MODELO DE UM FRAMEWORK PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE UM FRAMEWORK PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE"

Transcrição

1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PPGEP DANILLO LEAL BELMONTE MODELO DE UM FRAMEWORK PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE PONTA GROSSA FEVEREIRO 2007

2 DANILLO LEAL BELMONTE MODELO DE UM FRAMEWORK PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção, do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Área de Concentração: Gestão Industrial, do Departamento de Pesquisa e Pós-Graduação, do Campus Ponta Grossa, da UTFPR. Orientador: Prof. Luciano Scandelari, Dr. PONTA GROSSA FEVEREIRO 2007

3

4 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa Departamento de Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção TERMO DE APROVAÇÃO Título de Dissertação Nº 046 MODELO DE UM FRAMEWORK PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE por DANILLO LEAL BELMONTE Esta dissertação foi apresentada às 14 horas do dia 16 de março de 2007 como requisito parcial para a obtenção do título de MESTRE EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, com área de concentração em Gestão Industrial, linha de pesquisa Gestão de Produção e Manutenção, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. O candidato foi argüido pela Banca Examinadora composta pelos professores abaixo assinados. Após deliberação, a Banca Examinadora considerou o trabalho aprovado. Prof. Dr. João Umberto Furquim de Souza UEPG Prof. Dr. João Luiz Kovaleski UTFPR Prof. Dr. Rui Francisco Martins Marçal UTFPR Prof. Dr. Luciano Scandelari UTFPR Orientador Visto do Coordenador Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama (UTFPR) Coordenador do PPGEP

5 A Deus, por sua presença constante em minha vida. À minha família meus pais, João Luiz e Sueli, e minha irmã, Carla, alicerces de toda minha formação profissional e, principalmente, como pessoa. v

6 AGRADECIMENTOS Ao prof. Luciano Scandelari, orientador, pelo direcionamento preciso e confiança depositada, elementos imprescindíveis para a confecção deste trabalho; à profª. Simone Nasser Matos, amiga com uma determinação incansável e profissionalismo admirável, por tudo o que tem feito desde meu ingresso nesta instituição; aos colegas da Coordenação de Informática da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Ponta Grossa, pelo grande apoio frente às minhas limitações; à instituição, mais especificamente ao Departamento de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, por prover uma formação de qualidade; a todos que contribuíram para a realização deste trabalho. vi

7 Neve ou não neve onde há amigos a vida é leve. Alice Ruiz vii

8 RESUMO Tradicionalmente, nas indústrias, mais especificamente no monitoramento dos processos produtivos, os responsáveis pelas manutenções encontram dificuldades associadas ao estabelecimento da criticidade. Isso se dá, pois esse profissional, na maioria das vezes, define a periodicidade e os tipos de manutenções baseando-se apenas no seu conhecimento tácito e/ou através de aplicativos informatizados que o ajudam nesse gerenciamento. Porém, tais aplicativos incorporam no seu custo a obrigatoriedade da adesão do sistema operacional proprietário, o que aumenta o seu custo de aquisição, além de implementarem apenas um método para todo o processo produtivo, deixando o profissional sem a oportunidade de melhorar a sua resposta final sobre o tipo de manutenção a ser realizada. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi criar um modelo de framework para o domínio do estabelecimento da criticidade, já que não existe nenhum até o presente momento. O modelo para o estabelecimento da criticidade proposto implementa características que facilitam a sua extensão para métodos que inicialmente não foram considerados na sua construção. Também foi desenvolvido com ferramentas não proprietárias e de código-aberto, podendo ser utilizado por outro pesquisador para possíveis melhoramentos ou, simplesmente, para seu uso como modelo em outro trabalho na área. Provê a utilização de mais de um método, além da combinação deles e/ou adição de novos, para o estabelecimento da criticidade, sendo outro diferencial à sua utilização, melhorando assim a precisão do tipo de manutenção a ser realizada. Por fim, outras características relevantes são que ele é flexível, no sentido de customizável e, portável e reusável para diferentes domínios de aplicação. Palavras-chave: Manutenção; Criticidade; Framework.

9 ABSTRACT Traditionally, the criticality establishment of productive processes face some difficulties with respect to the monitoring. Most of the times, professionals define the periodicity and the types of maintenances based only on tacit knowledge and/or through computer applications that would help on this management. Such applications are generally bound to a proprietary operational system, resulting in costly solutions; additionally they lack flexibility and, generally, implement only one productive process manager method, leaving the professional without any possibilities to improve the final answer about the type of maintenance to be performed. The objective of this work was to create a framework model for the criticality establishment domain, addressing the issues mentioned. The proposed model for the criticality establishment implements attributes that makes easy to add methods that wasn't considered during the initial construction. Its also was developed with non proprietary and open-source tools, allowing other researches to propose improvements or its use as model in another works of the area. It provides the use of several methods, as well the combination and/or the addition of new ones, improving the precision of the maintenance type to be performed. The proposed model solution attributes portability, reusability and flexibility, allows professionals to customize application for different application domains. Keywords: Maintenance; Criticality; Framework.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Fluxograma da metodologia aplicada à realização desta pesquisa... 4 Figura 2.1 Sistema numérico combinado com letras Figura 2.2 Importância do equipamento x Conseqüência da falha Figura 2.3 Tabela de priorização Figura 2.4 Uso da matriz e confronto com tabela de prioridades Figura 2.5 Algoritmo de criticidade Figura 2.6 Algoritmo de criticidade respondido Figura 2.7 Matriz de criticidade Figura 3.1 Diagrama de blocos para o retroprojetor Figura 3.2 Project Explorer Figura 3.3 Quadro FMEA para o retroprojetor Figura 3.4 Utilização do algoritmo de criticidade para o exemplo no SIGMA Figura 3.5 Classe Equipamento Figura 3.6 Adição da funcionalidade gerenciar temperatura Figura 3.7 Exemplo de framework de domínio Figura 3.8 Representação gráfica da definição de framework Figura 3.9 Representação gráfica de um framework Figura 4.1 Fases da abordagem de Matos e Fernandes Figura 4.2 Subfases da fase Projetar Framework de Domínio Figura 4.3 Atividades da subfase Compreender Aplicação Exemplo Figura 4.4 Arquitetura J2EE Figura 4.5 Esboço da arquitetura do sistema numérico simples Figura 4.6 Diagrama de caso de uso UML para o subsistema Atribuir prioridade Figura 4.7 Esboço do diagrama de classes para o subsistema Atribuir prioridade Figura 4.8 Diagrama de classes refinado para o subsistema Atribuir prioridade Figura 4.9 Esboço da arquitetura da matriz de criticidade Figura 4.10 Diagrama de caso de uso UML para o subsistema Atribuir elemento Figura 4.11 Esboço do diagrama de classes para o subsistema Atribuir elemento Figura 4.12 Diagrama de classes refinado para o subsistema Atribuir elemento Figura 4.13 Esboço da arquitetura do algoritmo de criticidade Figura 4.14 Diagrama de caso de uso UML para o subsistema Atribuir elemento... 69

11 Figura 4.15 Esboço do diagrama de classes para o subsistema Atribuir elemento Figura 4.16 Diagrama de classes refinado para o subsistema Atribuir elemento Figura 4.17 Arquitetura do framework para o estabelecimento da criticidade Figura 4.18 Diagrama de caso de uso UML-F para o framework Figura 4.19 MF-BA para o domínio do estabelecimento da criticidade (FRMCRITICALITY) Figura 5.1 Refinamento do MF-BA FRMCRITICALITY Figura 5.2 Tela Sistema Numérico Simples Figura 5.3 Tela Sistema Numérico Simples com resultado da busca da prioridade igual ao valor Figura 5.4 Tela Sistema Numérico Simples com resultado da busca de todas as prioridades armazenadas Figura 5.5 Instanciação da aplicação exemplo Sistema Numérico Simples... 91

12 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Equivalência para o sistema numérico simples Tabela 2.2 Combinação dos códigos de prioridades 1, 2 e 3 com I, P e N Tabela 2.3 Estabelecimento da menor prioridade Tabela 2.4 Equivalência para o sistema numérico combinado com letras Tabela 2.5 Equivalência para sistemas de prioridades de atendimento por palavras Tabela 2.6 Equivalência para o sistema ABC Tabela 2.7 Respostas e classificações para segurança e meio ambiente Tabela 2.8 Respostas e classificações para qualidade e produtividade Tabela 2.9 Respostas e classificações para taxa de ocupação Tabela 2.10 Respostas e classificações para oportunidade de produção Tabela 2.11 Respostas e classificações para freqüência de quebra Tabela 2.12 Respostas e classificações para mantenabilidade Tabela 2.13 Equivalência para a matriz de criticidade Tabela 3.1 Esboço de funcionalidades e suas respectivas falhas para o retroprojetor Tabela 3.2 Características dos aplicativos XFMEA e SIGMA do ponto de vista do usuário Tabela 3.3 Características dos aplicativos XFMEA e SIGMA do ponto de vista do desenvolvedor Tabela 4.1 Selecionar prioridade Tabela 4.2 Classes candidatas Tabela 4.3 Tela prioridade Tabela 4.4 Cartão CRC da Classe Tela Prioridade Tabela 4.5 Classes candidatas Tabela 4.6 Classes candidatas Tabela 4.7 Requisitos de estabilidade e flexibilidade Tabela 4.8 Requisito Selecionar prioridade Tabela 4.9 Requisito Cadastrar prioridade Tabela 4.10 Requisito Consultar prioridade Tabela 4.11 Requisito Estabelecer relação entre prioridades Tabela 4.12 Requisito Atualizar grupo Tabela A.1 Consultar prioridade

13 Tabela A.2 Cadastrar prioridade Tabela A.3 Estabelecer relação entre prioridades Tabela A.4 Sair Tabela A.5 Prioridade Tabela A.6 PrioridadePers (Banco) Tabela A.7 TelaRelacao Tabela A.8 Relação Tabela A.9 RelacaoPers Tabela A.10 Cartão CRC da Classe Prioridade Tabela A.11 Cartão CRC da Classe PrioridadePers Tabela A.12 Cartão CRC da Classe TelaRelacao Tabela A.13 Cartão CRC da Classe Relação Tabela A.14 Cartão CRC da Classe RelacaoPers Tabela B.1 Selecionar elemento Tabela B.2 Consultar elemento Tabela B.3 Cadastrar elemento Tabela B.4 Atualizar grupo Tabela B.5 Sair Tabela B.6 TelaElemento Tabela B.7 Elemento Tabela B.8 ElementoPers (Banco) Tabela B.9 TelaGrupo Tabela B.10 Grupo Tabela B.11 GrupoPers Tabela B.12 Cartão CRC da Classe TelaElemento Tabela B.13 Cartão CRC da Classe Elemento Tabela B.14 Cartão CRC da Classe ElementoPers Tabela B.15 Cartão CRC da Classe TelaGrupo Tabela B.16 Cartão CRC da Classe Grupo Tabela B.17 Cartão CRC da Classe GrupoPers Tabela C.1 Selecionar elemento Tabela C.2 Consultar elemento Tabela C.3 Cadastrar elemento Tabela C.4 Atualizar item

14 Tabela C.5 Sair Tabela C.6 TelaElemento Tabela C.7 Elemento Tabela C.8 ElementoPers (Banco) Tabela C.9 TelaItem Tabela C.10 Item Tabela C.11 ItemPers Tabela C.12 Cartão CRC da Classe TelaElemento Tabela C.13 Cartão CRC da Classe Elemento Tabela C.14 Cartão CRC da Classe ElementoPers Tabela C.15 Cartão CRC da Classe TelaItem Tabela C.16 Cartão CRC da Classe Item Tabela C.17 Cartão CRC da Classe ItemPers

15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas CRC Classe, Responsabilidade e Colaboração DES Desejável EME Emergência FMEA Failure Mode and Effect Analysis FQ Freqüência de Quebra FMECA Failure Modes, Effects and Criticality Analysis GUT Gravidade, Urgência e Tendência HTML Hyper Text Markup Language IDE Integrated Development Environment J2EE Java 2 Platform Enterprise Edition JSP Java Server Pages MF-BA Modelo do Framework Base e de Aplicação MRR-F Modelo de Requisitos Refinados para o Framework MT Mantenabilidade NEC Necessária OP Oportunidade de Produção OS Ordem de Serviço P48 Manutenção programada para as próximas 48 horas P96 Manutenção programada para as próximas 96 horas PCM Planejamento e Controle de Manutenção PRG Programável PRO Prorrogável QP Qualidade e Produtividade RAD Rapid Application Development RDD Responsibility Driven Design ROT Rotina RPN Risk Priority Number SA Segurança e Meio Ambiente SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados TO Taxa de Ocupação

16 UML Unified Modeling Language UML-F Unified Modeling Language-Framework URG Urgência W3C World Wide Web Consortium

17 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... VI RESUMO... VIII ABSTRACT... IV LISTA DE FIGURAS... X LISTA DE TABELAS... XII LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... XV SUMÁRIO...XVII 1. INTRODUÇÃO PROBLEMA DE PESQUISA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METODOLOGIA ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO MANUTENÇÃO E MÉTODOS PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE CONTEXTUALIZAÇÃO CRITICIDADE SISTEMAS NUMÉRICOS SISTEMA DE PRIORIDADES DE ATENDIMENTO POR PALAVRAS OUTROS CÓDIGOS DE PALAVRAS, COM LETRAS E NÚMEROS SISTEMA DE PRIORIDADES POR IMPORTÂNCIA DE EQUIPAMENTOS SISTEMA MATRICIAL PARA AS DEFINIÇÕES ANTERIORES MATRIZ PELA IMPORTÂNCIA DO EQUIPAMENTO SISTEMA GUT SISTEMA ABC ALGORITMO DE CRITICIDADE MATRIZ DE CRITICIDADE CONCLUSÃO DO CAPÍTULO APLICATIVOS VOLTADOS AO ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE APLICATIVOS VOLTADOS À CRITICIDADE XFMEA... 36

18 SIGMA DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS APLICATIVOS FRAMEWORKS VOLTADOS À CRITICIDADE CONCLUSÃO DO CAPÍTULO MODELO DE UM FRAMEWORK PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE (FRMCRITICALITY) ABORDAGEM DIRIGIDA A RESPONSABILIDADES PRIMEIRA ITERAÇÃO APLICAÇÃO EXEMPLO SEGUNDA ITERAÇÃO APLICAÇÃO EXEMPLO TERCEIRA ITERAÇÃO APLICAÇÃO EXEMPLO DEFINIR FRAMEWORK BASE E DE APLICAÇÃO CONCLUSÃO DO CAPÍTULO VALIDAÇÃO DO FRAMEWORK PARA ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DO FRAMEWORK PROPOSTO PARA O SUBSISTEMA ATRIBUIR PRIORIDADE INSTANCIAÇÃO DE UMA APLICAÇÃO EXEMPLO EXTENSÃO DO MODELO DO FRAMEWORK PROPOSTO PARA UMA OUTRA APLICAÇÃO CONCLUSÃO DO CAPÍTULO CONCLUSÃO SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE A DEFINIÇÃO DO SUBSISTEMA ATRIBUIR PRIORIDADE DO EXEMPLO APÊNDICE B DEFINIÇÃO DO SUBSISTEMA ATRIBUIR ELEMENTO DO EXEMPLO APÊNDICE C DEFINIÇÃO DO SUBSISTEMA ATRIBUIR ELEMENTO DO EXEMPLO APÊNDICE D TRABALHOS PUBLICADOS DURANTE A REALIZAÇÃO DO MESTRADO

19 1. INTRODUÇÃO O controle e gerenciamento dos processos produtivos de uma empresa permitem agilizar sua produção. Para isso, a empresa necessita de constante atualização tecnológica no monitoramento de seus processos. Devido à necessidade desse controle, empresas prestadoras de serviços tecnológicos buscam aprimoramento de soluções que facilitem a administração dos processos produtivos, agilizando o gerenciamento das manutenções dos equipamentos e diminuindo consideravelmente os custos com as realizações destas. Nesse sentido, verifica-se que, dependendo do quanto um equipamento é crítico dentro de um processo produtivo, maior deve ser seu gerenciamento. A determinação do quanto um equipamento é crítico é dada pelos métodos de estabelecimento da criticidade (FILHO, 2005). Esses métodos auxiliam o responsável pelo processo produtivo na definição do tipo manutenção a ser realizada nos equipamentos. Alguns dos métodos de criticidade são implementados em aplicativos, tais como XFMEA (RELIASOFT, 2006) e SIGMA (SGM, 2006). Cada aplicativo implementa métodos de criticidade diferentes, mas nenhum deles implementa dois ou mais métodos. Isso faz com que o responsável pelo processo produtivo não possa testar uma mesma situação do equipamento em outro método, o que lhe proporcionaria maior precisão na escolha do tipo de manutenção a ser realizada. Além de implementarem somente um método, tais aplicativos têm um custo associado à sua aquisição, bem como à customização e à manutenção. Outra questão é que os aplicativos encontrados somente podem ser executados utilizando a plataforma Windows, não sendo portáveis. A portabilidade refere-se à habilidade do aplicativo ser transferido de um ambiente operacional para outro, como por exemplo, do Windows para o Linux. Os aplicativos também apresentam dificuldades de customização, manutenção e reusabilidade. Tentando solucionar as dificuldades relatadas anteriormente, apresenta-se neste trabalho uma proposta de um modelo de um framework para o estabelecimento da criticidade. Frameworks provêem soluções em modelos que capturam funcionalidades comuns em várias aplicações, pertencentes a um domínio, podendo ser aplicados em domínios diferentes do projetado, além de utilizar implicitamente os conceitos de flexibilidade, manutenibilidade, reusabilidade, entre outros.

20 Capítulo 01 Introdução 2 Com esta proposta espera-se fornecer ao responsável pelo processo produtivo um aplicativo que seja capaz de ser estendido para mais de um método para o estabelecimento da criticidade, além de ser gratuito e portável para diferentes tipos de ambientes operacionais. Este modelo permite também que alguns módulos sejam utilizados em outros domínios de aplicação, que não somente o industrial PROBLEMA DE PESQUISA Desenvolver um modelo de um framework para o estabelecimento da criticidade, facilitando a sua extensão para métodos que inicialmente não foram considerados na sua construção JUSTIFICATIVA A necessidade da realização de manutenções nos processos produtivos industriais exige um gerenciamento e controle das condições gerais dos itens sistema, subsistema, instalação, unidade, máquina, equipamento, estrutura, edifício, conjunto, componente ou peça a todo o momento, sendo que determinadas linhas de produção não param nem mesmo para a realização das manutenções corriqueiras, exigindo uma maior precisão quanto ao tipo de manutenção destinada aos itens. Na literatura especializada, até o presente momento, não foi encontrado nenhum modelo de framework para o estabelecimento da criticidade. Existem somente aplicativos que implementam métodos de criticidade, mas esses aplicativos não são frameworks. Diante do exposto e devido à existência de métodos para o estabelecimento da criticidade de itens em processos produtivos e à possibilidade da modelagem de um framework, a criação de um modelo de framework para o estabelecimento da criticidade tornou-se o foco deste trabalho.

21 Capítulo 01 Introdução OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é desenvolver um modelo de um framework para o estabelecimento da criticidade de itens dentro de um processo produtivo. Para alcançar esse objetivo geral, destacam-se os seguintes objetivos específicos: - levantar e conhecer o domínio da aplicação. Neste trabalho, o domínio é composto pelos métodos para o estabelecimento da criticidade presentes na literatura e alguns deles mapeados em indústrias da região da cidade de Ponta Grossa, no Paraná; - extrair as funcionalidades necessárias para a criação do modelo do framework; - analisar aplicativos que implementam métodos para o estabelecimento da criticidade na indústria; - aplicar a abordagem escolhida para o desenvolvimento do framework; - propor um modelo de framework para o estabelecimento da criticidade, podendo ser estendido para métodos não modelados inicialmente. Serão considerados três métodos presentes no domínio da aplicação; - modelar e implementar um dos subsistemas do modelo do framework proposto; - validar o modelo através da extensão de um método não modelado inicialmente e compará-lo com os outros aplicativos; - analisar os resultados obtidos METODOLOGIA A metodologia é o processo que possibilita que uma pesquisa possa ser replicada por outro pesquisador (LUNA, 1999). Dessa forma, diferentes autores definem classificações de pesquisa de acordo com a área do estudo. Os passos que serão utilizados para a realização desta pesquisa são ilustrados na Figura 1.1. Eles servem de base para que outros pesquisadores possam replicar este trabalho.

22 Capítulo 01 Introdução 4 Figura 1.1. Fluxograma da metodologia aplicada à realização desta pesquisa De acordo com a Figura 1.1, pode-se verificar que a realização da pesquisa ocorreu da seguinte maneira: - passo 1: deve-se verificar a existência de um framework para o domínio a ser analisado. Se não existir, deve-se executar os seguintes passos:

23 Capítulo 01 Introdução 5 - passo 1.1: levantar e analisar o domínio. Nesta etapa, se faz o levantamento de todo o estado da arte, leitura de toda a bibliografia relevante para a realização da pesquisa; - passo 1.2: escolher uma abordagem para o desenvolvimento do framework. Nessa etapa, foram inicialmente extraídos os requisitos e depois foram feitas as análises dos aplicativos convencionais; - passo 1.3: criar o modelo do framework. Aplicar a abordagem escolhida para o desenvolvimento do framework; - passo 1.4: instanciar o modelo. Instanciar uma aplicação exemplo para a validação do framework. O modelo também deve ser extendido para uma aplicação exemplo não analisada inicialmente; - passo 1.5: se a validação do modelo for realizada com sucesso (instanciação e extensão), tem-se o framework desenvolvido. Caso contrário, deve-se remodelar o modelo (passo 2.3) encontrando os erros. - passo 2: caso exista um framework para o domínio a ser analisado, deve-se executar os seguintes passos: - passo 2.1: entender o modelo existente. O entendimento é essencial para a análise que foi realizada e está em constante evolução; - passo 2.2.: escolher a abordagem para a extensão do modelo. A extensão do modelo pode ser realizada utilizando-se uma abordagem diferente da utilizada inicialmente; - passo 2.3: remodelar o modelo. Nesta etapa, são feitos os ajustes necessários devido à extensão do modelo (passo 2.2). Depois disso, deve ser realizada a validação do modelo (passo 1.5). Como não existia nenhum framework de criticidade neste trabalho, executou-se o fluxograma da Figura 1.1 a partir do passo ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO O trabalho é organizado em seis capítulos. No Capítulo 2, descreve-se a revisão de literatura, que é dividida em duas partes. A primeira apresenta a contextualização do tema manutenção na indústria. A segunda trata do domínio da criticidade, apresentando nove métodos para o estabelecimento da criticidade, sendo oito deles encontrados na literatura especializada e um mapeado em duas indústrias da região da cidade de Ponta Grossa, no

24 Capítulo 01 Introdução 6 Paraná. Dos métodos encontrados na literatura, dois são utilizados em três indústrias da região da cidade de Ponta Grossa. Ainda neste capítulo, apresentam-se algumas adaptações dos métodos para o desenvolvimento do modelo proposto. O Capítulo 3 relata exemplos práticos da indústria implementados nos aplicativos analisados. Também se apresentam as dificuldades encontradas nos aplicativos, bem como a idéia de solução dessas dificuldades. O Capítulo 4 apresenta a proposta de modelo de um framework voltado ao estabelecimento da criticidade, mostrando sucintamente a abordagem escolhida para o desenvolvimento do framework, a abordagem dirigida a responsabilidades, bem como os passos necessários à confecção do framework. O Capítulo 5 descreve a implementação do modelo do framework proposto para o subsistema Atribuir prioridade, mostrando também a criação prática de uma aplicação exemplo que foi o Sistema numérico simples. Descreve também como seria a extensão do modelo do subsistema Atribuir prioridade para um método que não havia sido modelado inicialmente. O Capítulo 6 apresenta as considerações finais e possibilidades de trabalhos futuros.

25 2. MANUTENÇÃO E MÉTODOS PARA O ESTABELECIMENTO DA CRITICIDADE Este capítulo fornece uma contextualização sobre manutenção, com o objetivo de descrever seus conceitos, definições e os métodos para o estabelecimento da criticidade. Dentre os métodos que serão abordados, tem-se o Sistema numérico simples, o Sistema de prioridade de atendimento por palavras e o Sistema de prioridades por importância de equipamentos CONTEXTUALIZAÇÃO A partir da década de 90, as operações de manufatura passaram efetivamente pela mecanização devido à evolução da tecnologia. Dessa forma, as contribuições nos últimos anos geraram equipamentos automatizados cada vez mais eficientes, rápidos e menores. Porém, tais equipamentos têm uma vida útil associada a eles. Quanto maior for o cuidado com cada equipamento, maior será seu tempo de vida. Tal cuidado está relacionado diretamente com o profissional que o opera. Ou seja, ao manusear os equipamentos, pode-se verificar a importância do profissional no processo de manutenção. Segundo a ABNT (1994), manutenção é a combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo as de supervisão, destinadas a manter ou recolocar um item em um estado no qual possa desempenhar uma função requerida. Neste trabalho, a manutenção será definida como as medidas existentes para evitar a deterioração dos equipamentos, provocada pelo seu desgaste natural e pelo seu uso. Esta degradação se manifesta de diversas formas, que, conforme Xenos (1998), variam desde a aparência externa ruim do equipamento até perdas de desempenho e paradas de produção, e também da fabricação de produtos de má qualidade até a poluição ambiental. Quando não realizada a atividade da manutenção, dependendo do estado em que o equipamento se encontra, inicia-se uma influência negativa na qualidade e produtividade dos produtos durante a atividade da produção. Xenos (1998) enfatiza que a baixa qualidade e produtividade colocam em risco a sobrevivência da empresa. E, como a manutenção desempenha um papel importante na qualidade e produtividade, os ganhos com seu gerenciamento não podem ser desprezados.

26 Capítulo 02 Manutenção e métodos para o estabelecimento da criticidade 8 O gerenciamento das atividades da manutenção não deve ter seu escopo reduzido apenas para manter as condições originais dos equipamentos. As atividades requerem ações específicas tanto em nível técnico como gerencial. Alguns exemplos são: modificações de padrões e procedimentos, aumento ou inserção da qualidade da manutenção, produção e instalações, entre outros (XENOS, 1998). Para maximizar a eficiência das atividades de manutenção, o equipamento (ou a linha de produção) deve ser compreendido, de acordo com Takahashi (1993), em termos de: ambiente de produção, recursos humanos e custos. Nas indústrias, o equipamento tende a mudar sensivelmente, dependendo da demanda de produção. Graças a isso, é preciso avaliar os equipamentos, em ciclos de revisão constantes. Para isso, ações devem ser implementadas nas operações da manutenção. Os seguintes itens devem ser ressaltados (TAKAHASHI, 1993, p. 7): - restringir investimentos em equipamentos desnecessários; - utilizar ao máximo os equipamentos existentes; - melhorar taxa de utilização dos equipamentos na produção; - garantir a qualidade do produto, através do melhor uso dos equipamentos; - reduzir os custos de energia e materiais. De um modo geral são praticados quatro tipos de manutenção. Estas procuram envolver adequação, conservação, restauração, prevenção e substituição dos equipamentos de forma técnica e suficiente para alcançar os objetivos da função. Conforme Kardec e Nascif (2001), os quatro tipos de manutenção são as seguintes: corretiva, preventiva, preditiva e de melhoria. A manutenção corretiva é a atuação para a correção do problema ocorrido ou do desempenho menor do que o esperado. É efetuada depois do acontecimento do problema. Ocasiona a paralisação do processo produtivo. Devido a isso é bastante onerosa no ponto de vista econômico, em virtude da quebra de produção. Para as indústrias, tal manutenção não é a mais adequada, pois não possibilita segurança para o cumprimento de prazos num plano de produção. Um exemplo para esse tipo de manutenção é o surgimento de uma quebra em equipamentos eletrônicos, como monitores em um processo produtivo. Serão consertados somente depois do problema ocorrido e substituídos por equipamentos de backup, pois quando um equipamento quebra, outro entra em ação para não interromper ou diminuir a produção.

27 Capítulo 02 Manutenção e métodos para o estabelecimento da criticidade 9 A manutenção preventiva é realizada de forma a reduzir ou evitar o problema, obedecendo a um plano previamente elaborado, baseando-se em intervalos definidos de tempo. Em processos industriais contínuos, como cimento, petróleo e petroquímico, estão envolvidas pressões, temperaturas e vazões elevadas em seu processamento. A quantidade de energia despendida no processo é considerável e interromper processamentos dessa natureza compromete a qualidade de outros que vinham operando adequadamente, levando-os a anormalidades após a ruptura do processo. Para isso, é necessária a realização de uma manutenção preventiva, pois o equipamento não pode parar, senão todo o processo produtivo ficará comprometido (KARDEC e NASCIF, 2001). A manutenção preditiva é o desempenho alcançado com base na modificação de parâmetros de condições, cujo acompanhamento obedece a uma sistemática. Essa manutenção também pode ser definida como a que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam seu desgaste ou processo de degradação. Trata-se de uma importante ferramenta da manutenção, porém ainda pouco usada, pois visa a acompanhar o equipamento ou as peças, através de monitoramento, por medições e por controle estatístico para predizer a ocorrência de um problema (KARDEC e NASCIF, 2001). As condições necessárias para se adotar a manutenção preditiva são as seguintes: numa delas os equipamentos devem permitir algum tipo de monitoramento ou medição e na outra a predição pode dar-se através de estatísticas, baseando-se em históricos (ALMEIDA, 1990). As análises de vibrações em motores são um exemplo de manutenção preditiva, pois dependendo das vibrações sabe-se quando as manutenções preventivas serão necessárias para que a produção não pare. Por fim, a manutenção de melhoria é a intervenção que visa a implementar um aperfeiçoamento contínuo dos equipamentos e serviços, com intuito de reduzir o índice de indisponibilidade, aumento de performance, aumento do ciclo de vida e segurança, através da aplicação de novos dispositivos, bem como a adoção de novas técnicas de trabalho. Esta intervenção geralmente ocorre antes do surgimento do problema e deve ser informada ao projetista do equipamento ou sistema envolvido, a fim de efetuar as modificações necessárias já na concepção do projeto. Portanto, denominados os tipos de manutenções mais usados e ressaltadas as suas importâncias, pode-se verificar que, dependendo do quanto um equipamento é crítico dentro

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

GETINGE ONLINE OBTENHA ACESSO A INFORMAÇÕES EM QUALQUER LUGAR

GETINGE ONLINE OBTENHA ACESSO A INFORMAÇÕES EM QUALQUER LUGAR GETINGE ONLINE OBTENHA ACESSO A INFORMAÇÕES EM QUALQUER LUGAR 2 Getinge Online TRABALHE DE FORMA MAIS INTELIGENTE E OBTENHA UM TEMPO DE FUNCIONAMENTO MAIOR Tradicionalmente, o status do processo de esterilização

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Thiago Bianchi 1 Elisa Yumi Nakagawa 2 1 IBM - International Business Machines 04753-080, São Paulo, SP, Brazil tbianchi@br.ibm.com

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 CONVENÇÕES, TERMOS E ABREVIAÇÕES... 3 1.1.1 Identificação dos Requisitos... 3 1.1.2 Prioridades

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Relatórios

Sistema de Gerenciamento de Relatórios Sistema de Gerenciamento de Relatórios Eng. Mec. Paulo Fernando Resende Lima (Preditiva Sul) - paulo@preditivasul.com.br Prof. Dr. Jorge Nei Brito (UFSJ) - brito@ufsj.edu.br Resumo. A missão da manutenção

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais