De que falamos quando falamos de cópia privada?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De que falamos quando falamos de cópia privada?"

Transcrição

1 De que falamos quando falamos de cópia privada? O estudo de Martin Kretschmer. Um dos aspectos mais disputados em torno do tema cópia privada é, claro, o dos seus dados. Como qualificar e quantificar usos de equipamentos e suportes, ganhos e prejuízos, como calcular tarifas e, principalmente, qual o seu impacto na formação de preços de suportes e equipamentos. Assinalemos, para já de modo esquemático, que em torno desta exceção ao direito de autor e direitos conexos, a cópia privada, e das respectivas compensações devidas a artistas, autores e produtores, estes se defrontam com uma das mais ricas senão a mais rica das indústrias mundiais, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) e seus distribuidores. Apetece citar, como ilustração, um estudo feito em 2010 para uma associação de consumidores inglesa, muito ativa nesta área e contra a existência de tarifas, onde se passa em revista o trabalho existente, os dados, sobre o impacto económico das tarifas. Concluem os autores que, além de dois estudos, abaixo referenciados, quanto ao restante: Para ser claro, existem muitíssimas declarações sobre o papel das tarifas, e algumas delas podem incluir números mas estes não são considerados nem análise económica nem prova 1. Não é só a escassez ou a qualidade dos dados que se questiona. Quando surgem é também o seu significado que pode ser posto em causa. 1 Rogers, Mark; Corrigan, Ray and Tomalin, Joshua (2010). The economic impact of consumer copyright exceptions: A literature review, Consumer Focus, London, UK, Tradução do autor. Os estudos em causa foram encomendados por entidades em pontos opostos do debate : Nathan Associates (2006) Private Copying Levies on Digital Equipment and Media: Direct Effects on Consumers and Producers and Indirect Effects on Sales of Online Music and Ringtones, um estudo encomendado pela Copyright Levy Reform Alliance s, uma associação criada no essencial pelas TIC; o segundo estudo citado é o EconLaw Strategic Consulting (2007). Economic Analysis of Private Copy Remuneration, estudo encomendado pela GESAC (Groupement Européen des Sociétés d Auteurs et Compositeurs), traduzindo diretamente, um agrupamento europeu de sociedades de autores e compositores. 1

2 Iremos aqui considerar um exemplo, o estudo realizado por Martin Kretschmer para o Intellectual Property Office do Reino Unido em finais de 2011, bastante referenciado, também em Portugal, e que pela data de publicação escapa naturalmente ao exame de Rogers et ali. 2. O documento integra, em cerca de 70 páginas, um relatório e três estudos. Iremos focar-nos no segundo desses estudos, o que analisa os efeitos empíricos das tarifas, e num dos aspectos particulares que pondera, central para as discussões: quem paga o sistema. O estudo utiliza como base os preços finais, online e loja, de três categorias de equipamentos que incluem tarifas: 2 impressoras, 3 pod s, e 3 pad s. Cobre um conjunto de 20 países apresentando os valores dos impostos sobre o consumo que são praticados, que em dois casos, EUA e Canadá, são objecto de construção, justificada. Os valores são apresentados em euros. Quanto ao valor das tarifas o estudo utiliza aquela que é provavelmente a mais citada das fontes quanto às questões de cópia privada ou de gestão colectiva: os relatórios anuais da sociedade holandesa de gestão de cópia privada Stichting de Thuiskopie. A primeira página do relatório é sintomática da interpretação criativa a que estão sujeitos os trabalhos sobre este tema, muitas vezes para além do que poderia suportar a integridade dos dados em que se baseiam e das conclusões a que efetivamente chegam os seus autores. Logo na primeira nota substancial do estudo o Autor distancia-se de uma interpretação abusiva das suas conclusões, feita a partir de uma versão preliminar do seu trabalho e onde lhe é atribuída uma posição contrária à exceção da cópia privada. 2 Kretschmer, Martin, (2011). Private Copying and Fair Compensation: An empirical study of copyright levies in Europe, Por ocasião do debate em torno do Projeto-lei 118/XII, este estudo é citado na nota técnica que analisa o documento, e também por três entidades que se opõem, com argumentos distintos, ao regime de cópia privada (Creative Commons Portugal, pela AGEFE - Associação Empresarial dos Setores Elétrico, Eletrodoméstico, Fotográfico e Eletrónico e NOKIA) Recomenda-se a consulta do estudo para uma análise da metodologia seguida pelo Autor, reconhecido especialista na área, que aqui, evidentemente, não cabe na sua plenitude. 2

3 É no entanto nos critérios utilizados para apresentação de alguns dos seus resultados que se revela alguma ambiguidade interpretativa. As operações de ordenação dos dados que realiza não tornam evidente, senão com dificuldade, as relações entre imposto, tarifa e preço final. Apresentaremos aqui, por razões óbvias, apenas um exemplo de cada uma das categorias selecionadas. O gráfico 1 apresenta os preços para o IPod 8GB. Os valores de imposto, em percentagem, devem ser lidos na escala da direita, enquanto preço de venda e tarifas, em euros se podem cotar na escala da esquerda. Os dados são retirados da tabela 5 do estudo, agora simplesmente em ordem crescente de valor de venda. A haver uma relação, ela parece evidente entre preços e a fiscalidade, mas não entre aqueles e as tarifas. 3

4 Utilizando os mesmos critérios, no gráfico 2 (tabela 7 do estudo) vemos o preço para o IPad2 16GB. De novo as relações não são demasiado evidentes, mas orientam-se para preço e imposto. No caso alemão, a maior das tarifas tem o terceiro melhor preço. Um último exemplo, de uma impressora multifunções, a HP 4500, expressa no gráfico 3 (tabela 3 do estudo), é aquele que torna mais evidente que a formação de preços não depende de qualquer modo significativo das tarifas aplicadas: 4

5 Os valores mais altos da tarifa, Alemanha e Espanha estão no grupo dos preços mais baixos e mesmo o caso da Bélgica tem um valor praticamente em cima da média. Como assinala o Autor na nota ao seu gráfico existe uma fraca correlação positiva entre a soma dos valores de IVA e tarifa e o valor de venda: Alguns autores diriam que esse valor não é sequer significativo. Mas se realizarmos a operação exclusivamente entre o IVA e o valor de venda essa correlação é ainda fraca, mas já significativa, de + 0,47. Isto porque entre tarifas e valor de venda existe uma correlação negativa de -0,21, insignificante, a não ser pelo seu sinal. A formação dos preços tem claramente outros determinantes que não as tarifas. Apetece evocar um dos mais influentes pioneiros das ciências sociais em Portugal, Adérito Sedas Nunes, que sugeria a substituição do termo dados pelo mais esclarecedor captados, também porque permitiria tornar evidente a existência de uma agenda, diríamos hoje, na sua recolha, ordenação, classificação e apresentação. As TIC dispõem de vastos recursos, da experiência em agir num mercado que criaram e obviamente dominam, cada vez mais online e por isso rico de oportunidades de estudo do comportamento dos consumidores, extensamente exploradas em diversas outras dimensões. Seria de esperar que tivessem já produzido estudos que provassem inequivocamente alguns dos pontos que defendem, nomeadamente que os equipamentos e os suportes não se destinam significativamente á exploração da cópia privada, logo não causando qualquer prejuízo, ou que os preços finais dos equipamentos são fortemente influenciados pelas tarifas. Mas não 5

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

Presidente da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

Presidente da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Exma. Sra. Presidente da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Deputada Edite Estrela Assunto: Resposta à solicitação de parecer/contributo da AEL aos Projetos de Lei n.o 124/XIII/1.a

Leia mais

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental 3º Seminário As finanças locais, instrumento da política ambiental Propostas da campanha nacional RFA Índice da apresentação - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT - RFA Nacional - Resumo seminários

Leia mais

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão

Leia mais

O Sistema da Reciclagem em Portugal:

O Sistema da Reciclagem em Portugal: O Sistema da Reciclagem em Portugal: Comparação com outros Estados-Membros Nuno Ferreira da Cruz, Pedro Simões, Sandra Ferreira, Marta Cabral e Rui Cunha Marques CEG-IST Centro de Estudo de Gestão do IST

Leia mais

O financiamento das empresas portuguesas

O financiamento das empresas portuguesas O financiamento das empresas portuguesas 1. Um dos efeitos colaterais da crise financeira ainda em curso foi o aumento da relevância do financiamento das empresas pelo mercado em detrimento do crédito

Leia mais

Understanding Economic Growth A Macro-level, Industry-level, and Firm-level Perspective. Summary in Portuguese

Understanding Economic Growth A Macro-level, Industry-level, and Firm-level Perspective. Summary in Portuguese Understanding Economic Growth A Macro-level, Industry-level, and Firm-level Perspective Summary in Portuguese Understanding Economic Growth ISBN-92-64-019332 OECD 2004 Nos últimos anos, as diferenças no

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Posição dos Profissionais dos Departamentos Ultramarinos Franceses relativamente à reforma da PCP

Posição dos Profissionais dos Departamentos Ultramarinos Franceses relativamente à reforma da PCP Posição dos Profissionais dos Departamentos Ultramarinos Franceses relativamente à reforma da PCP Observação preliminar Este documento, elaborado sob a égide do Comité National des Pêches Maritimes et

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA 3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO DE ORIZICULTORES DE PORTUGAL FIGUEIRA DA FOZ 16 DE FEVEREIRO DE 2012 1. A Centromarca 2. A distribuição moderna 3. As relações produção / distribuição

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

International Migration Outlook 2012. Perspectivas sobre a Imigração para 2012. Summary in Portuguese. Sumário em Português

International Migration Outlook 2012. Perspectivas sobre a Imigração para 2012. Summary in Portuguese. Sumário em Português International Migration Outlook 2012 Summary in Portuguese Leia todo o livro em: 10.1787/migr_outlook-2012-en Perspectivas sobre a Imigração para 2012 Sumário em Português O abrandamento dos fluxos migratórios

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para FENPROF. Agosto 2010. Campanha Colaboradores

Newsletter. Condições especiais para FENPROF. Agosto 2010. Campanha Colaboradores Newsletter Agosto 2010 Campanha Colaboradores Condições especiais para FENPROF Principais Vantagens para Colaboradores A Vodafone oferece condições especiais de tarifas e de aquisição de equipamentos.

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

Fototeca Municipal. Regulamento

Fototeca Municipal. Regulamento Fototeca Municipal Regulamento Índice 1. Norma Habilitante 2. Definição 3. Objectivos 4. Cedência de Fotografias 5. Condições de Utilização 6. Direito de Propriedade 7. Acesso Requisitos e Contactos 8.

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2007

PARECER N.º 51/CITE/2007 PARECER N.º 51/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo

Leia mais

Há vida para além das patentes. Paulo Trezentos (ADETTI/Caixa Mágica)

Há vida para além das patentes. Paulo Trezentos (ADETTI/Caixa Mágica) Há vida para além das patentes (ADETTI/Caixa Mágica) Seminário APDC - As "Computer-Implemented Inventions" e a Propriedade Intelectual Sana Lisboa Hotel, 21 de Junho de 2005 Agenda Introdução Posição Argumentação

Leia mais

"A redução da burocracia nos sistemas de incentivos"

A redução da burocracia nos sistemas de incentivos "A redução da burocracia nos sistemas de incentivos" Reporto-me expressamente à notícia de ontem, 2006.12.19, sobre a decisão de extensão pelo Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Dr. Rui

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL Newsletter Agosto 2012 Campanha ASAPOL Condições especiais para ASAPOL Principais Vantagens para Associados Campanha ASAPOL A Vodafone oferece condições especiais de tarifas e de aquisição de equipamentos.

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL*

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem como objectivo calcular um Índice de Condições Monetárias (ICM) para a economia portuguesa, o qual constitui

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Car Policy Benchmark

Car Policy Benchmark Car Policy Benchmark LeasePlan Consultancy Services André Freire 30 de Setembro 2015 LeasePlan Consultancy Services Serviços de Consultoria Em Portugal a LeasePlan iniciou a sua aposta nos serviços de

Leia mais

dossier 2016 1.911.626 Utilizadores anuais a ferramenta de marketing on-line do sector suinícola

dossier 2016 1.911.626 Utilizadores anuais a ferramenta de marketing on-line do sector suinícola 1.911.626 Utilizadores anuais dossier 2016 www.3tres3.com.pt www.3tres3.com www.pig333.com www.3trois3.com www.3tre3.it www.3tres3iberico.com www.3trzy3.pl www.3drei3.de www.pig333.cn www.pig333.ru www.carndeporc.cat

Leia mais

VANTAGEM. prémios. catálogo

VANTAGEM. prémios. catálogo é VANTAGEM prémios catálogo som e imagem SI01 SI02 PlayStation 4 500GB 10700 p ipod touch 6020 p SI03 SI04 ipod nano 4570 p Micro Hi-Fi 2150 p som e imagem SI05 SI06 SI07 Leitor DVD 1040 p Micro sistema

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Campus Politécnico, 3504-510 Repeses - Viseu Tel: 232 480 662 Fax: 232 480 551 www.adiv.pt E.mail: adiv@adiv.pt

Campus Politécnico, 3504-510 Repeses - Viseu Tel: 232 480 662 Fax: 232 480 551 www.adiv.pt E.mail: adiv@adiv.pt Setembro de 2009 Concurso de Ideias para Logótipo da ADIV Associação para o Desenvolvimento e Investigação de Viseu Regulamento 1. Promotor A ADIV Associação para o Desenvolvimento e Investigação de Viseu,

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006)

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Este documento tem como objectivo ajudar os nossos clientes a trabalhar com o nosso site. Se necessitar de alguma ajuda extra não hesite em contactar-nos. Apesar

Leia mais

Auditoria. Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009

Auditoria. Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009 Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas 30 REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009 Ana Sofia Nunes Revisora Oficial de Contas Auditoria 1 Introdução No âmbito do Clarity Project, em curso, do International

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

NORA :: Nonobvious Relationship Awareness. Ética na Sociedade da Informação :: conceitos básicos. Aspectos éticos, sociais e políticos

NORA :: Nonobvious Relationship Awareness. Ética na Sociedade da Informação :: conceitos básicos. Aspectos éticos, sociais e políticos Aspectos éticos, sociais e políticos Aspectos éticos, sociais e políticos 1 Aula 10 Aspectos éticos, sociais e políticos Tendências tecnológicas chave que levantam questões éticas Ética na Sociedade da

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

Ie Serviços de Apoio

Ie Serviços de Apoio Ie Serviços de Apoio Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 228 039 Despesas de funcionamento 9 122 590 Investimento 3 072 415 Total 15 350 629 Proveitos 170 687 Enquadramento da Actividade

Leia mais

RESUMO E CONTEXTO DA AVALIAÇÃO

RESUMO E CONTEXTO DA AVALIAÇÃO AVALiAÇÃO DA OCM "LEITE E PRODUTOS LÁCTEOS" E DO REGULAMENTO "QUOTAS" RESUMO E CONTEXTO DA AVALIAÇÃO A. RESUMO Na Europa, o leite representa cerca de 20% da produção agrícola, gera 1,5 milhões de empregos

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

NSi Output Manager Perguntas frequentes. Version 3.2

NSi Output Manager Perguntas frequentes. Version 3.2 NSi Output Manager Perguntas frequentes Version 3.2 I. Informações gerais sobre o produto 1. Novos recursos no NSi Output Manager 3.2 Existem vários novos melhoramentos no servidor para o NSi Output Manager

Leia mais

Introdução de computadores portáteis assemblados em Portugal pré instalados com software Open Source. Estudo de impacto económico

Introdução de computadores portáteis assemblados em Portugal pré instalados com software Open Source. Estudo de impacto económico Introdução de computadores portáteis assemblados em Portugal pré instalados com software Open Source Estudo de impacto económico Janeiro 2012 Índice 1 Apresentação do estudo...3 2 Pressupostos de análise...4

Leia mais

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011 Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011 Lisboa, 2 de Junho de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Rede Nacional e Lojas da Exportação 3. Rede Externa 4.

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA JUNTA DE FREGUESIA DA GAFANHA DA NAZARÉ POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA RELATÓRIO DE BALANÇO DO VERÃO 2011 Gafanha da Nazaré, Novembro de 2011 1. INTRODUÇÃO O Posto da Barra, é uma infra-estrutura situada

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A FAIRFIELD: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante denominado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

REGISTO DE NOMES GEOGRÁFICOS OU TRADICIONAIS COMO MARCA i

REGISTO DE NOMES GEOGRÁFICOS OU TRADICIONAIS COMO MARCA i REGISTO DE NOMES GEOGRÁFICOS OU TRADICIONAIS COMO MARCA i 1.A melhor forma legal de proteger nomes geográficos ou tradicionais usados para designar produtos agrícolas, agro-alimentares ii e não alimentares

Leia mais

Quanto custa pagar impostos em Portugal? Os custos de cumprimento das empresas

Quanto custa pagar impostos em Portugal? Os custos de cumprimento das empresas II CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EFAA Quanto custa pagar impostos em Portugal? Os custos de cumprimento das empresas Cidália Mota Lopes 11 de Dezembro de 2007 ESTRUTURA I Introdução II Custos de cumprimento:

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Bússola Eleitoral Portugal

Bússola Eleitoral Portugal Bússola Eleitoral Portugal Descubra o seu posicionamento no panorama político português nas eleições legislativas de 2009 Associe-se a www.bussolaeleitoral.pt 1 kieskompas: Bússola Eleitoral www.bussolaeleitoral.pt

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Normas para apresentação de dissertações

Normas para apresentação de dissertações Normas para apresentação de dissertações Bases Essenciais Manuel A. Matos Resumo: Neste documento descrevem-se os aspectos essenciais a ter em conta na apresentação de dissertações ou documentos similares,

Leia mais

AUDIO PORTO CREATIVE TERRITORIES

AUDIO PORTO CREATIVE TERRITORIES SOBRE NÓS AUDIO PORTO É UM PORTO DE 3.500 M2 EM PERMANENTE EXPANSÃO, COM O PROPÓSITO DE CONECTAR EMPRESAS, EMPREENDEDORES, ARTISTAS, PROJETOS GOVERNAMENTAIS E O PÚBLICO LOCAL E GLOBAL DA ECONOMIA CRIATIVA.

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos WWW.FORUMCOMPETITIVIDADE.ORG MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos para Reflexão Dezembro 215 Apoio Contextoe objetivos desta reflexão O Forum para a Competitividade

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA. COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Bruxelas,9.2.2004 COM (2004) 83 final Relatório sobre a concorrência nos serviços das profissões liberais. PT PT Relatório sobre a concorrência nos serviços

Leia mais

Existe um catálogo físico ou virtual para ver os produtos?

Existe um catálogo físico ou virtual para ver os produtos? O que é HIPERCASHonline? HIPERCASHonline é uma nova oportunidade de ganhar rendimentos extra, manipulando somente produtos de primeira necessidade, onde podemos obter os mesmos artigos que já estamos habituados

Leia mais

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de:

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de: EVENTOS DE SURF 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 7 1. Caracterização da amostra 8 2. Satisfação 15 4. Regressar e recomendar 20 3 Metodologia 23 Contextualização do Projecto

Leia mais

Serviços Partilhados e Externalização Logística

Serviços Partilhados e Externalização Logística Serviços Partilhados e Externalização Logística Vias para aumentar a eficiência nos cuidados de saúde e recuperar a sustentabilidade do SNS Augusto Mateus 23.11.2011 1. (In)sustentabilidade do SNS 2.

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

Economia Não Registada: Actualização do índice para Portugal

Economia Não Registada: Actualização do índice para Portugal Economia Não Registada: Actualização do índice para Portugal Nuno Gonçalves e Óscar Afonso 1 Nota Prévia 2 O (OBEGEF) constituiu-se no dia 21 de Novembro de 2008, como associação de direito privado sem

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR

2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR ,3 Bruxelas, 16 de Maio de 2002 2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR 'H DFRUGR FRP R ~OWLPR 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR YHULILFDPVH DLQGD

Leia mais

Transformando Crise em Oportunidade

Transformando Crise em Oportunidade ESTUDOS E PESQUISAS Nº 478 Transformando Crise em Oportunidade Otávio M. Azevedo * XXV Fórum Nacional (Jubileu de Prata 1988/2013) O Brasil de Amanhã. Transformar Crise em Oportunidade. Rio de Janeiro,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Porque devemos utilizar a empresa Tungsten-Network para enviar as nossas facturas? Para além das vantagens indicadas anteriormente, a facturação electrónica é o método preferido pela

Leia mais

O NOVO REGULAMENTO EUROPEU SOBRE PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS

O NOVO REGULAMENTO EUROPEU SOBRE PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS O NOVO REGULAMENTO EUROPEU SOBRE PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS 27 May 2014 Mónica Salgado Advogada Registered European Lawyer com a Solicitors Regulatory Authority Inglesa TÓPICOS De onde viemos E para onde

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 04 abril 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

PUB. Interface. Banca &Seguros

PUB. Interface. Banca &Seguros Interface Banca &Seguros PUB DOSSIER Marketing Bancário: focos em tempo de crise RADAR Sistema financeiro no triângulo estratégico DOSSIER Tecnologias de informação e gestão de fraude Tendências Mobilidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

que beneficie bastante mais cedo, e em maior medida, das fases iniciais da aplicação do TTIP.

que beneficie bastante mais cedo, e em maior medida, das fases iniciais da aplicação do TTIP. Sumário Executivo Em 2013, no rescaldo da recente crise financeira, a União Europeia (UE) e os Estados Unidos da América (EUA) lançaram uma ambiciosa iniciativa conjunta para estimular as suas respetivas

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02-2016

Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02-2016 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA

PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) Ano lectivo 2010-2011 PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Setembro 2010 Regente/Coordenador Luís D. S. Morais BLOG pessoal especializado em direito

Leia mais

ACORDO DE DISTRIBUIDOR E PATROCINADOR INTERNACIONAL PORTUGAL

ACORDO DE DISTRIBUIDOR E PATROCINADOR INTERNACIONAL PORTUGAL ACORDO DE DISTRIBUIDOR E PATROCINADOR INTERNACIONAL PORTUGAL Este Acordo de Distribuidor e Patrocinador Internacional é realizado entre a Nu Skin International, Inc., uma empresa do Utah, 75 West Center

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NATIONAL SEMINAR ON THE WIPO INTERNET TREATIES AND THE DIGITAL TECHNOLOGY

NATIONAL SEMINAR ON THE WIPO INTERNET TREATIES AND THE DIGITAL TECHNOLOGY ORIGINAL: Portuguese DATE: September 11, 2001 E COORDENAÇÃO DE DIREITO AUTORAL MINISTÉRIO DA CULTURA WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION ASSOCIACÃO BRASILEIRA DOS PRODUTÓRES DE DISCOS NATIONAL SEMINAR

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO CIENTISTAS E ARTISTAS II

REGULAMENTO DO CONCURSO CIENTISTAS E ARTISTAS II REGULAMENTO DO CONCURSO CIENTISTAS E ARTISTAS II 1. CONCURSO O Concurso Cientistas e Artistas II ( Concurso ) é uma iniciativa da TEXAS INSTRUMENTS PORTUGAL ( TI ) e tem como objectivo incentivar os alunos

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Agenda Enquadramento

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO Pós-Graduação de CONSULTORIA EMPRESARIAL ESTUDO DE CASO. Módulo.: CONSULTORIA EM MARKETING

INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO Pós-Graduação de CONSULTORIA EMPRESARIAL ESTUDO DE CASO. Módulo.: CONSULTORIA EM MARKETING INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO Pós-Graduação de CONSULTORIA EMPRESARIAL ESTUDO DE CASO «Vinho do Porto» Módulo.: CONSULTORIA EM MARKETING (Feliciana Polaco Paulo Farinha Pedro Jacinto) Março

Leia mais