Autoria: Rita de Cássia Martins de Oliveira e Lúcio Flávio Renault de Moraes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Rita de Cássia Martins de Oliveira e Lúcio Flávio Renault de Moraes"

Transcrição

1 Qualidade de Vida no Trabalho: uma análise no contexto de trabalho dos detetives da Polícia Civil Metropolitana de Belo Horizonte Autoria: Rita de Cássia Martins de Oliveira e Lúcio Flávio Renault de Moraes Nesse artigo, apresentar-se-á os resultados de uma pesquisa realizada com o objetivo de mensurar o nível de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) no âmbito da carreira dos detetives lotados na Superintendência de Polícia Metropolitana de Belo Horizonte (METROPOL). Destaca-se ainda as variáveis mais significativas no diagnóstico do mesmo e a identificação do porquê da configuração do nível encontrado. A pesquisa contou com a participação de 208 detetives, distribuídos entre as 15 seccionais de polícia metropolitana, os quais apontam suas percepções em relação aos oito critérios estabelecidos por Walton, escolhido como suporte teórico, para a investigação da QVT. Como estratégias metodológicas adotou-se a quantitativa, uma vez que buscou-se mensurar o nível de QVT, e a qualitativa, haja vista que para se entender o contexto de trabalho e o impacto do mesmo no nível de QVT encontrado, entrevistas foram necessárias. Em linhas gerais, o presente trabalho objetiva contribuir para a ampliação do conhecimento acerca das variáveis que influenciam o constructo de QVT no cotidiano das atividades de uma profissão de risco. 01 Introdução A questão da violência, aqui entendida como qualquer ato contra o cidadão ou seu patrimônio, é hoje uma das questões mais discutidas no âmbito da sociedade civil. A razão para esse fato é que atualmente vivemos uma das maiores prisões domiciliares de nossa vida, haja vista que a necessidade por lazer e por maior contato social esteja suplantado pelo desejo de segurança e pelo sentimento do medo em relação à criminalidade. Em meio a essas discussões surgem respostas tanto de senso comum quanto de estudos científicos para explicar esse contexto de insegurança pública. Na perspectiva do senso comum existe a tendência em associar, de forma direta, os índices de violência com os problemas sociais vivenciados pelo País. Porém, estudos realizados por Sapori & Wanderley, citado por SOUTO (2001), demonstram que os fatores capazes de explicar os índices alarmantes de violência encontram respaldo em dois pontos: (1) na urbanização desordenada ocorrida nos grandes centros urbanos e (2) na ineficiência dos órgãos responsáveis pela segurança pública. Para os referidos autores, os problemas sociais não explicam diretamente o fenômeno da violência desenfreada, mas isto não quer dizer que não exista uma influência da pobreza sobre a ocorrência de um ato violento. Nessa direção, tomando como referência os questionamentos sobre a ineficiência dos órgãos policiais apontada por autores como Sapori & Wanderley, citado por SOUTO (2001), e a inquietação sobre os possíveis fatores que interferem no comportamento dos indivíduos de tais organizações é que optamos por realizar um estudo que permitisse conhecer o sentimento dos policiais em relação aos fatores que compõem o seu contexto de trabalho. Dentro desse enfoque, a escolha do constructo de Qualidade de Vida no Trabalho fundamenta-se na perspectiva de interesse do tema em analisar o comportamento humano e suas implicações sobre as variáveis como o grau de absenteísmo, o comprometimento e a produtividade organizacional. 1

2 Decidiu-se então, estudar os detetives que constituem a Polícia Civil Metropolitana de Belo Horizonte. Essa escolha centra-se no ponto de que os detetives desenvolvem atividades essenciais para a composição do inquérito policial e para a elucidação de qualquer ato violento sendo assim, a vitrine da Polícia Civil. Pretende-se com esse trabalho, ampliar o conhecimento, da sociedade como um todo, sobre os problemas e o sentimento desses policiais no exercício de suas atividades e fornecer, à organização policial, subsídios que possam viabilizar uma reestruturação da carreira de tais profissionais. 2 Qualidade de vida no trabalho: fundamentação teórica A origem dos estudos de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) é apontada por alguns estudiosos como estando associada aos estudos desenvolvidos por Eric Trist na década de 50 (HUSE & CUMMINGS, 1985). Dentro do enfoque sócio-técnico, os indivíduos são motivados por diferentes estruturas de trabalho sendo o seu comportamento dependente da forma de organização desse mesmo trabalho e do conteúdo das tarefas a serem executadas (Eric Trist citado por BIAZZI JR., 1994:32). Nessa direção, a abordagem de QVT, busca desenvolver uma nova filosofia de trabalho a qual se fundamenta em aspectos de integração e desenvolvimento de cargos mais significativos, inseridos em uma organização mais humana e saudável. Na análise de WALTON (1973), a qualidade de vida no trabalho pode ser tomada como uma expressão para caracterizar determinados valores ambientais e humanos que foram suprimidos em favor do avanço tecnológico, da produtividade industrial e do crescimento econômico. Já GUEST (1979) define a QVT de forma mais objetiva. Para esse autor a qualidade de vida no trabalho é um processo no qual a organização tenta revelar e desenvolver o potencial criativo do indivíduo envolvendo-o nas tomadas de decisões que estejam diretamente ligadas ao seu trabalho. Aliando essas duas perspectivas, NADLER & LAWLER (1983:26) entendem a QVT como uma forma de pensamento envolvendo pessoas, trabalho e organização, destacando-se dois pontos: a preocupação sobre o impacto do trabalho sobre as pessoas e a participação na solução de problemas organizacionais e tomadas de decisões. De forma mais ampla KILIMNIK et al. (1994:322) entende a QVT como um processo dinâmico, processual, estabelecido numa relação dual, envolvendo trocas em vários níveis na tentativa de manter um equilíbrio interno na organização. Sintetizando todas essas definições, FERNANDES (1996) sugere que o termo qualidade de vida no trabalho sustenta-se sobre quatro pontos básicos: (1) a resolução de problemas com o envolvimento de todos os funcionários (participação, sugestões, inovações); (2) a reestruturação da natureza do trabalho (enriquecimento de tarefas, redesenho de cargos, rotação de funções, grupos autônomos ou semi-autônomos); (3) a inovação no sistema de recompensas (remunerações financeiras e não-financeiras) e (4) a melhoria do ambiente organizacional (clima, cultura, ambiente físico, aspectos ergonômicos e assistenciais). 2

3 Como percebido, o termo QVT possui uma abrangência de elementos e diferentes perspectivas não sendo encontrado, na literatura pertinente, uma definição consensual e definitiva para o tema. Esse fato traz como conseqüência uma diversidade de abordagens que se diferenciam, em alguns casos, nas variáveis básicas de análise. Entretanto, em todos os modelos o ponto em comum é a essência humanista do conceito de qualidade de vida no trabalho. Vale lembrar, que cada autor possui importância significativa na evolução dos estudos sobre QVT nas organizações. Desta forma, destacaremos aqui algumas abordagens que têm exercido influência na maioria dos estudos de qualidade de vida no trabalho desenvolvidos no Brasil. Na perspectiva de WALTON (1973), temos que a QVT deve ser entendida como um conceito global que compreende atos legislativos (os quais visam proteger os direitos dos trabalhadores), o atendimento das expectativas e aspirações humanas, e a responsabilidade social da empresa. Baseado nesses pressupostos, Walton sugere oito critérios que permitem construir uma estrutura de análise da qualidade de vida no trabalho. São eles: compensação justa e adequada, segurança e saúde nas condições de trabalho, oportunidade imediata para utilização e desenvolvimento das capacidades humanas, oportunidade futura para crescimento e garantia profissional, integração social na organização, constitucionalismo, trabalho e espaço total da vida, e relevância social do trabalho. Dentro do mesmo enfoque de Walton, WESTLEY (1979) entende a QVT como os esforços empreendidos pelas organizações buscando uma maior humanização do ambiente de trabalho. Para esse autor, quatro fatores na organização afetam diretamente a qualidade de vida no trabalho: o político, que causa a insegurança; o econômico, trazendo a injustiça devido à exploração da força de trabalho; o psicológico, que causa a alienação; e o sociológico, que tem como conseqüência a anomia. De uma forma mais específica, HACKMAN & LAWLER (1971) compreendem a QVT centrada nas tarefas desempenhadas pelos indivíduos. Na visão desses autores as tarefas são o ponto nas organizações em que os trabalhadores percebem, de maneira direta, a ligação entre o desempenho e as recompensas que lhes são atribuídas. Embasados nesses princípios, Hackman & Oldham desenvolveram o Modelo das Características da Tarefa o qual engloba as dimensões básicas da tarefa que conduzem aos estados psicológicos críticos capazes de gerar satisfação e motivação interna para o trabalho (MORAES & KILIMNIK, 1994). Seguindo a mesma linha de raciocínio de Hackman e colaboradores, WERTHER & DAVIS (1983:71) sugerem que para a maioria das pessoas, uma boa vida de trabalho significa um cargo interessante, desafiador e compensador. Porém, WERTHER & DAVIS (1983) não enfocam, em seu modelo, as variáveis ligadas às atividades que o indivíduo desenvolve. Para esses autores, deve-se considerar fatores mais amplos que afetam diretamente o projeto de cargos tais como: fatores organizacionais (objetivos, departamentos, cargos etc), ambientais (sociais, culturais, econômicos etc) e comportamentais (necessidades de RH, motivação e satisfação). Embora, encontrando na literatura diversas abordagens percebe-se que as mesmas se apóiam, geralmente, sob os mesmos pressupostos. Podemos considerar como aspectos comuns o 3

4 caráter humanista, a preocupação com a participação e envolvimento dos indivíduos no que diz respeito ao seu cargo, e a melhoria do ambiente organizacional. Conforme salienta LIMONGI & ASSIS (1995:26) a QVT é uma compreensão abrangente e comprometida sobre as condições de vida no trabalho, incluindo aspectos de bem-estar, garantia de saúde e segurança física, mental e social e capacitação para realizar tarefas com segurança e bom uso da energia pessoal. Dessa forma, entendemos que a QVT é um processo dinâmico que permite à organização uma transposição da tendência de se conceber o homem como mais um recurso de produção e considerá-lo como um ser pleno em potencialidades e que necessita realizar-se como tal. 3 Metodologia A pesquisa em referência caracteriza-se, segundo VERGARA (1997), como um estudo descritivo-explicativo. A justificativa para isto centra-se no objetivo geral do mesmo que é mensurar o nível de Qualidade de Vida no Trabalho dos detetives da Polícia Civil lotados na METROPOL (Superintendência de Polícia Metropolitana) e identificar o porquê do nível diagnosticado. Para tanto, as estratégias adotadas são a quantitativa e a qualitativa. Essa opção pelos dois métodos, quantitativo e qualitativo, fundamenta-se na análise de TRIVIÑOS (1994:118) o qual aponta que toda pesquisa pode ser, ao mesmo tempo, quantitativa e qualitativa. Para esse autor, os dados coletados e tratados estatisticamente são auxiliares para o pesquisador e não um fim em si mesmo. Nessa direção, a pesquisa busca analisar os dados quantitativos sustentando-se nos dados qualitativos para um aprofundamento do nível das análises realizadas. Como instrumento básico de coleta de dados adotou-se um questionário composto pelos critérios sugeridos por WALTON (1973) e adaptados à realidade da organização. Para tanto, o questionário constitui-se de nove blocos, sendo o primeiro deles pesquisando sobre os dados demográficos e os outros oito contendo as variáveis do modelo teórico de Walton. As variáveis pesquisadas foram: a) remuneração: renda adequada ao trabalho, equidade interna e externa; b) condições de trabalho: jornada de trabalho, ambiente físico seguro e saudável; c) uso e desenvolvimento de capacidades: autonomia, identidade da tarefa, variedade de habilidades e informações relevantes; d) oportunidade de crescimento profissional: possibilidade de carreira, crescimento profissional e segurança no emprego; e) integração social na organização: relacionamento e senso comunitário; f) direitos na organização: respeito às leis e direitos trabalhistas, privacidade, liberdade de expressão, normas e rotinas; g) equilíbrio trabalho e vida: papel balanceado do trabalho, estabilidade de horário e tempo para lazer e família; e h) relevância de seu trabalho: imagem da organização e responsabilidade social pelos serviços. 4

5 A população estudada constituiu-se dos detetives lotados na METROPOL. Esse setor tem como papel primordial o gerenciamento das Seccionais de Polícia Metropolitana que coordenam, por sua vez, todas as unidades policiais da região metropolitana de Belo Horizonte. No contexto da METROPOL temos quinze (15) Seccionais, nas quais estão lotados os detetives, objeto desse estudo, distribuídos conforme a necessidade de cada município. Assim, temos uma população de 934 detetives (conforme informações do Departamento de RH da Polícia Civil) em toda a região metropolitana. A amostra de 208 detetives foi selecionada de forma aleatória simples com uma margem de erro de estimação de 6%, para mais ou para menos, dentro de um intervalo de confiança de 95%. Procurando dar maior representatividade à amostra optamos por distribuí-la (208 policiais), de forma proporcional, entre as quinze (15) seccionais de polícia. 4 A configuração da QVT dos detetives da METROPOL A definição dos parâmetros e as respectivas avaliações da QVT, do presente estudo, tiveram como base a escala adotada no questionário, escala de atitude tipo Likert, com variações de 1 a 5. Nessa direção, optou-se por considerar que as médias situadas entre 1 até < 2,9 representavam QVT insatisfatória (QVT baixa). As médias situadas entre 3 até < 3,9 indicavam QVT normal, e entre 4 até 5 QVT satisfatória (QVT alta). Para a população pesquisada foi encontrada, na análise da QVT total, uma média de 2,8 (conforme TABELA 01) o que indica um nível de Qualidade de Vida no Trabalho insatisfatória, dentro dos parâmetros estabelecidos. TABELA 01 Análise descritiva da medida de QVT Medidas descritivas Variável n Mínimo Máximo Média Desvio QVT 154 1,4 4,8 2,8 0,6 Em relação aos critérios que compõem a estrutura de análise da QVT dos detetives encontramos diferenças estatisticamente significativas (p < 0,05). Conforme pode ser observado no GRAF. 01 os maiores escores obtidos referem-se à integração social na organização e relevância de seu trabalho, em segundo, temos o critério equilíbrio trabalho e vida, em terceiro, encontramos o critério oportunidade de crescimento profissional, em quarto, uso e desenvolvimento de capacidades, direitos na instituição e condições de trabalho, e por último o critério remuneração como o de pior avaliação. Observamos que o nível de qualidade de vida no trabalho, se analisado cada critério separadamente, se encontra dentro de um intervalo que tem em seu limite inferior a QVT insatisfatória e no limite superior a QVT normal. Esse fato demonstra uma uniformidade nos resultados não apresentando nenhuma média no intervalo de 4,0 a 5,0. Encontramos assim, uma QVT baixa o que nos leva a analisar de forma mais específica os critérios constitutivos do questionário aplicado. 5

6 5,0 4,5 4,0 3,5 3,4 3,4 Média 3,0 2,5 2,4 2,6 2,8 2,5 3,0 2,1 2,0 1,5 1,0 II III IV V VI VII VII IX Bloco GRÁFICO 01: Caracterização dos critérios pesquisados Nota: O valor de p refere-se ao teste de Kruskal-Wallis Bloco II Remuneração Bloco III Condições de Trabalho Bloco IV Uso e Desenvolvimento de Capacidades Bloco V Oportunidades de Crescimento Profissional Bloco VI Integração Social na Organização Bloco VII Direitos na Instituição Bloco VIII Equilíbrio Trabalho e Vida Bloco IX Relevância de seu Trabalho a) Remuneração p < 0,001 A questão salarial é ponto significativo no contexto de qualquer atividade profissional. WALTON (1973) argumenta que todos nós trabalhamos para ganhar a vida e a compensação que obtemos com esse trabalho é um aspecto fundamental quando se trata de analisar a Qualidade de Vida no Trabalho. Encontramos, junto aos respondentes da pesquisa, uma média de 2,1 o que demonstra que os mesmos estão insatisfeitos com esse critério. Os detetives apresentam o mesmo nível de insatisfação em relação aos fatores: remuneração total, com o poder aquisitivo da mesma e com o empenho dos órgãos competentes no sentido de buscar melhorias salariais. Para demonstrar esse descontentamento um detetive nos revelou Recentemente, mais ou menos a três (3) meses, o salário deixou de ser menos ruim, não tivemos uma recuperação salarial. Agora o salário inicial é de R$ 900,00, com os devidos descontos. Não existe nenhum incentivo ou prêmio. O salário tem que ser compatível com 6

7 b) Condições de trabalho a região em que está trabalhando. Salário baixo induz os policiais a fazerem bico. Hoje o policial trabalha em outra atividade e a polícia tornou-se bico. A instituição não dá nenhum incentivo. Isto nos deixa frustrados. (Det. 01) (grifo nosso) WALTON (1973) sugere que a organização deve oferecer aos seus funcionários um ambiente seguro e saudável para a realização de suas atividades. Deve-se ter horários justos de trabalho, condições físicas que reduzem ao mínimo o risco à vida e uma preocupação dos gestores com o bem-estar das pessoas envolvidas na realização do trabalho. Encontramos, entre os respondentes, uma média de 2,4 o que se traduz em um nível de QVT insatisfatória. Dentro desse critério os escores que nos chamam a atenção são em relação aos equipamentos (armas, coletes, viaturas etc), apoio/acompanhamento psicológico oferecido pela organização e as condições físicas das delegacias. Todos esses fatores foram avaliados, pelos respondentes, com um nível de insatisfação. No que tange ao apoio/acompanhamento psicológico esse ocorre somente de forma regulamentada em lei, exceto os casos mais urgentes. A psicóloga nos relata essa situação. Na análise de um detetive Quando ele (policial) entra está apto a assumir o cargo, a ser polícia. Quando ele volta para a promoção é declarado inapto. O que acontece neste período? É isso que necessita, na esfera psicológica, ser avaliado. Pois as atividades de conviver com tantas situações estressantes acaba por desestruturar a pessoa e este fato necessita ser acompanhado. A avaliação psicológica é somente na seleção ou quando se volta para o curso de aperfeiçoamento. Assim, existe uma lacuna entre as avaliações psicológicas dos policiais. (Psicóloga) (grifo nosso) Os detetives vivem estressados fazendo uso, algumas vezes, de álcool, drogas, etc. Não se tem apoio psicológico, ou seja, não se preocupa com o policial. O Estado não dá amparo ao servidor. Acaba mandando embora aquele que sai da linha mesmo por motivo de trabalho. (Det. 2) (grifo nosso) Sobre as condições físicas das delegacias temos um depoimento muito interessante O prédio da delegacia está péssimo. Rachaduras em todo o lugar. O prédio está condenado pela perícia técnica. Mas para onde vamos? Com as chuvas talvez teremos que abandonar o prédio (Seccional do Barreiro).(Det. 8) c) Desenvolvimento de capacidades WALTON (1973) argumenta que a implantação dos métodos tayloristas/fordistas nas organizações trouxe como conseqüência a perda do significado do trabalho. Para que 7

8 possamos recuperá-lo Walton sugere que quatro fatores são essenciais: autonomia, capacidade de utilização de habilidades múltiplas, execução de tarefas completas e possibilidades de planejamento das ações. Na avaliação dos detetives esse critério também é percebido como insatisfatório, média de 2,6 conforme o GRAF. 01. Em relação aos fatores que compõem essa dimensão somente dois, na perspectiva dos detetives, apresentam-se com avaliações satisfatórias: liberdade para planejar e executar suas ações e oportunidade para utilizar os conhecimentos e/ou habilidades que os mesmos possuem. Percebemos que no cargo analisado existe autonomia para que os detetives possam decidir como fazer e, principalmente, liberdade para planejarem suas ações. Esse fato é decorrência, pode-se inferir, do trabalho desses profissionais ser realizado extra-muro o que propicia aos mesmos certa liberdade para com a maneira de realizar determinada ação. Isso faz com que exista autonomia sobre as decisões do que e como fazer o trabalho. Um ponto relevante é o sentimento que os detetives demonstram quando são questionados sobre a oportunidade, que a organização oferece, para que os mesmos possam realizar atividades desafiantes que exijam criatividade. 29,3% dos respondentes afirmam estarem insatisfeitos com esse fator e igual número de respondentes, 29,3%, afirmam serem indiferentes ao mesmo fator. Esses dados corroboram a análise realizada por HACKMAN & OLDHAM (1975), os quais afirmam que nem todo trabalho pode ser estruturado de forma enriquecida nas várias características que o compõem, pois a natureza do indivíduo (representada pela necessidade individual de crescimento) que vai desempenhá-lo é fator extremamente significativo. Em relação ao fato de desempenharem atividades completas em seu cargo 38,2% dos respondentes demonstram estarem insatisfeitos com as oportunidades que a organização oferece. O mesmo nível de insatisfação ocorre com 44,7% dos respondentes quando se avalia a qualidade das informações que a organização disponibiliza para que os policiais possam estar atualizados dentro de sua função. Também encontramos insatisfações, 41,3% dos respondentes, ao questionarmos sobre as informações que dizem respeito ao trabalho realizado por eles. Parece-nos que não existe cuidado, por parte da organização, no que diz respeito às informações necessárias ao bom desempenho das atividades desses profissionais. d) Oportunidade de crescimento profissional Essa dimensão é percebida, pelos detetives, com insatisfação tendo sido avaliada com uma média de 2,8. Conforme o modelo teórico adotado, esse critério se baseia na importância de uma carreira que propicie ao indivíduo desenvolver e aplicar novas habilidades e/ou conhecimentos, possibilidades de promoção e a segurança de manter-se no emprego (WALTON, 1973). Analisando primeiramente o sentimento dos detetives em relação às oportunidades, que a organização oferece, para o progresso na carreira temos que 59,2% dos respondentes estão muito insatisfeitos com esse fator. Vale lembrar, que as normas das promoções são estabelecidas por lei e estas ocorrem, dentro de um mesmo cargo, pelos requisitos de merecimento e antiguidade. 8

9 Segundo um detetive Para a cúpula da METROPOL O dia-a-dia corroeu a estrutura formal. Privilégios para a promoção. O que se assiste dentro da PC é que há mais ou menos 30 anos o mesmo grupo vem dominando. Quando sai um do comando já tem uma gravura carimbada para entrar no lugar.(det. 2) (grifo nosso) Promoção: o ponto falho é a questão do merecimento. Esta é uma forma de estar privilegiando alguns, mas isto não é só no caso dos detetives, acontece com todo o quadro da Polícia Civil. (grifo nosso) No que tange à percepção dos respondentes sobre as oportunidades, que a organização oferece, para que os mesmos possam desenvolver novas habilidades e/ou conhecimentos também verificamos um nível de insatisfação, 34,3% dos respondentes. Também percebemos níveis de insatisfação, 30,6% dos respondentes, em relação às oportunidades para a utilização das habilidades e/ou conhecimentos adquiridos, nos treinamentos, no exercício diário de suas atividades. Vale salientar que todo treinamento que os policiais civis recebem, seja ele de qualquer natureza, é ministrado pela ACADEPOL (Academia de Polícia Civil) que tem como uma das funções básicas o desenvolvimento dos recursos humanos da Polícia Civil. É sua função ensinar os procedimentos legais, técnicos e científicos da polícia. Entretanto, na análise dos detetives Eu tenho certeza que a Acadepol nos dá um ensinamento técnico/cientifico como a polícia deve ser, porém quando você vai para uma delegacia você vê que não tem nenhuma estrutura da forma que eles ensinaram lá, aí você começa a perder, com o tempo, tudo aquilo que você aprendeu, você esquece. (Det. 1) Apesar desse sentimento de insatisfação para as oportunidades de promoção, de treinamentos e utilização dos conhecimentos adquiridos a maioria dos respondentes se sente satisfeita (30,6% dos respondentes) com a possibilidade de crescer individualmente com a realização de seu trabalho. Esse mesmo sentimento de satisfação ocorre quando os detetives analisam as oportunidades que a organização oferece para que os mesmos desenvolvam novas habilidades (inglês, informática, auto-escola etc) além das exigidas pelo cargo, 30,4% dos respondentes. Já em relação ao fator da segurança no emprego 35,1% dos respondentes afirmam estarem insatisfeitos. Esse fato é percebido quando os mesmos esclarecem que suas atividades estão constantemente limitadas pelos atos de transgressões disciplinares. e) Integração social na organização 9

10 Na perspectiva de WALTON (1973), níveis satisfatórios de integração social podem ser atingidos quando na organização existe um bom relacionamento interpessoal, sentimento de comunidade, ausência de preconceitos, apoio e respeito mútuo entre os seus integrantes. Entre os detetives esse critério obteve uma média de 3,4, conforme GRAF. 01, ou seja, QVT normal. Observamos que os aspectos de relacionamento social, dentro das delegacias, o clima de trabalho e o senso de comunidade são avaliados com níveis de satisfação pela maioria dos detetives. O mesmo sentimento de satisfação ocorre quando se questiona sobre o respeito e o apoio que os superiores oferecem aos detetives. Esse fato é percebido quando observamos o ambiente nas Seccionais visitadas em que presenciamos uma preocupação com o que acontece com o companheiro de trabalho principalmente no que tange a problemas de transgressões disciplinares, punições e problemas particulares. Podemos inferir que o critério de integração social nas delegacias é satisfatório para os detetives por estarem, os mesmos, envolvidos com os mesmos problemas e mesmas atividades fato esse que favorece o companheirismo dentro da organização. Talvez, se a pesquisa envolvesse outros cargos poderíamos obter resultados diferentes dos aqui observados, isso devido aos conflitos entre os cargos, inerentes a qualquer organização, ou outra variável qualquer. f) Direitos na organização Em termos do pressuposto teórico, WALTON (1973) afirma que existe a necessidade de princípios que tornem claros os direitos e deveres dos trabalhadores na respectiva organização. Esse fato faz com que os indivíduos se previnam contra atitudes arbitrárias por parte dos gestores. No que tange ao universo pesquisado, os detetives, os direitos e deveres dos mesmos são especificados por lei (Lei Orgânica da Polícia Civil de Minas Gerais) a qual determina as regras e diretrizes que norteiam toda função policial. Por seu caráter amplo as leis exigem, muitas vezes, interpretações por parte dos policiais fazendo-se necessário esclarecimentos, em muitos casos, dos direitos e deveres a que estão sujeitos os mesmos. Nesse sentido, quando do curso de formação os policiais novatos recebem todas as instruções, inclusive os direitos e deveres, específicas de seu cargo. Entretanto, 48,8% dos respondentes declaram que não foram informados sobre os direitos e deveres em relação à sua função. Em relação ao tratamento justo que lhes é dispensado pelos seus superiores 37,4% dos respondentes se declaram satisfeitos. Porém, 36,4% dos respondentes se sentem insatisfeitos com o respeito, por parte da organização, aos seus direitos estabelecidos por lei. Um ponto que é importante analisar são as punições que ocorrem devido a alguma transgressão disciplinar. 30,1% dos respondentes se sentem insatisfeitos com os critérios concebidos como indisciplina. Alguns depoimentos demonstram, mais claramente, esse sentimento de insatisfação 10

11 Somente a punições que o policial tem direito. Eles são personalistas e sarcásticos na punição. Não gostei de você vou te punir de acordo com a Lei Orgânica. (Det. 03) (grifo nosso) O Policial Civil é o único servidor que a punição mexe com o seu salário (através de multa) além de mexer no conceito é até um ato inconstitucional. (Det. 02) Se a questão da punição é ponto de insatisfação no contexto de trabalho dos detetives as defesas a que o policial tem direito não poderiam ser diferentes. Questionando sobre o respeito que a organização tem sobre o direito de defesa ao ser punido 33,0% dos respondentes estão muito insatisfeitos. O mesmo sentimento de insatisfação é demonstrado quando se analisa a liberdade que os policiais possuem para lutarem em favor dos direitos assegurados por lei. Os dados indicam que 39,8% dos respondentes se sentem insatisfeitos com esse fator e outros 25,7% dos respondentes se sentem muito insatisfeitos. Em relação ao sindicato boa parte dos detetives, 34,8% dos respondentes, se declarou indiferente à questão. Entretanto, a maioria, 36,7% dos respondentes, se diz satisfeita com o respeito que a organização demonstra ao direito de pertencer ao sindicato. Porém, no que diz respeito ao grau de liberdade que a organização oferece para que os detetives possam reivindicar melhorias, 37,9% dos respondentes se sentem insatisfeitos. O depoimento do presidente do sindicado, SINDPOL (Sindicato da Polícia Civil), esclarece essa questão O sindicato foi criado em 1988, a coisa mais difícil foi fazer ele andar, fato esse que aconteceu em Fomos muito pressionados com ameaças. Fui demitido e fiquei 5 anos afastado da polícia, voltei com Itamar em As dificuldades aconteceram dentro da própria Polícia Civil. (Presidente do Sindpol) No que tange ao empenho da organização em implementar as sugestões realizadas pelos detetives impera um sentimento de insatisfação na maioria dos respondentes, 38,8% dos detetives. Na análise deles a organização não leva em consideração o que os policiais pensam ou sabem a respeito do trabalho. De uma forma geral, os detetives analisaram o critério, de direitos na instituição, com uma média de 2,5 (QVT insatisfatória) conforme pode ser observado no GRAF. 01. g) Equilíbrio trabalho e vida Avaliado com um nível normal de QVT (3,0) pelos detetives pesquisados, esse critério se coloca como uma dimensão essencial ao equilíbrio exigido entre o trabalho e a vida privada 11

12 do indivíduo. WALTON (1973) sugere que o trabalho não deve ocupar todo o espaço da vida de uma pessoa por isto o equilíbrio é tão necessário. Analisamos nesse critério a carga horária dos detetives, tempo para se dedicar ao lazer, a estabilidade de horários de trabalho, equilíbrio que possuem entre trabalho e lazer, e o respeito que a organização demonstra à privacidade dos policiais após a jornada de trabalho. Para todos os fatores pesquisados foi demonstrado um nível de satisfação pelos policiais. Na análise dos detetives, o trabalho desenvolvido por eles não ocupa todo o seu espaço de vida apesar do policial ser policial 24 horas por dia. h) Relevância de seu trabalho WALTON (1973) aponta que as conseqüências da reputação, da imagem e as ações da organização influenciam a QVT de seus funcionários. Na percepção dos detetives pesquisados, temos uma avaliação dentro dos parâmetros normais de QVT (3,4 conforme o GRAF. 01). Porém, analisando cada fator que compõe esse critério percebemos que 42,0% dos respondentes se sentem insatisfeitos com o respeito que a população lhes dedica e 32,9% se sentem muito insatisfeitos com esse fator. Observamos então, que o fator da imagem, tanto dos policiais quanto da organização, é ponto crucial na análise da QVT desses profissionais. Esse fato pode ser percebido quando se analisa o sentimento dos detetives em relação ao respeito que a população dedica à sua organização. 48,1% dos respondentes se sentem insatisfeitos com esse aspecto. Para a psicóloga da ACADEPOL A polícia trabalha em uma atividade de alto risco e não tem boa aceitação social. Este fato piora muito a vida profissional dos policiais. Nos cursos de aperfeiçoamento discute-se muito esta questão da imagem, pois gera alcoolismo, desgaste no relacionamento etc. (Psicóloga) (grifo nosso) Apesar da questão da imagem, os policiais se sentem realizando um trabalho significativo dentro da sociedade. 50,0% dos respondentes se sentem satisfeitos com a responsabilidade social que o seu trabalho possui. Segundo um deles ser detetive é ter uma função nobre, pois visa elucidar qualquer tipo de crime. Nessa direção, 56,2% dos respondentes se sentem satisfeitos com o fato de ajudarem outras pessoas com o seu trabalho e 58,7% dos detetives pesquisados estão satisfeitos com a importância das atividades que executam. Percebe-se dessa forma, que os detetives têm consciência da importância de seu trabalho. Prova disso é que 47,1% dos respondentes se sentem satisfeitos com a profissão de policial enquanto que a segunda concentração de respondentes, 38,0%, se sente muito satisfeita com o mesmo fator. Uma questão que é muito significativa para a análise da QVT é o fato do profissional gostar ou não da profissão que possui. Entre os detetives selecionados na amostra percebemos que 12

13 99,0% da amostra (205 detetives) declaram gostarem da profissão e somente 1% da amostra (2 detetives) não gostam da profissão. Esses dados podem ser analisados no GRAF. 02. Na análise da psicóloga da ACADEPOL O fato de ser polícia é um aspecto muito significativo para quem entra para a polícia Os policiais têm capacidade, motivação e querem trabalhar e possuem habilidades para isto. (Psicóloga) Não 1,0% (2) Sim 99,0% (205) GRÁFICO 02: Caracterização dos respondentes com relação ao fato de gostar ou não da profissão de policial Nota: 1 caso sem informação 5 Considerações finais A proposta inicial desse trabalho era diagnosticar o nível de QVT dos detetives da Polícia Civil lotados na METROPOL e investigar o porquê da configuração do nível encontrado tendo como suporte teórico os oito critérios sugeridos por WALTON (1973). O perfil da amostra pesquisada, segundo os dados pessoais, é o seguinte: 94,8% são do sexo masculino; 25,1% possuem entre 36 a 40 anos de idade; a maioria (51,7%) é casada; 69% possuem filhos e 69,6% possuem o 2º grau completo. Em relação aos dados profissionais temos que 25,9% possuem entre 0 a 6 anos de organização; 42,6% estão na classe de Detetive I (início da carreira); 65,5% não exercem e não exerceram outra função; 56,6% nunca foram removidos de cidade; 53,6% trabalham em jornada normal de trabalho e não fazem plantão e 72,5% não exercem outra atividade profissional que não a de policial. Em termos gerais diagnosticamos um nível baixo de QVT onde a média encontrada foi 2,8. Os critérios que mais explicam essa avaliação são a remuneração, as condições de trabalho e os direitos na organização. Para todos os critérios foram encontradas médias inferiores a 3,4, 13

14 fato esse que nos leva a inferir que a QVT dos detetives, observando cada critério separadamente, não ultrapassa a classificação de normal. Temos então, que o nível de QVT dos detetives diagnosticado é resultado de uma conjuntura de fatores em seu contexto de trabalho e da falta de condições, para que esse mesmo profissional, possa desempenhar suas atividades. Percebemos que os detetives estão insatisfeitos em relação a grande parte dos critérios pesquisados o que deveria levar a organização a um repensar sobre sua estrutura de trabalho e, principalmente, sobre a questão da valorização, tanto financeira quanto não-financeira, de seu profissional. Sabemos que a administração pública tem limitações críticas que, na maioria das vezes, explica o fato das pessoas envolvidas, diretamente na organização, não tomarem decisões que induziria uma melhoria do ambiente e da estruturação do trabalho. Quando da realização das entrevistas, muitas vezes, presenciamos preocupações, por parte de algumas pessoas hierarquicamente superiores aos detetives, com a situação de trabalho desses profissionais. Entretanto, percebemos limitações que são impostas a esses superiores no que diz respeito a decisões além de seu escopo de atuação. Observamos a existência de profissionais que gostam de sua profissão e desejam realizarem um trabalho sério e significativo para a sociedade. Mas percebemos também que a falta de condições de trabalho, não valorização das potencialidades existentes e a inércia frente às necessidades de programas de saúde física e mental, desses mesmos policiais, impedem a realização desse trabalho eficaz. Sugerimos à organização uma (re)estruturação de seu contexto de trabalho e da carreira de detetive, haja vista o grande potencial humano que ela tem em mãos. No que diz respeito às generalizações para toda a METROPOL sabemos que é perigoso realizá-las. Estudos analisando todo o espaço organizacional da METROPOL, ou até mesmo da Polícia Civil, poderia revelar dados de grande valia nesse momento de tantos questionamentos em relação à eficiência das mesmas. Deve-se salientar ainda, que o fato da pesquisadora não ser uma policial limitou o horizonte das informações, uma vez que por mais que se investigue um contexto de trabalho alguns detalhes são exclusivos do corpo funcional de qualquer organização. Contudo, pode-se afirmar que esse trabalho foi de grande significado no sentido de trazer à luz o sentimento dos detetives em relação às variáveis de seu contexto de trabalho e, principalmente, o nível de sua Qualidade de Vida no Trabalho. 6. Bibliografias referenciadas BIAZZI JR., F. de. O trabalho e as organizações na perspectiva sócio-técnica. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo: 34(1): p , jan/fev

15 FERNANDES, Eda Conte. Qualidade de Vida no Trabalho: como medir para melhorar. Salvador: Casa da Qualidade, GUEST, R. H. Quality of work life: learning from Torrytown. In: Harvard Business Review, p , Jul/Aug., HACKMAN, J. R.& LAWLER, E. E. Employer recrions do job caracteristics. Journal of Appllied Psychology Monograph. 55(3): p , jun HACKMAN, J. R., OLDHAM, G. R. Development of the job diagnostic survey. Journal of Applied Psychology, v. 60, n. 2, p , HUSE, E. F. & CUMMINGS, T. G. Organization development and change. 3ª ed., St Paul: Ed. Minn, KILIMNIK, Z. M. et al. O atual estado da arte da qualidade de vida no trabalho no Brasil. In: ANPAD, Anais Florianópolis: ANPAD, p , LIMONGI, A. C. & ASSIS, M. P. Projetos de qualidade de vida no trabalho: caminhos percorridos e desafios. Revista de Administração de Empresas RAE Light. São Paulo: mar/abr MORAES, L. F. R. de & KILIMNIK, Z. M. Comprometimento organizacional, qualidade de vida e stress no trabalho: uma abordagem de diagnóstico comparativo. Belo Horizonte: UFMG, (Relatório de Pesquisa). NADLER, D. A. & LAWLER, E. E. Quality of work life: perspectives and directions. Organization Dynamics. 11: p , Winter, 1983 SAN ANNA, A. S. Fatores de pressão e insatisfação em áreas de atendimento ao público: um estudo em empresas mineira do setor de serviços. Belo Horizonte: CEPEAD/FACE/UFMG, (Dissertação de Mestrado). SAPORI, L. F. & BATITUCCI, E.C. Número de homicídios cresce na Região Metropolitana de BH. In: Site mantido pelo Departamento de Estatística da UFMG. Consultado em 08/10/99. SOUTO, Isabella. Desemprego não é a causa da violência. In: Estado de Minas, Belo Horizonte, 15 de abril de Caderno nacional, p TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, WALTON, R. E. Quality of working life. What is it? In: Sloan Management Review: 15, n. 1, p , WERTHER, W. B. & DAVIS, K. Administração de pessoal e recursos humanos. São Paulo: McGraw-Hill, WESTLEY, W. A. Problems and solutions in the quality of working life. In: Human Relations, 32(2): p ,

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA: UMA PROPOSTA INTEGRADORA

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA: UMA PROPOSTA INTEGRADORA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA: UMA PROPOSTA INTEGRADORA 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O tema Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) vem ganhando, a cada dia, mais destaque nas publicações

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA.

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA. ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA. Marcelo Manarelli de Oliveira (LATEC/UFF) Ronnie Joshé Figueiredo de Andrade (LATEC/UFF)

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Renata Edvânia Costa Gouveia UFCG renata_gouveia@hotmail.com Kliver Lamarthine Alves Confessor UFPB

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): UM ESTUDO COM OS SERVIDORES DA SEÇÃO OPERACIONAL DA GESTÃO DE PESSOAS DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MOSSORÓ/RN

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): UM ESTUDO COM OS SERVIDORES DA SEÇÃO OPERACIONAL DA GESTÃO DE PESSOAS DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MOSSORÓ/RN QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): UM ESTUDO COM OS SERVIDORES DA SEÇÃO OPERACIONAL DA GESTÃO DE PESSOAS DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MOSSORÓ/RN Daniel Filgueira Chaves (UFERSA ) danielfilgueira@outlook.com

Leia mais

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT)

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) BIBLIOGRAFIA Oliveira, Aristeu de. Manual de Salários e Benefícios. 1. ed. São Paulo : Atlas, 2006. Cap. 20 pág. 71 a 73. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) em uma empresa estocadora de soja na região dos Campos Gerais: um estudo comparativo sobre satisfação/motivação

Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) em uma empresa estocadora de soja na região dos Campos Gerais: um estudo comparativo sobre satisfação/motivação Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) em uma empresa estocadora de soja na região dos Campos Gerais: um estudo comparativo sobre satisfação/motivação Ricardo Francisco Marques Quilici (CEFET/PR ) ricardo.quilici@ig.com.br

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ESTUDO COM GRADUANDOS TRABALHADORES

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ESTUDO COM GRADUANDOS TRABALHADORES QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ESTUDO COM GRADUANDOS TRABALHADORES Kael Vieira Amadei¹ Gilmar Lopes Dias² Edna Maria Querido de Oliveira Chamon³ ¹ Universidade de Taubaté UNITAU/Departamento de Economia

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS GARIS DA ÁREA CENTRAL DE BELO HORIZONTE

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS GARIS DA ÁREA CENTRAL DE BELO HORIZONTE FACULDADES INTEGRADAS DE PEDRO LEOPOLDO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS GARIS DA ÁREA CENTRAL DE BELO HORIZONTE Eliana Fátima Belo Pedro Leopoldo 2009 ELIANA FÁTIMA

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PERCEBIDA POR PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PERCEBIDA POR PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PERCEBIDA POR PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Carlos Augusto Fogliarini Lemos URI / Santo Ângelo - clemos@urisan.tche.br Juarez Vieira do Nascimento Jorge Both Palavras-chaves:

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOB A PERSPECTIVA DOS SERVIDORES

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOB A PERSPECTIVA DOS SERVIDORES QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOB A PERSPECTIVA DOS SERVIDORES Angela Maria de Oliveira - UEPG Irvana Chemin Branco - UEPG Cleise M. A.Tupich Hilgemberg - UEPG

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR DE IJUÍ RS

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR DE IJUÍ RS 1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DACEC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A QUALIDADE DE VIDA

Leia mais

A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UM ÓRGÃO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL

A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UM ÓRGÃO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL ISSN 1984-9354 A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UM ÓRGÃO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL Sandson Barbosa Azevedo, Débora Luisa Silva de Moura (Faculdade Projeção) Resumo: Atualmente vivemos

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PRIVATIZAÇÃO: qual a percepção dos trabalhadores a respeito de seus impactos sobre a qualidade de vida no trabalho?

PRIVATIZAÇÃO: qual a percepção dos trabalhadores a respeito de seus impactos sobre a qualidade de vida no trabalho? PRIVATIZAÇÃO: qual a percepção dos trabalhadores a respeito de seus impactos sobre a qualidade de vida no trabalho? Autoria: Simone Costa Nunes e Lúcio Flávio Renault de Moraes Resumo: Este trabalho procura

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho Desenvolvimento de uma metodologia para mensuração no ambiente do Banco do Brasil CESEC POA

Qualidade de vida no trabalho Desenvolvimento de uma metodologia para mensuração no ambiente do Banco do Brasil CESEC POA 1 Qualidade de vida no trabalho Desenvolvimento de uma metodologia para mensuração no ambiente do Banco do Brasil CESEC POA Autor: Janaina Mendes de Oliveira Resumo Este artigo é o resultado da pesquisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PARA MELHORIA DA PRODUTIVIDADE: ESTUDO DE CASO NO AMBIENTE DE CORTES DE FRANGOS

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PARA MELHORIA DA PRODUTIVIDADE: ESTUDO DE CASO NO AMBIENTE DE CORTES DE FRANGOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PARA MELHORIA DA PRODUTIVIDADE: ESTUDO DE CASO NO AMBIENTE DE CORTES DE FRANGOS Fabiano Takeda

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO ROBERTA DIAS LIMEIRA DE OLIVEIRA QUALIDADE DE VIDA

Leia mais

Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais 1

Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais 1 Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais 1 Autoria: Lúcio Flávio Renault de Moraes, Luciano Zille Pereira, Humberto Elias Garcia Lopes, Daniellie Bráz Rocha,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) NO SETOR PETROLÍFERO: UM ESTUDO COMPARANDO OS TRABALHADORES ONSHORE E OFFSHORE

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) NO SETOR PETROLÍFERO: UM ESTUDO COMPARANDO OS TRABALHADORES ONSHORE E OFFSHORE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) NO SETOR PETROLÍFERO: UM ESTUDO COMPARANDO OS TRABALHADORES ONSHORE E OFFSHORE Marcos Azeredo Mendonca (ISECENSA) marcosazm@gmail.com Henrique Rego Monteiro da Hora

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

A influência do tempo de serviço no clima organizacional de uma empresa: o caso de uma empresa de médio porte do setor agroindustrial

A influência do tempo de serviço no clima organizacional de uma empresa: o caso de uma empresa de médio porte do setor agroindustrial A influência do tempo de serviço no clima organizacional de uma empresa: o caso de uma empresa de médio porte do setor agroindustrial Ana Paula Moreira de Almeida (CEFET/PR) ana.almeida@masisa.com Cláudia

Leia mais

LARA SOUZA BANDEIRA CHAVES 2087236/8

LARA SOUZA BANDEIRA CHAVES 2087236/8 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LINHA DE PESQUISA: GESTÃO DE PESSOAS ÁREA: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO LARA SOUZA BANDEIRA CHAVES 2087236/8 PERCEPÇÃO

Leia mais

GERENTES SOB PRESSÃO NO SETOR ELÉTRICO

GERENTES SOB PRESSÃO NO SETOR ELÉTRICO GERENTES SOB PRESSÃO NO SETOR ELÉTRICO Ricardo Roberto Behr, Dr. Eng. Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Administração Fone: (27)33352598 (27)92926348 e-mail: fernandesbehr@bol.com.br Simone

Leia mais

XXIII ENANGRAD. Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (GPT)

XXIII ENANGRAD. Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (GPT) XXIII ENANGRAD Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (GPT) QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS ENCARREGADOS DE UMA EMPRESA DE EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO NO SUPERPORTO DA CIDADE DE RIO GRANDE Alana Dafne

Leia mais

Com isso, Nadler e Lawler (1983, p.22-24) realizaram definições evolutivas da Qualidade de Vida no Trabalho:

Com isso, Nadler e Lawler (1983, p.22-24) realizaram definições evolutivas da Qualidade de Vida no Trabalho: Qualidade de vida no trabalho, saúde e segurança no trabalho: reflexões e interseções O presente artigo trata da Qualidade de Vida no Trabalho, bem como sua origem e evolução histórica, aspectos conceituais

Leia mais

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Abimael Sousa Cordeiro* 1 ; Bruno Peixoto de Oliveira 1 1 Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PELOS COLABORADORES: UM ESTUDO NO SUPERMERCADO DA COTRIPAL DE CONDOR

A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PELOS COLABORADORES: UM ESTUDO NO SUPERMERCADO DA COTRIPAL DE CONDOR 1 UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DACEC - Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação Curso de Administração A PERCEPÇÃO DA

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR Emanuel Rosetti (UNICENTRO), Aline Cionek (UNICENTRO), Roseli de Oliveira Machado (Orientadora), e-mail: roseli_machado@yahoo.com

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

II. FUNDAMENTAÇÃO TÉORICA

II. FUNDAMENTAÇÃO TÉORICA II. FUNDAMENTAÇÃO TÉORICA A fundamentação teórica aborda teorias e conceitos de diferentes autores, pesquisados em livros e na internet, referente ao Programa 12S, de relevância para melhor entendimento

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE QUALIDADE DE VIDA

REVISTA BRASILEIRA DE QUALIDADE DE VIDA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Laboratório de Qualidade de Vida - LaQVida Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ponta Grossa PR Brasil v. 01, n. 02, jul./dez. 2009,

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: 100 MELHORES REVISTA ÉPOCA GREAT PLACE TO WORK 2006 É uma ferramenta de diagnóstico que mensura a percepção dos colaboradores sobre o relacionamento com a organização,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

COMPROMETIMENTO ORGANIZACIONAL E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PESSOAS COM E SEM DEFICIÊNCIA

COMPROMETIMENTO ORGANIZACIONAL E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PESSOAS COM E SEM DEFICIÊNCIA COMPROMETIMENTO ORGANIZACIONAL E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PESSOAS COM E SEM DEFICIÊNCIA MARIA NIVALDA DE CARVALHO-FREITAS UFSJ/FAPEMIG 12 LILIAM MEDEIROS DA SILVA UFSJ/FAPEMIG

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho e sociedade pós-moderna: construção de um instrumento de avaliação

Qualidade de vida no trabalho e sociedade pós-moderna: construção de um instrumento de avaliação Faculdades Integradas de Itararé FAFIT-FACIC Itararé SP Brasil v. 01, n. 02, jul./dez. 2010, p. 11-25. REVISTA ELETRÔNICA FAFIT/FACIC Qualidade de vida no trabalho e sociedade pós-moderna: construção de

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações

Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações Amarildo Pereira Cavassani (Fac. Nobel) amarildocavassani@ig.com.br Edlene Barbieri Cavassani (Uem) edlenebarbieri@ig.com.br Celestina

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: um estudo sobre os aspectos psicossociais e desenvolvimento de pessoal no hospital universitário de Alagoas

Qualidade de vida no trabalho: um estudo sobre os aspectos psicossociais e desenvolvimento de pessoal no hospital universitário de Alagoas Qualidade de vida no trabalho: um estudo sobre os aspectos psicossociais e desenvolvimento de pessoal no hospital universitário de Alagoas Neila Conceição Viana da Cunha Nelsio Rodrigues de Abreu Sávio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOCENTE NO CENTRO DE TECNOLOGIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOCENTE NO CENTRO DE TECNOLOGIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOCENTE NO CENTRO DE TECNOLOGIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA Francis Amim Flores (UENF ) francis.flores@hotmail.com Andre Luis Policani Freitas

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Qualidade de vida. Pesquisa realizada. Gestão de RH. Qualidade de vida no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Qualidade de vida. Pesquisa realizada. Gestão de RH. Qualidade de vida no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Qualidade de vida no trabalho Qualidade de vida O que é? Por que se tornou tão importante? Quais são seus impactos nas organizações? Pesquisa realizada Qualidade

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO NA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ/SC

A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO NA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ/SC UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIA DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DAIANE GORGES A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO NA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC

Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC Pesquisas de Clima Organizacional fornecem subsídios para a melhoria das condições de trabalho e a satisfação dos colaboradores e, com isso, tornando esta

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em MBA Gestão Estratégica de Pessoas, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: PERCEPÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: PERCEPÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação Av. São Paulo 3996 Vila Rosário Ibirité MG CEP:32400-000 Telefone: (31) 3521-9540- Fax: (31) 3521-9534 www.fundacaohantipoff.mg.gov.br MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Roger Maliski de Souza. Mestre Eng. de Produção

Roger Maliski de Souza. Mestre Eng. de Produção Roger Maliski de Souza Mestre Eng. de Produção O trabalho para o homem não é apenas fonte de recursos para adquirir bens, mas também uma maneira de socialização, que permite ao homem construir a sua identidade.

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO JAQUELINE ARAUJO DOS SANTOS (LATEC / UFF) Resumo: Os temas relacionados à qualidade de vida no trabalho estão cada vez mais sendo objeto de estudo e presentes

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Luciana Abrahão Barbosa 20872536

Luciana Abrahão Barbosa 20872536 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LINHA DE PESQUISA: Gestão de Pessoas AREA: Qualidade de Vida no Trabalho Luciana Abrahão Barbosa 20872536 Ações adotadas por uma

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais