ADRIELLE CORRÊA DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: VIVÊNCIA DOS PAIS EM RELAÇÃO À ALIMENTAÇÃO DE SEU FILHO GUARAPUAVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADRIELLE CORRÊA DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: VIVÊNCIA DOS PAIS EM RELAÇÃO À ALIMENTAÇÃO DE SEU FILHO GUARAPUAVA"

Transcrição

1 ADRIELLE CORRÊA DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: VIVÊNCIA DOS PAIS EM RELAÇÃO À ALIMENTAÇÃO DE SEU FILHO GUARAPUAVA 2010

2 ADRIELLE CORRÊA DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: VIVÊNCIA DOS PAIS EM RELAÇÃO À ALIMENTAÇÃO DE SEU FILHO Trabalho de Conclusão de Curso a ser apresentado ao Departamento de Nutrição, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Nutrição. Orientador (a): Prof.(a) Ms. Silvana Franco Co-orientador (a): Prof. (a) Ms. Renata Léia Demário GUARAPUAVA 2010

3 DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: VIVÊNCIA DOS PAIS EM RELAÇÃO À ALIMENTAÇÃO DE SEU FILHO RESUMO DIABETES MELLITUS IN CHILDREN AND ADOLESCENTS: PARENTAL EXPERIENCE ON THE FEEDING YOUR CHILD CORRÊA, Adrielle 1 FRANCO, Silvana 2 DEMÁRIO, Renata Léia 2 O diabetes mellitus tipo 1 é uma condição crônica de saúde de início súbito que se desenvolve mais frequentemente em crianças e adolescentes. Os portadores de diabetes necessitam de auxílio dos familiares para realizar o controle e o seguimento do tratamento. Esse estudo teve como objetivo conhecer a experiência dos pais de crianças e adolescentes diabéticos em relação à alimentação dos seus filhos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada por meio de entrevista semi-estruturada, na cidade de Guarapuava/PR. Os participantes da pesquisa foram dezessete pais com filhos portadores de diabetes mellitus tipo 1, sendo todos cadastrados no programa Hiperdia e que recebiam insulina através do Sistema Único de Saúde. As questões norteadoras foram: Como é o seu dia em relação à doença e à alimentação de seu filho?, Depois da descoberta da patologia houve modificação na vivência com seus filhos? e O que pensa sobre a terapia nutricional de seu filho?. Os resultados deste trabalho revelaram a mudança na dinâmica familiar após o diagnóstico da doença, observou-se, através dos relatos, que a maior dificuldade era em relação à alimentação e que havia mudanças nos hábitos alimentares. Os pais relataram não se sentirem preparados para lidar e conviver com a doença. De acordo com os resultados enfatiza-se a importância dos profissionais de nutrição conhecerem a vivência dos pais em relação à alimentação de seus filhos para que possam ajudar e orientar estes na terapêutica nutricional. Palavras chave: Relações Familiares, Diabetes Mellitus Tipo 1, Pesquisa Qualitativa ABSTRACT Diabetes mellitus type 1 is a chronic health condition of sudden onset that develops most often in children and adolescents. Patients with diabetes need help from family members to carry out control and monitoring of treatment. This study aimed to assess the experience of parents of diabetic children and adolescents in relation to feeding their children. This is a qualitative study conducted through semi-structured in Guarapuava/PR. Survey participants were seventeen parents with children with diabetes mellitus type 1, all enrolled in the program Hiperdia and receiving insulin through the Public Health System. The key questions were: "How is your day in relation to disease and feeding your son?", "After the discovery of the disease was no change in their experiences with their children?" and "What do you think about nutritional therapy for your son?". The results of this study revealed the change in family dynamics after the diagnosis of disease was observed through the reports that the biggest difficulty is in relation to food and that there are changes in eating habits. Parents reported not feeling prepared to deal and live with the disease. According to the results emphasize the importance of nutrition professionals to know the experience of parents regarding the feeding of their children so they can help and guide their children in nutritional therapy. Keywords: Family Relations, Diabetes Mellitus Type 1, Qualitative Research 1 Acadêmica do Curso de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste 2 Professora Mestre do Departamento de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste

4 INTRODUÇÃO O diabetes mellitus (DM) é uma condição crônica de saúde de início súbito que se desenvolve mais frequentemente em crianças e em adultos jovens, geralmente antes dos 30 anos, que se caracteriza pelo excesso de glicose no sangue e à diminuição ou alteração da insulina, que é um hormônio protéico produzido pelo pâncreas 1,2. Os pacientes com DM tipo 1, têm pouca ou nenhuma capacidade de secreção de insulina, devido à destruição das células beta da ilhota pancreática e, portanto, dependem da administração de insulina exógena para impedir a ocorrência de descompensação metabólica e morte 3,4. O diagnóstico de DM é imediato na presença dos sintomas clássicos de poliúria, polidipsia, perda inexplicável de peso e determinações dos níveis plasmáticos de glicose 3. Porém, hoje se sabe que a criança e o adolescente podem permanecer assintomáticos, é quando os sintomas clássicos somente se apresentam no momento em que se perde 80 a 90% da capacidade funcional das células beta. Portanto, o diagnóstico precoce não evita o aparecimento da doença, mas os riscos de evolução de um quadro grave 5. O DM constitui um dos mais sérios problemas de saúde na atualidade, tanto em relação ao número de pessoas afetadas e incapacitações desencadeadas, quanto ao que diz respeito aos custos envolvidos para o controle e tratamento das complicações 6. Em muitos países, a prevalência do DM tem se elevado vertiginosamente e espera-se ainda maior incremento. Nos países em desenvolvimento, há uma propensão de aumento na frequência em todas as faixas etárias, especialmente nas mais jovens, cujo impacto negativo sobre a qualidade de vida e a carga da doença aos sistemas de saúde é relevante 7. A doença está associada a maiores taxas de hospitalizações, a maiores necessidades de cuidados médicos, a maior incidência de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, cegueira, insuficiência renal e amputações não traumáticas de membros inferiores 8,9. Há outras implicações que acarretam na vida da criança e do adolescente, e também na vida da família, tais como dor, sofrimento, desesperança, ansiedade, isolamento, incapacidade, mutilações, podendo chegar à morte 10. A criança e o adolescente portadores de DM vivenciam vários obstáculos que interferem no processo de desenvolvimento. Por ser uma fase da vida de muitas modificações 11 e, ainda, de condições impostas pela doença, haja vista que o seu tratamento passa pelas restrições alimentares, injeções de insulina, necessidade de atividade física regular, e, ainda, pelo medo das possíveis complicações e mal-estar provocado pelos sintomas

5 de hiper e hipoglicemia, tais repercussões da doença tornam-se uma realidade e há necessidade de aprendizado para lidar com a doença tanto por parte dos pacientes como dos membros de sua família 12. Concorda-se que a família constitui um sistema no qual o comportamento de cada um dos membros é interdependente ao dos outros. O grupo familiar pode ser visto como um conjunto que funciona como uma totalidade, em que as particularidades dos membros não bastam para explicar o comportamento de todos os outros membros. Desse modo, a análise de uma família não é a soma da análise de seus membros individuais 13. Assumindo a família como um sistema, fica claro que a experiência de cada um de seus membros afeta o sistema familiar, dado que o comportamento de cada pessoa afeta e é afetado pelo comportamento de cada uma das outras pessoas 14. Nesse sentido a família que apóia seus membros em situação de doença compreende as modificações relacionadas à condição e torna-se permeável aos ajustamentos necessários para garantir o suporte necessário ao seu familiar doente, facilitando a adesão ao tratamento, e melhora de sua saúde 15. Desse modo, podem ser asseguradas às condições para uma maior eficácia para a adaptação 16. Em relação ao envolvimento da família a literatura aponta, ainda, que o apoio dos familiares é um requisito fundamental para que o paciente diabético consiga alcançar o autocontrole de sua doença, o seguimento do tratamento, da dieta e da participação em um programa regular de exercícios 17,18,19. Por motivos que a doença interfere na intimidade do grupo familiar, a dieta é frequentemente motivo de muitas dificuldades e falta de adesão 20. Indivíduos diabéticos devem ser encorajados a ingerir dieta balanceada, que forneça todos os macro e micronutrientes essenciais, em quantidades adequadas. A terapia nutricional deve objetivar não somente o equilíbrio glicêmico, mas também a prevenção de riscos futuros, visando o controle dos lipídeos e lipoproteínas plasmáticas, além de mediar os processos inflamatórios. Deve-se ter como finalidade prevenir e retardar a taxa de desenvolvimento de complicações 21. No caso de crianças e adolescentes com diabetes, esses não precisam de nenhum alimento ou suplemento especial, mas de calorias suficientes para equilibrar o consumo diário de energia e suprir as necessidades para seu crescimento e desenvolvimento 22. As diretrizes publicadas sobre o tratamento do diabetes refletem uma abordagem mais flexível em relação às intervenções nutricionais. A maioria enfatiza a importância de aspectos, como a formação de educadores em diabetes, individualização da dieta, maior variedade de escolha de alimentos ricos em carboidratos e inclusão de atividade física constante 23.

6 Na verdade não há estudos com diabéticos sobre necessidades de nutrientes, as diretrizes nutricionais da American Dietetic Association (ADA) fundamentam-se nas recomendações vigentes para crianças e adolescentes saudáveis 24,25. Estudos evidenciam inadequação na alimentação em grande parte das crianças e dos adolescentes, por apresentarem baixo consumo de hortaliças e frutas e, consequentemente, com alta ingestão de alimentos ricos em gordura 26. Este fato é observado em crianças em geral, e é visto o mesmo comportamento alimentar em diabéticos. Portanto, a ênfase inicial do tratamento dietético deve ser a adequação da ingestão de nutrientes. Posteriormente, devem-se enfatizar os aspectos mais específicos relacionados diretamente ao controle da glicemia 21. Sabe- se que a família influencia no controle da doença, quanto ao seguimento do tratamento em relação à dieta, a medicação e ao plano de atividade física. Como a alimentação interfere na intimidade familiar, este trabalho teve como objetivo conhecer as principais dificuldades e como a família convive com a doença, enfocando os aspectos alimentares da família. PERCURSO METODOLÓGICO Trata-se de um estudo de natureza qualitativa. Os sujeitos do estudo foram pais de crianças e adolescentes diabéticos da cidade de Guarapuava, Paraná. A população foi de 17 participantes, sendo 13 mães, 2 pais e 2 casais, estes estando cadastrados no programa Hiperdia e que recebem insulinas através do Sistema Único de Saúde (SUS), os dados cadastrais estão disponíveis em arquivo documental no Consórcio Intermunicipal de Saúde (CISGAP) na cidade onde foi realizada a coleta dos dados. O Hiperdia é um sistema de cadastramento de hipertensos e diabéticos captados no Plano Nacional de Reorganização da Atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus, em todas as unidades ambulatoriais do SUS. Com o cadastro no sistema, os pacientes acometidos com as patologias possuem a garantia do recebimento gratuito dos medicamentos prescritos e acompanhamento médico 27. Primeiramente, realizou-se uma análise documental sobre as crianças inscritas no programa Hiperdia. Posteriormente, efetuou-se contato telefônico com o responsável pelo paciente diabético, para o qual foram esclarecidas a natureza e o objetivo do trabalho. E, assim, as entrevistas foram agendadas em horários pré determinados pelos participantes em seus domicílios. Para a coleta dos dados utilizou-se o guia de entrevista elaborado pelas pesquisadoras

7 com questões semi-estruturadas (Apêndice 1), gravador de áudio, Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) (Apêndice 2). Cada participante antes da entrevista foi esclarecido a respeito dos objetivos e finalidades do trabalho e em concordância com o mesmo, assinaram o TCLE, autorizando a entrevista, bem como sua gravação, para posteriormente ser realizada a análise e divulgação dos dados, com garantia de que não seriam revelado nomes, mantendo sigilo e privacidade. O documento também deixava claro que a qualquer momento poderiam desistir da pesquisa, e que não receberiam benefícios diretos nem compensação financeira relacionada à participação. As entrevistas foram realizadas em ambiente reservado onde os entrevistados não tivessem interferências, áudio gravadas, em situação face a face. Sendo que todas as entrevistas tiveram um tempo de duração de 340 minutos. Para análise dos dados utilizou-se a análise temática de conteúdo 28,29. Procedeu-se à ordenação das falas, após a transcrição integral das entrevistas e da leitura do material de coleta. Posteriormente, selecionou-se o material em categorias (Apêndice 3), buscando-se as idéias relevantes que constituíssem as unidades de significado, as quais foram organizadas pelos pesquisadores em subtemas, relacionando-os aos outros temas. A fim de assegurar o anonimato dos participantes, utilizou-se a letra P seguida por algarismos cardinais para identificação dos sujeitos e das falas. (Ex.: P 01, P 02). O projeto recebeu aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO), conforme ofício nº 207/2009 (Anexo 1). A pesquisa foi conduzida de acordo com a resolução 196/ RESULTADOS E DISCUSSÃO Obteve-se da análise dos dados sete temas que serão discutidos a seguir. Dificuldade dos pais A dificuldade encontrada pelos pais, após a descoberta da doença, foi em relação à alimentação. O lado financeiro da compra dos alimentos novos e específicos para a patologia, a restrição alimentar aos filhos, justificam tal problema, como ilustram as falas abaixo: A alimentação dele, é bastante cara né, as coisa diet (...) e a gente pra comprá isso, assim, é difícil sabe. (P 06) (...) o que eu acho o mais assim pra nós, é dizer o não pra comida, por que a gente, geralmente, assim, você cria seu filho e coloca limitações de outra coisa não de alimentação

8 né, você diz não pra uma coisa que tá errado, mas pra comida nunca (...) então o que é difícil pra nós é o não pra comida que dói muito isso, vê ela passá vontade. (P 07) (...) a maior dificuldade realmente é a alimentação, é a troca, porque na idade dele, (...) na minha cabeça que diabetes era pirulito, bala, chicletes, eu não tinha essa noção do carboidrato que se transforma em açúcar lá dentro, então quando a primeira explicação que eu tive sobre isso, eu disse eu vô dá pra ele comê o quê? Se tudo tem carboidrato, né? aí que ele [médico] foi me explicando que ele pode ter ingestão de carboidrato, mas tudo controlado, né. (P 09) De acordo com o estudo de Santos 31, tanto os pacientes quanto seus familiares possuem dificuldades em conviver com a doença sendo propensos a sentimentos de impotência, desânimo e permanente sensação de ameaça à integridade corporal do paciente. A terapia nutricional é fundamental no cuidado do DM e essencial para o sucesso do tratamento, pois o principal objetivo do controle alimentar é de auxiliar os diabéticos a manterem a glicemia o mais próximo do valor normal 32. Porém, um grande obstáculo a ser enfrentado é em relação à alimentação, pelo fato de interferir na intimidade do núcleo familiar, e a dieta frequentemente ser motivo da falta de adesão ao tratamento 18,20. Modificações na vida familiar A mudança na vida familiar foi inevitável após o diagnóstico da doença, o grupo mudou em função da criança e adolescente com diabetes. Com o tratamento, houve uma desestruturação familiar, havendo modificações, sendo que agora os pais deviam ir atrás de recursos para o tratamento de seus filhos. Houve, também, grande limitação da vida social da família, e que alguns momentos deixou-se de frequentar locais onde o filho poderia estar entrando em contato com alimentos que não poderia mais ingerir, conforme evidencia-se nas falas abaixo: Todas, todas as consultas que ela faz de cada três meses eu levo ela fazê os exames, daí já levo os exame pro médico, o médico preenche a documentação, tudo eu acompanho junto, e isso modifica, né. (P 04) (...) faziam 11 anos que nós morávamos fora, então a partir dessas crises dele, eu resolvi que queria ficar perto da minha família e da dele [esposo], aqui então eles não precisariam

9 ficar na escola o dia todo, tem a minha mãe, a mãe dele, as avós, né, que podem dá uma mão. (P 09) Às vezes tem alguém, convida pra um aniversário, a gente pode até saí à noite, vamo comê uma pizza, vamo, beleza então faz-se o exame, 400, já era a pizza, não dá, então muitas vezes a gente deixa de ir em algum lugar por causa dela, por causa do probleminha dela. (P 11) Realmente minha vida mudou muito depois da doença. Eu, eu passei 4 anos assim sem consegui dormi à noite, acho que a noite eu dormia com a mão nela, ou acordava 20, 30 vezes na noite pra olhá, tinha medo de acordá e vê ela realmente convulsionada, como várias vezes eu vi ela convulsionando (...) olha vou dizer, acho que eu sofri mais com tudo isso do que ela própria. (P 12) A doença crônica é estressante e afeta o desenvolvimento normal da criança e também atinge as relações sociais dentro do sistema familiar. A rotina da família muda com constantes visitas ao médico, medicações e hospitalizações 33. A descoberta que o filho tem diabetes insere-se na história da família como algo que divide a vida em antes e depois. Após a descoberta o núcleo familiar se reestrutura para, prioritariamente, atender as necessidades do membro doente. A vida familiar passa a girar em torno dos cuidados ao filho, e todos os membros da casa mudam seus comportamentos voltando-se para um ponto em comum, a criança e adolescente com a patologia; o objetivo é o cuidado à pessoa diabética, tornando-se mais unidos e cooperativos 34. Foram visíveis as mudanças com os outros filhos do casal por meio dos relatos dos pais. (...) tenho uma menina de 13 e ele com 9 agora, então muitas vezes ela pagou por alguma coisa que não, não fazia parte dela (...) (P 09) (...) além dela, tem mais dois filhos, então o que acontece, você tem que privá ela de comê algumas coisas, e como consequência disso os outros também, mas como você não pode tirar tudo também, às vezes você compra (...) (P 11)

10 Modificações na alimentação familiar As modificações no cotidiano familiar foram evidentes, e com essas mudanças, houve alterações nos hábitos alimentares da família. As famílias buscaram reestruturar o cardápio alimentar utilizado antes da doença dos filhos, mudando comportamentos em relação à dieta, passando por uma educação do grupo familiar, e isso pode ser visto nas falas abaixo: (...) todo o final de semana a gente tinha uma sobremesa, tinha um bolo, agora eu já compro, agora né, coisa diet pra ele e faço, mas não igual antes (...) (P 06) Modificação total, eu emagreci 16 quilos (...) arroz, macarrão, tudo, tudo é integral hoje, leite desnatado, tiramos bastante coisa que ela não come. Porque não tem como sentá na mesa e toda a refeição dela ser diferente da minha porque ela vai olhá e vai querê, então a gente substituiu tudo também. (P 07) Ah, eu não faço mais tantas sobremesas, deixo de comprar algumas coisas, como bolachas, refris, e faço mais salada, verdura, assim, pra que eles comam, né. (P 13) Aderir a um plano alimentar envolve mudanças apropriadas que se iniciam dentro da própria família e o êxito deste processo exige mecanismos de adaptação para promover tais mudanças. Nota-se que a maior dificuldade relaciona-se com os carboidratos de absorção rápida tais como: doces, balas e chocolates, pois a frequência relatada pelas mães, cujos filhos deixaram de participar de reuniões festivas é relevante 35. Alguns alimentos são restritos, alguns são adaptados e outros são inseridos ao novo hábito alimentar, sendo que deve haver horários estipulados para as refeições. A reestruturação alimentar é uma das coisas mais difíceis de inserir na nova rotina, pois estavam acostumados a ingerir todo tipo de alimentos sem restrições, porém essa mudança no padrão alimentar é percebida como fatores positivos, pois melhoram a qualidade de vida dentro da família 34. O comportamento alimentar de crianças e adolescentes é, invariavelmente, reflexo dos hábitos alimentares da família. Em seu estudo, Lottenberg 21, mostrou que frequentemente, as escolhas de alimentos que compõem a alimentação são inadequadas, seja por conveniência da família ou mesmo por preferências da criança, cujas escolhas não são eficientemente corrigidas, conforme o depoimento descrito abaixo:

11 A gente começou um tratamento, aí começô tudo integral, tudo... Só que nóis tava, nóis não, a C.[esposa] e a A.[criança diabética] tavam virando uns cambito de seca. (...) nóis ficamo 8 meses, comendo só coisa verde, aí elas começaram a emagrecer, eu não emagreci porque eu ia comê no bar, mas elas tavam, tavam sofrendo demais, não tava dando, aí largamo mão, paramo de comê só integral e só... além de ser ruim é caro né? (...) Aí voltamô pra comida normal, sempre tendo uma verdura. (P 11) Reclamação dos filhos As crianças e adolescentes modificam o modo de viver em função da doença e encontram dificuldades em sua vida. Os pais convivem e sabem de toda essa transformação, das reclamações e dos maiores problemas enfrentados por seus filhos, como observa-se nos relatos abaixo: (...) ela gostaria de tá usufruindo de todas as coisas que os outros que não tem diabetes, né, usufruem, né, como por exemplo não tem assim, vamos dizer na parte dos doces tem restrição, né (...) (P 01) (...) reclama mesmo, em relação a comida e a aplica as insulinas e o por que ela ter o diabetes, né. (P 03) Ela reclama que ela não tem liberdade pra sair, pra i nas amigas, a gente não confia nela, toda a vez que a gente deixa ela i ela apronta, né, ela acaba não resistindo, as amigas acabam oferecendo, dão chocolate, doce, dão um monte, dão bolas de coisa pra ela. A gente priva ela assim, e ela reclama, né, que ah minhas amigas podem i, às vezes férias, ela não sai de casa. (P 11) Reclamava, i e dizia por que os outros podem comê as coisas, eu não posso, reclamava de ter que ser furada sempre recebendo as injeção, né. (P 05) As restrições e limitações são sentidas pelas crianças, bem como pelos pais, por conseguinte a doença é vista como uma punição ou como ordens a serem seguidas, e o que impera em sua vida atualmente é um dever que não tem significados concretos em sua experiência de adoecimento, mas se não houver seguimento das recomendações, futuramente terá complicações. Decorrente dessa percepção da doença e da necessidade de seu controle e monitoramento há uma mágoa, que se expressa entre aquilo que se queria fazer, mas que não pode por causa da doença 36.

12 Preparo da família para lidar com a doença A família, desde o início dos sintomas vivencia fases difíceis. É preciso um período de aceitação e preparo, para que se possa aprender a conviver com todas as transformações que ocorrerá na vida familiar. Não me sinto preparada, no começo a gente fica, né, não sabe o que aconteceu, e ela ficou doente. (P 06) Ah não, na verdade nunca estive preparada, desde o início foi difícil, né, eu não consigo colocar limites nela como eu te falei, toda vida é um briga, sabe, eu não tenho mais controle, é, não sei mais o que eu faço pra cuidar dela, eu já xinguei, eu já briguei, eu já me descabelei, e não resolve, não resolve, não consigo nem que ela se controle na alimentação, sabe, é é difícil. (P 12) Nesse momento pode haver desestruturação e incertezas, sendo que a família deve aprender como lidar com sintomas, procedimentos diagnósticos e terapêuticos, para uma reorganização em suas vidas 12. Mesmo após algum tempo de doença, percebeu-se que não houve um grande avanço de como conviver com a criança e adolescente e com as situações que a doença oferece. (...) já tentei de tudo, já briguei, já conversei, já deixei, já larguei, já peguei de novo, só que não tem, aí vira aquele estresse sabe, não adianta, não adianta, nenhuma das coisas que eu tentei deu certo até agora (...). (P 12) (...) porque o diabetes não afeta só a questão ah a alimentação, afeta o psicológico, afeta tudo, todas as áreas da pessoa pega, aí diz que isso não é doença, a pessoa pode ter uma vida normal com diabetes, mas não é bem normal assim (...) é, preparado acho que a gente nunca vai tá, porque a gente sempre vai tá, sempre tem coisa nova, coisa difícil (...). (P 11) Agora vou dizer que é mais fácil, já sei todas as manhas, mas preparada, preparada não, né, sempre tenho um receio, na parte da noite, né, como falei, tem que ficar em cima, e se acontece alguma coisa, vou fazer o quê? Não sei qual vai ser a minha reação ainda, né. (P 17) Muitos sentimento e reações podem surgir em familiares de diabéticos como: culpa, desespero, raiva, frustração, incerteza, dúvidas, medo, negação, sensação de impotência,

13 desânimo 12. Percebe-se que no início do diagnóstico do DM 1, produz-se uma ruptura temporal, o antes e o depois do diagnóstico da criança e adolescente, assim como sua família defronta com as irreversibilidades da doença, vigilância para as percepções de complicações, monitorização de glicemias, injeções de insulinas, cuidados dietéticos 37. Todos esses sentimentos, reações e cuidados, aos poucos vão se tornando parte da rotina das pessoas envolvidas, como a dieta, as aplicações de insulina, teste de glicemia. Porém, nunca estarão preparados para lidar e conviver com todos os sentimentos e com o lado emocional que a doença afeta na pessoa diabética. Situações de riscos vivenciados pela família Uma situação marcante na experiência e vivência da família é em relação às descompensações. Onde a família está em constante preocupação, frequentemente convivendo com episódios de hipo e hiperglicemia, e ter que reconhecer os sinais e sintomas rapidamente. Eles buscam incessantemente o controle da taxa de glicemia 34. Teve um caso de que ela ficou longe da gente um pouco e daí ela se descuidou. E daí eu tive que interná ela, levamô pro posto na emergência daí ela ficou internada lá no Belém, um pouco lá na realidade ela deu um problema bem sério no coração, aceleração no coração. Dessa vez ela passou bem, bem mal. Quando a gente descobriu o diabete, na verdade, ela teve mais umas duas, três vezes internada por causa do diabete no mesmo ano. (P 04) (...) e ele chegou no hospital com 13 de glicemia, ai então já dá espasmo muscular, né, assim, ele já assim retrai um pouco a, nessa vez deu o lado direito do rosto, assim dá uma repuxada, e, e as crises daí assim de gritos, né, ele grita muito quando ela baixa. Depois volta, que aplica a glicose na veia, tudo ele vai voltando, demora um tempo, essa vez que foi a mais forte assim, já fazem, ele devia ter uns quatro anos mais ou menos (...) (P 09) Teve uma vez que ela (...) fico cinco dias na UTI aqui, foi bem bravo, e teve outras vezes, a pouco tempo, aqui, no ano passado, né, que ela, ela, ela mesmo se revolto com a doença, e daí ela começô a alterá a dose da insulina (...) porque tinha comido doce escondido e ela aumentô a insulina pra não, não subi o diabete pra nóis não descobri que ela tinha comido doce escondido, e teve uma das vezes que a ambulância veio aqui, o Drº L. falou que se demorasse mais 15 minutos ela chega à morte, subiu muito e ela aplicou muito insulina, então, mas, antes teve várias vezes de ela ficá muito, muito mal (...) (P 11)

14 (...) o problema é as consequências desse tá alto, né, daí vem problemas no olho, visão, cicatrização, então tem que tentá mantê o mais normal possível pra ele ter, ele não teve complicação nenhuma até agora, já faz 9 anos que ele tá com diabetes, né, fizemos exame de fundo de olho pra vê, sempre tá normal, mas porque é cuidado que nossa, o máximo que a gente consegue e pode, né. (P 17) Os pais experimentam dificuldades, medos e inseguranças, pela doença do filho. Ao relatarem as situações vividas desde o diagnóstico até o momento atual, em todas as etapas, os pais revelam intenso sofrimento. Eles são constantemente invadidos por medo de perda, tanto no presente como no futuro, em função das complicações da doença 38. Estas situações geram na família dois sentimentos, o primeiro com relação ao enfrentamento das urgências, que coloca a vida do filho em risco eminente. O segundo, em longo prazo, refere-se às ocorrências constantes de descompensação, que traduzem a falta de equilíbrio da situação metabólica, gerando uma maior possibilidade da criança e adolescente vir a desenvolver complicações, comprometendo a qualidade de vida no futuro 34. Educação e Recomendação alimentar Sabe-se que a educação é um dos pontos fundamentais no tratamento do DM, sendo também necessária a motivação do indivíduo para a aquisição de novos conhecimentos e para o desenvolvimento das habilidades nas mudanças de hábitos. Vemos aqui que os profissionais da área de saúde são de uma forma geral fundamentais no processo de educação dos familiares e aos pacientes diabéticos. (...) a gente tem que tá sempre procurando aprender, né, que nem a gente sempre procura as pessoas que sabem mais, né, que nem a gente vai com os médicos dela, né, a gente sempre procura está aprendendo, buscando orientação, né. tem uma nutricionista que nos orienta. (P 01) Tem, tem uma nutricionista que nos orienta. (...) Nós fazemos de três em três meses, com o médico em Curitiba, né, endócrino e a nutricionista junto. Então eles estão sempre nos orientando em parte da medicação, das insulinas, né, e também em relação à alimentação. (P 02)

15 [recomendação] (...) só de médico, nutricionista não. Fui aprendendo no dia a dia com as pessoas, com os amigos, né (...) e o médico passa orientações, passa até hoje, né, passa bastante coisa. (P 03) (...) eu tenho a nutricionista, quando eu preciso eu vô lá sempre. Até dúvidas assim que eu tenho eu posso i lá. (P 06) (...) quase a vida toda dele até agora, desde a doença, foi com acompanhamento da nutricionista (...) não posso dizer que ele tem uma dieta extremamente assim pra um diabético, não, principalmente porque essa contagem de carboidratos, me, me foi assim que o médico liberou justamente pra ele ter uma vida integrada com as dos colegas, né, e não precisa comê tudo diet, barrinha diet, cereal diet. (P 09) Fez aquela pirâmide da alimentação, ela [nutricionista] ensinou o que pode e o que não pode. Agora, agora eu sei, a diferença do light e diet, a diferença, né (...) O pão integral, arroz integral, bastante salada (...) Até o pão a nutricionista me deu a receita pra eu fazer pra ela agora, né, aprendi a fazê o pão. (P 15) Educação para o diabetes significa promover mudanças no estilo de vida. Não é apenas receber a informação, é um conjunto de medidas que desencadeiam mudanças reais em uma determinada pessoa. O processo de educação é lento, gradativo e contínuo, mas com bons resultados 39. O bom relacionamento entre o profissional de saúde, os pacientes e familiares das pessoas com a patologia é fundamental na orientação nas práticas do cuidado. Esse profissional é a pessoa mais indicada para dar orientação e realizar uma educação a respeito dos cuidados 40. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados deste trabalho revelaram a mudança na dinâmica familiar após o diagnóstico da doença crônica. A existência do DM trouxe momentos difíceis para toda a família. Notou-se nas entrevistas, que o cuidado a essas crianças e adolescentes aumentou, consumindo mais tempo, energia, compreensão de todos que convivem ao redor do portador da doença.

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle?

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Tenho diabetes: o que isso significa, afinal? Agora que você recebeu o diagnóstico de diabetes, você começará a pensar em muitas

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS. Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS

A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS. Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS 1 A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS RESUMO Priscila Bortolozzo Sueli Caro A forma como pais e crianças enfrentam a doença crônica está associada

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais

Oi Lindona! Eu sou MILLA PADUA, Coach de Boa Forma

Oi Lindona! Eu sou MILLA PADUA, Coach de Boa Forma Oi Lindona! Eu sou MILLA PADUA, Coach de Boa Forma Eu mudei radicalmente o meu estilo de vida e conquistei o corpo que eu sempre sonhei após a maternidade. É isso aí! Tem gente que acha que depois dos

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

www.receitasganharmassamuscular.com

www.receitasganharmassamuscular.com Esse e-book é oferecido como bônus na compra do e- book Receitas Anabólicas no site: www.receitasganharmassamuscular.com INTRODUÇÃO Nesse e-book você vai aprender a montar uma dieta para musculação personalizada,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

E-book Como Diminuir Diabetes em 30 dias

E-book Como Diminuir Diabetes em 30 dias E-book Como Diminuir Diabetes em 30 dias Dicas e Informações sobre Diabetes Nesse e-book você vai aprender um pouco mais sobre diabetes e também vai descobrir algumas dicas para diminuir o seu nível de

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Governo do Estado da Bahia Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira Solla Superintendência de Atenção

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 195ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 16/11/10 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, paulistanos que nos acompanham

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog DICAS PARA UTILIZAÇÃO DESTA CARTILHA 1. Você pode distribuí-la para todos os

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida 1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida O Que Determina o Sucesso de Uma Dieta? Você vê o bolo acima e pensa: Nunca poderei comer um doce se estiver de dieta. Esse é o principal fator que levam

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR Bandeira et al., (2006). Escala de Sobrecarga Familiar 1 ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR Escala adaptada e validada pelo Laboratório de Pesquisa em Saúde Mental (LAPSAM) www.lapsam.ufsj.edu.br

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

Veículo: Data: Editoria: AGOSTO 2010

Veículo: Data: Editoria: AGOSTO 2010 AGOSTO 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES AGOSTO/2010 Iniciamos as atividades do mês de agosto respondendo a demandas de textos para revista Hebraica. A assessoria produziu um texto sobre a experiência de emagrecimento

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

25 Dicas Para Viver Com Menos Açúcar

25 Dicas Para Viver Com Menos Açúcar 25 Dicas Para Viver Com Menos Açúcar O açúcar pode ser ótimo para o nosso humor, mas é péssimo para a nossa saúde. O excesso dele conduz à obesidade, diabetes, ao câncer, entre outros. Às vezes, muitos

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade.

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade. Papai e Mamãe, A Escola Bem-Me-Quer apresenta esta cartilha para que vocês possam tornar a adaptação do seu (sua) filho (a) mais tranquila e sem traumas. Mas para isso, é necessário que vocês sigam direitinho

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE Tiago de Sousa Barros 20, Tatiane Gomes Guedes 21, Jéssika Nayara Sousa Barros 2, Francisca Elba Pereira

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO Aliny de Lima Santos 1, Rafaela Pasquali

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados? Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde Voluntário em Pesquisa: O que é uma pesquisa, afinal de contas? Eu, um sujeito de pesquisa? Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais