Palavras-chaves: conto, gênero textual, sequência didática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: conto, gênero textual, sequência didática"

Transcrição

1

2 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ - SEED SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO ESTADUAL DO PDE O CONTO POLICIAL COMO OBJETO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA Autora:Soraia Adriana Patene¹ Orientadora: Profª Drª Elvira Lopes Nascimento² RESUMO A narrativa encontra-se associada ao próprio constituir-se humano. Além de ser uma necessidade social, possui um efeito cativante que será transportada para a realidade educacional como instrumento pedagógico. O ficcional no conto policial é favorecido por seu efeito desafiador, provocante que vai de encontro ao imaginário adolescente propenso à quebra de barreiras e ao desafio do perigo. Para reverter o quadro de apatia e falta de perspectivas que imperam nas salas de aulas propus este projeto, com o intuito de me valer dessa atração do adolescente pelo perigo como um motor para a aprendizagem da leitura e da escrita, despertando o interesse dos alunos e contribuindo para a protagonização do seu processo de ensino-aprendizagem. Trata-se de uma pesquisa resultante da elaboração de um Modelo Didático do gênero conto policial que embasou a elaboração de uma Sequência Didática. As atividades desenvolvidas contribuíram para o meu desenvolvimento profissional, uma vez que me permitiram posicionar-me como agente do processo educacional, conferindo-me status de pesquisadora com autonomia para elaborar materiais didáticos da minha autoria, propiciando capacidades docentes para gerenciar projetos e sequências didáticas nas aulas de língua portuguesa. Palavras-chaves: conto, gênero textual, sequência didática ¹ Pós-graduação, Graduação, Escola Estadual Profª Kazuco Ohara - EF ² Doutorado, Mestrado, Pós-graduação, Graduação, UEL

3 2 1 INTRODUÇÃO A educação brasileira passa por profundas mudanças motivadas, principalmente, pela grande propulsão de analfabetos funcionais oriundos das mais diferentes classes sociais, independentemente se pertencentes a rede pública ou particular. Com o objetivo de reverter esta situação caótica, não é de hoje que a perspectiva do ensino de Língua Portuguesa vem sendo questionada e discutida entre profissionais de educação. A noção de gênero tem sido amplamente debatida a partir da contribuição bakhtiniana que, inclusive, respaldou os PCN no final da década de 90. Primei por uma pedagogia do ensino de gênero textual alicerçado no Interacionismo sociodiscursivo proposto pelos pesquisadores da Universidade de Genebra (BRONCKART, SCHNEUWLY, DOLZ) e adaptada para o ensino de língua portuguesa no contexto brasileiro (NASCIMENTO, 2009), quadro teórico e metodológico que vê a linguagem como o coração do desenvolvimento humano, o que implica o foco nas atividades discursivas materializadas nos gêneros textuais. O foco da minha pesquisa recai sobre a atividade linguageira de narrar as experiências de vida, tanto próprias como de outro(s). Narrar encontra-se intrinsecamente ligado à vida em comunidade como uma necessidade de falar, de comunicarmos ao outro o que estamos sentindo, pensando, descobrindo, desejando e assim por diante. Para justificar o meu objeto de pesquisa, recorro a ARRIGUCI (2011) ao afirmar que: Porque todo mundo gosta de história e de poesia. Não há sociedade sem narrativa. O homem é um animal narrativo. Homo narrador. Todo mundo quer ouvir histórias. Contamos histórias desde o amanhecer até a hora de dormir. Senta num táxi, história; entra em um ônibus, história; vai para a escola, história; dá uma topada, história; briga com o namorado, história. Todas as situações da vida propiciam acontecimentos narráveis e vivemos desse entrelaçamento de narrativas. E é justamente essa necessidade humana que pretendi transportar para a realidade educacional como instrumento pedagógico essencialmente relevante tanto na educação fundamental quanto no ensino médio como uma proposta

4 3 inovadora que favoreça o multiletramento. Para isso, delimitei contos com o intuito de conquistar leitores adolescentes com as narrativas curtas, envolventes que pudessem mediar o processo de ensino-aprendizagem da leitura, da escrita e da análise linguística. Por se tratar de um contexto escolar para 9º ano, o enfoque recaiu sobre o conto policial ou de suspense, principalmente por seu efeito desafiador, provocante, gerando no imaginário adolescente uma condição favorável para explorar o ficcional. Nessa faixa etária, há uma grande propensão à quebra de barreiras, desafiar o perigo, adentrar ao desconhecido. E esse gênero exerce uma forte atração por propiciar aventura sem sair da sua zona de conforto, através de um enredo instigante, fatos desafiadores e ambientes marcados pelo inesperado gerados pelos conto de suspense, sem jamais correr riscos reais. Para reverter o quadro de apatia, desinteresse e falta de envolvimento nas atividades tradicionais que imperam nas salas de aulas propus este projeto, com o intuito de me valer dessa atração pelo perigo como um motor para a aprendizagem da leitura e da escrita. Com essa pesquisa visei apresentar um projeto de comunicação para despertar o interesse dos alunos e contribuir para que eles se sintam protagonistas do seu processo de ensino-aprendizagem. Com o objetivo geral já delineado, a pesquisa foi efetivada tendo em vista dois s objetivos específicos: 1. Elaborar um Modelo Didático do Conto Policial, a partir da análise e descrição de um corpus de contos policiais dos quais foram apreendidos suas características contextuais e a sua infraestrutura (o tipo de discurso predominante), os mecanismos de textualização (coesão) e enunciação (vozes). 2. Elaborar uma Sequência Didática (doravante SD), para a transposição didática do conto policial. A sequência didática planejada para os meus alunos, foi implementada durante o segundo semestre de 2011 na Escola Estadual Professora Kazuco Ohara - Ensino Fundamental, situada à Rua Serra da Mantiqueira, 895 no bairro Jardim Bandeirantes - Zona Oeste da cidade de Londrina. A seguir, apresento uma síntese do referencial teórico que deu base ao trabalho.

5 4 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Da noção de gênero textual ao Gênero Conto Policial Segundo Hila (2009), a formação de leitores na rede de ensino público precisa passar por uma ressignificação, tendo em vista que apesar de há mais de uma década estar contemplado pelos PCNs conceitos como texto, contexto, estratégias e fases de leitura, ainda não foram completamente assimilados pelos professores principalmente nas séries iniciais. Ainda predomina um desconhecimento acerca do que vem a ser gêneros textuais, e o texto acaba sendo pretexto para o ensino de gramática. O gênero textual apresenta-se como articulador indispensável das práticas de leitura em sala de aula na formação de leitores críticos, No caso da prática de leitura, o que se tem ressaltando é que a escola precisa formar leitores críticos que consigam construir significados para além da superfície do texto, observando as funções sociais da leitura e da escrita nos mais variados contextos, a fim de levá-los a participar plena e criticamente de prática sociais que envolvem o uso da escrita e da oralidade. A noção, portanto, de prática social, convoca um dos primeiros argumentos em defesa do uso dos gêneros em sala de aula. (HILLA, op. cit) Entendo como práticas sociais as formas que organizam uma sociedade, suas atividades e ações desenvolvidas por pessoa dentro do grupo a que pertence e que expressam os papéis que desempenham, bem como, em que posições que se encontram frente aos seus pares. As atividades coletivas da humanidade ocorrem dentro de um contexto social as quais configuram as práticas sociais dentro de uma esfera cultural. Ou seja, as práticas coletivas constituem um conjunto do saber/agir disponível às atividades de um indivíduo singular que as materializam gêneros textuais. De acordo com Dolz, Noverraz e Scheneuwly (2004) Gêneros textuais são as características semelhantes, regularidades presentes nos textos (orais ou escritos) apesar de sua diversidade. Sendo assim, os estudos bakhtinianos servem como âncora da abordagem ao termo gênero, originário - a priore - da retórica e da literatura, como sendo

6 5 tipos relativamente estáveis de enunciados elaborados em cada esfera de troca (lugar social dos interlocutores), os quais são caracterizados pelo conteúdo temático, estilo e construção composicional, e escolhidos em função de uma situação definida por alguns parâmetros (finalidade, destinatários, conteúdo).(bakhtin, 1997). Este posicionamento se justifica porque os gêneros do discurso resultam de estruturas sóciohistoricamente cristalizadas oriundas das necessidades humanas construídas em diferentes lugares sociais da comunicação. Neste enfoque os elementos contextuais ou situação social mais imediata (BAKHTIN), onde o texto é fortemente marcado pelo não-verbal presente na situação em que os elementos linguísticos integram a composição textual. Esse mesmo autor, também define como enunciado concreto o emprego da língua efetua-se em forma de enunciados (orais ou escritos) concretos e únicos, proferidos pelos integrantes desse ou daquele campo da atividade humana. Nessa abordagem, a presença de parceiros (locutor/interlocutor) e a noção de compreensão responsiva ativa é denominada de dialogismo. De uma forma mais elucidativa, Hila (2009) expõe que cada esfera da atividade humana produz seus tipos específicos de enunciados, o que faz com que cada enunciado, cada gênero textual, traga marcas da esfera na qual está inserido. Tais esferas, tanto do cotidiano como dos sistemas ideológicos (a Arte, a Política, a Ciência, a Religião, entre outras) estão intimamente relacionadas à produção de sentido fundamento considerado como alicerce do letramento. E, em se tratando do processo ensino/aprendizagem, Dolz & Schneuwly (1996), delimitaram cinco agrupamentos de gêneros alicerçados em três critérios: domínio social da comunicação a que pertencem; capacidades de linguagem envolvidas na produção e compreensão desses gêneros e sua tipologia geral. Foram assim nomeados: agrupamento da ordem do relatar, agrupamento da ordem do argumentar, agrupamento da ordem do expor, agrupamento da ordem do descrever ações e agrupamento da ordem do narrar. Este último abarca gêneros de domínio da cultura literária ficcional assinalado pela manifestação estética e tendo como característica a mimesis da ação por meio da criação, da intriga no domínio do verossímil. Dentre os diversos exemplos de gêneros orais e escritos que compõem a Cultura Literária ficcional encontra-se o

7 6 conto. Esse gênero possui característica central de condensar conflito, tempo, espaço e reduzir o número de personagens. O termo conto deriva do latim comentum, in. (invenção, ficção, plano, projecto), ligado ao v. contueor, eris (olhar atentamente para, contemplar, ver, divisar). Narração oral ou escrita (verdadeira ou fabulosa); obra literária de ficção, narração sintética e monocrónica de um fato da vida. (COELHO, acesso maio/2011) O conto policial ou de suspense constitui um terreno ficcional propício para envolver e cativar um alunado cada vez mais carente de letramento. Dentre os diversos estilos de contos, desejei atrair uma faixa etária que se sente desafiada pelo inesperado, por um desfecho que prima pelo inusitado que surpreende. E, ainda, permite ao leitor se sentir superior, imune ao ambiente conflitivo e ameaçador em que o universo ficcional está descortinando aos seus personagens. Um pseudocontrole sobre um mundo permeado pela incerteza, pela ansiedade e pela proximidade de fatos, posicionamentos, decisões, revelações tidos como de suma importância. O efeito de suspense é provocado no conto por diversos fatores estrategicamente combinados, tais como a tipificação das personagens, suas ações, o ritmo empregado no enredo, levando ao desenlace da trama que provoca uma reação psíquica em níveis diferentes nos leitores, cujos principais objetivos são despertar e prender a atenção do leitor até a última palavra. Para esta análise, tomei como base os dois níveis de análise da ação da linguagem proposto por Bronckart (2003), os quais serão expostos no quadro a seguir, contemplando o segmento da ordem do narrar. NÍVEL I CONTEXTO DE PRODUÇÃO Contexto físico: Características da situação de produção: quem é o emissor, em que papel social se encontra, a quem se dirige. quem é o receptor e em que papel se encontra.

8 7 Contexto sóciosubjetivo: local em que é produzido, em qual instituição social se produz. momento da produção. suporte em que o texto está veiculado, com que objetivo, tipo de linguagem utilizada, atividade não verbal a que se relaciona, qual o valor social que lhe é atribuído etc. NÍVEL II FOLHADO TEXTUAL Infra-estrutura geral do texto Plano geral/global do texto: refere-se aos conteúdos que aparecem no texto, como se fosse um resumo do texto. tipos de discurso: referem-se aos mundos discursivos construídos no texto. No segmento do narrar (disjunção), pode ser implicado ou autônomo (apresentar ou não implicação em relação ao ato de produção por meio de dêiticos espaciais, temporais e de pessoa). Sequências: dividem-se em: narrativa, descritiva, argumentativa, explicativa, injuntiva e dialogal. Uma sequência narrativa é composta de intriga e tensão (script). Mecanismos de textualização Conexão:trata-se das relações entre os níveis de organização de um texto e é explicitada pelos organizadores textuais. (conexão entre as macro ideias do texto). Coesão: nominal (retomadas nominais e pronominais; anáforas e catáforas). verbal (tempos e modos verbais). Modalizações:

9 8 Mecanismos enunciativos responsáveis pelas diversas avaliações do enunciador sobre um ou outro aspecto do conteúdo temático e que podem ser divididas em lógicas, deônticas, pragmáticas e apreciativas. Vozes presentes no texto. a voz do autor empírico. vozes sociais (pessoas ou instituições humanas que não participam do conteúdo temático do texto). as vozes das personagens (pessoas ou instituições que participam do conteúdo temático do texto). 2.2 Construção um Modelo do Gênero Conto Policial Em primeira instância foi necessário uma investigação sobre o que se constituía gênero. Para tanto se respaldou na teoria interacionista sociodiscursiva do gênero da ordem do narrar mencionada anteriormente. O passo seguinte foi a delimitação dos textos que constituiriam o corpus a ser analisado. A seguir, realizou-se uma investigação sobre o gênero do conto policial e tudo o que já se conhecia sobre o mesmo compondo assim o seu Modelo de Gênero. Idealizado pelo grupo de Genebra, como uma proposta do interacionismo sociodiscursivo, constitui um instrumento para didatizar o trabalho pedagógico com gênero textual. Nascimento, Gonçalves & Saito (2009) definem como uma síntese prática que guia as ações do professor-pesquisador e, por outro lado, torna evidente aquilo que pode ser ensinável por meio de uma SD. O modelo didático constitui uma pesquisa aprofundada sobre um gênero textual específico que abarca o máximo de informações possíveis sobre o ponto de vista histórico, arquitetônico e finalidade do mesmo, consolidando-se como ponto de partida para o trabalho didático-pedagógico com gêneros, norteando assim, uma SD. Entendido como centro do processo de ensino-aprendizagem, possui caráter normativo e revela-se como um espaço de reflexões e práticas pedagógicas segundo Pietro & Schneuwly (2003). Nascimento (2004; 2009), defende que a elaboração do modelo didático de um gênero textual é o trabalho prévio crucial para o planejamento de uma SD.

10 9 Levando em consideração o que postula a autora, busca-se conhecer as dimensões ensináveis do conto policial que sejam adequadas e pertinentes para alunos da educação básica. Examinei um corpus constituído por três textos do gênero que constituíram um Modelo Didático que tornou evidente aquilo que pode ser ensinado, subsidiando o meu trabalho para a transposição didática. A seguir, apresento dados das diferentes etapas de elaboração do Modelo Didático de Gênero Textual. a) Conto Costa, Borges e Corrêa (2000) conceituam conto como gênero narrativo em prosa caracterizado por uma extensão reduzida, poucas personagens e concentração espaço-temporal. A ação é linear, circunscrevendo-se a um conflito, a um episódio ou a um acontecimento insólito, por vezes, insignificante. Os dicionários são sucintos ao abordarem o verbete conto. No Aurélio(1975) expõe que se trata de uma narração falada ou escrita; narrativa pouco extensa, concisa e que contem unidade dramática, concentrando-se a ação num único ponto de interesse. Luft (1998) apenas afirma que é uma narração ficcional breve, falada ou escrita. Enquanto Houaiss(2001) completa que se trata de uma história curta em prosa com um só conflito e ação e poucos personagens. Coelho em seu dicionário terminológico esclarece detalhadamente O termo conto deriva do latim comentum, in. (invenção, ficção, plano, projeto) ligado ao v. Conteor, eris (olhar atentamente para, contemplar, ver, divisar). Narração oral ou escrita (verdadeira ou fabulosa); obra literária de ficção, narração sintética e monocrônica de um fato da vida. Paz e Moniz(1997) expõem detalhadamente que conto origina-se do latim computu- que significa cálculo, conto. E acrescentam da área da aritmética o vocábulo passou à literatura para designar o relato breve, oral ou escrito, de uma história de ficção na qual participa reduzido número de personagens, numa concentração espaço-temporal. Pela sua brevidade e concisão, bem como pela sobriedade de recursos que utiliza, o conto é uma narrativa mais eficaz de comunicação, detectando-se facilmente a intenção nuclear do seu autor Massaud Moisés(1997) acrescenta a palavra conto latim computu(m) cálculo, conta, ou conto(m); grego kóntos, extremidade da lança; ou commentu(m), invenção,

11 10 ficção; ou deverbal de computare, calcular, contar. Francês conte, Espanhol cuento, Inglês short-stoty ou tale, Alemão novelle, erzählung ou märchen, Italiano novelle ou racconto. b) Literatura de massa D'Onofrio(1995) esclarece que Um gênero literário, individualizado pelo agrupamento de obras que possuem formas estéticas e conteúdos ideológicos semelhantes, como qualquer elemento vivo, tem seu surgimento, seu período de apogeu, sua fase de estandardização, em que se formam estereótipos que levam ao seu declínio e à sua transformação num novo gênero. Paz e Moniz (1997), na obra Dicionário Breve de Termos Literários expõem que o vocábulo paraliteratura deriva do grego pará que significa proximidade. E ainda, acrescentam termo que designa, em conjunto com outros (subliteratura, literatura kitsch ou pimba ), uma série de textos que são considerados não literário, embora possam reconhecer-se neles alguns elementos de valor literário: novela corde-rosa ou sentimental, policial, faroeste, de terror, de ficção científica, fotonovela. De acordo com Carpeaux (1968), trata-se de uma receita segura: lança a suspeita contra inocentes e revela, enfim, que o mais insuspeito é o criminoso. É um jogo monótono. Mas justamente essa permanência do quadro garante o sucesso. c) Conto policial Nos dicionários de língua portuguesa não apresentam tal verbete, apenas alguns se referem a romance policial. No que tange ao termo policial, afirmam que: no Aurélio(1975) relativo ou próprio da polícia ou que serve aos seus fins; assuntos policiais; inquérito policial, no Houaiss(2001) relativo ou pertencente a polícia; que envolve ou trata de crimes (romance) e Cegalla (2005) romance ou filme policial; que serve aos objetivos da polícia; de recorrência criminosa e do desvendamento de crimes: romance policial Pires afirma que: em linhas gerais, o romance policial é um tipo de narrativa que expõe uma investigação fictícia, ou seja, a superação metódica de um enigma ou a identificação de um fato ou pessoa misteriosa. Toda a narrativa policial apresenta um crime e alguém disposto a desvendá-lo, porém nem toda a narrativa

12 11 em que esses elementos estão presentes pode ser considerada policial. Isto porque além da necessidade de um crime, é preciso também uma forma de articular a narrativa, de estabelecer a relação do detetive com o crime e com a narração. Carpeaux (1968) garante que o sucesso do conto policial deve-se ao fato de bajular a inteligência do leitor ao convidá-lo a embrenhar-se em atividades mentais consideradas de alto grau de dificuldade. d) Textos que compõem o corpus Os três textos que serviram de base analítica para este projeto foram: A. O mistério do sobrinho perfumado de Hélio de Soveral; B. Se eu fosse Sherlock Holmes de Medeiros de Albuquerque; C. O último cuba-libre de Marcos Rey. O conto de Hélio de Soveral foi retirado do livro didático Português: Ideias e Linguagens da 8ª série das Profª Maria da Conceição Castro e Dileta Antonieta Delmanto F. De Matos - publicado pela Editora Saraiva. Os demais contos, que constituem o corpus em análise, compõem a obra Para Gostar de Ler (v. 12): História de Detetives da Editora Ática e integram o acervo de muitas bibliotecas das escolas públicas estaduais do Paraná. d) Especificidades do Conto Policial Assim, o que se pode depreender deste gênero é que se apresenta na modalidade escrita, pertencente à esfera literária (paraliteratura, subliteratura ou literatura de massa) e se caracteriza por ser uma narrativa curta ficcional verossímil constituída de personagens tipo com ambiente recorrente dentro do tempo e do espaço, em que é indispensável a presença da personagem que norteia a trama: o detetive. Produzido por autor enunciador contista - que tem como objetivo produzir contos que despertem fruição, prazer com a finalidade comercial - embasado no pensamento lógico maniqueísta, ou seja, a luta do bem contra o mal. Possui como público-alvo leitores juvenis e adultos que compram, emprestam coletâneas e/ou acessam via internet esse gênero. Destinatários oriundos das mais diversas classes sociais, constituídos por um perfil social subjetivo baseados na lógica e que

13 12 apreciem uma narrativa curta, marcada por uma estrutura previamente conhecida e um conteúdo recorrente por se tratar de uma literatura de massa em que considera que quanto mais fiel ao padrão, tanto melhor será. A relação entre o produtor e o destinatário se efetua de forma assimétrica, já que o leitor é apenas um ser passivo do deslumbre do raciocínio do autor que se vale do narrador para enunciá-lo no texto. A valoração social deste gênero em primeira instância é o entretenimento, seguido do pedagógico moralizante. Os suportes mais comuns são livros, coletâneas, antologias, livros didáticos e em sites na internet. Os seus meios de circulação são basicamente internet, bibliotecas e salas de aula. Este gênero pertence ao discurso do narrar ficcional pautado no verossímil, cuja estrutura textual é composta de: título: com todas as letras em maiúsculo e pouco frequente a presença de verbos; corpo textual: geralmente iniciado pela primeira letra maiúscula em destaque em relação às demais, formado por parágrafos que podem ou não apresentarem discurso direto (marcado de acordo com o estilo pessoal de seu produtor por aspas ou travessão) e/ou discurso indireto e até mesmo direto livre. autor: apresentado ou no final to texto ou como marcas extralinguísticas como cabeçalho na parte superior a partir da segunda página textual - junto com a numeração da mesma. ocasionalmente tradutor entre parênteses. Dependendo do estilo do produtor, alterna a pessoa verbal na narrativa (ora 1ª, ora 3ª pessoa do discurso). Porém sempre permeado de fragmentos sequências descritivas que compõem o quadro físico, social e psicológico do crime investigado revelando o ponto de vista da personagem detetive ao leitor, bem como, de sequências dialogais. Possui como temática recorrente: crime, morte, investigação, punição. De acordo com D'Onofrio (1995), a narrativa policial clássica é formada por duas sequências narrativas encadeadas: a história do crime em que a vítima é a personagem principal e na história do inquérito tem como protagonistas o detetive e o criminoso.

14 13 Em relação à história do crime, geralmente o leitor é apresentado a um mistério cujas circunstâncias inclusas a situação não são reveladas portanto, serão necessário uma explicação racional e lógica para os fatos constituindo um desafio à mente humana. Neste momento entra em cena o detetive dotado de observação aguçada e raciocínio que excedem a normalidade dos demais seres humanos. O suspense encontra-se no modo como que os fatos vão sendo elucidados cientificamente, em detrimento a uma possível explicação sobrenatural, fantasiosa que uma mente despreparada pudesse fazer uso. Em relação à história do inquérito, ainda podem ser subdivididos em: inquérito da polícia, inquérito do detetive, reconstrução do crime e o fim da história. No Inquérito da polícia compreendem os depoimentos das testemunhas e um possível suspeito que geralmente funcionará como bode expiatório para mascarar a incompetência do sistema em resolver o caso. No inquérito do detetive, que surge para desfazer uma injustiça e localizar o verdadeiro culpado. Essa personagem, que funciona como o maestro e pivô central, costura a trama entrelaçando vitima assassino fazendo uso basicamente da investigação da cena do crime, da observação minuciosa cujos detalhes que escaparam a primeira vista e de reflexão dos depoimentos sob a ótica da razão. Desta maneira solucionando o mistério do qual narra seu raciocínio reconstruindo os fatos ordenadamente que revelam como o crime foi cometido, em que circunstâncias e principalmente quem foi o autor do mesmo. Após o entendimento de quem, como e por que motivaram o crime o final da história (narrativa do inquérito) ainda é necessário que o verdadeiro criminoso seja punido e quando há - o possível inocente liberto (finalizando a narrativa do crime). Onde o bem vence o mal proporcionando um final feliz e que nenhum elemento textual fique em aberto, não sendo preciso imaginar como terminaria. Composto por começo/meio/fim bem claros e que a justiça seja restabelecida com a punição do vilão que não colocará mais a sociedade em perigo - típico em literaturas de massa. Uma marca da literatura de massa é a incidência da mesma estrutura textual, mesmo ambiente, mesmo tipologia de personagens pois, principalmente, o detetive é uma personagem tipo. O leitor busca um padrão que lhe gera uma 'zona de conforto com a recorrência dos elementos constitutivos deste gênero textual que no policial clássico é o suspense. Pois de acordo com D'Onofrio (1995) o consumidor de literatura de massa não quer saber de mudanças: gosta de encontrar,

15 14 no livro ou na tela do cinema ou da televisão, figuras conhecidas, que ele mesmo possa imediatamente identificar. E como ainda ele afirma a fixidez da história corresponde a fixidez caracterológica do protagonista onde o constitui um gênero previamente estabelecido e classificado, onde a redundância predomina em que sua fidelidade aos padrões o destacam e o elevam em relação aos demais, em detrimento a originalidade dos outros gêneros literários. Em relação ao conteúdo ideológico está calcado na recorrência isotópica, ou seja, sempre o mesmo sentido, mesma ideologia em que há uma manutenção de um conjunto de valores sociais que, segundo esta sociedade, garantem a felicidade humana e qualquer indivíduo ou até um grupo que os coloquem em risco deve ser considerado um 'perigo público'. O herói da literatura de massa, pouco importa se agindo dentro, à margem ou fora do sistema policial, representa o símbolo do desejo de salvaguardar os valores sociais, lutando contra os elementos perturbadores da ordem, inimigos do Estado e dos cidadãos integrados na sociedade. D'Onofrio (1995) Desta maneira, o detetive, que simboliza o bem lutando contra o mal, apesar de um possível sofrimento inicial ou mesmo no meio da narrativa, tem vitória garantida. O elemento maléfico é incluso apenas para ser subjugado pelas forças do bem que restituem a harmonia, a justiça, a ordem revelando assim sua característica didático-moralizante em que alerta aos marginais sociais, que se ousarem praticarem o mal, serão inegavelmente punidos. Conforme esboça Bronckart (2003), a situação inicial da sequência narrativa apresenta-se com a apresentação das personagens e do ambiente em que será inserido o enigma a ser elucidado. Neste momento tem início a complicação o raciocínio lógico e a observação detalhista do detetive sendo postos a prova. Durante a fase de ações ocorre a investigação das pistas e falsas pistas que culminam com a fase da resolução onde o crime é desvendado. Na última fase, da situação final, ocorre a punição do malfeitor e o reconhecimento ao herói que livrou a sociedade de um ser que prejudicou e possivelmente prejudicaria ainda mais seus semelhantes. O desfecho é a explicação final da narrativa e dos fatos que coordenaram

16 15 agradavelmente na descoberta do mistério. Tudo nesse desfecho se encaminha para um único ponto: apagam-se as discordâncias, os erros, os desvios, as falsas pistas. Com o leitor, o autor recapitula os fatos seguindo a sua ordem lógica. É como a contra-prova do acontecimento D ÁVILA (1967) Dentro do conto policial a personagem do detetive revela-se o eixo norteador de toda a trama textual. Além dele, estão presentes: a vítima, o criminoso, poder público (polícia) e demais personagens para constituir o cenário humano textual. Conforme D'Onofrio (1995), o que é indispensável no perfil de um bom detetive são sua faculdade analítica e uma observação detalhista e o compara com um intuitivo jogador de damas onde a sagacidade, a avaliação e entendimento do funcionamento das estruturas determinam seu sucesso. Ainda o iguala a um jogador de cartas consegue descobrir quais cartas cada integrante da mesa possui por suas expressões faciais e/ou corporais, análise de cada jogada proveniente de um profundo exame dos detalhes. Mas para torná-lo um detetive brilhante faz necessário acrescentar um profundo conhecimento geral de mundo, bem como, um entendimento das regras de seu funcionamento. Em um contexto capitalista, essa intelectualidade geralmente é enfatizada em detrimento ao desapego material onde a reclusão introspectiva meditativa o torna um excêntrico. Essa clausura não é maior pela presença do seu amigo/ajudante que compõe a dupla detetive-amigo confidente (geralmente seu assistente) como, por exemplo, Sherlock-Watson preconizada pela tradição anglo-saxônica tradicional. Sequência narrativa, descritiva e dialogal. (FRASES) A coesão textual nominal é estabelecida por preposições, conjunções e advérbios (e suas respectivas locuções) e por pronomes e retomadas. Desta forma, são acionadas diversas estratégias de retomadas textuais como pronomes, nomes, substituições por sinônimos, termos genéricos/específicos, nominalizações, repetições. A coesão verbal é realizada considerando a escolha verbal, observa-se a predominância do modo indicativo com o que é padrão no texto narrativo o início com pretérito imperfeito, seguido pelo início da complicação com pretérito perfeito apesar de se constatar o mais-que-perfeito incluso, em alguns textos. O presente do indicativo é empregado prioritariamente durante o discurso direto.

17 16 A organização textual emprega tanto aspectos: lógicos (por meio de conjunções e locuções conjuntivas), como temporais e espaciais (advérbios e locuções adverbiais). Considerando relação as vozes presentes no conto policial pode-se observar que a voz do enunciador (geralmente através da personagem do detetive) representa a verdade científica e objetiva. Encontram-se presentes personagem que simulam os possíveis questionamentos do destinatário que são imediatamente sanadas pelo enunciador principalmente no descortinar do enigma. A variedade linguística pertencente à norma culta, com presença de informalidade/coloquial principalmente no discurso direto. No que diz respeito à escolha lexical constata-se o predomínio de substantivos concretos, verbos indicando ação para narrar fatos e implicar o ritmo dinâmico ao texto. Percebe-se de forma enfática a presença de adjetivos objetivos, afetivos, físicos, superlativos comparativos, bem como, locuções adjetivas. Há também palavras com sentido conotativo e palavras e/ou expressões com sentido irônico. O tom do enunciador caracteriza-se por ser detalhista, rico em informações e impressões que visam minuciar com a maior precisão o espaço em que se desenrola a trama, os fatos, as personagens, etc. Os sinais de pontuação são bem variados dentre eles ponto final, de exclamação, interrogação, reticências, dois pontos, travessão. O discurso direto está presente em quase todos os contos marcados principalmente por dois pontos e travessão, enquanto que o discurso indireto aparece com pouca frequência. 2.3 Didatização do Gênero por meio da Sequência Didática Dolz, Noverraz & Schneuwly (2004) definem Sequência Didática (SD) como um conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou escrito - fruto do estudo sobre o gênero realizado no Modelo didático. Desta forma, a elaboração de uma SD desencadeia inúmeras atividades de escrita, orientadas tanto pela pesquisa como pela prática: a elaboração do modelo didático, que por sua vez inclui a pesquisa sobre um gênero em específico,

18 17 a organização das oficinas, a elaboração dos exercícios de cada oficina, o planejamento da transposição didática de cada oficina (Hila & Nascimento, 2010) Portanto, a SD tem por intuito auxiliar o aprendizado do discente em relação a um gênero de texto específico e lhe proporcionando letramento, em que não apenas tome posse de todas as condições necessárias para produzi-lo (oral ou escrito), mas também, faça uso numa dada situação de comunicação. De acordo com Dolz, Noverraz e Schneuwly (2040), uma SD é composta basicamente de quatro etapas básicas que serão discorridas e expressa no quadro a seguir: Apresentaçã o da situação PRODUÇÃO INICIAL Módulo 1 Módulo 2 Módulo n PRODUÇÃO FINAL ESQUEMA DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A primeira, denominada apresentação inicial, compreende a exposição minuciosa aos alunos - oral ou escrita - do que se espera que eles desempenhem. Nesta fase, (considerada a da conquista ou sedução) é necessário que fique bem claro o projeto coletivo de gênero - seja ele oral ou escrito - que será requerido da turma, bem como, seu conteúdo. Enfim, muni-los de todas as informações necessárias para que obtenham sucesso. Os alunos, bem motivados, adentram da segunda etapa: a produção inicial. Será a resposta ao que foi proposto que poderá se apresentar de forma satisfatória ou não. Entretanto, não possui um caráter valorativo e sim diagnóstico que proporcionará detectar as informações que eles já dominam e os problemas que deverão ser abordados no próximo momento. A seguir, inicia-se o momento de suma importância que visa a superação das dificuldades constatadas na produção inicial por meio de módulos. Trata-se de oficinas voltadas a sanar as deficiências elencadas nos diferentes níveis como da situação de comunicação, elaboração dos conteúdos, planejamento e realização do

19 18 texto. Desta forma, precisam ser atividades e exercícios diversificados que contemplem os problemas levantados, propiciando a aquisição gradual e progressiva do conhecimento e favorecendo uma ação linguística reflexiva. Finalmente, após ter sido posto em prática todos os instrumentos e noções previamente estabelecidos, culmina com a produção final, que pode tanto ser feita por meio de uma nova produção ou como a reestruturação da produção inicial. Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004) afirmam que o estudo lento e crescente do gênero por meio de SD possibilita uma avaliação formativa e amplia as oportunidades discentes de aprendizado em função da diversidade de atividades propostas. E ainda, contribui para uma maior consciência de seu comportamento linguístico, o qual é adaptado às situações reais de comunicação de forma voluntária a dominar a sua língua e suas capacidades de escrever e falar. E ainda, as oficinas desta SD foi constituída empregando os descritores (ANEXO 1) preconizados pelo Sistema de avaliação da Educação Básica por meio da Prova Brasil que afirma que Estruturalmente, a Matriz de Língua Portuguesa se divide em duas dimensões: uma denominada Objeto do Conhecimento, em que são listados os seis tópicos; e outra denominada Competência, com descritores que indicam habilidades a serem avaliadas em cada tópico. Para a 4ª série/5º ano EF, são contemplados 15 descritores; e para a 8ª série/ 9º ano do EF e a 3ª série do EM, são acrescentados mais 6, totalizando 21 descritores. Os descritores aparecem, dentro de cada tópico, em ordem crescente de aprofundamento e/ou ampliação de conteúdos ou das habilidades exigidas. PROVA BRASIL, 2011)

20 19 3 METODOLOGIA 3.1 Dados da pesquisa Como já fora dito, a pesquisa foi implementada com o 9º ano A composta por 32 alunos muito comunicativos e ativos da Escola Estadual Professora Kazuco Ohara localizada na periferia de Londrina. 3.2 O projeto de comunicação apresentado aos alunos Expus o projeto com o gênero conto policial, visando despertar nos alunos o desejo de embrenhar-se nesta aventura didático-pedagógica. Explanei oralmente o projeto a ser desenvolvido, bem como, o que se esperava de cada um deles. Anunciei que iríamos fazer uma visita à Biblioteca Municipal e que no término do nosso projeto realizaríamos um Sarau com o lançamento do nosso livro de contos incluindo noite de autógrafos e coquetel para os familiares. E que na ocasião também seriam premiados os melhores contos desenvolvidos durante o projeto que pretendíamos apresentar em forma de leitura para os convidados. 3.3 Desenvolvimento a) Produção inicial Fiz uma leitura dramatizada do conto O último cuba-livre de Marcos Rei e solicitei que eles com base no conhecimento que possuíam brincassem de ser escritores e compusessem um conto policial empregando muita criatividade. Em seguida, fiz uma análise diagnóstica da produção inicial que norteou a construção de oficinas. Essas oficinas visavam sanar as dificuldades apresentadas pelos alunos que permitiam a assimilação do gênero conto policial. Como pode ser vista a seguir: SÍNTESE DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS ALUNOS: PRODUÇÃO INICIAL 1) Planejamento textual: título (localização e letras - maiúsculas, minúsculas); onde registrar o nome do autor; e estruturação e/ou ausência de diálogos;

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

O CONTO POLICIAL COMO OBJETO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

O CONTO POLICIAL COMO OBJETO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ - SEED SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO ESTADUAL DO PDE PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA: UNIDADE DIDÁTICA O CONTO POLICIAL COMO OBJETO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

MÍDIAS DIGITAIS EM ATIVIDADES DO PIBID: EXPERIÊNCIAS COM OS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 58

MÍDIAS DIGITAIS EM ATIVIDADES DO PIBID: EXPERIÊNCIAS COM OS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 58 MÍDIAS DIGITAIS EM ATIVIDADES DO PIBID: EXPERIÊNCIAS COM OS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 58 Gabriela Kloth ¹ gabikloth@hotmail.com Thais de Souza Schlichting ² thais_schlichting@hotmail.com ¹ Mestranda

Leia mais

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO Ano: 3º ANO Disciplina: História Professor Responsável: Wladson Quiozine OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO 1. Retomar os aspectos essenciais do conteúdo programático da disciplina de História do Ensino

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS PIBID INGLÊS - AÇÃO INTERVENTIVA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Bolsistas: ALMEIDA, D.; IDALGO, L.; KISHI, C; FAUSTINO, V.; SOUZA, E. (PIBID- LEM/ UENP) Orientadoras: Célia Regina Capellini

Leia mais

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Resgatando a memória do lugar e sua importância para a recuperação da interação entre jovens e idosos Rosilene Silva de Oliveira 1. Justificativa Os atores

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA José de Jesus de Oliveira 1 (Fac. Signorelli) Siderlene Muniz-Oliveira 2 (UTFPR) Resumo: Esta comunicação tem como objetivo

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA

JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Henrique Daniel Froelich rikedaniel@yahoo.com.br Resumo: Para se viver

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais