Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros"

Transcrição

1 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios Gyogy Vaga RESUMO Implementamos e aplicamos divesas medidas estatísticas de avaliação de pefomance aos dez maioes fundos de ações ofeecidos no mecado basileio. Mostamos as difeentes classificações dos fundos de acodo com cada um desses indicadoes e os defeitos da sua aplicação na avaliação de fundos de investimento. O pincipal objetivo deste atigo é mosta as dificuldades da aplicação dos pincipais indicadoes de pefomance a fundos basileios. Palavas-chaves: investimentos; finanças; modelos de pefomance. ABSTRAT We applied seveal pefomance measues to evaluate the ten lagest stock mutual funds offeed in Bazil. The main pupose of this aticle is to intoduce and show the difficulties and shotfalls on the application of the pefomance measues to the bazilian mutual fund industy. Key wods: investments; finance; potfolio pefomance. RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001:

2 Gyogy Vaga INTRODUÇÃO O pocesso de seleção de um fundo de investimento pode se dividido em duas pates. A pimeia veifica qual a cateia adequada paa o investido; a segunda tenta descobi um gesto que pode supea o mecado. Se não fo encontado nenhum, então o caminho natual é um fundo passivo que apenas acompanhe as classes de ativos escolhidas. O investimento em fundo passivo é a efeência e a altenativa mais adequada, quando não há um bom gesto ativo conhecido (1). O gesto capaz de supea o mecado é aquele que tem acesso a melhoes infomações, e/ou tem modelos paa mais bem pocessa as infomações disponíveis paa o público em geal. É o conjunto de infomação e/ou seus modelos que pemitem ao bom gesto popociona um etono supeio ao do mecado, justificando assim a administação ativa. Em toca do etono supeio espeado, o gesto ativo costuma coba taxas de administação e de pefomance maioes do que os fundos de gestão passiva; potanto só vale a pena incoe nesse custo maio, quando há fote evidência de que o gesto ativo tem condição de supea o mecado. Os paticantes desse mecado e as publicações especializadas tentam classifica e aponta os melhoes fundos de investimento e também avalia a contibuição do gesto com base em pocedimentos estatísticos etiados dos modenos modelos de finanças. Esses pocedimentos são inspiados especialmente no modelo APM (), que postula ceta elação ente isco e etono. Outos modelos de isco paa o mecado financeio, tal como o APT (3), também podem se usados paa se avalia a pefomance de investimento, como pode se visto em qualque manual de finanças atual, como, po exemplo, Haugen (1997). Nas seções seguintes, mostamos algumas estatísticas simples de avaliação de pefomance, como a média do etono; estatísticas inspiadas no APM (ente elas o famoso índice de Shape), e outos pocedimentos que pemitem melho avaliação do timing de uma cateia ativa e também do sucesso da gestão passiva. A pincipal adição dos modelos de finanças à avaliação dos fundos vem da incopoação do isco, que se iniciou com o modelo de média-vaiância de Makowitz, na década de 50. Se o etono espeado de um fundo é tanto maio quanto maio seu isco, então a inclusão de alguma medida de isco na avaliação deste pemite melho veificação de quanto do etono popocionado po um gesto veio do isco assumido e quanto veio de seu talento ou sote. Assim, fica mais bem explicada a vedadeia contibuição do gesto paa o etono do fundo. 16 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

3 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios Outo aspecto impotante na inclusão do isco é a sua contibuição paa a deteminação da cateia ótima de um investido (paa investidoes que se impotem com isco, poquanto, no caso de investidoes neutos ao isco, basta conhece o etono espeado). Na avaliação de fundos de investimento, muitos paticantes e publicações especializadas tomam as estatísticas dos modelos acima, poduzidas com base em dados históicos, como se fossem bons estimadoes do futuo desempenho do fundo. Eles assumem a hipótese heóica de que séies de peços passados pemitem boas estimativas paa os peços futuos, daí o chavão de alguns: etonos passados não são gaantia de etonos futuos. Ainda que tivéssemos boas estimativas paa o isco e etono, um esultado inteessante, apesentado po Admati e Ross (1985), destaca que medidas de pefomance que dão melho qualidade a gestoes com maio elação etono/isco não indicam coetamente quais são os gestoes mais bem infomados, pois esses cetamente ião altea bastante suas cateias em função da maio quantidade de infomação, geando assim maio volatilidade (isco). No limite, um fundo que tem uma cateia estática cetamente não tem um gesto com infomação ou modelos supeioes. Ente as estatísticas de avaliação de pefomance mais conhecidas estão o índice de Shape (IS), apesentado em Shape (1966), que, desde então, tem sido amplamente utilizado na indústia de fundos de investimento. Apesa da sua impotância pática, sua utilização depende da estimação coeta dos seus paâmetos e da aplicação que se petende. Na póxima seção, mostamos como calcula o etono; a segui discutimos a inclusão e avaliação do isco e, mostamos como calcula o IS e as falhas a que ele está sujeito; po fim mostamos outas medidas paa compaa fundos e fazemos uma beve aplicação aos dez maioes fundos de ações negociados no Basil. Vale lemba a impotância desses indicadoes, tanto paa paticantes quanto paa todo o tipo de investido, pois esse é um instumental disponível paa a tomada de decisão dos investidoes, e ecusos vultosos mudam de mãos de acodo com o esultado desses númeos. Neste atigo mostam-se as falhas desses indicadoes e como deve se feita a sua aplicação. Toma-se como exemplo uma amosta de tês anos, com dados semanais dos dez maioes fundos de ações basileios. Espeamos contibui paa as finanças nacionais, cobindo uma lacuna na liteatua e, possivelmente, ajuda na melho alocação de ecusos em nosso país. RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

4 Gyogy Vaga RETORNO O indicado de pefomance mais simples e talvez o mais utilizado na pática é a taxa de etono ealizada. Mas a peocupação dos investidoes deve se com a taxa espeada (ex-ante) de etono e não com o que já aconteceu (ex-post). Esse talvez seja o indicado mais impotante paa a maioia dos investidoes (cetamente o é paa os investidoes neutos a isco). Há enome dificuldade em se obte esses valoes espeados. Dessa foma, uma estimativa muito comum paa o etono espeado vem da avaliação da média do seu etono históico, de modo que, implicitamente, é suposto que o passado vai-se epeti de alguma foma. No caso de fundos de investimento que não costumam te nenhum pagamento intemediáio, a taxa de etono costuma se definida como o valo final sobe o valo inicial da cota do fundo: t Q Q t t 1 1 [1] onde Q t é o valo da cota na data t. Não obstante sua simplicidade, a estimativa do etono médio obtido a pati de uma séie históica pode se avaliada po difeentes pocedimentos. Tomando-se uma séie de cotações de um fundo, pode-se calcula a séie de taxas de etonos peiódicos, e daí se obtém sua média aitmética: a 1 n n [] Altenativamente, pode-se toma a média geomética: n 1 g 1 n [3] A média geomética é financeiamente consistente, quando se tata de econstitui o etono de todo o peíodo; mas, se pocuamos o etono espeado de um peíodo intemediáio, a média aitmética é a estatística coeta (4). É fácil mosta que a média aitmética é tanto maio do que a geomética, quanto maio fo a volatilidade da taxa de etono peiódica. A elação ente a média aitmética e geomética é dada po: 18 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

5 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios g 1 Exemplo 1. Seja um fundo com as seguintes cotações anuais: a [4] A média geomética do etono é de 0%aa, e a aitmética é de 1,5%aa. A estimativa coeta paa a taxa de etono espeada anual é de 1,5%, isto é, baseada na média aitmética. Po exemplo, o etono espeado do investimento de R$100,00, com base nos dados do Exemplo 1, po um ano apenas, é de (100, ,00)/4 = 1,50, que equivale a uma taxa de etono anual de 1,5%, como indica a estimativa pela média aitmética. A volatilidade anual da taxa de etono é de 54%. Da Equação [4] se obtém uma apoximação paa a taxa de etono geomética de: g 1, 5% 54% Paa ilusta a difeença ente os dois pocedimentos de cálculo sobe ativos conhecidos no Basil, mostamos, no Quado 1, o etono do DI e do índice Ibovespa ente janeio e outubo de 000. Devido à alta volatilidade, o etono do Ibovespa estimado pela sua média aitmética é significativamente maio do que aquele estimado pela média geomética. Quado 1: ompaação do Retono do DI e Ibovespa RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

6 Gyogy Vaga A qualidade estatística das estimativas baseadas na séie históica é popocional ao tamanho da amosta utilizada. Quanto maio o tamanho da amosta maio a confiança estatística na estimativa. Exemplo. Tomamos a amosta de etonos diáios de todo o ano de 1998 do fundo de ações do Banco do Basil, totalizando 48 obsevações, e obtivemos seu etono médio diáio igual a -0,19%. om 95% de pobabilidade, tem-se um intevalo paa a média de [-0,47% e 0,09%]. No mesmo peíodo, a taxa média diáia do DI foi de 0,10%; potanto, com alto gau de confiança estatística, o etono estimado com base numa séia históica foneceu uma estimativa sem muito sentido econômico, já que tem pouco sentido investi-se em um fundo de ações com etono espeado negativo. Outas maneias de se obteem estimativas paa o etono espeado são: toma o etono espeado pelos analistas de mecado ou elaboa algum modelo economético baseado no APT ou APM. UM MODELO DE RISO Paa os investidoes que se impotam com o isco do etono de seus investimentos, alguma medida de isco deve se incopoada na análise. O pimeio passo é detemina uma distibuição de pobabilidade adequada paa a taxa de etono. A mais usual é a distibuição nomal que abitaiamente tomamos como apopiada paa desceve o compotamento da taxa de etono; entetanto boa pate dos investimentos financeios não podem se igoosamente epesentados po uma nomal, poque essa distibuição pemite que a taxa de etono seja meno do que -100%, e sabemos que boa pate dos investimentos têm passivo limitado. Uma altenativa seia atibui a distibuição nomal à taxa de etono na sua foma contínua, que coesponde a uma distibuição lognomal paa o valo do investimento; só que outas dificuldades técnicas sugiiam na deteminação da cateia ótima. Além disso, paa pequenos intevalos de tempo, a distibuição nomal paa a taxa de etono simples é uma boa apoximação. Assim, as infeências sobe a taxa de etono espeado seão feitas, supondo que ela tem distibuição nomal. O passo seguinte é estima o desvio-padão da taxa de etono, igualmente conhecido como volatilidade. O objetivo também é obte valoes ex-ante; novamente, costuma-se toma a séie históica dos etonos paa se gea uma estimativa paa a volatilidade espeada. Quanto à estimativa popiamente dita, di- 0 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

7 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios vesos métodos podem se adotados, ente os quais o mais conhecido é o estimado de máxima veossimilhança, dado po: A n j 1 j n 1 a [5] Essa estimativa pode se facilmente feita em uma planilha Excel. Existem até mesmo funções que executam essa conta imediatamente. Outos métodos paa o cálculo da volatilidade estão disponíveis, po exemplo: baseados nos valoes máximos e mínimos das taxas de etono (método de valoes extemos), suavização exponencial (do iskmetics) e métodos de séies de tempo do tipo Gach. Uma descição desses pocedimentos pode se encontada em Duate e Pinheio (1996). Exemplo 3. Analisamos o etono de uma amosta de fundos, com base em cotações semanais, dos anos de 1997, 1998 e 1999 (5), de dez dos maioes fundos de ações ofeecidos no mecado basileio. Esses dez fundos foam selecionados de acodo com o tamanho médio do seu patimônio duante os tês anos. Foam excluídos os fundos exclusivos e os fechados paa captação. Paa efeito de compaação, no final do Quado está a volatilidade dos índices Ibovespa, IBX e DI. Quado : Volatilidade Anual dos Dez Maioes Fundos de Ações RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

8 Gyogy Vaga Nota-se alguma estabilidade nas suas estimativas. Apenas no ano de 1998 houve um leve aumento; mas, no ano seguinte, as volatilidades voltaam paa peto do que eam em Isso sugee que a estimativa da volatilidade com base em dados passados é bem mais azoável do que o mesmo tipo de estimativa feita paa a taxa de etono. A amosta do Exemplo 3 contou com 5 obsevações, sempe dento do pópio ano. Mas nada obiga a que a amosta tenha esse tamanho; logo, a estimativa da volatilidade pode vaia, dependendo do pazo da amosta utilizada. Tomando, po exemplo, o fundo BB Fundo de Ações, mostamos, no Gáfico 1, a evolução da volatilidade históica baseada em amosta das últimas 0 e 60 semanas. A cada semana é acescentada uma nova semana e etiada a mais antiga; faz então uma janela sempe com 0 (ou 60) semanas, de onde se calculou a volatilidade expessa em foma anual. Gáfico 1: Evolução da Volatilidade Anual do Fundo de Ações do BB Há gande difeença, em váios momentos, ente as volatilidades com base numa séie de 0 e 60 semanas, o que pode leva a difeentes conclusões a espeito do isco de um fundo. Váias altenativas concoem paa se chega a difeentes estimativas históicas da volatilidade: tamanho da séie históica dos etonos, peiodicidade da taxa de etono ou pocedimento estatístico utilizado. Uma altenativa paa se obte a volatilidade, sem depende do passado, é a volatilidade implícita nas opções sobe os ativos que compõem o fundo. Uma vez deteminados os paâmetos da distibuição da taxa de etono dos RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

9 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios fundos em estudo, podemos compaa suas elações etono-isco. Uma efeência impotante paa a avaliação de um fundo é a cateia de mecado ou algum índice que busca epesenta o mecado, caacteizando-se como benchmak. Esse benchmak é especialmente impotante, poque existem fundos ofeecidos a custos (taxa de administação e de pefomance) menoes do que a maioia dos outos, que se popõem a apenas acompanha o benchmak e são conhecidos como de gestão passiva. Se existe a possibilidade de toma ou aplica dinheio à taxa de juos sem isco, podemos combina aplicações na cateia de mecado e no título de enda fixa sem isco, de foma a obte qualque elação etono-isco. Esse conjunto de combinações gea a chamada linha do mecado de capitais (LM). O etono de uma cateia que tem x% no ativo aiscado e (1 - x%) no ativo sem isco tem etono espeado e isco dados po: ( ) ( ) ( ) E x E 1 A x s [6a] x A [6b] Quando x é meno do que 1, o investido estaá aplicando na enda fixa sem isco e no ativo aiscado; quando x é maio do que 1, o investido estaá tomando empestado paa alavanca seu investimento no ativo aiscado. As possíveis combinações de etono-isco paa uma cateia estão no Gáfico. Gáfico : ombinações de Retono e Risco isco RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

10 Gyogy Vaga Das Equações [6a] e [6b] temos: E( ) x E( ) s A s e x A E( ) E s ( ) A A [ ] s O etono espeado das cateias que combinam o ativo sem isco e o ativo aiscado vem de uma linha eta com intecepto igual a s e inclinação igual a: E A s A [6c] Esse é o conjunto de possibilidades eficientes que um investido faceia! As cateias de investimento com elação etono-isco meno do que as contempladas no LM são facilmente supeadas po uma combinação do ativo sem isco e da cateia aiscada que está na LM. om esse tipo de combinação, podemos gea uma cateia com qualque nível de isco e etono. Exemplo 4. Sejam as seguintes condições de mecado: om esses valoes, pode-se monta uma cateia de valo inicial $100, com uma captação de $50 e aplicação de $150 no fundo X, que teá um etono espeado de 5% e volatilidade de 45%. Se a captação fo de $83,, e a aplicação no fundo X de $183,, o etono da cateia deve se de 8,3%, e volatilidade de 55%. Assim, o fundo Y, que popociona um etono maio, mas com maio volatilidade, é ineficiente, pois a combinação do fundo X com a aplicação no título sem isco gea uma cateia com mesma volatilidade e etono espeado maio. A simples elação etono-isco não é adequada paa seleciona um 4 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

11 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios eônea, como ilustado no Exem- fundo e pode leva a uma decisão plo 5. E Exemplo 5. Sejam dois fundos, X e Y, com os seguintes etonos e volatilidades espeados: Se a taxa de juos sem isco é de 3%, e um investido que um investimento com 10% de volatilidade, iá seleciona o fundo X se usa a elação etono/isco como seu indicado paa seleção de fundos. Mas é fácil veifica que, se ele investi 50% no título sem isco e 50% no fundo Y, a volatilidade de seu investimento seá de 10%, e o etono espeado de 5,5%; potanto, supeio ao do fundo X. O indicado coeto é o da Equação [6c]. Fundos difeentes costumam te alta coelação ente si, po estaem sujeitos a vaiações em fatoes macoeconômicos que têm efeito sobe os ativos de todos os fundos. Se um único fato explica pacela impotante da vaiação dos peços dos ativos, podemos explica a vaiação do etono de cada fundo pela sua sensibilidade ao fato (isco sistemático) e a vaiação estante po componentes específicos do fundo (isco não-sistemático). O fato mais utilizado na análise de pefomance costuma se o pópio etono de mecado, suposto se um bom epesentante das vaiáveis maco e na pática epesentado po algum índice. om base nesse modelo, podemos sepaa o excesso de etono popocionado po algum fundo no seu componente sistemático e não-sistemático segundo: c s e O pimeio temo à dieita da Equação [7], alfa, mede o excesso de etono do fundo paa dado isco de mecado assumido po ele. A vaiância do excesso de etono do fundo pode se decomposta no seu isco sistemático e não-sistemático: M s [7] M e [8] RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

12 Gyogy Vaga O pimeio temo do lado dieito é a pacela do isco do fundo explicada pelo isco do mecado (sistemático), e o segundo temo é o isco não explicado pelo mecado. Um fundo passivo que acompanha pefeitamente o etono do mecado não iá gea isco difeente do mecado. Já um fundo ativo que pocua supea o mecado tem de te ações difeentes da cateia do mecado, paa te a chance de supea o mecado. O peço pago paa se te essa chance é o de te uma cateia que eventualmente não acompanha (às vezes supea) o etono do mecado, cuja possível conseqüência é um isco maio mensuado pelo segundo temo à dieita da Equação [8]. om isso, fazemos uma melho decomposição e obtemos uma melho explicação do eventual sucesso ou infotúnio de ceto fundo de investimento. Po exemplo, tomando o Ibovespa como etono de mecado e o DI como taxa sem isco, explicamos o etono semanal do fundo BB de ações ente 1997 e 1999 po: Resumo dos Resultados De acodo com essa amosta de tês anos, o fundo BB pode se tatado como um fundo consevado, po te um beta meno do que 1 que epesenta um pequeno isco não-sistemático e etono ajustado ao isco de mecado negativo (alfa). O etono extaodináio popocionado po ceto fundo de investimento pode não te sido esultado de uma boa gestão ativa, mas simplesmente do seu isco sistemático (quantificado pelo beta). Um fundo com beta meno do que 1 possi- 6 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

13 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios velmente teá um etono supeio ao do mecado quando este cai. Se o beta fo maio do que 1, o etono do fundo deve ultapassa o etono do mecado, se este subi. Assim, a taxa de etono não é uma estatística adequada paa classifica difeentes fundos, poque, ente outas coisas, não ajusta o etono paa o isco assumido pelo fundo. Exemplo 6. om base nos dados do Exemplo 3, calculamos o beta, etono efetivo e classificamos os fundos. Quado 3: Beta, Retono Efetivo e lassificação dos Dez Maioes Fundos de Ações Dois fundos que têm sua classificação significativamente alteada são o F Ações e o IP Paticipações. O pimeio tem um beta alto e, como espeado, é um fundo de sucesso em 1997, quando a bolsa sobe. O segundo tem beta baixo e é mais bem-sucedido em 1998, quando a bolsa cai. Toma esses valoes como estimativa paa o que vai acontece com o etono é questionável (6). Uma questão pática inteessante é qual a taxa de etono sem isco elevante no Basil. Aqui, os paticantes se dividem ente taxa de juos da poupança e a do DI. laamente, a taxa do DI é maio que a da poupança, confome atesta o Quado 4, emboa não seja tão clao quem tem menos isco. Nos livos de finanças, toma-se como taxa sem isco a taxa dos títulos do Goveno Fedeal, já que ele tem pode de emiti moeda e assim paga qualque dívida na moeda local; logo, os títulos po ele emitidos têm o meno isco. ompaando-se a taxa de um dia paa financiamento de títulos públicos fedeais - chamada de taxa Selic, a taxa diáia do DI - que se efee a títulos pivados de alta qualidade de cédito RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

14 Gyogy Vaga e a taxa da poupança, veifica-se que a taxa Selic é muito póxima da taxa do DI, e ambas são supeioes à taxa da poupança. Na vedade, a taxa da poupança é sempe meno, po se tata de um mecado cativo, que atinge uma gande massa de investidoes e tem custo opeacional alto. Paa fins de avaliação de fundos, a taxa de juos sem isco mais apopiada é a taxa dos títulos públicos fedeais (taxa Selic), que é muito póxima da taxa do DI. omo a taxa Selic não está facilmente disponível, tomamos a taxa do DI como taxa sem isco. Quado 4: Evolução das Taxas de Poupança, Selic e DI Tomando a espeança da Equação [7], chega-se ao famoso modelo APM, que postula uma elação de equilíbio ente o etono espeado de cada ativo e o etono espeado paa o mecado. Nas aplicações do APM, tata-se exclusivamente dos etonos espeados e do etono de todo o mecado: 8 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

15 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios E s E M s Em equilíbio o APM postula que o alfa de qualque ativo ou fundo deve se igual a zeo. ÍNDIE DE SHARPE Extemamente celebado ente acadêmicos e paticantes do mecado financeio, o IS tem sido amplamente utilizado na avaliação de fundos de investimento. Fomulado po Shape (1966), o IS se encaixa na teoia de seleção de cateia, mais especificamente no modelo APM, apontando as cateias ótimas na LM. De acodo com o APM, nenhuma cateia pode te um IS maio do que o definido pela cateia de mecado. ateias com IS meno devem se despezadas. O IS é a pópia inclinação da LM, definido de [6c], como: IS E s [9] onde s é a taxa de juos sem isco; E( c ) é o etono espeado do fundo; σ c é a volatilidade do fundo. Tendo deteminado quais as cateias ótimas, o investido deve apenas seleciona aquela que popociona a elação isco-etono mais adequada às suas demandas pessoais. Divesos cuidados devem se tomados ao se aplica o IS na seleção ou classificação de investimentos. O pimeio deles vem do fato de o cálculo do IS não incopoa infomação sobe a coelação ente os ativos; potanto, o IS pede impotância, quando se que adiciona um ativo (ou cateia) com isco a uma cateia que já tenha ativos aiscados. Quanto maio a coelação ente o ativo que está sendo avaliado e a cateia coente, maio a impotância do IS como indicado paa a seleção de um investimento. Se a coelação é muito baixa ou negativa, um ativo com pequeno IS pode tona ainda maio o IS final de toda a cateia. Um investido que não tem investimentos com isco deve simplesmente seleciona aquele com maio IS. Po exemplo, se o investido já possui investimentos em fundo e pocua adicio- RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

16 Gyogy Vaga na um novo fundo à sua cateia de investimentos, a seleção com base no IS pede impotância, poque o efeito da coelação ente o novo fundo e os fundos já existentes na cateia não está sendo consideado pelo IS. O Exemplo 7 ilusta o efeito da coelação sobe o poblema da seleção de fundos com base no IS. Exemplo 7. Seja uma cateia que contenha 50% de seus investimentos em um título sem isco e 50% no fundo X aiscado. O investido que aumenta o etono tocando 0% do seu investimento no título sem isco pelo fundo Y ou Z. O fundo Y tem um IS maio do que o do fundo Z, mas a aquisição do fundo Z leva a uma melho elação isco-etono final. Isso é devido à meno coelação ente o fundo Z e o fundo X que já está na cateia, que faz com que a volatilidade da cateia diminua, confome atesta o quado abaixo. om a adição do fundo Z (pimeia altenativa), que tem meno IS, a cateia fica com um etono espeado de 17,9% e 18,7% de volatilidade, conta um eto- 30 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

17 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios no meno e volatilidade maio se tivesse adicionado o fundo Y (segunda altenativa). Um segundo cuidado na utilização do IS decoe de este se baseado em etono e isco espeados (ex-ante) e etono não-ealizado (ex-post). Dada a dificuldade em se obteem valoes espeados, muitos paticantes utilizam estatísticas passadas paa avalia o IS. O esultado pode se muito uim, levando eventualmente a um IS negativo, quando a bolsa cai. O IS negativo não tem sentido num modelo de mecado, pois o investido sempe tem a opção de investi na taxa sem isco. Se a estimativa do IS fo feita com base em dados históicos, uma dificuldade pática é detemina qual o tamanho de séie a se utilizado paa o cálculo do etono e isco espeado. Uma saída paa essa dificuldade é toma o númeo de obsevações que popocionam ceto nível de confiança. Paa se calcula o IS ex-post, devemos, a cada peíodo, obte o excesso de etono do fundo em elação à taxa sem isco; tomamos a média e o desviopadão do excesso de etono, e a azão desses é o IS ex-post. Ele indica o excesso de etono históico médio po unidade de vaiabilidade históica do excesso, e é dado po: c 1 T T j 1 c 1 T, j ; s s, j ; T j 1 T j 1 c, j T 1 c [10] onde c,t é o etono do fundo e s,t é o etono sem isco. Po fim, o IS é obtido po: ^ IS c s [11] O IS é uma estatística que depende do peíodo sobe o qual foi calculada; uma vez calculada paa ceto pazo, pode se (7) tansfomada paa pazo difeente, de acodo com a seguinte apoximação: ISanual 5 IS diáio [11a] RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

18 Gyogy Vaga Exemplo 8. Tomando os dados do Exemplo 3, paa o fundo de ações do BB, calculamos o IS anualizado, com base numa janela dos etonos das últimas 0 e 60 semanas. A taxa de juos sem isco utilizada foi a do DI. O esultado está no Gáfico 3. Gáfico 3: IS paa o Fundo de Ações do BB, com base numa Amosta Vaiável das Últimas 0 e 60 Semanas sem. 60 sem /01/ /10/ /07/ /04/1999 É inteessante obseva, no Gáfico 3, que o IS fica po váias vezes negativo, além de flutua exageadamente. O IS fica negativo, poque o etono espeado paa cateia é meno do que a taxa de juos sem isco, que tem pouco sentido econômico, e ocoe especialmente quando o etono espeado é estimado com base na séie históica. Outo poblema que também suge na utilização do IS é sua aplicação a ativos que têm volatilidade muito baixa, como são os fundos de enda fixa. O IS obtido fica enome, devido ao baixo valo do denominado da fómula. Shape (1994) dá uma intepetação muito inteessante ao IS. Ele tata esse índice como um instumento de avaliação de uma estatégia de investimento zeo, que coesponde ao etono da abitagem ente algum benchmak e o fundo que está sendo avaliado. Então, o IS tadicional pode se intepetado como uma abitagem ente a taxa de juos sem isco e o fundo que está sendo avaliado. Pode-se usa algum índice de mecado, como o Ibovespa, no luga da taxa de juos sem isco. Nesse caso, o IS está mostando o esultado de uma abitagem ente uma posição vendida no índice do mecado e uma compada no fundo. O IS 3 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

19 Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios modificado dessa foma foi chamado po Bito (1996) de índice de Shape genealizado (ISG). Se o benchmak adotado paa o cálculo desse índice fo igual ao estilo (8) adotado pelo gesto, o esultado apesentado pelo ISG é o excesso de etono devido à capacidade do gesto em seleciona bem os títulos que compõem a cateia de seu fundo. OUTRAS MEDIDAS O modelo de um fato epesentado pela Equação [7] pemite obte váios outos indicadoes de pefomance impotantes que vão (1) agega infomação sobe a contibuição de um gesto paa a pefomance do seu fundo; () gea classificações difeentes paa os fundos disponíveis; e (3) se apopiado paa um cenáio específico de investimento. A pincipal difeença ente esses indicadoes vem da medida de isco utilizada: oa é o isco total, oa o isco de mecado ou isco não-sistemático apenas. O alfa da Equação [7] mede o excesso de etono obtido pelo fundo após ajuste pelo isco sistemático (dado pelo beta vezes o excesso de etono do mecado). om base na estimativa da Equação [7], temos ˆ ˆ s M s etono devido aoisco sistemático que é o indicado conhecido como índice de Jensen ou simplesmente alfa. Esse indicado desqualifica gestoes que são bem-sucedidos na alta (baixa) do mecado apenas po teem um beta maio (meno) do que 1. Um gesto ativo bem-sucedido deve mosta um alfa positivo. Mas, paa consegui supea o mecado, também deve adquii uma cateia difeente da cateia do mecado (ou do índice que epesenta o mecado), e o peço po isso é uma meno divesificação, que estaá contida no temo de eo da Equação [7]. Então, dividindo-se o alfa da cateia pelo seu isco não-sistemático, tem-se o índice de valo adicionado (IVA). Esse indicado mosta quanto deteminado gesto pôde adiciona de valo a uma cateia com váios outos fundos, pelo fato de assumi um isco difeente do isco de mecado. RA, v. 5, n. 3, Set./Dez

20 Gyogy Vaga ^ IVA ˆ e [1] Outo indicado extaído da Equação [7] é o índice de Teyno (IT), que mede o excesso de etono po unidade de isco sistemático (9), em vez do isco total, como no IS. ^ IT s ˆ [13] O valo do IS é de difícil intepetação, mas outo indicado, chamado M e dietamente elacionado ao IS, também ajusta o etono ao isco total (medido pela volatilidade total do mecado). Foi ciado ecentemente (1997) po Leah Modigliani e seu avô Fanco Modigliani, ganhado do Pêmio Nobel de Economia. É uma medida de pefomance que mosta o difeencial de etono do fundo e do mecado após ajusta o etono do fundo ao isco de mecado, como se ambos tivessem a mesma volatilidade. Paa se obte o M, deve-se pimeiamente obte o etono ajustado, que é igual ao etono oiginal da cateia alavancada de foma a te o mesmo isco do mecado. Paa te o mesmo isco do mecado, a cateia ajustada deve te x% investido na cateia oiginal, tal que: x% x% M M om essa quantidade investida na cateia oiginal, o etono da cateia ajustada é de: M ca 1 M s [14a] O M é a difeença ente o etono da cateia ajustada e o etono de mecado. M ca M [14b] Esse indicado ajusta a volatilidade do fundo à volatilidade do mecado, de 34 RA, v. 5, n. 3, Set./Dez. 001

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Fundação Getulio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Fundação Getulio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Fundação Getulio Vagas Escola de Pós-Gaduação em Economia Mestado em Finanças e Economia Empesaial UTILIZAÇÃO DO MODELO DE BLACK-LITTERMAN PARA GESTÃO DE HEDGE FUNDS DO BRASIL Ricado Lafayette Stockle

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

9: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS

9: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS Capítulo 9: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Política Monetáia POLÍTICA MONETÁRIA o Afeta o poduto de foma indieta. Atavés da política monetáia o Banco Cental define as condições de liquidez da

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

Alessandro Tadeu Rodrigues Gomides. Avaliação de Riscos em Estratégias de Investimentos de Longo Prazo: Aplicação Prática em um Fundo de Pensão

Alessandro Tadeu Rodrigues Gomides. Avaliação de Riscos em Estratégias de Investimentos de Longo Prazo: Aplicação Prática em um Fundo de Pensão lessando Tadeu Rodigues Gomides valiação de Riscos em Estatégias de Investimentos de Longo azo: plicação ática em um Fundo de ensão EGE/FGV Rio de Janeio, 9 de junho de 004 valiação de Riscos em Estatégias

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fonecedo Dados da Empesa Razão Social: Visa do Basil Empeendimentos Ltda. Nome Fantasia: Visa Data de Fundação: 08 de junho de 1987 Númeo

Leia mais

Importância do setor florestal para a economia brasileira

Importância do setor florestal para a economia brasileira IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA NAISY SILVA SOARES; ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MÁRCIO LOPES DA SILVA; UFV VIÇOSA - MG - BRASIL pinheioeliane@hotmail.com APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p.

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p. Conceitos e Metodologias Medidas de Especialização Regional As medidas de análise egional, tadicionalmente utilizadas na análise dos tecidos podutivos egionais e em análises económicas sectoiais à escala

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Soidents Fanchising Ltda Nome Fantasia: Soidents Clínicas Odontológicas Data de fundação: 20

Leia mais

Gestão de Inventários: Introdução 1

Gestão de Inventários: Introdução 1 Gestão de Inventáios: Intodução 1 Gestão de Inventáios Intodução Definição de inventáio (ou stock) Acumulação de matéias-pimas, podutos semi-acabados e/ou podutos acabados, bem como de sobessalentes necessáios

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNCEF/ DIATI / GETIF Enconto da Qualidade e Podutividade em Softwae EQPS Belo Hoizonte - 2008 Basília, 25 de Setembo de 2008 Agenda Sobe a FUNCEF Beve históico Objetivo

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Bolsa de valores. 26 CAPITAL ABERTO Agosto 2014

Bolsa de valores. 26 CAPITAL ABERTO Agosto 2014 Bolsa de valoes 26 CAPITAL ABERTO Agosto 2014 Po Buna Maia Caion Isenção fiscal ao investido que aplica em PMEs é bem-vinda, mas descompasso ente ofeta e demanda ainda levaá tempo paa se supeado poblema

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

The Production Structure of Brazilian Economy and Agribusiness: 1980 to 1995

The Production Structure of Brazilian Economy and Agribusiness: 1980 to 1995 MPRA Munich Pesonal RePEc Achive The Poduction Stuctue of Bazilian Economy and Agibusiness: 1980 to 1995 Maia Cistina Otiz Futuoso and Joaquim José Matins Guilhoto Univesity of São Paulo, Univesity of

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

O HEDGE SIMULTÂNEO DOS RISCOS DE PREÇO E DE CÂMBIO DA PRODUÇÃO DE SOJA EM MATO GROSSO UTILIZANDO CONTRATOS DA BM&F-BOVESPA

O HEDGE SIMULTÂNEO DOS RISCOS DE PREÇO E DE CÂMBIO DA PRODUÇÃO DE SOJA EM MATO GROSSO UTILIZANDO CONTRATOS DA BM&F-BOVESPA O HEDGE SIMULTÂNEO DOS RISCOS DE PREÇO E DE CÂMBIO DA PRODUÇÃO DE SOJA EM MATO GROSSO UTILIZANDO CONTRATOS DA BM&F-BOVESPA Waldema Antonio da Rocha de Souza Pofesso Adjunto da UFAM João Gomes Matines-Filho

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI!

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI! , a --,;-,,; BULMA e ' C;;itiba b ANO REliA distúbios alimentaes '- - ---- MARAlpU \, EVENTO! sobe o Tudo 'CRYSTAL,-- UTOMÓVE! os mais cao! e veloze! do mundc :FASHON -- - - - - - - ---==--- - - - " ",

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição.

Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição. EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA - ANO 2016 Recomenda-se a leitua atenta

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras A impotância da eestutuação da Linha de Calibação Obsevatóio Nacional Agulhas Negas paa atende as caacteísticas dos gavímetos Scintex CG5. Fancisma Rimoli Bequó, IFF, Itapeuna, Basil*. Iis Peeia Escoba,

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Helde Mendonça heldefm@hotmailcom Pogama de pós-gaduação em Economia /UFF Renata R Del-Vecchio enata@vmuffb Pogama de pós-gaduação

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Structural analysis of employment in the Brazilian economy: 1996 and 2002 compared

Structural analysis of employment in the Brazilian economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual analysis of employment in the Bazilian economy: 1996 and 2002 compaed Joaquim José Matins Guilhoto and Silvio Massau Ichihaa and Mácio Guea Amoim Univesidade de

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada.

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada. ANSIOLÍTICO E MIORRELAXANTE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome do poduto: Valium / Valium injetável Nome genéico: diazepam Foma famacêutica e apesentação Caixas com 20 e 30 compimidos de 5 e 10 mg Solução injetável

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas 3. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS.1 Aplicação da Análise Expeimental de Estutuas A qualidade de um sistema estutual é caacteizada po um deteminado conjunto de seus atibutos chamados de vaiáveis

Leia mais

Relações Setoriais e Sinérgicas no Sistema Inter-Regional Sul-Restante do Brasil

Relações Setoriais e Sinérgicas no Sistema Inter-Regional Sul-Restante do Brasil Relações Setoiais e Sinégicas no Sistema Inte-Regional Sul-Restante do Basil Antonio Calos Moetto * Rossana Lott Rodigues ** Umbeto Antonio Sesso Filho *** Katy Maia **** Resumo: A pati do sistema inte-egional

Leia mais

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico Univesidade Abeta do Nodeste e Ensino a Distância são macas egistadas da Fundação Demócito Rocha É poibida a duplicação ou epodução deste fascículo Cópia não autoizada é Cime Matemática e suas Tecnologias

Leia mais

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva PR I II Teoia das Linhas de Tansmissão Calos Albeto Baeio Mendes Henique José da Silva 5 Linhas de Tansmissão 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO 1.1 Paâmetos distibuídos Um cabo coaxial ou uma linha bifila (mostados

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelimina de setembo de Notas de Aula de ísica 8. CONSRVAÇÃO DA NRGIA... ORÇAS CONSRVATIVAS NÃO-CONSRVATIVAS... TRABALHO NRGIA POTNCIAL... 4 ORÇAS CONSRVATIVAS - NRGIA MCÂNICA... 4 negia potencial

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

As grandezas vetoriais

As grandezas vetoriais As gandezas vetoiais No capítulo I, vimos o poquê da utilização de vetoes na caacteização de algumas gandezas físicas, difeenciando as gandezas escalaes das vetoiais. As gandezas escalaes são aquelas pefeitamente

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO Calos de O. Galvão 11, Fancisco V. Basileio 1, Cledson Souto Santana 1, Éica Machado 1, Esthe V. Basileio 1, Buno

Leia mais

O macrossetor da construção civil na economia brasileira em 2004

O macrossetor da construção civil na economia brasileira em 2004 O macosseto da constução civil na economia basileia em 2004 The constuction industy maco-secto in the Bazilian economy in 2004 Ricado Kueski Instituto Paanaense de Desenvolvimento Econômico e Social Rua

Leia mais