Imposto sobre o Valor Acrescentado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imposto sobre o Valor Acrescentado"

Transcrição

1 Imposto sobre o Valor Acrescentado Todos os produtos ou serviços estão, em regra, sujeitos a IVA, incluindo em bens ou operações difíceis de classificar como produtos ou serviços. O Imposto sobre o Valor Acrescentado incide sobre as: - transmissões de bens; - prestações de serviços; - transações intracomunitárias; - importações. O IVA é pago sempre que um produto é vendido ou um serviço é prestado. Exemplo: quando sai da fábrica para o distribuidor quando este o vende a um armazenista quando este o vende ao comerciante e, por último, quando este o vende aos consumidores finais Todos os intervenientes neste processo são sujeitos passivos, exceto o consumidor final. Cada sujeito passivo deduz ao IVA que recebeu o IVA que pagou e entrega a diferença ao Estado. Na prática, os sujeitos passivos recuperam o IVA que suportam nos bens e serviços que adquirem para o seu negócio. Para o consumidor final o IVA é um custo que está incluído no preço pago ao comerciante. Assim, em regra, este imposto não representa um custo para as empresas uma vez que o IVA pago ao Estado corresponde à diferença entre o IVA cobrado pela empresa aos seus clientes e o IVA pago pela mesma aos seus fornecedores. No entanto, existem determinadas despesas cujo IVA não é dedutível, caso em que constitui um agravamento efetivo ao preço a pagar. Do mesmo modo, a atividade das empresas pode determinar que estas estejam isentas de cobrar IVA, caso em que, regra geral, também não podem recuperar o IVA suportado. Existem ainda, regimes especiais de IVA aplicáveis a determinado tipo de contribuintes ou a determinadas atividades. 1

2 Sujeitos Os sujeitos passivos de IVA são as entidades obrigadas a cobrar IVA sobre as operações que efetuam no âmbito da sua atividade profissional ou empresarial e que, em contrapartida, deduzem o IVA suportado nos encargos com a mesma. Estão sujeitos ao pagamento de IVA todas as entidades, pessoas singulares ou coletivas, que efetuem: - transmissões de bens; - prestações de serviços; - transações intracomunitárias; - importações. O Estado e as entidades públicas são também sujeitos passivos de IVA enquanto agentes económicos, ou seja, quando desenvolvam determinadas atividades económicas em condições análogas às dos operadores privados, como por exemplo telecomunicações, transportes, fornecimento de água ou luz. Quando o Estado atua no exercício dos seus poderes de autoridade, não é sujeito passivo de IVA. Exigibilidade O imposto torna-se exigível ao adquirente, isto é, define-se o momento a partir do qual o Estado pode exigir o imposto devido pelo sujeito passivo: - no momento da emissão da fatura, que não pode ser posterior ao quinto dia útil após a transmissão dos bens ou conclusão dos serviços, caso em que o IVA é devido no fim deste prazo; - no momento em que seja efetuado qualquer pagamento parcial antecipado, mesmo que seja antes da transmissão dos bens ou da prestação dos serviços. Nos casos em que não é obrigatória a emissão de fatura, o imposto é exigível: - no momento da aquisição dos bens; - após a prestações de serviços; - em simultâneo com os demais direitos ou formalidades aduaneiros devidos, nas importações. 2

3 Nas transmissões de bens ou nas prestações de serviços que consistam em diversos fornecimentos a que correspondem diversos pagamentos, como por exemplo a aquisição de uma enciclopédia por fascículos ou uma empreitada, o IVA é devido por cada pagamento. Quando sejam emitidas faturas globais, o IVA é devido sobre o montante total da fatura, mas estas têm de ser emitidas até ao quinto dia útil seguinte ao fim do prazo a que se referem. Independentemente do seu pagamento pelo adquirente, a empresa tem que entregar o imposto calculado sobre estas transações no prazo correspondente ao período, mês ou trimestre, em que ocorrem. Assim, quando um sujeito passivo fatura os bens vendidos ou os serviços prestados ao seu cliente, tem que entregar ao Estado o IVA relativo a essa transação, mesmo que na data em que deva efetuar esse pagamento, o seu cliente ainda não tenha pago a respetiva fatura. Valor Tributável O IVA incide sobre o valor tributável dos bens, que corresponde, em regra, ao preço pago pelo bem ou serviço. No entanto, existem situações em que este valor pode ser diferente do valor da contraprestação a obter, designadamente: - na afetação de bens da empresa ao uso pessoal, quando tenha sido deduzido o IVA suportado, o valor tributável corresponde ao valor de aquisição dos bens ou de bens similares ou, na sua falta, ao preço de custo do bem, reportados ao momento da realização das operações; - na afetação de bens da empresa a uma atividade isenta, quando tenha sido deduzido o IVA suportado, o valor tributável corresponde ao valor de aquisição ou ao preço de custo do bem, nas condições referidas no ponto anterior; - na utilização de bens da empresa para fins alheios à sua atividade ou em atividades isentas, quando tenha sido deduzido o IVA suportado, o valor tributável corresponde ao valor normal do serviço; - na prestação de serviços gratuita pela empresa aos titulares ou empregados, ou para fins alheios à sua atividade, quando tenha sido deduzido o IVA suportado, o valor tributável corresponde ao valor normal do serviço; - na transmissão de bens em segunda mão, antiguidades, objetos de arte ou de coleção, o valor tributável corresponde à diferença entre o preço de venda e o preço de compra (estes bens estão sujeitos a um regime especial); - nos contratos de locação financeira, o valor tributável corresponde ao valor da renda. 3

4 Quando a contraprestação pela aquisição de um bem ou pela prestação de um serviço não for apenas monetária, o IVA incide sobre a soma do valor pago em dinheiro com o valor normal dos bens ou serviços dados em troca. Sempre que aplicável, além do custo do bem ou serviço, o valor tributável inclui: - os impostos, taxas, direitos e outros encargos que incidam sobre o bem (como por exemplo, o imposto automóvel na aquisição de viaturas); - as despesas acessórias debitadas ao cliente, como comissões, embalagem, transporte, seguros ou publicidade; - os subsídios diretamente relacionados com o preço da operação. Por outro lado, são excluídos do valor tributável: - os juros devidos pelo atraso no pagamento; - as indemnizações declaradas judicialmente por incumprimento de obrigações; - os descontos, abatimentos ou bónus concedidos ao cliente; - as quantias pagas por conta do cliente, desde que devidamente registadas em contas de terceiros. Se o valor do bem ou serviço não estiver fixado em euros, deverá ser convertido por aplicação das taxas de câmbio divulgadas pelo Banco de Portugal ou praticadas por qualquer banco nacional nas operações de venda. Neste caso, a empresa pode optar entre aplicar a taxa correspondente ao dia em que o imposto se tornou exigível ou a do primeiro dia do respetivo mês. Operações Sujeitas Estão sujeitas a IVA as seguintes operações: - transmissões de bens remuneradas, e operações equiparadas, efetuadas por um sujeito passivo, agindo nessa qualidade, no território nacional; - importações de bens; - operações intracomunitárias, ou seja, operações com sujeitos passivos residentes noutros Estados-membros da União Europeia (em regra, a estes casos, aplica-se um regime próprio, denominado reverse charge); - prestações de serviços remuneradas. O conceito de prestação de serviços para efeitos de aplicação de IVA é muito amplo: consideram-se prestação de serviços todas as operações que não sejam nenhuma das anteriores. 4

5 Operações Isentas Por razões económicas, sociais ou relacionadas com a própria operação ou atividade, determinadas operações ou atividades beneficiam de isenção deste imposto. Assim, as empresas que realizem operações ou desenvolvam atividades isentas, não liquidam IVA sobre o preço dos bens transmitidos ou serviços prestados. Em contrapartida, também não deduzem o IVA suportado na aquisição de bens e serviços necessários para o desenvolvimento da atividade. Estão isentas, entre outras, as seguintes operações ou atividades: - serviços prestados por médicos, paramédicos e outros profissionais médicos e sanitários; - serviços prestados no âmbito do ensino e formação profissional; - direitos de autor transmitidos pelo próprio (de acordo com certos requisitos); - operações bancárias e serviços financeiros; - seguros e resseguros; - aquisição, arrendamento e locação de bens imóveis; - serviços de alimentação e bebidas fornecidos pela entidade patronal aos seus trabalhadores. Em determinadas condições, as empresas que desenvolvam algumas destas atividades podem renunciar à isenção, passando a cobrar IVA nos serviços prestados e a deduzir o IVA suportado. Beneficiam desta opção, entre outras, as seguintes atividades: - serviços médicos e sanitários prestados por estabelecimentos hospitalares privados; - formação profissional; - transmissão, arrendamento e locação de bens imóveis; - serviços de alimentação e bebidas fornecidos pela entidade patronal aos seus trabalhadores. A renúncia à isenção é feita na declaração de inscrição no registo de sujeitos passivos ou numa declaração de alterações, e é válida por, pelo menos, cinco anos. Relativamente às operações sobre bens imóveis, a renúncia faz-se caso a caso dentro de condições determinadas. As empresas que renunciem à isenção aplicável à transmissão ou locação de bens imóveis ou partes destes, passam a ter que entregar a declaração periódica, mensal ou trimestral, conforme os casos, no período em que é emitido o certificado de autorização da renúncia à isenção. Existem ainda operações ou atividades que beneficiam de isenção completa, pois embora não liquidem IVA, podem deduzir o IVA suportado. Entre elas, enunciamos: - as exportações e operações assimiladas; 5

6 - as operações relacionadas com tráfego internacional; - as transmissões intracomunitárias; - os transportes internacionais; - operações financeiras, de seguro ou resseguro, para destinatários não residentes na União Europeia. Por fim, estão ainda isentas de IVA, as doações, para posterior distribuição a pessoas carenciadas, efetuadas a instituições particulares de solidariedade social e a organizações não governamentais sem fins lucrativos, bem como as doações de livros efetuadas ao departamento governamental na área da cultura, a instituições de caráter cultural e educativo, a centros educativos de reinserção social e a estabelecimentos prisionais. Operações não Isentas Embora, regra geral, todas as operações praticadas pelas empresas estejam sujeitas a IVA, beneficiando ou não de isenção, a legislação aplicável exclui expressamente a aplicação do imposto a determinadas operações, designadamente: - quando ocorre a transferência de um estabelecimento comercial, e o adquirente é ou passa a ser sujeito passivo e continua a desenvolver a atividade do estabelecimento; - quando ocorre a transferência de um conjunto de bens apto ao desenvolvimento de uma atividade, e o adquirente é ou passa a ser sujeito passivo e continua a desenvolver a atividade do estabelecimento. Estão neste caso, entre outros, a cessão definitiva de estabelecimento comercial (trespasse), e as fusões e as cisões de sociedades comerciais. Regras de Localização A tributação de uma operação com as taxas aplicáveis em Portugal, depende da sua localização. No entanto, existem determinadas prestações de serviços em que, atenta a sua natureza, se aplicam regras especiais de localização. Assim, consideram-se localizadas em Portugal: - as transmissões de bens situados em Portugal, quando se inicia do seu transporte ou quando são colocados à disposição do adquirente; 6

7 - as prestações de serviços cujo prestador tenha a sua sede, domicílio ou estabelecimento estável em Portugal, exceto as prestações de serviços: relacionadas com imóveis localizados fora do território nacional; de transporte, pela distância percorrida fora do território nacional; acessórias de transportes que não se efetuem em Portugal; artísticas, científicas, desportivas, recreativas, de ensino ou de natureza semelhante, ocorridas fora de Portugal; - as seguintes prestações de serviços, cujo prestador não tenha a sua sede, domicílio ou estabelecimento estável em Portugal, quando adquiridas por um sujeito passivo com sede, domicílio ou estabelecimento estável em Portugal: transmissão ou cedência de direitos de autor, marcas, patentes, licenças e outros direitos de natureza semelhante; publicidade; consultoria e fornecimento de informação; operações bancárias, financeiras, de seguros e resseguro; colocação de pessoal; locação de bens móveis (exceto meios de transporte); telecomunicações; cedência de jogadores, incluindo indemnizações de promoção e formação. Taxas O IVA tem três taxas cujo limite mínimo é fixado pela União Europeia. No caso português, as taxas utilizadas não são uniformes em todo o território, pois as regiões autónomas da Madeira e dos Açores beneficiam de uma taxa menor. Portugal fixou as seguintes taxas: Taxa Continente Regiões Autónomas Taxa Normal 23% 16% Taxa Intermédia 13% 9% Taxa Reduzida 6% 4% A taxa normal aplica-se à generalidade dos produtos e serviços, ou seja, a todos os que não estão isentos, nem constam das listas que determinam a aplicação das taxas reduzida ou intermédia. Estas listas, respetivamente as Listas I e II anexas ao Código do IVA, determinam: - a aplicação da taxa reduzida, entre outros, aos seguintes produtos/serviços: 7

8 produtos alimentares essenciais como bebidas lácteas; cereais e produtos preparados à base de cereais, como arroz; farinhas lácteas e não lácteas; massas alimentícias e pastas secas similares, excluindo-se as massas recheadas; pão e pães de leite, gressinos e tostas; seitan; carnes e miudezas comestíveis, frescas ou congeladas, de vaca, porco, borrego, carneiro, cavalo, aves de capoeira e coelho; peixe refrigerado, congelado, seco, salgado ou em conserva (exceto espadarte, esturjão, salmão e caviar); moluscos frescos, exceto ostras; lacticínios, como leite em natureza, concentrado, esterilizado, evaporado, pasteurizado, ultrapasteurizado, condensado, fermentado, em blocos, em pó ou granulado, natas, manteiga, queijos e iogurtes (incluindo iogurtes pasteurizados); leites chocolatados, aromatizados, vitaminados ou enriquecidos; bebidas e iogurtes de soja, incluindo tofu; ovos de aves; azeite, banha e outras gorduras de porco; frutas, legumes e outros produtos hortícolas, frescos, secos ou congelados; água (com exceção de água mineral, gaseificada ou adicionada de outras substâncias); mel de abelhas; sal; sumos e néctares de frutos ou produtos hortícolas; produtos dietéticos; produtos sem glúten; produtos agrícolas como adubos, fertilizantes e corretivos de solos; animais para trabalho agrícola, abate ou reprodução; farinhas, resíduos e desperdícios das indústrias alimentares e outros produtos para alimentação de gado e de outros animais, incluindo os peixes de viveiro, para alimentação humana; produtos fitofarmacêuticos; sementes, bolbos e propágulos; forragens e palha; plantas vivas, de espécies florestais ou frutíferas; bagaço de azeitona e de outras sementes oleaginosas, grainha e folhelho de uvas; sulfato cúprico, sulfato férrico e sulfato duplo de cobre e de ferro; enxofre sublimado; determinadas publicações como jornais, revistas de informação geral e outras publicações periódicas que se ocupem predominantemente de matérias de caráter científico, educativo, literário, artístico, cultural, recreativo ou desportivo e livros, em todos os suportes físicos, exceto publicações de caráter pornográfico ou obsceno, obras encadernadas em pele ou seda ou semelhante; produtos farmacêuticos medicamentos e especialidades farmacêuticas com fins exclusivamente terapêuticos e profiláticos; preservativos; pastas, gazes, algodão hidrófilo, tiras e pensos adesivos e outros produtos para usos higiénicos ou medicinais; plantas, raízes e tubérculos medicinais; produtos para diabéticos; resguardos e fraldas; soutiens, fatos de banho ou outras peças de vestuário com bolsas interiores, para colocação de prótese utilizadas por mulheres mastectomizadas; aparelhos ortopédicos, cintas médico-cirúrgicas e meias medicinais; cadeiras de rodas e veículos semelhantes, acionados manualmente ou por motor, para deficientes; aparelhos, artefactos e outro equipamento de prótese ou compensação destinados a substituir, no todo ou em parte, qualquer membro ou órgão do corpo humano ou a tratamento de fraturas; lentes para correção de vista, receitadas por um médico; calçado ortopédico, receitado pelo médico; serviços médicos e sanitários; utensílios e aparelhos especificamente concebidos para utilização por pessoas com deficiência; 8

9 prestações de serviços de manutenção ou reparação de próteses, equipamentos, aparelhos, artefactos e outros bens relacionados com a saúde, acima referidos; cadeiras e assentos próprios para o transporte de crianças em veículos automóveis, bem como outros equipamentos de retenção para o mesmo fim; prestações de serviços, efetuadas no exercício das profissões de jurisconsulto, advogado e solicitador a desempregados e trabalhadores no âmbito de processos judiciais de natureza laboral e a pessoas que beneficiem de assistência judiciária; eletricidade; contribuição para o audiovisual cobrada para financiamento do serviço público de radiodifusão e de televisão; transporte de passageiros, incluindo táxis; gás natural; alojamento em estabelecimentos hoteleiros; portagens da Ponte Vasco da Gama e da Ponte 25 de Abril; empreitadas de construção, beneficiação ou conservação de imóveis realizadas ao abrigo de programas apoiados financeiramente pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, I. P. (IHRU, I. P.); empreitadas de conservação, reparação e beneficiação dos prédios ou parte dos prédios para habitação, pertencentes a cooperativas de habitação e construção, e cedidos aos seus membros em regime de propriedade coletiva empreitadas de beneficiação, remodelação, renovação, restauro, reparação ou conservação de imóveis para habitação, exceto limpeza e manutenção de jardins e construção de piscinas, saunas, minigolfe, campos de ténis ou golfe e instalações similares; assistência no domicílio a crianças, idosos, toxicodependentes, doentes ou deficientes; - a aplicação da taxa intermédia, entre outros, aos seguintes produtos/serviços: Produtos alimentares, designadamente, produtos preparados à base de carne, peixe, legumes ou produtos hortícolas, massas recheadas, pizas, sandes e sopas, ainda que apresentadas no estado de congelamento ou précongelamento; conservas de moluscos, exceto ostras; conservas de frutos, incluindo em molhos, salmoura, calda, compotas, geleias, marmeladas ou pastas; 9

10 vinhos comuns; águas de nascente e gaseificadas; petróleo colorido e marcado, gasóleo colorido e marcado e fuelóleo, e respetivas misturas; utensílios e alfaias agrícolas, silos móveis, motocultivadores, motobombas, eletrobombas, tratores e outras máquinas para agricultura, pecuária ou silvicultura; entradas em espetáculos de canto, dança, música, teatro, cinema, tauromaquia e circo (excetuam-se entradas em espetáculos de caráter obsceno ou pornográfico). Emissão de fatura As empresas são obrigadas a emitir uma fatura no prazo máximo de cinco dias úteis após a venda de bens ou a prestação de serviços a outras entidades, caso contrário estão sujeitas a penalidades. São ainda obrigadas a emitir uma fatura sempre que recebam pagamentos antecipados por conta de bens a transmitir ou serviços a prestar no futuro. Neste caso, a fatura é emitida no momento em que é recebido esse valor. O documento a emitir tem que obedecer a certos requisitos, pois é este documento que vai comprovar: - por um lado, o proveito obtido, e o IVA correspondente, pela empresa que transmite os bens ou presta os serviços; - por outro, o preço pago pela empresa adquirente, que, em regra, constituirá um custo dedutível em IRC e que incluirá o IVA a deduzir por esta empresa. Assim, e para que possa ser considerada um documento válido para todos os efeitos fiscais, a fatura deve cumprir as seguintes condições: - ser emitida em duplicado, sendo o original para o cliente e a cópia para o fornecedor; - ser datada e numerada sequencialmente; - identificar o fornecedor, indicando o seu nome, firma ou denominação social, sede e número de contribuinte; - identificar o adquirente, indicando o seu nome, firma ou denominação social, sede e número de contribuinte; - indicar a quantidade e designação dos bens transmitidos ou dos serviços prestados, com as especificações necessárias para que seja determinada a taxa aplicável; - indicar o preço dos bens ou serviços, sem imposto, bem como outros elementos que devam ser incluídos no valor tributável; 10

11 - mencionar a taxa aplicável e o imposto devido; - enunciar dos bens ou serviços, respetivos preços e encargos, bem como a taxa aplicável e o imposto devido, devem ser indicados em separado sempre que sejam aplicadas taxas diferentes; - justificar a não aplicação do imposto, quando seja o caso. Os retalhistas e prestadores de serviços poderão indicar apenas o preço global do bem ou serviço, ou seja, o seu valor com IVA incluído. Sempre que exista uma devolução ou seja efetuado um crédito, por qualquer outro motivo, a fatura deve ser substituída por uma nota de devolução ou de crédito, emitida em duplicado, para que os sujeitos passivos envolvidos possam regularizar, respetivamente, o IVA entregue e o deduzido. A nota de devolução ou de crédito deve identificar a fatura a que se refere. A empresa pode optar por emitir faturas globais, que documentam diversas operações com o mesmo cliente, desde que cumpra o seguinte: - comunique previamente à Direção-Geral dos Impostos (DGCI) que irá proceder à emissão destes documentos; - a fatura global nunca abranja um período superior a um mês; - a fatura seja emitida no prazo máximo de cinco dias úteis após o fim do período a que se refere; - por cada transação efetuada emita um guia ou nota de remessa; - as informações necessárias para que a fatura seja aceite para efeitos fiscais constem do conjunto de documentos composto pela fatura global e pelas guias ou notas de remessa nela incluídas. A emissão de fatura não é obrigatória quando: - o adquirente seja um particular que adquira os bens ou serviços para seu consumo próprio, e não os destine a qualquer atividade económica; - o pagamento seja efetuado em dinheiro; - a transação consista: numa venda efetuada por um retalhista ou por um vendedor ambulante; numa venda efetuada num aparelho de distribuição automática; numa prestação de serviços em que seja emitido um talão, bilhete, senha ou outro documento impresso que comprove o pagamento; em prestações de serviços de valor inferior a 9,98 euros. Nestes casos, os retalhistas e os prestadores de serviços têm que emitir um talão de venda numerado ou registar a operação numa máquina adequada e equipada com um rolo interno. Desde 1 de janeiro de 2012, as empresas que em 2011 tenham tido um volume de negócios superior a euros, terão de utilizar programas informáticos de faturação certificados pela Direção-Geral dos Impostos. 11

12 No entanto, estarão dispensadas desta obrigação, as empresas que se encontrem numa das seguintes situações: utilizem software produzido internamente ou por uma empresa do mesmo grupo económico, do qual sejam detentores dos respetivos direitos de autor; tenham operações exclusivamente com clientes que exerçam atividades de produção, comércio ou prestação de serviços, incluindo os de natureza profissional; tenham tido, no período de tributação anterior, um volume de negócios inferior a ; tenham emitido, no período de tributação anterior, um número de faturas, documentos equivalentes ou talões de venda inferior a 1000 unidades. Obrigações Declarativas Antes de iniciar qualquer atividade económica, as empresas devem inscrever-se no registo de sujeitos passivos, exceto se pretenderem praticar apenas uma operação tributável, ou seja, se praticarem um ato isolado. Do mesmo modo, sempre que alguma das informações prestadas nessa declaração se altere, a empresa é obrigada a comunicá-la nos 15 dias seguintes à sua ocorrência, através de uma declaração de alterações. No entanto, quando um sujeito passivo integrado no regime de isenção, ultrapassar um volume de negócios de euros, deverá apresentar a declaração de alterações relativa a esse facto no mês de janeiro do ano seguinte. A partir dessa data, o sujeito passivo passa a integrar o regime normal deste imposto. Caso a empresa cesse a sua atividade, deverá solicitar o cancelamento do seu registo como sujeito passivo, nos 30 dias seguintes à cessação da atividade. Para este efeito, considera-se que a atividade cessou, nas seguintes datas: - quando a prática de atos relacionados com a atividade cessou durante dois anos consecutivos; - quando o ativo da empresa se esgote, quer pela venda ou doação dos bens, quer pela sua afetação a outros fins; - quando seja partilhada herança indivisa da qual faça parte o estabelecimento ou os bens afetos ao exercício da atividade; - quando a propriedade do estabelecimento seja transferida para outrem; - quando seja evidente que a atividade não está nem vai voltar a ser exercida, por declaração oficiosa da DGCI. Estas declarações têm de ser entregues pelo Técnico Oficial de Contas (TOC) da empresa e podem ser submetidas por via eletrónica. 12

13 Declarações Periódicas As empresas têm que entregar ao Estado o IVA que cobram aos seus clientes nas operações que efetuam. Para este efeito, é obrigatória a submissão, por via eletrónica, mensal ou trimestralmente, consoante o volume de negócios seja superior ou inferior a euros, de uma declaração relativa às operações realizadas no segundo mês anterior ou no trimestre que terminou no segundo mês anterior, onde constam os elementos que permitem calcular: - o IVA a entregar ao Estado; - o IVA a reportar, ou seja, a ser deduzido ao IVA a entregar na ou nas declarações periódicas seguintes. O IVA a pagar ou a reportar é calculado na própria declaração periódica, através dos valores inseridos pelo sujeito passivo. Caso haja IVA a pagar, é automaticamente emitido um documento de cobrança, com o qual o IVA pode ser pago através de homebanking, multibanco, nos CTT ou nos serviços de finanças. Ainda que no período em referência a empresa não tenha praticado quaisquer operações, esta declaração tem sempre que ser entregue. Neste caso, seria entregue com todos os campos relativos aos valores das operações praticadas, em branco ou a zeros. A declaração periódica deve ser entregue mensalmente até ao dia 10 ou trimestralmente até ao dia 15 do mês em que é devida. Obrigações Contabilísticas Os sujeitos passivos de IVA são obrigados a dispor de contabilidade organizada de acordo com o Sistema de Normalização Contabilística e assegurada por um Técnico Oficial de Contas (TOC), para garantir o apuramento e fiscalização deste imposto. No âmbito do IVA, a contabilidade tem que evidenciar de forma clara e inequívoca todos os elementos necessários ao cálculo do imposto e ao controlo do preenchimento das declarações. Assim, entre outros elementos, têm que ser obrigatoriamente registadas: - as transmissões de bens e prestações de serviços efetuadas pela empresa, evidenciando devidamente: o valor das operações não isentas, líquido de imposto e relativas a cada taxa; o valor das operações isentas, sem direito a dedução; o valor das operações isentas, com direito a dedução; 13

14 - as importações de bens destinadas às suas necessidades, efetuadas pela empresa, evidenciando devidamente: o valor das operações cujo imposto é dedutível, líquido de imposto; o valor das operações cujo imposto não é dedutível; o valor relativo à aquisição de gasóleo; o valor do imposto dedutível, relativo a cada taxa; - as transmissões de bens e prestações de serviços adquiridas pela empresa, evidenciando devidamente: o valor das operações cujo imposto é dedutível, líquido de imposto; o valor das operações cujo imposto não é dedutível; o valor relativo à aquisição de gasóleo; o valor do imposto dedutível, relativo a cada taxa. Estas operações devem ser registadas após a emissão ou a receção das faturas respetivas e até à apresentação das declarações periódicas. Os livros de contabilidade, os registos auxiliares, os documentos de suporte, bem como a documentação relativa ao tratamento informático da contabilidade da empresa devem ser conservados em bom estado durante os 10 anos seguintes ao fecho de cada ano fiscal. As faturas, as guias ou notas de remessa, devolução ou crédito ou os documentos equivalentes, devem ser numeradas seguidamente e arquivados na respetiva ordem. Além dos originais, devem ser conservados todos os exemplares que tenham sido anulados ou substituídos, com a indicação escrita do documento por que foram substituídos, quando seja caso disso. A contabilidade da empresa deve ser processada em programa próprio (empresas que emitam mais de faturas anuais ou com um volume de negócios superior a euros são obrigadas a utilizar programas homologados pela DGCI) e deve estar centralizada num só local que tem que ser indicado na declaração de início de atividade. Sempre que este local mude, deve apresentar-se uma declaração de alterações. Geralmente, estes documentos estão centralizados na sede da empresa ou no local onde funcionam os seus serviços financeiros e contabilísticos, ou ainda nas instalações do Técnico Oficial de Contas responsável. Para as empresas com sede ou direção efetiva em Portugal, esta obrigação abrange ainda a documentação relativa a operações realizadas no estrangeiro. Para as empresas não residentes, que disponham de um estabelecimento estável em Portugal, esta obrigação abrange apenas as operações efetuadas pelo estabelecimento situado em território português. 14

15 Regimes Especiais Além do regime geral, existem diversos regimes especiais destinados a dar resposta a situações específicas quer em função da dimensão e volume de negócios do sujeito passivo, quer em função da área de negócio. Em concreto, vigoram os seguintes regimes especiais: - Regime Especial de Isenção (analisado adiante); - Regime Especial dos Pequenos Retalhistas (analisado adiante); - Regime Especial de Tributação dos Bens em Segunda Mão; - Regime Especial das Agências de Viagens; - Regime Especial dos Tabacos Manufaturados; - Regime Especial das Transmissões de Combustíveis Gasosos; - Regime Especial das Empreitadas de obras Públicas; - Regime Especial de Entregas de bens às Cooperativas Agrícolas; - Regime Especial do Ouro para Investimento; - Regime especial para sujeitos passivos não estabelecidos na Comunidade que prestem serviços por via eletrónica a não sujeitos passivos nela residentes; - Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias. Regime Especial de Isenção O regime especial de isenção aplica-se aos sujeitos passivos que: - não tenham contabilidade organizada; - não efetuem importações ou exportações; - não tenham atingido no ano anterior um volume de negócios superior a euros, ou a euros, se forem considerados pequenos retalhistas (ver regime especial). O enquadramento inicial neste regime efetua-se a partir da declaração de início de atividade, em função do volume de negócios estimado pelo sujeito passivo. No entanto, para este efeito, o valor indicado à data de início irá ser anualizado pela DGCI (ou seja, esta entidade irá calcular a que volume de negócios global anual corresponde o valor estimado par o período que falta decorrer até final do ano). Os sujeitos passivos que estejam nestas condições podem renunciar a este regime e ser incluídos no regime normal, mediante a entrega de uma declaração de alterações ou, declarando-o logo na declaração de inscrição no registo. Neste caso, terão que permanecer no regime geral durante cinco anos, findo este prazo podem renovar o pedido de renúncia ao regime especial, através de uma declaração de alterações, ou passar a ser abrangidos pelo regime especial de isenção. Na prática, uma vez que estão isentos de cobrar IVA os produtos ou serviços destes sujeitos passivos, apresentam um custo mais baixo, pois não é onerado com a taxa de 15

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado Todos os produtos ou serviços estão, em regra, sujeitos a IVA, incluindo em bens ou operações difíceis de classificar como produtos ou serviços. O Imposto sobre o Valor

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 2 cada sujeito passivo entrega ao Estado a diferença entre o IVA que liquida nas vendas e prestações de serviços efectuadas

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR DL Nº 197/2012, de 24 de agosto 1 DL Nº 197/2012 - Transposição da Diretiva Comunitária Transposição

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado 19 de Dezembro de 2011 O IVA na receita fiscal +12,6% IVA Page 2/26 Artigos alterados 9.º - Isenções nas operações internas 16.º - Valor tributável nas operações internas

Leia mais

Lista I. Bens e Serviços Sujeitos a Taxa Reduzida

Lista I. Bens e Serviços Sujeitos a Taxa Reduzida Código do IVA 1. - Produtos alimentares Lista I Bens e Serviços Sujeitos a Taxa Reduzida 1.1.- Cereais e preparados à base de cereais: 1.1.1- Cereais. 1.1.2 - Arroz (em película, branqueado, polido, glaciado,

Leia mais

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante IVA 2013 Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias Janeiro - 2013 1 J. Gante Legislação Dir. 2008/08/CE Dir. 2010/45/UE DL 197/2012 DL 198/2012 ( 24 de Agosto ) Ofício 30.136/2012 Ofício

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança Lisboa, 16 de Abril de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação obrigatória da faturação Regime dos Bens de Circulação O paradigma em mudança 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

Parte I - A FATURAÇÃO

Parte I - A FATURAÇÃO Assuntos a tratar: o A Comunicação Obrigatória de Faturação o Regime dos Bens em Circulação Parte I - A FATURAÇÃO A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA FATURAÇÃO Criada pelo DL 198/2012 de 24 de Agosto em vigor

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 21 01 2013 Nota: Agradece-se

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação

A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação Lisboa, 04 de Junho de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto DL Nº 197/2012 - Transposição de Diretivas Comunitárias DL Nº 197/2012 - Transposição

Leia mais

Constata-se, no entanto, que aquele Ofício-Circulado contém uma imprecisão no que respeita ao alcance do n.º 18 aditado ao artigo 29.º do CIVA.

Constata-se, no entanto, que aquele Ofício-Circulado contém uma imprecisão no que respeita ao alcance do n.º 18 aditado ao artigo 29.º do CIVA. Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Proc.: L121 2011008254 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício N.º: 30132 2012-01-13 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004470 Sua Ref.ª: Técnico: Exmos. Senhores

Leia mais

Alguns aspetos do regime de IVA de caixa

Alguns aspetos do regime de IVA de caixa Alguns aspetos do regime de IVA de caixa O Decreto-Lei n.º 71/2013, de 30 de maio, aprovou o regime de IVA de caixa, concretizando assim a autorização legislativa constante do Orçamento do Estado para

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas.

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas. Classificação: 020.01.10 Seg.: P úbli ca Proc.:2012 004922 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício N.º: 30136 2012-11-19 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª: Técnico: Exmos.

Leia mais

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos 20-12-2012 NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos Conforme prometido, no dia 10 deste mês efetuamos uma sessão de esclarecimentos acerca do novo sistema de faturação que vai funcionar a partir

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho MANUAL DE PROCEDIMENTOS 01 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 ASPETOS A TER EM CONTA NA FATURAÇÃO VIA INFORMATICA Pedro Moreira Fiscalista

Leia mais

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço 1. Processo de pagamento de honorários no âmbito do acesso ao Direito e aos Tribunais 2. Facto gerador e exigibilidade do Imposto 3. Emissão de

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho MANUAL DE PROCEDIMENTOS 01 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 ASPETOS A TER EM CONTA NA FATURAÇÃO VIA INFORMATICA Pedro Moreira Fiscalista

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto)

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) 1 Novas regras de faturação (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) Este diploma introduz alterações às regras de faturação em matéria de imposto sobre o valor acrescentado, em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS Rendimentos profissionais Tributação em sede de IVA e de IRS Alterações em 2013 Novas regras de faturação Regime de contabilidade de caixa de iva (RCIVA) 2 Projeto fiscal das faturas Combate à informalidade

Leia mais

CIRCULAR 057 FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS

CIRCULAR 057 FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS CIRCULAR 057 Gestão Global de Empresas FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS Arrifana, 04 de Dezembro de 2012 Nos termos do Dec.Lei nº 197/2012 de 24 Agosto as seguintes alterações entram em vigor em 1 Janeiro

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Introdução O regime vigente até 31/12/2012 IRS IVA Alterações introduzidas pela Lei nº 66-B/2012 IVA Faturação e comunicação à AT ( Dec.Lei

Leia mais

FAQ'S - Perguntas frequentes

FAQ'S - Perguntas frequentes 1 de 5 SOBRE O E-FATURA FAQS CONTACTOS FAQ'S - Perguntas frequentes CLIENTE / CONSUMIDOR FINAL Em que consiste o novo regime de faturação eletrónica? O novo regime de faturação eletrónica consiste na obrigatoriedade

Leia mais

Impostos sobre Veículos

Impostos sobre Veículos Impostos sobre Veículos Além dos encargos com a sua aquisição, os proprietários de veículos motores, sejam pessoas singulares ou coletivas, têm obrigações fiscais a cumprir anualmente. A aquisição de veículos

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1.1. Caracterização Imposto sobre o consumo (embora sejam as empresas as entidades que têm de entregar o imposto ao Estado, quem o suporta é o consumidor final);

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para comunicação dos elementos das facturas)

Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para comunicação dos elementos das facturas) LEGISLAÇÃO DL Nº 197/2012, de 24 de agosto DL Nº 198/2012, de 24 de agosto Lei n.º 51/2013 de 24/7-OE/2013 (retificativo) Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

consideradas como efectuadas nas Regiões Autónomas.

consideradas como efectuadas nas Regiões Autónomas. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício n.º: 30118 2010-06-30 Processo: T120 2010329/4008 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004407 Sua Ref.ª: Técnico: Cód. Assunto:

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

Novo Regime de IVA de Caixa

Novo Regime de IVA de Caixa QA#005 / Junho.2014 Mónica Veloso * Área Jurídica da Unidade Empreendedorismo ANJE Novo Regime de IVA de Caixa Na Quinta edição da QuickAid Notas Informativas Jurídicas da Unidade de Empreendedorismo ANJE,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA Formador: Maria Mestra Carcavelos,3 de abril de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115

Leia mais

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão Exma. Senhora Dra. Ana Vieira CCP Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Por e-mail Ref.: CCP/027/2012 Assunto: Regras de facturação Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de Agosto. Exma. Senhora Dra.,

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DL 197/2012, de 24 de agosto MSP 2013 Estrutura da Apresentação DLs nº 197 e 198/2012: objetivos Novas regras de faturação: âmbito de aplicação territorial Espécies de faturas

Leia mais

Fonte: Prim avera BSS

Fonte: Prim avera BSS Fonte: Prim avera BSS V.2_15.05.2013 Comunicação de Documentos de Transporte Página 2 de 9 Introdução O Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de agosto de 2012 introduz a obrigação de comunicação de faturas e

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Novas regras de Facturação para 2013

Novas regras de Facturação para 2013 Novas regras de Facturação para 2013 Este documento pretende explicar de forma sucinta as Novas regras de Facturação e de Comunicação da Facturação, aprovadas pelos Decreto-Lei n.º 197/2012 e n.º 198/2012,

Leia mais

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação: Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, após a primeira alteração

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Exposição de motivos As micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO:

CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO: 1/9 CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO: Foram publicados no passado dia 24 de agosto de 2012, os Decretos-Lei n.ºs 197/2012 e 198/2012, que vieram introduzir, para 2013, substanciais

Leia mais

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Classificação: 000.01.09 Seg.: P ú b l i c a Proc.: 1 6 / 2 0 1 2 GABINETE DO SUBDIRETOR-GERAL DA INSPEÇÃO TRIBUTÁRIA FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR (Em vigor após 1 de

Leia mais

As obrigações fiscais das Associações de Pais

As obrigações fiscais das Associações de Pais XIII Encontro Regional de Associações de Pais VISEU As obrigações fiscais das Associações de Pais 1 Introdução Definição de Associação Associação é uma organização resultante da reunião legal entre duas

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS Só os Técnicos Oficiais de Contas estão habilitados técnica e legalmente a responsabilizarem-se pela sua contabilidade.

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

IVA. Localização das Operações. Territórios. Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N.

IVA. Localização das Operações. Territórios. Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N. IVA Localização das Operações IPCA Abril 2013 Localização das Operações Art.º 1.º n.º 1 Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N. Torna-se então necessário

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 19º; 20º; 21; 22; e 23º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 19º; 20º; 21; 22; e 23º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 19º; 20º; 21; 22; e 23º. Direito à dedução - Criação, desenvolvimento e gestão do Parque de Ciência e Tecnologia Processo: nº 3666, despacho do SDG dos

Leia mais

Regime de Iva de Caixa

Regime de Iva de Caixa Regime de Iva de Caixa XD Rest/Pos 2014 1 Alterações Fiscais O Decreto Lei nº71/2013, que aprovou o regime de contabilidade de caixa em sede do Imposto Sobre o Valor Acrescentado (regime de IVA de caixa)

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho www.pwc.pt/inforfisco Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho Índice DESPACHO NORMATIVO N.º 18-A/2010, DE 1 DE JULHO... 3 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 Índice CERTIFICAÇAO DOS PROGRAMAS DE FATURAÇAO... 3 DECRETO-LEI Nº 197/2012... 4 FATURAS... 5 PRAZO PARA EMISSÃO DAS FATURAS:... 5 ELEMENTOS E MENÇÕES EXIGÍVEIS NAS FATURAS...

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

Ao longo do nosso percurso

Ao longo do nosso percurso A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA P o r E l s a M a r v a n e j o d a C o s t a A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA possui algumas características que, muitas vezes, não são

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 9 Introdução A Portaria nº 363/2010, de

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2015 e anexos. IVA: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a

Leia mais

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações:

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações: Certificação de Programas Informáticos de Facturação Alterações: Lei nº 64 B/2011 de 30 de Dezembro (OE 2012) Portaria nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro Ofício circulado nº 50.000/2012 de 26 de Janeiro 1 O

Leia mais

Alterações ao IVA e IRS na Agricultura

Alterações ao IVA e IRS na Agricultura Alterações ao IVA e IRS na Agricultura Março de 2013 Cristina Pena Silva Paula Franco 1 Alterações ao IVA e IRS na Agricultura 2 IRS Enquadramento da Atividade Agrícola 3 Natureza jurídica das explorações

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

de Finanças as de Lisboa

de Finanças as de Lisboa Direção de Finanças as de Lisboa Pontos a abordar Objetivos visados com as alterações Situações enquadráveis no RBC Situações excepcionados do RBC Tipos de Documentos de Transporte (Formas de Emissão)

Leia mais