Psicologia e Relações com a Justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia e Relações com a Justiça"

Transcrição

1 Psicologia e Relações com a Justiça Vivian de Medeiros Lagos: Graduada em Direito e em Psicologia. Possui especialização em Psicologia Jurídica pela (Ulbra) e é Mestre e Doutora em Psicologia (UFRGS). Desenvolve trabalhos na área de avaliação psicológica forense, prestando assessoria técnica a advogados de Direito de Família. - Como está a inserção do psicólogo no âmbito jurídico atualmente no Brasil? Qual o panorama dessa atuação e as perspectivas futuras? Em sua opinião, que campos desta relação da Psicologia com a Justiça ainda precisam ser trabalhados? Entendo que a inserção do psicólogo no âmbito jurídico vem crescendo dia-adia, com abertura de novos concursos, expansão das áreas de atuação e, também, em razão da valorização do trabalho dos psicólogos pelos Operadores do Direito, o que aumenta a demanda especialmente no campo da avaliação psicológica. Acredito, entretanto, que ainda há muito a construir, é preciso criar cargos novos, como o de Psicólogo em Varas de Família aqui no Rio Grande do Sul, por exemplo, além de aumentar o número de psicólogos, especialmente, nas comarcas do interior. É preciso investir na formação em Psicologia Jurídica, tornando-a uma disciplina obrigatória em todos os cursos de graduação, e ampliando o número de cursos de extensão e especialização nessa área, a fim de aprimorar a qualidade do trabalho do psicólogo. Perícias na área da Justiça do Trabalho, e também na esfera cível, como casos de interdição e dano psíquico, são outros campos a serem explorados, pois entendo como áreas mais recentes da inserção do psicólogo. Citaria, ainda, áreas como a Mediação, a Justiça Restaurativa, e a área da pesquisa em Psicologia Jurídica como campos que devem seguir uma crescente e, acredito, destacar-se nos próximos anos. - A avaliação psicológica ainda é a principal demanda da Justiça? O que o psicólogo deve levar em conta diante dessas demandas? Em sua opinião, o Judiciário de uma forma geral compreende o trabalho de avaliação psicológica? Na minha visão, sim, a avaliação psicológica é a principal demanda da Justiça. Contudo, como trabalho justamente nessa área, minha percepção pode estar enviesada. É preciso que o psicólogo mantenha-se atualizado não apenas na área técnica da Psicologia, mas também com as mudanças nas leis que envolvem seu trabalho (questões de guarda, adoção, tipificação penal, por exemplo). Ademais, deve atentar aos princípios éticos, agir com imparcialidade e apresentar a visão técnica do problema, de forma a contribuir com a decisão judicial, sem emitir juízo de valores em seus documentos. Acredito que a Psicologia Jurídica ainda tem muito a se desenvolver e, por isso, a valorização e compreensão do trabalho do psicólogo por parte do Judiciário ainda encontra-se em construção. Os juízes que solicitam perícias e que, a partir das mesmas, conseguem obter informações importantes para tomar suas decisões, tendem a solicitar cada vez mais avaliações e a valorizálas, entendendo a necessidade, por exemplo, de prazos mais longos para a realização de perícias (dependendo da situação que se apresenta). Por outro lado, infelizmente, ainda evidenciamos muitos documentos psicológicos com

2 falhas éticas e técnicas, revelando trabalhos de pouca qualidade, que pouco contribuem para o Judiciário. Esses trabalhos prejudicam não apenas o caso em si sob avaliação, mas também podem acarretar percepções distorcidas sobre a avaliação psicológica no contexto forense. - Quais as maiores dificuldades enfrentadas pelos psicólogos perante a Justiça atualmente? Penso que uma das maiores dificuldades é a de, muitas vezes, não conseguir responder tão objetivamente a muitos dos quesitos formulados pelas partes e pelo próprio Judiciário. Os Operadores do Direito em algumas situações exigem respostas de sim ou não, ou o estabelecimento de datas de início de uma patologia, ou ainda de prognóstico de doenças mentais que nem sempre atendem de forma satisfatória aos processos judiciais, em virtude de a Psicologia não ser uma ciência exata, que permita respostas tão precisas. - No campo do direito de família, de que forma o psicólogo pode estar inserido? O psicólogo pode atuar como mediador de família, auxiliando na resolução dos conflitos de uma forma em que todos os envolvidos participam das decisões ou, ainda, como avaliador. No campo da avaliação psicológica, pode atuar como perito, nomeado pelo juiz, realizando avaliações que envolvem disputa de guarda e alienação parental, por exemplo. Também existe o papel de assistente técnico, quando o psicólogo é contratado por uma das partes envolvidas no litígio judicial e, então, assessora essa parte e seus advogados no processo, elaborando quesitos para o perito e apresentando uma crítica (com concordâncias e divergências) em relação ao trabalho pericial. - Qual a importância da construção e/ou adaptação de instrumentos pelos psicólogos? De extrema relevância. Considerando a demanda cada vez mais crescente por avaliações psicológicas no contexto forense, e a carência de instrumentos específicos para esse contexto, faz-se necessário investir na construção e/ou adaptação de instrumentos psicológicos. Os instrumentos utilizados, hoje em dia, na maior parte das vezes foram delineados para o contexto clínico e, por isso, podem estar mais sujeitos à manipulação dos resultados, característico mais frequente no contexto forense. É fundamental que pesquisadores se dediquem a explorar essa área, contribuindo com instrumentos adaptados para o contexto forense, que minimizem a chance de prejuízo à validade dos achados e corroborem a cientificidade das técnicas de avaliação psicológica, valorizando nosso trabalho perante o Judiciário. Lindomar Darós: Psicólogo Perspectiva Sócio-Histórica, Doutorando UERJ. Atua na Vara de Infância, Juventude e Idoso da Comarca de São Gonçalo no Rio de Janeiro. - Em sua opinião, como se dá a relação do psicólogo com a Justiça? Bom, inseri-me no TJRJ a partir do 1º concurso público para psicólogos. A prova foi em meados de 1998, sendo a minha chamada em abril do ano seguinte. Importante pontuar que não havia bibliografia para a prova, apenas o conteúdo programático, o qual era constituído, à exceção de testes

3 psicológicos, de toda a grade curricular da graduação em Psicologia. Não havia uma delimitação explícita do que esperavam de nossas intervenções, situação esta que produzia certa angústia. Apesar do susto inicial, isto também se configurava como possibilidades, pois havia meios de produzirmos um trabalho diferenciado. Quando iniciamos as intervenções pudemos observar que as demandas processuais apontavam para um convite ao diagnóstico, individualizante e culpabilizante, dos jurisdicionados (pessoas enredadas na rede de garantias de direitos de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidades). Necessário situar que, desde minha inserção, trabalho na Vara de Infância, Juventude e Idoso da Comarca de São Gonçalo¹ (VIJI), motivo pelo qual me refiro à infância. A competência jurisdicional para atuarmos com velhos² deu-se a partir do Estatuto do Idoso. Penso que o estado do Rio de Janeiro seja um dos únicos, se não o único, que juntou a competência de intervenção de crianças/adolescentes com velhos. Fato este que não teria maiores problemas, caso se aumentasse o número de trabalhadores, o que não ocorreu. Há ainda o inconveniente de se juntar em uma mesma vara duas categorias que têm prioridades absolutas (infantes e velhos). Retomando a pergunta que me foi endereçada, penso que a justiça seja outra coisa que não o Poder Judiciário. Assim, talvez fosse mais interessante falar da relação com o Poder Judiciário. Considero que a relação, não apenas com os mas com os demais trabalhadores seja cunhada em uma rígida hierarquia, na qual, à magistratura, salvo raras exceções, trata àqueles que representam outros saberes que não o Direito, de modo subalternizado. Assim, há que se construir linhas de fugas, na busca de afirmar a diferença, na afirmação da equidade dos saberes, os quais deveriam estar a serviço da população atendida, não da Magistratura, Ministério Público & Defensoria Pública/Advocacia. Porém, a rigidez e dominação potencializam resistências. Assim, transformações têm sido possíveis, pois se forjam interessantes desvios na tessitura do cotidiano laboral e na afirmação dos direitos humanos. - Quais as maiores dificuldades enfrentadas pelos psicólogos com relação a demandas da Justiça? Penso que já foi apontei a primeira dificuldade, pois precisamos, sempre, afirmarmos o lugar da diferença, em ruptura com a desigualdade reinante nas práticas da maioria daqueles que representam o Direito na estrutura de Poder, no Judiciário. Assim, a consigna instituída é por práticas cunhadas em uma perspectiva multidisciplinar, sem maiores interlocuções entre as diferentes categorias profissionais/saberes. Na maioria das vezes, consegue-se trabalhar de modo interdisciplinar, o que, em minha apreensão, é pouco, pois aposto na transdisciplinaridade como potência para produzir diferença, tanto nas próprias profissões, o que inclui ¹ São Gonçalo se localiza na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, vindo a ser o segundo colégio eleitoral do estado, com mais de um milhão de habitantes e com seguidas administrações municipais desastrosas no tocante a políticas públicas basilares. ² Situo que opto por utilizar o termo velho e não idoso por uma aposta política, uma vez que compreendo o velho com mais potência que o idoso, não sendo outro motivo, segundo minha apreensão que o estatuto é do idoso, não do velho.

4 minhas apostas na vida, quanto na vida daqueles a quem atendemos. Assim, não sei se isto se constitui uma dificuldade, talvez uma delicadeza a qual carecemos atentar e enfrentar, com vistas a produzir outra coisa que, não a mesmice do modo disciplinar de intervenção a que somos convocados, cotidianamente. A trajetória da equipe na qual estou inserido diz de um trabalho, inicialmente, disciplinar. Nos idos de 1999, quando cheguei ao então Juizado da Infância e Juventude (JIJ), encontrei uma psicóloga (hoje, querida amiga). Ela havia chegado há menos de três meses, oriunda do mesmo concurso que fiz. Havia outras cinco profissionais, assistentes sociais (também adoráveis amigas), as quais já tinham uma trajetória no Judiciário Fluminense, via concurso público, há mais de dez anos. Naquele tempo, a demanda judicial era destinada ao Serviço Social. Quando as colegas assistentes sociais, consideravam ser importante a intervenção da Psicologia, apontavam nos autos e a magistrada direcionava o processo à Psicologia. Ficávamos em um mesmo espaço físico, deveras precário. A proximidade territorial possibilitou trocas e, em menos de um ano, realizamos (Psicologia & Serviço Social) uma reunião com a magistrada, momento no qual solicitamos que ela remetesse os processos à Equipe Técnica Psicossocial e, faríamos as intervenções necessárias, segundo nossa avaliação técnica. A juíza acolheu nossa demanda. Iniciamos nossas intervenções, conjuntamente, e passamos a construir o trabalho em uma perspectiva transdisciplinar. O que não aconteceu sem resistências. Resistências essas que, com certo grau de conflitos, têm sido superadas cotidianamente. Afinal, trabalhar na afirmação da diferença, no que pese ser prazeroso, produz tensões. Há quatorze anos temos construído uma trajetória transdisciplinar. Houve um tempo em que os relatórios e os pareceres técnicos eram comuns, sem uma delimitação específica do que seriam, estritamente, posicionamentos da Psicologia e do Serviço Social, visto que a produção dos documentos se dava na delicadeza do encontro, na intervenção. Isto sempre se mostrou, segundo nossa apreensão, potente. Porém, a partir da Resolução CFESS 557/2009, que exige que o parecer social seja especificado, não mais fazemos os pareceres conjuntos, apenas os relatórios e, ao final, sinalizamos o Parecer Psicológico & o Parecer Social, os quais acabam por apresentar modos diferentes de apontar aquilo que fora produzido no transdisciplinarizar da intervenção. Apostamos ser potente para os e também para a própria equipe, a qual se enriquece na diferença de perspectivas disciplinares diversas. Penso que a prática transdisciplinar fortaleça a intervenção da Psicologia & do Serviço Social junto à estrutura de Poder do Judiciário, o qual, conforme já sinalizei, mostra-se disciplinar e hierárquico tanto na relação com o quadro funcional quanto com a população atendida. A falta de respeito aos horários das audiências constitui-se um ótimo analisador para se pensar o modo como a Magistratura lida com o jurisdicionado. São agendadas diversas audiências para um mesmo horário, em uma mesma sala, com um mesmo magistrado. Isto implica em as pessoas permanecerem, por muitas horas, nos corredores dos fóruns, a espera do momento de ser chamadas para estarem frente ao juiz. Retomando os modos possíveis de intervenção técnica, cabe situar que algumas vezes, em minha experiência profissional, foi possível transdisciplinarizar com o Ministério Público, pouquíssimas com a magistratura

5 e, sempre com o Serviço Social. Categoria essa, em minha trajetória, sempre parceira e complementar. - De que forma o psicólogo se insere na escuta de crianças e adolescentes na Justiça? Penso ser esta uma delicada questão. Afinal, cabe à Psicologia a escuta, a qual não pode ser confundida com inquirição. A inquirição diz de uma posição no mundo que impõe aquele que é instado a falar, dizer no tempo de quem pergunta, sem silêncios, pausas, delongas ou reticências. Eu pergunto e você responde. E, responde aquilo que lhe pergunto, sem maiores explicações, caso eu não lhe peça detalhes. Quanto à escuta, diz de uma posição daquele que se dispõe a estar com o outro, no tempo possível ao outro, para dizer em conformidade com sua demanda narrativa. A entrada do no Poder Judiciário, segundo minha apreensão, seria para produzir escuta, desde sempre, pois a inquirição cabe aos ditos operadores do Direito. Porém, ao que parece, não é a escuta que o Tribunal de Justiça nos requer, mas a inquirição. Afinal, nossos relatórios técnicos deixaram de ser considerados adequados, pois não eram suficientes para se condenar. Assim, dentro da estrutura do Poder Judiciário em termos macropolíticos, o que não retrata a experiência vivida pela nossa equipe especificamente, passaram a nos demandar outra intervenção que não a escuta psi, mas inquirição, uma escuta produtora de provas suficiente para condenar. Isto, segundo minha análise, diz não apenas da escuta de crianças, mas de os Cobram dos e também dos assistentes sociais, depoimentos sem dano, exames criminológico³, participação em comissões disciplinares nos presídios. Quando resistimos, somos apontados como talvez estejamos em boa companhia, pois há notáveis defensores da (in)disciplina. Considero que precisamos afirmar a escuta, não apenas de crianças e, traçarmos potentes linhas de fuga para nos garantirmos no lugar da produção da diferença na relação com a dureza disciplinar que o Poder Judiciário tentar impor e subjulgar os diversos saberes que o compõem. Todavia, não podemos perder de vista que, a atuação enquanto inquiridores se constitui uma demanda de de nossa categoria profissional, os quais afirmam que faríamos melhor que aqueles a quem o instituído delegou tal atribuição. Isto se evidenciou nos enfrentamentos que vivemos durante a elaboração da Resolução CFP 01/2010, a qual dispõe sobre a escuta de crianças/adolescentes na Rede de Proteção. Há profissionais, & assistentes sociais, que se dispõe a atuar em defesa da sociedade, para não nos esquecermos de Foucault. ³ Aqui deixamos a seara estrita do Poder Judiciário e adentramos a estrutura das Secretarias de Segurança, mas ainda assim, com estreita relação com o Judiciário, visto que é de onde saem as determinações para se fazer exames criminológicos.

6 Como você vê estratégias como o Depoimento sem Dano? Penso já haver falado desta questão anteriormente. O Depoimento Sem Dano constitui-se uma distorção, segundo minha análise, daquilo que seria uma prática psi, pois equipara inquirição com escuta e, faz uma escolha irrestrita pelo lugar de inquiridor. Importante considerar as resistências internas na Psicologia no enfrentamento desta questão, pois colegas consideram ser uma legítima atribuição para o conforme já apontei, em defesa da sociedade. Porém, para além da discussão sobre competências e atribuições profissionais, considero o Depoimento Sem Dano uma afronta aos Direitos Humanos, tanto do infante quanto do adulto e, uma ruptura com o princípio do contraditório, considerando estritamente aquilo que é caro ao Direito. Há ainda que se considerar que as resoluções do CFESS e do CFP foram caçadas, liminarmente, Pelo Poder Judiciário Federal. A derrubada das resoluções, segundo minha análise, também de (assistentes sociais, juízes & promotores) configura-se uma intromissão no que diz respeito à capacidade técnica dos Conselhos de Classe das Profissões Regulamentadas de dizerem dos limites ético-técnicos-políticos de suas respectivas profissões. No entanto, conforme já sinalizado, isto diz de disputas, também internas às categorias profissionais, mas não somente, sobre o que seria os fazeres de e de assistentes sociais. Movediço e temerário terreno... A serviço de quem o psicólogo que trabalha no judiciário deve pensar a sua prática? Trata-se uma questão que tem posicionamentos dispares. Digno de nota apontar neste momento uma discussão que travei com um colega psicólogo em um egroup de Psicologia Jurídica 4, nos idos de Naquela oportunidade, estávamos a debater sobre a necessidade/obrigatoriedade de entrevistas de devolução/restituição do trabalho realizado com os jurisdicionados. O tema, salvo engano, teria sido aquecido, não apenas em função da Psicologia e sua relação com a Justiça, mas devido a situações atinentes à Psicologia e suas práticas em Recrutamento e Seleção de trabalhadores a empregos. Sinalizei naquela discussão on line que compreendia que os psi deveriam sim restituir/devolver ao jurisdicionado o teor daquilo que escreveria em seu relatório. Meu posicionamento ético-político foi atacado, violentamente, por um colega que afirmou, não estritamente deste modo, pois faz muitos anos para eu lembrar exatamente dos termos, que eu seria um profissional equivocado, que estaria a confundir psicodiagnóstico ou psicoterapia com o fazer da Psicologia Jurídica. Disse ainda o dileto colega que, seu cliente seria o juiz, não o jurisdicionado. Este seria cliente do advogado/defensor público, a quem deveria se endereçar, caso desejasse conhecer do laudo (prefiro relatório de estudo psicológico ) produzido, o qual se encontrava, devidamente, anexado aos autos. 4 Tenho críticas este modo de nomear, pois não apreendo que exista, efetivamente, uma Psicologia que seja Jurídica, mas isto é uma outra história.

7 Não diria de falta ética do colega referido, mas de uma ética que não àquela que eu afirmo na vida enquanto profissional psi. Situo ainda que somos posicionados a partir de um Código de Ética Profissional, o qual, para mim, está longe de dizer de uma ética, mas de uma conduta moral, balizada por um coletivo de produzido pelo Sistema Conselhos de Psicologia, democraticamente, eleito pela categoria profissional, para levar a termo tal atribuição. Situo que o nosso Código de Ética Profissional, em seus princípios fundamentais, inciso VII diz que: O psicólogo considerará as relações de poder nos contextos em que atua e os impactos dessas relações sobre as suas atividades profissionais, posicionandose de forma crítica e em consonância com os demais princípios deste Código. Diz ainda em seu Artigo 1º: São deveres fundamentais dos psicólogos: f) Fornecer, a quem de direito, na prestação de serviços psicológicos, informações concernentes ao trabalho a ser realizado e ao seu objetivo profissional; g) Informar, a quem de direito, os resultados decorrentes da prestação de serviços psicológicos, transmitindo somente o que for necessário para a tomada de decisões que afetem o usuário ou beneficiário. A partir destas três referências de nosso Código de Ética/Conduta Profissional, penso que proceder à restituição/devolutiva do trabalho realizado com os usuários de nossos serviços, independente do espaço organizacional da prática, seja uma baliza da qual o jamais poderia se furtar, independente de suas afirmações ética no mundo. Afinal, isto diz os norteadores legais de nossa profissão. Como o psicólogo deve construir sua prática pensando no trabalho em rede para garantia de direitos das crianças, adolescentes e idosos? Posso dizer do modo como temos construído o trabalho na VIJI de São Gonçalo. Penso que cada equipe, em seu contexto de intervenção, precisará desenhar o caminho a ser percorrido. Mais que isso, esse desenho há de ser revisto sempre, visto ser a realidade dinâmica. Apreendo que a pergunta já aponta o norte do caminha: trabalho em rede. A ruptura com verdades ahistóricas talvez seja a única premissa, a partir da qual todo o trabalho a de ser desenvolvido. Aposto na transdisciplinaridade como método, considerando que, o ato de transdisciplinarizar rompe com modelos hierárquicos de saberes e setores. Desde modo, carecemos estar juntos à educação, saúde, assistência social, Organizações Não Governamentais, sempre pronto a escutar a diferença, afirmando-a, notadamente naquilo que nos inquieta. Há que se considerar as instituições que atravessam e são atravessadas por nossos fazeres profissionais, os quais precisam ser reconhecidos enquanto acontecimentos políticos. Isto ocorre em cada atendimento: individual, familiar, em grupo, nas reuniões de equipe, tanto institucional quanto interinstitucional, momento nos quais podemos forjar saídas que não estejam enquadradas nos marcos legais que disciplinam nossas práticas, afinal, a vida é, sempre, mais rica que teorias e leis que nos normatizam. Que venha o sol, que venha a chuva, que venha a vida e nos inundem de verdades a serem produzidas no cotidiano, com aqueles a quem o judiciário nos convida a sermos polícia e, indisciplinadamente, fazemos outra coisa.

8 - Sugestões bibliográficas sobre o tema ARANTES, E.M.M. Confissão das Crianças o que a antiga pastoral cristã pode ensinar a juízes, psicólogos e assistentes sociais. In: Consulex Revista Jurídica. Ano XVII Nº 406, 15 de dezembro de Pp ARANTES, E.M.M. Pensando o direito da criança de ser ouvida e ter sua opinião levada em consideração. In: AASPTJ-SP; CRESS-SP (Org.). Violência sexual e escuta judicial de crianças e adolescentes: a proteção de direitos segundo especialistas ARANTES, M.de M. Pensando a proteção integral: contribuições ao debate sobre proposta de inquirição judicial de crianças e adolescentes como vítimas e testemunhas de crimes. In: Falando sério sobre a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência e a rede de proteção Propostas do Conselho Federal de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2009, p AZAMBUJA, R. F. de. A inquirição da vítima de violência sexual intrafamiliar à lluz do melhor interesse da criança. In: Falando sério sobre a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência e a rede de proteção Propostas do Conselho Federal de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2009, p BRITO, L. M. T. de. Diga-me agora... O Depoimento sem Dano em análise. In: Falando sério sobre a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência e a rede de proteção Propostas do Conselho Federal de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2009, p VALÊNCIO, N. & DARÓS, L.E.S. Tragédia das Águas em Niterói e a Condição de Abandonado dos Sobreviventes. In: VALÊNCIO, N. (Organizadora). Sociologia dos desastres construção e perspectivas no Brasil volume III. São Carlos: RiMa Editora, FONSECA, T.M.G., NASCIMENTO, M.L. & MARASCHIN, C. Pesquisas na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, NASCIMENTO, M.L. (Organizadora). Pivetes: a produção de infâncias desiguais.niterói: Intertexto; Rio de Janeiro: Oficina do Autos, PASSOS, E. & BENEVIDES, R. Por uma política da narrativa, In: PASSOS, E, KASTRUP, V. & ESCÓSSIA, L da. (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e Produção de Subjetividade. Porto Alegre: Salina, 2009.

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar Serviço de Apoio aos Psicólogos A) PROJETOS SÍNTESE

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

DEPOIMENTO ESPECIAL NO BRASIL

DEPOIMENTO ESPECIAL NO BRASIL DEPOIMENTO ESPECIAL 20 a 23 de agosto TJPE e Childhood Brasil promovem seminário e capacitação em entrevista forense com crianças vítimas de abuso sexual Em parceria com o Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Janeiro/2015 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça de Santa Catarina Psicólogo

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação NOTA sobre atribuições do cargo de Analista de Assistência e Desenvolvimento Social/Serviço Social contido no PL 312/2014 da Prefeitura Municipal de São Paulo. O CRESS/SP - 9º Região vem a público informar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Corregedoria Geral da Justiça Processo DEPE 1.1 Autuação Provisória s/nº fls. 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA PSICÓLOGOS E ASSISTENTES SOCIAIS JUDICIÁRIOS - REALIZAÇÃO DE EXAMES CRIMINOLÓGICOS, ATENDIMENTO PSICOTERÁPICO

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS

A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS A Gestão inclui: A coordenação dos recursos humanos e do trabalho em equipe interdisciplinar; Planejamento, monitoramento e avaliação; O registro de informações;

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Senhoras e Senhores:

Senhoras e Senhores: Senhoras e Senhores: Uso a palavra em nome de todas as entidades governamentais e nãogovernamentais parceiras do Programa Justiça para o Século 21. E não é sem razão. Esse é, para todos nós, um momento

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE CIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE CIJ XXI CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MAGISTRADOS E PROMOTORES DE JUSTIÇA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ABMP EXPERIÊNCIA PROGRAMA DE ASSESSORIA PSICOLÓGICA NOS PROCEDIMENTOS JUDICIAIS E EXTRA JUDICIAIS

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS Informações enviadas pelos CRESS: 1ª. PA; 2ª. MA; 5ª. BA; 6ª.-MG; 7ª. RJ; 10ª. RS; 11ª. PR; 12ª-SC; 13ª.

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Resolução da Corregedoria Geral de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Escola

Leia mais

VARAS DE FAMÍLIA ESPAÇO DE PRÁTICA PROFISSIONAL PARA O SERVIÇO SOCIAL

VARAS DE FAMÍLIA ESPAÇO DE PRÁTICA PROFISSIONAL PARA O SERVIÇO SOCIAL VARAS DE FAMÍLIA ESPAÇO DE PRÁTICA PROFISSIONAL PARA O SERVIÇO SOCIAL BARROS, Maria Angélica Mercer de. (Supervisora de campo), e-mail: mamb@tjpr.jus.br HOLLZMANN, Liza (Supervisora Acadêmica), e-mail:

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Apresentação O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 24 anos este ano, mas sua história

Leia mais

Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009

Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009 Depoimento Sem Dano Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009 Texto DR. Breno Beutler Júnior DR. José Antônio Daltoé Cezar Expediente projeto gráfico e Ilustrações Paulo Guilherme Marques Taylor

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência O que é a Defensoria Pública? A Defensoria Pública do Estado é uma Instituição permanente

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Intervenção do M. P. na investigação de paternidade, após a lei 8.560/92 Rodrigo Pacheco Marques* Nos termos do artigo 82, I, do Código de Processo Civil, é obrigatória a intervenção

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

SOCIAL ASSISTENTE. Um guia básico para conhecer um pouco mais sobre esta categoria profissional

SOCIAL ASSISTENTE. Um guia básico para conhecer um pouco mais sobre esta categoria profissional ASSISTENTE SOCIAL Um guia básico para conhecer um pouco mais sobre esta categoria profissional CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL - CFESS CONSELHOS REGIONAIS DE SERVIÇO SOCIAL - CRESS Você já ouviu falar

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Grande parte das separações produz efeitos traumáticos que vêm acompanhados

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL Área Temática: Educação Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Nelson Miguel Betzek, Vanderlei Roberto Marques 2,

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS

MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS Área: CÍVEL E ESPECIALIZADAS Autoras: Bettina Estanislau Guedes Maria Ivana Botelho Vieira da Silva I. INTRODUÇÃO Nunca é demais relembrar

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Estudo sobre o Atendimento realizado pelos Assistentes Sociais e Psicólogos Judiciários admitidos a partir de junho de 2007 Conforme decidido em Assembléia Geral da AASPTJ-SP, em 08/08/09, diante da aprovação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL?

ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? ABRIGAMENTO: MEDIDA DE PROTEÇÃO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL? Marilia Borges 1 INTRODUÇÃO Pretende-se apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que teve como perspectiva compreender se as medidas de proteção

Leia mais

ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO

ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO ENUNCIADOS DO FORUM NACIONAL DA MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO Semestralmente o Fórum Nacional da Mediação e Conciliação se reúne e promove discussões objetivando levantar boas práticas que possam aprimorar o

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

PRÁTICAS DA PSICOLOGIA EM SITUAÇÕES DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS NO CREAS

PRÁTICAS DA PSICOLOGIA EM SITUAÇÕES DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS NO CREAS PRÁTICAS DA PSICOLOGIA EM SITUAÇÕES DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS NO CREAS Marcelo Gomes Pereira Júnior Mestrando em Psicologia pela Puc-Minas Psicólogo do CREAS de Nova Lima Psicólogo Clínico 23/04/13 Objetivos

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais