Comportamento ético do Contador - Conciliando Interesses, Administrando pessoas, informações e recursos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento ético do Contador - Conciliando Interesses, Administrando pessoas, informações e recursos."

Transcrição

1 Comportamento ético do Contador - Conciliando Interesses, Administrando pessoas, informações e recursos. Thiago Silva Lima Resumo A contabilidade é um ramo muito importante em se falando de ética já que esse é um ramo que trata com quantias de dinheiro muito grandes e ser o ramo em que a profissão contábil registra todas as movimentações de determinada empresa e também por estarem responsável pela prestação de contas do governo. Por isso essas áreas devem ter um grande cuidado quando o assunto em pauta é agir com ética. Palavras-chave: ética, contabilidade, profissão, agir com ética. 1 INTRODUÇÃO A ética sempre fez parte da responsabilidade do profissional moderno, seja ele médico, contador ou mesmo um profissional sem formação, pois a sociedade exige do profissional um comportamento ético. É cada vez mais comum ouvir falar em código de ética e também comissões de éticas que surgem justamente com esses códigos. No ramo da contabilidade a ética é imprescindível já que se trata de um trabalho que lida com quantias imensas de dinheiro e também com a possibilidade de pagar ou não pagar os impostos devidos, não somente na contabilidade particular, mas também nos toca a contabilidade publica, pois de se avaliar como tanto dinheiro público surge e some sem ninguém ver nenhuma aplicação do mesmo. Há também o lado do profissional da contabilidade (contabilista) que fica tentado a ganhar mais dinheiro facilmente e também manter aquele cliente que tentará

2 achar alguém para fazer o trabalho de sonegação. Como manter o cliente e mesmo assim ter lucro tu dentro da ética e das leis fiscais. 2 A ÉTICA NA CONTABILIDADE A contabilidade como uma profissão que requer atenção, pela natureza intrínseca da profissão possui um código de ética que lida com as maiorias das situações possíveis sobre o que seriam os deveres e as vedações ao contabilista. O código de ética supracitado foi estabelecido pela resolução do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) de Nº 803/96. É um código muito atual se for comparado a outros códigos como o de medicina (88) e o da OAB (94). Ele veio para disciplinar à atuação do contador e sem duvida tem uma importância muito grande apesar de suas penas não serem tão pesadas. Quando se fala de ética profissional vêm em destaque os profissionais que almejam crescer em detrimento do outro que é vedado pelo código de ética no seu artigo 3º. Apesar de existir este artigo que veda é muito difícil sua aplicação, pois o rol de acontecimentos que denigram a imagem de outro profissional é muito extenso. Pois é muito difícil fiscalizar um profissional agindo de má fé, pois seria uma falta de ética diminuir a remuneração de um trabalho, visto que quando será falta de ética e quando será apenas disputa de mercado? Admitindo-se que o profissional deve avaliar o mercado e estudar os preços dos serviços prestados, portanto não oferecendo o seu trabalho a uma quantia tão dispare do aplicado no mercado, sendo que uma diferença muito grande enquadra-se no artigo 3º do código de ética profissional do contador. 3 ÉTICA NO DESEMPENHO DA FUNÇÃO Não há de se ver somente a ética com seu colega de profissão, mas principalmente na sua atuação nas empresas pela sua importância na empresa.

3 O Contador deve ter ética profissional, pois tem conhecimento de informações de grande relevância dentro de uma empresa. E o fato de lidar com estas informações que marcam a atividade do profissional de contabilidade. (Oliveira, 2006, p. 2) Tendo que o contador tem de agir de modo equilibrado já que trabalha para uma empresa que certamente busca lucro e que mesmo assim precisa pagar os impostos e contribuições alem de fazer suas elaborações contábeis no fim do período. Como o código de ética do contador diz a ele que deve ter em sigilo as informações contábeis mais relevantes para a empresa surge a duvida se esta informação não estaria sendo um tipo de sonegação já que o governo talvez não tivesse acesso a um lançamento que interferiria drasticamente com o resultado do Imposto de Renda e Contribuição Social. Então se vê o quão é difícil para o profissional manter uma relação equilibrada entre governo e cliente ambos querendo tirar o melhor proveito das situações existentes, também têm de se reparar quando o contabilista esta praticando a contabilidade gerencial para ver se não esta ferindo nenhum princípio ético. Administrar recursos, informações ou pessoas o profissional não pode fugir aos princípios éticos, pois o tempo do profissional espertinho aquele que pode burlar as leis já passou, sendo, portanto o profissional ético o mais valorizado pela sociedade e principalmente pelos seus clientes. 4 CONTABILIDADE PÚBLICA E ÉTICA Nunca se ouviu tanto falar em gastos descontrolados do governo e sem aplicabilidade em investimentos que possam ser vistos pelo contribuinte. Surge ai então a contabilidade da maquina publica já que as contas públicas têm de ser contabilizadas, onde estão essas contas realizadas neste âmbito e onde estão os profissionais que fazem essa contabilização. Algumas definições dizem que a contabilidade publica é o ramo da contabilidade que registra, controla e demonstra a execução dos orçamentos, dos atos e fatos da fazenda pública e o patrimônio público e suas variações. Sendo assim, que deve registrar todos os atos há de se pensar que esses profissionais estão agindo com ética na

4 hora de fazer tais registros e se estão fazendo será que esta de acordo com o que verdadeiramente esta acontecendo. Não que no ramo da contabilidade pública não há pessoas éticas, mas que apenas um agindo sem ética prejudica toda a coisa pública e todos os contribuintes do Brasil. Agir com ética é importante em todos os parâmetros, mas na gestão publica deve ser a mais ética por se tratar de dinheiro de todos e numa quantia muito volumosa. 5 CONCLUSÃO O profissional contábil tem um código de ética que é muito completo e atual. A ética para o contador é requisito básico, pois há de se tratar de recursos não só materiais (dinheiro), mas com pessoas e também informações que podem ser importantes para toda uma sociedade e não apenas para alguns poucos (clientes). A contabilidade é muito importante pelos seus lançamentos para os clientes, mas também é essencial para o fisco, por isso é tão importante para o contador agir com ética. O contador que agir sem ética certamente será excluído do mercado, porque quem não age com ética esta prejudicando todos seus colegas de trabalho e também seu cliente que terá que ressarcir o erário pela sua sonegação. Portanto, agir com ética é imprescindível não só para o contador, mas para todos vemos que há muitas evoluções no campo da ética com a criação de códigos e comissões que julgarão as ações éticas dos profissionais, esta cada vez mais difícil agir sem ética, mas isso só será definitivo se houve uma colaboração dos novos profissionais saindo das universidades e sabendo que quem não ser ético será punido.

5 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC nº 803, de 10 de outubro de In: Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de Contabilidade. Brasília. OLIVEIRA, Graciela Ap.Bueno de. atuação dos profissionais de contabilidade no conceito da ética. Revista científica eletrônica de ciências contábeis, p.

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIÁRIAS SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO EMPRESAS Curitiba 2008 2 1 - CONCEITO O Sistema ISS Curitiba

Leia mais

Paulo Lins Goes 069.047.005-30. Cópia do supra citado termo de notificação, poderá ser obtido no mesmo endereço de atendimento apontado acima.

Paulo Lins Goes 069.047.005-30. Cópia do supra citado termo de notificação, poderá ser obtido no mesmo endereço de atendimento apontado acima. EDITAL DE CONVOCAÇÃO/ INTIMAÇÃO Nº. 181/2015 (EMITIDO PELA ) principais e acessórias apontadas na notificação n 191/2015, lavrada por este fisco em 28/10/2015, objeto do Processo Administrativo fiscal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre:

Nesse artigo falaremos sobre: Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O que é custo de oportunidade Exemplo de custo de oportunidade em uma planilha de

Leia mais

OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO

OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO Nº da vaga: 1411 Curso(s): Comunicação social (jornalismo e relação públicas) Requisito: A partir do 5º período Acompanhar a busca de noticias; Atuar em pesquisas na Atividades a serem internet; Auxiliar

Leia mais

2 Passos para Ganhar dinheiro com o Google Exatamente isso que você leu no texto acima! É possível ganhar dinheiro online utilizando uma ferramenta

2 Passos para Ganhar dinheiro com o Google Exatamente isso que você leu no texto acima! É possível ganhar dinheiro online utilizando uma ferramenta Teste 2 Passos para Ganhar dinheiro com o Google Exatamente isso que você leu no texto acima! É possível ganhar dinheiro online utilizando uma ferramenta chamada google adsense. Se você ainda não conhece

Leia mais

Mint Capital. Poupança & Gastos. Como diminuir a distância entre onde você está e onde você quer chegar.

Mint Capital. Poupança & Gastos. Como diminuir a distância entre onde você está e onde você quer chegar. Mint Capital Poupança & Gastos Como diminuir a distância entre onde você está e onde você quer chegar. Índice 1. Introdução 2. Crie Um Orçamento 3. Comece a Poupar 4. Leia mais no Mastervalue! Introdução

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 08, ANO III AGOSTO DE 2011 1 TRIBUNAL AMPLIA POSSIBILIDADE DE USO DE CRÉDITOS DA COFINS. Empresa ganha direito a se creditar de PIS e

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre: Porque a redução de custos é tão importante. Como fazer redução de custos usando o seu fluxo de caixa

Nesse artigo falaremos sobre: Porque a redução de custos é tão importante. Como fazer redução de custos usando o seu fluxo de caixa Este conteúdo faz parte da série: Fluxo de caixa Ver 13 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Porque a reduçaõ de custos é tão importante Como reduzir custos na prática Dois exemplos de redução

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 235/XIII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º 235/XIII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 235/XIII/1.ª OBRIGA À PUBLICAÇÃO ANUAL DO VALOR TOTAL E DESTINO DAS TRANSFERÊNCIAS E ENVIO DE FUNDOS PARA PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES COM REGIME DE TRIBUTAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÚMA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÚMA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL PIÚMA ESTA ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO 001/11 PMP ANEXO I S, ESCOLARIDA, Nº,, E S. S DA ADMINISTRAÇÃO GERAL ESCOLARIDA S OBJETIVAS Nº. 01 Servente 4ª série ou 5º ano do Ensino

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

AS DESVANTAGENS DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NÃO LEGALIZADO

AS DESVANTAGENS DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NÃO LEGALIZADO AS DESVANTAGENS DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NÃO LEGALIZADO Eduardo Pimenta BERNARDES 1 ¹ Nathalia de Mello MENDONÇA ² Everson José JUAREZ ³ RESUMO: O presente trabalho enfoca a problemática existente

Leia mais

Revelado o Segredo Da maquina de vender online

Revelado o Segredo Da maquina de vender online Revelado o Segredo Da maquina de vender online A Máquina de Vendas OnLine Funciona? O que você VAI encontrar: Tudo que você precisa saber sobre o curso. Se você já assistiu vídeos e leu artigos e ainda

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL, PENAL, PROFISSIONAL E PREVENÇÕES

RESPONSABILIDADE CIVIL, PENAL, PROFISSIONAL E PREVENÇÕES RESPONSABILIDADE CIVIL, PENAL, PROFISSIONAL E PREVENÇÕES Palestrante: Marcio Massao Shimomoto Vice-Presidente Administrativo do SESCON-SP 12/11/2011 1 Somos mais de 489 mil profissionais no Brasil 290

Leia mais

Os centros de custo classificam-se em produtivos e administrativos e, eventualmente, em auxiliares.

Os centros de custo classificam-se em produtivos e administrativos e, eventualmente, em auxiliares. Setor de Custo / Centro de Custo Objetivo : Demonstrar o uso da nova rotina "Centro de Custo" Data : 01/07/2012 De acordo com as novas modificações que estamos implantando no SIF, modificamos a alguns

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL-ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR

GESTÃO CONTÁBIL-ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR GESTÃO CONTÁBIL-ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Orleans Silva Martins Origem e Significado da Expressão Terceiro Setor Terceiro Setor é uma expressão ainda pouco utilizada no Brasil visto

Leia mais

15.053 26 de fevereiro de 2002

15.053 26 de fevereiro de 2002 15.053 26 de fevereiro de 2002 Análise de Sensibilidade apresentado como Perguntas Freqüentes Pontos ilustrados em um exemplo contínuo de fabricação de garrafas. Se o tempo permitir, também consideraremos

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. Recurso de Contabilidade Financeira III

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. Recurso de Contabilidade Financeira III Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III 2º Ano; Turmas A; Turno Noite; Data: 25/07/2013 Aluno nº: Nome: Recurso de Contabilidade Financeira III Georgina Ribeiro, Empresaria e Jurista,

Leia mais

Texto extraído do SITE JUSMILITARIS www.jusmilitaris.com.br PODE O MILITAR DA ATIVA PARTICIPAR DO QUADRO SOCIETÁRIO DE EMPRESA PRIVADA?

Texto extraído do SITE JUSMILITARIS www.jusmilitaris.com.br PODE O MILITAR DA ATIVA PARTICIPAR DO QUADRO SOCIETÁRIO DE EMPRESA PRIVADA? PODE O MILITAR DA ATIVA PARTICIPAR DO QUADRO SOCIETÁRIO DE EMPRESA PRIVADA? Abelardo Julio da Rocha 1 INTRODUÇÃO Há algum tempo tenho sido interpelado por oficiais e praças, tanto das Forças Armadas quanto

Leia mais

Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para. Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias

Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para. Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias Profissional da contabilidade Apresentação Empresário Serviços Assessoria Contábil. Professor Faculdade de

Leia mais

ABERC NEWS 22ª Edição 19/02/2016

ABERC NEWS 22ª Edição 19/02/2016 22ª Edição 19/02/2016 Que 2016 você quer para sua empresa? Ainda há tempo para escolher entre dois cenários para 2016. Um dos cenários é aquele em que ficamos paralisados diante dos indicadores e comentários

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Fundamentos da microeconomia Introdução à Microeconomia Capítulo II Microeconomia: é o ramo da economia que trata do comportamento das unidades econômicas individuais (consumidores, empresas, trabalhadores

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

LEI Nº 10.180, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2001

LEI Nº 10.180, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2001 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 10.180, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2001 Organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal,

Leia mais

Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback

Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback Liziane Angelotti Meira AUDITORA FISCAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COSIT/DIVISÃO DE TRIBUTOS SOBRE O COMÉRCIO

Leia mais

O resultado de um estudo de viabilidade econômica

O resultado de um estudo de viabilidade econômica Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O resultado de um estudo de viabilidade Como fazer análise de cenários Relatório

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita ao Banco do Brasil

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita ao Banco do Brasil , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita ao Banco do Brasil Brasília - DF, 16 de agosto de 2006 Meu caro Rossano, presidente do Banco do Brasil, Meu caro companheiro Paulo Bernardes, ministro do Planejamento,

Leia mais

Qual é a melhor saída em tempos de crise O que analisar ao fazer um controle financeiro A ferramenta certa para 0 controle financeiro da sua empresa

Qual é a melhor saída em tempos de crise O que analisar ao fazer um controle financeiro A ferramenta certa para 0 controle financeiro da sua empresa Nesse artigo falaremos sobre: Qual é a melhor saída em tempos de crise O que analisar ao fazer um controle financeiro A ferramenta certa para 0 controle financeiro da sua empresa Qual é a melhor saída

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.074, DE 2011 Altera a Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, que regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

Leia mais

A APAE Barueri é uma organização da sociedade civil. Sem fins lucrativos, voltada à pessoa com deficiência.

A APAE Barueri é uma organização da sociedade civil. Sem fins lucrativos, voltada à pessoa com deficiência. DOAR É UM ATO DE AMOR - APAE BARUERI A APAE Barueri é uma organização da sociedade civil. Sem fins lucrativos, voltada à pessoa com deficiência. Fundada em 1996, integra uma federação de entidades similares,

Leia mais

e-book 6 PASSOS PARA IMPLANTAR GESTÃO POR RESULTADOS E COMPROMETER SUA EQUIPE www.smartleader.com.br

e-book 6 PASSOS PARA IMPLANTAR GESTÃO POR RESULTADOS E COMPROMETER SUA EQUIPE www.smartleader.com.br e-book ÍNDICE SEU CONTEÚDO PRIMEIRO PASSO SENSIBILIZAR As principais técnicas para sensibilizar sua equipe 03 SEGUNDO PASSO CRIAR OBJETIVOS A importância de definir objetivos para a empresa 06 TERCEIRO

Leia mais

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim O fluxo de caixa é um dos demonstrativos mais importantes do dia a dia de trabalho de qualquer gestor financeiro. Além de fornecer informações essenciais

Leia mais

MOVIDA PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ/MF 21.314.559/0001-66 NIRE 3530047210-1

MOVIDA PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ/MF 21.314.559/0001-66 NIRE 3530047210-1 MOVIDA PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ/MF 21.314.559/0001-66 NIRE 3530047210-1 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 10 DE JULHO DE 2015 Data, hora e Local:

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O crédito presumido do IPI e seus reflexos contábeis e tributários Márcio Damasceno* A contabilização do Crédito Presumido do IPI instituído pelas Leis 9.363/96 e 10.276/01 tem sido

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. Prof. Eric Duarte Campos

AUDITORIA CONTÁBIL. Prof. Eric Duarte Campos AUDITORIA CONTÁBIL Prof. Eric Duarte Campos Objetivo da Aula Já descobrimos anteriormente que a auditoria é abrangente e representa instrumento ímpar no auxílio aos seus principais usuários, além de verificarmos

Leia mais

LE 702 a 727 676. Por que o trabalho se impõe ao homem? Por ser uma consequência da sua natureza corpórea. É expiação e, ao mesmo tempo, meio de aperfeiçoamento da sua inteligência... Q. 719 É natural

Leia mais

Vossa Referência Vossa Comunicação Nossa Referência Proc. R-1387/11 (A4)

Vossa Referência Vossa Comunicação Nossa Referência Proc. R-1387/11 (A4) Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Valença Praça da República 4930-702 Valença Vossa Referência Vossa Comunicação Nossa Referência Proc. R-1387/11 (A4) Assunto: Reclamação apresentada pelo

Leia mais

DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROF. BENADILSON

DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROF. BENADILSON RESOLVA AS QUESTÕES DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROF. BENADILSON 1) Qual o conceito de Contabilidade? 2) Cite três usuários da Contabilidade. 3) Para quem é mantida a Contabilidade? 4) Qual a diferença

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

GESTÃO DAS FINANÇAS PESSOAIS. A fórmula de ouro. Rubie José Giordani

GESTÃO DAS FINANÇAS PESSOAIS. A fórmula de ouro. Rubie José Giordani GESTÃO DAS FINANÇAS PESSOAIS A fórmula de ouro Rubie José Giordani 1 Copyright 2015 by Rubie José Giordani 3 a Edição junho de 2015 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida,

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL Walter celebrou, com o banco Beta, contrato que estabelecia que a instituição financeira disponibilizaria R$ 20.000,00 em sua conta-corrente, por isso cobrando-lhe

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 Fundamentos de Contabilidade Professor Isnard Martins Contas Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 Conceito Na linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta?

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre: Tipos de Riscos. Aprenda a fazer análise de riscos com o método William T. Fine

Nesse artigo falaremos sobre: Tipos de Riscos. Aprenda a fazer análise de riscos com o método William T. Fine Este conteúdo faz parte da série: Gestão de Riscos Ver 2 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Tipos de Riscos Como fazer análise de riscos Como o método William T. Fine pode te ajudar ainda

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014) 01. CIRCULAR DA CEF APROVA LEIAUTE DO esocial CIRCULAR Nº 642, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial A Constituição Federal do Brasil Constituição Federal do Brasil de 05 de outubro de 1988: importante carta que trouxe o regime democrático e, com ele, direito e garantias

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA À INSTRUÇÃO CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011

NOTA EXPLICATIVA À INSTRUÇÃO CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011 Ref: Instrução CVM Nº 489, DE 14 DE JANEIRO DE 2011, que dispõe sobre a elaboração e divulgação das Demonstrações Financeiras dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC e dos Fundos de Investimento

Leia mais

Introdução ao Controle de Estoques

Introdução ao Controle de Estoques Este conteúdo faz parte da série: Estoques Ver 5 posts dessa série Introdução ao Controle de Estoques Independentemente do ramo da empresa, todo empreendedor deve atentar-se a algumas atividades administrativas

Leia mais

O Papel da Controladoria sob o Enfoque da Gestão Econômica

O Papel da Controladoria sob o Enfoque da Gestão Econômica O Papel da sob o Enfoque da Gestão Econômica Prof. Carlos Alberto Pereira : necessidade ou modismo??? Foco: para se alcançar os objetivos é preciso clarificá-los Sinergia: a otimização isolada das partes

Leia mais

CURSO ONLINE: FLUXO DE CAIXA

CURSO ONLINE: FLUXO DE CAIXA CURSO ONLINE: FLUXO DE CAIXA 2 O que é Fluxo de Caixa A administração da liquidez é uma das atividades mais importantes do administrador financeiro. Para desempenhar essa função, o profissional de finanças

Leia mais

Manual de Lançamentos Contábeis: Desfalque, Roubo ou Furto de Mercadorias

Manual de Lançamentos Contábeis: Desfalque, Roubo ou Furto de Mercadorias Manual de Lançamentos Contábeis: Desfalque, Roubo ou Furto de Mercadorias Resumo: O desfalque, roubo ou furto de mercadorias infelizmente é muito comum nas empresas, principalmente nas que produzem e comercializam

Leia mais

Indice de Liquidez Corrente

Indice de Liquidez Corrente ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONARIOS BANCO DO NORDESTE DO BRASIL CNPJ 10.490.464/0001-87 Nº de Ordem 1054 DEMONSTRAÇÃO DOS INDICADORES DE CAPACIDADE DE PAGAMENTO Demonstrações Contábeis Realizadas em 31 de dezembro

Leia mais

EGON BOCKMANN MOREIRA

EGON BOCKMANN MOREIRA EGON BOCKMANN MOREIRA Advogado. Doutor em Direito. Prof. Faculdade de Direito UFPR Prof. Visitante da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Prof. Convidado da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região Alagoas PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - 16/04/2016

Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região Alagoas PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - 16/04/2016 Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região Alagoas PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - 16/04/2016 Nome do Candidato Nº. Insc. ATENÇÃO 01. Escreva o seu nome e nº. de inscrição

Leia mais

CIRCULAR Nº 8/2010. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

CIRCULAR Nº 8/2010. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Direcção de Serviços do IRC Contratos de construção Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Artigo 19.º (Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 159/2009, de 13 de Julho) Tendo sido

Leia mais

FISHBOWL: Como sair do básico em busca de produtividade e inovação

FISHBOWL: Como sair do básico em busca de produtividade e inovação FISHBOWL: Como sair do básico em busca de produtividade e inovação Facilitador: Matheus Haddad (Webgoal) Estamos descobrindo novas formas de inovar ao mesmo tempo em que buscamos manter uma boa produtividade

Leia mais

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 CONTABILIDADE X CUSTOS Contabilidade é a ciência que

Leia mais

MATERIAL BÁSICO GESTÃO FINANCEIRA PESSOAL

MATERIAL BÁSICO GESTÃO FINANCEIRA PESSOAL MATERIAL BÁSICO GESTÃO FINANCEIRA PESSOAL Rua do Paraíso, 760 / Rua Oliveira Melo, 474 +55 11 3937 9900 / 3738 7000 www.sigmasolucoes.com.br INTRODUÇÃO A maneira como lidamos com o dinheiro, é herança

Leia mais

AMANDA, CONSULTORA MARY KAY EM RIO DAS OSTRAS

AMANDA, CONSULTORA MARY KAY EM RIO DAS OSTRAS AMANDA, CONSULTORA MARY KAY EM RIO DAS OSTRAS Consultora desde novembro/2015 Analista de operações em uma empresa no ramo de óleo e gás (crise econômica, crise política, baixo preço do petróleo a nível

Leia mais

CONTABILIDADE EM TEMPO REAL

CONTABILIDADE EM TEMPO REAL CONTABILIDADE EM TEMPO REAL A EMPRESA A SINC CONTABILIDADE é uma organização especialista em assessoria nas áreas: CONTÁBIL, FISCAL, SOCIETÁRIA e TRABALHISTA. Contamos com uma equipe de profissionais qualificados

Leia mais

A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES

A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Socio-Econômicas e Humanas de Anápolis CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES Aluno: Marx Fidel e Silva

Leia mais

Guilherme Tostes COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS E PRERROGATIVAS DO PROFISSIONAL CONTÁBIL

Guilherme Tostes COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS E PRERROGATIVAS DO PROFISSIONAL CONTÁBIL Guilherme Tostes COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS E PRERROGATIVAS DO Todos estão sujeitos aos direitos e deveres expressos em Lei. PRIVADO Tudo se pode a não ser que a Lei expresse em contrário Proibição

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL 1. INTRODUÇÃO A implementação de controles via ERP dentro das empresas visam aperfeiçoar o fluxo operacional tornando mais racional e célere a comunicação e a

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 031/2015 24/05/2015

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 031/2015 24/05/2015 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 031/2015 24/05/2015 O SESI Serviço Social da Indústria torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas, observados os requisitos mínimos

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotada de personalidade

Leia mais

A construção de valores morais

A construção de valores morais TEMA DO TRABALHO: A construção de valores morais NOME COMPLETO E LEGÍVEL: EMPRESA QUE TRABALHA: FAÇA UM X DIA DA SUA SIMULTANEIDADE: 2ª feira ( ) 3ª feira ( ) 4ª feira ( ) 5ª feira ( ) 6ª feira ( ) sábado

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Plenário Adriano Jorge, em 22 de abril de 2014. PROFESSOR BIBIANO PT VEREADOR

Plenário Adriano Jorge, em 22 de abril de 2014. PROFESSOR BIBIANO PT VEREADOR PROJETO DE LEI Nº121/2014 Dispõe sobre o desenvolvimento da política de acompanhamento especial para alunos da Rede Municipal de Ensino de Manaus que são portadores de doenças neurológicas e dá outras

Leia mais

Portal das Finanças continua inoperacional

Portal das Finanças continua inoperacional Portal das Finanças continua inoperacional Milhares de técnicos oficiais de contas passam noites em claro para conseguir entregar declarações fiscais. E nem assim conseguem dar resposta ao afluxo de trabalho.

Leia mais

6 Idéias de Negócio para Internet

6 Idéias de Negócio para Internet 6 Idéias de Negócio para Internet 1. Consultoria Empresarial Se você já atua no ramo de consultoria empresarial, ou possui experiência nos negócios suficiente para oferecer técnicas voltadas para solução

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS E OS RISCOS ENVOLVIDOS

PRECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS E OS RISCOS ENVOLVIDOS PRECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS E OS RISCOS ENVOLVIDOS Sujeição Empresarial Direito Público Disciplina os interesses do estado e coletividade. Direito Privado Disciplina a relação entre os particulares.

Leia mais

Como ser uma(um) Consultora(or) de Sucesso????

Como ser uma(um) Consultora(or) de Sucesso???? Como ser uma(um) Consultora(or) de Sucesso???? Você sabe qual a principal dificuldade das consultoras Mary Kay? Ouvir NÃO!!! JÁ OUVIU A PALAVRA MATEMÁGICA??? Ciclo do Sucesso Não tenho contatos!!! Quando

Leia mais

PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES 1ª CÂMARA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE OUTUBRO DE 2008

PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES 1ª CÂMARA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE OUTUBRO DE 2008 PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES 1ª CÂMARA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE OUTUBRO DE 2008 Processo nº : 13851.000612/2005-46 Recurso nº : 159678 Recorrente : EMPRESA PAULISTA DE EMBALAGENS

Leia mais

O CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES

O CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES O CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES A natureza do Crescimento e do Envelhecimento das Organizações Flexibilidade Alta Controle Baixa CRESCIMENTO Plenitude ENVELHECIMENTO A natureza do Crescimento e do Envelhecimento

Leia mais

05/2011 Janeiro 2011 CÓDIGO CONTRIBUTIVO SEGURANÇA SOCIAL TRABALHADORES INDEPENDENTES 1/5

05/2011 Janeiro 2011 CÓDIGO CONTRIBUTIVO SEGURANÇA SOCIAL TRABALHADORES INDEPENDENTES 1/5 NOÇÃO O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social (Lei n.º 110/2009), apesar de ter sido publicado em Setembro de 2010, teve a sua entrada em vigor adiada para 1 de Janeiro

Leia mais

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização Disciplina: Orçamento Empresarial Contextualização A complexidade do ambiente onde as empresas atuam requer a adoção de estratégias e ferramentas adequadas para lidar com os constantes desafios e com a

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros como, por exemplo, do investimento em infra-estruturas de grande envergadura, do papel da RAEM como plataforma de serviços entre o Interior da China e os países de língua portuguesa, assim como da estratégia

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ENTE PÚBLICO MEDIANTE O USO DE QUOCIENTES

ANÁLISE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ENTE PÚBLICO MEDIANTE O USO DE QUOCIENTES IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 3 a 5 de agosto de 2003 Gramado RS ANÁLISE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ENTE PÚBLICO MEDIANTE O USO DE QUOCIENTES JOSÉ SÍLVIO BORN Contador CRCRS 322 Rua

Leia mais

QUER VENDER POR QUANTO?

QUER VENDER POR QUANTO? QUER VENDER POR QUANTO? Guia para definição de preços e sobre como realizar promoções. 1 QUER VENDER POR QUANTO? Guia para definição de preços e sobre como realizar promoções. 3 ÍNDICE Introdução 5 Capítulo

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC Exame de Suficiência Edição nº 1/2016 Contabilidade Aplicada ao Setor Público Aula 06 Prof. Marcio José Assumpção 1 Despesa pública: conceito, etapas, estágios e categorias

Leia mais

O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador

O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador Parte Geral - Doutrina O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador LUIZ EDUARDO DINIZ ARAÚJO Procurador Federal RAÍSSA ROESE DA ROSA Estudante de Direito da Universidade

Leia mais

Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária

Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária Nota Técnica n 009/2011/GECON (Revoga o Roteiro de Contabilização n. 002/2008/GECON) Vitória, 08 de dezembro de 2011. Assunto: Depósito Caução, Seguro Garantia e Fiança Bancária A presente Nota Técnica

Leia mais

CURRICULUM VITAE Fevereiro/2016

CURRICULUM VITAE Fevereiro/2016 CURRICULUM VITAE Fevereiro/2016 1 - DADOS PESSOAIS Nome: ALEXANDRE MARTINS NAVES Filiação: Olavo Martins Borges e Enedina Martins Naves Nascimento: 24/11/1961, Tupaciguara - MG Brasil Carteira de Identidade:

Leia mais

Assembléia Geral Extraordinária e Ordinária de 29 de abril de 2011 às 15:00 horas

Assembléia Geral Extraordinária e Ordinária de 29 de abril de 2011 às 15:00 horas FUNDAÇÃO ITAUBANCO PARTICIPAÇÃO EM ASSEMBLÉIA DE ACIONISTAS Em cumprimento ao disposto na Resolução CGPC nº 23 de 06 de dezembro de 2006, a qual estabelece que as Entidades Fechadas de Previdência Complementar

Leia mais

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas Autora: Begail da Silva Casagrande (UNIC) * Co-autor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: Administrar uma empresa não é uma tarefa fácil.

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DA CRUZ ALTA PARTICIPAÇÕES LTDA. A SER INCORPORADO PELA AÇÚCAR GUARANI S.A. BALANÇO BASE: 31 DE JANEIRO DE 2008

LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DA CRUZ ALTA PARTICIPAÇÕES LTDA. A SER INCORPORADO PELA AÇÚCAR GUARANI S.A. BALANÇO BASE: 31 DE JANEIRO DE 2008 LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DA CRUZ ALTA PARTICIPAÇÕES LTDA. A SER INCORPORADO PELA AÇÚCAR GUARANI S.A. BALANÇO BASE: 31 DE JANEIRO DE 2008 DADOS DA EMPRESA AVALIADORA 1. AMKS CONTADORES E CONSULTORES

Leia mais

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade Resultado Primário e Resultado Nominal Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Ementa Programa do Módulo 4 - RREO Resultado Primário e Nominal CH: 04 h Conteúdo: 1. Necessidades

Leia mais

NIF: 2401206078 Técn. Conta: 3211

NIF: 2401206078 Técn. Conta: 3211 NIF: 2401206078 Técn. Conta: 3211 Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Sociais PÓS GRADUAÇÃO EM GESTAO Encerramentos de Contas COM PROFESSOR MANUEL RIBEIRO SEBASTIAO 13-05-2016 2 Curso de

Leia mais

Erro & Fraude ERRO & FRAUDE. Autor: Sérgio Pastori.

Erro & Fraude ERRO & FRAUDE. Autor: Sérgio Pastori. ERRO & FRAUDE Autor: Sérgio Pastori. Este artigo foi elaborado sob a luz da Resolução CFC nº 836 - IT 03, de 22-02- 99, a qual explicita o item 11.1.4 (FRAUDE E ERRO) da NBC T-11.Tema, o qual mais do que

Leia mais

PREFEITURA DE LEBON RÉGIS SC CONCURSO PÚBLICO

PREFEITURA DE LEBON RÉGIS SC CONCURSO PÚBLICO EDITAL 01/2016 - ERRATA 02 PREFEITURA DE LEBON RÉGIS SC CONCURSO PÚBLICO A Comissão do Concurso Público torna pública a ERRATA 02que altera o Edital de abertura e os Anexos I, II e III. EDITAL DE ABERTURA

Leia mais