Substituição Tributária e Antecipação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Substituição Tributária e Antecipação"

Transcrição

1 Substituição Tributária e Antecipação Regra Geral Novembro/2013 1

2 1.Introdução Substituição Tributária conceito Base Legal Operações Internas e Interestaduais Operações Internas Operações Interestaduais Retenção do ICMS para outro Estado Retenção do ICMS para São Paulo Lista de s do Estado de São Paulo Conceito de contribuinte substituto e substituído Contribuinte substituto Contribuinte substituído Modalidades de substituição tributária Antecedente (para trás) Concomitante Subsequente (para frente) Responsabilidade tributária Inaplicabilidade do regime de substituição tributária Inaplicabilidade da antecipação Base de Cálculo Base de cálculo fixada por autoridade competente Preço final ao consumidor sugerido pelo fabricante ou importador Inexistência de preço final a consumidor Operações Internas Venda a Não Contribuinte Venda a contribuinte do ICMS usuário final Venda para comercialização Cálculo para Substituto RPA Cálculo para Substituto Simples Nacional Operações Interestaduais Venda a Não Contribuinte Venda a contribuinte do ICMS usuário final Venda para comercialização Cálculo para Substituto RPA Cálculo para Substituto Simples Nacional Cálculo do imposto - recebimento de outra unidade da Federação sem a retenção do imposto - produtos relacionados nos Artigos 313-A a 313-Z Obrigatoriedade

3 12.2. Dispensa Mercadorias sujeitas Cálculo do imposto Preço final ao consumidor Índice de valor adicionado Setorial - IVA-ST IVA-ST ajustado Diferencial de alíquotas Recolhimento Lançamentos por ocasião da entrada das mercadorias Emissão e escrituração por ocasião das saídas das mercadorias Estabelecimento distribuidor detentor do regime especial Entradas interestaduais sem retenção do imposto envolvendo optantes do Simples Nacional Procedimentos fiscais - operações internas - contribuinte substituto Emissão de Documentos Fiscais pelo Sujeito Passivo por Substituição Nota Fiscal emitida por Contribuinte Substituto RPA Nota Fiscal emitida por Contribuinte Substituto Simples Nacional Escrituração Fiscal do Contribuinte Substituto Apuração do ICMS Retido Procedimentos fiscais - saídas internas - contribuinte substituído Emissão de Documentos Fiscais pelo Contribuinte Substituído Escrituração Fiscal do Contribuinte Substituído Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Guia de informação e apuração do ICMS substituição tributária (GIA-ST) Utilização Contribuinte Prazo GIA-ST Sem Movimento Apresentação da GIA-ST Crédito do imposto e Ressarcimento do imposto retido Ressarcimento do imposto retido Crédito do imposto Devolução de mercadoria sujeita a substituição tributária

4 19.1. Devolução Devolução de substituído para outro contribuinte substituído Devolução de substituído para contribuinte substituto Exemplo de nota fiscal Tabela de CFOPs e código de situação tributária CFOP quadro Código de situação tributária

5 1. Introdução A responsabilidade pelo pagamento do ICMS, como regra, é da pessoa que promove a circulação de mercadorias ou a prestação de serviços sujeitos ao imposto. A substituição tributária pode ser aplicada às operações ou prestações anteriores (diferimento), concomitantes ou subsequentes. A lei poderá atribuir ao sujeito passivo de obrigação tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente, assegurada a imediata e preferencial restituição da quantia paga, caso não se realize o fato gerador presumido. Neste curso, veremos os principais aspectos relativos à substituição tributária do ICMS em relação às operações subsequentes. (Constituição Federal, art. 150, 7º; Lei Complementar nº 87/1996, art. 6º, 1º) 2. Substituição Tributária - conceito A substituição tributária pode ser conceituada como o regime por meio do qual a responsabilidade pelo ICMS devido em relação às operações/prestações é atribuída a outro contribuinte, ou seja, conferindo a terceiro a responsabilidade pelo recolhimento, antes de ocorrido o fato gerador das saídas subsequentes por exemplo. A previsão legal da substituição tributária foi inserida por meio da Emenda Constitucional nº 3/1993, que acrescentou o 7º ao art. 150 da Constituição Federal de 1988: Art [...] 7º A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente, assegurada a imediata e preferencial restituição da quantia paga, caso não se realize o fato gerador presumido. Já Lei Complementar nº 87/1996, arts. 5º a 9º, regulamentou o preceito constitucional mencionado anteriormente, trazendo as regras básicas a serem observadas pelos Estados e pelo Distrito Federal. Desta forma, cada Estado e o Distrito Federal deverão instituir, por meio de lei, o regime de substituição tributária dentro dos limites já estabelecidos pela Constituição Federal e por meio da Lei Complementar nº 87/1996. Na substituição tributária, temos os seguintes conceitos: a) contribuinte substituto é aquele a quem a legislação atribui a responsabilidade pelo pagamento do imposto; b) contribuinte substituído é aquele que dá causa ao fato gerador, mas é dispensado do recolhimento pela legislação, já que o recolhimento já foi realizado pelo substituto. 5

6 3. Base Legal Operações Internas e Interestaduais 3.1. Operações Internas As bases legais nas operações internas no Estado de São Paulo estão dispostas no RICMS-SP, arts. 260 até 426 e algumas portarias que estão presente neste material. Segue abaixo, produtos sujeitos a substituição tributária, bem como sua respectiva base legal: Produto Base legal Álcool carburante RICMS-SP, arts. 418 e 419 Artefatos de uso doméstico RICMS-SP, arts. 313-Z15 e 313-Z16 Autopeças RICMS-SP, arts. 313-O e 313-P Bebidas alcoólicas, exceto cerveja e chope RICMS-SP, arts. 313-C e 313-D Bicicletas RICMS-SP, arts. 313-Z5 e 313-Z6 Brinquedos RICMS-SP, arts. 313-Z9 e 313-Z10 Cimento RICMS-SP, arts. 291 e 292 Combustíveis e lubrificantes RICMS-SP, arts. 412 a 417 Energia elétrica RICMS-SP, arts. 425 e 426 Ferramentas RICMS-SP, arts. 313-Z3 e 313-Z4 Frutas RICMS-SP, arts. 297 e 298 Fumo e sucedâneos manufaturados RICMS-SP, arts. 289 e 290 Gás natural veicular (GNV) RICMS-SP, art. 422-A Instrumentos musicais RICMS-SP, arts. 313-Z7 e 313-Z8 Lâmpadas elétricas RICMS-SP, arts. 313-S e 313-T Máquinas e aparelhos mecânicos, elétricos, eletromecânicos e automáticos RICMS-SP, arts. 313-Z11 e 313-Z12 Materiais de construção e congêneres RICMS-SP, arts. 313-Y e 313-Z Materiais elétricos RICMS-SP, arts. 313-Z17 e 313-Z18 Medicamentos e contraceptivos RICMS-SP, arts. 313-A e 313-B Papel RICMS-SP, arts. 313-U e 313-V Pilhas e baterias RICMS-SP, arts. 313-Q e 313-R Pneumáticos e afins RICMS-SP, arts. 310 e 311 Produtos da indústria alimentícia RICMS-SP, arts. 313-W e 313-X Produtos de colchoaria RICMS-SP, arts. 313Z1 e 313-Z2 Produtos de higiene pessoal RICMS-SP, arts. 313-G e 313-H Produtos de limpeza RICMS-SP, arts. 313-K e 313-L Produtos de papelaria RICMS-SP, arts. 313-Z13 e 313-Z14 Produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos RICMS-SP, arts. 313-Z19 e 313-Z20 Produtos fonográficos RICMS-SP, arts. 313-M e 313-N Produtos de perfumaria RICMS-SP, arts. 313-E e 313-F Ração animal RICMS-SP, arts. 313-I e 313-J 6

7 Refrigerante, cerveja, chope e água RICMS-SP, arts. 293 e 294 Sorvete RICMS-SP, arts. 295 e 296 Tintas, vernizes e outros produtos químicos RICMS-SP, arts. 312 e 313 Veículo automotor novo RICMS-SP, arts. 301, 301-A e 302 a 308 Veículos de duas rodas (motocicletas) RICMS-SP, arts. 299 e Operações Interestaduais O Convênio ICMS 81/1993 estabelece normas gerais a serem aplicadas a regimes de substituição tributária, instituídos por Convênios ou s firmados entre os Estados e o Distrito Federal. Nas operações interestaduais realizadas por contribuinte com as mercadorias relacionadas nos convênios ou protocolos, fica atribuída ao remetente a responsabilidade pela retenção e pelo recolhimento do ICMS retido em favor da Unidade da Federação destinatária, na qualidade de sujeito passivo por substituição, mesmo que o imposto já tenha sido retido anteriormente. O sujeito passivo por substituição será aquele definido como tal em convênio ou protocolo que disponha sobre a substituição tributária aplicável à mercadoria. (Convênio ICMS nº 81/1993, Cláusula segunda e Cláusula quinta, parágrafo único) Retenção do ICMS para outro Estado O contribuinte paulista que, na condição de responsável, efetuar retenção do ICMS a favor de outra Unidade da Federação: a) deverá observar a disciplina estabelecida pela Unidade da Federação de destino da mercadoria; b) terá seu estabelecimento, relativamente a operações ou prestações com retenção do imposto, sujeito à fiscalização pelas Unidades da Federação de destino das mercadorias ou serviços, cujos agentes, para tanto, serão previamente cadastrados pela Secretaria da Fazenda deste Estado, salvo se a fiscalização for exercida sem a presença física do agente fiscal no estabelecimento fiscalizado. O contribuinte que não possuir inscrição como substituto tributário, no Estado de destino, deverá recolher o imposto mediante utilização da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) por ocasião da saída da mercadoria. A disciplina sobre o uso da GNRE consta da Portaria CAT nº 48/2002. (RICMS/SP, arts. 261, parágrafo único, e 262, 3º; Portaria CAT nº 48/2002 ; Convênio ICMS nº 81/1993, cláusula sexta) 7

8 Retenção do ICMS para São Paulo O regime de substituição tributária é aplicado também ao contribuinte estabelecido em outra Unidade da Federação quando, na condição de responsável, efetuar retenção do ICMS em favor do Estado de São Paulo. A fiscalização de contribuinte estabelecido em outra Unidade da Federação será efetuada com observância das normas constantes de acordo firmados entre as Unidades da Federação envolvidas. O contribuinte que não possuir inscrição como substituto tributário no Estado de São Paulo deverá recolher o imposto mediante utilização da GNRE por ocasião da saída da mercadoria. A disciplina sobre o uso da mencionada guia consta da Portaria CAT nº 48/2002. Na hipótese da falta de inscrição neste Estado, independentemente da ação fiscal cabível, o ICMS retido, devido ao Estado de São Paulo, deverá ser recolhido por ocasião da saída da mercadoria do estabelecimento, mediante utilização da GNRE, em relação à qual deverá ser observado o seguinte: a) será emitida uma guia para cada destinatário; b) no campo "Informações Complementares" deverá constar o número da nota fiscal a que se refere o correspondente recolhimento; c) uma via da GNRE deverá acompanhar o transporte da mercadoria. (RICMS/SP, art. 262, caput, 1º, 2º e 3º; Portaria CAT nº 48/2002; Convênio 81/1993, cláusulas sexta e sétima, 2º) Lista de s do Estado de São Paulo Descrição Açúcar Açúcar de cana Água mineral ou potável e gelo Aguardente Artefatos de uso doméstico Unidades da Federação Signatárias Rio Grande do Norte e São Paulo Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Pará Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Distrito Federal, Pará, Amapá, Rondônia, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Goiás, Tocantins, Piauí, Amazonas, Maranhão, Roraima, Rio Grande do Norte, Ceará e Sergipe Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Pernambuco e São Paulo Rio Grande do Norte e São Paulo Minas Gerais e São Paulo ICM/ICMS nº 46/ / / / / / /2009 8

9 Artigos de papelaria Artigos de vestuário Artigos para bebê Autopeças Autopropulsados - Veja "peças..." Bebidas quentes Rio Grande do Sul e São Paulo Sergipe e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Bahia e São Paulo Sergipe e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Rio Grande do Sul e São Paulo (efeitos a partir da data prevista em Decreto do Poder Executivo) Rio Grande do Sul e São Paulo (efeitos a partir da data prevista em Decreto do Poder Executivo) Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro, Espírito Santo e Distrito Federal (efeitos no Distrito Federal a partir da data prevista em ato do Poder Executivo) Espírito Santo e São Paulo Pernambuco e São Paulo Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Alagoas Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo Pernambuco e São Paulo Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo Bahia e São Paulo Espírito Santo e São Paulo 86/ / / / / / / /2012 2/2012 3/ / / / /2007 6/ / / / / /2011 9

10 Bicicletas Brinquedos Cerveja Chope Cimento de qualquer espécie Amapá e São Paulo Maranhão e São Paulo Piauí e São Paulo Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Bahia e São Paulo Pernambuco e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Bahia e São Paulo Pernambuco e São Paulo Sergipe e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Distrito Federal, Pará, Amapá, Rondônia, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Goiás, Tocantins, Piauí, Amazonas, Maranhão, Roraima, Rio Grande do Norte, Ceará e Sergipe Rio Grande do Norte e São Paulo Rio Grande do Norte e São Paulo Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Distrito Federal e Rio Grande do Sul Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraíba, Rondônia, Sergipe, Alagoas, Ceará, Acre, Pará, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima, Tocantins, Distrito Federal e Goiás Rio Grande do Sul e São Paulo 54/ / / / / / / / / / / / / / / / /1992 7/ / /

11 Cosméticos e artigos de perfumaria Cosméticos e artigos de perfumaria, de higiene pessoal e de toucador Disco fonográfico, fita virgem ou gravada Farinha de trigo Ferramentas Pernambuco e São Paulo Bahia e São Paulo Espírito Santo e São Paulo Amapá e São Paulo Roraima e São Paulo Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Alagoas e São Paulo (aplicação no Estado de Alagoas a partir de 1º ) Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Pernambuco e São Paulo Paraná e São Paulo Amapá e São Paulo Rio de Janeiro e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pará, Pernambuco, Alagoas, Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia, Sergipe, Distrito Federal, Piauí, Acre, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Amapá, Rio Grande do Sul, Rondônia, Tocantins, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Goiás e Santa Catarina Rio Grande do Norte e São Paulo Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Sergipe e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) 135/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / /

12 Filme fotográfico e cinematográfico e slide Gado em pé Instrumentos musicais Lâmina de barbear, aparelho de barbear descartável e isqueiro Lâmpada elétrica Leite em pó Máquinas e aparelhos mecânicos, elétricos, eletrodomésticos e automáticos Materiais de construção Materiais de construção, acabamento, bricolagem ou adorno Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pará, Alagoas, Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia, Sergipe, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Amapá, Rio Grande do Sul, Rondônia, Maranhão, Tocantins, Pernambuco, Piauí, Mato Grosso, Acre, Roraima, Distrito Federal e Santa Catarina Mato Grosso do Sul e São Paulo Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pará, Bahia, Ceará, Sergipe, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Rondônia, Amapá, Maranhão, Tocantins, Piauí, Mato Grosso, Acre, Alagoas, Roraima, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Goiás, Distrito Federal, Santa Catarina e Paraná Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pará, Ceará, Bahia, Sergipe, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Rondônia, Amapá, Maranhão, Tocantins, Piauí, Mato Grosso, Acre, Alagoas, Roraima, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Goiás, Distrito Federal, Santa Catarina e Paraná São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Paraná, Tocantins, Espírito Santo, Pernambuco, Bahia e Ceará Minas Gerais e São Paulo Amapá e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Alagoas e São Paulo (aplicação no Estado de Alagoas a partir de 1º ) Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Bahia e São Paulo Pernambuco e São Paulo Distrito Federal e São Paulo (efeitos a partir da data prevista em ato do Poder Executivo distrital) 113/ /1985 3/ / / / / / / / / / / / / / / / / /

13 Materiais de limpeza Materiais elétricos Amapá e São Paulo Paraná e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Goiás e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Maranhão e São Paulo Sergipe e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Pernambuco e São Paulo Alagoas e São Paulo Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Bahia e São Paulo Amapá e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Pernambuco e São Paulo Distrito Federal e São Paulo (efeitos a partir da data prevista em ato do Poder Executivo distrital) Goiás e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Maranhão e São Paulo Amapá e São Paulo 60/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /

14 Óleos comestíveis Peças, componentes e acessórios diversos, para autopropulsados e outros fins Pilha e bateria elétricas Produtos agrícolas Produtos alimentícios Produtos de colchoaria (suportes elásticos para cama, colchões, inclusive box, travesseiros e pillow) Produtos de venda a domicílio Produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos Sergipe e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) São Paulo e Espírito Santo Ceará e São Paulo Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pará, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Rondônia, Amapá, Maranhão, Tocantins, Piauí, Acre, Mato Grosso, Alagoas, Roraima, Rio Grande do Norte, Ceará, Goiás, Distrito Federal, Santa Catarina e Paraná Distrito Federal e São Paulo Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Amapá e São Paulo Sergipe e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Minas Gerais e São Paulo Sergipe e São Paulo Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) São Paulo e Distrito Federal Minas Gerais e São Paulo Rio Grande do Sul e São Paulo Pernambuco e São Paulo Amapá e São Paulo Paraná e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) 113/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / /

15 Produtos eletrodomésticos, eletroeletrônicos e equipamentos de informática Produtos farmacêuticos, soros e vacinas de uso humano Produtos farmacêuticos, soros e vacinas de uso humano ou veterinário Rações tipo pet para animais domésticos Sergipe e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Santa Catarina e São Paulo (efeitos a partir de 1º ) Mato Grosso do Sul, São Paulo e Alagoas Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Rio de Janeiro e São Paulo Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Pernambuco e São Paulo Espírito Santo e São Paulo Distrito Federal, Minas Gerais e São Paulo (efeitos no Distrito Federal a partir da data prevista em decreto do Poder Executivo) Bahia e São Paulo Amapá e São Paulo Maranhão e São Paulo Mato Grosso do Sul, São Paulo e Alagoas Alagoas, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe, Tocantins, Acre, Amazonas, Roraima, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Bahia Mato Grosso do Sul, São Paulo e Alagoas Rio Grande do Sul e São Paulo Mato Grosso e São Paulo Ceará e São Paulo Pernambuco e São Paulo 70/ / / /2007 8/ / /2007 7/ / / / / / / / / / / /2007 9/ /

16 Refrigerantes Sorvetes Sorvetes de qualquer espécie e preparados para fabricação de sorvete em máquina Suportes elásticos para cama, colchões, inclusive box, travesseiros e pillow - Veja também "Produtos de colchoaria" Telhas, cumeeiras e caixas d'água de cimento, amianto, fibrocimento, polietileno e fibra de vidro Tintas e vernizes Vinhos e sidras Xarope ou extrato concentrado destinado ao preparo de refrigerante em máquina pre-mix ou postmix Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Distrito Federal, Pará, Amapá, Rondônia, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Goiás, Tocantins, Piauí, Amazonas, Maranhão, Roraima, Rio Grande do Norte, Ceará e Sergipe Rio Grande do Norte e São Paulo Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina Acre, Amapá, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Pará, Pernambuco e São Paulo Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, Alagoas, Espírito Santo, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Tocantins, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Bahia, Amapá, Paraíba, Sergipe, Mato Grosso, Amazonas e Roraima Exclusão: Piauí e Tocantins em relação às operações com preparados para fabricação de sorvete em máquina Rio Grande do Sul e São Paulo Ceará e São Paulo (aplicação no Estado do Ceará a partir de 1º ) Alagoas e São Paulo Paraná e São Paulo Acre, Amapá, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Distrito Federal Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso, Distrito Federal, Tocantins, Goiás e Ceará Ceará e São Paulo Pernambuco e São Paulo Rio Grande do Norte e São Paulo 98/ / /1992 4/ / / / / /2008 3/ / / / / /1992 (RICMS-SP/2000, Anexo VI; Convênio 81/1993) 4. Conceito de contribuinte substituto e substituído 4.1. Contribuinte substituto O contribuinte substituto é aquele que a legislação estabelece como responsável pela retenção e recolhimento do ICMS incidente pelas operações subsequentes até a operação com o consumidor final, ou seja, o contribuinte substituto substitui os demais contribuintes na 16

17 obrigatoriedade de recolhimento do ICMS por ocasião da saída da mercadoria, mediante a retenção e recolhimento do imposto antecipadamente, razão pela qual aquele que recebe a mercadoria com o imposto retido é denominado substituído Contribuinte substituído Substituído é aquele que promove as operações subsequentes com as mercadorias que estão sujeitas ao regime de substituição tributária, quando o contribuinte já sofreu a retenção do ICMS devido pelos fatos geradores que vier a praticar com as mesmas mercadorias. 5. Modalidades de substituição tributária 5.1. Antecedente (para trás) A substituição tributária antecedente, também conhecida como substituição tributária para trás, consiste no adiamento do pagamento do imposto, ou seja, o imposto será pago por uma terceira pessoa, ou seja, outro contribuinte em momento futuro, relativamente a fato gerador já ocorrido, sendo também conhecido como Diferimento do ICMS Concomitante A substituição tributária concomitante consiste em atribuir a responsabilidade pelo pagamento do imposto ao tomador ou a terceiro envolvido na prestação do serviço, o recolhimento do imposto é concomitantemente à ocorrência do fato gerador. Nesta situação se encontra a Substituição Tributária dos serviços de transportes de cargas Subsequente (para frente) A substituição tributária subsequente, também chamada de substituição tributária para frente, consiste na retenção e antecipação do recolhimento do imposto, por um contribuinte denominado substituto, em relação à terceiro por fato gerador ainda não praticado, ou seja, 17

18 pelas operações subsequentes que serão praticadas pelos demais contribuintes até a operação com o consumidor final. 6. Responsabilidade tributária Em relação a substituição tributária nas legislações vigentes, os responsáveis tributários, caracterizados como contribuintes substitutos, são: I - estabelecimento de fabricante ou de importador ou a arrematante de mercadoria importada do exterior e apreendida, localizado neste Estado; II - qualquer estabelecimento localizado em território paulista que receber mercadoria diretamente de outro Estado sem a retenção antecipada do imposto. Sendo assim nas aquisições internas de mercadorias sujeitas a substituição, os contribuintes atacadistas/distribuidores e varejistas deverão receber as mercadorias já com o imposto retido, com a indicação nas notas fiscais da base de cálculo da retenção e do valor ou parcela do imposto retido, tendo em vista a responsabilidade do fabricante ou de importador do recolhimento da substituição tributária, exceto quando optantes de regime especiais. Consequentemente, as operações internas seguintes seguirão sem o destaque do ICMS, mas com a indicação, na respectiva Nota Fiscal, de que o ICMS foi pago antecipadamente por substituição e com indicação do dispositivo legal correspondente. Ex: Imposto Recolhido por Substituição Artigo do RICMS. Em operações interestaduais, a aplicação do regime de substituição tributária dependerá de acordo específico celebrado pelos Estados interessados, através de Convênio ICMS ou ICMS, conforme dispõe o Convênio 81/1993. Convênio 81/1993 Estabelece normas gerais a serem aplicadas a regimes de substituição tributária, instituídos por Convênios ou s firmados entre os Estados e o Distrito Federal. (...) Cláusula segunda Nas operações interestaduais realizadas por contribuinte com as mercadorias a que se referem os correspondentes Convênios ou s, a ele fica atribuída a responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto em favor do Estado destinatário, na qualidade de sujeito passivo por substituição, mesmo que o imposto já tenha sido retido anteriormente. Na entrada no território Paulista de mercadoria mercadorias sujeitas ao regime jurídico da substituição tributária referidas nos artigos 313-A a 313-Z20, exceto se o remetente da 18

19 mercadoria tiver efetuado a retenção antecipada do imposto, procedente de outra unidade da Federação, o contribuinte paulista que conste como destinatário no documento fiscal relativo à operação deverá efetuar antecipadamente o recolhimento, conforme dispõe o artigo 426-A do RICMS-SP. 7. Inaplicabilidade do regime de substituição tributária O artigo 264 do RICMS-SP, dispõe sobre as hipóteses que não aplica-se a substituição tributária. Salvo disposição em contrário, não se inclui na sujeição passiva por substituição, subordinando-se às normas comuns da legislação, a saída, promovida por estabelecimento responsável pela retenção do imposto, de mercadoria destinada a: I - integração ou consumo em processo de industrialização; II - estabelecimento paulista, quando a operação subsequente estiver amparada por isenção ou não-incidência; III - outro estabelecimento do mesmo titular, desde que não varejista; IV - outro estabelecimento responsável pelo pagamento do imposto por sujeição passiva por substituição, em relação à mesma mercadoria ou a outra mercadoria enquadrada na mesma modalidade de substituição; V - estabelecimento situado em outro Estado. Na hipótese do inciso III ou IV, a responsabilidade pela retenção do imposto será do estabelecimento destinatário, devendo tal circunstância ser indicada no campo "Informações Complementares" do respectivo documento fiscal. O disposto nos incisos III e IV não autoriza o estabelecimento destinatário atacadista a receber, sem a retenção antecipada do imposto, mercadoria de outro contribuinte responsável por tal retenção. O disposto no inciso IV não se aplica na hipótese em que o estabelecimento destinatário da mercadoria tenha a responsabilidade tributária atribuída pela legislação apenas pelo fato de receber mercadoria de outro Estado. Na ocorrência de qualquer saída ou evento que descaracterizar situação prevista nos incisos, o imposto relativo à substituição tributária será exigido do remetente, podendo o fisco exigi-lo do destinatário. 8. Inaplicabilidade da antecipação O artigo 426-A, 6º, 6º-A e 7º do RICMS-SP, dispõe sobre as hipóteses de inaplicabilidade da antecipação tributária, conforme segue abaixo. Salvo disposição em contrário, fica dispensado o recolhimento do ICMS antecipado na entrada de mercadoria destinada a: 1 - integração ou consumo em processo de industrialização; 2 - estabelecimento responsável pelo pagamento do imposto por sujeição passiva por substituição, em relação à mesma mercadoria ou a outra mercadoria enquadrada na mesma 19

20 modalidade de substituição, hipótese em que a respectiva saída da mercadoria subordinar-se-á ao regime jurídico da substituição tributária previsto no regulamento, ressalvado o disposto no 6 -A; RICMS-SP, art. 426-A (...) 6 -A - O disposto no item 2 do 6 não se aplica na hipótese em que o estabelecimento destinatário da mercadoria: 1- seja atacadista; 2 - tenha a responsabilidade tributária atribuída pela legislação apenas pelo fato de receber mercadoria de outra unidade da Federação. (...) 3 - estabelecimento paulista pertencente ao mesmo titular do estabelecimento remetente, hipótese na qual a responsabilidade pela retenção do imposto será do estabelecimento destinatário, que deverá observar as demais normas relativas ao regime jurídico da substituição tributária previsto no regulamento, se, cumulativamente: a) esse estabelecimento não for varejista; b) a mercadoria entrada tiver sido fabricada, importada ou arrematada, quando importada do exterior e apreendida, por qualquer estabelecimento do mesmo titular. Na ocorrência de qualquer saída ou evento que descaracterize a situação prevista acima, o recolhimento do imposto devido por antecipação nos termos deste artigo será exigido do estabelecimento paulista que recebeu a mercadoria procedente de outra unidade da Federação. 9. Base de Cálculo No caso de sujeição passiva por substituição com retenção antecipada do imposto, a base de cálculo poderá: I ser determinada por autoridade competente; II sugerida pelo fabricante ou importador; III na falta dessas duas hipóteses, atender a regra específica para sua formação. Na falta de preço final a consumidor, único ou máximo, autorizado ou fixado por autoridade competente, a base de cálculo do imposto para fins de substituição tributária com retenção antecipada do imposto será o preço praticado pelo sujeito passivo, incluídos os valores correspondentes a frete, carreto, seguro, impostos e outros encargos transferíveis ao adquirente, acrescido do valor resultante da aplicação de percentual de margem de valor agregado estabelecido conforme disposto pela legislação em cada caso Base de cálculo fixada por autoridade competente RICMS-SP Artigo 40-A - No caso de sujeição passiva por substituição com retenção antecipada do imposto, a base de cálculo será o preço final a consumidor, único ou máximo, autorizado ou fixado por autoridade competente. Parágrafo único - Tratando-se de veículo automotor novo importado, ao preço único ou máximo de venda deverão ser acrescidos os valores relativos aos acessórios colocados no veículo pelo sujeito passivo por substituição. 20

21 Portaria CAT. O valor é divulgado em Ato da Secretaria da Fazenda, especificamente por meio de 9.2. Preço final ao consumidor sugerido pelo fabricante ou importador O fabricante ou o importador poderá sugerir o preço final a consumidor que adotar-se-á esse preço como base de cálculo para retenção do imposto por substituição tributária. A adoção dos preços sugeridos como base de cálculo do imposto devido por antecipação fica condicionada a que (parágrafo único do art. 41 do RICMS/SP): Parágrafo único - Quando existir preço final a consumidor sugerido pelo fabricante ou importador, adotar-se-á esse preço como base de cálculo para retenção do imposto por substituição tributária, desde que: 1 - a entidade representativa do fabricante ou importador apresente pedido formal, nos termos de disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda, devidamente documentado por cópias de Notas Fiscais e demais elementos que possam comprovar o preço praticado; 2 - na hipótese de deferimento do pedido referido no item 1, o preço sugerido será aplicável somente após ser editada a legislação correspondente Inexistência de preço final a consumidor RICMS-SP, art. 41 dispõe a base de cálculo da substituição tributária na inexistência de preço final a consumidor. Na falta de preço final a consumidor, único ou máximo, autorizado ou fixado por autoridade competente, a base de cálculo do imposto para fins de substituição tributária com retenção antecipada do imposto será o preço praticado pelo sujeito passivo, incluídos os valores correspondentes a frete, carreto, seguro, impostos e outros encargos transferíveis ao adquirente, acrescido do valor resultante da aplicação de percentual de margem de valor agregado estabelecido conforme disposto pela legislação em cada caso. BC = (Valor da mercadoria + IPI + Frete + Outras Despesas) x (1+IVA-ST) O IVA-ST, são divulgados pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo por meio de Portaria CAT de acordo com os seguimentos. 10. Operações Internas Venda a Não Contribuinte Nas saídas efetuadas pelo contribuinte substituto, com destino a não contribuinte do ICMS, não se aplica a substituição tributária. Como já sabemos a substituição tributária, ocorre somente quando há uma saída subsequente, como na situação em questão o destinatário não comercializará a mercadoria, não haverá operação subsequente. 21

22 10.2. Venda a contribuinte do ICMS usuário final Nas saídas efetuadas pelo contribuinte substituto, com destino a contribuinte do ICMS, para uso ou consumo, ou também para o ativo imobilizado, não se aplica a substituição tributária, já que não haverá operações subsequentes Venda para comercialização Nas saídas efetuadas pelo contribuinte substituto com destino a contribuinte do ICMS, para comercialização, haverá a substituição, tendo em vista a saída subsequente. O RICMS-SP, art. 268 dispõe que o valor do imposto a ser recolhido a título de sujeição passiva por substituição é a diferença entre o valor do imposto calculado mediante aplicação da alíquota interna sobre a base de cálculo prevista para a operação ou prestação sujeita à substituição tributária e o valor do imposto devido pela operação ou prestação própria do remetente Cálculo para Substituto RPA Exemplo: Indústria de Ferraz de Vasconcelos/SP faz uma venda de produto sujeito a substituição tributária a uma loja revendedora em Mogi das Cruzes/SP. O valor dos produtos é de R$ 1.000,00, mais 10% de IPI. A margem de lucro (IVA-ST) fixada pelo Estado é de 35%. Assim, teremos o seguinte cálculo: Cálculo do Valor das Mercadorias/Frete/Seguro/Outros Total dos produtos (1) 1.000,00 Valor do Frete Seguro Outras despesas acessórias Desconto Valor total dos produtos (2) 1.000,00 Cálculo do IPI Alíquota 10% Valor do IPI (3) 100,00 Base de Cálculo ICMS Operações Próprias Alíquota Interna 18% Valor do ICMS operações próprias (4) 180,00 22

23 Base de Cálculo ICMS Substituição Tributária Margem do valor agregado (MVA) ou IVA-ST (5) 35% Base de Cálculo Substituição tributária (6) 1.485,00 ICMS Substituição Tributária Valor do ICMS ST (7) 87,30 Fórmula: ((Valor total dos produtos (2) + Valor do IPI (3) x IVA-ST) + Valor total dos produtos (2) + Valor do IPI (3) ) x Alíquota ICMS) (-) (Total dos produtos (1) x Alíquota ICMS) = ICMS com Substituição Tributária Exemplo: ( ((R$ 1.100,00 x 35%) + R$1.100,00) x 18% ) ( R$ 1.000,00 x 18% ) = ICMS com Substituição Tributária ( (385, , ) x 18%) 180, = ICMS com Substituição Tributária (1.485, x 18%) 180, = ICMS com Substituição Tributária 267, = R$ 87,30 (=) Valor do ICMS retido R$ 87,30 Cálculo do Imposto Base de cálculo do ICMS Valor do ICMS Base de cálculo do ICMS Subst. Tribut. Valor do ICMS ST Valor total dos produtos 1.000,00 180, ,00 87, ,00 Frete Seguro Desconto Outras Despesas Acessórias Valor do IPI Valor Total da Nota 100, ,30 A carga tributária de toda a cadeia de circulação da mercadoria deve ser a mesma que seria se não houvesse a substituição tributária Cálculo para Substituto Simples Nacional Seguindo o mesmo exemplo anterior, vamos agora considerar o fabricante optante pelo Simples Nacional. Cálculo do Valor das Mercadorias/Frete/Seguro/Outros Total dos produtos (1) 1.000,00 Valor do Frete Seguro 23

24 Outras despesas acessórias Desconto Valor total dos produtos (2) 1.000,00 Base de Cálculo ICMS Operações Próprias Alíquota Interna 18% Valor do ICMS operações próprias (4) 180,00 Base de Cálculo ICMS Substituição Tributária Margem do valor agregado (MVA) ou IVA-ST (5) 35% Base de Cálculo Substituição tributária (6) 1.350,00 ICMS Substituição Tributária Valor do ICMS ST (7) 63,00 Fórmula: ((Valor total dos produtos (2) x IVA-ST) + Valor total dos produtos (2) ) x Alíquota ICMS) (-) (Total dos produtos (1) x Alíquota ICMS) = ICMS com Substituição Tributária Exemplo: ( ((R$ 1.000,00 x 35%) + R$1.000,00) x 18% ) ( R$ 1.000,00 x 18% ) = ICMS com Substituição Tributária ( (350, , ) x 18%) 180, = ICMS com Substituição Tributária (1.350, x 18%) 180, = ICMS com Substituição Tributária 243, = R$ 63,00 (=) Valor do ICMS retido R$ 63,00 Cálculo do Imposto Base de cálculo do ICMS Valor do ICMS Base de cálculo do ICMS Subst. Tribut. Frete Seguro Desconto Outras Despesas Acessórias Valor do ICMS ST Valor total dos produtos 1.350,00 63, ,00 Valor do IPI Valor Total da Nota 1.063,00 Observação: No cálculo da substituição tributária de empresa optante do Simples Nacional terá a dedução do ICMS das operações própria, mesmo sem o destaque, já que a legislação veda o destaque de tal imposto. 24

25 Base Legal: Resolução CGSN nº 94/ Operações Interestaduais Somente terá o destaque da substituição tributária em nota fiscal as operações interestaduais, com a existência de Convênio ou em os estado envolvido na operação, devendo ainda observar as seguintes situações: a) existindo acordo (Convênio ou ), o remetente será obrigado a reter e repassar o ICMS ao Estado de destino: mensalmente, se já tiver inscrição como substituto no outro Estado; em cada remessa, por GNRE Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Especiais enquanto não tiver inscrição naquele Estado, em caso de recolhimento a cada remessa, a GNRE será sempre em nome do remetente, pois ele é o responsável (deve cobrar em sua nota fiscal e recolher em seu nome) Venda a Não Contribuinte Nas saídas efetuadas pelo contribuinte substituto, com destino a não contribuinte do ICMS, não se aplica a substituição tributária. Como já sabemos a substituição tributária, ocorre somente quando há uma saída subsequente, como na situação em questão o destinatário não comercializará a mercadoria, não haverá operação subsequente Venda a contribuinte do ICMS usuário final Nas saídas efetuadas pelo contribuinte substituto, com destino a contribuinte do ICMS, para uso ou consumo, ou também para o ativo imobilizado, aplica-se a substituição tributária, com a diferença entre as alíquotas. Exemplo: Indústria de Ferraz de Vasconcelos/SP faz uma venda de produto sujeito a substituição tributária a uma loja revendedora em Recife/PE, produto destinado a uso e consumo. O valor dos produtos é de R$ 1.000,00, mais 10% de IPI. A margem de lucro (IVA-ST) fixada pelo Estado de Pernambuco é de 35%. Assim, teremos o seguinte cálculo: Cálculo do Valor das Mercadorias/Frete/Seguro/Outros Total dos produtos (1) 1.000,00 Valor do Frete Seguro Outras despesas acessórias Desconto Valor total dos produtos (2) 1.000,00 25

26 Cálculo do IPI Alíquota 10% Valor do IPI (3) 100,00 Base de Cálculo ICMS Operações Próprias Alíquota Interna no estado destino 17% Alíquota Interestadual 7% Valor do ICMS operações próprias (4) (1.100,00 * 7%) 77,00 Base de Cálculo ICMS Substituição Tributária Margem do valor agregado (MVA) ou IVA-ST (5) 35% Base de Cálculo Substituição tributária (6) 1.100,00 ICMS Substituição Tributária Valor do ICMS ST (7) 110,00 Fórmula: (Valor total dos produtos (2) + Valor do IPI (3) x Alíquota ICMS destino) (-) (Valor total dos produtos (2) + Valor do IPI (3) x Alíquota ICMS Interestadual) = ICMS com Substituição Tributária Exemplo: ( R$1.100,00 x 17% ) ( R$ 1.100,00 x 7% ) = ICMS com Substituição Tributária = ICMS com Substituição Tributária R$ 110,00 = ICMS com Substituição Tributária (=) Valor do ICMS retido R$ 110,00 Cálculo do Imposto Base de cálculo do ICMS Valor do ICMS Base de cálculo do ICMS Subst. Tribut. Valor do ICMS ST Valor total dos produtos 1.100,00 187, ,00 110, ,00 Frete Seguro Desconto Outras Despesas Acessórias Valor do IPI Valor Total da Nota 100, ,00 Observação: Neste cálculo não há o uso do IVA-ST, já que a mesma não terá uma saída subsequente, ou seja, o cálculo será somente o diferencial de alíquota. Lembrando 26

27 também que nesta situação o IPI faz parte da base de cálculo do ICMS das operações próprias Venda para comercialização Nas saídas efetuadas pelo contribuinte substituto com destino a contribuinte do ICMS, para comercialização, haverá a substituição, tendo em vista a saída subsequente. O RICMS-SP, art. 268 dispõe que o valor do imposto a ser recolhido a título de sujeição passiva por substituição é a diferença entre o valor do imposto calculado mediante aplicação da alíquota interna sobre a base de cálculo prevista para a operação ou prestação sujeita à substituição tributária e o valor do imposto devido pela operação ou prestação própria do remetente Cálculo para Substituto RPA Exemplo: Indústria de Ferraz de Vasconcelos/SP faz uma venda de produto sujeito a substituição tributária a uma loja revendedora em Recife/PE. O valor dos produtos é de R$ 1.000,00, mais 10% de IPI. A margem de lucro (IVA-ST - Ajustado) fixada pelo Estado de Pernambuco é de 51,27%. Assim, teremos o seguinte cálculo: Cálculo do Valor das Mercadorias/Frete/Seguro/Outros Total dos produtos (1) 1.000,00 Valor do Frete Seguro Outras despesas acessórias Desconto Valor total dos produtos (2) 1.000,00 Cálculo do IPI Alíquota 10% Valor do IPI (3) 100,00 Base de Cálculo ICMS Operações Próprias Alíquota Interna no estado de destino 17% Alíquota Interestadual 7% Valor do ICMS operações próprias (4) 70,00 27

28 Base de Cálculo ICMS Substituição Tributária Margem do valor agregado (MVA) ou IVA-ST (5) 51,27% Base de Cálculo Substituição tributária (6) 1.663,97 ICMS Substituição Tributária Valor do ICMS ST (7) 212,87 Fórmula: ((Valor total dos produtos (2) + Valor do IPI (3) x IVA-ST ajustado) + Valor total dos produtos (2) + Valor do IPI (3) ) x Alíquota ICMS destino) (-) (Total dos produtos (1) x Alíquota ICMS Interestadual) = ICMS com Substituição Tributária Exemplo: ( ((R$ 1.100,00 x 51,27%) + R$1.100,00) x 17% ) ( R$ 1.000,00 x 7% ) = ICMS com Substituição Tributária ( (563, , ) x 17%) 70, = ICMS com Substituição Tributária (1.663,97 x 17%) 70, = ICMS com Substituição Tributária 282,87-70 = R$ 212,87 (=) Valor do ICMS retido R$ 212,87 Cálculo do Imposto Base de cálculo do ICMS Valor do ICMS Base de cálculo do ICMS Subst. Tribut. Valor do ICMS ST Valor total dos produtos 1.000,00 70, ,97 212, ,00 Frete Seguro Desconto Outras Despesas Acessórias Valor do IPI Valor Total da Nota 100, ,87 A carga tributária de toda a cadeia de circulação da mercadoria deve ser a mesma que seria se não houvesse a substituição tributária Cálculo para Substituto Simples Nacional Seguindo o mesmo exemplo anterior, vamos agora considerar o fabricante optante pelo Simples Nacional. De acordo com o Convênio 35/2011 nas operações interestaduais de contribuinte substituto o IVA-ST a ser utilizado é o original. Cálculo do Valor das Mercadorias/Frete/Seguro/Outros Total dos produtos (1) 1.000,00 Valor do Frete 28

29 Seguro Outras despesas acessórias Desconto Valor total dos produtos (2) 1.000,00 Base de Cálculo ICMS Operações Próprias Alíquota Interna no estado de destino 17% Alíquota Interestadual 7% Valor do ICMS operações próprias (4) 70,00 Base de Cálculo ICMS Substituição Tributária Margem do valor agregado (MVA) ou IVA-ST (5) 35% Base de Cálculo Substituição tributária (6) 1.350,00 ICMS Substituição Tributária Valor do ICMS ST (7) 159,50 Fórmula: ((Valor total dos produtos (2) x IVA-ST original) + Valor total dos produtos (2) ) x Alíquota ICMS) (-) (Total dos produtos (1) x Alíquota ICMS) = ICMS com Substituição Tributária Exemplo: ( ((R$ 1.000,00 x 35%) + R$1.000,00) x 17% ) ( R$ 1.000,00 x 7% ) = ICMS com Substituição Tributária ( (350, , ) x 17%) 70, = ICMS com Substituição Tributária (1.350, x 17%) 70, = ICMS com Substituição Tributária 229,50-70 = R$ 159,50 (=) Valor do ICMS retido R$ 159,50 Cálculo do Imposto Base de cálculo do ICMS Valor do ICMS Base de cálculo do ICMS Subst. Tribut. Frete Seguro Desconto Outras Despesas Acessórias Valor do ICMS ST Valor total dos produtos 1.350,00 159, ,00 Valor do IPI Valor Total da Nota 1.159,50 29

30 Observação: No cálculo da substituição tributária de empresa optante do Simples Nacional terá a dedução do ICMS das operações própria, mesmo sem o destaque, já que a legislação veda o destaque de tal imposto. Lembrando que deverá ser utilizando o IVA-ST original mesmo nas operações interestaduais de acordo com o Convênio 35/2011. Base Legal: Resolução CGSN nº 94/ Cálculo do imposto - recebimento de outra unidade da Federação sem a retenção do imposto - produtos relacionados nos Artigos 313-A a 313-Z20 Introdução Nas aquisições interestaduais de mercadorias sujeitas ao regime da substituição tributária relacionadas nos artigos 313-A a 313-Z20 do RICMS-SP, sem a retenção antecipada do imposto, os estabelecimentos atacadistas / distribuidores ou varejistas paulistas passam a ser responsáveis pelo recolhimento do imposto por antecipação Obrigatoriedade A legislação do Estado de São Paulo estabelece que na entrada no território paulista de mercadoria procedente de outro Estado, cuja operação esteja sujeita à substituição tributária nos termos do RICMS-SP, o contribuinte paulista optante pelo Regime Periódico de Apuração - RPA ou pelo Simples Nacional, deverá recolher antecipadamente o imposto devido pela própria operação de saída e pelas operações subsequentes, ou seja, nas aquisições interestaduais de mercadorias relacionadas nos artigos 313-A a 313-Z20 do RICMS-SP, que serão objeto de saída subsequente, o contribuinte paulista (Simples Nacional ou RPA) que constar como destinatário, será o responsável pelo recolhimento do imposto devido na entrada da mercadoria no território do Estado de São Paulo. Ressalta-se que caso haja acordo firmado ( ou Convênio) entre os Estados envolvidos a operação interestadual estará sujeita à substituição tributária, logo, a responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto será atribuída ao remetente da mercadoria localizado em outro Estado. Com isso, não será necessário o recolhimento da antecipação pelo destinatário paulista. Lembrando que o contribuinte paulista deverá analisar as seguintes situações para verificar se haverá a necessidade do recolhimento da antecipação: a) se a mercadoria está sujeita à substituição tributária na operação interna no Estado de São Paulo; b) o destino que será dado a mercadoria; c) a existência de ou Convênio com o Estado remetente da mercadoria. (RICMS-SP, art. 426-A) 30

31 12.2. Dispensa A legislação do Estado de São Paulo determina que, salvo disposição em contrário, fica dispensado o recolhimento da antecipação tributária na entrada de mercadoria destinada a: a) integração ou consumo em processo de industrialização; b) estabelecimento responsável pelo pagamento do imposto por sujeição passiva por substituição, em relação à mesma mercadoria ou a outra mercadoria enquadrada na mesma modalidade de substituição, hipótese em que a respectiva saída da mercadoria se subordinará ao regime jurídico da substituição tributária previsto no RICMS-SP; Ressalta-se que a dispensa prevista neste item letra "b" não se aplica na hipótese em que o estabelecimento destinatário da mercadoria: a) seja atacadista; b) tenha a responsabilidade tributária atribuída pela legislação apenas pelo fato de receber mercadoria de outra unidade da Federação. c) estabelecimento paulista pertencente ao mesmo titular do estabelecimento remetente, hipótese na qual a responsabilidade pela retenção do imposto será do estabelecimento destinatário, que deverá observar as demais normas relativas ao regime jurídico da substituição tributária previsto no RICMS-SP, se, cumulativamente: c.1) esse estabelecimento não for varejista; c.2) a mercadoria entrada tiver sido fabricada, importada ou arrematada, quando importada do exterior e apreendida, por qualquer estabelecimento do mesmo titular. Lembrando que na ocorrência de qualquer saída ou evento que descaracterize a situação de dispensa mencionada, o recolhimento do imposto devido por antecipação será exigido do estabelecimento paulista que recebeu a mercadoria procedente de outra unidade da Federação. Detalhe: Não haverá recolhimento da antecipação tributária na hipótese do contribuinte paulista adquirir as mercadorias de outros Estados destinadas ao uso, consumo ou ativo imobilizado, situação em que deverá ser recolhido somente o diferencial de alíquotas, nas formas do art. 117 do RICMS-SP (RPA) ou do art. 115, XV-A do RICMS/SP (Simples Nacional). (RICMS-SP, art. 426-A, 6º, 6º-A e 7º) Mercadorias sujeitas O art. 426-A do RICMS-SP determina que na operação de aquisição interestadual das mercadorias mencionadas sujeitas ao regime da substituição tributária deverá ser recolhida a antecipação do imposto: a) medicamentos - arts. 313-A do RICMS-SP; b) bebidas alcoólicas - arts. 313-C do RICMS-SP; c) produtos de perfumaria - arts. 313-E do RICMS-SP; 31

32 d) produtos de higiene pessoal - arts. 313-G do RICMS-SP; e) ração animal - arts. 313-I do RICMS-SP; f) produtos de limpeza - arts. 313-K do RICMS-SP; g) produtos fonográficos - art. 313-M do RICMS-SP; h) autopeças - art. 313-O do RICMS-SP; i) pilhas e baterias - art. 313-Q do RICMS-SP; j) lâmpadas elétricas - art. 313-S do RICMS-SP; k) papel - art. 313-U do RICMS-SP; l) produtos alimentícios - art. 313-W do RICMS-SP; m) materiais de construção e congêneres - art. 313-Y do RICMS-SP; n) produtos de colchoaria - art. 313-Z1 do RICMS-SP; o) ferramentas - art. 313-Z3 do RICMS-SP; p) bicicletas - art. 313-Z5 do RICMS-SP; q) instrumentos musicais - art. 313-Z7 do RICMS-SP; r) brinquedos - art. 313-Z9 do RICMS-SP; s) máquinas e aparelhos mecânicos, elétricos, eletromecânicos e automáticos - art. 313-Z11 do RICMS-SP; t) produtos de papelaria - art. 313-Z13 do RICMS-SP; u) artefatos de uso doméstico - art. 313-Z15 do RICMS-SP; v) materiais elétricos - art. 313-Z17 do RICMS-SP; x) produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos - art. 313-Z19 do RICMS-SP Cálculo do imposto O imposto a ser recolhido a título de antecipação tributária deverá ser calculado, em se tratando de mercadoria cuja base de cálculo da sujeição passiva por substituição seja: 1 - determinada por margem de valor agregado, pela aplicação da fórmula IA = VA x (1 + IVA- ST) x ALQ - IC, onde: a) IA é o imposto a ser recolhido por antecipação; b) VA é o valor constante no documento fiscal relativo à entrada, acrescido dos valores correspondentes a frete, carreto, seguro, impostos e outros encargos suportados pelo contribuinte; c) IVA-ST é o Índice de Valor Adicionado; d) ALQ é a alíquota interna aplicável; e) IC é o imposto cobrado na operação anterior. Observação: Tratando-se de mercadoria remetida por contribuinte optante pelo Simples Nacional, o imposto cobrado na operação anterior (IC) será, na hipótese de o contribuinte paulista ser: 32

33 a) enquadrado no Regime Periódico de Apuração - RPA, o valor do crédito do imposto indicado no campo "Informações Complementares" ou no corpo do documento fiscal relativo à entrada; b) optante pelo Simples Nacional, o valor resultante da aplicação da alíquota interestadual sobre o valor da operação ou prestação própria do remetente. 2 - o preço final a consumidor, único ou máximo, autorizado ou fixado por autoridade competente, ou o sugerido pelo fabricante ou importador, aprovado e divulgado pela Secretaria da Fazenda, mediante a multiplicação dessa base de cálculo pela alíquota interna aplicável, deduzindo-se o valor do imposto cobrado na operação anterior, constante no documento fiscal relativo à entrada. (RICMS-SP, art. 426-A, 2º e 3º) Preço final ao consumidor Na hipótese em que a base de cálculo para substituição tenha sido fixada por meio de definição de Preço Final ao Consumidor, único ou máximo, o cálculo para fins de ICMS devido por antecipação será considerado mediante a multiplicação da alíquota interna aplicável pelo valor correspondente à base de cálculo definida. Deste resultado deverá ser deduzido o valor do imposto cobrado na operação anterior, relativa à operação interestadual. Para fins de cálculo, foi divulgada a seguinte fórmula: IA = (BC x ALQ) - IC Sendo: IA = Imposto devido por antecipação; BC = Base de cálculo = Preço ao consumidor final; ALQ = alíquota interna aplicável; IC = imposto cobrado na operação anterior EXEMPLO PRÁTICO: Caso a mercadoria estivesse sujeita ao preço final ao consumidor teríamos o que segue. Aquisição interestadual por contribuinte situado no Estado de São Paulo, de 100 discos fonográficos no valor de R$ 2.500,00, já incluído frete, carreto, seguro e demais encargos. Trata-se de aquisição de contribuinte atacadista e o Estado do fornecedor não possui Convênio com o Estado de São Paulo para a operação interestadual. O contribuinte paulista que adquiriu para comercialização deverá recolher o ICMS devido em sua operação própria e nas subsequentes antecipadamente. Dados do exemplo: Alíquota interestadual = 12% Valor total da mercadoria: R$ 2.500,00 33

34 ICMS operação interestadual: R$ 300,00 BC da mercadoria = Preço ao consumidor final = R$ 25,00 por disco fonográfico ALQ interna = 18% Forma de cálculo: IA = (BC x ALQ) - IC IA = (2.500,00 x 18%) - 300,00 IA = 450, IA = 150,00 Assim, o valor a ser recolhido por antecipação mediante GARE-ICMS, pelo destinatário paulista será de R$ 150, Índice de valor adicionado Setorial - IVA-ST Em caso de base de cálculo de substituição estabelecida por meio da aplicação do IVA-ST, o contribuinte deverá, para fins de cálculo do imposto devido por antecipação, utilizar a seguinte fórmula: IA = VA x (1+IVA-ST) x ALQ - IC Sendo: IA = imposto devido por antecipação; VA = valor constante no documento fiscal relativo à entrada, acrescido dos valores correspondentes a frete, carreto, seguro, impostos e outros encargos suportados pelo contribuinte; IVA-ST = Índice de Valor Adicionado; ALQ = alíquota interna aplicável; IC = imposto cobrado na operação anterior EXEMPLO PRÁTICO: Caso os produtos fonográficos, dentro do Estado de São Paulo, estivessem sujeitas à alíquota de 12%, para cálculo do ICMS antecipado deveria ser utilizado o IVA-ST original e, dessa forma, teríamos a seguinte situação hipotética (hipotética visto que essas mercadorias nas operações internas estão sujeitas à alíquota de 18%). Aquisição interestadual por contribuinte situado no Estado de São Paulo, de 100 discos fonográficos que não possuam preço de pauta definido. A aquisição foi no valor de R$ 25,00 por disco fonográfico, totalizando R$ 2.500,00, já incluído frete, carreto, seguro e demais encargos. A operação foi tributada à alíquota interestadual de 12% e o IVA estabelecido para a mercadoria é de 25%. Tratou-se de aquisição de um contribuinte atacadista estabelecido em Estado que não possui Convênio ou firmado com o Estado de São Paulo, determinando a substituição tributária entre suas operações. O contribuinte paulista que 34

35 adquiriu para comercialização deverá recolher o ICMS devido em sua operação própria e nas subsequentes antecipadamente. Considerando a fórmula: IA = VA x (1+IVA-ST) x ALQ - IC, temos: IA = 2.500,00 x (1+ 25%) x 18% - 300,00 = IA = 2.500,00 x (1+ 0,25) x 18% - 300,00 = IA = 3.125,00 x 18% - 300,00 = IA = 562,50-300,00 = IA = R$ 262, IVA-ST ajustado Já no caso de entrada de mercadoria de outro Estado, cuja saída interna seja tributada com alíquota superior a 12%, o estabelecimento destinatário paulista deverá utilizar o "IVA-ST ajustado", que é calculado por meio da seguinte fórmula: IVA-ST ajustado = [(1+IVA-ST original) x (1 - ALQ inter)/(1 - ALQ intra)] -1 Sendo: a) IVA-ST original é o IVA-ST aplicável na operação interna (25%); b) ALQ inter é a alíquota interestadual aplicada pelo remetente localizado em outra unidade da Federação; c) ALQ intra é a alíquota aplicável à mercadoria neste Estado. Exemplo: IVA-ST original: 25% ou 0,25 ALQ inter: 12% ou 0,12 ALQ intra: 18% ou 0,18 IVA-ST ajustado = [(1+0,25) x (1-0,12) / (1-0,18)] -1 = = [1,25 x 0,88/0,82] -1 = [1,25 x 1, ] - 1 = 1, = 0, = 34,15%. Para se determinar o respectivo percentual basta multiplicar por cem - 0, x 100 Dessa forma, tratando-se do mesmo exemplo de aquisição interestadual citado acima, o adquirente paulista terá que recolher o ICMS antecipado da seguinte forma: Considerando a fórmula: IA = VA x (1+IVA-ST ajustado) x ALQ - IC, temos: IA = R$ 2.500,00 x (1 + 34,15%) x 18% - R$ 300,00 IA = R$ 2.500,00 x (1 + 0,3415) x 18% - R$ 300,00 IA = R$ 2.500,00 x 1,3415 x 18% - R$ 300,00 IA = R$ 3.353,75 x 18% - R$ 300,00 35

36 IA = R$ 603,68 - R$ 300,00 IA = R$ 303,68 Observação: O Convênio 35/2011, determina que nas operações interestaduais promovidas por contribuinte optante pelo Simples Nacional, que recolhe o ICMS nos termos da Lei Complementar nº 123/2006, em que o adquirente da mercadoria, optante ou não pelo regime do Simples Nacional, seja o responsável pelo recolhimento do imposto devido por substituição tributária, na determinação da base de cálculo será adotado o IVA-ST original e não o ajustado Diferencial de alíquotas No cálculo do valor do imposto a ser recolhido por antecipação, tanto na hipótese de determinação da base de cálculo do imposto por meio da margem de valor agregado (IVA-ST), quanto na hipótese de preço final a consumidor divulgado pela Secretaria da Fazenda, ao multiplicar a base de cálculo pela alíquota interna aplicável e deduzir o valor do imposto cobrado na operação anterior, o resultado obtido já engloba o valor que seria devido pela diferença entre as alíquotas interna e interestadual, quando a alíquota interestadual for inferior à interna. Sendo assim, em suma, o valor do imposto devido por antecipação já engloba o valor que seria devido pela diferença entre as alíquotas interna e interestadual, relativamente à entrada da mercadoria procedente de outra unidade da Federação. Ou seja, o contribuinte optante pelo Simples Nacional uma vez sujeito ao recolhimento antecipado, não terá que efetuar outro recolhimento à título de diferencial de alíquotas. (Comunicado CAT nº 26/2008) Recolhimento A antecipação tributária deve ser recolhida no momento da entrada da mercadoria no território paulista. Ou seja, não há um prazo de recolhimento do imposto. Assim, na entrada da mercadoria no Estado de São Paulo, o imposto devido à título de antecipação será exigido. Ressalta-se que a responsabilidade pelo recolhimento da antecipação é do contribuinte paulista, destinatário das mercadorias e será pago por meio da Guia de Arrecadação de Receitas Estaduais (GARE-ICMS), com a indicação do código de receita (outros recolhimentos especiais). No campo relativo às "Informações Complementares" do documento, deverá ser indicado também o número da nota fiscal a que se refere o recolhimento e do CNPJ do estabelecimento do remetente. O recolhimento poderá, no entanto, ser efetuado pelo remetente da mercadoria, situado em outra unidade da Federação, por meio de Guia Nacional de Recolhimentos Especiais (GNRE), com a indicação do código de receita (recolhimentos especiais), do CNPJ e demais dados cadastrais do contribuinte destinatário paulista. No campo relativo às 36

37 "Informações Complementares", deverão ser indicados o número da nota fiscal a que se refere o recolhimento e o CNPJ do estabelecimento remetente. O Estado de São Paulo possibilitou, ainda, aos remetentes situados em outra unidade da Federação, a autorização, mediante regime especial, para o recolhimento da antecipação até o dia 15 (quinze) do mês subsequente ao da saída da mercadoria. (RICMS-SP, art. 426-A, 4º e 8º e Portaria CAT nº 16/2008) Lançamentos por ocasião da entrada das mercadorias No livro Registro de Entradas, o contribuinte paulista deverá proceder ao lançamento relativo à aquisição nas respectivas colunas, conforme as regras gerais de escrituração. Na coluna "Observações", correspondente a mesma linha do registro da operação, deverá, mediante utilização de colunas distintas sob o título comum "Substituição Tributária", indicar: a) o valor pago antecipadamente a título de imposto incidente sobre sua própria operação e a base de cálculo; b) o valor do imposto retido incidente sobre as operações subsequentes e o da sua base de cálculo. c) ainda na coluna "Observações", sob o título "Recolhimento Antecipado - art. 426-A", o valor do imposto recolhido antecipadamente, por meio de Guia de Recolhimentos Especiais, indicando: c.1) a data do recolhimento; c.2) o código de receita utilizado; c.3) o valor recolhido. LIVRO REGISTRO DE ENTRADAS OBSERVAÇÕES Substituição Tributária Recolhimento Antecipado - Art. 426-A Operação própria Operações subsequentes Data Código de receita Valor Base de cálculo Recolhimento antecipado Base de cálculo Imposto retido 1.000,00 60, ,20 61,41 03/03/ ,41 (RICMS-SP, art. 277, caput, II e III) 37

38 Além do lançamento na coluna "Observações" do livro Registro de Entradas, os valores do ICMS pago antecipadamente e do ICMS retido deverão ser totalizados no último dia do período de apuração para lançamento no livro Registro de Apuração do ICMS, conforme segue: a) tratando-se de estabelecimento atacadista, inclusive distribuidor: a.1) no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a indicação "Pagamento Antecipado - Art. 277 do RICMS", juntamente com a escrituração de suas operações próprias, o valor pago antecipadamente a título de imposto incidente sobre sua própria operação, assim entendido o valor resultante da multiplicação da diferença entre a alíquota interna e a interestadual, pela base de cálculo da operação de entrada da mercadoria; a.2) em Registro separado relativo às operações sujeitas a substituição, no campo "Por Saídas com Débito do Imposto" do Livro Registro de Apuração do ICMS, o valor do imposto retido incidente sobre as operações subsequentes, assim entendido o total recolhido, deduzido do valor calculado nos termos do item "a" anterior; a.3) no quadro "Crédito do Imposto - Outros Créditos", com a expressão "Recolhimento Antecipado - art. 426-A", o valor relativo à operação própria; a.4) em Registro separado, relativo às operações sujeitas a substituição tributária, no quadro "Crédito do Imposto - Outros Créditos", com a expressão "Recolhimento Antecipado - art A", o valor relativo às operações subsequentes; b) em se tratando de aquisição por estabelecimento varejista: b.1) no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a expressão "Pagamento Antecipado - Art. 277 do RICMS", mediante lançamento do valor do imposto recolhido por antecipação, assim entendido o valor devido pela própria operação de saída da mercadoria; b.2) no quadro "Crédito do imposto - Outros Créditos", com a expressão: "Recolhimento Antecipado - Art. 426-A do RICMS", o valor relativo à operação própria. (RICMS-SP, art. 277, 3º e 426-A, 5º) Emissão e escrituração por ocasião das saídas das mercadorias Os contribuintes responsáveis pelo recolhimento da antecipação deverão, nas posteriores saídas internas, emitir notas fiscais e escriturar os livros fiscais de acordo com os mesmos procedimentos previstos para os contribuintes substituídos. Dessa forma, ao realizar operação com mercadoria cujo imposto já tenho sido antecipado, deverá emitir documento fiscal, sem destaque do valor do imposto, utilizando o CFOP 5.405, contendo, além dos demais requisitos, a seguinte indicação: "Imposto Recolhido por Substituição - Artigo do RICMS". Na hipótese de saída com destino a outro contribuinte para comercialização subsequente, no Campo "Informações Complementares" da referida nota fiscal, deverão constar, ainda: 38

39 a) a base de cálculo sobre a qual o imposto foi retido e o valor da parcela do imposto retido cobrável do destinatário; b) relativamente à cada mercadoria, discriminar as indicações previstas no item anterior. No livro Registro de Saídas, o contribuinte deverá lançar a respectiva Nota Fiscal com utilização da coluna "Outras", "Operações ou Prestações sem Débito do Imposto". Ressalte-se que neste lançamento, o valor do imposto retido não será indicado na coluna "Outras", mas sim, na coluna "Observações". (RICMS-SP, arts, 274 e 278) Estabelecimento distribuidor detentor do regime especial Os centros de distribuição de redes varejistas, localizados no Estado de São Paulo, poderão obter regime especial para atuarem como responsáveis pela retenção e recolhimento do imposto devido sobre as saídas subsequentes, conforme determina o Decreto nº /2011, com efeitos a partir de 1º O estabelecimento distribuidor, detentor do regime especial, ficará dispensado do recolhimento antecipado do imposto, previsto no Art. 426-A do RICMS/SP, relativamente à entrada no território do Estado de São Paulo de mercadoria procedente de outra unidade da Federação. (Decreto nº /2011, art. 3º, I) 13. Entradas interestaduais sem retenção do imposto envolvendo optantes do Simples Nacional As entradas interestaduais que envolvam estabelecimentos optantes pelo regime do Simples Nacional seja ele remetente estabelecido em outro Estado ou adquirente estabelecido no Estado de São Paulo, também serão regidas pelo disposto nos arts. 426-A e 277 do RICMS-SP. RPA adquirindo de optantes do Simples Nacional Permitida a dedução do valor indicado em informações complementares para fins de crédito. Simples Nacional adquirindo de optante do Simples Nacional Permitida a dedução do valor resultante da aplicação da alíquota interestadual sobre o valor da operação do remetente. Simples Nacional adquirindo de contribuinte normal Permite-se o abatimento do imposto cobrado na operação anterior IC. 14. Procedimentos fiscais - operações internas - contribuinte substituto Emissão de Documentos Fiscais pelo Sujeito Passivo por Substituição 39

40 O sujeito passivo por substituição emitirá documento fiscal para as operações e prestações sujeitas à retenção do imposto, que, além dos demais requisitos, deverá conter, nos campos próprios, as seguintes indicações (RICMS-SP, art. 273): I - a base de cálculo da retenção, apurada nos termos do artigo 41; II - o valor do imposto retido, cobrável do destinatário. III - a base de cálculo e o valor do imposto incidente sobre a operação própria. Observação: I- Deverá ser consignado no campo Informações Complementares do documento fiscal a expressão O destinatário deverá, com relação às operações com mercadoria ou prestações de serviço recebidas com imposto retido, escriturar o documento fiscal nos termos do artigo 278 do RICMS. II- O sujeito passivo por substituição deverá discriminar no campo "Informações Complementares" do documento fiscal, relativamente a cada mercadoria, o valor da base de cálculo da retenção, bem como o valor do imposto retido Nota Fiscal emitida por Contribuinte Substituto RPA 40

41 Nota Fiscal emitida por Contribuinte Substituto Simples Nacional Escrituração Fiscal do Contribuinte Substituto Registro de Saídas O sujeito passivo por substituição escriturará o documento fiscal no livro Registro de Saídas, conforme segue (RICMS-SP, art. 275): I - nas colunas adequadas, os dados relativos à operação ou prestação própria, na forma prevista no RICMS-SP; II - na coluna "Observações", na mesma linha do registro de que trata o inciso anterior, o valor do imposto retido e o da respectiva base de cálculo, referidos no artigo 273, com utilização de colunas distintas para essas indicações, sob o título comum "Substituição Tributária". 41

42 Observação: Os valores constantes na coluna relativa ao imposto retido serão totalizados no último dia do período de apuração, para lançamento no livro Registro de Apuração do ICMS, na forma prevista no artigo Apuração do ICMS Retido O sujeito passivo por substituição apurará os valores relativos ao imposto retido, no último dia do período, no livro Registro de Apuração do ICMS, em folha subsequente à da apuração referente às suas operações próprias, fazendo constar a expressão "Substituição Tributária" e utilizando, no que couber, os quadros "Débito do Imposto", "Crédito do Imposto" e "Apuração dos Saldos", onde serão lançados: I - o valor registrado na coluna Observações do livro Registro de Saídas, na forma do item II do subitem 11.1, no campo "Por Saídas com Débito do Imposto"; II - o valor registrado na coluna Observações do livro Registro de Entradas, no campo "Por Entradas Com Crédito do Imposto". 42

43 15. Procedimentos fiscais - saídas internas - contribuinte substituído Emissão de Documentos Fiscais pelo Contribuinte Substituído Venda de Atacadista para Varejista Venda de Varejista para Consumidor Final 43

44 15.2. Escrituração Fiscal do Contribuinte Substituído RICMS-SP, art O contribuinte substituído, relativamente às operações com mercadoria ou prestações de serviço recebidas com imposto retido, escriturará o livro Registro de Entradas e o Registro de Saídas na forma prevista neste regulamento, com utilização da coluna "Outras", respectivamente, de "Operações ou Prestações sem Crédito do Imposto" e "Operações ou Prestações sem Débito do Imposto". O valor do imposto retido ou de parcela do imposto retido, indicado no documento fiscal: 1 - não será incluído na escrituração da coluna "Outras"; 2 - será indicado na coluna "Observações". 44

45 16. Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) A Portaria CAT nº 48/2002 e a Portaria CAT nº 126/2011 disciplinam a arrecadação de tributos por meio da GNRE, cujo documento é utilizado para pagamento de tributos devidos ao Estado de São Paulo, efetuado em outras Unidades da Federação. Assim, se determinado contribuinte de São Paulo enviar mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária para destinatário localizado em outro Estado, deverá recolher o ICMS a favor da Unidade da Federação destinatária da mercadoria, mediante utilização da GNRE. (Portaria CAT nº 48/2002; Portaria CAT nº 126/2011) 17. Guia de informação e apuração do ICMS substituição tributária (GIA-ST) Os contribuintes do ICMS que realizarem operações interestaduais com mercadorias sujeitas ao regime da substituição tributária com retenção antecipada do imposto e forem inscritos no Cadastro de Contribuintes do ICMS dos Estados destinatários como contribuintes 45

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO Sumário 1. Introdução 2. Antecipação tributária 3. Produtos sujeitos - Relação

Leia mais

ICMS - Substituição tributária - Produtos submetidos ao regime por meio de Protocolos - Quadro sinótico

ICMS - Substituição tributária - Produtos submetidos ao regime por meio de Protocolos - Quadro sinótico ICMS - Substituição tributária - Produtos submetidos ao regime por meio de Protocolos - Quadro sinótico 22 de Fevereiro de 2013 Em face da publicação do Despacho SE/Confaz nº 27/2013 - DOU 1 de 21.02.2013,

Leia mais

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004 ICMS Substituição Tributária Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador, gerando uma antecipação do pagamento do imposto incidente nas operações seguintes. Responsabilidade Tributária

Leia mais

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MERCADORIA Venda porta-a-porta de quaisquer mercadorias destinadas a revendedores não inscritos Cigarros e outros produtos derivados do fumo Cimento Refrigerante,

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS ICMS CONCEITO A substituição tributária é o instituto pelo qual o Estado transfere a responsabilidade de recolhimento do imposto para terceiro, que não deu causa ao

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

2. Que produtos estão sujeitos à substituição tributária a partir de 1º de novembro de 2010? DECRETO/PROTOCOLO

2. Que produtos estão sujeitos à substituição tributária a partir de 1º de novembro de 2010? DECRETO/PROTOCOLO 1. O que é substituição tributária? O regime de substituição tributária é caracterizado pelo deslocamento da responsabilidade pelo pagamento do ICMS relativo a determinadas operações ou prestações para

Leia mais

Página 1 de 12 Agenda Tributária Emissão: às 14:02h Agenda Tributária (Janeiro de 2014) Obrigações Filtros Aplicados: Agenda: Janeiro/2014 - Estado: São - Cidade: São - Dia Inicial: 1 - Dia Final: 31 Dia

Leia mais

ICMS/SP Substituição Tributária

ICMS/SP Substituição Tributária Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. Paulo Melchor Consultor Jurídico SEBRAE-SP 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. Paulo Melchor Consultor Jurídico SEBRAE-SP 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Paulo Melchor Consultor Jurídico SEBRAE-SP 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br ICMS substituição tributária. IVA ajustado. Um desajuste tributário para os estabelecimentos varejistas Paulo Henrique Gonçalves Sales Nogueira * Pretende se com o presente texto

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS DISPOSIÇÕES GERAIS CONCEITOS Lei Complementar

Leia mais

Até: Sexta-feira, dia 2 ICMS - Scanc Fato Gerador: Dezembro/2014

Até: Sexta-feira, dia 2 ICMS - Scanc Fato Gerador: Dezembro/2014 Até: Sexta-feira, dia 2 - Scanc Transportador Revendedor Retalhista (TRR) Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante

Leia mais

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE Anexos 4.0 Substituição Tributária Anexos 4.2 Substituição Tributária das Operações com Água Mineral, Água Potável, Cerveja, Chope, Gelo e Refrigerante. Protocolo ICMS 11/1991 Alterações: Protocolo ICMS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS COÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

Maranhão > Novembro/2015

Maranhão > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Maranhão >

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO

ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO 02/Jun. 2ª Feira. Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante A entrega das informações

Leia mais

PALESTRA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS

PALESTRA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante

Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO 02/Jan. 6ª Feira. Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante A entrega das informações

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAL - SÃO PAULO JANEIRO DE 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAL - SÃO PAULO JANEIRO DE 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAL - SÃO PAULO JANEIRO DE 2014 Dia: 02 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador

Leia mais

TESTES DA APOSTILA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PROF: ANTONIO SÉRGIO

TESTES DA APOSTILA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PROF: ANTONIO SÉRGIO TESTES DA APOSTILA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PROF: ANTONIO SÉRGIO Obs: os exercícios devem ser feitos utilizando apenas a LEGISLAÇÃO AUXILIAR constante ao final desta apostila. Questão 1 - DEFINIÇÃO É

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS NO ESTADO DE SÃO PAULO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS NO ESTADO DE SÃO PAULO Luís Fernando da Silva SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS NO ESTADO DE SÃO PAULO Incluindo as alterações das Leis ns. 12.681/07 e 13.291/08 venda porta-a-porta cigarros bebidas sorvetes cimento frutas veículos

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS Manual Explicativo José Roberto Rosa Por delegação da Constituição, a Lei complementar 87/96 define : SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA EM OPERAÇÕES / PRESTAÇÕES Antecedentes

Leia mais

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA.

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. 2009-07-31 Adma Felícia B. M. Nogueira Tatiane Aparecida Mora

Leia mais

SUBSTITUI O TRIBUT RIA

SUBSTITUI O TRIBUT RIA SUBSTITUI O TRIBUT RIA ENTENDENDO O REGIME Regras gerais do Regime de Substituição Tributária Conheça as regras gerais concernentes ao regime de substituição tributária do ICMS de forma a permitir a correta

Leia mais

ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA 2013. José Roberto Rosa

ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA 2013. José Roberto Rosa ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA 2013 José Roberto Rosa A Constituição Federal determina que Cabe à lei complementar dispor sobre substituição tributária ria (art. 155, 2º,, XII, b) A Lei complementar

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS ICMS

GRUPO DE ESTUDOS ICMS GRUPO DE ESTUDOS ICMS Coordenação : Marina K.T.Suzuki Colaboração : Dr. Ernesto das Candeias SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS Apresentação : Ailton Barboni Substituição Tributária (ST) - Conceito Pode ser

Leia mais

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim.

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIR A EXIGÊNCIA DE NATUREZA TRIBUTÁRIA PRINCIPAL - Obrigação

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 IPI SUSPENSÃO - LEI Nº 10.637/2002 - PROCEDIMENTOS Introdução - Estabelecimentos Com Direito à Suspensão - Preponderância de Faturamento

Leia mais

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfuma, Artigos de Higiene Pessoal e Aspectos Tributários Relevantes Ricardo Bernardes Machado Consultor Tributário OAB/RS nº 44.811 ICMS - Noções

Leia mais

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14 Fortaleza, 06/06/14 Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Em análise: I C M S Questões Atuais Arquivos Eletrônicos ICMS-ST com Material de Construção ICMS-ST com Supermercado/minimercado/atacadistas

Leia mais

REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS

REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS A Substituição Tributária (ST) é o regime pelo qual a responsabilidade pelo ICMS devido em relação às operações ou prestações de serviços é atribuída

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 41/2014 São Paulo // Federal IPI Depósito fechado... 01 // Estadual ICMS Substituição tributária - Brinquedos... 03 // IOB Setorial Federal Artesanal - IPI

Leia mais

ESTUDO. A Substituição Tributária do ICMS

ESTUDO. A Substituição Tributária do ICMS ESTUDO A Substituição Tributária do ICMS I. Conceito A substituição tributária, também conhecida por substituição tributária para frente, visa facilitar e tornar mais eficiente a arrecadação do ICMS, pois,

Leia mais

Estadual - SP Mês: 01/2016

Estadual - SP Mês: 01/2016 Estadual Estadual - SP Mês: 01/2016 Dia: 04 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor Retalhista

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Março 2012. Elaborado por: José Roberto Rosa

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Março 2012. Elaborado por: José Roberto Rosa Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ANTECIPAÇÃO PARCIAL, DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA E SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

ANTECIPAÇÃO PARCIAL, DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA E SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANTECIPAÇÃO PARCIAL, DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA E SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANTECIPAÇÃO PARCIAL- ANTECIPAÇÃO SEM ENCERRAMENTO DE FASE 71. Qual a definição para o cálculo da antecipação parcial? Nas aquisições

Leia mais

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1. OPERAÇÕES INTERNAS 1.1-BASE DE CÁLCULO - OPERAÇÃO INTERNA No RICMS/SP temos as hipóteses de definição da base de cálculo do ICMS-ST

Leia mais

INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 17/05/2011)

INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 17/05/2011) INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 17/05/2011) Esclarecimentos relevantes: 1. O presente informativo: a) foi elaborado com base no Regulamento do ICMS de Santa Catarina, em vigor em

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 03/12/2009

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 03/12/2009 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Dia 07/12/2009 SALÁRIOS - Pagamento de salários - mês de NOVEMBRO/2009 - Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. FGTS - Recolhimento do mês de NOVEMBRO/2009 - Base

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 16/10/2013)

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 16/10/2013) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS (atualizado até 16/10/2013) 2 1. INTRODUÇÃO... 5 2. DO REGIME DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 7 3. INAPLICABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 12 4. CÁLCULO DO IMPOSTO

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 01/04/2010

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 01/04/2010 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Dia 07/04/2010 SALÁRIOS - Pagamento de salários - mês de MARÇO/2010 - Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. FGTS - Recolhimento do mês de MARÇO/2010 - Base legal:

Leia mais

Fortaleza, 31/03/15. com Paulo Almada

Fortaleza, 31/03/15. com Paulo Almada Fortaleza, 31/03/15 com Paulo Almada Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS Como

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 01/07/2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. Fonte:- http://www.bauru.sp.gov.br/ - em 01/07/2011 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Dia 06/07/2011 SALÁRIOS - Pagamento de salários - mês de JUNHO/2011 - Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. Dia 07/07/2011 FGTS - Recolhimento do mês de JUNHO/2011

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado em 04/03/2015)

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado em 04/03/2015) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS (atualizado em 04/03/2015) 2 1. INTRODUÇÃO... 5 2. DO REGIME DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 7 3. INAPLICABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 12 4. CÁLCULO DO IMPOSTO

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA maio 2008. Eduardo Silva Gerente de Consultoria Tributária

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA maio 2008. Eduardo Silva Gerente de Consultoria Tributária Eduardo Silva Gerente de Consultoria Tributária ICMS-ST : Alterações na legislação paulista e forma de apuração do "novo" estoque de mercadorias AGENDA Aspectos Gerais da Substituição Tributária Alterações

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL (SRF e INSS)

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS AGENDA DE OBRIGAÇÕES MUNICIPIO/BAURU-SP. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL (SRF e INSS) AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Dia 06/12/2011 SALÁRIOS - Pagamento de salários - mês de NOVEMBRO/2011 - Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. Dia 07/12/2011 FGTS - Recolhimento do mês de NOVEMBRO/2011

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

ICMS - Tabela - Pagamento do Imposto - Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Formas de Preenchimento

ICMS - Tabela - Pagamento do Imposto - Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Formas de Preenchimento ICMS - Tabela - Pagamento do Imposto - Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) Formas de Preenchimento Este procedimento dispõe sobre os requisitos necessários para a emissão da GNRE

Leia mais

Dr. Luis Carlos Massoco - Presidente

Dr. Luis Carlos Massoco - Presidente Seminário Substituição Tributária e NF-e: desafios e caminhos para o setor de Tecnologia - Presidente SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA O Estado de São Paulo incluiu em sua lista de mercadorias sujeitas à substituição

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. atualizado em 03/02/2016

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. atualizado em 03/02/2016 atualizado em 03/02/2016 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS alterado os itens 2; 4.3; 5.1; 5.2; 5.3; 5.7; 6.2; 6.3; 7; 7.1; 7.5; 11; 11.1.1; 11.1.3; 11.2.1; 11.2.2; 11.3; 11.3.1; 11.3.3 em 26/01/2016

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 30.06.2008)

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 30.06.2008) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS (atualizado até 30.06.2008) ÍNDICE ÍNDICE... 4 INTRODUÇÃO... 5 1. DO REGIME DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 6 2. INAPLICABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO... 9 3. CÁLCULO DO

Leia mais

REDUÇÃO DA MVA DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM 70%, NAS SAÍDAS DESTINADAS A EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL DE SANTA CATARINA

REDUÇÃO DA MVA DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM 70%, NAS SAÍDAS DESTINADAS A EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL DE SANTA CATARINA REDUÇÃO DA MVA DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM 70%, NAS SAÍDAS DESTINADAS A EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL DE SANTA CATARINA Matéria elaborada com base na Legislação vigente em 15.07.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Comunicado CAT n.º 16, de 27-07-2011

Comunicado CAT n.º 16, de 27-07-2011 Comunicado CAT n.º 16, de 27-07-2011 (DOE 28-07-2011) O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das OBRIGAÇÕES PRINCIPAIS e ACESSÓRIAS, do mês de agosto de

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016. Daisy Machado

NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016. Daisy Machado NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016 Daisy Machado Regras para NFCe e NFe Na NFC-e a identificação é opcional, mas para entrega em domicílio (campo indpres=4), independentemente do valor da operação,

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

As atividades econômicas cujas operações estão sujeitas a obrigações específi cas não estão relacionadas nesta agenda. Histórico (descrição)

As atividades econômicas cujas operações estão sujeitas a obrigações específi cas não estão relacionadas nesta agenda. Histórico (descrição) Agenda de Obrigações Fiscais Obrigações Estadual e Municipal OBRIGAÇÕES ESTADUAL E MUNICIPAL de AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAIS No quadro a seguir, relacionamos os prazos de e as obrigações acessórias do,

Leia mais

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015 OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015 04/09/2015 GIA/Água Natural Fornecedores de água natural canalizada Prazo para transmitir pela internet a GIA até o dia 4 do segundo mês subsequente da ocorrência

Leia mais

A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS

A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS Í N D I C E P Á G I N A 1) CONCEITOS BÁSICOS 2) RESPONSABILIDADE POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 3) HIPÓTESES DE INAPLICABILIDADE

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

Fundamento Legal: Convênio ICMS nº 110/2007, cláusula vigésima sexta, 1º, I e Ato Cotepe/ICMS nº 33/2014

Fundamento Legal: Convênio ICMS nº 110/2007, cláusula vigésima sexta, 1º, I e Ato Cotepe/ICMS nº 33/2014 Agenda de Obrigações Estadual - São Paulo - Maio/2015 Até: Segunda-feira, dia 4 - Scanc Transportador Revendedor Retalhista (TRR) Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis

Leia mais

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL GOVERNO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ANÁLISE DA RECEITA PÚBLICA GERÊNCIA DE RECUPERAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA DECRETO nº 2334/2010 de 18 de janeiro de 2010, Procedimentos

Leia mais

Paraná > Dezembro/2015

Paraná > Dezembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Paraná > Dezembro/20

Leia mais

COMUNICADO CAT Nº 22 DE 27/05/2009 DOE-SP de 28/05/2009

COMUNICADO CAT Nº 22 DE 27/05/2009 DOE-SP de 28/05/2009 COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA COMUNICADO CAT Nº 22 DE 27/05/2009 DOE-SP de 28/05/2009 O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das Obrigações Principais

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011.

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 HIPÓTESES DE INCIDÊNCIA 2.1

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

Substituição Tributária

Substituição Tributária Substituição Tributária Impactos da nova tributação em cosméticos para farmácias e drogarias (Produtos de Perfumaria e Higiene Pessoal) Sandra Regina Alencar Bezerra Definição Lei determina que terceiro

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO, DE 15.10.2013 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO, DE 15.10.2013 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 106, de 14-10-2013 Estabelece a base de cálculo na saída de produtos da indústria alimentícia, a que se refere o artigo 313-X do Regulamento do ICMS.

Leia mais

Comunicado CAT - 48, de 27-10-2009. DOE-SP 28/10/2009.

Comunicado CAT - 48, de 27-10-2009. DOE-SP 28/10/2009. Comunicado CAT - 48, de 27-10-2009. DOE-SP 28/10/2009. O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das OBRIGAÇÕES PRINCIPAIS e ACESSÓRIAS, do mês de novembro

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária (*) Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 07.07.08)

INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 07.07.08) INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 07.07.08) Esclarecimentos relevantes: 1. o presente informativo: a) foi elaborado com base no Regulamento do de Santa Catarina, em vigor no dia 25 de

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária. www.editoraferreira.com.br

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária. www.editoraferreira.com.br SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária www.editoraferreira.com.br Os estudantes de legislação tributária estadual têm enorme dificuldade sobre

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Efetuadas diversas alterações no Cordilheira Escrita Fiscal com o objetivo de tratar a apuração do ICMS-ST, emissão de GNRE e geração da GIA-ST, bem

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

DANIELE RODRIGUES DONEGÁ LETÍCIA ROBERTA DA SILVA A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PARA OS NOVOS PRODUTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

DANIELE RODRIGUES DONEGÁ LETÍCIA ROBERTA DA SILVA A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PARA OS NOVOS PRODUTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO DE NSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES UNIVEM CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIELE RODRIGUES DONEGÁ LETÍCIA ROBERTA DA SILVA A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PARA OS NOVOS PRODUTOS

Leia mais

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NAS OPERAÇÕES COM APARELHOS CELULARES. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR ASSUNTO: Operações interestaduais. De início, ressalte-se que, para efeito deste trabalho, toda alusão genérica feita a Estado é extensiva ao Distrito

Leia mais

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm Page 1 of 20 Esclarecimentos relevantes: 1. o presente informativo: INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 20.10.08) a) foi elaborado com base no Regulamento do ICMS de Santa Catarina, em vigor

Leia mais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais 03/04/2014 Pergunte à CPA Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto Devolução regras gerais Artigo 4º - Para efeito de aplicação da legislação do imposto, considera-se...

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO ASSUNTO: Operações de transferência de mercadorias de estabelecimento de Ji-Paraná para filial em Epitaciolândia-AC. PARECER Nº 098/06/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE SAÍDAS PARA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

SUMÁRIO. Conteúdo. ICMS-ST... 4 MVAErro! Indicador não definido...4 GNRE...4

SUMÁRIO. Conteúdo. ICMS-ST... 4 MVAErro! Indicador não definido...4 GNRE...4 SUMÁRIO Conteúdo CONCEITO DE ICMS...1Erro! Indicador não definido. PRINCIPIOS QUE REGEM O ICMS... 2 BASE DE CALCULO DO ICMS... 2 ICMS Tabelas de Alíquotas nas Operações Interestaduais... 3 ICMS-ST... 4

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 17 Substituição Tributária das Operações com Produtos Farmacêuticos

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 17 Substituição Tributária das Operações com Produtos Farmacêuticos Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 17 Substituição Tributária das Operações com Produtos Farmacêuticos Nova Redação Resolução Administrativa nº 10/2012 DOE 02.03.2012 Convênio ICMS 76/1994 Alterações:

Leia mais