TRATAMENTO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATAMENTO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA"

Transcrição

1 TRATAMENTO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

2 CONHEÇA MAIS SOBRE AS OPÇÕES DE TRATAMENTO DIALÍTICO Converse com sua Equipe Renal Clínica -médico, enfermeiro, assistente social e nutricionista para conhecer melhor os benefícios e limitações de suas alternativas de tratamento. Converse com sua família sobre sua melhor opção de tratamento no período que você se encontra.

3 TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA A Terapia Renal Substitutiva é um cuidado integrado entre as opções Dialíticas

4 TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

5 O QUE É A DIÁLISE? A Diálise é o processo artificial de substituição renal. Tem como função remover do organismo, líquido e substâncias tóxicas que não podem ser eliminadas pelos rins doentes.

6 TIPOS DE DIÁLISE Existem dois tipos de Diálise:

7 COMO SE PROCESSA A REMOÇÃO DE SUBSTÂNCIAS TÓXICAS NA DIÁLISE PERITONEAL E HEMODIÁLISE? Através da Difusão que: Consiste na remoção de substâncias tóxicas do sangue para a Solução de Diálise por diferença de concentração; Na DP o processo ocorre durante o tempo de permanência da solução na cavidade peritoneal; Na HD o processo ocorre durante a sessão de Diálise.

8 COMO SE PROCESSA A REMOÇÃO DO EXCESSO DE ÁGUA NA DIÁLISE PERITONEAL? Através da Osmose que: Por meio da dextrose (açúcar) contida em maior concentração na solução peritoneal, a água move-se do sangue para a Solução de Diálise; Este processo é responsável pela remoção dos líquidos em excesso no organismo.

9 COMO SE PROCESSA A REMOÇÃO DO EXCESSO DE ÁGUA NA HEMODIÁLISE? Na HD a remoção de água ocorre por uma diferença de pressão entre o compartimento de sangue e o do banho (dialisato), separados por uma membrana artificial.

10

11 EM QUE CONSISTE A DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR? Consiste na utilização contínua de uma bolsa com solução de Diálise que possibilita a drenagem e infusão de solução na cavidade peritoneal. O líquido permanece na cavidade no período entre as trocas de Bolsas.

12 EM QUE CONSISTE A DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR? A Diálise Peritoneal pode ser: Manual - CAPD -através do Sistema Ultrabag, ou Automática - DPA -máquina cicladora HomeChoice. Em ambas modalidades o acesso à cavidade peritoneal se dá por um cateter flexível,indolor e permanente. A membrana peritoneal funciona como umfiltro natural realizando as principais funções do rim.

13 A RESPONSABILIDADE DO PACIENTE PARA COM A CAPD Geralmente quatro (4) vezes ao dia o paciente realizará em casa e/ou no local de trabalho as trocas de bolsas da Diálise Peritoneal; O tempo de infusão é de aproximadamente 10 minutos e o da drenagem nãoexcede 20 minutos; No período de 4-6 horas a soluçãopermanece nacavidade peritoneal, para promover a remoção de substâncias tóxicase água; No período entre as trocas o paciente fica livredas bolsas; O cateter fica adaptado a um pequeno equipo devidamente fechado e fixado - equipo de transferência 6.

14 BOLSAS DE SOLUÇÃO PERITONEAL

15 PRESCRIÇÃO DESEJADA

16 MATERIAL DE CAPD - SISTEMA ULTRABAG

17 PROCEDIMENTO DE TROCA DE CAPD SISTEMA ULTRABAG

18 TERAPIA DE DPA HOMECHOICE

19 SISTEMA DE TROCA PARA DPA HOMECHOICE

20 A RESPONSABILIDADE DO PACIENTE PARA COM A DPA Todas as noite so paciente se conecta à máquina cicladora HomeChoice que automaticamente processa a remoção de substâncias tóxicas e água, seguindo a programação de sua prescrição. Normalmente são realizados de 4 a 5 ciclos no período de 9 a 10 horas. Durante o dia, o paciente fica como líquido na cavidade peritoneal programado pela última bolsa por um período de tempo determinado. Em alguns casos é necessária a realização de mais um ciclo de Diálise durante o dia.

21 DESCARTE DE MATERIAL CAPD: O líquido drenado deveráser expurgado no vaso sanitário. DPA: O líquido drenado poderá ser expurgado no ralo sanitário ou em recipiente para coleta de grandes volumes. Nas duas modalidades, as bolsas plásticas vazias e seus acessórios (equipo,prep-kite máscara), deverão ser acondicionados em saco de lixo preto, separadamente da caixa de papelão; A caixa de papelão deverá ser desmontada e/ou amassada e descartada, em separado, do lixo comum;

22 BENEFÍCIOS DA DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR - CAPD / DPA O acesso Peritoneal: É permanente É indolor É flexível É livre de curativos

23 BENEFÍCIOS DA DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR - CAPD / DPA Você realiza seu tratamento em casa e/ou no local de trabalho Seu deslocamento à Clínica se limita a uma única vez ao mês, para consulta, exames laboratoriais e revisão de seus indicadores clínicos

24 BENEFÍCIOS DA DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR - CAPD / DPA Horários mais flexíveis de acordo com seu estilo de vida Deslocamentos por períodos longos como férias(assistência através do Travel Club / SACBaxter)

25 BENEFÍCIOS DA DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR - CAPD / DPA Pressão arterial mais controlada, pois os líquidos são removidos diariamente. Melhor controle da anemia, devido a dietas mais flexíveis e menor exposição de sangue,pois a Diálise ocorre internamente.

26 BENEFÍCIOS DA DIÁLISE PERITONEAL DOMICILIAR - CAPD / DPA Não necessita o uso de agulhas para punções semanais na Diálise.

27 BENEFÍCIOS EXCLUSIVOS DA DPA Terapia totalmente automatizada e de fácil manuseio; Maior liberdade durante o dia para atividades Sociais e profissionais; Sistema portátil, seguro no transporte e viagens;

28 BENEFÍCIOS EXCLUSIVOS DA DPA Controle preciso dos volumes e tempos de Infusão, Permanência e Drenagem; Redução de riscos de infecção peritonite; Permite a infusão de pequenos e grandes volumes( ml) de acordo com a necessidade clínica do paciente (ex.:pediatria, hérnia); Melhor Qualidade de Vida.

29 EM QUE CONSISTE A HEMODIÁLISE? Consiste em um processo intermitente no qual o paciente é ligado em uma máquina de Hemodiálise 3 vezes por semana, por aproximadamente 4 horas.

30 COMO É FEITA A HEMODIÁLISE? HEMO = sangue O sangue sai do corpo, através dos equipos (linha de sangue arterial e venosa), passa por dentro do dialisador, onde ocorre a remoção de substâncias tóxicas e água.uma vez limpo/filtrado retorna ao paciente.

31 O QUE A MÁQUINA DE HEMODIÁLISE FAZ? Máquina de Hemodiálise = Rim Artificial Promove a mistura da solução de Diálise; Monitora o tratamento através de alarmes de segurança como: * Ultra filtração (UF) remoção de líquido; * Fluxo de sangueedialisato; * Detectores dear, temperatura e condutividade.

32 ACESSO - HEMODIÁLISE

33 ACESSO - HEMODIÁLISE 2. Acesso Vascular Permanente - F.A.V.É necessário fazer um acesso vascular permanente, chamado F.A.V. - Fístula Arterio-Venosa, permitindo a saída do sangue no fluxo desejado. A dilatação do vaso permite que 2agulhasde grande calibre possam ser inseridas, permitindo um fluxo de sangue adequado para a máquina de hemodiálise e o retorno deste ao paciente.

34 CUIDADOS COM O ACESSO VASCULAR PERMANENTE - F.A.V. O acesso vascular - F.A.V. é a linha da vida do paciente. É preciso preservá-la de sangramentos e riscos de acidentes. No membroda F.A.V. evite: Punções sanguíneas; Carregar peso; Dormir sobre o membro; Verificar pressão arterial; Curativos circulares garroteando o membro.

35 QUAL A RESPONSABILIDADE DO PACIENTE PARA COM A HEMODIÁLISE? O paciente, 3 vezes por semana, deve ir a uma clínica e/ou hospital para ser submetido ao processo de Hemodiálise. O tratamento é realizado por profissionais devidamente treinados, onde o paciente fica ligado a uma máquina de Hemodiálise por um período aproximado de 4 horas. De acordo com a sua prescrição de Hemodiálise é fundamental seguir as recomendações de dieta, medicamentos e duração da sessão de Hemodiálise. Não falte às sessões e seja pontual.

36 BENEFÍCIOS DA HEMODIÁLISE Equipamentos seguros e eficientes; A Diálise é processada em poucas horas aproximadamente 4 horas; Realizada dentro de hospitais ou clínicas; Tratamento passivo, realizado por profissionais específicos da área, devidamente treinados; Maior socialização com os outros pacientes.

37 TRANSPLANTE RENAL Pode ser realizado através de: Doador Vivo ou Relacionado (filho, irmão, pai, mãe) Doador não Vivo (cadáver)

38 BENEFÍCIOS DO TRANSPLANTE O Rim transplantado substitui as funções do Rim doente; Durante o período em que o paciente está transplantado não é mais necessária a realização da Diálise; Dieta livre; Maior Qualidade de Vida.

ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica

ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica ANEXO I Procedimentos incluídos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS para o tratamento da Doença Renal Crônica CÓDIGO PROCEDIMENTO 03.01.13.005-1 Acompanhamento multiprofissional em DRC

Leia mais

O que preciso saber sobre meu acesso vascular? Fistula/Enxerto

O que preciso saber sobre meu acesso vascular? Fistula/Enxerto O que preciso saber sobre meu acesso vascular? Fistula/Enxerto Fistel/Shunt Avitum Por que preciso de acesso vascular? Para a diálise funcionar adequadamente, ela precisa criar um caminho para tirar sangue

Leia mais

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel A insuficiência renal crônica (IRC) é o resultado das lesões renais irreversíveis e progressivas provocadas por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as

Leia mais

T E R M O D E C O N S E N T I M E N T O E S C L A R E C I D O

T E R M O D E C O N S E N T I M E N T O E S C L A R E C I D O Clínica/Setor: Serviço de Diálise Considerando o artigo 22 do Código de Ética Médica (Resolução CFM 1931/2009), os artigos 6 III e 39 VI da Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor), que garantem ao

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Hemodiálise Contínua de Baixo Fluxo. Enfermeira Lílian Costa Enfermeira Celina Marques

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Hemodiálise Contínua de Baixo Fluxo. Enfermeira Lílian Costa Enfermeira Celina Marques Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Hemodiálise Contínua de Baixo Fluxo Enfermeira Lílian Costa Enfermeira Celina Marques Rotina de Hemodiálise Contínua de Baixo Fluxo 2 HEMODIÁLISE

Leia mais

Diálise Informações Gerais UNINEFRO CLINICAS DE DIALISE

Diálise Informações Gerais UNINEFRO CLINICAS DE DIALISE Diálise Informações Gerais UNINEFRO CLINICAS DE DIALISE 5 3 4 1 Monitor pressão Arterial 2 Bomba de Sangue 6 3 Bomba de Heparina 4 Dialisador 5 Monitor de pressão Venosa 6 Detector de Ar 7 7 Clamp do detector

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

HEMODIÁLISE: técnica x legislação

HEMODIÁLISE: técnica x legislação SOBEN Associação Brasileira de Enfermagem em Nefrologia HEMODIÁLISE: técnica x legislação VALQUIRIA GRECO ARENAS Mestre em Ciências USP/SP Especialista em Nefrologia Innovare Assessoria e Consultoria Ltda

Leia mais

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013 CENSO DE DIÁLISE SBN 213 Dados Gerais Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN: 73 Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN e Ativas com programa crônico: 658 Total de Unidades Ativas que Responderam

Leia mais

O que preciso saber sobre meu acesso vascular? Cateter

O que preciso saber sobre meu acesso vascular? Cateter O que preciso saber sobre meu acesso vascular? Cateter Avitum Por que preciso de acesso vascular? Para a diálise funcionar adequadamente, ela precisa criar um caminho para tirar sangue de seu corpo, passá-lo

Leia mais

CPHD 35 BA. Salbego Laboratório Farmacêutico Ltda. Solução para Hemodiálise. Ver:02

CPHD 35 BA. Salbego Laboratório Farmacêutico Ltda. Solução para Hemodiálise. Ver:02 CPHD 35 BA Salbego Laboratório Farmacêutico Ltda Solução para Hemodiálise MODELO DE BULA (Pacientes) CPHD 35 BA bicarbonato de sódio 8,4% FRAÇÃO BÁSICA APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise

Leia mais

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde)

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD SMP 35 FRAÇÃO ÁCIDA cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de 5 ou

Leia mais

Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e

Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e SISTEMA EXCRETOR 1 Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e extremamente tóxica para as células, esmo em

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Tarde - 17:00 às 21:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Tarde - 17:00 às 21:00 INVESTIMENTO INSUFICIêNCIA RENAL - O PAPEL DO ENFERMEIRO (JUN 2015) PORTO Sabia que, em Portugal, aproximadamente um em cada 10 adultos sofre de doença renal crónica? "Insuficiência Renal - O Papel do Enfermeiro" pretende

Leia mais

MODELO DE BULA (Pacientes)

MODELO DE BULA (Pacientes) MODELO DE BULA (Pacientes) CPHD AC 35 C/GLICOSE CPHD AC 45 C/GLICOSE cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA PORTARIA Nº 73, DE 4 DE OUTUBRO DE 2001

SECRETARIA EXECUTIVA PORTARIA Nº 73, DE 4 DE OUTUBRO DE 2001 SECRETARIA EXECUTIVA PORTARIA Nº 73, DE 4 DE OUTUBRO DE 2001 O Secretário Executivo e o Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que os Pacientes Submetidos à

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: DEPARTAMENTO: ENB

PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: DEPARTAMENTO: ENB PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem IV - Terapias Dialíticas CÓDIGO: EFM068 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA 30 15 3 VERSÃO CURRICULAR:

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI A inserção de CVP é atualmente uma prática indispensável

Leia mais

Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público

Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Maria Eugênia Fernandes Canziani Universidade Federal de São Paulo Brasília, 2012

Leia mais

Como funciona a hemodiálise? Avitum

Como funciona a hemodiálise? Avitum Como funciona a hemodiálise? Avitum Por que preciso de hemodiálise? Você precisa de diálise porque sofreu uma falência de rins (renal), seus rins pararam - ou quase pararam de funcionar. Os rins são o

Leia mais

CPHD Bicabonato de Sódio 8,4%

CPHD Bicabonato de Sódio 8,4% CPHD Bicabonato de Sódio 8,4% Fresenius Medical Care Ltda Solução para Hemodiálise 8,4% MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD BICARBONATO DE SÓDIO 8,4% bicarbonato de sódio FRAÇÃO BÁSICA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Easypump C-bloc RA. Informação ao paciente

Easypump C-bloc RA. Informação ao paciente Informação ao paciente TM Controle da dor com Com o objetivo de acelerar sua recuperação e minimizar sua dor, seu anestesiologista recomendou a utilização de um cateter e de uma bomba descartável chamada.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

Aula 5: Sistema circulatório

Aula 5: Sistema circulatório Aula 5: Sistema circulatório Sistema circulatório Sistema responsável pela circulação de sangue através de todo o organismo; Transporta oxigênio e todos os nutrientes necessários para a manutenção das

Leia mais

RESOLUÇÃO-RE N - 515, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006

RESOLUÇÃO-RE N - 515, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006 RESOLUÇÃO-RE N - 515, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006 O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuições que lhe confere inciso XI, do art. 13, do Regulamento aprovado pelo

Leia mais

TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: RINS ARTIFICIAIS, CAPILARES E CAPD

TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: RINS ARTIFICIAIS, CAPILARES E CAPD OPERADORA DE SAÚDE grande variedade de contratos; coberturas mais amplas nos contratos mais recentes; coberturas nos contratos após Lei 9656, com vigência desde 04/01/1999, já incluindo todo tipo de Terapia

Leia mais

PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM (DIÁLISE e HEMODIÁLISE). GLEISON FARIA

PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM (DIÁLISE e HEMODIÁLISE). GLEISON FARIA PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM (DIÁLISE e HEMODIÁLISE). GLEISON FARIA RESUMO O objetivo da pesquisa foi estudar, mas sobre e saber sobre a patologia que vem colocando

Leia mais

TRANSPLANTE RENAL. Quem pode fazer transplante renal?

TRANSPLANTE RENAL. Quem pode fazer transplante renal? TRANSPLANTE RENAL O transplante é a substituição dos rins doentes por um rim saudável de um doador. É o método mais efetivo e de menor custo para a reabilitação de um paciente com insuficiência renal crônica

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

Safeflow. Registro ANVISA n

Safeflow. Registro ANVISA n Registro ANVISA n 1.00085.30420 1) Terapia Infusional 2) Conceito de Infecção hospitalar 3) Acidente de trabalho e Legislação 4) Apresentação do Safelow 5) Importância do Safelow na terapia de infusão

Leia mais

CPHD COM GLICOSE. Fresenius Medical Care Ltda. Solução para Hemodiálise

CPHD COM GLICOSE. Fresenius Medical Care Ltda. Solução para Hemodiálise CPHD COM GLICOSE Fresenius Medical Care Ltda Solução para Hemodiálise CPHD COM GLICOSE cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise. CPHD

Leia mais

O resgate da cidadania através da alfabetização com pacientes renais crônicos em clínica de hemodiálise

O resgate da cidadania através da alfabetização com pacientes renais crônicos em clínica de hemodiálise Para Demo (2001), a participação é um exercício democrático, através do qual a sociedade civil manifesta suas escolhas, mantendo ou substituindo pessoas. Enfim, "participação é um processo de conquista"

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC)

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC) Página 1 de 5 Elaborado: Revisado: Aprovado: Vera Letticie de Azevedo Ruiz Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus 1. OBJETIVOS Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Métodos de monitorização A monitorização de pacientes internados visa contribuir com o processo de reabilitação e cura.

Leia mais

Anestesia. em cirurgia cardíaca pediátrica. por Bruno Araújo Silva

Anestesia. em cirurgia cardíaca pediátrica. por Bruno Araújo Silva I N C O R C R I A N Ç A Anestesia em cirurgia cardíaca pediátrica A anestesia é um dos elementos fundamentais no cuidado dos pacientes que serão submetidos a cirurgia cardíaca para tratamento de cardiopatias

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 18/2014 Data de emissão: Março/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: Centros de Saúde Assistencial

Leia mais

Cuidados com Portacath

Cuidados com Portacath Procedimento médico tipo pequena cirurgia para a implantação. Este cateter(portacath) é instalado após anestesia local, o procedimento leva de 30minutos a 1 hora. A incisão para colocação é fechada por

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos.

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. ARTIGO Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Autor: Marcos José Sanvidotti Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. Resumo: O monitoramento a distância

Leia mais

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum Hemodiálise Uma breve introdução Avitum O que é hemodiálise? Na hemodiálise, um rim artificial (hemodialisador) é usado para remover resíduos, substâncias químicas extras e fluido de seu sangue. Para colocar

Leia mais

Registro de Ficha Técnica de Produtos

Registro de Ficha Técnica de Produtos Página 1 de 5 RELATÓRIO TÉCNICO - 10 Nome do Produto: DIALISADORES DE POLIETERSULFONA DIALINE HMP220 - MÉDIO FLUXO 2.2 m² Número do registro (ANVISA): 80188510008 Referências: 91000MF30222 médio fluxo

Leia mais

CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR

CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR A Circulação Extracorpórea marcou o início da fase moderna da Cirurgia Cardiovascular. Seu desenvolvimento e evolução permitiu que patologias cardiovasculares

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

Trabalho de Ciências 8 ano - 3º Bimestre

Trabalho de Ciências 8 ano - 3º Bimestre Tema: Hemofilia O que é hemofilia? Como ocorre a transmissão dessa doença? Quais os possíveis tratamentos e medidas de prevenção? Tipos de hemofilia A história da hemofilia s alunos, número, turma e data).

Leia mais

POLÍTICA PARA CUIDADO A PACIENTES EM HEMODIÁLISE NORMA Nº 639

POLÍTICA PARA CUIDADO A PACIENTES EM HEMODIÁLISE NORMA Nº 639 Página: 1/9 1- OBJETIVO 1.1- Orientar o tratamento e os cuidados prestados a pacientes portadores de Insuficiência Renal Crônica e Aguda que utilizarem os serviços do Hospital Mãe de Deus (HMD) e Hospital

Leia mais

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER EXTRATOR DE CÁLCULOS MANUAL DO USUÁRIO CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER Registro ANVISA nº 80475510046 e-mail: contato@e-med.net.br Resp. Técnica: Juliana Maria

Leia mais

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito);

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito); O diabetes mellitus é uma doença crônica que se caracteriza por uma elevada taxa de glicose (açúcar) no sangue. Essa elevação ocorre, na maioria das vezes, por uma deficiência do organismo em produzir

Leia mais

ALERGOLOGIA BERÇÁRIO. Tel: 2107-5123 Ordem Procedimentos e Exames OBS

ALERGOLOGIA BERÇÁRIO. Tel: 2107-5123 Ordem Procedimentos e Exames OBS Clínicas médicas ALERGOLOGIA Emissão de pareceres e laudos médicos. 3 Assistência a pacientes baixados. 4 Exames especificados na Clínica Pneumológica. BERÇÁRIO Tel: 107-513 1 Atendimento de pacientes

Leia mais

DIA MUNDIAL DO RIM 13 DE MARÇO DE 2014-FORTALEZA, CE 1 EM 10. O RIM ENVELHECE, ASSIM COMO NÓS

DIA MUNDIAL DO RIM 13 DE MARÇO DE 2014-FORTALEZA, CE 1 EM 10. O RIM ENVELHECE, ASSIM COMO NÓS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CURSO DE MEDICINA LIGA ACADÊMICA DE NEFROLOGIA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CARDIOLOGIA DIA MUNDIAL DO RIM 13 DE MARÇO DE 2014-FORTALEZA, CE 1 EM 10. O RIM ENVELHECE, ASSIM

Leia mais

Não tome Disocor: - se tem alergia à levocarnitina ou a qualquer outro componente deste medicamento (indicados na secção 6).

Não tome Disocor: - se tem alergia à levocarnitina ou a qualquer outro componente deste medicamento (indicados na secção 6). Folheto informativo: Informação para o doente Disocor 1000 mg comprimidos para mastigar Levocarnitina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1. Identificação do Produto e da Empresa. Nome comercial: Sal de Cromo Chromacid (BR). Código do produto: 1673923 Atotech do Brasil Galvanotécnica Ltda Rua Maria Patrícia da Silva, 205 - Jardim Isabela

Leia mais

Fisiologia nos vestibulares

Fisiologia nos vestibulares Revisão 3º ano 2ª fase Fisiologia nos vestibulares Fuvest, Unicamp, Unifesp e Unesp 2007 a 2011 Respiração órgãos respiratórios - comparação entre respiração branquial, cutânea, traqueal e pulmonar (abordagem

Leia mais

Perfil Epidemiológico de Pacientes Portadores de Doença Renal Crônica Terminal em Programa de Hemodiálise em Clínica de Santa Cruz do Sul - RS

Perfil Epidemiológico de Pacientes Portadores de Doença Renal Crônica Terminal em Programa de Hemodiálise em Clínica de Santa Cruz do Sul - RS Perfil Epidemiológico de Pacientes Portadores de Doença Renal Crônica Terminal em Programa de Hemodiálise em Clínica de Santa Cruz do Sul - RS Aglaupe Ferreira Bonfim Pereira 1, Cássia Pinheiro Kapper

Leia mais

Orientações sobre o Manejo de Resíduos Perigosos no HC/UFTM

Orientações sobre o Manejo de Resíduos Perigosos no HC/UFTM APRESENTAÇÃO ccih@he.uftm.edu.br Tel: 34 3318-5261 Orientações sobre o Manejo de Resíduos Perigosos no HC/UFTM Uberaba, 2012 Esta cartilha tem como objetivo levar informações imprescindíveis sobre o Plano

Leia mais

Data da aprovação: 1. CONCEITOS

Data da aprovação: 1. CONCEITOS Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Tiago Elaborado por: Gilson B. Vieira - Enfermeiro CCIH Enf a. Taise Costa Ribeiro Klein Enfermeira SCIH Patrícia Vanny - Médica SCIH Fernanda Lunardi

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. ESPII por Ebola: medidas adotadas em Pontos de Entrada no Brasil

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. ESPII por Ebola: medidas adotadas em Pontos de Entrada no Brasil ESPII por Ebola: medidas adotadas em Pontos de Entrada no Brasil Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional pelo vírus Ebola Trata-se do maior surto de ebola já registrado nas últimas quatro

Leia mais

Figura 1. Equipamento de LECO Carlos Alberto Ferreira Chagas

Figura 1. Equipamento de LECO Carlos Alberto Ferreira Chagas Quando certos produtos químicos da urina se agregam formando cristais, uma massa endurecida chamada cálculo (ou pedra) se forma. A maioria das pedras começa a se formar nos rins e algumas podem se deslocar

Leia mais

* O PROBLEMA IMPACTO FATOS

* O PROBLEMA IMPACTO FATOS 01 * O PROBLEMA A média de doadores de sangue no Brasil é de apenas 1,9%, sendo que o recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para ter um estoque seguro é que 3% a 5% de sua população seja

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Hipertensão arterial, uma inimiga silenciosa e muito perigosa

Hipertensão arterial, uma inimiga silenciosa e muito perigosa Hipertensão arterial, uma inimiga silenciosa e muito perigosa A famosa pressão alta está associada a uma série de outras doenças, como o infarto do miocárdio, a insuficiência cardíaca e morte súbita, entre

Leia mais

Assistência ao Paciente portador de Doença Renal Crônica que requer de Hemodiálise.

Assistência ao Paciente portador de Doença Renal Crônica que requer de Hemodiálise. Assistência ao Paciente portador de Doença Renal Crônica que requer de Hemodiálise. O Nosso protocolo assistencial tem como base as diretrizes e normas elaboradas pela Society of Interventional Radiology

Leia mais

Índice. Vamos conhecer melhor... 05. Vamos prevenir...06. Vamos tratar...08. Vamos ao transplante...13. Vamos a alimentação...14

Índice. Vamos conhecer melhor... 05. Vamos prevenir...06. Vamos tratar...08. Vamos ao transplante...13. Vamos a alimentação...14 O avanço de doenças crônicas, sobretudo do diabetes e da hipertensão, tem provocado um aumento no número de pacientes com problemas nos rins. Dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia indicam que o número

Leia mais

LINHA PEDIÁTRICA Cateter de Curta Permanência para Hemodiálise Duo Flow Kit Cateter Ponta macia radiopaca e design único, oferece maiores fluxos, segurança e conforto ao paciente. CÓDIGO APRESENTAÇÃO MEDIDAS

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO COM PRESTADORES DE SERVIÇOS DO SISTEMA UNIMED RS

MANUAL DE RELACIONAMENTO COM PRESTADORES DE SERVIÇOS DO SISTEMA UNIMED RS 1 MANUAL DE RELACIONAMENTO COM PRESTADORES DE SERVIÇOS DO SISTEMA UNIMED RS PRONTUÁRIO DO PACIENTE É o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados aos registros dos cuidados profissionais

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA 2010 2 DISCIPLINA DE NEFROLOGIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU - UNESP 1. INTRODUÇÂO O Programa de Residência de Nefrologia da Disciplina

Leia mais

Terapias para IRC. Prof. Claudia Witzel

Terapias para IRC. Prof. Claudia Witzel Terapias para IRC Prof. Claudia Witzel HEMODIÁLISE Uma membrana sintética semipermeável substitui os glomérulos e túbulos renais, atuando como filtro para os rins deficiente É realizado três vezes por

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 154, DE 15 DE JUNHO DE 2004

RESOLUÇÃO-RDC Nº 154, DE 15 DE JUNHO DE 2004 título: Resolução RDC nº 154, de 15 de junho de 2004 ementa: Estabelece o Regulamento Técnico para o funcionamento dos Serviços de Diálise publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA ALÉM PARAÍBA 2010 CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art.1. O Laboratório de Anatomia, localizado no Campus Vila da Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

- O CENTRO DE ACESSOS VASCULARES-

- O CENTRO DE ACESSOS VASCULARES- - O CENTRO DE ACESSOS VASCULARES- PAPEL DO NEFROLOGISTA DE INTERVENÇÃO (na construção do acesso vascular de diálise) Nuno Afonso Serviço de Nefrologia CHUC HG 29 de Março de 2014 PAPEL DO NEFROLOGISTA

Leia mais

APROVADO EM 06-05-2004 INFARMED

APROVADO EM 06-05-2004 INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO APROVADO EM 1 DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Q10 Forte, 30mg, cápsula 2 COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Uma cápsula de Q10 Forte contém 30mg de ubidecarenona

Leia mais

Silvio Paulo Alves do Prado, Paciente de Diálise Peritoneal. Atendendo às necessidades essenciais de saúde. Visão Geral da Baxter

Silvio Paulo Alves do Prado, Paciente de Diálise Peritoneal. Atendendo às necessidades essenciais de saúde. Visão Geral da Baxter Silvio Paulo Alves do Prado, Paciente de Diálise Peritoneal Atendendo às necessidades essenciais de saúde Visão Geral da Baxter to.indd 1 4/7/16 11:23 A Há mais de 80 anos, a Baxter é guiada por sua missão

Leia mais

Circular 402/2014 São Paulo, 25 de Julho de 2014. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 389, DE 13 DE MARÇO DE 2014(*) Republicação

Circular 402/2014 São Paulo, 25 de Julho de 2014. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 389, DE 13 DE MARÇO DE 2014(*) Republicação Circular 402/2014 São Paulo, 25 de Julho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) CONTADOR(A) CRITÉRIOS PARA ORGANIZAÇÃO DA LINHA DE CUIDADOS DA PESSOA COM DOENÇA RENAL CRÔNICA (DRC) Diário Oficial da União

Leia mais

Transplante capilar Introdução

Transplante capilar Introdução Transplante Capilar Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida

Leia mais

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 8

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 8 Sugestões de atividades para avaliação Ciências 8 o ano Unidade 8 5 Nome: Data: UniDaDE 8 1 A saúde é um problema exclusivo do governo, os indivíduos têm pouco o que fazer para ajudar a manter adequada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 06/CT/2016/RT Assunto: Curativo por Pressão Subatmosférica (VAC) Palavras-chave: Curativo por Pressão Subatmosférica, Curativo por pressão negativa, Estomaterapeuta. I Solicitação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM UNIDADES DE DIÁLISE NA CIDADE DE MACEIÓ-AL

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM UNIDADES DE DIÁLISE NA CIDADE DE MACEIÓ-AL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM UNIDADES DE DIÁLISE NA CIDADE DE MACEIÓ-AL Andrezza Parente de

Leia mais

Exercícios de Circulação Comparada

Exercícios de Circulação Comparada Exercícios de Circulação Comparada 1. (PUC) Relacione as descrições dos Sistemas Circulatórios com seus respectivos Filos animais: I - Ausente. O alimento é distribuído diretamente da cavidade gastrovascular.

Leia mais

SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de cálcio, Lactato de sódio

SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de cálcio, Lactato de sódio BULA PARA PACIENTE 1 SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de cálcio, Lactato de sódio Solução Injetável SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER

Leia mais

As profissões regulamentadas por lei de que trata o parágrafo único, do art. 3º do Regulamento do PROASA são as seguintes:

As profissões regulamentadas por lei de que trata o parágrafo único, do art. 3º do Regulamento do PROASA são as seguintes: Cartilha O PROASA consiste em disponibilizar aos beneficiários dos planos médico-hospitalares, serviços de Nutricionista e Terapia Ocupacional para atendimento em consultório, bem como, profissionais da

Leia mais

VERSÃO NEFRODATA ACD 03 JUL 2014

VERSÃO NEFRODATA ACD 03 JUL 2014 VERSÃO 5.2.6 03 JUL 2014 Prezado Cliente, Neste documento estão descritas todas as novidades da versão 5.2.6 do Nefrodata ACD. Fique atento às últimas alterações do sistema. Desta forma, você poderá interagir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA: SETOR DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA: SETOR DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA: SETOR DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA 1 BECHER, Francine de Carvalho 2 SILVA, Jéssica da 3 VERILLO,

Leia mais

BULA PACIENTE ISTARHES HALEX ISTAR

BULA PACIENTE ISTARHES HALEX ISTAR BULA PACIENTE ISTARHES HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 60 MG/ML age como expansor plasmático, e suas principais indicações são: prevenção e tratamento da hipovolemia, do choque e da hemodiluição normovolêmica

Leia mais

UNIDADE3 NEFROLOGIA MULTIDISCIPLINAR MANEJO CLÍNICO DAS DOENÇAS RENAIS ROBERTO FLÁVIO SILVA PECOITS SILVIA CARREIRA RIBEIRO

UNIDADE3 NEFROLOGIA MULTIDISCIPLINAR MANEJO CLÍNICO DAS DOENÇAS RENAIS ROBERTO FLÁVIO SILVA PECOITS SILVIA CARREIRA RIBEIRO NEFROLOGIA MULTIDISCIPLINAR MANEJO CLÍNICO DAS DOENÇAS RENAIS ROBERTO FLÁVIO SILVA PECOITS SILVIA CARREIRA RIBEIRO UNIDADE3 MODALIDADE DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: DIÁLISE PERITONEAL 1 2 NEFROLOGIA MULTIDISCIPLINAR

Leia mais

Caracterização do Serviço de Nefrologia e Transplantação Renal. Centro Hospital Lisboa Norte Hospital de Santa Maria

Caracterização do Serviço de Nefrologia e Transplantação Renal. Centro Hospital Lisboa Norte Hospital de Santa Maria ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS 2ª Pós-Graduação em Enfermagem Nefrológica e Técnicas Dialíticas Caracterização do Serviço de Nefrologia e Transplantação Renal Centro Hospital

Leia mais

HEMODIÁLISE AMBULATORIAL EXPERIÊNCIA EM CRIANÇA DE BAIXO PESO

HEMODIÁLISE AMBULATORIAL EXPERIÊNCIA EM CRIANÇA DE BAIXO PESO HEMODIÁLISE AMBULATORIAL EXPERIÊNCIA EM CRIANÇA DE BAIXO PESO ORIGINAL ARTICLE Chronic haemodialysis in small children: a retrospective study of the Italian Pediatric Dialysis Registry Fabio Paglialonga1

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO Data de 1. Definição Prevenção de Infecção da Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica Tornar de conhecimento da assistência um conjunto de orientações para a prevenção de pneumonia relacionada à assistência.

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

França: Bonna Sabla lança sistema de produção totalmente automatizado para componentes de poços de inspeção

França: Bonna Sabla lança sistema de produção totalmente automatizado para componentes de poços de inspeção Schlüsselbauer Technology GmbH & Co KG, 4673 Gaspoltshofen, Áustria França: Bonna Sabla lança sistema de produção totalmente automatizado para componentes de poços de inspeção Um quadro mínimo de funcionários,

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA

VIGILÂNCIA SANITÁRIA Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Saúde Centro de Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Apresentação curso Interpretação e abordagem prática da RDC 302/2005 e das regulamentações

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 154, DE 15 DE JUNHO DE 2004 Estabelece o Regulamento Técnico para o funcionamento dos Serviços de Diálise. A Diretoria Colegiada

Leia mais

A importância do equilíbrio

A importância do equilíbrio A importância do equilíbrio para os doentes em diálise peritoneal RPT080/1 Copyright 2009 Genzyme Europe BV. Todos os direitos reservados Versão 1, aprovada pelo INFARMED em 18 de Janeiro de 2010 Por que

Leia mais

APROVADO EM 19-09-2013 INFARMED

APROVADO EM 19-09-2013 INFARMED Folheto informativo: Informação para o utilizador PHYSIONEAL 40 Glucose a 1,36% p/v / 13,6 mg/ml CLEAR-FLEX, Solução para Diálise Peritoneal PHYSIONEAL 40 Glucose a 2,27% p/v / 22,7 mg/ml CLEAR-FLEX, Solução

Leia mais