ROMANCE POLICIAL: DUAS FACES DE UM DETETIVE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROMANCE POLICIAL: DUAS FACES DE UM DETETIVE"

Transcrição

1 ROMANCE POLICIAL: DUAS FACES DE UM DETETIVE Abele Marcos Casarotto 1 Introdução O romance policial é um entrecruzamento de várias narrativas, nele cabe a mitologia, a história, a crítica e o poema. É um espaço propício para o exercício da crítica literária. O crítico literário utiliza-se dos instrumentos básicos de um detetive, para fazer saltar da obra múltiplas leituras ou apro(a)funda as já pensadas. Garimpar o texto com uma lupa é a atividade básica do crítico literário. Bellini, o detetive do romance Bellini e o demônio, de Tony Bellotto, utiliza a lupa na busca de uma pista para o assassinato da bela Sílvia Maldini. O computador não só é um instrumento contemporâneo para o crítico literário, como é para o detetive Bellini, que ainda não sabe manuseá-lo, mas poderá aprender com o detetive que veio de longe. Para o crítico, o computador facilita a colagem, o recorte, o destaque, a cópia, procedimentos tão importantes na arte de seu ofício. A arma, que salva ou mata, matou a bela Sílvia e salvou Bellini das garras da assassina. A arma do crítico poderá salvar um texto, apresentando uma proposição ainda não desvendada, ou assassiná-lo, com a arma mortal da palavra. Com a utilização da lupa, do computador e da arma, será apresentada uma visão do romance Bellini e o demônio. Romance, Romance policial Bellini e o demônio, de Tony Bellotto, é o segundo romance policial do autor, o primeiro foi Bellini e a esfinge, também publicado pela Companhia das Letras. 1 Universidade do Oeste de Santa Catarina Santa Catarina Brasil.

2 Mas o que se entende por romance policial? Pensar uma resposta para a questão, é pensar a história do romance nas múltiplas configurações. O romance pode ser designado como uma forma literária independente, difícil de estabelecer parâmetros; é um ser andrógino, nele tudo cabe, tudo é possível. Apresenta-se sob várias formatações e nelas, é possível encontrar as diversas áreas do conhecimento, transformando-se em uma espécie de síntese da totalidade. Alargando continuamente o domínio de sua temática, interessando-se pelapsicologia, pelos conflitos sociais e políticos, ensaiando constantemente novas técnicas narrativas e estilísticas, o romance transformou-se, no decorrer dos últimos séculos, mas sobretudo a partir do século XIX, na mais importante e mais complexa forma de expressão literária dos tempos modernos. De mera narrativa de entretenimento, sem grandes ambições, o romance volveu-se em estudo da alma humana e das relações sociais, em reflexões filosóficas, em reportagem, em testemunho polêmico, etc. O romancista, de autor pouco considerado na república das letras, transformouse num escritor prestigiado em extremo, dispondo de um público vastíssimo e exercendo uma poderosa influência nos seus leitores. (SILVA, 1994, p. 671). O romance, em uma forma genérica, está intimamente vinculado com a burguesia e aos cenários urbanos, assim como o romance policial, mas com a exigência obrigatória de um policial/detetive, no entanto, não é ele que determina a sua qualificação. De qualquer forma, a denominação romance policial designa a narrativa longa que apresenta um fato a ser desvendado, um criminoso, uma vítima e um policial/detetive. O romance policial apresenta-se, por vezes, com outras denominações, como por exemplo: romance problema, romance suspense, romance noir, entre outras formas. Atualmente há outros gêneros dentro do próprio romance policial, como o roman noir, ainda dos franceses, um dos thrillers americanos; o romance psicológico; ainda o chamado romance de suspense. De qualquer forma, a denominação romance policial, certa ou errada, ficou para indicar o gênero literário. E, se bem que a julguemos errada continuaremos a empregá-la na falta de outra melhor. (ALBUQUERQUE, 1979, p. 4). Perdura na atualidade a denominação romance policial e admite três elementos fundamentais, o criminoso, a vítima e o policial/detetive. A tríade que compõe o romance policial pode apresentar-se de diferentes maneiras. O policial não é necessariamente aquele que está vinculado ao poder do Estado, pode ser um detetive,

3 elemento autônomo, que procura desvendar um crime. Também poderá ser substituído pela vítima lesada, que procura desvendar o ato criminoso. O criminoso, aquele que cometeu o crime, ou o ato ilícito em relação à vítima. A vítima, esta sim, sempre, será a vítima, o elemento lesado, aquele que sofreu as consequências do ato criminoso. Entende-se por crime a quebra de uma convenção estabelecida entre os membros da sociedade; ato ou ação, que não se mostra, tecnicamente, diz-se o fato proibido por lei, sob a ameaça de uma pena, instituído em benefício da coletividade e segurança social do Estado; crime é a contravenção, indicando-se a violação da lei ou a falta de obediência de seus dispositivos. Quando a norma é quebrada ou desrespeitada, dá-se origem ao ato criminoso. No vocabulário jurídico, crime é toda ação cometida com dolo, ou infração contrária aos costumes, à moral e à lei, que é legalmente punida, ou que é reprovada pela consciência. Conceituar o romance policial de forma satisfatória é uma tarefa árdua. Em estudo apresentado por Albuquerque alguns conceitos são apresentados: Podemos definir sumariamente o romance policial, dizendo que é o relato de uma caçada ao homem, mas - isso é essencial - uma caçada em que utilizamos o raciocínio para interpretar fatos aparentemente insignificantes, a fim de chegarmos a uma conclusão. (FOSCA, apud ALBUQUERQUE, 1979, p. 14). O que é um romance policial? É curioso constatar que ninguém sabe nada. Os críticos só estão de acordo em um ponto: o romance policial não é um romance como os outros, porque a lógica tem nele um papel preponderante. (NARCEJAC apud ALBUQUERQUE, 1979, p. 14). Bellini e o demôni apresenta-se como um romance policial e seus elementos constitutivos estão presentes. Um detetive um não, três três focos narrativos, um deles centrado no crime de Silvia Maldini; outro, no desafio de encontrar os manuscritos do escritor de narrativas policiais, Dashiell Hammett; o terceiro, nos problemas existenciais do detetive Remo Bellini, suas angústias e o seu relacionamento com Lázaro, e imbricado neles, o criminoso e o sujeito lesado. A narrativa diegética no romance Bellini e o demônio

4 Entendendo-se a diegese como um referencial da narração, embora se saiba não ser real, admite-se como tal, constitui o universo espaço-temporal designado pela narração, com projeção imaginária de seres e situações de uma realidade referencial. Na diegese apresentada no romance Bellini e o demônio, o protagonista é Remo Bellini, um quase detetive, o qual é formado em Direito e trabalha na agência de investigação de Dora Lobo. É a partir da perspectiva de Bellini que os fatos são apresentados. Ele encontra-se envolvido com dois casos, o primeiro é encontrar um manuscrito perdido de Dashiell Hammett, o mestre do romance noir; e descobrir o assassino da bela jovem Sílvia Maldini, encontrada com um tiro na testa, no banheiro da escola. Abri o jornal: Adolescente assassinada no banheiro da escola com um tiro na... O que tanto te atrai nos crimes?, perguntou Antônio interrompendo-me a leitura. A atmosfera, respondi, sem desgrudar os olhos da notícia, enquanto ele me servia o sanduíche de salame com queijo provolone. Bellini é envolvido numa trama que se desdobra em várias mortes, ressurreição, tráfico de armas, drogas, sexo, mulheres e vida boêmia. Circula entre São Paulo, Rio de Janeiro, Petrópolis e Anápolis. Na primeira parte do romance, por delegação de sua chefe, Dora Lobo, é responsável para desvendar o caso do manuscrito desaparecido, quando está próximo de desvendá-lo, é chamado para assumir a Agência Lobo de Investigações. Na segunda parte do romance, o narrador assume o controle da Agência Lobo e com a ajuda de Olga Souza Lins, a Gala, jornalista que está em busca de uma grande reportagem, desvenda o assassinato de Sílvia Maldini. Ao desvendar o assassinato, encontra-se na mira da assassina e é salvo por Dora Lobo, que elucida o caso manuscrito perdido de Dashiell Hammett. Bellini, ao desvendar os casos, extirpa também os seus demônios, o terceiro caso. Os Bellinis Bellini, um deus solar vindo da Ásia, pai de Pitágoras, desfilou na paisagem caótica do centro de São Paulo, na esplendorosa Copacabana e nos mais distantes pontos do Brasil. Porte atlético, 1,82m, 83 quilos e uma envergadura que atemorizava os adversários, um semideus greco-romano. Essa é uma descrição de Bellini, não a do

5 detetive apresentado pelo romancista Tony Bellotto, em seu primeiro livro, Bellini e a esfinge, nem do segundo, Bellini e o demônio, mas poderia ser de Bellini, o capitão da Seleção Brasileira de 1958, que ergueu a taça Jules Rimet, com os braços elevados acima da cabeça, num gesto de grandeza vitoriosa e, ao mesmo tempo, de oferecimento universal, um vitorioso no Brasil e fora dele, um apolíneo, ou como diria a velhinha simpática, para não dizer possuída do deus Martini, Isabella Zapotek, esposa abandonada de Américo Zapotek: Eu adorava o Bellini jogador. Era um homem lindíssimo. (BELLOTTO, 1997, p. 61). Com a ajuda de uma foice de aço, vem uma música de longe. Distância comparada entre a Terra e o Céu, envolvida em treva espessa e mergulhada em infectos vapores e (re)ssoada pelos Titãs e nela há marcas do personagem Bellini, agora sim, aquele do romance Bellini e o demônio, de Tony Bellotto, um quase detetive, quase amante, um quase advogado, um quase entendedor de música, um quase... Você quer que eu comece do romance secreto do Hammett ou do meu próprio romance secreto?, perguntou Dora. Quer dizer que você e o Irwin... era verdade? Calma lá, Bellini. Você desvendou um crime usando uma lupa, tudo bem, mas ainda não é um Sherlock Holmes. Ou uma Dora Lobo. Muito menos uma Dora Lobo. Homens não passam de homens, frangos, entenda isso. (BELLOTTO, 1997, p. 247). Bellini sempre entende a Lobo, a detetive da Agência Lobo, uma senhora supostamente assexuada, com carão de lobo, olhão de lobo, jeitão de lobo, que um dia descobre que não é mais lobolobolobolobolobo, mas bolobolobolobolobolo. Bellini sempre suspeitou da sexualidade da Lobo. Na primeira vez em que deixa a Agência Lobo, e a confortável companhia dos Tiparillos e Paganinis, ela relata, de forma efusiva, a sua vida e o seu relacionamento com o pai, Bellini acha estranho: Meu pai foi um grande tira, Bellini, Laércio Lobo é uma lenda ainda hoje para muitos policiais. Ele me ensinou tudo. Abrir portas com grampos, atirar com pistolas, ler Dashiell Hammett, pegar passarinhos com arapucas e dirigir automóveis... Tive ímpetos de perguntar se seu pai ensinara-lhe também transar com mulheres, mas tal pergunta me remeteria imediatamente ao olho da rua. Permaneci em silêncio, escutando [...] (BELLOTTO, 1997, 105).

6 Mas, Bellini não perdeu a oportunidade e arriscou: Perdoe-me a franqueza, Dora, mas acho que você e Irwin estão apaixonados um pelo outro. Sempre que eu tocava em assunto como sexo e paixão numa conversa com Dora, sua reação era invariavelmente um muxoxo ou careta malhumorada. Mas desta vez ela riu muito, e alto, como só uma pessoa apaixonada faria. Frango, você não sabe nada. Admiro Irwin como um grande detetive. Tenho até aprendido com ele, se você quer saber. (BELLOTTO, 1997, p. 106). O frango, que poderá um dia ser galo, um excelente subordinado, aquele que obedece, que faz por ordem do outro, concorda de forma enciumada. A noite chega, e antes de dormir, pensa que ela estaria se divertindo com Irwin, arrancando-o da fossa. Bellini, como um bom (sub)detetive, permanece fora da festa, condenado à subserviência dos medíocres. Bellini, no táxi, após ter recebido no aeroporto, o detetive americano, aquele que viera de longe, a fim de contratar a Agência Lobo, para encontrar um manuscrito perdido de Dashiell Hammett, tranquilo responde aos questionamentos do detetive americano: Que tipo de detetive é você... senhor...?, perguntou em inglês, já que não falava português. Bellini. Remo Bellini. Assistente de Dora Lobo. Da próxima vez não seja assim tão... carnavalesco. Como você gostaria que eu o esperasse?, perguntei. Sem placas, sem nomes, sem espalhafato. Um bom detetive reconhece outro sem necessidade de artifícios. (BELLOTTO, 1997, p. 16). Vindo de um mundo distante, Os Titãs (en)cantam O pulso ainda pulsa Peste bubônica câncer pneumonia Raiva rubéola tuberculose anemia Rancor cisticircose caxumba anemia. Poder-se-ia entender: O pulso ainda pulsa. Chope, café, uísque, vinho O pulso ainda pulsa Sanduíche de salame com queijo provolone O pulso ainda pulsa Tiparillo, maconha, cocaína O pulso ainda pulsa... Marcas de Bellini, um deus dionisíaco da contemporaneidade, em relação ao que utiliza para se manter vivo. Um deus rico, complexo e fugidio, frágil e indefeso. Alvo da ira de Hera, filha de Cromo e

7 de Réia e irmã mais velha de Zeus,ou da ira de Licurgo, rei da Trácia, que expulsou Dionísio, quando este apareceu no reino com suas nutrizes, causou tal medo ao deusinfante, com suas ameaças, que Dionísio saltou no mar, onde foi recolhido por Tétis. (GUIMARÃES, 1995, p. 205).Ele foge apavorado, ingênuo cai na armadilha dos Titãs, seis machos filhos de Géia e Urano,ou seria de Clarice? Amante das festas, do vinho e do delírio místico. Filho de Zeus e de Sêmele, pertencendo à segunda geração dos Olímpicos; ou marcas de Apolo, que encontra o pai, um advogado em final de carreira, que se reconcilia com o filho? O genitor organiza as orgias gastronômicas dominicais de que ambos participam. Pai e filho se transfiguram. O álcool é um poderoso agente des/agregador das gerações sobreviventes do período mitológico. Duas faces de um mesmo Bellini: um Apolo e um Dionísio Bellini é apresentado como sósia de si mesmo, um múltiplo, que se esforça para ser uno. São dois deuses que se debatem, Apolo, deus da ordem, da clareza, da harmonia, da forma e do sonho. Apolo tem tantos atributos e tão diversos que se pensa estarem nele reunidas várias personalidades. Estudado o problema de suas origens, chegou-se à conclusão de que se trata de um deus solar vindo da Ásia, que teria se confundido com um deus campestre originário do norte da Grécia, o deus principal dos dórios. Apesar do seu caráter múltiplo, suas representações são sempre iguais, obedecendo a um tipo único. Jovem, imberbe, porque o Sol não envelhece ele é o deus do Sol; o arco e as flechas quetraz simbolizam os raios, a lira a harmonia dos céus; é chamado o Esplendente. É profeta e, como o Sol, vê tudo, inclusive o que está para suceder. (GUIMARÃES, 1995, p ). E Dionísio, deus da música, da exuberância, da desordem, a representação da fusão do primitivo e do atual. Dioniso ou Dionísio. Deus da vinha, do vinho e do delírio místico, é chamado também Baco. É filho de Zeus e de Sêmele, esta filha de Cadmo e Harmônia, pertencendo pois à segunda geração dos Olímpicos, como Apolo. Quando Dioniso estava para nascer, pediu Sêmele a Zeus que se lhe mostrasse em todo o seu esplendor, e o deus assim fez para comprazê-la. (GUIMARÃES, 1995, p.125).

8 São forças gêmeas que brotam, é a vida e a morte, a clareza do raciocínio para desvendar a morte e a embriaguez para buscar a vida. É a ambivalência da embriaguez dionisíaca, portadora da alegria, de vida ou morte, encarnando-se em uma mesma pessoa, de um lado, o lobo (Dora Lobo), um animal feroz e assassino; de outro, o galo (Olga Souza Lins), um animal fecundo. O nascimento de Reno Bellini e de Dionísio apresenta-se de forma convergente. A origem do deus Dionísio é marcada pelo contraditório, o encontro entre a vida e a morte. Sêmele, uma morta amada por Zeus, é vítima do ciúme de Hera: como ela pede ao amante divino que lhe apareça em toda a sua glória, morre fulminada pelo raio de Zeus; ele então lhe arranca a criança concebida por eles e a introduz na coxa até o fim da gestação. Assim, Dioniso é sujeito a dois nascimentos, o que deixa marca em seu culto, especialmente no rito do liknites (criança de berço) que as mulheres chamam e procuram, e que desaparece todo ano e aparece no ano seguinte. (BRUNEL, 1997, p. 233). Assim como o nascimento de Rômulo e Remo, Bellini, que convive desde a sua origem com a vida e a morte, ele, o vivo que mantém o outro lado de si, (Rômulo), o morto. É o Bellini em construção. Posso enumerar algumas razões: a presença fantasmagórica de meu irmão gêmeo Rômulo, morto dois dias após o parto, transformandome num eterno dois-em-um; as desavenças com meu progenitor, o brilhante criminalista e pífio Túlio Bellini; carreira mal sucedida de advogado; o casamento desfeito; a tendência incontrolável à melancolia... mas agora o que realmente estava me perturbando era o sexo. Ou melhor a falta dele. É difícil para um homem adulto resolver essa equação. Não encontrei até hoje alguém com quem pudesse, digamos assim, dividir definitivamente o cobertor. (BELLOTTO, 1997, p. 16). Este ser (des)encontrado, que não classifica as pessoas entre perdedores e ganhadores, mas as unifica em Dionísio e Apolo, o Bellini, [...] não quer só comida, ele quer comida diversão e arte. Ele não quer só comida, ele quer comida, ele quer bebida, diversão e uma saída para qualquer parte. E é nesta fragilidade doce que se encontra o encantamento de Reno Bellini, um quase, um quase tudo. É um Bellini que se debruça sobre si mesmo. Um Bellini múltiplo, ora apolíneo, ora dionisíaco, na concepção Nietzschiana.

9 É a partir de Die Geburt der Tragödir (A Origem da tragédia), em 1872, que Dionísio ou Dioniso aparece. Seu simbolismo vem da interpretação da cultura grega, especificamente, da tragédia, que só pode ser entendido em relação ao seu antagonista solar, Apolo, deus da ordem, da forma e do sonho, simboliza o verdadeiro espírito helênico, diante do qual se ergue o poder assustador do dionisíaco, no sentido de estrangeiro mas na verdade profundamente arraigado à alma grega. (BRUNEL, 1997, p. 751). Dionísio é o deus da música, que liberta o homem para o êxtase delicioso provocado pela ruptura do princípio de individuação e o sentimento de fusão do uno primitivo, diante de Apolo se ergue o poder assustador dionisíaco. Bellini, nas suas múltiplas facetas, pode ser uma das representações da reconciliação dessas duas explosões, ao mesmo tempo, opostas e complementares. É um múltiplo-em-um. É, ao mesmo tempo, Rômulo e Remo, Dionísio e Apolo. A literatura na literatura O autor não é o narrador. O narrador é uma função inventada pelo autor, é um ser ficcional autônomo, que possui características próprias, não necessariamente as do autor. As ideias, a visão de mundo do autor não são necessariamente as do narrador. O autor, ao dar vida ao narrador, pode ocultar os seus valores e sua visão de mundo, fazendo com que o narrador se distancie do seu autor. O autor de um romance pertence ao mundo real, histórico e social; o narrador, ao mundo ficcional, da imaginação. As experiências e a cultura adquirida, ao longo dos anos, pelo autor servem de suporte para o narrador apresentar a narração e a diegese. Tony Bellotto é o criador do narrador que, ao ser criado, passa a ter vida própria. O autor é a pessoa que responde pela obra e não pela visão das personagens ou do narrador. É o indivíduo responsável pela criação da narrativa. Trata-se de um ser social, com personalidade própria, inserido em um tempo histórico e num contexto sociocultural. Não é Bellotto, pessoa física, ser histórico que relata os fatos do romance Bellini e o demônio, e sim uma criação, no caso, o narrador-personagem. Dentre as cinco díades possíveis, segundo Genette, a focalização poderia ser homodiegética (autodiegética), o narrador responsável é agente (protagonista) da história narrada.

10 O mundo real, no qual o autor vive, pode interferir na obra produzida. É de sua imaginação e visão pessoal que irá surgir uma realidade que, embora dotada de estatuto próprio, não será de todo divorciada da realidade que o circunda. Tony Bellotto, sendo uma pessoa atuante na sociedade, não poderia deixar de apresentar marcas do seu mundo artístico na obra. O romance em tela apresenta um narrador autodiegético, em primeira pessoa. Voltei para casa com a cabeça pesada. Eu havia exagerado no vinho e no licor. As coisas se precipitavam: Dora desaparecida, dois assassinatos insolucionáveis, um alemão satânico e meu pai com câncer na próstata. Não vi nenhuma encruzilhada no caminho entre a Vila Mariana e o Jardim Paulista. (BELLOTTO, 1997, p. 214). Entre o mundo do autor e o do narrador, ser imaginário, é possível encontrar pontos de identidade, porém não necessariamente. Bellini, que em momentos de encantamento e filosofia, encontra-se com a arte, literatura, história literária, ou como diria o próprio narrador... um poeta, um filósofo da arte da detecção. (BELLOTTO, 1997, p. 49). Não é exclusividade do narrador-personagem discutir literatura. Dora Lobo, Irwin, o detetive estrangeiro, e as personagens relacionadas com o assassinato da estudante Silvia Maldini e o desaparecimento do livro permeiam as falas com assuntos literários. O detetive estrangeiro não faz de sua missão uma questão de paixão em relação ao livro desaparecido, ele não aprecia a literatura de Dashiell Hammett, prefere Stephen King, Scott Turow e John Grisham, nem conhecia a literatura de Dashiell Hammett. Para Irwin, poemas e armas não são as suas preferências. Poemas? Poemas são ainda mais obsoletos que armas, ele deu dois tapinhas na pasta preta que embalava o computador: Isto é tudo de que preciso. Detetives como você ainda usam pistolas, câmeras fotográficas e gravadores, mas isso está ultrapassado... poemas... Como pode você pensar em poemas? Deixe os poemas para poetas... (BELLOTTO, 1997, p. 26).

11 O que importa, para o detetive que veio de longe, é o dinheiro e o prestígio que poderá ter ao encontrar o manuscrito desaparecido, então poderá passar a vida inteira procurando a Comédia, de Aristóteles. Os dois deuses de Bellini se encontram na procura do livro desaparecido. Ao mesmo tempo em que Belliniutiliza o seu lado prático e racional, deixa aflorar o seu lado satírico, embriagado. O profissional e a arte estão presentes em vários momentos na narrativa. Em uma conversa entre Bellini e Trajano Tendler, podem ser observados os dois lados da lâmina. Você é um detetive socialista, Bellini? Não. Como qualquer um, eu morro de inveja da sua fortuna. Você pode me ajudar? Teria muito prazer, mas não vejo como. Se você estivesse à procura de um texto clássico, um manuscrito de Proust, Balzac ou Eça de Queiros, por exemplo, ou de algum brasileiro nobre, como Machado ou Guimarães Rosa, ou até mesmo de um documento raro do Império ou da Primeira República, aí, quem sabe, eu poderia ser de alguma utilidade. Mas um texto de Dashiell Hammett... ele franziu o rosto,... sim, eu sei da importância dele, há controvérsias, inclusive, sobre a real autoria da chamada prosa seca americana. Muitos creem que Hammett a criou antes de Hemingway, que foi sempre quem colheu os louros pelo feito. Mas cá entre nós, a prosa americana é tão insossa... (BELLOTTO, 1997, p. 44). O lado racional de Bellini personagem aflora, e não deixa o prazer de Bellini narrador fluir. Pelo narrador, a conversa poderia prosseguir por muito tempo, mas Bellini assume o lado profissional e afirma que não está em sua presença para falar de literatura. Trajano Tendler continua: Não mesmo? É uma pena. Sabe, eu vejo esse interesse crescente pela literatura americana como mais um sinal da estupidificação gradativa do brasileiro médio. No meu tempo dávamos muito mais valor à literatura francesa. Acho que sou um anacrônico, Bellini. Sou um velho esteta perdido nessa América do Sul calorenta e selvagem. [...] Essa é, claro, uma figura de linguagem, prosseguiu, como que lendo meus pensamentos. Tudo bem, vá lá, há méritos na prosa de Hammett. Ele escreveu apenas cinco romances, todos eles publicados antes de 1940, e ficou célebre pela violência e concisão de seus textos. Depois disso, até sua morte, em 1961, não publicou mais nada. Você sabe por quê? (BELLOTTO, 1997, p. 45).

12 Bellini, o personagem, responde: Porque ficou obcecado pela concisão e isso o impediu de escrever. Não conseguiu passar da primeira página. Pior, não passava da primeira frase, refazendo-a à exaustão. Tornou-se um fracassado, um perdedor. (BELLOTTO, 1997, p. 45). São dois deuses, dois Bellinis e uma representação. Considerações finais A narrativa do romance policial possibilita a participação de um leitor especial. Segundo Borges (1996, p. 32), há um tipo de leitor de romances policiais, aquele que lê com incredulidade, com desconfiança, uma desconfiança especial. Por exemplo, se ele lê a frase Em certa região da Mancha..., naturalmente imagina que aquilo não aconteceu na Mancha. Depois: cujo nome não quero lembrar... Por que Cervantes não quis lembrarse? Porque, sem dúvida, Cervantes era o assassino, o culpado. Logo vem o resto:... não faz muito tempo... possivelmente o que vier a acontecer não será tão aterrador quanto o futuro. A novela policial gerou um tipo especial de leitor. Costuma-se esquecer isto, ao julgar a obra de Poe. Porque, se Poe criou o conto policial, criou, mais tarde, o tipo de leitor de ficção policial. (BORGES, 1996, p. 32). O romance policial é um mundo particular, o leitor participa dele de forma desconfiada, interage com as personagens, emociona-se, (des)encanta-se a cada página. Ao estabelecer um estatuto para o romance policial, pode-se também estabelecer um estatuto para o leitor da ficção policial, que se diferencia dos demais leitores de ficção, ao competir com o detetive, na busca por desvendar o crime, o fato, ou o caso misterioso, procurando desvendá-lo antes do detetive. Este leitor é encontrado em todos os lugares do mundo, foi construído com a colaboração de Edgar Alan Poe ao estabelecer os princípios da literatura policial, fazendo com que o leitor participe do romance, levando-o a acabar de escrever o romance, prevalecendo o intelectual, o fantástico, a imaginação. Pensar uma obra é pensar o leitor dessa obra e tudo o que a circula. No caso em pauta, ao pensar o romance Bellini e o demônio, de Tony Bellotto, (violinista, compositor, guitarrista da banda Titãs, nascido em São Paulo em 1960, casado com uma

13 atriz Global, autor do romance Bellini e a esfinge), é pensar na atriz Malu Mader, na banda, na mídia, na editora que publica o romance, elementos que circundam o romance e que estão em mim, um leitor datado historicamente. A partir destas marcas, o estudo poderia ter sido estabelecido, porém, optou-se em pensar a obra, com base nas que estão intrinsecamente na escri(fra)tura exposta. Nesse estudo, a lupa poderá estar embaçada, o computador com vírus e a arma carregada de festim, mas Zéfiro apertou o gatilho... Referências ALBUQUERQUE, Paulo Medeiros. O mundo emocionante do romance policial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, BARTHES, Roland. Mitologias. Rio de Janeiro: Bertrand, BELLOTTO, Tony. Bellini e a esfinge. São Paulo: Companhia das Letras, BELLOTTO, Tony. Bellini e o demônio. São Paulo: Companhia das Letras, BOILEAU-NARCEJAC. O romance policial. São Paulo: Ática, BORGES, Jorge Luis. Cinco visões pessoais. Brasília: Universidade de Brasília, BRUNEL, Pierre, (Org.) Dicionário de mitos literários. Rio de Janeiro: José Olympio, CAMPBELL, Joseph. As máscaras de Deus. São Paulo: Palas Athena, GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, GUIMARÃES, Ruth, Dicionário da mitologia grega. São Paulo: Cultrix, LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico da filosofia. São Paulo: Martins Fontes, MORIN, Edgar. O homem e a morte. Rio de Janeiro: Imago: NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A origem da tragédia. São Paulo: Moraes. POE, Edgar Allan. Os assassinatos da Rua Morgue / A carta roubada. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

14 SCHÜLER, Donaldo. Teoria do romance. São Paulo: Ática, SILVA, Vítor Manuel de Aguiar e. Teoria da literatura. Coimbra: Almedina, 1994.

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias + 23% + 108% (em 20 anos a taxa é superior a 200%) 15% das mulheres e 65% dos homens brasileiros já tiveram ao menos uma experiência sexual fora do

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

PALAVRAS DE DETETIVE

PALAVRAS DE DETETIVE PALAVRAS DE DETETIVE Recorta as definições e une-as às respetivas palavras. Utiliza os dicionários disponíveis. Pessoa que possivelmente terá cometido o crime. Sinal, indicação, indício, que ajuda a resolver

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6]

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] O tema central desta edição do Boletim Informativo será a Psicologia Infantil. A Psicologia Infantil é a área da Psicologia que estuda o desenvolvimento da

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS Gn 5 1 Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando criou os seres humanos, Deus os fez parecidos com ele. 2 Deus os criou homem e mulher, e os abençoou, e lhes deu o nome de

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

Quanto mais. 15º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quanto mais enfrentamos nossos medos, mais eles diminuem.

Quanto mais. 15º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quanto mais enfrentamos nossos medos, mais eles diminuem. 15º Plano de aula 1-Citação as semana: Quanto mais enfrentamos nossos medos, mais eles diminuem. 2-Meditação da semana: Meditação para superar o medo 3-História da semana: Abrindo a porta 4-Música da semana:

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração.

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. ANDRÉ LETRIA Entrevistado por Maria Augusta Silva Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. Um traço sinónimo de qualidade. Desenho e cor para a infância. Aos 26 anos

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 1 1. Objetivos: Ensinar que Jacó fez trabalho duro para ganhar um prêmio Ensinar que se nós pedirmos ajuda de Deus, Ele vai nos ajudar a trabalhar com determinação para obter

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 5

Ajuntai tesouros no céu - 5 "Ajuntai tesouros no céu" - 5 Mt 6:19-21 Temos procurado entender melhor através das escrituras, o que Jesus desejou ensinar aos seus discípulos nesta sequência de palavras, e pra isso, estudamos algumas

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

O Jogo dos Espíritos

O Jogo dos Espíritos Atenção: Este livro não é recomendado para pessoas de mente fraca ou menores de 18 anos. Use-o por sua própria conta e risco. O Jogo dos Espíritos Este é um jogo de narrativa compartilhada (também chamado

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais