Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS"

Transcrição

1 CAFÉ COM NEGÓCIOS (Arapiraca, 05/04/2016) Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS L. GUSTAVO CARVALHO Advogado Mestre em direito tributário (USP) Professor de direito (UNEAL)

2 CARVALHO E MESSIAS ADVOGADOS carvalhoemessias.com.br (82) /

3 BASE LEGAL Constituição Federal: Art. 195 (custeio da seguridade social): Inciso I, b (sobre receita ou faturamento) Inciso IV (sobre importação) 12º (regime não-cumulativo) EC nº 42/2003 Lei Federal nº /02 (PIS não cumulativa) Art. 3º, II (créditos sobre insumos ) Lei Federal nº /03 (COFINS não cumulativa) Art. 3º, II (crédito sobre insumos ) Instrução Normativa SRF nº 247/2002: Art. 66, 5º (conceito de insumos ) Instrução Normativa SRF nº 404/2004: Art. 8º, 4º (conceito de insumos )

4 PROBLEMA Lei nº /02 (PIS) + Lei nº /03 (COFINS): art. 3º, II Bens/serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção/fabricação de bens/produtos destinados à venda; Aluguéis (prédios, máquinas e equipamentos); Arrendamento mercantil; Bens incorporados ao ativo imobilizado, adquiridos ou fabricados para locação a 3º ou para utilização na produção de bens destinados à venda ou na prestação de serviços; (...)

5 PROBLEMA Lei nº /02 (PIS) + Lei nº /03 (COFINS): art. 3º, II Edificações e benfeitorias em imóveis de 3º (locação) Bens recebidos em devolução (tributada por esse regime); Energia (elétrica/térmica) consumidas Vale-transporte, vale-refeição/alimentação, fardamento fornecidos pela PJ que preste serviço de limpeza, conservação e manutenção; Bens incorporados ao ativo intangível, adquiridos para utilização na produção de bens destinados a venda ou na prestação de serviços.

6 PROBLEMA Bens/serviços utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção/fabricação de bens/produtos destinados à venda O que é insumo?

7 CONCEITO DE INSUMO No regime do IPI (mais restrito): Bens aplicados no processo de industrialização Matéria-prima (diretamente) Produtos intermediários (indiretamente) Material de embalagem No regime do ICMS (intermediário): Bens aplicados na atividade comercial Adquiridos para consumo ou revenda No regime do IR (mais amplo): Bens e serviços necessários à atividade Despesas operacionais

8 CONCEITO DE INSUMO No regime da contribuição ao PIS/COFINS Conceito mais restrito (IPI)??? Conceito intermediário (ICMS)??? Conceito mais amplo (IR)??? Resposta: Para o FISCO (RFB): o conceito mais restrito (IPI) Para o CARF...??? Para o Judiciário...???

9 RECEITA FEDERAL DO BRASIL IN SRF nº 247/2002 e IN SRF nº 404/2004: Utilizados na fabricação ou produção de bens destinados à venda; MP, PI, ME e quaisquer outros bens que sofram alterações (desgaste, dano, perda de propriedades físicas/químicas) em função da ação diretamente exercida sobre o produto em fabricação (não incluídas no ativo imobilizado; Serviços prestados por PJ domiciliada no País, aplicados ou consumidos na produção ou fabricação do produto; Utilizados na prestação de serviços; Bens aplicados ou consumidos na prestação de serviços, desde que não estejam incluídos no ativo imobilizado; Serviços prestados por PJ domiciliada no País, aplicados ou consumidos na prestação do serviço.

10 RECEITA FEDERAL DO BRASIL INCIDÊNCIA NÃO CUMULATIVA. CRÉDITO. Consideram-se insumos, para fins de desconto de créditos na apuração da Cofins não cumulativa, os bens e serviços adquiridos de pessoas jurídicas, aplicados ou consumidos na fabricação de bens destinados à venda ou na prestação de serviços. O termo insumo não pode ser interpretado como todo e qualquer bem ou serviço que gera despesa necessária para a atividade da empresa, mas, sim, tão somente, como aqueles, adquiridos de pessoa jurídica, que efetivamente sejam aplicados ou consumidos na produção de bens destinados à venda ou na prestação do serviço. Dessa forma, somente os gastos efetuados com a aquisição de bens e serviços aplicados ou consumidos diretamente na fabricação de bens geram direito a créditos a serem descontados da Cofins devida. Pessoa jurídica fabricante de produtos acessórios do vestuário não pode apurar créditos da Cofins relativamente a pagamentos de despesas com viagens, hospedagens, conduções, refeições, brindes, comissões sobre vendas e seguros, os quais não preenchem a definição legal de insumo, uma vez que não são aplicados ou consumidos diretamente na fabricação de bens destinados à venda. (DISIT 08. SOLUÇÃO DE CONSULTA nº 33, de 14 de Fevereiro de 2012)

11 RECEITA FEDERAL DO BRASIL Solução de consultas: /decw/pesquisasol.htm

12 CONCLUSÃO PRELIMINAR Seguir o entendimento da RFB: Maior carga tributária (menor competitividade) Contrapor o entendimento da RFB (via administrativa): Apurar créditos fora do conceito da RFB Esperar 5 anos: Decadência (homologação tácita) Auto de Infração (Principal + juros + multa de 75%) Recurso ao CARF Contrapor o entendimento da RFB (via judicial): Redução do passivo (s/ multa) Opção pelo depósito judicial Jurisprudência do STJ

13 No início: POSIÇÃO DO CARF Conceito restrito Ratificação da IN 247/2002 e da IN 404/ : A indumentária de uso obrigatório na indústria de processamento de carnes é insumo indispensável ao processo produtivo e, como tal, gera direito a crédito do PIS/Cofins. O material utilizado no tratamento das águas usadas na lavagem e congelamento de aves é insumo da indústria avícola. O dispêndio realizado com o aluguel de equipamento utilizado em qualquer atividade da empresa dá direito ao crédito (Acórdão Processo / )

14 2010: POSIÇÃO DO CARF Todo e qualquer custo ou despesa necessária à atividade da empresa, nos termos da legislação do IRPJ, não devendo ser utilizado o conceito trazido pela legislação do IPI (Acórdão Processo / ) 2010: O legislador não quis restringir o creditamento do PIS/Pasep às aquisições de MP, PI e ou ME (alcance de insumos na legislação do IPI) utilizados, diretamente, na produção industrial, ao contrário, ampliou de modo a considerar insumos como sendo os gastos gerais que a pessoa jurídica precisa incorrer na produção de bens ou serviços por ela realizada. (Câmara Superior. Acórdão Processo / )

15 2013: POSIÇÃO DO CARF O conceito de insumo na legislação referente à Contribuição para o PIS/PASEP e à COFINS não guarda correspondência com o extraído da legislação do IPI (demasiadamente restritivo) ou do IR (excessivamente alargado). Em atendimento ao comando legal, o insumo deve ser necessário ao processo produtivo/fabril, e, consequentemente, à obtenção do produto final. Para a empresa agroindustrial, constituem insumos: materiais de limpeza e desinfecção; embalagens utilizadas para transporte; combustíveis; lubrificantes e graxa; fretes entre estabelecimentos da própria empresa (do ciclo produtivo); fretes de transporte de combustível; serviços de transporte de sangue e armazenamento de resíduos. Por outro lado, não constituem insumos: uniformes, artigos de vestuário, EPI de empregados e materiais de uso pessoal; bens do ativo, inclusive ferramentas e materiais utilizados em máquinas e equipamentos; fretes de transporte urbano de pessoas. (Acórdão Processo / )

16 POSIÇÃO DO CARF 2015: Todos aqueles bens e serviços pertinentes e essenciais ao processo produtivo, cuja subtração obsta a atividade produtiva ou implica substancial perda de qualidade do serviço ou do produto final resultante. Tratando-se de produção de alimentos, os gastos com bens e serviços utilizados na limpeza ou assepsia das embalagens para os produtos finais dão direito ao creditamento das contribuições não cumulativas, por guardarem relação de essencialidade e pertinência com o processo produtivo. (Acórdão Processo / )

17 2016: POSIÇÃO DO CARF O conceito de insumo na legislação referente à COFINS não guarda correspondência com o extraído da legislação do IPI (demasiadamente restritivo) ou do IR (excessivamente alargado). (Acórdão Processo /201471) 2016: Bens utilizados diretamente no processo produtivo da empresa, ainda que não sofram alterações em função da ação diretamente exercida sobre o produto em fabricação, mas que guardem estreita relação com a atividade produtiva. Contudo, deve ser afastada a interpretação de dar ao conceito de insumo uma identidade com o de despesa dedutível prevista na legislação do imposto de renda gasto com a manutenção e o gasto com combustíveis dos veículos utilizados na realização da atividade da empresa. (Acórdão Processo / )

18 Decisões do CARF Jurisprudencia/consultarJurisprudenciaCarf.jsf

19 POSIÇÃO DO CARF Conclusão: Nem IPI, nem IR Solução pontual E a posição do Judiciário????

20 JUDICIÁRIO No âmbito do STJ (Superior Tribunal de Justiça): RESP /MG (2ª Turma, j. 19/05/2015): São ilegais a IN SRF 247/2002 a IN SRF 404/2004 O conceito de insumo não se identifica com a conceituação adotada na legislação do IPI, posto que excessivamente restritiva. Do mesmo modo, não corresponde exatamente aos conceitos de custos e despesas operacionais utilizados na legislação do IR.

21 JUDICIÁRIO No âmbito do STJ (Superior Tribunal de Justiça): São insumos todos os bens e serviços pertinentes ou que viabilizam o processo produtivo e a prestação de serviços, que neles possam ser direta ou indiretamente empregados e cuja subtração importa na impossibilidade mesma da prestação do serviço ou da produção, isto é, cuja subtração obsta a atividade da empresa, ou implica em substancial perda de qualidade do produto ou serviço daí resultantes. Empresa fabricante de gêneros alimentícios, sujeita a rígidas normas de higiene e limpeza. As exigências de condições sanitárias das instalações se não atendidas implicam na própria impossibilidade da produção.

22 JUDICIÁRIO No âmbito do STJ (Superior Tribunal de Justiça): São insumos todos os bens e serviços pertinentes ou que viabilizam o processo produtivo e a prestação de serviços, que neles possam ser direta ou indiretamente empregados e cuja subtração importa na impossibilidade mesma da prestação do serviço ou da produção, isto é, cuja subtração obsta a atividade da empresa, ou implica em substancial perda de qualidade do produto ou serviço daí resultantes. Empresa fabricante de gêneros alimentícios, sujeita a rígidas normas de higiene e limpeza. As exigências de condições sanitárias das instalações se não atendidas implicam na própria impossibilidade da produção.

23 JUDICIÁRIO No âmbito do STJ (Superior Tribunal de Justiça): O conceito de insumo, no caso, contempla os materiais de limpeza e desinfecção, bem como os serviços de dedetização quando aplicados no ambiente produtivo de empresa fabricante de gêneros alimentícios. RESP /PR ( Recursos repetitivos ): Ainda será julgado pela 1ª Seção... aguardar!!! No âmbito do STF (Supremo Tribunal Federal): AREXT : Ainda será julgado... aguardar!!!

24 JUDICIÁRIO Conclusão: Insegurança jurídica (13 anos) STJ: Nem IPI, nem IR Solução pontual Orientação se sobrepõe à do CARF Aguardar posição da 1ª Seção... STF: Aguardar... Premiação da judicialização

25 CONSIDERAÇÕES FINAIS Onde informar os créditos: DCTF (indébito) DACON / EFD-Contribuições (crédito escritural) Natureza desse crédito de PIS/COFINS: Crédito escritural (s/ correção monetária) DACON / EFD-Contribuições

26 SUGESTÃO Postura agressiva (risco) : Registro retroativo do crédito (s/ correção monetária) na DACON e registro corrente do crédito na EFD-Contribuições) Utilização mediante documentação idônea Aguardar 5 anos (decadência / auto de infração) Postura conservadora (s/ risco): Medidas judiciais pontuais

27 FIM

28 CARVALHO E MESSIAS ADVOGADOS carvalhoemessias.com.br (82) /

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS Fabio Rodrigues Fabio Rodrigues Advogado. Mestre em Ciências Contábeis. Professor do MBA em Contabilidade e Direito Tributário do IPOG. Coordenador,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 99 - Data 9 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

PIS-Cofins - Atualidades. Solon Sehn

PIS-Cofins - Atualidades. Solon Sehn PIS-Cofins - Atualidades Solon Sehn Conceito de Insumos: Lei nº 10.833/2003 Art. 3º [...] II - bens e serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos

Leia mais

PIS/COFINS Conceito de Insumo na Atividade de Transporte Ferroviário de Cargas. Waine Domingos Peron

PIS/COFINS Conceito de Insumo na Atividade de Transporte Ferroviário de Cargas. Waine Domingos Peron Redução do custo de CAPEX PIS/COFINS Conceito de Insumo na Atividade de Transporte Ferroviário de Cargas Waine Domingos Peron 1 Minuta - Confidencial All Rights Reserved Início da Não-Cumulatividade: Lei

Leia mais

Crédito de PIS e COFINS sobre insumos

Crédito de PIS e COFINS sobre insumos Crédito de PIS e COFINS sobre insumos Atualização decorrente do entendimento do STJ São Paulo, 17 de Setembro de 2015 1. Base legal Artigo 3º das Leis n. 10.637/02 e n. 10.833/03 traz as hipóteses de apropriação

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

CIESP CAMPINAS. Tendências Atuais na Gestão de Tributos 18/04/2013

CIESP CAMPINAS. Tendências Atuais na Gestão de Tributos 18/04/2013 CIESP CAMPINAS Tendências Atuais na Gestão de Tributos Atual Jurisprudência Pis e Cofins Pedro Guilherme Accorsi Lunardelli 18/04/2013 Conteúdo da Apresentação I - Pis e Cofins Não Cumulatividade Definição

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 4 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CRÉDITOS PARA DESCONTO DO PIS/PASEP. NÃO-CUMULATIVIDADE.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 126 - Data 19 de agosto de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP Atendidas as condições estabelecidas na

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Solução de Consulta nº 5.008 - Data 2 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins Sistema Público de Escrituração Digital ARRECADAÇÃO FEDERAL 2008 Imposto de Renda Pessoa Jurídica (SPED - ECD): 72 Bilhões PJ Não Financeiras 12 Bilhões

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11) I- DESPESA DE FRETE ENTRE ESTABELECIMENTO DE MESMA PESSOA JURÍDICA NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO DE PIS/COFINS. II- NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) SUSPENSÃO

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 08, ANO III AGOSTO DE 2011 1 TRIBUNAL AMPLIA POSSIBILIDADE DE USO DE CRÉDITOS DA COFINS. Empresa ganha direito a se creditar de PIS e

Leia mais

Delimitação do direito ao crédito do PIS e da COFINS (frete entre estabelecimento do contribuinte, insumos florestais e outros)

Delimitação do direito ao crédito do PIS e da COFINS (frete entre estabelecimento do contribuinte, insumos florestais e outros) Delimitação do direito ao crédito do PIS e da COFINS (frete entre estabelecimento do contribuinte, insumos florestais e outros) O Crédito de PIS e COFINS (insumo) Artigo 3º da Lei no 10.833/03, estabelece

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I SUSPENSO O PAGAMENTO DE PIS/COFINS SOBRE A VENDA DE PRODUTOS SUÍNOS E AVICULÁRIOS E DE DETERMINADOS INSUMOS RELACIONADOS E CONCEDE CRÉDITO PRESUMIDO EM DETERMINADAS OPERAÇÕES

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

Incidência do IRPJ, CSLL, PIS-Cofins sobre créditos presumidos de ICMS e de IPI: disciplina legal e entendimento jurisprudencial.

Incidência do IRPJ, CSLL, PIS-Cofins sobre créditos presumidos de ICMS e de IPI: disciplina legal e entendimento jurisprudencial. Incidência do IRPJ, CSLL, PIS-Cofins sobre créditos presumidos de ICMS e de IPI: disciplina legal e entendimento jurisprudencial Solon Sehn CRÉDITOS PRESUMIDOS DE PIS/COFINS E DE IPI PARA FINS DE INCENTIVO

Leia mais

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 178, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008: EMENTA: DISTRIBUIDOR ATACADISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS E DE HIGIENE PESSOAL. CRÉDITOS. POSSIBILIDADE. Relativamente

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) A FACULDADE DA DEPRECIAÇÃO ACELERADA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À PRODUÇÃO, ADQUIRIDOS A PARTIR DE 01-10- 04, PODE SER EXERCIDA DESDE

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

DISCUSSÕES ACERCA DO CONCEITO DE INSUMO PARA CRÉDITO DE PIS E COFINS Por BEATRIZ HELENA MAIA ESTRELLA E LETÍCIA ALVES DE PAULA

DISCUSSÕES ACERCA DO CONCEITO DE INSUMO PARA CRÉDITO DE PIS E COFINS Por BEATRIZ HELENA MAIA ESTRELLA E LETÍCIA ALVES DE PAULA DISCUSSÕES ACERCA DO CONCEITO DE INSUMO PARA CRÉDITO DE PIS E COFINS Por BEATRIZ HELENA MAIA ESTRELLA E LETÍCIA ALVES DE PAULA De início, é importante esclarecer que as pessoas jurídicas de direito privado,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 226 - Data 20 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL - COFINS APURAÇÃO

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

São contribuintes da Contribuição para o PIS/Pasep, incidente sobre Receitas Governamentais, a

São contribuintes da Contribuição para o PIS/Pasep, incidente sobre Receitas Governamentais, a Contempla atualizações até 22/01/2007: 001 Quais são os contribuintes da Contribuição para o PIS/Pasep, incidente sobre Receitas Governamentais? São contribuintes da Contribuição para o PIS/Pasep, incidente

Leia mais

Escrito por Eduardo Sex, 09 de Outubro de 2009 08:28 - Última atualização Qua, 09 de Dezembro de 2009 14:05

Escrito por Eduardo Sex, 09 de Outubro de 2009 08:28 - Última atualização Qua, 09 de Dezembro de 2009 14:05 Os códigos de situação tributária abaixo identificados para ICMS foram extraídos do manual de integração da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, disponível também no endereço: http://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/integracao.aspx,

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

PIS e COFINS não-cumulativos e o direito ao crédito sobre insumos

PIS e COFINS não-cumulativos e o direito ao crédito sobre insumos PIS e COFINS não-cumulativos e o direito ao crédito sobre insumos André Henrique Lemos - Bacharel em Direito pela UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí. - Advogado militante em Direito empresarial.

Leia mais

PIS/PASEP e COFINS: Tomadas de Créditos Marcelo Magalhães Peixoto

PIS/PASEP e COFINS: Tomadas de Créditos Marcelo Magalhães Peixoto PIS/PASEP e COFINS: Tomadas de Créditos Marcelo Magalhães Peixoto Presidente Fundador da APET Associação Paulista Estudos Tributários Contabilista e Bacharel em Direito, Mestre em Direito Tributário pela

Leia mais

Contabilidade Tributária Aula 7 PIS E COFINS: Sistemática não-cumulativa

Contabilidade Tributária Aula 7 PIS E COFINS: Sistemática não-cumulativa Contabilidade Tributária Aula 7 PIS E COFINS: Sistemática não-cumulativa Prof. Gustavo Gonçalves Vettori + 1. Créditos no regime não cumulativo: regras gerais 1 + Regime não cumulativo Receitas totais,

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 7 - Data 23 de agosto de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. DIREITO DE CREDITAMENTO.

Leia mais

Demonstração do Resultado do Exercício - Contas Contábeis

Demonstração do Resultado do Exercício - Contas Contábeis 3000000000 3100000000 3101000000 3101010000 3101010001 3101010002 3101010003 3101010005 3101010006 3101010008 3101010009 3101010050 3101030000 3101030001 3101090000 3101090001 3101090002 3101090003 3101090004

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Divergência nº 14 Data 29 de julho e 2013 Processo 11080.720521/2013 83 Interessado SRRF10/DISIT CNPJ/CPF 324.247.870 34 ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 100 - Data 9 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. COMÉRCIO

Leia mais

PIS e COFINS Apuração, créditos, riscos e benefícios

PIS e COFINS Apuração, créditos, riscos e benefícios PIS e COFINS Apuração, créditos, riscos e benefícios Fabio Rodrigues Fabio Rodrigues Advogado Mestre em Ciências Contábeis Doutorando em Ciências da Informação Coordenador, autor e coautor de diversos

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 QUANDO O GOVERNO É HONESTO, O PAÍS TEM SEGURANÇA; MAS, QUANDO O GOVERNO COBRA IMPOSTOS DEMAIS, A NAÇÃO ACABA EM DESGRAÇA Provérbios, 29:4

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS PALESTRA ANEFAC - IBRACON Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS Até 1998 PIS e COFINS incidiam sobre o faturamento à 2,65%; Era cumulativo; Poucas exceções; Legislação relativamente simples; Ônus

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005 ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE Julho / 2005 TRIBUTOS QUE PODERÃO INCIDIR SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Imposto

Leia mais

Diário :1 Folha: 10 Descrição Classificação Exercício Atual. Taxa de Manutenção Taxas de Transferência de quinhão

Diário :1 Folha: 10 Descrição Classificação Exercício Atual. Taxa de Manutenção Taxas de Transferência de quinhão Diário :1 Folha: 10 Receitas Receitas Operacionais Receita Social Receita Social Taxa de Manutenção 5-1-01-01-0001 370.398,37C =Receita Social ****370.398,37C Outras Taxas Taxas de Transferência de quinhão

Leia mais

PERDAS TÉCNICAS E COMERCIAIS E SEUS EFEITOS NA APURAÇÃO DO PIS/PASEP, COFINS, IRPJ E CSLL

PERDAS TÉCNICAS E COMERCIAIS E SEUS EFEITOS NA APURAÇÃO DO PIS/PASEP, COFINS, IRPJ E CSLL PERDAS TÉCNICAS E COMERCIAIS E SEUS EFEITOS NA APURAÇÃO DO PIS/PASEP, COFINS, IRPJ E CSLL São Paulo SP, 25.10.2017 Ganim Advogados Associados Sumário: 1. Perdas Técnicas e Comerciais - Definição; 2. Efeitos

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 60 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF 0 ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO.

Leia mais

Erro: Origem da. 1 Coordenação-Geral de Tributação. Solução de Consulta nº 119 - Cosit. Data 19 de maio de 2015 Processo Interessado

Erro: Origem da. 1 Coordenação-Geral de Tributação. Solução de Consulta nº 119 - Cosit. Data 19 de maio de 2015 Processo Interessado 1 Coordenação-Geral de Tributação Erro: Origem da Solução de Consulta nº 119 - Cosit Data 19 de maio de 2015 Processo Interessado 1 CNPJ/CPF Erro: Origem da ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA

Leia mais

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Lisboa Junho 2016 Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL MAÍRA

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão Page 1 of 6 Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de 2006 DOU de 25.7.2006 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a venda de produtos

Leia mais

PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002.

PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002. PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002. Incidência não-cumulativa 1) Da apuração do valor devido Permite o desconto de créditos

Leia mais

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84.

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84. Folha: 1 1 ATIVO 8.691.994.154,02D 1.342.304.403,87 1.179.704.682,09 8.854.593.875,80D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.466.459.417,09D 1.235.880.022,69 1.139.597.863,30 3.562.741.576,48D 1.1.1 Disponível 1.048.640,92D

Leia mais

Não Cumulatividade da contribuição ao PIS/PASEP e da COFINS para as empresas prestadoras de serviços

Não Cumulatividade da contribuição ao PIS/PASEP e da COFINS para as empresas prestadoras de serviços Não Cumulatividade da contribuição ao PIS/PASEP e da COFINS para as empresas prestadoras de serviços Betina Treiger Grupenmacher Doutora PUC/SP, Pós-doutora Universidade de Lisboa - Portugal e Professora

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Direito de crédito PIS-COFINS sobre despesas de frete no regime de incidência não cumulativa

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Direito de crédito PIS-COFINS sobre despesas de frete no regime de incidência não cumulativa Direito de crédito PIS-COFINS sobre despesas de frete no regime de incidência não cumulativa 13/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 29 - Data 26 de outubro de 2017 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP. NÃO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 303 - Data 23 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) REGIMES

Leia mais

TRIBUTARIE. Compliance de PIS e COFINS Serviços utilizados como Insumos - Importação INTELIGÊNCIA TRIBUTÁRIA, FINANCEIRA E GESTÃO FISCAL

TRIBUTARIE. Compliance de PIS e COFINS Serviços utilizados como Insumos - Importação INTELIGÊNCIA TRIBUTÁRIA, FINANCEIRA E GESTÃO FISCAL DOC 17 Compliance de PIS e COFINS - Serviços utilizados como Insumos - Importação- Rev01-23.03.2017 Compliance de PIS e COFINS Serviços utilizados como Insumos - Importação TRIBUTARIE INTELIGÊNCIA TRIBUTÁRIA,

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) RECEITA DE VENDA DE MERCADORIAS DESTINADAS AO CONSUMO OU À INDUSTRIALIZAÇÃO NA ZONA FRANCA DE MANAUS, INCLUSIVE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS,

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 19.244.544,04 49.953.463,53 49.796.021,80 19.401.985,77 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 153.537,84 22.398.892,79 22.439.629,90 112.800,73 1.1.1.00.00-9

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php Page 1 of 5 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA CONSÓRCIO DE EMPRESAS Considerações Gerais 1. INTRODUÇÃO 2. PROIBIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DE CONSÓRCIOS 3. PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

Leia mais

Lei nº /14 e a base de cálculo do PIS e da COFINS nos diferentes regimes

Lei nº /14 e a base de cálculo do PIS e da COFINS nos diferentes regimes Lei nº 12.973/14 e a base de cálculo do PIS e da COFINS nos diferentes regimes Fabiana Del Padre Tomé Doutora pela PUC/SP Professora na PUC/SP e IBET CF/88: autorizava a tributação do faturamento Lei nº

Leia mais

COMITÊ FISCAL PAUTA DE ASSUNTOS JANEIRO DE 2017 ICMS... 2 LEGISLAÇÃO... 7 II... 5 JURISPRUDÊNCIA... 8 IPI... 6 IR E CSLL... 7 PIS E COFINS...

COMITÊ FISCAL PAUTA DE ASSUNTOS JANEIRO DE 2017 ICMS... 2 LEGISLAÇÃO... 7 II... 5 JURISPRUDÊNCIA... 8 IPI... 6 IR E CSLL... 7 PIS E COFINS... COMITÊ FISCAL PAUTA DE ASSUNTOS JANEIRO DE 2017 ICMS... 2 LEGISLAÇÃO... 2 II... 5 JURISPRUDÊNCIA... 5 IPI... 6 JURISPRUDÊNCIA... 6 IR E CSLL... 7 LEGISLAÇÃO... 7 JURISPRUDÊNCIA... 7 PIS E COFINS... 8 JURISPRUDÊNCIA...

Leia mais

ISS ARRENDAMENTO MERCANTIL FINANCEIRO LOCAL DA INCIDÊNCIA DO TRIBUTO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (RECURSO ESPECIAL 1.060.210-SC)

ISS ARRENDAMENTO MERCANTIL FINANCEIRO LOCAL DA INCIDÊNCIA DO TRIBUTO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (RECURSO ESPECIAL 1.060.210-SC) ISS ARRENDAMENTO MERCANTIL FINANCEIRO LOCAL DA INCIDÊNCIA DO TRIBUTO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (RECURSO ESPECIAL 1.060.210-SC) José Eduardo Soares de Melo 12.09.13 I. ARRENDAMENTO MERCANTIL FINANCEIRO.

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Conceitos Introdutórios Receita produto da venda Gasto sacrifício financeiro Investimento gasto ativado em

Leia mais

/ Emissão: 26/08/2015 Filial : 3, Depto: 01 Conta Redu Descrição Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

/ Emissão: 26/08/2015 Filial : 3, Depto: 01 Conta Redu Descrição Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 01/07/2015 a 31/07/2015 Folha:1 1 203 Ativo 1.01 204 Circulante 1.01.01 205 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.01.01.01 206 Caixa 1.01.01.01.001 207 Caixa Geral 4.406,00 0,00 0,00 4.406,00 TOTAL Caixa --->

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

Guia do ICMS - São Paulo: ICMS: Drawback. Resumo: 1) Introdução: 2) Conceitos: 2.1) Drawback:

Guia do ICMS - São Paulo: ICMS: Drawback. Resumo: 1) Introdução: 2) Conceitos: 2.1) Drawback: Guia do ICMS - São Paulo: ICMS: Drawback Resumo: Analisaremos no no presente Roteiro de Procedimentos as regras gerais relativas ao regime aduaneiro especial de drawback, com ênfase ao seu reflexo na tributação

Leia mais

ncentivos Fiscais de Inovação Tecnológica e os Posicionamentos da Receita Federal do Brasil Lei n 11.196/200

ncentivos Fiscais de Inovação Tecnológica e os Posicionamentos da Receita Federal do Brasil Lei n 11.196/200 ncentivos Fiscais de Inovação Tecnológica e os Posicionamentos da Receita Federal do Brasil Lei n 11.196/200 Introdução 1. Definição de inovação tecnológica 2. O Fisco pode determinar o que é inovação

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT)

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) CONFIGURAÇÃO DO ARQUIVO TXT IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) O arquivo TXT deverá ser gerado da seguinte forma: Um registro por linha Campos separados por vírgulas Campos Alfanuméricos

Leia mais

PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) Expositor: Alberto Gonçalves

PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) Expositor: Alberto Gonçalves PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) contato@agmcontadores.com.br Maio-2015 2 Sumário CONTRIBUINTES EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO DEMAIS RECEITAS BASE DE CÁLCULO APURAÇÃO SOBRE AS RECEITAS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PIS/COFINS (Regime Cumulativo e não Cumulativo com preenchimento do DACON e DCTF) contato@agmcontadores.com.br 28/03/2014 2 Sumário CONTRIBUINTES

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2015 IPI CRÉDITOS DO IPI - ANÁLISE JURISPRUDENCIAL... Pág. 92 ICMS - ES REGISTRO DE CONTROLE DA PRODUÇÃO E DO ESTOQUE - GENERALIDADES...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA TERCEIRA SEÇÃO DE JULGAMENTO. Voluntário ª Câmara / 3ª Turma Ordinária Sessão de 19 de março de 2013

MINISTÉRIO DA FAZENDA TERCEIRA SEÇÃO DE JULGAMENTO. Voluntário ª Câmara / 3ª Turma Ordinária Sessão de 19 de março de 2013 Fl. 210 209 Fl. 210 MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE RECURSOS FISCAIS TERCEIRA SEÇÃO DE JULGAMENTO Processo nº 10950.003049/2006 32 Recurso nº Acórdão nº Voluntário 3403 001.937 4ª Câmara

Leia mais

CONTABILIDADE EM TEMPO REAL

CONTABILIDADE EM TEMPO REAL CONTABILIDADE EM TEMPO REAL A EMPRESA A SINC CONTABILIDADE é uma organização especialista em assessoria nas áreas: CONTÁBIL, FISCAL, SOCIETÁRIA e TRABALHISTA. Contamos com uma equipe de profissionais qualificados

Leia mais

Ministério da Fazenda. RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa RFB nº 563, de 23 de agosto de 2005 (*)

Ministério da Fazenda. RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa RFB nº 563, de 23 de agosto de 2005 (*) Ministério da Fazenda RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa RFB nº 563, de 23 de agosto de 2005 (*) DOU de 2.9.2005 Altera a Instrução Normativa SRF nº 460, de 18 de outubro de 2004. O SECRETÁRIO-GERAL

Leia mais

SOBRESTAMENTO RICARF ART. 62-A, 1º

SOBRESTAMENTO RICARF ART. 62-A, 1º RICARF Art. 62-A Art. 62-A. As decisões definitivas de mérito, proferidas pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Superior Tribunal de Justiça em matéria infraconstitucional, na sistemática prevista pelos

Leia mais

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 Neste bloco serão informadas pela pessoa jurídica, as demais operações geradoras de contribuição ou de crédito, não informadas nos Blocos A, C e D: Onde esta localizado

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 PIS (PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL) COFINS (CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL) REGIME CUMULATIVO E NÃO-CUMULATIVO Para iniciar o estudo

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx Registros.docx 04/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1. Parecer da Receita Federal... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14 21/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Perguntas RFB... 3 2.2. Artigo Portal Tributário... 4 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Manual SPED...

Leia mais

Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback

Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback Comércio Exterior: Interposição Fraudulenta e Regime Aduaneiro Especial de Drawback Liziane Angelotti Meira AUDITORA FISCAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COSIT/DIVISÃO DE TRIBUTOS SOBRE O COMÉRCIO

Leia mais

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 22/2014 1ª SEMANA JUNHO DE 2014

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 22/2014 1ª SEMANA JUNHO DE 2014 News Consultoria, treinamento para gestão administrativa e atuação em processos e negócios. CCA BERNARDON CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 22/2014 1ª SEMANA JUNHO DE 2014 DESTAQUES DA SEMANA: TRIBUTOS

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO

COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO Solução de Consulta nº 368 - Cosit Data 14 de agosto de 2017 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição para o PIS/Pasep CRÉDITOS DA NÃO CUMULATIVIDADE. BENS INCORPORADOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 1.009, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 11.02.2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 1.009, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 11.02.2010 Adota Tabelas de Códigos a serem utilizadas na formalização da Escrituração Fiscal Digital (EFD) e nas emissões da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), nas situações que especifica, e revoga a Instrução Normativa

Leia mais

ACÓRDÃO GERADO NO PGD-CARF PROCESSO /

ACÓRDÃO GERADO NO PGD-CARF PROCESSO / Fl. 13586 13.585 Fl. 13.586 MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE RECURSOS FISCAIS CÂMARA SUPERIOR DE RECURSOS FISCAIS Recurso nº Acórdão nº Especial do Contribuinte 9303 004.318 3ª Turma Sessão

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 117 116 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 5 - Data 23 de janeiro de 2017 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP Em relação aos dispêndios com

Leia mais

O ISS E AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE

O ISS E AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE O ISS E AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE Controvérsias Jurídicas da Incidência Tributária Sandro Roberto dos Santos Advogado e Gerente Jurídico da CASSI Maio de 2016 Constituição Federal de 1988 Sistema

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 223 - Data 14 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. BASE

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. OPERAÇÃO BACK TO BACK - Aspectos Contábeis Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. 1 - INTRODUÇÃO 2 - TRATAMENTO FISCAL 3 - TRATAMENTO CONTÁBIL 1 - INTRODUÇÃO As chamadas operações

Leia mais

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PRINCÍPIO OU REGRA DE TRIBUTAÇÃO Professora Doutora Denise Lucena Cavalcante Gramado, 27/06/2008. PRINCÍPIO DA NÃO-CUMULATIVIDADE Princípio constitucional que tem por finalidade

Leia mais

Custos Industriais. Variações nos volumes de produção e vendas. Introdução. Classificação dos Gastos

Custos Industriais. Variações nos volumes de produção e vendas. Introdução. Classificação dos Gastos Custos Industriais Classificação dos Gastos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução Separação dos gastos em custos e despesas fundamental para a apuração do custo da produção e do resultado do período;

Leia mais

Plano de Contas Código Descrição Natureza

Plano de Contas Código Descrição Natureza 1 ATIVO 11 ATIVO CIRCULANTE 111 ATIVO DISPONIVEL 111001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 111002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO SA 1.1.1.002.0002-3 BANCO DO BRASIL 1.1.1.002.0003-1

Leia mais

COMITÊ FISCAL PAUTA DE ASSUNTOS FEVEREIRO DE 2017 ICMS... 2 LEGISLAÇÃO... 2 JURISPRUDÊNCIA... 6 IPI... 4 IR E CSLL... 5 PIS E COFINS...

COMITÊ FISCAL PAUTA DE ASSUNTOS FEVEREIRO DE 2017 ICMS... 2 LEGISLAÇÃO... 2 JURISPRUDÊNCIA... 6 IPI... 4 IR E CSLL... 5 PIS E COFINS... COMITÊ FISCAL PAUTA DE ASSUNTOS FEVEREIRO DE 2017 ICMS... 2 LEGISLAÇÃO... 2 JURISPRUDÊNCIA... 3 IPI... 4 JURISPRUDÊNCIA... 4 IR E CSLL... 5 JURISPRUDÊNCIA... 5 PIS E COFINS... 6 JURISPRUDÊNCIA... 6 DIVERSOS...

Leia mais

GILBERTO FRAGA gfraga@fblaw.com.br A MATRIZ CONSTITUCIONAL DA NÃO-CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS

GILBERTO FRAGA gfraga@fblaw.com.br A MATRIZ CONSTITUCIONAL DA NÃO-CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS A não cumulatividade do PIS e da COFINS GILBERTO FRAGA gfraga@fblaw.com.br A não cumulatividade do PIS e da COFINS A MATRIZ CONSTITUCIONAL DA NÃO-CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS Art.195(...) I-doempregador,daempresaedaentidadeaelaequiparadanaformadalei,

Leia mais

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli Lei nº 12.973/14: a tributação dos juros sobre capital próprio Fernando Mombelli Conceito de JCP O art. 9º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 permite a dedutibilidade dos Juros sobre o Capital

Leia mais

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003)

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) EVOLUÇÃO Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) Art. 37 da Constituição Federal... XXII as administrações tributárias da União dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,... e autuarão de forma

Leia mais

a base de cálculo do PIS/Pasep, visto não existir expressa previsão legal de exclusão ou isenção. LÍCIA MARIA ALENCAR SOBRINHO Chefe da Divisão

a base de cálculo do PIS/Pasep, visto não existir expressa previsão legal de exclusão ou isenção. LÍCIA MARIA ALENCAR SOBRINHO Chefe da Divisão 5ª REGIÃO FISCAL DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2009 EMENTA: O incentivo relativo ao abatimento do valor do ICMS devido concedido pelo governo do Estado da Bahia a título

Leia mais