COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA Segundo a natureza dos suportes 1.TIPOS DE PUBLICIDADE Publicidade nos media: imprensa, televisão, publicidade exterior, rádio e cinema; Publicidade direta: é uma técnica de marketing direto; Publicidade no local de venda (todos os meios de comunicação): técnicas de merchandising, animação e todas as outras formas de comunicação nos locais de venda. Segundo o objeto da mensagem Publicidade de produto: visa dar a conhecer a existência e as características de um produto, promover uma imagem, incitar à compra; Publicidade institucional/empresarial: promove a imagem da empresa. Segundo a entidade que a promove Privada: um anunciante promove os seus produtos ou serviços; Colectiva: verifica-se quando diversos anunciantes do mesmo produto promovem conjuntamente campanhas para intensificar o consumo do produto que vendem. Apenas publicitado o produto e ñ as marcas. Para ser eficientes têm de ser muito longas. Usam-se, geralmente, para criar hábitos de consumo de um determinado produto. Associativa: é um tipo de campanha feita por diversos anunciantes de produtos diferentes que se localizam na mesma área geográfica. Comunitária: quando a campanha é conduzida com um objectivo social ou de interesse geral. (Ex: campanhas anti-tabéticas, anti-alcoolicas, incentivo à doação de sangue ou prevenção rodoviária) OBJECTIVOS DA PUBLICIDADE - Chamar a ATENÇÃO - Despertar o INTERESSE - Provocar o DESEJO - (Levar à MEMORIZAÇÃO) INFORMAR PERSUADIR RELEMBRAR - Desencadear à AÇÃO 1

2 ETAPAS DE UMA CAMPANHA ENUNCIADO DO PROBLEMA A RESOLVER BRIEFING A. Contexto do Produto/Mercado Descrição do produto (origem, processo de fabrico, performance, nessecidades q satisfaz); Histórico da comunicação da marca (campanhas anteriores realizadas); Descrição da concorrência (produtos concorrentes, atuação em termos de comunicação); Análise do mercado (dimensão, tendências de evolução, sazonalidade); Comportamentos dos consumidores e prescritos (motivações, atitudes, critérios de escolha). B. Estratégias de Marketing do Anunciante Objectivos de Marketing (volume de vendas, quota de mercado); Opções estratégicas (Posicionamento, Segmentos-alvo, fontes de mercado); Mix de Comunicação (RP, Patrocínios, Mkt direto, força de vendas, ações promocionais) C. Orientações gerais da campanha Alvos publicitários (cjt de pessoas a quem se dirige); Objectivos de publicidade (efeitos esperados da campanha nos alvos visados); Eventuais limitações (orçamento, limitações jurídicas, carta de comunicação da empresa). 2

3 ESTRATÉGIA PUBLICITÁRIA O Z CRIATIVO Fases preliminares (AB) 1.º (AB) Simboliza a investigação 2.º Escolha da estratégia (segmento visado, objectivos, eventualmente posicionamento). Inicia a diagonal centrípeta da criação (BC) Sequência de criação em 3 fases de criação (BC) 1.º Eixo; 2.º Conceito (ou antes, conceitos); 3.º Manifesto publicitário de base (mensagem ou anúncio) Difusão da Mensagem (CD) Uma vez elaborada a criação, esta é difundida para o mercado onde nasceu, é a segunda horizontal do Z CRIATIVO 3

4 Estratégia imprescindível. Pode-se fazer criação publicitária sem passar explicitamente por esta fase, embora ela seja Formulação de uma Estratégia 1. No quadro das necessidades e dos produtos e das marcas que nele existem; 2. Quem não está inteiramente satisfeito com o que encontra e junto de quem procura; 3. Por intermédio de um produto ou de uma marca apresentados. Um criativo tem que, pelo menos, precisar a estratégia nos pontos 1 e 2. 2 inimigos da criação: Quem tem uma estratégia clara não se sente tentado a partir numa direcção estética sedutora mas estranha ao público visado. Evita-se assim o risco da comunicação que passa ao lado. Quem tem uma estratégia clara dispõe de critérios para avaliar os produtos da imaginação dos criativos. Julga em função dos valores estranhos a si mesmo. Nesta fase, a estratégia encontrar-se-á concretizada pela carta de criação / plataforma criativa : Fases da carta criativa Alvo: o público visado definido em termos quantitativos (sexo, idade, nível sociocultural, etc) e qualitativos (aqueles que têm determinada atitude em relação ao produto, queles que não estão satisfeitos com determinado produtos concorrente); O objectivo a atingir: qual a mudança que se procura obter junto ao alvo (mudança de notoriedade, de atitude, de imagem, de comportamento, etc); A satisfação a comunicar (a promessa ): o que o prospeto encontra no produto ou na marca e que o motiva para o objectivo apontado. Esta satisfação pode ser concreta (a força de aspiração do aspirador Y), ou imaterial (a feminilidade dos sapatos Z); Os constrangimentos: a natureza do produto, da gama a salientar, as interdições a respeitar no plano de marketing (conceitos já utilizados pela concorrência, princípios de política geral da marca, etc) e no plano jurídico e moral (verdade do produto, legislação, ética publicitária, etc) Esta carta é sempre necessária nos pontos 1 e 2 (alvos e objectivos). 4

5 Deixar o ponto 3 impreciso nesta fase tem a vantagem evidente de estimular a criatividade, abrindo um campo mais amplo à imaginação, o que pode ser muito útil quando se faz uma promessa muito imaterial, muito psicológica. Manter o ponto 4 impreciso também pode ter a vantagem de não inibir os criativos. Os elementos da criação Das necessidades, motivações, atitudes do consumidor pertencente ao alvo visado e tendo em conta o objectivo pretendido, deduz-se o efeito psicológico procurado: 1. Qual destas atitudes se pretende modificar; 2. A que conhecimento queremos torná-lo sensível; 3. Qual o preconceito a atacar, etc. Chama-se a esta fase a escolha do eixo psicológico. Trata-se de uma fase de reflexão que corresponde à promessa da copy strategy. A partir do eixo psicológico, isto é, do resultado psicológico visado, inventa-se o conceito que produz o efeito desejado, pode ser uma frase, uma personagem, uma situação, etc. Que evoque a satisfação que decidamos valorizar. Chama-se a esta fase de imaginação criativa. A partir do conceito que decidimos comunicar, constrói-se a primeira mensagem publicitária completa: as imagens, as palavras, a música, etc, que transmitirão o conceito fixado. Chama-se a esta fase a construção do manifesto publicitário. É uma fase de criação artística. Uma vez terminada a sequência, temos uma mensagem publicitária elaborada e completa. Em geral, o manifesto base é um anúncio de imprensa ou um spot de televisão. De certo modo, será o módulo do conjunto da criação. Quando olhamos para um anúncio e pensamos: Que resultado procura obter este anúncio no espírito do consumidor? Trata-se do eixo psicológico. Quando perguntamos: Que diz este anúncio? Trata-se do conceito. Quando perguntamos: Como é que este anúncio transmite aquilo que pretende? Trata-se do manifesto publicitário. 5

6 Escolher o eixo Quando os estudos de marketing são bem feitos, o eixo é definido na terceira parte da criação (a promessa). A compra de qualquer produto satisfaz certas necessidades (motivações), embora contrarie outras (constrangimentos). Para desencadear a compra, podemos: estimular uma motivação ou reduzir um constrangimento. Ambos são métodos igualmente eficazes. Produto novo no mercado - mais eficaz estimular uma motivação. Produto antigo - mais eficaz reduzir um constrangimento. Quais os critérios que nos devem guiar na escolha do Eixo? Poderoso e, se possível, inexplorado (ex: contexto da máquina de lavar em sentido estético); Ligado a uma característica distintiva (podemos optar por uma característica inerente quando somos os primeiros num mercado virgem ou quando pretendemos alargá-lo convertendo um novo grupo de consumidores. Uma característica inerente é um motor de compra; uma característica distintiva é um motor de escolha.); Correspondente à verdade do produto (desempenhos implícitos, ñ apregoar qualidade q ñ tem - ética); Imaginar o Conceito de Comunicação Missão do Conceito: representar de modo concreto, específico e credível a satisfação fixada pelo eixo. Princípios: concretização da satisfação; indução (deve ser dominada para não ser mal induzida. Ex: Eu digo: O meu motor é leve, ele pensa O seu motor é frágil.) Conceitos Originais - afastar-se das primeiras ideias ; as segundas ideias são mais subtis, menos óbvias, normalmente estas resultam de uma indução por um caminho desviado; Potencial de visualização - o conceito é essencialmente veiculado pela imagem que deve ser simples, forte e bela; Riscos de comunicação minimizados - é preciso que o conceito seja facilmente compreendido e que a indução esperada tenhas boas possibilidades de se produzir. A procura de segundas ideias leva, de facto, mais longe do que a descrição direta da satisfação. 6

7 Categorias de Conceitos Conceito direto Conceito indireto (por indução) Vantagem Dizem diretamente e são imediatamente compreendidos Exemplo: O creme X contém pólen de orquídeas (duas palavras que induzem a ideia de beleza e sexualidade expressa diariamente pelo conceito precedente). Podemos reduzir o risco de má compreensão, verificando por meio de testes que a indução esperada pelo criativo se produz no sentido esperado. Desvantagem Não são específicos, não são muito credíveis e, por vezes podem produzir um efeito brutal que conduz à sua rejeição (é o caso de Conservar-seá jovem e atraente graças ao creme X ). Como se dizem indirectamente não é certo que a indução se produza, que o consumidor potencial compreenda ou interprete bem. Manifesto Publicitário de base É o elemento que inspirará as outras criações da campanha. É dominada por 3 princípios: 1. A força da comunicação visual - A força da atração (normalmente imagens, fotografias); Velocidade e precisão (imagem diz tudo com um olhar, seria necessário 30 linhas p/explicar). Capacidade de comunicar emoções com mais força e mais rapidamente do que as palavras: a beleza, a doçura, a felicidade, a tristeza. No cjt palavras/imagens, primeiro vêm as imagens e dps lêm para precisar e concretizar o conteúdo que o olhar acaba de ver. A primeira comunicação a estudar é a icónica. 2. A convergência da denotação/conotação - um manifesto publicitário comunica porque diz de forma explícita (denotação), mas também pelo que mostra, pela tonalidade estética, cultural, moral daquilo que mostra (conotação). O manifesto publicitário deve ter uma comunicação homogénea a todos os níveis (denotação e conotação). 3. Rapidez de comunicação da imagem - a super-rapidez da comunicação visual comentada por um texto permite transmitir uma motivação de compra nesses escassos segundos, o que seria impossível de fazer apenas com o texto. Quanto à televisão, o emprego da imagem é obrigatório e constitui a trama da comunicação. 7

8 2.CONCEÇÃO DA CAMPANHA 1. DETERMINAR A ESTRUTURA GERAL DA MENSAGEM A estratégia subjacente ao Manifesto Publicitário Esforço no sentido de influenciar uma parte do mercado num certo sentido; Todo o profissional que observa um anúncio apreende através dos sinais, imagens e palavras do manifesto publicitário, a estratégia subjacente. Este talento de descodificação é precioso para compreender o que a concorrência procura fazer. A estratégia não é mensagem A mensagem publicitária não é a estratégia transposta para palavras e imagens. É a representação de algo, comentado por palavras que conduzirá o prospecto aos objectivos visados pela estratégia. A estratégia confundida com a mensagem é uma representação 8

9 do consumidor feliz com o produto que tem em mãos e que ostenta extasiado. Esta ideia de que a estratégia não é a mensagem, é uma das quatro ideias-chave. Mensagem Produto, Mensagem Resultado e Mensagem Universo Como comunicar a satisfação contida num produto? Comunicar por meio da representação do produto - certos produtos são falantes. É o caso de certos alimentos que pela sua cor e textura transmitem sabor. Assim, a comunicação pelo produto pode ser um dos pólos de expressão publicitária. Comunicar pelo resultado do produto - o produto ou a caixa não tem interesse fundamental em si mesmo. O produto torna-se interessante ao alcançar um resultado cativante, motivador, bem demonstrado. Comunicar pelo universo do produto - colocar o produto num universo sedutor, prestigiado, lúdico, etc. Trata-se de comunicação não verbal que tem vindo a assumir mais importância num universo publicitário povoado de demonstrações, de argumentos, de provas, de promessas mais ou menos convincentes. A Criatividade Estratégica A estratégia é a escolha de: Um segmento de mercado a atingir; Um resultado a obter; Um eixo psicológico que deverá motivar o encaminhamento para este resultado. Efeitos Motivacionais Desempenho do produto: é expresso pela apresentação do próprio produto, não é percetível na sua representação, apropriação simbólica do universo do produto. Obtém-se desta forma 3 categorias de mensagens: - Mensagem produto: aplica-se a produtos muito diversos. Os que se vendem pela aparência (produtos de moda, papel de parede), utensílios de disposição variadas e utilidade diretamente entendida (automóveis, aparelhos de alta fidelidade). - Mensagem resultado: aplica-se a matérias-primas que servem para produzir coisas muito distantes da sua natureza (produtos de limpeza, alimentos preparados). - Mensagem universo: aplica-se a produtos de forte contexto social (bebidas, cigarros, vestuário) ou mágico (perfumes, produtos de beleza). 9

10 2. ENCONTRAR A MENSAGEM FORTE Agora temos a necessidade de encontrar o conjunto conceito/manifesto que comunique a satisfação proporcionada pelo produto. Mas, esta satisfação é muitas vezes menor, ligada a um produto sem grande importância. É preciso dar força à mensagem. Determinar a força intrínseca da mensagem Primeiro temos de perceber se a satisfação a comunicar é uma das que acabamos de descrever pois podemos estar perante um produto verdadeiramente sensacional. A força pode estar na característica nova. A força congruente Conta-se com um elemento exterior à mensagem para chamar a atenção e, em seguida, procura-se desviar essa mesma atenção para a mensagem, por uma transição mais ou menos hábil. Ex: uma nova estrela no firmamento (e mostra-se o produto no meio das estrelas). A mensagem vampiro O elemento forte que apresenta a mensagem contém uma força que faz esquecer a mensagem, ficando apenas o elemento forte. Ex: utiliza-se um cantor de tal forma célebre que apaga com a sua presença aquilo que diz. Devemos realçar a força da comunicação e não a do prólogo ou do cenário. Dar força à mensagem através da criatividade estratégica 1. Procura-se um segmento especifico que constitua o mercado natural desta categoria de produtos, mas que nenhuma outra marca tenha apresentado como tal. Esta criatividade estratégica pode manifestar-se a diversos níveis: Centrando-se numa categoria específica do mercado; Visando os consumidores de uma das marcas presentes no mercado; Dirigindo-se a um grupo que se encontra numa certa fase do processo de emprego. O princípio é evitar o vago e o geral na definição do alvo, centrando-se num único segmento, aquele que foi detetado como disponível, por nenhuma marca se lhes dirigir especificamente. 2. Criar um posicionamento novo para o produto, isto é, dar ao produto uma personalidade inovadora em relação ao que fazem as outras marcas. Podemos dar força à mensagem através de vários métodos: A bissecção simbolizante: encontro de dois universos aparentemente estranhos um ao outro nos quais o criativo descobriu uma zona comum. 10

11 A hiperbolização simpática: hiperbolizar a mensagem é conduzi-la para além do seu peso normal, mas a um ponto tal que se perceba claramente que se trata de um símbolo, de um mito e não do empolamento publicitário. A personalização significaste; A referência inesperada; O conceito oposto; A reserva espectacular; A expressão contra corrente; A transfiguração qualitativa; O suspense adiado. 3. ADAPTAR A MENSAGEM AO ALVO 4. AVALIAÇÃO DA CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA Critérios de Análise 1. Critérios estratégicos Alvo Objectivos Eixo e promessa 2. Critérios de comunicação - Atenção Atribuição Preceção Compreensão Originalidade Credibilidade da promessa Resistência presumível ao uso 3. Critérios de realização Exequibilidade técnica Custos de produção Disposições legais Avaliação da Criação Publicitária Pré-testes: permitem experimentar e avaliar, junto dos consumidores, a pertinência dos materiais publicitários susceptíveis de integrar a campanha publicitária, antes da sua produção e difusão. Podem servir para: Escolher um de entre vários projectos de criação; Validar um conceito, um posicionamento, um eixo, uma promessa; 11

12 Melhorar a criação, recolhendo as reações de uma amostra de consumidores sobre o projeto da mensagem. Os pré-testes não permitem: Medir e prever a eficácia da mensagem; Medir o sucesso da campanha; Não avaliam o efeito de repetição que, como sabemos, é essencial no desenvolvimento da publicidade; Não servem para eliminar todos os riscos nem se devem tornar o «guarda-chuva» dos que não assumem as suas responsabilidades na decisão. Devem facilitar a avaliação e a decisão do anunciante e da agência, não podendo, por si próprios, permitir aceitar ou recusar um projeto criativo. Os pré-testes podem intervir em 3 momentos diferentes da preparação da campanha publicitária, consoante os objectivos que estão em causa: promessa da copy-strategy; 1º O pré-teste dos conceitos - permitem validar o posicionamento, o conceito, o eixo ou a 2º O pré-teste da mensagem - numa forma muito elementar ou de uma versão finalizada. Pode referir-se a toda ou a parte da mensagem; 3º O pré-teste da execução - avaliam-se os «acabamentos» do anúncio, ou seja, se está bem realizado, se os efeitos especiais são convincentes, se a estrutura do anúncio de imprensa está adequada, etc. 12

13 3.ESTRATÉGIA DE MEIOS A. INFORMAÇÕES BÁSICAS PLANO DE MEIOS Toda e qq informação que possa contribuir para orientar, definir e justificar as decisões contidas no Plano. Obtém-se geralmente no briefing, mas isso não quer dizer que não possam ser obtidas informações também de outras fontes (inf da agência, pesquisas de mercado e mídia, imprensa, outros). Esta parte deve conter, no mínimo, os seguintes itens: Produto Mercado Concorrência Target B. OBJECTIVOS Objectivos de marketing Orçamento e timing É a parte vital para o bom desenvolvimento do Plano pq as soluções mais adequadas dependem da precisa definição dos objectivos. Objectivos de Comunicação Deve-se fazer referência: - Estilo, - Tema, - Conteúdo das peças criativas, Com o fim de justificar o uso dos meios, veículos, horários, posições, colocações e secções mais adequadas. Deve-se: Mencionar o nível de conhecimento de marca que se quer atingir ou aumentar, Quais os principais aspetos que a campanha pretende ressaltar ao público. A colaboração do anunciante neste item deve ser vista por quem estiver a fazer o Plano de Meios como uma concordância antecipada ao que constará nele. Objectivos de Meios 13

14 Devem ser estabelecidos em função das seguintes circunstâncias: - Quanto aos níveis de cobertura sobre o target; - Quanto às funções que os meios de comunicação deverão exercer na campanha, a fim de atender aos objectivos de marketing e comunicação; - Quanto à abrangência geográfica que a campanha deve cobrir. C. ESTRATÉGIAS Deve conter: Argumentações, Justificativas, Detalhes de como serão usados. Haverá casos em que o conteúdo criativo das peças conduzirá aos meios mais adequados. Outros, em que a escolha antecipada dos meios definirá as peças. E situaçãoes em que havendo necessidade de veicularão em determinados mercados, a partir daí os meios serão escolhidos. 1. Mercados/Meios/Peças e formatos 2. Níveis de veicularão 3. Táticas 4. Cronograma de veicularão 5. Programações básicas 6. Resumo do orçamento D. ANEXOS - Rankings de custo por mil de cada meio programado; - Estudos de simulações; - Qualificação; - Dados de mercados; - Outras inf. Pecados e virtudes de um bom Plano de Meios 14

15 Um Plano de Meios profissionalmente correto deve: Ser um documento completo, sem ser redundante; Não ser superficial, mas também não se emaranhar na erudição; Ser à prova de dúvidas, sem ser didáctico; Ter um raciocínio lógico e coerente, sem se resumir numa única folha de cronograma com resumos de orçamentos e GRP; Ser o conjunto de soluções mais rentáveis e adequadas para veicular às peças da campanha. ESCOLHA DOS MEDIA: ESTRATÉGIA DE MEDIA Critérios práticos: acessibilidade dos media, prazos de reserva e preço de entrada; Critérios quantitativos de eficácia: cobertura do alvo e poder de repetição; Critérios qualitativos de adequação à mensagem: formato da mensagem, tipo de mensagem e elementos a integrar. ESCOLHA DOS MEDIA Televisão É um meio muito abrangente. É visto em ambiente familiar, pelo que pode levar a uma discussão e troca de ideias sobre produtos. Imprensa 15

16 É um meio versátil. Rádio É o meio que exige menos concentração, acompanhando-nos na maioria das nossas tarefas diárias. Outdoor Constitui o suporte privilegiado da criação. Assume diversas formas: mupis, cartazes, ecrãs multibanco, ecrãs de rua, zepelins, mobiliário urbano, outdoors. Marketing Direto 16

17 É um meio muito personalizado. Assume as seguintes formas: o correio direto, o telemarketing, direct response, web marketing. ESCOLHA DOS SUPORTES: PLANO DE MEDIA Informações de que dispomos sobre os suportes: audiência instantânea, audiência útil, custo de contacto útil, audiência acumulada e informações qualitativas. Métodos de construção do plano de media: escalão de força, escalão de afinidade, escalão do custo por contacto útil. Indicadores de performance do plano de media: cobertura útil total do alvo, taxa de repetição (número médio - OTS; distribuição estatística dos OTS), pressão publicitária total (número de GRP). RESERVA E COMPRA DE ESPAÇO PRODUÇÃO DE MENSAGENS E CAMPANHA Na Rádio Rapidez de produção; Custo mais reduzido do que na produção de um spot de TV; Produção feita em prazos muito curtos: de algumas horas até alguns dias. Transmitidas diretamente pelo locutor pela estação. Textos pré-gravados que devem passar pelas seguintes etapas: - Estratégia de criação (eixo, argumento, forma, ); - Escolha da produtora; - Elaboração da maqueta; - Casting (escolha de vozes); 17

18 - Criação musical; - Gravação; - Duplicação; - Entrega às estações; - Pagamento dos direitos de autor (se aplicável). Para Imprensa Conceção e desenvolvimento da ideia criativa; Produção, pela equipa criativa da agência de publicidade, do layout (maqueta) do anúncio de imprensa; Apresentação ao anunciante; Passagem do layout à fase final, após aprovação pelo anunciante. Empresa que irá produzir a selecção de cores; Após receber a arte final: - Leitura do suporte digital; - Digitalização e inserção de imagens; - Saída das quatro películas que compõem uma selecção de cores. Todas as selecções de cores deverão ser acompanhadas de uma prova de cor (reprodução do anúncio de imprensa a partir das quatro películas produzidas) a fim de permitir a sua aprovação pela agência de publicidade e servir como guia aquando da impressão da publicação na qual esse anúncio vai ser produzido. Produção pode variar entre algumas horas, dois dias até uma semana dependendo da morosidade da produção (uma ou várias selecções de cores, os prazos de entrega). Publicidade Exterior Mupis; Outdoors; Fases da produção - Aprovação da maqueta; - Produção da arte final; - Selecção das cores (produzida num formato interior ao da peça a imprimir tendo em conta o respectivo fator de ampliação). Impressão em serigrafia ou ofsete; Os mupis são impressos em frente/verso para potencial a visualização noturna. Definições de Base 18

19 Audiência - cjt dos leitores, ouvintes, espetadores ou telespectadores de um suporte de imprensa, rádio, cinema ou televisão. Para os outdoors, a audiência de uma colocação é definida como o cjt de indivíduo que passam nas suas proximidades. Audiência útil - é a parte da audiência total de um suporte (ou de um media) pertencente ao alvo. OTS (oportunista to see) - contacto com o suporte gera uma OTS, mensagem veiculada pelo suporte. Esta perceção efectiva da mensagem de acordo com muitas variáveis que determinam o impacto real próprio no momento, recebido pelo indivíduo perante a mensagem ou suporte. A diferença entre a OTS e a perceção da mensagem pode ser muito grande, no entanto, sem a OTS não há a menor hipótese de haver perceção. Sem OTS não há comunicação. Televisão GRP (gross ratings points) - o somatório bruto das audiências obtidas inserção a inserção. Share - é um valor comparativo. Permite verificar quais os canais e os programas que obtiveram - no mesmo momento ou no mesmo dia - uma preferência em relação aos outros programas do momento ou do dia. O valor da referência é a totalidade das pessoas que estavam com o televisor ligado naquele instante ou naquele dia. Ferramenta para se saber que as preferências das audiências recaem mais para um programa/canal do que para outro. Audiência total - nº de indivíduos permanecem um período mínimo de um minuto, num determinado período de tempo, em contacto com o suporte. Audiência média (rating) - tempo de audiência relativo a determinado período ponderado pelo número de indivíduos que constituem o alvo. Imprensa Audiência total - nº de indivíduos pertencentes a um alvo que lêem ou folheiam algumas das edições de um suporte, num determinado período de tempo, independentemente da regularidade com que o fazem. Para publicações com periodicidade inferior a uma semana é considerado o último mês. Para títulos semanais é considerado um período de dois meses, e para as restantes periodicidade, é considerado um período de seis meses. Audiência média - nº de indivíduos que lêem ou folheiam a última edição de determinado suporte (véspera para os diários e uma semana para semanários). Rádio 19

20 Audiência total - nº de indivíduos pertencentes a um universo ou alvo tem probabilidade de contactar uma estação de rádio, num determinado horário, independentemente da duração do contacto. Audiência média - audiência provável, em cada unidade de tempo, de um determinado período horário. Ou seja, a audiência ponderada pelo tempo de audição, do cjt de indivíduos que escutaram uma estação, num determinado período horário. AVALIAÇÃO DA CAMPANHA Medida do impacto da Campanha Publicitária DEVEMOS DEFINIR CLARA E PRECISAMENTE O QUE NECESSITAMOS DE MEDIR. Para isso é necessário: a) Definir o campo de avaliação: pode ser a campanha completa ou apenas um dos seus elementos. A campanha Controlar o efeito de uma campanha: é o balanço da campanha. Controlar uma série de campanhas: deverão ter-se em conta os efeitos cumulativos da pub no tempo. Um elemento da campanha Avaliar a mensagem; Avaliar a selecção dos media e o plano de inserções nos suportes - avaliar eficácia do nível do orçamento. b) Definir os critérios de avaliação Por vezes, a eficácia da pub pode ser controlada pelos seus resultados objectivos. Mas nem sempre é possível. Utilizam-se também os critérios de comunicação. c) Definir a data e periodicidade da medição 1. Os estudos anteriores à campanha - Os pré-testes: não devem pretender prever a eficácia mas sim evitar erros, bem como confirmar ou a refutar uma ideia ou hipótese; - Os mercados-testes. 2. Os estudos após a campanha são: - Os pós-testes: é preciso determinar o prazo entre a passagem da pub e a sua medição. Deve-se, igualmente, definir a periodicidade dos estudos de controlo. d) Definir quem vai avaliar a publicidade 20

21 - Anunciante; - Agência; - Serviço interno; - Empresa de estudos especializada. DEVE SER FEITA SEGUNDO OS OBJECTIVOS PRÉ-DEFINIDOS Os métodos variam em função daquilo que se pretende medir. Pode medir-se diretamente o efeito da pub sobre as vendas; Sobre o comportamento dos consumidores: Devolução de cupões; Aumento do nº de clientes; Aumento da compra média; Chamadas telefónicas recebidas; Etc. Mas muitas vezes, tal controlo é impossível ou não é desejável, pq o objectivo da campanha publicitária não é modificar diretamente e a curto prazo os comportamentos dos consumidores: Publicidade de notoriedade; Publicidade de imagem; Publicidade institucional, etc. Nestes casos medir-se-á o efeito da pub ao nível da comunicação. MEDIDA DO RENDIMENTO Medida do efeito da pub sobre as vendas e, de uma forma mais geral, sobre o comportamento dos consumidores. Os pontos de controlo podem ser constituídos: Volume de compras; Devolução de cupões; Pedidos de visita de um vendedor; Nº de visitas a uma loja. 21

22 A pub procura sempre modificar comportamentos, direta ou indirectamente, a curto ou longo prazo. Dever-se-ia, pois, medir a sua eficácia apenas sobre as mudanças observadas nos comportamentos dos alvos. É, infelizmente difícil porque: - Não se pode isolar o efeito da variável publicidade no cjt dos fatores q agem sobre o comportamento dos indivíduos; - Porque o efeito da publicidade é por vezes tão diluído no tempo que naõ sabemos atribuir a cada esforço publicitário a repercussão correspondente e distinguir entre o seu efeito próprio e o efeito acumulado das ações precedentes. a) Isolamento do efeito publicitário através da análise estatística Os métodos de análise multivariada podem, em algumas circunstâncias, permitir identificar o peso da variável publicidade isolando-a dos outros factores que concorrem para os resultados obtidos. Métodos descritivos: - Análise factorial em componentes principais, - A análise das correspondências, - A análise das similaridades e das preferências. Métodos explicativos: - A regressão, - A análise da variância, - A análise das medidas conjuntas, - A análise discriminativa, - Análise canónica. b) Isolamento do efeito publicitário realizado em condições experimentais: mercados-testes, painéis, Realização de experiências, limitadas no tempo e no espaço, onde se controlam as principais variáveis que influenciam o comportamento dos consumidores. Fazer mercados-testes para avaliar, antes do lançamento definitivo do produto, a eficácia relativa das diferentes pressões publicitárias, do media-mix, etc. Os mercados-testes - têm a vantagem de dar a medida da grandeza real de uma campanha. Dificuldade em determinar mercados representativos; A extrapolação dos resultados é, por vezes, delicada; São caros; Exigem tempo; Chamam a atenção da concorrência. 22

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Pretendemos aqui analisar as melhores peças publicitárias concebidas e produzidas para o meio rádio.

Pretendemos aqui analisar as melhores peças publicitárias concebidas e produzidas para o meio rádio. Televisão Acção Especial / Brand Entertainment Nesta categoria pretendemos premiar as acções comerciais que, extravasando o âmbito do spot convencional, utilizam de forma criativa o meio televisão e também

Leia mais

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE Sistemas de categorias 16 Sistemas de categorias 17 ÍNDICE 1. Introdução 2.Dimensão estratégica do conceito imagem interna de marca corporativa 2.1. Significados

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

ESTUDOS DE. Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA

ESTUDOS DE. Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA ESTUDOS DE Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA A EMPRESA O Grupo Marktest tem consolidado ao longo dos últimos 26 anos uma forte posição nas áreas dos Estudos de Mercado, da informação e na área

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno Planejamento Multimídia Prof. Bruno Moreno Sumário Aula 13 (07/04/2011) Plano de Mídia Parte C: Recomendações Parte D: Anexos Entrega de correções do briefing Novas partes do briefing Plano de Mídia -

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião Pesquisas de Mercado Online 1. Apresentação O que é a Pesquisadireta? A Pesquisadireta é uma empresa de pesquisas de opinião e mercado exclusivamente online. De uma forma rápida e flexível, sua empresa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

1. A evolução dos media tradicionais

1. A evolução dos media tradicionais 1. A evolução dos media tradicionais Nos últimos anos temos assistido ao desenvolvimento crescente de novas formas de comunicação. As empresas e organizações têm actualmente à sua disposição, para além

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS. SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL

GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS. SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL Introdução GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL Este será um novo instrumento de consulta que irá permitir reforçar e tornar mais acessível um suporte de informação

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

QuEm SomoS missão 5 DESIGN & ComuNICação PublICIDaDE EvENtoS PromoçõES WEb

QuEm SomoS missão 5 DESIGN & ComuNICação PublICIDaDE EvENtoS PromoçõES WEb QUEM SOMOS MISSÃO DESIGN & Comunicação Publicidade Eventos Promoções Web 5 9 11 13 15 17 Quem Somos 5 Somos uma agência de Design e Comunicação, criada para disponibilizar um vasto leque de soluções na

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing Departamento Comercial e Marketing As inovações na gestão empresarial O desenvolvimento económico actual e a necessidade das empresas serem competitivas estão gerando inovações constantes na gestão empresarial.

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Será analisado o design dos stands que estiveram presentes em feiras, exposições e eventos.

Será analisado o design dos stands que estiveram presentes em feiras, exposições e eventos. DESIGN 01 - EVENTOS Nesta categoria será avaliado o design de eventos que decorreram no período em análise. Será tido em conta a decoração do espaço, o jogo de luzes, a criatividade inerente que transforma,

Leia mais

A solução para consultar e introduzir documentos, imagens e outros ficheiros a partir de um local com acesso à Internet.

A solução para consultar e introduzir documentos, imagens e outros ficheiros a partir de um local com acesso à Internet. dcontroldoc Interno e Externo Descritivo completo A solução para consultar e introduzir documentos, imagens e outros ficheiros a partir de um local com acesso à Internet. Benefícios Facilidade em pesquisar

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Introdução à Actividade Publicitária

Introdução à Actividade Publicitária ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: CPC ANO: 10º Turma: H ANO 2010/2011 MÓDULO A1 definir

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO ÉTICO ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt Regulamento Ético

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto:

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto: Exemplos de Inovação Neste documento apresenta-se uma descrição dos vários tipos de inovação e respectivos exemplos para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com a introdução de inovações.

Leia mais

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING 1. Gestão do design e a estratégia de marketing A gestão do design tem a função de controlar a criação e desenvolvimento do produto, estando sempre atento e observando as necessidades do mercado e a promoção

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos PHC dsuporte Externo DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Externo permite prestar assistência técnica pós-venda, aumentar de forma significativa a eficiência e a qualidade do serviço, o que resulta na maior

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

PROPAGANDA. Propaganda. Considerações iniciais. Propaganda. Propaganda. Papel da propaganda. Propaganda. Propaganda. Missão.

PROPAGANDA. Propaganda. Considerações iniciais. Propaganda. Propaganda. Papel da propaganda. Propaganda. Propaganda. Missão. PROPAGANDA Considerações iniciais É a parte mais glamourosa do Marketing Mix (exposição); Exige talento e planejamento Representa mais de 1% do PIB Todos (acham que) entendem; Papel da propaganda A compra

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

A Gestão operacional total da clínica ou consultório

A Gestão operacional total da clínica ou consultório Descritivo completo Clínica 2008 A Gestão operacional total da clínica ou consultório Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante Software PHC; Maior eficiência na Gestão de Marcações;

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais