensoria Pública em infância e juventude, página 7, Proteção Integral, boletim impresso da ABMP. Entrevista realizada,

Leia mais

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Resolução da Corregedoria Geral de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Escola

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários.

Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários. AASPTJ-SP - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos e Ampliação das formas de interação com a categoria Proposta: Conhecer as práticas dos psicólogos nos municípios. Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 O estágio supervisionado é o momento reservado para o aluno de graduação experimentar e exercitar a prática profissional

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO

ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO Semestralmente o Fórum Nacional da Mediação e Conciliação se reúne e promove discussões objetivando levantar boas práticas que possam aprimorar o

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

A PSICOLOGIA JURÍDICA ATUANDO JUNTO AO DIREITO DE FAMÍLIA

A PSICOLOGIA JURÍDICA ATUANDO JUNTO AO DIREITO DE FAMÍLIA A PSICOLOGIA JURÍDICA ATUANDO JUNTO AO DIREITO DE FAMÍLIA Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Antropologia e Psicologia Jurídica Publicação no semestre 2015.1 Autor:

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÂO Nº 4

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÂO Nº 4 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÂO Nº 4 Dispõe sobre a Nomeação de Assistentes Sociais na qualidade de Peritos Judiciais Reportamo-nos aos Encontros realizados pela Justiça Federal subsecção

Leia mais

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO.

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO. PREZADO(A)S CANDIDATO(A)S, PRIMEIRAMENTE GOSTARIA DE PARABENIZAR A TODOS OS GUERREIROS E GUERREIRAS QUE PARTICIPARAM DO TÃO ESPERADO E CONCORRIDO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais * DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui o Programa Estadual de Proteção a Vitimas

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Rede Solidária Anjos do Amanhã

Rede Solidária Anjos do Amanhã Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Rede Solidária Anjos do Amanhã Voluntariado Beneficiando crianças e adolescentes com direitos violados Como funciona a Rede Solidária Como se tornar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE CIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE CIJ XXI CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MAGISTRADOS E PROMOTORES DE JUSTIÇA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ABMP EXPERIÊNCIA PROGRAMA DE ASSESSORIA PSICOLÓGICA NOS PROCEDIMENTOS JUDICIAIS E EXTRA JUDICIAIS

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE AUDIÊNCIA CONCENTRADA AÇÃO DETERMINADA PELO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PARA A REVISÃO DA SITUAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM PROGRAMAS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Corregedoria Geral da Justiça Processo DEPE 1.1 Autuação Provisória s/nº fls. 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA PSICÓLOGOS E ASSISTENTES SOCIAIS JUDICIÁRIOS - REALIZAÇÃO DE EXAMES CRIMINOLÓGICOS, ATENDIMENTO PSICOTERÁPICO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 14/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 14/2015-CM PROVIMENTO N. 14/2015-CM Estabelece a rotina de realização das Audiências de Custódia junto à 11ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso das suas atribuições,

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ATUAÇÃO DO

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA E O DISCURSO JURÍDICO

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA E O DISCURSO JURÍDICO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA E O DISCURSO JURÍDICO Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Antropologia e Psicologia Jurídica Publicação no semestre 2015.1 Autor: Camila Yamaoka

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA/PA. CONCURSO PU BLICO N. o 01/2015. EDITAL DE RETIFICAC A O N. o 09/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA/PA. CONCURSO PU BLICO N. o 01/2015. EDITAL DE RETIFICAC A O N. o 09/2015 CONCURSO PU BLICO N. o 01/2015 EDITAL DE RETIFICAC A O N. o 09/2015 A Prefeitura Municipal de Abaetetuba/PA, no uso de suas atribuic o es legais, nos termos do subitem 16.6 do Edital Retificado e Consolidado

Leia mais

CURSO: SERVIÇO SOCIAL

CURSO: SERVIÇO SOCIAL CURSO: SERVIÇO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS: LINGUA PORTUGUESA 1. De acordo com a gramática da Língua Portuguesa, a Concordância é o processo sintático em que certas palavras se combinam. Tal combinação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Art. 1

REGIMENTO INTERNO Art. 1 REGIMENTO INTERNO Art. 1 - A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Rondonópolis, doravante denominada simplesmente CBMAE ACIR, instituída no

Leia mais

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Facilitadoras: Profª Esp. Assistente Social Maria do Amparo Gomes Barro Assistente Social Esp. Ana Margarida Participação especial:

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ O Núcleo de Prática Jurídica é a unidade responsável pela condução do estágio de prática jurídica, tendo por função contribuir para a formação acadêmica do estudante de

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Rede Solidária Anjos do Amanhã

Rede Solidária Anjos do Amanhã 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Rede Solidária Anjos do Amanhã Voluntariado Contribuindo com crianças e adolescentes em risco social Saiba como se tornar um voluntário Como funciona

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA PSICOLOGIA Quem nunca pensou em procurar ajuda de um psicólogo naqueles momentos mais difíceis? Ele com certeza é nossa principal referência nessas horas, pois é o profissional que cuida da nossa mente,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Caderno de Prova Serviço Social

Caderno de Prova Serviço Social Caderno de Prova Serviço Social 1- Nas décadas de 60/70 iniciaram-se a ampliação da rede de serviços sociais como também a demanda do trabalho do Assistente Social. Nesse contexto, a intervenção do Serviço

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS

A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS A Gestão inclui: A coordenação dos recursos humanos e do trabalho em equipe interdisciplinar; Planejamento, monitoramento e avaliação; O registro de informações;

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

C U R S O D I R E I T O Autorizado pela Portaria MEC nº 3.355,de 05/12/02-D.O.U de 06/12/02 Componente Curricular: Psicologia aplicada ao Direito

C U R S O D I R E I T O Autorizado pela Portaria MEC nº 3.355,de 05/12/02-D.O.U de 06/12/02 Componente Curricular: Psicologia aplicada ao Direito C U R S O D I R E I T O Autorizado pela Portaria MEC nº 3.355,de 05/12/02-D.O.U de 06/12/02 Componente Curricular: Psicologia aplicada ao Direito Código: DIR - 212 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS Informações enviadas pelos CRESS: 1ª. PA; 2ª. MA; 5ª. BA; 6ª.-MG; 7ª. RJ; 10ª. RS; 11ª. PR; 12ª-SC; 13ª.

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO Juliana Medeiros da Silva 1 A violência doméstica praticada pelo parceiro íntimo é uma das formas mais comuns de violência

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação O SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL A ADOLESCENTES

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Projeto de Lei do Senado/Câmara n o de CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Seção I - Da Mediação Judicial

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Altera dispositivo da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro de 2006, Plano de Carreira

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Grande parte das separações produz efeitos traumáticos que vêm acompanhados

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

PLANO DE ENSINO FICHA N o 2

PLANO DE ENSINO FICHA N o 2 PLANO DE ENSINO FICHA N o 2 Disciplina: Prática Jurídica Trabalhista Código:? Natureza: ( x ) obrigatória ( ) optativa Semestral ( ) Anual ( x ) Modular ( ) Pré-requisito: 3º ano completo Co-requisito:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais