Como Fazer um Programa, simples, em OpenGL para Trabalhar com Iluminação (exemplo do site da Isabel Mansour)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Fazer um Programa, simples, em OpenGL para Trabalhar com Iluminação (exemplo do site da Isabel Mansour)"

Transcrição

1 Como Fazer um Programa, simples, em OpenGL para Trabalhar com Iluminação (exemplo do site da Isabel Mansour) 1) Crie um Programa Simples que desenhe qualquer sólido na Tela. Há um exemplo Há Novo na Página da Disciplina, com o nome OpenBásico-I. Este programa serve também como Partida Inicial para àqueles que ainda têm dúvidas de como começar um programa em OpenGL. 2) Crie uma Função chamada Iluminação e Ponha ela em qualquer lugar antes da main. As explicações são dadas a seguir: A estrutura do código para iluminação de uma cena, que pode ficar inteiramente dentro de uma única função de Iluminação, em OpenGL possui as seguintes módulos (partes): (1) Definição das Estruturas de Dados para os Tipos de Luz, Posição da Luz e Tipo de Brilho (2) Definição da Cor de Fundo e como será o sombreamento nos objetos da cena. (5)Faça as habilitações necessárias, incluindo uso de iluminação, número da Luz, e se vai querer o uso do Z-Buffer. (3)Definição das reflectâncias dos Materiais e Ativar os Tipos de Luzes que prefere. (4)Define Parâmetros para cada Luz de 0 a 7

2 A explicação de cada bloco é dada a seguir: (1) Exemplo: GLfloat luzambiente[4]={0.2,0.2,0.2,1.0}; GLfloat luzdifusa[4]={0.7,0.7,0.7,1.0}; // "cor" GLfloat luzespecular[4]={1.0, 1.0, 1.0, 1.0};// "brilho" GLfloat posicaoluz[4]={0.0, 50.0, 50.0, 1.0}; Aqui, foram definidos três tipos de iluminação: ambiente, difusa e especular. Cada uma é um vetor R, G, B, A; ou seja, a luz que será utilizada de cada um desses tipos é uma combinação RGB. Note que a luz ambiente foi definida como sendo R = G = B = 0.2, para simular uma luz ambiente cinzenta, bem fraquinha. O Alfa, A = 1.0, significa que não há fog. A posição onde ficará essa luz está no vetor posicaoluz, e representa um ponto no espaço tridimensional (x, y, z). Despreze o quarto valor. GLfloat especularidade[4]={1.0,1.0,1.0,1.0}; GLint especmaterial = 60; Aqui, o primeiro vetor define o quanto especular será o material renderizado. Lembre que uma reflexão especular é aquela que inside em um ponto e se espalha em uma única direção. Ao contrário da difusa que se espalha em todas as direções. Portanto, uma reflexão especular depende da posição do observador. Uma vez que a reflexão é 3D (uma para cada direção), somente os três primeiros valores são considerados. Finalmente, a intensidade da reflexão do material é definida por especmaterial, nesse caso, 60. (2) Exemplo: // Especifica que a cor de fundo da janela será preta glclearcolor(0.0f, 0.0f, 0.0f, 1.0f); Aqui, essa função define de que cor será o fundo da cena. // Habilita o modelo de colorização de Gouraud glshademodel(gl_smooth); Essa função é interessante. Ela define como você quer que a luz se espalhe sobre o material. Por exemplo, lembre-se que os objetos renderizados são malhas triangulares. Então, cada triângulo possui a sua cor. De acordo com o ângulo de incidência da luz, ela pode insidir somente parte (se insidir inclinada) ou toda (se insidir 90 draus). Então, se o objeto for redondo, a luz vinda de um ponto, inside com diferentes intensidades em cada ponto do objeto, uma vez que o ângulo que o atinge varia. Mas, de acordo com a teoria vista em

3 sala, existem 2 maneiras de simular essa incidência: Gouhaud e Phong. Em OpenGL, GL_SMOOTH é o modelo de Gouhaud. Mas, se quiser que nào haja nenhum desses efeitos, e que simplesmente cada ponto de cada triângulo dependa somente da direção e intensidade da luz incidente, use GL_FLAT. Faça o teste com os dois e veja a diferença. (3) Exemplo // Define a refletância do material glmaterialfv(gl_front,gl_specular, especularidade); // Define a concentração do brilho glmateriali(gl_front,gl_shininess,especmaterial); No item (1) foram definidos os valores de iluminação e reflectância que serão usados. Aqui, eles são definidos explicitamente, através da função glmaterial. O argumento GL_FONT diz para renderizar somente as partes frontais. GL_BACK diz para renderizar as partes internar (objeto vazado, por exemplo). Se quiser renderizar tudo, faça GL_FONT_BACK. O segundo argumento, informa que a reflectância da matarial é em uma única direção, como um espelho, por exemplo. Por isso é usado o argumento GL_SPECULAR e depois GL_SHININESS. Finalmente, o argumento especularidade é o vetor definido em (1) e especmaterial é a variável definida também em (1). (4) Exemplo: gllightfv(gl_light0, GL_AMBIENT, luzambiente); gllightfv(gl_light0, GL_DIFFUSE, luzdifusa ); gllightfv(gl_light0, GL_SPECULAR, luzespecular ); gllightfv(gl_light0, GL_POSITION, posicaoluz ); Aqui, finalmente definimos quantos spots de luz iremos usar. Em OPenGL, podese usar até 8, GL_LIGHT0 a GL_LIGHT7. A função gllightfv define os parâmetros de cada spot. O primeiro argumento é o próprio spot usado, o segundo é que tipo de luz será usado e o terceiro é o vetor de luz correspondente, definida em (1). Assi, as três primeiras chamadas da função gllightfv define que o spot LIGHT0 será uma mistura de luz ambiente, difusa e especular (uma salada que deixa realista). Embora a difusa e a especular sejam antagônicas, é interessante ver esse efeito misturado. A quarta chamada da função gllightfv diz apenas que o spot de Luz GL_LIGHT0 ficará na posição indicada pelo vetor posicaoluz, definido em (1). (5) Exemplo: glenable(gl_color_material); glenable(gl_lighting);

4 glenable(gl_light0); glenable(gl_depth_test); Uma vez todas as luzes tenham sido definidas, ainda temos que habilitar. Isso é para que possamos ter vários tipos de spots de luz que podemos controlar habilitando e desabilitando rapidamente. Assim, chamamos 4 vezes a função glenable com o argumento correspondente: (a) GL_COLOR_MATERIAL: Habilita a definição da cor do material a partir da cor corrente (b) GL_LIGHTING: Habilita o uso de iluminação (c) GL_LIGHT0: Habilita o uso de iluminação A última habilitação glenable(gl_depth_test) permite finalmente habilitar a técnica do Z-Buffer. EXERCÍCIOS (1) Que efeito acontece se compararmos os sombreamentos de Guhaud e Flat? (2) Modifique a posição da Luz de frontal, como está sugerindo no vetor posição luz, para lateral e descreva sucintamente o efeito que gerou. (3) Use 2 spots de luz, um voltado para a alça do Tepot e outro voltado para o bico, produzindo os efeitos a seguir para spots em posições infinitas e finitas:

5

Computação Gráfica - 13

Computação Gráfica - 13 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Computação Gráfica - 13 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

8. Síntese de Imagens: Cálculo de Cor

8. Síntese de Imagens: Cálculo de Cor 8. Síntese de Imagens: Cálculo de Cor O processo de determinar a aparência (ou seja, a textura e a cor) das superfícies visíveis é chamado de shading. Essa aparência da superfície depende das propriedades

Leia mais

Iluminando o Cenário

Iluminando o Cenário Iluminando o Cenário O realismo da cena é reforçada pela iluminação; A iluminação dos objetos cria a ilusão de volume: http://mech.fsv.cvut.cz/~dr/papers/habil/node51.html Fundamentos: Fisicamente: a percepção

Leia mais

Iluminação em OpenGL. André Tavares da Silva.

Iluminação em OpenGL. André Tavares da Silva. Iluminação em OpenGL André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Iluminação em OpenGL Assume fontes pontuais de luz Omnidirecionais: todas as direções. Ex. : sol (direcional), luz incandescente (pontual);

Leia mais

Paulo Sérgio Rodrigues. Exercícios de Laboratório

Paulo Sérgio Rodrigues. Exercícios de Laboratório Paulo Sérgio Rodrigues Exercícios de Laboratório Iluminação São Bernardo do Campo, SP Abril de 2010 Iluminação Como é possível observar na Fig. 1, a imagem gerada não possui uma qualidade satisfatória.

Leia mais

Iluminaçao. Os modelos de Iluminação são técnicas usadas para calcular a intensidade da cor de um ponto a ser exibido.

Iluminaçao. Os modelos de Iluminação são técnicas usadas para calcular a intensidade da cor de um ponto a ser exibido. Iluminaçao Os modelos de Iluminação são técnicas usadas para calcular a intensidade da cor de um ponto a ser exibido. Também chamados modelos de reflexão, utilizam: a cor do objeto a cor da luz a posição

Leia mais

Computação Gráfica OpenGL 05 3D

Computação Gráfica OpenGL 05 3D Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Computação Gráfica OpenGL 05 3D Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Iluminação e sombreamento

Iluminação e sombreamento OpenGL Iluminação e sombreamento Sombreamento OpenGL calcula a cor de cada pixel e parte disso depende de qual é a iluminação usada no cenário e de como os objetos no cenário refletem ou absorvem a luz

Leia mais

Modelos de Iluminação Métodos de surface-rendering

Modelos de Iluminação Métodos de surface-rendering Modelos de Iluminação Métodos de surface-rendering VI / CG 2012/2013 Beatriz Sousa Santos, J. Madeira 1 As imagens realistas obtêm-se : usando projecções perspectivas da cena aplicando efeitos de iluminação

Leia mais

Iluminação (lighting) e Sombreamento (shading)

Iluminação (lighting) e Sombreamento (shading) Iluminação (lighting) e Sombreamento (shading) Cap 16: Foley Cap 5: OpenGL Aula 11: Notas do Dave Revisão Coordenadas padrão Ponto Coordenadas da janela Matriz Modelview Transformação p/ Viewport Coordenadas

Leia mais

Computação Gráfica. Modelo de sombreamento Determina como o modelo de iluminação será aplicado e quais seus argumentos

Computação Gráfica. Modelo de sombreamento Determina como o modelo de iluminação será aplicado e quais seus argumentos Computação Gráfica Iluminação Prof. Rodrigo Rocha Prof.rodrigorocha@yahoo.com Introdução Determinação da cor envolve Além das propriedades da superfícies Cor, textura, material,... Incidência da luz Shading

Leia mais

FCG2006 Prova sobre OpenGL e Rastreamento de Raios

FCG2006 Prova sobre OpenGL e Rastreamento de Raios FCG2006 Prova sobre OpenGL e Rastreamento de Raios Aluno(a): matrícula: 1. O programa SimpleLight.c mostrado no Quadro 1 produz a janela mostrada na Figura 1. A partir do código, calcule coordenadas na

Leia mais

Modelos de Iluminação

Modelos de Iluminação Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Modelos de Iluminação por Flávia Santos Computação Gráfica Prof. Dr. Paulo Roberto Gomes Luzzardi Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 10 Iluminação e Sombras Lembre-se que iluminar é estabelecer uma relação entre luz e sombras. Se o ambiente estiver muito claro pode destruir áreas importantes de sombras. Este Tutorial mostra como simular

Leia mais

Iluminação. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com) Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti

Iluminação. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com) Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti Iluminação Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com) Fonte: Material do Pro. Claudio Esperança e do Pro. Paulo Roma Cavalcanti Iluminação Estudo de como a luz interage com objetos de uma cena Emissão

Leia mais

INF1339 Computação Gráfica Tridimensional. Waldemar Celes. 10 de Agosto de 2010

INF1339 Computação Gráfica Tridimensional. Waldemar Celes. 10 de Agosto de 2010 Iluminação INF1339 Computação Gráfica Tridimensional Waldemar Celes celes@inf.puc-rio.br sala 505 RDC Tecgraf, DI/PUC-Rio 10 de Agosto de 2010 W. Celes Iluminação 1 Iluminação e Shading Iluminação Interação

Leia mais

OpenGL. http://www.opengl.org. Alberto B. Raposo

OpenGL. http://www.opengl.org. Alberto B. Raposo OpenGL http://www.opengl.org Alberto B. Raposo OpenGL: o que é? API Interface para programador de aplicação Aplicação API abstrata API Hardware & Software Dispositivo de saída Dispositivo de entrada Por

Leia mais

Computação Gráfica. Iluminação

Computação Gráfica. Iluminação Computação Gráfica Iluminação António nio Ramires Fernandes - Multimédia Iluminação Tópicos: Fundamentos de iluminação Aplicação em OpenGL Modelos de Shading Materiais em OpenGL Iluminação em OpenGL DI-UM

Leia mais

Fundamentos de Computação Gráfica. Iluminação

Fundamentos de Computação Gráfica. Iluminação Fundamentos de Computação Gráfica Iluminação Iluminação Tópicos: Fundamentos de iluminação Aplicação em OpenGL Modelos de Shading Materiais em OpenGL Iluminação em OpenGL 2 Iluminação Em CG a iluminação

Leia mais

Dicas de uso - Render Up

Dicas de uso - Render Up Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Desenvolvido por: Promob Software Solutions Rua dos Cinamomos - 517 - Cinquentenário CEP 95012-140 - Caxias do Sul - RS Brasil Fone/Fax: 54 3209 9200

Leia mais

Iluminação. Computação Gráfica LEI / LCC Departamento de Informática Universidade do Minho

Iluminação. Computação Gráfica LEI / LCC Departamento de Informática Universidade do Minho Computação Gráfica LEI / LCC Departamento de Informática Universidade do Minho Iluminação Modelos de Iluminação em Tempo Real; Iluminação e Materiais em OpenGL António Ramires Fernandes Computação Gráfica

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

n À primeira vista: basta desenhar n Uma subrotina para desenhar cada tipo de objeto n Mas... n Como fazer interação? n Como estruturar a cena?

n À primeira vista: basta desenhar n Uma subrotina para desenhar cada tipo de objeto n Mas... n Como fazer interação? n Como estruturar a cena? Programação Gráfica Computação Gráfica OpenGL Renato Ferreira À primeira vista: basta desenhar Uma subrotina para desenhar cada tipo de objeto Mas... Como fazer interação? Como estruturar a cena? Como

Leia mais

Modelos de Iluminação

Modelos de Iluminação C A P Í T U L O 4 Modelos de Iluminação Um modelo de iluminação é um conjunto de equações que determinam quantitativamente qual é a cor sobre um ponto da superfície de um objeto em função das propriedades

Leia mais

Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior)

Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Desenvolvido por: Procad Softwares para Layout Rua dos Cinamomos - 517 - Cinqüentenário CEP 95012-140 - Caxias do Sul - RS Brasil Fone/Fax: 54 3209 9200

Leia mais

Cenários 3D Interativos com Software Livre

Cenários 3D Interativos com Software Livre Liliane dos Santos Machado 1 Ronei Marcos de Moraes 2 Resumo: Com a evolução tecnológica e o surgimento da realidade virtual, observa-se o desenvolvimento de sistemas gráficos cada vez mais realistas.

Leia mais

CG 2013/2014 Primeiro Teste LEIC Alameda/Taguspark

CG 2013/2014 Primeiro Teste LEIC Alameda/Taguspark Computação Gráfica Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Alameda / Taguspark Primeiro Teste 6 de Outubro de 013 O teste tem a duração de 1h00, tolerância incluída. Responda às questões

Leia mais

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia ILUMINAÇÃO A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia a luz vem de várias fontes; tem muitas qualidades; características que afetam todo o processo. A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia Medíocre X Fotografia Grandiosa Depende

Leia mais

Cap. 7 Coloração (Shading) e Iluminação Global

Cap. 7 Coloração (Shading) e Iluminação Global Cap. 7 Coloração (Shading) e Iluminação Global Engenharia Informática (5385) - 2º ano, 2º semestre Revisão sobre Modelos de Iluminação Dependentes da Luz Modelos dependentes da luz Ambiente Normais à superfície

Leia mais

Render com Ambient Occlusion (3dsmax e Mental Ray) Filipe Costa Luz (MovLab)

Render com Ambient Occlusion (3dsmax e Mental Ray) Filipe Costa Luz (MovLab) Render com Ambient Occlusion (3dsmax e Mental Ray) Filipe Costa Luz (MovLab) Este tutorial visa explorar as técnicas de render para simular a luz exterior (Fake Global Illumination) em Mental Ray, com

Leia mais

Visualização por Computador: Teoria, Prática e Aplicações

Visualização por Computador: Teoria, Prática e Aplicações Visualização por Computador: Teoria, Prática e Aplicações Iluminação Claudio Esperança Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE / UFRJ Master of Information Management, 2008 Sumário 1 Introdução

Leia mais

Modelos de Iluminação Locais

Modelos de Iluminação Locais Modelos de luminação Locais Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e nterfaces 1 Modelos de luminação Locais Os modelos de iluminação expressam as componentes de iluminação que definem a intensidade de

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Computação Gráfica. Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Alameda / Taguspark. Exame de Recurso 29 de Junho de 2011

Computação Gráfica. Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Alameda / Taguspark. Exame de Recurso 29 de Junho de 2011 Computação Gráfica Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Alameda / Taguspark Exame de Recurso 29 de Junho de 211 O exame tem a duração de 2h3, tolerância incluída. Responda às questões

Leia mais

Iluminação. André Tavares da Silva. Capítulo 14 de Foley Capítulo 7 de Azevedo e Conci

Iluminação. André Tavares da Silva. Capítulo 14 de Foley Capítulo 7 de Azevedo e Conci Iluminação André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Capítulo 14 de Foley Capítulo 7 de Azevedo e Conci Introdução Roteiro Modelos de Iluminação Luz Ambiente; Reflexão Difusa; Atenuação Atmosférica;

Leia mais

1 - No painel Create, sub-painel Systems, Ative o botão Sunlight.

1 - No painel Create, sub-painel Systems, Ative o botão Sunlight. Sistema Luz Solar Deixamos para criar a luz do Sol no final da iluminação, porque como o sistema de Sunlight, exige um tempo considerável de cálculo para ser renderizado, agilizaria todo o processo. 1

Leia mais

Rotação de Espelhos Planos

Rotação de Espelhos Planos Rotação de Espelhos Planos Introdução Um assunto que costuma aparecer em provas, isoladamente ou como parte de um exercício envolvendo outros tópicos, é a rotação de espelhos planos. Neste artigo, exploraremos

Leia mais

Reflexão da luz. Espelhos planos

Reflexão da luz. Espelhos planos PARTE II Unidade E 11 capítulo Reflexão da luz Espelhos planos seções: 111 Reflexão da luz Leis da reflexão 112 Imagens em um espelho plano 113 Deslocamento de um espelho plano 114 Imagens de um objeto

Leia mais

Modelos de Iluminação e Reflexão

Modelos de Iluminação e Reflexão Modelos de Iluminação e Reflexão Edward Angel, Cap. 6 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Recorte 2D Cyrus-Beck Sutherland-Hodgman Recorte 3D Sumário Iluminação

Leia mais

Introdução Programando com OpenGL Exemplos. O que é OpenGL? [1]

Introdução Programando com OpenGL Exemplos. O que é OpenGL? [1] Sumário ao OpenGL Exemplos Leandro Tonietto Processamento Gráfico / Computação Gráfica Jogos Digitais ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto Mar-2008 Alguns slides são provenientes

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

Modelos de Iluminação Métodos de surface-rendering. Beatriz Sousa Santos, J. Madeira

Modelos de Iluminação Métodos de surface-rendering. Beatriz Sousa Santos, J. Madeira Modelos de Iluminação Métodos de surface-rendering Beatriz Sousa Santos, J. Madeira 1 As imagens realistas obtêm-se : usando projecções perspectivas da cena aplicando efeitos de iluminação naturais às

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

Cap.6 Iluminação Engenharia Informática (5385) - 2º ano, 2º semestre 1

Cap.6 Iluminação Engenharia Informática (5385) - 2º ano, 2º semestre 1 Cap.6 Iluminação Engenharia Informática (5385) - 2º ano, 2º semestre 1 Motivação Modelo de Iluminação = aproximação da iluminação do mundo real wireframe Sensação da 3-dimensionalidade, percepção da profundidade

Leia mais

CRIANDO UMA BIBLIOTECA NO KERKYTHEA por CHARLES BÉRGAMO para o blog do Arqpadao

CRIANDO UMA BIBLIOTECA NO KERKYTHEA por CHARLES BÉRGAMO para o blog do Arqpadao CRIANDO UMA BIBLIOTECA NO KERKYTHEA por CHARLES BÉRGAMO para o blog do Arqpadao 1 Vamos criar uma biblioteca no Kerkythea e no mesmo processo vamos fazer um Alpha mask, (Alpha mask ou máscara alpha, significa

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Aluno(a) autor(a): Turma: Outros integrantes do grupo: ; ;.

Aluno(a) autor(a): Turma: Outros integrantes do grupo: ; ;. Novembro de 2013 FÍSICA EXPERIMENTAL FORÇA DE ATRITO Aluno(a) autor(a): Turma: Outros integrantes do grupo: ; ;. 1) OBJETIVOS - Reconhecer o atrito como uma força que varia com o estado de repouso ou movimento

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EVA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EVA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EVA Sejam bem-vindos ao Núcleo de Educação a Distância da FFCL! Esse Manual tem por objetivo auxilia-los na forma de utilização do AVA. COMO FAÇO

Leia mais

edirectory ios / Android Plataforma

edirectory ios / Android Plataforma edirectory ios / Android Plataforma Criando lindos aplicativos com edirectory Uma revolução no espaço de diretórios mobile, bem vindo ao novo aplicativo do edirectory. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

Guia Rápido do GCC SignPal Aprendice

Guia Rápido do GCC SignPal Aprendice Guia Rápido do GCC SignPal Aprendice Esta é a janela principal do GCC SignPal Aprendice O software se divide basicamente em 3 partes que descrevemos a seguir: 1. Barra de Ferramentas Veja abaixo breve

Leia mais

AMBIENT REFLECTIVE OCCLUSION SHADER

AMBIENT REFLECTIVE OCCLUSION SHADER Universidade Lusófona Curso - de Cinema e Multimédia Disciplina - Animação Docente Pedro Miguel Sousa MENTAL RAY Nota: Abra o ficheiro OcclusionShader.max Mental Ray é um motor de renderização com um enorme

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 10 Inserindo figuras e objetos... 2 Configurando AutoFormas... 2 Criando Caixas de Texto... 3 Inserindo Linhas e Setas... 3 Utilizando WordArt... 4 Inserindo Figuras... 5 Configurando figuras...

Leia mais

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Escolha um objeto entre os que possivelmente compõem uma clínica médica de exames

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA Centro de Pós-Graduação

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA Centro de Pós-Graduação MANUAL DE INSCRIÇÃO Nesta primeira tela observar a inscrição referente ao CPG, que é o no primeiro quadro com descrição Abertos. Neste link é possível baixar o edital de inscrição antes de realiza-la.

Leia mais

4 - Layout de Mapas no QGIS 2.0

4 - Layout de Mapas no QGIS 2.0 UPE Campus III Petrolina 4 - Layout de Mapas no QGIS 2.0 GT-Paisagem Prof. Dr. Lucas Costa de Souza Cavalcanti 1 INTRODUÇÃO Este tutorial ensina como elaborar o layout de mapas no QGIS 2.0. O layout é

Leia mais

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium Curso de Astronomia Geral CCD Texto Complementar 1 Aprenda a usar o Stellarium Gosta de usar o Stellarium para contar as estrelas no céu, mas se sente perdido com a quantidade de funções do programa? Ainda

Leia mais

Manual da Administração do site Abrasel 2.0

Manual da Administração do site Abrasel 2.0 Manual da Administração do site Abrasel 2.0 Caro usuário, Você está recebendo o manual que lhe dará acesso ao administrador do site 2.0 onde será possível fazer as seguintes alterações: Inserir notícias

Leia mais

1º ACESSO. 1 No site Avon, a Revendedora deverá clicar em ATIVE SUA CONTA NA INTERNET.

1º ACESSO. 1 No site Avon, a Revendedora deverá clicar em ATIVE SUA CONTA NA INTERNET. Para garantir a segurança do site Avon e tornar o acesso ainda mais simples, o cadastro para 1º acesso e o processo de recuperação de senha serão validados por e-mail ou SMS. Se necessário, conte com o

Leia mais

COMO FAZER SEUS PEDIDOS ONLINE PASSO-A-PASSO

COMO FAZER SEUS PEDIDOS ONLINE PASSO-A-PASSO COMO FAZER SEUS PEDIDOS ONLINE PASSO-A-PASSO Neste passo a passo iremos mostrar como é facil, simples e rápido o acesso ao site para consultas e pedidos online. Primeira etapa: Entrar no site www.thermofisher.com

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Iluminação e Sombreamento

Iluminação e Sombreamento Iluminação e Sombreamento Leandro Tonietto Computação Gráfica Unisinos ltonietto@unisinos.br http://professor.unisinos.br/ltonietto/jed/cgr/iluminacao.pdf ago-11 Baseado no material do prof. Christian

Leia mais

2º Exame Computação Gráfica

2º Exame Computação Gráfica 2º Exame Computação Gráfica LEIC-T Prof. Mário Rui Gomes 17 de Julho 2007 Nº Nome: Antes de começar: Identifique todas as folhas com o seu número. Responda às questões seguintes justificando adequadamente

Leia mais

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações Tamanho da arte O site disponibiliza para download os Arquivos padrão, que são arquivos modelo para auxiliar a confecção do seu material. Eles possuem margens predefinidas e tamanho adequado ao tipo de

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 O olho é com certeza o ponto de maior destaque no mangá e por isso requer maior atenção. Nesta aula focaremos na estrutura dos olhos. Bom estudos! (Mateus Machado) COMO DESENHAR MANGÁ - OLHOS 1. A BASE

Leia mais

Design de Produto 3D

Design de Produto 3D 1 Design de Produto 3D Formação em O treinamento de Design de Produtos 3D tem a duração de 06 meses e prepara o aluno com os conhecimentos necessários ao desenvolvimento de produtos 3D com alto nível de

Leia mais

CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS

CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS Este tutorial tem como objetivo instruir passo à passo como criar templates de peças, utilizar os novos recursos de cadastro de propriedade de peças e criação de legenda. 1-

Leia mais

PROVA ESCRITA PARTE A e B

PROVA ESCRITA PARTE A e B PROCESSO DE SELEÇÃO INGRESSO NO 1º SEMESTRE DE 2012 PROVA ESCRITA PARTE A e B INSCRIÇÃO Nº CAMPO GRANDE MS, 07 DE NOVEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Exemplo 1. Um programa que cria uma instância de uma classe que herda da classe Frame

Exemplo 1. Um programa que cria uma instância de uma classe que herda da classe Frame 6. Como aplicações gráficas funcionam em Java? Todas as aplicações gráficas em Java usam instâncias de classes existentes, que por serem parte da linguagem podem ser executadas em todas as versões de Java

Leia mais

Scale-Invariant Feature Transform

Scale-Invariant Feature Transform Scale-Invariant Feature Transform Renato Madureira de Farias renatomdf@gmail.com Prof. Ricardo Marroquim Relatório para Introdução ao Processamento de Imagens (COS756) Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site Tutorial USERADM Inserindo conteúdos no site Como acessar o Administrador de Conteúdos do site? 1. Primeiramente acesse o site de sua instituição, como exemplo vamos utilizar o site da Prefeitura de Aliança-TO,

Leia mais

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS

MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS T utorial por David Oilveira Figuras 1A e 1B Animation Master Parte 2 Modelando Personagens Orgânicos no AM Figura 2 MODELANDO COM SPLINES E PATCHES, E NÃO POLÍGONOS Um dos pontos diferenciais do Animation

Leia mais

1º Teste Computação Gráfica

1º Teste Computação Gráfica 1º Teste Computação Gráfica LEIC-Tagus/LERCI Prof. Mário Rui Gomes Prof. João Brisson Lopes 23 de Abril de 25 Nº Nome: Responda às questões seguintes justificando adequadamente todas as respostas. O Teste

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

Windowns Live Movie Maker

Windowns Live Movie Maker Windowns Live Movie Maker PROGRAMA CONECTIVIDADE AMBIENTE VIRTUAL PARA APRENDIZAGEM COLABORATIVA CURSO DE TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO Diretoria de Educação Assessoria de Tecnologias Educacionais Gerência de

Leia mais

www.educandusweb.com.br

www.educandusweb.com.br Sistema Terra-Lua-Sol Índice 1. Introdução... 3 2. Simulador... 3 2.1 Painel Principal... 3 O que ocorreu com dimensões e distâncias dos corpos estudados?... 5 2.2 Visualização - Wireframe/Texturizada...

Leia mais

Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida Controle de Contatos Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica I Vida Controle de Contatos Conteúdo Part I Introdução 2 1 Vida Controle... de Contatos Pessoais 2 Part II Configuração 2 1 Configuração...

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 10.8 Parâmetros de Sombras Os parâmetros Bias, Size e Sample Range ajudam a controlar as sombras do tipo Shadow Map, que se destacam dos objetos, aparecendo borradas ou com falta de nitidez. 1 - Bias é

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Faculdade Politécnica de Uberlândia

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Faculdade Politécnica de Uberlândia Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Faculdade Politécnica de Uberlândia 1 Acesso ao Moodle O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) é a nossa sala de aula virtual. Para utilizá-la é preciso fazer o

Leia mais

Laboratório Virtual Kit Óptico

Laboratório Virtual Kit Óptico Laboratório Virtual Kit Óptico Reflexão A luz nem sempre se propaga indefinidamente em linha reta: em algumas situações eles podem se quebrar, como acontece quando um espelho é colocado em seu caminho.

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Ter um site na internet traz muitas vantagens para uma confeitaria:

Ter um site na internet traz muitas vantagens para uma confeitaria: INTERNET SITE NA INTERNET Ter um site na internet traz muitas vantagens para uma confeitaria: É mais fácil, para os seus clientes, encontrarem informações que procuram, tal como moradas, horários, etc.

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

Módulo 01 Preparando a Base - As suas Metas, como definí-las?

Módulo 01 Preparando a Base - As suas Metas, como definí-las? Módulo 01 Preparando a Base - As suas Metas, como definí-las? Porque é preciso traçar metas? E como você pode fazer isso? Sem Metas Definidas você não chegará a lugar algum. As Metas não podem ser inventadas.

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Caros amigos operadores da Imprensa Oficial,

Caros amigos operadores da Imprensa Oficial, Caros amigos operadores da Imprensa Oficial, O IMAP mais uma vez inovou quando lançou o Sistema de Envio de Publicações: o SIOFNET. Um sistema onde a prefeitura / câmara envia os documentos para que o

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Produção de tutoriais. Coordenação de IAESMEVR Usando o Gerador de Vídeo 4.5

Produção de tutoriais. Coordenação de IAESMEVR Usando o Gerador de Vídeo 4.5 Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação Implementação de Informática Aplicada à Educação Produção de tutoriais Coordenação de IAESMEVR Usando o Gerador de Vídeo 4.5 Gerador de Vídeo

Leia mais

edirectory Plataforma ios / Android

edirectory Plataforma ios / Android edirectory Plataforma ios / Android Levando seu site ao próximo nível Conheça o novo aplicativo do edirectory. E seja bem vindo a revolução em aplicativos para Diretórios Online. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

TUTORIAL DA FERRAMENTA FOTOR

TUTORIAL DA FERRAMENTA FOTOR TUTORIAL DA FERRAMENTA FOTOR 1- Acesse o site: http://www.fotor.com/pt/ 2- Na primeira página você já escolhe se deseja fazer uma colagem de imagem ou editar uma imagem apenas. Vamos começar por editar

Leia mais

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Cleber Reis Professor de AutoCAD 2D e 3D AC5904-V Compreender as escalas no AutoCAD pode parecer uma tarefa difícil, mas não é. Qual

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

TUTORIAL DO ACCESS PASSO A PASSO. I. Criar um Novo Banco de Dados. Passos: 1. Abrir o Access 2. Clicar em Criar um novo arquivo

TUTORIAL DO ACCESS PASSO A PASSO. I. Criar um Novo Banco de Dados. Passos: 1. Abrir o Access 2. Clicar em Criar um novo arquivo TUTORIAL DO ACCESS PASSO A PASSO I. Criar um Novo Banco de Dados Passos: 1. Abrir o Access 2. Clicar em Criar um novo arquivo 3. Clicar em Banco de Dados em Branco 4. Escrever um nome na caixa de diálogo

Leia mais

Controle de Estoque. Configuração e personalização do módulo

Controle de Estoque. Configuração e personalização do módulo Controle de Estoque O objetivo do módulo de Controle de Estoque á ajudar a controlar a quantidade de produtos no estoque da empresa, avisar sobre problemas com quantidades mínimas, lotes e validades vencendo.

Leia mais

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas FM-0 1/21 ÍNDICE 1. MÓDULO DESKTOP(SISTEMA INSTALADO NO CIEE)... 2 Cadastro de Ofertas de Empregos:... 2 Cadastro de Eventos:... 3 Cadastro de Instituições do Curriculum:... 5 Cadastro de Cursos do Curriculum:...

Leia mais

Modelo gráfico do VTK: fundamentos e aplicações

Modelo gráfico do VTK: fundamentos e aplicações Modelo gráfico do VTK: fundamentos e aplicações J. Barbosa J. Tavares 1 Modelo gráfico do VTK Principais classes do modelo gráfico do VTK: Render Window Renderer Light Camera Actor Protected Attributes:»

Leia mais