De que falamos quando falamos de cópia privada?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De que falamos quando falamos de cópia privada?"

Transcrição

1 De que falamos quando falamos de cópia privada? O estudo de Martin Kretschmer. Um dos aspectos mais disputados em torno do tema cópia privada é, claro, o dos seus dados. Como qualificar e quantificar usos de equipamentos e suportes, ganhos e prejuízos, como calcular tarifas e, principalmente, qual o seu impacto na formação de preços de suportes e equipamentos. Assinalemos, para já de modo esquemático, que em torno desta exceção ao direito de autor e direitos conexos, a cópia privada, e das respectivas compensações devidas a artistas, autores e produtores, estes se defrontam com uma das mais ricas senão a mais rica das indústrias mundiais, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) e seus distribuidores. Apetece citar, como ilustração, um estudo feito em 2010 para uma associação de consumidores inglesa, muito ativa nesta área e contra a existência de tarifas, onde se passa em revista o trabalho existente, os dados, sobre o impacto económico das tarifas. Concluem os autores que, além de dois estudos, abaixo referenciados, quanto ao restante: Para ser claro, existem muitíssimas declarações sobre o papel das tarifas, e algumas delas podem incluir números mas estes não são considerados nem análise económica nem prova 1. Não é só a escassez ou a qualidade dos dados que se questiona. Quando surgem é também o seu significado que pode ser posto em causa. 1 Rogers, Mark; Corrigan, Ray and Tomalin, Joshua (2010). The economic impact of consumer copyright exceptions: A literature review, Consumer Focus, London, UK, Tradução do autor. Os estudos em causa foram encomendados por entidades em pontos opostos do debate : Nathan Associates (2006) Private Copying Levies on Digital Equipment and Media: Direct Effects on Consumers and Producers and Indirect Effects on Sales of Online Music and Ringtones, um estudo encomendado pela Copyright Levy Reform Alliance s, uma associação criada no essencial pelas TIC; o segundo estudo citado é o EconLaw Strategic Consulting (2007). Economic Analysis of Private Copy Remuneration, estudo encomendado pela GESAC (Groupement Européen des Sociétés d Auteurs et Compositeurs), traduzindo diretamente, um agrupamento europeu de sociedades de autores e compositores. 1

2 Iremos aqui considerar um exemplo, o estudo realizado por Martin Kretschmer para o Intellectual Property Office do Reino Unido em finais de 2011, bastante referenciado, também em Portugal, e que pela data de publicação escapa naturalmente ao exame de Rogers et ali. 2. O documento integra, em cerca de 70 páginas, um relatório e três estudos. Iremos focar-nos no segundo desses estudos, o que analisa os efeitos empíricos das tarifas, e num dos aspectos particulares que pondera, central para as discussões: quem paga o sistema. O estudo utiliza como base os preços finais, online e loja, de três categorias de equipamentos que incluem tarifas: 2 impressoras, 3 pod s, e 3 pad s. Cobre um conjunto de 20 países apresentando os valores dos impostos sobre o consumo que são praticados, que em dois casos, EUA e Canadá, são objecto de construção, justificada. Os valores são apresentados em euros. Quanto ao valor das tarifas o estudo utiliza aquela que é provavelmente a mais citada das fontes quanto às questões de cópia privada ou de gestão colectiva: os relatórios anuais da sociedade holandesa de gestão de cópia privada Stichting de Thuiskopie. A primeira página do relatório é sintomática da interpretação criativa a que estão sujeitos os trabalhos sobre este tema, muitas vezes para além do que poderia suportar a integridade dos dados em que se baseiam e das conclusões a que efetivamente chegam os seus autores. Logo na primeira nota substancial do estudo o Autor distancia-se de uma interpretação abusiva das suas conclusões, feita a partir de uma versão preliminar do seu trabalho e onde lhe é atribuída uma posição contrária à exceção da cópia privada. 2 Kretschmer, Martin, (2011). Private Copying and Fair Compensation: An empirical study of copyright levies in Europe, Por ocasião do debate em torno do Projeto-lei 118/XII, este estudo é citado na nota técnica que analisa o documento, e também por três entidades que se opõem, com argumentos distintos, ao regime de cópia privada (Creative Commons Portugal, pela AGEFE - Associação Empresarial dos Setores Elétrico, Eletrodoméstico, Fotográfico e Eletrónico e NOKIA) Recomenda-se a consulta do estudo para uma análise da metodologia seguida pelo Autor, reconhecido especialista na área, que aqui, evidentemente, não cabe na sua plenitude. 2

3 É no entanto nos critérios utilizados para apresentação de alguns dos seus resultados que se revela alguma ambiguidade interpretativa. As operações de ordenação dos dados que realiza não tornam evidente, senão com dificuldade, as relações entre imposto, tarifa e preço final. Apresentaremos aqui, por razões óbvias, apenas um exemplo de cada uma das categorias selecionadas. O gráfico 1 apresenta os preços para o IPod 8GB. Os valores de imposto, em percentagem, devem ser lidos na escala da direita, enquanto preço de venda e tarifas, em euros se podem cotar na escala da esquerda. Os dados são retirados da tabela 5 do estudo, agora simplesmente em ordem crescente de valor de venda. A haver uma relação, ela parece evidente entre preços e a fiscalidade, mas não entre aqueles e as tarifas. 3

4 Utilizando os mesmos critérios, no gráfico 2 (tabela 7 do estudo) vemos o preço para o IPad2 16GB. De novo as relações não são demasiado evidentes, mas orientam-se para preço e imposto. No caso alemão, a maior das tarifas tem o terceiro melhor preço. Um último exemplo, de uma impressora multifunções, a HP 4500, expressa no gráfico 3 (tabela 3 do estudo), é aquele que torna mais evidente que a formação de preços não depende de qualquer modo significativo das tarifas aplicadas: 4

5 Os valores mais altos da tarifa, Alemanha e Espanha estão no grupo dos preços mais baixos e mesmo o caso da Bélgica tem um valor praticamente em cima da média. Como assinala o Autor na nota ao seu gráfico existe uma fraca correlação positiva entre a soma dos valores de IVA e tarifa e o valor de venda: Alguns autores diriam que esse valor não é sequer significativo. Mas se realizarmos a operação exclusivamente entre o IVA e o valor de venda essa correlação é ainda fraca, mas já significativa, de + 0,47. Isto porque entre tarifas e valor de venda existe uma correlação negativa de -0,21, insignificante, a não ser pelo seu sinal. A formação dos preços tem claramente outros determinantes que não as tarifas. Apetece evocar um dos mais influentes pioneiros das ciências sociais em Portugal, Adérito Sedas Nunes, que sugeria a substituição do termo dados pelo mais esclarecedor captados, também porque permitiria tornar evidente a existência de uma agenda, diríamos hoje, na sua recolha, ordenação, classificação e apresentação. As TIC dispõem de vastos recursos, da experiência em agir num mercado que criaram e obviamente dominam, cada vez mais online e por isso rico de oportunidades de estudo do comportamento dos consumidores, extensamente exploradas em diversas outras dimensões. Seria de esperar que tivessem já produzido estudos que provassem inequivocamente alguns dos pontos que defendem, nomeadamente que os equipamentos e os suportes não se destinam significativamente á exploração da cópia privada, logo não causando qualquer prejuízo, ou que os preços finais dos equipamentos são fortemente influenciados pelas tarifas. Mas não 5

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA: 2015. PIBIC Barros Melo. Professor responsável: Alexandre Henrique Saldanha

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA: 2015. PIBIC Barros Melo. Professor responsável: Alexandre Henrique Saldanha PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA: 2015 PIBIC Barros Melo Professor responsável: Alexandre Henrique Saldanha 2015 Título do Projeto: Direitos Autorais e Liberdades Constitucionais na Cibercultura

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Audição da CIP na Comissão de Trabalho e Segurança Social 27 de janeiro de 2016

Audição da CIP na Comissão de Trabalho e Segurança Social 27 de janeiro de 2016 Audição da CIP na Comissão de Trabalho e Segurança Social 27 de janeiro de 2016 Bom dia a todos. São vários os projetos de diploma que aqui nos trazem, mas que, de um modo geral, se podem aglutinar em

Leia mais

CONVERT DE ENTRADA. Decreto-lei 24/96 (artº.9º.ponto 4) Portaria n.º 215/2011 (art.º 15.º n.º 1.º e 2.º).

CONVERT DE ENTRADA. Decreto-lei 24/96 (artº.9º.ponto 4) Portaria n.º 215/2011 (art.º 15.º n.º 1.º e 2.º). Selecionamos as dúvidas sobre os direitos dos consumidores da Restauração, Bares e Discotecas quando frequentam esses estabelecimentos. Será que tenho de pagar o Convert de Entrada? Tenho de dar gorjeta?

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXECUÇAO DAS APOSTAS DESPORTIVAS À COTA EM QUE OS JOGADORES JOGAM UNS CONTRA OS OUTROS

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXECUÇAO DAS APOSTAS DESPORTIVAS À COTA EM QUE OS JOGADORES JOGAM UNS CONTRA OS OUTROS REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DE EXECUÇAO DAS APOSTAS DESPORTIVAS À COTA EM QUE OS JOGADORES JOGAM UNS CONTRA OS OUTROS O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Presidente da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

Presidente da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Exma. Sra. Presidente da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Deputada Edite Estrela Assunto: Resposta à solicitação de parecer/contributo da AEL aos Projetos de Lei n.o 124/XIII/1.a

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1 Introdução A Música e as artes quando praticada como atividade profissional, não é diferente de qualquer outra área de conhecimento. A formação de um músico

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Agenda Enquadramento

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt &RPpUFLRHOHFWUyQLFRSULQFLSDLVTXHVW}HVHVXDGLYXOJDomRHP 3RUWXJDO SRU 5RGULJR$OEHUWR$OPHLGD%DSWLVWD Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Leia mais

Existe um catálogo físico ou virtual para ver os produtos?

Existe um catálogo físico ou virtual para ver os produtos? O que é HIPERCASHonline? HIPERCASHonline é uma nova oportunidade de ganhar rendimentos extra, manipulando somente produtos de primeira necessidade, onde podemos obter os mesmos artigos que já estamos habituados

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Redes Sociais em Portugal

Redes Sociais em Portugal Relatório de Resultados Redes Sociais em Portugal Dezembro de 2009 Estudo NE396 Netsonda - Network Research Quem Somos? Com quase 10 anos de actividade, a Netsonda foi a primeira empresa em Portugal a

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL

ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL ESTUDO DE IMPACTO DOS INCENTIVOS DIRECTOS CONCEDIDOS PELO ESTADO AOS ORGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIONAL E LOCAL Paulo Faustino, PhD Arons de Carvalho, PhD Estratégia Metodológica Global Forças políticas,

Leia mais

Telecomunicações. Introdução

Telecomunicações. Introdução Telecomunicações Introdução O nosso trabalho irá versar sobre as taxas cobradas pela ICP-ANACOM autoridade independente para as comunicações electrónicas e seu enquadramento legal, tentando qualificá-las

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre Qualidade dos EIA Critérios para avaliação IMPACTES AMBIENTAIS 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2007

PARECER N.º 51/CITE/2007 PARECER N.º 51/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo

Leia mais

Breve apresentação dos regimes de declaração de bens patrimoniais e interesses em alguns países e regiões

Breve apresentação dos regimes de declaração de bens patrimoniais e interesses em alguns países e regiões Documento I Breve apresentação dos regimes de declaração de bens patrimoniais e interesses em alguns países e regiões 1. Introdução Na medida em que se procede à revisão do regime de declaração de rendimentos

Leia mais

EDITAL nº 03/2015. A Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel UNIVEL através do Centro de Pesquisa e Extensão CPE,

EDITAL nº 03/2015. A Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel UNIVEL através do Centro de Pesquisa e Extensão CPE, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3653 - Fax: (45) 3036-3638 http://www.univel.br jornadacientifica2015@univel.br

Leia mais

Jogos eletrônicos: SIMCITY espaço o de aprendizagem do tempo do agora

Jogos eletrônicos: SIMCITY espaço o de aprendizagem do tempo do agora Jogos eletrônicos: SIMCITY espaço o de aprendizagem do tempo do agora Patrícia Magris Salvador, outubro de 2005. NOVAS TRILHAS, VELHAS JUSTIFICATIVAS... Principais questões da pesquisa: A importância dos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª Revoga os benefícios fiscais concedidos a PPR s planos de poupança reforma - e ao regime público de capitalização Procede a

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Quem somos? Somos um grupo de profissionais, arquitetos, engenheiros e educadores com uma vasta experiência no desenvolvimento de projetos de

Quem somos? Somos um grupo de profissionais, arquitetos, engenheiros e educadores com uma vasta experiência no desenvolvimento de projetos de Quem somos? Somos um grupo de profissionais, arquitetos, engenheiros e educadores com uma vasta experiência no desenvolvimento de projetos de pesquisa nas áreas de engenharia, arquitetura, educação, ciência

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental 3º Seminário As finanças locais, instrumento da política ambiental Propostas da campanha nacional RFA Índice da apresentação - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT - RFA Nacional - Resumo seminários

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Análise do Relatório Doing Business 2016

Análise do Relatório Doing Business 2016 CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Análise do Relatório Doing Business 2016 esengo@cta.org.mz Novembro, 2015 1 O Banco Mundial divulgou recentemente o relatório Doing Business 2016,

Leia mais

BASES LEGAIS CONCURSO DE APLICAÇÕES IMPRESSIONA COM A ROLAND

BASES LEGAIS CONCURSO DE APLICAÇÕES IMPRESSIONA COM A ROLAND BASES LEGAIS CONCURSO DE APLICAÇÕES IMPRESSIONA COM A ROLAND 1. OBJETO DA PROMOÇÃO. A ROLAND DIGITAL GROUP IBERIA, SL (doravante denominada por "Roland"), com sede social em C/CERAMISTES, Nº 6, 08290 CERDANYOLA

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398X-R1 - UPS 600-1000-1600VA 2 PORTUGUÊS Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem... 3 1.3 Ligar a UPS... 3 2.0 Software

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

No capítulo 3 estão concentrados todos os assuntos relacionados à metodologia utilizada nesse trabalho de pesquisa. Ou seja, tipo de pesquisa, método

No capítulo 3 estão concentrados todos os assuntos relacionados à metodologia utilizada nesse trabalho de pesquisa. Ou seja, tipo de pesquisa, método 14 1 Introdução Este estudo visa identificar os atributos e seus respectivos níveis mais importantes na definição da contratação de serviços de consultoria estratégica pelas operadoras de telecomunicações.

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇAO DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇAO DE CONSULTORIA 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇAO DE CONSULTORIA TR 01/2015 1. OBJETO: Contratação de Consultoria para elaboração do Relatório de Atualização da Cartografia Nacional das Experiências de Tomada de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1.A Execução Pública da Música/Sociedade Moçambicana de Autores

1.A Execução Pública da Música/Sociedade Moçambicana de Autores 1.A Execução Pública da Música/Sociedade Moçambicana de Autores A Associação Moçambicana de Autores(SOMAS), tal como é frequentemente designada, é a única instituição em Moçambique que representa os autores

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA 3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO DE ORIZICULTORES DE PORTUGAL FIGUEIRA DA FOZ 16 DE FEVEREIRO DE 2012 1. A Centromarca 2. A distribuição moderna 3. As relações produção / distribuição

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Pormenorização e Quantificação das Fraudes dos Clientes

Pormenorização e Quantificação das Fraudes dos Clientes Pormenorização e Quantificação das Fraudes dos Clientes 1. Na sequência da reunião havida ficámos com a incumbência de saber quanto poderia custar a operação de recolha de opiniões dos utilizadores de

Leia mais

Os Direitos do Consumidor:

Os Direitos do Consumidor: DIREITOS E DEVERES Segundo a legislação, consumidores são todas as pessoas que compram bens para uso pessoal, a alguém que faça da venda a sua profissão. A Lei n.º 24/96, de 31 de Julho estabelece os direitos

Leia mais

Governo das Sociedades E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Governo das Sociedades E RESPONSABILIDADE SOCIAL Governo das Sociedades E RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS 23-2-2015 Carlos Tavares 1. Quando falamos em governo das sociedades e no papel da respectiva regulação, a primeira questão que se nos depara

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos WWW.FORUMCOMPETITIVIDADE.ORG MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos para Reflexão Dezembro 215 Apoio Contextoe objetivos desta reflexão O Forum para a Competitividade

Leia mais

O Sistema da Reciclagem em Portugal:

O Sistema da Reciclagem em Portugal: O Sistema da Reciclagem em Portugal: Comparação com outros Estados-Membros Nuno Ferreira da Cruz, Pedro Simões, Sandra Ferreira, Marta Cabral e Rui Cunha Marques CEG-IST Centro de Estudo de Gestão do IST

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

De acordo com a definição dada pela OCDE,

De acordo com a definição dada pela OCDE, Contabilidade Nacional: território geográfico, unidades residentes e operações económicas De acordo com a definição dada pela OCDE, A Contabilidade Nacional é uma técnica que se propõe apresentar sob uma

Leia mais

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Abril 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3.

Leia mais

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 8 14 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Tendências do consumo de café em países importadores selecionados Antecedentes

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA OESTE AFRICANA O Conselho de Ministros DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA O CONSELHO DE MINISTROS

Leia mais

Anteprojecto. Grupo 2. Projecto Informático do 5º ano. Informática de Gestão

Anteprojecto. Grupo 2. Projecto Informático do 5º ano. Informática de Gestão Grupo 2 Projecto Informático do 5º ano Informática de Gestão Índice Índice ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 MISSÃO 3 OBJECTIVOS 4 AMBIENTE DE EXPLORAÇÃO 5 Software 5 Hardware 6 POLÍTICA DE HISTÓRICOS 7 POLÍTICA DE

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. FAÇA LETRA LEGÍVEL. Duração desta prova: TRÊS HORAS.

GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. FAÇA LETRA LEGÍVEL. Duração desta prova: TRÊS HORAS. 2 a Etapa GEOGRAFIA SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Leia atentamente o CARTAZ sobre ELIMINAÇÃO AUTOMÁTICA, afixado na parede da sala, à sua frente, e as instruções que se

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento

Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento Eixo I _ Inovação, Desenvolvimento Tecnológico e Sociedade do Conhecimento I.1. Incentivos Directos e Indirecto às Empresas Tipologia de Investimento CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Sites ajudam a achar freelances, mas profissionais reclamam de valores baixos

Sites ajudam a achar freelances, mas profissionais reclamam de valores baixos 30/11/2014-02h00 Sites ajudam a achar freelances, mas profissionais reclamam de valores baixos ANDRÉ CABETTE FÁBIO DE SÃO PAULO Sites para a contratação de profissionais autônomos proliferaram e prometem

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL, instituição de utilidade pública, com o número de identificação de pessoa colectiva 503 323 055, com sede na Avenida da Siderurgia Nacional, S. Mamede do Coronado,

Leia mais