A partir do ano 2012 entra em vigor o SNC-ESNL Sistema de Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A partir do ano 2012 entra em vigor o SNC-ESNL Sistema de Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo."

Transcrição

1 A partir do ano 2012 entra em vigor o SNC-ESNL Sistema de Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo. A aplicação a partir da versão começa a responder ao definido pelo A versão da permitiu responder à entrega do orçamento à Segurança Social em A versão da permitiu converter o Ano 2012 e 2011 para SNC-ESNL e a ligação dos vários produtos da linha à A versão da permitiu emitir os mapas finais em SNC-ESNL. A versão da contém um novo funcionamento dos fluxos de caixa baseando-se em parametrizações efetuadas por Conta/Valência. A versão da permite a manutenção e geração do Anexo dos Mapas Finais SNC-ESNL e a emissão dos mapas de gestão Previsão de Resultados e Rácios.

2 Foi implementada a solução do Anexo SNC segundo uma estrutura base definida. Esta estrutura base encontra-se já disponível na aplicação sendo que é necessária a sua verificação pelo Contabilista da Instituição pois existem certos componentes do Anexo que não dispõem de uma definição base. Para aceder ao Anexo SNC de 2011 deverá clicar no menu Para aceder ao Anexo SNC de 2012 e anos posteriores deverá clicar no menu A manutenção do Anexo SNC centra-se na seguinte janela:

3 Ano do Anexo SNC a definir/gerar. Data do Anexo SNC. Indicação do modelo do Word que deverá ser a base do anexo SNC gerado (A aplicação já disponibiliza modelo base com o nome Anexo.dot). - Botão que permite indicar outro modelo sendo que este modelo deverá ter os estilos necessários para a geração do anexo. o Lista de Estilos: Estilo = "Normal" Texto corrido no anexo Estilo = "SubTítulo" Titulo das Notas de nível 1 Estilo = "SubTítulo 2" Titulo das Notas de nível 2 Estilo = "SubTítulo 3" Titulo das Notas de nível 3 Estilo = "SubTituloNota" Formatação do título dos grupos existentes das notas Estilo = "Lista1" Formatação do item da Lista de nível 1 Estilo = "Lista2" Formatação do item da Lista de nível 2 Estilo = "Lista3" Formatação do item da Lista de nível 3 Estilo = "Tabela" Formatação das Tabelas/Quadros de informação.

4 notas do anexo SNC que estão definidas: o o o Número da nota. Título da nota.. Se este campo estiver ativo esta nota é descriminada no anexo caso contrário só consta o título da mesma (para deixar de contar no anexo o contabilista pode remover a mesma). - Botão ( ) da lista de Notas que permite ao utilizador repor a nota selecionada. - Botão de acesso às notas permitindo ao utilizador visualizar/editar a nota selecionada. SNC: os seguintes campos permitem definir os valores para as assinaturas do Anexo Localidade da assinatura. Data da assinatura. impressão ou não de linhas para a assinatura. Cargo da assinatura da esquerda. Cargo da assinatura da direita. - Botão de acesso à definição de variáveis. - Botão de reposição do Anexo SNC na totalidade. - Botão para a geração do Anexo SNC num documento Microsoft Word baseado no modelo indicado e definições existentes para as notas. - Botão para sair do Anexo SNC. As variáveis do Anexo SNC permitem ao utilizador definir valores a apresentar no Anexo SNC que é variável ou, ao invés de indicar o valor em cada uma das notas indica a respetiva variável e indica o valor nesta manutenção. Existem variáveis reservadas: corresponde ao ano do Anexo SNC. - corresponde ao ano anterior do Anexo SNC. Nome da Instituição. Morada da Instituição.

5 Deverá ser definida a variável sem indicação neste momento dos caracteres < e > (a aplicação fará isso automaticamente). Deverá indicar qual o valor que ela tomará no anexo (podendo este valor conter uma variável). Na nota encontra-se definido o seguinte texto No período de a instituição sendo que a aplicação ao gerar o anexo substituirá a variável <ano> pelo ano do Anexo SNC No período de a instituição As notas podem ser visualizadas/editadas a partir do botão acedendo à seguinte janela:

6 - Área de texto em que o utilizador pode definir o texto que desejar incluindo variáveis. Ao colocar o foco na área de texto é apresenta no caso, acima, a seguinte definição - Botão para diminuir área de texto. - Botão para aumentar área de texto. nota (SubTituloNota). - Indicação se o texto indicado é um título de grupo existente na - Área de acesso a lista - Área de acesso a quadros adicional. - Indicação se após o item (texto/lista/quadro) é criado um parágrafo - Indicação se o item (texto/lista/quadro) será gerado para o Anexo SNC no documento Word. - Botão que permite adicionar item abaixo do item atual. Nesta opção é possível indicar que tipo de item se pretende adicionar: - Botão que permite eliminar o item atual.

7 Ao aceder à lista incluída na Nota a partir da área da lista será apresentada a seguinte janela: O utilizador poderá definir aqui a sua lista sendo que o limite é de 9 itens por nível no máximo de 3 níveis. Código interno da Lista (bloqueado) Nome da Lista - Botão que permite adicionar item abaixo do item atual. - Botão que permite eliminar o item atual. - Botão que permite adicionar subitens ao item atual. Ao aceder ao quadro incluído na Nota a partir da área do quadro será apresentada a seguinte janela:

8 Adiciona coluna a seguir à célula onde o utilizador se encontra posicionado. Adiciona linha a seguir à célula onde o utilizador se encontra posicionado. Remove coluna da célula onde o utilizador se encontra posicionado. Remove linha da célula onde o utilizador se encontra posicionado. acede às propriedades da célula/cabeçalho onde o utilizador se encontra posicionado F4 -Se o utilizador estiver posicionado na coluna A em linhas de Quadro Nesta janela é possível definir o conteúdo da célula da coluna A e propriedades da linha. Texto a apresentar na coluna A. Texto a apresentar é formatado a negrito. Se é título grupo (normalmente utilizada se tiver subitens a descriminar). Se é linha de grupo (normalmente utilizada se a rubrica tiver título de grupo). Texto a apresentar é alinhado à Esquerda, Centro ou Direita.

9 F4 -Se o utilizador estiver posicionado nas colunas B em diante em linhas de Quadro - Indicação de célula VAZIA: - Indicação de célula com Valor Fixo: - Indicação de célula com Número Fixo: - Indicação de célula com Fórmula: As fórmulas a indicar serão as do Excel sendo que não deve ser utilizado o caracter =. - Indicação de célula com SaldoAcumuladoMesC :

10 O saldo acumulado a obter é o das subcontas de lançamento que apresentem saldo a Crédito no período indicado. idêntico ao Balanço ou Dem. Resultados. indicação do Mês. indicação do ano ou ano-1 onde obter valores. - Indicação de célula com SaldoAcumuladoMesD : O saldo acumulado a obter é o das subcontas de lançamento que apresentem saldo a Débito no período indicado. idêntico ao Balanço ou Dem. Resultados. indicação do Mês. indicação do ano ou ano-1 onde obter valores. - Indicação de célula com SaldoAcumuladoMesCD : O saldo acumulado a obter é o valor do Crédito menos o Débito no período indicado das contas indicadas. idêntico ao Balanço ou Dem. Resultados. indicação do Mês. indicação do ano ou ano-1 onde obter valores. - Indicação de célula com SaldoAcumuladoMesDC :

11 O saldo acumulado a obter é o valor do Débito menos o Crédito no período indicado das contas indicadas. idêntico ao Balanço ou Dem. Resultados. indicação do Mês. indicação do ano ou ano-1 onde obter valores. F4 -Se o utilizador estiver posicionado em linhas de Cabeçalho Acede à janela de parametrização do cabeçalho Adiciona linha de Grupo. Remove linha de Grupo. acede às propriedades da célula do cabeçalho onde o utilizador se encontra posicionado. F4 -Se o utilizador estiver posicionado em linha de Grupo Coluna A O utilizador pode indicar o conteúdo. F4 -Se o utilizador estiver posicionado em linha de Grupo Coluna B

12 O utilizador além de indicar o conteúdo pode definir que a coluna vai se ligar com Colunas seguintes. F4 -Se o utilizador estiver posicionado em linha de Coluna O utilizador pode indicar o conteúdo e a largura da coluna. Neste Quadro, apresentado na imagem, temos as seguintes linhas definidas: Linha de Grupos de Colunas definidas (esta linha é opcional). Linha de Colunas definidas. Linhas do Quadro. Descrição; ano; 1 coluna ligada com B1 ano-1; 1 coluna ligada com D1 0 (a coluna 1 não pode ter ligação com mais colunas)

13 VAZIO; Não Corrente; Corrente; Não Corrente; Corrente; 6,35 cm 2,47 cm 2,47 cm 2,47 cm 2,47 cm Pessoal; Sim; Sim; Não; Esquerda Remunerações a pagar; Não; Não; Sim; Esquerda Cauções; Não; Não; Sim; Esquerda Outras operações; Não; Não; Sim; Esquerda Perdas por imparidade acumuladas; Não; Não; Sim; Esquerda Fornecedores de Investimento; Sim; Não; Não; Esquerda Credores por acréscimo de gastos; Sim; Não; Não; Esquerda Outros Credores; Sim; Não; Não; Esquerda Total; Sim; Não; Não; Direita B ligada à coluna A VAZIO SaldoAcumuladoMesCD -> 237; 14; ano VAZIO VAZIO VAZIO VAZIO VAZIO Fórmula -> SUM(B4:B10) ligada à coluna A SaldoAcumuladoMesCD -> 231; 14; ano VAZIO SaldoAcumuladoMesCD -> 238; 14; ano SaldoAcumuladoMesCD -> 239; 14; ano SaldoAcumuladoMesCD -> 2711; 14; ano SaldoAcumuladoMesCD -> 2712; 14; ano SaldoAcumuladoMesCD -> 278; 14; ano

14 Fórmula -> SUM(C4:C10) ligada à coluna A VAZIO SaldoAcumuladoMesCD -> 237; 14; ano-1 VAZIO VAZIO VAZIO VAZIO VAZIO Fórmula -> SUM(D4:D10) ligada à coluna A SaldoAcumuladoMesCD -> 231; 14; ano-1 VAZIO SaldoAcumuladoMesCD -> 238; 14; ano-1 SaldoAcumuladoMesCD -> 239; 14; ano-1 SaldoAcumuladoMesCD -> 2711; 14; ano-1 SaldoAcumuladoMesCD -> 2712; 14; ano-1 SaldoAcumuladoMesCD -> 278; 14; ano-1 Fórmula -> SUM(E4:E10) No exemplo apresentado originará o seguinte quadro no documento do Word gerado: Descrição Não Corrente Não Corrente Corrente Corrente Pessoal Remunerações a pagar , ,47 Cauções 0,00 0,00 Outras operações -22,96-22,96 Perdas por imparidade acumuladas 0,00 0,00 Fornecedores de Investimentos , ,1 5 Credores por acréscimo de gastos 0,00 0,00 Outros credores , ,07 Total 0, ,6 5 0, ,6 5

15 Caso o utilizador pretenda, é possível adicionar, editar ou remover notas. Esta situação poderá provocar que em algum momento o utilizador poderá ter a necessidade de repor alguma nota específica ou até mesmo o Anexo SNC por inteiro. Pressione o botão para repor todo o Anexo. Surgirão as seguintes opções: O utilizador poderá repor a partir da base do pograma repondo o Anexo SNC disponibilizado pela F3M. O utilizador poderá repor a partir do ano anterior o Anexo SNC podendo assim recomeçar o Anexo SNC a partir do último ano válido. (esta operação não existe no Anexo SNC 2011) Selecione a Nota na Lista de Notas e pressione a coluna com o botão do Anexo. para repor a Nota Surgirão as seguintes opções: O utilizador poderá repor a partir da base do pograma repondo a nota do Anexo SNC disponibilizado pela F3M. O utilizador poderá repor a partir do ano anterior repondo a nota do Anexo SNC a partir do último ano válido. (esta operação não existe no Anexo SNC 2011)

16 Na reposição de Notas surge a seguinte janela: Por defeito, caso encontre, é sugerida a nota com o mesmo número da que se irá repor sendo que o utilizador poderá indicar outra nota a partir da qual quer obter os dados.

17 Rendibilidade do Ativo = Rendibilidade dos Fundos Patrimoniais = Rendibilidade das Vendas (ou Margem das Vendas) = Rendibilidade Operacional das Vendas = Cash-Flow = Valor Acrescentado Bruto (VAB) = Resultado Líquido do Período Ativo Resultado Líquido do Período Fundos Patrimoniais Resultado Líquido do Período Vendas Resultado Operacional Vendas R.L.P. + Gastos de Dep. e Amort. + Prov. do Período Cash-Flow + Gastos c Pes. + Gastos e Perdas de Fin. Resultado Líquido do Período (R.L.P): Saldo da Conta 818 no mês 14; Ativo: Total do Ativo no Balanço; Fundos Patrimoniais: Total dos Fundos Patrimoniais no Balanço; Vendas: Saldo das Contas no mês 13; Resultado Operacional: Saldo das Contas -61/8 + 71/8 no mês 13; Gastos de Dep. e Amort.: Saldo da Conta 64 no mês 13; Prov. do Período: Saldo da Conta 67 no mês 13; Gastos c Pes.: Saldo da Conta 63 no mês 13; Gastos e Perdas de Fin.: Saldo da Conta 69 no mês 13.

18 Ativo Corrente (Circulante) = Ativo Corrente Ativo Corrente (Maneável) = Ativo Corrente-Inventários Fundos Permanentes = Liquidez Geral = Liquidez Reduzida = Liquidez Imediata = Solvabilidade Geral = Solvabilidade Reduzida = Autonomia Financeira = Cobertura do Investimento = Cobertura de Encargos Financeiros = Estrutura de Endividamento = Endividamento = Deb to Equity Ratio = Fundos Patrimoniais + Passivo Não Corrente Ativo Corrente (Circulante) Passivo Corrente Ativo Corrente Inventários Passivo Corrente Meios Financeiros Líquidos Passivo Corrente Fundos Patrimoniais Passivo Fundos Patrimoniais Passivo Não Corrente Fundos Patrimoniais Ativo Fundos Permanentes Investimentos Líquidos Res.Liq. Antes Impost. + Enc.Fin.Líquidos Encargos Financeiros Líquidos Fundos Permanentes Passivo Não Corrente Passivo Fundos Patrim. + Passivo Passivo Fundos Patrimoniais Ativo Corrente: Total do Ativo Corrente no Balanço; Inventários: 1ª Linha do Ativo Corrente no Balanço; Fundos Patrimoniais/ Fundos Patrim.: Total dos Fundos Patrimoniais no Balanço; Passivo Não Corrente: Total do Passivo não Corrente no Balanço; Passivo Corrente: Total do Passivo Corrente no Balanço; Meios Financeiros Líquidos: Saldo da Conta 1 no mês 14; Passivo: Total do Passivo no Balanço; Ativo: Total do Ativo no Balanço; Fundos Permanentes: Total dos Fundos Patrimoniais no Balanço + Total do Passivo não Corrente no Balanço;

19 Investimentos Líquidos: Total do Ativo Corrente no Balanço; Res. Liq. Antes Impost.: Saldo das contas 71/9 61/9 no mês 13; Encargos Financeiros Líquidos/ Enc. Fin. Líquidos: Saldo da Conta 79 no mês 13; Passivo: Total do Passivo no Balanço. Rotação do Ativo = Tempo Médio de Recebimentos = Tempo Médio de Pagamentos = Volume de Negócios Ativo Dívidas de Terceiros Volume de Negócios Fornecedores Compras + FSE X 365 X 365 Volume de Negócios: Saldo das Contas no mês 13; Ativo: Total do Ativo no Balanço; Dívidas de Terceiros: Saldo das Contas 21 + D(278) no mês 14; Fornecedores: 1ª Linha do Passivo Corrente no Balanço; Compras: Saldo da conta D(31) no mês 12; FSE: Saldo da Conta 62 no mês 13.

20 Saldos das Contas razão da 6 Saldos das Contas razão da 7 Nesta versão foi adicionada possibilidade de emitir vistas pré-definidas acedendo a Utilitários - > Adicionada possibilidade de associar uma valência a grupos diferentes.

21 A partir do ano 2012 entra em vigor o SNC-ESNL Sistema de Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo. A aplicação a partir da versão começa a responder ao definido pelo A versão da permitiu responder à entrega do orçamento à Segurança Social em A versão da permitiu converter o Ano 2012 e 2011 para SNC-ESNL e a ligação dos vários produtos da linha à A versão da permite emitir os mapas finais em SNC-ESNL. Devido à contabilidade ser distinta entre PCIPSS e SNC-ENSL os menus da aplicação foram redefinidos sendo que quando se está num ano em PCIPSS ou outro em SNC-ESNL a apresentação dos mesmos será distinta consoante esse contexto.

22 De notar que, em alguns casos, as funcionalidades sofreram alterações para cumprir com os requisitos SNC-ESNL. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento sendo que foram redefinidas as denominações Neste menu, em SNC-ESNL, deixam de existir o menu o menu e

23 Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu foi redefinido totalmente pois os mapas finais são distintos em PCIPSS e em SNC-ESNL. Os Mapas finais em PCIPSS são ocultados em SNC-ESNL. O botão está oculto nesta fase para ano 2012 em SNC-ESNL.

24 Este menu mantém-se sendo que os submenus sofreram alterações ao nível das denominações como podemos verificar abaixo: Esta situação aplica-se aos seguintes menus: Orçamentos Gerais Orçamentos Valência Exploração Previsional (ver secção seguinte) Exploração Previsional Valência Neste menu é ocultado o modelo 1015 pois já não se encontra em vigor desde que surgiu o modelo OCIP. Este menu mantém o comportamento.

25 Nesta fase, a F3M, ainda se encontra a desenvolver os seguintes submenus para SNC- ESNL: Rácios Previsão de Resultados Este menu chama os mapas de gestão em PCIPSS ou SNC-ESNL conforme o ano ativo. Este menu chama os mapas de gestão em PCIPSS ou SNC-ESNL conforme o ano ativo. Este menu mantém o comportamento. O submenu é visível no ano 2012 quando a instituição tem o ano 2011 registado. Neste submenu é necessário realizar a operação de equivalências e conversão de PCIPSS para SNC-ESNL e emissão dos Mapas em SNC-ESNL para 2011.

26 Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. No Menu Mapas Finais/SNC ESNL poderá encontrar os seguintes mapas finais: Balanço Demonstrações de resultados por naturezas Demonstrações de resultados por funções Demonstrações dos fluxos de caixa Esta opção permite obter os mapas finais SNC-ESNL do ano ativo (de 2012 em diante). A partir desta janela chamada pelo botão finais ou emiti-los de uma vez só. é possível chamar os diferentes mapas

27 Indicação dos elementos das assinaturas - Indicação se no mapa são impressas as linhas das assinaturas

28 Ativos fixos tangíveis: Bens do património histórico e artístico e cultural: Propriedades de investimento: Ativos intangíveis: Investimentos financeiros: Fundadores/beneméritos/patrocinadores/doadores/associados/membros: Inventários: 32/ Clientes: 211/2+219 Adiantamentos a fornecedores: Estado e outros entes públicos: D(24) Fundadores/beneméritos/patrocinadores/doadores/associados/membros: 263/4+D(268)+269 Outras contas a receber: D(23-237) D(278)+279 Diferimentos: 281 Outros ativos financeiros: 14-( ) Caixa e depósitos bancários: 11/3

29 Fundos: 51-( ) Excedentes técnicos: 52 Reservas: 55 Resultados transitados: 56 Excedentes de revalorização: 58 Outras variações nos fundos patrimoniais: Resultado líquido do período: 818+(71/9+61/ ) Provisões: Provisões específicas: 298 Financiamentos obtidos: Outras contas a pagar: Fornecedores: Adiantamentos de Clientes: Estado e outros entes públicos: C(24) Fundadores/beneméritos/patrocinadores/doadores/associados/membros: 265+C(268) Financiamentos obtidos: Diferimentos: 282 Outras contas a pagar: C(23-237) C(278) Outros passivos financeiros: Na parametrização existem contas repetidas pois estas deverão constar dessas rubricas não existindo por defeito no plano de contas SNC-ESNL contas específicas para as respetivas rubricas. Conforme a definição do plano de contas por parte do contabilista deverão ser indicadas as contas específicas para o balanço em cada uma das rubricas. Os saldos obtidos para o balanço, por defeito serão: Ativo: os valores a débito menos os valores a crédito. Passivo: os valores a crédito menos os valores a débito. As contas de imparidades deverão ser somadas pois estas apresentarão por norma saldos de natureza contrária à conta à qual foi registada imparidade. Exemplo: Ativo: > 740 D

30 459 > 100 C Calculo: (-100) = 640 As contas com indicação de natureza de saldo serão calculadas da seguinte forma: D(24): Somatório das contas 24 com saldos a débito. C(24): Somatório das contas 24 com saldos a Crédito.

31 assinaturas Indicação dos elementos das assinaturas Indicação se no mapa são impressas as linhas das

32 Vendas e serviços prestados: 71/2 Subsídios, doações e legados à exploração: 75 Variação nos inventários da produção: 73 Trabalhos para a própria entidade: 74 Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas: 61 Fornecimentos e serviços externos: 62 Gastos com o pessoal: 63 Ajustamentos de inventários (perdas/reversões): Imparidade de dívidas a receber (perdas/reversões): Provisões (aumentos/reduções): (67-678)-( ) Provisões específicas (aumentos/reduções): Outras imparidades (perdas/reversões): (65-(651/2))-(762-(7621/2)) Aumentos/reduções de justo valor: Outros rendimentos e ganhos: 78 Outros gastos e perdas: 68 Gastos/reversões de depreciação e de amortização: Juros e rendimentos similares obtidos: 79 Juros e gastos similares suportados: 69 Imposto sobre o rendimento do período: Os saldos obtidos para a DRN por defeito serão: Classe 6: os valores a débito menos os valores a crédito. Classe 7 e restantes: os valores a crédito menos os valores a débito. Para os resultados os valores serão calculados da seguinte forma: Primeira Classe parametrizada 7: os valores aumentam o resultado. Primeira Classe parametrizada não é 7: os valores diminuem o resultado.

33

34 Indicação do grupo de valências a emitir. Caso não seja indicado grupo então serão emitidas todas as contas 9 de lançamento excetuando a contrapartida da analítica, que estejam marcadas para serem consideras na emissão deste mapa (no menu Movimentos Utentes/Valência). Em Valências por Coluna, este mapa mostra as valências em colunas. Em Valências por Linha, este mapa mostra as valências em Linhas (para cada linha do mapa, mostra as valências com valores para aquela linha). Esta opção só está disponível quando está selecionando Valências por Coluna. Quando em valências por Coluna, o mapa só suporta até 5 valências discriminadas sendo que quando existam mais valências a emitir este mapa será emitido para Microsoft Office Excel.

35 Vendas e serviços prestados: 71/3+75 Custo das vendas e dos serviços prestados: 61 Outros Rendimentos: 74+76/9 Gastos de distribuição: 625 Gastos administrativos: /3 Gastos de investigação e desenvolvimento: sem parametrização. Outros Gastos: ( /3)+63/8 Gastos de financiamento (líquidos): 69 Imposto sobre o rendimento do período:

36 Os saldos obtidos para a DRF, por cada uma das valências, por defeito, serão: Classe 6: os valores a débito menos os valores a crédito. Classe 7 e restantes: os valores a crédito menos os valores a débito. Para os resultados os valores serão calculados da seguinte forma: Primeira Classe parametrizada 7: os valores aumentam o resultado. Primeira Classe parametrizada não é 7: os valores diminuem o resultado.

37

38 Indicação dos elementos das assinaturas assinaturas - Indicação se no mapa são impressas as linhas das Recebimentos de Clientes e Utentes: 0111 Pagamentos de subsídios: 0112 Pagamentos de apoios: 0113 Pagamentos de bolsas: 0115 Pagamentos a fornecedores: 0116 Pagamentos ao pessoal: 0117 Pagamento/recebimento do imposto sobre o rendimento: 012 Outros recebimentos/pagamentos: 013 Ativos fixos tangíveis: 0211 Ativos intangíveis: 0212 Investimentos financeiros: 0213 Outros ativos: 0214

39 Ativos fixos tangíveis: 0221 Ativos intangíveis: 0222 Investimentos financeiros: 0223 Outros ativos: 0224 Subsídios ao investimento: 0225 Juros e rendimentos similares: 0226 Dividendos: 0227 Financiamentos obtidos: 0311 Realização de fundos: 0312 Cobertura de prejuízos: 0313 Doações: 0314 Outras operações de financiamentos: 0315 Financiamentos obtidos: 0321 Juros e gastos similares: 0322 Dividendos: 0323 Redução de fundos: 0324 Outras operações de financiamento: 0325 Os saldos obtidos para a DFC, por cada um dos grupos de rubrica, por defeito, serão: - (R): os valores a débito menos os valores a crédito. - (P): os valores a crédito menos os valores a débito. Para os resultados os valores serão calculados da seguinte forma: - (R): os valores aumentam o resultado. - (P): os valores diminuem o resultado.

40

41 No Menu Mapas Gestão/No período do Ano poderá encontrar os seguintes mapas: Balanço Demonstrações de resultados por naturezas Demonstrações de resultados por funções Demonstrações dos fluxos de caixa Esta opção permite obter os mapas finais SNC-ESNL do ano ativo num determinado período que se queira avaliar. Indicação do mês final a avaliar. Janeiro a Dezembro mais mês 13 - Reg. Existências.

42 Indicação do período a avaliar. Anual, Semestral, Trimestral, Mensal Indicação do intervalo a avaliar. Janeiro a Dezembro mais mês 13 - Reg. Existências. Indicação do período a avaliar. Anual, Semestral, Trimestral, Mensal Indicação do intervalo a avaliar. Janeiro a Dezembro mais mês 13 - Reg. Existências. Indicação do mês final a avaliar. Janeiro a Dezembro mais mês 13 - Reg. Existências.

43 No Menu Mapas Gestão/No período do Ano poderá encontrar os seguintes mapas: Balanço; Demonstrações de resultados por naturezas; Demonstrações de resultados por funções; Demonstrações dos fluxos de caixa; Balancete Geral; Esta opção permite obter os mapas finais SNC-ESNL do ano ativo num determinado período e comparar anos que se queira avaliar. Indicação do ano a comparar com o ano ativo. Só pode ser indicado a partir de 2011.

44 Indicação do ano a comparar com o ano ativo. Só pode ser indicado a partir de Indicação do ano a comparar com o ano ativo. Só pode ser indicado a partir de Nesta emissão é sempre assumida a emissão de Valências por Linha. Indicação do ano a comparar com o ano ativo. Só pode ser indicado a partir de 2010.

45 Neste menu Op. Especiais/Operações SNC-ESNL/ Mapas 2011 SNC é possível obter os mapas SNC- ESNL referentes a Aqui é possível obter os movimentos do mês 13 e 14 em SNC-ESNL para o ano Obtêm os saldos das contas SNC-ESNL de 2011.

46 Os valores para este mapa são os saldos do Plano de Contas. Saldos Finais Plano de Contas SNC-ESNL 2011; Saldos Iniciais Plano de Contas SNC-ESNL 2011;

47 Os valores para este mapa são os saldos do Plano de Contas. Saldos Mês 13 Plano de Contas SNC-ESNL Saldos Mês 13 Plano de Contas PCIPSS 2010 em que Contas de Lançamento da conta SNC-ESNL 2011 parametrizada tem equivalência em conta de lançamento PCIPSS 2010.

48 Os valores para este mapa são os movimentos realizados nas valências do Plano de Contas : Movimentos realizados em 2011 para as valências em que Contas de Lançamento da conta SNC-ESNL 2011 parametrizada tem equivalência em conta de lançamento PCIPSS 2011 Movimentos realizados em 2010 para as valências em que Contas de da conta SNC-ESNL 2011 parametrizada tem equivalência em conta de lançamento PCIPSS 2010 Os mapas consolidados permitem fazer a emissão dos Mapas Finais consolidando os valores de várias instituições, tomando a instituição aberta como base para a consolidação dos valores. No menu dos mapas finais estão disponíveis os mapas: Balanço; Demonstração dos Resultados por Natureza; Demonstração dos Resultados por Funções; Demonstração dos Fluxos de Caixa; No menu dos mapas consolidados das operações especiais não existe o mapa de Demonstração dos fluxos de Caixa. É necessário correr o utilitário da janela de parametrização para conseguir emitir os mapas consolidados. Esta janela permite selecionar quais as instituições que vão entrar para os mapas consolidados e junta os valores de todas as instituições selecionadas para serem usados nos mapas.

49 Se tentar emitir algum mapa sem passar e executar a parametrização aparece uma mensagem a dizer para efetuar a parametrização e não abre a janela do mapa. A emissão dos mapas consolidados só é possível quando os anos das instituições selecionadas já estão fechados.

50

51 Foi adicionada uma opção para indicar se a valência entra para o mapa de Demonstração dos Resultados por Funções.

52 Aplica-se às entidades que exercem em simultâneo atividades tributáveis e isentas. É uma fórmula de cálculo usada para determinar a percentagem de IVA dedutível nos casos em que o sujeito passivo efectua operações que conferem o direito à dedução do IVA e, simultaneamente, operações que não conferem esse direito. Nestes casos, tem de se calcular a proporção das operações que conferem o direito à dedução no total de operações e proceder à dedução do IVA suportado usando essa proporção. Para responder a esta necessidade foram efectuadas as seguintes alterações: Para responder a esta alteração deve aceder a, Utilitários Parâmetros da instituição Diversos, e indicar no Ano activo qual a taxa Pro-Rata a aplicar. Este parâmetro é gravado por ano e por norma é (0.0%).

53 Na tabela de IVA, Tabelas IVA, deve indicar a Taxa Normal de IVA (campo já existente) e se pretender aplicar a taxa Pro-Rata deve seleccionar o campo Usa Taxa Pro-Rata (Campo novo). Por norma o campo não está seleccionado. Ao efetuarmos um movimento quando a Taxa de IVA seleccionada usa taxa Pro-Rata será registado o seguinte movimento exemplo: DOCUMENTO COM TOTAL S/IVA = 1000 com taxa IVA 23% a) Utilizador indica matéria-prima com IVA Dedutível: (matéria prima) = e indica CIVA com IVA PRO-RATA 4% e taxa normal 23% Ao gravar linha a aplicação gera os seguintes movimentos: D (corresponde a ((23%*1000) (4% * (23%*1000))) 24XXX (conta IVA dedutível) 9.20 C (corresponde a 4% * (23%*1000) Base incidência: Valor IVA: 9,20 b) Utilizador indica matéria-prima com IVA Liquidado (se Taxa Pro-Rata): (matéria prima) = e indica CIVA Sem IVA PRO-RATA e taxa normal 23% Ao gravar linha a aplicação gera as seguintes linhas: D (corresponde a 1000)) 24XXX (conta IVA Liquidado) C (corresponde a (23%*1000) Base incidência: Valor IVA: 230,00 Inversão do sujeito passivo Inversão do sujeito passivo (uma só conta (GASTOS) origina duas contas IVA).

54 Ao indicar uma conta do tipo 221 é possível indicar conta IVA para essa linha. Neste caso não é aplicado o funcionamento da taxa Pro-Rata independentemente de a conta IVA seleccionada ter essa parametrização seleccionada ou não. DOCUMENTO COM TOTAL S/IVA = 100 com taxa IVA 23% (serv. Construção Civil) 122,08 D (corresponde a (23%*100) (4% * (23%*100))) 2422 (IVA dedutível) 0,92 D (corresponde a 4% * (23%*100) 2423 (IVA liquidado) 23,00 C (corresponde a (23%*100) 221 (fornecedor) 100,00 C (corresponde a (100) No Mapa resumo de IVA, Movimentos IVA Resumo de IVA, foram acrescentadas opções para o utilizador seleccionar qual o mapa que deseja emitir, adicionado um quarto mapa. Para o novo mapa não é necessário indicar a valência. O layout do novo mapa é o seguinte:

55 A Demonstração dos Fluxos de Caixa é uma das demonstrações financeiras previstas no novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC). Nesta Versão foi introduzida a tabela de Fluxos de caixa, acedendo ao Menu Tabelas Fluxo de caixa, podemos criar as contas de fluxo. Acedendo ao Menu Tabelas Tipos de Documentos, esta tabela foi alterada para permitir parametrizar as contas de Fluxos de Caixa. Os Campos Fluxo Caixa (F.Caixa) só ficam disponíveis quando a conta correspondente é da classe 1. Ao registar um movimento, quando se indica Tipo de Documento, são usados também os fluxos de caixa parametrizados. Se não parametrizou a conta de fluxo nos tipos de documentos ou não utiliza tipos de documentos, deve indicar no momento do registo qual a conta de fluxo. Ao efetuar um movimento da classe 1, o campo que normalmente está reservado para indicar a valência, fica disponível para que se indique a conta de fluxo.

56 Ao efetuar um movimento com uma conta que não seja da classe 1, o campo só fica disponível para indicar a valência.

57 SNC-ESNL: Transição Fase 2 A partir do ano 2012 entra em vigor o A aplicação, a partir da versão começou a responder ao definido pelo A versão da permitiu responder à entrega do orçamento à Segurança Social em A versão da permite converter o Ano 2012 e 2011 para e a ligação dos vários produtos da linha à Este documento apresenta, passo-a-passo, a conversão de PCIPSS para

58 Ver Explicação na versão 11.1 Ano Plano de Conta PCIPSS da Instituição - Plano de Conta SNC-ESNL Base Indicar Equivalências PCIPSS <-> SNC-ESNL - Equivalências PCIPSS <-> SNC-ESNL - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição temporário Geração de Plano de Contas SNC-ESNL da Instituição - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição Plano de Contas - Mapa Geral Consulta Conta Valência - Emissão da Ficha 1 e 2 da DGSSFC - Tipos de Documentos - Balancete de Tesouraria - Apuramento de IVA - Iva - Distribuições - Orçamentos - Parametrização Fecho Ano Converter WinCTB Ano 2012 para SNC-ESNL Converter Ligações WinIPSS - Plano de Contas - Mapa Geral Consulta Conta Valência - Emissão da Ficha 1 e 2 da DGSSFC - Tipos de Documentos - Balancete de Tesouraria - Apuramento de IVA - Iva - Distribuições - Orçamentos - Parametrização Fecho Ano - WinGCS - WinGSL - WinGSO - WinGTE - WinIMB - WinSEC - WinUTE Linha WinIPSS: - Movimentação 2011 PCIPSS - Movimentação 2012 SNC-ESNL - WinGCS - WinGSL - WinGSO - WinGTE - WinIMB - WinSEC - WinUTE Processo Automático Processo Manual Dados de Origem Dados gerados

59 - Movimentos PCIPSS 2011 Ano Movimentos PCIPSS Fecho Ano PCIPSS Ano 2011 Fechado em PCIPSS Ano 2012 Revisão Plano de Contas SNC-ESNL da Instituição - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição 2011 com saldos - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição 2011 com saldos - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição 2011 com saldos revalorizados Processo Automático Processo Manual - Movimentos de Revalorização SNC-ESNL Mês 13/2011 Fecho do Ano 2011 SNC- ESNL Entrega dos Mapas Finais SNC-ESNL de 2011 (Ainda não disponíveis -> 3ª fase ) Dados de Origem Dados gerados - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição 2011 com saldos revalorizados - Fecho do Ano 2011 em SNC-ESNL - Saldos Iniciais no Plano de Contas SNC-ESNL 2012 Só podem ser realizadas as operações em SNC-ESNL no ano 2011 após o fecho do ano 2011 em PCIPSS À medida que se avança na sequência das tarefas de processo não é possível executar a anterior.

60 - Mapas Finais SNC-ESNL Fecho do ano Mapas Finais SNC-ESNL No é necessário definir as equivalências PCIPSS <-> SNC-ESNL. É essencial que nesta fase os Planos de Contas PCIPSS em 2011 e 2012 estejam iguais. Esta condição permitirá uma conversão linear da contabilidade para SNC-ESNL Aceda ao menu Equivalências: Na janela encontrará as equivalências predefinidas pela aplicação e deverá indicar as restantes de acordo com o plano de contas PICPSS da Instituição vs Plano de Contas base SNC-ESNL. Caso, previamente, já tenha estabelecido as equivalências, estas manter-se-ão. Deverá indicar, obrigatoriamente, para todas as contas de lançamento que contenham saldos ou movimentos em 2011 a respetiva equivalência. O Saldo Actual corresponde ao saldo em 2011 antes do fecho do ano.

61 Poderá ordenar pelas contas do Plano de Contas PCIPSS ou pelas contas do Plano de Contas SNC-ESNL Nesta secção tem a possibilidade de filtrar os registos da grelha pelas contas razão do Plano que pretender. Poderá ainda filtrar por contas com saldo ou sem saldo e também contas integradoras ou de lançamento. Esta função irá criar sub-conta(s) equivalente(s) SNC-ESNL baseada na equivalência da sua conta integradora. Exemplo: Conta Seleccionada 243 PCIPSS SNC-ESNL

62 Esta função irá criar conta equivalente SNC-ESNL baseada na equivalência da sua conta integradora. Exemplo: Conta Selecionada 181 PCIPSS SNC-ESNL Permite adicionar contas SNC-ESNL que não existam no plano base. Permite alterar a equivalência. Permite apagar contas SNC-ESNL que não pertençam ao plano base. Permite anular a operação produzida pela tecla de função F2 Permite anular a operação produzida pela tecla de função F3 Na linha é possível alterar equivalências ou redefinir alguns parâmetros base do plano de contas. Esta secção serve apenas para indicar conta do Plano Base PCIPSS. Esta poderá estar vazia caso não exista equivalência para a conta SNC-ESNL. Esta secção serve para indicar conta do Plano Base SNC-ESNL, alterar a sua descrição ou adicionar novas contas. Código existente ou nova conta Descrição descrição da conta no plano ou descrição alterada Tipo de Conta Integração ou lançamento Natureza - Sem natureza, Débito ou Crédito Ficha se tem ficha de terceiro, conta bancária ou Conta de Investimento (este campo segue as regras existentes no plano de contas) Recapitulativos Sim/Não

63 Saldo qual o saldo da conta no ano 2011 antes do fecho do ano (bloqueado). Este botão permite-lhe reiniciar o processo de equivalências. Esta opção fará perder todas as alterações manuais introduzidas ao nível das Equivalências. Este botão permite emitir o resumo de validações. Este botão efectua as validações das equivalências para ser possível esta operação. Estas validações são meros avisos nesta opção sendo que mais tarde em operações futuras necessite de os corrigir O ano 2012 deverá estar aberto O ano 2013 não deverá existir O ano 2011 permanece aberto. Esta situação é apenas um aviso. Na fase de transição para converter a contabilidade em SNC-ESNL o ano 2011 não tem que estar fechado. O ano 2011 terá que estar fechado em PCIPSS apenas quando pretender efectuar o movimento de revalorização e Fecho de Ano 2011 em SNC-ESNL (ver abaixo neste documento). No ano 2012 não poderão existir movimentos antes da fase de conversão para SNC-ENSL. Ao nível das equivalências poderão existir os seguintes alertas: A conta POCIPSS tem saldo e deve ter correspondência em SNC-ESNL! (Este aviso ocorrerá nas contas de lançamento pois todos os saldos têm que ser transitados nesta fase para o Plano SNC-ESNL) A conta PCIPSS tem movimentos e deve ter correspondência em SNC- ESNL! (Este aviso ocorrerá nas contas de lançamento pois todos os saldos têm que ser transitados nesta fase para o Plano SNC-ESNL) O tipo de conta deve ser equivalente entre o POCIPSS e SNC-ESNL. (Este aviso ocorrerá em todas as contas pois poderão existir problemas futuros aquando da leitura das equivalências. Por exemplo conta que está parametrizada na aplicação WinUTE para classificação automática de documentos e que passando a ser integradora a classificação desses documentos em SNC-ENSL ficará incorrecta.) A conta POCIPSS não pode estar associada a mais que uma conta SNC- ESNL!

64 (Uma conta PCIPSS, nesta fase, só pode estar associada a uma conta SNC-ESNL. Até ao final do ano 2012 será disponibilizada, janela onde poderá efectuar reafectação de valores da conta SNC- ESNL para onde transitou o total dos valores da conta PCIPSS para várias SNC-ESNL.) Saldos Iniciais Os saldos iniciais não estão balanceados no Plano Conta SNC-ESNL! Os saldos POC apresentam valores diferentes dos saldos SNC (Estes avisos indicam que existem inconsistências ao nível do Plano SNC- ESNL e que os saldos a transitar PCIPSS para SNC-ESNL não estão todos correctamente transitados) Este botão permite emitir tabela de Equivalências de forma a confirmar se estão se encontram correctamente definidas. Este botão permite validar a consistência do Plano de Contas SNC-ESNL temporário. Este botão permite obter o Plano de Contas SNC-ESNL temporário. Esta funcionalidade permite gerar automaticamente o Plano de Contas SNC-ESNL devendo ser utilizada sempre que alterar a tabela de equivalências por forma a serem reflectidas essas mesmas alterações no novo Plano de Contas SNC-ESNL da Instituição. Aceda ao menu Geração de Plano de Contas: Para que seja gerado o plano terá que ter equivalências definidas e o plano de contas SNC-ESNL temporário deverá estar consistente.

65 Caso tenha criado orçamentos em SNC-ESNL este processo valida se todas as contas orçamentadas se encontram no novo Plano de Contas. Caso não esteja, alguma delas, deverá corrigir o plano SNC-ESNL na tabela de Equivalências ou retirar o valor dos orçamentos em SNC-ESNL. Esta funcionalidade valida se as saldos em POC foram totalmente transitados para SNC-ESNL. Caso não estejam avisará da diferença devendo corrigir a tabela de Equivalências indicando equivalências para todas as contas de lançamento que tenham saldo ou movimentos no ano Aceda ao menu Converter Nesta janela irá converter a no ano 2012 para SNC-ESNL.

66 Após a conversão da no ano 2012 para SNC-ESNL a opção de menu passará para. Esta opção poderá ser realizada caso sinta necessidade de rever e efectuar novamente a conversão por algum motivo. A operação de reversão não poderá ser realizada a partir do momento que tenha efectuado movimentos em SNC-ESNL em 2011 ou 2012 ou realizado registo de reservas orçamentais. Este processo irá converter/permutar as seguintes tabelas: - Plano de Contas (Menu Tabela) A aplicação permutará os Planos de Contas PCIPSS para SNC-ESNL. Após a conversão na tabela do Plano de Contas encontrará o Plano de Contas SNC-ESNL onde antes constava o Plano de Contas PCIPSS. O Plano de Contas SNC-ESNL deverá estar consistente e comportar neste todos os saldos do ano 2011 (como é evidente o Plano de Contas 2012 só conterá saldos após a realização do fecho do ano 2011 SNC-ESNL e/ou a movimentação das contas em 2012) - Mapa Geral Consulta Conta Valência (Menu Movimentos \ Valências)

67 A aplicação irá converter a parametrização de contas com base nas equivalências definidas. As contas parametrizadas nesta opção deverão ter equivalência. - Emissão da Ficha 1 e 2 da DGSSFC (Menu Movimentos \ Utentes/Valências) A aplicação irá converter a parametrização de contas com base nas equivalências definidas. As contas parametrizadas nesta opção deverão ter equivalência. - Tipos de Documentos (Menu Tabelas) A aplicação irá converter a parametrização de contas com base nas equivalências definidas. Sendo que se pode parametrizar as contas do seguinte modo a conversão irá verificar a equivalência da conta 211 ficando no final, sendo a equivalência 2117, p.e., com o seguinte valor.

68 As contas parametrizadas nesta opção deverão ter equivalência. - Balancete de Tesouraria (Menu Balancetes) A aplicação irá converter a parametrização de contas de descriminação de Receitas e Despesas com base nas equivalências definidas. As contas de Saldos (Meios Financeiros) serão parametrizadas de base. As contas parametrizadas nesta opção deverão ter equivalência. - Apuramento de IVA (Menu Movimentos \ IVA) A aplicação irá converter a parametrização de contas com base nas equivalências definidas.

69 As contas parametrizadas nesta opção deverão ter equivalência. - IVA (Menu Tabelas) A aplicação irá converter a parametrização de contas com base nas equivalências definidas. As contas parametrizadas nesta opção deverão ter equivalência. - Distribuições (Menu Tabelas) A aplicação irá converter a contas da distribuição com base nas equivalências definidas. Validações: As contas nesta opção deverão ter equivalência. Não poderá existir distribuição para duas contas PCIPSS que passam a ter equivalência apenas uma em SNC-ESNL. Exemplo (fictício): > > Orçamentos (Menu Principal)

70 A aplicação irá permutar os orçamentos passando os orçamentos SNC-ESNL os principais. As contas orçamentadas deverão existir no Plano de Contas SNC-ESNL. Esta funcionalidade irá converter as diferentes aplicações da Linha que se ligam à. Aceda ao menu Ligações : Nesta Janela deverá indicar a aplicação que deseja converter indicando o servidor SQL onde esta se encontre instalada.

71 Pressione e irão ser dadas indicações da forma como proceder para converter as aplicações. As aplicações da linha deverão estar na última versão disponível. Esta Funcionalidade irá permitir de uma forma automática validar as contas contabilísticas parametrizadas nas aplicações que se ligam à e efectuar a sua conversão automática para SNC-ESNL. Nas tabelas de Parametrização tais com Utentes em irá converter as contas parametrizadas em PCIPSS para SNC-ESNL. A partir do momento em que as aplicações são convertidas para SNC-ESNL a parametrização é realizada com base nas contas SNC-ESNL sendo que anteriormente estava parametrizada com base nas contas PCIPSS. Ao registar os documentos Recibos, Faturas, etc a classificação passa a ser realizada segundo o ano do documento: No caso de documentos 2011 serão classificados em PCIPSS com base no plano de contas 2011 PCIPSS sendo que a aplicação irá obter a conta equivalente respetiva. No caso de documentos 2012 serão classificados em SNC-ESNL com base no plano de contas 2012 SNC-ESNL. Esta funcionalidade só se encontrará acessível depois do Fecho do Ano 2011 em PCIPSS. Aceda ao menu Revisão do Plano de Contas:

72 Esta funcionalidade irá validar os planos de contas SNC-ESNL gerados automaticamente com base nas equivalências sendo que se encontrar conta nova, p.e. de um fornecedor novo irá pedir que seja indicada equivalência e depois irá realizar a inserção automática dessa conta no Plano de Contas. Após validação consistente do plano de contas será feito o cálculo dos saldos do ano 2011 em SNC-ESNL. Esta funcionalidade só se encontrará acessível depois do Fecho do Ano 2011 em PCIPSS e a revisão do Plano de Contas. Aceda ao menu Movimento de Revalorização:

73 Acederá à janela de Movimentos, onde poderá, ajustar os valores correspondentes a determinadas contas. Por exemplo uma conta PCIPSS 261 foi indicada como equivalente de uma conta da 271 que comporta valores que deverão ser divididos pelas contas 271 e É neste momento que deverá indicar os saldos correspondentes a cada uma dessas contas. Outro exemplo é o da conta PCIPSS 431 Despesas de Instalação que com o SNC-ESNL deixa de ser reconhecido como Activo. O desreconhecimento deste valor, nos termos da NCRF de transição, deve ser efectuado neste momento. Estes valores serão movimentados no mês 13 de 2011 em SNC-ESNL. Esta funcionalidade só se encontrará acessível depois do Fecho do Ano 2011 em PCIPSS e a revisão do Plano de Contas. Aceda ao menu Fecho do Ano 2011 SNC-ESNL:

74 Esta janela irá fechar automaticamente o ano 2011 em SNC-ESNL Serão disponibilizados na 3ª fase de transição para o SNC-ESNL os mapas finais segundo o definido pela Segurança Social. Devido à contabilidade ser distinta entre PCIPSS e SNC-ENSL os menus da aplicação foram redefinidos sendo que quando se está num ano em PCIPSS ou em outro em SNC-ESNL a apresentação dos mesmos será distinta consoante esse contexto.

75 De notar que, em alguns casos, as funcionalidades sofreram alterações para cumprir com o SNC-ESNL. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento sendo que foram redefinidas as denominações. o menu Neste menu, em SNC-ESNL, deixam de existir o menu e

76 Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu foi redefinido totalmente pois os mapas finais são distintos em PCIPSS e em SNC- ESNL. Os Mapas finais em PCIPSS são ocultados em SNC-ESNL. De futuro surgirá Menu Mapas Finais \ SNC-ESNL com os mapas finais sendo que nesta fase ainda se encontram em desenvolvimento. Os botões e estão ocultos nesta fase para ano 2012 em SNC-ESNL

77 Este menu mantém-se sendo que os sub-menus sofreram alterações ao nível das denominações (ver abaixo). Esta situação aplica-se aos seguintes menus: Orçamentos Gerais Orçamentos Valência Exploração Previsional (ver secção seguinte) Exploração Previsional Valência Neste menu é ocultado o modelo 1015 pois já não se encontra em vigor desde que surgiu o modelo OCIP. Este menu mantém o comportamento. Nesta fase, a F3M, ainda se encontra a desenvolver os seguintes sub-menus para SNC- ESNL: Rácios No Período do Ano

78 No Período Entre Anos Previsão de Resultados Este menu mantém o comportamento. O sub-menu Op. SNC-ESNL é visível no ano 2012 quando a instituição tem ano 2011 registado. Este sub-menu é necessário realizar a operação de equivalências e conversão de PCIPSS para SNC-ESNL. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento. Este menu mantém o comportamento.

79 Em 2012 entra em vigor o SNC-ESNL Sistema de Normalização Contabilística para Entidades do Sector Não Lucrativo. A aplicação WinCTB, a partir da versão 11.1 começa a responder ao SNC-ESNL definido pelo Decreto-Lei n.º 36-A/2011 de 9 de Março. A aplicação WinCTB terá diferentes fases de disponibilização na transição da sua contabilidade de PCIPSS para SNC-ENSL. Estas diferentes fases poderão ser redefinidas na directa dependência de novas informações que possam vir a ser disponibilizadas pela Segurança Social ou outras entidades do Estado. De seguida é apresentada, passo-a-passo, a conversão de PCIPSS para SNC-ESNL.

80 1ª Fase Entrega dos orçamentos 2012 à Seg. Social (Novembro /2011) Ano 2012 Criar Exercício de Plano de Conta PCIPSS da Instituição - Plano de Conta SNC-ESNL Base Indicar Equivalências PCIPSS <-> SNC-ESNL - Equivalências PCIPSS <-> SNC-ESNL - Plano de Conta SNC-ESNL Geração de Plano de Contas SNC-ESNL da Instituição - Plano de Conta SNC-ESNL da Instituição - Orçamentos PCIPSS da Instituição Geração de Orçamentos SNC- ESNL da Instituição - Orçamentos SNC-ESNL da Instituição Entrega OCIP-CEP 2012 SNC-ESNL da Instituição à Segurança Social Processo Automático Processo Manual Dados de Origem Dados gerados Restrições: Impossibilidade de efetuar movimentos em Impossibilidade de efetuar reservas orçamentais em Impossibilidade de abertura do ano Para a entrega dos orçamentos SNC-ESNL 2012 à Segurança Social sugere-se a execução dos seguintes passos:

81 Abertura do Ano 2012 em Op. Especiais Operações de Ano Abertura de Ano; Gerar Orçamentos PCIPSS (CEP e Orçamentos) com base nos dados de 2011; Indicar Equivalências entre SNC-ESNL (ver subcapítulo Equivalências ); Geração do Plano de Contas SNC-ESNL da Instituição; Geração dos Orçamentos SNC-ESNL da Instituição com base nos orçamentos PCIPSS; Entrega dos orçamentos SNC-ESNL à Segurança Social Conversão da contabilidade 2012 PCIPSS para SNC-ESNL e todas as suas dependências. Reafectações de Valores nas contas SNC-ESNL em Fecho do Ano 2011 SNC-ESNL em Possibilidade de efetuar movimentos em SNC-ESNL em 2012 Emissão de Mapas Finais SNC-ESNL em Fecho do ano 2012 Mapas Finais SNC-ESNL 2012 No ano 2012, de entrega do orçamento SNC-ESNL, é necessário definir as equivalências PCIPSS <- >SNC-ESNL. Aceda ao menu Equivalências: Nesta janela encontra as equivalências predefinidas pela aplicação e deverá indicar as restantes de acordo com o plano de contas PICPSS da Instituição vs Plano de Contas base SNC-ESNL.

82 Segue-se uma descrição dos objectos e opções da janela de equivalências: Poderá ordenar pelas contas do Plano de Contas PCIPSS ou pelas contas do Plano de Contas SNC- ESNL. Nesta secção tem a possibilidade de filtrar os registos da grelha pelas contas razão do Plano que pretender. Poderá ainda filtrar por contas com saldo ou sem saldo e também contas integradoras ou de lançamento. Esta função irá criar sub-conta(s) equivalente(s) SNC-ESNL baseada na equivalência da sua conta integradora. Exemplo: Conta Selecionada 243 PCIPSS SNC-ESNL Esta função irá criar conta equivalente SNC-ESNL baseada na equivalência da sua conta integradora.

83 Exemplo: Conta Selecionada 181 PCIPSS SNC-ESNL Permite adicionar contas SNC-ESNL que não existam no plano base. Permite alterar a equivalência. Permite apagar contas SNC-ESNL que não pertençam ao plano base. Permite anular a operação produzida pela tecla de função F2. Permite anular a operação produzida pela tecla de função F3. Na linha é possível alterar equivalências ou redefinir alguns parâmetros base do plano de contas. Esta secção serve apenas para indicar conta do Plano Base PCIPSS. Esta poderá estar vazia caso não exista equivalência para a conta SNC-ESNL. Esta secção serve para indicar conta do Plano Base SNC-ESNL, alterar a sua descrição ou adicionar novas contas. Código existente ou nova conta Descrição descrição da conta no plano ou descrição alterada Tipo de Conta Integração ou lançamento Natureza - Sem natureza, Débito ou Crédito Ficha se tem ficha de terceiro, conta bancária ou Conta de Investimento (este campo segue as regras existentes no plano de contas) Recapitulativos Sim/Não Saldo qual o saldo da conta no mês Zero (bloqueado).

84 Este botão permite-lhe reiniciar o processo de equivalências. Esta opção fará perder todas as alterações manuais introduzidas ao nível das Equivalências. Este botão permite emitir o resumo de validações. Este botão efectua as validações das equivalências para ser possível esta operação. Na execução das equivalências as validações são meros avisos apesar, de mais tarde, noutras operações necessitar de os corrigir. O ano 2012 deverá estar aberto O ano 2013 não deverá existir O ano 2011 permanece aberto. Esta situação é apenas um aviso. Na fase dos orçamentos o ano 2011 não tem que estar fechado. Na fase de transição, para converter a contabilidade em SNC-ESNL, o ano 2011 terá que estar fechado. No ano 2012 não poderão existir movimentos. Ao nível das equivalências poderão existir os seguintes alertas: o A conta POCIPSS tem saldo e deve ter correspondência em SNC-ESNL! (Este aviso ocorrerá nas contas de lançamento pois todos os saldos têm que ser transitados nesta fase para o Plano SNC-ESNL) o O tipo de conta deve ser equivalente entre o POCIPSS e SNC-ESNL. (Este aviso ocorrerá em todas as contas pois poderão existir problemas futuros aquando da leitura das equivalências. Por exemplo conta que está parametrizada na aplicação WinUTE para classificação automática de documentos e que passando a ser integradora a classificação desses documentos em SNC-ENSL ficará incorrecta.) o A conta POCIPSS não pode estar associada a mais que uma conta SNC-ESNL! (Uma conta PCIPSS, nesta fase, só pode estar associada a uma conta SNC-ESNL. Até ao final do ano 2012 será disponibilizada, janela onde poderá efectuar reafectação de valores da conta SNC- ESNL para onde transitou o total dos valores da conta PCIPSS para várias SNC-ESNL.) Saldos Iniciais o Os saldos iniciais não estão balanceados no Plano Conta SNC-ESNL! o Os saldos POC apresentam valores diferentes dos saldos SNC (Estes avisos indicam que existem inconsistências ao nível do Plano SNC-ESNL e que os saldos a transitar PCIPSS para SNC-ESNL não estão todos correctamente transitados)

85 Este botão permite emitir tabela de Equivalências de forma a confirmar se estão se encontram correctamente definidas. Este botão permite validar a consistência do Plano de Contas SNC-ESNL temporário. Este botão permite obter o Plano de Contas SNC-ESNL temporário. Para poder criar os orçamentos SNC-ESNL é necessário proceder à geração do Plano de Contas SNC-ESNL. Aceda ao menu Geração de Plano de Contas: Para que seja gerado o plano terá que ter equivalências definidas e o plano de contas SNC-ESNL temporário deverá estar consistente.

86 Aceda ao menu Geração de Orçamentos: Nesta janela poderá gerar os orçamentos SNC-ESNL com base nos orçamentos PCIPSS. Ficarão disponíveis as opções que tenham orçamento PCIPSS criado. No caso dos orçamentos por valência serão listadas as valências. A aplicação com base do Plano Contas SNC-ESNL e as equivalências definidas irá criar os orçamentos SNC-ESNL transitando os saldos do orçamento PCPISS. Após a geração dos orçamentos SNC-ESNL já os poderá visualizar no menu orçamentos.

87 Aceda ao menu Orçamentos: Nas Janelas dos orçamentos terá disponível o botão de alternância entre Orçamento PCIPSS e Orçamento SNC-ESNL. No caso das Contas de Exploração Previsional, Geral e Por Valência, a opção de geração de Orçamento com base nos movimentos dos anos anteriores fica apenas disponível quando seja PCIPSS.

88 é possível alterar, manualmente, os orçamentos, tanto PCIPSS como SNC-ESNL. Aceda ao menu Geração Ficheiro CEP-OCIP: Após a geração e validação dos orçamentos SNC-ESNL é possível gerar o ficheiro disponível na pasta da aplicação.

89 Na Secção Das Vendas e dos Serviços Prestados e Dos Serviços administrativos devem ser parametrizadas as contas e respectivas percentagens para que a aplicação consiga efectuar cálculo automático dos valores.

90 A parametrização necessária à construção do orçamento base disponibilizado pela Segurança Social já se encontra disponível sendo possível a sua alteração. Deverá mudar o ano activo para 2012 e aceda ao menu Ficheiro CEP-OCIP: Será apresentada a seguinte janela:

91 A aplicação tem a capacidade de manutenção e geração da Declaração IES-DA para Foi mantido o procedimento de manutenção e geração do ficheiro de suporte, existindo, para além da alteração de estrutura do ficheiro gerado, as seguintes alterações: Anexo D, o Quadro 031 aparece quando anos 2009 ou anterior; o Quadro 031A aparece para anos 2010 ou posteriores; Anexo Q o quadro 07 aparece apenas para anos 2009 ou anteriores.

92 A partir desta versão torna-se possível criar distribuições de valências com base no número de utentes. Na tabela (Movimentos/Valências/Movimentos de Valência) devemos indicar no campo Nº Utentes o nº de utentes que deve aparecer por defeito na distribuição automática. No menu distribuições (tabelas/distribuições), sempre que o utilizador seleccione a opção Distribuição automática com base no n.º de utentes ao adicionar/alterar linhas é pedido ao utilizador o nº de utentes da valência indicada, por defeito o nº de utentes é o que está indicado na tabela (Movimentos/Valências/Movimentos de Valência) no campo Nº Utentes. A percentagem encontra-se bloqueada sendo calculada automaticamente com base no número de utentes. O botão serve para actualizar o valor do número de utentes por valência e recalcular as respectivas percentagens.

93 Ao inserir movimentos passa a ser possível criar uma distribuição manual no momento da inserção de movimentos. Sempre que se indica uma conta de resultados o utilizador deve indicar uma valência, ou então indicar a distribuição previamente definida. Agora é possível criar uma distribuição automática no momento, para tal basta pressionar [F5] sobre o campo Valência da linha de movimento. Ao pressionar [F5], sobre o campo Valência, surge a seguinte janela: O utilizador poderá então definir uma distribuição específica para o movimento que está a registar. Se existir, uma distribuição previamente definida, o utilizador pode copiar essa informação e depois alterar os respectivos valores de distribuição: Ao pressionar [F5], sobre o campo Valência surge a janela anterior, de seguida é necessário escolher distribuição que se pretende copiar:

94 Pressionar botão sendo automaticamente gerada a distribuição temporária. desejar. A partir desse momento é possível alterar os valores da distribuição conforme o utilizador Será agora possível parametrizar, para cada utilizador, a acção a tomar quando é detectada a introdução de um NIF, NISS ou NIB inválido.

95 Os comportamentos associados a cada opção são os seguintes: Esta alteração é transversal à importação de entidades em tendo apenas uma variação no comportamento: a Nesta opção, tendo em conta o comportamento existente, foi seguida uma abordagem diferente. Foi adicionada uma coluna NIF Válido para que o utilizador possa identificar os registos que têm NIF válido ou não. As opções de validação do utilizador apresentam o seguinte funcionamento: Corresponde ao funcionamento antigo, sendo apresentada uma mensagem alertando para o NIF incorrecto e identificando a entidade, tendo o utilizador a possibilidade de optar não ser alertado para outras entidades com NIF inválido.

96 Ao detectar um NIF inválido será emitido um alerta ao utilizador identificando a entidade e que ela não será importada. Além disso será dada a possibilidade ao utilizador de não ser alertado para outras entidades com NIF inválido. Não é efectuada qualquer validação ao NIF das entidades, sendo possível importar todas.

97 A lista de selecção coloca-se no primeiro registo que encontra decorrente do valor já introduzido no objecto que chama a lista. Caso seja seleccionada esta opção o mapa será listado apenas com o saldo numa única coluna com a indicação da natureza do mesmo: O balancete por grupo permite tirar um balancete para um grupo de valências. É acedido pelo menu balancetes -> Por Grupo de Valências.

98 O balancete por grupo permite tirar a listagem detalhada mostrando os valores de cada uma das valências e o total do grupo ou mostrar apenas o total do grupo. O Extrato por grupo de valências permite visualizar/imprimir o extracto para um grupo de valências. Esta janela é acedida através do menu Movimentos Valências Extrato de Grupo de Valências.

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas do RoadShow Mais PHC O novo SNC O que é necessário para produzir a demonstração de fluxos de caixa pelo método directo (único aceite a

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2011 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2012 1. Identificação da Instituição Nome: AMU - COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE LUSÓFONA POR UM MUNDO

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Simples Acessível À medida. é ainda muito mais MANUAL DE PROCEDIMENTOS

Simples Acessível À medida. é ainda muito mais MANUAL DE PROCEDIMENTOS Simples Acessível À medida O segredo de CFOlytics está na simplicidade: Com a importação do documento mais comum duma contabilidade - o balancete analítico - obtém, em poucos segundos, toda a informação

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Índice. F3M Information Systems, S.A.

Índice. F3M Information Systems, S.A. MAIS VALIAS. WINUTE Índice Mais-valias WinUTE v.14.2.36... 7 1. Análises Globais\ Mapas\ Mapa Utentes com Acordo de Cooperação\Manutenção... 7 Mais-valias WinUTE v.14.2.35... 8 2. Introdução... 8 3. Utentes\

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

Gescom Contabil. Gestão de Contabilidade Financeira, Analítica e Orçamental. Guia de Utilização

Gescom Contabil. Gestão de Contabilidade Financeira, Analítica e Orçamental. Guia de Utilização Gestão de Contabilidade Financeira, Analítica e Orçamental Guia de Utilização 1 Introdução Instalação Setup OBJECTIVOS GERAIS DA APLICAÇÃO Características gerais da aplicação ELEMENTOS COMUNS Navegação

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Conversão do POC para o SNC

Conversão do POC para o SNC Manual do Utilizador Conversão do POC para o SNC Data última versão: 18.02.2010 Versão: 128 Data criação: 3.12.2009 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620 Fax. +351 289

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 Para as Entidades até agora classificadas como IPSS utilizadoras da Aplicação de Contabilidade PMR, vimos disponibilizar a passagem

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

Mais-valias WinGSL v17.4.13... 5 1. Relatório Único... 5 Mais-valias WinGSL v17.4.04... 6 1. Introdução... 6 2. WinGSL... 6 2.1 Sobre Taxa... 6 2.

Mais-valias WinGSL v17.4.13... 5 1. Relatório Único... 5 Mais-valias WinGSL v17.4.04... 6 1. Introdução... 6 2. WinGSL... 6 2.1 Sobre Taxa... 6 2. Mais-valias WinGSL v17.4.13... 5 1. Relatório Único... 5 Mais-valias WinGSL v17.4.04... 6 1. Introdução... 6 2. WinGSL... 6 2.1 Sobre Taxa... 6 2.2 Duodécimos dos Subsídios... 7 Mais-valias WinGSL v17.4.00...

Leia mais

PHC Contabilidade CS

PHC Contabilidade CS PHC Contabilidade CS A execução e o controlo de todas as tarefas contabilísticas da sua empresa ou organização O controlo total das necessidades contabilísticas nas vertentes geral, analítica e orçamental.

Leia mais

sistoc Manual do Utilizador Data última versão: 06-03-2009 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-01-2009 Versão: 1.00

sistoc Manual do Utilizador Data última versão: 06-03-2009 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-01-2009 Versão: 1.00 Manual do Utilizador sistoc Data última versão: 06-03-2009 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-01-2009 Versão: 1.00 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620

Leia mais

PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto

PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto Como efetuo a mudança de ano do Ponto de Venda? No Programa Express aceda a Tabelas Pontos de Venda Postos de Venda abrir o separador Movimentos Caixa e: -

Leia mais

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 À Semelhança de medidas tomadas por administrações Fiscais de outros países, foi publicada em Portugal a portaria a regulamentar a Certificação

Leia mais

GM CONTABILIDADE. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM CONTABILIDADE. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM CONTABILIDADE O GM Contabilidade é uma aplicação concebida para o eficaz controlo informático de toda a área da Contabilidade Geral, Analítica e Orçamental Com um interface intuitivo e bastante profissional,

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 26/03/2015 1. Identificação da Nome: CENTRO ASSISTENCIA SOCIAL ESMORIZ Morada: R ESCOLA PREPARATORIA 525

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

PHC Contabilidade CS

PHC Contabilidade CS PHC Contabilidade CS A execução e o controlo de todas as tarefas contabilísticas da sua empresa ou organização O controlo total das necessidades contabilísticas nas vertentes geral, analítica e orçamental.

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

PHC Contabilidade CS

PHC Contabilidade CS PHC Contabilidade CS A execução e o controlo de todas as tarefas contabilísticas da sua empresa ou organização O controlo total das necessidades contabilísticas nas vertentes geral, analítica e orçamental.

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Software-Global 1/11

Software-Global 1/11 Não esquecer que a senha do Administrador é ADMIN Botões do programa: Acesso ao Programa: O Acesso ao programa deve ser feito através do utilizador ADMINISTRADOR, que tem todas as permissões para gerir

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

Novas funcionalidades do Snc2010. e melhoramentos em relação ao Poc2005. Versão 7.0

Novas funcionalidades do Snc2010. e melhoramentos em relação ao Poc2005. Versão 7.0 Novas funcionalidades do Snc2010 e melhoramentos em relação ao Poc2005 Versão 7.0 1. Sistema de Normalização Contabilística: 1.1 Tabela de equivalências do POC para o SNC. 1.2 Conversão automática do plano

Leia mais

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano ÍNDICE PASSAGEM DE DADOS / FECHO DE ANO... 1 Objectivo da função... 1 Antes de efectuar a Passagem de dados / Fecho de Ano... 1 Cópia de segurança da base de

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Configuração inicial para gestão de contas correntes bancárias

Configuração inicial para gestão de contas correntes bancárias Página 1 de 11 Configuração inicial para gestão de contas correntes bancárias Deverá iniciar a utilização criando as tabelas relacionadas com bancos. Note que no GESPOS estão previamente configurados uma

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

ANALISADOR SAF-T MANUAL

ANALISADOR SAF-T MANUAL ATD-CTOC ANALISADOR SAF-T MANUAL Introdução A Portaria nº. 321-A/2007, de 26 de Março, que instituiu o SAF-T, dispõe que O ficheiro deve abranger a informação constante dos sistemas de facturação e de

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 23/06/2015 1. Identificação da Nome: STA CASA MISERICORDIA MEDA Morada: AV GAGO COUTINHO SACADURA CABRAL

Leia mais

Alteração da taxa de IVA

Alteração da taxa de IVA Manual do Utilizador Alteração da taxa de IVA Software Sisgarbe Data última versão: 24-06-2010 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-06-2010 Versão: 1.00 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Alterações Efectuadas na Versão 3.x da Contabilidade

Alterações Efectuadas na Versão 3.x da Contabilidade Criação de novos campos no ficheiro de contas para indicação das contas que são retenção de IRS/IRC na Fonte ou que dizem respeito a pagamento de Imposto do Selo. Nas contas que são contas de retenção

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Guia de Conversão SNC

Guia de Conversão SNC Guia de Conversão SNC V7.55 Versão 1.0 Dezembro 2009 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Conversão do Plano de Contas... 4 Tabela de Equivalências...7 Criação do Exercício 2010...9 Conversão de Contas...

Leia mais

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda.

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda. 1 P á g i n a Procedimentos Inventário AT 2014 Software Olisoft-SIG.2014 Verificar Versão dos Módulos Instalados Em primeiro lugar deveremos verificar se o programa SIG está actualizado. Esta nova rotina

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1425. c) Quantia de qualquer reembolso de subsídio que tenha sido reconhecido como um gasto.

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1425. c) Quantia de qualquer reembolso de subsídio que tenha sido reconhecido como um gasto. Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1425 c) Quantia de qualquer reembolso de subsídio que tenha sido reconhecido como um gasto. 12 Impostos sobre o rendimento: 12.1 Devem ser divulgados

Leia mais

Actualização. Versão 5.3.1

Actualização. Versão 5.3.1 Actualização Versão 5.3.1 Janeiro 2011 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL 1 Índice 2 Facturação Certificada Conformidade de procedimentos... 4 2.1 Documentos Certificados...

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Frequência de Contabilidade Financeira I

Frequência de Contabilidade Financeira I Classificação I II III IV V NOME: Prova cotada para 5,00 valores 1.ª Teste A Frequência de Docentes: Ana Paula Matias e Francisco Antunes N.º: Prova: Frequência Data: 2011 11 29 Comprovativo de entrega

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical Word II Título: Iniciação ao WORD 2003. Nível: 1 Duração: 2 Tempos Objectivo: Iniciar o estudo da aplicação Microsoft Office Word. Dar a conhecer algumas ferramentas do Microsoft Office Word. Microsoft

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

Gescom Enterprise 8.9. Questões legais

Gescom Enterprise 8.9. Questões legais Gescom Enterprise 8.9 A versão GESCOM Enterprise 8.9 sofreu várias alterações com o intuito de permitir uma maior usabilidade, cumprir com as obrigações legais (despacho n.º 8632/2014) e garantir uma maior

Leia mais

CONTABILIDADE VERSÃO 5.100

CONTABILIDADE VERSÃO 5.100 CONTABILIDADE VERSÃO 5.100 Petronilho, Magalhães & Ramalhete, Lda. Rua Sarmento de Beires, 23 B 1900-410 LISBOA Telfs.: 218 472 590/1/2 URL: www.pmr.pt E-Mail: pmr@kqnet.pt FTP: ftp.pmr.pt Conteúdo Conteúdo

Leia mais

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Acesso ao Comercial Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Neste Manual são apresentados écrans preenchidos com dados para melhor exemplificar as funcionalidades do programa. O uso do

Leia mais

1. Controle de exercício

1. Controle de exercício 1 1. Controle de exercício Para realizar lançamentos e emitir relatório o módulo Contabil obriga a criação de exercícios, que na verdade representam os anos de atividade da empresa. Confira algumas dicas

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com Manual Gestix Guia do Utilizador Gestix.com Copyright Este documento é Copyright 2008 Westix TI Lda. Todos os direitos reservados. Todas as marcas registadas referidas neste Manual são propriedade dos

Leia mais