E x e r c í c i o s d e E x c e l

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E x e r c í c i o s d e E x c e l"

Transcrição

1 E x e r c í c i o s d e E x c e l 2007/2008 Miguel Guerreiro Universidade Lusíada

2 Exercício Reproduza o documento na folha de cálculo 2 - Grave o ficheiro com o nome de Exercícios.xls 3 - O cálculo do Total da factura deverá ser calculado automaticamente 4 - Renomeie a Sheet1 para Exercício Formate correctamente a impressão da factura 6 - Copie o documento para a Sheet2 7 - Grave todas as alterações efecturadas Fact. nº: OS LUSÍADAS RESTAURANTE Bons vinhos e bons petiscos Telefone: Travessa dos Presuntos nº15 Contr.nº VILA DE BAIXO Exmo.(s) Sr.(s)... Morada... V/ Nº Cont.... Vila de Baixo, de de 20 IVA INCLUIDO 21% Descrição Valor TOTAL: TIPOGRAFIA MAURÍCIO - BATOUCOS DO RIBATEJO

3 Exercício Mude a cor de "RESTAURANTE" para azul com um fundo amarelo 2 - Insira 6 linhas na factura para que possa haver mais produtos descriminados 3 - A factura deverá conter uma coluna para descriminar a quantidade 4 - A descrição da quantidade só é vantajosa quando sabemos o preço unitário 6 - Dever ser descriminado o IVA 7 - A factura deverá mencionar o valor total com IVA e sem IVA 8 - O cálculo da factura deverá ser automático, devendo apenas ser introduzido a quantidade e o preço unitário Fact. nº: OS LUSÍADAS RESTAURANTE Bons vinhos e bons petiscos Telefone: Travessa dos Presuntos nº15 Contr.nº VILA DE BAIXO Exmo.(s) Sr.(s)... Morada... V/ Nº Cont.... Vila de Baixo, de de 20 IVA 21% Descrição Quant. Preço Un. Valor SUBTOTAL: IVA: TOTAL: TIPOGRAFIA MAURÍCIO - BATOUCOS DO RIBATEJO

4 Exercício O texto da Coluna das quantidades deverá estar centrado. 2 - Os valores da coluna Preço Un. e Valor deverão ter a seguinte forma: 1.500, O SUBTOTAL, IVA e TOTAL deverão ser apresentados em côr cinzenta. 4 - Acrescente uma coluna na qual seja apresentado o valor percentual de cada produto que foi consumido. Este valor deverá ser arredondado até às centésimas. 5 - Deverá constar no final da factura o valor em Escudos com o seguinte formato: $ 6 - Defina como área de impressão a factura, devendo apenas ser considerado o que se encontra dentro da linha dupla, e devendo a mesma estar centrada na folha, quer horizontalmente, quer verticalmente. 7 - No cabeçalho da folha deverá constar o seu nome e número de aluno e no rodapé à direita, a data actual e o nome do ficheiro que contém a factura. 8 - No rodapé deverá constar do lado esquerdo o nome da "sheet". 9 - Faça um "Print Preview" e mande imprimir a factura para um ficheiro Faça uma copia da 'sheet' e renomeie a folha para 'Cópias' Na folha 'Cópias deverá ter duas facturas posicionadas lado a lado, sendo a impressão feita em posição horizontal (landscape).

5 Exercício 3 (a) OS LUSÍADAS RESTAURANTE Fact. nº: A comida portuguesa à sua mesa Telefone: Travessa dos Presuntos nº15 Contr.nº VILA DE BAIXO Exmo.(s) Sr.(s)... Morada... V/ Nº Cont.... Vila de Baixo, de de 19 IVA: 17% Descrição Quant. Preço Un. Valor % Pão 5 1,00 5,00 2,01% Vinho 2 10,00 20,00 8,03% Manteigas 5 0,50 2,50 1,00% Sopas 8 1,50 12,00 4,82% Vitela assada 8 12,00 96,00 38,52% Filetes de Peixe 4 10,00 40,00 16,05% Frutas 10 3,00 30,00 12,04% Pudim 2 2,50 5,00 2,01% Torta de Noz 1 2,50 2,50 1,00% SUBTOTAL: 213,00 85,47% IVA: 36,21 14,53% TOTAL: 249,21 100,00% Escudos: $ TIPOGRAFIA MAURÍCIO - BATOUCOS DO RIBATEJO

6 Exercício 3 (b)

7 Exercício 4 1- O Sr. Anastácio, como gestor do Restaurante OS LUSÍADAS, devido ao aumento da facturação, viu-se forçado a efectuar previsões trimestrais relativamente às Vendas dos produtos de maior consumo. Assim optou como instrumentos de previsão a Taxa de Inflação Anual, e a Taxa de Crescimento de Vendas do Período anterior. Os produtos de maior consumo neste restaurante são: - Vitela - Lombo - Pescada - Batatas - Arroz No final do mês de Janeiro do ano corrente, o Sr. Anastácio, com a sua ajuda elaborou um mapa de Previsão Trimestral de Vendas/Produto para os meses de Fevereiro a Abril, com base no mês de Janeiro, no qual constava os Produtos e os meses (Jan,..., Abril). 2- A sua sugestão para a fórmula de Previsão foi a seguinte: VND Mês N = VND Mês N-1 *(1+ Tx. Cres.VND)*(1+Tx.Inflação p/ Período) Deste modo, no final do mês de Janeiro, deveriam ser introduzidos os valores reais de Vendas por Produto, a Taxa de Inflação Anual e a Taxa de Crescimento de Vendas do Mês Anterior. 3- O Sr. Anastácio disse-lhe que precisava de saber quais os Totais de Vendas por Produtos no quadrimestre para poder encomendar aos fornecedores os produtos de modo a não ter prejuízo nos produtos que lhe poderiam sobrar no final do período. 4- Foi então que, como contabilista e gestor, surgiu-lhe a necessidade de saber qual o Volume de Vendas que estes 5 produtos geravam nas Vendas Totais do Mês. Viu-se assim obrigado a calcular mensalmente esse valor. 5- Para um melhor visualização das previsões mensais, teve que elaborar um gráfico de Previsão de Vendas/Produto, através do qual tinha percepção de como oscilavam mensalmente as vendas dos seus principais produtos. PEDIDOS: 1- Elabore o mapa de previsão em causa com todos os requisitos que foram mencionados nas alíneas anteriores. 2- Introduza valores aleatórios que representem um realidade de Vendas. 3- Elabore os gráficos que lhe são sugeridos.

8 OS LUSÍADAS Previsão Trimestral de Vendas/Produtos Tx. de Cresc. VND: 2,00% Tx. Inflação Anual: 4,50% Tx. Inflação p/ período: 1,50% PRODUTO Jan Fev Mar Abril TOTAL Vitela Lombo Pescada Batatas Arroz TOTAL Exercício Previsão de Vendas/Produto Vitela Lombo Pescada Batatas Arroz Jan Fev Mar Abril Batatas 2% Pescada 45% Distribuição Total/Produto Arroz 7% Vitela 28% Lombo 18%

9 Exercício 5 A Combustão, S.A. é uma empresa de combustíveis que em Dezembro fez um estudo de forma a saber quais as quantidades de combustíveis que eram necessárias vender mensalmente para serem atingidos os objectivos financeiros da empresa. Assim, foi feito esse estudo sendo os valores necessários os representados na tabela VALORES DO ESTUDO. Nesta tabela apenas deverão ser introduzidas as quantidades e o preço por litro. No mês de Janeiro, foram contabilizados os valores apresentados no quadro VENDAS REAIS, sendo necessário nesta tabela apenas introduzir as quantidades vendidas, pois os cálculos são efectuados a preços constantes. Finalmente no quadro da ANÁLISE COMPARATIVA, são analisados os desvios, tendo estes a seguinte classificação: Previsto = Real -> DESVIO NULO Previsto > Real -> NEGATIVO EM (%) Previsto < Real -> POSITIVO EM (%) A tabela de análise não necessita de introdução de valores. O erro é calculado automaticamente, e elabore o gráfico sugestionado na folha anexa.

10 Exercício 5 VALORES DO ESTUDO Prod. Qtd. Preço Lit. Previsão Super 400 Mil.L 0, M S/Chumbo 250 Mil.L 0, M S/Chumbo Mil.L 0, M Gasóleo 800 Mil.L 0, M Mistura 2T 120 Mil.L 0, M Total de Vendas M VENDAS REAIS Prod. Qtd. Reais Super 400 Mil.L 359 M S/Chumbo 401 Mil.L 380 M S/Chumbo Mil.L 224 M Gasóleo 740 Mil.L 480 M Mistura 2T 140 Mil.L 119 M TOTAL VENDAS: M ANÁLISE COMPARATIVA Prod. Previsão Reais Análise do desvio Super 359 M 359 M DESVIO NULO 0,000% S/Chumbo 237 M 380 M POSITIVO EM 60,400% S/Chumbo M 224 M POSITIVO EM 4,545% Gasóleo 518 M 480 M NEGATIVO EM 7,500% Mistura 2T 102 M 119 M POSITIVO EM 16,667% Total M M POSITIVO EM 9,155% Médio Máximo Mínimo ERRO DE PREV. 17,822% 60,400% 0,000% Vendas do Mês 600 M 500 M 400 M Vendas 300 M 200 M 100 M 0 M Super S/Chumbo S/Chumbo 98 Gasóleo Mistura 2T

11 Exercício 6 1- Elabore o mapa de amortizações da folha anexa de forma a que apenas seja necessário introduzir as seguintes variáveis: Vo - Valor de aquisição do bem a amortizar Vr - Valor residual (se existir) N - Período de vida útil do bem 2- Sabendo que o método utilizado no cálculo das amortizações é o das quotas constantes, elabore o mapa de forma a que: - a quota de amortização apenas surge até ao último ano de vida útil - o valor das amortizações acumuladas após a vida útil do bem é igual ao valor de aquisição - na coluna do valor contabilístico deverá, após a amortização do bem surgir o texto "Imobilizado amortizado". 3- Elabore o gráfico que lhe é sugerido. 4- Proteja a folha de cálculo de forma a que apenas possam ser introduzidas as variáveis do problema, e que não sejam visionadas as fórmulas de cálculo.

12 Exercício 6 AMORTIZAÇÕES EM QUOTAS CONSTANTES Vo ,00 Vr ,00 Amort ,00 Qt ,67 N 15 Anos Amort. Amort. Acumulada Valor Cont , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Imobilizado Amortizado ,00 Imobilizado Amortizado ,00 Imobilizado Amortizado ,00 Imobilizado Amortizado ,00 Imobilizado Amortizado 250 M AMORTIZAÇÃO A QUOTAS CONSTANTES 200 M 150 M Amort. Amort. Acumulada Valor Cont. 100 M 50 M M Valor Cont. Amort ANOS

13 Exercício 7 1- A empresa ABC, Lda. tem necessidade de calcular todos os meses quais os encargos que tem com os seus funcionários, assim pediu-lhe que construísse numa folha de cálculo uma Folha de Férias, de modo a ser introduzidos apenas os Nomes e Valor Base, obtendo-se assim todos os encargos a ter com os funcionários. 2- Os Encargos a ter com os funcionários são os seguintes: IRS- Taxas aplicadas: Valor Base < 300-0% 300 < Valor Base < 420-5% 420 < Valor Base < % 660 < Valor Base < % Valor Base > % Segurança Social - Taxa Fixa de 11% Subsídio de Alimentação- Valor Base < Valor Base > Sindicato Taxa Fixa de 5 º/ º º 3- Construa uma Macro apoiada em dois botões criados por si, de modo a que a Folha de Férias possa ser ordenada ou por Nomes ou por Valor Base. 4- Construa uma Macro que limpe os valores de vencimentos 5- A data de emissão da folha de férias deverá ser automática em relação ao dia em que a folha é emitida

14 Ordenar Nomes Ordenar Vencimentos Limpar Vencimentos FOLHA DE FÉRIAS DA EMPRESA ABC Emitida em: NOME VALOR BASE IRS SEG.SOC. SUB.ALIM. SINDICATO LIQUIDO Paulo Manuel Fialho Sousa 2.294,47 António José Torres Castro 1.246,99 Anabela Pereira Mendes 723,26 Manuel Secretário 618,51 Rui Saraiva Lopes da Cruz 598,56 Felismina Aguiar Ribeiro 498,80 Cristiano Pinto Tavares 488,82 João Pinto 334,19 Maria de Jesus Vieira Bessa 234,44 TOTAIS: 7.038,04 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Exercício 7

15 Exercício 8 1- Com o início do novo ano civil, as taxas de IRS foram alteradas com base em categorias defenidas segundo o agregado familiar. As categorias definidas foram as seguintes: Tab.1 NIVEL CATEGORIA 1 Solteiro 100% 2 Casado s/ dependentes 80% 3 Casado c/ 1 dependente 60% 4 Casado c/ 2 dependentes 50% 5 Casado c/ mais que 2 dependentes 40% 2- A estas categorias foram associados escalões de vencimentos, sendo obviamente a categoria Solteiro a mais agravada em termos fiscais, sendo representada através da Tabela 2. Tab.2 Vencimento Solteiro 0,00 0% 250,00 6,0% 350,00 8,0% 450,00 10,0% 550,00 12,0% 650,00 14,0% 750,00 16,0% 850,00 18,0% 950,00 20,0% 1.050,00 22,0% 1.150,00 24,0% 1.250,00 30,0% 1.500,00 36,0% 1.750,00 42,0% 2.000,00 48,0% 2.250,00 54,0% 2.500,00 54,0% 2.750,00 54,0% 3.000,00 54,0% 3- A relação entre categoria Solteiro e as restantes encontra-se representada na terceira coluna da Tabela 1. PEDIDOS: Numa folha de cálculo anexa ao Exercício 8 elabore a tabela de retenção do referido imposto, e atribua-lhe o nome de Tabela de IRS. Faça uma cópia do Exercício 7 e altere o cabeçalho da sua folha de vencimentos para o descrito na tabela 3, e utilizando funções de procura e outras que eventualmente conheça, torne o cálculo da taxa de IRS automático em função da categoria e do vencimento do funcionário, relacionando as duas folhas de cálculo. O subsídio de alimentação para funcionários de categoria 1 ou 2, é de 75, para os restantes é utilizada a regra do Exercício 7. Crie regras de validação de forma a que não possam ser introduzidos vencimentos negativos, nem superiores a Formate as células para que indiquem o que representa o seu conteúdo e proteja toda ambas as folhas de forma a que apenas seja introduzido o vencimento base, a categoria e o nome do funcionário. Tab. 3 NOME Cat. V. BASE TX. IRS SEG.SOC. SUB.AL. SIND. LIQUIDO Paulo Manuel Fialho Sousa ,47 43,2% 991,21 252,39 75,00 11, ,39

16 Exercício 9 1- A empresa ABC, S.A. recorre múltiplas vezes ao crédito bancário nas suas transações. Assim, o Director Geral pediu-lhe que elaborasse uma folha de cálculo para calcular as diferentes variáveis inerentes aos empréstimos que tantas vezes são utilizados. Todos os empréstimos obtidos são pagos segundo uma renda de prestações constantes e periodicidade certa. Muitas das vezes a taxa de juro é negociada consoante os montantes envolvidos no negócio. 2-Como Director Financeiro da ABC, S.A. e sendo um expert em folha de cálculo, decidiu meter mãos à obra e elaborar um workbook estruturado da seguinte forma: Uma das folhas funcionaria como folha de inserção de dados consoante a variável a analisar, e teria o seguinte formato: ANÁLISE DE EMPRÉSTIMOS A PRESTAÇÕES CONSTANTES CAPITAL 0,00 PRESTAÇÃO 0,00 TAXA DE JURO ANUAL 0% PAGAMENTOS ANUAIS 0 p Nº TOTAL DE PAGAM. 0 p A esta folha dar-lhe-ia o nome de DADOS. Criava então mais quatro folhas de análise com os nomes de Prestação, Juro, Capital e Períodos, sendo o cálculo feito em cada uma delas, e recorrendo aos dados da folha DADOS, o cálculo da variável em falta. Em cada uma das folhas crie um botão chamado Menu de Principal associado a uma Macro, que o coloque na folha DADOS. Na folha DADOS crie quatro botões com os nomes: PRESTAÇÃO PERIÓDICA TAXA DE JURO CAPITAL EM DÍVIDA NÚMERO DE PERÍODOS Estes botões devem ser associados a Macros para que o levem para a respectiva folha de análise. Todas as folhas devem ser protegidas podendo apenas modificar as as células de inserção de dados. Pedido: Elabore as referidas folhas recorrendo às funções financeiras que conhece.

17 Exercício Elabore os simuladores de crédito das folhas anexas (10 e 10B), os quais são utilizados pela banca, sempre que é realizada uma operação de crédito. 2 - O juro respeitante ao período é calculado da seguinte forma: Juro i = Cap.Dívida i x Tx. Juro i 3 - O capital amortizado é calculado da seguinte forma: Cap.Amort. i = Prestação - Juro i 4 - O capital em dívida é calculado da seguinte forma: Cap.Dívida i = Cap.Dívida i-1 - Cap.Amort. i Os custos inerentes à realização da operação, são retirados á cabeça do empréstimo. 6 - Crie um botão de "spinner control" que lhe altere o período total da operação dentro dos limites do mapa de serviço da dívida. 7 - Elabore a mesma folha mas para a situação 10B, em que o cálculo é feito anualmente, em que o valor do capital em dívida é obtido pela fórmula: Cap.Dívida k = Prestação x a n-k i

18 Exercício 10 Simulação de Crédito - Empréstimos até 30 meses Empréstimo ,00 Impostos Tx. de Juro 5,000% Escritura Número de Períodos 15 Meses Registos Cust.Mensais Adic. Seguros T.A.E.G. 5,116% Hipoteca Prestação Mensal 3.445,52 Outros Custos Prestação Efeciva 3.445,52 Total 0,00 MAPA DE SERVIÇO DA DÍVIDA Mês Cap.Divida Juros Cap.Amort. Prestação ,00 208, , , ,81 194, , , ,13 181, , , ,91 167, , , ,09 154, , , ,61 140, , , ,41 126, , , ,45 112, , , ,65 98, , , ,97 84, , , ,34 70, , , ,71 56, , , ,02 42, , , ,21 28, , , ,23 14, , ,

19 Exercício 10 (b) Simulação de Crédito - Empréstimos até 30 Anos Empréstimo ,00 Impostos Tx. de Juro 5,000% Escritura Número de Anos 15 Anos Registos Cust.Mensais Adic. Seguros T.A.E.G. 5,116% Hipoteca Prestação Mensal 395,40 Outros Custos Prestação Efeciva 395,40 Total 0,00 MAPA DE SERVIÇO DA DÍVIDA Ano Cap.Divida Juros Cap.Amort. Prestação ,00 208,33 187,06 395, ,07 198,76 196,63 395, ,63 188,70 206,69 395, ,67 178,13 217,27 395, ,85 167,01 228,38 395, ,55 155,33 240,07 395, ,77 143,04 252,35 395, ,17 130,13 265,26 395, ,05 116,56 278,83 395, ,29 102,30 293,10 395, ,36 87,30 308,10 395, ,30 71,54 323,86 395, ,69 54,97 340,43 395, ,63 37,55 357,84 395, ,72 19,24 376,15 395,

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos Engenharia Informática, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Gestão e Engenharia Industrial

Introdução aos Sistemas Informáticos Engenharia Informática, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Gestão e Engenharia Industrial I 1. Crie um novo livro na folha de cálculo Excel. Grave-o na sua disquete (se não tiver uma disquete, então grave-o no disco do computador) com o nome Exercício 1. Obs.: "Livro" é o nome que se dá a um

Leia mais

Curso Profissional Mod 1 - Excel. Ficha de Trabalho nº 6

Curso Profissional Mod 1 - Excel. Ficha de Trabalho nº 6 Curso Profissional Mod 1 - Excel Ficha de Trabalho nº 6 Nome : Nº : Data : (2º Período) Objectivos a atingir: Exercícios com referências: Relativas Absolutas Mistas Circulares Exercício nº 1 Uma Drogaria

Leia mais

2. Altere o nome da folha1 para Stocks e da folha2 para Vendas.

2. Altere o nome da folha1 para Stocks e da folha2 para Vendas. DOMINE A 110% EXCEL 2010 Aplicação Prática Supondo que tem uma folha de cálculo de stocks e uma folha de cálculo de vendas, pretende-se que num mesmo livro seja preenchida a folha de vendas com base nos

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

Excel - Ficha de Trabalho

Excel - Ficha de Trabalho Excel - Ficha de Trabalho Facturação Avançada O trabalho que se segue consistirá numa folha de cálculo com alguma complexidade, em que existirão diferentes folhas no mesmo livro. Neste serão criadas Bases

Leia mais

Excel. Excel conceitos básicos

Excel. Excel conceitos básicos Excel Docente: Ana Paula Afonso Excel conceitos básicos A folha de cálculo não é mais do que um programa que manipula um conjunto de células dispostas em formato de matriz, cujo conteúdo, quando numérico,

Leia mais

Exercícios de Excel com Programação em VBA. Luís Vieira Lobo

Exercícios de Excel com Programação em VBA. Luís Vieira Lobo Exercícios de Excel com Programação em VBA Luís Vieira Lobo Programação das aulas de Excel: Exercícios 1 e 2 até 13/3/2004 (2 ou 3 aulas) Exercício 4 na semana de 15 a 20/3/2004 Exercício 5 na semana de

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

sage Infologia50 Contabilidade

sage Infologia50 Contabilidade Contabilidade Nova Versão SAFT-PT Sage 2008 e Analisador SAFT: Validação, consulta e exploração de dados do ficheiro SAFT. Automatização do CMVMC: Automatização do CMVMC, permitindo a introdução da existência

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Formador: Rui Pereira

Formador: Rui Pereira Formador: Rui Pereira Índice Exercício Nº 1... 3 Exercício Nº 2... 4 Exercício Nº 3... 5 Exercício Nº 4... 6 Exercício Nº 5... 7 Exercício Nº 6... 8 Exercício Nº 7... 9 Exercício Nº 8... 11 Exercício Nº

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de 1. Alguns conceitos sobre Tabelas Dinâmicas Com tabelas dinâmicas podemos criar dinâmica e imediatamente resumos de uma lista Excel ou de uma base de dados

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 À Semelhança de medidas tomadas por administrações Fiscais de outros países, foi publicada em Portugal a portaria a regulamentar a Certificação

Leia mais

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Análise de dados através de tabelas dinâmicas. Conceitos teóricos As Tabelas Dinâmicas são tabelas interactivas que resumem elevadas quantidades de dados, usando estrutura

Leia mais

Janeiro 2013 v1.2/dbg

Janeiro 2013 v1.2/dbg DBGEP Alteraço es para 2013 Janeiro 2013 v1.2/dbg Introdução... 3 Faturação... 4 Alterações legislativas... 4 Alterações no software... 5 A Subsídios e Propinas... 5 F - Faturação... 7 Processamento de

Leia mais

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras.

1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as funções financeiras. Exercício nº 30 Objectivo: Funções financeiras Nome do documento: Funções financeiras Pedidos: 1- Abra o Microsoft Excel e num livro em branco execute os seguintes pedidos, utilizando principalmente as

Leia mais

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados.

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados. Microsoft Excel Aula 4 Objetivos Trabalhar no Excel com cálculos de juros simples e compostos Trabalhar com as funções financeiras VF e PGTO do Excel Trabalhar com a ferramenta Atingir Meta Apresentar

Leia mais

Cálculo Financeiro Fixa nº2

Cálculo Financeiro Fixa nº2 Cálculo Financeiro Fixa nº2 2. Regimes de Capitalização 2.1. O Regime de Juro Simples 2.2. O Regime de Juro Composto 8 Considere um empréstimo de 300 000 Euros, pelo prazo de 4 anos, à taxa anual de juro

Leia mais

Ficha Prática nº 8 2006/2007 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança. Introdução à Informática

Ficha Prática nº 8 2006/2007 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança. Introdução à Informática Ficha Prática nº 8 2006/2007 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Introdução à Informática 1TSI ESTiG- IPB Excel Utilizando o Excel da Microsoft, construa folhas de

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

INVESTIMENTOS. Pretende-se: Análise da viabilidade económica do projecto (a preços constantes).

INVESTIMENTOS. Pretende-se: Análise da viabilidade económica do projecto (a preços constantes). Caso 1 A empresa FMS pretende dedicar-se à produção e comercialização de equipamentos para a indústria automóvel. De acordo com o estudo de mercado elaborado para o efeito, estimaram-se as seguintes quantidades

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas Índice Índice 1. Facturação...1 1.1. Gestão de Notas de Honorários...2 1.1.1. Emitir uma Nota de Honorários...3 1.1.2. Consultar Notas de Honorários Emitidas... 18

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa comprou 250 USD a 0,98 USD/EUR com o pagamento de despesas bancárias de 10. Qual das seguintes afirmações está correcta? a) Movimentar a conta 11 Caixa a crédito por

Leia mais

Conteudo. Conteúdo. Part I Novidades Versão 2.7 2. 3 Novidades Versão... 2.7 (Contas) 2006... Editorial Brazil

Conteudo. Conteúdo. Part I Novidades Versão 2.7 2. 3 Novidades Versão... 2.7 (Contas) 2006... Editorial Brazil Conteudo I Conteúdo Part I Novidades Versão 2.7 2 1 Suporte... 3 2 Novidades Versão... 2.7 (Vendas) 3 3 Novidades Versão... 2.7 (Contas) 12 2 Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro

Leia mais

Software-Global 1/11

Software-Global 1/11 Não esquecer que a senha do Administrador é ADMIN Botões do programa: Acesso ao Programa: O Acesso ao programa deve ser feito através do utilizador ADMINISTRADOR, que tem todas as permissões para gerir

Leia mais

Manual da Área Financeira. 2Ás Contabilidade e Consultoria, Lda

Manual da Área Financeira. 2Ás Contabilidade e Consultoria, Lda Manual da Área Financeira 2Ás Contabilidade e Consultoria, Lda Rev. 1/2014 de 11/09/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTS: CONSULTA 4 2.1 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO 4 3. IMPOSTOS E OUTROS: CONSULTA 6 3.1 CRITÉRIOS

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

2) Em Configurações Designação dos Documentos poderá visualizar os tipos de documentos, antes e após a aplicação do Decreto-lei n.

2) Em Configurações Designação dos Documentos poderá visualizar os tipos de documentos, antes e após a aplicação do Decreto-lei n. GESTWARE Vendas \ Pontos de Venda 1) Devem ser criados novos Locais de Venda (tantos quantos os necessários para substituírem os actuais) tendo o cuidado de assinalar a opção [x] Documentos de acordo com

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I folhas de tamanho A4, com 2 centímetros em todas as margens. 3. Guarde o documento na sua disquete (se não tiver uma disquete, então grave-o no disco do computador) com o nome Exercício 1. 4. Introduza

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Relatório de alterações efectuadas no sistema NetBusiness 2.0

Relatório de alterações efectuadas no sistema NetBusiness 2.0 Net Business Soluções de Software Standard * Contabilidade Geral, Analítica e Orçamental * Salários e Gestão de Recursos Humanos * Gestão de Imobilizado * Gestão de Contas Correntes * Gestão de Stocks

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado elabora Gestão é um sistema integrado de gestão por incluir no mesmo programa controlo de contas correntes de clientes, fornecedores, controlo de stocks e armazéns. Aplicação 32 Bits para ambiente Windows

Leia mais

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação... 3 3. Nível

Leia mais

Frequência de Contabilidade Financeira I

Frequência de Contabilidade Financeira I Classificação I II III IV V NOME: Prova cotada para 5,00 valores 1.ª Teste A Frequência de Docentes: Ana Paula Matias e Francisco Antunes N.º: Prova: Frequência Data: 2011 11 29 Comprovativo de entrega

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Folha de Exercícios Nº 2 Access Informática II

Folha de Exercícios Nº 2 Access Informática II Objjeecctti ivoss:: - Criar uma base de dados - Criar tabelas - Criar relações entre tabelas - Criar consultas - Criar formulários - Criar relatórios Os empregados de um gabinete de advocacia decidiram

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA EXERCÍCIOS CALCULO FINANCEIRO MIGUEL MATIAS Ano letivo 2015/2016 INDICE Introdução ao cálculo financeiro... 3 Instrumentos financeiros de curto prazo... 7 Rendas... 9 Amortização

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Exame de. Fiscalidade de Empresas 11

Exame de. Fiscalidade de Empresas 11 Exame de Fiscalidade de Empresas 11 (Época Especial para Alunos Finalistas) Ano Lectivo 2005/2006 16/09/2006 Prática Docentes: António Vítor Almeida Campos Carlos Manuel de Freitas Lázaro João Andrade

Leia mais

MANUAL DO EXCEL. Um campo é um espaço que contém determinada informação (ex: Nome do cliente X, Telefone do Sr. Y)

MANUAL DO EXCEL. Um campo é um espaço que contém determinada informação (ex: Nome do cliente X, Telefone do Sr. Y) MANUAL DO EXCEL BASE DE DADOS DEFINIÇÃO DE BASES DE DADOS Uma base de dados é um conjunto de informações, organizada segundo regras definidas à qual se pode aceder para extrair, actualizar, acrescentar

Leia mais

Manual de utilizador - Parametrização Contabilística. TOConline Suporte. Página - 1

Manual de utilizador - Parametrização Contabilística. TOConline Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Parametrização Contabilística Manual de utilizador Página - 2 Parametrização Código de Contas SNC Manual de utilizador - Parametrização Contabilística Na área Empresa -> Definições

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Excel - VBA. Macrocomandos (Macros) O que é uma macro? São programas que executam

Excel - VBA. Macrocomandos (Macros) O que é uma macro? São programas que executam Excel - VBA Docente: Ana Paula Afonso Macrocomandos (Macros) O que é uma macro? São programas que executam tarefas específicas, automatizando-as. Quando uma macro é activada, executa uma sequência de instruções.

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

O Akropole em três tempos...

O Akropole em três tempos... Akropole O Akropole em três tempos... O Akropole foi desenvolvido de forma que o utilizador não necessite de qualquer formação específica, pelo que também não existe a necessidade de um formal Manual do

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Acesso ao Comercial Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Neste Manual são apresentados écrans preenchidos com dados para melhor exemplificar as funcionalidades do programa. O uso do

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

FOLHA DE CÁLCULO Excel Caderno de exercícios

FOLHA DE CÁLCULO Excel Caderno de exercícios FOLHA DE CÁLCULO Excel Caderno de exercícios Formatação Condicional Exemplo: Considerar os seguintes dados: A Folha de cálculo apresenta os salários anuais da empresa Lord of the Bushes Lda., salários

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Passagem de Ano Primavera Software

Passagem de Ano Primavera Software Passagem de Ano Primavera Software Linha Profissional v 7 Manual Dezembro 2009 Procedimentos Fim de Ano A finalidade deste documento é, essencialmente, clarificar os procedimentos a considerar antes da

Leia mais

Microsoft Access. No Access, existem vários tipos de objectos: Tabelas. Consultas. Formulários Relatórios Macros Módulos

Microsoft Access. No Access, existem vários tipos de objectos: Tabelas. Consultas. Formulários Relatórios Macros Módulos É um SGBD do tipo relacional para a utilização em windows. Ao abrirmos o Access, podemos efectuar várias operações: abrir uma base de dados existente, ou então criar uma nova base de dados. Se criarmos

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR COMO ELABORAR O ORÇAMENTO FAMILIAR

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR COMO ELABORAR O ORÇAMENTO FAMILIAR ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR COMO ELABORAR O ORÇAMENTO FAMILIAR Índice A importância do orçamento familiar Etapas da elaboração do orçamento familiar 1ª etapa: identificação do rendimento

Leia mais

CTB CONTABILIDADE NÃO ORGANIZADA

CTB CONTABILIDADE NÃO ORGANIZADA CTB CONTABILIDADE NÃO ORGANIZADA CARACTERÍSTICAS GERAIS A aplicação do módulo de Contabilidade não Organizada tem como Público-Alvo os sujeitos passivos que fazem parte da Categoria B Rendimentos Profissionais

Leia mais

PEDIR FACTURA COMPENSA

PEDIR FACTURA COMPENSA 5 PEDIR FACTURA COMPENSA Novas regras em nome da justiça fiscal entram em vigor a 1 de Janeiro Consumidor pode receber até 250 euros de recompensa efectiva se obrigar comerciantes a emitirem facturas de

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS. Módulo 5 Folha de Cálculo

CADERNO DE EXERCÍCIOS. Módulo 5 Folha de Cálculo CADERNO DE EXERCÍCIOS Módulo 5 Folha de Cálculo Microsoft Office Excel 2010 Competências visadas: Conhecer a folha de cálculo e as suas finalidades funcionais. Usar a folha de cálculo de forma racional

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 19-Jan-2015 O Preçário

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

Assinale com ***** os vendedores que auferem o maior vencimento.

Assinale com ***** os vendedores que auferem o maior vencimento. OPERAÇÕES BÁSICAS A B C 3 Meses Vendas ( ) % Total 4 Janeiro 12000 7,41% 5 Fevereiro 8000 4,94% 6 Março 10000 6,17% 7 Abril 15000 9,26% 8 Maio 20000 12,35% 9 Junho 16000 9,88% 10 Julho 14000 8,64% 11 Agosto

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS SECÇÃO I RELAÇÃO ENTRE OS MODELOS Neste capítulo o principal objectivo é ajudar à compreensão global dos modelos e estabelecer a forma como os modelos se relacionam.

Leia mais

1. Controle de exercício

1. Controle de exercício 1 1. Controle de exercício Para realizar lançamentos e emitir relatório o módulo Contabil obriga a criação de exercícios, que na verdade representam os anos de atividade da empresa. Confira algumas dicas

Leia mais

Contabilidade e Fiscalidade 2º Ano

Contabilidade e Fiscalidade 2º Ano GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional de Técnico de Gestão Ano Lectivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL Contabilidade e Fiscalidade 2º Ano Curso Profissional de Técnico de Gestão 2º TG (2014-2015)

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

VERSÃO 4.22.08 [ 14.10.2008 ]

VERSÃO 4.22.08 [ 14.10.2008 ] ( R E L A T Ó R I O D F R - S O F T ) P á g. 1 VERSÃO 4.22.08 [ 14.10.2008 ]..:: NOTAS IMPORTANTES PARA A INSTALAÇÃO ::.. 1. Imprimir o documento RELATORIO 4.22 no cliente. 2. Se a versão que está instalada

Leia mais

Manual Gespos Recovery

Manual Gespos Recovery Manual Gespos Recovery Introdução...3 Edição de dados Edicão directa de dados...4 Eliminar todos os dados excluindo tabelas e configurações...6 Estrutura Verificar valores Null das tabelas...6 Recriar

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

GE PowerShop. Manual de Treino

GE PowerShop. Manual de Treino Manual de Treino Agenda Inserir uma encomenda Colocar uma encomenda com base em consultas da GE Como carregar uma encomenda (base excel) Como encomendar M-Pact Como seguir as suas encomendas Como alterar

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais