A MULHER NO UNIVERSO MASCULINO DO ROMANCE POLICIAL: LE CRIME DE ROULETABILLE UMA OBRA POUCO CONVENCIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MULHER NO UNIVERSO MASCULINO DO ROMANCE POLICIAL: LE CRIME DE ROULETABILLE UMA OBRA POUCO CONVENCIONAL"

Transcrição

1 A MULHER NO UNIVERSO MASCULINO DO ROMANCE POLICIAL: LE CRIME DE ROULETABILLE UMA OBRA POUCO CONVENCIONAL Melissa Maria da Silva de Lima (IC) e Glória Carneiro do Amaral (Orientadora) Apoio: PIBIC Mackenzie/MackPesquisa Resumo Este artigo visa apresentar a análise do papel da personagem feminina no romance policial Le Crime de Rouletabille, do francês Gaston Leroux; também autor do aclamado O Fantasma da Ópera. Tal análise foi desenvolvida partindo da comparação entre contos de Edgar Allan Poe (que deram início ao gênero), e o romance-estreia de uma personagem que o imortalizou: o famoso detetive Sherlock Holmes, de Artur Conan Doyle. A pesquisa foi desenvolvida levando em conta a participação e relevância das personagens femininas nessas obras, em comparação às presentes no romance de Leroux. No primeiro caso, a mulher não tem um papel ativo na trama, sua personalidade é pouco explorada e sua importância é mínima. O centro da narrativa é o detetive e a maneira que conduz o inquérito: seus métodos são puramente lógicos e sua personalidade é marcadamente racional. Segundo alguns teóricos do policial, um relacionamento amoroso ou um envolvimento emocional com o crime, atrapalharia seu trabalho intelectual, interferindo na elucidação do mistério. Assim, Holmes e Dupin não estarão afetivamente envolvidos em seus casos ou partilharão uma vida amorosa com alguém. Porém, no romance analisado, o detetive Joseph Rouletabille está imerso no caso até a alma ; o crime que soluciona é o assassinato de sua esposa, do qual é o principal suspeito. Os resultados apontam para uma inovação ligada também à mudança do papel social da mulher e da personagem feminina na literatura em geral. O romance de Leroux ultrapassa os clichês; é uma obra que transcende o próprio gênero. Palavras-chave: policial, personagem, feminina Abstract This paper aims at analyzing the role of female characters in detective fiction of Le Crime de Rouletabille, French Gaston Leroux; also the author of the acclaimed The Phantom of the Opera. This analysis was developed from the comparison of stories by Edgar Allan Poe (who started the genre), and the debut novel of a character who immortalized him: the famous detective Sherlock Holmes, from Arthur Conan Doyle. Based on books, literary theory, the research was developed taking into account the contribution and relevance of the female characters in the opuses cited in comparison to those present in Leroux's novel. In the first case, the woman has an active role in the plot, his personality is not explored and its importance is minimal. The center of the narrative is the detective and the way it conducts its investigation, its methods are purely logical, and his personality is remarkably rational. According to some theorists of the police, a relationship or an emotional involvement with the crime supposedly interfered with its intellectual work, interfering in the elucidation of the mystery. This way Holmes and Dupin will be not emotionally involved in their cases or share a love life with someone. However, in the novel object of research, the detective Joseph Rouletabille is involved in the case "to the soul"; the solved crime is the murder of his wife, of which he is the prime suspect. The results point to an innovation also linked to the change of woman's social role and the female character in the literature in general. Leroux's novel goes beyond the cliches, it is a opus that transcends the genre itself. Key-words: police, character, female 1

2 VII Jornada de Iniciação Científica INTRODUÇÃO Todos já ouvimos falar do famoso detetive Sherlock Holmes e seus feitos extraordinários, registrados pelo seu caro amigo Watson. Porém, nunca de uma personagem feminina que estivesse intimamente ligada ao protagonista, tampouco em seu lugar. Em sua estreia, Holmes investiga crimes cometidos para vingar o assassinato de uma mulher. Muito embora, a narrativa não tem nesse motivo, seu principal objeto. O foco do autor é a elucidação do mistério; a maneira extraordinária como nosso herói conduz as investigações. Isso ocorre desde o nascimento do gênero romance policial, com o conto The Murders in the Rue Morgue, de Edgar Allan Poe. O detetive é um homem de caráter racionalista: é por meio da análise, observação das evidências e da dedução que soluciona os enigmas. O trunfo da narrativa está em impressionar o leitor com a capacidade dedutiva do protagonista. Dupin, o detetive de Poe, resolve o mistério que perturbou os investigadores mais experientes da polícia e aterrorizou os moradores da cidade. Através da simples constatação dos fatos, da observação do local do crime e da aplicação de sua capacidade dedutiva. Tais crimes também foram cometidos contra mulheres que novamente não estavam no papel central. Talvez, por uma herança literária em que a mulher é convencionalmente um ser frágil. Ou ainda, pela influência do ambiente social em que essas literaturas ganharam espaço: a segunda metade do século XVIII e início do XIX, períodos em que a figura masculina estava a frente da sociedade. O homem é motor da civilização moderna: o burguês, o operário, o cientista. Dupin e Sherlock inspiraram uma vasta gama de escritores ao redor do mundo, em diferentes épocas. Algumas convenções genéricas sofreram alterações no desenvolvimento e expansão do policial, porém as características do detetive foram, em sua maioria, mantidas. Ambos são homens reservados, cultuadores do raciocínio lógico, que não se deixam levar por emoções. Não se apaixonam ou têm relacionamentos amorosos. As narrativas são completamente voltadas para si e seus dons intelectuais. Já no romance analisado, o detetive Joseph Rouletabille, dotado de uma personalidade mais leve, porém também adepto do bom lado da razão, tem que investigar a morte de sua própria esposa da qual ele é acusado. Além dessas novidades, o romance conta com mais duas personagens-chave, ambas femininas. Qual a importância destas personagens no desenrolar da trama? Qual será o resultado do envolvimento afetivo do detetive? Ele realmente terá seu trabalho prejudicado? Que papel social desempenha a mulher? É sobre estes questionamentos que esta pesquisa pretende se desenrolar. 2

3 2 REFERENCIAL TEÓRICO Os conceitos presentes na pesquisa foram retirados das fontes a seguir. Serão apresentadas de maneira linear ao desenvolvimento dos estudos: Sandra Lúcia Reimão (1989) faz a ligação do surgimento do romance policial com as correntes de pensamento do contexto social. Na época da Revolução Industrial a ideologia que ganha força é o Positivismo. A imprensa também evolui e inicia a publicação da literatura de massa através do romance-folhetim. O gênero policial tem aí seu início, com os contos publicados por Edgar Allan Poe. O detetive é o cientista social que estuda o comportamento do novo homem urbano. Em seguida, Tzvetan Todorov (2006) trata da tipologia do romance, dividindo-o em duas formas que, segundo Boileau e Narcejac (1964 apud TODOROV, 2006) não são subdivisões e sim, formas historicamente distintas. São elas o romance de enigma aquele que mais se aproxima do tradicional (de Poe), e o romance negro, cujas características são encontradas em Le crime de Rouletabille. Todorov cita também autores do gênero que buscaram estudálos, como S.S. Vin Dine (1928 apud TODOROV, 2006), o enumerador das regras necessárias para se obter um bom romance policial. Através de Hauser (1998), pudemos aproximar de maneira mais concreta a análise do conteúdo do romance (personagens, temas, etc.), com o contexto social. Pois trata do vínculo entre o enunciado e a situação enunciativa. Este artigo é baseado principalmente nessas obras; toma como ponto de partida do gênero os contos publicados nos periódicos do início do século XIX; faz a distinção entre as formas do romance policial e a ligação entre o a cena enunciativa e o discurso do narrador (REIMAO, 1989; BOILEAU e NARCEJAC (1964 apud TODOROV, 2006); DINE (1928 apud TODOROV, 2006); TODOROV, 2006; HAUSER, 1998). 3 MÉTODO Antes de entrarmos no estudo do romance propriamente dito, passamos por algumas etapas com a intenção de sistematizar e, assim, simplificar o desenvolvimento da pesquisa. Em primeiro lugar, foi feito um estudo literário para identificar o surgimento do gênero. Por meio de livros teóricos mais abrangentes, foi possível constatar a época de seu nascimento e nomes de autores pioneiros e de seus seguidores. Assim chegamos aos contos de Edgar Allan Poe e ao romance de Artur Conan Doyle. Em seguida, um levantamento dos aspectos referentes a estas narrativas: como eram os detetives, quais as circunstâncias dos crimes, quem eram os envolvidos, como foram solucionados, etc. 3

4 VII Jornada de Iniciação Científica Então, a pesquisa voltou-se aos livros mais específicos. Aqui foi constatada a existência de duas formas historicamente distintas: primeira, contendo mais influência dos contos originários e a segunda, apresentando algumas novidades. Também foram descobertas supostas regras de elaboração desse tipo de narrativa. Essas novidades foram mais estruturais do que temáticas. Para passar do papel da mulher no contexto social ao papel da personagem nas narrativas literárias, o vínculo entre a obra e seu contexto social começou a ser estabelecido. Neste momento, foi possível evoluir também na análise das narrativas. Finalmente, o romance tornou-se o foco da pesquisa. Seu enredo, suas personagens e seus temas foram levantados e discutidos, com base nos estudos já concluídos. Após levantar estes aspectos mais gerais, as personagens femininas foram focalizadas para concluir a pesquisa e fundamentar as hipóteses levantadas a princípio. Os principais resultados do trabalho científico desenvolvidos foram: a descoberta da época e do surgimento do gênero; seus principais nomes; a influência social na literatura; as convenções do romance policial; os aspectos comuns e diferentes existentes entre as obras comparadas; e finalmente, como o romance central poderia ser visto como um retrato do papel moderno da mulher, tanto social, quanto literário. A pesquisa não seguiu o cronograma esperado. Isto ocorreu principalmente pela necessidade de responder perguntas que não estavam previstas. Os resultados também superaram as expectativas do projeto, formulado há doze meses: na época a proposta era um pouco mais superficial, no que diz respeito aos motivos da pesquisa. O que chamou atenção no romance, em primeiro lugar, foi o envolvimento afetivo do detetive com uma mulher, não era esperado que tal aspecto fosse tão significativo, quanto à imagem feminina social e literária. Estas novas descobertas e, consequentemente, as novas dúvidas influenciaram também no foco da pesquisa, seu eixo de desenvolvimento foi ligeiramente alterado, pois também não era esperado que o estudo de uma única obra envolvesse tantas outras e fosse tão carente de precedentes. Os resultados finais serão apresentados mais detalhadamente a seguir. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 CONTEXTUALIZAÇÃO Os antecedentes do gênero policial Com a expansão da Revolução Industrial, tudo o que se refere à vida urbana começa a ganhar a forma que tem hoje, como por exemplo, a formação da polícia e a concepção de 4

5 inimigo público. No início do século XIX, a polícia francesa era majoritariamente composta por ex-condenados, recrutados para servir a lei em troca de sua liberdade. O mais famoso dentre eles era o detetive Vidocq ( ), que em 1828 publica suas memórias mostrando como funcionava a mente de um contraventor. Era através da convivência com condenados e ex-condenados que conseguia solucionar todos os casos em que trabalhava, por conhecer interiormente o pensamento criminoso. Porém a sociedade começa a ver o infrator da lei como um inimigo não meramente individual, este passa a se tornar um inimigo público; uma vez evidente o contato da polícia com o crime, começa a desconfiar da instituição. Assim, os detetives particulares ganham maior prestígio. É ainda no século XIX que a imprensa se torna popular e surgem os grandes jornais, que tratam de tudo quanto diz respeito à vida na cidade. Estes jornais começam a publicar, além dos textos informativos, textos fictícios, dando origem à literatura de massa, uma forma de arte popular que se vale da exploração do grotesco, das ciências, da urbanização e seus problemas, enfim, de tudo o que dizia respeito ao homem moderno. Com teor realista e um pouco de sensacionalismo, a população era chamada a contemplar seu próprio cotidiano de maneira fantástica. Dentro deste universo, estão narrativas que evoluíram e resultaram em gêneros literários ainda hoje cultuados em grande escala. Como é o caso do romance policial. A narrativa policial que deu início ao gênero foi The Murders in the Rue Morgue publicada na revista Gramham s em abril de 1841, nos Estados Unidos, por Edgar Allan Poe. O conto de Poe apresentou certos aspectos e características que viriam a se tornar convenções do gênero. Trata-se de uma narrativa em primeira pessoa, cujo narrador é um amigo fiel (não nomeado) do protagonista, na qual um crime pouco atroz é cometido em um quarto fechado. Atraídas por gritos, quando as testemunhas chegam ao local do crime, têm que arrombar a porta, porém, não encontram culpado. A cena do crime, o quarto, não apresenta alternativa de fuga. Este crime é, aparentemente, de solução impossível. A polícia não consegue resolver o caso e o enigma toma grandes proporções. O protagonista, Auguste Dupin, é uma espécie de detetive cientista que preza acima de tudo a razão e passa a ter como objetivo desvendar o mistério. Há uma atmosfera constante de mistério, fundamentada num estilo descritivo repleto de indagações O pensamento da época A ideologia que ganhava força, no contexto histórico, era o Positivismo. Tal ideologia prescrevia que todos os fenômenos naturais eram regidos por leis naturais superiores e, sendo o homem parte dessa cadeia, estaria ele também submetido a tais leis, como qualquer outro componente da natureza. Outra corrente muito forte na época era o 5

6 VII Jornada de Iniciação Científica Cientificismo, ou seja, a compreensão desse universo através de teorias que partiam da observação desses fenômenos e experimentos que buscavam validar tais teorias. Ambos os pensamentos eram de cunho estritamente racional e são frutos de uma época em que o homem acreditava em uma verdade universal, objetiva. Assim, não há espaço para crenças religiosas, uma vez que a existência de um mundo metafísico não podia ser provada de maneira concreta. A verdade que o homem buscava deveria ser plena e partilhada por toda a humanidade. A emotividade exacerbada dá lugar ao racionalismo e ao pensamento lógico; o idealismo romântico é substituído pelo objetivismo realista, fruto de todas essas mudanças sociais e ideológicas. O conceito de realismo deve ser tomado como a filosofia que se opõe ao idealismo romântico. Ao movimento artístico fruto desse pensamento, dar-se-á o nome de naturalismo. Hauser fala a respeito do estilo realista; diz que o naturalismo tem como principal critério a probabilidade do empirismo das ciências naturais. Seu conceito de verdade psicológica é baseado no principio de causalidade; ou seja, no desenvolvimento de uma trama que elimina a influência do acaso e da metafísica. Seu principio é descrever o ambiente para fundamentar a ideia de que cada fenômeno natural está ligado a uma cadeia de motivos. A utilização desse recurso que pretende detalhar o objeto narrado, ou a cena, ou os envolvidos, é característico do método de observação científica, que não deve desprezar detalhe algum, por mínimo que seja (HAUSER, 2003). O detetive de Poe é aquele que busca dominar as leis gerais, através desse processo de observação, assim como seu narrador também será aquele que observa seu herói. Seu olhar investigará o homem em seu habitat: a cidade grande. Um pensador por excelência, conhecedor de todos os aspectos da vida urbana que, através da associação de ideias, é capaz de resolver qualquer enigma que seja apresentado, inclusive o crime aparentemente sem solução. Dupin toma conhecimento dos fatos através da notícia de um jornal local e desvenda o mistério, depois de um exame cuidadoso do local do crime. Seu trabalho é estritamente intelectual em oposição ao chefe Vidocq, cujo contato criminal era empírico. Outra oposição a este é o fato de Dupin solucionar enigmas por hobby e não como um funcionário da lei, que, como já visto, perdia a credibilidade na esfera social. O período em questão é aquele no qual a burguesia estava ascendendo, isso irá repercutir na literatura tornando o escritor um comerciante de sua arte, esta por sua vez será o produto e o leitor se tornará o freguês. Tendo em vista esse mecanismo, o sucesso de Poe foi imediato. Escreveu mais dois contos na mesma linha: The Mistery of Marie Roget ( ) e The Purloined Letter (1845). 6

7 4.1.3 Disseminação do gênero Seu detetive, Dupin, deu vida a toda uma geração de personagens literárias populares aos heróis da moderna ficção policial: o Inspetor Bucket de Dickens, o Sargento Cuff de Willkie, o Lecop de Gaboriau, o Sherlock Holmes de Conan Doyle e dúzias de outros. (ZABEL, 1947) A produção policial de Poe encerra-se nos três textos citados, mais tarde publicados em coletâneas de contos e traduzidos pelo mundo todo. Na França, tornou-se conhecido através das traduções de Charles Baudelaire ( ), publicadas em Tais contos inspiraram autores de muitas gerações que lançaram mão das convenções estabelecidas e foram acrescentando outros aspectos; assim nasceu o romance policial. Este acréscimo de aspectos (ou supressão, como veremos adiante) deu ao romance policial varias faces pelas quais discorreremos a fim de enquadrar o nosso. Boileau-Narcejac diz que o gênero policial não se subdivide em espécies. Apenas apresenta formas historicamente diferentes (1964, apud TODOROV, 2006). Como herança da literatura clássica, a classificação das obras precediam a própria obra, ou seja, o gênero e suas convenções teriam de ser obedecidos, assim, a obra mais valorizada era a que se enquadrava perfeitamente e não a que apresentava originalidade. A partir do romantismo, a criação literária quebra esse estigma: a obra passa a ser valorizada em si, negando as regras e até a noção de sua existência; ela (obra) ganhava primeiro plano. Há também na escola romântica o mito de que a arte é a expressão mais íntima do ser; de que o escritor supostamente sentiu ou viveu aquilo que escreveu. Num homem fruto de uma sociedade capitalista, a literatura que ganhará prestígio é justamente esta que valorizará o indivíduo, que será essa suposta expressão íntima. O escritor burguês é aquele que vai comercializar sua arte como uma mercadoria. A novidade e a identidade com o leitor será sua propaganda. As escolas seguintes negarão muitos preceitos românticos, mas conservarão outros: vão buscar motivos nas pessoas, no fait divers, na vida real. É por isso, por exemplo, que Poe suprime nomes e datas em seus contos: supostamente para proteger a imagem de pessoas reais, para dando-lhes um tom realista, aproximando assim, o leitor da leitura. Outro aspecto mantido é a obra que antecede ao gênero e à própria literatura, é o produto, que se eleva cada vez mais numa sociedade consumista. Desde então o estudo dos gêneros é pouco desenvolvido, o que há é uma busca pelo meio termo entre: o estudo da literatura em geral, como instituição; suas subdivisões (os gêneros); e o objeto de sua realização: a obra. A tipologia provém e é proveniente da descrição desses objetos. Avança até a estrutura em que se enquadra, dando margem às 7

8 VII Jornada de Iniciação Científica novas estruturas resultantes da descrição de novos textos, como um ciclo que se distanciou de sua origem e está longe de terminar. (TODOROV, 2006) 4.2 TIPOLOGIA O romance de enigma Nesse tipo de romance, a primeira história, ou a do crime, contém o que supostamente aconteceu; é a realidade evocada; os acontecimentos mundanos; a ordem natural. É o que importa, porém está ausente: é uma imagem filtrada pelo narrador. É o que aconteceu no passado precedente à narrativa. Por estar encerrada no momento em que começa a segunda estória, ou a da investigação, o detetive goza de imunidade. Nada pode lhe acontecer, uma vez que esse trabalho é essencialmente psicológico, ele apenas segue os indícios. Essa segunda estória pode ser perfeitamente ilustrada pelo ato de completar um quebra-cabeças: o crime é a imagem em sua totalidade, as peças seriam as pistas e o mistério é ilustrado pelas peças soltas. Cada pista possui um pequeno fragmento que complementa a imagem total. O trabalho do detetive é descobrir onde se encaixam até remontar a imagem do crime, mas nada poderá fazer que altere o resultado final. Essa estória é escrita em forma de livro, ou seja, narrada como memórias de um observador, amigo do detetive. Leva em conta essa realidade de livro, construída metalinguisticamente. O propósito do narrador é restringido a registrar os feitos do amigo. Este narrador revela-nos como ele tomou conhecimento dos fatos e o leitor, por sua vez, vai tomando conhecimento à mesma medida que ele. Aqui é onde o quebra-cabeças pode ser montado sem seguir uma ordem, as peças não serão postas necessariamente em sequência, elas vão sendo postas à medida que o narrador toma conhecimento dos acontecimentos, o que deixa algumas lacunas e mantém o mistério até as últimas páginas. A função do narrador, supostamente, não passa de intermediar o contato entre o que teria ocorrido e o leitor. Hipoteticamente não é importante em si. Só existe em função do passado. A característica constitutiva da narrativa são seus temas. Eles justificam-na e naturalizam-na. Por isso deve ser tida como livro, para que, dentro de seu contexto, a situação expressa faça sentido. Portanto, quanto mais neutro, o estilo da narração, melhor. Ela ignora a existência de um narrador o romance negro A outra vertente do policial é o romance negro. Nasce também nos Estados Unidos e ganha grande prestígio na França, onde é conhecido como série noire. Este tipo funde as duas histórias antes separadas, ou dá vida à segunda, fazendo-a coincidir com a ação da primeira. Não é um memorial por não haver um ponto de chegada a partir de onde se faz um retrospecto. Este dá lugar à prospecção. O detetive perde sua imunidade, não se sabe se 8

9 chegará vivo até o fim da narrativa e sequer se um crime será cometido, pois os fatos são tão moldáveis que seria possível impedi-lo. Trabalha a curiosidade do leitor de maneira absoluta, pois sua atmosfera é toda envolvida no suspense, não que no primeiro estilo não seja, mas sabe-se que o crime terá uma solução. Já aqui cabe a dúvida, pois as personagens são vulneráveis à ação. Sustenta a expectativa em torno do que irá acontecer. É o to be continued tão famoso ainda hoje. A elucidação ganha segundo lugar, quando vidas estão em jogo. Aquilo que diferencia os dois tipo do policial, é justamente a oposição entre as duas histórias. Porém, os gêneros não se constituem apenas em conformidade com as descrições estruturais. O romance negro é constituído também por temas que podem variar de acordo com o momento histórico. A segunda história adquire papel central e o mistério dá lugar ao suspense em torno do que pode ou não acontecer. Embora haja uma aproximação dos dois termos, a diferença está no fato de que, ao iniciar a leitura de um romance de enigma, o leitor sabe que o crime será solucionado. Já no segundo, os acontecimentos são passíveis de mudanças tão impressionantes que podem influir no desfecho; é aí onde mora o suspense As regras de cada tipo Há romancistas que prescrevem a elaboração do romance policial, como S.S. Vin Dine (1928 apud TODOROV, 2006). Há teóricos que descrevem tal processo, como Todorov. Partindo das regras de Vin Dine vamos procurar enquadrar Leroux ou apenas descrevê-lo no ponto em que não for possível prescrevê-lo. Ele elabora uma lista de vinte, que Todorov reduz à oito, por julga-las redundantes, postura que adotaremos. Uma parte delas diz respeito à toda produção policial, a outra se restringe ao romance de enigma: É permitido apenas um detetive e um culpado; o culpado não pode ser um profissional, nem o detetive nem o crime deve ter razões pessoais; o amor não tem lugar no romance policial; o culpado deve gozar de certa importância, não podendo ser, na suposta vida extratextual, um empregado ou de procedência humilde e, no livro, ser uma das personagens principais. Até aqui, vimos características do romance de enigma, as que se seguem aplicam-se também ao romance negro: a explicação deve ser racional, não dando margem ao sobrenatural; não há lugar para descrições nem para análises psicológicas; é preciso evitar o que Vin Dine chama de soluções banais como, por exemplo, o culpado ser o mordomo; existe a seguinte homologia: autor=culpado x leitor=detetive, ou seja, o autor, no momento que está narrando, sabe tanto quanto o culpado, já o leitor, se equipara ao detetive. Se nos detivermos um pouco nestas regras, é possível notar que as regras aplicáveis ao romance de enigma, dizem respeito à primeira história, à suposta vida real, já as outras são 9

10 VII Jornada de Iniciação Científica do âmbito da trama, de como se apresenta a vida real. Isto é a prova de que no romance negro, a segunda estória ganha vida, pois o estilo do narrador deve fazer-se presente; segue regras. Nos romances de Leroux há variações como: há mais de um detetive, um deles é o próprio criminoso e que é também um profissional. Por outro lado, seus motivos são pessoais. Porém, sua estrutura narrativa e outros aspectos são suficientes para enquadrar Leroux na série noire. 4.3 A SÉRIE NOIRE Um estudo em vermelho Em 1887, o inglês Artur Conan Doyle lançou A study in Scarlet, romance de estreia de uma personagem que ganhou fama mundial e atemporal: o famosíssimo detetive Sherlock Holmes e seu fiel amigo, o caro Watson, que assume papel de narrador em primeira pessoa. A narrativa apresenta, como no conto de Poe, um enigma aparentemente insolúvel, a incapacidade da polícia, o mistério, sua solução por parte do detetive cientista através de seu trabalho intelectual, etc. Esta narrativa é mais longa e se diferencia da de Poe em certos aspectos; por exemplo, enquanto na segunda os fatos são intermediados puramente pela concepção do narrador, que têm acesso aos fatos através dos jornais e assumem o caso como um hobby; no segundo caso o detetive é profissional, procurado pessoalmente. Assim, a vítima, o criminoso e o crime em si, ganham um foco maior: a certa altura do romance, o narrador deixa de ser o dr. Watson, este outro, não nomeado e onisciente, faz uma extensa narração dos antecedentes até chegar ao crime. Neste momento o detetive sequer é citado. Outro aspecto diferente é que novos assassinatos ocorrem durante o tempo narrativo, ou tempo cronológico. Com o crime em primeiro plano e os acontecimentos em aberto, temos um romance negro, o primeiro de uma série lida e apreciada até os dias atuais Leroux e a tradição policial Em 1907, influenciado principalmente por ambos (Poe e Doyle), Gaston Leroux lança Le Mystère de la Chambre Jaune, livro que retoma a ideia do crime cometido num quarto hermeticamente fechado, sem alternativas de fuga e sem suspeito no local. O caso é resolvido pelo jovem repórter Joseph Rouletabille, que tem acesso direto ao crime devido a sua profissão A trama é narrada por seu fiel amigo, monsieur Sainclair. Leroux ganhou grande prestígio e foi logo reconhecido como autêntico seguidor de Poe e Conan Doyle. Jean Cocteau, em seu prefácio para este livro, diz: Num gênero em que Edgar Allan Poe foi rei, Gaston Leroux, sem dúvida, foi príncipe. (1999) 10

11 4.4 ANÁLISE Madame e Mademoiselle L'Espanaye, Marie Rogêt, Madamme e Lucy Ferrier, motivos livres Nos três contos de Poe em que o detetive Dupin aparece, há personagens femininas que não estão envolvidas diretamente na trama. Em The Murders in the Rue Morgue, o fato das vítimas serem mulheres não tira o mérito do detetive e a atmosfera sombria da narrativa, nem interfere na solução do crime. Este dado serviria apenas para aumentar o teor trágico: o leitor, já abalado pela narrativa incisiva de Poe e sua ambientação sombria, ao se deparar com o assassinato de duas mulheres cujo vínculo familiar é tão relevante (mãe e filha), se vê frente a um assassino brutal; afinal, quem ou o que seria capaz de fazer mal a criaturas tão inofensivas? Visto isso, podemos facilmente concluir que se trata de um recurso estético, da trama, um motivo livre. O mesmo ocorre com The Purloined Letter. Somente em The Mistery of Marie Roget o fato de a vítima ser uma mulher tem caráter de motivo associado, pois se trata de um crime passional. Muito embora, não é o que poderia ser considerada uma personagem decisiva em certo ponto de vista que trataremos logo mais. Há uma grande semelhança entre Lucy Ferrier de Doyle e Marie Roget: a narrativa também gira em torno de um crime passional, portanto sua existência como mulher passa a ser relevante. O que também pode ser relativo: se virmos da perspectiva do crime, é indispensável. Porém, da ótica da investigação, novamente o papel dela perde seu valor: ainda que tenha certa relevância sua personalidade é pouco explorada, no sentido de ser padronizada e até clichê literário: é a mais bela da cidade onde cresce, é uma filha exemplar e sonha com um amor ideal. Nestes dois casos, são personagens poucos desenvolvidas na trama, não têm voz no texto e, se considerarmos o ponto de vista da segunda estória, a da investigação, são facilmente esquecidas e, assim, tidas como motivos livres. Já da perspectiva da primeira estória, a do crime, tornam-se relevantes se o virmos como o ponto de partida do romance. Mesmo assim encontraremos questões igualmente relevantes. Por exemplo: a doutrina da comunidade em que Lucy e seu pai viviam não lhes agradava. O fato dos mórmons praticarem a poligamia levou os dois a fugirem e a serem perseguidos; seu pai é morto e Lucy obrigada a casar e morre logo em seguida, por conta do abalo psicológico que sofreu. O noivo, por sua vez, comete os crimes investigados por Holmes, como um ato de vingança. Ainda que consideremos os antecedentes do crime, não podemos esquecer que o romance policial é voltado mais à sua solução. Podemos dizer, num olhar mais abrangente, o fato de serem personagens femininas é de pouca ou nenhuma importância. Para ilustrar, podemos ressaltar que, em momento algum 11

12 VII Jornada de Iniciação Científica dos contos, as personagens tem um discurso direto, e no caso do romance, suas falas são pouco significativas. O discurso direto seria justamente a voz da personagem, como se a pena fosse posta de lado para dar certa independência à criatura Paráfrase de Le Crime de Rouletabille O romance é a história de um jovem repórter investigativo, Joseph Rouletabille, acusado de ser assassino de Roland Boulanger, um renomado cientista, e de Ivana Vilitchkov, sua própria esposa. Ivana era pesquisadora do Instituto Roland Boulanger. Devido a sua dedicação e competência, tornou-se a segunda assistente do grande homem. Apesar de ser um cientista famoso, Roland não era bem quisto por todos. Um pouco por seus trabalhos e teorias polêmicas e inovadoras para a época, um pouco por sua personalidade. Tinha fama de mulherengo e se envolveu em vários escândalos amorosos. Sua esposa era totalmente dedicada. Apesar de sua formação literária, seu amor por ele fez com que adquirisse grande conhecimento cientifico e tornou-a seu braço direito, sendo ela a primeira assistente. Ela fazia vista grossa aos casos extraconjugais do marido, até que um deles chegou a ameaçar seu trabalho e sua saúde: Roland se envolveu com uma cortesã, Theodora Luigi. Ela era viciada em ópio. Com medo de que o vício prejudicasse a saúde de seu marido e até o futuro da medicina laboratorial, Thérèse intervém contra a relação dos dois. Com a partida de Theodora, tudo volta ao normal, mas por medo de que Roland não a tivesse esquecido, Thérèse pede à Ivana que seduza seu marido, para que esqueça a amante de vez. Ivana aceita, com o consentimento de seu marido. Porém Theodora volta à Paris e Roland tem uma recaída. Vendo que seu plano não havia funcionado, Thérèse resolve tomar medidas drásticas: matar ambos, porém acaba matando Ivana por engano. O caso que vem a público e Rouletabille passa a ser o principal suspeito. Chega a ser perseguido e agora, além de lutar contra a dor da perda, terá que desvendar o caso para honrar o nome de sua esposa e se livrar da acusação. É importante ressaltar que, já aqui, podemos constatar a relevância das personagens femininas, pois não poderiam ser deixadas de lado da fábula, ou seja, são motivos associados. Indispensáveis ao enredo Elementar, mon cher Sainclair! O romance é estruturado a partir de uma narrativa em primeira pessoa, do ponto de vista do amigo do protagonista, monsieur Sainclair. O tempo psicológico são as memórias deste amigo já anos distantes do ocorrido. Quanto ao cronológico e à ambientação, trata-se de 12

13 Paris do século XIX: a cidade das luzes está em pleno desenvolvimento urbano, social, científico e comercial. É sinônimo de requinte e modernidade. A classe social dominante é a alta burguesia. Entre os tipos de narrador, o mais comum entre o gênero policial, ou ao menos entre as obras abordadas, é o aquele em primeira pessoa. O que implica em um narrador envolvido com os acontecimentos que narra, mas não necessariamente em uma personagem principal. Convencionalmente o narrador é um amigo íntimo do detetive, que vai, de maneira discreta, persuadindo o leitor a se identificar com o protagonista, através de seu olhar fraterno e de admiração. Logo no primeiro parágrafo, do primeiro capítulo, intitulado Réflexions et souvenirs d'un ami 1, tal intenção fica clara: Avec quelle émotion nouvelle, à plus de dix ans de distance, moi, Sainclair, je reprends une plume qui a tracé le sensationel << rapport >> du Mystère de la Chambre Jaune et les premiers hauts faits du jeune reporter[...] 2 (LEROUX, 1976) O narrador então faz uma pequena introdução relembrando antigos feitos de seu amigo, referindo-se a romances anteriores, que ele chama de relatórios (rapports no original). Aqui ele retoma o primeiro livro da série, Le Mystère de la Chambre Jaune, no qual Rouletabille resolve seu primeiro grande caso e ganha fama. Depois faz referências aos romances nos quais conheceu e se casou com Ivana. Rouletabille chez le Tzar e Les Stranges Noces de Rouletabille, respectivamente). A história começa quando ele é convidado por seu amigo a fazer-lhe companhia em Deauville, local das dependências dos Boulanger. A proximidade lhe possibilita construir um perfil do protagonista, apontando seus hábitos, ideias, valores e até mesmo características físicas que não são necessariamente objetivas, que ajudam a convencer o leitor, por terem um aspecto de testemunho, de observação. A credibilidade é alcançada também pela disposição do narrador a tratar um ser que merece notoriedade. Colocar-se em segundo plano já atribui certa importância ao protagonista, de maneira tão sútil que o leitor mal percebe a artimanha. Indo além, o narrador em primeira pessoa e a narrativa em forma de memória, não são apenas ferramentas usadas para destacar o protagonista, afinal, é através de sua mediação que tomamos conhecimento de todos os fatos e demais personagens do romance. Como a narrativa é póstuma, ela dá dicas que, num primeiro momento passam despercebidas, 1 Reflexões e lembranças de um amigo (N. A.). 2 Com a mesma emoção da época, mais de dez anos depois, eu, Sainclair, retomo a pena que registrou o sensacional <<relatório>> do Mistério do Quarto Amarelo e os primeiros grandes feitos do jovem repórter. (N.A.) 13

14 VII Jornada de Iniciação Científica porém um leitor mais atento entenderá que são presságios do que está por vir. Também na primeira página, temos um exemplo: Le Crime de Rouletabille, sombre tragédie où roulent d'effroyables ténèbres et sur le seuil de laquelle apparait le doux monstre à la tête de sphinx: l'éternel féminin!... 3 O Crime de Rouletabille, sombria tragédia na qual pairam trevas tenebronas e sobre aquela Além de preparar o leitor para acontecimentos terríveis, o narrador já introduz a importância da mulher no romance. De si mesmo fala pouco, talvez para dar credibilidade ao relato, talvez como marca de seu temperamento retraído e discreto Rouletabille e le bon bout de la raison A imagem que Sainclair constrói de Rouletabille, a princípio, é de um jovem repórter bemsucedido e brilhante, de um bom humor constante e que conquista a simpatia de qualquer um por ser dotado de um espírito original. Possui um talento nato de detetive amador que transparece em suas reportagens ao redor de mistérios tão complexos capazes de enganar até os investigadores mais experientes. Já desvendou casos importantíssimos e até fora de seu país. É famoso por seus feitos. A descrição é repleta de adjetivos, superlativos e outras figuras de linguagem que denotam afetividade. Seu método é lógico, consiste em encontrar o lado certo da razão, reconhecido por ser aquele considerado incorruptível, que não é passível de erros. Observa os fatos e deduz aquilo que não está explícito, esgotando as possibilidades. Apesar de seu caráter racionalíssimo, é apaixonado por sua esposa, a jovem Ivana que exerce grande influência em si. Conheceram-se em meio a casos passados: envolvida em um dos mistérios que ele investigava, estava a jovem. Rouletabille a viu pela primeira vez no Hospital Pitié-Salpêtrière, um dos maiores centros de estudos medicinais da época. Em outro romance, alguns acontecimentos sangrentos em torno da Guerra dos Balcãs serviram de prólogo para seu casamento com o jovem repórter na Igreja de Madeleine, localizada ao centro de Paris. A medida que o romance avança, o humor de Rouletabille se transforma. Tal transformação é fácil de ser constada pela proximidade de ambos (protagonista e narrador). Apesar de não transparecer no início, Rouletabille fica enciumado com o plano de Thérèse, mas não nega seu pedido desesperado, por ter um bom coração e por confiar em sua esposa. 3 "O Crime de Rouletabille, tragédia sombria na qual se desenrola uma tenebrosa escuridão e sobre o limiar da qual aparece o doce monstro na cabeça da esfinge: a mulher eterna" (N. A.) 14

15 No início Sainclair não sabe do arranjo; depois, passa a ser contra, principalmente por notar o efeito que ele tem sobre seu amigo. Aqui a empatia do narrador começa a atingir o leitor mais diretamente. Embora incomodado com a situação, Rouletabille a suporta. Chega a ter algumas crises, mas em segredo e só as partilha com Sainclair, por medo inclusive de ofender sua esposa Ivana Vilitchkov De uma beleza exótica, Ivana Vilitchkov é nascida na Bulgária, pertence a uma das famílias mais ilustres da cidade de Sófia. Veio à Paris ainda muito jovem a fim de estudar medicina. Envolveu-se em um dos casos que Rouletabille cobria, foi assim que o conheceu e tornouse sua esposa. Foi enfermeira na Primeira Guerra Mundial. Com o seu fim, dedica-se completamente à pesquisa e à medicina laboratorial, é assim que se envolve com o Instituto Roland Boulanger, referência da área na época. Além de ser constantemente exaltada por sua beleza, o é também por sua competência profissional e seu caráter: é bondosa e fiel a seu marido. O século das descobertas é um ambiente de prevalência masculina, porém Ivana é inserida neste universo, o que pode ser interpretado como um sinal de que os tempos estavam mudando, que a mulher estava ganhando outros espaços, inclusive na literatura. O próprio narrador representa um certo conservadorismo a este respeito. Sainclair diz, logo nos primeiros capítulos, que em ocasião de uma festa da alta sociedade, ficou chocado com a vestimenta de algumas mulheres, pois suas costas estavam nuas, o que ele, evidentemente reprovou. Aqui temos duas marcas: o conservadorismo masculino e os sinais da mudança do comportamento feminino. a mulher fica mais ousada, mostrar as costas, no contexto, pode ser considerada como uma atitude a frente de seu tempo. Ele critica também, de maneira sublime, uma espécie de submissão de Rouletabille à sua esposa: em diversos momentos da narrativa, deixa claro a opinião de que a culpa do desastre é da permissividade do amigo. O fato de Rouletabille ceder ao pedido de irem morar nas dependências do cientista, teria sido o princípio de tudo. Novamente, o narrador nos diz que o desfecho tem a ver com o papel da mulher no romance e se mostra conservador. Sainclair sugere que seu amigo é incapaz de raciocinar perante os encantos de sua mulher. Isso é novidade no romance policial: o amor carnal leva o detetive a ir contra o que pensa, contra a sua razão. Dessa forma, ele perde o controle sobre o desfecho; a responsabilidade deste passa a ser dos caprichos femininos, ou seja, da vontade da mulher. 15

16 VII Jornada de Iniciação Científica Porém, o próprio Rouletabille rebate essa ideia, afirmando que a decisão estava nas mãos de ambos e foi tomada com o propósito de ajudar uma a amiga. Porém, em alguns momentos ele fica prestes a perder o controle. A novidade então, é justamente a divisão do detetive entre a razão e a emotividade. Embora contrariado, aceita o trato e busca controlar suas emoções. E quando cede e decide por um fim no acordo, a decisão já não estava em suas mãos; os acontecimentos levam quase que automaticamente para isso: Theodora estava em Paris. Ela e Roland se encontrariam na ocasião de um baile. Com exceção de Thérèse, todos são testemunhas do fracasso do plano. Ela produz Ivana caprichosamente, para que detenha a atenção de todos e não deixe que o brilho de Theodora lhe ofusque. O narrador a descreve como detentora de uma beleza angelical e ao mesmo tempo sensual. Chama a atenção de todos; os olhares de Roland fazem com que Rouletabille perca o controle e decida por um fim naquilo tudo. Porém, o fracasso do plano é que leva a este fim. Na cena em que Ivana disputa a atenção de Roland com Theodora, segundo o narrador, há certa vaidade por parte de Ivana. Se a vaidade estava presente em Ivana ou não, é passível de dúvidas, pois é o narrador quem nos passa tal informação. Independente disso, fazendo uma análise mais profunda da cena, certa disputa de atenção fica clara. Se não vaidosa, Ivana foi no mínimo ousada. O fato de ter uma carreira profissional, além do papel de esposa, denota alguma independência conjugal. Outro aspecto é o fato de não terem filhos. Duas novidades para o contexto, no qual a mulher era basicamente, mãe e esposa. Considerando as narrativas de Poe e de Doyle, antes do romance de Leroux, no gênero não houve uma mulher cujo papel não se limitasse a filha dedicada, amante fiel, mãe carinhosa, etc. Primeiro, a mulher era idealizada. Era posta num plano superior. O homem buscava em vão a mulher de seus sonhos, seu amor nunca se concretizava em vida. Um pouco mais adiante, no realismo, a mulher perde essa aura, mas não o papel na sociedade. O amor passa a ser carnal e a mulher começa a perder a atmosfera angelical. A sociedade burguesa mantém costumes denunciados por esse período literário, como por exemplo, o casamento por interesse. O homem era educado para cuidar dos negócios enquanto o papel da mulher era o de cuidar do lar, dos filhos e do marido. Com a transformação da sociedade, na qual a mulher passa a ter um papel mais ativo, ela ganha um outro espaço também na literatura. 16

17 Até aqui podemos constatar uma mulher de personalidade complexa. É angelical e ao mesmo tempo sedutora. Esposa dedicada e profissional competente. É um exemplo prematuro da mulher moderna: a multi mulher. Vira também um mártir, pois na ocasião de sua morte, foi ao encontro de Roland para interceder a favor de sua amiga Thérèse Boulanger No princípio, o que sabemos de Thérèse é que é não tem outra ambição pessoal que não seja seu marido. Era viúva, herdeira de grande fortuna, quando se apaixonou por Roland. Nesta época, seu nome já era destaque na medicina, porém trabalhava na área clínica para poder financiar suas pesquisas. Com o casamento, ele abre seu próprio centro de pesquisas. Se por um lado temos um casamento de interesse por parte dele, por outro temos uma mulher que de certa forma compra o amor de seu objeto de desejo. Ainda que viva em função de seu marido, que esteja submissa a ele, é, de certo modo, manipuladora, pois usa o dinheiro para conseguir o que quer. O fato de seu marido não amá-la de verdade não a incomoda, como ela mesma diz, em certo ponto, aceitava que tivesse quantos casos desejasse, desde que nunca a abandonasse. Traços de uma personalidade possessiva. Não fazia questão de que seu nome viesse a público ligado ao sucesso de Roland, tanto que o instituto financiado por ela, carregava apenas o nome de seu marido. Havia boatos de que tinha grande participação em algumas de suas descobertas, mas era a primeira a negar tais boatos. É, talvez, a personagem mais emotiva. Representa a esposa submissa a seu amor, ou ao desejo de possuir o amado. É controladora nesse aspecto. O próprio pedido de que Ivana seduzisse seu marido, prova que queria ter o controle da situação, pois ela era quem planejava tudo. Ao notar que o plano não havia funcionado, a personagem sofre transformações: vive doente, cabisbaixa, pelos cantos. Começa a seguir seu marido, suborna criados, compra informações para sondar o caso. Assim, descobre que Roland pretende fugir com Theodora. Então perde o controle e decide mata-los. Mesmo ao ver o amigo que tanto a ajudou sendo acusado pelo crime que ela cometeu, não se entrega. Em nenhum momento o narrador desconfia dela. Este fato somado aos demais, nos mostra uma mulher de má índole, manipuladora, dissimulada e até desiquilibrada psicologicamente. Mesmo quando, em julgamento Rouletabille a aponta como autora dos 17

18 VII Jornada de Iniciação Científica crimes, ela tenta negar, porém sua saúde psicológica está tão abalada que é incapaz de sustentar a mentira por mais tempo. Finalmente morre, abalada por todos os acontecimentos. É outra mulher trabalhada através da dualidade, porém de maneira mais contrastante, mais elevada Theodora Luigi As informações que temos e que podem ser consideradas concretas são: a de que era cortesã (pois era conhecida por todos), era usuária de ópio (segundo sua própria criada) e que mantinha relacionamentos extraconjugais, após se casar com o príncipe da Albânia. Sua fama é de mulher extravagante, sedutora e independente. Quanto ao seu relacionamento com Roland, nada podemos afirmar a respeito de suas intenções ou sentimentos, pois, como dito antes, essas informações são dadas através do narrador. Esta parece ser a mais revolucionária das mulheres. É tida por Sainclair como a grande vilã da história. Mesmo depois de saber que Thérèse cometeu os crimes, atribui à primeira a culpa de tudo. Porém não podemos esquecer que o narrador tem uma visão, apesar do que pretende, marcadamente subjetiva. Sendo conservador, é um antagonista direto de Theodora, que é um símbolo muito forte contra os bons costumes: era cortesã e viciada em ópio. Tudo o que é dito a seu respeito, é através de Thérèse ou de Sainclair, personagens que têm motivos diretos para vilanizá-la. Porém, em momento algum temos uma confirmação exata de sua perversidade. Não podemos esquecer o caráter de Roland e nem sua paixão. Há rumores de que pretende fugir com Roland, mas no encontro em que supostamente iriam acertar tudo, ela não aparece. É como se ela própria não o amasse, ou não estivesse subjugada a qualquer sentimento. Mesmo que tomemos tudo o que é dito a seu respeito como verdade, essa mulher posta como vilã, pode ser também um símbolo da mulher a frente de seu tempo, pois até então, nos romances já citados, o comum era que ela fosse boa, fiel, honesta e angelical. 5 CONCLUSÃO O romance policial é um gênero popular. Apresenta duas vertentes, mesmo assim, há pouca possibilidade de inovação em qualquer uma das duas. Na arte popular não há espaço para a dialética entre gênero e obra: a melhor é a que mais se enquadra, mas difere da estética classicista por seu caráter popular. O romance policial por excelência, considerado de massa, é aquele que se adapta às regras. Destes nada temos a dizer, porém, aquele que as quebra sai do âmbito prescritivo, acabando assim, por fazer literatura. 18

19 Após o fim da pesquisa, foi possível constatar que o romance escolhido além de uma simples narrativa policial. As novidades presentes nas que evoluíram dos exemplares originários, são de ordem estrutural. Muitos escritores fizeram fama seguindo essa receita, porém poucos apresentaram originalidade, como é o caso de Leroux. A temática presente em sua obra dialoga com seu momento histórico: o século XIX. Através das personagens e ambientes, ele representa e analisa seu meio social. O objeto desta pesquisa era o papel feminino. O grande trunfo do autor é justamente como são trabalhados: suas personalidades são fortes e distintas. As características femininas vão além do clichê; a mulher apresenta uma dualidade, mesmo a bela e angelical esposa do protagonista, é vista, em muitos momentos, por uma ótica que contradiz estes preceitos e explora seu psicológico de um modo mais complexo. Além de girar em torno de duas outras, tão importantes quanto a primeira. A novidade não se detém na figura feminina, o detetive também é outro: seu humor é mais maleável, esta entre a razão e a emoção, se apaixona e vive um grande amor. Rouletabille é protagonista de muitas aventuras, mas com certeza, poucas são tão marcantes quanto esta que encerra seu ciclo com chave-de-ouro. REFERÊNCIAS DOYLE, A. C. Um estudo em vermelho. São Paulo: Ática, HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura; tradução Álvaro Cabral, São Paulo, Martins Fontes, 1998, 4ª edição. LEROUX, G. O mistério do quarto amarelo. Trad. De Duda Machado, Apresentação de Marcos Rey e Posfácio de Geraldo Galvão Ferraz. São Paulo: Ática,1999. p. 7-9, LEROUX, G. Le crime de Rouletabille. França: Brodart et Taupin, p. POE, E. A. Histórias extraordinárias. Trad. de Brenno Silveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, REIMÃO, S. L. O que é romance policial. São Paulo: Brasiliense, p. (Coleção Primeiros Passos, v. 109) TODOROV, T. A. As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2006 ZABEL, D. M. A literatura dos Estados Unidos: suas tradições, mestres e problemas. Trad. De Célia Neves. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, p Contato: 19

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O GÊNERO POLICIAL EM SHAKESPEARE NÃO SERVE DE ÁLIBI: CRIME NA BELLE-ÉPOQUE CARIOCA ¹

O GÊNERO POLICIAL EM SHAKESPEARE NÃO SERVE DE ÁLIBI: CRIME NA BELLE-ÉPOQUE CARIOCA ¹ O GÊNERO POLICIAL EM SHAKESPEARE NÃO SERVE DE ÁLIBI: CRIME NA BELLE-ÉPOQUE CARIOCA ¹ ROSS, Huanna Sperb²; FARIAS, Vera Elizabeth Prola³ Iniciação científica ¹ Trabalho de Pesquisa do Projeto PROBIC Perspectivas

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES Gabriela Silva 1 A questão da verossimilhança tem sido discutida desde Aristóteles, que a definiu na Poética, como

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

O Tiro Final & Outros Contos Sensacionais

O Tiro Final & Outros Contos Sensacionais Multibrasil Download - www.multibrasil.net Sir Arthur Conan Doyle O Tiro Final & Outros Contos Sensacionais Tradução de: Fernando B. Ximenes Introdução O Tiro Final O Pastor de Jackman's Gulch O Vexame

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Auto-liderança: uma jornada espiritual

Auto-liderança: uma jornada espiritual Auto-liderança: uma jornada espiritual Nos últimos séculos os humanos têm sido cruéis com a vida no planeta. O paradigma mecanicista, ao dar o primado à razão e negligenciado as dimensões emocional e espiritual,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Só as razões da Ética dão rigor ao jornalismo

Só as razões da Ética dão rigor ao jornalismo 1 www.oxisdaquestao.com.br Só as razões da Ética dão rigor ao jornalismo Texto de CARLOS CHAPARRO Em outubro de 2007, estouraram em jornais e telejornais as primeiras reportagens sobre um suposto escândalo

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Tempo de Mulher Arieta Arruda 14 horas atrás Houve um tempo em que as pessoas queriam mostrar sua face mais racional no mercado de trabalho,

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 61 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.6 CIÊNCIA

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE 2013 Temos lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o processo de formação de Atletas no Brasil, emitidas

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

PALAVRAS DE DETETIVE

PALAVRAS DE DETETIVE PALAVRAS DE DETETIVE Recorta as definições e une-as às respetivas palavras. Utiliza os dicionários disponíveis. Pessoa que possivelmente terá cometido o crime. Sinal, indicação, indício, que ajuda a resolver

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Nesta prova você será apresentado a Sherlock Holmes, um dos mais conhecidos

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL Tenho lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o trabalho de formação no Brasil. Algumas pessoas, alguns profissionais

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida 1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida O Que Determina o Sucesso de Uma Dieta? Você vê o bolo acima e pensa: Nunca poderei comer um doce se estiver de dieta. Esse é o principal fator que levam

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS. A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima

A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS. A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima 1 A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS Maria Conceição Lima Santos (UFS/DLE) I. INTRODUÇÃO A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima que vem contribuindo

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos 1. O conceito de ação social 1.1 Ação tradicional 1.2 Ação afetiva 1.3 Ação racional com relação a valores 1.4 Ação

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

LIDERANÇA E OS ESTILOS DE LÍDERES

LIDERANÇA E OS ESTILOS DE LÍDERES LIDERANÇA E OS ESTILOS DE LÍDERES Brendali Monti Dias Prof. Orientador Ednea dos Santos Cardoso Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB0099) Prática do Módulo I 22/06/12

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional Sônia Izecksohn Resumo: O Centro de Convivência do NEPAD/UERJ visa a inclusão social do usuário de drogas. Por tratar-se de um espaço compartilhado,

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Características de um casamento duradouro

Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Introdução: Ainda é possível ver um casal já bem idoso de mãos dadas, e que mesmo depois de tantos anos ainda se olham

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre O CASO DA CALÇADA DO JASMIM UM CRIME? Terça-feira, seis de Maio. São catorze horas. A D. Odete não é vista no seu bairro desde hoje de manhã. As janelas da sua casa estão abertas, mas o correio de hoje

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais