Principais diagnósticos de enfermagem da NANDA para portadores de diabetes tipo II nas equipes de saúde da família do município de Arcoverde - PE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais diagnósticos de enfermagem da NANDA para portadores de diabetes tipo II nas equipes de saúde da família do município de Arcoverde - PE"

Transcrição

1 1 Principais diagnósticos de enfermagem da NANDA para portadores de diabetes tipo II nas equipes de saúde da família do município de Arcoverde - PE Main NANDA nursing diagnoses for people with diabetes type II in family health teams of the city of Arcoverde - PE Joyce Paloma Xavier de Andrade¹; José Vasconcelos de Carvalho Junior¹; Wellington Mucarbel dos Santos Filho¹* ¹Escola Superior de Saúde de Arcoverde, Arcoverde-PE Resumo: O diabetes mellitus tipo II doença crônica que vem aumentando a incidência nos últimos anos, ocupando no Brasil o primeiro lugar em internações hospitalares, tem na estratégia de saúde da família uma porta de entrada por conhecer a realidade dos atendidos na área específica a possibilidade de prevenir, controlar e proporcionar uma melhor qualidade de vida para o portador e familiar. Portanto, objetivou-se nesta pesquisa identificar a frequência de diagnósticos de enfermagem da NANDA (North American Nursing Diagnosis Association) para o diabetes tipo 2 observados pelos enfermeiros das Equipes de Saúde da Família no município de Arcoverde-PE. Tratou-se de um estudo descritivo, do qual participaram 15 enfermeiros. Os dados analisados foram obtidos através de um check-list elaborado pelos pesquisadores e submetidos aos pesquisados. Foram listados 40 diagnósticos de enfermagem no instrumento de coleta de dados os quais todos obtiveram frequência relativa, 14 tiveram frequência maior que 50,0% e 8 maior que 60,0%: Déficit de autocuidado (86,6%); Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais (80,0%); Risco de infecção (73,3%); Controle ineficaz do regime terapêutico (66,6%); Estilo de vida sedentário (66,6%), Integridade da pele prejudicada (66,6%); Conhecimento deficiente (60,0%); Risco de disfunção neurovascular periférica (60,0%). Concluiu-se que os diagnósticos de enfermagem mais frequentes estão relacionados ao estilo de vida do paciente a complicações do diabetes devendo o enfermeiro aplicar intervenções relacionadas aos diagnósticos obtidos. Palavras Chave: Processo de Enfermagem. Saúde Pública. Sistematização da Assistência de Enfermagem. Abstract: The type II diabetes mellitus chronic disease that is increasing the incidence in recent years, occupying the first place in Brazil in hospital admissions, have in the family health strategy a gateway to know the reality of the met in the area Specifies the ability to prevent, control and provide a better quality of life for the wearer and familiar. Therefore the aim of this research to identify the frequency of NANDA nursing diagnoses (North American Nursing Diagnosis Association) for the diabetes type 2 observed by nurses of family health teams in the city of Arcoverde-PE. It was a descriptive study, attended by 15 nurses worked where the data were obtained through a check-list prepared by the researchers subjected to the search. 40 nursing diagnoses were listed in the data collection instrument which all scored relative frequency, 14 had frequency greater than 50.00% and greater than 8% which were 60,0%: self-care deficit (86.66%), unbalanced Nutrition: more than the body needs (80.00%), Risk of infection (73.33%), ineffective Control of therapeutic procedure (66.66%), sedentary lifestyle (66.66%), impaired skin Integrity (66.66%), deficient Knowledge (60.00%), risk for peripheral neurovascular dysfunction (60.00%). It was concluded that the nursing diagnosis FAQ are related to the lifestyle of the patient to complications of diabetes and the nurse apply nursing interventions related to nursing diagnoses obtained. Keywords: Nursing Process. Public Health. Systematization of Nursing Assistance. *Autor para correspondência: Wellington Mucarbel dos Santos Filho. Escola Superior de Saúde de Arcoverde/ESSA, Rua Gumercindo Cavalcante, N 420, São Cristovão, CEP Arcoverde-PE, Brasil. Fone (87)

2 2 INTRODUÇÃO O Diabetes mellitus (DM) é considerado como um importante problema de saúde no que se refere à prevalência, incidência e mortalidade precoce, assim como nos custos envolvidos no controle e no tratamento de suas complicações (TEIXEIRA et al., 2011), estando no Brasil entre os altos índices de óbitos causados por doenças crônicas, ocupando o primeiro lugar nas internações hospitalares juntamente com a hipertensão arterial (BRASIL, 2006). O DM do tipo dois é caracterizado como uma produção de insulina insuficiente para a demanda de glicose do organismo, ocasionado geralmente por hábitos alimentares do individuo ou a resistência das células a própria insulina (SMELTER et al., 2009). Esse tipo de diabetes é frequente em pessoas acima dos 45 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade, podendo ser controlado, através de exercícios físicos, redução do peso corporal, reeducação alimentar, medicações redutoras dos níveis de glicose sanguínea e a própria insulina (BRASIL, 2009). Como a prioridade para o DM tipo II é a sua detecção precoce e o controle metabólico dos indivíduos (SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS, 2001), vê-se no profissional de enfermagem um importante membro na atuação das Equipes de Saúde da Família (ESFs), frente a captação precoce dos indivíduos portadores de DM, determinando o processo saúde-doença (MIRANZI et al., 2008), podendo retardar o aparecimento da mesma, exercendo atividades educativas, consulta de enfermagem, plano de cuidados (BRASIL, 2006). A enfermagem pode contar com a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) que é uma variação do raciocínio científico possibilitando organizar, sistematizar e conceituar sua prática (TEIXEIRA, 2011), para isso está divida em etapas distintas, porém, relacionadas entre si com o objetivo solucionar os problemas de saúde dos indivíduos, famílias e/ou comunidades, oferecendo um esquema subjacente possibilitando a melhoria da assistência (ARREGUY-SENA et al., 2001; FERNANDES; MODESTO; NÓBREGA, 2000). Suas etapas são: Investigação, Diagnósticos de Enfermagem (DE), Planejamento, Intervenções e Avaliação (TANNURE; GONÇALVES 2009). O uso dos DE em especial a Taxonomia II da Associação Norte Americana de Enfermagem (NANDA) oferece aos enfermeiros uma linguagem comum para a identificação dos problemas atuais ou potenciais do paciente, auxilia na escolha das intervenções de enfermagem e oferece orientações para subsidiarem a avaliação (BARRETO; OLIVEIRA; SILVA, 2007), além de fornecer uma terminologia clinicamente útil, que dá suporte a pratica de enfermagem (DOENGES; MOORHOUSE; MURR, 2009). Com a escassez de pesquisas no que se refere à DE para DM tipo 2 e como forma de melhorar o entendimento de sua identificação para o beneficio da assistência prestada, a melhoria no conhecimento dos profissionais de enfermagem a respeito da SAE e a comparação com estudos semelhantes, o presente estudo teve como objetivo identificar a frequência de DE da NANDA para o DM tipo 2 observados pelos enfermeiros das ESFs no município de Arcoverde-PE. METODOLOGIA Tratou-se de um estudo do tipo exploratório-descritivo de abordagem quantitativa foi realizado nas ESFs situados na cidade de Arcoverde-PE, localizado a 250km da capital, Recife, localizada na região do sertão do Moxotó.

3 3 A amostra selecionada para coleta de dados foi constituída pelos Enfermeiros das ESFs do município de Arcoverde, totalizando 17, sendo que destes, apenas 15 atendiam aos critérios de inclusão, tais como: pertencer as ESFs, estar inscrito no Conselho Regional de Enfermagem (COREN), que se disponibilizaram a responder o check-list. Sendo excluídos aqueles que, porventura, não quiseram participar da pesquisa, não puderam por estarem ausentes (férias), não estiverem escritos no COREN e outros profissionais de saúde. Para a coleta dos dados elaborou-se um instrumento (check-list), contendo 40 diagnósticos de enfermagem da NANDA, edição , elaborado pelos pesquisadores. Estes foram selecionados a partir de revisão de literatura acerca do tema, e submetidos a um estudo piloto com 10% da população com a intenção de testar a aplicação do instrumento de coleta de dados, quanto à sua viabilidade, sendo realizado com uma amostra restrita (n =2), antes do início da coleta de dados, sendo avaliados somente os diagnósticos de enfermagem contidos no check-list. Os dados foram agrupados e organizados em planilhas no programa Microsoft Office Excel 2007, analisados por meio de estatística discursiva simples e frequência percentual. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Associação Caruaruense de Ensino Superior (ASCES) sob protocolo 113/11. Os aspectos éticos foram respeitados de acordo com a resolução N 196/96 (BRASIL, 1996). RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram listados 40 DE sendo 33 reais e 7 potenciais (TANNURE; GONÇALVES, 2009), contidos em um check-list utilizado para coleta de dados. No presente estudo observou-se que todos os DE obtiveram uma frequência relativa destes 14 tiveram frequência maior que 50,0% e 8 maior que 60,0% que foram: Déficit de autocuidado (86,6%), Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais (80,0%), Risco de infecção (73,3%), Controle ineficaz do regime terapêutico (66,6%), Estilo de vida sedentário (66,6%), Integridade da pele prejudicada (66,6%), Conhecimento deficiente (60,0%), Risco de disfunção neurovascular periférica (60,0%). Abaixo, na Tabela 1 são observados os dados obtidos no presente estudo. Tabela 1 Diagnósticos de enfermagem distribuídos em maior frequência por porcentagem nas ESFs de Arcoverde-PE. Diagnósticos de Enfermagem N % Adaptação prejudicada 07 46,6 Ansiedade 08 53,3 Baixa autoestima crônica 06 40,0 Complicações da doença e prática de exercícios físicos 07 46,6 Comportamento de busca de saúde 04 26,6 Conhecimento deficiente 09 60,0 Controle familiar do regime terapêutico 05 33,3 Controle ineficaz do regime terapêutico 10 66,6 Cuidado com as extremidades 07 46,6 Déficit de autocuidado 13 86,6 Disfunção sexual 04 26,6 Disposição para o conhecimento aumentado acerca do diabetes tipo ,0

4 4 Continua Diagnósticos de Enfermagem N % Distúrbio na imagem corporal 03 20,0 Dor aguda 06 40,0 Dor crônica 06 40,0 Eliminação urinária prejudicada 07 46,6 Enfrentamento familiar comprometido 08 53,3 Enfrentamento ineficaz 04 26,6 Estilo de vida sedentário 10 66,6 Fadiga 05 33,3 Impotência relacionada a complicações 05 33,3 Integridade da pele prejudicada 10 66,6 Intolerância a atividade 05 33,3 Manutenção do lar prejudicada 04 26,6 Medo 05 33,3 Mobilidade Física Prejudicada 07 46,6 Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais 12 80,0 Padrão de Sexualidade Ineficaz 05 33,3 Padrão de Sono Perturbado 06 40,0 Percepção sensorial perturbada (gustativa e olfativa), 05 33,3 Percepção sensorial perturbada (visual) 05 33,3 Percepção sensorial tátil (nos pés) perturbada 08 53,3 Processo de pensamento perturbado 04 26,6 Risco de desequilíbrio do volume de líquidos 08 53,3 Risco de disfunção neurovascular periférica 09 60,0 Risco de infecção 11 73,3 Risco de lesão micro e macrovascular 07 46,6 Risco para o não comprometimento 02 13,3 Risco para perfusão tissular cardíaca, renal, periférica e/ou cerebral ineficaz 08 53,3 Risco para quedas 08 53,3 Fonte: Os autores, A média dos DE foi de 17,9 para cada pesquisado. Estudo realizado no Brasil onde foram identificados 37 DE com média de 5,96 por paciente (TEIXEIRA et al., 2009). Em outra pesquisa realizada no Brasil com 7 pacientes diabéticos em uso de insulina constatou uma média 9,5 DE para cada cliente (BECKER et al., 2008). Este estudo obteve uma média acima das pesquisas citadas, tal fato se dar ao numero da amostra do presente estudo ser maior, além de que os dados obtidos levam em consideração a visão dos enfermeiros em um grupo específico que são os pacientes com diabetes tipo 2 e não os próprios pacientes portadores como fonte de coleta de dados. Um dos DE estabelecidos com frequência maior que 60% foi o Déficit de autocuidado apontado por 13 enfermeiros dos 15 pesquisados (86,6%), sendo este

5 5 definido como redução da capacidade de caráter temporário, permanente e/ou progressivo, de realizar independentemente as atividades de alimentar-se, tomar banho/limpar-se, vestir-se e arruma-se ou higiene íntima (NANDA, 2010, p ). No entanto, o DE pode ser relacionado ao fato de que uma das complicações mais frequentes do diabetes tipo dois é a amputação de membros (BRASIL, 2006), impossibilitando aos portadores a sua autonomia para a realização das atividades de seu cotidiano. O enfermeiro poderá agir na captação precoce destes indivíduos intervindo nas possíveis complicações da doença, além de realizar intervenções de enfermagem que leve em conta este diagnóstico para o beneficio do paciente a uma melhor assistência prestada. Dois dos DE obtiveram o índice maior que 60,0% foram: Nutrição desequilibrada: mais do que o corpo necessita (80,0%), que é definido segundo a NANDA (2010, p. 100) como Ingestão de Nutrientes que excede as necessidades metabólicas e Estilo de vida Sedentária (66,6%) sendo definido como: hábito de vida que se caracteriza por nível baixo de atividade física (NANDA, 2010, p. 146) estão relacionados entre si, pois o sedentarismo juntamente com a obesidade e hábitos alimentares são apontados como um dos motivos na elevação dos altos índices de pessoas com DM tipo 2 (BRASIL, 2006 e PEDROSO; OLIVEIRA, 2007). O enfermeiro na identificação deste diagnóstico poderá atuar intervindo estimulando a atividade física e melhoria da qualidade de sua alimentação levando em consideração a realidade de cada paciente, planejando assim de forma sistemática a assistência prestada a esse grupo populacional (TEIXEIRA et al., 2009). Outro DE que está em discussão é o de Integridade da pele prejudicada (66,6%) sendo caracterizado como Alteração da derme e/ou epiderme (NANDA, 2010, p. 329). Em alguns estudos o citado DE aparece com frequência 100% (BECKER; et al., 2008), estando relacionado ao rompimento da superfície da pele e a invasão de estruturas do corpo relacionadas à aplicação de insulina subcutânea diariamente (NANDA, 2010). A ausência de rodízio dos locais de aplicação e má aplicação da insulina poderão levar ao paciente a lipodistrofia insulínica, nódulos endurecidos, feridas entre outras complicações (CAMATA, 2003). Todavia o DE pode ser influenciado também pelo rompimento da superfície cutânea, que está relacionado aos extremos de idade, distúrbios metabólicos, sensibilidade alterada dos pés (TEIXEIRA et al., 2009). Consequências de origem crônica podem aparecer devido à neuropatia periférica presente em 50% das pessoas com DM (SMELTER et al., 2009), relacionando-se ao DE de risco de disfunção neurovascular periférica definido como: risco de anormalidades da circulação, da sensibilidade ou da função motora de um membro (NANDA, 2010, p. 341), obtendo uma frequência de 60,0% (09 casos). Deixando o indivíduo mais susceptível ao aparecimento de lesões que devido a problemas metabólicos podem demorar mais em sua cicatrização expondo-o a instalação de um quadro infeccioso, podendo levar a amputações de membros se o tratamento for negligenciado (GAMBA, 2001), o tempo de exposição poderá potencializar o risco de infecção, caracterizado por 73,3% em um diagnóstico da nossa pesquisa, que é definido como risco aumentado de ser invadido por microorganismos patogênicos (NANDA, 2010, p. 333), dado equivalente ao de uma pesquisa realizado por Teixeira et al. (2010), com frequência de 70% para este DE. Outro diagnóstico de enfermagem com frequência maior que 60,0% foi controle ineficaz do regime terapêutico aparecendo em 10 casos (66,6%) que é definido como: Padrão de regulação e integração ao cotidiano de um programa de tratamento da doença e suas sequelas que

6 6 não é satisfatório para o alcance das metas de saúde específicas (NANDA, p. 91). Achados de 67,7% deste diagnóstico estavam presentes no estudo de Teixeira; et al. (2009), as autoras ainda justificam o achado a complexidade de fatores que modificam o estilo de vida do paciente dificultando uma adesão ao tratamento medicamentoso e não medicamentoso do DM, nesse ponto Gagliardino (2001) cita que através da utilização da educação como ferramenta na terapêutica do paciente contribui de forma positiva para o controle metabólico, este suporte viabiliza aos pacientes e familiares a expansão dos conhecimentos a cerca do DM tipo 2 além de colaborar no desenvolvimento de habilidades para o autocuidado. Por fim o DE conhecimento deficiente (60,00%) definido como: ausência ou deficiência de informação cognitiva relacionada a um tópico especifico (NANDA, 2010, p. 198). Ao compararmos com o estudo de Teixeira et al. (2010) e Teixeira et al. (2009), com achados de 30% e 51,0 %, o presente estudo obteve uma frequência maior. As autoras dos estudos citados enfatizam a necessidade de educação dos pacientes e familiares a cerca do DM tipo 2 para monitorizarão e controle glicêmico, terapia nutricional, atividade física, desenvolvimento de habilidades do autocuidado entre outras intervenções de enfermagem que o profissional julgar necessário. CONSIDERAÇÕES FINAIS Concluiu-se que dos 40 Diagnósticos de Enfermagem (DE) listados no check-list aplicados aos enfermeiros das equipes de saúde da família do município Arcoverde-PE, todos obtiveram uma freqüência relativa, destes 14 tiveram frequência maior que 50,0% e 8 obtiveram frequência maior que 60,0%. O enfermeiro poderá trabalhar com pacientes portadores de DM tipo 2, através da aplicação de intervenções de enfermagem relacionada aos DE descritos, promovendo um trabalho em conjunto do profissional/paciente, facilitando assim a sua aceitação ao tratamento, melhoria na qualidade da assistência, além de colaborar para o desenvolvimento do conhecimento, autonomia e habilidade no autocuidado do paciente e familiares. O estudo dos diagnósticos de enfermagem para o DM tipo 2, possibilita ao enfermeiro uma abordagem individual e objetiva ao seu paciente, dando-lhe mais eficácia a assistência prestada além de possibilitar a melhoria de seu entendimento a cerca de questões da patologia, facilitando o planejamento do cuidado prestado a esse grupo de pessoas, contribuindo para aquisição e manutenção do autocuidado. REFERÊNCIAS ARREGUY-SENA, C.; CARVALHO, E. C.; ROSSI, L. A.; CARON-RUFFINO, M. Estratégias de implementação do processo de enfermagem para uma pessoa infectada pelo HIV. Revista Latino-americana de Enfermagem. v. 9, n. 1, p , BARRETO, P. L.; OLIVEIRA, F. M.; SILVA, R. C. P. Utilização do processo de enfermagem em diabéticos nas unidades de saúde de Coronel Fabriciano, Minas Gerais. Revista Brasileira em Promoção a Saúde, v. 20, n. 1, p , BECKER, T. A. C.; TEIXEIRA, C. R. S.; ZANETTE, M. L. Diagnósticos de enfermagem em pacientes diabéticos em uso de insulina. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 6, p , BRASIL, Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica - Diabetes Mellitus, n. 16, Distrito Federal (DF): Brasília, BRASIL, Resolução 196, Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Conselho

7 7 Nacional de Saúde, Disponível em: <http://www.bioetica.ufrgs.br/res19696.ht m>. Acesso em: 06 maio BRASIL. Cuidados de enfermagem em diabetes mellitus. Sociedade Brasileira de Diabetes, São Paulo, CAMATA, D. G. Complicações Locais na Pele, Relacionadas à aplicação de insulina. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 11, n.1, p , DOENGES, M. E.; MOORHOUSE, M. F.; MURR, A.C. DE Diagnósticos de Enfermagem, intervenções, prioridades, fundamentos. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. FERNANDES, W. L.; MODESTO, FILHO J.; NÓBREGA, M. M. L. Assistência de enfermagem ao diabético jovem embasada no autocuidado. Revista Mineira de Enfermagem, v. 1, p , GAGLIARDINO, J. J. Um modelo de programa educacional para pessoas com Diabetes tipo 2. Diabetes Care, n. 01, p GAMBA M. A.; OLIVEIRA O.; FRAIGE FILHO F.; MARTINEZ C.; KAJITA M.Y.; A Magnitude das Alterações Cutâneas, Neurológicas, Vasculares de Extremidades Inferiores de Pessoas com Diagnóstico de Diabetes Mellitus. Campanha de detecção e da ANAD. Diabetes Clinica, n. 6, p , MIRANZI, S. S. C.; FERREIRA, F. S.; IWAMOTO, H. H.; PEREIRA, G. A.; MIRAZI, M. A. S. Qualidade de vida de indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Texto Contexto Enfermagem, v. 17, n. 4, p , Florianópolis, 2008 NANDA INTERNACIONAL. Diagnósticos de enfermagem da NANDA, definições e classificação , 8 ed. Porto Alegre: Artmed, p. PREDROSO, E. R. P.; OLIVEIRA, R.G. Blackbook clínica médica. Belo Horizonte: Blackbook, p. SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS (MINISTÉRIO DA SAÚDE). Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: fase de detecção de casos suspeitos de DM. Revista de Saúde Pública, v. 35, p , SMELTER, S. C.; BARE, B. G.; HINKLE, J. L.; CHEEVER, K. H. In: Brunner & Suddarth Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 11 ed. v. 3. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. TANNURE, M. C.; GONÇALVES, A. M. P. SAE Sistematização da assistência de enfermagem guia prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. TEIXEIRA, C. R. S.; BECKER, T. A. C.; CITRO, R.; ZANETTI, M. L.; LANDIM, C. A. P. Validação de intervenções de enfermagem em pessoas com diabetes mellitus. Revista da Escola de Enfermagem, v. 45, n.1, p , TEIXEIRA, C. R. S.; NAKANSHI, M.K.; BECKER, T. A. C.; KUSUMOTA, L.; LANDIM, C. A. P. Diagnóstico de enfermagem Eliminação urinária prejudicada em pessoas com Diabetes Mellitus. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63. n. 06. p TEIXEIRA, C. R. S.; ZANETTI M. L.; PEREIRA M. C. A. Perfil de Diagnósticos de Enfermagem em pessoas com diabetes segundo modelo conceitual de Orem. Revista Acta Paulista de Enfermagem,

8 8 v. 22, n.4, p , 2009.

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME Odete Aparecida de Moura Autores Odete Aparecida de Moura 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio Januário

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO Sistematização da Assistência de Enfermagem = Processo de Enfermagem Na década de 50, iniciou-se o foco na assistência holística da

Leia mais

Benchmarking CEESIP. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana Cardoso Enf. Fátima Couto O.E. 17.10.2009

Benchmarking CEESIP. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana Cardoso Enf. Fátima Couto O.E. 17.10.2009 Benchmarking CEESIP Intervenção de Enfermagem para promover comportamentos de adaptação e melhorar níveis de adesão na Diabetes Mellitus tipo I em crianças e adolescentes. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA 1/5 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM CÓDIGO: ENB056 CARGA HORÁRIA TEÓRICA 60H CARGA HORÁRIA PRÁTICA 75H CRÉDITOS 9 VERSÃO CURRICULAR: 2010/2 PERÍODO: 4º DEPTO:

Leia mais

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Diagnóstico de Enfermagem e a Taxonomia II da North American Nursing Diagnosis Association NANDA MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Taxonomia I A primeira taxonomia da NANDA foi

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE * Alves JS, * Santos EF, Moreira AGE, Poveda VB Faculdade de Ciências da Saúde/Curso de Enfermagem Universidade do Vale do

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL).

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL). 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EDUCAÇÃO

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO Saranádia Caeira Serafim 18, Ruth Nobre de Brito 1, Francisca Talita de Almeida Oliveira

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem.

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem. ATIVIDADES REFERIDAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS PESSOAS COM ÚLCERAS VASCULARES: MAPEANDO O ATENDIMENTO NAS SALAS DE CURATIVO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA Adriana Cristina de SANTANA 1 ; Maria Márcia

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA Janaina Pereira dos Santos Enfermeira do Centro de Radioterapia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Especialista em Pediatria e Neonatologia Especialização

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 Ementa: Realização de glicemia capilar e aferição de pressão arterial. 1. Do fato Auxiliares e Técnicos

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro Novembro - 2012 ObservaRH Estação de Trabalho IMS/UERJ www.obsnetims.org.br Sobre os autores Celia

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE Morais, Bruna Lais Alcará¹; Martins, Luz Marina Pinto² ¹ Estudante do Curso de Enfermagem

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 195ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 16/11/10 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, paulistanos que nos acompanham

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Projetos de pesquisa no Saúde Instituto de Ciências da 10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Título: Avaliação da autoeficácia materna para prevenir diarreia infantil em Redenção-CE

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc É a realização da prática de enfermagem de modo sistemático (organizado e planejado). Com o objetivo

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

Diagnósticos de enfermagem identificados em pessoas com diabetes tipo 2 mediante abordagem baseada no Modelo de Orem 1

Diagnósticos de enfermagem identificados em pessoas com diabetes tipo 2 mediante abordagem baseada no Modelo de Orem 1 Revista Eletrônica de Enfermagem. 2008;10(2):321-336. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n2/v10n2a04.htm ARTIGO ORIGINAL Diagnósticos de enfermagem identificados em pessoas com diabetes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE COM FOCO EM DIABETES MELLITUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROMOÇÃO DA SAÚDE COM FOCO EM DIABETES MELLITUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PROMOÇÃO DA SAÚDE COM FOCO EM DIABETES MELLITUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA BATISTA 1, Mikael Henrique de Jesus; SILVA², Lorrayne Emanuela Duarte da; MOREIRA 3,Samantha Ferreira da; DONATO 4, kelvia Silva

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Francinubia Nunes Barros¹; Elainy Fabrícia Galdino Dantas Malta² Faculdade Leão Sampaio, nubinha20082008@hotmail.com¹.

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

ESTUDO DE CASO: UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO BASEADA EM REVISÃO INTEGRATIVA

ESTUDO DE CASO: UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO BASEADA EM REVISÃO INTEGRATIVA ESTUDO DE CASO: UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO BASEADA EM REVISÃO INTEGRATIVA Letícia Oliveira Santana ¹, Eliza Silva Nascimento¹, Yonara Vieira Silva ¹, Renata Ohana Pereira dos Santos ¹, Silvia Lúcia Pacheco

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO Raniele Ramalho de SOUZA 1*, Sara Fonte Boa de OLIVEIRA 1,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva Eliana Campos Leite Saparolli A consulta de enfermagem é uma atividade privativa do enfermeiro respaldada pela atual legislação do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Enfermagem DEPARTAMENTO: Ciências Básicas da Saúde DISCIPLINA: Enfermagem em Clínica Médica Cirúrgica I PROFESSORA RESPONSÁVEL:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

Revista Brasileira de Enfermagem ISSN: 0034-7167 reben@abennacional.org.br Associação Brasileira de Enfermagem Brasil

Revista Brasileira de Enfermagem ISSN: 0034-7167 reben@abennacional.org.br Associação Brasileira de Enfermagem Brasil Revista Brasileira de Enfermagem ISSN: 0034-7167 reben@abennacional.org.br Associação Brasileira de Enfermagem Brasil Alves Canata Becker, Tânia; Souza Teixeira, Carla Regina de; Zanetti, Maria Lúcia Diagnósticos

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro TUMORES CEREBRAIS Maria da Conceição Muniz Ribeiro Tumor Cerebral é uma lesão localizada que ocupa o espaço intracerebral e tende a acusar um aumento de PIC. Em adulto, a maior parte dos tumores se origina

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09 Uberaba, 23 de março de 2012 Gabarito da Prova Prática do Processo Seletivo Interno para o cargo de Enfermeiro Possíveis diagnósticos de Enfermagem com seus respectivos planejamentos: 01) Integridade da

Leia mais

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS.

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. SMOKING, SEDENTARY LIFESTYLE AND OVERWEIGHT AS FACTORS ASSOCIATED

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais