Tubulações Industriais. Profª Karla Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tubulações Industriais. Profª Karla Silva"

Transcrição

1 Tubulações Industriais Profª Karla Silva

2 Aula 1 Tubulações Industriais Tubos Materiais Processos de Fabricação Normalização Dimensional Meios de Ligação de Tubos

3 Bibliografia

4 Tubulações Industriais Definição: Conjunto de tubos e seus acessórios

5 Tubulações Industriais Tubos: são dutos fechados destinados ao transporte de fluidos, e geralmente são de seção circular. Conduto forçado, sem superfície livre. O termo usado para denominar um conjunto de tubos e seus acessórios é tubulação ou sistema de escoamento. Se for necessário, os tubos podem ter acabamento mais liso (sanitário) que os de fabricação padrão. Os tubos geralmente são definidos pelo diâmetro externo e a espessura da parede é de 1,5 mm para todos os diâmetros disponíveis no mercado, com exceção do tubo de 4" (tabela a seguir).

6 Tubulações Industriais Bitola (polegada) e espessura (mm) normalmente encontrada para tubos mantidos em estoque. Bitola (polegada) 1 1,5 2 2,5 3 4 Espessura da parede do tubo (mm) 1,5 1,5 1,5 1,5 1,5 2,0

7 CANO (D.N.) TUBO (D.E.) MANGUEIRA (D.I.)

8

9 Tubulações Industriais Nomenclatura:

10 Tubulações Industriais Aplicações: Distribuição de vapor para potência e/ou para aquecimento; Distribuição de água potável ou de processos industriais; Distribuição de óleos combustíveis ou lubrificantes; Distribuição de ar comprimido; Distribuição de gases e/ou líquidos industriais Transporte/distribuição de fluidos diversos.

11 Tubulações Industriais

12 Tubulações Industriais

13 Tubulações Industriais Custo: Em indústrias de processamento, indústrias químicas, refinarias de petróleo, indústrias petroquímicas, boa parte das indústrias alimentícias e farmacêuticas, o custo das tubulações pode representar 70% do custo dos equipamentos ou 25% do custo total da instalação.

14 Tubulações Industriais Fabricação de Tubos Tubos S/ Costura LAMINAÇÃO (rolling) EXTRUSÃO (extrusion) FUNDIÇÃO (casting) Tubos C/ Costura SOLDA (welding)

15 Tubos S/ costura: LAMINAÇÃO Laminador Oblíquo = Mannesmann

16 Tubos S/ costura: EXTRUSÃO

17 Tubos S/ costura: FUNDIÇÃO (líquido moldado!) Ferro fundido (Nodular) Aços especiais não forjáveis Concreto Cimento- amianto Barro-vidrado

18 Tubos C/ Costura: SOLDA Em Espiral (helicoidal) De Topo (butt-weld) Sobreposta (lap-weld)

19 Tubos C/ Costura: SOLDA Processos industriais + importantes: 1. Solda elétrica por arco protegido: a) Solda por arco submerso (submerged arc welding) b) Solda por proteção de gás inerte (inert gas welding) 2. Solda por resistênca elétrica (ERW = electric resistance) Baixa voltagem e alta frequência aquecimento + uniforme e + local

20 Tubulações Industriais Vídeos Linha de fabricação: S/ Costura: Solda: Cortador de Tubos Expansor de Tubos Curvador de Tubos Alicate Selador de Tubos Imagem vale mais do que palavras!

21 Materiais para Tubos ASTM (American Society for Testing and Materials) especifica + de 500 tipos diferentes!

22 Materiais para Tubos (outros)

23 De onde vem o Ferro? De onde vem o Aço? De onde vem o PVC?

24 Ferro a Aço Fonte:

25 Curiosidade: Melhorando a eficiência do processo de obtenção

26 Curiosidade: Detalhes do processamento

27 Atualidade: Obtenção por reciclagem

28 PVC

29 Materiais para Tubos: comparação dos custos

30 Tubulações Industriais Principais fatores na Seleção de Materiais de Tubos Fluido conduzido Natureza e concentração do fluido. Impurezas ou contaminantes; ph; Velocidade; Toxidez; Resistência à corrosão; Possibilidade de contaminação. Condições de serviço Temperatura e pressão de trabalho. Consideradas as condições extremas, mesmo que sejam condições transitórias ou eventuais.) Nível de tensões do material O material deve ter resistência mecânica compatível com a ordem de grandeza dos esforços presentes. ( pressão do fluido, pesos, ação do vento, reações de dilatações térmicas, sobrecargas, esforços de montagem etc. Natureza dos esforços mecânicos Tração; Compressão; Flexão; Esforços estáticos ou dinâmicos; Choque s; Vibrações; sforços cíclicos etc. Disponibilidade dos materiais Com exceção do aço-carbono os materiais tem limitações de disponibilidade. Sistema de ligações Adequado ao tipo de material e ao tipo de montagem. Custo dos materiais Fator freqüentemente decisivo. Deve-se considerar o custo direto e também os custos indiretos representados pelo tempo de vida, e os conseqüentes custos de reposição e de paralisação do sistema. Segurança Do maior ou menor grau de segurança exigido dependerão a resistência mecânica e o tempo de vida. Facilidade de fabricação e montagem Entre as limitações incluem-se a soldabilidade, usinabilidade, facilidade de conformação etc. Experiência prévia É arriscado decidir por um material que não se conheça nenhuma experiência anterior em serviço semelhante. Tempo de vida previsto O tempo de vida depende da natureza e importância da tubulação e do tempo de amortização do investimento. Tempo de vida para efeito de projeto é de aproximadamente 15 anos.

31 Especificação de Material para Tubos de Aço

32 Normas para tubos de aço: ANSI x ABNT ANSI American National Standards Institute

33 Diâmetros Nominal de tubos de aço

34 Diâmetros comerciais de tubos de aço

35

36 Dimensionamento do Diâmetro da Tubulação

37 Especificações para Compra de Tubos

38 Dimensionamento do Diâmetro da Tubulação Na maioria dos casos é um problema hidrárulico em função: Da vazão necessária de fluido Das diferenças de cotas existentes Das pressões disponíveis Das velocidades e perdas de carga admissíveis Da natureza do fluido Do material e tipo da tubulação

39 Cálculo da Espessura da Parede do Tubo em Função da Pressão Interna Cálculo da Espessura da Parede do Tubo Norma ANSI/ASME. B.31

40 Tubos de Aço-Carbono (ASTM: A-53, A-106, A-120) (Fe, C, Mg, Ph, pequena adição em alguns aços de Si, Al, Cu) Baixo Custo Chamados de uso geral, pois representa 90% dos tubos das indústrias Excelentes qualidades mecânicas Fácil de Soldar e de Conformar Utilizado p/: água doce, vapor, condensado, ar comprimido, óleo, gases e muitos fluidos pouco corrosivos. Limites de Trabalho pela temperatura: 450ºC para serviço severo/480ºc para serviço não severo 520ºC máximo em picos/ 530ºC oxidação intensa (escamação) 370ºC começa deformação por fluência -45ºC torna-se quebradiço Existem Aços-Carbono especiais para baixas temperaturas: com menos Carbono e mais Manganês Para temperaturas abaixo de 0ºC e acima de 400ºC é recomendado o Aço-Carbono acalmado (1% de SI) Aço-Carbono exposto à atmosfera sofre Corrosão Uniforme (Ferrugem) e o contato direto com o solo causa corrosão alveolar penetrante De modo geral o Aço Carbono apresenta baixa resistência à corrosão (utiliza-se com revestimento ou joga-se com sobreespessura). Os resíduos de corrosão do Aço-Carbono não são tóxicos mas podem afetar a cor e o gosto do fluido conduzido. Aço-Carbono é violentamente atacado pelos ácidos minerais, principalmente quando diluídos ou

41 Tubos de Ligas e Aços Inoxidáveis (Bem + caros que os Aço Carbono. Soldagem, conformação e montagem + difíceis e + Aço-Liga todos os outros aços que contêm outros elementos, além dos que compõem os aços-carbono. Aço Inoxidáveis os que contêm pelo menos 12% de Cr (que confere propriedade de não se enferrujarem mesmo em exposição prolongada a atmosfera normal). Casos gerais de emprego: Muito Altas e Bem Baixas temperaturas Alta corrosão Necessidade de não contaminação Segurança Melhora resistência a fluência Aços-liga: P/ altas Temperaturas Mo (melhora a resistência a fluência) Mo+Cr (melhora a resistência a oxidação) P/ baixas Temperaturas Ni caras) Aços Inoxidáveis: Austenítico (não magnético)- Corrosão intergranular pela precipitação de carboneto de Cr ou

42 Entendendo a composição!

43 Tubos de Ligas e Aços Inoxidáveis (ASTM: A-312) Microestrutura Capacidade de ser tratado Elementos de liga Série termicamente básicos Martensítica fig 4 Endurecível Cromo 400 Ferrítica fig 5 Não endurecível Cromo 400 Austenítica fig 6 Não endurecível Cromo-Níquel 300

44

45

46 Tubos de Ligas e Aços Inoxidáveis - Martensítica Estes aços, após resfriamento rápido de alta temperatura, mostram uma estrutura caracterizando alta dureza e fragilidade, denominada Martensítica. Contém de 12 a 17% de Cromo e O, l a O, 5% de carbono (em certos casos até 1% de carbono) e podem atingir diversos graus de dureza pela variação das condições de aquecimento e resfriamento (tratamento térmico). São dificilmente atacados pela corrosão atmosférica no estado temperado e se destacam pela dureza. São ferromagnéticos. Apresentam trabalhabilidade inferior as demais classes e soldabilidade pior, especialmente com carbono mais elevado, devido a formação de martensita no resfriamento.

47 Tubos de Ligas e Aços Inoxidáveis - Ferrítica Após resfriamento rápido de alta temperatura eles mostram uma estrutura macia e tenaz, altamente homogênea, conhecida com Ferrítica. Contém de 16 a 30% de Cromo. Não podem ser endurecidos por tratamento térmico e são basicamente usados nas condições de recozido. Possuem uma maior trabalhabilidade. e maior resistência à corrosão que os aços martensíticos devido ao maior teor de cromo. Possuem boas propriedades físicas e mecânicas e são efetivamente resistentes à corrosão atmosférica e a soluções fortemente oxidantes.são ferromagnéticos. As aplicações principais são aquelas que exigem boa resistência à corrosão, ótima aparência superficial e requisitos mecânicos moderados. Apresentam, tendência ao crescimento de grão após soldagem, particularmente para seções de grande espessura, experimentando certas formas de fragilidade.

48 Tubos de Ligas e Aços Inoxidáveis - Austenítico Grande melhoria em muitas propriedades do aço inoxidável é conseguida com a introdução de Ni como elemento de liga. Consegue-se uma mudança na estrutura, transformando ligas ferríticas em ligas Austeníticas (estrutura de alta resistência e tenacidade). Os aços inoxidáveis austeníticos são conhecidos pela sua excelente resistência à corrosão em muitos meios agressivos. Outros elementos como molibdênio, titânio e nióbio, se adicionados podem melhorar a resistência a corrosão e minimizar a corrosão intergranular por estabilização dos carbonetos presentes. Dos três grupos, estes aços são os que apresentam maior resistência à corrosão. Eles combinam baixo limite de escoamento com alta resistência a tração e bom alongamento, oferecendo as melhores propriedades para trabalho a frio. Não podem ser endurecido por tratamento térmico, mas suas resistência a tração e dureza podem ser aumentadas por encruamento. Não são ferromagnéticos. Eles possuem uma ampla faixa de propriedades mecânicas, oferecendo boa ductilidade e resistência a altas e/ou baixíssimas temperaturas, além de boa trabalhabilidade e soldabilidade. Existem também aços inoxidáveis duplex (com dois tipos de estrutura convivendo), porém como são aços muito especiais, são os mais discutidos.

49 Aço Inoxidável Austenítico Os tubos podem ser fabricados de vários materiais, mas as tubulações sanitárias são, normalmente, fabricadas em aço inoxidável austenístico AISI 304 ou AISI 316. O aço inoxidável austenítico tem em sua composição maior quantidade de cromo que os ferríticos, além de possuir níquel na liga. A vantagem é a extraordinária resistência à oxidação e a temperatura, o que justifica o pagamento do seu alto preço em instalações de processamento de alimentos.

50 Meios de Ligação de Tubos

51 Meios de Ligação de Tubos: Ligações Rosqueadas

52 Meios de Ligação de Tubos: Ligações Soldadas A NORMA ANSI/ASME B 31.3 CONTÉM INUMERAS RECOMENDAÇÕES SOBRE SOLDAGEM DOS TUBOS, INCLUINDO SEQÜÊNCIA DE SOLDAGEM, TRATAMENTOS TÉRMICOS, QUALIFICAÇÃO DE SOLDADORES, TESTES DE INSPEÇÃO E ACEITAÇÃO ETC.

53 Meios de Ligação de Tubos: Ligações Flangeadas

54 Meios de Ligação de Tubos: Ligações de Ponta e Bolsa

55 Meios de Ligação de Tubos: Uniões específicas para tubulações sanitárias a) Tri-clamp: é uma união tipo abraçadeira, sanitária, que oferece meio liso e não contaminante para o produto. É a mais indicada onde existe sistema de limpeza CIP. É de fácil desmontagem e é composta de dois encaixes iguais côncavos. b) Flange: união não sanitária composta por duas flanges de face plana e anel.

56 d) Solda: é o sistema mais sanitário e é resistente à corrosão. Minimiza a perda de carga e a contaminação. Muito usado em instalações com sistema de limpeza CIP. c) Rosca: É sanitária e deve ser de fácil desmontagem para limpeza e inspeção. É composta de macho, niple, porca e anel.

57 NBR 6493/ 1993

58

59 Teste sua aprendizagem! (Respostas indicadas entre parênteses) 1. Quais são os itens que devem ser abordados para uma perfeita compreensão de tubulações industriais? (Slide 2) 2. O que vem a ser, a rigor, Tubulação Industrial? (Slide 4) 3. O que são Tubos e como são geralmente definidos? (Slide 5) 4. Existe alguma relação entre o diâmetro externo de um tubo e sua espessura? (Slides 5 e 6) 5. Qual a diferença entre Tubo, Cano e Mangueira? (Slides 7 e 8) 6. Quais são as principais aplicações de Tubulações na Indústria? (Slide 10) 7. Quais são as variáveis básicas que devem nortear a escolha de tubulações industriais? (Pressão e Temperatura) 8. Como podem ser classificadas as tubulações de acordo com sua aplicação dentro e fora das indústrias? (Slide 12) 9. Em relação a participação no custo da instalação industrial, qual a representatividade das tubulações? (Slide 13) 10. Quais são os processos básicos de fabricação de tubos com e sem costura? (Slide 14) 11. Explique, em linhas gerais, os diferentes processos de fabricação de tubos. (Slides de 15 a 19)

60 Teste sua aprendizagem! (Respostas indicadas entre parênteses) 12. Cite os principais tipos de materiais de tubos metálicos e não metálicos. (Slide 21) 13. Quais podem ser os tubos com revestimentos? (Slide 22) 14. De onde vem o Ferro e o Aço? (Slides 24 e 27) 15. De onde vem o PVC? (Slide 28) 16. Como poderiam ser comparados os custos dos diferentes tipos de materiais para tubos? (Slides 29) 17. Quais são os principais fatores a serem considerados na seleção de materiais para tubos? (Slide 30) 18. Quais são as Normas para tubos de aço? (Especifique o que significam as siglas) (Slide 32) 19. Quais devem ser as especificações básicas para compra de tubos? (Slide 37) 20. Quais são os fatores a serem considerados para se definir o diâmetro correto (dimensionamento) de uma Tubulação? (Slide 38) 21. Quais são as variáveis determinantes no cálculo de espessura de parede de tubos? (Slide 39) 22. Cite as características de tubos de aço carbono. (Slide 40) 23. Cite as principais características de Tubos de Aço Inoxidável. (Slide 41)

61 Teste sua aprendizagem! (Respostas indicadas entre parênteses) 12. Cite os principais tipos de materiais de tubos metálicos e não metálicos. (Slide 21) 13. Quais podem ser os tubos com revestimentos? (Slide 22) 14. De onde vem o Ferro e o Aço? (Slides 24 e 27) 15. De onde vem o PVC? (Slide 28) 16. Como poderiam ser comparados os custos dos diferentes tipos de materiais para tubos? (Slides 29) 17. Quais são os principais fatores a serem considerados na seleção de materiais para tubos? (Slide 30) 18. Quais são as Normas para tubos de aço? (Especifique o que significam as siglas) (Slide 32) 19. Quais devem ser as especificações básicas para compra de tubos? (Slide 37) 20. Quais são os fatores a serem considerados para se definir o diâmetro correto (dimensionamento) de uma Tubulação? (Slide 38) 21. Quais são as variáveis determinantes no cálculo de espessura de parede de tubos? (Slide 39) 22. Cite as características de tubos de aço carbono. (Slide 40) 23. Cite as principais características de Tubos de Aço Inoxidável. (Slide 41)

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS: LIGAÇÕES ROSQUEADAS LIGAÇÕES SOLDADAS LIGAÇÕES FLANGEADAS LIGAÇÕES DE PONTA E BOLSA OUTROS SISTEMAS Ligações de compressão Ligações patenteadas FATORES QUE INTERFEREM

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

O irmão do aço. Obtendo o ferro fundido

O irmão do aço. Obtendo o ferro fundido O irmão do aço Na segunda aula deste módulo, quando nós estudamos a classificação dos materiais, você aprendeu que eles são divididos em dois grupos: os materiais ferrosos e os materiais não-ferrosos.

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Instalações em Sistemas Industriais Profa. Roberta Leone Aula 04 MEIOS DE LIGAÇÃO Para que serve? Ligação tubo a tubo, ou a dispositivos, equipamentos tanques

Leia mais

- Fornos primitivos, com foles manuais, ainda hoje usados na África Central - Fornos primitivos, com foles manuais, utilizados na europa medieval.

- Fornos primitivos, com foles manuais, ainda hoje usados na África Central - Fornos primitivos, com foles manuais, utilizados na europa medieval. Aço -Histórico - Fornos primitivos, com foles manuais, ainda hoje usados na África Central - Fornos primitivos, com foles manuais, utilizados na europa medieval. - Conversor Bessemer Fonte Infomet Processamento

Leia mais

Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas

Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Processos de produção Propriedades físicas e mecânicas do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva UFAM Composição do aço O elemento

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A ArcelorMittal Inox Brasil Inoxidável Ferrítico ACE P444A transformando o amanhã 2 3 ACE P444A Tabela I Composição Química C Mn P S Si Cr Ni Outros 0,025 1,00 0,040 0,030 1,00 17,5-19,5 1,00 0,2+4(C+N)

Leia mais

Aula Teórica 21. Materiais em Engenharia. Metais ferrosos. Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012

Aula Teórica 21. Materiais em Engenharia. Metais ferrosos. Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012 Aula Teórica 21 Metais ferrosos Arlindo Silva Ano Lectivo 2011/2012 As imagens constantes nestas transparências foram retiradas maioritariamente da bibliografia recomendada MATERIAIS METÁLICOS FERROSOS

Leia mais

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. Dr. Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60% -

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Vanessa Válvulas de Tripla Excentricidade, Série 30-RS*

Vanessa Válvulas de Tripla Excentricidade, Série 30-RS* Vanessa Válvulas de Tripla Excentricidade, Série 30-RS* As válvulas Vanessa Série 30-RS garantem o isolamento com segurança melhorada, quando comparadas com outras válvulas de borboleta de tripla excentricidade,

Leia mais

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. MSc: Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60%

Leia mais

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens Professor: Anderson Luís Garcia Correia

Leia mais

Principais elementos de liga. Cr Ni V Mo W Co B Cu Mn, Si, P e S (residuais)

Principais elementos de liga. Cr Ni V Mo W Co B Cu Mn, Si, P e S (residuais) Aços Ligas Aços ligas A introdução de outros elementos de liga nos aços-carbono é feita quando se deseja um ou diversos dos seguintes efeitos: Aumentar a resistência mecânica e dureza. Conferir resistência

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 METALURGIA DA SOLDAGEM A JUNTA SOLDADA Consiste: Metal de Solda, Zona Afetada pelo Calor (ZAC), Metal

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações

Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações Vallourec é líder mundial em soluções tubulares premium, presente nos setores de energia, petrolífero, automotivo e construção,

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões

FERROS FUNDIDOS. Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Cálculo de Estruturas e Tubulações Industriais

Cálculo de Estruturas e Tubulações Industriais Cálculo de Estruturas e Tubulações Industriais AULA 4 ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS DE TUBULAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Problema Geral da Seleção dos Materiais oa seleção correta dos materiais adequados para cada

Leia mais

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

Décima primeira aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 04/05/2010

Décima primeira aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 04/05/2010 Décima primeira aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 04/05/2010 Exercício de associação em série Uma lavoura de arroz distante do manancial de captação d água necessita de 315

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS

DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS ÍNDICE Sobre a Ditual... 3 Tubos Industriais / Estruturais... 5 Tubos Redondos... 6 Tubos Retangulares... 8 Tubos Quadrados... 10 Tubos de Condução... 11

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Aplicação Projeto Materiais Vedações Conexões Diferencial de alívio Testes...

ÍNDICE. 1.1 Aplicação Projeto Materiais Vedações Conexões Diferencial de alívio Testes... ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS 1.1 Aplicação...1 1.2 Projeto...1 1.3 Materiais...1 1.4 Vedações...1 1.5 Conexões...1 1.6 Diferencial de alívio... 2 1.7 Testes... 2 1.8 Limites de pressões e temperaturas...

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 04: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas empregadas 02:

Leia mais

Ciências dos materiais- 232

Ciências dos materiais- 232 1 Ciências dos materiais- 232 Aula 6 - Tratamentos Térmicos Quinta Quinzenal Semana par 26/05/2015 1 Professor: Luis Gustavo Sigward Ericsson Curso: Engenharia Mecânica Série: 5º/ 6º Semestre 2015-1_CM_Aula06_TratTermico.pdf

Leia mais

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Trabalho de solidificação Soldagem João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Introdução A soldagem é um processo de fabricação, do grupo dos processos de união, que visa o revestimento,

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Carboneto de Tungstênio

Carboneto de Tungstênio Carboneto de Tungstênio Revestimento altamente resistente à abrasão, erosão e desgaste por deslizamento em baixa temperatura. Não recomendável para ambientes corrosivos. Exaustores, eixos de bombas, roscas

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS NORMAS, USOS E MATERIAIS

TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS NORMAS, USOS E MATERIAIS TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS NORMAS, USOS E MATERIAIS Instalações em Sistemas Industriais Profa. Roberta Leone Aula 02 HISTÓRICO O emprego de tubulações antecede provavelmente a história escrita Vestígios ou

Leia mais

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS A classificação dos aços não obedece a um único critério, existindo classificações quanto à composição química, processamento, microestrutura, propriedades

Leia mais

LINHA PARA EFLUENTES INDUSTRIAIS

LINHA PARA EFLUENTES INDUSTRIAIS 1. Introdução A Saint-Gobain Canalização possui uma gama completa de produtos para transporte de fluidos, como: Tubos, Conexões, Válvulas Tampões e Acessórios, fabricados em ferro fundido dúctil conforme

Leia mais

APLICAÇÃO ÁGUA SALGADA INDÚSTRIA

APLICAÇÃO ÁGUA SALGADA INDÚSTRIA 1. Introdução A Saint-Gobain Canalização possui uma gama completa de produtos para transporte de fluidos, como: Tubos, Conexões, Válvulas Tampões e Acessórios, fabricados em ferro fundido dúctil conforme

Leia mais

ADUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA - INDÚSTRIA

ADUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA - INDÚSTRIA 1. Introdução A Saint-Gobain Canalização possui uma gama completa de produtos para transporte de fluidos, como: Tubos, Conexões, Válvulas Tampões e Acessórios, fabricados em ferro fundido dúctil conforme

Leia mais

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR 1 Diagrama de Schaeffler (1) Formação de trincas de solidificação ou

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA CATÁLOGO TÉCNICO S E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA ÍNDICE S FIG. PÁG. Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.B. 10 1 Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.I. 11 2 Gaveta HA WCB FLG ASME

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel)

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) Diz a história que os aços inoxidáveis foram descobertos por acaso. Em 1912 o inglês Harry Brearly, estudava uma liga Fe-Cr (13%) e justamente quando tentava fazer algumas

Leia mais

ENGATES RÁPIDOS. Amplamente usado em sistemas hidráulicos e pneumáticos e transportes de fluidos diversos

ENGATES RÁPIDOS. Amplamente usado em sistemas hidráulicos e pneumáticos e transportes de fluidos diversos ENGATES RÁPIDOS Engate Rápido Esfera U-028 Amplamente usado em sistemas hidráulicos e pneumáticos e transportes de fluidos diversos Fabricado nos materiais: ferro, latão, inox Nas bitolas ¼ a 1 Com pressão

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA.

METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA. METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA Prof.(a) : Graziele Braga Email: grazi_gbraga@hotmail.com Betim 2016 DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO Fases presentes Composição dessas fases

Leia mais

Tipo: FC1 FERRÍTICO/PERLÍTICO CLASSE: 15 Características / Aplicações

Tipo: FC1 FERRÍTICO/PERLÍTICO CLASSE: 15 Características / Aplicações Ferro Fundido Cinzento Tipo: FC1 FERRÍTICO/PERLÍTICO CLASSE: 15 Uso geral em aplicações com reduzida solicitação mecânica, componente estruturais e/ou estatísticos de máquinas ou construções mecânicas/civis:

Leia mais

Histórico. Conesteel Válvulas Industriais Ltda Fone: (11) І

Histórico. Conesteel Válvulas Industriais Ltda Fone: (11) І Histórico A CONESTEEL foi fundada em 1986, inicialmente como fabricante de conexões e após alguns anos iniciou a fabricação de válvulas forjadas. Seu quadro diretor é formado por profissionais com experiência

Leia mais

Propriedades dos Aços e sua Classificação

Propriedades dos Aços e sua Classificação O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Propriedades dos Aços e sua Classificação Objetivo Conhecer as características mecânicas, principalmente em termos de tensões e deformações Propriedades

Leia mais

A PLACADUR É ESPECIALISTA EM PRODUTOS RESISTENTES AO DESGASTE.

A PLACADUR É ESPECIALISTA EM PRODUTOS RESISTENTES AO DESGASTE. A PLACADUR É ESPECIALISTA EM PRODUTOS RESISTENTES AO DESGASTE. Com uma visão holística, trabalha junto ao cliente para aumentar a disponibilidade mecânica e a vida útil dos seus equipamentos, reduzindo

Leia mais

A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis

A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis A108 Broca, HSS, para Aços Inoxidáveis ÍNDICE Usinagem de Aços Inoxidáveis 3 Por que os Aços Inoxidáveis são considerados como difíceis de usinar? 3 Pontos Importantes na usinagem de Aços Inoxidáveis 3

Leia mais

Grupo 30.24 - Material hidráulico

Grupo 30.24 - Material hidráulico O catálogo do grupo 30.24 contém as especificações de material hidráulico. Os itens que estão destacados com a mesma coloração significam que possuem a mesma descrição, no entanto, possuem diferentes unidades

Leia mais

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira Aços Ferramenta Classificação das ligas ferrosas Aços Ferros Fundidos Inoxidáveis Aços Ferramenta Aços ao C Aços Ferramenta Classe de aços de alta liga projetado para serem utilizados em ferramentas de

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor

Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor Cn > 11% Resistência à corrosão Forma-se uma película de óxido de crómio superficial que não permite a oxidação do material no interior. Ni, Mo, Cu,

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

Tubulações Industriais

Tubulações Industriais SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - TUBOS, ACESSÓRIOS E VÁLVULAS... 5 2.1 - TUBULAÇÃO... 5 2.2 - TUBOS... 5 2.2.1 - Entidades Normalizadoras... 5 2.2.2 - Tipos de Materiais dos Tubos... 6 2.2.3 - Métodos de

Leia mais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais 3 aula Aços ligados e ferros fundidos Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Para que servem

Leia mais

Ciência dos materiais Aula 8. Profª Mª Patrícia Cristina Costa Ladeira

Ciência dos materiais Aula 8. Profª Mª Patrícia Cristina Costa Ladeira Ciência dos materiais Aula 8 Profª Mª Patrícia Cristina Costa Ladeira patricialadeira@aedu.com patricia.ladeira@yahoo.com.br Materiais metálicos e ligas 2 Ferrosos Materiais e ligas que possuem o Fe como

Leia mais

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire PHYWELD 625 Baixo Carbono - Baixo Ferro - Elementos de liga Níquel-Cromo-Molibdênio-Nióbio PHYWELD 625 offers > Destacada resistência à corrosão em diversos meios. > Resistência à corrosões localizadas

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

3M DISCO DE CORTE APLICAÇÃO. Orientação técnica :

3M DISCO DE CORTE APLICAÇÃO. Orientação técnica : 3M DISCO DE DESBASTE Orientação técnica: A-PLUS: AÇO CARBONO I-PLUS: AÇO INOX Desbaste, semi-acabamento, nivelamento de superfície, remoção de excesso de material e rebarbação. Remoção de cordão de solda,

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como:

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: - Conjunto de operações de aquecimento e resfriamento; - Condições controladas de temperatura,

Leia mais

UM MUNDO DE SOLUÇÕES PARA VOCÊ. TUBOS TREFILADOS CALDEIRARIA

UM MUNDO DE SOLUÇÕES PARA VOCÊ. TUBOS TREFILADOS CALDEIRARIA UM MUNDO DE SOLUÇÕES PARA VOCÊ. TUBOS TREFILADOS CALDEIRARIA APRESENTAÇÃO 2015 Conte com o mundo de soluções da Tubos Ipiranga Com matriz localizada em Ribeirão Pires SP, sete filiais, uma unidade industrial

Leia mais

MERCADOS PRINCIPAIS CLIENTES E FORNECEDORES. 4 Uniões rígidas 4 Uniões flexíveis 4 Uniões reduções. 4 Excelente produtividade 4 Excelente qualidade

MERCADOS PRINCIPAIS CLIENTES E FORNECEDORES. 4 Uniões rígidas 4 Uniões flexíveis 4 Uniões reduções. 4 Excelente produtividade 4 Excelente qualidade www.alinea.com.br Presente no mercado desde 1997, a PIPE é especializada na fabricação de tubos helicoidais em aço carbono com costura interna e externa por arco submerso e testados 100% hidrostaticamente.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 6000-000-000-200-001

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 6000-000-000-200-001 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 6000-000-000-200-001 1 de 13 : DATA: 08/02/08 GEPRO GERENCIA DE PROJETOS Nº do Contrato: RESP. TÉCNICO/ CREA: ÍNDICE DE REVISÕES REV. E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Leia mais

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 113 ESTRUTURAS DE CONCRETO, METÁLICAS E DE MADEIRA AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS

Leia mais

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Materiais Metálicos Generalidades Metal Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Alta dureza Grande resistência mecânica Elevada

Leia mais

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA.

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. Descrição Geral As Válvulas Guilhotinas FKB modelo VGU-04 / VGU-04-HP tem como função o bloqueio na vazão de fluídos abrasivos (Slurry). São equipamentos robustos para instalação entre flanges, do qual

Leia mais

Processo d e soldagem

Processo d e soldagem Processo de soldagem Conteúdo Descrição do processo Equipamento e consumíveis Técnica de soldagem Principais defeitos e descontinuidades Aplicações Processo MMA ou SMAW Definição: soldagem a arco elétrico

Leia mais

ÍNDICE 1 SÉRIE VC VOLANTE AJUSTÁVEL PARA CORRENTE VÁLVULA SENTINELA VÁLVULA EQUIPADA COM CHAVE DE FIM DE CURSO...

ÍNDICE 1 SÉRIE VC VOLANTE AJUSTÁVEL PARA CORRENTE VÁLVULA SENTINELA VÁLVULA EQUIPADA COM CHAVE DE FIM DE CURSO... ÍNDICE 1 SÉRIE VC-002 - VOLANTE AJUSTÁVEL PARA CORRENTE...1 2 VÁLVULA SENTINELA...3 3 VÁLVULA EQUIPADA COM CHAVE DE FIM DE CURSO...4 4 SÉRIE WB 4500 - VÁLVULA EQUIPADA COM CÂMARA DE VAPOR...5 5 SÉRIE WB

Leia mais

Da importância do aço

Da importância do aço Da importância do aço Imaginemos um mundo sem aço pregos e parafusos motores eléctricos armaduras para betão trilhos e rodas de comboios carrosserias e jantes para automóveis embalagens de bebidas equipamento

Leia mais

Caixa de passagem Ex e / Ex tb

Caixa de passagem Ex e / Ex tb Tomadas/Plugs Painéis Caixa de passagem Ex e / Ex tb Segurança aumentada, tempo e jatos potentes d água. Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper

Leia mais

Tubo de Aço e Revestimentos. Eng. Rudinei Stoll

Tubo de Aço e Revestimentos. Eng. Rudinei Stoll Tubo de Aço e Revestimentos Eng. Rudinei Stoll Agenda Carbono Normas de Tubo e de Aço Processos de fabricação ERW SAWH Controle de Qualidade Revestimentos Isento de alcatrão - Fusion Bonded Epoxy (FBE)

Leia mais

1 AÇOS ESTRUTURAIS 1.1 INTRODUÇÃO E HISTÓRICO 1.2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO 1.3 CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL

1 AÇOS ESTRUTURAIS 1.1 INTRODUÇÃO E HISTÓRICO 1.2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO 1.3 CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1.1 INTRODUÇÃO E HISTÓRICO As primeiras obras de aço surgiram praticamente ao mesmo tempo em que se iniciou a produção industrial desse material, por volta de 1780 existe registro da

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

ITEM SERVIÇOS UNID. QUANT.

ITEM SERVIÇOS UNID. QUANT. 01 PARTE I 01.01 IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO 01.02 LOCAÇÕES 01.02.00.00.001 ALUGUEL DE CONTAINER PARA DEPÓSITO / ALMOXARIFADO / GUARDA DE EQUIPAMENTOS MES 3,000 01.02.00.00.002 ALUGUEL DE CONTAINER PARA ESCRITÓRIO

Leia mais

Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex

Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Aspectos Gerais São ligas de uso relativamente recente. Microestrutura tipos austenitico e ferrítico. Em função de

Leia mais

BROCA PARA APLICAÇÃO UNIVERSAL DE ALTA PERFORMANCE MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

BROCA PARA APLICAÇÃO UNIVERSAL DE ALTA PERFORMANCE MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCA PARA APLICAÇÃO UNIVERSAL DE ALTA PERFORMANCE MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS ALTA DURABILIDADE E DESEMPENHO ESTÁVEL EM UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS. Conheça suas características: TRATAMENTO

Leia mais

Bem-vindo à Inconex. Somos uma empresa que comercializa e representa os melhores fabricantes de Tubos e Conexões do mercado nacional

Bem-vindo à Inconex. Somos uma empresa que comercializa e representa os melhores fabricantes de Tubos e Conexões do mercado nacional Bem-vindo à Inconex Somos uma empresa que comercializa e representa os melhores fabricantes de Tubos e Conexões do mercado nacional Nascemos com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento dos mais diversos

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

3 MATERIAIS E MÉTODOS

3 MATERIAIS E MÉTODOS 40 3 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 MATERIAL O material utilizado para realização dos ensaios necessários para suportar este trabalho foi o aço baixa liga 2.1/4Cr 1Mo temperado e revenido, conforme especificação

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 07 Componentes de fixação: parafusos, porcas, rebites e Soldas (noções de simbologia) Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Sistema Ferro - Carbono

Sistema Ferro - Carbono Sistema Fe-C Sistema Ferro - Carbono Diagrama de equilíbrio Fe-C Ferro comercialmente puro - < 0,008% Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de C Ferro alfa dissolve

Leia mais

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos:

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos: Recozimento Objetivos: Reduzir a dureza; Aumentar a usinabilidade; Facilitar o trabalho a frio; Atingir microestrutura e propriedades desejadas Recozimento pleno Conceitos: Tratamentos Térmicos - TEMPERATURAS

Leia mais

Curvas de resfriamento contínuo com diferentes taxas de resfriamento: Ensaio Jominy. Resultados: - Microestruturas diferentes; - Durezas diferentes.

Curvas de resfriamento contínuo com diferentes taxas de resfriamento: Ensaio Jominy. Resultados: - Microestruturas diferentes; - Durezas diferentes. Curvas de resfriamento contínuo com diferentes taxas de resfriamento: Ensaio Jominy Resultados: - Microestruturas diferentes; - Durezas diferentes. Efeito da seção da peça sobre a velocidade de resfriamento

Leia mais

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica 1. Ligas de ouro tradicionais ou clássicas As ligas de ouro tradicionais já estavam bem estudadas até o início da década de 30. Elas foram classificadas em 4 tipos em função da dureza, que por sua vez

Leia mais

ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS 2 MATERIAIS APLICADOS MÁXIMAS PRESSÕES DE AJUSTE...04

ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS 2 MATERIAIS APLICADOS MÁXIMAS PRESSÕES DE AJUSTE...04 ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS 1.1 Aplicação...01 1.2 Projeto...01 1.3 Anel de regulagem...01 1.4 Disco de vedação...01 1.5 Guias...01 1.6 Bocal...01 1.7 Materiais...01 1.8 Extremidades...02 1.9 Acessórios...

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos Metais Não Ferrosos 8.1 - Introdução Denominam-se metais não ferrosos, os metais em que não haja ferro ou em que o ferro está presente em pequenas quantidades, como elemento de liga Os metais não ferrosos

Leia mais

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br TRATAMENTOS EMPREGADOS EM 1 INTRODUÇÃO: Existem

Leia mais

Revestimentos e Metalização

Revestimentos e Metalização Revestimentos e Metalização Conteúdo Iniciação à engenharia de superfície (conceitos e aplicações); Revestimento x tratamento de superfícies; Aspersão térmica a gás fundamentos, processos, equipamentos,

Leia mais

Processo, Tipos, Técnicas, Defeitos e Causas

Processo, Tipos, Técnicas, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Tipos, Técnicas, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia 01 de março de 2017 A solda é a união de materiais,

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA E TOP-ENTRY NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE

Leia mais

AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE BOMBAS POR METALIZAÇÃO DE SUPERFÍCIE COM CARBETO DE TUNGSTÊNIO BASE COLBALTO POR MÉTODO HVOF.

AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE BOMBAS POR METALIZAÇÃO DE SUPERFÍCIE COM CARBETO DE TUNGSTÊNIO BASE COLBALTO POR MÉTODO HVOF. AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE BOMBAS POR METALIZAÇÃO DE SUPERFÍCIE COM CARBETO DE TUNGSTÊNIO BASE COLBALTO POR MÉTODO HVOF Sabrina de Março LOCAL: CN Lubrasil Lubrificantes (setor petroquímico) Piracicaba/SP

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR Materiais e Ciclo do Combustível Profs.: Afonso Aquino e Arnaldo Andrade Ipen 2007 Tópicos do Módulo Noções sobre o Ciclo do Combustível Nuclear Materiais e Componentes

Leia mais

Válvula de Diafragma, Metálica

Válvula de Diafragma, Metálica Válvula de Diafragma, Metálica Construção A válvula de diafragma GEMÜ de 2/2 vias, acionada pneumaticamente, possui um atuador de baixa manutenção. As seguintes funções de acionamento são disponíveis:

Leia mais

AÇO INOXIDÁVEL. Inoxplasma Com. de Metais Ltda (11)

AÇO INOXIDÁVEL. Inoxplasma Com. de Metais Ltda (11) AÇO INOXIDÁVEL 1 AÇO INOXIDÁVEL INTRODUÇÃO As ligas de aços inoxidáveis são classificadas em: Ferríticos Martensíticos Austeníticos Mistos Sua estratura pode ser determinada pela composição química de

Leia mais

Poços de proteção. Aplicações. Características especiais. Descrição

Poços de proteção. Aplicações. Características especiais. Descrição Poços de proteção Poço de proteção flangeado (usinado de barra) Modelo TW10-F, construção com solda de penetração total Modelos TW10-P e TW10-R, com solda de penetração parcial WIKA folha de dados TW 95.10

Leia mais

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos:

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos: O que é Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo, elemento químico que garante ao material elevada resistência à corrosão. Distribuído de forma

Leia mais

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira Aços Inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga específicos para a resistencia a corrosão Principal elemento de liga: Cr normalmente superior a 12% Cr forma um fino filme de óxido de Cr aderente a

Leia mais