EXEMPLO DE PREENCHIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXEMPLO DE PREENCHIMENTO"

Transcrição

1 EXEMPLO DE PREENCHIMENTO COMPONENTE ANIMAL Este Caderno de Campo hipotético apenas pretende exemplificar uma maneira de arrumar os registos inerentes à actividade desenvolvida numa exploração bovina em produção integrada. Na elaboração deste exemplo houve a preocupação de o ajustar como se de um caso real se tratasse mas sem, contudo, pretender assumir-se como um itinerário técnico rigoroso.

2 CARACTERIZAÇÃO/PLANIFICAÇÃO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DAS PARCELAS Nº de Parcela Subparcela Zona homogénea Total Área (ha) Candidata Alteração Modos Pd. Agrícola Textura do solo Modo de Produção Cultura / /Variedade ou casta Rotação de culturas prevista (C 1-C 2-C 3-C 4 ) Conservação do solo Práticas prioritárias previstas Fitossanidade Medidas preventivas previstas (1) (2) (3) (4) (5) (6) 7 D 0,9 PDI Pastagem alimentação animal (Grupo Homogéneo A) D 1,5 PDI // D 0,6 PDI // E 1,7 PDI Pastagem alimentação animal (Grupo Homogéneo A) E 1,0 PDI // (1) N.º sequencial da parcela e anexar o respectivo ie. (2) Atribuir sequência com letras maiúsculas (3) Exemplos: argiloso (ARG), franco (FRA), arenoso (ARE), franco-argiloso (FAG) (4) Convencional (CV), Produção Integrada (PDI), Agricultura Biológica (AB), Conversão para AB de 1º ano (C1), Conversão para AB de 2º ano (C2), Conversão para AB de 3º ano (C3), (5) Exemplos: enrelvamento (ENR), não-mobilização (N-MOB) mobilização mínima (MOB-MÍN), sementeira directa (SEM-D), curvas de nível (C-NÍV), cobertura vegetal do solo (COB-VS), etc. (6) Exemplos: bordaduras ervadas (BORD-E), bandas de compensação ecológica (BCE), refúgios para fauna selvagem (REF-FS), sebes vegetais (SEB-V), variedades resistentes (VAR-R), podas de arejamento (P-ARE), introdução de auxiliares (INT-A), etc. CARACTERIZAÇÃO UP/ PÁG Nº 1

3 CARACTERIZAÇÃO DO EFECTIVO PECUÁRIO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO Espécie/ Raça Grupo homogéneo Modo de Produção (2) N.º de cabeças Naturais Normais (CN) Pastagem perman. Parcelas pastoreadas (ha) Espaço florestal não arborizado com aproveit. forrageiro Superfície forrageira temporária Plano alimentar (1) Forragem Tipo de alimento e quantidade Alimentos compostos Outras matérias primas Finalidade da produção Outras observações Bovina A PDI Feno Kg (3 meses) Palha Carne Utiliza as pastagens da Zona Homogénea D e E (1) No mínimo, ¾ da alimentação (em matéria seca), numa base anual, terá que ser produzida em modo de Produção Integrada. Durante um período que expira em Setembro /2009 esta regra não é obrigatória, tendo em vista a possibilidade de esgotar o stock de alimentos em armazém. (2) Produção Integrada (PDI), Agricultura Biológica (AB), Conversão para Agricultura Biológica (AB/C) CARACTERIZAÇÃO EFECTIVO PECUÁRIO DA UP/ PÁG Nº 1

4 ESPÉCIE ANIMAL GRUPO HOMOGÉNEO A DATA data (dia ou período) Animais alvo JUSTIFICAÇÃO DA INTERVENÇÃO Facto ocorrido Diagnóstico ALTERAÇÃO Nº ANIMAIS Motivo (Doc. justificativo)s Nº total actual (1) ALIMENTAÇÃO ANIMAL Silagem, Feno-silagem, Forragem, Alimento composto (composição) Aditivos, Pastagens Parcela/ Zona homogénea (2) OPER. GERAIS E GESTÃO EFLUENTES Tipo intervenção (3) Tipo efluente Material / equipam. Destino CONTROLO SANITÁRIO Método, Medida Produto / S.activa Posologia (4) PRODUÇÃO VENDAS Designação do produto Tipo de embalagem Lote nº / Destino VISITAS E INTERVENIENTES Operador / tratador Técnico /AT / OC (nome e rubrica) Nº animais / Nº horas (5) 05/01/07 Contagem Mudança de pastagem 100 vacas 30 bezerros (0-6 meses) Zona Homogénea D para Zona Homogénea E 130 Alimento composto 05/01/07 31/01/07 (composição - transcrever a informação do rótulo) Kg

5 01/02/07 28/02/07 Alimento composto (composição - transcrever a informação do rótulo) Kg (1) Registar os nascimentos e mortes ocorridos num período de tempo pré-definido (ex.: quinzenalmente, mensalmente). As vendas são de preenchimento obrigatório no dia em que ocorreram. Poderá remeter para o registo do Livro de Registo de Existências e Deslocações. (2) Registar apenas as alterações ocorridas, isto é, o início de uma determinada dieta e os dias em que haja alteração da dieta anteriormente registada. Sempre que iniciar uma dieta com um alimento composto, indicar a proporção dos vários ingredientes. (3) Exemplos de operações gerais: cortes de cauda, tosquias, estabulação, arganéis, cortes de bicos, manutenção de estruturas; períodos de acesso a áreas de movimentação livre. (4) Poderá remeter para o registo do Livro de Registo de Medicamentos, ou para o Plano de Profilaxia Médica e Sanitária. (5) Sempre que o técnico do OC assinalar não-conformidades no seu relatório, deve referi-lo na linha. O técnico de AT deve registar as recomendações na linha, ou remeter para documento anexo. REGISTO ANIMAL/ PÁG Nº 1

6 DATA data (dia ou período) Animais alvo JUSTIFICAÇÃO DA INTERVENÇÃO Facto ocorrido Diagnóstico ALTERAÇÃO Nº ANIMAIS Motivo (Doc. justificativo) Nº total actual (1) ALIMENTAÇÃO ANIMAL Silagem, Feno-silagem, Forragem, Alimento composto, Aditivos, Pastagens Parcela/ Zona homogénea (2) OPER. GERAIS E GESTÃO EFLUENTES Tipo intervenção (3) Tipo efluente Material / equipam. Destino CONTROLO SANITÁRIO Método, Medida Produto / S.activa Posologia (4) PRODUÇÃO VENDAS Designação do produto Tipo de embalagem Lote nº / Destino VISITAS E INTERVENIENTES Operador / tratador Técnico /AT / OC (nome e rubrica) Nº animais / Nº horas (5) 01/02/07 15/02/07 Nascimentos Decl. ocorrências n.º... LRED pág N.º total - 16/02/07 Venda LRED pág. Venda 20 vitelos Guia sanitária n.º... Ident. deslocações n.º vitelos N.º total /04/07 15/04/07 Nascimentos Decla. ocorrências n.º... LRED pág N.º Total -

7 26/04/07 Mudança de pastagem Desparasitação IVOMEC Méd.Veterinário (desparasitação) - Dr. Costa ζ Zona Homogénea E para Zona Homogénea D 1cc/PV Livro registo medicamentos pág... REGISTO ANIMAL/ PÁG Nº 2

8 DATA data (dia ou período) Animais alvo JUSTIFICAÇÃO DA INTERVENÇÃO Facto ocorrido Diagnóstico 22/05/07 Sanidade ALTERAÇÃO Nº ANIMAIS Motivo (Doc. justificativo) Nº total actual (1) ALIMENTAÇÃO ANIMAL Silagem, Feno-silagem, Forragem, Alimento composto, Aditivos, Pastagens Parcela/ Zona homogénea (2) OPER. GERAIS E GESTÃO EFLUENTES Tipo intervenção (3) Tipo efluente Material / equipam. Destino CONTROLO SANITÁRIO Método, Medida Produto / S.activa Posologia (4) Despite brucelose/tuberculose/ leucose e identificação PRODUÇÃO VENDAS Designação do produto Tipo de embalagem Lote nº / Destino VISITAS E INTERVENIENTES Operador / tratador Técnico /AT / OC (nome e rubrica) Nº animais / Nº horas (5) Méd.Veterinário Dr. Costa ζ 20/07/07 Desparasitação Desparasitação externa TAKTIC 5 cc+ 5 cc Livro registo medicamentos pág... Requisição n.º... Méd.Veterinário - Dr. Costa ζ 25/07/08 1 bovino com enterite 1 TERRAMICINA/ GORBAN 5 cc+ 5 cc Livro registo medicamentos pág... Requisição n.º... Méd.Veterinário - Dr. Costa ζ

9 20/10/07 Mudança de pastagem Vacinação MULTIVAC 9 Zona Homogénea D para Zona Homogénea E 5CC/sc Livro registo medicamentos pág... REGISTO ANIMAL/ PÁG Nº 3

10 DATA data (dia ou período) Animais alvo JUSTIFICAÇÃO DA INTERVENÇÃO Facto ocorrido Diagnóstico ALTERAÇÃO Nº ANIMAIS Motivo (Doc. justificativo) Nº total actual (1) ALIMENTAÇÃO ANIMAL Silagem, Feno-silagem, Forragem, Alimento composto, Aditivos, Pastagens Parcela/ Zona homogénea (2) OPER. GERAIS E GESTÃO EFLUENTES Tipo intervenção (3) Tipo efluente Material / equipam. Destino CONTROLO SANITÁRIO Método, Medida Produto / S.activa Posologia (4) PRODUÇÃO VENDAS Designação do produto Tipo de embalagem Lote nº / Destino VISITAS E INTERVENIENTES Operador / tratador Técnico /AT / OC (nome e rubrica) Nº animais / Nº horas (5) 21/11/07 Venda LRED pág. Venda 10 vitelos Guia sanitária n.º... Ident. deslocações n.º vitelos N.º total /12/07-20/12/07 Nascimentos Decla. ocorrências n.º... LRED pág... Ração 30 N.º total Kg 22/12/07 Mortes Decla. ocorrências n.º... LRED pág... 2 N.º total

11 REGISTO ANIMAL/ PÁG Nº 4

12 ANEXO I REGISTO DE AQUISIÇÕES / ENTRADAS DATA PRODUTO (factor de produção) QUANT. (Kg, L, Ton) ORIGEM DESTINO DOC Nº OBSERVAÇÕES (1) (2) (3) 02/01/07 Alimento Composto Kg Silva Lda. Grupo Homogéneo A 1 20/04/07 Desparasitante - IMOVEC * Costa e Filhos Grupo Homogéneo A 2 15/07/07 Desparasitante - TAKTIC * Costa e Filhos Grupo Homogéneo A 3 25/07/07 TERRAMICINA/GORBAN * Costa e Filhos Grupo Homogéneo A 4 * Consultar livro de registo de medicamentos pág.... * Consultar livro de registo de medicamentos pág... * Consultar livro de registo de medicamentos pág /12/07 Alimento Composto Kg Silva Lda. Grupo Homogéneo A 5 (1) Origem do exterior da unidade: fornecedor, exploração, região, país. (2) Local ou animais da unidade a que se destina: parcela, zona/lote homogéneo, transformação, armazém. (3) Assinalar os documentos de compra com números sequenciais para os identificar nesta coluna. ANEXO I / PÁG Nº 1

EXEMPLO DE PREENCHIMENTO

EXEMPLO DE PREENCHIMENTO EXEMPLO DE PREENCHIMENTO COMPONENTE VEGETAL Este Caderno de Campo hipotético apenas pretende exemplificar uma maneira de arrumar os registos inerentes à actividade desenvolvida na condução de: um pomar

Leia mais

SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO. CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda

SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO. CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO Área 500ha próprios 1200 ha arrendados Solos Pardos mediterrâneos Delgados Ácidos Com pouca drenagem

Leia mais

(Revisão de Janeiro de 2011)

(Revisão de Janeiro de 2011) (Revisão de Janeiro de 2011) Revisão 01.2011 PRODI ANIMAL - Rev 01 2011 V1.doc; Pag. 1/13 NOTA PRÉVIA Este documento apresenta os princípios orientadores da Produção Integrada relativamente à componente

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, que estabelece as regras gerais do apoio ao desenvolvimento rural sustentável, tem como objetivo,

Leia mais

INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DOURO INTERNACIONAL, SABOR, MAÇÂS E VALE DO CÔA

INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DOURO INTERNACIONAL, SABOR, MAÇÂS E VALE DO CÔA INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA DOURO INTERNACIONAL, SABOR, MAÇÂS E VALE DO CÔA Para a conservação dos recursos naturais é necessário a manutenção de alguns sistemas agrícolas e florestais com eles relacionados.

Leia mais

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Seminário Boas Práticas Agrícolas para a Biodiversidade Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Santarém 14.06.2013, João Madeira Estrutura da Apresentação 1. situação de partida (demografia,

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

Não conformidades mais frequentes na produção pecuária

Não conformidades mais frequentes na produção pecuária Não conformidades mais frequentes na produção pecuária Susana Santos Castelo Branco, 14 de Abril de 2004 Cumprimento do Regulamento CEE 2092/91, modificado Relatório de Inspecção da Unidade de Produção

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Base. Manual do Utilizador

Base. Manual do Utilizador GENBEEF Base Manual do Utilizador Software de substituição do Livro de Registo de Existências e Deslocações de Bovinos e respectivo Anexo 1 INTRODUÇÃO...2 2 INTRODUÇÃO DE DADOS...4 2.1 INTRODUÇÃO DE DADOS

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR. b) Nota de rodapé 3: que outros produtos pode o produtor fornecer para além dos ovos, leite cru e mel?

SEGURANÇA ALIMENTAR. b) Nota de rodapé 3: que outros produtos pode o produtor fornecer para além dos ovos, leite cru e mel? 27.11.2014 SEGURANÇA ALIMENTAR Requisitos relativos à produção animal Questão 1 Relativamente ao indicador 1.1 da Área n.º 2 do Ato 12 do Aviso n.º 8269/2010 Existência de registo atualizado de tipo documental,

Leia mais

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN 1. Agricultor Orgânico (160 horas) Perfil Profissional: Executa com base nas técnicas da produção orgânica, o manejo do solo e das culturas, a produção

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

MEDIDA 1.2 INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES PLANO EMPRESARIAL ANO DE CANDIDATURA. Nº Projecto Produto DD CC FF

MEDIDA 1.2 INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES PLANO EMPRESARIAL ANO DE CANDIDATURA. Nº Projecto Produto DD CC FF MEDIDA 1.2 INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES PLANO EMPRESARIAL ANO DE CANDIDATURA A PREENCHER PELA SRARN ENTRADA (Carimbo e data) Data Nº Projecto Produto DD CC FF 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE NIFAP

Leia mais

vel Produção de leite / Produção de queijo Gouveia, 14 de Dezembro de 2011

vel Produção de leite / Produção de queijo Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Exploração viável vel Produção de leite / Produção de queijo Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Relator: Carlos Alarcão (Equipa técnica do PROSE) 1. A envolvente

Leia mais

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE CONSELHO DIRECTIVO C I R C U L AR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 09-04-2012 ENTRADA EM VIGOR: 10-04-2012 Âmbito: Continente INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3. BENEFICIÁRIOS

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781. Artigo 2.º

Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781. Artigo 2.º Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781 ANEXO II Tabela de conversão em cabeças normais (a que se refere o n.º 7 do artigo 10.º) Espécies Cabeças normais (CN) Equídeos com mais

Leia mais

O arquipélago dos Açores situa-se no oceano Atlântico, a meio caminho entre a

O arquipélago dos Açores situa-se no oceano Atlântico, a meio caminho entre a Fruto da pastagem O arquipélago dos Açores situa-se no oceano Atlântico, a meio caminho entre a Europa e a América do Norte. A Região, com uma área de 2.332km 2 fragmentada por nove ilhas, com orografia

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

OBJECTIVOS PRODUTIVOS

OBJECTIVOS PRODUTIVOS I CICLO DE PALESTRAS TEMÁTICAS Gestão reprodutiva em bovinos de carne 5 e 6 de Dezembro de 2008 Associação de Criadores de Bovinos de Raça Alentejana MANEIO REPRODUTIVO EM EXPLORAÇÕES DE BOVINOS DE CARNE

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Importante Leia com atenção antes de submeter o seu Pedido Único!

Importante Leia com atenção antes de submeter o seu Pedido Único! Importante Leia com atenção antes de submeter o seu Pedido Único! IDENTIFICAÇÃO DE BENEFICIÁRIO ALGUMAS INFORMAÇÕES DE CARÁCTER GERAL Confirmar e/ou actualizar informação relativa à Identificação do Beneficiário,

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos RECENSEAMENTO AGRÍCOLA DADOS PRELIMINARES 15 Dezembro 2010 15 de Dezembro de 2010 O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos O INE divulga os primeiros resultados do Recenseamento Agrícola

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola

EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola DATA: Sábado, 16 de Outubro de 1982 NÚMERO: 240/82 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º 974/82 SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira. Controle de estoque. Registro de atividades

Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira. Controle de estoque. Registro de atividades Cadastro de animais completo com controle integrado de genealogia Controle de cadastro de lotes e suas movimentações Produção Animal ( Corte e Leite) Gestão econômico-financeira Avaliação patrimonial;

Leia mais

VITELOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO.

VITELOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO. VITELOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO. PRODUTOR E ÁREA DE EXPLORAÇÃO Produtor Nome: Manuel Filipe Dias Antunes Idade: 32 anos Área da exploração: ~17 ha dos quais 16,5 arrendados; Ocupação a tempo inteiro.

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas

A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas José Aranha CITAB j_aranha@utad.pt Juliana Salvação bolseira EcoVitis jlsalvacao@hotmail.com Colóquio Ecovitis:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

ZOOGEST O - Maneio administrativo e técnico de efectivos pecuários ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura

ZOOGEST O - Maneio administrativo e técnico de efectivos pecuários ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ZOOGEST O - Maneio administrativo e técnico de efectivos pecuários 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia 1.INTRODUÇÃO A correcta alimentação dos animais deve constituir uma prioridade

Leia mais

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS:

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: BLOCO 11 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: PROBLEMA 1 O empresário do Monte da Ribeira pretende realizar uma

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Anexo VII REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA

Anexo VII REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA I. Registo dos dados de base constantes da autorização do armazém DADOS DE BASE

Leia mais

ORÇAMENTOS PARCIAIS DE ACTIVIDADE E DE MUDANÇA

ORÇAMENTOS PARCIAIS DE ACTIVIDADE E DE MUDANÇA ORÇAMENTOS PARCIAIS DE ACTIVIDADE E DE MUDANÇA As técnicas dos orçamentos são importantes ferramentas usadas pelos gestores no planeamento e na tomada de decisões. São muito úteis na análise de alternativas,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos será acompanhado

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

www.agrogestao.com 1 Casa Agrícola do Exemplo

www.agrogestao.com 1 Casa Agrícola do Exemplo www.agrogestao.com 1 Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Gestão 2005 www.agrogestao.com 2 Índice 1 Introdução...3 2 Análise de resultados globais...4 2.1 Custos... 4 2.2 Resultados... 8 3 Resultados

Leia mais

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite Idílio Barros Neto Eng.º Agrónomo Enquadramento desta problemática Regime de licenciamento da Actividade Pecuária Directiva Nitratos Lei

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR

AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Bico Out, 2011 POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR 2 perspectivas: Redução da dependência

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE) (2010/734/UE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) (2010/734/UE) L 316/10 Jornal Oficial da União Europeia 2.12.2010 DECISÃO DA COMISSÃO de 30 de Novembro de 2010 que altera as Decisões 2005/692/CE, 2005/734/CE, 2006/415/CE, 2007/25/CE e 2009/494/CE no que diz respeito

Leia mais

25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS 7º CONCURSO REGIONAL DA RAÇA HOLSTEIN FRÍSIA DO ALTO MINHO REGULAMENTO GERAL

25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS 7º CONCURSO REGIONAL DA RAÇA HOLSTEIN FRÍSIA DO ALTO MINHO REGULAMENTO GERAL 25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS 7º CONCURSO REGIONAL DA RAÇA HOLSTEIN FRÍSIA DO ALTO MINHO REGULAMENTO GERAL Art.º 1º Organizado no âmbito da 25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS,

Leia mais

A Paisagem Monumental de Loriga

A Paisagem Monumental de Loriga A Paisagem Monumental de Loriga Valor Patrimonial, Ambiental e Cultural Que Futuro? Localização Principais linhas de água e de escoamento de ar frio Área de Paisagem intensamente humanizada Corte fito-climacico

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Plano de Controlo e Erradicação de Tuberculose em Caça Maior

Plano de Controlo e Erradicação de Tuberculose em Caça Maior Plano de Controlo e Erradicação de Tuberculose em Caça Maior DGV Julho 2011 DSSPA - DSHPV Plano de controlo e erradicação de Tuberculose bovina em caça maior A. Introdução Considerando que a tuberculose

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Pontos de controlo críticos:

Pontos de controlo críticos: Pontos de controlo críticos: Pontos de Controlo Critico Valores Padrão Medidas Peso à 1ª cobrição Idade ao 1º Parto 350 kg

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO RODRIGO OTÁVIO SPENGLER BEEF TEC - Consultoria Pecuária Campo Grande/MS rodrigospengler@beeftec.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO

Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO Centro de Análise e Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Bovinos de Leite Instituto de Zootecnia Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO

Leia mais

ASSUNTO: Comissão de Acompanhamento SNIRA de dia 15 de Julho.

ASSUNTO: Comissão de Acompanhamento SNIRA de dia 15 de Julho. Aos Postos de Atendimento (PA s) e Postos Informáticos (PI s) REFª: 1578/2015/GIRA CIRCULAR SNIRA N.º 5/2015 DATA: 16/07/2015 ASSUNTO: Comissão de Acompanhamento SNIRA de dia 15 de Julho. Exmos. Senhores,

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO

RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO L 189/36 29.7.2003 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) COMISSÃO RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 23 de Julho de 2003 que estabelece orientações para a definição de estratégias

Leia mais

Parâmetros Genéticos

Parâmetros Genéticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Parâmetros Genéticos 1. INTRODUÇÃO Os parâmetros genéticos são

Leia mais

BIOECONOMIA: OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Prof. Dr. Omar Jorge Sabbag

BIOECONOMIA: OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Prof. Dr. Omar Jorge Sabbag BIOECONOMIA: OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Prof. Dr. Omar Jorge Sabbag BRASIL - liderança no agronegócio mundial Tabaco 1º Lugar Suco de Laranja 1º Lugar Etanol 1º Lugar Carne

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte

União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Comissão Europeia DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO destinado a facilitar a compreensão de determinadas disposições de flexibilidade previstas no pacote legislativo em matéria de higiene Perguntas

Leia mais

1. PREFÁCIO... 9 2. INTRODUÇÃO... 11 3. QUADRO SÍNTESE DA OFERTA FORMATIVA... 13

1. PREFÁCIO... 9 2. INTRODUÇÃO... 11 3. QUADRO SÍNTESE DA OFERTA FORMATIVA... 13 2 3 Título Referencial de Formação na Área da Produção de Animais para Carne. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. Rua da República, 133 5370-347 MIRANDELA Telefone: 278 260

Leia mais

TEMA 1 Contabilidade na Gestão da actividade Agrícola - Contabilidade de Gestão - O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura II

TEMA 1 Contabilidade na Gestão da actividade Agrícola - Contabilidade de Gestão - O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura II PORTUGAL TEMA 1 Contabilidade na Gestão da actividade Agrícola - Contabilidade de Gestão - O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura II Santarém, 5 de Junho de 2012 Plano da Apresentação:

Leia mais

EDITAL N. º 27 FEBRE CATARRAL OVINA LÍNGUA AZUL

EDITAL N. º 27 FEBRE CATARRAL OVINA LÍNGUA AZUL EDITAL N. º 27 FEBRE CATARRAL OVINA LÍNGUA AZUL Susana Guedes Pombo, Directora-Geral de Veterinária, na qualidade de Autoridade Sanitária Veterinária Nacional, torna público que: A língua azul ou febre

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.5.2 RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO União Europeia FEADER Página 1 -Acção 152 Restabelecimento do Potencial Produtivo Funcionamento genérico Os formulários

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS 2274 Diário da República, 1.ª série N.º 122 25 de Junho de 2010 c) Incitem, de forma directa ou indirecta, à violência ou a comportamentos contrários à ordem jurídica; d) Incluam símbolos, expressões,

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE)

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE) ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE) SECTOR AGRO-PECUÁRIO 2009 Ficha Técnica: Relatório elaborado por Luís de Freitas, no âmbito do estágio profissional ao abrigo do PEPAC

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Profª. Valdirene Zabot Zootecnista Brasil: mercado e comercialização LONGO

Leia mais

AGROGLOBAL 2014. Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014. Luís Souto Barreiros

AGROGLOBAL 2014. Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014. Luís Souto Barreiros AGROGLOBAL 2014 Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014 Luís Souto Barreiros Aplicação da Reforma da PAC Novas ajudas 1. Regime de pagamento de base (RPB) 2. Pagamento por

Leia mais

CONTRATO DE APENSAMENTO DE EQUINO

CONTRATO DE APENSAMENTO DE EQUINO CONTRATO DE APENSAMENTO DE EQUINO PRIMEIRO OUTORGANTE:, morador na rua, na localidade de, pessoa colectiva nº, portador do bilhete de identidade nº, emitido em, pelo Arquivo de Identificação de. Outorga

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES) CAP, 29 de Novembro de 2012

Leia mais