A FICÇÃO DETETIVESCA DE POE NA AMÉRICA LATINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FICÇÃO DETETIVESCA DE POE NA AMÉRICA LATINA"

Transcrição

1 155 A FICÇÃO DETETIVESCA DE POE NA AMÉRICA LATINA Kelvin Falcão Klein Resumo: Este ensaio percorre a recorrência das lições de Poe sobre o gênero detetivesco em fragmentos de obras de escritores latino-americanos (Borges, Cortázar, Bolaño, Walsh e Piglia), expondo a possibilidade de se pensar o detetive como personagem histórica e ficcional, espelhada na figura do crítico literário, o que desemboca em uma leitura do enigma como interpretação das margens do sentido. Palavras-chave: intertextualidade América Latina literatura contemporânea Abstract: This paper examines the recurrence of Poe s lessons on the detective genre in fragments of fictional works by Latin American writers (Borges, Cortázar, Bolaño, Walsh, and Piglia) setting out the possibility of thinking the detective as a historical and fictional character, reflected in the figure of the literary critic, which leads to a reading of the enigma as interpretation of the meaning of the margins. Keywords: intertextuality Latin America contemporary literature Em uma das colunas que publicou no jornal Diari de Girona, Roberto Bolaño conta a história da visita que fez à tumba de Jorge Luis Borges, em um cemitério de Genebra. Encontrou a lápide sem dificuldades. Depois de um tempo examinando as inscrições na pedra, vê um corvo pousado na grama, a poucos passos de onde ele está. O cemitério está cheio de corvos, escreve Bolaño, enormes corvos negros que sobem nas lápides ou nos galhos das velhas árvores. 1 Bolaño sente que o lugar que reteve o corpo de Borges está permanentemente configurado como um poema de Poe de uma maneira que atravessa temporalidade, como na ficção de Poe, e que atravessa também certas camadas do natural, do sobrenatural e do fantástico, como na ficção de Poe. Borges afirma, em um ensaio sobre G. K. Chesterton, acrescentado ao volume Otras inquisiciones, que Poe criou dois mundos que nunca se misturaram: aquele que dizia respeito aos contos de puro horror fantástico e o mundo do conto policial. 2 Como faz Alberto Manguel acerca de Sherlock Holmes, é possível afirmar que Dupin não acredita em fantasmas. 3 Um rastro de dúvida, porém, parece insinuar-se no início do conto Os assassinatos da rua Morgue, de Poe, no momento em que o narrador e Dupin vão morar juntos: encontram uma mansão grotesca, abandonada por superstições que os novos habitantes não se preocuparam em averiguar, mas que permaneceram ali, como um pano de fundo, um ruído de irracionalidade e monstruosidade interferindo sub-repticiamente no esquema racional do detetive. Nisto surge a questão do duplo, muito presente em Poe, mas que nas apropriações latino-americanas torna-se oscilante, tanto no nível das combinações quanto no nível dos re- 1 BOLAÑO. Entre paréntesis, p BORGES. Otras inquisiciones, p MANGUEL. Os livros e os dias, p. 96. CONGRESSO INTERNACIONAL PARA SEMPRE POE 2009 Belo Horizonte

2 156 sultados, uma vez que Poe sobrevive de forma completamente distinta, por vezes antagônica, quando se passa de um autor ao outro. Em uma entrevista a Ernesto González Bermejo, Julio Cortázar afirma acreditar muito seriamente que Charles Baudelaire era o duplo de Edgar Allan Poe 4 e apresenta algumas provas: a correspondência temporal (viveram na mesma época), a tradução de Poe para o francês, realizada de uma forma intuitiva por Baudelaire, já que não era fluente no inglês e tampouco havia dicionários de modismos norte-americanos. Outro contato é o que Cortázar chama de uma coincidência psicológica acentuadíssima (o mesmo culto necrófilo, os mesmos problemas sexuais, a mesma atitude diante da vida, a mesma imensa qualidade poética), e, por fim, a aparência: basta tirar o bigode de Poe para se ter a imagem de Baudelaire. Cortázar termina afirmando que Poe e Baudelaire eram o mesmo escritor desdobrado em duas pessoas algo que Paul Valéry já havia notado quando escreveu: Baudelaire e Edgar Poe trocam valores. Um dá ao outro o que tem; e recebe o que não tem. 5 O Poe de Cortázar é completamente distinto do Poe de Borges o primeiro está para o sobrenatural da mesma forma que o segundo está para o cálculo. Contudo, também o Poe de Borges sofre suas oscilações. É conhecido o debate que ocorreu em 1942, nas páginas da revista Sur, entre Borges e Roger Caillois, sobre as origens do gênero policial ou detetivesco. Para Borges, o marco inicial era Poe. Para Caillois, que dedicou um livro ao assunto, a origem poderia ser deslocada para inúmeros outros pontos. Ricardo Piglia mostra que, para Borges, o detetive é a chave formal do relato policial 6 e Dupin asseguraria para Poe, portanto, o estabelecimento de um novo gênero. Além disso, é possível observar nessa postura de Borges uma exaltação do subalterno que ele já havia aplicado a figuras como Bartleby, Kafka, Bouvard e Pécuchet, Edward Fitzgerald e tantos outros (da mesma forma que Walter Benjamin havia feito com Robert Walser pouco tempo antes). Sua postura vai contra a diluição européia empreendida contra Poe, evidente na frase de Valéry: Baudelaire dá ao pensamento de Poe uma extensão infinita. Ele o propõe para o futuro. 7 Apropriação eurocêntrica que também aflige Caillois. Para Borges, Evaristo Carriego está para a gauchesca e para o tango como Poe está para o gênero policial, e Bustos Domecq é a junção dos dois. Ainda que Valéry diga o que diz para elogiar o esforço tradutório de Baudelaire, campo que Borges tinha em alta conta, este último parece perguntar-se: por que afrancesar Poe se posso compreendê-lo diretamente? Mais do que isso: Borges procura criar uma recepção adequada para seus próprios textos e, como de hábito, faz isso de maneira enviesada, como se falasse de A para exaltar B quer tornar conhecido o método ficcional de Poe para revertê-lo em benefício de sua própria poética, como mais tarde atesta a realização do conto A morte e a bússola. Mas a compreensão é sempre parcial, se tomarmos Poe como um escritor dos limites, cuja produção é necessariamente marginal, como quer Tzvetan Todorov, 8 que enfatiza a variedade de formas que Poe alcançou em seu ideal de construção meticulosa da ficção. 4 GONZÁLEZ BERMEJO. Conversas com Cortázar, p VALÉRY. Variedades, p PIGLIA. O último leitor, p VALÉRY. Variedades, p TODOROV. Os gêneros do discurso, p Anais... Belo Horizonte: UFMG, p

3 157 Isso faz com que cada apropriação latino-americana responda a leituras irrepetíveis, ainda que, no campo da ficção detetivesca, se possa distinguir duas facções: aqueles que marcam o início do gênero com Poe e aqueles que procuram por começos anteriores. Piglia e Borges estão no primeiro grupo. Rodolfo Walsh, como fica evidente em seu ensaio Dos mil quinientos años de literatura policial, representa o segundo grupo. Este ensaio de Walsh pode ser lido lado a lado com o ensaio de Carlo Ginzburg intitulado Sinais: raízes de um paradigma indiciário, presente no livro Mitos, emblemas, sinais. Walsh cita alguns precursores de Poe, como o profeta bíblico Daniel, o poeta romano Virgílio e o escritor francês Voltaire afirmando que a totalidade dos elementos essenciais da ficção policial estão dispersos na literatura de épocas anteriores. 9 Ginzburg une as figuras de Freud, Sherlock Holmes e Morelli para mostrar que o modelo semiótico de decifração de enigmas, sobre o qual se ergue a ficção detetivesca, acompanhou de forma velada toda história do pensamento ocidental. 10 Assim como Todorov afirma que Poe é um escritor atento aos limites, Ginzburg assinala que o enigma opera sempre na margem do sentido, devendo ser acionado por um olhar treinado. Dupin mostra diversas vezes, e também o faz, mais tarde, Sherlock Holmes, que a diferença dele para os policiais ordinários é somente uma questão de metodologia do olhar: Em investigações como estas em que estamos empenhados, não se deve perguntar tanto o que aconteceu, mas sim procurar saber se o que aconteceu jamais aconteceu antes. 11 Ricardo Piglia e Roberto Bolaño vão ampliar essa diferenciação entre o policial e o detetive, que em Poe pode ser vista apenas como uma questão de sagacidade versus obtusidade, expandindo esse embate como uma chave de leitura para os períodos repressivos latinoamericanos. Piglia afirma, em um debate realizado em Princeton e reunido no livro Crítica y ficción, que é preciso diferenciar o policial do detetive: o primeiro é uma figura institucionalizada, representa o Estado, é o Estado, existe para tornar o Estado visível, enquanto o detetive é uma figura inventada, um especialista da interpretação, um leitor das margens, um corpo estranho que oscila entre a lei e a verdade. 12 É neste ponto que Piglia aproxima o detetive do crítico literário, da mesma forma que aproxima o escritor do criminoso, como fará também em outros trabalhos. 13 Ou seja, o escritor é aquele que, em tese, violenta o senso comum, rompe as cadeias do estabelecido e segue em frente, acompanhado de perto pelo crítico, que vai em seu encalço, coletando os fragmentos deixados pelo caminho, montando possibilidades de leitura, conferindo sentidos cambiantes aos exercícios de linguagem e, com seus desdobramentos, faz o ciclo recomeçar, pois sua intervenção modifica aquilo que foi posto no início e que se transforma. Os detetives selvagens, romance de Roberto Bolaño publicado em 1997, torna os limites ainda mais indistintos. Arturo Belano e Ulises Lima, dois jovens latino-americanos, criam um movimento literário, o real-visceralismo, realizam oficinas de poesia, vendem maconha 9 WALSH. Cuento para tahúres y otros relatos policiales, p GINZBURG. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história, p POE. Histórias extraordinárias, p PIGLIA. Crítica y ficción, p PIGLIA. O último leitor, p CONGRESSO INTERNACIONAL PARA SEMPRE POE 2009 Belo Horizonte

4 158 nas ruas da Cidade do México, roubam livros nas livrarias e, por fim, fogem de carro pelo deserto de Sonora, na companhia de um poeta de dezessete anos (o narrador da parte inicial e da parte final do romance) e de uma prostituta, cujo cafetão os persegue. A fuga é um pretexto para colocar em prática a busca por uma poeta mexicana esquecida: Cesárea Tinajero, que publicou poemas visuais, à maneira de Nicanor Parra, anos antes. O romance cobre um período de vinte anos, e inúmeras vozes são postas em ação, instigadas por detetives não nomeados, que procuram por Arturo Belano e Ulises Lima. Nunca fica certo se os interrogadores são discípulos tardios, policiais ou criminosos procurando vingança. Nada nunca fica definido: Belano e Lima nunca tomam a palavra diretamente, as informações são conflitantes, Cesárea Tinajero não aparece, o real-visceralismo é disseminado à medida que seus componentes espalham-se pelo mundo. As possibilidades de leituras são tantas quanto mais vozes surgem na narrativa o único elemento certo é a literatura, que aparece com tal veemência e recorrência (todos são escritores, todos são leitores) que passamos a acreditar que ela é, de fato, o centro organizador de todo o universo. O detetive selvagem aparece como um leitor infatigável que se posiciona no centro da massa indistinta das grandes metrópoles, sem com isso deter-se, sem com isso deixar de ser portátil, deslizando seu olhar cada dia por um campo distinto. Ele busca a margem silenciosa (Cesárea Tinajero) ao mesmo tempo em que alimenta o discurso com seus fragmentos enigmáticos, fazendo com que os tempos retornem, dizendo coisas distintas a cada vez. É importante lembrar que a cronologia não é respeitada em Os detetives selvagens: certos depoimentos de 1976, por exemplo, são lidos ao lado daqueles de O crítico como um detetive é, portanto, uma figura que articula temporalidades, deixando suas lacunas expostas para melhor rearticulá-las. O detetive é uma forma impura, que muitas vezes não está nem ao lado do crime nem ao lado da lei, antes visitando a ambos, utilizando ferramentas dos dois lados ao sabor da ocasião produzindo, dessa forma, um híbrido de indecidibilidade que é complexificado a cada retomada. O caso de Rodolfo Walsh, por exemplo, re-configura todo o contexto detetivesco de Poe quando recebido na América Latina: torna-se um posicionamento ético e estético. Walsh, como escritor e como crítico, via no relato detetivesco uma possibilidade de diluir as verdades estabelecidas desde seu interior, trabalhando a univocidade ideológica, e a violência que daí decorre, de uma forma lúdica. Ao aliar a isso a atividade jornalística, colocava em prática um projeto de difusão do exercício de olhar a margem do sentido. O detetive, assim como o crítico, opera, em Walsh, visando a desautomatização do olhar, pois, com a emergência de seu discurso, quer desestabilizar a fixidez das crenças nacionais, dos julgamentos estéticos e dos ditames políticos. Essa postura de Walsh, que estava em sua ficção e em sua crítica, ia além das questões literárias e abraçava também a militância política. Em 25 de março de 1977, durante a ditadura na Argentina, a polícia emboscou Walsh em uma rua de Buenos Aires e o levou preso desde esse dia permanece desaparecido, seu corpo nunca foi encontrado. A ênfase dada por Walsh aos meios de comunicação de massa (presente também nas poéticas de Roberto Arlt e Manuel Puig, por exemplo) é fundamental para a leitura de mundo promovida pela ficção detetivesca. A notícia, o factual, o dado bruto do real, que é sempre inapreensível em sua arbitrariedade, passa do relato jornalístico para a ficção como Anais... Belo Horizonte: UFMG, p

5 159 um fragmento que remete a um todo inexistente, e o detetive é a figura que realiza a mediação entre um espaço e outro. Dupin soluciona os crimes da rua Morgue lendo as notícias sobre o crime, os depoimentos que são transcritos e que fazem referência ao som áspero da voz do assassino, estranho para testemunhas de cinco nacionalidades diferentes. O mistério de Marie Rogêt, que Poe escreveu quase simultaneamente ao conto da rua Morgue (e que é referido como sua continuação), é a ficção que Poe realiza a partir dos recortes de jornais que foram publicados sobre um crime que acontecera em Nova York, anos antes. Dinheiro queimado, romance de Piglia publicado em 1997, é a reconstrução ficcional de um assalto a banco realizado em Buenos Aires, no ano de Piglia consultou os arquivos dos principais jornais da época, boletins médicos e carcerários para estabelecer a base factual que permitiu a realização de seu romance. Sobre heróis e tumbas, de Ernesto Sábato, é um longo romance que se constrói sobre um breve prólogo: o resumo sucinto de um suicídio noticiado na imprensa. O romance póstumo de Roberto Bolaño, 2666, tem como centro da ação Ciudad Juarez, uma cidade mexicana próxima à fronteira com os Estados Unidos, onde dezenas de mulheres foram assassinadas ao longo da década de 90 uma terra de ninguém, um deserto esquecido, muito próxima do cemitério erguido, em território americano, para abrigar os corpos daqueles que morreram tentando atravessar a fronteira. Bernardo Carvalho constrói seu romance Nove noites em cima da elucubração detetivesca que extrai da notícia do suicídio do antropólogo americano Buell Quain, ocorrido em dois de agosto de 1939, quando voltava de aldeia indígena no Xingu. Na América Latina, portanto, a vertente detetivesca que sai de Poe é mesclada à tradição posterior da novela negra norte-americana, de nomes como Raymond Chandler ou Dashiell Hammett, o que pode ser resumido como uma indistinção entre alta e baixa cultura, original e cópia, fonte e influência. O material é híbrido e, desta forma, articula e desarticula continuamente os pertencimentos. Dupin e Holmes ainda guardam ares aristocratas, com volumes raros e família respeitável para um, violinos e lareiras para o outro. A mãe de Ulises Lima (de Bolaño), por outro lado, era obrera e ele nunca conheceu o pai. Contudo, estuda os simbolistas franceses no idioma original, o que o aproxima de Dupin, ao mesmo tempo em que circula pelos subúrbios, pelos redutos de drogados e pelos espaços cinzentos da geografia da cidade, aproximando-se de Marlowe ou Sam Spade. Dupin é um solitário, um excêntrico, um esquisito, mas cuja estranheza não impede eventuais consultas envergonhadas de comissários de polícia seu olhar renovador é, desta forma, reintroduzido no sistema que aparentemente abala: ele é um confidente da lei. Arturo Belano, ou Rodolfo Walsh, também é um solitário, e também conta com uma visão crítica que corrói a estabilidade do meio que o circunda só que a consulta reservada para ele e seus iguais é a tortura cirúrgica nos porões do Estado: ele é uma excrescência da lei. As notícias das mortes em Ciudad Juarez lembram o detetive selvagem que narra a história, que lê o jornal e que interpreta o real, de que ele, certo dia, pegou o mesmo ônibus que a menina assassinada, ou que seu amigo poeta era vizinho da vítima e que havia compartilhado um algodão-doce com ela na infância. Dupin realiza a mesma leitura, mas não agrega afetos às camadas de leitura. Dupin e Holmes são investigadores desinteressados, donos de motivações inacessíveis para o homem comum, que destrincham a vida alheia sem levantar da poltrona, pelo simples prazer de exercitar o raciocínio. Seus avatares latino-americanos, por outro lado, reforçam aquilo CONGRESSO INTERNACIONAL PARA SEMPRE POE 2009 Belo Horizonte

6 160 que certa vez escreveu Roberto Bolaño, de que a literatura, suponho que tenha ficado claro, nada tem a ver com prêmios nacionais, e sim mais com uma estranha chuva de sangue, suor, sêmen e lágrimas, 14 figuras que, longe de estabelecerem verdades inquestionáveis, operam como sintomas, como contradições ambulantes, como fissuras no tecido do real, como signos à deriva que, de uma forma ou de outra, seguem adiante e ao revés. REFERÊNCIAS BOLAÑO, Roberto. Entre paréntesis. Barcelona: Anagrama, BORGES, Jorge Luis. Otras inquisiciones. Buenos Aires: Alianza Editorial, GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Trad. Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, GONZÁLEZ BERMEJO, Ernesto. Conversas com Cortázar. Trad. Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: J. Zahar, MANGUEL, Alberto. Os livros e os dias. Trad. José Geraldo Couto. São Paulo: Companhia das Letras, PIGLIA, Ricardo. O último leitor. Trad. Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, PIGLIA, Ricardo. Crítica y ficción. Barcelona: Anagrama, POE, Edgar Allan. Histórias extraordinárias. Trad. Brenno Silveira e outros. São Paulo: A- bril Cultural, TODOROV, Tzvetan. Os gêneros do discurso. Trad. Elisa Angotti Kossovitch. São Paulo: Martins Fontes, VALÉRY, Paul. Variedades. São Paulo: Iluminuras, WALSH, Rodolfo. Cuentos para tahúres y otros relatos policiales. Buenos Aires: Puntosur, BOLAÑO. Entre paréntesis, p Anais... Belo Horizonte: UFMG, p

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Adriano Schwartz 1 Folha de São Paulo

Adriano Schwartz 1 Folha de São Paulo PONTO DE VISTA A ESTRATÉGIA DO CRIME Adriano Schwartz 1 Folha de São Paulo O escritor Ricardo Piglia já disse mais de uma vez que não há nada além de livros de viagens ou histórias policiais. Narra-se

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Romance Policial: Origens e Experiências Contemporâneas

Romance Policial: Origens e Experiências Contemporâneas 1 Romance Policial: Origens e Experiências Contemporâneas por Adriana Freitas 1 Em sua Teoria do romance, Lukács (2000) estuda a perda do sentido imanente em que se baseava a epopéia helênica e o aparecimento

Leia mais

Relações de força: história, retórica, prova

Relações de força: história, retórica, prova resenhas 223 Relações de força: história, retórica, prova autor Carlo Ginzburg cidade São Paulo editora Companhia das Letras ano 2002 O historiador Carlo Ginzburg configura-se com destaque no cenário internacional,

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil

Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Holanda Martins, Karla Patricia Reseña de "Freud e a Literatura: destinos de uma travessia" de Leônia

Leia mais

Do tradicional ao indiciário, e depois: Uma narrativa contemporânea brasileira. Bernardo Oliveira. Viso Cadernos de estética aplicada

Do tradicional ao indiciário, e depois: Uma narrativa contemporânea brasileira. Bernardo Oliveira. Viso Cadernos de estética aplicada Viso Cadernos de estética aplicada Revista eletrônica de estética ISSN 1981-4062 Nº 11, http://www.revistaviso.com.br/ Do tradicional ao indiciário, e depois: Uma narrativa contemporânea brasileira Bernardo

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO ARTÍSTICA: A ESCOLA LIVRE DE TEATRO (ELT) DE SANTO ANDRÉ

UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO ARTÍSTICA: A ESCOLA LIVRE DE TEATRO (ELT) DE SANTO ANDRÉ UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO ARTÍSTICA: A ESCOLA LIVRE DE TEATRO (ELT) DE SANTO ANDRÉ Vilma Campos dos Santos Leite 270 Kátia Paranhos (Orientadora) (UFU) Inúmeras são as escolas de teatro, acadêmicas ou

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Bufo & Spallazanni, diálogo entre literatura e cinema

Bufo & Spallazanni, diálogo entre literatura e cinema Bufo & Spallazanni, diálogo entre literatura e cinema Karla Aparecida Marques Santos Resumo: A adaptação fílmica Bufo & Spallanzani é vista neste ensaio como um processo de transcriação, como uma nova

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian.

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Leitura do conto O gato preto, de Edgar Allan Poe (duas aulas) 1- Leitura compartilhada do conto, dividido em duas partes.

Leia mais

Mario Quintana Tradutor

Mario Quintana Tradutor Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Mario Quintana Tradutor (em homenagem ao poeta, no ano do centenário de seu nascimento) Gabriel Perissé Mestre em Literatura

Leia mais

Luciene Araújo de ALMEIDA (PG/FL/UFG) luayaba@gmail.com Orientadora: Marilúcia Mendes RAMOS (D/FL/UFG) profamariluciaramos@gmail.

Luciene Araújo de ALMEIDA (PG/FL/UFG) luayaba@gmail.com Orientadora: Marilúcia Mendes RAMOS (D/FL/UFG) profamariluciaramos@gmail. A formação da identidade nacional brasileira em Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro, e o (re)contar da história Angolana na Gloriosa Família, de Pepetela Palavras - chave: história; literatura

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula A Imaginação Sociológica em Sala de Aula Natália Braga de Oliveira* Incentivar os estudantes a olhar a vida cotidiana a partir dos pressupostos da Sociologia, os desperta para a reflexão e elucidação do

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO GÊNERO DETETIVESCO: DA NARRATIVA DE ENIGMA DE POE A O CRIME DA GÁVEA, DE MARCILIO MORAES

A EVOLUÇÃO DO GÊNERO DETETIVESCO: DA NARRATIVA DE ENIGMA DE POE A O CRIME DA GÁVEA, DE MARCILIO MORAES 342 A EVOLUÇÃO DO GÊNERO DETETIVESCO: DA NARRATIVA DE ENIGMA DE POE A O CRIME DA GÁVEA, DE MARCILIO MORAES Yara dos Santos Augusto Silva Resumo: O presente estudo busca investigar a evolução do gênero

Leia mais

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Marcela Boni Evangelista Mestre em História Social Departamento de História - USP Núcleo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

O homem na cidade moderna: Walter Benjamin e uma leitura crítica dos contos de detetive de Edgar Allan Poe

O homem na cidade moderna: Walter Benjamin e uma leitura crítica dos contos de detetive de Edgar Allan Poe O homem na cidade moderna: Walter Benjamin e uma leitura crítica dos contos de detetive de Edgar Allan Poe Fabiana de Lacerda Vilaço 1 Resumen: Proponho apresentar e comentar estudos empreendidos na pesquisa

Leia mais

Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes

Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes Conectar e interrogar Mario Hélio Gomes Travessão e hífen não são sinais de menos. São pelo menos elos. Nos diálogos escritos, intercâmbio de vozes e interrogações. Linhas contínuas e descontínuas. Como

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

FANTÁSTICO. Literatura fantástica x literatura realista. Disciplina optativa Literatura: formas do maravilhoso (LEM 9926) Docente: Karin Volobuef

FANTÁSTICO. Literatura fantástica x literatura realista. Disciplina optativa Literatura: formas do maravilhoso (LEM 9926) Docente: Karin Volobuef 1 Disciplina optativa Literatura: formas do maravilhoso (LEM 9926) Docente: Karin Volobuef FANTÁSTICO Literatura fantástica x literatura realista Toda literatura fantástica norteia-se pelo referencial

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ 1 ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ Rodrigo da Costa Araujo 1 A leitura é sempre o esforço conjugado de compreender e de incorporar (SCHOLES, Robert. Protocolos de Leitura. Edições 70, 1991, p.25) A epígrafe acima,

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

CRIMES DE UM LEITOR DE EDGAR ALLAN POE NO FILME O CORVO. Palavras-chave: Leitor, Leitura, Literatura, Edgar Allan Poe.

CRIMES DE UM LEITOR DE EDGAR ALLAN POE NO FILME O CORVO. Palavras-chave: Leitor, Leitura, Literatura, Edgar Allan Poe. CRIMES DE UM LEITOR DE EDGAR ALLAN POE NO FILME O CORVO Profa. Dra. Elizabeth Gonzaga de Lima i (UNEB) Resumo: O propósito do trabalho é analisar as relações que se estabelecem a partir das imagens de

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

Janelas da alma: um olhar sobre o gênero policial. Nébias 1

Janelas da alma: um olhar sobre o gênero policial. Nébias 1 Janelas da alma: um olhar sobre o gênero policial Nébias 1 Marta Maria Rodriguez RESUMO: Este artigo visa a analisar duas obras que dialogam com o gênero policial: Janela indiscreta, de Alfred Hitchcock,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

CEM ANOS DE SOLIDÃO, DE GABRIEL G. MARQUEZ. Autora (Aluna) Ludmila Maurer

CEM ANOS DE SOLIDÃO, DE GABRIEL G. MARQUEZ. Autora (Aluna) Ludmila Maurer ENSAIO LETRAS CEM ANOS DE SOLIDÃO, DE GABRIEL G. MARQUEZ Autora (Aluna) Ludmila Maurer Orientadora: Professora Ana Lúcia Barbosa de Moraes, da Universidade Estácio de Sá - Campus Nova Friburgo Resumo:

Leia mais

Morte e narração em Nove Noites, de Bernardo Carvalho

Morte e narração em Nove Noites, de Bernardo Carvalho Morte e narração em Nove Noites, de Bernardo Carvalho Janaina Dias Barcelos Resumo Este ensaio busca apontar questões que envolvem os conceitos de morte e narração na obra Nove Noites, de Bernardo Carvalho,

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar

Leia mais

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou...

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou... Léolo, o personagem do belíssimo filme de Jean-Claude Lauzon, cercado pela loucura e pelo horror, repetia: Porque eu sonho, não estou louco, porque eu sonho, eu não sou... Galeano compartilha conosco um

Leia mais

www.observatoriodacritica.com.br

www.observatoriodacritica.com.br www.observatoriodacritica.com.br Entrevista de Luiz Costa Lima Folha de S. Paulo, 26 de outubro de 2003 Disponível http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2610200311.htm. em: 01 fev 2010. em: Acesso Em

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

RUI PIRES CABRAL, UM POETA DE TREZENTOS LEITORES?

RUI PIRES CABRAL, UM POETA DE TREZENTOS LEITORES? RUI PIRES CABRAL, UM POETA DE TREZENTOS LEITORES? Júlia Telésforo Osório (UFSC) Inadvertido, reconheces o fio que te prende a este ponto do tempo e da paisagem Na torre de St Mary s, em Warwick, de onde

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

RESENHA. MIRANDA, Ana Semíramis. São Paulo. Companhia das Letras (2013). 272 p.

RESENHA. MIRANDA, Ana Semíramis. São Paulo. Companhia das Letras (2013). 272 p. RESENHA MIRANDA, Ana Semíramis. São Paulo. Companhia das Letras (2013). 272 p. Rodrigo Celente Machado 126 A objetividade do historiador é um absurdo. Isto significa que um acontecimento pode ser examinado

Leia mais

Texto-convite ao livro infantil

Texto-convite ao livro infantil Texto-convite ao livro infantil Daniela Bunn Arcimboldo, O verão (1573) O cozinheiro (1570) O Hortelão (1590) Fonte das telas: Kriegeskorte (2005) 1 Carl Warner, Cheesy Tuscan Villa (2007) Carl Warner,

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE O CASO DOS DEZ NEGRINHOS E ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

AS MANIFESTAÇÕES DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE O CASO DOS DEZ NEGRINHOS E ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. AS MANIFESTAÇÕES DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE O CASO DOS DEZ NEGRINHOS E ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Allison Guimarães Andrade 1, Profª MSc. Regiane Magalhães Boainain 2 1 UNITAU/FCSL,

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Educar é ensinar a pensar

Educar é ensinar a pensar Educar é ensinar a pensar Sara Pain A psicopedagoga argentina condena a transmissão mecânica dos conteúdos e conta como trabalha para formar gente capaz de pesquisar e construir seu próprio conhecimento,

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Resgatando a memória do lugar e sua importância para a recuperação da interação entre jovens e idosos Rosilene Silva de Oliveira 1. Justificativa Os atores

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

O Jogo dos Espíritos

O Jogo dos Espíritos Atenção: Este livro não é recomendado para pessoas de mente fraca ou menores de 18 anos. Use-o por sua própria conta e risco. O Jogo dos Espíritos Este é um jogo de narrativa compartilhada (também chamado

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Ao Assassino o seu Castigo, ou a Impossibilidade de sair Impune. Uma leitura da obra O Seminarista de Rubem Fonseca

Ao Assassino o seu Castigo, ou a Impossibilidade de sair Impune. Uma leitura da obra O Seminarista de Rubem Fonseca Ao Assassino o seu Castigo, ou a Impossibilidade de sair Impune Uma leitura da obra O Seminarista de Rubem Fonseca Tânia Ardito FLUP Auctor criminis det poenas Para pensarmos um pouco na ideia de crime

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO 3ª ETAPA INGLÊS COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295 www.jovinianobarreto.com.br 1º ANO Nº TURNO:

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Entreletras - Entrevistas com

Entreletras - Entrevistas com Brasil, sábado, 23 de outubro de 2004 http://www.abrali.com/015coluna_direita/sandra_baldessin/antonio_miranda_sandra_baldessin.html www.abrali.com.br Entreletras - Entrevistas com Escritores Entrevistado:

Leia mais

Nome: Diurno Curso: Matrícula: Período: Prova Amarela Sala:

Nome: Diurno Curso: Matrícula: Período: Prova Amarela Sala: Nome: Diurno Curso: Matrícula: Período: Prova Amarela Sala: Livro: O marido Perfeito Mora ao Lado 1-Raquel conhecia Marcos desde a infância porque: a) Raquel e Marcos eram primos de primeiro grau. b) a

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste. Campinas: Editora Unicamp, 2005. Gustavo Silveira Ribeiro UFMG

BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste. Campinas: Editora Unicamp, 2005. Gustavo Silveira Ribeiro UFMG Resenhas BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste. Campinas: Editora Unicamp, 2005. Gustavo Silveira Ribeiro UFMG A leitura de O livro agreste desconcerta. Nascido de um curso de literatura brasileira ministrado

Leia mais

Procedimentos de um laboratório experimental: o melodrama por Almodóvar

Procedimentos de um laboratório experimental: o melodrama por Almodóvar Procedimentos de um laboratório experimental: o melodrama por Almodóvar Maria De Maria Programa de Pós-Graduação em Artes Universidade Federal de Uberlândia Mestranda Práticas e Processos em Artes Or.

Leia mais

DUAS GERAÇÕES DE REAL-VISCERALISTAS EM OS DETETIVES SELVAGENS

DUAS GERAÇÕES DE REAL-VISCERALISTAS EM OS DETETIVES SELVAGENS Resumo: DUAS GERAÇÕES DE REAL-VISCERALISTAS EM OS DETETIVES SELVAGENS Mestrando Kelvin dos Santos Klein (UFRGS) 1 O romance "Os detetives selvagens" (1998), do escritor chileno Roberto Bolaño, tem suas

Leia mais

Noel Nutels: vida, história e romance Noel Nutels: life, history and romance

Noel Nutels: vida, história e romance Noel Nutels: life, history and romance Noel Nutels: vida, história e romance Noel Nutels: life, history and romance Marcus Vinícius de Freitas Professor de literatura portuguesa e brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e

Leia mais

O GÊNERO POLICIAL EM SHAKESPEARE NÃO SERVE DE ÁLIBI: CRIME NA BELLE-ÉPOQUE CARIOCA ¹

O GÊNERO POLICIAL EM SHAKESPEARE NÃO SERVE DE ÁLIBI: CRIME NA BELLE-ÉPOQUE CARIOCA ¹ O GÊNERO POLICIAL EM SHAKESPEARE NÃO SERVE DE ÁLIBI: CRIME NA BELLE-ÉPOQUE CARIOCA ¹ ROSS, Huanna Sperb²; FARIAS, Vera Elizabeth Prola³ Iniciação científica ¹ Trabalho de Pesquisa do Projeto PROBIC Perspectivas

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20D Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Jornal Mural Laboratório: Uninforme 1

Jornal Mural Laboratório: Uninforme 1 Jornal Mural Laboratório: Uninforme 1 Eduarda Fernandes da ROSA 2 Marcela Alves da SILVA 3 Osvaldo Duarte RAMOS 4 Maria Cristine Alves MEDEIROS 5 Centro Universitário da Grande Dourados Unigran, Dourados,

Leia mais

A educação brasileira continua a ser um triste pesadelo

A educação brasileira continua a ser um triste pesadelo A educação brasileira continua a ser um triste pesadelo Por (*) Nelson Valente Há uma relação inequívoca entre pobre e falta de educação, podendo com isso gerar o fenômeno da violência. Os exemplos existem

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG DISCIPLINAS DAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO Área de concentração: TEORIA DA LITERATURA - NÍVEL MESTRADO DISCIPLINAS CRÉDITOS

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

O EXERCÍCIO DE ESTUDO E PESQUISA EM PROCESSOS CRIMINAIS: O CRIME DA FAZENDA CANOAS

O EXERCÍCIO DE ESTUDO E PESQUISA EM PROCESSOS CRIMINAIS: O CRIME DA FAZENDA CANOAS O EXERCÍCIO DE ESTUDO E PESQUISA EM PROCESSOS CRIMINAIS: O CRIME DA FAZENDA CANOAS João Olímpio Soares dos Reis. Mestre em Ciências da Educação pelo Instituto Pedagógico Enrique José Varona Havana/Cuba.

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MANGUEZAIS, COTIDIANOS ESCOLARES, PRÁTICAS PESQUEIRAS E OUTROS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MANGUEZAIS, COTIDIANOS ESCOLARES, PRÁTICAS PESQUEIRAS E OUTROS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MANGUEZAIS, COTIDIANOS ESCOLARES, PRÁTICAS PESQUEIRAS E OUTROS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS Soler Gonzalez CE/Ufes Andreia Teixeira Ramos PPGE/Uniso/SP Agência

Leia mais

Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva

Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva Youth and reading: a new perspective PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Tradução Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2008.

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 e 18, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 O pote vazio 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

Leia mais