CÁLCULO DE ÍNDICES AMBIENTAIS DOS PRINCIPAIS MUNICÍPIOS PARANAENSES COM BASE NO ICMS ECOLÓGICO. Máriam Trierveiler Pereira 1. Marcelino Luiz Gimenes 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULO DE ÍNDICES AMBIENTAIS DOS PRINCIPAIS MUNICÍPIOS PARANAENSES COM BASE NO ICMS ECOLÓGICO. Máriam Trierveiler Pereira 1. Marcelino Luiz Gimenes 2"

Transcrição

1 CÁLCULO DE ÍNDICES AMBIENTAIS DOS PRINCIPAIS MUNICÍPIOS PARANAENSES COM BASE NO ICMS ECOLÓGICO Máriam Trierveiler Pereira 1 Marcelino Luiz Gimenes 2 RESUMO A qualidade de vida urbana está diretamente relacionada a aspectos que retratam o cotidiano dos citadinos, ou seja, fatores da infra-estrutura, o desenvolvimento econômico-social e aspectos ambientais. Dentro da esfera ambiental, destacam-se as áreas verdes públicas, pois influenciam diretamente no bem estar, na saúde física e mental da população. Além de várias funções nobres, as áreas verdes, no Paraná, também proporcionam ao município um repasse de verbas provenientes do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação (ICMS) por força da Lei Complementar nº 59/91, a Lei do ICMS Ecológico. Em vista da importância do tema, o objetivo do trabalho foi calcular, para as principais cidades do Paraná, índices ambientais com base nos dados do ICMS Ecológico para o ano de Foram calculados o Índice de Áreas Verdes (IVA), o Índice de Repasse de ICMS Ecológico (IRIE) e o Índice Monetário das Áreas Verdes (IMAV) para dezesseis municípios do Paraná. Com relação ao IVA, os municípios de Paranaguá, Guarapuava e Ponta Grosssa apresentaram os maiores valores. Os municípios com maiores valores de IRIE foram Paranaguá, Foz do Iguaçu, Apucarana e Pinhais. Os municípios que têm as áreas verdes mais caras são Apucarana, Maringá, Cascavel e Toledo. Paradoxalmente, esses municípios apresentaram menores valores de IVA. Portanto, não podem ser fixadas taxas de áreas verdes baseando-se apenas em sua quantidade, mas também em sua qualidade. Dessa forma, a recomendação da OMS deve ser revista e ampliada. Percebeu-se, ainda, que a preservação ambiental das áreas verdes do município traz benefícios diretos e indiretos para a população e ecossistemas. Palavras-chave: Área verde urbana. ICMS ecológico. Índices ambientais. 1 Doutoranda, Universidade Estadual de Maringá-UEM, Programa de Pós-graduação em Engenharia Química, 2 Prof. Dr., Universidade Estadual de Maringá-UEM, Departamento de Engenharia Química DEQ,

2 1. INTRODUÇÃO A qualidade de vida urbana está diretamente relacionada a aspectos que retratam o cotidiano dos citadinos, ou seja, fatores da infra-estrutura, o desenvolvimento econômico-social e aspectos ambientais. Dentro da esfera ambiental, destacam-se as áreas verdes públicas, pois influenciam diretamente no bem estar, na saúde física e mental da população. A vegetação tem várias funções nobres em uma cidade, como por exemplo, regular a temperatura, manter a umidade relativa do ar, promover sombra fresca, diminuir a poluição atmosférica, preservar ecossistemas terrestres e aquáticos, aumentar a área permeável urbana, favorecer momentos de lazer e recreação, amenizar a paisagem urbana, entre outros. Além dessas, as áreas verdes também podem proporcionar aos municípios paranaenses um repasse de verbas provenientes do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação (ICMS) por força da Lei Estadual Complementar nº 59/91, a Lei do ICMS Ecológico. Em vista da importância do tema, o objetivo geral do trabalho foi calcular índices ambientais com base no ICMS ecológico para os principais municípios do Paraná. Para tanto foi necessário: a) definir os municípios a serem estudados; b) conhecer os relatórios do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) com os dados básicos para os cálculos dos coeficientes de conservação da biodiversidade e repasse do ICMS Ecológico; c) definir os índices a serem calculados; d) totalizar as áreas das unidades de conservação cadastradas por município em cada ano estudado; e) totalizar os valores repassados por município com o ICMS ecológico em cada ano estudado; e f) totalizar a população dos municípios no período estudado. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Áreas verdes urbanas Os jardins naturalistas surgiram na China, e logo foram incorporados ao Japão. Tinham cunho religioso, e para cada elemento que os compunham existia um significado simbólico próprio. Assim, tornava-se quase obrigatória a presença de pedras, água, pontes, lamparinas, dentre outros (LOBODA & DE ANGELIS, 2005). No Egito, Grécia e Roma os espaços verdes foram criados nas cidades para regulagem da temperatura e para o lazer. No Renascimento, essas áreas ganharam poder arquitetônico. No Brasil, os jardins seguiram essa tendência (MUMFORD, 1982). Ao longo da história o papel desempenhado pelos espaços verdes nas nossas cidades tem sido uma conseqüência das necessidades experimentadas de cada momento, ao mesmo tempo em que é um reflexo dos gostos e costumes da sociedade (LOBODA & DE ANGELIS, 2005). A vegetação ganhou espaço nas cidades de todas as civilizações, porém nos tempos modernos os jardins foram ficando cada vez mais raros (SANTOS, 1997). Assim, as zonas verdes devem ser estudadas sob o tríplice ponto de vista: da qualidade, da quantidade e da distribuição. Segundo Puppi (1986), se bem organizadas e distribuídas, as áreas verdes deveriam contar com 15 a 20% da superfície urbana. Como as cidades crescem também com relação à densidade demográfica, deve ser reservada, no mínimo, 10m² por habitante. A Organização Mundial da Saúde recomenda que os municípios mantenham 12m² de área verde por habitante para a garantia de uma vida saudável nos meios urbanos (ALVES, 1992). O conceito de área verde é, entretanto, controverso. Lima (1994) estabeleceu que espaço livre deve ser um conceito mais abrangente, que integra os demais espaços contrapondo-se à área urbana construída. Lima (1994) ainda conceituou área verde como o local onde há o predomínio de vegetação arbórea, englobando as praças, os jardins públicos e os parques urbanos. Os canteiros 2

3 centrais de avenidas e os trevos e rotatórias de vias públicas que exercem funções estéticas e ecológicas, devem, também, conceituar-se como área verde. Entretanto, as árvores que acompanham o leito das vias públicas não devem ser consideradas como tal, pois as calçadas são impermeabilizadas. Um parque urbano foi definido por Lima (1994) como uma área verde, com função ecológica, estética e de lazer, no entanto com uma extensão maior que as praças e jardins públicos. Estes últimos podem não ser considerados áreas verdes quando não têm vegetação e encontram-se impermeabilizados ICMS Ecológico O artigo 132 da Constituição do Estado do Paraná, em seu parágrafo único diz que terá direito ao crédito da receita estabelecida pelo ICMS os municípios que tenham unidades de conservação ambiental ou mananciais de abastecimento público em seu território (PARANÁ, 1989). Em vista disso, a Lei Estadual nº 9491, de 1990, estabeleceu que fosse repassado 5% do valor arrecadado em ICMS aos municípios enquadrados no Art. 132 da Constituição do Estado do Paraná (PARANÁ, 1990). Em 1991, a Lei Estadual Complementar nº 59, estabeleceu que 2,5% do ICMS arrecadado no Estado fossem destinados aos municípios com mananciais de abastecimento e os outros 2,5%, para os municípios com unidades de conservação ambiental. Estabeleceu, também, que no caso de municípios com sobreposição de áreas, fosse considerado o critério de maior compensação financeira (PARANÁ, 1991). Segundo essa Lei, são consideradas unidades de conservação as áreas de preservação ambiental, as estações ecológicas, os parques, as reservas florestais, as florestas, os hortos florestais e as áreas de relevante interesse de leis ou decretos federais, estaduais ou municipais, de propriedade pública ou privada. Os critérios técnicos de alocação de recursos a que alude a Lei Estadual Complementar nº 59 são definidos pelo Decreto Estadual nº 2791, de As fórmulas utilizadas estão reproduzidas nas Equações (1) a (4). Auc CCB ij *Fc (1) Am CCBI ij [CCB (CCB * Quc)]P (2) ij ij CCBMi CCBI ij (3) FM2 i CCBMi 0,5 100 (4) CCBM i Com i variando de 1 até o total de número de municípios beneficiados e j variando de 1 ao número total de Unidades de Conservação, a partir de suas interfaces, registradas no cadastro; Sendo: CCB ij Coeficiente de Conservação da Biodiversidade básico; Auc Área da unidade de conservação no município, de acordo com sua qualidade física; AM Área total do território municipal; Fc Fator de conservação, variável, atribuído às Unidades de Conservação em função das respectivas categoria de manejo, de acordo com Anexo III da Portaria IAP n 263/98; CCBI ij Coeficiente de Conservação da Biodiversidade por Interface; ΔQuc Variação da qualidade da Unidade de Conservação; P Peso ponderado, definido em Portaria do Instituto Ambiental do Paraná (IAP); 3

4 CCBM i Coeficiente de Conservação da Biodiversidade para o Município, equivalente a soma de todos os Coeficientes de Conservação de Interface calculados para o município; FM2 i Percentual calculado, a ser destinado ao município, referente às unidades de conservação, Fator Municipal 2. O Decreto Estadual nº 2791/96 não considera, para fins de registro no cadastro, as praças, áreas de lazer e espaços similares. O município pode cadastrar ou descadastrar as áreas de unidade de conservação apenas por força legal. O registro da unidade de conservação no cadastro deve ser precedido de um procedimento administrativo especial, composto de uma vistoria técnica investigatória, e se for o caso, a aplicação de uma tábua de avaliação da sua qualidade. Mais do que uma compensação, o ICMS Ecológico é instrumento de incentivo e contribuição complementar à conservação ambiental, segundo Loureiro (2002). Dessa forma, há... a possibilidade de incremento (ou diminuição) dos recursos repassados, em função da participação do município no esforço pela manutenção e recuperação do objeto conservado, as áreas especialmente protegidas. Este incremento é possibilitado a partir da utilização do "gabarito vertical", que, na prática, funciona como um multiplicador, ou seja, o município pode ter de "um andar" de unidade de conservação e até 31 andares de recurso financeiro, dependendo do seu nível de conservação. Um parque municipal na região de Maringá, por exemplo, pode ter uma superfície de 40 hectares que, dependendo do seu nível de conservação, pode representar ao município receita máxima na mesma ordem de uma unidade de conservação de hectares, ou seja, 31 vezes sua superfície original. Cada categoria de manejo de unidade de conservação, em seus diferentes níveis de criação e gestão, tem seus parâmetros, podendo incrementar recursos aos municípios em função da melhoria da qualidade da sua conservação (LOUREIRO, 2002). 3. METODOLOGIA Foram eleitos como principais municípios do Paraná os que, em 2008, contavam com habitantes. São eles: Apucarana, Arapongas, Araucária, Campo Largo, Cascavel, Colombo, Curitiba, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Londrina, Maringá, Paranaguá, Pinhais, Ponta Grossa, São José dos Pinhais e Toledo. O ano estudado foi de 2008, pois está disponível pela internet a memória de cálculo e extrato financeiro do ICMS Ecológico por biodiversidade, em reais, acumulado por mês e individualizado por município e por unidade de conservação ou área protegida (IAP, 2008). Nessa memória de cálculo estão apresentados os dados básicos para os cálculos dos coeficientes da conservação da biodiversidade, os nomes e as áreas das unidades de conservação ou outra área protegida, o Coeficiente de Conservação da Biodiversidade para o Município, o Índice Ambiental por Unidades de Conservação para o Município e o total de recursos financeiros repassados ao município. Com base nesses dados foram calculados o Índice de Áreas Verdes (IAV), o Índice de Repasse de ICMS Ecológico (IRIE) e o Índice Monetário das Áreas Verdes (IMAV) para os dezesseis municípios estudados. Esses índices (IAV, IRIE e IMAV) fazem parte do Índice de Qualidade Sócio-Ambiental Urbana (IQSAU), que é composto de índices sócio-econômicos, índices de infra-estrutura, índices ambientais e índices climáticos. Para o cálculo do Índice de Áreas Verdes (IAV) foram consideradas apenas as áreas cadastradas como unidades de conservação. As praças, áreas de lazer e arborização urbana foram desconsiderados. A Equação (5) foi utilizada para o cálculo do IAV. 4

5 AV IAV (5) P Onde: IAV Índice de Áreas Verdes, em m²/hab AV Áreas verdes no município cadastradas no IAP como base de cálculo para o ICMS Ecológico, em m² P população do município O Índice de Repasse de ICMS Ecológico (IRIE) foi calculado com a Equação (6). TRF IRIE (6) P Onde: IRIE Índice de Repasse de ICMS Ecológico, em R$/hab TRF Total de recursos financeiros repassados ao município, em R$ P população do município A população municipal de 2008 foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (IPARDES, 2009). O Índice Monetário das Áreas Verdes (IMAV), em R$/km², foi calculado com a Equação (7). IRIE IAV 6 IMAV *10 (7) 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES A Tabela 1 apresenta os dados retirados da memória de cálculo e extrato financeiro do ICMS Ecológico por biodiversidade, em reais, acumulado por mês e individualizado por município e por unidade de conservação ou área protegida (IAP, 2008). Os maiores valores estão em destaque. Percebe-se que os municípios com maiores áreas verdes cadastradas são Ponta Grossa, Guarapuava, Paranaguá, São José dos Pinhais e Foz do Iguaçu. Os maiores valores repassados foram para Foz do Iguaçu, Paranaguá e Curitiba. Os valores repassados para Ponta Grossa, Guarapuava e São José dos Pinhais não foram tão expressivos como para os outros municípios com grandes áreas. Observa-se que o valor repassado para Curitiba foi grande mesmo com uma área verde menor. Isso ocorre porque o cálculo do ICMS Ecológico é feito com base na quantidade a qualidade da área verde do município. A Tabela 2 mostra os valores calculados de IVA, IRIE e IMVA para os municípios em Os valores em destaque são os maiores índices. Com relação ao IVA, deve-se observar que as áreas utilizadas no cálculo podem fazer parte da área rural do município, o que faz com que o IVA seja majorado, como ocorre em Campo Largo, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Paranaguá, Ponta Grossa e São José dos Pinhais. Essas áreas, entretanto, encontram-se disponíveis e com fácil acesso à população local, além de influenciar diretamente no microclima do município, amenizando as temperaturas, aumentando a umidade relativa do ar, regulando o regime de chuvas e diminuindo a poluição atmosférica. Deve-se atentar também para o fato de que não são computadas as áreas de praças, áreas de lazer e arborização, o que pode fazer com que os municípios apresentem menor IVA real. 5

6 Tabela 1 Dados da memória de cálculo e extrato financeiro do ICMS Ecológico por biodiversidade Municípios Área verde (km²) Recursos financeiros repassados População (hab) (R$) Apucarana 0, , Arapongas 1, , Araucária 8, , Campo Largo 97, , Cascavel 2, ,70 292,318 Colombo 0,0000 0, Curitiba 84, , Foz do Iguaçu 139, , Guarapuava 452, , Londrina 19, , Maringá 1, , Paranaguá 378, , Pinhais 12, , Ponta Grossa 454, , São José dos Pinhais 223, , Toledo 1, , FONTE: IAP (2008); IPARDES (2009) Com relação ao IRIE, pode-se observar que Paranaguá obteve o maior valor para 2008, seguido dos municípios de Foz do Iguaçu, Apucarana e Pinhais. Esses valores são significativos, porque os recursos repassados aos municípios representam melhorias para a população. Tabela 2 Índices ambientais com base no ICMS Ecológico para os municípios em 2008 Municípios IVA (m²/hab) IRIE (R$/hab) IMVA (R$/km²) Apucarana 7,58 2, ,32 Arapongas 18,42 0, ,14 Araucária 75,70 1, ,15 Campo Largo 878,89 1, ,88 Cascavel 7,41 0, ,89 Colombo 0,00 0,00 0,00 Curitiba 46,50 0, ,06 Foz do Iguaçu 435,88 5, ,03 Guarapuava 2.635,20 1,16 440,96 Londrina 38,77 0, ,13 Maringá 5,03 1, ,65 Paranaguá 2.718,71 10, ,16 Pinhais 103,47 2, ,93 Ponta Grossa 1.461,54 1,24 849,58 São José dos Pinhais 813,25 1, ,05 Toledo 8,75 0, ,84 FONTE: Cálculos realizados pelos autores 6

7 Com relação ao IMAV, as áreas verdes mais caras estão nos municípios de Apucarana, Maringá, Cascavel e Toledo. Esses valores representam a qualidade da biodiversidade das áreas verdes cadastradas. Paradoxalmente, esses municípios apresentam os menores IVA. Não se deve, portanto, apenas utilizar o critério de quantidade de área verde em um município sem observar sua qualidade. Percebe-se, ainda, que o ICMS Ecológico é um excelente instrumento para a preservação ambiental por parte dos municípios. A conservação de áreas verdes urbanas motiva políticas públicas ambientalmente corretas, que além de melhorar a qualidade de vida da população, traz ao município benefícios financeiros diretos e indiretos. 5. CONCLUSÕES Após o término desse estudo, podem-se obter algumas conclusões: 1) Os municípios com maiores IVA, em 2008, são Paranaguá (2.718,71m²/hab), Guarapuava (2.635,20m²/hab) e Ponta Grossa (1.461,54m²/hab); 2) Os municípios com as maiores áreas cadastradas são Ponta Grossa, Guarapuava, Paranaguá, São José dos Pinhais e Foz do Iguaçu; 3) As cidades de Apucarana, Cascavel, Colombo, Maringá e Toledo possuem menos que 12m²/hab de áreas verdes, valor recomendado pela OMS; 4) Os municípios com maiores IRIE, em 2008, são Paranaguá, Foz do Iguaçu, Apucarana e Pinhais; 5) Os municípios com menores IRIE, em 2008, são Arapongas, Toledo e Cascavel; 6) Os maiores valores repassados em 2008 foram aos municípios de Foz do Iguaçu (mais de R$1,9 milhão), Paranaguá (mais de R$1,4 milhão) e Curitiba (mais de 1,2 milhão); 7) Os municípios que têm as áreas verdes mais caras são Apucarana, Maringá, Cascavel e Toledo; 8) As áreas verdes são mais caras quanto maior sua qualidade em biodiversidade; 9) Não podem ser fixadas taxas de áreas verdes baseando-se apenas em sua quantidade, mas também em sua qualidade. Dessa forma, a recomendação da OMS deve ser revista e ampliada; 10) A preservação ambiental das áreas verdes do município traz benefícios diretos e indiretos para a população e ecossistemas. AGRADECIMENTOS Agradecemos à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pelo financiamento de bolsa de pesquisa de Doutorado. Agradecemos também ao Helverton Luis Corino (IAP) pela colaboração na elaboração do artigo. REFERÊNCIAS ALVES, J. F. Metrópole, cidadania e qualidade de vida. São Paulo: Moderna, p. IAP (Instituto Ambiental do Paraná). Memória de cálculo e extrato financeiro do ICMS ecológico por biodiversidade, em reais, acumulado por mês e individualizado por município e por unidade de conservação ou área protegida. Disponível em: 7

8 <http://www.ucp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=22/>. Acesso em: 11 jun IPARDES (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social). Base de dados do Estado BDEweb. Disponível em: <http://www.ipardes.gov.br/imp/index.php/>. Acesso em: 10 mai LIMA, A. M. L. P. et al. Problemas de utilização na conceituação de termos como espaços livres, áreas verdes e correlatos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA, 2, São Luiz/MA. Anais... São Luiz: Imprensa EMATER/MA, p LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência - Revista do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais. v. 1, n. 1, Jan/Jun LOUREIRO, W. Contribuição do ICMS ecológico à conservação da biodiversidade no Estado do Paraná p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, MUNFORD, L. A cidade na história: suas origens, desenvolvimento e perspectivas. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, PARANÁ. Constituição do Estado do Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial, Decreto Estadual nº 2.791: Estabelece os critérios técnicos de alocação de recursos a que alude o art. 5º da Lei Complementar n.º 59, de 01 de outubro de 1991, relativos a mananciais destinados a abastecimento público e unidades de conservação. Curitiba: Imprensa Oficial, Lei Estadual nº 9491: Estabelece critérios para fixação dos índices de participação dos municípios no produto da arrecadação do ICMS. Curitiba: Imprensa Oficial, Lei Estadual Complementar nº 59: Dispõe sobre a repartição de 5% do ICMS, a que alude o art.2º da Lei 9.491/90, aos municípios com mananciais de abastecimento e unidades de conservação ambiental, assim como adota outras providências. Curitiba: Imprensa Oficial, PUPPI, Ildefonso C. Estruturação sanitária das cidades. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; São Paulo: CETESB, p. SANTOS, M. Espaço do cidadão. 3. ed. São Paulo: Nobel,

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro ICMS Ecológico Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais Wilson Loureiro Seminário Nacional sobre Pagamentos por Serviços Ambientais, 6, 7 e 8 de abril de 2009 Brasília Ministério

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ICMS VERDE ARRECADADO PELA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

EVOLUÇÃO DO ICMS VERDE ARRECADADO PELA CIDADE DO RIO DE JANEIRO EVOLUÇÃO DO ICMS VERDE ARRECADADO PELA CIDADE DO RIO DE JANEIRO *Débora Mury Alves Chueiri, Nathalia Andrade da Silva, Luciana Vieira Esteves, Leonardo Duarte Batista da Silva, Alexandre Lioi Nascentes

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre o ICMS Ecológico

Perguntas Frequentes sobre o ICMS Ecológico Perguntas Frequentes sobre o ICMS Ecológico 1) O ICMS ecológico é um imposto adicional? O consumidor paga a mais por isso? R. Não. O ICMS Ecológico não é um imposto a mais, sendo apenas um critério de

Leia mais

O ICMS ECOLÓGICO, UM INSTRUMENTO ECONÔMICO DE GESTÃO AMBIENTAL APLICADO AOS MUNICÍPIOS 1. Wilson Loureiro 2. Introdução 3

O ICMS ECOLÓGICO, UM INSTRUMENTO ECONÔMICO DE GESTÃO AMBIENTAL APLICADO AOS MUNICÍPIOS 1. Wilson Loureiro 2. Introdução 3 O ICMS ECOLÓGICO, UM INSTRUMENTO ECONÔMICO DE GESTÃO AMBIENTAL APLICADO AOS MUNICÍPIOS 1 Introdução 3 Wilson Loureiro 2 ICMS Ecológico é a denominação para qualquer critério ou a um conjunto de critérios

Leia mais

PROPOSTA DE UM SISTEMA NACIONAL DE ÁREAS VERDES Claudia Steiner, Eng.ª Agr.ª, doutoranda Geografia UFRGS claudia@maracaja.com.br

PROPOSTA DE UM SISTEMA NACIONAL DE ÁREAS VERDES Claudia Steiner, Eng.ª Agr.ª, doutoranda Geografia UFRGS claudia@maracaja.com.br PROPOSTA DE UM SISTEMA NACIONAL DE ÁREAS VERDES Claudia Steiner, Eng.ª Agr.ª, doutoranda Geografia UFRGS claudia@maracaja.com.br Apresentação Em diferentes trabalhos técnicos e acadêmicos brasileiros as

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

implementação, para que a quantidade de áreas protegidas e recursos gerados por meio do Icms Ecológico sejam otimizados.

implementação, para que a quantidade de áreas protegidas e recursos gerados por meio do Icms Ecológico sejam otimizados. AGENDA 21, UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E INCENTIVOS INTERGOVERNAMENTAIS: A DINÂMICA AMBIENTAL E FISCAL DO ICMS ECOLÓGICO NA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE 1 DIAS, Ricardina; 2 GARCIAS, Carlos Mello

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR DE QUALIDADE DE SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO E APLICAÇÃO NAS MAIORES CIDADES PARANAENSES

DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR DE QUALIDADE DE SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO E APLICAÇÃO NAS MAIORES CIDADES PARANAENSES DESENVOLVIMENTO DE INDICADOR DE QUALIDADE DE SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO E APLICAÇÃO NAS MAIORES CIDADES PARANAENSES 1 PEREIRA, Máriam Trierveiler & 2 GIMENES, Marcelino Luiz mariam.trier@gmail.com 1.

Leia mais

ICMS Ecológico. A Federação Goiana de Municípios orienta sobre ICMS Ecológico

ICMS Ecológico. A Federação Goiana de Municípios orienta sobre ICMS Ecológico ICMS Ecológico A Federação Goiana de Municípios orienta sobre ICMS Ecológico ICMS Ecológico O que é? O ICMS Ecológico é um mecanismo tributário que possibilita aos municípios acesso a parcelas maiores

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL 4 GESTÃO AMBIENTAL 4.1 INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL As informações da publicação do IBGE Perfil dos Municípios Brasileiros, de 2008, contribuíram para a construção dos indicadores Estrutura da Gestão

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

PRÊMIO EXCELÊNCIA EM GESTÃO COLÉGIO SESI

PRÊMIO EXCELÊNCIA EM GESTÃO COLÉGIO SESI PRÊMIO EXCELÊNCIA EM GESTÃO COLÉGIO SESI Caros Colaboradores dos Colégios Sesi, Finalmente divulgamos a todos o resultado do primeiro indicador do Prêmio Excelência em Gestão, iniciando nossa caminhada

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

MÓVEIS E MADEIRA. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

MÓVEIS E MADEIRA. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção MÓVEIS E MADEIRA SENAI - AMPÉRE Montagem de Móveis SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para Vigias

Leia mais

Servidão Florestal e ICMSE como ferramentas de conservação em terras privadas

Servidão Florestal e ICMSE como ferramentas de conservação em terras privadas Servidão Florestal e ICMSE como ferramentas de conservação em terras privadas MISSÃO da ONG Preservação Engajar proprietários nas ações de conservação e recuperação da Mata Atlântica em terras privadas.

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

Alimentos e bebidas. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

Alimentos e bebidas. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção Alimentos e bebidas SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Higiene Aplicada à Manipulação de Alimentos Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig)

Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig) Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig) Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro Agrônomo, Doutor em Economia e Política

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

PANIFICAÇÃO. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

PANIFICAÇÃO. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção PANIFICAÇÃO SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Higiene Aplicada à Manipulação de Alimentos Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES COORDENADORIA DE ESTATÍSTICA E EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES COORDENADORIA DE ESTATÍSTICA E EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES COORDENADORIA DE ESTATÍSTICA E EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO COMPARATIVO DOS ACIDENTES COM ÓBITOS EM ALGUMAS CIDADES PARANAENSES COM TRÂNSITO

Leia mais

PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS

PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS Estradas com araucárias 2012 Projeto Estradas com Araucárias PLANTIO DE ARAUCÁRIAS EM DIVISAS ENTRE PROPRIEDADES E ESTRADAS Introdução 2 Uma estrada de rodagem pode causar graves impactos ambientais, com

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

ATIVIDADES REALIZADAS PELO PROCON-PR E PELOS PROCONS INTEGRADOS AO SISTEMA ESTADUAL EM 2012

ATIVIDADES REALIZADAS PELO PROCON-PR E PELOS PROCONS INTEGRADOS AO SISTEMA ESTADUAL EM 2012 ATIVIDADES REALIZADAS PELO PROCON-PR E PELOS PROCONS INTEGRADOS AO SISTEMA ESTADUAL EM 2012 Com o objetivo de implementar e executar a política estadual de proteção, orientação, defesa e educação do consumidor,

Leia mais

INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL.

INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL. INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL. Adriano Lopes de Melo, Paulo César Silva da Motta e Deise Moreira Paulo 1 A discussão sobre a importância e necessidade

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Potencial de Geração e Aproveitamento de Rejeito Sólido Hospitalar na Região Oeste do Paraná

Potencial de Geração e Aproveitamento de Rejeito Sólido Hospitalar na Região Oeste do Paraná Potencial de Geração e Aproveitamento de Rejeito Sólido Hospitalar na Região Oeste do Paraná JEBAI, G. T. a, MOREJON, C. F. M. b a. Mestranda do Programa de Mestrado em Ciências Ambientais da Universidade

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ PARANACIDADE PPU III - Programa Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Urbano e Melhoria de Infraestrutura Municipal

ESTADO DO PARANÁ PARANACIDADE PPU III - Programa Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Urbano e Melhoria de Infraestrutura Municipal ESTADO DO PARANÁ PARANACIDADE PPU III - Programa Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Urbano e Melhoria de Infraestrutura Municipal RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL RAA VERSÃO PRELIMINAR Maio 2014 ÍNDICE

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE ÁRVORES NOS BAIRROS DA CIDADE DE SERRA TALHADA PE

COMPARAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE ÁRVORES NOS BAIRROS DA CIDADE DE SERRA TALHADA PE 220 COMPARAÇÃO ENTRE O NÚMERO DE ÁRVORES NOS BAIRROS DA CIDADE DE SERRA TALHADA PE Karen Silveira SANTOS¹ Wellington Jorge Cavalcanti LUNDGREN² Giovanna Alencar LUNDGREN¹ Sabrina Véras da SILVA³ 1 Graduando

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO

APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO SENAI - AMPÉRE auxiliar administrativo e de produção industrial SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS

Leia mais

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Cerâmicas e Olarias. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

Cerâmicas e Olarias. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção Cerâmicas e Olarias SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para Vigias e Porteiros

Leia mais

Apartamentos, Casas e Terrenos.

Apartamentos, Casas e Terrenos. A Urbanização que de planejamento e sustentabilidade. A Riviera de São Lourenço é uma referência mundial em desenvolvimento urbano sustentável. Seu Sistema de Gestão Ambiental, certificado pela norma ISO

Leia mais

BOLETIM LEGISLATIVO. Para localizar palavras neste documento pressione juntas, a tecla Ctrl e depois a tecla L União, Estado e Município de São Paulo

BOLETIM LEGISLATIVO. Para localizar palavras neste documento pressione juntas, a tecla Ctrl e depois a tecla L União, Estado e Município de São Paulo Federação do Comércio do Estado de SP, sexta-feira, O texto integral destes atos poderão ser vistos no site www.fecomerciosp.org.br Para localizar palavras neste documento pressione juntas, a tecla Ctrl

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Estela da Silva Lemes Secretaria do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia; coordenadora do Jardim Botânico;

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO TERRITÓRIO E GOVERNADOR Desmembrado de Estado de São Paulo Data de Instalação 19/12/1853 Data de Comemoração (Aniversário) 19 de Dezembro Governador(a) (TRE-PR) Carlos Alberto Richa ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS

Leia mais

VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG Câmpus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014

VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG Câmpus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Plantando a Semente, Cultivando Vidas Alex Lopes Carvalho 1 ; Vagner Aparecido Vítor² Ricardo Monteiro Corrêa ³; ¹ Estudantes de Agronomia. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Bambuí MG.

Leia mais

Mapeamento e Análise dos Espaços Livres Públicos de Centro de Florianópolis-SC, como contribuição ao Planejamento Urbano e Gestão Ambiental.

Mapeamento e Análise dos Espaços Livres Públicos de Centro de Florianópolis-SC, como contribuição ao Planejamento Urbano e Gestão Ambiental. Mapeamento e Análise dos Espaços Livres Públicos de Centro de Florianópolis-SC, como contribuição ao Planejamento Urbano e Gestão Ambiental. Resumo As cidades estão se tornando cada vez mais ambientalmente

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

QUÍMICA, FARMACÊUTICA E MATERIAL PLÁSTICO

QUÍMICA, FARMACÊUTICA E MATERIAL PLÁSTICO QUÍMICA, FARMACÊUTICA E MATERIAL PLÁSTICO SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

IGPs Indicadores de Gestão Pública Como usá-los na prática. osbrasil.org.br

IGPs Indicadores de Gestão Pública Como usá-los na prática. osbrasil.org.br IGPs Indicadores de Gestão Pública Como usá-los na prática Objetivo Os Indicadores Sociais são ferramentas que podem contribuir significativamente para uma boa atuação dos Observatórios nas esferas de

Leia mais

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 Florestas Energéticas Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 O IAPAR Vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), é o órgão de pesquisa que da embasamento tecnológico

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA FRICAL, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

Andreia Mota*, Kamila Gomes Barboza, Johnson Queiróz Villas Boas, Tony Carlo Souza, Marina Farcic Mineo

Andreia Mota*, Kamila Gomes Barboza, Johnson Queiróz Villas Boas, Tony Carlo Souza, Marina Farcic Mineo O CONCEITO DE JARDINS SUSTENTÁVEIS APLICADO AO PAISAGISMO URBANO DE FORMA A ENVOLVER ENTIDADES PÚBLICAS, PRIVADAS E CIDADÃOS: UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE UBERABA, MINAS GERAIS Andreia Mota*, Kamila

Leia mais

Educação Indígena no Paraná 2013. Educação Indígena no Paraná 2013

Educação Indígena no Paraná 2013. Educação Indígena no Paraná 2013 Curitiba Boletim PR, n. Resultados 8, out. 204, do p. Censo -6. Escolar Curitiba, n.8, out. 204, p. - Educação Indígena no Paraná 203 Educação Indígena no Paraná 203 A Educação Indígena é ofertada na rede

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL.

MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL. Lorenza Virginio Senis (*), Alexandre Borges Miranda,

Leia mais

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação

Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação Licenciamento ambiental de projetos com a presença de cavidades naturais subterrâneas: a evolução com a nova legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração Belo Horizonte, 26-29 setembro de 2011 Maria

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS SINDICATO DA CONSTRUÇÃO, GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NO ESTADO DE MATO GROSSO. (SINDENERGIA) ÍNDICE DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Estação Ecológica do Caiuá

Estação Ecológica do Caiuá Estação Ecológica do Caiuá Programa Voluntariado nas Unidades de Conservação do Paraná Relatório anual das Atividades Desenvolvidas pelos Voluntários da Estação Ecológica do Caiuá/Período de 2007 No ano

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

Porque é assim que a vida deve ser.

Porque é assim que a vida deve ser. A Urbanização que de planejamento e sustentabilidade. A Riviera de São Lourenço é uma referência mundial em desenvolvimento urbano sustentável. Seu Sistema de Gestão Ambiental, certificado pela norma ISO

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho dos Santos 1 Luiz Cláudio de Oliveira 2. Resumo

Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho dos Santos 1 Luiz Cláudio de Oliveira 2. Resumo AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS FINANCEIROS E AMBIENTAIS PARA O MANEJO FLORESTAL MADEIREIRO EM ÁREAS DE RESERVA LEGAL DE PEQUENAS PROPRIEDADES, NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Resumo Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004)

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) Aprova os critérios, normas, procedimentos e conceitos aplicáveis ao SISLEG Sistema

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 792, DE 2007 (Em Apenso: Projeto de Lei nº 1.190, de 2007)

PROJETO DE LEI N o 792, DE 2007 (Em Apenso: Projeto de Lei nº 1.190, de 2007) COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 792, DE 2007 (Em Apenso: Projeto de Lei nº 1.190, de 2007) Dispõe sobre a definição de serviços ambientais e dá outras providências

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

Ações do Conselho Municipal dos Direitos do Idoso CMDI. Gestão 2012 2014

Ações do Conselho Municipal dos Direitos do Idoso CMDI. Gestão 2012 2014 Ações do Conselho Municipal dos Direitos do Idoso CMDI Gestão 2012 2014 AÇÕES: Acompanhou, orientou e fiscalizou instituições de longa permanência de atendimento ao idoso, inclusive realizando a averiguação

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Capítulo II. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR

Capítulo II. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR Capítulo II. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR 2.1 O Sistema Nacional de Ensino Superior: Um Breve Panorama Após a promulgação da Constituição de 1988, iniciou-se um debate acerca

Leia mais

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM PROPOSTA DE UM MODELO DE NOVOS COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DO FPM PARA OS MUNICÍPIOS DO INTERIOR IBGE - Abril/2008 OBJETIVOS Proposta de criação de novos coeficientes

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais