Orçamento do Estado 2015 Uma análise em que pode confiar. Seminário OE 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orçamento do Estado 2015 Uma análise em que pode confiar. Seminário OE 2015"

Transcrição

1 Orçamento do Estado 2015 Uma análise em que pode confiar Seminário OE 2015

2 Reforma da Fiscalidade Verde

3 Fiscalidade Verde O triplo dividendo Contribuir para a consolidação orçamental com impacto neutro na receita fiscal Protecção do ambiente Reforma da Fiscalidade Verde Promover o crescimento económico 3

4 Fiscalidade Verde Resíduos Energia e emissões Florestas Áreas de actuação Transportes Planeamento do Território Água Urbanismo Biodiversidade 4

5 Fiscalidade Verde Tributação do carbono Energia e Emissões Adicionamento ao ISP (excepto isentos) Novo artigo 92.º-A CIEC Porquê? Descarbonização e paridade com o CELE Cálculo Indexação ao CELE Impacte Necessidade de neutralidade! 5

6 Fiscalidade Verde Energia e Emissões Alargamento a todos os sectores de actividade Dedutibilidade de provisões para reconstituição do meio ambiental Artigo 39.º CIRC Sectores de energia solar ou eólica (incluindo fotovoltaico) Depreciação de equipamentos entre 12,5 e 25 anos DR nº 25/2009 Tabela II Código

7 Fiscalidade Verde Percentagem da taxa normal de ISV a aplicar aos automóveis ligeiros de passageiros Transportes Artigo 8.º CISV GPL e GNV 50% 40% Híbridos plug-in 50% 25% Híbridos não plug-in 50% 60% 3% Artigos 7.º e 10.º CISV 7

8 2014 Fiscalidade Verde Valores depreciáveis das viaturas em IRC Transportes Eléctricos Restantes viaturas 8

9 2015 Fiscalidade Verde Valores depreciáveis das viaturas em IRC Artigo 1.º Portaria n.º 467/2010 Transportes Eléctricos Híbridos plug-in GPL e GNV Restantes viaturas 9

10 Fiscalidade Verde Dedução do IVA relativo a viaturas de turismo (aquisição, locação e transformação) cujo custo de aquisição não exceda os valores depreciáveis em IRC Transportes Artigo 21.º CIVA Eléctricos Híbridos plug-in 100% 100% GPL e GNV 50% 10

11 Fiscalidade Verde Tributação autónoma das viaturas ligeiras de passageiros Transportes Custo aquisição < >= >= Eléctricos Excluídos de tributação Restantes viaturas 10% 27,5% 35% Agravamento em 10 pontos percentuais em caso de prejuízo fiscal

12 Fiscalidade Verde Tributação autónoma das viaturas ligeiras de passageiros Transportes Artigos alterados 73.º CIRS e 88.º CIRC Custo aquisição Híbridos plug-in GPL e GNV Restantes viaturas < % 7,5% 10% >= % 15% 27,5% >= ,5% 27,5% 35%

13 Fiscalidade Verde Tributação autónoma das viaturas ligeiras de passageiros Transportes Mantêm-se Taxas agravadas as taxas em caso agravadas de prejuízos em fcaso i scais! de prejuízos! Eléctricos continuam excluídos de t ributação!

14 Fiscalidade Verde Tributação de viaturas ligeiras de passageiros exemplo prático Transportes Gasolina Híbrido plug-in PVP IVA Dedutível Custo de aquisição Gastos de "exploração" Gasto dedutível Redução no IRC pela dedução do gasto Tributação autónoma Gasto total (4 anos) % -25% 14

15 Fiscalidade Verde Incluído na própria Lei da Reforma da Fiscalidade Verde (ainda não publicada) Transportes Incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida, matriculados há pelo menos 10 anos e detidos há mais de 6 meses (a vigorar até 31 de Dezembro de 2015) Aquisição (incluindo leasing) de veículos Eléctricos Híbridos plug-in Quadriciclos pesados eléctricos Até

16 Fiscalidade Verde Majoração em IRC e IRS (com contabilidade organizada) do custo com combustíveis utilizados em transportes públicos de passageiros, rodoviários de mercadorias e em táxi - (130% electricidade e 120% GPL e GNV). Artigos 59.º-A, 59.º-B e 59.º-C EBF Verba 2.31 Lista I anexa ao CIVA Majoração de despesas com sistemas de car-sharing (110%) e bike-sharing (140%) Transportes Majoração para 120% dos custos com aquisição de frotas de bicicletas para utilização pelos empregados Taxa reduzida de IVA nos serviços de reparação de bicicletas 16

17 Fiscalidade Verde Urbanismo - 15% Artigo 44.º-B EBF Redução, até 15%, da taxa de IMI (mediante deliberação da Assembleia Municipal) para a promoção da eficiência energética e aproveitamento de águas residuais tratadas e de águas pluviais em prédios urbanos. - 50% Artigo 44.º-A EBF Redução de 50% da taxa de IMI aplicável a prédios afectos à produção de energia a partir de fontes renováveis 17

18 Fiscalidade Verde Artigo 45.º EBF Urbanismo Isenção de IMI e IMT Alargamento do prazo para os prédios objecto de reabilitação urbana e para o início das obras

19 Fiscalidade Verde Artigo 59.º-D EBF Florestas Redução da Redução da taxa de IMI taxa de IMI Reformulação do cálculo de IRS e isenção de IMT, IMI e IS a vários prédios rústicos 1 Incentivos fiscais à actividade silvícola 2 19

20 Fiscalidade Verde Resíduos Incluído na própria Lei da Reforma da Fiscalidade Verde (ainda não publicada) Imposto sobre sacos de plástico leves (8 cêntimos + IVA) Revogação da isenção de IVA no serviço público de remoção de lixos Artigo 9.º (25) CIVA 20

21 Fiscalidade Verde Vales transportes públicos Redução da taxa de IMI Imposto sobre transportes aéreos Agravamento IMI florestas abandonadas Principais medidas propostas pela Comissão mas não aprovadas 2 21

22 Reforma do IRS O que muda afinal?

23 Reforma do IRS Incidência, deduções especificas e regras de englobamento

24 Rendimentos do trabalho dependente Vales sociais Artigo 2.º-A, n.º 1, al. b) CIRS Regime fiscal IRS Tickets- Infância Não sujeito; Sem limite Ticketseducação Sujeito Segurança social Não sujeito Não sujeito Regime fiscal IRS Segurança social Vale educação Não sujeito, até Euro por dependente Não sujeito IRC Majoração do gasto em 40% Sem majoração do gasto IRC Majoração do gasto em 40% Idade: 7 anos Idade: 25 anos

25 Rendimentos do trabalho dependente Utilização pessoal de viatura O apuramento do rendimento anual ,75%/mês sobre o valor de aquisição ou produção Vs. 0,75%/mês sobre o valor de mercado a 1 de Janeiro de cada ano Artigo 24.º, n.º 5 e n.º7 CIRS Valor de mercado determinado por aplicação do coeficiente de desvalorização

26 Rendimentos do trabalho dependente Empréstimos concedidos pela entidade patronal Empréstimo concedido pela entidade patronal Rendimento: diferença entre 70% da taxa mínima para operações de refinanciamento no primeiro dia útil e taxa paga pelo individual Sem juros ou a taxa de juro reduzida Artigo 2.º, n.º 3, al. b) e n.º 5 CIRS Artigo 24.º, n.º 3, al. a) e b) CIRS Excepto se o empréstimo se destinar a habitação de montante inferior a Euro ,40

27 Rendimentos do trabalho dependente Indemnizações por cessação de funções Gestores públicos, administradores e gerentes de pessoa colectiva A parte indemnização por trabalho por conta de outrem beneficia da exclusão de tributação (natureza interpretativa). Artigo 2.º, n.º 4, al. a) CIRS

28 Rendimentos do trabalho dependente Indemnizações por mudança do local de trabalho Exclusão de tributação Indemnizações pagas no ano da deslocação, pela mudança do local de trabalho para mais de 100 km do anterior local, na parte que não excede 10% da remuneração anual, até Euro Artigo 2.º, n.º 3, al. e) CIRS Uma vez em cada 3 anos

29 Rendimentos do trabalho dependente Conceito de entidade patronal Conceito de entidade patronal Alargamento a entidades com relação de simples participação. Artigo 2.º, n.º 10 CIRS

30 Rendimentos do trabalho dependente Extensão de tributação e relevância do conceito de familiares 3º grau da linha colateral Artigo 2.º, n.º 11 CIRS Parentes Para efeito de definição de benefícios ou regalias atribuídos pela entidade patronal serem considerados rendimentos do trabalho dependente. Os parentes dos sujeitos passivos em união de facto passam a ser considerados para este efeito.

31 Rendimentos do trabalho dependente Sujeitos passivos com deficiência Finalmente! Regime de tributação dos rendimentos das categorias A,B e H auferidos por sujeitos passivos com deficiência Artigo 56.º-A CIRS Apenas são considerados 90% dos rendimentos: limite de isenção Euro 2.500

32 Rendimentos empresariais e profissionais Deduções, coeficientes e opção por regime simplificado/ contabilidade organizada Período de permanência Dedução de contribuições para regimes de protecção social Coeficientes do regime simplificado Eliminada a obrigação de permanência por um período mínimo de três anos no regime de contabilidade organizada/regime simplificado Regime de transparência fiscal dedução ao rendimento líquido resultante da imputação de lucros Regime simplificado - coeficiente de 0,35 aplicável às prestações de serviços não expressamente previstas na tabela a que se refere o art. 151.º do CIRS A opção pela tributação como rendimentos da categoria A, quando os serviços são prestados a uma única entidade passa a ser anual. Regime simplificado dedução na parte em que excedam 10% dos rendimentos brutos Artigo 28.º, n.º 5 e 8 Artigo 31.º, n.º 1, al. c) e n.º 2 CIRS

33 Rendimentos empresariais e profissionais Coeficientes, actos isolados e rendimentos prediais Incentivo ao empreendedorismo Actos isolados Rendimentos prediais Redução de 50% e 25% dos coeficientes em situação de prestações de serviços e subsídios destinados à exploração no período de tributação do início de actividade e no período seguinte. No caso dos actos isolados, clarifica-se que os contribuintes que realizem actos isolados estão sempre dispensados de contabilidade organizada. Possibilidade de opção de tributação dos rendimentos prediais como rendimentos da categoria B (somente são dedutíveis as despesas previstas para esta categoria) Apenas aplicável ao inicio de actividade após 1 de Janeiro de 2015 e desde que nos referidos períodos não aufiram rendimento do trabalho ou pensões. Aplicam-se os coeficientes do regime simplificado ou as regras do regime da contabilidade organizada, em função do valor bruto dos actos isolados ( ). Artigo 31.º, n.º 1, al. a) e n.º 10 Artigo 30.º, n.º 1 e 2 CIRS

34 Rendimentos de capitais e mais-valias Harmonização da tributação de todos os rendimentos de capitais e mais-valias Artigos 10.º, 71.º e 72.º CIRS Taxas de 28% / 35% Mais-valias Todos os capitais tributados a 28%, com excepção dos obtidos em paraísos fiscais ou em contas jumbo, cuja taxa é de 35%. Operações susceptíveis de gerar perdas passam a qualificar como mais-valias.

35 Rendimentos de capitais e mais-valias Tipificação de rendimentos Rendimentos de capitais Enquadramento como rendimentos de capitais dos juros e de outras formas de remuneração das contas de títulos com garantia de preço ou de operações similares a estas; Artigos 5.º, 10.º, 71.º e 72.º CIRS Mais-valias O valor resultante da liquidação, revogação ou extinção de estruturas fiduciárias quando seja atribuído aos sujeitos passivos que constituíram essas estruturas; Os lucros constituem sempre rendimentos de capitais, eliminando-se a remissão para os lucros das entidades sujeitas a IRC (como por exemplo, os lucros de sociedades não residentes); O reembolso de obrigações e outros títulos de dívida; Consideram-se rendimentos de capitais as reservas colocadas à disposição dos associados; O resgate de unidades de participação em fundos de investimento, bem como a liquidação dos mesmos; Os rendimentos das unidades de participação em fundos de investimento estão sujeitos a tributação quando distribuídos; O ganho decorrente da cessão onerosa de créditos, bem como os ganhos provenientes da cessão onerosa de prestações acessórias e de prestações suplementares; Estão sujeitas a tributação como rendimentos de capitais as indemnizações que visem compensar perdas de rendimentos desta categoria. Os swaps cambiais, swaps de taxa de juro e divisas e de operações cambiais a prazo.

36 Rendimentos de capitais e mais-valias Mais-Valias Artigo 10.º, n.º 3, al. c), n.º 4, al. d) Artigo 44.º, n.º 5 e 6 CIRS Momento relevante em caso de permuta de bens Na permuta de bens presentes por bens futuros, o momento relevante para efeitos de tributação verifica-se quando for celebrado o contrato que formaliza a aquisição do bem futuro ou no momento da sua tradição se anterior. Warrants Definição de regras de determinação dos rendimentos líquidos de warrants autónomos (no caso de warrant de compra, warrant de venda e de transmissão do warrant) permitindo que o preço de exercício seja corrigido do prémio de subscrição ou do valor de aquisição do warrant. Ajustamento ao valor de realização Na alienação de bens imóveis, nos casos em que o valor de realização seja inferior ao valor considerado para efeitos de liquidação de IMT, passa a ser possível afastar este valor se for feita prova de que o valor de realização foi inferior ao VPT

37 Rendimentos de capitais e mais-valias Mais-Valias Artigo 10.º, n.º 5 e 6 Artigo 41.º CIRS Reinvestimento em imóveis destinados à habitação permanente Possibilidade de reinvestir para trás na compra de terrenos, construção e obras; Aumento de 6 para 12 meses do prazo para afectação do imóvel à habitação própria e permanente. Exclusão de tributação na alienação de imóvel para fins habitacionais Exclusão na proporção do valor de realização aplicado na amortização do empréstimo para a compra, salvo se era proprietário de outro imóvel para fins habitacionais (entre 2015 e 2020, para contratos de empréstimo celebrados até 31 de Dezembro de 2014). Despesas dedutíveis Alargamento do acréscimo ao valor de aquisição dos encargos com a valorização dos imóveis realizados nos últimos 12 anos (actualmente 5 anos); Passa ser possível a dedução de despesas inerentes à aquisição com valores mobiliários.

38 Rendimentos de capitais e mais-valias Mais-Valias Artigo 43.º, n.º 3 Artigo 49.º, 50.º e 72.º, n.º 12, al. b) CIRS Partes sociais Alarga-se a exclusão de tributação de 50% a todas as operações com partes sociais de micro e pequenas empresas. Aplicação do coeficiente de desvalorização da moeda (intervalo superior a 24 meses). Cessão onerosa de créditos Considera-se como valor de aquisição (quando efectuada a título oneroso) o preço pago pelo alienante desde que devidamente documentado. Tributação agravada Tributação autónoma à taxa de 35% no reembolso de obrigações, resgate de UP s e estruturas fiduciárias em paraísos fiscais.

39 Rendimentos de capitais e mais-valias Rendimentos de capitais Incentivos à poupança de longo prazo Artigo 20.º-A EBF Remuneração de depósitos ou de quaisquer aplicações em instituições financeiras ou de títulos de dívida pública (se o vencimento da remuneração ocorrer no final do período contratualizado). Regime equivalente ao do resgate de seguros e operações do ramo 'Vida Exclusão de tributação em 1/5 e 3/5 do rendimento se o capital ficar imobilizado por um período superior a cinco e oito anos.

40 Rendimentos de capitais e mais-valias Rendimentos de capitais Artigo 40.º-A, n.º4 CIRS Eliminação da dupla tributação económica Alargamento a entidades residentes no Espaço Económico Europeu vinculado a cooperação administrativa no domínio da fiscalidade equivalente à estabelecida no âmbito da União Europeia.

41 Rendimentos de capitais e mais-valias Estruturas fiduciárias Actualmente aplicam-se as taxas marginais de imposto Artigo 10.º, n.º4, al. g) CIRS Artigo 1.º, n.º 3, alínea h), do Código do Imposto do Selo Sujeitos passivos que constituíram a estrutura Mais-valias / Capitais (28%/35%) Estruturas fiduciárias Beneficiários que não constituíram a estrutura Capitais (28%/35%) Imposto do Selo (10%)

42 Rendimentos prediais Novas obrigações Prediais - Passar recibo em formato Modelo Oficial será electrónico (?); Artigo 115.º, n.º1, al. a) e n.º5 CIRS - Entregar declaração oficial no mês de Janeiro Modelo 10 (?) a entregar por quem aufere o rendimento (?)

43 Rendimentos prediais Deduções especificas Prediais - Todos os gastos suportados para a obtenção do rendimento; Artigo 41.º, n.º 1 e n.º 7 CIRS - Excepção para os encargos financeira, depreciações e os relativos a mobiliário; - Prazo de 24 meses para consideração de obras anteriores ao arrendamento (após 1 de Janeiro de 2015).

44 Rendimentos pensões Deduções especificas Pensões Manutenção da dedução especifica de Euro 4.104,00 Artigo 53.º, n.º 1 CIRS (revogado nº 5) Revogação da redução progressiva da dedução específica para rendimentos brutos de valor anual superior a Euro

45 Englobamento Repartição por categorias Artigo 22.º, n.º 5 CIRS Regime actual Reforma do IRS Obrigatório optar por todos os rendimentos a taxas especiais ou liberatórias Englobamento passa a ser feito por categoria de rendimento

46 Englobamento Reporte de rendimentos Artigo 74.º CIRS Duas alterações: Rendimento é dividido pelo número de anos ou fracção a que respeitam, sem qualquer limite Aplica-se a qualquer categoria de rendimentos e não apenas A / F / H

47 Apuramento do rendimento colectável Reporte de perdas Artigo 55.º CIRS Resultado líquido apurado em cada categoria apenas pode ser deduzido as resultados positivos da mesma com as seguinte condições: Categoria B: Reporte para todos os rendimentos nos termos do 52º CIRC Categoria F: Prazo alargado para 6 anos mas apenas se gerarem rendimentos em 36 meses dos 5 anos seguintes àquele em que ocorre a despesa Categoria G: com valores mobiliários reporte passa de 2 para 5 anos

48 Reforma do IRS Tributação da família

49 Tributação conjunta vs. separada Artigo 59º n.º 2 al c CIRS Pessoas casadas e não separadas de facto Declaração conjunta União de facto Opção por declaração conjunta ou separada Regime de tributação separada como regra Cada contribuinte entregará uma declaração anual de IRS podendo optar pela entrega conjunta (esta opção deve ser efectuada anualmente dentro do prazo de entrega da declaração).

50 Tributação conjunta vs. separada Tributação conjunta é a forma mais eficiente de aplicar os escalões de IRS. Rendimento bruto: Rendimento bruto: , , , ,75 Casal (A+B) Contr. A Contr. B

51 Quociente familiar Estado civil Regime Dependentes ou ascendentes ao cargo Casado ou unido de facto Sem Com Separada ,15*d Conjunta ,3*d Solteiro ,3*d Artigo 69º, 78º A e 78º B CIRS Redução da colecta resultante da consideração dos dependentes no QF está limitada Um dependente Dois dependentes Três ou mais dependentes Tributação separada Euro 300 Euro 625 Euro tributação conjunta Euro 600 Euro Euro Famílias monoparentais Euro 350 Euro 750 Euro 1.200

52 Agregado familiar Dependentes Artigo 13º, n.º 5, al a), b), c), d) CIRS Artigo 78º n.º 9 CIRS O conceito de dependente não está dependente de estudar Basta idade inferior a 25 anos e rendimentos inferiores à R.M.M.G. Podem constar em 2 declarações diferentes Afilhados civis considerados como dependentes

53 Deduções pessoais Artigo 78.º A CIRS Deduções pessoais Artigo 78.º F CIRS Despesas gerais familiares Dedução de Euro 325 por cada dependente (mais Euro 125 de tiver menos de 3 anos) e a Euro 300 por ascendente (mais Euro 110 se for o único no agregado) Dedução de 35% do valor que conste das facturas registados no E-factura, com o limite de Euro 250 por sujeito passivo desde que a declaração seja entregue dentro do prazo Substitui as deduções pessoais dos sujeitos passivos

54 Deduções com saúde e educação Artigo 78º C CIRS Artigo 78º D CIRS Despesas de saúde Despesas de educação Dedução de 15% das despesas de saúde isentas de IVA ou tributadas à taxa reduzida, com o limite global de Euro por agregado familiar. Dedução de 30% das despesas de educação, com o limite global de Euro 800 por agregado familiar.

55 Deduções com imóveis Artigo 78º E, n.º 1 CIRS Artigo 78ºE, n.º 1, al f) CIRS Encargos com rendas Juros de empréstimos 15% com o limite de 502 ao qual acresce [( ) ( RDT)/ ( ) ] 15% com o limite de 296 ao qual acresce [( ) ( RDT*)/ ( ) ] *RDT = Rendimento para determinar a taxa

56 Aumento do limite global das deduções Artigo 78.º, n.º 7 CIRS Escalão de rendimentos Limites 2015 Até Euro Entre Euro e Euro Entre Euro e Euro Entre Euro e Euro Sem Limite Acima de Euro Euro [( ) ( RDT*/( ) ] *RDT = Rendimento para determinar a taxa

57 Deduções sem papel CIRS Artigo 78.º-B, n.º 7; Artigo 78.º-C, n.º 4 Artigo 78.º-D, n.º 7 Artigo 78.º-E, n.º 3 Artigo 78.º-F, n.º 3 O valor das deduções à colecta é apurado pela Autoridade Tributária e Aduaneira com base nas facturas que lhe forem comunicadas, por via electrónica, até ao dia 15 de Fevereiro do ano seguinte ao da sua emissão. A Autoridade Tributária e Aduaneira disponibiliza no Portal das Finanças o montante das deduções à colecta até ao final do mês de Fevereiro do ano seguinte ao da emissão das facturas. Do cálculo do montante das deduções à colecta referido no número anterior, pode o adquirente reclamar, até ao dia 15 de Março do ano seguinte ao da emissão, de acordo com as normas aplicáveis ao procedimento de reclamação graciosa com as devidas adaptações.

58 Deduções à colecta Pensões de alimentos Reforma - A dedução passa a ser 20% sem qualquer limite à dedutibilidade; - Aplicação de taxa autónoma de 20% para o beneficiário da pensão (opção pelo englobamento) Artigo 72º, n.º 5 CIRS Artigo 83.º-A CIRS Regime actual - A dedução está limitada a 1 IAS por mês e por beneficiário e limitada pelo limite global das deduções. - Tributado a taxas marginais

59 Reforma do IRS Internacionalização

60 Internacionalização Residência fiscal Artigo 16.º, n.º 2 CIRS Eliminação da regra de atracção da residência fiscal dos cônjuges que residam no estrangeiro quando um dos membros do agregado familiar resida em Portugal. Alterações gerais Conceito de dia de presença em território português = qualquer dia, completo ou parcial, que inclua dormida neste território Residência fiscal parcial Artigo 16.º, n.º 4 CIRS Possibilidade de os sujeitos passivos apenas serem considerados fiscalmente residentes em parte do ano Residência desde o primeiro dia de permanência em Portugal. Não residente desde o último dia de permanência em Portugal Artigo 16.º, n.º 14 e 16 CIRS Ano de regresso Se qualificar como residente é desde o primeiro dia do ano, se no ano anterior tiver sido residente Ano de saída É considerado como residente se permanecer mais de 183 dias em Portugal e após o último dia de permanência em Portugal obtiver rendimentos que fossem sujeitos a IRS como residente Exclusão desta regra caso prove que os rendimentos estão sujeitos a tributação no país da residência (União Europeia ou EEE) ou a tributação não for inferior a 60% da que seria devida em Portugal (Estados terceiros).

61 Internacionalização Residência fiscal A alteração do estatuto de residência deve ser comunicado no prazo de 60 dias Artigo 19º, n.º 5 da Lei Geral Tributária Duas declarações de IRS sempre que haja dois estatutos de residência Artigo 57.º, n.º6 CIRS Possibilidade de renúncia por parte do representante (Autoridade Tributária tem um prazo de 90 dias para efectuar as alterações necessárias) Artigo 130.º - A CIRS

62 Internacionalização Eliminação da dupla tributação Artigo 81.º, n.º 1 CIRS Artigo 81.º, n.º 7, 8 e 9 CIRS Taxas especiais Passam a ter direito a crédito de imposto para eliminar a dupla tributação internacional, dedutível até ao limite das taxas aplicáveis Isenção com progressividade Os rendimentos obtidos no estrangeiro que, por força de convenção para eliminar a dupla tributação celebrada por Portugal, beneficiem do método da isenção com progressividade, são obrigatoriamente englobados para efeitos de determinação da taxa aplicável aos restantes rendimentos

63 Internacionalização Trabalhadores deslocados no estrangeiro Período não inferior a 90 dias, dos quais 60 seguidos Artigo 39.º-A do EBF Não residentes podem optar por este regime com o limite de 3 anos Compensação pela deslocação e permanência no estrangeiro Dependente da existência de um acordo escrito Isenção com o limite de Euro isenção não acumulável com outros benefícios ou RNH

64 Reforma do IRS Simplificação

65 Simplificação Prazos de entrega da declaração de IRS Artigo 60.º, n.º 1, al a) CIRS Categoria A e H De 15 de Março a 15 de Abril Com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2016 Restantes categorias 16 de Abril a 16 de Maio Crédito de imposto Até 31 Dezembro Requerimento necessário para adiar o prazo

66 Simplificação Dispensa de apresentação de declaração de IRS Dispensa de entrega Rendimentos do trabalho dependente ou pensões abaixo de Euro Actos isolados até 4X IAS Apesar da dispensa é possível pedir um certificado comprovativo à A.T. dos rendimentos auferidos e imposto pago Não dispensa de entrega Tributação conjunta Rendas Rendimentos em espécie Artigo 58.º, n.º 1 e 2 CIRS

67 Simplificação Retenções na fonte e outras obrigações Enquadramento Aplicação Rendimentos Correcção de retenções Pode ser feito em mais do que um período Rendimentos de trabalho e pensões A entidade devedora dos rendimentos deve ter prova da restituição do imposto indevidamente retido Opção por taxa Aplicação de taxa superior à devida Categorias A e H passa a não haver limite Consideração de situação pessoal e familiar Declaração Modelo 10 e 39 Nova declaração Consideração do n.º de dependentes Juros compensatórios em caso de aplicação indevida Troca de datas de entrega entre a Modelo 10 e a Modelo 39 (de Fevereiro para Janeiro e vice-versa). Nova declaração a entregar até ao final de Janeiro por quem aufere rendimentos prediais CIRS Artigos 99.º- A a 99.º E Artigos 101.º- A a 101.º D Artigos 102.º - A a 102.º C Artigo 119º

68 Orçamento do Estado 2015

69 IRC Taxa máxima agregada desce para 29,5% 31,5% 31,5% 29,5% Taxa nominal 25% 23% 21% Alteração ao artigo 87º do Código do IRC Max. Derrama estadual 5% 7% 7% 1,5% 1,5% 1,5% Max. Derrama Municipal 69

70 IRC Perímetro RETGS Estado-Membro UE Estado-Membro UE 75% 75% 75% 75% Portugal Portugal Portugal Portugal 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Portugal Portugal Portugal Portugal Portugal Portugal Portugal Portugal RETGS RETGS Sociedade dominante Proposta de Lei nº 249/XII/4ª Aditamento do artigo 69º- A do Código do IRC 70

71 SIPI Autorização legislativa Novo regime para o investimento imobiliário Autorização legislativa Lei do OE 2015 Capital mínimo Acções admitidas à negociação Regime fiscal em condições de neutralidade face aos OIC Activos imobiliários para arrendamento Isenção de tributação na SIPI Distribuição obrigatória de lucros, entre 75% e 90% Tributação à saída 71

72 IVA Proposta OE 2015 Créditos de cobrança duvidosa ou considerados incobráveis Alterações à alínea b) do n.º 7 do artigo 78.º e alínea b) do n.º 4 do artigo 78.º-A, ambos do Código do IVA Processo de insolvência Para os créditos vencidos a partir de 1 de Janeiro de 2013 Trânsito em julgado da sentença de verificação e graduação de créditos Alteração à alínea a) do n.º 2 do artigo 78.º-A do e introdução do n.º 8 ao artigo 78.º-A, ambos do Código do IVA Créditos em mora > 24 meses Transmissões da titularidade dos créditos após a recuperação do respectivo IVA Desreconhecimento contabilístico para efeitos de recuperação do IVA Obrigação de o cedente regularizar o imposto 72

73 IVA - Alteração das regras de localização Serviços de telecomunicações, de radiodifusão ou televisão e serviços por via electrónica IVA Alteração das regras de localização Fonte: Portal das Finanças Alteração ao Regulamento de Execução n.º 1042/2013 do Conselho, de 7 de Outubro de 2013 Novas regras 1 de Janeiro de 2015 Aditamento das alíneas h) ao n.º 9 do artigo 6.º e h) ao n.º 10 do mesmo artigo, do Código do IVA Revogação das alíneas i), j) e l) do n.º 11 do artigo 6.º do Código do IVA Prestados a pessoas que não sejam sujeitos passivos estabelecidas ou domiciliadas na UE Tributação no país de residência do adquirente MOSS - Mini Balcão Único Regime especial para cumprimento das obrigações decorrentes das novas regras Alteração à alínea d) do n.º 12 do artigo 6.º do Código do IVA Aditamento dos n.os14 e 15 ao artigo 6.º do Código do IVA Alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de 73 Outubro.

74 Contribuições extraordinárias sectoriais Artigo 228º da Lei do OE 2014 Sector energético Prorrogação Sector bancário Artigo 141º da Lei do OE 2011 Prorrogação Lei do OE 2015 Sector farmacêutico Taxa a aplicar sobre o valor das vendas realizadas em cada mês entre 0,5% e 15% 74

75 Impostos Especiais de Consumo Proposta OE 2015 Contribuição de serviço rodoviário Alteração ao n.º 2 do artigo 4.º da Lei n.º 55/2007, de 31 de Agosto Imposto sobre o álcool e bebidas alcoólicas Aumento, em cerca de 3%, da taxa aplicável às cervejas, produtos intermédios e bebidas espirituosas Lojas francas É reintroduzida a isenção aplicável aos produtos vendidos nas lojas francas a passageiros com destino a países não pertencentes à União Europeia Alterações aos artigos 71.º e seguintes do Código dos Impostos Especiais de Consumo Aditamento do artigo 6.º- A ao Código dos Impostos Especiais de Consumo 75

76 Contribuição Extraordinária de Solidariedade Extinção para rendimentos mensais < 4.611,42 Ano Escalões Variação até ,0% 0,0% De até ,5% 0,0% -3,5 p.p. De mais até ,0% 0,0% -16 p.p. De mais até ,0% 0,0% -16 p.p. De mais até ,0% 15,0% +5 p.p. De mais até ,0% 15,0% -10 p.p. De mais até ,0% 40,0% +15 p.p. Lei do OE 2015 Superior a ,0% 40,0% -10 p.p. 76

77 Combate à fraude e evasão fiscais Proposta OE 2015 Comunicação dos inventários Aditamento do artigo 3.º-A ao Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24 de Agosto Comunicação electrónica, à Autoridade Tributária, do inventário respeitante ao último dia do exercício anterior Até ao dia 31 de Janeiro do ano seguinte Apenas se VN do exercício anterior > Aplica-se já aos inventários a 31 de Dezembro de

78 Deloitte refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e suas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Para aceder à descrição detalhada da estrutura legal da DTTL e suas firmas membro consulte A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria fiscal, consultoria de negócios e de gestão e corporate finance a clientes nos mais diversos sectores de actividade. Com uma rede globalmente ligada de firmas membro em mais de 150 países e territórios, a Deloitte combina competências de elevado nível com oferta de serviços qualificados conferindo aos clientes o conhecimento que lhes permite abordar os desafios mais complexos dos seus negócios. Os mais de profissionais da Deloitte empenham-se continuamente para serem o padrão de excelência. Esta comunicação apenas contém informação de carácter geral, pelo que não constitui aconselhamento ou prestação de serviços profissionais pela Deloitte Touche Tohmatsu Limited, pelas suas firmas membro ou pelas suas entidades relacionadas (a Rede Deloitte ). Nenhuma entidade da Rede Deloitte é responsável por quaisquer danos ou perdas sofridos pelos resultados que advenham da tomada de decisões baseada nesta comunicação. 78

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas N.º 02 09 de Janeiro 2015 Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas No quadro de uma reforma da fiscalidade ambiental, foi publicada, em 31 de Dezembro, para vigorar já em 2015, uma lei que procede

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde Uma análise em que pode confiar. Especial Tax News Flash 24 Outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde Uma análise em que pode confiar. Especial Tax News Flash 24 Outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde Uma análise em que pode confiar Especial Tax News Flash 24 Outubro 2014 Proposta de Lei de Reforma da Fiscalidade Verde No dia 23 de Outubro de 2014, foi apresentada pelo Governo,

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS

PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS TAX FLASH OUTUBRO 2014 INTRODUÇÃO 2014 ficará marcado, no plano fiscal, como o ano das reformas. Se a proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2015 foi parca em alterações

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

07-01-2015 CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE. Óscar Veloso Janeiro 2015 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO)

07-01-2015 CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE. Óscar Veloso Janeiro 2015 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO) CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO) 1 PROGRAMA 3 Alterações à tributação da Família ; Unificação das Categorias A e H; Alterações

Leia mais

Nota introdutória. Entrada em vigor GUIA FISCAL

Nota introdutória. Entrada em vigor GUIA FISCAL 1 2 Nota introdutória A Lei n.º 82.º-E/2014, de 31 de dezembro, aprovou a reforma do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS). A versão final do diploma, embora baseada no projeto

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

Reforma do IRS Uma análise em que pode confiar. Especial Tax News Flash 5 de Janeiro 2015

Reforma do IRS Uma análise em que pode confiar. Especial Tax News Flash 5 de Janeiro 2015 Reforma do IRS Uma análise em que pode confiar Especial Tax News Flash 5 de Janeiro 2015 Reforma do IRS Lei da Reforma do IRS Foi publicada a Lei nº 82-E/2014, de 31 de Dezembro de 2014, diploma que aprova

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde 16 de outubro 2014 OBJETIVOS: Reduzir a dependência energética do exterior Induzir padrões de produção e de consumo mais sustentáveis, reforçando a liberdade e responsabilidade

Leia mais

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes IVA Dedução em Viaturas de turismo Passa a ser possível a dedução integral do IVA em despesas relativas à aquisição, fabrico, importação, locação e transformação em viaturas ligeiras de passageiros ou

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE 1 3 Ao nível do IRS, mantém-se a sobretaxa do IRS em 3,5%. No entanto é criado no entanto

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO A REFORMA DO I.R.S E AS REFORMAS DA FISCALIDADE VERDE (2015) Departamento: Auditoria e Fiscalidade. 02 de Janeiro de 2015

BOLETIM INFORMATIVO A REFORMA DO I.R.S E AS REFORMAS DA FISCALIDADE VERDE (2015) Departamento: Auditoria e Fiscalidade. 02 de Janeiro de 2015 Departamento: Auditoria e Fiscalidade BOLETIM INFORMATIVO 02 de Janeiro de 2015 A REFORMA DO I.R.S E AS REFORMAS DA FISCALIDADE VERDE (2015) Pedro Moreira T.O.C e Consultor Fiscal Rua São João de Deus,

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 FR/ AV. FERNÃO MAGALHÃES, 988 4350-154 PORTO TEL. 225.898.650 FAX: 225.898.688 E-MAIL: sf3360@dgci.min-financas.pt

Leia mais

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado.

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice A. Principais medidas no âmbito da Simplificação 3 B. Principais

Leia mais

Lei nº53-a/2006 de 29 Dezembro 2006-1 -

Lei nº53-a/2006 de 29 Dezembro 2006-1 - IRS Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares ------------------------------------------------------------------------ IRS Rendimentos empresariais e profissionais (Categoria B) Estabelece-se para

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Principais alterações fiscais

Principais alterações fiscais Principais alterações fiscais O E / 2 0 1 3 António Santos Cristina Casalinho José Gante Page 1 Agenda Alterações 2013 1. Alterações IRS e Património; 2. Alterações IRC; 3. Alterações IVA; Page 2 Agenda

Leia mais

Impostos & Contribuições

Impostos & Contribuições Impostos & Contribuições Principais alterações que resultam da aprovação do Orçamento de Estado para 2014: 1. IRS (Imposto sobre Rendimento das Pessoas Singulares) 1.1 Seguros de saúde ou de doença Caso

Leia mais

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS)

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) Reforma do IRS Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) Índice CÓDIGO DO IRS 1 - Incidência real 1 - Incidência pessoal 5 - Determinação do rendimento colectável 6 - Declaração

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014

NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. IRC 4 3. IRS 8 4. SEGURANÇA SOCIAL 10 5. IVA 11 6. BENEFÍCIOS FISCAIS 13 7. OUTROS 14 3 1. Introdução

Leia mais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Portugal Janeiro 2015 No passado

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs.

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. Gerente MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE OE2011 Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. A Proposta de Orçamento

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

MOD.3. Peça a sua senha em:

MOD.3. Peça a sua senha em: MOD.3 2 008 Envie a declaração de rendimentos pela internet: > É gratuito > É disponibilizada ajuda no preenchimento, evitando erros > Evita filas de espera e deslocações Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt

Leia mais

Principais alterações propostas a nível fiscal para 2015

Principais alterações propostas a nível fiscal para 2015 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS A NÍVEL FISCAL PARA 2015 OE REFORMA DO IRS REFORMA DA FISCALIDADE VERDE Principais alterações propostas a nível fiscal para 2015 No passado dia 16 de Outubro foi entregue

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

REFORMA DO IRS INFORMAÇÃO FISCAL I. INTRODUÇÃO II. ALTERAÇÕES GERAIS E ESTRUTURAIS OUTUBRO 2014

REFORMA DO IRS INFORMAÇÃO FISCAL I. INTRODUÇÃO II. ALTERAÇÕES GERAIS E ESTRUTURAIS OUTUBRO 2014 INFORMAÇÃO FISCAL REFORMA DO IRS I. INTRODUÇÃO No passado dia 16 Outubro foi aprovada pelo Conselho de Ministros uma Proposta de Lei 1 que procede à reforma da tributação das pessoas singulares (Reforma

Leia mais

O ano das Reformas. o,o8. Casados podem agora entregar a declaração de IRS separadamente. http://pwcoe2015.com/

O ano das Reformas. o,o8. Casados podem agora entregar a declaração de IRS separadamente. http://pwcoe2015.com/ Resumo dos aspetos essenciais da Reforma da Fiscalidade Verde e da 2015 o,o8 Taxa sobre os sacos de plástico. Casados podem agora entregar a declaração de IRS separadamente. http://pwcoe2015.com/ 195.433

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais

Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Assunto: Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Com a entrada em vigor, em 2007/01/01, do Orçamento do Estado para 2007 (Lei 53 - A/2006, de 29

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

Índice. seguinte Pág.1. 1. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS)

Índice. seguinte Pág.1. 1. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 Na sequência da apresentação, pelo Ministro de Estado e das Finanças, da proposta de Lei do Orçamento do Estado para o ano de 2013 (OE/2013), pretende-se,

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013 MODELO 13 Portaria n.º 415/2012, de 17/12 MODELO 37 Portaria n.º 413/2012, de 17/12 MODELO 39 Portaria n.º 414/2012, de 17/12 MODELO 42 Portaria n.º 416/2012, de 17/12 DMR -

Leia mais

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança -

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança - Regime Fiscal i) Pessoas Singulares 1. PPR Plano Poupança Reforma pág.2 2. Seguros Vida: Capitalização e Reais pág.4 3. Seguros de Acidentes Pessoais pág.4 4. Seguro de Saúde pág.5 5. Regimes Especiais

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

newsletter Nº 72 JANEIRO / 2013

newsletter Nº 72 JANEIRO / 2013 newsletter Nº 72 JANEIRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Dezembro de 2012 2 Lei do Orçamento do Estado para 2013 4 Obrigações Fiscais Novas Regras em 2013 12 Revisores e Auditores 15 LEGISLAÇÃO

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

O OE e as Reformas. Tributárias. Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado e das Reformas. Tributárias. para 2015

O OE e as Reformas. Tributárias. Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado e das Reformas. Tributárias. para 2015 Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado e das Reformas Tributárias para 2015 O OE e as Reformas Tributárias 2015 A Reforma do IRS Ana Duarte, Tax Director 2 Objetivos da Reforma de IRS Mobilidade

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

RENDIMENTOS E RETENÇÕES RESIDENTES

RENDIMENTOS E RETENÇÕES RESIDENTES MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 4 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS A B E DECLARAÇÃO (Art. 119.º, n.º 1, al. c) e d) e n.º 11 do Código do IRS) (Art. 120.º do Código do IRC)

Leia mais

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Pública Proc.: 2 0 1 2 / 5 9 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO Of.Circulado N.º: 20 156/2012 2012-02-02 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O

A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O i N º 6 / 1 5 A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 7/2015, ontem publicado, procedeu à reforma do

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios No contexto de uma parceria do Departamento Fiscal da SRS Advogados com o Jornal de Negócios, temos vindo a publicar naquele jornal o Consultório

Leia mais

Fiscalidade. As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS

Fiscalidade. As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS 1.1 Enquadramento Geral De acordo com o n.º 1 do artigo 10º do Código do IRS (CIRS) constituem mais-valias os ganhos obtidos que, não sendo

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS NELSON RODRIGUES DE BASTOS São João da Madeira, 14 de Abril de 2010 1 AGENDA 1. LINHAS GERAIS DO OE 2010 2. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTICAS (IRC) 3. IMPOSTO DO SELO (IS) 4. IMPOSTOS SOBRE

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

EDITORIAL 3 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) 12

EDITORIAL 3 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) 12 Guia Fiscal 2014 ÍNDICE 2014 EDITORIAL 3 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) 12 TAXAS DE RETENÇÃO

Leia mais

EDITORIAL 3 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) 12

EDITORIAL 3 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) 12 ÍNDICE 2015 EDITORIAL 3 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 4 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS (IRC) 12 TAXAS DE RETENÇÃO NA FONTE DE IRS

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Assim, o documento está estruturado da seguinte forma: Mais-valias; Rendimentos de capitais; Questões práticas;

Assim, o documento está estruturado da seguinte forma: Mais-valias; Rendimentos de capitais; Questões práticas; A pensar no preenchimento da declaração de IRS de 2014 para residentes fiscais em Portugal e tendo por base as questões que têm vindo a ser colocadas pelos clientes do BIG, preparámos o presente documento,

Leia mais

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6 Principais Medidas Fiscais Com Incidência na Actividade Empresarial Lei nº 32-B/32, de 30 de Dezembro de 2002 ÍNDICE IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 30 11 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais