O que os nomes dizem: Roberto Bolaño e o império dos mecanismos de esquecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que os nomes dizem: Roberto Bolaño e o império dos mecanismos de esquecimento"

Transcrição

1 O que os nomes dizem: Roberto Bolaño e o império dos mecanismos de esquecimento Rodrigo Soares de CERQUEIRA 1 Resumo Este artigo busca discutir a obra do escritor chileno Roberto Bolaño a partir de uma encruzilhada histórica, a saber, a transição do período ditatorial para o democrático, feita sob o signo do mercado (AVELAR, 2003). Esse processo produz o que o próprio Bolaño (2003, p. 170) denomina de mecanismo de esquecimento. Assim, o artigo procede explicitando a lógica de funcionamento desse mecanismo e as estratégias para tentar superá-lo. Palavras-chave: Roberto Bolaño, ditadura, mercado, literatura latino-americana Abstract This paper intends to discuss the work of the Chilean novelist Roberto Bolaño from a historical crossroad, namely, the passage from dictatorship to democracy, which was obtained under the banner of the market (AVELAR, 2003). This process produces what Bolaño (2003, p. 170) himself calls mechanics of forgetfulness. Thus, this paper proceeds in order to explain how such mechanics function and which are the strategies enlisted to overcome it. Keywords: Roberto Bolaño, Dictatorship, Market, Latin-American Literature Eu não quis mais prolongar a situação, logo o abordei e lhe perguntei quem era ele, e ele disse sou Ulisses Lima, poeta realvisceralista, o penúltimo poeta real-visceralista que resta no México, tal qual, e a verdade, se quiserem que eu lhes diga, é que seu nome não me dizia nada, apesar de na noite anterior, por ordem de dom Octavio [Paz], eu ter consultado os índices de mais de dez antologias de poesia recente e não tão recente, entre elas a famosa antologia de Zarco em que estão recenseados mais de quinhentos poetas jovens. Mas seu nome não me dizia nada. 1 Pesquisador Pós-Doc (Sociologia/USP), bolsista Fapesp. CEP: , São Paulo - SP.

2 Roberto Bolaño, Detetives selvagens 1. Se Idelber Avelar (2003, p. 27) estiver correto e a derrota for mesmo a determinação irredutível da [nossa] escrita literária, a perspectiva crítica, contemporânea, desde a qual a apreciamos, não parece nada alentadora. Não é de se estranhar, portanto, que Roberto Bolaño (in MANZONI, 2006, p. 212) tenha se proposto a fazer da sua obra uma declaração de amor à sua geração, a dos que nascemos na década de cinquenta, 2 em certa medida herdeiros e continuadores de uma mesma derrota, a qual ainda cabe especificar. Que se possa escrever, com apreço e cuidado, desde o ponto de vista dos vencidos é tarefa de que não se duvida. Boa parte da historiografia benjaminiana está assentada nessa vontade necessidade até. Para Walter Benjamin (2000, p. 431), contudo, a tarefa visava impedir que a memória dos mortos fosse dessacrada e, assim, pudesse manter vivos os princípios que os mobilizaram e pelos quais lutaram. A que cabe a Bolaño, escrevendo tardiamente, em uma época atravessada pelo cinismo, é de outra natureza, mais complicada. Como fazer uma declaração amorosa a uma geração que não apenas foi derrotada, mas que se converteu em algoz de si própria? Me parece que muito da força poética desse escritor chileno de berço ao menos vem do confronto entre a necessidade, pessoal e geracional, de levar à frente uma missão redentora e a consciência amarga de uma mácula que, a princípio, lhe tolhe o movimento. E qual é natureza dessa derrota? A perfeição, clareza e debilidade de pensamento de que é feita a literatura contemporânea é a resposta de Bolaño (2003) em Los mitos de Chtulhu, uma conferência ministrada em Barcelona. Constatar a ironia da escolha é apenas repisar o óbvio uma ironia que, de modo geral, dá o tom de parte do ensaio: Deixai-me que nesta época sombria comece com uma afirmação cheia de esperança. O estado atual da literatura de língua espanhola é muito bom! Perfeito! [ lnmejorable!] Ótimo! (Idem, p. 159). Naturalmente, o signo do sucesso aqui não é bem a escrita de qualidade a que assume o perigo de meter a cabeça no escuro e de saltar no vazio (BOLAÑO in MANZONI, 2006, p. 211), mas a sua dimensão 2 Sempre que possível, busquei a tradução brasileira dos livros de Roberto Bolaño, que é a que segue indicada na bibliografia. Todas as traduções de livros em língua estrangeira foram feitas por mim.

3 fantasgoricamente mercadológica: Essa legibilidade lhe permite [a Pérez-Reverte, escritor espanhol] ser não só o mais perfeito, mas também o mais lido. Quer dizer: o que mais livros vende (BOLAÑO, 2003, p. 160). Não é de se estranhar, portanto, que a face real da perfeição, da clareza e da debilidade de pensamento, a tríade mágica que garante ao escritor tanto quanto ao livro o espaço necessário na vitrine sem o qual não há consumo, não possa ser outra que não a da barbárie mesma: Hitler, por exemplo, é um ensaísta ou um filósofo, como queirais chamá-lo, de pensamento fraco [pensamiento débil]. Se lhe entende tudo! (Idem, p. 165). À primeira vista, há de parecer no mínimo ambígua a postura crítica de Bolaño, que faz o elogio da derrota de um tipo de literatura, a sua, no momento mesmo em que é premiado por ela. Mas o que está em jogo aqui é a ideia de que a literatura possa ser reduzida ao reconhecimento desse tipo de instância, a premiação, cuja lógica competitiva lhe é estranha. Daí que não creia estar forçando a nota ao afirmar que o tom irônico um uso sempre arriscado da linguagem do seu discurso de recebimento seja inclusive mais crítico do que a inocência de um possível absenteísmo. Mais: ao aceitálo, Bolaño indica ainda a dimensão objetiva e inescapável da derrota, um rebaixamento de que ele e sua obra também fazem parte. Embora não seja bem esse o foco do seu trabalho, Idelber Avelar nos dá um bom caminho para pensarmos esse novo paradigma, construído durante o período ditatorial que varreu o subcontinente latino-americano. De modo a melhor situar o que de fato lhe interessa pensar o estatuto da memória em tempos de mercado (AVELAR, 2003, p. 13), Avelar localiza no dia 11 de setembro de 1973 um momento crucial na história política e cultural da América Latina. O golpe de estado que bombardeou o palácio de La Moneda encerrou, de maneira abrupta e sangrenta, dois movimentos emancipatórios que visavam, cada um a seu modo, pôr fim à nossa centenária dependência. Por um lado, o político, se encerrava o breve sonho do projeto popular alternativo de Salvador Allende; por outro, se esgotava uma concepção de literatura muito própria, conhecida como boom, que, pela primeira vez, inverteu o sinal da influência cultural em relação à Europa. Nesse sentido, as ditaduras que se instalaram por aqui, antes de depois da chilena, devem ser lidas em dupla chave: primeiro, como uma ruptura com os modelos vigentes entre as décadas de 1920 e 1970, que significaram a implosão de qualquer

4 visão do Estado como motor do desenvolvimento e garantidor de direitos, em prol de um mercado transnacional e intangível. Depois, ao servirem como instrumentos de uma transição epocal do Estado ao Mercado (Idem, p. 21), elas dão sequência, com sinal trocado, ao impulso modernizador de antes, agora regido por um ímpeto mais conservador, autoritário e violento. Isso quer dizer que as sociedades latino-americanas foram redirecionadas noutro sentido, integradas de maneira mais consistente ao que Roberto Schwarz (1999, p. 57) chamou de movimento geral da modernização capitalista. 3 Dupla chave, é verdade, mas que abre uma mesma porta, levando ao que Bolaño (2003, p. 170) denomina de mecânica do esquecimento. Essa época pretensamente glamorosa transformou o escritor numa celebridade desejosa de respeitabilidade, cujos males são curados na caríssima e prestigiosa Clínica Mayo, em Nova York, e reduziu a literatura à ideia de êxito, êxito social, claro, quer dizer grandes tiragens, traduções para mais de trinta idiomas (Idem, p. 171) Seu preço, nada inocente, é a inserção da arte na lógica vorazmente substitutiva do mercado. Aqui só o novo importa, descartando na lata de lixo da história e da memória tudo o que, por velho, não é mais capaz de dar lucro: A obra de Reinaldo Arenas já está perdida. A de Puig, a de Copi, a de Roberto Arlt. Ninguém mais lê Ibargüengoitia (Idem, p. 170). 2. Como bem apontou Patricia Espinosa (in MANZONI, 2006, p. 127), se há um tipo que preocupa constantemente a Roberto Bolaño, esse é o da figura do [...] decadente, geralmente vinculado à literatura e mais pobre que um rato num certo sentido, que eu estou tentando apresentar aqui, o derrotado pelo novo arauto do sucesso literário, o mercado. Esse processo, contudo, não é desprovido de tensões e complexidades, às quais Bolaño dá forma em Sensini, primeiro conto de Chamadas 3 Esse processo de inserção das economias periféricas no concerto do mundo capitalista pode ser pensado, como o faz Idelber Avelar (2003), como um projeto das ditaduras latino-americanas: A nação não vai se formar, as suas partes vão se desligar umas das outras, o setor avançado da sociedade brasileira já se integrou à dinâmica mais moderna da ordem internacional e deixará cair o resto (SCHWARZ, 1999, p. 57). Ainda sobre esse deslocamento dos modelos vigentes entre as décadas de 1920 e 1970, que significou a implosão de qualquer visão hegemônica do Estado em prol de um mercado transnacional e intangível, acarretando na mudança de certos paradigmas epistemológicos, cf. CANCLINI (2008), em especial o terceiro capítulo, Desenvolvimento com dívidas, abertura sem rumo, p

5 telefônicas. Aqui nos deparamos com dois daqueles tipos, que lidam, a seu modo, com a derrota e a marginalização a que estão submetidos. O narrador, um jovem solitário que vive precariamente de empregos informais, encontra nas páginas do livro no qual foram publicados os contos dos ganhadores do Concurso Nacional de Literatura de Alcoy com outro premiado, Luis Antonio Sensini, um escritor argentino exilado em Madri. Dessa coincidência nasce uma troca afetuosa de cartas, em que se evidenciam duas posturas frente ao mesmo fato social, que é o de ter que vender a literatura como forma de sobrevivência. Sensini, mais velho e mais curtido pela vida, assume a posição de conselheiro, embora a direção do processo formativo que desempenha seja a do rebaixamento da experiência literária. Se ao narrador sobrava ainda algum escrúpulo de não enviar à luta com os leões (ou com as hienas) o que eu fazia melhor (BOLAÑO, 2012, p. 14), ou seja, sua poesia; Sensini, por sua vez, havia se tornado um profissional dos concursos, um dos caçadores de recompensas (Idem, p. 29), como lhe foi confidenciado pela filha do escritor argentino num encontro rápido que tiveram nos arredores de Girona. [Ele, Sensini] me instava a perseverar, mas não, como a princípio entendi, a perseverar na escritura e sim a perseverar nos concursos [...] (Idem, p. 16). A carta, parafraseada pelo narrador, prossegue ainda com mais duas dicas de concursos, Plasencia e Écija, seguidas de seus respectivos prêmios, e pesetas, e termina com uma breve frase: Coragem e mãos à obra (Idem, p. 17). 4 O horizonte de possibilidades da literatura contemporânea é inescapável, e mesmo aqueles que não gozam de suas benesses editores, traduções, grandes tiragens, dinheiro etc. funcionam segundo a lógica mercadológica que os marginaliza. A perseverança não se faz em nome da necessidade pessoal de se continuar a escrever a despeito das adversidades, mas das recompensas dos concursos; o valor não é medido pela qualidade do trabalho, mas de maneira precisa, em milhares de pesetas, e assim por diante. Contudo, é esse mesmo rebaixamento, que rouba o significado ao que faz, que é capaz de sustentá-lo. A banalização da escrita, por exemplo, se reflete na banalização das leituras, seja a do público geral, invisíveis, a quem se destinam obras de prefeituras, seja dos jurados, que não liam as obras apresentadas ou as liam por alto ou 4 A escolha do tradutor tem lá sua função, que é a de dar à carta de Sensini o tom mais informal, que marcava a correspondência entre ambos. A leitura do que se segue, contudo, depende do original em espanhol, que era Valor y a trabajar (BOLAÑO, 1997, p. 16).

6 as liam mais ou menos (Idem, p. 19). Assim, sequer a escrita carece de escrúpulos (e quem o tem quando o que está em jogo é vender as coisas no mercado?). Sensini participava, sem medo de ser descoberto, do maior número possível de concursos com o mesmo conto: bastava-lhe mudar os títulos, e Ao amanhecer tornava-se Os gaúchos, que, por sua vez, noutra ocasião, virava um outro conto, cujo título é bastante expressivo da ironia de Bolaño, Sem remorsos (Idem, ibidem). Mas o mercado é apenas um dos dois mecanismos de produção de esquecimento. O outro sem o qual, é possível, o primeiro não tivesse tido o mesmo impulso e penetração é a violência ditatorial: Sensini tem um filho, Gregorio, desaparecido durante os anos de ferro da Argentina. Depois de notícias sobre o possível paradeiros dos seus restos mortais num cemitério clandestino, Sensini decide voltar para a Argentina, que com a democracia ninguém mais ia impedi-lo de fazer o que quer que fosse e que portanto era inútil permanecer mais tempo fora (Idem, p. 25), parafraseia o narrador a carta que interrompe a correspondência. Mesmo filtrado, o tom é decidido, otimista até. Enfatiza a expectativa de que a restauração democrática instaure alguma espécie de compensação, afetiva e econômica, abrindo novos caminhos, mais significativos, para os expurgos do arbítrio ditatorial. A Sensini, contudo, não coube nada. Poucos anos depois de encerrada a troca de cartas, já sabendo inclusive da sua morte em Buenos Aires, o narrador recebe a visita inesperada de Miranda, a filha espanhola de Sensini, que, sem dinheiro, viaja para a Itália à base de caronas e hospedagens em casa de conhecidos. Por ela é que tomamos conhecimento dos últimos anos do pai: de Gregório, nada conclusivo. Apenas um exame de DNA poderia garantir que algum dos corpos amontoados era de seu filho, o que não foi feito por falta de dinheiro ou interesse político. A burocracia e os rancores antigos o impediram de conseguir o emprego que tentou na universidade. Ou seja, a vida de Sensini numa Argentina democrática foi [i]gual aqui, disse Miranda, igual em Madri, igual em toda parte (Idem, p. 27). Como veremos adiante, Bolaño tem plena consciência de que não se pode simplesmente igualar os tempos ditatoriais aos democráticos. O que ele faz nesse momento, contudo, é apontar como a existência desta não significa que aquela foi superada por completo. A transição epocal de que fala Avelar (2003, p. 24) é bem essa passagem de um tempo para outro, que não deve ser pensada sob o signo da vitória, mas, pelo contrário, de derrota uma derrota que aciona

7 o funcionamento desse aparato tecnológico de produção em massa de esquecimento, do qual Sensini é vítima paradigmática. 3. Como projeto de modernização, alternativo e democrático, o boom literário do subcontinente não vingou. A adequação ao passo dos países centrais se deu antes por meio do arbítrio autoritário, que acelerou nossa inserção no mundo do mercado. Não é de se admirar, portanto, que, nesse contexto, autores como Gabriel García Márquez passem a ter seu êxito medido por essa outra régua, a das tiragens, traduções e prêmios, ainda mais quando este é o mais cobiçado de todos, o Nobel, respeitado não exatamente pela sua capacidade de separar o joio do trigo literário, mas pela quantidade de dinheiro que joga na corrida. Mas se há uma vertente literária que teve dificuldade de ser apropriada pelo mercado, esta é a das vanguardas. Quem sabe não estaria na sua capacidade de chocar o bom senso isto é, na sua imperfeição e obscuridade a possibilidade de construir espaços nos quais o saber e a criação possam desenvolver-se com autonomia (CANCLINI, 1997, p. 32), os quais Bolaño tanto buscou? Mas as vanguardas tardias (e a aporia aqui é intencional) têm um sério problema a enfrentar. Para surtir qualquer espécie de efeito na sensibilidade já bastante desgastada dos homens e mulheres contemporâneos, o choque que serve de contraponto à racionalidade, ao bem-estar burguês e à desumanização proporcionada pelo desenvolvimento industrial e urbano (cf. Idem, p. 42) precisa ser cada vez mais radical, beirando ela mesma a barbárie: O aprendizado [dos Escritores Bárbaros] se fazia em dois passos aparentemente simples. O confinamento e a leitura. Para a primeira etapa era preciso comprar comida suficiente para uma semana, ou então ficar em jejum. [...] O segundo passo era mais complicado. Segundo [Raoul] Delorme [líder do grupo], era preciso se fundir com as obras-primas. Isso se obtinha de uma forma bastante curiosa: defecando sobre as páginas de Stendhal, assoando o nariz com as páginas de Victor Hugo, masturbando-se e espalhando o esperma sobre as páginas de Gautier ou Banville, vomitando nas páginas de Daudet, urinando sobre as páginas de Lamartine, cortando-se com lâminas de barbear e fazendo respingar o sangue nas páginas de

8 Balzac ou Maupassant, submetendo os livros, enfim, a um processo de degradação que Delorme chamava humanização (BOLAÑO, 2009, p. 126). Raoul Delorme é um escritor que publica seus trabalhos em revistas de inclinações nazistas, o que marca bem o lugar, ao mesmo tempo irônico e paradoxal, que Bolaño escolhe para tratar do assunto. Como vimos, o autor de Estrela distante é um crítico mordaz da domesticação da literatura, tendo em vista a vendagem e a respeitabilidade do escritor. A tomarmos a fala de Carmem Boullosa (in MANZONI, 2006, p. 112), um quase iconoclasta ele mesmo: [Os infrarrealistas, grupo a que Bolãno pertencia] [e] eram o terror do mundo literário. Eu à época fazia parte dos sérios [de los solemnes] [...], gostava das formalidades de leitura de poesia, coquetéis, essas coisas cheias de códigos que de alguma maneira me sujeitavam, e vocês eram os terroristas também dessas formalidades. Contudo, quando posta sob o signo do nazismo, a absorção do patrimônio cultural do Ocidente, que os Escritores Bárbaros não recusam, assume ares de devastação. E essa humanização pela degradação parece ser um limite que Bolaño se recusa a ultrapassar um limite a partir do qual a vanguarda perde seu caráter renovador e se converte num processo meramente destrutivo. No mais, esse movimento depende de uma certa normalidade burguesa, uma respeitabilidade a que possa chocar. A vanguarda tardia latino-americana, por sua vez, ainda se via frente a outro dilema, para dizer o mínimo: Meses depois, um amigo me contou que durante uma festa na casa de Maria Canales um dos convidados tinha se perdido. [...] Também soube, anos depois, enquanto observava as nuvens se esfarelando e se fragmentando e explodindo no céu do Chile como jamais fariam as nuvens de Baudelaire, que o sujeito que se perdeu pelos corredores traiçoeiros da casa nos confins de Santiago foi um teórico da cena de vanguarda, um teórico com grande senso de humor, que, ao se perder,

9 não se intimidou, pois ao seu senso de humor acrescentava uma curiosidade natural, e, quando se viu perdido no porão de María Canales e se conscientizou disso, não teve medo, ao contrário, viu despertar seu espírito trocista, abriu a porta, pôs-se até a assobiar, e finalmente chegou ao último quarto no corredor mais estreito do porão, o único que estava iluminado por uma lâmpada fraca e viu o homem amarrado numa cama metálica, de olhos vendados, e soube que o homem estava vivo porque o ouviu respirar, embora seu estado físico não fosse bom, pois, apesar da luz deficiente, viu suas feridas, suas supurações, como eczemas, mas não eram eczemas, as partes maltratadas da sua anatomia, as partes inchadas, como se tivesse mais de um osso quebrado, mas respirava, de maneira nenhuma parecia a ponto de morrer, e depois o teórico da cena de vanguarda fechou delicadamente a porta, sem fazer barulho, e começou a procurar o caminho de volta à sala, apagando às suas costas as luzes que tinha acendido (BOLAÑO, 2004, p. 110). Antes de entrar na citação, vale apontar seu caráter capcioso. O teórico da cena de vanguarda em questão não é a personificação de nenhuma pessoa específica: pode ser tanto um homem quanto uma mulher pois não ficou claro seu sexo (Idem, p. 110) ; pode nem mesmo ter sido um teórico, mas um autor de teatro ou talvez um ator (Idem, p. 111). Para piorar uma memória que já não parece ser de muita valia, as informações ainda lhe chegam desencontradas: Mais tarde, quanto mais tarde?, não sei, contou a um amigo, e este contou ao meu amigo, que muito mais tarde me contou (Idem, p ). Se a certeza nos detalhes parece faltar, o evento em si o confronto do vanguardista (ou da vanguardista), teórico, autor ou ator, não importa, com a realidade brutal da tortura, pela própria repetição num curto espaço de tempo, apresenta uma dimensão inconteste: Estava muito bêbado, ou estava muito bêbada, pois não ficou claro seu sexo, e saiu à procura do banheiro ou do water, como também dizem alguns dos meus desditosos compatriotas. [...] Finalmente chegou a um corredor mais estreito que todos os outros e abriu uma porta. Viu uma espécie de cama metálica. Acendeu a luz. Sobre a cama havia um homem nu, amarrado pelos pulsos e tornozelos. Parecia dormir, mas essa observação é difícil de verificar, pois uma venda lhe cobria os olhos. O extraviado ou extraviada, sumida instantaneamente a bebedeira, fechou a porta e tornou em silêncio sobre seus passos. Quando chegou à sala, pediu um uísque, depois outro, e não disse nada (Idem, p. 109).

10 A representação da vanguarda na qual Bolaño se detém gira ao redor da relação entre a dimensão estética, o estranhamento típico daquela corrente, e seu pressuposto social, isto é, a realidade de um país vivendo sob um estado de exceção. Como é possível que a vanguarda choque e, portanto, renove a realidade cotidiana quando esta, pela sua violência, parece estar além da possibilidade de qualquer espécie de verbalização? E não é outro o movimento das duas passagens. Nelas, o caminho de ida é realizado sob o signo de um conjunto de elementos de vanguarda (o estar perdido num espaço que não se conhece, o senso de humor, a curiosidade, a troça com que se lida com a situação ou mesmo a bebedeira e sua percepção alterada do mundo ao seu redor); o choque da realidade o corpo seviciado só é capaz, no caminho de volta, de produzir o silêncio e a necessidade de se apagar os rastros e, consequentemente, a sua própria responsabilidade ante ao que viu. Acrescente-se a isso a contiguidade espacial com o arbítrio a boa sociedade artística se reúne (inocentemente?) no mesmo lugar em que se torturam pessoas e a própria dimensão legitimada, bem posta à sua maneira, do grupo que se arvora ao status de contestador, e teremos as limitações que a máquina de produção de esquecimento impõe à vanguarda. 4. No fracasso da tentativa de renovação da vanguarda, cujo resultado é antes a assunção de uma postura meramente destrutiva ou ainda na sua impossibilidade de chocar em contexto de terror ditatorial, não é de se estranhar que um retorno à obra das principais figuras do boom literário latino-americano, ao seu engajamento e à sua promessa de emancipação pelas letras surja como uma estratégia óbvia para escaparmos ao que vimos chamando, na esteira do próprio Bolaño, de mecânica do esquecimento. Contudo, não há em Bolaño a ingenuidade de que o projeto do boom foi simplesmente abortado, mas uma consciência mordaz de suas implicações contemporâneas, seja no plano literário Deus abençoe aos filhos tarados de García Márquez e aos filhos tarados de Octavio Paz, pois eu sou o responsável por tais deslumbramentos (BOLAÑO, 2003, p. 173, grifos meus), seja num outro, político e social

11 Deus abençoe os campos de concentração para homossexuais de Fidel Castro e aos vinte mil desaparecidos da Argentina e a desfaçatez perplexa de Videla e o sorriso de macho ancião de Perón que se projeta até o céu e aos assassinos de crianças do Rio de Janeiro e ao castelhano que usa Hugo Chávez, que fede a merda e é a merda que eu criei (Idem, ibidem, grifos meus) da qual ele é herdeiro e continuador. Por sinal, é essa mesma consciência de certa forma culpada, que se move entre o reconhecimento de uma derrota fragorosa e a dor de lhe ser cúmplice de alguma forma, que vai criar, em Estrela distante, uma superposição identitária entre o próprio narrador e Carlos Wieder, o facínora responsável pela renovação brutal da poesia chilena pós-ditatorial: Então Carlos Wieder chegou e se sentou junto à janela, a três mesas de mim. Por um instante (no qual senti que desmaiava), enxerguei a mim mesmo quase colado nele, olhando por cima do seu ombro, um horrível irmão siamês, o livro que acabava de abrir [...]. [...] Olhava o mar e fumava e de vez em quando dava uma olhada no seu livro. Igual a mim, percebi alarmado, e apaguei o cigarro e procurei mergulhar nas páginas do meu livro (BOLAÑO, 2009, p. 138). Mas voltemos a Los mitos de Chtulhu, citado logo no início desse ensaio, em que Bolaño ironiza a si mesmo e às crias de García Marquéz e Octavio Paz. A estratégia da sua abordagem será essa: um processo amplo de desmistificação, do qual não poupa nem a si mesmo, nem as figuras fundadoras da literatura latino-americana moderna; uma abordagem que, ademais, lhe permite estabelecer uma perspectiva crítica a partir da qual vislumbra a falência dos ideais emancipatórios que regeram as artes do subcontinente ao longo de boa parte do século XX. A maneira como constrói simbolicamente a figura do poeta Pablo Neruda em seus escritos talvez seja o melhor lugar para percebermos a direção de sua crítica. E as razões da escolha são muitas: Neruda é chileno, seu compatriota, ícone do mainstream literário, poeta (aquilo que, segundo a formulação do narrador de Sensini, como é o melhor que um escritor faz, não se coloca para lutar com as hienas), além de que, tendo

12 morrido logo depois do golpe de Pinochet, está quase que mitologicamente conectado ao sonho socialista de Salvador Allende, em cujo governo colaborou. O espaço social do encontro do autor de Veinte poemas de amor e Sebastián Urrutia Lacroix, narrador de Noturno do Chile e colaboracionista durante o período ditatorial, na fazenda de um crítico literário conservador (Farwell) é reveladora: Lá estava Neruda, alguns metros atrás estava eu, e, entre os dois, a noite, a lua, a estátua eqüestre, as plantas, as madeiras do Chile, a escura dignidade da pátria. [...] Lá estava Neruda, recitando versos para a lua, para os elementos da terra e para os astros, cuja natureza desconhecemos mas intuímos. [...] Lá estava Neruda, segredando palavras cujo sentido me escapava mas com cuja essencialidade comunguei desde o primeiro instante. E lá estava eu, com lágrimas nos olhos, um pobre clérigo perdido nas vastidões da pátria, desfrutando gulosamente as palavras do nosso mais excelso poeta (BOLAÑO, 2004, p. 19). Exatamente como as reuniões aprazíveis na casa de María Canales escondiam, nos porões mal iluminados, a brutalidade da tortura, há também aqui uma contiguidade entre esse quadro de comunhão quase metafísica e uma outra realidade, mais sórdida. Desta vez, contudo, quem se bate com ela não é o objeto da crítica o vanguardista ou, nesse caso, Neruda, mas o próprio narrador. Poucos momentos antes do encontro descrito acima, Sebastián Urrutia havia se perdido numa caminhada pela fazenda, durante a qual acabou topando com uns empregados, que viviam numa cabana situada além dos limites dos jardins bem cuidados de Farwell. A pintura desse quadro é inteiramente diferente do outro: do sublime ao descaso com a realidade concreta e precária da vida: E alguém falou de uma criança doente, mas com tal dicção que não entendi se a criança estava morrendo ou já tinha morrido. Para que precisavam de mim? A criança estava morrendo? Chamassem um médico. A criança já tinha morrido fazia tempo? Rezassem então uma novena à Virgem (Idem, 17). Que tenha sido Urrutia e não Neruda quem se deparou reorganiza o sentido da crítica, mas não a anula. Não é mais a questão da incapacidade de representar a

13 brutalidade por uma poética que se quer chocante, e sim a relação entre o engajamento político à esquerda, o viés romântico de um determinado tipo de poesia e o seu ancoramento no mundo mais chão que está em questão aqui. Postas ambas as passagens lado a lado, o encontro revela o que possui de irônico. De costas para a realidade material e miserável dos camponeses chilenos, que certamente não desconhece e contra a qual se mobilizou, confortavelmente instalado no transatlântico na noite austral (Idem, p. 18), que era a bela e iluminada casa de Farwell, e envolto pela cantilena quase hipnótica do padre Urrutia, Neruda perde sua veste de poeta revolucionário e ganha outra, moralmente andrajosa, marcada por um essencialismo e um distanciamento do mundo que o identifica a esse universo elitista e fechado que é o do conservadorismo do crítico literário, seu anfitrião. Mas Bolaño não para aí. Em Carnet de baile, conto coligido em Putas assassinas, Neruda é retomado: 66. Como à Cruz, devemos voltar a Neruda com os joelhos ensangüentados, os pulmões perfurados, os olhos cheios de lágrimas? 67. Quando nossos nomes não significarem mais nada, seu nome continuará brilhando, continuará pairando sobre uma literatura imaginária chamada literatura chilena. 68. Todos os poetas, então, viverão em comunidades artísticas chamadas cárceres ou manicômios. 69. Nossa casa imaginária, nossa casa comum (BOLAÑO, 2008, p. 210). A bem da verdade, não é o Pablo Neruda poeta o centro dessa passagem, que se detém antes na apropriação enviesada de sua obra: 62. [...] Se Neruda fosse o desconhecido que no fundo de fato é! 63. No porão do que chamamos Obra de Neruda espreita Ugolino, disposto a devorar seus filhos? (Idem, p. 209). O fundamental aqui para Bolaño é pôr em xeque essa imagem sacralizada do poeta seu compatriota, exatamente como fez em Noturno do Chile, cuja devoção é, em grande medida, paralisante. A dimensão canônica que a obra de Neruda assume tem ainda uma outra função, que é apagadora. A ela só se chega em romaria, cujo signo é o da expiação. Idelber Avelar (2009, p. 136) já escreveu, com propriedade, que o cânone é um pacto valorativo que se estabelece ao redor de um conjunto de valores, capazes, por diversas

14 razões, de se constituírem como hegemônicos. A apropriação enviesada de Neruda passa a funcionar, assim, como o centro desse pacto, que constitui o núcleo de sentido como todos, socialmente construído e ideologicamente direcionado da comunidade imaginária chilena pós-ditatorial. Não é de se admirar que a transição epocal por que passa o Chile na década de 1990 tenha sido feita por uma coalizão em que esquerda e cristianismo se reúnem, sem questionar a fundo o legado de Pinochet, para fazer a transição necessária para a sociedade de mercado. (Uma reunião que lembra a cena da fazenda de Farwell, um espaço conservador e atravessado pela desigualdade material em que o poeta comunista e o padre católico se encontram pela primeira vez.) Naturalmente, não é que o pacto valorativo hegemônico que se apropria da obra de Neruda não permita juízos discordantes. A eles, contudo, resta o estigma da transgressão (com a razão ou com as leis), que deve ser devidamente silenciada e, se possível, esquecida. 5. Ao caminhar para a conclusão, sugiro um rápido retorno a Sensini, o conto que nos colocou a lógica da derrota. Paramos faltando poucas páginas para o final, quando Miranda, em suas andanças sem dinheiro rumo à Itália, pernoita na casa do narrador, antigo correspondente do pai. E as notícias, como vimos, não poderiam ser mais desalentadoras. O retorno à Argentina pós-ditatorial não lhe traz nenhum dos alívios possíveis: não localiza a ossada do filho morto, assim como tampouco consegue o emprego que buscava, ficando, outra vez, à mercê de trabalhos mal-remunerados. Ou, na síntese melancólica de Miranda, a mesma vida, igual em Madri, igual em toda parte (BOLAÑO, 2012 p. 27). Depois disso, a morte. O cenário não poderia ser mais desolador e, como, quando muito, restam apenas 15 linhas para o fim, nenhuma grande viravolta parece se anunciar. E, de fato, nada de extraordinário acontece, exceto uma breve mudança de percepção: Enchi seu copo, enchi o meu, e ficamos um tempo admirando a cidade iluminada pela lua. De repente me dei conta de que já estávamos em paz, de que por alguma razão misteriosa tínhamos conseguido juntos ficar em paz e que daí em diante as coisas imperceptivelmente

15 começariam a mudar. Como se o mundo de verdade se movesse (Idem, p , grifos meus). Mas essa paz tem uma outra dimensão, que, se não se percebe aqui, fica mais clara em Detetives selvagens. 6. Limitada por uma série de injunções históricas sobre as quais nem ele nem ninguém tem controle, sem o recurso de uma ascendência a qual se possa filiar e que, assim, lhe preencha de sentido suas ações contemporâneas e, por fim, esvaziados os projetos de suas promessas emancipatórias, o que resta é, na verdade, a dúvida de que exista algum lugar a partir do qual Roberto Bolaño (in MANZONI, 2006, p. 212) possa levar à frente seu desejo de escrever uma carta de amor ou de despedida à [sua] própria geração O que se vislumbra é a impossibilidade de libertação da palavra e, consequentemente, de todos que por ela são representados de uma lógica voraz, na qual o passado, marcado pelo signo da derrota, em certa medida vergonhosa até mesmo para os vencedores, deve ser substituído esquecido por um presente que se escreve de acordo com a retórica da perfeição, da clareza e da debilidade de pensamento. A tecnologia de produção de esquecimento é inalienável, não deixa de ser o diagnóstico sombrio de Bolaño. Contudo, por mais paradoxal que possa ser, o lugar de resistência, ou de paz, não se faz em oposição a esse maquinário, e sim a partir delas: é exatamente quando se está esquecido, à margem, que a palavra narrada assume um compromisso íntimo entre aquele que se dispõe a escrever e o objeto sobre o qual se debruça. Em meio ao fractal de vozes que compõe Detetives selvagens, uma se destaca, a de Juan García Madero, cujos diários abrem e fecham o livro. E se destaca por dois motivos: um, quantitativo, porque, dentre todas as vozes salvo engano, 53 ao todo, é a que mais tem espaço. Das mais de 600 páginas da edição brasileira, quase um terço é dominado unicamente por sua narração. Segundo, qualitativamente falando, porque o gênero diário a que se dedica confere ao seu relato uma dimensão cotidiana, microscópica, da história desse grupo, que destoa dos depoimentos cada vez mais

16 distantes no tempo (situados entre janeiro de 1976 e dezembro de 1996) e no espaço (do México a Israel), de que é recheado o miolo do livro. Os detetives selvagens são, portanto, compostos de duas buscas distintas pelo real-visceralismo mexicano: a primeira, narrada em detalhe por García Madero, é pela poetisa Cesárea Tinajero, fundadora do movimento na década de 1920, e envolve toda uma outra geração de poetas real-visceralistas, dentre os quais Arturo Belano e Ulises Lima se destacam. A segunda busca, a do miolo do livro, é exatamente por esse grupo, o dos admiradores de uma poetisa perdida nos desertos de Sonora. No momento temporalmente mais distante do início das entrevistas, já no final da década de 1990, nos deparamos com Ernesto García Grajales, acadêmico da Universidade de Pachuca e auto-proclamado o único estudioso dos real-visceralistas do México e, poderia até dizer, do mundo. [...] Provavelmente sou o único a se interessar por esse tema. Quase ninguém se lembra mais deles (BOLÃNO, 2006, p. 563). Em seguida, ele segue elencando o destino dos real-visceralistas da segunda geração. Um morreu, outra escreve mas não publica, um outro anda metido em política: Ulises Lima continua morando no DF. Nas férias passadas fui vê-lo. Um espetáculo. [...] De Arturo Belano nada sei. Não, Belano eu não conheci. Vários deles, aliás. Não conheci Müller nem Pancho Rodríguez nem Pele Divina. Também não conheci Rafael Barrios. Juan García Madero? Não, esse nome não me diz nada. Com certeza nunca pertenceu ao grupo. Homem, se digo que sou a maior autoridade no assunto, por alguma razão há de ser (Idem, p. 564, grifo meu). Em 1996 vintes anos, portanto, após o fim da desastrosa busca por Cesárea Tinajero e o início dessa outra, pelos remanescentes, Ernesto Gracía Grajales, a maior autoridade do mundo no assunto, ignora aquele que foi, para nós leitores e que continuará sendo quando retornarmos à sua voz na terceira e última parte do livro o mais importante narrador se não de todo o movimento real-visceralista, ao menos de sua desventurosa empreitada e de sua consequente dissolução nos desertos de Sonora. E eis que se repõe o paradoxo de Bolaño: a narrativa se preserva porque o responsável por ela foi esquecido. Quando liberada da ciranda do mercado (e, no caso, da domesticação acadêmica), ela se oferece a ser buscada pelos interessados. É o que fizeram Ulises

17 Lima e Arturo Belano com Cesárea Tinajero, ela própria já esquecida na década de 1970; é o que faz aquele que, em busca de um grupo dissolvido e sem maior importância no cenário oficial da literatura mexicana, coleta depoimentos ao redor do mundo. Naturalmente, o encontro é impossível mas é somente quando se decide fazêlo, independentemente do fracasso anunciado, que os nomes, esquecidos e derrotados, além das suas próprias narrativas, passam a dizer alguma coisa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AVELAR, I. Alegorias da derrota: a ficção pós-ditatorial e o trabalho de luto na América Latina. Belo Horizonte: Editora UFMG, Cânone literário e valor estético: notas sobre um debate de nosso tempo. Revista Brasileira de Literatura Comparada, São Paulo, n.15, p , BENJAMIN, W. Sur le concept d histoire. In: Oevres III. Paris: Gallimard, 2000, p BOLAÑO, R. Llamadas telefónicas. Barcelona: Anagrama, El gaucho insufrible. Barcelona: Anagrama, Noturno do Chile. São Paulo: Companhia das Letras, Os detetives selvagens. São Paulo: Companhia das Letras, Putas assassinas. São Paulo: Companhia das Letras, Estrela distante. São Paulo: Companhia das Letras, Chamadas telefônicas. São Paulo: Companhia das Letras, CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade, São Paulo: EDUSP, Latino-americanos à procura de um lugar neste século. São Paulo: Iluminuras, MANZONI, C. (org.) Roberto Bolaño, la escritura como tauromaquia. Buenos Aires: Corregidor, SCHWARZ, R. Seqüências brasileiras: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40.

Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40. Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40. Como no dia de ontem, o grupo reuniu-se às 19h30 para iniciar a tarefa de

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br betty milan CARTA AO FILHO I A estação das cerejeiras começou no dia em que você nasceu. Nem tudo foi cereja, claro. Mas, desde que vi o seu rostinho inchado de quem já não cabia na barriga da mãe, eu

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes

Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes Travessão e hífen não são sinais de menos. São pelo menos elos. Nos diálogos escritos, intercâmbio de vozes e interrogações. Linhas contínuas e descontínuas. Como

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Alliance for Childhood Movimento Internacional

Alliance for Childhood Movimento Internacional Alliance for Childhood Movimento Internacional Palestrante: Christopher Clouder Presidente do Fellowship das escolas Waldorf para o reino Unido e Irlanda e o CEO do Conselho Europeu para a Educação Waldorf

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos.

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. ADOÇÃO Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. Edna G. Levy Nos dias de hoje, a adoção é exercida com maior naturalidade do que em tempos passados, em que havia a pecha da vergonha

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Ian Gibson, irlandes, mas desde 1984, cidadão espanhol. Hispanista internacionalmente reconhecido por

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Uma trufa e... 1000 lojas depois!

Uma trufa e... 1000 lojas depois! Uma trufa e... 1000 lojas depois! Autor: Alexandre Tadeu da Costa. Aluna: Lays Roberta Caçandro. Turma: 1º Ciências Contábeis. Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro.

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Charadas Charadas é um jogo relativamente famoso em alguns lugares. Pode ser jogado de forma sentação de um tema por um indivíduo ou por um grupo. jogo. Eles

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2009 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (09/11), você deverá responder às questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ AMAI-VOS Domingo passado, ao celebrar o tema da misericórdia, tive a oportunidade de estar com milhares de pessoas tanto na Catedral Metropolitana como no anúncio e instalação do Santuário da Misericórdia,

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS PRISCILA NUNES FRANÇA DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO), CARLA TATIANA MUNIZ SOUTO MAIOR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO).

Leia mais

Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz nº 2.060, de 04/06/2002, em Anguera/BA (terça-feira)

Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz nº 2.060, de 04/06/2002, em Anguera/BA (terça-feira) Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz nº 2.060, de 04/06/2002, em Anguera/BA (terça-feira) Queridos filhos, afastai-vos de todo mal e voltai-vos ao Senhor que vos espera com alegria. Limpai vossos corações

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas MIGUEL GONÇALVES MENDES José e Pilar Conversas inéditas Copyright 2011 by Quetzal Editores e Miguel Gonçalves Mendes Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL R. Homem de Melo, 80 Cambeba, Fortaleza - CE CEP: 60.841-605 Saudações de paz e Bem irmãos e irmãs da Juventude Franciscana do Brasil. Espero por meio

Leia mais

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA Alícia Flores Jardim Dedicatórias Dedico este trabalho a meu pai que morreu em janeiro de 2013, após um câncer de próstata descoberto tardiamente. Ao meu marido

Leia mais

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos.

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos. Músicas para Páscoa AO PARTIRMOS O PÃO E C#m #m B7 E7 A C#M Refr.: Ao partirmos o pão reconhecemos/ Jesus Cristo por nós ressuscitado./ Sua paz B7 E A B7 E recebemos e levamos,/ Ao nosso irmão que está

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

David Livingstone. O Apostolo da Africa. 2a Parte. Dover, Inglaterra, 1840. Deus o abençoe, David! Boa viagem! Estaremos orando por você.

David Livingstone. O Apostolo da Africa. 2a Parte. Dover, Inglaterra, 1840. Deus o abençoe, David! Boa viagem! Estaremos orando por você. David Livingstone O Apostolo da Africa 2a Parte Dover, Inglaterra, 1840. Deus o abençoe, David! Boa viagem! Estaremos orando por você. Cuidado com os canibais, caçadores de cabeças e outros perigos. Agradeço

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Concurso Literário do Ensino Fundamental II

Concurso Literário do Ensino Fundamental II Concurso Literário do Ensino Fundamental II Apresentação Inúmeros poetas escreveram e escrevem sobre o amor. Trata-se de um tema inesgotável que foi eternizado em poemas felizes, tristes, esperançosos

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

Mario Quintana Tradutor

Mario Quintana Tradutor Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Mario Quintana Tradutor (em homenagem ao poeta, no ano do centenário de seu nascimento) Gabriel Perissé Mestre em Literatura

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

A criatividade a serviço do saber

A criatividade a serviço do saber A criatividade a serviço do saber Walmir Gomes A escola é o espaço responsável pelo desenvolvimento do homem como sujeito de sua história, ela deve prepará-lo para uma socialização com o meio, no entanto

Leia mais

Política com ética. É possível?

Política com ética. É possível? Política com ética. É possível? Adelto Gonçalves UNIP Doutor em Literatura Portuguesa USP E-mail: marilizadelto@uol.com.br Fone: (13)3591-8096 Data de recepção: 05/03/2012 Data de aprovação: 29/05/2012

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Oração ao finalizar o Ano 2015

Oração ao finalizar o Ano 2015 Oração ao finalizar o Ano 2015 QUE SEU AMOR SE EXTENDA POR TODA A TERRA Reunimos em oração no último dia do Ano para dar graças a Deus por tantos dons recebidos pessoalmente, na família, na comunidade,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Uma vanguarda centenária

Uma vanguarda centenária Entrevista Uma vanguarda centenária George Popescu Revista Brasileira Como o senhor interpreta o quadro atual da literatura romena? George Popescu Depois da queda do regime autoritário de Ceauşescu, a

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO A pessoa de Maria foi desde os primeiros séculos do cristianismo uma grade fonte de inspiração para o povo cristão. De fato nas catacumbas de Roma, onde os cristãos

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

O Princípio do Foco. Texto Base

O Princípio do Foco. Texto Base O Princípio do Foco Texto Base Há uma lei universal invariável determinando que todas as coisas fluem para a direção da sua atenção. Ou seja: onde estiver seu foco, estarão ali, sua energia, sua fé, sua

Leia mais

Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva

Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva Youth and reading: a new perspective PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Tradução Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2008.

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

O Segredo por revelar Uma certeza moral

O Segredo por revelar Uma certeza moral Apresentação oficial em Roma de O Segredo por revelar Introdução pelo Dr. Alessandro Fuligni: Desde a publicação da visão do Terceiro Segredo em 2000, que fomos testemunhas de uma grande quantidade de

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

EXPLICAÇÃO DE UM SILÊNCIO

EXPLICAÇÃO DE UM SILÊNCIO Milton Rezende Milton Rezende nasceu em Ervália (MG), em setembro de 1962. Escreve em prosa e poesia. Obras publicadas: O Acaso das Manhãs (Edicon, 1986), Areia (À Fragmentação da Pedra) (Scortecci, 1989),

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar

Leia mais

Língua Portuguesa RESOLUÇÃO

Língua Portuguesa RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO/2009 CADERNO 2 Respostas da 2. a Fase Língua Portuguesa RESOLUÇÃO FGVS-2.ªFase/2.ºCad-Língua Portuguesa-Resolução-manhã 2 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto para responder às questões de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A MINAS GERAIS Palácio da

Leia mais