JOGO NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA DO PROJETO MENTEINOVADORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOGO NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA DO PROJETO MENTEINOVADORA"

Transcrição

1 JOGO NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA DO PROJETO MENTEINOVADORA Resumo SANTOS, Marisilvia dos 1 - PUCPR MATOS, Elizete Lucia Moreira 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Com o olhar voltado para a educação básica, o presente estudo aborda a experiência e o desenvolvimento das fases da metodologia do Projeto MenteInovadora de uma escola de classe média na cidade de Curitiba-PR Brasil. O Projeto MenteInovadora está em desenvolvimento em mais de trinta e cinco países. No Brasil iniciou no ano de 2006 em escolas da rede municipal e particulares. Atualmente tornou-se programa e atende escolas municipais, particulares e estaduais. A Mindlab é a empresa responsável pelo programa no Brasil. A proposta do Programa MenteInovadora visa conectar-se com a proposição do paradigma da complexidade, trabalhando jogos de raciocínio como recurso didático. A metodologia de ensino por projeto foi incorporada no Brasil por volta dos anos trinta pela abordagem da Escola Nova. Este estudo busca conhecer as fases de desenvolvimento dessa metodologia, as abordagens que influenciam a prática pedagógica do professor na educação básica, permeado pela concepção de um projeto com enfoque complexo e globalizador. Envolve os professores e alunos que atuam no Ensino Fundamental Anos Iniciais, de primeiro ao quinto ano. Tem como objetivo conhecer e caracterizar cada fase da metodologia do Projeto MenteInovadora. A partir da leitura de Behrens (2008) e Boutinet (2001), definiu-se como problema de pesquisa: Quais as fases do Projeto MenteInovadora e como são desenvolvidas na prática pedagógica dos professores dos Anos Iniciais? Numa abordagem qualitativa de pesquisa, vem utilizando como instrumento de pesquisa a observação e aplicação de questionário. A pesquisa encontra-se em andamento, todavia os resultados apontam como uma proposta metodológica positiva para aquela escola. Palavras-chave: Educação. Paradigma da complexidade. Metodologia de projetos. MenteInovadora. 1 Doutoranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Estatutária da Secretaria da Educação e Cultura do estado do Tocantins. 2 Doutora em Engenharia da Produção. Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

2 16105 Introdução As práticas pedagógicas tradicionais têm revelado pouco eficientes para auxiliar o aluno a aprender a pensar, refletir e criar com autonomia soluções para os problemas que enfrentam na atualidade. Os alunos adquirem saberes mas não estão preparados para aplicar seus conhecimentos em situações do dia a dia. O trabalho com projetos é uma proposta de educação voltada para a formação de competências, que propõe que a aprendizagem não se torne passiva, verbal e teórica, mas que tenha a participação ativa dos alunos. (BEHRENS, 2008). Atualmente, existe uma tendência das instituições de ensino em trabalhar com metodologias de projetos, embasando-se na Lei 9394/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, que estabelece nos seus capítulos iniciais, a importância da convivência humana, dos vínculos da educação com as práticas sociais (dos estudantes, prioritariamente), do pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, da liberdade de aprender, de ensinar, de divulgar a cultura e a valorização da experiência extra escolar. (PROJETO MENTEINOVADORA, p.7). Nesse contexto surge o Projeto MenteInovadora da Mindlab Brasil. O Projeto MenteInovadora tem suas origens no Mindlab Group, criado em 1994 em Israel. O Projeto MenteInovadora propõe: Uma metodologia baseada em jogos de raciocínio, que visam tanto a problematização quanto à proposição de outras práticas pedagógicas. A metodologia visa o desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas por meio de jogos de raciocínio, com ênfase na aprendizagem com significado e no papel do professor mediador. A metodologia coloca o jogo de raciocínio num lugar privilegiado do currículo escolar. (PROJETO MENTEINOVADORA, p.5-6). Sabe-se que a escola possui um papel social importante através da construção do conhecimento científico em diversas áreas de formação. O discente necessita correlacionar a teoria e a prática, adquirir autonomia nas suas ideias para resolver problemas com competência, atendendo às necessidades da sociedade e, além disso, que sua formação contemple os aspectos de formação humana. Para isso faz-se necessário que o processo ensino-aprendizagem considere estas perspectivas superando a fragmentação do conhecimento e atentando para as novas possibilidades de construção do conhecimento.

3 16106 Desse modo, este estudo torna-se relevante, pois busca conhecer a metodologia do Projeto MenteInovadora, bem como caracterizar as fases do seu desenvolvimento no Ensino Fundamental Anos Iniciais de um colégio de classe média da região sul do país. Problematização As propostas metodológicas contemporâneas indicam que educar significa preparar o indivíduo para responder às necessidades pessoais e aos anseios de uma sociedade em constante transformação, aceitando desafios propostos pelo surgimento de novas tecnologias, dialogando com um mundo novo e dinâmico, numa sociedade mais instruída, capacitada, gerando espaços educacionais autônomos, criativos, solidários e participativos, condições fundamentais para se viver nesse novo milênio. Apesar disso, em nossas escolas ainda vigora uma metodologia tradicional. De acordo com Behrens (2010, p.41) a abordagem tradicional é assim caracterizada: A escola é reprodutora dos modelos e apresenta-se como o único local em que se tem acesso ao saber. o professor tradicional apresenta o conteúdo como pronto e acabado.[...] O aluno caracteriza-se como um ser receptivo e passivo.[...] A metodologia caracteriza-se enfaticamente pelas aulas expositivas. [...] A avaliação busca respostas prontas e não possibilita a formulação de perguntas. Seu grande problema é o risco da não aprendizagem, já que não há interação entre o sujeito e o objeto de conhecimento, o que torna essa metodologia pouco adequada à formação dos estudantes para a vida. Atualmente propostas metodológicas desafiadoras para a prática pedagógica vem sendo inseridas no contexto escolar e são visualizadas dentro de um paradigma inovador. A metodologia MenteInovadora é um exemplo desse desafio, uma vez que propõe um ensinoaprendizagem com situações problematizadoras. Com o objetivo de caracterizar as fases de desenvolvimento da metodologia do Projeto MenteInovadora em um colégio particular de grande porte, definiu-se o seguinte problema de pesquisa: Quais as fases do Projeto MenteInovadora e como são desenvolvidas na prática pedagógica dos professores dos Anos Iniciais?

4 16107 Metodologia de Projetos A aliança entre as abordagens do paradigma inovador era chamada no século XX, de Paradigma Emergente. Entretanto, Capra (2002) agrega-se ao pensamento de Morin (2000) e passa a chamá-lo de paradigma da complexidade (BEHRENS, 2008). Para Morin (2000) o paradigma da complexidade evidencia a necessidade de profundas transformações sociais para atender a nova sociedade do conhecimento, renunciando a visão reducionista do mundo. Assim, o papel da educação será modificar o sujeito na sua prática, através de sua atuação. Na educação, a complexidade visa a ampliação do saber e as interconexões da aprendizagem para a vida, portanto, o professor ao tomar o novo paradigma na ação docente necessita reconhecer que a complexidade não é apenas um ato intelectual, mas também o desenvolvimento de novas ações individuais e coletivas que permitam desafiar os preconceitos, que lacem novas atitudes para encarar a vida, que gerem situações de enfrentamento dos medos e das conquistas (BEHRENS, 2008, p.21). A partir dessa atuação docente, o papel da escola e das universidades para atender a visão complexa necessita levar à transformação da sociedade, focando uma postura sóciocrítica e visualizando o aluno como um ser global (BEHRENS, 2008), que precisa conquistar uma melhor qualidade de vida, aplicar a tecnologia dentro e fora da escola, além de ser crítico, autônomo e criativo, e saber solucionar problemas e ser capaz de questionar e transformar a sociedade. Nessa proposição é que surge a metodologia de projetos, designando ideia, intenção, planejamento, finalidade e programa. Segundo Berhens (2008, p.33), a palavra projeto, aliada ao termo previsão, tem o sentido de empreendimento a ser realizado, provocando uma visão de antecipação de futuro. Para Boutinet o projeto é solidário de uma lógica da ação da qual ele, de algum modo, constitui o primeiro tempo, o momento antecipador e organizador. No processo pedagógico projeto significa proposição de uma prática pedagógica crítica, reflexiva e problematizadora. (Berhens, 2008, p. 33). Isso significa que a finalidade do projeto é circunscrever a visão do todo envolvendo o processo de investigação decorrente da problematização. Sua função é canalizar energias para investigar possíveis respostas para um determinado problema que não está isolado em uma única visão e nem em uma única disciplina. Para Berhens (ibidem, p. 43) a metodologia de projetos indica um procedimento para lidar com o conhecimento, superando a perspectiva de acumulação e memorização de

5 16108 informações. Enfoca-se a aprendizagem significativa e o conhecimento em constante transformação. A aprendizagem significativa se caracteriza pela interação entre os novos conhecimentos e aqueles especificamente relevantes já existentes na estrutura cognitiva do indivíduo que aprende, os quais constituem, segundo Ausubel e Novak (1980), o mais importante fator para a transformação dos significados lógicos, potencialmente significativos, dos materiais de aprendizagem em significados psicológicos. O outro fator de extrema relevância para a aprendizagem significativa é a predisposição para aprender, o esforço deliberado, cognitivo e afetivo, para relacionar de maneira não arbitrária e não literal os novos conhecimentos à estrutura cognitiva. Fica claro, portanto, que três conceitos estão envolvidos na aprendizagem significativa: significado, interação e conhecimento. Outro fator imprescindível é a questão do professor mediador, que segundo Souza (2004) foi proposta por Feurestein seguindo critérios universais que estão presentes na interação docente-discente: intencionalidade, reciprocidade, transcendência e significado. A mediação pedagógica pode ser apresentada como uma forma capaz de dar apoio a uma aprendizagem efetiva. Assim, Mediar significa, portanto, possibilitar e potencializar a construção do conhecimento pelo mediado. Significa estar consciente de que não se transmite conhecimento. É estar intencionalmente entre o objeto de conhecimento e o aluno de forma a modificar, alterar, organizar, enfatizar, transformar os estímulos provenientes desse objeto a fim de que o mediado construa sua própria aprendizagem, que o mediado aprenda por si só. (MEIER e GARCIA, 2007, p. 72). Dessa forma, a concepção da mediação como possibilitadora da construção pessoal do conhecimento, traz consigo algumas mudanças na ação do professor, por isso a importância do professor mediador na metodologia de projetos. Segundo Behrens (2008, p.42-50) a metodologia de projetos trabalha a contextualização, a problematização, as possibilidades de realizar atividades individuais e coletivas, envolvendo as múltiplas Inteligências (intelectuais, artísticas, estéticas ou sociais). O trabalho com a metodologia de projetos é baseado na problematização. O aluno deve ser envolvido no problema, investigar, registrar dados, tomar decisões, resolver o problema, tornando-se sujeito do seu próprio conhecimento. O professor deixa de ser o único responsável pela aprendizagem do aluno e torna-se um pesquisador, o orientador do interesse dos seus alunos.

6 16109 Projeto MenteInovadora O Projeto MenteInovadora tem suas origens no Mindlab Group, criado em 1994 em Israel. Durante a primeira década de atividades vários países, por todo o mundo, passaram a aplicar a metodologia. Os resultados beneficiaram escolas, centros comunitários, educadores, crianças e famílias. Desses países incluíram: Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, Itália, Hungria, Turquia, Hong Kong, China, Japão e outros. No Brasil, o projeto iniciou-se em 2006 e está presente em escolas particulares e públicas. (PROJETO MENTEINOVADORA, p.5). No Brasil o projeto é direcionado pelo Mindlab Brasil. A equipe Mindlab Brasil realiza encontros de capacitação e formação continuada, workshops para professores em escolas e centros pedagógicos envolvidos na proposta. Desenvolve programas para Educação Infantil, Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais e Ensino Médio. Metodologia do Projeto MenteInovadora É uma proposta curricular pedagógica para o desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas por meio de jogos de raciocínio, com ênfase na aprendizagem com significado e no papel do professor mediador. (PROJETO PEDAGÓGICO, 2005, p.8). A metodologia do Projeto MenteInovadora trabalha o jogo como recurso didático, possibilitando ao aluno viver experiências que representam os desafios da realidade, trabalhando as disciplinas interdisciplinarmente. Os objetivos da metodologia são: desenvolvimento da consciência, desenvolvimento da habilidade de raciocínio, fortalecimento de habilidades sociais e transferência interdisciplinar. (PROJETO MENTEINOVADORA, S/D, p. 9). Propaga a contextualização, problematização e discussão individual e coletiva. A contextualização é feita por meio de uma atividade curta, textos ou uma história. O MenteInovadora está alicerçado em três pilares: jogos de raciocínio, professor mediador e métodos metacognitivos. Os métodos metacognitivos são caminhos, recursos organizadores e mobilizadores do pensar e do posicionar-se diante de uma situação-problema que contribuem no desenvolvimento de atitudes e tomada de decisões. (PROJETO PEDAGÓGICO, 2005, p. 39). São dez métodos metacognitivos: semáforo, detetive, espelho, árvore do pensamento, aves migratórias, tentativa e erro, filmadora, escada, filtro e pintor. (PROJETO PEDAGÓGICO, 2005, p. 39).

7 16110 A metodologia do Projeto MenteInovadora está estruturada por eixos, que são construções conceituais das quais é possível gerar, selecionar e organizar conteúdos e saberes e também as práticas que possibilitam a aprendizagem e mobilização. Os eixos estruturantes são: tomada de decisões, conhecimento de si, planejamento e gerenciamento de recursos, resolução de problemas e cooperação. A ênfase é a transcendência do irreal para o real. (PROJETO PEDAGÓGICO, 2005). O projeto apresenta-se em quatro dimensões: contextual, conceitual, operacional, avaliativa e o processo de supervisão, como segue: Dimensão contextual implica considerar três aspectos: aprender um jogo de raciocínio; aprender os métodos de raciocínio relacionados; aplicá-los na vida real. (PROJETO PEDAGÓGICO, 2005, p. 11). O processo propõe estabelecer conexões entre estes aspectos por meio de uma construção mediada, considerando-se o aprendiz, as habilidades do entorno do jogo e o professor mediador. Tem início com as crianças jogando e termina com ganho de habilidades em situações do cotidiano. Dimensão conceitual enfoca o processo ensino-aprendizagem: ensinar, aprender, conhecer. O ensinar na perspectiva interacionista pode ser pensada como mediação, como a constituição de zonas de desenvolvimento proximal e as intervenções que nelas se dão. (ibidem, p. 29). Envolve os sujeitos da educação, o currículo e a escola. A Dimensão operacional do MenteInovadora propõe um currículo organizado em anos e faixa etária e é constituído por passos, módulos, habilidades e objetivos e recursos didáticos. Passos: passo inicial 4 a 6 anos (Educação Infantil e 1º ano); passo 1 6 a 8 anos (1º, 2º e 3º anos); passo 2: 9 a 11 anos ( 4º, 5º e 6º anos); passo 3 11 a 13 anos (6º, 7º, 8º anos); passo 4 14 a 17 anos (9º ano e 1º Ensino Médio). (ibidem, p ). Os objetivos e os recursos trabalhados obedecem a faixa etária e ao ano correspondente. Dimensão avaliativa e o processo de supervisão propaga um salto qualitativo significativo que é a transposição de uma avaliação entendida como medida, como mediação e verificação da quantidade de aprendizagem; ou seja, A avaliação atua diretamente no universo da formação de professores, na qualificação de professores e também na formação e qualificação do próprio aluno ao colocá-lo diante da avaliação de suas próprias e variadas aprendizagens (incluindo aqui os erros, aquilo que muitas vezes é significado como não aprendizagem e que, na verdade, expressa o universo de conhecimento do aluno), da observação do autoconhecimento, uma vez que todo conhecimento é autoconhecimento. (PROJETO PEDAGÓGICO, 2005, p. 79).

8 16111 Portanto, a avaliação atua no âmbito da escola, do projeto pedagógico, do processo ensino-aprendizagem. O uso social que se faz da avaliação envolve professores, alunos, família e jogo. A metodologia é fundamentada pelos seguintes teóricos: Feurstein com a teoria da aprendizagem mediada; Piaget com a interação; Gardner com as Inteligências múltiplas; Vygotski cultura e linguagem; Freire reconstrução crítica do saber; Ausubel aprendizagem significativa; Morin pensamento complexo; Zabala sequência didática. Todo estabelecimento de ensino, inserido nesse estudo, ao iniciar o projeto passa por uma formação inicial de 20 horas, da qual todos os integrantes da unidade de ensino participam. Os alunos ganham um kit contendo o livro do aluno e um jogo. O professor recebe o livro do professor e também um jogo do kit do aluno. Durante o semestre, uma vez por mês, os professores recebem a visita dos supervisores da Mindlab Brasil para ensinar os jogos, acompanhar e tirar dúvidas dos professores. Esse acompanhamento é feito por segmentos, ou seja, educação infantil e primeiro ano, segundo ano, terceiro ano, quarto e quinto anos. O Projeto MenteInovadora no Colégio O Colégio de classe média de grande porte integra a rede nacional de escolas conveniadas e situa-se em Curitiba-PR. Abarcou o Projeto MenteInovadora como estudo, no início do ano de O Colégio trabalha com a Educação Infantil, Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais e Ensino Médio. A metodologia do MenteInovadora é aplicada da Educação Infantil ao nono ano do Ensino Fundamental. Na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental os aplicadores da metodologia são os professores regentes. Os Anos Finais do Ensino Fundamental tem apenas um aplicador, que desenvolve a metodologia uma vez por semana em cada segmento. Fases do desenvolvimento da metodologia Segundo Behrens (2008, p. 59) a intenção de expor as fases de um projeto pode parecer um esquema fechado para ser seguido, todavia, as sugestões das etapas visam criar possibilidades metodológicas que venham atender a uma visão globalizada do ensinar e do

9 16112 aprender. Após observar a aplicação da metodologia com os alunos do primeiro ano do Ensino Fundamental, procurou-se descrever as fases da metodologia. Fase 1: apresentação e discussão do projeto Apresentação da metodologia do Projeto MenteInovadora às crianças. O projeto é trabalhado, interdisciplinarmente, por meio de jogos. Apresentação do jogo Sapinhos, do kit do aluno. Os alunos são envolvidos na discussão. Após, os alunos fazem desenhos dos métodos metacognitivos e afixam nos murais da sala. São orientados a confeccionar um portfólio com as atividades desenvolvidas. Fase 2: problematização Temática do estudo: Sapinhos. Pergunta geradora: Que são anfíbios? Conteúdos trabalhados com os alunos: anfíbio, plantas aquáticas, cores, geometria (quadrado), linhas (horizonta, vertical e diagonal). Fase 3: contextualização Segundo Berhens (2008, p.63) essa fase objetiva localizar historicamente a temática. Foi dividida em subfases: a) hora da história: foi contada a história O rei dos jogos e os sapinhos (HABILIDADES DE PENSAMENTO LÓGICO, 2005, p. 35). Após a narração da história realizou-se uma discussão, com as seguintes questões: *alguém já viu um sapo de verdade? Descreva: sua cor, tamanho, o que come, onde mora e como se locomove. A professora completava as informações que as crianças não sabiam. *Perguntou-se: O que é um pântano? * Apresentou-se o Sapo Rei (um sapo de pelúcia) para o grupo. *Convidou um aluno para mostra como o sapo rei pula, fazendo estes movimentos: fique em pé com seus pés juntos, agache-se, mantenha os braços retos à frente e pule. * Seguindo a demonstração, peça ao sapo rei que pule sobre os sapos, de folha em folha. Os sapos (alunos figurantes) que já haviam pulado saiam de suas folhas. b) Explorando o jogo A professora apresentou o tabuleiro gigante do jogo Sapinhos e disse às crianças que aquele era o pântano onde os sapos sentavam-se nas folhas. *Perguntou: Como podemos organizar as folhas no tabuleiro? Elas tem algum lugar especial no tabuleiro?

10 16113 *Explicou que as folhas poderiam ser colocadas de qualquer jeito, mas deveriam estar organizadas em linhas, colunas e diagonais. *Solicitou aos alunos que montasse, com as folhas, linhas, colunas e cantos (vertical, horizontal e diagonal). *Solicitou que as crianças pulassem em cima das folhas. * Explicou que no jogo Sapinhos utiliza-se este movimento: o sapo salta sobre um sapo vizinho, caindo na folha seguinte, que deveria estar vazia. FIGURA 1 TABULEIRO GIGANTE DO JOGO SAPINHOS Fonte: Disponível em: Acesso em 20 abr Fase 4: aulas teóricas exploratórias Retomada do tema Sapinhos. Apresentação de vídeo: anfíbios. Os conteúdos propostos são introduzidos ao longo do diálogo com o grupo. Após, apresenta-se as regras do jogo. O jogo é composto por um tabuleiro, sapinhos e cartas desafios. Os sapinhos deverão ser disponibilizados no tabuleiro conforme indicação da carta desafio. Objetivo do jogo: Fazer com que reste apenas um sapo no pântano. Regras do jogo: 1- Um sapo pode movimentar-se apenas saltando sobre outro sapo vizinho, aterrissando na próxima folha vazia. 2- O sapo que foi pulado precisa sair do pântano (tabuleiro). Jogando e estudando estratégias: junto com as crianças, foi resolvido a carta desafio número 1. Perguntou-se às crianças como os sapos poderiam saltar. Realizou-se os diferentes movimentos que as crianças propuseram, identificando e diferenciando quais seriam os movimentos permitidos e quais não seriam permitidos. Mostrou que só há movimentos possíveis numa posição. Os alunos jogaram para conhecer as regras do jogo.

11 16114 FIGURA 2 TABULEIRO DO JOGO SAPINHOS Fonte: Fonte: Disponível em: 2.html. Acesso em 20 abr Fase 5: pesquisa individual Nesta fase é solicitado aos alunos que façam uma pesquisa sobre os conteúdos abordados no tema Sapinhos. É indicado os meios para esse procedimento, tais como: internet, referências bibliográficas e laboratórios especializados. Fase 6: produção individual Os alunos apresentam os conteúdos e informações que conseguiram coletar. Utilizando o livro do aluno faz sua produção individual sobre o pesquisado e suas considerações sobre o jogo Sapinhos. Recortam informações de jornais e revistas. Produzem desenhos. Fase 7: discussão coletiva Os alunos retomam o jogo. Num determinado momento o professor interrompe o jogo e, tendo o jogo Sapinhos como parâmetro, discute a temática em epígrafe promovendo uma reflexão crítica sobre o assunto. Na sequência o professor discute os métodos metacognitivos (semáforo, detetive, aves migratórias e tentativa e erro) utilizados para resolver os desafios propostos no jogo. Faz-se uma transcendência das situações problemas vivenciadas no jogo articulando com a vida real, enfocando os eixos estruturantes da metodologia. Os alunos voltam a jogar procurando aplicar os métodos. Fase 8: produção coletiva Os alunos se reúnem, num número máximo de 4 componentes, para produzir um paper coletivo sobre a temática Sapinhos. As produções individuais favorecem a produção coletiva.

12 16115 Fase 9: produção final O trabalho final resulta num livro, onde o aluno compartilha os conhecimentos produzidos com toda a comunidade escolar. Os textos coletivos e individuais serão publicados no blog do colégio. Fase 10: avaliação A avaliação é feita durante o processo, sob forma de portfólio. Segundo Behrens (2008, p.103) essa forma de avaliar dentro do trabalho por projetos pode ser significativa, pois o seu modo de montar é tanto um modo de ensinar quanto um modo de avaliar. Boutinet (2001, p. 257) enfatiza que as produções individuais e coletivas permeiam os projetos pessoais e organizacionais, podendo coexistir graças à prática da negociação. Processo Metodológico Esta investigação constitui-se em um estudo qualitativo de pesquisa. Segundo Bogdan e Biklen (1994) este tipo de pesquisa considera o ambiente natural como fonte direta de dados e o pesquisador como seu principal instrumento. A investigação está sendo desenvolvida em um colégio particular de grande porte em Curitiba/PR Brasil. Os participantes deste estudo são os professores e alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. A primeira fase da pesquisa consistiu em conhecer a metodologia do Projeto MenteInovadora, bem como desenvolvimento das suas fases. Realizou-se observação em sala de aula da aplicação da metodologia. Segundo Lankshear e Knobel (2008, p. 153) os dados observados são peças de informação coletadas por meio da observação sistemática de pessoas vivendo seu cotidiano ou de eventos. Os dados observados incluem: relatos de experiência com os jogos, registros de discussões, aplicação da metodologia. Para a segunda fase da pesquisa será aplicado um questionário para os professores dos Anos Iniciais e alunos do quarto e quinto anos. O questionário, segundo Silva e Menezes (2001) é um instrumento de pesquisa que envolve o processo de traduzir opiniões e informações em números, de modo a ser possível classificá-las e analisá-las.

13 16116 Considerações Circunstanciais O trabalho com projetos quer mais do que romper com as velhas aulas expositivas, lineares, unidirecionais, pouco interativas e nada estimulante: propõe um envolvimento de alunos e professores para a produção do conhecimento. Muda o foco da sala de aula do professor para o aluno, da informação para o conhecimento, da memorização para a aprendizagem. Equilibra teoria e prática, divide responsabilidades e tarefas, comunica resultados, discute processos avaliativos. O caminho percorrido até aqui, revelou que a metodologia MenteInovadora naquele colégio compõe-se de dez fases: apresentação e discussão do projeto; problematização, contextualização, aulas teóricas exploratórias, pesquisa individual, produção individual, discussão coletiva, produção coletiva, produção final e avaliação por meio de portfólio. Proporcionou entender que a metodologia de projetos se bem planejada e executada, favorece o desenvolvimento da capacidade de decidir, escolher, falar e escutar. Propicia aos estudantes a alegria em aprender, em descobrir, e a necessidade de construir e pesquisar, desenvolvendo habilidades essenciais para a formação integral do ser humano. O jogo, como recurso didático, possibilita desenvolver a afetividade que potencializa o ensino-aprendizagem. Resgata o componente lúdico que há no trabalho com projetos e que propicia um ensino voltado para a ação, a pesquisa, a vivência de experiências irreais que são transportadas para a vida real. A experiência vivenciada por meio do processo avaliativo permitiu a constatação de algumas características do portfólio como atividade avaliativa: participação ativa dos alunos, possibilidades de fazer escolhas e tomar decisões, avaliação do progresso individual mediante as amostras dos trabalhos, reflexão dos alunos sobre sua aprendizagem, autonomia e a autoavaliação. REFERÊNCIAS AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J.D. H; (1980). Psicologia educacional. Tradução para o Português, Eva Nick et AL, da segunda edição Educational Psychology: a cognitive view. Rio de Janeiro: Inter americana. BEHRENS, Marilda Aparecida. O paradigma da complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portifólios. 2ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

14 16117 BEHRENS, Marilda Aparecida. O Paradigma emergente e a prática pedagógica. 4ed. Petrópolis,RJ:Vozes, BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução a teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, BOUTINET, Jean-Pierre. O projeto entre teoria e prática (p ). In: BOUTINET, Jean- Pierre. Antropologia do projeto. Porto Alegre: Artmed, CAPRA, Fritoj. O ponto de mutação. 23ª ed. São Paulo: Cultrix, 2002 HABILIDADES DE PENSAMENTO LÓGICO. Mindlab Brasil, LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Porto Alegre: Artmed, MEIER, Marcos; GARCIA, Sandra. Mediação da aprendizagem: contribuições de Feurstein e de Vygotsky. Curitiba: Edição do autor, MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, PROJETO MENTEINOVADORA. Mindlab Brasil. S/D. PROJETO PEDAGÓGICO. Mindlab Brasil, JOGO SAPINHOS. Disponível em: Acesso em: 20 abr SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. Ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da Universidade Federal de Santa Catarina, SOUZA, Ana M, Martins; DESPRESBITERIS, Lea; MACHADO, Osny Telles Marcondes. A mediação como princípio educacional: bases teóricas das abordagens de Reuven Feurestein. São Paulo: SENAC, 2004.

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas 1 Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO

A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO Kátia Maria Biesek Marilda Aparecida Behrens RESUMO Esta pesquisa teve como foco a investigação sobre

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA GUARUJÁ 2013 PROJETO INTERDISCIPLINAR/PEDAGOGIA 1 OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Levando-se em consideração que: 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (n

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais O SENAI estimula e aperfeiçoa as tecnologias educacionais para suprir as necessidades

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Como desenvolver projetos

Como desenvolver projetos 1 Coletânea de Projetos Educação de Jovens e Adultos Como desenvolver projetos No 1º semestre de 2007, os calendários da Educação de Jovens e Adultos - Ensino Fundamental e Ensino Médio passaram a contemplar

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO COMO ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO EFICAZ

PROJETOS DE ENSINO COMO ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO EFICAZ PROJETOS DE ENSINO COMO ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO EFICAZ DE PROJETOS DE TRABALHO; UMA EXPERIÊNCIA EM MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL NO SESI-BH. Amanda dos Santos Rêda de Souza SESI Emília Massanti

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais