de vinte anos, dentre elas uma variedade de romances, contos, obras de cunho autobiográfico,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de vinte anos, dentre elas uma variedade de romances, contos, obras de cunho autobiográfico,"

Transcrição

1 1 1 INTRODUÇÃO A série de publicações de Paul Auster ao longo de uma carreira literária de pouco mais de vinte anos, dentre elas uma variedade de romances, contos, obras de cunho autobiográfico, traduções e ensaios, fizeram dele um autor de sucesso, tanto de público como de crítica. Sua obra tem atraído grande atenção no cenário da literatura atual graças ao seu experimentalismo e subversão de parâmetros literários. O presente trabalho é centrado numa dessas apropriações de convenções genéricas, especificamente as fórmulas do gênero detetivesco. Em A Trilogia de Nova York, obra publicada em 1987, Paul Auster explora de forma inusitada as regras convencionalmente aceitas nas histórias de detetive, consagradas desde os primórdios do gênero, com Edgar Allan Poe. A partir de um crime ou evento misterioso, dá-se início à busca pela solução, em que a figura-chave é o detetive, indivíduo que de forma racional estabelece relações de causa e efeito entre os indícios disponíveis. Em A Trilogia de Nova York, Paul Auster subverte totalmente as convenções do romance policial, no que diz respeito aos seus elementos básicos: o crime, a ação do detetive em busca de uma solução, e a revelação final. A primeira edição do livro, de 1987, reúne os três textos já publicados isoladamente: Cidade de Vidro ( City of Glass, 1985), Fantasmas ( Ghosts, 1986) e O quarto fechado ( The locked room, 1986). A intenção primordial deste trabalho é, portanto, examinar esta obra de Paul Auster como exemplo de subversão do romance detetivesco tradicional, abordando dois de seus componentes essenciais, o detetive como protagonista e o processo de busca da solução do mistério inicial. Por meio da comparação entre o modelo canônico da história de detetive, que

2 2 é um gênero eminentemente formulaico, e a apropriação e subversão do gênero pelo autor, pretende-se aprofundar a compreensão de seu processo de criação literária. Em Trilogia de Nova York, é principalmente na construção da personagem básica do romance policial, o detetive, e da sua atividade em busca de soluções para um mistério inicial, que se percebe a abordagem subversiva do gênero. Para estabelecer as regras básicas do romance policial, realiza-se a princípio, neste trabalho, um estudo teórico do gênero em suas características mais marcantes a busca pela solução final do problema ou do crime, e de que formas a tradicional figura do detetive é desenvolvida. A partir desses parâmetros, o trabalho aborda a questão dos conflitos de identidade e de uma busca menos concreta e mais existencial que empreendem os protagonistas-detetives na obra de Auster. Ao tecer comentários sobre o diálogo que o autor estabelece com a fórmula tradicional das histórias de detetive, este estudo pretende, ainda, examinar o uso recorrente que faz da metaficção e da metalinguagem, o que elucida os propósitos da subversão genérica focalizada. Na Trilogia, a figura do detetive é construída de forma inusitada, como a de um indivíduo fragmentado em autor, narrador e protagonista. São personagens em crise de existência, que se perdem em suas buscas, transformando-se a busca do concreto e do material, ou seja, da solução do crime, em uma busca pessoal e existencial. Tais protagonistas caracterizam-se pela solidão e pelo abandono, sempre em busca de algo que muitas vezes desconhecem ou ignoram, o que configura uma paisagem toda peculiar na obra de Auster, em que o indivíduo e o problema da sua humanidade constituem preocupação recorrente. Assim, o estudo do detetive e do processo de busca fornecerá a estrutura básica para a análise, a ser desenvolvida nos três textos.

3 3 2 PAUL AUSTER E SUA OBRA Paul Auster é um autor versátil que transita com desenvoltura nos gêneros mais diversos. Oscilando entre romances ficcionais e semi-ficcionais ou biográficos, produzindo contos, ensaios, traduções e roteiros de filmes, Paul Auster afirmou-se como um dos autores mais comentados de sua geração. O inventor da solidão 1, sua primeira obra, publicada em 1983, já mostra traços que viriam a se tornar recorrentes: recriação ficcional de acontecimentos marcantes de sua própria vida e adaptação de parâmetros literários. Trata-se de um relato de memória em que Auster reconstitui suas lembranças do pai, Sam Auster, recentemente falecido e o relacionamento conflitante entre ambos. Esta é a primeira parte do livro, intitulada Retrato de um homem invisível, em que as recordações de infância, adolescência e já da maturidade de Auster se mesclam a reflexões sobre o papel ausente do pai em sua vida. Do seu ponto de observação, de narrador adulto, Auster procura desvendar as motivações do pai em seu papel de homem invisível, na vida do próprio filho, recriando a figura do pai ao lhe acrescentar aspectos e acontecimentos marcantes. Tais recriações teriam o propósito de dar alguma relevância ao pai morto, já que ele fora um homem ausente, física e humanamente distante do filho, levando uma existência medíocre, à semelhança de um homem invisível como indica o título da primeira narrativa do livro, Retrato de um homem invisível. Na segunda narrativa, O livro da memória, Auster recorre com bastante freqüência à intertextualidade traço marcante também na Trilogia a ser analisada. Em O livro da memória, Auster estabelece um diálogo com textos de outros autores que abordam a relação AUSTER, Paul. O inventor da solidão. Trad. Luiz Roberto Mendes Gonçalves. São Paulo: Best Seller,

4 4 de distanciamento entre pais e filhos. Com A Trilogia de Nova York 2, sua obra mais aclamada pelo público, Auster se consagraria como um escritor experimentalista, transgredindo as fórmulas do desgastado gênero policial tradicional. Na obra, o suposto crime e sua prospecção deixam de constituir o interesse principal da narrativa e os detetives se perdem em suas próprias buscas e provas, o que muda o rumo da investigação e acarreta finais surpreendentes. Isto deixa em aberto a solução esperada, decepcionando o leitor mais convencional acostumado com a revelação de enigmas ou com a violência costumeira que marcam o desfecho do romance detetivesco tradicional. Em A música do acaso 3 (The Music of Chance), de 1990, Auster novamente viria a explorar as armadilhas e ilusões que fazem com que o indivíduo se conduza ele próprio ao isolamento e ao fracasso. A partir do momento em que acidentalmente (como sempre, o acaso tem um papel fundamental em sua obra) encontra o jogador de pôquer Jack Pozzi todo machucado, vítima de espancamento, James Nashe indivíduo que viaja sem rumo em busca de liberdade passa a viver uma nova vida cheia de medos e riscos como parceiro de jogo de Pozzi. Após acumularem uma série de derrotas, caem nas mãos de dois ricaços excêntricos, e são forçados a cumprir uma espécie de prisão domiciliar imposta por ambos como pagamento das dívidas. Tal dívida só será sanada após a absurda e aparentemente despropositada construção de um imenso castelo de pedras, que parece nunca acabar, no terreno de seus credores. O livro mostra como a busca pela liberdade, como acontece com os detetives em Trilogia, pode acarretar situações e destinos imprevisíveis em que o acaso é a força 2 AUSTER, Paul. A Trilogia de Nova York. Trad. Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, AUSTER, Paul. A música do acaso. Trad. Marcelo Dias Almada. São Paulo: Best Seller, A obra também foi adaptada para o cinema em filme homônimo de 1993.

5 5 dominante. Também para o cinema seriam transpostos os seus roteiros para Cortina de fumaça 4 (Smoke, 1995) e Sem fôlego 5 (Blue in the Face, 1995) nos quais Auster atua como diretor ao lado de Wayne Wang. Em ambos os filmes, os diálogos ágeis e bem-humorados são reproduzidos de forma espontânea pelos atores, muitos deles não-profissionais. Em Sem fôlego, espécie de documentário ficcional sobre o bairro do Brooklyn, em Nova York, tanto personagens mais típicos e pitorescos quanto os mais cotidianos do local são os protagonistas de suas próprias vidas. A atuação do aclamado ator de filmes alternativos, Harvey Keitel, e o clima informal de improvisação e espontaneidade dão a tônica do filme, mostrando uma outra face da obra de Auster. A última obra publicada pelo autor, Viagens no scriptorium 6 (Travels in the scriptorium, 2007) mergulha novamente em temas recorrentes de sua obra, tais como o solitário confinamento em quartos pequenos e a auto-alienação do indivíduo. A história consiste nas viagens de Blank homem que, como seu nome indica, está vazio, pois perdeu a memória dentro de seu quarto-cela. As viagens que ele realiza por suas memórias do passado vão se juntando aos poucos, por meio de objetos deixados misteriosamente em seu quarto e das pessoas estranhas que inesperadamente vêm lhe fazer visita nessa espécie de prisão domiciliar. O personagem tenta procurar nas lembranças um motivo que justifique a sua prisão. Com o passar dos dias e dos eventos, as coisas vão ficando mais claras e Blank se reconhece como vítima de um complô político em uma sociedade totalitária do futuro. Quanto ao aspecto da busca existencial, a figura de Blank poderia se encaixar 4 AUSTER, Paul. Cortina de fumaça & Sem fôlego. Trad. Luiz Roberto Mendes Gonçalves. São Paulo: Best Seller, Cortina de fumaça foi dirigido por Wayne Wang e ganhou o prêmio de melhor filme estrangeiro na Alemanha e na Dinamarca em O roteiro, escrito pelo próprio Auster, foi uma adaptação do conto de natal Auggie Wren s Christmas story, escrito por ele para o The New York Times. 5 Sem fôlego também foi dirigido por Wayne Wang. 6 AUSTER, Paul. Viagens no scriptorium. Trad. Beth Vieira. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

6 6 perfeitamente nos personagens da Trilogia Quinn, Blue ou o narrador anônimo em O quarto fechado, pois é o indivíduo que está sempre em busca de algo desconhecido, seja a solução para um crime, cuja existência é duvidosa, ou a própria memória dos fatos. Dessa forma, os personagens de Auster apresentam um confronto existencial com eles mesmos, cujo final ou solução definitiva não é necessariamente o que está em jogo. Como nas palavras do narrador-personagem em O quarto fechado, que poderiam ser as palavras do próprio autor justificando de forma meta-ficcional as suas escolhas, não pretendo ter solucionado nenhum problema (AUSTER, 2000, p ). 3 OBRAS DO AUTOR Ficção Trilogia de Nova York (1987) Cidade de vidro (1985) Fantasmas (1986) O quarto fechado (1986) No país das últimas coisas (1987) Palácio da lua (1989) A música do acaso (1990) Leviatã (1992) Mr. Vertigo (1994) Timbuktu (1999) O livro das ilusões (2002) Noite do oráculo (2004)

7 7 Desvarios no Brooklyn (2005) Viagens no scriptorium (2007) Biografia O inventor da solidão (1982) A arte da fome (1992) The red notebook (1995) Da mão para a boca: Crônica de um fracasso inicial (1997) Achei que meu pai fosse Deus e outras histórias da vida americana (2001) Filmografia A música do acaso (1993) Cortina de fumaça (1995) Sem fôlego (1995) O mistério de Lulu (1998) A vida interior de Martin Frost (2006) Poesia Disappearances: Selected poems (1988) Ground Work (1990) Selected poems (1998) Collected poems (2004)

8 8 4 PERSPECTIVAS TEÓRICAS: a história de detetive como fórmula e como entretenimento Serão abordados a fim de dar fundamentação à pesquisa teóricos que refletiram sobre a literatura de massa e a narrativa de ficção em geral. São de vital importância aqueles autores cujas publicações críticas e teóricas se voltam para o gênero policial nos séculos XIX e XX, no que concerne suas características e elementos mais marcantes, tais como o papel do detetive, a solução do crime ou do enigma e a relevância do espaço na narrativa, assim como o impacto que tais obras exerceram e exercem sobre o público. Não se pode falar em romance policial ou conto detetivesco sem mencionar Edgar Allan Poe, apontado pela crítica como o criador da história de detetive. Em seu ensaio A filosofia da composição, com grande percepção e pioneirismo crítico, Poe descreve o processo de composição de seu poema O corvo e faz considerações, menos detalhadas, sobre a criação de seus contos. Vem daí o célebre princípio do efeito final, tantas vezes repetido por quantos se dedicam à crítica da ficção curta. Em seus famosos contos de raciocínio (tales of raciocination) Os crimes da rua Morgue, O mistério de Marie Roget e A carta roubada, principalmente no primeiro, Poe descreve todo o processo de dedução lógica empregado na solução de um acontecimento misterioso e aparentemente inexplicável. A partir de tais considerações, teóricos e estudiosos posteriores reproduzem, citam e sistematizam o que se pode considerar como a fórmula da história de detetive. Segundo John G. Cawelti (1976, p ), nesses contos, Poe definiu os quatro aspectos essenciais da fórmula detetivesca:

9 9 Situação: a história de detetive clássica começa com um crime não-resolvido e se desenrola rumo à elucidação de seu mistério, além de que as pessoas em suas histórias de detetive possuem problemas muito simples de forma que todos os problemas existentes estão relacionados ao crime cometido. Padrão de ação: Poe introduz os seguintes elementos 1) a figura do detetive, Auguste Dupin 7 o pai de todos os detetives e que inspirou diretamente o mais popular Sherlock Holmes, de Conan Doyle; 2) o crime e as pistas que levam à sua solução; 3) a história da investigação, vista pelo ponto de vista de um narrador o assistente do detetive 8 que não participa dela; 4) a anunciação e a explicação da solução, que encerra o momento dramático das revelações do detetive; 5) o desfecho (denouement) da história, que não implica a punição ou julgamento do criminoso, e sim apenas sua descoberta, com a elucidação do caso. Personagens: o detetive que é o protagonista; a vítima, que carece de descrições físicas e de problemas emocionais para não prejudicar a importância da investigação, representando a personagem de menor interesse; o criminoso, que também deve ser tratado sem profundidade para não apagar a imagem do detetive; outros coadjuvantes ameaçados pelo crime, mas incapazes de resolvê-lo, incluindo-se aí o assistente do detetive que narra a história. Espaço: os contos detetivescos de Poe se passam no apartamento de Dupin, que simboliza o espaço mítico em que o detetive faz suas deduções sem precisar sair para as ruas, a exemplo do apartamento de Sherlock Holmes na Baker Street. O crime pode ocorrer num misterioso quarto fechado 9 como Os crimes da rua Morgue ; nos bairros e guetos pobres das cidades grandes, como Paris e Londres; no espaço aristocrático do castelo ou da casa de campo isolada, recorrente em Agatha Christie Para mais detalhes sobre o detetive Dupin e os contos de raciocínio de Poe, ver p Sobre a figura do assistente do detetive, ver p. 22. Sobre o quarto fechado como estereótipo recorrente nas histórias de detetive, ver p. 34 e 55.

10 10 Cawelti, em seu livro Adventure, Mistery and Romance 10 trata, entre outros assuntos, do fenômeno da literatura policial como fórmula ou arquétipo, afirmando que os princípios fundamentais da história de mistério consistem na investigação e descoberta de segredos escondidos, de forma a trazer algum benefício para o protagonista com o qual o leitor se identifica 11. Segundo ele, nas fórmulas de mistério, o problema sempre possui uma solução racional e desejável, pois nisso consiste a fantasia moral expressa no arquétipo formulaico (1976, p ). Cawelti nos chama a atenção para o fato de que a busca pelos segredos escondidos, levada a efeito como um fim em si mesma, é primordialmente uma atividade intelectual e racional. Nosso fascínio por histórias de mistério seria fruto do isolamento e da omissão das pistas, das deduções que delas partem e da tentativa de orientá-las segundo um esquema racional completo de causa e efeito, de modo a desvendar ou prever uma possível solução final. Além disso, as fórmulas do romance policial decorrem de estereótipos recorrentes, figuras carimbadas que se repetem nas histórias tais como a do detetive durão e muitas vezes violento e imoral (no caso do romance noir) ou altamente racional e intuitivo, quando não excêntrico e ligeiramente arrogante (no caso de Sherlock Holmes ou Hercule Poirot); ou ainda, da femme fatale do romance noir, mulher bela e sensual, geralmente loira que pode atuar ambiguamente como vítima ou como criminosa ardilosa em potencial a complicar o desvendamento do crime. 10 CAWELTI, John G. Adventure, Mystery and Romance. Chicago: The University of Chicago Press, Nessa obra, o autor traz a tona toda uma discussão sobre a questão da fórmula que rege o desenvolvimento e o desfecho da história de mistério, em cuja categoria se insere o sub-gênero da literatura policial. 11 Tradução do autor. Todas as citações de textos traduzidas serão deixadas, nas no tas de rodapé, em seu original. The fundamental principle of the mystery story is the investigation and discovery of hidden secrets, the discovery usually leading to some benefit for the character(s) with whom the reader identifies.

11 11 Tais fórmulas são, segundo Cawelti, socialmente construídas, de forma que certos arquétipos visam a preencher a necessidade do leitor por fuga e diversão. Em suas palavras, fórmula é uma combinação ou síntese de um certo número de convenções culturais específicas com uma forma ou arquétipo de história mais universal 12 (1976, p. 6). Entende-se fórmula aqui, segundo ele, como a repetição de certas características em um vasto grupo de obras, a partir de certas combinações de elementos culturais e padrões de história arquetípicos. Como já ressaltado, os personagens no romance policial, como o detetive e o criminoso, encarnam em sua personalidade a fórmula do gênero em si. Cawelti fala sobre dois tipos de personagem-estereótipo: 1) o detetive, aquele que incorpora qualidades contraditórias ou opostas: o caso clássico seria talvez o de Sherlock Holmes, sujeito ao mesmo tempo altamente racional e sonhador, metódico e admirador de poesia, que passa horas junto a seu violino e usando drogas esta combinação faz de Holmes um personagem literário ímpar e peculiar; 2) o criminoso, aquele que apresenta maior complexidade de caráter, mais envolvido em problemas existenciais: caso do assassino frio e calculista Tom Ripley 13, de Patricia Highsmith, que nos remete em certos aspectos ao complexo Raskolnikoff de Crime e Castigo, de Dostoievsky. Essas características nos fazem repensar se tais personagens poderiam ser realmente enquadrados como estereótipos ou não. Podemos estabelecer, nesse aspecto, uma ponte com os protagonistas-detetives de A Trilogia de Nova York, em que certos personagens são mais complexos, e a busca se dá mais 12 formula is a combination or synthesis of a number of specific cultural conventions with a more universal story form of archetype. 13 Tom Ripley é o criminoso protagonista de uma seqüência publicada por Patrícia Highsmith, cujas obras principais são O sol por testemunha e O amigo americano. A autora foi uma das primeiras a abordar o crime e o criminoso sob um viés psicológico.

12 12 em termos humanos e existenciais, ao contrário da busca concreta do detetive do romance policial. Sobre a questão da literatura policial como simples meio de entretenimento e relaxamento despreocupado, Cawelti ressalta que como o prazer de uma obra formulaica depende da intensificação de uma experiência familiar, a fórmula cria o seu próprio mundo com o qual nos tornamos familiares pela repetição, defendendo o ponto de vista de que a literatura formulaica é o veículo mais apropriado para experiências de fuga e relaxamento. Para José Paulo Paes, em sua obra A aventura literária: ensaios sobre ficção e ficções 14, em que percorre com uma visão panorâmica o romance de aventuras desde os seus primórdios até a era do romance policial, o propósito confesso do romance de aventuras é menos o de, através do poder persuasivo da literatura, despertar a consciência crítica do leitor para a problemática do mundo e da vida, do que entreter-lhe a imaginação, fazendo-o esquecer a banalidade do cotidiano (1990, p. 15). No romance policial que é, segundo ele, descendente direto do romance de aventuras as personagens seriam planas, isto é, singelas, sem surpresas, faltas de maior profundidade psicológica, em contraste com as personagens redondas do romance de análise, seres complexos, multiformes e irredutíveis a simplificações 15 (PAES, 1990, p. 15), carecendo de profundidade psicológica qualidade do personagem horizontal. A figura do detetive seria o representante ideal desse tipo de personagem, de forma que tal romance visaria apenas à diversão de seus leitores, e a nenhum outro propósito mais sério Mais especificamente, a análise é sobre o capítulo As dimensões da aventura, p Segundo classificação de E.M. Forster.

13 13 Em Teoria da literatura de massa 16, Muniz Sodré procura demonstrar que o gênero policial, enquanto literatura de massa, é determinado pelo aparelho ideológico da indústria cultural, onde deve ser pesquisada a sua estrutura (1978, p. 116). O autor procura diferenciar a narrativa de detecção da narrativa de crime. A primeira seria fruto de uma longa e extensa tradição na literatura ocidental desde obras como a tragédia grega Édipo Rei de Sófocles em que Édipo faz uma investigação contra si próprio ou o Zadig de Voltaire, que segundo Paulo Medeiros e Albuquerque teria criado o modelo (da ficção de detetive) por acaso, como precursor do espírito de detecção do detetive (In: ALBUQUERQUE, 1973, p. 8). Embora antecipe vários elementos da história de detetive moderna, esta narrativa não requer a ocorrência de um crime, ao contrário da narrativa de crime, que define-se pela transgressão de normas jurídicas e que tem suas origens nos relatos de aventuras desde a tradição picaresca medieval de Robin Hood e El Cid até os romances de salteadores românticos do século XIX, em que o vilão ainda é visto como um herói. O romance policial moderno só iria surgir a partir da adoção da polícia científica na França do século XIX. Nesta época, a criminalidade crescia vertiginosamente, e a burguesia exigia medidas oficiais contra a criminalidade, que era uma ameaça constante à propriedade privada. Vidocq em suas Memórias (1828) relata as suas próprias experiências como exdelinqüente e como funcionário da polícia, encerrando uma ambigüidade em que é ao mesmo tempo policial e fora-da-lei. A partir de Vidocq, o crime passa a ser passível de investigação científica. 16 SODRÉ, Muniz. Teoria da literatura de massa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Na obra, o autor traça um panorama da evolução do romance policial, localizando suas origens nas Memórias (1828) do criminoso tornado policial Vidocq (sobre Vidocq, ver texto na mesma página).

14 14 Nessa época, há um esforço de compreensão racional do mundo decorrente da filosofia Iluminista e do Empirismo. Esse esforço irá acarretar o fim das penas capitais e do suplício físico na justiça européia os criminosos agora precisavam passar por um processo de julgamento oficial. Dentre outros fatores para essa mudança, encontramos a evolução científica da polícia em seus métodos de investigação e identificação do criminoso, recorrendo-se à química que é o forte do detetive Sherlock Holmes à medicina e à farmacopéia que nos romances de detetive se mostra útil principalmente nas autópsias e na detecção de venenos e aos métodos para-científicos como a frenologia (explicação do caráter do criminoso através da comparação craniana). Citado por Muniz Sodré, S.S. Van Dine, pai do detetive Philo Vance, já comentava que o método utilizado para o assassinato e o meio de descobri-lo devem ser lógicos e científicos, sem fazer piruetas nos recantos ignotos da aventura 17. Com Edgar Allan Poe, o crime deixa definitivamente de ser assunto tratado a partir de fontes populares (folhetim e literatura de cordel) e recebe o status de belas-artes. O crime, então, passa a ser um jogo para cérebros privilegiados seja o do criminoso, seja o do detetive (SODRÉ, 1978, p ). Passa das formas mais baixas, isto é, da esfera popular do sensacionalismo folhetinesco, para as formas mais elevadas do crime cerebral, tornando-se um produto espiritual, uma obra de arte. Mais tarde, o romance negro viria quebrar esses paradigmas, sendo que a detecção perde seu papel central, cedendo espaço à emoção e à violência. Sobre essa mudança de status do crime, o sociólogo e economista marxista Ernest 17 In: VAN DINE, S. S. Vinte regras para escrever romances policiais. In: O crime do inverno. Trad. Afonso Blacheyre. Rio de Janeiro: Record, s/d. Van Dine é um daqueles autores que, segundo Sodré, se incluem na era de ouro do romance policial, que vai de Conan Doyle no final do séc. XIX até a era do romance noir, que se inicia na década de 20.

15 15 Mandel em Delícias do crime 18 estuda o gênero policial como um fenômeno social ideologicamente marcado, mostrando como a coisificação da morte e do crime, na era moderna, e a inserção do bandido dentro de uma categoria exclusiva do sistema de classes capitalistas se mostra presente nas obras do gênero. Segundo Mandel, a morte geralmente tratada como uma questão antropológica ou uma tragédia individual, explicada pelas mais diversas ciências, pela filosofia e a religião sempre se manifesta no romance policial na forma não-natural e não-acidental de assassinato violento. Assim a morte no romance policial não é vivida, sofrida, temida ou combatida, mas torna-se um cadáver a ser dissecado, algo a ser analisado (1988, p. 73). Daí a preocupação com o crime ser uma preocupação com a segurança individual ou o destino de alguém. O sociólogo marxista acrescenta que a transformação do crime, senão dos próprios problemas humanos, em mistérios que possam ser solucionados, representa uma tendência comportamental e ideológica típica do capitalismo (1988, p. 38). A sociedade burguesa vê a morte e o crime mais de forma alienada e materializada, como coisa e fenômeno, livre da carga sentimental e da densidade psicológica que geralmente acompanham um crime e sua detecção. Da mesma forma, assegura que o verdadeiro problema do romance policial clássico não é, de forma alguma, o crime e certamente não é a violência ou o assassinato como tal. É a morte e o mistério, com pronunciada ênfase no segundo (1988, p. 53). Assim, no romance policial não há uma luta de paixões e vontades, apenas um embate de espíritos analíticos em oposição à inteligência preventiva, (...) uma competição entre inteligências abstratas (1988, p. 73). Dessa forma, o romance policial possui suas origens históricas em dois fatores: no momento que se dá a formalização do processo de 18 MANDEL, Ernest. Delícias do crime: história social do romance policial. Trad. Nilton Goldmann. São Paulo: Busca Vida, 1988.

16 16 coleta de provas criminais equivalendo ao processo de investigação / detecção do detetive e com o desenvolvimento da justiça criminal, quando a punição física e a tortura passam a ser substituídas pelas prisões e os julgamentos nos moldes como os conhecemos hoje. Segundo Mandel, os maiores triunfos da inteligência analítica foram conquistados nas ciências naturais (1988, p. 39). Dentre outras questões, Mandel ressalta o fato de que os primeiros romances policiais eram altamente formalizados e muito distantes do realismo e do naturalismo literário, pois não se preocupavam com o crime em si. A idéia era a do crime como um arcabouço a ser solucionado, um quebra-cabeças para ser montado (1988, p. 37). É por isso que o verdadeiro tema dos primeiros romances policiais, incluindo-se aí os contos de Poe e Conan Doyle, não é o crime ou o assassinato, mas o enigma, sendo o problema analítico e não social ou jurídico (1988, p. 37). Em seu ensaio A simples arte de matar 19, o clássico autor do romance negro Raymond Chandler nos dá uma visão mais de dentro do romance policial, comparando especialmente o antigo romance de enigma com o romance negro e como este contribuiu para a evolução do gênero. Chandler acredita que o principal dilema do romance de detecção tradicional ou clássico, ou lógico e dedutivo, ou simplesmente dedutivo é que, para chegar próximo à perfeição, ele requer uma combinação de qualidades que não são encontradas numa mesma mente (2002, p. 396). Dessa forma, o autor inglês critica as velhas e repetidas fórmulas de lógica e dedução nos romance de Agatha Christie e Dorothy Sayers. 19 Publicado no Brasil dentro do título Armas no Cyrano's e outras histórias (L&PM, 2002, p ), o ensaio The simple art of murder foi publicado originalmente na revista Atlantic Monthly em novembro de 1945.

17 17 Sobre a escola policial que o antecede, Chandler declara que tais obras não se realizam intelectualmente como problemas, e nem se realizam artisticamente como ficção, por serem muito tramadas e terem muito pouco a ver com o que acontece no mundo, criticando dessa forma a falta de veracidade do romance de enigma. O autor também chama a atenção para a figura de Dashiel Hammett, outro clássico do romance noir que, segundo ele e em contraponto com o velho romance de enigma, tornou a história de detetive algo divertido de se escrever, não uma concatenação extenuante de indícios insignificantes (2002, p. 408). Em termos de análise de texto, o teórico búlgaro Tzvetan Todorov destrincha a fórmula do modelo narrativo policial. Em seu livro As estruturas narrativas 20, o autor discute a questão da transgressão dos gêneros literários e de como uma obra pode prescrever um gênero. Considerando o romance policial como um gênero de massa, ele diz que quem quer embelezar o romance policial faz literatura, não romance policial (1979, p. 95), sendo que o romance policial não transgride, e sim se adapta às regras de um gênero. Todorov argumenta que o romance policial clássico ou o que ele chama de romance de enigma cujos exemplos clássicos são Agatha Christie e Dorothy Sayers tende para uma arquitetura puramente geométrica, em que a imunidade do detetive é defendida como uma regra fundamental. Dentro desse romance de enigma seriam encontradas, segundo ele, duas narrativas: a história do crime e a história do inquérito. O autor parece concordar com aquele conceito de romance policial como literatura inferior ou de entretenimento, afirmando que nele o estilo deve ser perfeitamente transparente, inexistente, sendo sua única exigência ser simples, claro, direto (1979, p ). 20 TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, O capítulo analisado do livro chama-se Tipologia do romance policial.

18 18 No romance noir 21, não há distinção temporal entre as duas histórias, característica do romance de enigma. Não há um crime anterior ao desenvolvimento da ação presente na narrativa, a qual assume a forma de retrospecção ou memórias como nas histórias de Conan Doyle ou de Agatha Christie. Segundo Todorov, no romance noir não há mais nada a adivinhar, não há mistério no sentido como havia no romance de enigma (TODOROV, 1979, p. 98). A história gira em torno da violência do crime, da ação e da amoralidade de seus personagens, característica marcante em autores hard-boiled 22 clássicos como Dashiel Hammett e Raymond Chandler. O criminoso também assume um papel mais relevante e não é tão suprimido como no romance de enigma, em que todas as luzes se voltam para o detetive. 21 A expressão roman noir é tradicionalmente traduzida como romance negro e inclui a ficção policial e de suspense publicada na época da Depressão e pós-segunda guerra. Para mais detalhes, ver: CAWELTI, John G. The HardBoiled Detective Story. In: Adventure, Mistery and Romance. Chicago: The University of Chicago Press, 1976, p Hard boiled crime fiction é a expressão usada em inglês para o gênero da ficção noir, cujas obras primordiais foram publicadas na revista barata de pulp-fiction Black Mask, na década de 1920, por Dashiel Hammett. Para mais informações, ver: CAWELTI, John G. The HardBoiled Detective Story. In: Adventure, Mistery and Romance. Chicago: The University of Chicago Press, 1976, p

19 19 5 A SUBVERSÃO DO ROMANCE DETETIVESCO TRADICIONAL EM A TRILOGIA DE NOVA YORK 5.1 O DETETIVE Como protagonista do romance detetivesco tradicional, a personalidade carismática do detetive tende a atrair toda a atenção do leitor, de modo até mesmo a compensar, em alguns casos, uma trama ruim, com desfechos previsíveis, descrições delongadas em excesso, ou crimes e soluções muito recorrentes e já conhecidos do público leitor. Via de regra, uma personalidade única e um aspecto físico característico se pensarmos em Sherlock Holmes e Hercule Poirot conferem à personagem certa excentricidade, exagero ou heroísmo, mesmo quando não encarna necessariamente o papel de herói, como no caso dos detetives fora-da-lei e imorais do romance noir. No decorrer da leitura da primeira história da trilogia de Auster Cidade de vidro, o leitor desavisado certamente sentirá forte estranhamento em relação à figura de Quinn como detetive, estranhamento que permanece nos contos seguintes, Fantasmas e O quarto fechado. A Trilogia de Nova York transgride, pois, todas as fórmulas do romance policial tradicional, o que a caracteriza como uma obra de ficção anti-detetivesca. No primeiro capítulo de Cidade de vidro, o narrador prenuncia ironicamente o papel do detetive na trama policial: O detetive é quem olha, quem ouve, quem se movimenta nesse atoleiro de objetos e fatos, em busca do pensamento, da idéia que fará todas essas coisas se encaixarem e ganharem sentido (AUSTER, 2000, p. 14). Este anúncio define a função tradicional do detetive como elucidador do mistério. Porém, isso é totalmente o oposto da

20 20 experiência vivida pelos detetives na Trilogia, os quais nada vêem ou ouvem, sem conseguir se movimentar no atoleiro de pistas falsas ou irrelevantes semeadas em seu caminho. Nas palavras do narrador de Cidade de vidro, parece haver pouca coisa para comentar sobre a personalidade de Daniel Quinn, como verificamos já na primeira página do livro. Isso vai totalmente contra a fórmula do romance policial tradicional, em que a descrição da figura do detetive muitas vezes é mais privilegiada do que o desenrolar da trama. Uma descrição mais detalhada do caráter e da personalidade daquele que é a personagem central do romance policial funcionaria como um modo de o leitor saber previamente que artifícios ou atitudes o detetive irá tomar para desvendar a solução do problema ou do crime. Por exemplo, se ele é mais dado à ação física e ao uso da violência como nos autores da era do romance noir, irá tomar uma atitude mais agressiva e menos cerebral. Por outro lado, se for semelhante a um Auguste Dupin, criado por Poe, a Hercule Poirot, de Agatha Christie, ou ainda a um Sherlock Holmes, de Conan Doyle, se apoiará mais nas investigações conduzidas por meio da dedução e da intuição. Segundo Cawelti, as fórmulas do romance policial decorrem de estereótipos recorrentes, que são as figuras carimbadas que se repetem nas histórias de detetive, como o detetive durão e muitas vezes violento e imoral (no caso do romance noir), ou por outro lado, o detetive altamente racional e intuitivo, quando não excêntrico e subentendendo certa arrogância (no caso de Sherlock Holmes ou Hercule Poirot). No romance noir, a femme fatale, mulher bela e sensual, geralmente loira, que pode atuar ambiguamente tanto como vítima quanto como criminosa ardilosa em potencial, complica o desvendamento do crime e a tarefa do detetive. Outros estereótipos entre as personagens secundárias, pensando aqui especialmente em Agatha Christie, são o velho mordomo ou governanta da mansão como suspeitos em potencial.

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Adriano Schwartz 1 Folha de São Paulo

Adriano Schwartz 1 Folha de São Paulo PONTO DE VISTA A ESTRATÉGIA DO CRIME Adriano Schwartz 1 Folha de São Paulo O escritor Ricardo Piglia já disse mais de uma vez que não há nada além de livros de viagens ou histórias policiais. Narra-se

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

O Tiro Final & Outros Contos Sensacionais

O Tiro Final & Outros Contos Sensacionais Multibrasil Download - www.multibrasil.net Sir Arthur Conan Doyle O Tiro Final & Outros Contos Sensacionais Tradução de: Fernando B. Ximenes Introdução O Tiro Final O Pastor de Jackman's Gulch O Vexame

Leia mais

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806.

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806. De volta para casa Game Design Document Versão: 2.0 Professor Orientador: Esp. Marcelo Henrique dos Santos Autores: Alessandra RA 1385789 Aline RA 1382286 Allan RA 1385006 Fabio RA 1385806 Iris RA 1383599

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5.O ANO EM 2012 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Nesta prova você será apresentado a Sherlock Holmes, um dos mais conhecidos

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Red Lake. Game Design Document. Versão: 1.0. Autores: Gabriel Santana Gabriel Soares João Gabriel Juan Matheus Kaio Gomes Rodolfo Brito

Red Lake. Game Design Document. Versão: 1.0. Autores: Gabriel Santana Gabriel Soares João Gabriel Juan Matheus Kaio Gomes Rodolfo Brito Autores: Gabriel Santana Gabriel Soares João Gabriel Juan Matheus Kaio Gomes Rodolfo Brito Red Lake Game Design Document Versão: 1.0 Goiânia, Junho de 2016 Índice 1. História... 3 2. Gameplay... 4 3. Personagens...

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Você não sofre porque tem uma programação mental, você sofre porque sua programação

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO Trazer a tarefa resolvida no dia: 22/03/2013 (Sexta-feira) Prof. Vanessa Matos Interpretação de textos LISTA Nº 04 9º ANO DESCRIÇÃO: A seleção de atividades é para a leitura e interpretação. Responda os

Leia mais

Romance Policial: Origens e Experiências Contemporâneas

Romance Policial: Origens e Experiências Contemporâneas 1 Romance Policial: Origens e Experiências Contemporâneas por Adriana Freitas 1 Em sua Teoria do romance, Lukács (2000) estuda a perda do sentido imanente em que se baseava a epopéia helênica e o aparecimento

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Jogos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Jogos Neste curso, queremos olhar para redes a partir de duas perspectivas: 1) uma estrutura subjacente dos links de conexão 2) o comportamentos

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

Ao Assassino o seu Castigo, ou a Impossibilidade de sair Impune. Uma leitura da obra O Seminarista de Rubem Fonseca

Ao Assassino o seu Castigo, ou a Impossibilidade de sair Impune. Uma leitura da obra O Seminarista de Rubem Fonseca Ao Assassino o seu Castigo, ou a Impossibilidade de sair Impune Uma leitura da obra O Seminarista de Rubem Fonseca Tânia Ardito FLUP Auctor criminis det poenas Para pensarmos um pouco na ideia de crime

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Como Funciona e o Que Você Precisa Saber Para Entender o Fator da Perda de Peso? Capítulo 9: Mantendo Um Corpo Livre De Celulite Para o Resto Da Vida

Como Funciona e o Que Você Precisa Saber Para Entender o Fator da Perda de Peso? Capítulo 9: Mantendo Um Corpo Livre De Celulite Para o Resto Da Vida Aviso Legal Qualquer aplicação das recomendações apresentadas neste livro está a critério e único risco (do leitor). Qualquer pessoa com problemas médicos de qualquer natureza deve buscar e consultar um

Leia mais

PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM

PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2014 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Analise o cartaz abaixo e responda às questões 1 e 2. 1 PORTUGUÊS DESAFIO

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins Lógica Indutiva Aula 4 Prof. André Martins É uma bruxa? Lógica Clássica (Dedutiva) Na Lógica Clássica, determinamos a veracidade de proposições a partir de outras proposições que julgamos verdadeiras.

Leia mais