literatura e resistência às ditaduras na América do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "literatura e resistência às ditaduras na América do Sul"

Transcrição

1 literatura e resistência às ditaduras na América do Sul Em 1995, no Brasil, o escritor anarquista, Roberto Freire, publicou os dois volumes de Os cúmplices. O romance narra as aventuras apaixonadas vividas por dois jovens irmãos, de sangue e de luta, no bairro do Bixiga, em São Paulo, nas décadas de 1950 e Momento em que Bruno e Victor se orgulhavam de chocar bonde, rebolar ao som de Elvis Presley, mas principalmente de assistirem nos cinemas Marilyn Monroe e depois Brigite Bardot. Baseando-se nas conversas realizadas com o libertário Jaime Cubero, Freire inventou a história destes dois irmãos que acabam descobrindo o anarquismo através das peladas, jogos de futebol de várzea. Depois de enfrentarem o time da Mooca, Bruno e Victor recebem o convite de Liberto, filho de um anarquista que lutara na Revolução Espanhola, para frequentarem as reuniões do Centro de Cultura Social localizado no bairro do Brás. Para além do jornalismo presente nas ambições do corajoso irmão mais velho, Bruno, Os cúmplices trata, também, do teatro experimentado por Freire nas décadas de 1950 e Victor, o irmão mais novo, descobre junto dos prazeres do sexo, as inovações do teatro inventado por Grotowski na Polônia e do Living Theatre nos Estados Unidos. No romance, Freire descreve por meio de certos personagens, a repressão enfrentada por ele durante o lançamento do espetáculo O&A, no TUCA, teatro no qual foi diretor geral desde sua inauguração em 11 de setembro de 1965 até Um ano após O & A, 1968, o general Costa e Silva decreta o AI-5. A violência a partir de então se intensifica ainda mais sobre certos jovens como Wagner, personagem de Os cúmplices, rapaz que falava com as mãos se agitando diante do rosto, 1 militante preso numa manifestação próxima à PUC-SP, na Rua Monte Alegre, que teve as mãos decepadas pelo Delegado Flores, no DOPS. 2 Como aponta Cecília Coimbra, a partir de 1968, a tortura passa a ser prática comum e oficial (...) Além de obter informações,

2 fragilizar e pulverizar os opositores do regime, a tortura cumpre, como dispositivo social, uma função: produz subjetividades. Pelo medo, cala a sociedade. 3 Se Cléo & Daniel, primeiro romance de Freire, esboçado no porão do DOPS de São Paulo onde hoje é a Estação Pinacoteca, bairro da Luz - denunciava a impossibilidade de amor em meio a um regime militar, neste romance ele apresenta a ditadura investindo sobre o sexo dos jovens. Enquanto o primeiro volume de Os cúmplices termina em sexo liberado e novas possibilidades de prazer descobertas por Victor, o desfecho deste último descreve a tortura incidindo sobre o corpo de seu irmão mais velho. O delegado Flores foi-lhe dando bofetadas no rosto, cada vez mais fortes, até que se cansou (...) Entregaram-lhe o arame ligado ao aparelho. O delegado o segurou firme (...) E Flores foi enfiando o arame pela uretra de Bruno, que logo começou a sangrar. 4 Os efeitos da tortura sobre Bruno, o corajoso irmão mais velho que abandona o jornalismo para se tornar matador de coronéis no nordeste do país, torna-o impotente para os prazeres da vida. Os cúmplices narra de certa maneira uma história vivida por inúmeros presos no Brasil. Desde o eletrochoque foi-lhe amarrado um dos terminais do magneto num dedo de seu pé e no seu pênis, onde recebeu descargas sucessivas, a ponto de cair no chão até a utilização de insetos a interroganda quer ainda declarar que durante a primeira fase do interrogatório foram colocadas baratas sobre o seu corpo, e introduzida uma no seu ânus, 5 a tortura visava não somente arrancar informações úteis à repressão dos grupos que lutavam contra a ditadura mas, também, arruinar o sexo e interceptar o prazer. Prática comum nos porões não só do Brasil, mas de toda a América Latina dos anos O escritor chileno Roberto Bolaño escreveu: no México, me contaram a história de uma moça do MIR, que torturaram introduzindo ratos vivos na sua vagina. Essa moça conseguiu se exilar e chegou ao DF. Vivia lá, mas cada dia ficava mais triste

3 e um dia morreu de tanta tristeza. Foi o que me contaram. Não a conheci pessoalmente (...) Não é uma história extraordinária. Sabemos de camponesas guatemaltecas submetidas a humilhações inomináveis. O incrível nessa história é sua ubiqüidade. 6 A literatura de Freire está intimamente ligada ao combate a ditadura civilmilitar. Não à toa ela irrompe num porão do DOPS, lugar em que Freire esteve preso logo após o golpe militar e esboçou os personagens de Cléo & Daniel, romance com que liberou sua escrita literária. É emblemática a cena em que Cléo e Daniel se encontram na Praça da República e se agarram apaixonadamente até serem brutalmente separados pelos transeuntes. Para além de expor, em Os Cúmplices, romance publicado quarenta anos depois de Cléo & Daniel, a violência da tortura no DOPS, Freire explicita os efeitos da ditadura civil-militar não somente nos porões das delegacias, mas, sobretudo, nos corpos, nas relações, no endurecimento da vida. Na América do Sul, anos 1960 e 1970, a ubiquidade da tortura, como mostrou Roberto Bolaño em seus escritos, não ficou restrita somente aos fétidos porões das polícias. Em Noturno do Chile, o escritor apresenta a casa de Maria Canales, espaço no qual se desenvolviam saraus e tertúlias e que reunia frequentemente artistas, literatos, pensadores da cultura do país governado pelo General Pinochet. Bolaño descreve a descoberta de um cômodo na casa por um teórico da cena de vanguarda. Quando se viu perdido no porão conta o narrador do romance e se conscientizou disso, não teve medo, ao contrário, viu despertar seu espírito trocista, abriu portas, pôs-se até a assobiar, e finalmente chegou ao último quarto no corredor mais estreito (...) abriu a porta e viu o homem amarrado numa cama metálica, de olhos vendados, e soube que o homem estava vivo porque o ouviu respirar, embora seu estado físico não fosse bom (...) viu suas supurações, como eczemas, as partes maltratadas da sua anatomia, as partes inchadas, como se tivesse mais de um osso quebrado. 7

4 Contudo, após assistir a cena, o teórico de vanguarda ou o ator de teatro ou um convidado qualquer meses depois, talvez anos depois, outro habitué dos saraus me contou a mesma história. Depois outro, depois outro, e mais outro, 8 fechou a porta e não disse absolutamente nada. Com a chegada da democracia, comenta o narrador de Noturno do Chile, soube-se que o marido de Maria Canales havia sido um dos principais agentes da DINA. 9 Os subversivos passavam pelos porões de Jimmy, onde este os interrogava, extraía deles toda informação possível (...) Na sua casa em regra, não se matava ninguém (...) se bem que alguns tenham morrido. 10 Assim como Freire, Bolaño viveu na pele a realidade cruel da América do Sul na década de Foi preso, no Chile, após o golpe militar em Entretanto, conseguiu escapar para o México, onde viveu nos anos seguintes. A proximidade entre a literatura de ambos não se dá pelo estilo da escrita, mas sim pela perspectiva de resistência vital que assumem diante da história recente do continente. Bolaño narrou, entre outras, a história de Auxilio Lacourte, mulher uruguaia que residia na Cidade do México e que estava presente na tarde em que o Exército invadiu a Universidade Autônoma do México (UNAM). Sentada na latrina, com a saia arregaçada, Auxílio permaneceu imóvel. Deste modo ficou até que os soldados deixassem a universidade e ainda por mais duas semanas. Saí ao corredor, e aí sim percebi imediatamente que algo estava acontecendo, o corredor estava vazio e a gritaria que subia pelas escadas era dos que atordoam e fazem história (...) fui à janela, olhei para baixo e vi os soldados, fui a outra janela e vi tanques, a outra no fundo do corredor, e vi furgões onde estavam metendo os estudantes e professores presos (...) Então eu disse para mim mesma: fique, Auxílio. Não deixem que a levem em cana, mulher (...) Não consigo esquecer nada, dizem que é esse meu problema. Sou a mãe dos poetas do México. Sou a única que se agüentou na universidade em 1968, quando os granadeiros e

5 exército entraram. 11 Auxílio, mãe dos poetas do México, mãe destes jovens que morreram na Bolívia, foram mortos na Argentina ou no Peru, que sobreviveram foram morrer no Chile (...) que não mataram lá, mataram depois na Nicarágua, na Colômbia, em El Salvador. 12 Mãe dos jovens esquecidos que, como Bolaño respondeu certa vez em uma entrevista, semearam com seus ossos a América Latina. 13 Se durante a década de 1990, Freire e Bolaño escreveram sobre as infindáveis violências do Estado, nessa mesma década, depois de encerradas quase todas as ditaduras civis-militares, certos jovens passaram a exigir corajosamente a verdade sobre as prisões, torturas e desaparecimentos de homens e mulheres durante os anos 1970 e Os embates irromperam com a reunião pelas universidades da Argentina de jovens que cresceram ouvindo que seus pais haviam sido atropelados, entre outras justificativas escusas dadas pelo governo para encobrir os assassinatos de resistentes a ditadura entre 1976 e Desde a segunda metade dos anos 1980, alguns militantes encontravam-se em Talleres como a que levava o nome do escritor Julio Cortázar, para contar as crianças, filhas de seus companheiros de luta, o real desfecho da existência de seus pais. Uma década depois, portanto, esses mesmos jovens passaram a se encontrar em eventos como a Jornada de Memoria, Recuerdo y Compromiso de la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, realizado em 1995 e voltaram-se, com coragem, para reivindicar a verdade sobre o destino de suas famílias. É precisamente neste instante, no qual, simultaneamente, o presidente argentino Carlos Menem concedia indulto a vários militares e o Comandante da Aeronáutica, Alfredo Scilingo fazia declarações públicas sobre os chamados voos da morte, que irrompe o movimento dos HIJOS. Emiliano, um jovem que nasceu no interior da Escola de Mecânica da Armada (ESMA) conta que a primeira vez em que participou de uma reunião dos HIJOS, ficou em silêncio com

6 outros cinquenta jovens. Não havia a necessidade, segundo ele, de dizer o que cada um tinha passado ao largo daqueles anos. Mais do que irmãos de sangue, éramos irmãos de luta. Bastava um olhar ou um sorriso para nos entendermos, 14 afirmou. Uma das primeiras ações dos HIJOS na Argentina foi a peça de teatro bla,bla,bla, na qual um torturador que freqüentava uma quitanda manchava de sangue cada fruta em que tocava. A montagem inventada pelos HIJOS se encerrava com os jovens afirmando que era preciso o quitandeiro negar-se a vender a fruta para o covarde com sangue nas mãos. O efeito da cena animou o grupo a organizar as chamadas Comissões de Escrache que consistiam no preparo de manifestações que escancaravam o domicílio, o endereço do serviço dos homens que foram responsáveis pela prisão, tortura e morte de tantos homens e mulheres corajosos, muitos deles possivelmente seus pais. Não à toa o primeiro alvo da insolência dos jovens foi Jorge Magnaco, médico conivente com a tortura de muitas das mães desses HIJOS, encarregado dos partos na Escola de Mecânica da Armada (ESMA) e do roubo organizado pelo Estado das crianças filhas de militantes. Roubo sistemático que, segundo as Abuelas de Plaza de Mayo, é o resquício insuportável da ditadura nos dias atuais 15. Magnaco foi demitido da clínica em que trabalhava e expulso do condomínio onde morava. Os escraches argentinos chegaram ao Chile, país de Roberto Bolaño, no início dos anos 2000, com o nome de funa. E somente agora, 2012, diante das negociações em torno da aprovação da Comissão da Verdade, eles irromperam também no Brasil. Em março e abril, aniversário de quarenta e oito anos do Golpe de 1964, certos jovens romperam a monotonia de protestos recentes nos velhos vãos de museus ou diante de prédios públicos para expor onde moram e em que trabalham atualmente os colaboradores e torturadores da ditadura civil-militar no Brasil. Freire e Bolaño não

7 puderam assistir as manifestações organizadas por certos jovens da América do Sul e que visam explicitar a abjeta covardia de homens abomináveis. Em Os detetives, conto publicado em Chamadas Telefônicas, Bolaño narra, por meio da conversa entre dois policiais, o episódio de sua prisão em Ambos os agentes haviam estudado com o escritor durante o ginásio e o reconheceram assim que ele chegou a delegacia em que trabalhavam. Um deles conta que ao receber a notícia de sua liberação, Bolaño pediu para dirigir-se a um espelho. No retorno descreveu que ao se mirar no reflexo não reconhecia a própria imagem. O policial decidiu acompanhá-lo para também olhar-se no espelho e certificar Bolaño de que ele era o mesmo e que possivelmente não se reconhecia devido a precariedade da luz ou a velhice do espelho. Disse a ele: olhe, vou eu me olhar no espelho, e você vai se dar conta de que sou eu mesmo, de que a culpa é deste espelho sujo e desta delegacia suja e deste corredor maliluminado (...) abri, de repente, o máximo possível, e me olhei e vi alguém de olhos muito abertos, como se estivesse cagando de medo, e detrás dessa pessoa vi um tipo de uns vinte anos mas que aparentava pelo menos dez mais, barbudo, de olheiras fundas, magro, que nos fitava por cima de meu ombro. 16 Por fim, enquanto o policial se assusta com a própria imagem, Bolaño sussura em seu ouvido uma pergunta: tem alguma sala detrás dessa parede?. Obtém como informação que por detrás da parede havia um pátio onde situavam-se as celas reservadas aos presos ditos comuns. Entendi tudo, encerrou Bolaño, deixando o agente desnorteado, mirando o reflexo em que via dois ex-colegas, um com o nó da gravata frouxo, um tira de vinte anos, e o outro sujo, de cabelos compridos, barbudo, só pele e osso. 17

8 A pergunta de Bolaño, insuportável para o agente, instiga a pensarmos os escrachos no presente. O escancaro dos abjetos serviçais da ditadura civil-militar tem de prosseguir com cada vez mais força. Mas se as ações não se ampliarem para a explicitação da continuidade do acossamento, prisão e tortura nos dias de hoje, outros pátios e celas sobrevirão escondidas pelo espelho e deste modo a violência do Estado sobre os corpos dos chamados presos comuns sobrevirá como ranço da ditadura civilmilitar. Em entrevista concedida em 1974, sobre a prisão de Attica, Michel Foucault recupera a descrição de outro literato, Jean Genet, sobre a distinção entre presos considerados políticos e os denominados comuns instaurada sobretudo, segundo ele, pelos movimentos políticos organizados. Durante a guerra, Genet era prisioneiro na Santé. Um dia, ele deveria ser transferido para o Palácio de Justiça. No momento em que iam algemar Genet com outro detento, este perguntou: Quem é este cara com quem vocês estão me algemando? E o guarda respondeu: Um ladrão. Então, o outro detento se esticou todo e disse: Eu me recuso. Eu sou um prisioneiro político, sou um comunista e me recuso a ser algemado com um ladrão. Depois desse dia, Genet me disse que não só desconfia, como tem um certo desprezo por todas as formas de movimento de ação políticos organizados na França. 18 Diante das marcas nos corpos das pessoas que resistiram aos interrogatórios e outros confrontos durante a ditadura, das feridas abertas pela tortura de nunca mais encontrar uma paixão ou um amigo, cabe no presente, agora, a certos jovens seguirem escrachando os torturadores que atuaram durante a ditadura civil-militar. Entretanto, é preciso enfrentar a tortura também como o efeito de tecnologias de poder como a polícia e o tribunal hoje. 18 Abolir a tortura, este rescaldo velho e podre, é uma tarefa pra já.

9 1 Roberto Freire. Os Cúmplices. Vol, 2. São Paulo: Sol & Chuva, 1996, p Para além da ironia em inventar um delegado com o sobrenome de Flores é de notar a semelhança entre Flores e Fleury um dos conhecidos torturadores do DOPS durante a ditadura civil-militar. 3 Cecília Coimbra. Guardiães da ordem: uma viagem pelas práticas psi no Brasil do Milagre. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 1995, p Roberto Freire. Os Cúmplices. Vol, 2. São Paulo: Sol & Chuva, 1996, p Arquidiocese de São Paulo. Brasil Nunca Mais. Rio de Janeiro: Vozes, 1985, p Roberto Bolaño. Carnê de baile. In: Putas Assassinas. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p Roberto Bolaño. Noturno do Chile. São Paulo: Companhia das letras, 2004, p Idem. 9 Polícia politica chilena 10 Roberto Bolaño. Noturno do Chile. São Paulo: Companhia das letras, 2004, p Roberto Bolaño. Detetives Selvagens. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, p Disponível em Acessado em 15/02/ Idem. 14 Site acessado em 12/02/ Abuelas de Plaza Maio em Memórias Fraternas: La Experiencia de hermanos de desaparecidos, tios de jóvenes apropiados durante La ultima dictadura militar. Buenos Aires: Eudeba, 2010, p Roberto Bolaño. Os detetives In Chamadas Telefônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, p Idem.

10 18 Michel Foucault. Sobre a prisão de Attica in Ditos & Escritos.Tradução de Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro, Forense, 2003, vol, IV, p Ver Hypomnemata, 143, do Nu-Sol. Acessado em 13/05/2012.

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

E alegre se fez triste

E alegre se fez triste Manuel Alegre Manuel Alegre nasceu em 1936 e estudou na Faculdade de Direito de Coimbra, onde participou activamente nas lutas académicas. Cumpriu o serviço militar na guerra colonial em Angola. Nessa

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Ivo Mesquita Diretor Técnico da Pinacoteca do Estado. Kátia Felipini Coordenadora do Memorial da Resistência de São Paulo

Ivo Mesquita Diretor Técnico da Pinacoteca do Estado. Kátia Felipini Coordenadora do Memorial da Resistência de São Paulo Acolher a exposição 119 (18 de outubro de 2014 a 15 de março de 2015) do artista chileno Cristian Kirby no Memorial da Resistência de São Paulo é, além de uma honra, mais uma oportunidade de cumprir nosso

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DETETIVE AMADEU ALFREDINHO DELEGADO NOGUEIRA VALÉRIA MONTEIRO PRADO MALU CARMEN HUGO MATIAS MARCELÃO ISADORA

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Dos 56 detidos, 11 são adolescentes; 30 foram ouvidos e liberados. Manifestantes e polícia se enfrentaram em dois momentos neste sábado.

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio B I B L I O T E C A Vida e Obra 1902 João Amado de Faria instala-se em Ilhéus, na zona do cacau, e casa, anos mais tarde, com a baiana Eulália Leal. 1912 Em 10 de Agosto nasce Jorge Amado. 1913 O «coronel»

Leia mais

Entrevista com Ana Lúcia Barros

Entrevista com Ana Lúcia Barros Entrevista com Ana Lúcia Barros Ana Lúcia Barros certamente não é uma psicanalista comum. A mãe foi presa política, a irmã banida política, o ex-marido cassado, o cunhado assassinado pela ditadura militar;

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães Anjo Emprestado Cristina Magalhães [uma chancela do grupo LeYa] Rua Cidade de Córdova, n. 2-2610 -038 Alfragide http://caderno.leya.com caderno@leya.pt 2011, Cristina Magalhães Todos os direitos reservados.

Leia mais

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para Sidnei Possuelo Eu em primeiro lugar queria agradecer a universidade por propiciar esse espaço hoje muito importante, muito importante, porque vivemos realmente uma crise, e esse espaço aqui é um espaço

Leia mais

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES Um relato de Elia Meneses Rola Eu, Elia Meneses Rola, brasileira, separada judicialmente, Servidora Pública Federal aposentada, CPF, CI, domiciliada e residente nessa

Leia mais

Série de livros apresenta a história dos EUA como folhetins

Série de livros apresenta a história dos EUA como folhetins 1 de 5 13/12/2010 13:24 08/12/2010 08h00 - Atualizado em 08/12/2010 08h08 Série de livros apresenta a história dos EUA como folhetins 'Pulp history' traz episódios de história com textos de 'pura ação'.

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

CARANDIRU, UMA LIÇÃO DE LIBERDADE. Pr. Fernando Iglesias

CARANDIRU, UMA LIÇÃO DE LIBERDADE. Pr. Fernando Iglesias CARANDIRU, UMA LIÇÃO DE LIBERDADE Pr. Fernando Iglesias https://www.sisac.org.br "No primeiro semestre de 2002 no Brasil foi lançado o filme Carandiru, do diretor Hector Babenco. Alvo de críticas e elogios,

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. O livro qu e. só queria. ser lido JOSÉ JORGE LETRIA. Ilustrações de Daniel Silva

LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. O livro qu e. só queria. ser lido JOSÉ JORGE LETRIA. Ilustrações de Daniel Silva LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro qu e só queria ser lido JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Daniel Silva Apresentação da obra Esta é a história de um livro triste. Triste

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás.

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás. Bloco Mauricio Diogo Vejo um bloco de mármore branco. A rocha dura. A rocha é dura. O mármore tem textura. É duro. Resistente. Sincero. Tem caráter. Há mármore rosa, bege, azul, branco. O escultor doma

Leia mais

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br betty milan CARTA AO FILHO I A estação das cerejeiras começou no dia em que você nasceu. Nem tudo foi cereja, claro. Mas, desde que vi o seu rostinho inchado de quem já não cabia na barriga da mãe, eu

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática parte I Língua Portuguesa parte II Matemática A turma 5 10 15 20 25 Eu também já tive turma, ou melhor, fiz parte de turma e sei como é importante em certa idade essa entidade, a turma. A gente é um ser

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

NOSSOS POLICIAIS ESTÃO SOFRENDO

NOSSOS POLICIAIS ESTÃO SOFRENDO NOSSOS POLICIAIS ESTÃO SOFRENDO Tortura, assédio moral, corrupção: é o que mostra a maior pesquisa já feita nas polícias do país Por Nelito Fernandes, da Revista Época A vida de policial no Brasil não

Leia mais

STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 5/6/2006, 16:50

STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 5/6/2006, 16:50 STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 Homem_Conhecia.p65 8 SIM Atriz. Encostou seu Uno Mille e pediu para o namorado esperar com o motor ligado. Ia só trocar de roupa. 20h25. Daria tempo. Descer a rua Cardeal

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Alívio. Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores.

Alívio. Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores. Alívio Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores mais íntimas que te alivio com cafuné. As carícias de seu couro cabeludo nas

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 ANTECEDENTES GUERRA FRIA - REVOLUÇÃO BOLIVIANA (1952) - INTERVENÇÃO NA GUATEMALA (1954) - QUEDA DE GETÚLIO VARGAS (1954) - QUEDA

Leia mais

A PALCO ARMADO: TEATRO DE ARENA UMA ESTÉTICA DE RESISTÊNCIA, POR IZAÍAS ALMADA Talitta Tatiane Martins Freitas * Universidade Federal de Uberlândia UFU talittatmf@gmail.com O Teatro de Arena sempre se

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 Cena 17 Jardim da casa dos Di Biasi/ Dia/ Externa O noivo já está no altar junto com os padrinhos e seus pais. Eis que a marcha nupcial toca e lá do fundo do

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA RESENHA O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA LUCIANA SANTOS BARBOSA* AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. Esta resenha objetiva descrever e analisar

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DA MÚSICA: Pra não dizer que não falei das flores

ANÁLISE CRÍTICA DA MÚSICA: Pra não dizer que não falei das flores 1 ANÁLISE CRÍTICA DA MÚSICA: Pra não dizer que não falei das flores Patrícia de Paula Padilha 1 1968 Aquele foi um ano de grandes manifestações e marcos para a história, não só no Brasil, mas também na

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

of 5 28/10/2015 01:38

of 5 28/10/2015 01:38 O Brasil não terá índios no século XXI. A ideia de congelar o homem no estado primitivo de sua evolução é, na verdade, cruel e hipócrita, afirmou o ex-ministro brasileiro de Ciência e Tecnologia Hélio

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

O manual do guerrilheiro: práticas e normas da vida clandestina no Recife em tempos de Ditadura Militar

O manual do guerrilheiro: práticas e normas da vida clandestina no Recife em tempos de Ditadura Militar O manual do guerrilheiro: práticas e normas da vida clandestina no Recife em tempos de Ditadura Militar Roberto Diego de Lima 1 Resumo Durante o regime Civil-militar brasileiro (1964-1985) sempre houve

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto Categorias Subcategorias Unidades de registo Experiência de assalto Situação Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Estava a ir para a escola (F2) Estava a sair da escola e quando cheguei à porta

Leia mais

Natal cada Natal. Quando na mais sublime dor, A mulher dá à luz, Há sempre um Anjo Anunciador A murmurar-lhe ao coração - Jesus!

Natal cada Natal. Quando na mais sublime dor, A mulher dá à luz, Há sempre um Anjo Anunciador A murmurar-lhe ao coração - Jesus! A Galinha Engripada A Galinha, coitadinha! tem sintomas graves de gripe das aves. Não canta: está rouca, e cobre-se de roupa. Hora a hora, espirra (irra! irra! irra!). Fala à sobreposse: (tosse! tosse!

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Faculdade Cásper Líbero História Contemporânea Prof. Dr. José Augusto Dias Jr. 1º JO D

Faculdade Cásper Líbero História Contemporânea Prof. Dr. José Augusto Dias Jr. 1º JO D Faculdade Cásper Líbero História Contemporânea Prof. Dr. José Augusto Dias Jr. 1º JO D História Oral de Jayme Leão Celeste Mayumi Fernanda Alcântara Luciana Reis História Oral de Jayme Leão Ao chegarmos

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PARTE 1 PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PARTE 1 PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PARTE 1 PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A HISTÓRIA, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes da leitura do livro Sugestões

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

Felipe Perin. AUV surveyor. Consultor de TI. Desenvolvedor web. Entusiasta em software livre. Segurança em Redes de Computadores.

Felipe Perin. AUV surveyor. Consultor de TI. Desenvolvedor web. Entusiasta em software livre. Segurança em Redes de Computadores. Felipe Perin E-mail: Linkedin: Sites: AUV surveyor Consultor de TI Desenvolvedor web Entusiasta em software livre Segurança em Redes de Computadores Palestrante perin.ng@gmail.com http://br.linkedin.com/in/felipeperin

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

HELVÉCIO RATTON E O CINEMA BRASILEIRO

HELVÉCIO RATTON E O CINEMA BRASILEIRO HELVÉCIO RATTON E O CINEMA BRASILEIRO Jailson Dias Carvalho * Universidade Federal de Uberlândia UFU carvalho_jailson@yahoo.com.br O verbete Helvécio Ratton que pode ser lido na Enciclopédia do Cinema

Leia mais

Delegado diz não ter dúvida de que Mizael é o assassino de Mércia

Delegado diz não ter dúvida de que Mizael é o assassino de Mércia Delegado diz não ter dúvida de que Mizael é o assassino de Mércia O delegado Antônio Olim (sentado) (Foto: Reprodução) O delegado Antônio Assunção de Olim, ouvido como testemunha nesta terça-feira (12),

Leia mais

Aula 1 (3 períodos): Convidando os alunos a participarem do projeto

Aula 1 (3 períodos): Convidando os alunos a participarem do projeto Disponibilizo aqui os planos de aula por mim elaborados, colocados em prática e reestruturados naquilo que percebi necessário, para futura utilização por professores que se interessarem em trabalhar utilizando

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais