Caracteristicas do IRPC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracteristicas do IRPC"

Transcrição

1 FISCALIDADE

2 IRPC

3 3 Caracteristicas do IRPC Directo o IRPC é um imposto directo na medida que incide sobra a manifestação directa ou imediata da capacidade contributiva Real: porque visa a tributação dos rendimentos das pessoas colectivas sem atender à sua situação pessoal; Periódico: porque se renova nos sucessivos períodos de tributação, que normalmente são anuais; Estadual: porque é o Estado o sujeito activo da relação jurídico tributária 3

4 Caracteristicas IRPC Proporcional uma taxa geral de 32%*; Global: porque incide sobre um conjunto de rendimentos provenientes de diversas fontes; Principal: porque goza de autonomia quer a nível normativo quer ao nível das relações tributáveis concretas. * Excepto nos seguintes casos ;10% para as atividades agrícola e pecuária (2015);35% para os encargos não devidamente documentados e as despesas de carácter confidencial; 4

5 FISCALIDADE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC) 5 INCIDÊNCIA sujeitos passivos de IRPC: As sociedades comerciais; As sociedades civis sob a forma comercial; As cooperativas As empresas públicas; As demais pessoas coletivas de direito público ou privado. Sujeitam-se ainda a IRPC, determinados entes de facto, designadamente as heranças jacentes, as associações e sociedades civis sem personalidade jurídica e as sociedades irregulares. (art.º2 do CIRPC). 5

6 Sujeitos passivos de IRPC e determinação do lucro tributável Sujeitos passivos de IRPC artigos 17.º a 41.-Aº do CIRPC Residentes Exercem a título principal actividades de natureza comercial, industrial ou agrícola artigos 42.º e 43.º do CIRPC Lucro Rendimento Global Não Exercem a título principal actividades de natureza comercial, industrial ou agrícola artigos 17.º a 41.-Aº + (artigo 44.º do CIRPC) artigos 45.º do CIRPC Não residentes Com estabelecimento estável Sem estabelecimento estável Lucro Rendimento Diversas Categorias de IRPS 6

7 Estabelecimento estável (artigo 3.º CIRPC) Considera-se estabelecimento estável qualquer instalação fixa através da qual seja exercida uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola. a) Um local de direção; b) Uma sucursal; c) Um escritório; d) Uma fábrica; e) Uma oficina; f) Um local de extracção de recursos naturais situado em território moçambicano Um local ou um estaleiro de construção, de instalação ou de montagem, se a sua duração e a duração da obra exceder seis meses. 7

8 Estabelecimento estável (artigo 3.º CIRPC) Não se considera estabelecimento estável: a) As instalações utilizadas unicamente para armazenar, expor ou entregar mercadorias pertencentes à empresa; b) Um depósito de mercadorias pertencentes à empresa mantido unicamente para as armazenar, expor ou entregar; c) Um depósito de mercadorias pertencentes à empresa mantido unicamente para serem transformadas por outra empresa; d) Uma instalação fixa mantida unicamente para comprar mercadorias ou reunir informações para a empresa; e) Uma instalação fixa mantida unicamente para exercer, para a empresa, qualquer outra actividade de carácter preparatório ou auxiliar; 8

9 IRPC Tributação Não Residentes Com estabelecimento estável Regime geral Sem estabelecimento estável Com obrigação declarativa Tributados por retenção na fonte a título definitivo Que rendimentos se incluem na obrigação declarativa? Sempre que não haja lugar a retenção na fonte a título definitivo (n.º 5 do artigo 39.º Reg. CIRPC): prediais mais-valias mobiliárias e imobiliárias 9

10 Extensão da obrigação do imposto (artigo 5.º CIRPC) As Pessoas Colectivas e outras entidades com sede ou direção efetiva em território moçambicano, são tributadas em IRPC pela totalidade dos seus rendimentos, incluindo os obtidos fora desse território (n.º1 artigo 5.º CIRPC) As pessoas colectivas e outras entidades que NÃO tenham sede nem direção efetiva em território moçambicano ficam sujeitas a IRPC apenas quanto aos rendimentos nele obtidos (n.º2 artigo 5.º CIRPC). 10

11 IRPC - Isenções Subjectivas (pessoais): Objectivas (rendimentos): Outras: Artigo 9.º CIRPC Artigo 10.º CIRPC Artigo 11.º CIRPC Artigo 12.º CIRPC Artigo 13.º CIRPC 11

12 Estão isentos de IRPC: O Estado; IRPC Isenções (artigo 9.º CIRPC) As autarquias locais e as associações ou federações de municípios; As instituições de segurança social legalmente reconhecidas e bem assim as instituições de previdência social Excluídos desta isenção A isenção das alíneas a) e b) não abrange as empresas públicas e estatais, as quais estão sujeitas a imposto nos termos regulados neste Código. 12

13 IRPC Isenções (artigo 10.º CIRPC) Estão isentos de IRPC: As entidades de bem público, social, ou cultural, devidamente reconhecidas, quando estas não tenham por objecto actividades comercias, industrias ou agrícolas Isenção com carácter automático As associações de utilidade pública devidamente reconhecidas As associações de mera utilidade pública que prossigam predominantemente fins científicos ou culturais, de caridade, assistência ou beneficência relativamente à exploração directa de jogos de diversão social Isenção sujeita a reconhecimento 13

14 IRPC Isenções (artigo 11.º CIRPC) Estão isentos de IRPC: Rendimentos directamente derivados do exercício de actividades culturais, recreativas e desportivas, sempre que tais rendimentos e o património social se destinem aos fins de sua criação e em nenhum caso se distribuam directa ou indirectamente entre os sócios. Só podem beneficiar desta isenção as associações legalmente constituídas para o exercício dessas actividades Excluídos desta isenção os rendimentos provenientes de qualquer actividade comercial, industrial ou agrícola exercida, ainda que a título acessório, em ligação com essas actividades exemplo: exploração de um bar 14

15 IRPC - Isenções Caso prático: O clube Os amigos da minha rua é uma associação desportiva legalmente constituída e possui uma equipa de futebol. No ano de n, obteve as seguintes receitas brutas: Venda de bilhetes em dia de jogo: ,00 MZN Publicidade estática do pavilhão: ,00 MZN Exploração do bar: ,00 MZN Quotas de associados: ,00 MZN Quais os rendimentos sujeitos a tributação? Tributa Tributa Tributa Isento 15

16 IRPC Isenções (artigo 12.º CIRPC) As cooperativas agrárias, de artesanato e culturais ficam sujeitas a uma redução da taxa geral do IRPC em 50% Não são abrangidos pelas isenções previstas no número anterior os rendimentos sujeitos a IRPC por retenção na fonte 16

17 IRPC Isenções (artigo 13.º CIRPC) Estão isentos de IRPC: Rendimentos directamente derivados do exercício da actividade sujeita ao Imposto Especial sobre o Jogo As sociedades e outras entidades a que seja aplicável o regime da transparência fiscal 17

18 18 Transparência fiscal (art. 6.º) Objectivos.neutralidade fiscal.combate à evasão fiscal.eliminação da dupla tributação Obrigatoriedade Do Regime Sociedades e agrupamentos de Residentes referidos no art.º 6.º Imputação aos Sócios/Membros Soc.Cívis sem forma Comercial Soc Profissionais Soc Simples administração De bens Lucro ou prejuízo Agrupamentos: ACE, AEIE Matéria colectável

19 Transparência fiscal (artigo 6.º CIRPC) Entidades abrangidas: Campo 205 a) Sociedades civis não constituídas sob forma comercial; b) Sociedades de profissionais; c) Sociedades de simples administração de bens, cuja maioria do capital social pertença, directa ou indirectamente, durante mais de 180 dias do exercício social, a um grupo familiar, ou cujo capital social pertença, em qualquer dia do exercício social, a um número de sócios não superior a cinco e nenhum deles seja pessoa colectiva de direito público. É imputada aos sócios nos termos que resultarem do acto constitutivo das entidades aí mencionadas ou, na falta de elementos, em partes iguais 19

20 Art. 17.º O lucro tributável é constituído pela soma algébrica do resultado líquido do exercício e das variações patrimoniais positivas e negativas verificadas no mesmo período e não reflectidas naquele resultado, determinados com base na contabilidade e eventualmente corrigidos nos termos do Código A contabilidade do sujeito passivo deve estar organizada de acordo com a normalização contabilística e outras disposições legais em vigor para o respetivo sector de atividade 20

21 Determinação do Lucro Tributável Entidades Residentes BASE : LUCRO Resultado liquido do período (art.º 17.º) + Variações patrimoniais positivas não refletidas no resultado(art. 21º) - Variações patrimoniais negativas não refletidas no resultado (art.24º) +/- Correções fiscais (art.23.º,25.º,26.º27.º 28.º29.º,30.º,31.º32.º33.º 34.º. 35º, 36.º,38.º, 39.º,40.º,42.º,43.º,44.º,45.º e seg) = Lucro tributável - Prejuízos fiscais - Benefícios fiscais = Matéria Coletável 21

22 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 18.º - Periodização Lucro Tributável Regime de periodização económica (especialização do exercício) As componentes positivas ou negativas consideradas como respeitando a períodos anteriores só são imputáveis ao exercício quando na data de encerramento das contas daquele a que deviam ser imputadas eram imprevisíveis ou manifestamente desconhecidas São acrescidos os gastos relativos a períodos de tributação anteriores e que à data do encerramento das respectiva contas, não eram imprevisíveis ou manifestamente desconhecidos Campo

23 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 18º - Periodização Lucro Tributável Os proveitos relativos a vendas e a prestações de serviços são imputáveis ao período de tributação a que respeitam pela quantia nominal da contraprestação Campo 236 Campo 260 Exemplo: a Vende Electrodomésticos Sem Juros, Lda vendeu em 2014 um bem do seu inventário por MZN. O cliente vai pagar em 24 prestações. Admite-se que o justo valor da retribuição é Em 2014 foi reconhecido como rédito de vendas e como rédito de juros Correcções no Quadro 8: Campo 236 acréscimo 200 ( ) NC 28 Campo 260 deduzir 50 23

24 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 18º - Periodização Lucro Tributável Os rendimentos e gastos relevados na contabilidade em consequência da atualização da valorização de produtos agrícolas e outros activos biológicos não enquadráveis no art.º 18.º, n.º 7 concorrem para a formação do lucro tributável. Campo 206 Campo

25 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 18º - Periodização Lucro Tributável Actualização de encargos de exploração silvícolas plurianuais Campo

26 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 18º - Periodização Lucro Tributável Os rendimentos e gastos, assim como quaisquer variações patrimoniais, relevados na contabilidade em consequência do Método de Equivalência Patrimonial (MEP) não concorrem para formação do lucro tributável. Campo 207 Campo

27 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 21.º - Variações patrimoniais positivas Concorrem ainda para a formação do lucro tributável, excepto: a) As entradas de capital, incluindo os prémios de emissão de acções, as coberturas de prejuízos, a qualquer título, feitas pelos titulares do capital, b) As mais-valias potenciais ou latentes; c) As contribuições, incluindo a participação nas perdas do associado ao associante, no âmbito da associação em participação e da associação à quota; d) As relativas ao diferimento do IRPC ou de outros impostos sobre o rendimento Campo

28 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 24.º - Variações patrimoniais negativas Concorrem ainda para a formação do lucro tributável, excepto: a) As que consistam em liberalidades ou não estejam relacionadas com a actividade do contribuinte sujeita a IRPC; b) As menos-valias potenciais ou latentes, c) As saídas, em dinheiro ou em espécie, em favor dos titulares do capital, a título de remuneração ou de redução do mesmo, ou de partilha do património; d) As prestações do associante ao associado, no âmbito da associação em participação; e) As relativas ao diferimento do IRPC ou de outros impostos sobre o rendimento; f) As resultantes das reclassificações das próprias acções ou quotas para passivos Campo

29 29 Os Custos ou Perdas e as Variações Patrimoniais negativas ( art.º 22.º e 24.º) Não concorrem para a formação do lucro tributável, as variações patrimoniais negativas relativas a gratificações e outras remunerações do trabalho de membros do órgão de administração da sociedade, a titulo de participação nos resultados, quando os beneficiários sejam titulares directa ou indirectamente de partes representativas de pelo menos, 1% do capital social e as referidas importância ultrapassem o dobro da renumeração mensal auferida no exercício a que respeita o resultado em que participam, sendo a parte excedentária assimilada, para efeitos de tributação a lucros distribuídos. 29

30 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 20.º - Proveitos ou Ganhos Para efeitos do lucro tributável, não são considerados como proveitos ou ganhos: a) Os resultantes de operações de concentração de actividades empresariais (fusões,etc.) desde que os bens, direitos e obrigações transferidos constutuam uma universalidade; b) Os resultantes de aumentos de valor de mercado dos activos tangíveis de investimento; c) Os resultantes de alterações de valor de mercado de activos e passivos financeiros; d) Os resultantes do diferimento do IRPC e de quaisquer outros impostos sobre os lucros Campo 252 Campo 253 Campo 254 Campo

31 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Diferenças de câmbio Diferença de câmbio não realizadas (p. ex. actualização cambial de saldos de terceiros) Campo 208 Campo 250 Reposição de diferenças de câmbio tributadas e não tributadas Campo 234 Campo

32 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 26.º Elementos amortizáveis Regra São aceites como custos as depreciações e amortizações de elementos do activo imobilizado sujeitos a deperecimento, que, com carácter repetitivo, sofrem perda de valor resultante da sua utilização, do decurso do tempo, do progresso técnico ou de quaisquer outras causas. Os elementos do activo imobilizado só se consideram sujeitos a deperecimento depois de entrarem em funcionamento As amortizações só são aceites fiscalmente desde que contabilizadas como custos no mesmo período de tributação ou em períodos de tributação anteriores, contados desde a data de início da utilização dos bens a que se reportam. 32

33 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 33 Regime das Reintegrações, Amortizações e Perdas por Imparidades em ativos não correntes (art.º 26.º a 28.ºdo CIRPC e Decreto n.º 72/2013). Os elementos do activo imobilizado (activos tangíveis, intangíveis ativos biológicos não consumíveis e as propriedades de investimento contabilizados ao custo histórico) só se consideram sujeitos a deperecimento, desde que, com carácter sistemático, sofram perdas de valor resultantes da sua utilização ou do decurso do tempo, salvo quando aceite pela AT. 33

34 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 6.º Regime de Amortizações - Métodos de cálculo das amortizações Regra, o método das quotas constantes Opção, o método das quotas decrescentes relativamente aos activos fixos tangíveis que: a) Não tenham sido adquiridos em estado de uso; b) Não sejam edifícios, viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, excepto quando afectas à exploração de serviço público de transportes ou destinadas a ser alugadas no exercício da actividade normal do sujeito passivo, ou mobiliário e equipamentos sociais 34

35 35 Exemplo: A sociedade Maputo, Lda. utiliza o método das quotas constantes ( art.º 7.º D. n.º 72/2013) relativamente a um ativo tangível, adquirido por ,00 u.m, amortizado à taxa de 20%. No ano 2 reconheceu uma perda por imparidade no montante de ,00u.m, não aceites para efeitos fiscais.

36 36 Resolução ANO Amortização Perda por Correção Imparidade Q8 Mod , , , , , , , , , ,00 TOTAL , ,

37 Quotas Degressivas Quotas Degressivas ( art.º8,º D. n.º 72/2013). São as que resultam da aplicação das taxas referidas no D.º 72/2013, corrigidas por coeficientes variáveis em função do período de vida útil, aos valores que, em cada período de tributação, ainda não tenham sido depreciados. Os coeficientes são os seguintes: - 1,5 se o período de vida útil < 5 anos; - 2 se o período de vida útil = 5 ou 6 anos; - 2,5 se o período de vida útil >6 anos. Este método, de carácter optativo, que gera aceleração das amortizações nos primeiros anos tem, no entanto, um âmbito de aplicação que se circunscreve aos ativos fixos que: 37 37

38 38 Exemplo: Bem ativo tangível com vida útil de 6 anos. Taxa de amortização = 16,66%. Coeficiente = 2. Valor de aquisição = ,00 u.m.

39 39 Resolução ano 1 2 \ 4 Método das quotas constantes Quota anual ,00x 16,66 Taxa 16,66x2 Valor não Amortizad o Método das quotas decrescentes Quota anual Quotas acumulada s Valor liquido =2x ,00 33, , , , , ,00 33, , , , , ,00 33, , , , , , , ,00* , ,00 * ,00x33,32= , ,00/3 =49.412, ,00x0,0833=

40 40 Resolução Método das quotas constantes Método das quotas decrescentes Quota anual ,00x 16,66 Taxa 16,66x2 Valor não Amortizado Quota anual Quotas acumulada s Valor liquido ano =2x , , , , , , , , ,

41 Resolução * Nos anos em que a quota resultante da divisão do valor não depreciável pelo número de anos que falta decorrer, for superior à quota que resulta da utilização do método das quotas degressivas, esta deve ser substituída por aquela não podendo, no entanto, ser inferior à quota mínima de acordo com o método das quotas constantes

42 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 27.º Reintegrações e amortizações não aceites como custo As reintegrações e amortizações de elementos do activo não sujeitos a deperecimento As reintegrações de imóveis na parte correspondente ao valor dos terrenos ou na não sujeita a deperecimento As reintegrações e amortizações que excedam os limites As reintegrações e amortizações praticadas para além do período máximo de vida útil As reintegrações das viaturas ligeiras de passageiros ou mistas na parte em que o seu valor de aquisição exceda os ,00 MZN As reintegrações dos bens em que se tenha concretizado o reinvestimento do valor de realização na parte correspondente à dedução que lhe foi imputada 42 Campo 209

43 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 28.º - Provisões e perdas por imparidade fiscalmente dedutíveis Podem ser deduzidas para efeitos fiscais as seguintes provisões ou perdas por imparidade contabilizadas no mesmo período de tributação ou em períodos de tributação anteriores: a) As que tiverem por fim a cobertura de créditos de cobrança duvidosa; b) As que se destinarem a cobrir as perdas de valor que sofrerem as existências; c) As que se destinarem a ocorrer a obrigações e encargos derivados de processos judiciais em curso por factos que determinariam a inclusão daqueles entre os custos do exercício; d) As que tiverem sido constituídas pelas empresas sujeitas à supervisão do Banco de Moçambique e pela Inspecção-Geral de Seguros de Moçambique; e) As que forem constituídas por empresas extractivas de petróleo com a finalidade da reconstituição de jazigos; f) As que se destinarem a fazer face a encargos com a recuperação paisagística e ambiental dos locais afectos à exploração 43

44 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 28.º - Provisões e perdas por imparidade fiscalmente dedutíveis Todas as provisões e perdas por imparidade que não são consideras fiscalmente devem ser corrigidas da seguinte forma: Pela constituição Pela reversão Acresce ao LT Campo 211 Deduz ao LT Campo

45 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 31.º Realizações de utilidade social São dedutíveis os custos do período de tributação relativos à manutenção facultativa de creches, lactários, jardins-de-infância, cantinas, bibliotecas e escolas, prevenção e assistência médica e medicamentosa aos doente infectados com SIDA, bem como outras realizações de utilidade social como tal reconhecidas pela AT, feitas em benefício do pessoal da empresa ou seus familiares, desde que tenham carácter geral e não revistam a natureza de rendimentos do trabalho dependente ou, revestindo-o, sejam de difícil ou complexa individualização relativamente a cada um dos beneficiários. 45

46 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 31.º Realizações de utilidade social São igualmente considerados custos do período de tributação, até ao limite de 10% das despesas com o pessoal escrituradas a título de remunerações, ordenados ou salários respeitantes ao período de tributação, os suportados com contratos de seguros de doença e de acidentes pessoais, bem como com contratos de seguros de vida, contribuições para fundos de pensões e equiparáveis ou para quaisquer regimes complementares de segurança social, que garantam, exclusivamente, o benefício de reforma, complemento de reforma, invalidez ou sobrevivência a favor dos trabalhadores da empresa O limite é elevado para 20% se os trabalhadores não tiverem direito a pensões da Segurança Social. 46

47 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 43.º Realizações de utilidade social Os benefícios devem ser para a generalidade dos trabalhadores Os benefícios devem ser estabelecidos de acordo com um critério de objectivo e idêntico para todos os trabalhadores Não sejam considerados de trabalho dependente - Tributados em IRPS Campo

48 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Donativos (Artigos 34.º e 35.º CIRPC) São considerados como custo os donativos concedidos até ao limite de 5% da matéria coléctavel do ano anterior se as entidades beneficiárias: a) Forem associações constituídas nos termos da Lei n.º 8/91, e sua regulamentação, e as demais associações ou entidades públicas ou privadas, que sem objectivos de proselitismo confessional ou partidário, desenvolvem, sem fins lucrativos, acções no âmbito da Lei n.º 4/94 b) Forem pessoas jurídicas privadas, singulares ou colectivas, que levem a cabo ou apoiem, sem fins lucrativos para os membros ou proprietários, acções no âmbito da Lei n.º 4/94 Campo 219 São considerados na sua totalidade os custos com os donativos concedidos ao Estado e às autarquias. 48

49 Exemplo 49 A sociedade Matola, S.A., sediada em Maputo, no ano n recebeu ,00u.m de dividendos ilíquidos correspondentes a uma participação de 25% detida há 2 anos, na empresa Rovuma, Lda sedeada em Tete. Dividendos ilíquidos ,00u.m Resultado Liquido ,00u.m Dedução nos termos do art.º40.º do CIPC ,00u.m Lucro tributável ,00u.m 49

50 Exemplo 50 Donativos no âmbito do mecenato Resultado Liquido.. Correções fiscais.. Lucro Tributável Dedução de prejuízos. Matéria Colectável ,00u.m ,00u.m ,00u.m ,00u.m ,00u.m 50

51 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 36.º Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais IRPC - Imposto sobre o Rendimento (p. ex. estimativa de imposto e PEC) Campo 220 Campo 245 Impostos e outros encargos que incidam sobre terceiros que a empresa não estejam legalmente autorizada a suportar Campo 221 Multas e demais encargos pela prática de infracções que não tenham natureza contratual Campo

52 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 36.º Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais Impostos diferidos Campo 235 As indeminizações pela verificação de eventos cujo risco seja segurável Campo % das despesas com ajudas de de custo e de compensação pela deslocação em viatura própria do trabalhados, não faturadas a clientes, escrituradas a qualquer título excepto na parte em que haja lugar a tributação em sede de IRPS, na esfera do beneficiário Campo % das despesas de representação, escrituradas a qualquer título Campo

53 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 36.º Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais Os encargos não devidamente documentados e as despesas de carácter confidencial ou ilícito NOTA: Quando considerados como gastos estão sujeitos a tributação autónoma a 35% Campo 226 As importância devidas pelo aluguer sem condutor de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, na parte correspondente ao valor das reintegrações dessas viaturas que não sejam aceites como custo Campo 227 As despesas com combustíveis na parte em que o sujeito passivo não faça prova de que as mesmas respeitam a bens pertencentes ao seu activo ou por ele utilizadas em regime de locação e de que não são ultrapassados os consumos normais Campo

54 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 36.º Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais As despesas com publicidade, na parte em que exceda 1% do volume de vendas resultante da actividade normal Campo 216 Os impostos específicos das actividades mineira e petrolífera Campo 237 Os juros e outras formas de remuneração de empréstimos concedidos pelos sócios à sociedade, na parte em que excedam o valor correspondente à taxa de referência (MAIBOR 12 meses), acrescida de 2 pontos percentuais à data de liquidação Campo 238 Os encargos evidenciados em documentos emitidos por sujeitos passivos com número de identificação fiscal inexistente ou inválido ou por sujeitos cuja cessação de actividade tinha sido declarada Campo

55 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 36.º Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais As despesas com publicidade, na parte em que exceda 1% do volume de vendas resultante da actividade normal Campo 216 Os impostos específicos das actividades mineira e petrolífera Campo 237 Os juros e outras formas de remuneração de empréstimos concedidos pelos sócios à sociedade, na parte em que excedam o valor correspondente à taxa de referência (MAIBOR 12 meses), acrescida de 2 pontos percentuais à data de liquidação Campo 238 Os encargos evidenciados em documentos emitidos por sujeitos passivos com número de identificação fiscal inexistente ou inválido ou por sujeitos cuja cessação de actividade tinha sido declarada Campo

56 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 37.º Conceito de mais-valias e de menos-valias Ganhos obtidos ou as perdas sofridas mediante transmissão onerosa, bem como os decorrentes de sinistros ou os resultantes da afectação permanente a fins alheios à actividade exercida +/- valia = V. Realização ( V. aquisição Deprec fiscais) * Coef correc. monetária Artigo 38.º Correcção monetária das mais-valias e das menos-valias O valor de aquisição é corrigido mediante a aplicação dos coeficientes de desvalorização da moeda sempre que à data da realização tenham decorrido pelo menos dois anos desde a data da aquisição, sendo o valor dessa actualização deduzido para efeitos da determinação do LT 56

57 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Mais e menos valias Campos Q8 Acresce menos-valia contabilística Deduz mais-valia contabilística Campo 230 Campo 243 Saldo positivo/negativo entre mais e menos valias fiscais Sem intenção de reinvestimento reinvestimento Tributação na totalidade Campo 231 Campo 244 A acrescer A deduzir Com intenção de Não há correcção até ao final do terceiro exercício seguinte ao da realização 57

58 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 39.º Reinvestimento dos valores de realização Não concorre para o lucro tributável do exercício a diferença positiva entre as mais-valias e as menos-valias realizadas mediante transmissão onerosa de elementos do activo imobilizado corpóreo sempre que o valor de realização correspondente à totalidade dos referidos elementos seja reinvestido na aquisição, fabrico ou construção de elementos do activo imobilizado corpóreo até ao fim do terceiro exercício seguinte ao da realização. Em caso de reinvestimento parcial, não concorre para a o LT a parte proporcional da diferença referida no número anterior. Em caso de não se concretizar o reinvestimento, ao valor de IRPC liquidado é adicionado o IRPC que deixou de ser liquidado acrescido dos juros compensatórios correspondentes. O valor do reinvestimento é deduzido ao custo de aquisição do activo onde se verificou tal situação para o cálculo da correspondente reintegração 58

59 IRPC - A determinação do lucro tributável e o Quadro 8 - M22 Artigo 40.º Eliminação da dupla tributação económica de lucros distribuídos Para efeitos da determinação do LT são deduzidos os rendimentos incluídos na base tributável correspondentes a lucros distribuídos por entidades com sede ou direcção efectiva em território moçambicano desde que: Entidade participada esteja sujeita e não isenta de IRPC ou sujeita ao Imposto Especial sobre o Jogo; O sujeito passivo detenha directamente uma participação no capital não inferior a 20%; e A participação tenha permanecido na sua titularidade, de modo ininterrupto, durante os dois anos anteriores à data de colocação à disposição dos lucros ou, se detida há menos tempo, seja mantida até completar aquele período. Campo

60 IRPC Apuramento da matéria coletável e o Quadro 9 - M22 Prejuízos Fiscais Os prejuízos fiscais apurados são deduzidos aos lucros tributáveis de um ou mais dos cinco exercícios de tributação seguintes, de acordo com a imagem abaixo. 60

61 IRPC O Cálculo do Imposto e o Quadro 10 - M22 IRPC Liquidado Regime geral (32%) Dupla Tributação Económica (Artigo 64.º) Consiste na dedução de 60% do IRPC correspondente aos lucros que não poderam beneficiar do disposto no artigo 40.º até à concorrência do IRPC liquidado que corresponda aos lucros depois de acrescido o crédito de imposto de acordo com o art.º 53.º, n.º1 al. a) CIRPC. Assim, o crédito de imposto é acrescido no Posteriormente é deduzido ao IRPC liquidado no Campo 232 Campo

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento A Lei n.º 49/2013, de 16 de julho, criou um incentivo fiscal ao investimento designado por CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento. O presente

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE

CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Capítulo I - A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE 1. As necessidades de Informação nas empresas... 27 2. O ciclo contabilístico...

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1.1. Caracterização Imposto sobre o consumo (embora sejam as empresas as entidades que têm de entregar o imposto ao Estado, quem o suporta é o consumidor final);

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/09

Contabilidade Financeira II 2008/09 Contabilidade Financeira II 2008/09 Impostos Estado e Outros Entes Públicos Impostos: IRC - Imposto sobre o rendimento IRS - Retenção de impostos sobre rendimentos (já vimos) IVA - Imposto sobre o valor

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos Anterior Código IRC Artigo 1.º Pressuposto do imposto O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas O IRC é o imposto que tributa o rendimento obtido pelas empresas portuguesas ou por empresas estrangeiras com negócios em Portugal. O imposto a pagar é

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIRECÇÃO EFECTIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIRECÇÃO EFECTIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 009 DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 0 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DESIGNAÇÃO Residente que exerce a título principal actividade comercial industrial

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

DECLARAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA E FISCAL

DECLARAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA E FISCAL QUADRO 1 IDENTIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO (Q1.4) ANO DECLARAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA E FISCAL PRIMEIRA (Q1.1) SUBSTITUIÇÃO (Q1.2) OUTRA (Q1.3) QUADRO 2- IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO (Q2.1)

Leia mais

IRC Declaração modelo 22 Quadro 07 Manual de preenchimento IRC Declaração de Rendimentos MODELO 22 Quadro 07 Manual de preenchimento

IRC Declaração modelo 22 Quadro 07 Manual de preenchimento IRC Declaração de Rendimentos MODELO 22 Quadro 07 Manual de preenchimento IRC Declaração de Rendimentos MODELO 22 Quadro 07 Manual de preenchimento Elaborado em 2011 03 16 1 2 Quadro 07 Apuramento do lucro tributável Com a entrada em vigor do Sistema de Normalização Contabilística,

Leia mais

QUADRO 07 APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL

QUADRO 07 APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL 89 QUADRO 07 APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL Este Quadro, A PREENCHER SOMENTE pelas entidades que exerçam, a título principal, uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, QUANDO SUJEITAS

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI)

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) ÍNDICE 1.A RELAÇÃO ENTRE A CONTABILIDADE E A FISCALIDADE 2. IMPLICAÇÕES FISCAIS DO SNC 2.1 - Determinação do lucro tributável

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

QUADRO N.º 1 Articulados dos Decretos Regulamentar n.º 2/90 e n.º 25/2009

QUADRO N.º 1 Articulados dos Decretos Regulamentar n.º 2/90 e n.º 25/2009 QUADRO Articulados dos Decretos Regulamentar n.º 2/90 e n.º 25/2009 Articulado Artigo 1.º N.º 4 DR2/90 Condições gerais de aceitação das reintegrações e amortizações Podem ser objecto de reintegração e

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 03 1 DESIGNAÇÃO R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 01 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 1 2 De / / a / / 02 ÁREA

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

As obrigações fiscais das Associações de Pais

As obrigações fiscais das Associações de Pais XIII Encontro Regional de Associações de Pais VISEU As obrigações fiscais das Associações de Pais 1 Introdução Definição de Associação Associação é uma organização resultante da reunião legal entre duas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 175/XII Exposição de Motivos A reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) é uma prioridade do Governo desde o início da legislatura. Esta reforma consta, desde

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 11 16 de janeiro de 2014 253

Diário da República, 1.ª série N.º 11 16 de janeiro de 2014 253 Diário da República, 1.ª série N.º 11 16 de janeiro de 2014 253 5 O disposto no artigo 10.º é aplicável à assembleia geral convocada para proceder às alterações estatutárias necessárias para efeitos do

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos Adaptação do Código do IRC aos novos normativos contabilísticos 2009-04-23 1 Lei n.º 64-A/2008, de 31/12 (OE para 2009) Art.º 74.º Autoriza o Governo a alterar o Código do IRC e legislação complementar

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

LEI Nº 28/2014, DE 23 DE SETEMBRO: REGIME ESPECÍFICO DE TRIBUTAÇÃO E DE BENEFÍCIOS FISCAIS DA ATIVIDADE MINEIRA

LEI Nº 28/2014, DE 23 DE SETEMBRO: REGIME ESPECÍFICO DE TRIBUTAÇÃO E DE BENEFÍCIOS FISCAIS DA ATIVIDADE MINEIRA LEI Nº 28/2014, DE 23 DE SETEMBRO: REGIME ESPECÍFICO DE TRIBUTAÇÃO E DE BENEFÍCIOS FISCAIS DA ATIVIDADE MINEIRA I. ENQUADRAMENTO E FINALIDADES Na sequência da publicação da Lei n.º 20/2014, de 18 de Agosto,

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas N.º 02 09 de Janeiro 2015 Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas No quadro de uma reforma da fiscalidade ambiental, foi publicada, em 31 de Dezembro, para vigorar já em 2015, uma lei que procede

Leia mais

Circular 1, de 21/01/1999 - Gabinete do Director-Geral

Circular 1, de 21/01/1999 - Gabinete do Director-Geral Circular 1, de 21/01/1999 - Gabinete do Director-Geral EURO Implicações fiscais. Regras a observar, no período transitório Circular 1, de 21/01/1999 - Gabinete do Director-Geral EURO Implicações fiscais

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais