Tópicos Especiais em Educação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tópicos Especiais em Educação"

Transcrição

1 Tópicos Especiais em Educação Física II Unidade I -Cognição - Prof. Esp. Jorge Duarte

2 Cognição Um dos objetivos do sistema de ensino é promover o desenvolvimento cognitivo da criança. Esse desenvolvimento não é algo que acontece de forma espontânea, mas sim através de construções trabalhosas, sempre na dependência das interações que ela estabelece com o meio ambiente. O aspecto diversão é obrigatório em uma aula de Educação Física, mas o professor deve escolher as atividades dentre outros motivos, pois ele é capaz de compreender seus efeitos sobre o desenvolvimento de uma criança.

3 Conceito Cognição é o conjunto de unidades de saber e da consciência que se baseiam em experiências sensoriais, representações, pensamentos e lembranças. (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa) Ato de conhecer ou adquirir um conhecimento.

4 Cognição

5 Cognição Não é muito fácil entender a formação do pensamento de uma criança; Situações complicadas; Sinal de impotência; Como lidar com o devido problema???? Masafinaloqueépensamento????

6 Cognição Pensar é uma viagem ; Cenário pessoas, objetos, números, letras, etc; Material composto por nossas ações corporais; Como chegam os pensamentos?

7 Pensamento Abstração de uma ação realizada, servindo de material para a sua reflexão; Costuma se dizer que pensamento é uma bebida destilada, como a bebida, pensamentos de mais alto nível são destilados de forma mais sofisticada.

8 Pensamento Produto fino; De uma ação motora podemos abstrair um primeiro material de reflexão; Pensar não é somente representar mentalmente uma ação realizada corporalmente; Pensamentos combinam-se de várias formas com outros pensamentos, num processo sucessivo de abstrações e isso pode nunca ter fim;

9 Pensar Pensar é ter a paciência de ir e vir por um caminho viajado tantas vezes quantas forem necessárias para se compreender a ação vivida. Pensar se aprende pensando.

10 1) Organização Intelectual e Adaptação Piaget entendeu os atos cognitivos como atos de organização e de adaptação ao meio; Conceitos referentes ao desenvolvimento biológico são úteis e válidos para pesquisar o desenvolvimento intelectual; Princípios básicos do desenvolvimento cognitivos são os mesmos do biológico;

11 1) Organização Intelectual e Adaptação Do ponto de vista biológico, organização é inseparável da adaptação; Ambas as atividades, intelectual e biológica, Ambas as atividades, intelectual e biológica, são partes do processo global através do qual o organismo adapta-se ao meio e organiza as experiências;

12 1) Organização Intelectual e Adaptação Conceitos de esquemas, assimilação, acomodação e equilibração são usados por Piaget para explicar como e por que o desenvolvimento cognitivo ocorre;

13 1.1) Esquemas Esquemas são estruturas mentais ou cognitivas pelas quais os indivíduos intelectualmente se adaptam e organizam o meio; Os esquemas se adaptam e se modificam com o desenvolvimento mental; Os esquemas não são objetos reais. Como tal, os esquemas não têm correlatos físicos e não são observáveis. Com o tempo eles vão se modificando e se tornando cada vez mais refinados;

14 1.1) Esquemas São responsáveis por organizar os eventos como eles são percebidos pelo organismo e como eles são classificados em grupos, de acordo com características comuns;

15 1.1) Esquemas Os conceitos do adulto são diferentes dos conceitos da criança. Os esquemas cognitivos do adulto são derivados dos esquemas sensório-motores da criança; Os processos responsáveis pela mudança são assimilação e acomodação.

16 1.2 Assimilação Assimilação é o processo cognitivo pelo qual integra um novo dado perceptual, motor ou conceitual nos esquemas ou padrões de comportamento já existente; Esse processo ocorre continuamente e permite ampliação dos esquemas, mas não sua modificação.

17 1.3 Acomodação Acomodação é a criação de novos esquemas ou a modificação dos velhos esquemas; Ambas ações resultam em uma mudança na Ambas ações resultam em uma mudança na estrutura cognitiva (esquemas) ou no seu desenvolvimento;

18 1.3 Acomodação

19 Importante Durante a assimilação, os estímulos são forçados a se ajustarem à estrutura da pessoa. Na acomodação o inverso é verdadeiro. A pessoa é forçada a mudara estrutura para acomodar novos estímulos. A acomodação explica o desenvolvimento(uma mudança qualitativa), e a assimilação explica o crescimento(uma mudança quantitativa); juntos eles explicam a adaptação intelectual e o desenvolvimento das estruturas cognitivas.

20 1.4 Equilibração Os processos de assimilação e acomodação são necessários para o crescimento e o desenvolvimento cognitivo. De igual importância são a quantidades relativas de assimilação e acomodação que ocorrem; Um balanço entre assimilação e acomodação é tão necessário quanto os processos entre si;

21 1.4 Equilibração Piaget chamou o balanço entre assimilação e acomodação de equilíbrio. É ele o mecanismo auto-regulador, necessário para assegurar uma eficiente interação da criança com o meio ambiente;

22 Importante Na assimilação, o organismo encaixa os estímulos à estrutura que existe; Na acomodação, o organismo muda a estrutura para encaixar um novo estímulo. Equilibração é responsável por regular estes dois processos. Assimilação encaixe; Acomodação mudança; Equilibração processo regulador.

23 2) Desenvolvimento Cognitivo Piaget considerou o desenvolvimento cognitivo como tendo três componentes: Conteúdo(tudo aquilo que a criança conhece); Função(assimilação e acomodação); Estrutura(esquemas); O trabalho de Piaget compreendeu análise e a descrição cuidadosa das mudanças qualitativas do desenvolvimento de estruturas cognitivas(esquemas).

24 2.1) Os Estágios de Desenvolvimento O desenvolvimento cognitivo é um processo coerente de sucessivas mudanças qualitativas das estruturas cognitivas (esquemas).

25 2.1) Os Estágios de Desenvolvimento (Piaget) 1. O estágio da inteligência sensório-motora (0-2 anos); 2. O estágio do pensamento pré-operacional (2-7 anos); 3. O estágio operações concretas(7-11 anos); 4. O estágio das operações formais(11-15 anos ou mais);

26 1. O Estágio da Inteligência Sensório-Motora (0-2 anos) Comportamento motor; Não pensa conceitualmente; Comunicação com o meio através de reflexos; Assimilação e acomodação desde o nascimento; Conhecimento físico dos objetos; Gostar e não gostar(rejeição das ações).

27

28 2. O Estágio do Pensamento Pré-Operacional (2-7 anos) Desenvolvimento da linguagem e outras formas de representação; Egocentrismo; Imitação; A linguagem falada aos poucos vai se tornando socializada; Aparecimento de monólogos;

29 2. O Estágio do Pensamento Pré-Operacional (2-7 anos) Pensamento irreversível; Mentira, como um comportamento mau; Não existe cooperação social antes dos 7 ou 8anos;

30 2. O Estágio do Pensamento Pré-Operacional (2-7 anos) A criança não consegue ver passos sucessivos; Incapacidade para raciocinar com sucesso sobre transformações;

31 2. O Estágio do Pensamento Pré-Operacional (2-7 anos) Conservação de números;

32 2. O Estágio do Pensamento Pré-Operacional (2-7 anos) Não construiu ainda os conceitos de intencionalidade;

33 3. Estágio Operações Concretas (7-11 anos) Consegue resolver problemas concretos; Torná-se avaliadora de idéias gradativamente; Linguagem comunicativa; Compreensão de intencionalidade, regras, mentiras; A reversibilidade do pensamento é desenvolvida;

34 4. Estágio das Operações Formais (11-15 anos ou mais) A criança torna-se apta a aplicar raciocínio lógico a todas as classes de problemas; Após este estágio, não há mais mudança estrutural na qualidade do raciocínio.

35 4. Estágio das Operações Formais (11-15 anos ou mais) Consegue isolar variáveis;

36 Importante A principal diferença entre a capacidade de raciocinar do adulto e a do adolescente, consiste na evidente quantidade dos esquemas ou estruturas.

37 Atenção Entender a forma com que as crianças se desenvolvem é um passo para escolhermos o tipo de atividade mais adequado para fase com que ela se encontra. Através da descrição de determinadas atividades físicas de crianças, conseguiremos entender melhor a respeito do desenvolvimento cognitivo.

38 3. Brincadeiras A. Jogo da Amarelinha; B. Dia e Noite; C. Salto em Altura; D. Aumento em Distância; E. Pegador (Pega-Pega).

39 A) Jogo da Amarelinha

40 A) Jogo da Amarelinha Este jogo exige da criança coordenação espacial; O fato de a criança orientar-se espacialmente, significa um saber-fazer, uma inteligência corporal; O saber-fazer serve para garantir as adaptações no plano das ações práticas;

41 Variações Modificar os quadrados (desenhar outras formas geométricas); Aumentar o número de retângulos ; Amarelinha gigante; Modificar o material de lançamento (modificar a pedra); Alterar a ordem numérica.

42 O Professor O papel do professor deve ser o de garantir o espaço para que a criança possa agir com autonomia, de forma inteligente. Mas, caso ele não queira que o fracasso persista, como às vezes ocorre com algumas crianças, deve auxiliá-las na execução dos problemas.

43 Importante Na ação pedagógica, se a interferência do professor subtrair ao aluno sua autonomia, impondo-lhe soluções para os problemas sugeridos, muito pouco se exigirá de seu aparelho cognitivo.

44 B) Dia e Noite O que decide o ato a ser realizado é predominantemente a inteligência corporal, ou seja, os esquemas motores que podem ser utilizados para tal fim, além de uma forma de raciocinar sobre o problema diferente daquela utilizada em situações de caráter menos urgente.

45 Variações Aumento das distâncias; Colocar obstáculo entre os alunos; Variar estes obstáculos; Delimitar o espaço para poderem parar de Delimitar o espaço para poderem parar de correr;

46 Importante As brincadeiras aqui citadas, referem-se as crianças de 1ª a 4ª série. Portanto, para essas crianças tudo se reduz ao concreto, daí a denominação operatório-concreto, dada por Piaget ao período que coincide com a escola primária,ouseja,um momentodavidaem que esta é vista pelo corpo.

47 Concluindo Uma das funções básicas da educação escolar é provocar desequilíbrios no nível de conhecimento do aluno;

48 Concluindo O sistema de ensino tem como um dos principais objetivos promover o desenvolvimento cognitivo da criança;

49 Concluindo Oaspectodiversãoéobrigatórioemumaaula de Educação Física, mas o professor deve escolher as atividades dentre outros motivos, pois ele é capaz de compreender seus efeitos sobre o desenvolvimento de uma criança.

50 Muito Obrigado Pela Atenção!!! Prof. Esp. Jorge Duarte

A teoria genética de Piaget. Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP

A teoria genética de Piaget. Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP A teoria genética de Piaget Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP Jean Piaget (1896-1980) biólogo suíço estudou a interação de moluscos com o meio ambiente Jean Piaget (1896-1980) os moluscos, como

Leia mais

BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO

BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO CONSTRUTIVISMO Jean Piaget (1896-1980) Psicologia do desenvolvimento EPISTEMOLOGIA GENÉTICA embriologia mental Jean Piaget (1896-1980) Psicologia do desenvolvimento EPISTEMOLOGIA

Leia mais

A Criança e o Entendimento da Morte: estágios da compreensão e do desenvolvimento. Amanda Dupin Terapeuta Ocupacional Novembro de 2016

A Criança e o Entendimento da Morte: estágios da compreensão e do desenvolvimento. Amanda Dupin Terapeuta Ocupacional Novembro de 2016 A Criança e o Entendimento da Morte: estágios da compreensão e do desenvolvimento Amanda Dupin Terapeuta Ocupacional Novembro de 2016 [Morte] "É quando não aguentamos." (Daniel Castro, 7 anos - pág. 79)

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O aluno com deficiência intelectual

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O aluno com deficiência intelectual ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO O aluno com deficiência intelectual Deliese Salcher Gasparetto Introdução A deficiência intelectual é conhecida por problemas causados no cérebro e que causam baixa

Leia mais

Profª Maúcha Sifuentes dos Santos

Profª Maúcha Sifuentes dos Santos Desenvolvimento cognitivo Profª Maúcha Sifuentes dos Santos Desenvolvimento cognitivo: o que é? Desenvolvimento cognitivo: mudanças na capacidade mental (aprendizagem, memória, raciocínio, pensamento e

Leia mais

O Desenvolvimento da criança. Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão

O Desenvolvimento da criança. Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão O Desenvolvimento da criança Psicologia Aplicada a Educação Prof. Marcos Romão O desenvolvimento O Desenvolvimento Humano, é mais uma área de estudos da Psicologia desde o nascimento até a vida adulta,

Leia mais

Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta. Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici

Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta. Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho 2016 1 Sondar

Leia mais

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL Amanda Gonçalves Figueiredo Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ leona_shyla@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PIAGET TEORIA PSICOGENÉTICA

PIAGET TEORIA PSICOGENÉTICA PIAGET TEORIA PSICOGENÉTICA As peculariedades do pensamento e da lógica das crianças despertaram o interesse de Jean Piaget. Ao agir sobre o meio o indivíduo incorpora a si mesmo elementos que pertencem

Leia mais

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA Liziane Batista Souza Universidade Federal de Santa Maria -UFSM liziane.souza6@gmail.com Danieli Martins Ambrós Universidade Federal de Santa Maria -UFSM danieliambros@yahoo.com.br

Leia mais

PIAGET Teoria Psicogenética PIAGET

PIAGET Teoria Psicogenética PIAGET PIAGET PIAGET Teoria Psicogenética Como chegamos a conhecer algo? Como os homens constroem o conhecimento? Categorias básicas de pensamento: Tempo, espaço, causalidade e quantidade Explica porque as crianças

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget

O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget Epistemologia Genética Epistemologia genética Teoria sobre a gênese e do desenvolvimento cognitivo da criança (em específico,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVO GERAL Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, consolidar hábitos

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Piaget. A construção do conhecimento. A Organização e a Adaptação

Piaget. A construção do conhecimento. A Organização e a Adaptação Piaget A construção do conhecimento A Organização e a Adaptação Jean Piaget, para explicar o desenvolvimento intelectual, partiu da ideia que os atos biológicos são atos de adaptação ao meio físico e organizações

Leia mais

A construção do conhecimento SEGUNDO PIAGET

A construção do conhecimento SEGUNDO PIAGET A construção do conhecimento SEGUNDO PIAGET Malcon Tafner, MSc A Organização e a Adaptação Os Esquemas A Assimilação e Acomodação A Teoria da Equilibração Os Estágios Cognitivos Segundo Piaget Os Estágios

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que

A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que RBEBBM -01/2001 A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que Autores:José A. Valente Afiliação:Departamento de Multimeios e Nied - Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas - SP javalente@unicamp.br

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

Projeto: Brincando Eu também Aprendo.

Projeto: Brincando Eu também Aprendo. VÁRZEA GRANDE MATO GROSSO Parceria: OSC- ASSOCIAÇÃO SOCIAL CIVIL ABAIUC- ASCA E EMEB SENHORA DIRCE LEITE DE CAMPOS Projeto: Brincando Eu também Aprendo. Introdução Durante muito tempo, a brincadeira no

Leia mais

5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2:

5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto ACTIVIDADE 1: ACTIVIDADE 2: 5º Ano Corpo em transformação Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo Saber gerir a mudança Reconhecer experiências de mudança Partilhar experiências de mudança ACTIVIDADE

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo

Desenvolvimento cognitivo ATIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO Mestrado em Psicologia da Educação Ano Lectivo 2011/2012 PRINCIPAIS TEORIAS: DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos

Leia mais

APRENDIZAGEM CONHECENDO SEU PROCESSO PARA COMPREENDER O SEU DESENVOLVIMENTO

APRENDIZAGEM CONHECENDO SEU PROCESSO PARA COMPREENDER O SEU DESENVOLVIMENTO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS MESTRADO ACADEMICO EM EDUCACAO E CIENCIAS NA AMAZONIA APRENDIZAGEM CONHECENDO SEU PROCESSO PARA COMPREENDER O SEU DESENVOLVIMENTO MESTRANDA LIDIANE MEDEIROS APRENDIZAGEM

Leia mais

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA THEKA O que é? Para que serve? Que objectivos queremos alcançar? Que iniciativas utilizar? Que actividades desenvolver? Que estratégias aplicar? Como avaliar? COMO ENTENDÊ-LA ENTUSIASMAR? ANIMAR? DINAMIZAR?

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Índice 7º ANO 2009/2010 ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL

Índice 7º ANO 2009/2010 ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL Índice COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS da EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Competências Gerais e Específicas da Educação Artística Dimensões das Competências Específicas Competências Especificas do 3º ciclo - Visual Competências

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA - 2016

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA - 2016 OBJETIVOS GERAIS: UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA - 2016 Disciplina: Linguagem Oral e Escrita Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil Adquirir habilidades para

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais

REPENSANDO A EDUCAÇÃO FÍSICA PARA UNA NOVA PRÁTICA ESCOLAR

REPENSANDO A EDUCAÇÃO FÍSICA PARA UNA NOVA PRÁTICA ESCOLAR NÚCLEO DE ESTUDOS EM METODOLOGIA E PLANEJAMENTO DO ENSINO DA CULTURA CORPORAL NEPECC - UFU REPENSANDO A EDUCAÇÃO FÍSICA PARA UNA NOVA PRÁTICA ESCOLAR Prof. Dr. Gabriel H. Muñoz Palafox. Copyright, 1998

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal. Aspectos Psicomotores de Base

ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal. Aspectos Psicomotores de Base ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal Aspectos Psicomotores de Base Definição É a representação global que a criança tem do próprio corpo É elemento básico e indispensável para a formação da personalidade

Leia mais

TEMA DE HOJE: Inteligência Emocional

TEMA DE HOJE: Inteligência Emocional Inteligência Emocional TEMA DE HOJE: Inteligência Emocional Do que se trata? Utilizar a mente racional (consciente) para lidar melhor com as situações em que a mente emocional (inconsciente) nem sempre

Leia mais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais Ler e buscar informações Nas aulas de Geografia, é importante que a criança tenha espaço para desenhar e representar as situações,

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 DISCIPLINA:

Leia mais

Um pouco mais de nossas reflexões!!!

Um pouco mais de nossas reflexões!!! BRINCAR A preocupação com o lúdico existe há muito tempo nesta escola. Para tanto, investimos, nos espaços formativos, em discussões sobre os instrumentos metodológicos, rotina e áreas de conhecimento,

Leia mais

Projeto TRILHAS Evento de Lançamento

Projeto TRILHAS Evento de Lançamento Projeto TRILHAS Evento de Lançamento !"##"$"%&'()"$ Daqui a 15 anos Daqui a pouco tempo Daqui a um pouco mais de tempo *"+",$ Projeto TRILHAS: Material de apoio à prática dos educadores para promover a

Leia mais

dificuldades de Aprendizagem X distúrbio de Aprendizagem

dificuldades de Aprendizagem X distúrbio de Aprendizagem Capacitação Multidisciplinar Continuada Como lidar com as dificuldades de Aprendizagem X distúrbio de Aprendizagem O que é aprendizagem Aprendizagem é um processo de mudança de comportamento obtido através

Leia mais

O meu mundo! Plano Anual de Atividades - Berçário CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE S. SALVADOR - VISEU

O meu mundo! Plano Anual de Atividades - Berçário CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE S. SALVADOR - VISEU O meu mundo! Educadora de Infância: Sofia Marques Auxiliar da ação educativa: Idalina Alexandre Auxiliar da ação educativa: Manuela Oliveira Página 1 de 5 INTRODUÇÃO O plano de atividades é, como o nome

Leia mais

CAPÍTULO. 8.3 Saltos. Atletismo. José Mauro Silva Vidigal Adriana Antunes Vieira. cap8.3.indd 1 27/05/13 18:24

CAPÍTULO. 8.3 Saltos. Atletismo. José Mauro Silva Vidigal Adriana Antunes Vieira. cap8.3.indd 1 27/05/13 18:24 8 CAPÍTULO Atletismo 8.3 Saltos José Mauro Silva Vidigal Adriana Antunes Vieira cap8.3.indd 1 27/05/13 18:24 cap8.3.indd 2 27/05/13 18:24 CAPACIDADES ATLETISMO SALTOS COORDENATIVAS PRESSÃO DE TEMPO ATIVIDADES

Leia mais

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14 GRUPO 5.4 MÓDULO 14 Índice 1. Representação Escrita dos Números...3 2. Operações com Números Naturais...4 2 1. REPRESENTAÇÃO ESCRITA DOS NÚMEROS Desde os primórdios da humanidade, o homem utiliza diferentes

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 TURMA: Nível 1 PERÍODO: 23/02 a 22/05 DISCIPLINA/PROFESSOR/A OBJETIVO CONTEÚDOS Viviane Bhoes Identidade e Autonomia * Reconhecer colegas e professores pelo nome; * Ampliar

Leia mais

A importância dos jogos e brincadeiras na formação plena dos alunos na educação infantil

A importância dos jogos e brincadeiras na formação plena dos alunos na educação infantil A importância dos jogos e brincadeiras na formação plena dos alunos na educação infantil 1. Conteúdos conceituais Educar crianças não se restringe apenas a ensinar-lhes conhecimentos ou habilidades corporais,

Leia mais

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo (gravewild@yahoo.com.br) APRESENTAÇÃO Fabiano Silva Cruz Graduado em composição e arranjo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria

Leia mais

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Intervenção pedagógica: deficiência intelectual Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Roteiro Aspectos da avaliação A intervenção: Habilidades acadêmicas Habilidades sociais Habilidades Práticas Avaliação

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Leitura de mundo, empatia e aprendizagem

Leitura de mundo, empatia e aprendizagem Leitura de mundo, empatia e aprendizagem Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Leitura de mundo Chamamos de leitura de mundo o conjunto de percepções que temos do mundo que nos cerca e que nos leva a formar

Leia mais

O SABER ESTATÍSTICO ALÉM DE TABELAS, GRÁFICOS E FÓRMULAS

O SABER ESTATÍSTICO ALÉM DE TABELAS, GRÁFICOS E FÓRMULAS O SABER ESTATÍSTICO ALÉM DE TABELAS, GRÁFICOS E FÓRMULAS ESTATÍSTICO pauloafonsolopes@uol.com.br (21) 8163-1978 1º. Ato Começos Profissionais: entender Estatística? Momentos diferentes formações lidam

Leia mais

Definição de Inteligência, de Jean Piaget

Definição de Inteligência, de Jean Piaget Definição de Inteligência, de Jean Piaget Discussão 1: Definição de Inteligência* * Manuscrito da gravação de Jean Piaget à Rádio Suíça Romande em 06 de março de 1951 O texo foi traduzido do Francês por

Leia mais

Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração

Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 07/06/2011 Conteúdos Matemática Educação Infantil Espaço e forma

Leia mais

Dra Nadia Bossa PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Dra Nadia Bossa  PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Dra Nadia Bossa PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Dra Nadia Bossa O cérebro é constituído de vários circuitos neuronais, denominados sistemas funcionais. Esses sistemas são

Leia mais

3º encontro de Orientadoras de estudos. Considerações Sobre o Estudo do Espaço na Geometria: Uma Sequência Didática Julho 2014 Márcia Hauss

3º encontro de Orientadoras de estudos. Considerações Sobre o Estudo do Espaço na Geometria: Uma Sequência Didática Julho 2014 Márcia Hauss 3º encontro de Orientadoras de estudos. Considerações Sobre o Estudo do Espaço na Geometria: Uma Sequência Didática Julho 2014 Márcia Hauss Para um sujeito imóvel não existe nem espaço nem geometria Henri

Leia mais

O Uso de Jogos Educacionais do Tipo RPG. Anita Raquel das Silva Grando Profª.Drª. Liane Margarida Rockenbach Tarouco

O Uso de Jogos Educacionais do Tipo RPG. Anita Raquel das Silva Grando Profª.Drª. Liane Margarida Rockenbach Tarouco O Uso de Jogos Educacionais do Tipo RPG Anita Raquel das Silva Grando Profª.Drª. Liane Margarida Rockenbach Tarouco OBJETIVO Apresentar a importância e relevância de se trabalhar com jogos em ambientes

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

Engenharia Mecânica no Desporto

Engenharia Mecânica no Desporto Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica 2015/2016 Engenharia Mecânica no Desporto A Influência da Engenharia Mecânica nos Desportos Adaptados Supervisor: José Ferreira Duarte Monitor: Miguel Pereira

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional estadual dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos com distúrbios,

Leia mais

Métodos de Ensino. Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda

Métodos de Ensino. Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda Métodos de Ensino Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda Objetivos desta aula Apresentar métodos de ensino para educadores de cursos de computação. Discutir as vantagens e desvantagens

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

ANÁLISE DOS PROCESSOS DE ASSIMILAÇÃO, ACOMODAÇÃO E EQUILIBRAÇÃO NA APRENDIZAGEM MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA ENVOLVENDO O ENSINO DE GEOMETRIA.

ANÁLISE DOS PROCESSOS DE ASSIMILAÇÃO, ACOMODAÇÃO E EQUILIBRAÇÃO NA APRENDIZAGEM MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA ENVOLVENDO O ENSINO DE GEOMETRIA. I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE ASSIMILAÇÃO,

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

LOGOTIPO OU LOGOMARCA?

LOGOTIPO OU LOGOMARCA? E-book para Empreendedores LOGOTIPO OU LOGOMARCA? Dicas para criar um( a ) logo de sucesso www.logovia.com.br A equipe do Logovia deseja que a leitura deste e-book seja agravável e que expanda seu entendimento

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO viver fazer MÓDULO 1 Conhecimentos / Capacidades Instrumentos de Avaliação Conhecer o funcionamento lógico de um programa, estimulando o raciocínio lógico para a resolução de problemas de programação (algoritmos)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO Introdução à Educação Física Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso Infantil II. Educação Infantil

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso Infantil II. Educação Infantil Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Infantil II Educação Infantil Disciplina: LINGUAGEM Série: INFANTIL II Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos Desenvolver

Leia mais

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois.

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. AULA 04 Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. Jussara Hoffmann Avaliar respeitar primeiro, educar depois Interesse questões avaliativas As crianças permanecem

Leia mais

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes PESSOA E AMBIENTE; O ESPAÇO VITAL Todo e qualquer evento psicológico depende do estado da pessoa e ao mesmo tempo

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

O construtivismo e o construcionismo fundamentando a ação docente em ambiente informatizado. Anair Altoé Marisa Morales Penati

O construtivismo e o construcionismo fundamentando a ação docente em ambiente informatizado. Anair Altoé Marisa Morales Penati O construtivismo e o construcionismo fundamentando a ação docente em ambiente informatizado. Anair Altoé Marisa Morales Penati Construtivismo Teoria que explica como a inteligência humana se desenvolve,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA.

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA. CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA. Eduardo Oliveira Sanches (DTP/UEM) Andrey Amorim Sargi (G Educação Física/UEM) Felippe Hakaru Hirayama

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS Elaine de Holanda Rosário - Universidade Federal de Alagoas (UFAL/CEDU) Elainerosarioholanda@yahoo.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e

Leia mais

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR MÓDULO 4 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 O JOGO

Leia mais

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA José Fernandes Vilela (UFMG) Quando se indaga por que ensinar teoria gramatical, está-se, na verdade, indagando para que ensiná-la. Ou seja, estão-se buscando, em linguagem pedagógica,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FUNDEPES/COPEVE- UFAL - UNCISAL. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/ COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FUNDEPES/COPEVE- UFAL - UNCISAL. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/ COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FUNDEPES/COPEVE- UFAL - UNCISAL RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Novembro/2014 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FUNDEPES/COPEVE-UFAL UNCISAL

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS ESCOLA E.B. /3 DE PEDROUÇOS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA º CICLO PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA 6º ANO Ano

Leia mais

SOCIALIZAÇÃO DOS PROFESSORES NO ESPAÇO ESCOLAR: (RE)CONSTRUÇÃO DE SUAS AÇÕES E IDENTIDADE PROFISSIONAL

SOCIALIZAÇÃO DOS PROFESSORES NO ESPAÇO ESCOLAR: (RE)CONSTRUÇÃO DE SUAS AÇÕES E IDENTIDADE PROFISSIONAL 1308 SOCIALIZAÇÃO DOS PROFESSORES NO ESPAÇO ESCOLAR: (RE)CONSTRUÇÃO DE SUAS AÇÕES E IDENTIDADE PROFISSIONAL Márcio André Emídio, Helena Faria de Barros Programa de Mestrado em Educação. Universidade do

Leia mais

Agente de transformação social Orientador do desenvolvimento sócio-cognitivo do estudante Paradigma de conduta sócio-política

Agente de transformação social Orientador do desenvolvimento sócio-cognitivo do estudante Paradigma de conduta sócio-política CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO Ana Maria Iorio Dias março/2012 Educação função social primordial a incorporação ativa de conhecimentos e experiências i produzidas por gerações e sua socialização; produção do

Leia mais

SDE0183 TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA Aula 4: Atividade Motora Adaptada as PcD s Visuais. continuação

SDE0183 TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA Aula 4: Atividade Motora Adaptada as PcD s Visuais. continuação SDE0183 TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA Aula 4: Atividade Motora Adaptada as PcD s Visuais continuação Objetivos desta aula: 1. Conhecer e aplicar a classificação das DV s em relação ao nível

Leia mais

Inequações do 1º grau

Inequações do 1º grau A UUL AL A Inequações do 1º grau Analisando as condições de vida da população brasileira, certamente encontraremos um verdadeiro desequilíbrio, tanto na área social como na área econômica. Esse desequilíbrio

Leia mais

Checklist (por referência à CIF)

Checklist (por referência à CIF) Checklist (por referência à CIF) I Perfil de Funcionalidade Funções do Corpo Nota: Assinale com uma cruz (X), à frente de cada categoria, o valor que considera mais adequado à situação de acordo com os

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2015/2016 5º Ano de escolaridade

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2015/2016 5º Ano de escolaridade Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 05/06 5º Ano de escolaridade

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º PERÍODO

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º PERÍODO 1 CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º PERÍODO 2 BIOINFORMÁTICA É a junção da ciência computacional e da biologia molecular. Para tal associação utiliza conhecimentos: Da física; Biologia; Química;

Leia mais

Inquérito por questionário Alunos

Inquérito por questionário Alunos Inquérito por questionário Alunos INSTRUÇÕES A seguir apresentamos-te um conjunto de perguntas sobre as tuas aulas. Não há respostas certas nem erradas, por isso pedimos-te que respondas com verdade. Obrigado

Leia mais

Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação. Subárea de Matemática. Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014

Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação. Subárea de Matemática. Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014 Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação Subárea de Matemática 1 Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014 Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação Subárea de Matemática Profª Marisa Gomes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos Pressupostos básicos Conceitos

Leia mais

O JOGO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO OJCC

O JOGO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO OJCC O JOGO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO OJCC O LÚDICO EM SEUS ASPECTOS PSICOLÓGICOS As brincadeiras e os divertimentos ocupavam um lugar de destaque nas sociedades antigas de acordo com ÁRIES (1981). Essa

Leia mais

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO REFLEXÕES SOBRE ASPECTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA PRATICADO POR PROFESSORES CURSISTAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UEPB 2013/2014 Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Professor fabriciolassi@gmail.com MATEMÁTICA na BNCC COMPLEXIDADE crescente Resolução de Problemas Situações desafiadoras

Leia mais

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais.

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais. ANEXO I I. EIXOS COGNITIVOS a) Dominar linguagens: dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa. b) Compreender

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

ARTIGO. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget.

ARTIGO. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. ARTIGO 13 As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. Ana Lúcia Jankovic Barduchi Mestre em Psicologia pela USP, Doutoranda em Educação pela Unicamp. Professora

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais