COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br"

Transcrição

1 COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras Tributação e seus impactos na rentabilidade

2

3 editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos multidisciplinares. Do conhecimento técnico ligado a farmácia, bem como administrar a empresa, Recursos Humanos, Comunicação, Marketing, Vendas, além de conhecimentos financeiros, econômicos e tributários. Possuir esse diferencial garante uma empresa saudável, bem gerida e economicamente sustentável. Neste módulo iremos tratar de um assunto ligado ao universo dos tributos para a farmácia e principalmente as mudanças em relação à Substituição Tributária. Os tributos sempre foram um tabu para os empresários, mas cada vez mais o departamento comercial, e não só o contábil, tem se preocupado com o assunto. As mudanças são enormes, começando com o aumento das fiscalizações e apertos tributários. É preciso estar atento às principais mudanças do mercado e suas influências, além disso, todo bom profissional deve estar preparado para atender à demanda de informação, sobretudo aqueles ligados à contabilidade. Mas muitos empresários têm saído dessa situação e se descoberto bem- -sucedidos, fazendo com que sua empresa seja mais competitiva. Aproveite este treinamento. Boa leitura. Lígia Favoretto Editora-chefe Expediente DIRETORIA Gustavo Godoy, Marcial Guimarães e Vinícius Dall Ovo EDITORA-chefe Lígia Favoretto EDITORa de arte Mariana Sobral DEPARTAMENTO COMERCIAL executivas de contas Jucélia Rezende Luciana Bataglia Marketing e Projetos Luciana Bandeira Colaboradores da edição Revisão Maria Stella Valli Textos Marcelo Cristian Ribeiro e Luiz Antônio de Lima (Desenvolva Consultoria e Treinamento) IMPRESSÃO Arvato projeto gráfico Mariana Sobral > Rua Leonardo Nunes, 198, Vila Clementino, São Paulo (SP), CEP Tel.: (11) Os artigos publicados e assinados não refletem necessariamente a opinião da editora. O conteúdo dos anúncios e das bulas é de responsabilidade única e exclusiva da empresa anunciante. 3

4 sumário 06 Pág. 06 Gestão O que acontece com o varejo quando o assunto é tributos Pág. 09 Finanças Gerenciar preços e descontos é a melhor maneira de fiscalizar e evitar perdas 09

5 13 Pág. 13 Atualidade Saiba como calcular de forma eficiente a Substituição Tributária 5

6 gestão Tributos para o varejo Manter as contas do negócio em dia é uma ação que facilita os cálculos tributários A expectativa de uma reforma tributária tem sido cada É fácil de entender: os governos, que isso está acontecendo? vez mais iminente, mas enquanto isso não ocorre no adotando medidas de controle e fisca- tanto federal quanto estadual, estão Brasil, vive-se um momento lização cada vez maiores, fazendo com de arrecadação recorde. Por que será que a sonegação do setor desapareça. 6 compra certa fotos shutterstock

7 terá mais valor fiscal, pois a operação já estará registrada assim que for finalizada a venda, independentemente da emissão do cupom. Avanço da tecnologia como arma de fiscalização Para entender melhor é só observar as ações tecnológicas na área tributária. Começando pelo controle que já é uma realidade através do Sistema Público de Escrituração Digital ou SPED, onde todas as operações de entrada e saída da empresa são controladas via digital, e o governo tem se preparado para isso implantando vários mecanismos, um deles a nota fiscal eletrônica, que já é uma realidade. Outro mecanismo que ainda não tem data é a nota fiscal eletrônica no varejo, isto é, a extinção do cupom fiscal. Com isso, o cupom fiscal físico, aquele que sai da impressora, não Isenção de impostos em medicamentos Outro fato que está em discussão é a isenção de impostos federais em medicamentos. Essa isenção terá pouco ou quase nenhum impacto para nós, varejistas, pois, como já sabemos, a maioria dos medicamentos vendidos está na lista positiva ou negativa, e os da lista positiva já são isentos dos impostos federais, PIS e Cofins, sendo que nos da lista negativa há tributação na fonte e, portanto, não há recolhimento na venda. O que pode ocorrer, porém, é que, com a isenção, todos os medicamentos isentos passarão a ter o markup de 38,23% como já acontece hoje com os produtos da lista positiva. Impacto da tributação no lucro na farmácia A avaliação do impacto dos tributos no lucro da farmácia depende muito da característica de venda, isto é, vendem-se mais genéricos, ou referência, ou ainda se vende mais perfumaria? Com estes dados é possível avaliar o quanto representam os tributos em uma empresa. Outro fator que se deve levar em conta é o regime tributário, pois uma empresa no Super Simples e no lucro presumido é tributada pelo valor da venda, independentemente do lucro, enquanto que uma empresa que esteja 7

8 gestão no lucro real é sempre tributada pela rentabilidade final depois de descontadas as despesas. A empresa, para se enquadrar no regime tributário, tem de seguir algumas regras. Exemplo: para estar no Simples não pode faturar mais do que R$ ,00 por mês, sendo que no lucro presumido o limite é de R$ ,00. A decisão de qual regime é melhor para sua empresa requer alguns cálculos, pois depende de alguns fatores: 1. Faturamento. 2. Calcular o valor da folha de pagamento em relação aos encargos, pois no regime do Super Simples o INSS patronal está incluído na alíquota, enquanto que no lucro presumido e real é preciso calcular o INSS sobre a folha de pagamento. 3. Avaliar qual é a margem de rentabilidade, pois uma empresa com pouco desconto na venda sugere que tenha uma margem melhor, o que indicaria o Super Simples como melhor opção, e ao contrário a empresa que pratica altos descontos na venda optaria pelo lucro real. A opção quanto ao regime tributário e a sua troca só poderá ocorrer no encerramento do exercício, isto é, dezembro. Sistema de gestão Não faz muito tempo, isto é, antes da nota fiscal eletrônica, a conferência de mercadoria era manual inclusive com sistema de gestão não adaptado a conferência automática. Com a implantação da nota fiscal eletrônica a conferência se faz obrigatória pelo XML. Então, as empresas estão sendo obrigadas a investir em sistema cada vez mais completo incluindo compras, recebimentos e controle de estoque automático e automatizados. Hoje é inadmissível que uma farmácia não tenha um bom sistema de gestão para tomada de decisões. 8 compra certa

9 finanças O que fazer para compensar as perdas? A forma de precificar os produtos e de dar desconto também influi nos tributos O impacto dessa nova modalidade pode ser positivo ou negativo. Positivo, se a sua empresa não dá muito desconto para o cliente. Na Substituição Tributária (ST) a base de cálculo em todos os casos possui um fator de redução e, com isso, essa base pode ser menor do que o valor efetivamente vendido. No Simples, dependendo da alífotos shutterstock 9

10 finanças quais são os impostos de uma farmácia? Imposto Municipal: ISS (antigo ISSQN) Imposto sobre Serviços; Cálculo é o faturamento líquido do mês X índice da prefeitura. Imposto Estadual: ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. Impostos Federais: IRPJ Imposto de Renda de Pessoa Jurídica; CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido; Cofins Contribuição para Financiamento da Seguridade Social; PIS Contribuição ao Programa da Integração Social; IPI Imposto sobre Produtos Industrializados; INSS Contribuição ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) (Parte da Empresa). Como é o regime SIMPLES: No regime Simples, todos os impostos federais estão englobados. Sua base de cálculo é uma tabela com um percentual sobre a venda líquida da farmácia, levando em conta o acumulado dos últimos 12 meses. O contador soma as Leituras Z emitidas pela Impressora Fiscal e emite a guia de recolhimento. IRPJ e CSLL: Varia natabela do Simples de 0,00% até 0,54% para o IRP; 0,21% até 0,54% para a CSLL; 0,00% até 0,38% para o PIS; 0,74% até 1,60% para a Cofins. INSS (Parte da Empresa): Varia de 1,80% até 4,60% conforme a faixa de faturamento. 10 compra certa

11 quota em que você se encontra, também pode ser positiva a aplicação da ST. Será negativo se a sua empresa der desconto acima do fator de redução. O que fica provado é que quanto menor for o valor da venda do seu produto em relação à base de cálculo, maior será o impacto negativo para recolhimento da ST. Lembrando que não há a opção de não aceitar a ST e fazer a apuração, ou seja, neste caso, é obrigatório aceitar a ST na compra. Os compradores terão sempre que ficar atentos, pois com certeza em alguns casos haverá impacto do desconto ou na nota fiscal ou financeiro no boleto, fator preponderante para um bom negócio. Também é preciso avaliar a possibilidade de receber produtos em bonificação. Enfim, para tudo se deve calcular o impacto no preço final do produto. Atenção na entrada de mercadorias A entrada de mercadorias é muito importante nas questões tributárias, isso porque é na entrada que se coibe erros que impactarão o volume de tributos a pagar e essa é uma responsabilidade do comprador. É comum ver o comprador preocupado com o desconto apenas, sendo que muitas empresas distribuidoras, na maioria por falta de conhecimento, faturam de modo errôneo causando um custo indevido. PIS/COFINS Todos os medicamentos são enquadrados em listas (positiva, negativa e neutra). De acordo com elas, o governo isentou o pagamento de PIS e Cofins no varejo devido a este imposto já ter sido pago antes na cadeia. Por isso, para garantir que você não pague um imposto indevido, é necessário falar com o contador à vista de um relatório de vendas que mostre o faturamento, de acordo com a lista abaixo: Positiva (Não incide PIS/Cofins); Negativa (Não incide PIS/Cofins); Neutra (Incide PIS/Cofins); Liberados (Incide PIS/Cofins). 11

12 finanças qual é o regime tributário preferido? Todo empresário deve no final do ano ir ao contador e avaliar o desempenho da sua empresa, verificando o quanto é importante manter-se no regime atual ou mudar de regime. Em relação ao modelo de tributação, se a empresa estiver no Simples o impacto da cobrança do ICMS antecipado pela ST não é tão grande. Agora, a empresa que estiver no lucro presumido ou real e estava no regime onde o ICMS era calculado pelo débito e crédito e também trabalha com uma margem de lucro apertada, isto é, praticava descontos agressivos, terá um impacto grande no ICMS, diminuindo com certeza a sua margem. Bem antes da implantação, a empresa que estava no regime do Super Simples recolhia o ICMS através do cálculo da venda no fechamento do mês pela alíquota referente a ela, isto é, quando se recolhe o Super Simples recolhem- -se seis impostos: IRPJ, CSLL, PIS, Cofins, INSS, ICMS. No caso de produtos com ST, descontamos desta alíquota o valor correspondente ao ICMS; se a empresa está no lucro presumido ou lucro real, não se apura o ICMS; não existe mais o cálculo de crédito na entrada e débito na venda do produto. Para isso, é necessário utilizar o Demonstrativo de Resultado. Através dele você poderá conhecer e medir seu ponto de equilíbrio e realizar suas estratégias, observando os impactos em sua rentabilidade segundo cada regime tributário. O que é mais vantajoso: comprar dentro ou fora do estado? Depois da implantação e dentro da legislação, quando não existe nenhum acordo entre o distribuidor e o estado de origem, não existe vantagem em comprar de outro estado, pois a diferença da ST deverá ser recolhida no estado de destino sempre, levando em conta que cada estado tem sua regra de prazo de recolhimento. Sendo assim, não compensa comprar por outro estado. 12 compra certa

13 atualidade Substituição Veja algumas simulações e aprenda a calcular de forma prática e eficaz Tributária Para relembrar, a ST é o sistema pelo qual o ICMS devido pela farmácia e distribuidor são pagos antecipadamente pela indústria farmacêutica e repassados com base em cálculos que veremos a seguir. Como os preços praticados pelas farmácias estão abaixo do Preço Máximo ao Consumidor (PMC), é permitido aplicar descontos no valor do PMC e é sobre esses valores com descontos que o ICMS será calculado. Categoria Percentual (%) de desconto Referência Genéricos Similares Outros Positiva 22,55 28,70 15,62 22,80 Negativa 16,62 24,53 17,12 17,70 Neutra 20,32 28,17 16,93 20,52 Cálculos da ST A ST vem com um conceito de base de cálculo. Trata-se de usar um valor como base de cálculo fixo tendo como referência o PMC, por meio de um redufotos shutterstock 13

14 atualidade tor de acordo com a categoria em que o medicamento se encontra (referência, genérico e/ou similar). O cálculo da ST é feito através da redução do PMC de acordo com o grupo do produto. Veja um exemplo: 1) O que preciso para o cálculo de um medicamento com o PMC R$ 100,00: Lista Positiva Índice 22,55% 2) Cálculo para descobrir a base de cálculo da nota: 100 X 22,55% = 22, ,55 = 77,45 (base de cálculo da ST) O preço da nota é de R$ 50,00. 3) Cálculo para descobrir o valor do imposto na nota: 77,45 50,00 = 27,45 27,45 x 18% (alíquota SP) = R$ 4,94: este é o valor da ST. 50,00 (valor do medicamento) + 4,94 (valor ST) = R$ 54,94. Neste caso receberemos a nota no valor de R$ 54,94. Simulação dos impactos da ST conforme a característica da venda Conforme as simulações, ocorrerá sim um impacto na rentabilidade dos produtos. Esse impacto pode ser ainda maior de acordo com a característica de venda da farmácia. Claro que as distribuidoras e indústrias de medicamentos de similares e genéricos já estão se posicionando para que a competitividade seja mantida e exerça pouca influência no repasse do aumento de custo ao consumidor. O impacto do caixa depende das características de venda da farmácia, pois o grupo dos medicamentos de referência terá o valor da ST reduzido, sendo que o de genéricos e similares pode sofrer alguns acréscimos. 1) Simulação de um genérico da lista positiva: Produto: Genérico Lista: Positiva Desconto na compra: 50% Situação atual (Antes da implantação da nova ST). 14 compra certa

15 Situação atual (Após a Implantação da Nova ST) Impacto De acordo com o exemplo, medicamento da lista positiva do grupo genérico tendo desconto de compra de 50% tem um valor de ST de R$ 6,17. Nas mesmas condições, a partir da implantação do novo modelo terá um valor de ST de R$ 8,74. Portanto, o impacto sobre o preço varia de 12,34% para 17,48%. 2) Simulação de um referência da lista positiva: Produto: Referência Lista: Positiva Desconto na compra: 5% Situação Atual (antes da implantação da Nova ST) 15

16 atualidade Mais Simulações a) Simulações com o medicamento referência Sem ST Lista PF Desconto Comercial P. Líq. Negativa Positiva Neutra Negativa Positiva Neutra Negativa Positiva IVA L. Pos. Base de cálculo ST IVA Real ST Custo Total Impacto da ST PmC 100,00 5,00% 95,00 38,23% 95,00 0,00% 138,23 100,00 5,00% 95,00 33,05% 95,00 0,00% 133,05 100,00 5,00% 95,00 41,38% 95,00 0,00% 141,38 Exemplo com ST a partir de Jan/ ,00 5,00% 95,00 49,26% 138,23 45,51% 7,78 102,78 8,19% 138,23 100,00 5,00% 95,00 49,26% 133,05 40,05% 6,85 101,85 7,21% 133,05 100,00 5,00% 95,00 49,26% 141,38 48,82% 8,35 103,35 8,79% 141,38 Exemplo com ST a partir de Jan/ ,00 5,00% 95,00 22,55% 107,06 12,69% 2,17 97,17 2,28% 138,23 100,00 5,00% 95,00 16,62% 110,94 16,78% 2,87 97,87 3,02% 133,05 Neutra 100,00 5,00% 95,00 20,32% 112,65 18,58% 3,18 98,18 3,34% 141,38 Impacto dos produtos de referência na nova ST com desconto na compra de 5% sobre o preço de fábrica: Na lista positiva o custo do produto com ST passa de 102,78 para 97,17, portanto uma diminuição de 5,46%. Na lista negativa o custo do produto com ST passa de 101,85 para 97,87, portanto uma diminuição de 3,91%. Na lista neutra o custo do produto com ST passa de 103,35 para 98,18, portanto uma diminuição de 5,00%. 16 compra certa

17 b) Simulações com produtos similares Lista PF Desconto Comercial P. Líq. IVA L. Pos. Base de cálculo ST IVA Real ST Custo Total Impacto da ST PMC Exemplo com ST a partir de Jan/2011 Negativa Positiva Neutra Negativa Positiva 100,00 60,0% 40,00 68,54% 67,42 68,54% 4,93 44,93 12,34% 138,23 100,00 60,0% 40,00 68,54% 67,42 68,54% 4,93 44,93 12,34% 133,05 100,00 60,0% 40,00 68,54% 67,42 68,54% 4,93 44,93 12,34% 141,38 Exemplo com ST a partir de Out/ ,00 60,0% 40,00 15,62% 116,64 191,60% 13,79 53,79 34,49% 138,23 100,00 60,0% 40,00 17,12% 110,27 175,68% 12,65 52,65 31,62% 133,05 Neutra 100,00 60,0% 40,00 16,93% 117,44 193,61% 13,94 53,94 34,85% 141,38 Impacto dos produtos de similares na nova ST com desconto na compra de 60% sobre o preço de fábrica: Na lista positiva o custo do produto com ST passa de 44,93 para 53,79, portanto uma diminuição de 19,72%. Na lista negativa o custo do produto com ST passa de 44,93 para 52,65, portanto uma diminuição de 17,1%. Na lista neutra o custo do produto com ST passa de 44,93 para 59,94, portanto uma diminuição de 20,04%. 17

18 atualidade b) Simulações com produtos genéricos Lista PF Desconto Comercial P. Líq. IVA L. Pos. Base de cálculo ST IVA Real ST Custo Total Impacto da ST PMC Exemplo com ST a partir de Jan/2011 Negativa Positiva Neutra Negativa Positiva 100,00 60,0% 40,00 68,54% 67,42 68,54% 4,93 44,93 12,34% 138,23 100,00 60,0% 40,00 68,54% 67,42 68,54% 4,93 44,93 12,34% 133,05 100,00 60,0% 40,00 68,54% 67,42 68,54% 4,93 44,93 12,34% 141,38 Exemplo com ST a partir de Out/ ,00 60,0% 40,00 28,70% 98,56 143,39% 10,54 50,54 26,35% 138,23 100,00 60,0% 40,00 24,53% 100,41 151,03% 10,87 50,87 27,19% 133,05 Neutra 100,00 60,0% 40,00 28,17% 101,55 153,88% 11,08 51,08 27,70% 141,38 Impacto dos produtos de similares na nova ST com desconto na compra de 60% sobre o preço de fábrica: Na lista positiva o custo do produto com ST passa de 44,93 para 50,54, portanto uma diminuição de 12,47%. Na lista negativa o custo do produto com ST passa de 44,93 para 50,87, portanto uma diminuição de 13,22%. Na lista neutra o custo do produto com ST passa de 44,93 para 51,08, portanto uma diminuição de 13,67%. 18 compra certa

19

20

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

Quem somos? Nossa Missão:

Quem somos? Nossa Missão: Bem Vindos! Quem somos? A GEPC Consultoria Tributária é uma empresa especializada em consultoria para Farmácias e Drogarias com mais de 6 anos de mercado neste seguimento. Apoiando e atualizando nossos

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias BIG AUTOMAÇÃO Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5 Imposto... 5 Taxa... 5 Contribuição... 5 Tributos... 5

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação Programa desenvolvido especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação (Simples/Presumido/Real) para

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

Empresas. prestadoras de serviços

Empresas. prestadoras de serviços 2011 Empresas prestadoras de serviços Material de uso exclusivo da Contabilidade Sistema, colaboradores e clientes Desenvolvido pelo Depto. Fiscal. Versão: 01/03/2011 SUMÁRIO - O QUE É LUCRO PRESUMIDO...

Leia mais

FARMÁCIA. Comunitária. Tributação em Farmácias e Drogarias CONSIDERAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO NA ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA. Brasília setembro de 2011

FARMÁCIA. Comunitária. Tributação em Farmácias e Drogarias CONSIDERAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO NA ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA. Brasília setembro de 2011 FARMÁCIA Brasília setembro de 2011 Tributação em Farmácias e Drogarias CONSIDERAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO NA ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA 2 FARMÁCIA INTRODUÇÃO O Brasil é um dos países com a maior carga tributária

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido

Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido Gerar EFD Contribuições Lucro Presumido 1º Acesse o menu Controle, opção Parâmetros, clique na guia Impostos, e certifique-se de que estão incluídos os impostos do regime 4- Pis e 5 Cofins. Na guia Federal,

Leia mais

Treinamento de formação de preço de venda Tributação Brasil

Treinamento de formação de preço de venda Tributação Brasil Treinamento de formação de preço de venda Tributação Brasil Treinamento com foco na formação de preço de venda de Produtos Objetivos do Treinamento 1 Entender os impactos dos impostos no preços dos Produtos

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais

Empresário Empreendedor

Empresário Empreendedor Empresas x Tributação Empresário Empreendedor Carga Tributária Obrigações acessórias Receita Federal Receita Estadual Previdência Social Receita Municipal Situação Tributária do Negócio Para o Empresário

Leia mais

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS O que é SPED? É um arquivo de texto que detalha todas as movimentações fiscais da empresa em um determinado período, listando todas as operações de compra (Notas de compra)

Leia mais

NF-e Nota Fiscal Eletrônica

NF-e Nota Fiscal Eletrônica NF-e Nota Fiscal Eletrônica Através do FórmulaCerta é possível efetuar o envio da Nota Fiscal Eletrônica, mas para fazer uso desta rotina é necessário efetuar algumas configurações para realizar esta tarefa.

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Como cadastrar um produto usando o Futura Server

Como cadastrar um produto usando o Futura Server Cadastro do Produto Como cadastrar um produto usando o Futura Server Aqui temos dicas importantes para cadastrar seu produto antes de realizar as suas movimentações. Com o Futura Server aberto, acesse

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

DJAZIL. Informativo. Organize pagamentos e a Declaração do IRPF. Inicie seu ano com o planejamento tributário

DJAZIL. Informativo. Organize pagamentos e a Declaração do IRPF. Inicie seu ano com o planejamento tributário Informativo DJAZIL Informativo Djazil Nº150 Ano XIII JANEIRO/FEVEREIRO 2014 Data para pagamento do IPTU é alterada para março Adesão ao Simples Nacional deverá ter novo teto Página 3 Página 2 Inicie seu

Leia mais

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. CENÁRIO ATUAL DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL; 2. ENTRAVES E PROBLEMAS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO RELACIONADOS

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10 Índice 1. A formação de preços de venda com base no custo do produto...3 2 1. A FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDA COM BASE NO CUSTO DO PRODUTO Os cálculos que serão a seguir

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Como escolher o enquadramento tributário de sua empresa

Como escolher o enquadramento tributário de sua empresa Página 1 de 6 Grave nosso FEED Pensando Grande Página Inicial Autores deste blog Contato Sobre Como escolher o enquadramento tributário de sua empresa Por CamilaZanqueta em 29 de July de 2010 O Brasil

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PIS / COFINS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PIS / COFINS MANUAL DE ORIENTAÇÃO PIS / COFINS OUTUBRO / 2009 1 INTRODUÇÃO Este manual tem o objetivo de apresentar aos franqueados o Sistema Farmais de Cadastro de Produtos para auxílio nos lançamentos no Programa

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Portfólio de serviços - 1

Portfólio de serviços - 1 Portfólio de serviços - 1 www.valortributario.com.br { C om experiência de quem há mais de 12 anos oferece soluções empresariais para os mais diversos segmentos, a VALOR TRIBUTÁRIO destaca-se como uma

Leia mais

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria Sobre o que é este Ebook! Se Você esta lendo este Ebook é porque tem interesse sobre Pricing. No Brasil mais

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X

EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 12.07.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - LEITURA X 2.1 - Representação de Valores

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Neste bip. EFD Contribuições. Você sabia? Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT. edição 22 Junho de 2012

Neste bip. EFD Contribuições. Você sabia? Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT. edição 22 Junho de 2012 Neste bip EFD Contribuições... 1 Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT... 1 Configuração da Demonstração do Fluxo de Caixa... Configuração do Plano de Contas de acordo com a Lei 11.638/07...

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Preparando a farmácia para vender mais. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Preparando a farmácia para vender mais. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503120 Preparando a farmácia para vender mais editorial Sinônimo de lucros Atualmente em um mercado cada vez mais competitivo,

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Repasse O que é? Como se Calcula? Utilizado somente em medicamentos

Repasse O que é? Como se Calcula? Utilizado somente em medicamentos Repasse O que é? Como se Calcula? Utilizado somente em medicamentos Introdução Se você esta entrando agora no mercado Farmacêutico pode estar se perguntando o que é o repasse? Muitos até confundem com

Leia mais

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC)

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) EMPRESA: LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) NOME DO ARQUIVO Existem dois nomes possíveis: um para as notas de saída e outro para as notas de entrada. - Saídas : O nome do arquivo deve

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Palestra no SINCOPEÇAS-RS 22 de maio de 2014 www.alfredo.com.br PREÇO DE VENDA E MARGEM DE LUCRO 2 GOVERNO CONCORRENTES FORNECEDOR EMPRESA CLIENTES PREÇO DE

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

Setembro / 2014. Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC. Santa Catarina Minas Gerais. Federal Santa Catarina São Paulo

Setembro / 2014. Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC. Santa Catarina Minas Gerais. Federal Santa Catarina São Paulo Setembro / 2014 01 02 03 04 05 ICMS-MG IRRF; IOF Código de Prazo de Recolhimento (CPR): 1031 - FG Agosto/2014 MG - DAPI 1; ICMS-MG Fumo; ICMS-MG GIA/Água Natural APRENDIZAGEM - NÚMERO DE MATRÍCULAS NOVAS;

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Manual do Módulo. MerchNotas

Manual do Módulo. MerchNotas Manual do Módulo MerchNotas Bento Gonçalves (RS), Agosto de 2010 Índice 1. Introdução... 4 2. Menu Entrada de Notas... 5 2.1. Entrada de Notas (F11)... 5 2.2. Entrada de Notas NFe (F12)... 8 2.3. Apuração

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

SSPlus (8.0) REA Relatório Explicativo de Alterações. REA SSPlus 8.0

SSPlus (8.0) REA Relatório Explicativo de Alterações. REA SSPlus 8.0 1 REA Relatório Explicativo de Alterações SSPlus (8.0) Autor : Alana Trindade Criado em 08/09/2015 Impresso Arquivo REA Relatório Explicativo de Alterações Versão 8.0.114 a 2 CONTEÚDO COMPRAS...5 81872

Leia mais

Importação de Notas pelo Código de Barras DANFE... 12

Importação de Notas pelo Código de Barras DANFE... 12 IMPORTAÇÃO DE NF-E (ENTRADA) SUMÁRIO Importação de Notas pelo Arquivo XML... 2 Parametrização dos Produtos... 4 Parametrização de Código de Situação Tributária (CST)... 5 CST de ICMS... 5 CST de IPI...

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido

Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido Sumário Aspectos gerais para validação da EFD Contribuições Lucro Presumido 1. Cadastro de Empresas... 2 2. Cadastro de Participantes...

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 5 1 - DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa de consultoria tributária para rotinas de apuração de IRPJ/CSLL, PIS/COFINS, bem

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 10/2015 2ª SEMANA MARÇO DE 2015

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 10/2015 2ª SEMANA MARÇO DE 2015 News Consultoria, treinamento para gestão administrativa e atuação em processos e negócios. CCA BERNARDON CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 10/2015 2ª SEMANA MARÇO DE 2015 DESTAQUES DA SEMANA: TRIBUTOS

Leia mais

Roteiro de Cadastros - GESTOR

Roteiro de Cadastros - GESTOR Página1 INDICE 1. MODULO EMPRESA 1.1. CADASTRO DE USUARIO --------------------------------------------------------------------- 4 1.2. CADASTRO DA EMPRESA --------------------------------------------------------------------

Leia mais

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF)

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF) 1 Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão SEM Impressora de cupom fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa...3 2. Configurações dos Parâmetros......3 3. Cadastro de cliente...4

Leia mais

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação 2013 2014 PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014 Apresentação Assets Contadores e Consultores Associados, fundada ano 2000, é uma empresa jovem e totalmente dinâmica, que busca sempre o melhor

Leia mais

Novembro/ 2015. Minas Gerais ICMS-MG. Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul Santa Catarina Minas Gerais

Novembro/ 2015. Minas Gerais ICMS-MG. Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul Santa Catarina Minas Gerais Novembro/ 2015 02 ICMS-MG 03 04 05 a) Contribuintes optantes pelo Simples Nacional - Diferencial de alíquotas- Fato Gerador de Agosto/2015; b) Contribuintes optantes pelo Simples Nacional - Pagamento Antecipado

Leia mais

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS BOLETIM INFORMATIVO DUARTE BENETTI CONTABILIDADE ANO XXIX Nº 122 Dezembro / 2013 Assuntos Diversos...1 Fiscal... 2 Pessoal... 3 Social... 4 Feriado e Agenda Obrigações...5 Mensagem...6 ASSUNTOS DIVERSOS

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA. NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP

O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA. NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP 1. Certificado Digital - Antes de mais nada você precisa possuir um certificado digital

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

Julho/2015. Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC. Santa Catarina Minas Gerais. Federal Santa Catarina São Paulo. Rio Grande do Sul Minas Gerais

Julho/2015. Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC. Santa Catarina Minas Gerais. Federal Santa Catarina São Paulo. Rio Grande do Sul Minas Gerais Julho/2015 01 02 03 04 05 06 07 ICMS-MG IRRF; IOF; APRENDIZAGEM - NÚMERO DE MATRÍCULAS NOVAS. Código de Prazo de Recolhimento (CPR): 1031 - FG GIA/Água Natural MG - DAPI 1; ICMS-MG Fumo; ICMS-MG ICMS/

Leia mais

MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA ESCRITÓRIO CONTÁBIL CAIRES

MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA ESCRITÓRIO CONTÁBIL CAIRES MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA ESCRITÓRIO CONTÁBIL CAIRES Por: Douglas Adolpho Maicon F. Campos COMO BAIXAR EMISSOR DE NF-e (novo!). Acesse o site da Secretária do Governo do Estado de São Paulo (www.fazenda.sp.gov.br/nfe),

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO WFISCAL

APOSTILA PARA O CURSO WFISCAL TREINAMENTO Visão Estar posicionada entre as maiores e melhores provedoras de solução de gestão empresarial do Brasil Missão Desenvolvimento e fornecimento de soluções e serviços através de softwares para

Leia mais

Analista Fiscal. ICMS, IPI, ISS, PIS/Pasep e Cofins. (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Fernanda Silva

Analista Fiscal. ICMS, IPI, ISS, PIS/Pasep e Cofins. (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Fernanda Silva Analista Fiscal ICMS, IPI, ISS, PIS/Pasep e Cofins (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Orientadores Fernanda Silva Advogada; consultora da CPA; Pós-Graduada em

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Processos eficazes no departamento de compras. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Processos eficazes no departamento de compras. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503118 Processos eficazes no departamento de compras editorial Eficiência necessária Quem nunca passou o dia todo muito ocupado,

Leia mais

SPED3100 Geração Registro Apuração PIS/COFINS

SPED3100 Geração Registro Apuração PIS/COFINS SPED3100 Geração Registro Apuração PIS/COFINS v04.35 Março/2011 Conforme processo ( SPED_DIV_PIS_COFINS ), o objetivo do programa é gerar/listar o registro de apuração do PIS/COFINS segundo o Manual de

Leia mais

Escrito por Galdino WS Seg, 12 de Maio de 2008 06:44 - Última atualização Seg, 12 de Maio de 2008 07:43

Escrito por Galdino WS Seg, 12 de Maio de 2008 06:44 - Última atualização Seg, 12 de Maio de 2008 07:43 Prestamos serviços com o objetivo de atender as necessidades de cada empresa. Trabalhamos com softwares e equipamentos de ponta totalmente integrados em rede. Investimos constantemente na melhoria dos

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais