Pesquisa Internacional sobre Tributação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Internacional sobre Tributação"

Transcrição

1 Pesquisa Internacional sobre Tributação $2003

2 2 Pesquisa Internacional sobre Tributação 2003

3 Pesquisa Internacional sobre Tributação I. Metodologia da Pesquisa O presente estudo foi elaborado visando comparar o perfil tributário de 34 países com base na carga tributária direta e indireta incidente sobre pessoas jurídicas e na existência de legislação sobre preços de transferência, normas antielisão, penalidades, incentivos fiscais para novos investimentos, etc. Os dados apresentados nas tabelas e notas explicativas foram fornecidos pelos respectivos escritórios da Deloitte no exterior. As informações foram divididas por área e não têm o objetivo de exaurir o perfil fiscal de cada país pesquisado. Dadas informações visam apenas à apresentação de um panorama geral que possibilite comparar as diversas cargas tributárias existentes. Ao final, apresentamos uma tabela comparativa dos dados do Brasil com as médias obtidas em cada tabela regional (América Latina, América do Norte/Europa e Ásia), além de nossos comentários e gráficos ilustrativos. II. Comentários sobre o Brasil II.1 Alíquota máxima do Imposto de Renda Pessoa Jurídica - IRPJ As alíquotas aplicáveis para 2003 são: Contribuição social 9% Alíquota normal IRPJ 15% Adicional ao IRPJ 10% Total 34% O Brasil não possui Imposto de Renda municipal nem estadual. O adicional de 10% é aplicado para o lucro excedente a R$ ao ano. Para efeito deste trabalho, adotamos a soma das alíquotas de 15% e 10%, perfazendo 25%. O Brasil possui a particularidade da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL, tributo que possui base de cálculo semelhante à do Imposto de Renda, tendo, por essa razão, sido considerado no cálculo abaixo. O cálculo da alíquota efetiva pode ser assim obtido: Lucro antes da CSLL 100,00 (-) CSLL (9%) (I) 9,00 (-) IRPJ (15% + 10%)(II) 25,00 Lucro após IRPJ e CSLL 66,00 Total de IRPJ + CSLL (I) + (II) 34,00 II.2 Imposto de Renda Retido na Fonte - IRRF sobre dividendos enviados ao exterior Aos dividendos enviados ao exterior, a legislação brasileira passou a prever uma alíquota de 0%, que desonerou os lucros líquidos gerados a partir de 1º de janeiro de II.3 Imposto de Renda Retido na Fonte - IRRF sobre royalties enviados ao exterior A alíquota aplicável nas remessas de royalties ao exterior é de 15%. Todavia, esta trata-se de uma regra geral, pois, para os países com os quais o Brasil Pesquisa Internacional sobre Tributação

4 possui acordos para evitar bitributação, essa alíquota pode ser reduzida. Vigorando a partir do ano 2001, o governo brasileiro estabeleceu a Contribuição para Intervenção no Domínio Econômico - CIDE, uma nova modalidade de contribuição social aplicável, entre outras, às remessas de royalties pagos ao exterior. A alíquota da CIDE é de 10% e, embora não se constitua em crédito ao beneficiário dos royalties, essa remessa acaba sendo onerada por uma alíquota efetiva de 25% (IRRF a 15% + CIDE a 10%). II.4 Imposto de Renda Retido na Fonte - IRRF sobre juros remetidos ao exterior A alíquota aplicável aos juros remetidos ao exterior é de 15%. Porém, tal qual ocorre no caso dos royalties, essa alíquota pode ser reduzida para os países com os quais o Brasil mantém acordo para evitar bitributação (caso do Japão, em que a alíquota reduzida é de 12,5%), bem como incrementada, para o caso de remessas destinadas a paraísos fiscais (25%). II.5 Alíquota máxima de Imposto sobre o Valor Agregado - IVA O IVA no Brasil consiste do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços - ICMS: o primeiro compõe a base de cálculo do segundo. Se considerarmos produtos não essenciais, como bebidas alcoólicas, perfumes, cigarros, etc., cuja alíquota de IPI chega a 220% e ICMS a 25%, e efetuarmos a combinação de ambos, obteremos o valor de 300%, calculado da seguinte forma: 220% = 3,2 25% = 1,25 3,2 x 1,25 = 4,00 (300%) Na coluna referente ao Brasil, optamos por não considerar esse valor tão extremo a fim de não distorcer a comparabilidade da amostra. Adotamos como hipótese geral a combinação das alíquotas mais comuns, a saber, 10% de IPI e 18% para ICMS (SP, RJ e MG), perfazendo os 29,8%. Alíquota média IPI 10,0% Alíquota média ICMS 18,0% Efeito do ICMS sobre IPI 1,8% Total 29,8% II.6 Alíquota mínima de Imposto sobre o Valor Agregado - IVA Para efeito de determinação da alíquota mínima, adotamos como exemplo um alimento da cesta básica com tributação somente pelo ICMS, sob a alíquota de 7%. II.7 Possibilidade de compensação de prejuízos fiscais retroativamente Embora em muitos dos países pesquisados exista a possibilidade de se compensar prejuízos fiscais retroativamente, tal possibilidade não está prevista no Brasil. II.8 Período em que os prejuízos fiscais podem ser compensados No Brasil, os prejuízos fiscais gerados a partir de 1991, desde que ainda existentes em 31 de dezembro de 1994, podem ser compensados futuramente, sem limite temporal. II.9 Limite do lucro real do exercício que pode ser compensado com os prejuízos fiscais Até a publicação da Lei nº 8.981/95, os prejuízos fiscais podiam ser compensados com os lucros futuros na integralidade desses lucros. A partir dessa lei, estabeleceu-se que apenas 30% do lucro real de cada exercício seria passível de compensação com saldos de prejuízos fiscais. A mesma regra é aplicável à compensação com saldos de base negativa da CSLL. II.10 Preços de transferência No Brasil, empresas que praticam operações com empresas coligadas no exterior estão sujeitas à verificação da observância às normas relativas aos preços de transferência, em vigor a partir do ano II.11 Contribuições sobre o faturamento Programa de Integração Social - PIS e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS No Brasil, a COFINS incide sobre a receita bruta das pessoas jurídicas através da alíquota de 3,0%. Além da COFINS, uma outra contribuição incide sobre essa mesma base de cálculo. Trata-se do PIS, que, a partir de dezembro de 2002, se apresenta sob a alíquota de 1,65%, mediante um regime não cumulativo semelhante do IPI e ICMS. Apenas para efeito de demonstração, adotamos a soma de ambas as alíquotas, perfazendo um total de 4,65% de contribuições sobre a receita bruta. COFINS 3,00% PIS 1,65% Total 4,65% 4 Pesquisa Internacional sobre Tributação 2003

5 II.12 Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira - CPMF A CPMF é uma contribuição social incidente sobre as movimentações financeiras cuja alíquota é de 0,38% sobre os valores movimentados, entre outros, a título de saques e transferências entre contas bancárias. II.13 Normas antielisão Apesar de a legislação brasileira possibilitar às autoridades fiscais desfazerem quaisquer operações que não estejam de acordo com o objetivo do negócio e que tenham como escopo a elisão fiscal, as normas antielisão foram estabelecidas por lei complementar carente de regulamentação. Diante disso, até o momento, a aplicabilidade prática dessas normas é remota. II.14 Penalidade máxima para o pagamento de impostos em atraso No Brasil, o valor máximo da multa por atraso no recolhimento de imposto corresponde a 20% do imposto devido. Nesse caso, aplica-se a regra da denúncia espontânea em que o devedor confessa e recolhe sua dívida ao Fisco, antes de ser autuado. II.15 Penalidade máxima em caso de autuação fiscal A penalidade máxima para os casos em que há autuação fiscal é de 75%. Referido percentual pode chegar a 150% se comprovado o intuito de fraude. II.16 Incentivos fiscais para novos investimentos de capital estrangeiro O Brasil não concede incentivos fiscais específicos para novos investimentos de capital estrangeiro. Entretanto, para novos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, sejam de capital nacional ou estrangeiro, alguns incentivos são aplicáveis, tais como dedução das despesas com pesquisas e desenvolvimento no IRPJ devido, depreciação e amortização acelerada, redução do IPI sobre equipamentos destinados a tais atividades, crédito de IRRF sobre as quantias pagas a título de royalties, assistência técnica, etc. O Brasil não adota Imposto de Renda estadual ou municipal. Entretanto, 35% dos países pesquisados adotam alguma espécie de Imposto de Renda local. Entre esses países, destaque para Alemanha, Itália, Japão, Coréia do Sul, Estados Unidos e Canadá, os quais possuem as mais altas cargas tributárias de IRPJ da amostra. Na América Latina, somente Venezuela e Colômbia adotam o Imposto de Renda local sob as alíquotas de 10% e 1,38%, respectivamente. Vale observar que, apesar de o Brasil não adotar Imposto de Renda local, existe previsão constitucional para o repasse das verbas de arrecadação do Imposto de Renda federal para estados e municípios. Apenas 23,5% dos países pesquisados concedem isenção de IRRF sobre a remessa de dividendos ao exterior. Na América Latina, esses países são Brasil, Equador e México. Na Europa, são Reino Unido e Grécia, e na Ásia, são Cingapura, Malásia e Hong Kong. Note que, para os países que tributam pelo IRRF essa remessa, existem tratados que reduzem significativamente as alíquotas aplicadas. As três principais economias da América Latina (Brasil, México e Argentina) apresentam alíquotas de IRRF muito próximas. Entre elas, o México é o país com maior tributação na fonte tanto sobre os royalties como sobre os juros remetidos ao exterior. Entretanto, dada a existência de tratados que prevêem uma redução significativa nessas alíquotas, na prática, estas ficam no mesmo patamar que é aplicável no Brasil, qual seja, o de 15%. Gráfico 1: Imposto de Renda 34% Brasil 30,79% Média América Latina 32,27% Média Global Gráfico 2: Média das alíquotas mínimas de IRRF sobre juros e royalties 12,5% Brasil 7,6% Demais países III. Comentários acerca das tabelas Da análise dos dados dos 34 países, salientamos os seguintes aspectos: A alíquota combinada do IRPJ no Brasil (34%) é superior às médias globais e da América Latina, as quais giram em torno de 30% (gráfico 1). Pesquisa Internacional sobre Tributação

6 No que se refere à tributação na fonte nas remessas a título de juros e royalties, a grande maioria dos países pesquisados possui tratados para evitar a bitributação que acabam por reduzir a alíquota máxima informada. Comparando as alíquotas mínimas informadas, verificamos que o Brasil apresenta alíquotas mínimas superiores à média dos demais países da amostra. Ressalte-se que a alíquota brasileira reduzida se refere às operações celebradas com um único país, qual seja, o Japão (gráfico 2). A alíquota do IVA brasileiro (combinação de ICMS e IPI), que é de 29,8%, só é inferior à alíquota colombiana de 45%. Referida alíquota é significativamente superior à média global de 15,7% e à média dos países asiáticos, que é de apenas 7,25% (gráfico 3). A onerosidade da produção brasileira não se deve apenas à alta carga do IVA. Deve-se considerar, ainda, o impacto das contribuições sobre a receita bruta, tais como o PIS e a COFINS, as quais já possuem seus similares em 35% dos países pesquisados (gráfico 4). O Japão possui tributação muito baixa pelo IVA (5%), ao passo que apresenta alta tributação direta pelo IRPJ (42%). Por concentrar sua tributação no IRPJ, o Japão finda por adotar um modelo de sistema tributário mais próximo do progressivo, uma vez que alcança desigualmente os contribuintes, com o objetivo de distribuir o ônus tributário progressivamente em relação à renda. Por outro lado, o Brasil mostra-se um modelo regressivo, pois concentra sua arrecadação nos impostos indiretos, não obstante haja a previsão constitucional de que os impostos, sempre que possível, terão caráter pessoal e serão graduados de acordo com a capacidade econômica do contribuinte (artigo 145, inciso III, 1º da Constituição Federal de 1988). 100% dos países pesquisados autorizam a compensação de prejuízos fiscais com lucros futuros. Assim como no Brasil, em 35% desses países o valor de prejuízos a ser compensado no futuro não sofre nenhuma limitação temporal. No Brasil, não há previsão para compensação retroativa de prejuízos fiscais, embora 26% dos países pesquisados a autorizem. Tal qual ocorre no Brasil, a limitação ao montante de lucro que pode ser compensado com prejuízos fiscais passou a ser uma realidade também na Colômbia e Gráfico 3: IVA 29,8% Brasil 20,58% América Latina 19,36% América do Norte/Europa 7,25% Ásia 15,73% Média Global Gráfico 4: Países que adotam alguma espécie de contribuição sobre a receita bruta Gráfico 5: Países que limitam o montante de lucro a ser compensado com prejuízos fiscais Permitem que apenas parcela do lucro seja compensada 12% 35,2% Adotam 64,8% Não adotam 88% Permitem que a totalidade do lucro seja compensada 6 Pesquisa Internacional sobre Tributação 2003

7 no Equador. Em tais países, entretanto, em vez de 30% como no Brasil, a compensação está limitada a 25% do lucro tributável. Fora da América Latina, a Áustria é o único país que também prevê essa limitação, restringindo-a a 75% do lucro tributável. Os países que limitam o montante de lucro passível de compensação representam 12% da amostra (gráfico 5). Assim como no Brasil, 35% dos países da amostra prevêem alguma espécie de contribuição sobre a receita bruta. Entre os países europeus, estão a França, Hungria e Grécia. Na Ásia, estão Tailândia, China e Filipinas. O Brasil, que até 1998 era o único país a possuir contribuições dessa espécie, apresenta alíquota superior à média da América Latina: 4,65% de contribuições sobre a receita bruta, contra uma média do grupo de 4,17% (gráfico 6). A CPMF já não é mais peculiaridade de alguns países da América Latina. Ela é encontrada em 15% dos países da amostra, sendo eles Brasil (0,38%), Argentina (0,60%), Colômbia (0,30%), Venezuela (1,00%) e Filipinas (3,00%). 85% dos países da amostra possuem legislação relativa a preços de transferência. Destes, pelo menos 73% seguem parcial ou totalmente os critérios estabelecidos pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE (gráficos 7 e 8). Normas antielisão foram encontradas em 85% dos países pesquisados. China e Tailândia são notoriamente mais rígidos do que os demais países da Ásia, na aplicação de penalidades para pagamentos de tributos fora do prazo. Enquanto a média nos demais países do continente é de 22%, na Tailândia, pelo atraso no recolhimento, aplica-se multa de 100% sobre o imposto devido e, na China, 500%. Países que se destacam em aplicar altas multas no caso de autuação fiscal em que se verifica o intuito de evasão fiscal são: Argentina (1.000%), Taiwan (1.000%), China (500%), Cingapura (300%), Hong Kong (300%), Grécia (300%), Bélgica (200%), Itália (200%) e Tailândia (200%). No Brasil, a multa em caso de verificação de intuito de fraude é de 150%. Diferentemente do Brasil, 58% dos países pesquisados apresentam algum tipo de benefício fiscal específico para novos investimentos de capital estrangeiro no país (gráfico 9). IV. Avisos A presente publicação contém apenas informações gerais. A Deloitte, através dessa publicação, não está prestando serviços tributários ou empresariais. A presente publicação não se destina a substituir o competente aconselhamento profissional e não deve ser usada como base para qualquer decisão ou ação que possa afetar os negócios da empresa. Antes da tomada de qualquer decisão que possa afetar esses negócios, deve-se consultar um assessor profissional. A reprodução deste material é autorizada desde que informada a fonte. Gráfico 6: Alíquotas máximas das contribuições sobre a receita bruta na América Latina 1,38% Colômbia 3% Bolívia 4,65% Brasil 5% Guatemala 5% Venezuela 6% Argentina Gráfico 7: Legislação de preços de transferência 15% Não possuem 85% Possuem Gráfico 9: Incentivos para novos investimentos de capital estrangeiro 58% Promovem 42% Não promovem Gráfico 8: Adesão às diretrizes da OCDE em preços de transferência 73% Seguem total ou parcialmente a OCDE 27% Não seguem a OCDE Pesquisa Internacional sobre Tributação

8 AMÉRICA LATINA DESCRIÇÃO BRASIL GUATEMALA PERU VENEZUELA COLÔMBIA ARGENTINA Alíquota máxima do Imposto de Renda 34% (121) 31% 27% 34% 35% 35% Alíquota máxima do Imposto de Renda estadual ou municipal, se aplicável 0% 0% 0% 10% 1,38% 0% dividendos remetidos ao exterior 0% (122) 10% 4,10% 0% 0% 0% dividendos remetidos ao exterior 0% (122) 10% 4,10% 34% 39,55% 35% royalties remetidos ao exterior 12,50% (123) 31% 30% 5% 39,55% 21% royalties remetidos ao exterior 15% (124) 31% 30% 34% 39,55% 31,50% juros remetidos ao exterior 12,50% (123) 0% 4,99% 4,95% 7% 15,05% (113) juros remetidos ao exterior 15% (125) 10% 30% 34% 39,55% 35% Alíquota mínima do IVA 7% 12% 18% 8% 2% (41) 10,50% Alíquota máxima do IVA 29,80% (126) 12% 18% 16% 45% (41) 27% Prejuízos fiscais podem ser compensados Sim. Sim (1) Sim. Sim. Sim. (42) Sim. (114) com ganhos futuros? Indefinidamente Por 4 anos Por 3 anos Por 8 anos Por 5 anos I Se positivo, por qual período? Prejuízos fiscais podem ser compensados Sim, por 1 ano retroatiovamente? Não Não Não ou 3, caso o Não Não Se positivo, por qual período? negócio termine Existe algum limite para a compensação dos prejuízos fiscais com as bases 30% Não Não Não 25% (43) Não tributáveis auferidas? As regras de preços de transferência são Sim. Não Sim. Sim Sim Sim aplicáveis? Seguem as orientações da OCDE? Parcialmente Parcialmente Sim Sim Existe alguma espécie de tributação sobre a receita bruta/faturamento? 4,65% (127) 5% (2) Não 5% 1,38% 6% (60) Se positivo, qual a alíquota? Existe alguma espécie de tributação sobre as movimentações bancárias/financeiras? 0,38% Não Não 1% 0,30% 0,60% Se positivo, qual a alíquota? Existem regras antielisão? Sim Sim Não (18) Sim Sim (44) Sim Qual é a penalidade máxima (%) para o pagamento de tributos fora do prazo? 20% 100% 1,50% por mês (19) 35,81% (103) 200% 3% (61) Qual é a penalidade máxima (%) 50% do (105) no caso de auto de infração? 150% (128) 100% imposto 35,81% (104) 160% 1.000% (62) não pago Há algum benefício fiscal para novos Sim Sim (45) Sim (63) investimentos de capital estrangeiro? Não Não Não (20) (imposto de (imposto de (imposto de Se sim, quais espécies de tributos estão renda e imposto renda) renda) envolvidos nesse benefício? municipal) NQ - Não quantificável. Notas: 1) Apenas para novas empresas, nos primeiros quatro anos. 2) Apenas para empresas prestadoras de serviços. 3) A alíquota será de 0% caso os lucros líquidos se originem de atividades que estimulem algum tipo de investimento. Tal conjuntura possibilita a isenção de impostos por um prazo determinado. 4) A alíquota do IVA estava prevista para retornar a 10% em 1 de outubro de 2003, a não ser que fosse aprovada uma prorrogação pelo governo tailandês. 5) A alíquota será de 2% ou 10% para alguns tipos de receitas produzidas por fundações e associações, e de 3% para receitas originárias de negócios de transporte internacional (exemplo: transporte de passageiros e bens). 6) Sobre o imposto devido, acrescido de uma sobretaxa mensal de 1,5%. 7) As regiões autônomas de Açores e Madeira possuem taxas que são mais favoráveis. 8) A alíquota mínima poderá ser de 0% para aqueles dividendos distribuídos a empresas que tenham sua matriz na União 8 Pesquisa Internacional sobre Tributação 2003

9 BOLÍVIA EQUADOR CHILE MÉXICO MÉDIA 25% 25% 16,50% (101) 34% 29,65% 0% 0% 0% (115) 0% 1,14% 10% (84) 0% 10% (116) 0% 3,41% 12,50% 0% 35% 0% 17,02% 12,50% 25% (86) 15% 25% 21,66% 12,50% 25% 30% (117) 40% (106) 28,85% 12,50% 0% (87) 4% 4,90% 6,59% 12,50% 25% (87) 35% 40% (106) 27,61% 13% 0% 18% 10% (107) 10,72% 13% 12% 18% (118) 15% 20,58% Sim. Sim. Sim. Sim. NQ ndefinidamente Por 5 anos Indefinidamente Por 10 anos Sim. Não Não Indefinidamente Não NQ Não 25% Não (102) Não 26,67% Não Não (88) Sim Sim NQ Não Sim 3% Não Não Não 4,17% Não Não Não Não 0,57% Não Sim Sim Sim NQ 2,25% mensais 100% 1,10% por mês 30% mais taxa 69,83% de inflação 1,10% de juros 30% mais 100% mais 3% de 1,5% por mês 100% 235,12% multa por mês Sim (89) Sim Sim Não (85) (imposto de (imposto de (imposto de NQ renda) renda) renda) Européia. É necessário que se mantenha, por um período maior que dois anos, mais que 25% de capital português. 9) 4% nas regiões autônomas da Madeira e Açores. 10) 13% nas regiões autônomas da Madeira e Açores. 11) Limitado a Euros. 12) Investimentos que representem algum interesse estratégico para a economia portuguesa e que totalizem pelo menos de Euros podem se beneficiar de créditos de IRPJ (de 5% a 20% do total de investimentos), assim como de isenções sobre o imposto do selo, o imposto municipal e o de transferência de propriedade. 13) Situação na qual uma empresa não residente possui uma propriedade como investimento no Reino Unido e recebe apenas a renda como investimento, cuja conseqüência, então, é a cobrança do Imposto de Renda britânico a 22%. 14) Certos itens podem estar sujeitos a um IVA de 0%, ou ainda estarem isentos ou fora de seu escopo. 15) Prejuízos fiscais podem ser compensados retroativamente em um ano, porém somente em relação ao mesmo tipo de renda, ou seja, perdas com exploração só podem ser compensadas contra lucro da exploração e déficits em contratos de mútuo não operacionais somente podem ser compensados retroativamente com lucros/ganhos não operacionais. 16) Os juros incidem sobre o pagamento de impostos fora do prazo. A alíquota desses juros está vinculada à base de cálculo do Banco da Inglaterra. A partir de julho de 2003, os juros relevantes são de 4,75%. Além disso, outras penalidades podem ser imputadas quando a empresa deliberada ou imprudentemente falha em realizar o pagamento das prestações devidas dos impostos corporativos. Tal penalidade não pode exceder ao dobro dos juros que são cobrados na última prestação. 17) Isso se aplica quando uma empresa preenche fraudulenta ou negligentemente alguma declaração enunciada à Receita Federal. 18) As autoridades fiscais estão habilitadas a analisar as operações de acordo com sua real natureza econômica, sem levar em consideração o que as partes tiverem estipulado em contratos ou quaisquer outros documentos, aplicando, assim, o correpondente tratamento tributário. 19) O pagamento fora do prazo de impostos é onerado com uma taxa de juros de 1,5% ao mês. Em caso de declarações de impostos que não tenham sido preenchidas dentro do prazo estipulado, as penalidades aplicáveis podem ser de multa equivalente a uma Unidade Fiscal (S/ , quase US$900) ou próximo a isso. 20) É possível assinar um acordo de estabilidade fiscal. 21) Tratados para evitar a bitributação podem reduzir essa porcentagem. 22) Há um limite específico no caso de ser tributado em uma base consolidada. 23) Acrescido de juros, quando o pagamento é realizado posteriormente a 12 meses ou mais da data na qual este deveria ter sido realizado. 24) A sanção pode ser reduzida em 30% caso o contribuinte concorde com a avaliação do imposto devido. 25) Regimes especiais aplicam-se a holdings espanholas, investimentos em determinadas regiões e outros. 26) A alíquota é de 0% por meio de tratados para evitar a bitributação com certos países. 27) A alíquota será de 22% caso se origine de não residentes que mantenham qualquer espécie de comércio em Cingapura ou mesmo por meio de um Estabelecimento Permanente em Cingapura. 28) A alíquota será de 5% a partir de 1 de janeiro de ) Caso seja provado que os acionistas das empresas e suas respectivas participações acionárias na empresa tenham permanecido substancialmente os mesmos nas datas relevantes. 30) Não há legislação específica para preços de transferência, mas, na prática, esta é aplicada pelo IRAS (Receita Federal). 31) Caso de fraude (300% do imposto mais S$ ou prisão ou ambos). 32) É possível, mediante previsões em tratados com o Reino Unido (promulgado em 1 de maio de 2003), Austrália (promulgado em 1 de julho de 2003) e México (efetivo desde 1 de setembro de 2003), obter uma alíquota de 0% de retenção na fonte do Imposto de Renda sobre determinados dividendos pagos a empresas domiciliadas e que possuam 80% da sua propriedade. Pesquisa Internacional sobre Tributação

10 AMÉRICA DO NORTE/EUROPA DESCRIÇÃO EUA CANADÁ PORTUGAL REINO UNIDO HOLANDA ESPANHA BÉLGICA Alíquota máxima do Imposto de Renda 35% 24.12% 30% (7) 30% 34.50% 35% 33.99% Alíquota máxima do Imposto de Renda estadual ou municipal, se aplicável. 12% 17% (93) 3% 0% (13) 0% 0% 0% dividendos remetidos ao exterior 0% (32) 5% 10% (8) 0% 0% 0% (111) 0% dividendos remetidos ao exterior 30% 25% 25% 0% 25% 15% 25% royalties remetidos ao exterior 0% 0% 5% 0% 0% 25% (21) 0% royalties remetidos ao exterior 30% 25% 15% 22% 0% 25% 15% juros remetidos ao exterior 0% 0% 10% 0% 0% 0% (112) 0% juros remetidos ao exterior 30% 25% 20% 20% 0% 15% 15% Alíquota mínima do IVA NQ 7% 5% (9) 0% (14) 6% 4% 6% Alíquota máxima do IVA NQ 17% (94) 19% (10) 17,50% 19% 16% 21% Prejuízos fiscais podem ser compensados Sim. Sim. (95) Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. com ganhos futuros? Por 20 anos Por 7 anos Por 6 anos Indefinidamente Indefinidamente Por 15 anos Indefinidamente Se positivo, por qual período? Prejuízos fiscais podem ser compensados Sim, por 1 retroatiovamente? Sim. Sim. Não ano ou 3, Sim. Não Não Se positivo, por qual período? Por 2 anos Por 3 anos caso o negócio Por 3 anos termine (15) Existe algum limite para a compensação dos prejuízos fiscais com as bases Não Não Não Não Não Não (22) Não tributáveis auferidas? As regras de preços de transferência são Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. aplicáveis? Seguem as orientações da OCDE? Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Existe alguma espécie de tributação sobre a receita bruta/faturamento? Não Não Não Não Não Não Não Se positivo, qual a alíquota? Existe alguma espécie de tributação sobre as movimentações bancárias/financeiras? Não Não Não Não Não Não Não Se positivo, qual a alíquota? Existem regras antielisão? Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Qual é a penalidade máxima (%) para o 25% 17% (96) 50% (11) 4,75% (16) 3,10% 20% (23) 7% pagamento de tributos fora do prazo? Qual é a penalidade máxima (%) 40% (33) 17% (97) 100% (11) 100% (17) 3,10% 150% (24) 200% no caso de auto de infração? Há algum benefício fiscal para novos Sim Sim investimentos de capital estrangeiro? Não Sim (98) Sim (12) Não (imposto Sim (25) (imposto Se sim, quais espécies de tributos estão de renda) de renda) envolvidos nesse benefício? NQ - Não Quantificável 33) Esta é normalmente a penalidade civil máxima, a qual se aplica sobre declarações incorretas referentes ao cálculo bruto de determinados preços de transferência. Penalidades mais severas podem ser aplicadas em caso de fraude ou comportamento criminoso. 34) A base de cálculo do imposto é diferente (normalmente maior) do que o do CIT (Imposto de Renda). 35) Há alguns casos incomuns em que o IRRF é de 30%. 36) Há algumas transações passíveis de tributação que, porém, estão isentas do IVA (0%). 37) Perdas ocorridas nos três primeiros anos da incorporação podem ser compensadas com ganhos futuros sem limite temporal. 38) Pode haver a tributação da renda em saques bancários realizados por residentes italianos de contas de bancos não italianos e que estejam denominados em moedas diferentes do Euro (supondo ganhos de capital no câmbio). 39) Acrescidos de juros. 40) A multa totaliza 240% caso a declaração do imposto em análise não tenha sido preenchida. 41) A alíquota comum é de 16%. 42) Até 31 de dezembro de 2002 pelo período de cinco anos. 10 Pesquisa Internacional sobre Tributação 2003

11 ITÁLIA ÁUSTRIA POLÔNIA FRANÇA HUNGRIA GRÉCIA IRLANDA ALEMANHA MÉDIA 34% 34% 27% 36,43% 18% 35% 25% 28% (119) 30,67% 4,25% (34) 0% 0% 0% 2% 0% 0% 19,68% 3,86% 0% 0% 0% (55) 0% 15% (67) 0% 0% 0% 2% 27% 25% 15% 25% 20% 0% 20% 21,10% 19,87% 0% 0% 0% (55) 0% 15% (67) 0% (71) 0% 0% 3% 22,50% (35) 20% 20% 33,33% 18% 20% 20% (90) 26,38% 20,81% 0% 0% 0% (55) 0% 15% (67) 0% (71) 0% 0% (120) 1,67% 27% 0% 20% 0% 18% 35% (72) 20% 0% (120) 16,33% 4% (36) 10% 3% (56) 2,10% 0% 4% (73) 0% 7% 4,15% 20% 20% 22% 19,60% 25% 18% (73) 21% 16% 19,36% Sim. (37) Sim. Sim. Sim. (59) Sim. Sim. Sim. Sim. NQ Por 5 anos Indefinidamente Por 5 anos Por 5 anos Por 5 anos 3 ou 5 anos Indefinidamente Indefinidamente Sim, por 1 Não Não Não Sim. Não (68) Não ano ou 3, Sim. NQ Por 3 anos caso o negócio Por um ano termine Não 75% Não (58) Não Sim (69) Não (74) Não (91) Não NQ Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Sim. Não Sim. NQ Sim Sim Sim Sim Sim Parcialmente Sim Não Não Não 1,30% 2% 3% (75) Não Não 2,10% Não (38) Não Não Não Não Não Não Não NQ Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim NQ 30% (39) 2% 15,50% 0,75 % 13% (70) 200% (76) 0,0322% 1% 32,28% por mês por dia mensalmente 200% (40) 10% 50% (57) 80% 63% 300% (77) 0,0322% (92) 0,5% 101,01% por dia mensalmente Sim Sim (78) Não Não Não Não (imposto (imposto Não Não NQ de renda) de renda) 43) Sem limite até 31 de dezembro de ) Pagamentos para pessoas físicas ou jurídicas em paraísos fiscais. 45) Investimentos na Zona do Rio Paez, Zona de Produção de Café, Zonas de Livre Comércio e Zonas Especiais de Exportação. 46) O acordo para evitar a bitributação assinado pela Malásia com a Namíbia permite uma retenção na fonte do Imposto de Renda sobre os royalties a 5%. Esse acordo foi assinado em 4 de novembro de 1991, porém ainda não está em vigor. 47) A Malásia não possui um sistema de IVA, porém possui um imposto sobre serviços, uma espécie de imposto sobre o consumo. A alíquota de 5% é a única alíquota para tal imposto. 48) A Receita Federal da Malásia editou orientações gerais sobre preços de transferência em 8 de julho de 2003, as quais se aproximam consideravelmente do modelo da OCDE. 49) A legislação de Imposto de Renda da Malásia possui disposições antielisão que permitem ao diretor geral da Receita Federal desconsiderar quaisquer transações nas quais haja razões para acreditar que estas têm o efeito direto ou indireto de alterar a incidência do imposto devido, liberando qualquer pessoa da obrigação de pagar o imposto, ou mesmo que a esquive ou a evite de qualquer obrigação imposta pela legislação tributária ou ainda que obste ou previna a efetividade da legislação tributária em qualquer aspecto do seu conteúdo. Pesquisa Internacional sobre Tributação

12 ÁSIA DESCRIÇÃO TAILÂNDIA CINGAPURA MALÁSIA TAIWAN CHINA Alíquota máxima do Imposto de Renda 30% 22% 28% 25% 30% Alíquota máxima do Imposto de Renda estadual ou municipal, se aplicável. 0% 0% 0% 0% 3% dividendos remetidos ao exterior 10% (3) 0% 0% 5% 0% dividendos remetidos ao exterior 10% 0% 0% 30% 10% royalties remetidos ao exterior 15% (108) 15% (26) 8% (46) 10% 10% royalties remetidos ao exterior 15% 15% (27) 10% 20% 10% juros remetidos ao exterior 15% (109) 15% (26) 5% 10% 10% juros remetidos ao exterior 15% 15% (27) 15% 20% 10% Alíquota mínima do IVA 7% 4% (28) NQ (47) 5% 0% Alíquota máxima do IVA 7% (4) 4% (28) NQ (47) 5% 17% Prejuízos fiscais podem ser compensados com Sim. Sim. (29) Sim. Sim. Sim. ganhos futuros? Se positivo, por qual período? Por 5 anos (110) Indefinidamente Indefinidamente Por 5 anos Por 5 anos Prejuízos fiscais podem ser compensados Sim, por 1 ano retroatiovamente? Não Não Não ou 3, caso o Não Se positivo, por qual período? negócio termine Existe algum limite para a compensação dos prejuízos fiscais com as bases tributáveis auferidas? Não Não Não Não Não As regras de preço de transferência são aplicáveis? Sim. Não (30) Sim.(48) Sim. Sim. Seguem as orientações da OCDE? Parcialmente Parcialmente Não Parcialmente Existe alguma espécie de tributação sobre a receita bruta/faturamento? 10% (5) Não Não Não 3,20% Se positivo, qual a alíquota? Existe alguma espécie de tributação sobre as movimentações bancárias/financeiras? Não Não Não Não Não Se positivo, qual a alíquota? Existem regras antielisão? Não Sim Sim (49) Sim Não Qual é a penalidade máxima (%) para o pagamento de tributos fora do prazo? 100% (6) 17% 15,50% (50) 15% 500% (54) Qual é a penalidade máxima (%) no caso de auto de infração? 200% 300% (31) 100% (51) 1.000% 500% Há algum benefício fiscal para novos Sim (imposto Sim Sim Sim investimentos de capital estrangeiro? de renda e (imposto Sim (52) (imposto (imposto Se sim, quais espécies de tributos estão imposto sobre de renda) de renda) de renda) envolvidos nesse benefício? importações) NQ - Não Quantificável 50) Sob o sistema de autodeterminação da tributação, em vigor desde o ano fiscal 2001, tal determinação deve ser feita e editada com a Receita Federal mediante preenchimento de formulário de declaração pelo contribuinte. Qualquer imposto ou saldo não pago na data devida que deveria constar na declaração pode acarretar uma penalidade de 10% sobre o imposto devido. Outros 5% podem ainda ser cobrados sobre o imposto devido (inclusive sobre a penalidade de 10%), caso a quantia em análise não seja solvida em 60 dias da data devida para o envio da declaração. 51) A penalidade que pode ser imputada pela Receita Federal sob o regime de autodeterminação, caso se demonstre a omissão de renda durante uma auditoria fiscal, é de 60% sobre o imposto que está sendo cobrado e de mais de 100% no caso de reincidência. Entretanto, caso voluntariamente seja revelada, previamente à seleção ou ao início da auditoria fiscal, a omissão da renda, a penalidade irá variar de 15% a 50%. 52) Certos incentivos fiscais estão disponíveis para investimentos de capital, sejam locais ou externos. 53) Aplicável para vendas de exportação. 54) A sobretaxa de juros é de 0,05% por dia sobre o imposto atrasado. A penalidade está limitada a 500% do pagamento de imposto. 55) A Lei do Ato CIT (Imposto de Renda das empresas) prevê apenas uma alíquota; entretanto, os tratados para evitar bitributação geralmente reduzem tal alíquota para 0% ou 5%. 56) 0% (principalmente as exportações) e 3% e 7% sobre alguns bens e serviços. Além disso, alguns insumos são isentos do IVA. 12 Pesquisa Internacional sobre Tributação 2003

13 CORÉIA DO SUL FILIPINAS JAPÃO HONG KONG MÉDIA 27% 32% 42% (100) 17,50% 28,17% 10% 0,75% (79) 16,29% 0% 3,34% 27,50% 15% 0% 0% 6,39% 27,50% 32% 20% 0% 14,39% 27,50% 20% 0% 5.25% 12,31% 27,50% 32% 20% 17.50% 18,56% 27,50% 20% 10% 0% 12,50% 27,50% 32% 20% 0% 17,17% 10% 0% 5% 0% 3,88% 10% 10% 5% 0% 7,25% Sim. Sim. Sim. Sim(99) Por 5 anos Por 3 anos Por 5 anos Indefinitadamente NQ Não (64) Não Não Não NQ Não Não Não Não NQ Sim. Sim. Sim. Sim. NQ Sim Parcialmente Sim Não Não 5% Não Não 7,50% Não 3% Não Não 3% Sim Não Sim Sim NQ 30% (65) 25% (80) 14,60% (83) 15% 81,34% 30% (65) 50% (81) 40% 300% 280% Sim (66) Sim 82) Não Não NQ 57) IRPJ, quando da realização da avaliação dos preços de transferência. 58) Não há limite para a renda, mas as perdas estão limitadas a 50%. 59) A parte dos prejuízos correspondentes à amortização dos ativos fixos pode ser compensada com ganhos futuros sem limite de tempo. As perdas de capital relativas à participação acionária, de mais de dois anos, somente podem ser compensadas com ganhos futuros sobre ganhos de capital realizados com as mesmas participações. 60) Em algumas atividades muito específicas pode ser de 15% 61) Juros mensais. Mesmo que a taxa de juros mensal seja 3%, uma taxa de juros maior (4%) pode ser aplicável caso o auto de infração seja discutido em algum tribunal. Nos níveis provinciais e municipais, taxas diferentes são aplicáveis. 62) 100% para omissão fiscal e 1.000% para evasão fiscal. 63) Novos investimentos (estrangeiros ou locais) em propriedade, instalação e equipamento não estão sujeitos ao Imposto de Renda presumido mínimo nos dois primeiros anos. Incentivos para o IVA (alíquotas menores e financiamento) podem também ser aplicáveis na aquisição de certos equipamentos industriais e eletrônicos. Também alguns incentivos sobre o imposto de rotação dos negócios podem ser aplicados em direção das isenções das atividades manufatureiras. 64) Um ano para companhias de pequeno e médio portes. 65) Acrescidos de 10,95% de juros por ano. 66) Ambas as taxas nacionais e locais para mais de 10 anos. 67) Dependendo do tratado de bitributação, tal alíquota pode variar entre 5% e 15%. 68) Exceto para companhas agrícolas. 69) As receitas devem atingir 50% das despesas. 70) Auto-revisão: a taxa prime diária. Autoridade fiscal: duas vezes a taxa prime diária (atualmente a 6,5%), e no máximo por três anos. 71) Essas alíquotas aplicam-se no envio de renda a países com os quais a Grécia tenha concluído um tratado para evitar a bitributação. As alíquotas podem variar de acordo com o que preveja tais tratados. 72) Essas alíquotas aplicam-se aos juros enviados a países com os quais a Grécia não tenha acertado um tratado de bi\tributação. É necessário mencionar que os juros pagos pelos títulos federais, no caso em que o beneficiário seja um residente permanente no exterior, são tributados a uma alíquota de 0%, enquanto o imposto que deve ser retido na fonte dos juros pagos a entidades estrangeiras é de 35%. 73) Em algumas ilhas gregas, as taxas são reduzidas a 30%, comprovadas certas condições. 74) Prejuízos no exterior somente podem compensar a renda oriunda do exterior. 75) Taxa adicional na renda bruta de aluguel. 76) 1,5% ao mês não excedendo ao percentual de 200% do imposto direto; 2,5% ao mês não excedendo o percentual de 200% para o IVA e para o imposto retido na fonte. 77) 3% por mês no caso de preenchimento inadequado de declaração do Imposto de Renda e que não exceda a porcentagem de 300%; 4,5% por mês para o preenchimento inadequado da declaração do IVA e do IRRF e que não exceda a porcentagem de 300%; 3,5% por mês em caso do não preenchimento da declaração do Imposto de Renda, e que não exceda o percentual de 300%; 5% por mês em caso do não preenchimento da declaração do IVA e do IRRF e que não exceda a porcentagem de 300%. 78) É sabido que empresas técnicas estrangeiras situadas na Grécia, sob certas condições, são isentas de impostos sobre a renda que auferem. 79) Impostos empresariais e outras taxas e débitos que não excedam a 50% de 1% das vendas ou das receitas brutas. 80) 25% de acréscimo; 20% de juros; penalidade de compromisso. 81) 25% ou 50% de acréscimo; 20% de juros; penalidade de compromisso. 82) Isenção do imposto de Renda; alíquota preferencial de 5% sob a receita bruta, em vez de impostos locais ou nacionais. 83) Por ano. 84) Apenas com a Espanha. 85) A Bolívia não possui nenhum incentivo fiscal para novos investimentos estrangeiros de capital, porém possui um regime de incentivos para investimentos de capital de cidadãos nacionais ou de estrangeiros apenas nos estados de Oruro e Potosí. Pesquisa Internacional sobre Tributação

14 SUMÁRIO DESCRIÇÃO AMÉRICA LATINA AMÉRICA DO ÁSIA MÉDIA NORTE/EUROPA Alíquota máxima do Imposto de Renda 29,65% 30,67% 28,17% 29,50% Alíquota máxima do Imposto de Renda estadual ou municipal, se aplicável 1,14% 3,86% 3,34% 2,78% dividendos remetidos ao exterior 3,41% 2% 6,39% 3,93% dividendos remetidos ao exterior 17,02% 19,87% 14,39% 17,09% royalties remetidos ao exterior 21,66% 3% 12,31% 12,32% royalties remetidos ao exterior 28,85% 20,81% 18,56% 22,74% juros remetidos ao exterior 6,59% 1,67% 12,50% 6,92% juros remetidos ao exterior 27,61% 16,33% 17,17% 20,37% Alíquota mínima do IVA 10,72% 4,15% 3,88% 6,25% Alíquota máxima do IVA 20,58% 19,36% 7,25% 15,73% Prejuízos fiscais podem ser compensados com ganhos futuros? Se positivo, por qual período? NQ NQ NQ NQ Prejuízos fiscais podem ser compensados retroatiovamente? Se positivo, por qual período? NQ NQ NQ NQ Existe algum limite para a compensação dos prejuízos fiscais com as bases tributáveis auferidas? 26,67% NQ NQ 26,67% As regras de preços de transferência são aplicáveis? Seguem as orientações da OCDE? NQ NQ NQ NQ Existe alguma espécie de tributação sobre a receita bruta/faturamento? Se positivo, qual a alíquota? 4,17% 2,10% 7,50% 4,59% Existe alguma espécie de tributação sobre as movimentações bancárias/financeiras? Se positivo, qual a alíquota? 0,57% NQ 3% 1,79% Existem regras antielisão? NQ NQ NQ NQ Qual é a penalidade máxima (%) para o pagamento 69,83% 32,28% 81,34% 61,15% de tributos fora do prazo? Qual é a penalidade máxima (%) no caso de auto de infração? 235,12% 101,01% 280% 205,37% Há algum benefício fiscal para novos investimentos de capital estrangeiro? Se sim, quais espécies de tributos estão NQ NQ NQ NQ envolvidos nesse benefício? NQ - Não Quantificável 86) 25% se não houver um tratado de bitributação. 87) 25% caso o mútuo não esteja registrado no Banco Central do Equador (CBE), ou caso a alíquota dos juros exceda à taxa de referência do CBE (atualmente de 12,66%). 88) Há várias regras locais limitadas. Caso haja tratados para evitar a bitributação, as orientações gerais da OCDE são aplicáveis. 89) Há também incentivos fiscais para o setor de turismo. 90) Apenas em relação a certos royalties de patentes. 91) Situação em que os lucros podem ser tributados a 10%/12,5%, e os prejuízos oriundos da atividade somente podem ser utilizados em uma base na qual os lucros estejam tributados a 25%. 92) Uma transgressão em relação a uma declaração pode resultar em uma penalidade de Euros, além de um acréscimo na determinação do imposto de Euros. 93) As alíquotas provinciais do imposto variam. As alíquotas máximas para as maiores províncias, Ontario e Quebec, são de 12,5% e 9%, respectivamente. 94) O GST é um imposto federal sobre vendas calculado cuja alíquota é de 7% sobre os bens e serviços a ele sujeitos. As províncias podem também instituir um imposto sobre vendas, cuja base pode ser a mesma ou diferente. Dependendo da jurisdição, os impostos sobre vendas combinados podem variar de 7% a 17%. 14 Pesquisa Internacional sobre Tributação ) Prejuízos com capital podem ser compensados com ganhos futuros indefinidamente. 96) O pagamento fora do prazo de tributos federais estará sujeito a juros e penalidades. Caso uma declaração do imposto seja preenchida em atraso, a penalidade será de 5% sobre a obrigação tributária em análise, adicionada de 1% ao mês (a um máximo de 12%) sobre a declaração em atraso. Penalidades federais, computadas de modo diferente, são também cobradas no pagamento em atraso ou falho das prestações. Mais adiante, penalidades federais podem ser cobradas em determinadas circunstâncias. Juros e penalidades das províncias podem ser aplicados para pagamento fora do prazo de impostos. 97) As penalidades referidas na Nota 96 aplicam-se ao auto de infração sobre declaração de imposto que seja preenchida em atraso. Penalidades adicionais podem ser aplicadas no caso de algum comportamento ser considerado doloso ou evasivo. Penalidades provinciais também podem ser aplicáveis. 98) Há algumas vantagens fiscais para uma central bancária que seja qualificada como internacional, assim como há determinados incentivos provinciais que encorajam investimento em negócios na respectiva jurisdição. 99) As perdas podem ser compensadas com ganhos futuros indefinidamente a não ser que haja alguma mudança da composição acionária, cujo propósito tenha sido o novo acionista se beneficiar de tal perda.

15 100) O Imposto de Renda máximo local é 16,29%. 10,08% é o imposto corporativo, o qual é dedutível no ano fiscal seguinte. Logo, a alíquota de imposto efetiva no Japão será a seguinte: ,29% = 42% 1 + 0, ) 17% para o ano 2004 e seguintes. 102) A lei de Imposto de Renda limita a dedução das perdas relativas à empresa em situação de prejuízo fiscal e que sofre mudanças em sua propriedade em pelo menos 50% quando as partes não forem relacionadas. 103) Multa: 1% do imposto não pago. Juros de mora: 1,2 vezes a taxa de juros cobrada pelos bancos comerciais. 104) Ao cometer alguma falha na declaração da renda acima de unidades fiscais (cada unidade fiscal é equivalente a BS ,00). Essa quantia é ajustada anualmente ao índice de preços ao consumidor da cidade de Caracas do ano imediatamente anterior. A fraude fiscal é punida com prisão de oito anos ou mais. 105) As penalidades aplicadas no auto de infração serão aplicadas baseadas em certas porcentagens da unidade fiscal (20%, 40%, 60%, 80% ou 100%), dependendo do tipo de ilícito incorrido. No caso de faltas que tenham originado uma omissão no pagamento do imposto, uma penalidade equivalente a 50% do imposto não pago será aplicada. No caso de balanço ou créditos inflados a favor do contribuinte, a penalidade aplicável será de 50% sobre o balanço ou crédito indevidamente determinado ou de 100% sobre a quantia indevidamente restituída, se tal restituição foi realizada. 106) A alíquota de IRRF de 40% refere-se a royalties e juros remetidos a paraísos fiscais. A alíquota máxima geral normalmente permanece em 34%. 107) A alíquota mínima de 10% do IVA aplica-se somente às áreas fronteiriças mexicanas. 108) A alíquota do IRRF pode ser reduzida a 5% em determinados tipos de pagamento de royalties, como prevê determinados tratatos de bi-tributação entre a Tailândia e outros países. 109) A alíquota do IRRF pode ser reduzida a 10% sobre os juros pagos a instituições financeiras cadastradas e a 0% sobre os juros pagos ao governo ou a agências governamentais, como prevê os acordos para evitar a bitributação entre a Tailândia e outros países. 110) Uma empresa que tenha uma comissão de investimento é elegível para compensar com ganhos futuros as perdas incorridas com suas atividades por mais cinco anos após a decadência do período de isenção de impostos. 111) Sujeito a certas condições (Diretiva da União Européia). 112) Sujeito a certas condições (países membros da União Européia). 113) Alguns pagamentos de juros são isentos de IRRF. 114) Não há limite para o uso das perdas comuns, porém determinadas perdas podem somente ser compensadas com renda do mesmo tipo (exemplos: perdas de fontes externas, perdas ao dispor de ações, perdas originadas de contratos de derivativos, etc.). 115) Os impostos no Chile possuem abrangência nacional. Não há impostos locais. 116) A alíquota normal nesse caso é de 35%. Devido a previsões específicas, alíquotas menores previstas em tratados de bitributação com o Canadá e o México não são aplicáveis. 117) A alíquota máxima do IRRF sobre os royalties enviados ao exterior é de 80% apenas quando estes são classificados como não produtivos ou não úteis pelo presidente chileno. O mínimo de 15% refere-se a uma alíquota de tratado. 118) Atualmente há um projeto de lei no Congresso que irá aumentar o IVA para 19%. 119) A alíquota do IRPJ a 28% somente se aplica em 2003, uma vez que a alíquota para este ano é de 26,5% (mais um adicional de 5,5% sobre o Imposto de Renda). A partir de 2004, a alíquota combinada será de 26,4%. 120) Pagamentos de juros ao exterior geralmente não estão sujeitos à retenção na fonte. A Alemanha prevê somente o caso de alguma propriedade servir como garantia real para um mútuo, a qual particularmente não é comum. Nesse caso, uma alíquota de IRRF de 30% será aplicada. 121) No Brasil, a alíquota de 34% do IRPJ é resultado da combinação de uma alíquota de 25% de Imposto de Renda (alíquota regular de 15% mais um adicional de 10%) e de uma alíquota de 9% de contribuição social. 122) A remessa de dividendos é isenta de retenção na fonte caso tais dividendos estejam relacionados a lucros gerados posteriormente a Caso contrário, o IRRF será aplicado. 123) O Japão é o único país com o qual o Brasil tem previsões em tratado que reduzem a alíquota do IRRF. 124) Apesar de ser uma questão controversa, os royalties podem ser tributados a uma alíquota de 25% ao serem enviados para paraísos fiscais. Os pagamentos de royalties estão também sujeitos à contribuição para o desenvolvimento econômico (CIDE) de 10%, a qual é um ônus da empresa que está pagando os royalties. Além disso, a CIDE não constitui um crédito para o beneficiário desses royalties. 125) Os juros podem ser tributados a uma alíquota de 25% em remessas para paraísos fiscais, apesar de se tratar de uma questão controversa. 126) O IVA brasileiro é uma combinação de dois impostos: o IPI e o ICMS. O primeiro é incluído na base de cálculo do segundo. Se considerarmos produtos não essenciais, tais como cigarros, perfumes e bebidas alcóolicas, a alíquota combinada pode atingir o patamar de 300%. 127) A receita bruta no Brasil é tributada através de duas contribuições: a COFINS sob uma alíquota de 3,00% e o PIS sob uma alíquota de 1,65%. A base de cálculo efetiva inclui todas as receitas auferidas pela empresa, inclusive as não operacionais e as financeiras. 128) 150% é aplicável quando a intenção de fraude é verificada. O percentual regular em caso de auto de infração é de 75%. Coordenação técnica : Marcelo Natale Rodriguez: Flavia Kauffmann Guimarães: Pesquisa Internacional sobre Tributação

16 Nossos escritórios São Paulo Rua Bela Cintra, São Paulo - SP Fone +55 (11) Fax +55 (11) Rua Alexandre Dumas, São Paulo - SP Fone +55 (11) Fax +55 (11) Belo Horizonte Rua Paraíba, º e 21º andares Belo Horizonte - MG Fone +55 (31) Fax +55 (31) Brasília SAS Quadra 1 - Bloco M Edifício Libertas - Salas e Brasília - DF Fone +55 (61) Fax +55 (61) Campinas Av. Dr. Carlos Grimaldi, º andar Condomínio Galleria Corporate Campinas - SP Fone +55 (19) Fax +55 (19) Curitiba Rua Pasteur, 463-5º andar Curitiba - PR Fone +55 (41) Fax +55 (41) Fortaleza Av. Desembargador Moreira, salas. 201/ Fortaleza - CE Fone +55 (85) Fax +55 (85) Joinville Rua Dona Francisca, º andar Joinville - SC Fone +55 (47) Fax +55 (47) Porto Alegre Av. Carlos Gomes, º andar Porto Alegre - RS Fone +55 (51) Fax +55 (51) Rio de Janeiro Av. Presidente Wilson, 231-8º e 22º andares Rio de Janeiro - RJ Fone +55 (21) Fax +55 (21) Recife Rua Padre Carapuceiro, º andar Recife - PE Fone +55 (81) Fax +55 (81) Salvador Av. Tancredo Neves, º andar Ed. S. Trade Salvador - BA Fone +55 (71) Fax +55 (71) Para mais informações contate-nos, também, pelo Deloitte. Todos os direitos reservados.

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Regime Fiscal Brasileiro Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Introdução - Base Legal Constituição Federal de 1988 Código Tributário Nacional de 1966 ("CTN") Constituição: estabelece os

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos;

O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos; O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos; Profissionais ligados às atividades empresariais e contribuintes em geral. O que

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas Tributação em bases universais: pessoas jurídicas A MP 627, na linha adotada pelo STF na ADI 2.588, previu a tributação automática no Brasil somente dos lucros auferidos no exterior por controladas ou

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

CEAD Seminário: A Lei nº 12.973/14 e a Tributação de Lucros Auferidos no Exterior

CEAD Seminário: A Lei nº 12.973/14 e a Tributação de Lucros Auferidos no Exterior CEAD Seminário: A Lei nº 12.973/14 e a Tributação de Lucros Auferidos no Exterior Crédito do Imposto Pago no Exterior 06 de Março de 2015 Contextualização Controladas (Art. 77) Equiparadas a controladas

Leia mais

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Carlos Roberto Teixeira Diretor de Assuntos Jurídicos Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal A INJUSTA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

INVESTIMENTOS BRASILEIROS NO EXTERIOR ASPECTOS TRIBUTÁRIOS

INVESTIMENTOS BRASILEIROS NO EXTERIOR ASPECTOS TRIBUTÁRIOS INVESTIMENTOS BRASILEIROS NO EXTERIOR ASPECTOS TRIBUTÁRIOS IBCPF INSTITUTO BRASILEIRO DE CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS FINANCEIROS PORTO ALEGRE 09/04/2014 O CONTEÚDO DESTA APRESENTAÇÃO NÃO TEM O OBJETIVO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I ANTEPROJETO DE LEI Dispõe sobre Medidas de Incentivo Fiscal à Pesquisa, ao Desenvolvimento Tecnológico e à Inovação. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

ANEXO ÚNICO. (Anexo II da Portaria RFB nº 1.006, de 24 de julho de 2013) COMPETÊNCIA POR MATÉRIA DAS TURMAS DE JULGAMENTO DAS DRJ

ANEXO ÚNICO. (Anexo II da Portaria RFB nº 1.006, de 24 de julho de 2013) COMPETÊNCIA POR MATÉRIA DAS TURMAS DE JULGAMENTO DAS DRJ I - Delegacia da Receita Federal do Brasil de Julgamento em Belém (PA): ANEXO ÚNICO (Anexo II da Portaria RFB nº 1.006, de 24 de julho de 2013) COMPETÊNCIA POR MATÉRIA DAS TURMAS DE JULGAMENTO DAS DRJ

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas 1 Impostos (1) Vida Diária e Impostos Os residentes no Japão por período superior a 1 ano, mesmo os de nacionalidade estrangeira, são obrigados a recolher impostos da mesma forma que os cidadãos japoneses

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno CÓDIGO DE GUIAS Códigos para Preenchimento do DARF Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código CIDE COMBUSTÍVEIS CIDE ROYALTIES Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de bens e serviços 1. Investimento Direto Estrangeiro Constituição de

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA ESTADO, TRIBUTAÇÃO E SEGURIDADE SOCIAL POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA Marcelo Lettieri (marlettieri@gmail.com) OVERVIEW Tributação e Distribuição de Renda Modelo Tributário - Tendência histórica

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas

Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas Reforma Tributária Contribuições de um Contador, Objetivando Melhoria de Prestação de Contas Autor: Charles B. Holland, Contador, Conselheiro do CRC-SP, Sócio Diretor da Holland Consulting, Coordenador

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

BPOS GUIA DE REFERÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL. 12 de abril de 2010

BPOS GUIA DE REFERÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL. 12 de abril de 2010 BPOS GUIA DE REFERÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL 12 de abril de 2010 Página 1 de 11 A Microsoft Informática Ltda. ( Microsoft Brasil ), subsidiária brasileira da Microsoft Corporation solicitou ao escritório

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Divulga a Agenda Tributária do mês de abril de 2003. O COORDENADOR-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA, no uso de suas atribuições declara:

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim.

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIR A EXIGÊNCIA DE NATUREZA TRIBUTÁRIA PRINCIPAL - Obrigação

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Foi publicada no Diário Oficial da União de 20/01/2015 a lei federal nº 13.097/15, decorrente da conversão da MP nº 656/14. A nova lei cuida de diversas matérias,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais